MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA E N S I N O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA E N S I N O"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA RONÁUTICA E N S I N O MCA PLANO DE UNIDADES DIDÁTICAS DA INSTRUÇÃO TÉCNICO-ESPECIALIZADA DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS ESPECIALISTAS EM AVIÕES (PUD CFOE AV) 2010

2

3 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA RONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA RONÁUTICA E N S I N O MCA PLANO DE UNIDADES DIDÁTICAS DA INSTRUÇÃO TÉCNICO-ESPECIALIZADA DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS ESPECIALISTAS EM AVIÕES (PUD CFOE AV) 2010

4

5 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA RONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA RONÁUTICA PORTARIA CIAAR Nº 24-T/SDCC, DE 16 DE DEZEMBRO DE Aprova a reedição do Manual que trata do Plano de Unidades Didáticas da Instrução Técnico-Especializada do Curso de Formação de Oficiais Especialistas em Aviões (PUD CFOE AV). O COMANDANTE DO CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA RONÁUTICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso III, do Regulamento do Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica, aprovado pela Portaria nº 448/GC3, de 27 de abril de 2006, resolve: Art. 1º Aprovar a reedição do MCA Plano de Unidades Didáticas da Instrução Técnico-Especializada do Curso de Formação de Oficiais Especialistas em Aviões. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º Revoga-se a Portaria CIAAR nº 06/CMDO, de 1º de setembro de Brig Ar JOSÉ GERALDO FERREIRA MALTA Comandante do CIAAR (Publicado no BCA n 084, de 4 de maio de 2011)

6

7 MCA 37-52/2010 SUMÁRIO 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES FINALIDADE ÂMBITO LISTA DE ABREVIATURAS COMPLEMENTAÇÃO DA INSTRUÇÃO DETALHAMENTO DAS UNIDADES DIDÁTICAS DISPOSIÇÕES FINAIS ÍNDICE...133

8 MCA 37-52/2010

9 MCA 37-52/2010 PREFÁCIO Esta publicação estabelece o Plano de Unidades Didáticas, referente ao ano de 2010, para a Instrução Técnico-Especializada do Curso de Formação de Oficiais Especialistas em Aviões. Este Plano de Unidades Didáticas complementa o Currículo Mínimo da Instrução Técnico- Especializada do Curso de Formação de Oficiais Especialistas em Aviões (ICA ) e contém a previsão de todas as atividades que o instruendo realizará sob a orientação do Centro para atingir os objetivos do curso em que está matriculado. Contém dados relativos ao desenvolvimento das Unidades Didáticas que compõem as disciplinas do Curso acima mencionado. Destina-se, especificamente, aos docentes, discentes e ao uso administrativo deste Centro.

10 MCA 37-52/2010

11 MCA 37-52/ DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 FINALIDADE Esta Instrução tem por finalidade estabelecer o Plano de Unidades Didáticas a ser adotado para a Instrução Técnico-Especializada do Curso de Formação de Oficiais Especialistas em Aviões (CFOE AV). 1.2 ÂMBITO Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR).

12 10 MCA 37-52/ LISTA DE ABREVIATURAS - Aula Expositiva An - Análise Ap - Aplicação APt - Aula Prática C - Conferência Ce - Cerimônia Cn - Conhecimento Cp - Compreensão Ctc - Crítica Cv - Caracterização por um valor ou complexo de valores DE - À Disposição do Ensino Dem - Demonstração EO - Exposição Oral ES - Exercício em Sala Exc - Exercício ICA - Instruções do Comando da Aeronáutica Og - Organização Ot - Orientação POt - Prática Orientada RC - Resposta Aberta Complexa Re - Resposta RM - Resposta Mecânica RO - Resposta Orientada TG - Trabalho de Grupo TI - Trabalho Individual Va - Valorização Vi - Visita Técnica

13 MCA 37-52/ COMPLEMENTAÇÃO DA INSTRUÇÃO Carga Horária: 231 Tempos ATIVIDADES OBJETIVOS OPERACIONALIZADOS CH TEC ESTÁGIO SUPERVISIONADO a) identificar a estrutura organizacional e operacional do Sistema de Material Aeronáutico - SISMA/B (Cn); b) distinguir as atribuições do Oficial Especialista em Avião relativas ao gerenciamento de pessoas, processos e materiais aeronáuticos (Cp); c) familiarizar-se com aspectos de gestão de assuntos rotineiros de uma Organização Militar do SISMA (Cp); e d) gerir pequenos processos operacionais da especialidade de Avião, utilizando-se dos conceitos aprendidos durante o CFOE (Ap). a) identificar a rotina do PAMA (Cn); PAMA-SP b) descrever a estrutura e funcionamento do nível Parque de manutenção, com visitas a todas as oficinas (Cn); c) diferenciar as características dos níveis Parque e Base (Cp); d) identificar a organização e funcionamento do Sistema de Material Aeronáutico (Cn); e) identificar a importância do uso do SILOMS no planejamento e Controle da Produção (Va); f) identificar a estrutura de planejamento e controle da manutenção prevista no SILOMS (Cn); g) emitir relatório de uso e necessidades do PAMA quanto ao SILOMS disponibilizado (Si); h) realizar o acompanhamento das manutenções previstas para as aeronaves da diagonal do PAMA (Ap); i) distinguir as situações que promovem o encaminhamento de uma aeronave ao parque de material (Cp); j) identificar a atualização das publicações técnicas e sua efetiva utilização na manutenção (Cp);

14 12 MCA 37-52/2010 k) emitir relatório da verificação das publicações técnicas e sua efetiva utilização na manutenção (Si); l) distinguir a relação logística entre o PAMA e a Diretoria de Material Aeronáutico (Cp); m) identificar o processo de aquisição de material e o Sistema de Suprimento e Manutenção (Cp); n) identificar a forma de gestão dos contratos de manutenção gerenciado pelo PAMA (Cp); o) conduzir, sob supervisão, processos de planejamento e controle referentes à ação de manutenção de aeronaves do PAMA (Ap); p) realizar inspeção de prevenção de acidente aeronáutico no hangar operacional(tanv) do PAMA (Ap); PAMASP q) identificar os parâmetros de Manutenção Centrada em Confiabilidade, Metrologia e Normalização, Processo e Qualidade e Gestão de Pessoas presentes na estrutura de serviços do PAMA (Cp); r) identificar a relação do Armazém com o Centro de Controle de Ordens de Serviço e produção (CCOS), as Oficinas e Linha de Revisão de aeronaves (Cp); s) identificar a relação do CCOS com a Seção de Planejamento, as Oficinas a Linha de Revisão de Aeronaves e o Suprimento (Cp); t) identificar as atividades básicas desenvolvidas num CCOS (Cn); e u) emitir relatório técnico das atividades realizadas no estágio e visita (Si).

15 MCA 37-52/ a) distinguir a estrutura e funcionamento do nívelbase de manutenção, bem como abreviaturas e siglas utilizadas (Cp); b) identificar in-loco todas as atividades de planejamento e controle da manutenção nos hangares e casas de pistas, visitando todas as seções que a aeronave percorre até sua liberação para o voo (Cp); BASP c) identificar o controle de aeronaves na pista quanto às suas chegadas e saídas, evidenciando os perigos existentes (Cp); d) valorizar a mentalidade de qualidade e segurança na manutenção, durante os trabalhos (Va); e) interpretar a finalidade e preenchimento de toda a documentação ligada ao controle e disponibilidade, incluindo relatórios de voo, ficha de inspeções e inspetoria (Cp); e f) identificar as providências necessárias na prevenção e combate a incêndios nos hangares, pistas e estacionamento de aeronaves (Ap). 120 POt

16 14 MCA 37-52/2010 VISITAS PAMA-LS (METALURGIA FÍSICA) PAMA-LS (ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS) a) diferenciar os materiais compostos e as ligas açocarbono (Cn); b) interpretar os diversos ensaios mecânicos destrutivos aplicáveis a peças metálicas (Cp); c) identificar o efeito da temperatura nas propriedades mecânicas (Cp); d) listar os tipos de tratamentos térmicos dos aços, ligas de alumínio e cobre, bem como suas têmperas superficiais (Cn); e) distinguir os tipos de tratamentos térmicos das ligas não ferrosas (Cp); e f) discutir os diversos tratamentos termoquímicos (Cp). 05 Vi a) distinguir os procedimentos de aplicação de cada método não destrutivo (Cp); e b) analisar a interpretação e avaliação das indicações de cada método (An). 05 Vi/ Dem COMANDO DE TECNOLOGIA ROESPACIAL (CTA) S. J. DOS CAMPOS SP (METROLOGIA E NORMALIZAÇÃO) LÍDER TÁXI AÉREO (RONAVES DE ASAS ROTATIVAS) a) identificar a atuação do Instituto de Fomento Industrial (IFI) nas áreas de Confiabilidade Metrológica Aeroespacial e Certificação de Produto Aeroespacial; b) identificar o papel do Laboratório Central de Calibração LCC nos laboratórios setoriais de calibração do SISMA (Cn); c) conhecer o túnel de vento no Instituto de Aeronáutica e Espaço (Cn); e d) conhecer o Grupo de Ensaios em Voo (GEEV) (Cn). a) dentificar o gerenciamento de manutenção em aeronaves de asas rotativas sob responsabilidade de uma empresa (Cp). VISITA DE a) identificar os objetivos e vantagens de uma Visita VISTORIA DE de Segurança de Voo como fator importante na SEGURANÇA atividade de prevenção (Cp); LÍDER TÁXI b) identificar a forma correta de se propor uma AÉREO (PREVENÇÃO DE Recomendação de Segurança de Voo baseada na ACIDENTES NSMA 3-9 (Cp); e RONÁUTICOS) c) executar uma Vistoria de Segurança de Voo (Ap). 26 Vi 04 Vi 03 POt

17 MCA 37-52/ FIAT BETIM- MG (PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO) CENTRO DE MANUTENÇÃO DA GOL LINHAS AÉREAS CONFINS MG (GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO 2) a) identificar os aspectos básicos das técnicas de planejamento e controle da produção (Cn); b) distinguir as técnicas de planejamento e controle da produção aplicáveis em função da área a ser administrada (Cn); c) descrever o potencial de aplicação das técnicas de planejamento e controle da produção no ambiente da Logística de Material e Serviços da FAB (Cn); d) discutir os conceitos de manufatura sincronizada verificados na empresa visitada (Cp); e e) destacar exemplos verificados na empresa visitada quanto a teoria da retrição e das filas (Cp). 08 Vi a) identificar a estrutura, a organização e o funcionamento do sistema de manutenção empregado na aviação civil (Cn); b) comparar o sistema de manutenção empregado na aviação civil com o do SISMA (An); e c) identificar os aspectos relacionados ao planejamento e controle da manutenção de suas aeronaves (Cp). 05 Vi

18 16 MCA 37-52/2010 PALESTRAS LOGÍSTICA GLOBAL DOUTRINA DE CABINE GESTÃO DA MANUTENÇÃO a) analisar o conceito da função Logística na FAB (An); b) identificar a convergência das diversas formas de Logística integradas no âmbito interno e externo (Cp); c) identificar os fundamentos básicos: Relações determinantes; vantagens absolutas e comparativas, economia de escala, concorrência imperfeita (Cp); d) identificar a política comercial: tarifas e barreiras não tarifárias, política comercial nos países desenvolvidos e em desenvolvimento (Cp); e) distinguir a relação entre política comercial e industrial e a estrutura e regulação do comércio internacional (Cp); e f) identificar os grandes blocos comerciais e o gerenciamento global do fluxo logístico (Cp). 04 a) apontar as características que precedem uma situação de pânico (Cn); b) identificar as consequências imediatas do pânico sobre a tripulação (Cn); c) identificar a situação de falha dos sistemas sobre a ação do tripulante em voo (Cp); d) identificar situações de pane à baixa e à alta altitudes (Cp); e e) relacionar os tipos de panes às ações imediatas a serem tomadas (Cn). 04 a) citar as prerrogativas formais e informais de um chefe de manutenção de aeronaves (Cn); b) identificar a importância do cumprimento de todas as fases referentes às ações de um serviço de manutenção em aeronave (Va); c) valorizar a verificação e utilização de publicações técnicas na execução dos procedimentos de manutenção de aeronaves (Va); e d) distinguir os aspectos relacionados aos mantenedores sob suas ordens, durante os serviços (Cp). 04

19 MCA 37-52/ PROCESSO E QUALIDADE CECAN a) conceituar padronização e melhoria de processos (Cn); b) identificar as fases do planejamento da qualidade, controle da qualidade e melhoria da qualidade (Cn) c) distinguir as características das fases de um PDCA (Cp); d) distinguir gerenciamento da melhoria e gerenciamento da rotina (Cp); e) identificar as ferramentas de gerenciamento (Cn); e f) aplicar as fases de um ciclo PDCA para um processo apresentado em sala de aula (Ap). a) identificar a estrutura organizacional do CECAN no contexto do Comando da Aeronáutica (Cn); b) identificar a metodologia de transporte de pessoal de acordo com a NSCA 4-1 Transporte de passageiros no Sistema do CAN (Cn); e c) identificar a metodologia de transporte de carga comum e cargas perigosas de acordo com a NSCA 4-2 Transporte de cargas no Sistema do CAN (Cn) PLANO DE METAS E AÇÕES a) identificar os elementos constituintes dos Planos de Metas e Ações e do Programa de Trabalho Anual de uma Organização de acordo com a legislação em vigor (Cn). 03 GESTÃO: FOCO NO LÍDER EM FORMAÇÃO a) discutir a interação do gerente da manutenção na chefia de militares com mais experiência de vida profissional (Cp); e b) justificar a importância da observação diária do desempenho de seus subordinados como instrumento fundamental para elaboração das avaliações, indicações e decisões gerenciais (Va). 03 CONFIABILIDADE a) identificar os elementos de logística que influenciam a atividade de manutenção (Cn); b) descrever a estrutura geral de um programa de Manutenção Centrada na Confiabilidade (MCC) de sistemas aeronáuticos e bélicos (Cn); c) descrever os conceitos de Confiabilidade, Manutenibilidade e Disponibilidade (Cn); e d) apresentar a metodologia MSG-3 no desenvolvimento e atualização de Planos de Manutenção (Cn). 03

20 18 MCA 37-52/2010 MONITORAMENTO a) identificar os diferentes tipos de motores de DE MOTORES aviação(cn); b) apontar as principais propriedades dos materiais em uso nos componentes internos dos motores(cn); c) listar a influência dos elementos degradantes nos motores (Cn); d) conceituar a gestão no COMR (Cn); e) exemplificar as principais ações no controle do suprimento de combustível (Cn); f) explicar os modos de controle da qualidade dos insumos aeronáuticos (Cp); e g) destacar os principais Programas e Planos possíveis de implementação no COMR (Cn). 04 CELOG SEGURANÇA DO TRABALHO EM AVIAÇÃO a) conhecer a estrutura organizacional do CELOG, no contexto do Comando da Aeronáutica (Cn); b) conhecer as atribuições do CELOG na estrutura logística da FAB (Cn). 04 a) definir Acidente do Trabalho sob a visão legal e prevencionista (Cn); b) distinguir os atos e condições inseguras. (Cp); c) identificar as consequências dos acidentes do trabalho. (Cn); d) distinguir os equipamentos de proteção individual adequado para cada atividade (Cp); e) explicar a localização e instalação de máquinas e equipamentos (Cp); f) justificar a importância da cor na segurança do trabalho(cp); g) identificar a proteção necessária nas máquinas e equipamentos(cp). 04 SEGURANÇA DO TRABALHO EM AVIAÇÃO a) explicar a segurança em serviços que envolvam eletricidade (Cp); b) distinguir os tipos de prevenção de queda (Cp); c) explicar a prevenção dos diversos tipos de incêndio (Cp); d) discutir a segurança das áreas e equipamentos de aviação (Cp); e) discutir a segurança no manuseio de materiais radioativos (Cn); e explicar os riscos ambientais e a necessidade de higiene no trabalho (Cp). 04

21 MCA 37-52/ SISMA a) definir o Sistema de Material Aeronáutico (Cn); b) distinguir as esferas de atuação dos elos logísticos (Cp); c) distinguir os diferentes tipos de serviços realizados pelo SISMA (Cp); d) identificar a importância do SISMA como órgão central de logística da FAB (Cn). 04 DARJ GESTÃO DE PESSOAS a) conhecer a estrutura organizacional do DARJ, no contexto do Comando da Aeronáutica (Cn); b) conhecer a metodologia logística aplicada na obtenção, suprimento e entrega dos materiais aeronáuticos (Cn). a) diferenciar as características do líder e do chefe (Cp); b) identificar as principais influências que o líderchefe exerce sobre os subordinados (Cn); c) distinguir as etapas formativas do profissional voltado para as tarefas (Cp)

22 20 MCA 37-52/ DETALHAMENTO DAS UNIDADES DIDÁTICAS CAMPO: TÉCNICO ESPECIALIZADO ÁREA: CIÊNCIAS MILITARES DISCIPLINA 1: NOÇÕES DE GUERRA CARGA HORÁRIA ELETRÔNICA 20 Tempos OBJETIVO ESPECÍFICO DA DISCIPLINA: a) identificar os conceitos básicos relativos à Guerra Eletrônica (Cp). UNIDADES DIDÁTICAS UNIDADE 1.2: VISÃO SISTÊMICA DA GUERRA ELETRÔNICA CH 20 OBJETIVO ESPECÍFICO DA UNIDADE: a) distinguir as ações eficazes a serem realizadas na guerra eletrônica (Cp) a) conceituar guerra eletrônica (Cn); CONHECIMEN-b) descrever os componentes da guerra eletrônica (Cp); TOS GERAIS c) identificar a interação da guerra eletrônica com outros DE GUERRA sistemas (Cn); e ELETRÔNICA d) descrever as interações básicas da guerra eletrônica no ambiente eletromagnético (Cp) MEDIDAS DE APOIO À GUERRA ELETRÔNICA CONTRA MEDIDAS ELETRÔNICAS a) definir Medidas de Apoio à Guerra Eletrônica (MAGE) (Cn); b) identificar a finalidade das MAGE no ambiente eletromagnético (Cn); c) identificar os sistemas que se inter-relacionam com a MAGE (Cn); d) identificar as informações oriundas do Sistema de Inteligência, bem como suas finalidades (Cn); e) apontar o emprego da MAGE em diferentes plataformas (Cn); f) identificar os componentes dos equipamentos de MAGE (Cn); e g) identificar as MAGE nas comunicações (Cn). a) definir Contra Medidas Eletrônicas (CME) (Cn); b) distinguir MAGE e CME (Cp); c) descrever os sistemas que podem ser afetados pela CME (Cp); d) identificar as características do bloqueio e do despistamento na CME (Cn); e) identificar as CME nas comunicações (Cn); f) identificar CME em auxílios à navegação (Cn); e g) identificar os tipos de sistemas de navegação no CME (Cn)

23 MCA 37-52/ MEDIDAS DE PROTEÇÃO ELETRÔNICA a) definir Medidas de Proteção Eletrônica (MPE) (Cn); b) identificar as ações das MPE na Guerra Eletrônica (Cn); e c) identificar as MPE nas comunicações (Cn) CONTRA MEDIDAS DE COMANDO, CONTROLE E COMUNICAÇÕES a) definir Contra Medidas de Comando, Controle e Comunicações (C3CM) (Cn); b) identificar as características das C3CM (Cn); e c) identificar os elementos que compõem o C3CM (Cn) SUPRESSÃO DA DEFESA AÉREA INIMIGA a) definir Supressão da Defesa Aérea Inimiga (SDAI) (Cn). 02 RECOMENDAÇÕES METODOLÓGICAS A disciplina de Guerra Eletrônica deverá ser desenvolvida através de aulas expositivas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Apostilas do Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE). MMA Guerra Eletrônica. Manual do Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE). PERFIL DE RELACIONAMENTO Deverá ser ministrada após a disciplina Fundamentos de Eletrônica, Aviônica e Telecomunicações.

24 22 MCA 37-52/2010 CAMPO: TÉCNICO-ESPECIALIZADO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DISCIPLINA 2: PLANEJAMENTO E CONTROLE DA CARGA HORÁRIA PRODUÇÃO 37 TEMPOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS: a) conceituar as principais atividades de Planejamento e Controle da Produção - PCP (Cn); b) distinguir as diversas técnicas necessárias ao desempenho das ações de Planejamento e controle da Produção - PCP (Cp); c) identificar os Sistemas de Apoio à Gestão Associada ao Planejamento e Controle da Produção - PCP (Cn); d) definir os conceitos de Manufatura Sincronizada (Cn); e e) relacionar o método de Planejamento e Controle da Produção (PCP) aos setores da Logística de Material e de Serviços da Forca Aérea Brasileira (Ap). UNIDADES DIDÁTICAS UNIDADE 2.1: PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO CH: 08 a) enumerar os principais conceitos de uma Cadeia Logística de Produção (Cn); b) descrever as características do Planejamento da Produção (Cp); e c) descrever as características do Controle da Produção (Cp) a) conceituar os principais aspectos da Cadeia PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Logística de Produção, como: Logística, fornecimento de material, elos da produção, fluxo de informação, controle da produção, gestão da produção, planejamento, indicadores, demanda, bens e serviços, layouts diversos, processos de produção qualidade etc. (Cn); b) identificar as características da Produção e Serviços: O Modelo de Transformação, Características da Produção e Serviços, Tipos de Processos de Produção de Bens, Tipos de Processos em Operações de Serviços, Layout 04 (Cn); e c) definir Planejamento da Produção (Cn) PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO a) conceituar Capacidade da Produção (cn); b) conceituar os tipos de Planejamentos da Produção: Planejamento Bruto de Capacidade (Rough-Cut Capacity Planning RCCP), Planejamento de Recursos de Longo Prazo, Planejamento Agregado de Produção, Planejamento Mestre da Produção (Cn); e c) relacionar os diferentes níveis de Planejamento da Produção (Cn). 03

25 MCA 37-52/ CONTROLE DA PRODUÇÃO a) definir Controle da Produção (Cn); b) listar os principais Indicadores da Produção (Cn). 01 UNIDADE 2.2: PREVISÃO DE DEMANDA CH: 13 a) descrever os principais métodos de previsão de demanda dependente, utilizados para o dimensionamento de estoques (Cp); e b) explicar as características dos elementos ligados a uma previsão de demanda (Cp) PREVISÃO DE DEMANDA a) enumerar os métodos de previsão de demanda (Cn); b) identificar a importância da previsão e julgamento na previsão da demanda (Cn); c) identificar os componentes das séries temporais na representação gráfica da demanda (Cn); e d) apontar as melhores utilizações de modelos estudados, conforme a tendência da demanda. 02 (Cn) MATERIAL REQUIREMENTS PLANNING - MRP a) identificar o objetivo e a filosofia do MRP (Cn); b) definir o Programa Mestre de Produção (Cn); c) descrever a estrutura de um sistema MRP (Cn); d) caracterizar o arquivo da Bill of Materials (Cn); e) identificar os benefícios do MRP e a que setores se aplicam (Cn); e f) identificar as aplicações da técnica de MRP nas atividades de suprimento e manutenção da FAB (Cn) MANUFACTURING RESSOURCE PLANNING - MRPII a) identificar o objetivo e a filosofia do MRP II (Cn); b) descrever a estrutura de um sistema MRP II(Cn); e c) identificar as aplicações da técnica de MRPII nas atividades de suprimento e manutenção da FAB (Cn) TEORIA DAS FILAS E DA SIMULAÇÃO a) definir as Teorias das Filas e da Simulação(Cn); b) descrever a importância do uso das Teorias das Filas e da Simulação (Cn);

26 24 MCA 37-52/2010 c) identificar os elementos básicos de uma fila (Cn); d) apontar os princípios de Maister (Cn); e) identificar as características dos modelos de simulação (Cn); f) identificar as aplicações de modelagem de sistemas (Cn); e g) identificar a metodologia para a simulação de sistemas (Cn) ERP - ENTERPRISE RESOURCE PLANNING a) explicar a amplitude e vantagens do ERP Enterprise Resource Planning (Sistemas Integrados de Gestão Empresarial) (Cp). 01 UNIDADE 2.3: SISTEMAS DE GESTÃO DA PRODUÇÃO CH: 09 OBJETIVO ESPECÍFICO DA UNIDADE: a) descrever os aspectos fundamentais dos sistemas de gestão associados ao Planejamento e Controle da Produção - PCP (Cn) SISTEMAS DE a) conceituar da Gestão da Qualidade Total (Cn); b) definir Controle de Qualidade (Cn); CONTROLE DE c) descrever a metodologia, vantagens e QUALIDADE desvantagens do sistema ISO de qualidade (Cn); d) explicar a significação de um paradigma (Cp); e e) identificar as Categorias de Custos da Má Qualidade (Cn) SISTEMA JUST-IN-TIME a) identificar as características do Just In Time (Cn); b) comparar os objetivos e aspectos de diferenciação entre o Just In Time e a abordagem tradicional de administrar (An); e c) discutir o processo KAN-BAN (Cp). 05 UNIDADE 2.4: MANUFATURA SINCRONIZADA CH: 07 a) destacar os conceitos relacionados à Manufatura Sincronizada (Cn); b) identificar os métodos de controle de uma Manufatura Sincronizada (Cn); c) distinguir os conceitos de manufatura sincronizada incluídos na Teoria das Restrições (Cp); e d) distinguir as principais características da Teoria das Restrições aplicadas à Logística de Material e de Serviços (Cp).

27 MCA 37-52/ MANUFATURA SINCRONIZADA a) enunciar as características de uma Manufatura Sincronizada (Cn) MÉTODOS DE CONTROLE a) conceituar Programação e Seqüenciamento da Produção (Cn); b) distinguir as diferentes formas de ajuste da capacidade (Cn); c) identificar os principais métodos de controle de utilização dos recursos corporativos na manufatura sincronizada (Cn); d) identificar os tipos e características do sequenciamento (Cn) INTRODUÇÃO À TEORIA DAS RESTRIÇÕES E SUA APLICAÇÃO a) identificar os processos de otimização da Teoria das Restrições (Cn); b) identificar o conceito de restrições (Cn); c) identificar os processos de raciocínio da Teoria das Restrições (Cn); NA LOGÍSTICA DE d) aplicar os conceitos de pulmões na MATERIAL sincronização da produção (Ap); e e) discutir a aplicação da Teoria das Restrições na Logística de Material (Cp). 02 RECOMENDAÇÕES METODOLÓGICAS Deverá ser desenvolvida adotando-se as técnicas de aula expositiva e prática orientada. Na unidade 2.3 SISTEMAS DE GESTÃO DA PRODUÇÃO deverá ser apresentado o Case relativo ao Sistema Toyota de Produção. O instrutor deverá salientar durante a aula pós-visita à Montadora de Veículos FIAT, em Betim-MG, os aspectos estudados na disciplina e lá verificados. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS a) Goldratt, Eliyahum; Jeffcox. A Meta: Um Processo De Melhoria Contínua. Editora Nobel. b) Falconi,.V. C.. Gerenciamento da Rotina do Trabalho do Dia-a-Dia. 6ª Ed.Minas Gerais: Dg, c) Prado, Darci. Teoria Das Filas E Da Simulação. Belo Horizonte/Mg: Editora Desenvolvimento Gerencial, d) Nigel,Slack; Chambers, Stuart; Harland; Harrison,Alan; Johnston, Robert. Administração da Produção. Rio de Janeiro: Atlas, e) Novaes, A. G. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição. Rio de Janeiro: Campus, f) Dornier, Philippe-Pierre; Ernst, Ricardo; Fender, Michel; E Kouvelis Panos. Logística e Operações Globais Texto E Casos. São Paulo: Atlas, 2000 g) O Ciclo PDCA, (Adaptado de:

28 26 MCA 37-52/2010 h) Verlangieri, Marcos Valle. Você dá lucro para a sua Empresa? (Adaptado de: i) Henrique L.Corrêa, Irineug; N.Gianesi. Just In Time, Mrpii E Opt: Um Enfoque Estratégico. São Paulo. Editora Athas (Por: Patricia Renha de Oliveira e Eduardo Scheurer (Universidade Estácio De Sá RJ) j) h) Comando da Aeronáutica. Instrução do Comando da Aeronáutica 5-1 Confecção, Controle e Numeração de Publicações, 27 Out PERFIL DE RELACIONAMENTO A disciplina PCP deverá ser ministrada antes de Gerenciamento de Manutenção.

29 MCA 37-52/ CAMPO: TÉCNICO-ESPECIALIZADO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DISCIPLINA 3: SISTEMA INTEGRADO DE ADMINIS- CARGA HORÁRIA TRAÇÃO FINANCEIRA (SIAFI) 16 Tempos OBJETIVO ESPECÍFICO: a) identificar a aplicação do SIAFI na administração de material aeronáutico (Ap). UNIDADES DIDÁTICAS UNIDADE 3.1: UTILIZAÇÃO DO SIAFI COM REFERÊNCIA AO CH: 16 MATERIAL RONÁUTICO OBJETIVO ESPECÍFICO DA UNIDADE: a) identificar as normas de utilização do SIAFI para material aeronáutico, com base no MCA (Ap) a) identificar os objetivos, acesso e OBJETIVOS, ACESSO E RESPONSABILIDADES responsabilidades para utilização do SIAFI, no que concorre a Suprimento Técnico (Cn) COMUNICAÇÃO, DOCUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA a) distinguir as formas de comunicação, os documentos e as técnicas de auditoria no SIAFI (Cp) APROPRIAÇÃO DE CUSTOS a) identificar o processo de apropriação de custos do material aeronáutico (Cp) OPERAÇÃO DO SISTEMA a) identificar as técnicas de operacionalidade do SIAFI, após aula expositiva (Ap). 10 POt RECOMENDAÇÕES METODOLÓGICAS Deverá ser desenvolvida adotando-se as técnicas de aula expositiva e prática orientada, utilizando-se o laboratório de informática para as consultas aos indicadores gerenciais e SIAFI.

30 28 MCA 37-52/2010 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Comando da Aeronáutica. Gabinete do Ministro. Regulamento de Administração da Aeronáutica (RMA) 12-1/ Brasília - DF.. Comando da Aeronáutica. Secretaria de Economia e Finanças da Aeronáutica. Execução Orçamentária, Financeira e Patrimonial dos Recursos Alocados às UG - País (ICA) 172-4, de 10 Ago. 93. Boletim Externo Ostensivo SEFA No 004, de 10 Ago. 93. Brasília - DF.. Comando da Aeronáutica. Secretária de Economia e Finanças da Aeronáutica. Manual de Utilização do SIAFI/SIAPE (MCA)172-1, de 10 Jul. 93. Boletim Externo SEFA no 003. de 12 Jul. 93. Brasília - DF.. Comando da Aeronáutica. Secretaria de Economia e Finanças da Aeronáutica. Contabilidade. Apropriação de Custos. ICA 172-1, de 15 Mai. 01. Brasília DF. PERFIL DE RELACIONAMENTO Deverá ser ministrada preferencialmente antes das disciplinas SILOMS e Gerenciamento da Manutenção.

31 MCA 37-52/ CAMPO: TÉCNICO-ESPECIALIZADO DISCIPLINA 4: RODINÂMICA, QUALIDADE DE VOO E DESEMPENHO DE RONAVES ÁREA: CIÊNCIAS RONÁUTICAS CARGA HORÁRIA 30 Tempos OBJETIVOS ESPECÍFICOS: a) recordar as noções sobre a atmosfera, o avião e o aerofólio (Cn); b) discutir as leis e princípios que regem o fluxo de um fluido sobre o aerofólio (Cp); c) explicar a geração da força de sustentação e de arrasto (Cp); d) distinguir os dispositivos hipersustentadores (Cp); e) interpretar as forças que atuam no avião em voo (Cp); f) distinguir os tipos de estabilidade e os dispositivos usados para manter a aeronave estável (Cp); g) explicar as curvas de desempenho e os fatores que interferem nas várias condições de voo (Cp); h) explicar o desempenho da aeronave em voo (Cp); e i) interpretar os fatores que influem na aerodinâmica do voo supersônico (Cp). UNIDADES DIDÁTICAS UNIDADE 4.1 NOÇÕES FUNDAMENTAIS CH: 03 OBJETIVO ESPECÍFICO DA UNIDADE: a) recordar as noções sobre a atmosfera e os princípios que regem o fluxo de um fluido sobre o aerofólio (Cn). SUBUNIDADES OBJETIVOS OPERACIONAIS CH TEC ATMOSFERA E ESCOAMENTO a) apontar os principais parâmetros atmosféricos que influenciam no desempenho de aeronave (Cn); e b) recordar os fenômenos relacionados com o movimento dos fluidos líquidos e gasosos (Cn) O AVIÃO E O ROFÓLIO a) identificar corretamente as superfícies Aerodinâmicas, os aerofólios e seus elementos (Cn) FLUXO DE AR SOBRE O ROFÓLIO a) descrever os efeitos e o comportamento do fluxo de ar em relação aos aerofólios em geral (Cn). 01 UNIDADE 4.2: FORÇAS QUE ATUAM NO AVIÃO EM VOO CH: 05 OBJETIVO ESPECÍFICO DA UNIDADE: a) explicar a origem e os efeitos das forças que atuam em uma Aeronave em voo (Cp).

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA E N S I N O MCA 37-57

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA E N S I N O MCA 37-57 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA RONÁUTICA E N S I N O MCA 37-57 PLANO DE UNIDADES DIDÁTICAS DA INSTRUÇÃO TÉCNICO-ESPECIALIZADA DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS ESPECIALISTAS EM SUPRIMENTO TÉCNICO (PUD

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO PLANO DE UNIDADES DIDÁTICAS CURSO DE MANUTENÇÃO DE INSTRUMENTOS METEOROLÓGICOS (NAV-011) 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

O CENTRO LOGÍSTICO DA AERONÁUTICA COMO ELO DE METROLOGIA

O CENTRO LOGÍSTICO DA AERONÁUTICA COMO ELO DE METROLOGIA O CENTRO LOGÍSTICO DA AERONÁUTICA COMO ELO DE METROLOGIA REFERÊNCIAS RICA 20-36 Regimento Interno do CAer; Portaria 284/GC3 Aprova o Regulamento do CELOG com função de Certificação; ICA 80-2 Certificação

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC e a Instrução Suplementar IS, estabelece critérios para a elaboração

Leia mais

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação Programa 0620 Preparo e Emprego da Força Terrestre Ações Orçamentárias Número de Ações 16 24490000 Doutrina e Estratégia Militar Produto: Evento realizado Unidade de Medida: unidade UO: 52121 Comando do

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA E N S I N O

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA E N S I N O MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA RONÁUTICA E N S I N O MCA 37-58 PLANO DE UNIDADES DIDÁTICAS DA INSTRUÇÃO GERAL E MILITAR I DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS ESPECIALISTAS NAS ESPECIALIDADES DE ARMAMENTO,

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Qualificação da Engenharia brasileira no Desenvolvimento de Helicópteros - a proposta do CNTH: Centro Nacional de Tecnologias de Helicópteros

Qualificação da Engenharia brasileira no Desenvolvimento de Helicópteros - a proposta do CNTH: Centro Nacional de Tecnologias de Helicópteros Congresso SAE BRASIL 2013: Congresso e Exposição Internacionais de Tecnologia da Mobilidade SAE BRASIL, 7 a 9 de outubro, Expo Center Norte, São Paulo, SP Painel Aeroespacial. Tema-título: Soluções Inovadoras

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG Gestão da engenharia de manutenção Otimização no uso de equipamentos Gestão de custos e mão de obra Aumente a confiabilidade e disponibilidade dos equipamentos

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2006/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI Prezados(as); Informamos que foi publicada no DOU de hoje, seção 1, páginas 110 e 111 a Portaria MTE n.º 1.297, de 13 de agosto de 2014, que aprova o Anexo 1 - Vibração - da Norma Regulamentadora n.º 9

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

Serviço Público Federal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Pró-Reitoria de Ensino RESOLUÇÃO Nº 0022/2012

Serviço Público Federal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Pró-Reitoria de Ensino RESOLUÇÃO Nº 0022/2012 Serviço Público Federal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Pró-Reitoria de Ensino RESOLUÇÃO Nº 0022/2012 O Pró-Reitor de Ensino do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 083/2003 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO.

RESOLUÇÃO CONSEPE 083/2003 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. RESOLUÇÃO CONSEPE 083/2003 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura O conceito de CIM e a integração de processos Prof. Breno Barros Telles do Carmo Evolução da Manufatura Integração.A evolução da manufatura segundo reportado em Russell e Taylor III (1995) se deu em quatro

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NSCA 7-6 DIRETRIZES ESPECÍFICAS PARA OS CENTROS DE COMPUTAÇÃO DA AERONÁUTICA (CCA) 2005 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Tópicos Abordados Relatório de Projeto. Técnicas de Estruturação para uma boa Avaliação. Elaboração do Relatório

Leia mais

PROPOSTA DE CURSO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

PROPOSTA DE CURSO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROPOSTA DE CURSO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Título: Curso de Tripulante Operacional CTO / 2013 2. Unidade Promotora: Núcleo de Operações e Transporte Aéreo/ NOTAer, da Secretaria da Casa Militar 3. Nível

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011.

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova a Instrução que estabelece as Normas Reguladoras para a

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

DADO TÉCNICO - Informação que suporta e/ou descreve a modificação ou reparo, incluindo o seguinte:

DADO TÉCNICO - Informação que suporta e/ou descreve a modificação ou reparo, incluindo o seguinte: TERMOS E DEFINIÇÕES DE MANUTENÇÃO AERONAVEGÁVEL - Condição em que a aeronave, célula, motor (es), hélice(s), acessórios e componentes em geral, se encontram de acordo com o projeto de tipo e em condições

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE Quem somos QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Quem somos O mercado está cada dia mais competitivo e dentro deste cenário, nasce a

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Mais Eficiência e Eficácia cia nas. Gestão de Processos. Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão

Mais Eficiência e Eficácia cia nas. Gestão de Processos. Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão Mais Eficiência e Eficácia cia nas Organizações Através s da Gestão de Processos Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão 14/03/2007 Lucem Sistemas Integrados de Gestão - Direitos Reservados 1

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: 100 ADMINISTRADOR ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Reportar-se ao Diretor de Gestão, de quem recebe orientação e supervisão; Redigir documentos e ter domínio de ferramentas de informática; Efetuar

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA

AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA Automação e mão de obra Patrícia Lins de Paula 16/04/2012 62 AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA 2. Automação e mão de obra 2.1 Setores e operações de produção 2.2 Instalações

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA E N S I N O ICA 37-239 CURRÍCULO MÍNIMO DA 1ª FASE DO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO (CM EAS) 2010 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Pneus de Aviões: PreviNE. Vitais, mas quase esquecidos. prevenção, investigação, Cuidar da Aviação é a nossa obrigação!!!

Pneus de Aviões: PreviNE. Vitais, mas quase esquecidos. prevenção, investigação, Cuidar da Aviação é a nossa obrigação!!! Pneus de Aviões: Vitais, mas quase esquecidos Os aviões foram construídos para voar, mas entre os itens mais críticos para a sua segurança estão os pneus, que os suportam no solo. Embora tenham grande

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPOS SALLES 2013 PLANO DE ENSINO

FACULDADES INTEGRADAS CAMPOS SALLES 2013 PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO: Disciplina - Administração da Produção e Materiais (primeiro semestre de ) 3º Semestre - Cursos Superior de Tecnologia em Logística - Noturno 6ª feira (18:40 22:10) = 4 aulas/sem.

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI A) Área de Administração Geral ÁREAS E ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estagiário desta área de interesse deverá participar de atividades essenciais de uma empresa, tais como: marketing, produção,

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Administração da Produção e Operações II Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Natureza

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 64/2011 Altera a Resolução nº. 57/2007 do CONSEPE, que aprova o Projeto Político-Pedagógico

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Função: Planejamento e Operação de Transportes

Função: Planejamento e Operação de Transportes MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM LOGÍSTICA III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES Função: Planejamento e Operação de Transportes 1. Avaliar a infraestrutura dos sistemas de

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 212 213 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 1 Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 Nas empresas existe uma estrutura específica que planeja, programa e controla as estratégias relativas à produção,

Leia mais

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo em Gerenciamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA QUALIDADE DCA 800-2 GARANTIA DA QUALIDADE E DA SEGURANÇA DE SISTEMAS E PRODUTOS NO COMAER 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1)

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) Wilson Roberto Nassar (2) Siméia Mendes do Amparo Dias (3) RESUMO A eliminação das lacunas na gestão da manutenção, com base na metodologia TPM, possibilita

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

Manual da Gestão Integrada - M.G.I

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 001 / Outubro de 2009 CBC - Consultoria e Planejamento Ambiental Ltda. Rua Felicíssimo Antonio Pereira, 21-37, CEP 17045-015 Bauru SP Fone: (14) 3313 6332 www.cbcambiental.com.br

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA PARA A 9 1 Sumário Panorama Atual dos Dados Relativos às

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Desafios para a Implementação de Processos

Desafios para a Implementação de Processos Comando da Aeronáutica Desafios para a Implementação de Processos Alexandre V. Guimarães 2012 IMPLEMENTAÇÃO COLOCAÇÃO EM PRÁTICA Quando o processo sai da prancheta Principais Obstáculos para a Aceitação

Leia mais

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização)

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) MANUAL DE INSTRUÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA ESCOLA DE AVIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (OASP) SÃO PAULO 2014

Leia mais

MBA em Logística e Operações

MBA em Logística e Operações MBA em Logística e Operações Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 07 --> - *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em outras turmas que

Leia mais

RESOLUÇÃO. São Paulo, 18 de novembro de 2004. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. São Paulo, 18 de novembro de 2004. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc - SP 006/2004 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus CONSEAcc, do câmpus de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13 Dispõe sobre os procedimentos de gestão da Tecnologia da Informação. O Prefeito Municipal e o Secretário Municipal de Gestão e Planejamento, no exercício

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-358 CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO DE SEGURANÇA DE VÔO MÓDULO - PREVENÇÃO 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EDA 1601 - INGLÊS INSTRUMENTAL I (2.0.0)2 English for Specific Purposes": introdução. Leitura e compreensão de texto: estratégias de leitura. Organização e partes

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

GESTÃO CORPORATIVA - DGE

GESTÃO CORPORATIVA - DGE GESTÃO CORPORATIVA Heleni de Mello Fonseca Diretoria de Gestão Empresarial - DGE Apresentador: Lauro Sérgio Vasconcelos David Belo Horizonte, 29 de maio de 2006 1 AGENDA Direcionamento Estratégico Iniciativas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

jul-09 1 FURB Pedro Paulo H. Wilhelm & Maurício C. Lopes

jul-09 1 FURB Pedro Paulo H. Wilhelm & Maurício C. Lopes 1 Referências Bibliográficas apoio jul-09 2 Referências Bibliográficas apoio jul-09 3 Virtual Empreendimentos Competências Chaves I) COMPETENCIA EMPRESARIAL = espírito empreendedor: ousadia, disposição

Leia mais

Gerência Eficaz da Manutenção

Gerência Eficaz da Manutenção ISO 9001 : 2008 Gerência Eficaz da Manutenção De 26/03/2012 a 30/03/2012 ITENS ESPECIAIS MANUTENÇÃO PREDIAL RESPONSABILIDADES Local: Hotel a definir Copacabana - RJ Carga Horária: 40 horas Horário: das

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais