ADRIANA SILVEIRA PEREIRA DE MELO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO EM FARMÁCIA COM MANIPULAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM INSTITUIÇÃO PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADRIANA SILVEIRA PEREIRA DE MELO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO EM FARMÁCIA COM MANIPULAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM INSTITUIÇÃO PÚBLICA"

Transcrição

1 1 ADRIANA SILVEIRA PEREIRA DE MELO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO EM FARMÁCIA COM MANIPULAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM INSTITUIÇÃO PÚBLICA Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Sistemas de Gestão da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Sistemas de Gestão. Área de concentração: Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Orientador Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas, D.Sc. Niterói 2009

2 2 ADRIANA SILVEIRA PEREIRA DE MELO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO EM FARMÁCIA COM MANIPULAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM INSTITUIÇÃO PÚBLICA Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Sistemas de Gestão da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Sistemas de Gestão. Área de concentração: Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Aprovada em / / BANCA EXAMINADORA Prof. Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas, D.Sc Universidade Federal Fluminense Profa. Débora Omena Futuro Universidade Federal Fluminense Prof. Luiz Felipe Roris Rodríguez Scavarda do Carmo, D.Sc Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

3 Dedico este trabalho Ao meu pai, que sempre incentivou meus estudos e que infelizmente não está mais entre nós para presenciar mais uma etapa concluída.

4 4 AGRADECIMENTOS Ao meu marido e filhos que compreenderam os momentos de ausência. À minha mãe e irmãos que tanto colaboraram para a realização deste trabalho. Ao Professor Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas, meu orientador, pela paciência e oportunidade oferecida. À Farmácia Universitária da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal Fluminense, pela realização deste trabalho. Ao Professor Afonso Leitão, pela indicação ao mestrado. Ao diretor da Farmácia Universitária, Dr. Nilo Jorge Picolli, pelo apoio dado. Ao Professor Ronaldo Ferreira da Silva, pela assistência e orientação prestadas. Ao Professor Ivo Fernandes de Araújo, pela oportunidade oferecida. À minha amiga Jussara França, pela indicação à Farmácia Universitária. s minhas amigas Cláudia Costa Silva e Silvana Souza pelo auxílio prestado. Aos funcionários e amigos da Farmácia Universitária pela colaboração para execução deste trabalho.

5 Jesus chegou em casa, e os cegos se aproximaram dele. Então Jesus perguntou; Vocês acreditam que eu posso fazer isso? Eles responderam: Sim, Senhor. Então Jesus tocou os olhos deles, dizendo: Que aconteça conforme vocês acreditaram. E os olhos deles se abriram. MATEUS 9: 28-29

6 RESUMO O setor farmacêutico magistral vem ocupando cada vez mais uma fatia no mercado farmacêutico no Brasil. O medicamento manipulado tem importância significativa pela adequação da dose do fármaco a cada paciente. Poucos são os estudos sobre a gestão da produção em farmácias com manipulação. No presente trabalho estudou-se a gestão da cadeia produtiva em farmácia com manipulação com o objetivo de identificar o gargalo no processo de produção dos medicamentos. Inicialmente é apresentada uma teoria sobre o planejamento e controle da produção, abordando seus principais conceitos. Para o diagnóstico do sistema produtivo foi realizado um estudo de caso numa farmácia com manipulação em instituição pública, através de questionários com os responsáveis pelo planejamento da produção e entrevistas com empresas provedoras de softwares para gestão de farmácias. A partir dos resultados da pesquisa de campo e bibliográfica, verificou-se que os responsáveis pelo planejamento da produção e dos estoques não possuíam conhecimento técnico para a utilização de sistemas de PCP. Os softwares para gestão de farmácias também não oferecem ferramenta que auxilie o gestor na gestão da produção e administração dos estoques. Elaborou-se um modelo para administração dos estoques para produção de cápsulas baseado no ponto de ressuprimento, utilizando-se uma planilha onde foi registrada toda a produção do setor de cápsulas, as entradas dos insumos e a necessidade de reposição, possibilitando ao farmacêutico programar e efetivar a compra dos insumos. A autora propõe, então, algumas ações para melhorar o sistema de PCP em farmácia com manipulação. Palavras-chave: Planejamento e Controle da Produção. Efetividade na Produção. Farmácia com Manipulação.

7 ABSTRACT Dispensing pharmacies have become more and more an important share of the pharmaceutical market. Manipulated medicine has significant importance on the adaptation of the dose of the drug to each patient. There are few studies about the production management in dispensing pharmacies. In the present paper, the management of the productive chain in dispensing pharmacy was studied, in order to identify the bottleneck in the medicine production. Initially a theory about the production planning and control is presented covering its main concepts. For the diagnosis of the productive system a case study in a dispensing pharmacy of a public institution is carried out, through questionnaires to individuals responsible for the production planning, and interviews with pharmacy management software suppliers. From the field work and bibliographical results, it was verified that those responsible for the production planning and for the stocks have little experience with PPC systems and pharmacy management software does not offer any tool to help manage the production and the stocks. A model of capsule stock administration was developed, based on the replenishment point, using a spreadsheet to record the entire capsule sector production, as well as the inputs entries and the replacement needs, allowing pharmacists to plan and carry out inputs purchase. Finally, the author proposes some actions to improve the PPC system in dispensing pharmacies. Key words: Planning and Production Control. Dispensing Pharmacy.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Modelo de transformação Quadro 1 - Exemplos de sistemas de produção Quadro 2 - Técnicas de previsão de demanda Figura 2 - Modelo de ponto de ressuprimento Quadro 3 - Classificação ABC Quadro 4 - Classificação ABC X Sistema de Controle Figura 3 - Fluxograma da farmácia Figura 4 - Diagrama de causa-efeito Figura 5 - Fluxograma da produção de sólidos Figura 6 - Fluxograma da produção de semi-sólidos e líquidos... 60

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Itens do questionário sobre o PCP na farmácia Tabela 2 Aspectos analisados na entrevista com empresas provedoras de software Tabela 3 Comparação entre os sistemas de PCP existentes nos setores produtivos da FAU Tabela 4 Comparação da gestão dos estoques entre os setores produtivos da FAU Tabela 5 Comparação entre a programação da produção nos setores produtivos da FAU Tabela 6 Características gerais dos softwares pesquisados Tabela 7 Comparação da visão geral dos softwares Tabela 8 Comparação do planejamento da produção e previsão de demanda Tabela 9 Comparação dos softwares para a gestão dos estoques Tabela 10 Saída de matéria-prima ao longo dos meses de janeiro a outubro de Tabela 11 Determinação do ponto de ressuprimento Tabela 12 Relatório de entrega para o gestor... 78

10 LISTA DE SIGLAS ANFARMAG ANVISA BPM CNPJ CRF DOU FAU INCQS ISPhC MS PCP PGRSS RDC SINAMM SUS Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais Agência Nacional de Vigilância Sanitária Boas Práticas de Manipulação Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas Conselho Regional de Farmácia Diário Oficial da União Farmácia Universitária da Universidade Federal Fluminense Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz International Society of Pharmaceutical Compounding Ministério da Saúde Planejamento e Controle da Produção Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Resolução da Diretoria Colegiada Sistema Nacional de Aperfeiçoamento e Monitoramento Magistral Sistema Único de Saúde

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA A SITUAÇÃO PROBLEMA OBJETIVOS DA PESQUISA Objetivo Geral Objetivos Específicos AS HIPÓTESES E QUESTÕES DA PESQUISA A RELEVÂNCIA DA PESQUISA A ABRANGÊNCIA DA PESQUISA A ESTRUTURA DO TRABALHO REVISÃO DA LITERATURA: GESTÃO DO PCP GESTÃO DA PRODUÇÃO SISTEMAS PRODUTIVOS Classificação dos sistemas produtivos Tipos de produção PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP) Determinação da demanda Técnicas da previsão de demanda Ponto de ressuprimento Atividades do PCP Fatores que afetam o PCP ADMINISTRAÇÃO DOS ESTOQUES Definição de estoques Função dos estoques Tipos de estoques Custos dos estoques O Sistema ABC A gestão dos estoques Métodos de gestão de estoques FARMÁCIA COM MANIPULAÇÃO Definição de farmácia com manipulação Histórico da farmácia com manipulação Histórico das legislações...45

12 2.5.4 Legislação atual Formas Farmacêuticas Resíduos de saúde MÉTODO DE PESQUISA MÉTODOS DE PESQUISA UTILIZADOS NESTE ESTUDO INSTRUMENTO DE PESQUISA TRATAMENTO DE DADOS Tabulação dos dados do questionário em relação ao PCP na farmácia Tabulação dos dados obtidos com a entrevista ESTUDO DE CASO: FARMÁCIA COM MANIPULAÇÃO EM INSTITUIÇÃO FEDERAL DE ENSINO SUPERIOR DESCRIÇÃO DA FARMÁCIA FLUXO GERAL DOS MEDICAMENTOS MANIPULADOS NA FARMÁCIA DO ESTUDO DE CASO DIAGNÓSTICO PRINCIPAIS ETAPAS DOS PROCESSOS PRODUTIVOS Produção de sólidos Produção de semi-sólidos e líquidos CONTROLE DE ESTOQUE RESULTADOS E DISCUSSÃO Análise dos dados sobre a visão geral do PCP da FAU Análise dos dados sobre a gestão dos estoques Análise dos dados sobre a programação da produção Análise dos softwares para gestão da produção em farmácias com manipulação Análise dos aspectos gerais dos softwares pesquisados Análise dos dados sobre a visão geral dos softwares Análise dos dados dos softwares para planejamento da produção e previsão de demanda Análise dos dados dos softwares para a gestão dos estoques DIRETRIZES PROPOSTAS PARA GESTÃO DO ESTOQUE RESULTADOS OBTIDOS DIRETRIZES PROPOSTAS PARA MELHORAR O PCP DA FAU CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES PARA TRABALHOS FUTUROS...81 REFERÊNCIAS...83 GLOSSÁRIO...91 APÊNDICES...96

13 13 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA As farmácias com manipulação, também conhecidas como farmácias magistrais, são locais de grande atuação do profissional farmacêutico, resgatando a prática de preparar o medicamento de forma artesanal. A prescrição magistral amplia a relação entre o médico e o paciente, permitindo que o médico adapte o medicamento de acordo com a necessidade de seu cliente. Ao farmacêutico magistral cabe a responsabilidade por toda a análise da formulação, que corresponde ao conhecimento farmacotécnico, farmacológico, controle e garantia da qualidade (MIGUEL et al, 2002). A farmácia com manipulação pode habilitar-se a preparar vários tipos de medicamentos, atendendo a prescrições de medicamentos alopáticos, homeopáticos ou fitoterápicos. Os medicamentos alopáticos apresentam-se com maior freqüência na forma de cápsulas, soluções, suspensões, xaropes, cremes, pomadas, xampus, géis, loções cremosas, óvulos e supositórios. Já os homeopáticos possuem formas farmacêuticas específicas para estes medicamentos, apresentando-se como glóbulos, tabletes, pós e fórmulas líquidas. Atualmente as farmácias com manipulação dispõem-se a atender a prescrições de várias especialidades médicas, como dermatologia, cardiologia, reumatologia, ginecologia, dentre outras, havendo ainda a possibilidade de atender a preparações específicas de odontologia. Nesta condição uma farmácia com manipulação necessita dispor de uma grande variedade de matérias-primas e embalagens. A farmácia com manipulação está passando por muitas mudanças com a finalidade de produzir medicamentos com qualidade e atender às exigências das legislações (FERREIRA, 2008). De acordo com levantamento recente, há mais de 5 mil farmácias com manipulação no país e este número vem crescendo a cada ano (SILVEIRA, 2007). O principal desafio para a farmácia com manipulação está na conquista da credibilidade no mercado, que só será obtida através de melhorias contínuas em termos de qualidade, através de treinamentos contínuos, uso de recursos de informática para armazenagem de informações e registro de controle da produção e de todos os processos financeiros, pelo emprego de novas tecnologias e pela adequação de suas estruturas físicas e de trabalho visando o cumprimento das legislações sanitárias vigentes (FERREIRA, 2008).

14 14 Só é possível produzir medicamentos seguros, eficazes e estáveis em farmácias magistrais se a qualidade for percebida como estratégica para a sustentabilidade do setor. A implantação de um sistema de garantia da qualidade eficiente e amplamente disseminado nessas organizações pode resultar em melhorias significativas dos medicamentos produzidos (SILVA, 2007). 1.2 A SITUAÇÃO PROBLEMA O grande diferencial dos medicamentos produzidos numa farmácia com manipulação em relação aos medicamentos industrializados é a possibilidade de realizar-se adequação da dose dos fármacos à necessidade de cada paciente. Os médicos também podem prescrever diversas associações entre os fármacos numa mesma formulação, desde que estes fármacos não apresentem incompatibilidades entre si. Por esta razão a farmácia com manipulação necessita ter uma grande variabilidade de insumos farmacêuticos e de embalagens, para que se possa atender a todos esses pacientes. Insumos farmacêuticos são os fármacos ou matériaprima aditiva ou complementar, de qualquer natureza, destinadas ao emprego em medicamentos. Os insumos farmacêuticos ativos são as substâncias responsáveis pela atividade do medicamento. Os insumos farmacêuticos inertes são aqueles sem atividade farmacológica e são indispensáveis para a preparação de qualquer medicamento. Dentre as diversas diferenças existentes entre os medicamentos manipulados e os medicamentos industrializados, destaca-se o prazo de validade (CROSTA, 2000). Os produtos magistrais possuem prazo de validade menor. Esses medicamentos são manufaturados em pequena escala e compostos por várias matérias-primas, como acontece com os medicamentos industrializados. A diferença é que a indústria realiza testes de estabilidade, proporcionando ao medicamento industrializado um prazo de validade maior. As embalagens também apresentam diversas variáveis a fim de acondicionar as diferentes formas farmacêuticas. A preparação de vários medicamentos requer a produção de preparações farmacêuticas com uma fórmula definida, usadas como veículo/excipiente, compostas de uma ou mais matérias-primas. Esses veículos também são preparados na farmácia e utilizados na produção de cremes, loções, géis, suspensões, soluções e shampoos. Para cada um destes veículos existem vários insumos com prazos de validade diferentes.

15 15 De acordo com a legislação vigente (RDC Nº 67/2007), o prazo de validade do produto final deve estar relacionado ao período do tratamento. Em razão da variabilidade dos insumos farmacêuticos, as farmácias estocam inúmeros itens com diferentes prazos de validade. Numa farmácia com manipulação, o planejamento quantitativo para suprimento dos insumos adquiridos precisa estar relacionado ao prazo de validade dos mesmos, pois aquisições em quantidades inadequadas podem acarretar desperdícios e gastos desnecessários. Esse ajuste é estratégico, pois pode levar à perda da matéria-prima, gerando assim uma nova despesa, já que a legislação brasileira determina que todos os estabelecimentos que lidam com produtos farmacêuticos mantenham um programa de gerenciamento de resíduos, responsabilizando estes estabelecimentos pelo destino final dos insumos vencidos (BRASIL, 2004). A farmácia é responsável pela qualidade dos produtos que manipula, conserva, dispensa e transporta, sendo necessário o acompanhamento de todo o processo de manipulação (BRASIL, 2007). O farmacêutico é o profissional habilitado para exercer essa função. Na farmácia universitária da Universidade Federal Fluminense (FAU), estavam ocorrendo algumas interrupções na produção dos medicamentos, ocasionando atrasos nas entregas dos mesmos. Um diagnóstico realizado na FAU apontou a necessidade de melhorias na gestão do PCP (planejamento e controle da produção). A maioria das farmácias com manipulação existentes são empresas de pequeno porte, e um planejamento, controle da produção e administração dos estoques de insumos e embalagens ineficientes pode acarretar prejuízos aos proprietários, já que a farmácia é responsável pelo resíduo que gera. Por estas razões faz-se necessária a utilização de ferramentas de gestão para melhorar a eficácia da produção dos medicamentos produzidos em farmácia com manipulação. 1.3 OBJETIVOS DA PESQUISA Apresentam-se neste tópico os objetivos: geral e específico.

16 Objetivo Geral Apesar do número de farmácias com manipulação aumentar a cada ano (SILVEIRA, 2007), são escassos os estudos sobre planejamento e controle da produção em estabelecimentos deste tipo. A questão principal da pesquisa é diagnosticar qual etapa ou função do planejamento e controle da produção é o gargalo no processo de produção na farmácia com manipulação para que se evitem interrupções na produção dos medicamentos. No presente trabalho pretendeu-se estudar as principais técnicas e sistemas de PCP existentes, compreender o processo de produção em uma farmácia com manipulação e propor diretrizes de gestão com base na fundamentação teórica aplicável Objetivos Específicos Os objetivos específicos são delineados a seguir: 1. Estudar as causas e possíveis soluções para as interrupções na linha de produção em farmácia com manipulação. 2. Buscar práticas de excelência na gestão da produção de PCP em farmácias com manipulação. 3. Propor diretrizes de gestão de PCP com base na fundamentação teórica que seja aplicável a uma farmácia com manipulação. 1.4 AS HIPÓTESES E QUESTÕES DA PESQUISA Para responder à questão central da pesquisa e alcançar os objetivos propostos são formuladas duas hipóteses: 1. A farmácia com manipulação necessita de pessoal capacitado para gerenciar o PCP.

17 17 2. Os softwares comerciais existentes para gestão de farmácias não fornecem relatórios gerenciais para apoio a decisões inerentes ao PCP. Para conduzir à avaliação das hipóteses foram utilizadas as seguintes questões de pesquisa: Qual a origem ou causa das interrupções de produção na farmácia com manipulação estudada? Quais as funções tradicionais de PCP presentes em farmácias com manipulação? Quais os recursos tecnológicos e de gestão utilizados? Quais são as práticas de excelência utilizadas no mercado? Existem recursos computacionais no mercado disponíveis e eficazes para a gestão de PCP, particularmente dos estoques de insumos em farmácia com manipulação? 1.5 A RELEVÂNCIA DA PESQUISA O setor magistral emprega, segundo a Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais ANFARMAG (2007), cerca de farmacêuticos (quase três vezes mais que o setor industrial), em mais de 6000 estabelecimentos distribuídos em todo o país. O medicamento manipulado tem importância significativa para pacientes pediátricos e idosos, pois os mesmos na maioria das vezes não encontram o medicamento na dose adequada disponível no mercado. A quantidade de medicamento manipulado é ajustada ao tratamento, não havendo sobras, dificultando a automedicação, que muitas vezes é a causa principal de internações hospitalares por intoxicações medicamentosas (ANFARMAG, 2006). De acordo com Leal (2007), o medicamento manipulado apresenta várias vantagens em relação ao medicamento industrializado, dentre elas: produção de medicamentos que deixaram de ser produzido pela indústria farmacêutica, por razões econômicas; associação de fármacos, facilitando o tratamento de diversas enfermidades; individualização da prescrição; preparação de medicamentos sem conservantes, corantes, aromatizantes ou perfumes, beneficiando clientes alérgicos e o exercício na farmácia com manipulação da atenção farmacêutica, que é a interação direta do farmacêutico com o usuário, visando uma farmacoterapia racional e a obtenção de resultados definidos e mensuráveis, voltados para a melhoria da qualidade de vida.

18 18 O setor magistral tem sido criticado por diversos setores em razão da qualidade dos medicamentos manipulados. Um dos problemas apontados é a impossibilidade da análise do produto final e a associação de fármacos sem estudos de estabilidade (ANVISA, 2005). Tabchory (2005) analisou enxaguatórios bucais contendo fluoreto de sódio a 0,05% adquiridos em seis diferentes farmácias com manipulação na cidade de Piracicaba (SP). Somente em uma amostra analisada a concentração de fluoreto de sódio ficou com média de 0,01%. Os resultados obtidos sugerem a implementação de um controle de qualidade mais rigoroso nas farmácias com manipulação para garantir a qualidade dos enxaguatórios fluoretados manipulados. Estudos realizados por Markman (2006) compararam 12 amostras de cápsulas manipuladas contendo hormônios tireoidianos com 11 amostras de medicamentos industrializados contendo os mesmos ativos. Todas as cápsulas analisadas apresentaram desvios em relação ao teor, enquanto que no medicamento industrializado, todas se encontravam em conformidade. Os problemas apontados e outros que surgiram indicaram a necessidade de alterações na legislação que regia o setor (RDC 33/00), culminando na publicação da RDC 67/07, que impõe para as farmácias com manipulação um controle de qualidade mais rigoroso. Em 2006, a ANFARMAG inicia a implantação do SINAMM (Sistema Nacional de Aperfeiçoamento e Monitoramento Magistral), com o intuito de garantir a qualidade dos medicamentos aviados em todo o país. Com o início do SINAMM as farmácias com manipulação passariam a comprometer-se com o estabelecimento de um Sistema de Garantia da Qualidade, envolvendo o gerenciamento da produção e dispensação de medicamentos manipulados, assim como treinamento e monitoramento das equipes que realizam estas atividades (ANFARMAG, 2006). Não só os medicamentos manipulados apresentam desvios de qualidade, conforme comprova o trabalho realizado por Martin et al (2007). Os autores avaliaram a concentração de um gel de peróxido de carbamida a 16% utilizado no clareamento dos dentes. Devido ao alto custo dos produtos industrializados, alguns dentistas preferem os produtos manipulados. Os autores então compararam os produtos manipulados com o industrializado, visando checar se a concentração do produto preparado em farmácia com manipulação era o mesmo que no produto industrializado. Os resultados indicaram que tanto o produto manipulado quanto o industrializado apresentavam valores de concentração diferentes de 16%. Mas é possível produzir medicamentos manipulados com qualidade. Estudos realizados por Azevedo et al (2008) avaliaram o perfil de dissolução de cápsulas contendo

19 19 captopril produzidos em farmácias com manipulação. Foi verificada a qualidade das cápsulas em relação ao peso médio, desintegração, teor e uniformidade de conteúdo. Todas as cápsulas apresentaram resultados satisfatórios nos testes a que foram submetidas, demonstrando que a farmácia com manipulação pode produzir cápsulas com bom perfil de qualidade. Outro trabalho realizado por Balesteros et al (2007) desenvolveu um método para identificação e análise de cápsulas manipuladas contendo losartan associado a clortalidona ou hidroclorotiazida. O desenvolvimento e a otimização de metodologias analíticas capazes de realizar a identificação e análise desses compostos em formulações farmacêuticas são relevantes em virtude da importância da associação de um antihipertensivo a um diurético no tratamento da hipertensão. Todas as cápsulas analisadas obtiveram resultados satisfatórios. A farmácia magistral também está presente em outros países. No IV Congresso Internacional de Farmacêuticos Magistrais e Exposição de Equipamentos, Produtos e Serviços, realizado de 9 a 11 de outubro de 2008, onde a autora esteve presente, foram ministrados vários cursos internacionais onde os farmacêuticos brasileiros tomaram conhecimento da realidade da manipulação em outros países como Espanha, Portugal e Estados Unidos. Na Espanha, com a integração à União Européia, a nação se adapta as normas de qualidade vigentes nos países que a integram, mas não é possível aos farmacêuticos magistrais produzirem fórmulas com doses iguais às já comercializadas pela indústria. Em Portugal, o setor farmacêutico é integrado e não existem redes de farmácias. A legislação portuguesa está se adequando à União Européia. Nos Estados Unidos, segundo Loyd Allen, presidente da ISPhC (Internacional Society of Pharmaceutical Compounding), o mercado de manipulação cresceu no país com medicamentos para reposição hormonal, pediatria, veterinária e home care (tratamento domiciliar), comum em idosos. A prática da farmácia magistral é regulada pelos Conselhos Estaduais e muitos adotam as normas vigentes da USP (Farmacopéia Americana), mas no país não existe autorização para manipular medicamentos que estão comercialmente disponíveis. O presente trabalho apresenta uma proposta de modelos de gestão da produção no âmbito do processo de farmácia com manipulação e em instituição pública, contribuindo desta forma para o desenvolvimento nacional, visto que poderá servir como exemplo de aplicação de técnicas e métodos atuais para melhoria do desempenho em processos de produção em farmácias com manipulação.

20 A ABRANGÊNCIA DA PESQUISA Os processos produtivos na farmácia com manipulação são muitos variados, envolvendo a fabricação de cápsulas, géis, loções, cremes, xaropes, suspensões e preparações homeopáticas. Em virtude da escassez de publicações científicas sobre o segmento de farmácias com manipulação, esta pesquisa se limitou à análise do sistema de planejamento e controle da produção dos laboratórios de alopatia da farmácia com manipulação da Farmácia Universitária da Universidade Federal Fluminense. O problema a ser abordado nesta pesquisa é inerente a uma farmácia pública com manipulação que possui características próprias. De acordo com o capítulo 1 artigo 2º do regimento da Farmácia Universitária da Universidade Federal Fluminense (FAU), a FAU vincula-se à Faculdade de Farmácia, equiparando-se a Órgão Suplementar, na forma do Estatuto e Regimento Geral da Universidade Federal Fluminense, com gerência administrativa própria. Portanto, os estudos a serem realizados e suas conclusões são inerentes à organização pública. Pretendeu-se, no desenvolvimento da pesquisa e na elaboração do plano de ação para proposição de solução aos pontos de ineficiência detectada, levar em consideração que o ambiente onde funciona a farmácia é público. Os resultados são aplicáveis na instituição estudada. Entretanto, os gestores de outras farmácias poderão utilizar a metodologia empregada na busca de respostas à questão fundamental desta pesquisa, que é a melhoria da produção dos medicamentos produzidos em farmácias com manipulação. 1.7 A ESTRUTURA DO TRABALHO O presente trabalho está dividido em seis capítulos. No 1º capítulo é feita uma introdução e em seguida aborda-se o problema da pesquisa e seus objetivos. A seguir apresentam-se as justificativas, hipóteses e questões da pesquisa, relevância e abrangência. No capítulo 2, faz-se uma revisão da literatura e um estudo de diferentes autores sobre os conceitos de planejamento e controle de produção, sistema produtivo, atividades do PCP, administração dos estoques, tipos de estoques, classificação ABC e a gestão na farmácia.

21 21 No 3º capítulo descreve-se o método de pesquisa utilizado. No 4º capítulo apresenta-se o estudo de caso e a discussão dos resultados. No 5º capítulo, as diretrizes propostas para a gestão dos estoques e para melhorar o PCP da FAU. No 6º capítulo, a conclusão e próximas etapas de pesquisa. Glossário Apêndice

22 22 2 REVISÃO DA LITERATURA: GESTÃO DO PCP Neste capítulo faz-se uma revisão da literatura sobre o planejamento e controle de produção, gestão de estoques e fluxo produtivo em farmácia com manipulação. 2.1 GESTÃO DA PRODUÇÃO Produzir, segundo Slack et al (2002), é transformar inputs em outputs. De acordo com o autor, os inputs estão classificados em recursos a serem transformados e recursos de transformação. Os recursos a serem transformados relacionam-se a materiais, informações e consumidores, e os recursos de transformação a instalações e funcionários. Os outputs são os resultados dessas transformações, ou seja, bens e serviços produzidos, conforme a figura 1: Recursos Transformados input Ambiente Materiais Informações Consumidores INPUT PROCESSO DE TRANFORMAÇÃO OUTPUT Bens e serviços Instalações Pessoal Recursos de Transformação Input Ambiente Figura 1- Modelo de sistema de produção Fonte: SLACK (2002) p.36

23 23 Desta forma, podemos afirmar que em uma farmácia com manipulação, a produção é a transformação do fármaco ativo no medicamento que será utilizado pelo paciente. 2.2 SISTEMAS PRODUTIVOS De acordo com Tubino (2007), os sistemas produtivos têm por objetivo planejar a produção, seqüenciar as atividades, motivar e treinar mão-de-obra, administrar os estoques, manter padrões de qualidade. Os sistemas produtivos abrangem não só a produção de bens como também a de serviços. O Quadro 1 mostra alguns exemplos de sistemas produtivos. Tipo de Operação Produção de bens Sistemas Produtivos Manufaturas, construção civil, estaleiros, minerações, agropecuária Movimentação e armazenagem Entretenimento e Comunicação Aluguel, permuta e empréstimo Quadro 1 - Exemplos de sistemas de produção Fonte: Manual de Planejamento e controle da produção, Tubino (2007). Correio, hotelaria, transportadoras, aerolinhas, entrepostos Estações de TV e rádio, clubes, estúdios de cinema, telecomunicações, jornais Banco, operadora de leasing, seguradoras, locadoras de bens Classificação dos sistemas produtivos Slack et al. (2002) classifica os sistemas produtivos em dois tipos de processos: manufatura e serviços. Na manufatura os processos são subdivididos em: Processos de projeto, processos de jobbing, processos em lotes ou bateladas, processos de produção em massa e processos contínuos. Os processos de projetos têm baixo volume de produção e alta variedade e o tempo para conclusão do produto é longo. Exemplos: construção de navios, produção de filmes.

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

MODELO DE ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES PARA A PRODUÇÃO DE CÁPSULAS EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO BASEADO NO PONTO DE RESSUPRIMENTO

MODELO DE ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES PARA A PRODUÇÃO DE CÁPSULAS EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO BASEADO NO PONTO DE RESSUPRIMENTO 31 de Julho a 02 de Agosto de 2008 MODELO DE ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES PARA A PRODUÇÃO DE CÁPSULAS EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO BASEADO NO PONTO DE RESSUPRIMENTO Adriana Silveira Pereira de Melo (UFF) adrifarma2003@yahoo.com.br

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO 1. Objetivo Este Regulamento Técnico fixa os requisitos mínimos exigidos para o registro e

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Gestão de Projetos no segmento Logístico

Gestão de Projetos no segmento Logístico Gestão de Projetos no segmento Logístico Divulgação Colaborador no artigo Rui Carlos C. de Alencar Engenheiro Químico e Administrador pela U.F. PR, 39 anos de T.I. sendo os últimos 19 em Logística de Distribuição.

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Lucélia Costa Oliveira¹; Mário Luiz Viana Alvarenga² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção e bolsista do

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CLASSIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO

CLASSIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO CLASSIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO Wattson Perales UFRN / CT / DEPT - Campus Universitário Natal RN 59072-970 e-mail: wattson@ct.ufrn.br After a bibliographic review about the theme on the most used

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos

CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos 4.1 Arranjo físico GESTÃO DA PRODUÇÃO É a maneira segundo a qual se encontram dispostos fisicamente

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais