Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de MESTRE EM ENGENHARIA CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de MESTRE EM ENGENHARIA CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÕES"

Transcrição

1 UM CONTRIBUTO PARA A SISTEMATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO DA PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO SANDRO MIGUEL MARTINS ALVES Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de MESTRE EM ENGENHARIA CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÕES Orientador: Professor Doutor Vasco Manuel Araújo Peixoto de Freitas JULHO DE 2008

2 MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2007/2008 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tel Fax Editado por FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Rua Dr. Roberto Frias PORTO Portugal Tel Fax Reproduções parciais deste documento serão autorizadas na condição que seja mencionado o Autor e feita referência a Mestrado Integrado em Engenharia Civil 2007/2008 Departamento de Engenharia Civil, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Porto, Portugal, As opiniões e informações incluídas neste documento representam unicamente o ponto de vista do respectivo Autor, não podendo o Editor aceitar qualquer responsabilidade legal ou outra em relação a erros ou omissões que possam existir. Este documento foi produzido a partir de versão electrónica fornecida pelo respectivo Autor.

3 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção Aos meus Pais e à Ana

4

5 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção AGRADECIMENTOS Ao terminar o presente trabalho gostaria de manifestar o meu sincero agradecimento a todos aqueles que contribuíram para a sua realização. Ao Professor Vasco Peixoto de Freitas expresso o meu profundo agradecimento pela forma sempre solícita com que me apoiou e orientou na elaboração desta dissertação, bem como pelos conhecimentos transmitidos e confiança depositada. Gostaria de salientar o apoio prestado pela Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas de Construção APFAC, na pessoa do Eng.º Carlos Duarte, cuja disponibilidade e dedicação contribuíram significativamente para o desenvolvimento das fichas de patologia apresentadas no Anexo A. À 1001FORMAS Software e Multimédia, Lda., e em particular à Eng.ª Sandra Barbosa e ao Eng.º Pedro Rebelo, pela interacção sempre positiva. Ao meu colega de gabinete, Eng.º Nuno Machado, pela ajuda sempre pronta, deixo também aqui o meu agradecimento. Um agradecimento muito especial aos meus pais, sem os quais não teria conseguido atingir todos os objectivos fixados. Finalmente saliento o carinho e a preocupação da Ana Luís Lopes, que possibilitou a serenidade necessária à realização deste trabalho. i

6

7 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção RESUMO Muito embora haja uma preocupação crescente com a qualidade da construção, verifica-se que os edifícios construídos nos últimos anos não apresentam a qualidade e a durabilidade esperada. A falta de sistematização da informação origina erros e patologias repetidos múltiplas vezes. O Grupo de Estudos da Patologia da Construção PATORREB desenvolveu um catálogo de patologias disponível em constituído por um conjunto de fichas que incluem a descrição da patologia, sondagens e medidas, causas e recomendações. Os principais objectivos desta dissertação são os seguintes: Analisar a importância económica da patologia da construção; Avaliar os diferentes catálogos de patologia existentes a nível internacional; Desenvolver novas fichas de patologia a publicar no site Propor e implementar novas funcionalidades no site. Na primeira parte do trabalho faz-se uma análise estatística da importância técnica e económica da patologia da construção abordando a frequência das patologias e custos de reparação envolvidos, recorrendo a uma base de dados francesa sobre patologia da construção. Na segunda parte faz-se uma avaliação sumária dos diferentes catálogos de patologia desenvolvidos a nível internacional, caracterizando o site mais pormenorizadamente. Na terceira parte, que constitui o contributo original desta dissertação, descrevem-se as diferentes tarefas desenvolvidas pelo autor para dinamizar o site nomeadamente: a criação de 16 fichas temáticas associadas a argamassas e o desenvolvimento da Zona Bibliografia e da Zona Terminologia. As fichas de patologia foram criadas na sequência de um protocolo elaborado entre o Grupo de Estudos da Patologia da Construção PATORREB e a Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas de Construção APFAC. A Zona Bibliografia visa compilar as referências bibliográficas das fichas de patologia e disponibilizar aos utilizadores do site uma base de dados temática com as referências das publicações, normas e sites mais relevantes no domínio da patologia da construção. A Zona Terminologia contém a definição dos conceitos e parâmetros mais utilizados em patologia da construção e pretende contribuir para a uniformização da linguagem utilizada nas fichas de patologia. PALAVRAS-CHAVE: Patologia, Custos, Catálogo, Fichas, Bibliografia, Terminologia. iii

8 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção RESUME Malgré l existence d un souci croissant sur la qualité de la construction, on vérifie que les bâtiments construits ces dernières années ne présentent pas la qualité et la durabilité souhaitée. L absence de systématisation de l information origine des erreurs et des pathologies qui se répète successivement. Le Groupe d Étude de la Pathologie de la Construction PATORREB a développé un catalogue de pathologie disponible sur qui est constitué par un ensemble de fiches qui contiennent la description de la pathologie, les mesures et essais réalisés, les causes principales et quelques recommandations. Les principaux objectifs de cette dissertation sont les suivants : Analyser l importance économique de la pathologie du bâtiment ; Évaluer les différents catalogues de pathologie disponible au niveau internationale ; Développer de nouvelles fiches de pathologie pour publier dans le site ; Proposer et implémenter de nouvelles fonctionnalités dans le site. Une analyse statistique sur l importance technique et économique de la pathologie du bâtiment est développée dans la première partie du travail. La fréquence d apparition des pathologies et les coûts de réparation sont étudiés en recourant à une base de données française. Les catalogues de pathologie internationaux sont présentés dans la deuxième partie, sachant que le site est décrit d une forme plus détaillée. La troisième partie, qui constitue la contribution originale de cette dissertation, contient la description des différentes tâches développées par l auteur pour dynamiser le site notamment : la création de 16 fiches de pathologie thématiques associées aux mortiers et la création de la «Zone Bibliographie» et de la «Zone Terminologie». Les fiches de pathologie ont été développées à la suite d un protocole établie entre le Groupe d Étude de la Pathologie de la Construction PATORREB et l Association Portugaise des Fabricants de Mortiers du Bâtiment APFAC. La «Zone Bibliographie» prétend rassembler les références bibliographiques des fiches de pathologie et offrir aux utilisateurs du site une base de données thématique avec les références des publications, normes et sites plus important dans le domaine de la pathologie du bâtiment. La «Zone Terminologie» contient la définition des concepts et paramètres couramment utilisés en pathologie du bâtiment et vise contribuer pour l uniformisation du langage utilisé dans les fiches de pathologie. MOTS-CLES: Pathologie, Coûts, Catalogue, Fiches, Bibliographie, Terminologie. iv

9 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção ABSTRACT Despite growing concerns with construction quality, many recent buildings are clearly not up to standard as regards quality and durability. The lack of systematization of the available information originates errors and pathologies repeated several times. The Building Pathology Study Group PATORREB has created a pathology catalogue available at composed by a collection of reports that contain the description of the problem, the diagnostic methods used, the main causes and recommendations. The main goals of this dissertation are listed below: Analyze the economical importance of building pathology; Evaluate the pathology catalogues at an international level; Create new pathology reports to publish at Propose and implement new functionalities in the website. The technical and economical importance of building pathology is analysed using a statistical approach in the first part of this study. A French database is used in order to study the pathologies frequency and the repair costs. The international pathology catalogues are described in the second part. The Portuguese website is also presented in detail. The third part represents the original contribution of this dissertation. The different tasks carried out to improve the website are described, namely the creation of 16 reports related with mortars and the proposal of a Bibliography Zone and a Terminology Zone. The pathology reports were produced under a protocol signed between the Building Pathology Study Group PATORREB and the Portuguese Association of Manufacturers of Building Mortars APFAC. The Bibliography Zone aims to compile the bibliographic references of the pathology reports and to provide a thematic database to the website users with the references of the more relevant publications, standards and websites in the field of building pathology. The Terminology Zone includes the definition of the terms and parameters frequently used in building pathology. It aims to contribute for the standardization of the language used in the pathology reports. KEYWORDS: Pathology, Costs, Catalogue, Reports, Bibliography, Terminology. v

10

11 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS...i RESUMO... iii RÉSUMÉ... iv ABSTRACT...v 1. INTRODUÇÃO CONSIDERAÇÕES INICIAIS INTERESSE E OBJECTIVOS DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DO TEXTO A IMPORTÂNCIA DA PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CONSIDERAÇÕES GERAIS SISTEMA FRANCÊS DE RESPONSABILIDADES E SEGUROS DA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS A RECEPÇÃO DA OBRA AS GARANTIAS OBRIGATÓRIAS APLICAÇÃO DAS GARANTIAS: OS SEGUROS OBRIGATÓRIOS ANÁLISE DO CUSTO DA PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO COM BASE NOS DADOS FRANCESES MECANISMO DE RECOLHA DE DADOS SYCODÉS CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA ANÁLISE EM FUNÇÃO DOS ELEMENTOS CONSTRUTIVOS ANÁLISE EM FUNÇÃO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS CATÁLOGOS DE PATOLOGIA DISPONÍVEIS CONSIDERAÇÕES GERAIS CATÁLOGOS EDITADOS NA FORMA DE PUBLICAÇÕES DEFECT ACTION SHEET FICHAS DE REPARAÇÃO DE ANOMALIAS CASES OF FAILURE INFORMATION SHEET GOOD REPAIR GUIDE CATÁLOGOS DISPONÍVEIS NA INTERNET FICHE PATHOLOGIE DU BATIMENT IMPARARE DAGLI ERRORI MAINTAINABILITY OF BUILDINGS GRUPO DE ESTUDOS DA PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO vii

12 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção DA IDEIA À CONCRETIZAÇÃO ORGANIZAÇÃO DO CATÁLOGO DE PATOLOGIAS ORGANIZAÇÃO DAS FICHAS DE PATOLOGIA GRUPO DE ESTUDOS DA PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO INTRANET DO SITE SÍNTESE DOS CATÁLOGOS DISPONÍVEIS CONTRIBUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO CATÁ- LOGO DE PATOLOGIAS CONSIDERAÇÕES GERAIS INSERÇÃO DE NOVAS FICHAS NO SITE PROPOSTA DE NOVA METODOLOGIA PARA INSERÇÃO DE FICHAS NO SITE CRIAÇÃO DE NOVAS FICHAS: PROTOCOLO APFAC PATORREB DESCRIÇÃO DA ZONA BIBLIOGRAFIA PROPOSTA PARA O SITE INTERESSE DA ZONA BIBLIOGRAFIA PROPOSTA DESCRIÇÃO DA BASE DE DADOS BIBLIOGRÁFICA TEMÁTICA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ARTICULAÇÃO DA BASE DE DADOS COM AS FICHAS DE PATOLOGIA DESCRIÇÃO DA ZONA BIBLIOGRAFIA PROPOSTA PARA A INTRANET DO SITE DESCRIÇÃO DA ZONA TERMINOLOGIA PROPOSTA PARA O SITE INTERESSE DA ZONA TERMINOLOGIA PROPOSTA DESCRIÇÃO DA BASE DE DADOS TEMÁTICA ARTICULAÇÃO DA ZONA TERMINOLOGIA COM AS FICHAS DE PATOLOGIA ARTICULAÇÃO DA ZONA TERMINOLOGIA COM A ZONA BIBLIOGRAFIA DESCRIÇÃO DA ZONA TERMINOLOGIA PROPOSTA PARA A INTRANET DO SITE PROPOSTA DE TRADUÇÃO DO SITE IMPLEMENTAÇÃO DAS PROPOSTAS NO SITE CONCLUSÕES CONSIDERAÇÕES FINAIS DESENVOLVIMENTOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIBLIOGRAFIA ANEXO A FICHAS DE PATOLOGIA... A.1 ANEXO B BIBLIOGRAFIA... B.1 ANEXO C TERMINOLOGIA...C.1 viii

13 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção ÍNDICE DE FIGURAS Fig. 1 Distribuição dos sinistros analisados e do custo dos trabalhos de reparação correspondentes em função do tipo de edifício...6 Fig. 2 Distribuição dos sinistros analisados e do custo dos trabalhos de reparação correspondentes em função do elemento construtivo...7 Fig. 3 Distribuição dos sinistros analisados e do custo dos trabalhos de reparação correspondentes em função da causa do problema...8 Fig. 4 Exemplo de uma Defect Action Sheet do BRE...12 Fig. 5 Fichas de Reparação de Anomalias Ficha A2 e Ficha A Fig. 6 Exemplo de uma ficha de patologia do CIB W Fig. 7 Primeira e última folha do Good Repair Guide Fig. 8 Site da Agence Qualité Construction...16 Fig. 9 Exemplo de uma ficha do catálogo da Agence Qualité Construction...17 Fig. 10 Página principal do site do Politécnico de Milão...18 Fig. 11 Exemplo de uma ficha de patologia do site do Politécnico de Milão...19 Fig. 12 Exemplo de um estudo de caso...19 Fig. 13 Página inicial do site Maintainability of Buildings...20 Fig. 14 Organização das fichas de patologia do catálogo Maintainability of Buildings...21 Fig. 15 Exemplo de uma ficha de patologia associada ao descolamento de ladrilhos cerâmicos...22 Fig. 16 Página inicial do site Fig. 17 Ano de publicação dos diferentes catálogos de patologia disponíveis...23 Fig. 18 Visitas do site até Junho de Fig. 19 Tipo de utilizadores registados no site Fig. 20 Organização do catálogo de patologias...26 Fig. 21 Modelo tipo das fichas de patologia...26 Fig. 22 Campo da ficha de patologia correspondente à identificação da patologia...27 Fig. 23 Campo da ficha correspondente à descrição da patologia visualizada a partir do site...27 Fig. 24 Campo da ficha correspondente às sondagens e medidas visualizada a partir do site...28 Fig. 25 Campo da ficha correspondente às causas da patologia visualizada a partir do site...28 Fig. 26 Campo da ficha correspondente às Recomendações visualizada a partir do site...29 Fig. 27 Organigrama do Grupo de Estudos da Patologia da Construção PATORREB...30 Fig. 28 Página inicial da zona Intranet, acessível em Fig. 29 Intranet: informações disponíveis sobre as fichas publicadas...32 Fig. 30 Inserção de uma nova ficha a partir da Intranet...32 Fig. 31 Processo de inserção proposto...39 Fig. 32 Processo de validação proposto...40 ix

14 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção Fig. 33 Exemplo do registo das etapas que constituem o processo de publicação de uma ficha de patologia Fig. 34 Exemplo de uma ficha de patologia criada no âmbito do protocolo APFAC PATORREB.. 42 Fig. 35 Organização das referências bibliográficas em 5 tipos Fig. 36 Secção Livros da Zona Bibliografia Fig. 37 Visualização das informações adicionais das referências bibliográficas Fig. 38 Resultados obtidos para a pesquisa com a palavra-chave Freitas Fig. 39 Ordenação dos livros em função do elemento ano Fig. 40 Secção Teses da Zona Bibliografia Fig. 41 Secção Artigos da Zona Bibliografia Fig. 42 Visualização das informações adicionais de um artigo Fig. 43 Secção Normas e Regulamentação da Zona Bibliografia Fig. 44 Secção Sites da Zona Bibliografia Fig. 45 Secção Todos da Zona Bibliografia Fig. 46 Novo botão Referências das fichas de patologia Fig. 47 Exemplo da visualização das referências bibliográficas de uma ficha de patologia Fig. 48 Secção Livros da Zona Bibliografia da Intranet vista por um membro do corpo editorial. 55 Fig. 49 Inserção de uma nova referência na secção Livros Fig. 50 Secção Livros da Zona Bibliografia da Intranet após introdução de nova referência Fig. 51 Secção Livros da Zona Bibliografia da Intranet vista pelo editor Fig. 52 Inserção de uma nova referência na secção Teses Fig. 53 Inserção de uma nova referência na secção Artigos Fig. 54 Inserção de uma nova referência na secção Normas e Regulamentação Fig. 55 Inserção de uma nova referência na secção Sites Fig. 56 Ligação das referências bibliográficas com as fichas de patologia a partir da Intranet Fig. 57 Aspecto da Zona Terminologia proposta Fig. 58 Articulação da Zona Terminologia com as fichas de patologia Fig. 59 Articulação da Zona Terminologia com as fichas de patologia (2) Fig. 60 Listagem das referências bibliográficas relacionadas com ladrilhos cerâmicos Fig. 61 Visualização da listagem dos conceitos e parâmetros a partir da Intranet por um membro do corpo editorial Fig. 62 Visualização da listagem dos conceitos e parâmetros a partir da Intranet pelo editor Fig. 63 Inserção de uma nova definição a partir da Intranet Fig. 64 Inserção das referências bibliográficas e da bibliografia relacionada Fig. 65 Associação de conceitos e parâmetros com a referência bibliográfica em inserção Fig. 66 Página inicial proposta para o site após internacionalização Fig. 67 Possível ligação dos catálogos de patologia disponíveis através de uma plataforma do CIB W x

15 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 Custo médio de reparação em função do elemento construtivo onde se manifestou o problema...7 Tabela 2 Custo médio de reparação em função da causa do problema...9 Tabela 3 Organização do catálogo em função dos elementos construtivos...25 Tabela 4 Distribuição das fichas publicadas em função do elemento construtivo no qual se manifestou a patologia e do principal fenómeno observado...33 Tabela 5 Número de fichas desenvolvidas em função dos principais fenómenos patológicos observados em argamassas...41 Tabela 6 Calendarização para implementação das propostas no site...72 xi

16

17 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção SÍMBOLOS E ABREVIATURAS Coeficiente de condutibilidade térmica [W/(m.ºC)] AQC Agence Qualité Construction APFAC Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas de Construção AS Australian Standards ASTM International Organization for Standardization BEST Building Environment Science & Technology Department BRE Building Research Establishment BS British Standards CIB International Council for Research and Innovation in Building and Construction DAS Defect Action Sheet FCTUC Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra FEUP Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto ISBN International Standard Book Number ISO International Organization for Standardization ISSN International Standard Serial Number IST Instituto Superior Técnico LFC Laboratório de Física das Construções LNEC Laboratório Nacional de Engenharia Civil NUS National University of Singapore RCCTE Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios SYCODÉS SYstème de COllecte d informations sur les DÉSordres UA Universidade de Aveiro UBI Universidade da Beira Interior UM Universidade do Minho UNL Universidade Nova de Lisboa UTAD Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro xiii

18

19 1 INTRODUÇÃO 1.1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Apesar de existir uma preocupação crescente com a qualidade da construção, muitos dos edifícios construídos nos últimos anos não apresentam o desempenho e a durabilidade esperada e não existe informação disponível com a sistematização das principais patologias que afectam esses edifícios. A física das construções constitui um instrumento importante no dimensionamento dos elementos de construção. Contudo, nem sempre são utilizados os conhecimentos disponíveis, o que explica muitos dos erros observados. No mínimo, deveria utilizar-se a informação disponível sobre patologia da construção de forma a evitar a escolha de soluções inadequadas. O registo dos erros e a análise das causas que lhe deram origem, bem como a sua divulgação, são fundamentais para o conhecimento das patologias mais frequentes. Neste sentido, o Grupo de Estudos da Patologia da Construção PATORREB criou o site [1], onde se procede à publicação e divulgação de um catálogo formado por um conjunto de fichas de patologia que contêm a descrição do problema, os métodos de diagnóstico utilizados, a definição das principais causas dos problemas estudados e recomendações para uma possível reparação [2] INTERESSE E OBJECTIVOS DO TRABALHO A patologia da construção assume um papel cada vez mais importante em engenharia civil e na sociedade em geral. Verifica-se que os edifícios construídos nos últimos anos não apresentam a qualidade esperada, podendo mesmo afirmar-se que há alguns milhares de fogos, construídos recentemente, com patologias muito graves que condicionam a sua utilização. A falta de sistematização do conhecimento motiva o aparecimento sucessivo das patologias e a repetição continuada dos mesmos erros. O site é uma ferramenta de elevada relevância que contribui para a divulgação da informação da patologia da construção, de forma organizada, pelo que se considerou importante proceder ao seu desenvolvimento nesta dissertação. A presente dissertação tem por objectivo: Analisar a importância económica da patologia da construção; Avaliar os diferentes catálogos de patologia existentes a nível internacional; Desenvolver novas fichas de patologia a publicar no site Propor e implementar novas funcionalidades no site, nomeadamente: o Uma base de dados bibliográfica temática sobre patologia da construção;

20 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção o o Uma Zona Terminologia com as definições dos conceitos e parâmetros correntemente utilizados em patologia da construção; A preparação de uma versão em inglês do site que permitirá a sua internacionalização ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DO TEXTO O presente trabalho encontra-se estruturado em três partes principais. Na primeira parte do trabalho (capítulo 2) faz-se uma análise estatística da importância da patologia da construção abordando dois aspectos principais: a frequência das patologias e custos de reparação envolvidos. Face à impossibilidade de obter dados representativos da situação nacional optou-se por efectuar esta análise recorrendo a uma base de dados francesa sobre patologia da construção. Antes de proceder à análise dos dados recolhidos e à apresentação das conclusões do estudo apresenta-se sumariamente o sistema francês de responsabilidades e seguros da construção de edifícios que permite recolher e sistematizar a informação. No início do terceiro capítulo, que corresponde à segunda parte do trabalho, apresentam-se sumariamente os diferentes catálogos de patologia desenvolvidos a nível internacional. Os catálogos encontram-se listados por ordem cronológica, apresentando-se primeiro os que foram editados na forma de publicações e, posteriormente, os que se encontram disponíveis na Internet. Por fim, descreve-se detalhadamente o site e o Grupo de Estudos da Patologia da Construção PATORREB. A terceira e última parte do trabalho, correspondente ao capítulo 4, contém a descrição das diferentes contribuições desenvolvidas pelo autor para dinamizar o site nomeadamente: Desenvolvimento de um conjunto de fichas de patologia temáticas, associadas a argamassas, a publicar no site; Proposta e implementação da Zona Bibliografia ; Proposta e implementação da Zona Terminologia ; Proposta e implementação da tradução do site. As fichas foram criadas na sequência de um protocolo elaborado entre o Grupo de Estudos da Patologia da Construção PATORREB e a Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas de Construção APFAC [3]. As 16 fichas de patologia desenvolvidas, uma das principais tarefas, encontramse compiladas no Anexo A por uma mera questão de organização. A Zona Bibliografia tem dois objectivos principais: compilar, organizadamente, as referências bibliográficas das fichas de patologia e disponibilizar aos utilizadores do site uma base de dados temática com as referências das publicações, normas e sites mais relevantes no domínio da patologia da construção. Para permitir a implementação desta zona recolheu-se mais de uma centena de referências bibliográficas, compiladas posteriormente no Anexo B. A Zona Terminologia contém a definição dos conceitos e parâmetros mais utilizados em patologia da construção e pretende contribuir para a uniformização da linguagem utilizada nas fichas de patologia, bem como auxiliar os utilizadores do site a compreender alguns conceitos menos familiares. O Anexo C contém mais de 150 definições complementadas, sempre que possível, com esquemas e fotografias. A tradução do site tem como principal objectivo permitir a sua internacionalização. 2

21 2 A IMPORTÂNCIA DA PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 2.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Em engenharia civil designa-se por patologia a um defeito que surge de forma inesperada antes do final da vida útil de um material, componente ou sistema de um edifício. As patologias preocupam todos os intervenientes no processo de construção, bem como os utilizadores e proprietários de um edifício. A sua importância pode ser quantificada em termos económicos com base no custo dos trabalhos de reparação necessários para repor a situação original. A patologia pode ser considerada um indicador da qualidade na construção, assumindo assim um papel de elevada relevância. No presente capítulo faz-se uma análise estatística da importância da patologia da construção abordando dois aspectos principais: a frequência de aparecimento das patologias e os custos de reparação envolvidos. Os dados existentes em Portugal resultam de trabalhos pontuais de investigação, não permitindo uma abordagem global. Face à impossibilidade de obter dados representativos da situação nacional optouse por efectuar esta análise recorrendo a uma base de dados francesa sobre patologia da construção. Esta base de dados apoia-se no sistema francês de responsabilidades e seguros da construção de edifícios que permite recolher e sistematizar a informação referente aos sinistros que ocorrem nos edifícios franceses. A análise foi desenvolvida com o objectivo de obter conclusões genéricas que possam ser extrapoladas, sem grande risco, para a construção portuguesa SISTEMA FRANCÊS DE RESPONSABILIDADES E SEGUROS DA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS A RECEPÇÃO DA OBRA A recepção é uma etapa fundamental do processo de construção que marca a conclusão da obra e a sua entrega ao dono de obra. Em termos práticos, trata-se de um acto formal através do qual o dono de obra declara aceitar, na presença do construtor, a conclusão dos trabalhos, a sua boa execução e a conformidade com o estabelecido no contrato. Os profissionais responsáveis pela construção convocam o dono de obra para formalizar a recepção logo que considerem que a obra se encontra concluída. Nestas circunstâncias e de acordo com o sistema francês, podem resultar três situações distintas:

22 Um Contributo para a Sistematização da Patologia da Construção Os trabalhos previstos não estão executados na totalidade ou as imperfeições são de tal ordem que se pode considerar a obra como inacabada. Neste caso o dono de obra deve recusar a recepção e acordar uma nova data com o construtor de forma amigável ou, em último caso, recorrendo ao tribunal; A obra encontra-se concluída e apresenta patologias ou defeitos de acabamento que não justificam a recusa da recepção. O dono de obra deve aceitar a recepção com reservas, indicando por escrito os problemas detectados e os prazos de reparação acordados com o construtor. O dono de obra pode conservar até 5 % do valor adjudicado até à reparação dos problemas assinalados; A obra encontra-se concluída, sem defeitos visíveis e sem não conformidades. O dono de obra deve aceitar a recepção sem reservas [4] AS GARANTIAS OBRIGATÓRIAS Garantia de Perfeito Acabamento A garantia de perfeito acabamento assegura a reparação das patologias que tenham sido objecto de reserva no processo de recepção ou que se manifestaram durante o ano seguinte. Engloba todos os tipos de patologias com excepção das que podem ser imputadas à deficiente manutenção do edifício ou das suas partes. Esta garantia é assegurada pela empresa de construção em benefício do dono de obra e dos sucessíveis proprietários do imóvel Garantia de Bom Funcionamento Os elementos e equipamentos dissociáveis da obra, como por exemplo portas, janelas e radiadores, encontram-se cobertos pela garantia de bom funcionamento durante os dois anos que seguem a recepção. Em caso de avaria ou deficiente funcionamento, o construtor fica obrigado a proceder à sua reparação ou substituição. Salvaguardam-se contudo os casos de força maior (essencialmente catástrofes naturais), bem como aqueles que foram originados por uma deficiente utilização. Esta garantia deve ser assegurada por todos os intervenientes no processo construtivo em benefício do dono de obra e dos proprietários do imóvel Garantia Decenal A garantia decenal cobre, durante os dez anos que seguem o fim da garantia de Perfeito Acabamento, os danos que comprometem a solidez do edifício e dos seus elementos indissociáveis, ou os danos que tornam o edifício impróprio para o fim a que se destina. Contudo, não se incluem nesta garantia os danos resultantes da falta de manutenção ou aqueles que foram causados por uma deficiente utilização. As fissuras graves resultantes de assentamentos diferenciais ou de deformações excessivas e as infiltrações através da envolvente são exemplos de problemas cobertos por esta garantia APLICAÇÃO DAS GARANTIAS: OS SEGUROS OBRIGATÓRIOS Seguro de Reparação de Danos O seguro de reparação de danos deve ser subscrito por qualquer pessoa que, na qualidade de dono de obra ou mandatário do dono de obra, manda realizar trabalhos de construção de edifícios. A sua subs- 4

Grupo de Estudos da Patologia da Construção - PATORREB

Grupo de Estudos da Patologia da Construção - PATORREB Grupo de Estudos da Patologia da Construção - PATORREB Apresentação da Actividade Grupo de Estudos da Patologia da Construção - PATORREB 1 ESTRUTURA 1. Importância Económica da Patologia da Construção

Leia mais

Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com

Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático LFC FEUP Portugal vpfreita@fe.up.pt Sandro M. Alves

Leia mais

VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS

VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS Manuel Pinto 1 e Vasco Peixoto de Freitas 2 RESUMO As recomendações técnicas sobre ventilação existentes em vários países propõem

Leia mais

GUIA DE PREPARAÇÃO DA DISSERTAÇÃO E RESUMO ALARGADO PARA OS CURSOS DE MESTRADO DE 2º CICLO NO IST

GUIA DE PREPARAÇÃO DA DISSERTAÇÃO E RESUMO ALARGADO PARA OS CURSOS DE MESTRADO DE 2º CICLO NO IST GUIA DE PREPARAÇÃO DA DISSERTAÇÃO E RESUMO ALARGADO PARA OS CURSOS DE MESTRADO DE 2º CICLO NO IST 1. TRAMITAÇÃO DE DISSERTAÇÃO/PROJECTO... 2 2. INFORMAÇÃO A INTRODUZIR NO SISTEMA FÉNIX... 4 3. CONFIDENCIALIDADE...

Leia mais

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos Célia Alves, Liliana Monteiro, Fernanda Barbosa, Ana Borges, Jorge Barbosa* Resumo De modo a facilitar e estandardizar o ciclo de desenvolvimento,

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

www.patorreb.com NOVAS FUNCIONALIDADES Vasco Peixoto de Freitas Sandro Miguel Martins Alves

www.patorreb.com NOVAS FUNCIONALIDADES Vasco Peixoto de Freitas Sandro Miguel Martins Alves www.patorreb.com NOVAS FUNCIONALIDADES Vasco Peixoto de Freitas Sandro Miguel Martins Alves ESTRUTURAÇÃO 1. CATÁLOGO DE PATOLOGIAS - www.patorreb.com 2. NOVA INFORMAÇÃO - fichas sobre ETICS 3. NOVAS FUNCIONALIDADES

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação 070112=SINFIC HM Processo Manutencao MSI.doc, Página 1 Ex.mo(s) Senhor(es): A SINFIC agradece a possibilidade de poder apresentar uma proposta

Leia mais

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO VASCO PEIXOTO DE FREITAS Faculdade Engenharia Universidade do Porto Laboratório de Física das Construções /FEUP - AdePorto SUMÁRIO 1. Introdução 2. Tipificação

Leia mais

FICHEIROS COM EXEMPLOS

FICHEIROS COM EXEMPLOS FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria. guião de exploração dos. serviços SIG na web AM RIA. Associação de Municípios da Ria

SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria. guião de exploração dos. serviços SIG na web AM RIA. Associação de Municípios da Ria SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria guião de exploração dos serviços SIG na web Associação de Municípios da Ria 02 GUIA WEB ÍNDICE Introdução O que é um SIG? 03 O que é SIGRia?

Leia mais

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico M. Manuela Salta Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. Prof. do Brasil, 101, 1700-066

Leia mais

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Data: Sábado, 14 de Novembro de 2009, 14h00 18h30 Local: Palácio dos Marqueses de Fronteira, em Lisboa

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2,

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Estratégias de Manutenção em Fachadas de Edifícios Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal RESUMO Uma política

Leia mais

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE DISSERTAÇÃO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico

Leia mais

A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS INSTRUÇÕES PARA. Março de 2013. Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Linha de informação

A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS INSTRUÇÕES PARA. Março de 2013. Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Linha de informação INSTRUÇÕES PARA A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes Março de 2013 Linha de informação 8590 3800 Estas instruções serão actualizadas periodicamente

Leia mais

Suporte Técnico de Software HP

Suporte Técnico de Software HP Suporte Técnico de Software HP Serviços Tecnológicos HP - Serviços Contratuais Dados técnicos O Suporte Técnico de Software HP fornece serviços completos de suporte de software remoto para produtos de

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

AUDITORIA DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA AO PROJETO DE ESTRADAS. A IMPORTÂNCIA DA FASE FINAL DO PROCEDIMENTO

AUDITORIA DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA AO PROJETO DE ESTRADAS. A IMPORTÂNCIA DA FASE FINAL DO PROCEDIMENTO AUDITORIA DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA AO PROJETO DE ESTRADAS. A IMPORTÂNCIA DA FASE FINAL DO PROCEDIMENTO João Lourenço Cardoso 1, Carlos de Almeida Roque 2 1 LNEC Laboratório Nacional de Engenharia Civil,

Leia mais

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DE IMÓVEIS Análise de Dois Anos de Aplicação

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DE IMÓVEIS Análise de Dois Anos de Aplicação MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DE IMÓVEIS Análise de Dois Anos de Aplicação João Branco Pedro * jpedro@lnec.pt António Vilhena avilhena@lnec.pt José Vasconcelos de Paiva jvpaiva@lnec.pt Resumo

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3]

Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3] Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3] ÍNDICE Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3]... 1 ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 Prefácio... 4 2 Acesso ao OTRS ITSM... 5 Registo de Ticket Classificação do

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 ESTRUTURAÇÃO I. PATOLOGIA ACTIVIDADE PROFISSINAL II. III. O PROBLEMA DA PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO RESPONSABILIDADES,

Leia mais

Centro de Arqueologia de Almada Normas de Colaboração

Centro de Arqueologia de Almada Normas de Colaboração 1. Propriedade, Edição e Âmbito é uma publicação periódica do Centro de Arqueologia de Almada, proprietário e editor do título desde 1982. Tem por âmbito a promoção da cultura científica nas áreas da Arqueologia,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BPstat manual do utilizador Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estatística

Leia mais

Campanha - Em casa, poupe energia também! -

Campanha - Em casa, poupe energia também! - - Print - Close - Campanha - Em casa, poupe energia também! - Cidade de Pamplona (região de Navarra) - Spain Uma campanha abrangendo 1600 trabalhadores do Município de Pamplona foi concebida e implementada

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

Manual de Utilizador Acesso e Navegação na Plataforma de Web TV da Assembleia da República

Manual de Utilizador Acesso e Navegação na Plataforma de Web TV da Assembleia da República Manual de Utilizador Acesso e Navegação na Plataforma de Web TV da Assembleia da República Índice 1 Página de Entrada / Home 1.1 Endereço Internet de Acesso ao Interface WEB 3 2 Transmissões em Direto

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Guia de Apresentação do Curso de Qualificação de Agentes, Corretores de Seguros ou Mediadores de Resseguros Guia de Apresentação do Curso Versão 1.0

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 07/2006-R Data: 30-08-2006 Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO O Decreto-Lei n.º 83/2006, de 3 de Maio, transpôs parcialmente

Leia mais

A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios

A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios Luís Viegas Mendonça Engenheiro Civil Spybuilding Lda. - Director Geral Miguel Martins do Amaral Engenheiro Civil Spybuilding Lda. - Director

Leia mais

SAÚDE & TECNOLOGIA, revista científica da ESTeSL. Instruções aos Autores

SAÚDE & TECNOLOGIA, revista científica da ESTeSL. Instruções aos Autores SAÚDE & TECNOLOGIA, revista científica da ESTeSL Instruções aos Autores 1. Apresentação de Originais 1.1. Instruções gerais As propostas para submissão com vista à publicação na Saúde & Tecnologia, revista

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra Área de Prática - Imobiliário Julho 2009 Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra A Lei n.º 31/2009, de 03.07.,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

Plano de Prevenção e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição

Plano de Prevenção e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição BALC O ÚNICO Ã V ILA DO B ISPO IRN - INSTITUTO DOS R EGISTOS E DO N OTARIADO Construção e Demolição o UTUBRO 2009 ÍNDICE 1. DADOS GERAIS DA ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA OBRA... 2 2. DADOS GERAIS DA OBRA...

Leia mais

PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO ADOPTADO NA RECONS- TRUÇÃO DO PANO DE MURALHA SE DO BALUARTE DO CAVALEIRO EM CHAVES

PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO ADOPTADO NA RECONS- TRUÇÃO DO PANO DE MURALHA SE DO BALUARTE DO CAVALEIRO EM CHAVES Revista da Associação Portuguesa de Análise Experimental de Tensões ISSN 1646-7078 PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO ADOPTADO NA RECONS- TRUÇÃO DO PANO DE MURALHA SE DO BALUARTE DO CAVALEIRO EM CHAVES J. T. Q.

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

Novo Order Manager para o Software NobelProcera

Novo Order Manager para o Software NobelProcera Novo Order Manager para o Software NobelProcera Guia Rápido Versão 1 O novo Order Manager facilita mais os processos e procedimentos envolvidos nas encomendas através do sistema NobelProcera. Isto inclui

Leia mais

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING Anna Guerman, Humberto Santos, Pedro Dinis Gaspar, António Espírito Santo, Cláudia Santos Universidade da Beira

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para a navegação

Leia mais

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009)

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009) CIRCULAR N.º 15/2009 A Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho, que define o procedimento de registo, na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), das entidades que exercem a actividade de comercialização,

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Microsoft Word Folha

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica floor planner Manual e Guia de exploração do floor planner para utilização em contexto de Educação

Leia mais

A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores.

A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores. Descritivo completo dintranet 3 A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores. Benefícios Aumento da produtividade dos colaboradores da empresa;

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Luís Filipe Borges Pinto Resumo: Este projecto consiste na implementação de uma aplicação WEB para monitorização

Leia mais

Manual do Nero ControlCenter

Manual do Nero ControlCenter Manual do Nero ControlCenter Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero ControlCenter e todo o seu conteúdo estão protegidos pelos direitos de autor e são propriedade da Nero

Leia mais

AÇOREANA Companhia de Seguros. Informação de Procedimentos. Gestão de Sinistros Automóvel

AÇOREANA Companhia de Seguros. Informação de Procedimentos. Gestão de Sinistros Automóvel Informação de Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel 1. PARTICIPAÇÃO DO ACIDENTE Deve ser feita em impresso de Declaração Amigável de Acidente Automóvel (DAAA), ou através de qualquer outro meio

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Manual de Normas Gráficas. COMPETE - Programa Operacional Factores de Competitividade

Manual de Normas Gráficas. COMPETE - Programa Operacional Factores de Competitividade Manual de Normas Gráficas COMPETE - Programa Operacional Factores de Competitividade > Índice A Marca 05 Identidade 06. Logótipo 08. Versões 09. Margem de Segurança 10. Dimensão Mínima 11. A Cor 12 Suportes

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas Proposta de Regulamento do programa de incentivos à recuperação de fachadas, coberturas e vãos de imóveis degradados nos aglomerados urbano nos Concelho de Penamacor NOTA JUSTIFICATIVA Pretende-se com

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Albuquerque Almeida Miguel Rua do Campo Alegre, 462 4ºDir., 4150-170 Porto (Portugal) Telefone(s) +351 964496110 Correio(s)

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Termos Básicos Pesquisa Registo Fazendo Propostas A Minha Conta Pedindo Cotações Ajuda: Geral Bem-vindo! No texto que se segue iremos transmitir noções básicas sobre os termos e modos

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas: Gestão de Mudança e Adopção de ITIL. por

Pequenas e Médias Empresas: Gestão de Mudança e Adopção de ITIL. por Pequenas e Médias Empresas: Gestão de Mudança e Adopção de ITIL por Carla M. P. Farinha Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal Sumário. Apresenta-se, de forma

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO ETAPAS DO PROCESSO DE CANDIDATURA 1ª Etapa Candidaturas: 1 Out 2014 28 Fev 2015. O prémio Consumus Dixit é aberto a todos trabalhos profissionais, académicos, personalidades

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA Se pesquisares sobre os temas das aulas, serás um aluno de sucesso que saberá aprender e continuará a aprender pela vida

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

PHC dsuporte Externo. ππ Aumentar a satisfação dos seus clientes. ππ Aumentar a velocidade de resposta dos pedidos

PHC dsuporte Externo. ππ Aumentar a satisfação dos seus clientes. ππ Aumentar a velocidade de resposta dos pedidos PHC dsuporte Externo DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Externo permite prestar assistência técnica pós-venda, aumentar de forma significativa a eficiência e a qualidade do serviço, o que resulta na maior

Leia mais