TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SANTA CATARINA COORDENADORIA DE CONTROLE INTERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SANTA CATARINA COORDENADORIA DE CONTROLE INTERNO"

Transcrição

1 I - PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL NORMAS CONTÁBEIS E ANÁLISE TÉCNICA Inicialmente, registra-se a análise de prestação de contas de partidos políticos está detalhada nos roteiros disponibilizados na Intranet no endereço voltando-se este treinamento à orientação específica sobre dúvidas técnicas apresentadas pelas Zonas Eleitorais. Informa-se, ainda, que esta unidade, a partir das perguntas e respostas constantes no fórum Dúvidas - Prestação de Contas Anual dos Partidos Políticos, elaborou FAQ específica para dirimir as dúvidas dos cartórios eleitorais, a qual será objeto de permanente atualização a partir das respostas consolidadas no fórum, meio oficial de endereçamento de dúvidas à Coordenadoria de Controle Interno, que permanece à disposição de todos para orientação técnica. 1 PRINCÍPIOS CONTÁBEIS Conforme o art. 3º da Resolução CFC nº 750/93, alterada pela Resolução CFC nº 1.282/2010, são princípios contábeis: I) o da ENTIDADE; II) III) IV) o da CONTINUIDADE; o da OPORTUNIDADE; o do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL; V) o da COMPETÊNCIA; e VII) o da PRUDÊNCIA. Dentre os princípios citados acima, três destacam-se por sua importância na análise das prestações de contas de partidos políticos, quais sejam: 1

2 - o da ENTIDADE - segundo este princípio, o patrimônio da empresa (entidade) não se confunde com os dos seus sócios ou proprietários; - o da CONTINUIDADE de acordo com este princípio, a entidade continuará em operação no futuro e, portanto, a mensuração e a apresentação dos componentes do patrimônio devem levar em conta esta circunstância. Assim, os saldos finais das contas patrimoniais de um exercício, serão os saldos iniciais do exercício seguinte; - o da COMPETÊNCIA este princípio determina que os efeitos das transações e outros eventos sejam reconhecidos nos períodos a que se referirem, independentemente do recebimento (no caso das receitas) ou do pagamento (no caso das despesas), e pressupõe a simultaneidade da confrontação de receitas e de despesas correlatas. 2 PATRIMÔNIO Conceito: Patrimônio é o conjunto de bens, direitos e obrigações de uma entidade, assim entendidos: a) bens: disponibilidade financeira em caixa, móveis e utensílios de uso da entidade, suas instalações, salas, etc; b) direitos: recursos em conta bancária, valores a receber de filiados, adiantamentos concedidos; c) obrigações: dívidas da empresa, por exemplo: salários a pagar, tributos a pagar, etc. O conjunto de bens e direitos denomina-se ATIVO; O conjunto de obrigações denomina-se PASSIVO. A diferença entre o ATIVO e o PASSIVO denomina-se PATRIMÔNIO LÍQUIDO. 2

3 3 DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Dentre os demonstrativos contábeis exigidos pela Resolução TSE nº /2004 estão: a) balanço patrimonial; b) demonstração do resultado do exercício; c) demonstração de lucros ou prejuízos acumulados; d) demonstração das mutações do patrimônio líquido; e e) demonstração das origens e aplicações dos recursos. a) BALANÇO PATRIMONIAL O balanço patrimonial é o demonstrativo que reflete a posição da empresa em um determinado momento, normalmente no fim do ano ou de um período pré-fixado. Ele é constituído por duas colunas: a coluna do lado direito, denominada Passivo e Patrimônio Líquido; a coluna do lado esquerdo, denominada Ativo. A razão de se atribuir o lado esquerdo para o Ativo e o direito para o Passivo e Patrimônio Líquido é mera convenção. Estrutura do Balanço Patrimonial: 3

4 Modelo de Balanço Patrimonial constante da Resolução TSE n /2004: PARTIDO: ÓRGÃO DO PARTIDO: BALANÇO PATRIMONIAL MODELO MUNICÍPIO: TÍTULO DA CONTA Total R$ Ativo , Ativo Circulante 8.483, Disponível 7.577, Caixa Caixa Fundo Partidário 2.655, Caixa Outros Recursos Banco Conta Movimento Banco A 999 Agência 999 Conta , Banco B 999 Agência 999 Conta , Banco C 999 Agência 999 Conta Aplicações Financeiras (especificar) Numerários em Trânsito (especificar) Créditos (especificar) 821, Adiantamentos (especificar) 84, Estoques (especificar) Despesas Pagas Antecipadamente (especificar) Realizável a Longo Prazo Direitos Realizáveis Após o Exercício Seguinte (especificar) Despesas Pagas Antecipadamente Realizáveis após o Exercício Seguinte (especificar) Ativo Permanente , Investimentos (especificar) Imobilizado Bens Móveis , Máquinas e Equipamentos , Sistemas Aplicativos Móveis e Utensílios 6.829, Veículos (-) Depreciação Acumulada (55,96) Bens Imóveis ,04 (-) Depreciação Acumulada Direitos (especificar) Diferido (especificar) Passivo , Passivo Circulante 32,135, Fornecedores de Bens e Serviços (especificar) ,43 4

