SISTEMA PARA TOMADA DE DECISÃO NA PROGAMAÇÃO DE PRODUÇÃO DE CELULAR E MODEM, UTILIZANDO LÓGICA FUZZY

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA PARA TOMADA DE DECISÃO NA PROGAMAÇÃO DE PRODUÇÃO DE CELULAR E MODEM, UTILIZANDO LÓGICA FUZZY"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA - ITEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA ELÉTRICA CARLOS AMÉRICO DE SOUZA SILVA SISTEMA PARA TOMADA DE DECISÃO NA PROGAMAÇÃO DE PRODUÇÃO DE CELULAR E MODEM, UTILIZANDO LÓGICA FUZZY DISSERTAÇÃO DE MESTRADO BELÉM - PA 2010

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA - ITEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMA PARA TOMADA DE DECISÃO NA PROGAMAÇÃO DE PRODUÇÃO DE CELULAR E MODEM, UTILIZANDO LÓGICA FUZZY Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará como requisito para obtenção do título de Mestre em Engenharia Elétrica com ênfase em Processos Industriais. CARLOS AMÉRICO DE SOUZA SILVA ORIENTADOR: PROF. DR. CARLOS TAVARES DA COSTA JUNIOR BELÉM - PA 2010

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA - ITEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA ELÉTRICA CARLOS AMÉRICO DE SOUZA SILVA TÍTULO: Sistema para tomada de decisão na programação de produção de Modem e Celular, utilizando lógica fuzzy DEFESA DO MESTRADO Esta Dissertação foi julgada e aprovada para a obtenção do título de Mestre em Engenharia Elétrica na Área de Concentração em Processos Industriais do Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu em Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Pará ITEC UFPA.

4 DEDICATÓRIA A Deus, pela certeza de que nunca estaremos sós. A Dilma de Souza Silva, minha mãe (em memória), exemplo de dedicação, perseverança e amor.

5 AGRADECIMENTOS A Universidade Federal do Pará - UFPA. O Instituto de Tecnologia e Educação Galileo da Amazônia ITEGAM. Aos Professores Dr. Carlos Tavares da Costa Junior e M.Sc. Jandecy Cabral Leite, pela condução e orientação com excelência durante o curso. Aos colegas e professores do curso. Ao meu pai Joaquim e irmãos Jean Carlo e Joaquim Junior, que me incentivam em todos os momentos da minha vida. A minha noiva Kellen Bicho Vieira e minha filha Adrya Nayara, pela compreensão e amor. A todos que, direta e indiretamente, contribuíram para realização deste trabalho.

6 Epígrafe: As oportunidades na vida sempre aparecem, vai de você esta preparado ou não Dilma de Souza Silva ( )

7 RESUMO SILVA, C. A. S. Sistema para tomada de decisão na programação de produção de celular e modem, utilizando lógica fuzzy. Dissertação de Mestrado. Instituto de Tecnologia Universidade Federal do Pará, Belém, p. O objetivo desse trabalho é apresentar um modelo utilizando a lógica fuzzy, que busca auxiliar o processo de tomada de decisão em relação a qual produto deve ter prioridade na programação da produção do processo industrial onde existem duas classes de produtos (Modem WCDMA e Telefone Celular). Com esse visase identificar particularidades e características dos processos produtivos criando um melhor seqüenciamento de produção, cujo plano mestre da produção será capaz de suprir a demanda de acordo com as oscilações do mercado. A finalidade principal do sistema proposto e auxiliar os profissionais da área de planejamento industrial a determinar os produtos que devem ser priorizados na linha de produção baseados nas características de fabricação, tais como: prazo de entrega, tempo de ciclo, processo de produção e margem de contribuição, criando um planejamento de produção mais adequado à realidade da organização, ou seja, otimizando os recursos existentes e aumentando os lucros. Palavras-chave: Lógica Fuzzy, Seqüenciamento, Planejamento e Controle da Produção.

8 ABSTRACT SILVA, C. A. S. System for decision making in production scheduling of the cellular and modem, using fuzzy logic. Masters degree Dissertation. Institute of Technology Federal University of Pará, Belém, p. The objective of this paper is to present a model using fuzzy logic, which seeks to assist the process of making decision as to which product should have priority in scheduling of the manufacturing process where there are two classes of products (WCDMA Modem and Mobile Phone). With this aims to identify particularity and characteristics of the productive processes creating a better sequencing of production, whose master plan of production will be able to meet demand according to market fluctuations. The main purpose of the proposed system and assist professionals in industrial planning to determine which products should be prioritized in the production line based on manufacturing characteristics, such as delivery time, cycle time, production process and margin contribution, creating a production program best suited to the reality of the organization, in others words, optimizing existing resources and increasing profits. Key Words: Fuzzy Logic. Sequencing. Production Planning and Control.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Organização básica de um sistema fuzzy 52 Figura 2 Operação padrão entre conjuntos fuzzy - União 55 Figura 3 Operação padrão entre conjuntos fuzzy - Interseção 56 Figura 4 Operação padrão entre conjuntos fuzzy - Complemento 57 Figura 5 Método de Mamdani com composição max - min 63 Figura 6 Representação da Saída do Método de Mamdani 63 Figura 7 Defuzzificador centro de gravidade CoA 65 Figura 8 Defuzzificador média dos máximos MoM 65 Figura 9 Prazo Entrega (PE) 67 Figura 10 Função de Pertinência Triangular 68 Figura 11 Função de Pertinência Trapezoidal 69 Figura 12 Tempo de Ciclo (TC) 70 Figura 13 Processo de Produção (PP) 71 Figura 14 Tempo de Ciclo (TC) Processo de Produção (PP) 72 Figura 15 Fabricação Virtual de Modem e Celular 73 Figura 16 Margem de Contribuição (MC) 73 Figura 17 Prioridade de Produção (PriorProd) 75 Figura 18 Saída do Modelo de Seqüenciamento com fuzzy 79

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Variáveis lingüísticas de entrada e saída 67 Tabela 2 Mapeamento de Processo de Modem 69 Tabela 3 Mapeamento de Processo de Celular 70 Tabela 4 Junção de Variáveis de Entrada 71 Tabela 5 Custo Modem 74 Tabela 6 Custo Celular 74 Tabela 7 Variáveis lingüísticas de entrada e saída final 76 Tabela 8 Resultado do Modelo Tomada de Decisão 78

11 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Tipos de programação 42 Quadro 2 Decisões no sistema do PPCP 43 Quadro 3 Regras de seqüenciamento em processos em lotes 46 Quadro 4 Regras de seqüenciamento com fuzzy 77

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ATO Assemble to Order CoA Centro de Área CoM Centro dos Máximos COFINS Contribuição para Financiamento da Seguridade Social EMS Electronic Manufacturing Service ERP Enterprise Resources Planning ETO Engineering to Order GEC Gerenciamento Estratégico de Custos ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços ICR Indice Critico IFA Indice de Falta IFO Indice de Folga IPI Indice de Prioridade JIT Just in Time KTS Kang-Takagi-Sugeno MC Margem de Contribuição MDE Menor Data de Entraga MoM Media dos Máximos MPS Master Production Schedule MRP Material Requirement Planning MRP-II Manufacturing Resources Planning MTS Make to Stock MTO Make to Order MTP Menor Tempo de Processamento OEM Original Equipament Manufactures OPT Optimized Production Technology PCP Planejamento e Controle da Produção PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção PE Prazo de Entrega PEPS Primeiro que Entra Primeira que Sai PIS Imposto sobre Produtos Industrializados PP Processo de Produção PriorProd Prioridade de produção TC Tempo de Ciclo TOC Theory of Constraints WCDMA Wide-Band Code Division Multiple Access

13 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS RESUMO ABSTRACT CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO 1.1 IDENTIFICAÇÃO E JUSTIFICATIVA DO TRABALHO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos DELIMITAÇÃO DA PESQUISA ESTRUTURA DA PESQUISA 19 CAPÍTULO 2: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 2.1 METODOLOGIA DA PESQUISA Caracterização da Pesquisa Métodos e Técnicas Aplicadas e Coleta de Dados NATUREZA DA PESQUISA DELINEAMENTO DA PESQUISA OERACIONALIZAÇÃO DA PESQUISA 25 CAPÍTULO 3: PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 3.1 ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - PCP 3.2 ATIVIDADES DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO 3.3 FILOSOFIAS E SISTEMAS DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO MRP, MRP II e ERP Just-in-time e Produção Enxuta OPT e Teoria das Restrições 3.4 ESTRUTURAS E ATIVIDADES DO PCP 3.5 DIFICULDADES INERENTES DO PCP 3.6 PLANO MESTRE DA PRODUÇÃO 3.7 PLANEJAMENTO,PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 3.8 SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO 3.9 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO

14 CAPÍTULO 4: SISTEMAS FUZZY 4.1 LÓGICA FUZZY 4.2 OPERAÇÃO COM CONJUNTOS FUZZY União Interseção Complemento Conectivos básicos da lógica fuzzy Operação t-norma Operação t-conorma 4.3 SISTEMAS FUZZY Fuzzificador Base de Regras Maquina de Inferência O Método de Mamdani O Método de Kang-Tagagi-Sugeno Deffuzificador Centro de Área CoA Médias dos Máximos MoM CAPÍTULO 5: DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE TOMADA DE DECISÃO E ESTUDO DE CASO 5.1 MODELAGEM DO SISTEMA Variável de Entrada Prazo de Entrega Variável de Entrada Tempo de Ciclo Variável de Entrada Processo de Produção Variável de Entrada Margem de Contribuição Variável de Saída Prioridade de Produção BASE DE REGRAS ANALISE DE RESULTADOS 77 CAPÍTULO 6: CONSIDERAÇÕES FINAIS 6.1 CONCLUSÕES PROPOSTAS DE TRABALHOS FUTUROS 81 REFERÊNCIAS 82

15 CAPITULO 1 INTRODUÇÃO No atual mundo competitivo, o profissional da área de planejamento de produção acaba lidando constantemente com muitas variáveis conflitantes, tais como: o cumprimento de prazos; atendimento de clientes preferências; manutenção dos estoques baixos, tendo que gerenciar a sazonalidade freqüente de clientes, fornecedores e outros agentes da cadeia produtiva. Desta forma, definir o programa mestre de produção se torna uma tarefa estratégica, pois o planejador tem que considerar todas as variáveis que influenciam no processo de produção e entrega ao cliente. Baseado neste ambiente dinâmico propõe-se o desenvolvimento de um modelo utilizando a lógica fuzzy, com intuito de criar uma nova abordagem no seqüenciamento da produção na fabrica de Modem WCDMA e Telefone Celular. Ou seja, usar um critério que está relacionado à margem de contribuição de cada produto desta organização, mudando o foco dos seqüenciamentos existentes. Seja a abordagem do carregamento finita ou infinita, quando o trabalho chega, decisões devem ser tomadas sobre a ordem em que as tarefas serão executadas. Essa atividade é denominada seqüenciamento (SLACK et al., 2009). Teoria de conjuntos fuzzy tem sido estudada extensivamente nos últimos 30 anos e tem sido empregada com sucesso para exprimir conhecimento impreciso e resolver problemas em muitas áreas onde a modelagem convencional é difícil, ineficiente ou onerosa. A possibilidade de descrição lingüística do modelo, ao invés da utilização das equações diferenciais, possibilita o aproveitamento do conhecimento heurístico dos operadores e facilita o desenvolvimento de soluções. A diferença entre a lógica clássica e a fuzzy, é que esta última ajuda a modelar a maneira imprecisa de raciocinar, que é uma característica intrínseca do

16 16 processo de tomada de decisão humana. Podemos dizer que é um sistema lógico que ajuda a formalizar o raciocínio aproximado, ou seja, um método para reproduzir a capacidade humana de lidar com raciocínio impreciso (ZADEH, 1988). Desta maneira, pode dizer que o raciocínio fuzzy, também conhecido como raciocínio aproximado, corresponde a um processo de inferência que deriva conclusões a partir de um conjunto de regras e de fatos conhecidos. Estas regras constituem a linguagem de representação de conhecimento do sistema fuzzy e são usadas para descrever a interdependência entre as variáveis de entrada e de saída do modelo. As expressões muito, pouco, pequeno, grande, freqüentemente, às vezes e raramente, trazem imprecisão nas informações sobre determinada situação. O ser humano consegue lidar com estas situações, pois ele utiliza as experiências vividas no cotidiano, do senso comum e da intuição. Já para os sistemas computacionais é complicado resolver problemas com níveis de complexidade elevados, pois são mais expostos a falhas (SANTOS, 2003). 1.1 IDENTIFICAÇÃO E JUSTIFICATIVA DO TRABALHO A importância desta pesquisa se justifica pela introdução de um conceito atual na Manufatura, utilizando recursos tecnológicos para ajudar os gestores na tomada de decisões de uma empresa do Pólo Industrial de Manaus, qual tem como o foco produtos eletro-eletrônicos, que são caracterizados pelo seu alto valor agregado, curto ciclo de vida e demanda volátil. Portanto, a fim de melhorar o processo de fabricação, se faz necessário criar um ambiente para melhorar o seqüenciamento, controlando melhor o processo produtivo e avaliar as possibilidades de melhorias. Com o melhor seqüenciamento definido é possível prever as necessidades de recursos para os aumentos de demanda.

17 17 Outra motivação é a busca do melhor ambiente de produção, ou seja, conseguir os melhores resultados com os equipamentos/recursos existentes. Neste trabalho considerou-se que a empresa pesquisada é do tipo de manufatura contratada EMS (Electronic Manufacturing Service), na qual sofre a pressão constante da empresa detentora da marca OEM (Original Equipment Manufactures) por aumento de produtividade, redução de custo e redução de índice de defeito em processos. As OEM`s encontraram na terceirização dos serviços de manufatura uma forma de ampliar seus mercados, focalizando seu trabalho no marketing e desenvolvimento de produtos (HUNT e JONES, 1988). Segundo Zysman (2002), o fato das empresas OEM, cada vez mais, ampliar a sua atuação através da contratação de EMS instaladas em mercados anteriormente não atendidos pelos seus produtos se deve ao grande crescimento do mercado de produtos eletrônicos. A empresa EMS onde a pesquisa foi desenvolvida é do setor de eletroeletrônicos, que possui uma unidade em Manaus e um escritório em São Paulo. Atualmente ela emprega aproximadamente 200 pessoas. Seus principais produtos são: Modem WCDMA de acesso a internet e Telefones Celulares. A empresa possui uma parceria com uma grande multinacional chinesa, da qual recebe tecnologia. Segundo Tubino (2007), as empresas geralmente são estudadas como um sistema que transforma, via um processamento, entradas (insumos) em saídas (produtos) úteis aos clientes. Este sistema é chamado de sistema produtivo. A importância do tema surgiu com o decorrer do delineamento do problema estudado devido à deficiência do atual gerenciamento da linha de produção. O gerenciamento causa perda da capacidade produtiva por tempo total de preparação, ruptura de estoque de matéria prima, demora no abastecimento da matéria prima e do não atendimento da demanda dos pedidos. O impacto destes problemas pode ser justificado por alguns motivos listados a seguir:

18 18 Tempo de preparação: o seqüenciamento dos produtos de forma não sistematizada leva a um aumento do tempo total de preparação. Este problema pode ser resolvido pela formulação de uma programação matemática que trata de forma estruturada a definição da seqüência dos produtos de tal maneira a minimizar o tempo total de preparação e ainda gerar uma previsibilidade dos insumos a serem abastecidos, resultando em uma maior organização da linha de produção ate mesmo um menor tempo total de preparação; Integração entre os níveis de decisão táticos e operacionais: a reduzida comunicação entre esses dois níveis acarreta na geração de saídas que otimizadas no nível tático causam entradas inviáveis no nível operacional. Este trabalho visa organizar e trazer uma maior previsibilidade à linha de produção, a partir da preposição de um modelo de seqüenciamento que alinha as necessidades táticas e operacionais. Desenvolve-se um modelo que atende às necessidades básicas da empresa, alem de enquadrar diversos segmentos das teorias de seqüenciamento da produção e de dimensionamento de lote. Baseado nesta realidade foi definido o problema de pesquisa: De que forma a lógica fuzzy pode ser utilizada como uma ferramenta de apoio na tomada de decisão na programação de produção de modem e celular? 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo geral deste estudo é apresentar e propor uma metodologia, baseado em lógica fuzzy, para tomada de decisão no planejamento da produção de celular e modem, assim é possível criar um melhor seqüenciamento da produção, usando como premissas o produto com a maior margem de contribuição de uma Empresa do Pólo Industrial de Manaus.

19 Objetivos Específicos Identificar as características específicas do planejamento de produção que influenciam no seqüenciamento operacional do modem e celular. Aplicar conceitos de lógica fuzzy para modelar o conhecimento do especialista em planejamento de produção de modem e celular. 1.3 DELINEAMENTO DA PESQUISA A manufatura de Celulares e Modems possui varias fases a serem avaliadas, pois envolvem muitos processos de fabricação e demandam outras variáveis que afetam no processo produtivo em geral. Esta pesquisa busca uma solução prática para o sistema de seqüenciamento de manufatura na Área de Produto Acabado, usando um classificador fuzzy para tomada de decisão na área de Planejamento e Controle da Produção. Visto ser um ambiente dinâmico, vamos avaliar no ambiente real de manufatura a busca do melhor resultado com os recursos existentes. 1.4 ESTRUTURA DA PESQUISA No Capítulo I apresentam-se os objetivos, justificativa, o limite do estudo e a estrutura do trabalho. No Capítulo II apresenta-se o referencial metodológico que guiará o desenvolvimento do estudo. No Capítulo III apresenta-se o referencial teórico contendo conceitos, teorias e modelos relacionados com a programação e controle da produção, seqüenciamento e margem de contribuição.

20 20 No Capítulo IV apresenta-se o referencial teórico contendo conceitos, teorias e modelos relacionados com a lógica fuzzy. No Capítulo V apresenta-se o estudo de caso desenvolvimento baseado em dados reais da organização pesquisada. No Capítulo VI apresentam-se as considerações finais, propostas para trabalhos futuros e finalmente são apresentadas as referências.

21 CAPITULO 2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Esta seção apresentará os procedimentos metodológicos adotados na presente pesquisa, que teve por objetivo central criar um novo método no seqüenciamento de produção utilizando à lógica fuzzy. 2.1 METODOLOGIA DA PESQUISA Caracterização da Pesquisa No que se refere à pesquisa científica, Yin (2005) afirma existirem as abordagens de experimento, levantamento, analise de arquivos, pesquisa histórica e participante ou estudo de caso, como instrumento para a condução da mesma. A estratégia da pesquisa dependerá do tipo da questão da pesquisa; do grau de controle que o investigador tem sobre os eventos investigados; do foco temporal, onde comportamentos contemporâneos são comparados a acontecimentos históricos. De acordo com Gil (2002), para se atingir os objetivos pretendidos com a investigação são necessários alguns passos: formulação do problema; definição das hipóteses; definição do tipo da pesquisa; coleta de dados; analise dos restados; revisão final e redação Métodos e Técnicas Aplicadas e Coleta de Dados A pesquisa esta classificada quantos aos fins e quanto aos meios. Quanto aos fins, a pesquisa será descritiva, qualitativa, exploratória e quantitativa. Quanto aos meios a pesquisa será bibliográfica, documental e estudo de caso. Deste modo, a metodologia de pesquisa descritiva visa descrever a o Planejamento e Controle da Produção, Seqüenciamento, Margem de Contribuição e lógica fuzzy, será qualitativa e por buscar evidências do assunto apresentado

22 22 através de um estudo de caso real; exploratória por buscar aprofundamento de conhecimento no que se refere ao tema de lógica fuzzy e seqüenciamento da produção e seus métodos de solução é quantitativa, por se pautar no sistema computacional para obtenção de respostas às questões da pesquisa. Bibliográfica, porque será fundamentada em pesquisas em livros, trabalhos publicados sobre a Planejamento e Controle da Produção e Lógica fuzzy Estratégico como ferramenta imprescindível na busca de respostas às perguntas do estudo. Sob a ótica do estudo proposto, tendo em vista tema, hipóteses e objetivos. Documental, porque iremos coletar informações sobre a margem de contribuição junto à área financeira da organização. Estudo de Caso, pois a pesquisa se dedica a estudar a situação de uma empresa EMS no Pólo Industrial de Manaus na linha de produção de Modems e Celulares, com ênfase na de planejamento da produção. 2.2 NATUREZA DA PESQUISA Richardson et al. (1989), apontam que de um modo geral, se pode classificar a pesquisa em dois grandes métodos; o quantitativo e o qualitativo. A principal diferença destes métodos radica na forma de abordar o problema de pesquisa, dizem eles. A escolha do método precisa ser apropriada ao tipo de estudo que se deseja realizar, onde a natureza do problema e o nível de aprofundamento desejado são fatores determinantes na escolha do método. Algumas características gerais das pesquisas qualitativas: Pesquisa qualitativa é indutiva. Pesquisadores desenvolvem conceitos, inferências e identificam padrões nos dados. Visão holística. Pessoas, ambientes, ou grupos não são reduzidos a variáveis, mas são vistos como um todo. A pesquisa qualitativa coleta seus dados no ambiente natural. Merriam (1998), considera que a preocupação básica é entender o

23 23 fenômeno sobre a perspectiva dos participantes, onde o pesquisador é o instrumento primário para a coleta e análise dos dados. Os dados utilizados são na sua maioria de natureza descritiva. A pesquisa qualitativa focaliza seu interesse em processos, significados e conhecimentos. Assim, seus resultados são eminentemente descritivos (MERRIAM, 1998). Os pesquisadores qualitativos preocupam-se muito com o processo e não apenas com os resultados e o produto. O significado que as pessoas dão às coisas e a suas vivências é uma questão fundamental na abordagem qualitativa. Nesse sentido Merriam (1998), considera que os pesquisadores que utilizam métodos qualitativos, deveriam possuir três características importantes: Enorme tolerância para a ambigüidade. Através do processo de pesquisa, desde determinar o estudo, coleta e análise de dados, não existe um conjunto de procedimentos que possam ser seguidos passo a passo. O pesquisador deverá ser hábil para reconhecer o melhor caminho a seguir, o qual nem sempre é óbvio. Primeiro tudo é importante, tudo é suspeito, toma tempo e paciência identificar, coletar, ordenar e interpretar as peças desse quebra- cabeças. Sensibilidade. O pesquisador deverá ser altamente intuitivo, sensível para a informação que está sendo colhida, de outro lado deverá estar atento a qualquer preconceito pessoal que poderia influenciar na investigação. Comunicador. Um bom pesquisador deverá desenvolver empatia com os entrevistados, realizar perguntas apropriadas, ouvir atentamente. Deverá também possuir habilidade para escrever, a pesquisa qualitativa é essencialmente descritiva. Pesquisadores consideram que, de um modo geral, as investigações que utilizam a abordagem qualitativa são as que têm por objeto de estudo situações complexas ou estritamente particulares. Compreender processos dinâmicos vividos por grupos sociais é uma das possibilidades de estudo consideradas pelo referido autor. De outro lado Merriam (1998), considera que a pesquisa qualitativa é um conceito guarda chuva, cobrindo diversas formas de investigação que nos ajudam a compreender e descrever o significado dos fenômenos sociais com a menor distorção possível do ambiente natural onde acontecem. Considera-se que

24 24 a natureza do estudo proposto se enquadra dentro das características consideradas pelos autores citados acima. Assim, o conjunto do estudo proposto deverá seguir uma orientação global de pesquisa qualitativa. 2.3 DELINEAMENTO DA PESQUISA Delineamento da pesquisa refere-se ao planejamento da pesquisa em sua dimensão mais ampla, de acordo com Gil, (2002). O delineamento da pesquisa nos indica como os dados serão coletados, analisados e interpretados. Através dele são estabelecidos os relacionamentos entre às questões iniciais de pesquisa, os dados coletados e as respectivas conclusões finais do estudo (YIN, 2005). Gil (2002) considera que cada pesquisa possui um delineamento próprio, determinado pelo objeto de estudo, pela dificuldade na obtenção de dados, pelo nível de precisão exigido, pelas limitações próprias do pesquisador. O presente estudo pretende utilizar como técnica de pesquisa o estudo de caso simples, tendo como unidade de análise uma única organização. A seguir são abordadas algumas considerações relevantes referidas ao estudo de caso. Yin (2005) conceitua o estudo de caso como uma investigação empírica que estuda um fenômeno contemporâneo dentro do contexto da vida real, especialmente quando as fronteiras entre o fenômeno e o contexto não são evidentes. Merriam (1998) define o estudo de caso como uma intensiva descrição holística e análise de um fenômeno ou unidade social. O estudo de caso é uma técnica de pesquisa particularmente apropriada quando se deseja estudar situações complexas nas quais resulta praticamente impossível separar as variáveis do fenômeno do seu contexto (YIN, 2005). O estudo de caso resulta conveniente quando a pesquisa tem interesse na evolução do processo do fenômeno em estudo (MERRIAM, 1998).

25 25 Merriam (1998) considera que de um modo geral, os estudos de caso podem ser classificados como descritivos, interpretativos e avaliativos: 1. Estudos de caso descritivos. São estudos que apresentam uma detalhada descrição do fenômeno sob estudo, não são guiados por questões estabelecidas ou generalizações, nem motivadas pelo desejo de estabelecer hipóteses amplas. 2. Estudos de caso interpretativos ou analíticos. São estudos que ademais de contemplar uma ampla descrição do fenômeno, utilizam de uma análise indutiva, para desenvolver categorias conceituais ou desenvolver explicações de questões formuladas antes da coleta de dados. 3. Estudos de caso avaliativos. São estudos que contemplam as características das duas anteriores (descritivo e interpretativo), adicionando uma etapa final de julgamento dos resultados. Assim, a presente pesquisa adotará uma orientação global de pesquisa qualitativa, porém, de natureza descritiva, configurada como um estudo de caso interpretativo simples. 2.4 A OPERACIONALIZAÇÃO DA PESQUISA O interesse no assunto se deu a partir das dificuldades dos profissionais de planejamento de produção tinham no momento da decisão de priorização dos produtos a serem produzidos na empresa estudada, realizou-se uma pesquisa bibliográfica, referente a publicações de assuntos correlacionados com o tema proposto. Analisou-se a possibilidade da existência de algum trabalho semelhante sobre o tema. À medida que os dados foram sendo coletado, o pesquisador procurou identificar temas e relações, construindo interpretações e gerando novas questões e/ou aperfeiçoamento as anteriores, o que, por sua vez, o levaram a buscar novos dados, complementares ou mais específicos, que testassem suas interpretações, num processo de sintonia fina que foi até a análise final. Isto levou a integração entre os departamentos de engenharia de processo, planejamento de produção e contabilidade, desta forma foi criados as variáveis lingüísticas de forma que o sistema ficasse de acordo com a realidade dos especialistas.

26 26 A partir desse momento, a dedicação do pesquisador se concentrou nas análises do referencial teórico, dando base acadêmica ao estudo e na criação do modelo utilizando a lógica fuzzy como uma peça chave no processo de decisão dos especialistas. As atividades demonstraram a flexibilidade e a importância da pesquisa para o desenvolvimento de estudos dentro da área de planejamento de produção usando novas técnicas para o auxilio dos gestores na tomada de decisão.

27 CAPITULO 3 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Neste capítulo são tratadas as questões relacionadas com o Planejamento e Controle da Produção (PCP), seqüenciamento e margem de contribuição. Desta forma, delineia-se o arcabouço conceitual da dissertação, organizado de maneira que os conceitos subjacentes sejam descritos na medida em que se avança na apresentação dos fundamentos teóricos necessários para compreender, explicar e dar significado ao fenômeno estudado. 3.1 ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO PCP Na literatura é possível encontrar o uso indistinto dos termos Administração da Produção, Gestão da Produção e, em alguns casos, do termo PCP, assim como os termos Produção e Manufatura. Ressalto o fato de que isso ocorre muitas vezes devido à tradução de maneira diferente de textos na língua inglesa, esta distinção no uso deles é justificada também por estarem associados a atividades e fins comuns. Os sistemas produtivos são compostos por recursos e estes devem ser direcionados ao atendimento de objetivos pré-estabelecidos. O atendimento dos objetivos é facilitado pela formulação de planos que organizem os recursos disponíveis. Deve-se buscar organizar recursos humanos e físicos necessários, dirigir a ação dos recursos humanos sobre os recursos físicos e controlar esta ação para a correção de eventuais desvios. Para obter este controle e planejamento de forma mais adequada deve-se existir ferramentas de suporte aos tomadores de decisão do PCP. O PCP é um elemento central na estrutura administrativa de um sistema de manufatura, passando a ser um elemento decisivo para a integração da

28 28 manufatura. Em Russomano (2000) determina o PCP como um elemento decisivo na estratégia das empresas para atender a necessidade dos consumidores com qualidade e confiabilidade. Conforme Slack et al. (2009), a administração da produção trata da maneira pela qual as organizações produzem bens e serviços. Segundo esses autores, qualquer operação produz bens e serviços, ou um misto dos dois, e faz isso por um processo de transformação, entendendo-se por transformação o uso de recursos para mudar o estado ou condição de algo de modo a gerar bens ou serviços a ser consumido. Gaither e Frazier (2005) usam o termo administração da produção e operações ao tratarem do assunto e defendem com a administração do sistema de produção de uma organização, o qual transforma insumos nos produtos e serviços da mesma. Nessa perspectiva, os autores caracterizam sistema de produção como sendo composto por um conjunto de entradas (informações e recursos), em subsistema de transformação e pelas saídas resultantes (produtos/serviços e demais resultados tangíveis e intangíveis). Junqueira (2003) observa que a elevação da função produção a um papel estratégico nas organizações teve como subsidio o enorme crescimento econômico japonês nas décadas de 60 a 80, crescimento este baseado na melhoria continua da manufatura e adaptação a um estilo de manufatura de menores lotes focados na customização através da máxima diversificação. As mudanças ocorridas nas tecnologias de manufatura, assim como o advento de novas tecnologias tanto de chão de fabrica, quanto administrativas, representam também um incremento significativo nas mudanças ocorridas na administração da produção. A incorporação de novas tecnologias de microeletrônicas e de informação nas tecnologias de processo possibilitou a configuração de um novo paradigma de produção em detrimento do paradigma da produção em massa outrora estabelecido. A produção em massa esta baseada em grandes lotes de fabricação e pouca variedade de produtos.

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA

AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA Automação e mão de obra Patrícia Lins de Paula 16/04/2012 62 AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA 2. Automação e mão de obra 2.1 Setores e operações de produção 2.2 Instalações

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Definição da Necessidade de Produtos Finais

Definição da Necessidade de Produtos Finais OS SISTEMAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UTILIZADOS COMO VANTAGEM ESTRATÉGICA Lucia Helena de Oliveira 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 2, Antonio Pascoal

Leia mais

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Helio Galvão Ciffoni, Ramon Hoshino & Walid Nicolas Assad Malisoft

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Henrique Holowka 1 (EPA, DEP/FECILCAM) henrique_engprod@yahoo.com Isabela Korczovei Lemes 2 (EPA, DEP/FECILCAM) kl.isabela@hotmail.com

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Eduardo Dias Ferreira Belo Horizonte Agosto 2006 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivo... 4 1.1.1 Objetivo Geral... 4 1.1.2

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Pós-Graduação Fórum Lean Vale do Paraíba A contribuição do Lean-TOC-VMI para a gestão eficaz da cadeia de suprimentos Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann CIS-ERP / Grupo Everel 16maio2009 artur.moellmann@terra.com.br

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO 01 Alexandre Crepaldi 02 Celso Tomazini 03 Francine Lemes 04 Márcio Bernardo 05 Tábata Cristina 06 Tiago Tezzotto 07 Tied Humberto 1 O QUE É PCP? Plano de Controle de

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Maico Jeferson de Oliveira (UTFPR) maico@agraria.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

- Especificações; - Notas de entrega de produção; - Pedidos de Compra.

- Especificações; - Notas de entrega de produção; - Pedidos de Compra. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. CAPÍTULO 6 Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP) é uma função técnica e administrativa que tem por objetivo fazer os planos que orientarão

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

A implantação de Lean Manufacturing implica em que TODA a empresa seja Lean, uma Lean Enterprise.

A implantação de Lean Manufacturing implica em que TODA a empresa seja Lean, uma Lean Enterprise. Lean Manufacturing A implantação do conceito de Lean Manufacturing em uma Empresa abrange todas as suas atividades operacionais, não se restringindo apenas à área Operacional. O sucesso da implantação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso José Henrique de Andrade (EESC-USP) jandrade@sc.usp.br José Renato Munhoz (UFSCAR) renato.munhoz@citrovita.com.br

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO.

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. 1 A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. Aline Carla Herrero Alves Elizabete Alves dos Santos Francisco Cesar Vendrame Jovira Maria Sarraceni Máris

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura O conceito de CIM e a integração de processos Prof. Breno Barros Telles do Carmo Evolução da Manufatura Integração.A evolução da manufatura segundo reportado em Russell e Taylor III (1995) se deu em quatro

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR Marcos Aurélio Zoldan (CEFETPR) mazo@pg.cefetpr.br Drª Magda Lauri Gomes Leite (CEFETPR) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Logística Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Logística. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

O que se espera de um sistema de administração da produção?

O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? Segundo Corrêa (2001), independente da lógica que utilize, os sistemas da administração

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Planejamento Agregado Planejamento Agregado.

Planejamento Agregado Planejamento Agregado. ADM II é o processo de balanceamento da produção com a demanda. Visa compatibilizar os recursos produtivos da empresa com a demanda. Normalmente é projetado para horizontes de tempo de 6 a 12 meses. Planejamento

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

MAPEAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS MRP S NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTES DO SETOR METAL-MECÂNICO DO VALE DO ITAJAÍ/SC

MAPEAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS MRP S NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTES DO SETOR METAL-MECÂNICO DO VALE DO ITAJAÍ/SC ISSN 1984-9354 MAPEAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS MRP S NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTES DO SETOR METAL-MECÂNICO DO VALE DO ITAJAÍ/SC André Luís Almeida Bastos (FURB/UFSC/UNIFEBE) Henriette Damm

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ENTERPRISE RESOURCE PLANNING APPLIED IN THE MANUFACTURING PLANNING AND CONTROL José Eduardo Freire 1 Ruchele Marchiori Coan

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

Atualizado em: 10/08/2010

Atualizado em: 10/08/2010 Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves Autorizada pela Portaria nº 3.895-MEC DOU 26.11.2004 PLANO DE DISCIPLINA 1. Dados do curso/disciplina Curso: Administração Semestre: 2010.2 Disciplina: Administração

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Clóvis Luís Padoveze (UNIMEP) cpadoveze@romi.com.br Resumo A característica gerencial da informação contábil determina que o sistema de informação

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

PROPOSTA PARA DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE DEMANDA

PROPOSTA PARA DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE DEMANDA PROPOSTA PARA DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE DEMANDA Luís Henrique Rodrigues UNISINOS São Leopoldo RS José Antônio Valle Antunes Jr UNISINOS São Leopoldo RS Ivan De

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Identificação dos problemas relacionados ao planejamento e controle da produção em uma empresa de fundição que opera no sistema make to order.

Identificação dos problemas relacionados ao planejamento e controle da produção em uma empresa de fundição que opera no sistema make to order. Identificação dos problemas relacionados ao planejamento e controle da produção em uma empresa de fundição que opera no sistema make to order. Alexandre de Castro Moura Duarte Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEIVID MARQUES NUNES (UNIMINAS) deivid_ep@hotmail.com

Leia mais