5 Obrigações Trabalhistas, Sociais e Fiscais (especificar) 6.541, Obrigações Provisionadas (especificar) Transferências de Recursos (especificar) Outras Obrigações a Pagar (especificar) 7.178, Exigível a Longo Prazo , Fornecedores (especificar) Obrigações a Pagar (especificar) , Patrimônio Líquido , Resultado do Exercício (84.356,22) Resultado Acumulado ,47 LOCAL DATA / / Presidente Tesoureiro Contabilista/CRC nº As contas do ativo estão distribuídas de acordo com o seu grau de liquidez crescente. Em primeiro lugar, agrupam-se aquelas que já constituem disponibilidade financeira, ou seja, dinheiro à disposição do partido político (caixa, bancos, aplicações de curto prazo) com aquelas que se converterão em dinheiro rapidamente (títulos a receber). A este grupo de contas denominamos Ativo Circulante. Em segundo lugar, agrupam-se as contas que se transformarão em dinheiro mais lentamente (Valores a receber após o exercício seguinte). A este grupo denominamos Ativo Realizável a Longo Prazo. Por fim, serão agrupados os itens que dificilmente serão convertidos em dinheiro, que normalmente não serão vendidos, mas utilizados nos objetivos da entidade. A este grupo denominamos Ativo Permanente. As contas do passivo e do patrimônio líquido são distribuídas de acordo com o seu grau de exigibilidade. Em primeiro lugar, agrupam-se as contas que serão pagas mais rapidamente (salários a pagar, impostos a pagar, etc). Este grupo é denominado Passivo Circulante. 5

6 Em seguida, serão agrupadas as contas que serão pagas num prazo mais longo (superior ao exercício seguinte). Este grupo é chamado Passivo Exigível a Longo Prazo. Finalmente, agrupam-se as contas que, praticamente, não serão quitadas (ao menos não sem a dissolução da entidade). São as obrigações com os proprietários da entidade. Este grupo é chamado Patrimônio Líquido. (DISCRIMINAR as contas mais comuns e citar a resolução de fusão, incorporação e extinção de partidos) b) DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) Ao final de cada exercício financeiro, é efetuado o confronto entre as receitas auferidas e as despesas realizadas com a finalidade de verificar a apuração do resultado do exercício. Esse cotejamento é apresentado através da Demonstração do Resultado do Exercício. Exemplo de DRE, a partir do modelo constante da Resolução TSE n /2004: DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO MODELO Partido: Órgão do Partido: UF/Município: Total RECEITA OPERACIONAL ,40 (-) Deduções da Receita Bruta RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA ,40 (-) Custo dos Produtos Vendidos RESULTADO BRUTO ,40 (-) Despesas Operacionais (2.691,882,62) OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS (-) Outras Despesas Operacionais RESULTADO OPERACIONAL (84.356,22) 6

7 RECEITA NA ALIENAÇÃO DE ATIVO PERMANENTE (-) Custo do Bem vendido RESULTADO NÃO OPERACIONAL RESULTADO ANTES DO IR (84.356,22) IR RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO (84.356,22) LOCAL DATA / / Presidente Tesoureiro Contabilista/CRC nº c) DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) A função da Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados é demonstrar a variação da conta Lucros Acumulados, que figura no Balanço Patrimonial no Patrimônio Líquido. Na contabilidade privada, ela pode ser substituída pela Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, mas não na prestação de contas anual de partido político, já que a Resolução TSE n /2004 prevê que esta peça integre as contas. Exemplo de DLPA, a partir do modelo da Resolução TSE n /2004: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MODELO Partido: Órgão do Partido: UF/Município: Total 1. Saldo Acumulado do Exercício do ano anterior: X ,51 2. Ajustes de exercícios anteriores 2.1 Efeitos da mudança de critérios contábeis 2.2 Retificação de erro de exercícios anteriores 2.547,96 3. Lucro Líquido do Exercício (84.356,22) 7

8 4. Destinação do Lucro 4.1 Transferência para reservas estatutárias 5. Saldo Atual (31-12.X2) ,25 Cidade/UF, XX de XXXXXX de XXXX. Presidente Tesoureiro Contabilista/CRC nº d) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Ao contrário da Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados que fornece a movimentação, basicamente, de uma única conta do Patrimônio Líquido, a Demonstração de Mutações do Patrimônio Líquido evidencia a movimentação de todas as contas do Patrimônio Líquido ocorrida durante o exercício. Assim, todo acréscimo e diminuição são evidenciados através desta demonstração. DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO MODELO Partido: Órgão do Partido: UF/Município: Reservas Estatutárias Acumulados Total 1. Saldo Acumulado do Exercício do ano anterior:xxxx , ,51 2. Ajustes de exercícios anteriores 2.1 Efeitos da mudança de critérios contábeis 2.2 Retificação de erro de exercícios anteriores 2.547, ,96 3. Lucro Líquido do Exercício (84.356,22) (84.356,22) 4. Transferência para reservas estatutárias 5. Saldo Atual , ,25 Cidade/UF, XX de XXXXXX de XXXX. 8

9 Presidente Tesoureiro Contabilista/CRC nº e) DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS Este demonstrativo explica a variação do Capital Circulante Líquido ocorrida de um ano para outro, ou seja, demonstra o como e o porquê desta mutação. Considera-se Capital Circulante Líquido a diferença entre o Ativo e Passivo Circulantes. O Capital Circulante Líquido só varia com operações realizadas no Ativo e Passivo não circulantes que afetam as contas do Ativo e Passivo Circulantes. Por exemplo, a aquisição à vista de um veículo. Nesta operação, há a movimentação de uma conta do Ativo Permanente (não circulante) com contrapartida na conta banco ou caixa (circulante). DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DOS RECURSOS MODELO Partido: Órgão do Partido: UF/Município: Total 1. Origens de Recursos 1.1 Das operações Resultado líquido do exercício (84.356,22) Despesas de depreciação Despesas e Amortização Lucro na Venda de Bens 1.2 De terceiros Redução do ativo realizável a longo prazo Vendas de bens e direitos do ativo permanente Aumento do Passivo exigível a longo prazo , Total das Origens (43.687,89) 9

10 2. Aplicações 2.1 Aumento do ativo realizável a longo prazo 2.2 Aquisição de bens e direitos permanente 2.3 Redução do Passivo exigível a longo prazo 1.790, Total das aplicações 1.790,00 3. Variação do Capital Circulante Líquido (45.477,89) DEMONSTRAÇÕES DAS VARIAÇÕES DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO Ano Anterior Ano Atual Variação Ativo Circulante , ,55 (66.883,55) ( - ) Passivo Circulante , ,68 (21.405,66) ( = ) CCL ,76 (23.652,13) (45.477,89) Cidade/UF, XX de XXXXXX de XXXX. Presidente Tesoureiro Contabilista/CRC nº f) O LIVRO DIÁRIO O livro diário é utilizado para o registro dos fatos contábeis em partidas dobradas (débito e crédito) na ordem rigorosamente cronológica do dia, mês e ano. É um livro obrigatório para utilização em todas as pessoas jurídicas. g) O LIVRO RAZÃO Diferente do livro diário, o livro razão consiste no agrupamento de valores em contas de mesma natureza. Todos os registros efetuados no livro diário repetem-se no livro razão, ordenados por conta contábil e dentro de cada conta, pela ordem cronológica. 10

11 4 ANÁLISE DOS EXTRATOS BANCÁRIOS E CONCILIAÇÃO BANCÁRIA Conforme o disposto no art. 4º, 1º e 2º da Resolução TSE nº /2004, as doações e os recursos do Fundo Partidário devem transitar por contas bancárias destinadas a esta finalidade. Desta forma, pode-se afirmar que o total das receitas recebidas pelo partido corresponde ao somatório dos créditos constantes dos extratos bancários deduzindo-se as transferências entre contas bancárias, estornos efetuados pelo banco, etc. Da mesma forma, o somatório dos débitos dos extratos bancários corresponde ao total da despesa efetuada no exercício, exceto transferências para a conta caixa, estornos efetuados pelo banco, pagamento de obrigações a pagar e aquisição de bens permanentes. Para análise dos extratos bancários, pode-se seguir o seguinte roteiro : PROCEDIMENTOS PARA EXAME DA MOVIMENTAÇÃO BANCÁRIA APURAÇÃO DAS RECEITAS QUE INGRESSARAM NA CONTA BANCÁRIA (CRÉDITOS BANCÁRIOS) 1. Identifique, no extrato bancário, os lançamentos que evidenciam o início e o término de cada um dos meses do exercício em análise. 2. Realize o exame mês a mês, ou seja, identifique o primeiro mês em que houve movimentação de recursos e identifique os créditos na conta bancária havidos naquele mês. 3. Devem ser consideradas receitas todos os créditos bancários havidos, à exceção de: - estorno de impostos; - estorno de tarifa; - cheques compensados (inicialmente debitados da conta) e que foram devolvidos por ausência de fundos (creditados nessa operação, mas que não são considerados como receita); - transferências entre as contas bancárias do candidato (quando existir mais de uma); - resgate de recursos de aplicação financeira (somente o rendimento da aplicação financeira é considerado receita). 4. Some todos os créditos bancários que são considerados receitas e anote na planilha disponibilizada na Intranet. 5. Repita o procedimento em todos os meses em que houve movimentação de recursos. 6. O somatório das Entradas efetivadas deve ser igual ao total de receitas lançadas no Demonstrativo de Receitas e Despesas (DRD). (1) Eventuais diferenças que possam existir entre os créditos bancários e as receitas consignadas no Demonstrativo de Receitas e Despesas devem ser apontadas no relatório. (2) Havendo divergência de valores entre os créditos bancários e as receitas consignadas no DRD, podem ocorrer as seguintes situações: - créditos bancários superiores às receitas registradas: nesse caso, o partido não registrou todas os ingressos de recursos havidos na conta bancária, o que pode denotar a existência de recursos de fonte não identificada ou receitas não contabilizadas. - Créditos bancários inferiores às receitas registradas: nesse caso, o partido não depositou 11

12 todos os recursos arrecadados, contrariando o art. 4º, parte final, da Res. TSE n /2004, que obriga o trânsito em conta bancária de todos os recursos arrecadados. APURAÇÃO DOS DÉBITOS BANCÁRIOS QUE CONSTITUEM DESPESAS 1. Identifique, no extrato bancário, os lançamentos que evidenciam o início e o término de cada um dos meses do exercício em análise. 2. Identifique os débitos na conta bancária havidos mês a mês. 3. Devem ser consideradas despesas todas os débitos bancários, à exceção de: - cheques depositados (inicialmente creditados da conta) e que foram devolvidos por ausência de fundos (debitados nessa operação, mas que não são considerados como despesa), - transferências entre as contas bancárias do partido (quando existir mais de uma), - transferência de recursos para aplicação financeira, 4. Some todos os débitos bancários que são considerados despesas e na planilha mencionada anteriormente. 5. Repita o procedimento em todos os meses em que houve movimentação de recursos. (1) Eventuais estornos de impostos e de tarifas devem ser deduzidos (diminuídos) do total de débitos apurados, visto que os impostos e as tarifas que os originaram foram devolvidos à conta bancária, não constituindo, dessa forma, despesa. (2) Cheques emitidos pelo partido que foram compensados (inicialmente debitados da conta), mas que foram devolvidos por ausência de fundos, não devem ser deduzidos (diminuídos) do total de débitos apurados, visto que, efetivamente, tais recursos não saíram da conta bancária. 6. O total apurado deve ser igual ao total de despesas lançadas no Demonstrativo de Receitas e Despesas. (1) Eventuais diferenças que possam existir entre os débitos bancários e as despesas consignadas no Demonstrativo de Receitas e Despesas devem ser apontadas no relatório. (2) Havendo divergência de valores entre os débitos bancários e as despesas consignadas no DRD, podem ocorrer as seguintes situações: - Débitos bancários superiores às despesas registradas: nesse caso, o partido não registrou na prestação de contas todas as despesas realizadas. - Débitos bancários inferiores às despesas registradas: nesse caso, ou o partido possui obrigações a pagar ou pagou a despesa com recursos que não transitaram pela conta bancária, contrariando o art. 4º, da Res. TSE n /2004, que obriga o trânsito em conta bancária de todos os recursos movimentados pelo partido. Quanto à conciliação bancária, esta é necessária quando o saldo dos extratos bancários diverge do saldo da conta Bancos constante do Balanço Patrimonial. Assim, deve o partido demonstrar através da conciliação bancária os motivos desta divergência e equacionar os saldos. Por exemplo: Suponhamos que o cheque n. 0005, no valor de R$ 200,00, emitido por um partido em X1 ainda não foi compensado, gerando saldo bancário ao final do exercício diferente do saldo contábil. Para demonstrar que os saldos são idênticos, dependendo apenas da compensação do referido cheque, é necessária a elaboração da conciliação bancária conforme demonstrado: 12

13 Conciliação Bancária Banco: 333 Agência: Conta: Saldo do extrato bancário em X1 836,00 2. Débitos ainda não efetuados pelo banco: Cheque ,00 Total 200,00 3. Créditos ainda não efetuados pelo banco Total 0,00 4. Saldo Conciliado 636,00 5. Saldo no Balanço Patrimonial em X1 636,00 5 ANÁLISE DE BALANÇOS E COMPARAÇÃO ENTRE AS PEÇAS CONTÁBEIS Com a finalidade de aferir a regularidade da prestação de contas apresentada pelo partido, destacam-se os pontos principais para verificação nos demonstrativos contábeis (roteiro completo está disponível na página de intranet do TRE, no item Partidos Políticos, Prestação de Contas Anual): a) Balanço Patrimonial Na análise do Balanço Patrimonial: - a existência de saldo negativo na conta caixa; - se os saldos das contas obedecem o princípio da continuidade; - se o saldo da conta bancos corresponde aos saldos constantes dos extratos bancários; - se o saldo da conta resultado do exercício é similar ao valor correspondente na Demonstração do Resultado do Exercício. b) Demonstração do Resultado do Exercício: Verificar se os valores relativos às receitas e despesas correspondem aos mesmos valores constantes do Demonstrativo de Receitas e Despesas. c) Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados e Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido 13

14 Nessas peças contábeis, verificar se os saldos finais de cada conta correspondem aos saldos evidenciados no Balanço Patrimonial relativos às contas constantes do Patrimônio Líquido. d) Demonstração de Origens e Aplicação de Recursos Observar neste demonstrativo se: - o valor do resultado do exercício confere com o valor constante na Demonstração do Resultado do Exercício; - os valores correspondentes ao ativo e passivo circulantes são idênticos àqueles evidenciados no Balanço Patrimonial no exercício em análise e no exercício anterior. 14

15 II - PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL CAUSAS PARA DESAPROVAÇÃO A eventual manifestação técnica pela desaprovação de contas deve considerar, essencialmente, as questões evidenciadas no caso concreto, sempre examinadas em conjunto. É possível, contudo, destacar irregularidades que conduzem à manifestação técnica pela desaprovação de contas no âmbito desta unidade de Controle Interno nos processos que são submetidos a seu exame, a seguir evidenciadas: 1. Ausência de conta bancária A abertura de conta bancária é condição para o recebimento de doações e contribuições de recursos financeiros pelos partidos políticos. O entendimento da COCIN sobre a obrigatoriedade de abertura de conta bancária é o seguinte: CONTA BANCÁRIA DE PARTIDO POLÍTICO: OBRIGATÓRIA A ABERTURA. Entende a Coordenadoria de Controle Interno deste Tribunal, a partir de interpretação sistemática e teleológica da Lei 9.096/1995, ser obrigatória a abertura de conta bancária. A Lei, sabiamente, previu (art. 39, 3º) que eventuais doações recebidas pelas agremiações partidárias fossem efetuadas mediante cheques cruzados em nome do partido recebedor ou por depósito bancário diretamente na conta do partido político. O dispositivo visa, como se pode inferir, à identificação das fontes de receita partidárias. Ainda que se ignore a expressão "na conta do partido político" para entendê-la como previamente existente, entende-se que é importantíssimo considerar que se essa conta não estiver aberta quando do início do exercício financeiro não há como registrar eventual doação recebida. Ora, como as doações são atos voluntários e, portanto, imprevisíveis, não possuir a conta bancária aberta implicaria negar-se ao recebimento de eventual doação (alternativa pouco provável) ou movimentá-la paralelamente à escrituração apresentada à Justiça Eleitoral. Idêntico raciocínio pode ser aplicado à movimentação bancária dos recursos do Fundo Partidário, cujo recebimento eventual também restaria inviabilizado (ou seja, o argumento do não recebimento no presente impediria os recebimentos futuros). 15

16 A disposição normativa do TSE a respeito da matéria encontra-se presente na Resolução /2004, que prevê a apresentação de extratos bancários consolidados e definitivos relativos ao período integral do exercício a que se referem as contas. Dessarte, considerando o teor dos dispositivos constantes da Resolução n /2004, em especial o art. 4º, caput e 2º, art. 14, II, n, entende-se necessária a abertura de conta bancária para movimentação de recursos próprios do partido, mesmo na hipótese da ausência de movimentação de recursos financeiros, bem como necessária a abertura de conta bancária distinta para a movimentação de recursos do Fundo Partidário, salvo na hipótese em que o estatuto partidário exclua a possibilidade de recebimento de recursos do Fundo Partidário por direção municipal. Texto disponível em 2. Extratos bancários ausentes ou incompletos A apresentação dos extratos bancários consolidados e definitivos de todo o período examinado é necessária para a análise da compatibilidade entre a movimentação financeira havida e as receitas e despesas registradas nas contas. Sem a apresentação da totalidade dos extratos, não é possível aferir a fidedignidade dos registros contábeis. Ressalta-se que a prova da ausência de movimentação financeira eventualmente registrada nas contas é feita por meio da apresentação de extratos bancários zerados referentes a todo o exercício financeiro examinado. 3. Divergência na movimentação financeira (extratos bancários X demonstrativos da prestação de contas) Divergências entre a movimentação financeira evidenciada nos extratos bancários e os registros contábeis podem indicar irregularidades graves, como a arrecadação de receitas financeiras e o pagamento de despesas com recursos que não transitaram pela conta bancária do partido. Na análise dos extratos bancários, deve-se dar atenção aos cheques devolvidos e não reapresentados, pois podem indicar a omissão da contabilização de despesas ou o pagamento de despesas com recursos que não transitaram pela conta bancária do partido, situação que deve ser diligenciada. 16

17 4. Utilização de recursos financeiros sem o trânsito pela conta bancária A utilização de recursos financeiros sem o prévio trânsito pela conta bancária do partido é irregularidade grave, causa suficiente para a desaprovação das contas. A resolução TSE n /2004 estabelece que a arrecadação e a aplicação de recursos financeiros deve ocorrer por meio da(s) conta(s) bancárias(s) do partido: Art. 4º O partido político pode receber cotas do Fundo Partidário, doações e contribuições de recursos financeiros ou estimáveis em dinheiro de pessoas físicas e jurídicas, devendo manter contas bancárias distintas para movimentar os recursos financeiros do Fundo Partidário e os de outra natureza (Lei nº 9.096/95, art. 39, caput). 1º Os depósitos e as movimentações dos recursos oriundos do Fundo Partidário devem ser feitos pelo partido político em estabelecimentos bancários controlados pela União ou pelos Estados e, na inexistência desses na circunscrição do respectivo órgão diretivo, em banco de sua escolha (Lei nº 9.096/95, art. 43). 2º As doações e as contribuições de recursos financeiros devem ser efetuadas por cheque nominativo cruzado ou por crédito bancário identificado, diretamente na conta do partido político (Lei nº 9.096/95, art. 39, 3º). Art. 10. As despesas partidárias devem ser realizadas por cheques nominativos ou por crédito bancário identificado, à exceção daquelas cujos valores estejam situados abaixo do teto fixado pelo Tribunal Superior Eleitoral, as quais podem ser realizadas em dinheiro, observado, em qualquer caso, o trânsito prévio desses recursos em conta bancária. Na movimentação de recursos fora da conta bancária do partido não há controle da origem destes recursos, não sendo possível aferir a legalidade da doação/contribuição. 17

18 5. Utilização de recursos provenientes de fonte vedada ou de origem não identificada É obrigatória a identificação da origem das receitas arrecadadas pelo partido, assim como a observação das proibições relativas às fontes de recursos. A respeito, dispõe a Lei n /95: Art. 30. O partido político, através de seus órgãos nacionais, regionais e municipais, deve manter escrituração contábil, de forma a permitir o conhecimento da origem de suas receitas e a destinação de suas despesas. Art. 31. É vedado ao partido receber, direta ou indiretamente, sob qualquer forma ou pretexto, contribuição ou auxílio pecuniário ou estimável em dinheiro, inclusive através de publicidade de qualquer espécie, procedente de: I - entidade ou governo estrangeiros; II - autoridade ou órgãos públicos, ressalvadas as dotações referidas no art. 38; III - autarquias, empresas públicas ou concessionárias de serviços públicos, sociedades de economia mista e fundações instituídas em virtude de lei e para cujos recursos concorram órgãos ou entidades governamentais; IV - entidade de classe ou sindical. De acordo com o art. 6º da Resolução TSE n /2004, os recursos de origem não identificada não podem ser utilizados pelo partido, devendo ser recolhidos ao Fundo Partidário: Art. 6º Os recursos oriundos de fonte não identificada não podem ser utilizados e, após julgados todos os recursos referentes à prestação de contas do partido, devem ser recolhidos ao Fundo Partidário e distribuídos aos partidos políticos de acordo com os critérios estabelecidos nos incisos I e II do art. 41 da Lei nº 9.096/95. Parágrafo único. O partido político responsável pelo recebimento de recursos de fonte não identificada deve ser excluído da distribuição proporcional dos recursos de que trata o caput. No entendimento da COCIN, constitui irregularidade grave a utilização de recursos de fonte vedada, não o seu recebimento. De acordo com o art. 28, II, da Resolução TSE n /2004, os recursos de fonte vedada recebidos devem ser recolhidos ao Fundo Partidário. 18

19 Para verificar se o partido utilizou os recursos financeiros de fonte vedada ou de origem não identificada eventualmente recebidos deve-se analisar os extratos da conta bancária do partido: o saldo bancário não deve ser inferior ao valor doado em nenhum dia posterior ao recebimento destes recursos. Se em algum momento o saldo for inferior, considera-se que os recursos de fonte vedada ou de origem não identificada foram utilizados, mesmo que parcialmente. A ausência das informações do doador ou contribuinte (nome incompleto, ausência de CPF/CNPJ) pode configurar o recebimento de recursos de fonte não identificada. Neste caso, diligenciar o partido para que complemente as informações. 6. Recebimento de contribuição ou doação de autoridade (fonte vedada) Se a prestação de contas registrar o recebimento de doações e/ou contribuições de pessoas físicas, deve ser solicitado que o partido manifeste-se sobre o recebimento de contribuição ou doação de simpatizantes ou filiados que possuam a condição de autoridade, para a verificação da hipótese de recebimento de recursos de fonte vedada (art. 31, II, da Lei n /1995). Nos relatórios para expedição de diligências da COCIN cita-se a definição de autoridade dada na Resolução TSE n /2007: Partido político. Contribuições pecuniárias. Prestação por titulares de cargos demissíveis ad nutum da administração direta e indireta. Impossibilidade, desde que se trate de autoridade. Resposta à consulta, nesses termos. Não é permitido aos partidos políticos receberem doações ou contribuições de titulares de cargos demissíveis ad nutum da administração direta ou indireta, desde tenham a condição de autoridade. [...] O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO (Presidente): O Tribunal responde à consulta apontando que não pode haver a doação por detentor de cargo de chefia e direção. 7. Não comprovação de despesas custeadas com recursos do Fundo Partidário As hipóteses de aplicação dos recursos do Fundo Partidários estão definidas no art. 44 da Lei n /95: 19

20 Art. 44. Os recursos oriundos do Fundo Partidário serão aplicados: I - na manutenção das sedes e serviços do partido, permitido o pagamento de pessoal, a qualquer título, observado neste último caso o limite máximo de 50% (cinquenta por cento) do total recebido; Redação dada pela Lei n /2009. II - na propaganda doutrinária e política; III - no alistamento e campanhas eleitorais; IV - na criação e manutenção de instituto ou fundação de pesquisa e de doutrinação e educação política, sendo esta aplicação de, no mínimo, vinte por cento do total recebido. V - na criação e manutenção de programas de promoção e difusão da participação política das mulheres conforme percentual que será fixado pelo órgão nacional de direção partidária, observado o mínimo de 5% (cinco por cento) do total. Incluído pela Lei n / º Na prestação de contas dos órgãos de direção partidária de qualquer nível devem ser discriminadas as despesas realizadas com recursos do Fundo Partidário, de modo a permitir o controle da Justiça Eleitoral sobre o cumprimento do disposto nos incisos I e IV deste artigo. 2º A Justiça Eleitoral pode, a qualquer tempo, investigar sobre a aplicação de recursos oriundos do Fundo Partidário. A comprovação da aplicação de recursos do Fundo Partidário é disciplinada no art. 9º da Resolução TSE n /2004: Art. 9º A comprovação das despesas deve ser realizada pelos documentos abaixo indicados, originais ou cópias autenticadas, emitidos em nome do partido político, sem emendas ou rasuras, referentes ao exercício em exame e discriminados por natureza do serviço prestado ou do material adquirido: I - documentos fiscais emitidos segundo a legislação vigente, quando se tratar de bens e serviços adquiridos de pessoa física ou jurídica; e II - recibos, contendo nome legível, endereço, CPF ou CNPJ do emitente, natureza do serviço prestado, data de emissão e valor, caso a legislação competente dispense a emissão de documento fiscal. Devido à natureza pública dos recursos provenientes do Fundo Partidário, o valor correspondente aos recursos não comprovados ou irregularmente aplicados devem ser ressarcidos ao Erário. 20

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas).

Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas). Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas). 1º PASSO: VERIFICAÇÕES: a) Certificar-se junto ao site do TRE quanto à validade do prazo do mandato da direção. b)

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Palestra Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Prestação de Contas Eleitorais A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo Lembre-se de que este guia foi elaborado para facilitar a sua compreensão do que é prestar contas à Justiça Eleitoral. Todas as normas, que contêm o assunto detalhadamente, estão disponíveis na página

Leia mais

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo Quais as regras que devem ser observadas para a Prestação de Contas nas Eleições 2012? Além das normas contidas na Lei nº 9.096/1995 (a Lei dos Partidos Políticos) e na Lei nº 9.504/1997 (a Lei das Eleições),

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Procuradoria Regional Eleitoral do Estado do Piauí

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Procuradoria Regional Eleitoral do Estado do Piauí Prestação de Contas nº 275-29.2012.6.18.0030 Classe 25 Procedência: Agricolândia/PI (30ª Zona Eleitoral São Pedro do Piauí/PI) Protocolo: 69.643/2012 Relator: Dr. Valter Alencar Rebelo Assunto: Prestação

Leia mais

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE QUADRO I BALANÇOS PATRIMONIAIS ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 2.630.185 2.070.467 Fornecedores 115.915 76.688 Contas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 19.768 (17.12.96) PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 15.486 - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 19.768 (17.12.96) PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 15.486 - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Fonte: DJ de 17/02/1997 Ementa: Disciplina a Prestação de Contas dos Partidos Políticos e o Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos (Fundo Partidário). Observação: RES 19.864, DE

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

A CIÊNCIA CONTÁBIL NAS CAMPANHAS ELEITORAIS

A CIÊNCIA CONTÁBIL NAS CAMPANHAS ELEITORAIS A CIÊNCIA CONTÁBIL NAS CAMPANHAS ELEITORAIS Autor: Sérgio Pastori Este artigo foi elaborado com base na Resolução de nº. 21.609/04, de 05/02/2004, do TSE, a qual dispõe sobre a arrecadação, a aplicação

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

Estado do Pará MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP

Estado do Pará MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP Define os documentos e modelos de demonstrações contábeis exigidos para prestação de contas finalística das entidades do terceiro setor sujeitas ao velamento

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação a serem adotados na utilização dos benefícios fiscais instituídos pela Lei n

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA E-MAIL: motaglauber@gmail.com CONCEITO: CONTABILIDADE CIÊNCIA QUE ESTUDA E PRATICA AS FUNÇÕES DE REGISTRO, CONTROLE E ORIENTAÇÃO

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS Índice Item CONTETO 1 6 ALCANCE 7 8 RECONHECIMENTO 9 10 REGISTROS CONTÁBEIS 11 22 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 23 25 CONTAS DE

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DOS DIRETÓRIOS PARTIDÁRIOS Tendo em vista a obrigação das agremiações partidárias de prestar contas até 30 de abril de 2014, referente ao exercício

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE (31 DE DEZEMBRO DE 2005) PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE Aos Srs. Administradores e Diretores da SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

NORMAS E REGULAMENTOS

NORMAS E REGULAMENTOS NORMAS E REGULAMENTOS Lei nº 9.096/1995; Lei nº 9.504/1997; Resolução TSE nº 23.406/2014; Comunicado BACEN nº 25.091/2014; IN Conjunta RFB/TSE nº 1.019/2010. REQUISITOS PARA ARRECADAR E REALIZAR GASTOS

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013

BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013 SINDICATO DOS CONTABILISTAS ESTADO GOIÁS CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE DE GOIÁS CONVÊNIO CRC-GO / SCESGO BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES As doações poderão ser realizadas por pessoas físicas ou jurídicas em favor do candidato, comitê financeiro e/ou partido político, mediante (art.22): I cheques cruzados

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. * RESOLUÇÃO Nº 23.216 ** INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Ementa: Dispõe sobre a arrecadação

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DE PARTIDOS POLÍTICOS

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DE PARTIDOS POLÍTICOS MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DE PARTIDOS POLÍTICOS (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 23.432/14) Manual de prestação de contas anual de partidos políticos -1 Manual de prestação

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE 1. CONTA: Conta é o nome técnico que identifica cada componente patrimonial (bem, direito ou obrigação), bem como identifica um componente de resultado (receita ou despesas). As

Leia mais

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT Palestra: Prestação de Contas Eleitoral Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n. 9.504, de 30 de setembro de 1997: - Código Eleitoral (dispõe normas para eleição). Lei

Leia mais

A THOMSON COMPANY. INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

A THOMSON COMPANY. INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente A THOMSON COMPANY INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Direitos autorais cedidos

Leia mais

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE?

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? 1. O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 9 Mutações do Patrimônio Líquido

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 9 Mutações do Patrimônio Líquido 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Mutações do Patrimônio Líquido Tópicos do Estudo Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados nos moldes da Lei das

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, Julgue os itens subsequentes, relativos à correta classificação e julgue os itens a seguir. utilização de

Leia mais

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 1/6 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 2. OBJETIVOS 3. ABRANGÊNCIA E VIGÊNCIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS TEXTO 2 PRESTAÇÃO DE CONTAS E SUAS ESPECIFICIDADES INTRODUÇÃO Tomando como base a definição do Tesouro Nacional que designa a Prestação Contas como: Demonstrativo organizado pelo próprio

Leia mais

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes PricewaterhouseCoope~ Av. Francisco Matarauo, 1400 Torre Torino Caixa

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

IV - Bens e direitos que devem ser declarados

IV - Bens e direitos que devem ser declarados IV - Bens e direitos que devem ser declarados Regra geral, devem ser relacionados nessa ficha da Declaração a totalidade dos bens e direitos que, no Brasil ou no exterior, constituam, em 31 de dezembro

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Diretores, Conselheiros e Associados da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL SÃO PAULO SP 1. Examinamos o Balanço Patrimonial da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL,

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 21 de março de 2003

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005 Estabelece normas e procedimentos visando à arrecadação, recolhimento e cobrança das multas previstas no Código Eleitoral

Leia mais

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados - Roteiro

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados - Roteiro Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro Segundo o MCASP, o é a demonstração contábil que evidencia, qualitativa e quantitativamente, a situação patrimonial da entidade pública, por meio de contas representativas do patrimônio público, além das

Leia mais

Art. 7 - A concessão de adiantamento se dará mediante requisição que indicará:

Art. 7 - A concessão de adiantamento se dará mediante requisição que indicará: INSTRUÇÃO NORMARTIVA N 004, de 29 de junho de 2007. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO / CONTROLE INTERNO Disciplina a execução e a montagem de processos de

Leia mais

Guia para Comprovação de Investimentos

Guia para Comprovação de Investimentos Guia para Comprovação de Investimentos 1 2 4 5 Introdução Acompanhamento na Fase de Análise ETAPA 1 Comprovação Financeira ETAPA 2 Comprovação Física ETAPA Comprovação Jurídica ETAPA 4 Liberação Penalidades

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

Arrecadação Gastos Prestação de contas

Arrecadação Gastos Prestação de contas Arrecadação Gastos Prestação de contas Tatão Bom de Voto História ilustrativa e simplificada de como arrecadar recursos, realizar despesas e prestar contas à Justiça Eleitoral. Arrecadação Gastos Prestação

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.406 - INSTRUÇÃO Nº 957-41.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.406 - INSTRUÇÃO Nº 957-41.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.406 - INSTRUÇÃO Nº 957-41.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Ementa: Dispõe sobre a arrecadação e

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ORIENTAÇÕES RECEBIDAS DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 23.432

RESOLUÇÃO N o 23.432 RESOLUÇÃO N o 23.432 Alterada pela Resolução TSE nº 23.437, publicada no TSE-e de 18/05/2015, págs. 36/37. PROCESSO ADMINISTRATIVO N o 1581-56.2014.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça) Prestação de Contas Eleitoral: Legislação x Prática Contador Ruberlei Bulgarelli Julho 2012 LIMITE DE GASTOS Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº xxxx CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito O Tribunal Superior

Leia mais

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22 I - APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (SIMPLIFICADA) 1 - CONCEITO A Apuração do Resultado do Exercício também chamado de Rédito - consiste em verificar o resultado econômico atingido pela empresa em determinado

Leia mais

0,00 0,00 CONTAS A RECEBER TERCEIROS 68.197,37 38.637,80 CONTAS A RECEBER CONTRIBUINTES 0,00 0,00 CONTAS A RECEBER ASSOCIADOS

0,00 0,00 CONTAS A RECEBER TERCEIROS 68.197,37 38.637,80 CONTAS A RECEBER CONTRIBUINTES 0,00 0,00 CONTAS A RECEBER ASSOCIADOS FUNDAÇÃO HERMON CONSOLIDADO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 Srs.Instituidores e Contribuintes: Atendendo disposições legais e estatutárias, submetemos a apreciação de V.Sas., o Balanço

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 14 PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 QUESTÃO 31 O Ativo representa um conjunto de: a) bens intangíveis. b) dinheiro na empresa. c) bens para investimento. d) bens e direitos da empresa. QUESTÃO 32 Um pagamento

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ORIENTAÇÃO TÉCNICA ASEPA N o 1 DE 4 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a apresentação das prestações de contas partidárias anuais pelos diretórios nacionais dos partidos políticos,

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 1581-56.2014.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Henrique Neves Interessado: Tribunal Superior Eleitoral

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais