COMPONENTES DO PROCESSO DE ACTIVA<;AO DO DESENVOLVIMENTO PSICOLOGICO. Jose Tavares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPONENTES DO PROCESSO DE ACTIVA<;AO DO DESENVOLVIMENTO PSICOLOGICO. Jose Tavares"

Transcrição

1 COMPONENTES DO PROCESSO DE ACTIVA<;AO DO DESENVOLVIMENTO PSICOLOGICO Jose Tavares

2 ldentifica<_;ao e caracterizac;ao dos principais componentes '' A simples reflexao sobre o desenvolvimento psicol6gico como processo e como produto permite-nos identificar duas grandes ordens de razoes que desempenham urn papel mais ou menos activo e determinante, a saber: urn determinado patrim6nio hereditario dos..s.ujeitos-emmhddns e urn ambie!).- te mais ou fl!en~~avel.em.jellilos-de-adegna((ao...de-recursos, de meios e de processos. A..._dissecac;ao de cada uma destas ordens de gzoess.q.ud.uzir:n.o_s..:i,_p.o.i.ay.ily~~-}!jg!tll:- _ tifi~ ar~c!~!izac;ao. e comj>~~~e.~~_c~_,_qq~j2fiq jq.ais -~-~m-. ~~-~_!lte _fl!!~~~~~-o-~j?i9fessos.de..actijla~do.. desen _v~~vimei1t()_psjc;()! g~c_?_: Antes, porem, impoe-se determinar o que se entende por desenvolvimento psicol6gico. ('~ desenvolvimento psicol6gico e uma das dimensoeuto desenvolvimento humano a par do desenvolvimento ffsico., )!o16gico, lingufstico, axiol<)gico-;-social, etc. - ~ _Q_Qesenv~!vim~nt2 pj>jcol<2gi~s>jn!~gl'!... ~~~!os de natureza cognitiva, afectiva e voliti~oug~jpmada de posi9ao do ~~AsSlm~-quandoseprete;de identificar e caracterizar os componentes do processo de activac;ao do desenvolvimento psicol6gico, sera necessaria saber como funcionam estes multiplos aspectos e como e que eles jogam em relac;ao as outras grandes vertentes do desenvolvimento humano a nfveis conscientes, subconscientes e inconscientes. Com isto preten ~3!-simplesmente a aten~ao para a complexidade do ct.esenvolvimento psicol6gico que de forma algoma pode ser entendido como desligado dos suportes fisico-bio16gicos, da fgrc;_a ~iologica-e-dos contextospsico.:sociats que lhe servem de envolvente. 43

3 E neste quadro e dentro de urn modelo de analise que, riltimamente, nos tern servido de referenda, no dorninio das rela<;:6es interpessoais, que desempenham certamente urn papel imprtante na activa<;:ao (Tavares, 1994) que iremos ten tar identificar e caracterizar os principais componentes do processo de activa<;:ao do desenvolvimento psicol6gico do ser burnano tendo em conta as suas diferentes fases ou estadios. Todas estas vertentes serao examinadas, urn pouco mais em promenor, a seguir Componentes de natureza ffsica e biol6gica Hoje, no estado actual da investiga<;:ao, nao restam duvidas de que a activa<;:ao do desenvolvimento_~is:.2!qgico d~ pessoas nao pode desli ar-se da sua constit!:!k~qj!.sic'l:_~ bio opca. Estudos realizados, sobretudo, nos domfnios da Microbiologia, da Biotecnologia, das neurociencias e da ciencia cognitiva, tern conduzido a conclus6es que abrem perspectivas maravilhosas mas que, ao mesmo tempo, implicam consequencias imprevisfveis e ate de alto risco para o futuro da humanidade. Por conseguinte, urn conhecimento mais aprofundado dessas descobertas e da sua manipulayao ou diferentes formas de aplica<;:ao nao sera certamente descabido e, por conseguinte, devera ser levado em conta nos processos de activa<;:ao do desenvolvimento psicol6gico do ser humano que assenta num todo uuitacio, organic.o, nnma espe~ie de orga~q..g~cen:a...em~.su.qda. JlS J.lQ~~12lliQ<!Qy_ Jiasua, -~~pansao futura~.n mundoj.enqrnenald<l.er.hurna _!1.211: partir ~e!~lllq~,<.. s.er crunp.re.endido, confirmado nas suas possibilidades, (M. Buber). Isto e, aceite de urn modoposltivoe incondi~i~i1;f'que seja inteligfvel, transparente, congruente, autentico, na comuinicayao dialogal em que se expnme, como diria Rogers. S6 assim se desenvolvera aquela ~ &meatia, ~onfi!!!l... ~-E-~ o h.lli.ydq_a eml2.!!i~_j::.~~!ero ;;t, dialectica, assim~g:jg,..e~tria~a-que.. possibilit.a..'!.f_qidyuica.~il!tifs.ub};;tixa entre p~s~~.<ts: E por is so que uma melhor compreensao do desenvolvimento psicol6gico e das suas di-...._ , '""~ ,.~- "'"'..,.,"""'-~ _. 44

4 o Jes ')"', i rc.l _f~!en_!_~~-[?_~m~~~--~~t_i_~~y~~illlj!!~:~.. ~~-~~-~~~i~ei~~~3~, \ ~ ' melhor conhecimento da sua dimensao flsica e biol6gica, e.l (. L;cu CA h 0>0 IMC;\;:J o'fganfca. 0 -desenvolvi~e~to hu~~~-~-~~ti ipt!_~~~~!~o-t!.~ 1-. f~ \!(. ' (' ldl >?., ~:\,Jif' 0 do a6suported_o Illeio fisic.o ~ biologko q_w:;.~~.encqp.tnt.p.ll,ill ~ ~~~~~~?~.~~-~~g!a4a.9a9 cr~sc~nte.. e q1:1:e.j!o.~.!lq ~()s_ qia. p~~~~e " ati:n,gir.ni~reocupantes. ~ -Parece que nfos6.os ~~mentos ecol6gicos mas os grandes responsaveis da comunidade mundial comevam a manisfestar uma grande preocupa9ao com a qualidade de vida que o nosso planeta esta a atingir que ameava compremeter seriamente a sobrevivencia dos seus habitantes. Nao e pois indiferente atender ou nao a esta dimensao ou suporte do desenvolvimento humano se se quiser intervir eficazmente na sua activavao e optimizavao. _ Componentes de natureza psicol6gi<;a A dimensao psicol6gica constitui outro pressuposto essencia! para o desenvo~~ntq Q~.P-C....Qa hq.!!lillja. Quando se 'Wloca o problema dos componentes de mitureza psicol6gica pensa-se de imediato!!~ Earte afectiva, cognitiva e volitiva C~..> o..j.j cj \.;J ~ }o lo "'""'\ que constituem o centro da _d~n~mica da pessoalidade huma- W! \ v."' CL" -'"o,, u 0"-(' (.~ na em ioda a sua complexidade. Daqui se depreende qrie OS ~- \(:. ~(' l(.) ~.::> e""'.rw\~c:::, / componentes de natureza pstcol6gica que intervem na activac ' e;"fj \_iio do desenvolvimento humano, uns estao mais ligados com a Earte afectiva, outros com a cognitiva e outros ainda corp. a volitiva. --~emos, pois, cada urn destes componentes ou aspectos sem perder de vista a sua intima ligavao na estrutura da personalidade dos sujeitos. Este contexto ou enquadramento nao podera nunca perder-se de vista em qualquer tipo de analise levada a efeito sobre o assunto. A afectividade --- Esta dimensao do sujeito humano cobre toda uma gama de comportamentos agradaveis ou desagradaveis, como as emo- 45

5 soes, OS sentimentos, as paixoes que percorrem tdda a estrutura da sua personalidade e constituem~idqs fioutros lugares, uma especie de "lubrifican_t~: que assegura o seu born funcionamento. Efectivamente, em toda a actividade do homem e bern patente a presenc;a deste lubrificante que, em certa medida, lhe confere o estatuto de verdadeiramente humana e que as m~~~:;~;;;-as mais sofisticadas aind~~io-conseguem-iffiitar--ou s1muiar.'"tiita:sede umregisto mais de natureza cordial contraposto a urn registo mais cerebral. (Tavares, 1992: ). As razoes do corac;ao em contraponto com as ra?;q~_ Qg ~r~bjq, da-~~~i~):r~-mundo o1till"undivi<tsi1ci;d~- matriz oriental em--~~ntraposic;ao com urn mundo ou mundividencia ocidental. A Atenas contraposta a Jerusalem. Por poutro lado, s~e--~~~~~a~~-_p_() s,_itjya, ll_eg_(ltiva ou illd!ferentemente (se, na realidade, e defensavel a indiferenc;a -a1ecii.yat,-rressupoe consciencia, conheci;mento, de algo, de al~_ue!fl, g~~.-ee~o facto de ser conhecido provoca no sujeito cognos~t:?n!~ _!1!11 d_eterminado estado de afectividade mais ou "rnenos"f~rte, passageiro ou permanente e profundo. Por outras ~ E!l-]<:_vras, _(JS e_~tado_s afectiyq.s ou e!j1otiyos_. pr~ssup5e!ll comhecimento a niveis cognitivos ou metacogniticos de maior ou menor complextdade e abstracc;ao. 0 que. de alguma ma- Gs. c <,\c,-\ 0 S. --llelra nao- entra no campo da minha consciencia considerada C::)._\ ec\-~'!\)-:;, em toda a realidade dinarnica do psiquismo que a integra ( ao \f'('\e "'s'---' \:x_e nivel da zona clara, esbatida ou escura) nao existe para rnim, <:::.c-v\p-.t u..' -~--p'j nao tern influencia no meu comportaniento e, por conseguinte, 0 u.' G-~--::"' C c.<; en' ""' 0 -::, nos meus estados afectivos. () 0 conhecimnento: a cognic;ao e a metacognic;ao Do que acabamos de referir se infere que os fen6menos cognitivos se revestem de particular importancia em todo comportamento humano. 0 que de algum modo nao e conhe ~!gq_!l~qj:!i;i!~..p.t:.o..r!i~il!<?tite. P~!~ o Silfeito-e,--purconse-gliin: te, nao lhe provoca qualquer pos-siblllaacreae-reac~ffone~ -cognttlva,-nem--ate tiva;-lielii=yquii~~ ou de-iomada <fe-cie~i "" " - - ~'- _...,."~-.,.... <.,.W_,., ,~"' 'IJ c--.<, 'ho \._) ~

6 e~~- c..o~?:f";-: ~.:"'D e j- C ry\(2_-\ Cc..:r-;""' \-\\!\:) sao ou pos_!s:ao. 0 sujeito a quem nao chegue qualquer estf Iiillioextemq]?'i!n!~mo fic_a simp-lesmem~jnacti_v_o ojlpm~: do, em termos emocionais, afectivos, deliberativos ou de tomada de decisao. urn~ i~~nsta1t~ao-vemrepirr-aumiiluz diferente o papel e a importancia da consciencia ou do conhecjm~_!l_!.9_ e~_g_~ral. Por sua vez, a problematica da consciencia ou do conilecimento coloca o problema das fronteiras entre as suas diferentes instanci!!s, ~<2Iis~Iiiii~:: s~i:.c9nsc1ente e incon~ciell"t~"-e OS-~i~~I~-~d~ ~ ~-QgQj~_~Q 91J JnJ;_ta(;Qgpl ~-g?. 'g l~!to gjier~;_)~ s~br~ tudo is to que incide 0 objecto do nosso questionamento, da nossa reflexao e da nossa pesquisa para poder identificar e caracterizar os principais componentes ou factores que intervem no desenvolvimento psicologico do ser humano. Conviria, no entanto, ainda que muito sucintamente, distinguir o que se entende por _conhecimento ao nfvel cognitivo e metacggnitivo ainda que os estu~~iis sobreesta ' -;;rteria se--t~-~~itiplicado_e.que nao ir~i r~feri; ~~i. --- Como sabemos o conhecimento e uma actividade em que urn sujeito interioriza, assimila, se acomoda e equlti:ljfao -uilcfo-dos-c>bjectos.-re- aos-silfcit:08-06jecii:v:aaos):~da~~~ o c:"'cs"'-\a e das suas mutuas ime_lica<;oes, a urn grau maior ou menor de a s rac<;ao e de comple~:e'com basenesteconhecimen~ 't;) que 0 ser humano resolve OS problemas que a escola e, sobretudo, a vida lhe colocam e se adapta a realidade quoti <:liana, e, em certa medida anticipa o futuro. Quando realiza.\"\\!", "\'-->c.\.)._\. J J mos actividades de conhecimento deste tipo estamos a traba-, lhar ao nfvel cognitivo. 0 nfvel metacognitivo pressupoe, de "~ ~\ -"v o> o'o\ev'0.o s certa forma, uma reflexlio do sujeito cognoscente~sobre a sua l,.. 'r\ o<::. C. e _,c c (~' (-f.---propria actividade cognitiva 1~~!~-J~ntar identifi_ M e comj2!e-., C. 1.,,(, '', 'i'\ \ ~'v,), ~DJO e que 0 sujeito funciqda qga,ndo estclj! Q.Q]lece_s ao.. ' > ', c', 1 l' \:::>, ) lr \CDu seja, que mecanismos e qu~ ele desencadeia na realiza<;ao ' 0 c J ';c da sua actividade cognitiva epa sua propria monitoriza<;ao e -. ' '-C> () J'.. avalia<;ao. Quando 0 sujeito co,gnoscente funciona a este nfvel, ele esta a conhecer de urn modo, a urn nivel metacognitivo. 0 conhecimento metacognitivo, no fundo, nao e muito diferente de urn conhecomento reflexivo. Simplesmente essa 47

7 reflexao incide sobre os pr6prios mecanismos que intervem no acto de conhecer ao nivel da sensa9ao /percep9ao, da imagina9ao, da conceptualiza9ao, da afirma9ao ou juizo e do raciocinio. Sobre este assunto convem ter presente os diferentes passos ou momentos por que passa a actividade cognitiva a urn grau mais ou menos elevado de abstrac9ao. (Tavares, 1992:52-54). Os fen6menos volitivos ou de tomada de -~-~,!2.!!?;~ decis6es de uma maneira conscie~!~.1.je.~p<jl1.say~j ~ ~~ ~v~-~a~:~ :~~li~!;,;_~~~~~~~~ ~~ns~!~~~pe~.~~!?~~~~sla..1!~tiyida.~. C',~_; v-" e" -;;. de uumana. A _tqlllilda_de decisaq ou..d.k_pgsi~~_() envolve, por. sa e',- ~e, todas as capacidades e energias de que-o.su]elto e capaz e de que disp6e, em ~-;d~momento-do-s'ei.faesen- Ci VY' c> ', ',,_, cu -".. ',~)c ~c.<, \~u. voivlffie"ii'io:-de '"natureza fisica e biol6gica,- psfc}~ica,..--)(xl Q) G_.S ~'fe ao _;, {'!»': <1'-'.._ u arlcl6gic~:-~-;;ciale li;g~isti~a-~u comunicativa. Isso-implica ~eiivoivimenfo.numano para atingir esse objectivo ~~ffodas-~~i!it~~~-af8pcias. A sua actiya~~~~-- ~~ti'"ga9-~o, "estimula9ao e optirniza9ao em cada etapa do processo tern a ~~;r_4~~~ci~ip_e~f~~~~~.!ij21?iliza9ao -~-a~tiyax~o de um-~g(fo adequado e articulado de todas estes comr~p.~pt_e.~. ~~t.!!jtu~:.ais, ~-~!_!:uturantes e funcionais do ser humano. 0 problema reside 1}0 como e em''que. media<i' actfvar toooi esses componentes de urn modo correcto 'eaaequacro~-ou''se}a, 'que' cada uin ~~a e assuma o seu_lug~r if~.!l~~odopessoal, livre-:fes _ponsavel e aut6nomo, na interac9ao c~le J~ya:_ A resoiu~ao deste problema exige certamente o regresso ao conhecimentq]'osprfnclpai:sefementos que 1iitegram os processos de~ desenvolvli:iiento eoeensino7a,preooizagein que eshi.o na base~ ~sos-de.educ ;~~-fo-rma~io; a-saber: OS sujeitos ~ os seus estadios ou niveis de desenvolvimenfo; a:s-actividades, as tarefas, os processos e estrategias, os meios e os contextos. (Tavares, 1987 e 92). Para que o ~_9lvil!!~~ts> ~~~~- ~~-.~-~~j~~c.!!y.'lqq...!!~~jl!~.lhq!~.l~qj!q!~ ~s cada.~!!?-. d~~ses _ele.~e_q!q~.. tej:xl<j~.~~!~!l!!~~!!jl,!g~l~j.~~pqi}-_~a!j.!.m~_ar-~~- ~<!- h~j!!le.!l.t~. p~qj15!:pd.qu.e.1~w.~.ll 4~-~yiJ1p~n~~~ dent~2 A~ urn

8 verdadeiro projecto dirigido para urn mesmo alva e em que todos os intervenientes nele se envolvem por inteiro e de urn modo concertado. E esta, alias, a ~!:Qkcto gue mais se aprox1ma do seu significadoet.imgl_g_gi~g _que: Ig~jp:1pri,p1e t~~~~~~~-:s.~~t)d~ -~ c_q~stityi _]ID'!.Il)S:Jaf~nt.~]Q _p_ax~-~i~- bastante adequada e sugestiva 2ara tr~~-~f!l d,a,) ~"''-::/"~-<t"" J ':.. ~) _ vida humajjip isaal e colectiva.. C\..,.,.. ~,,_,_.~_,- t:.j (j u,,. (' Efectixamente, a ~ao de todos os elementos do., processo nesse pr~j~ctq f.9j!!!llll~levandq_~1ll Jin11L<i~. Q_Il~-- 1 ' as capacidadesactuais e potenciais (zona actualizada e potencial ou proxima) dos sujeitos envolvidos de acordo com as 1 c 1r.,::u os e\.s uj.. J 01,1) teses vigotskianas, da..educ_acaq_e..da 0..'- J.o j v.o, _, 0 C"o.f~rma9_~~_11-~!~~!~~-?e ~.~epar~r? ~~!!le.~_a ~S.S.':lllli~.e~QPJ.~r ',..? «J decisoes de uma maneira consciente, re~p_oll ~yet~ livie em 9 Sec)~ 0 L> 'J '-' f'g cje... ' " "..., " - r~~ao as mais variadas situa~6es ou problemas que a vida C. CO- \ ~c, JE.es ~a colocar numt~~eda~~.f~(fa v'ez~mais:proliiemiffica-:- CZc '.'c.: 'one~<:, e~ ---- C~ e 2 c... Estas tomadas de decisao pressup_oem o conhecimento, a j -~ G W v CJ tu0.\\.6(,) afectividade, o querer ou a for9a anfmica do sujeito, mas c_, \f\cj'j- c, ~~oreconhectffi~-il!o: a-conf1riiia9a j ios1tivae-1nc-onai: ('" \\j. " o \, c{o~aldo ~eu valor, da sua for9a axio16gicae da.pres.en~a--ae~, ~" uc:, :Jc, ) (. J (', ~.. Awll~o~~-ou conj~-~jqs fflyqr<iy~is.ls.~~ efecdva~~o ~---- Cornponentes de natureza axiol6gi 2_ ere o1 CJ.-( :::, d<z \} '0.\v."?s, Por componentes axiol6gicos,. entendemos. as diferentes o_rd~~ic!9 v~loi.e J~o;:bi~l6gi~~:- p~f~l6gi~o~:-~&i;os, ree clitrsticos ;Cieiififl?~s; e~e~g.gicos,- polfticos~liisi6ricos, gwsos, etc. A acfiv-~~o ou aacelera~ao.do desenvolvimento t_~f!lb~~ _n~()_j>od~~~_q~slig~~::_s.~-d.~cj,ll~~-~!!1:..9..~~ ~- e.ssoa ac~~- ' r--., c~ (<e,\j '5 c ud-,~ ~ita~ _g!)_e. -~Q.!l;l~S.!!l~~!!lP.<?.~ii}_S.~lltiy~,_<l_jQ~!,!g~-~~- "fa~correr'',.. O!L.S ej~, o~.. se!js v~jq[e.s qt.i~. fuj!~~~l!li!!l. ~?!?-~~.<?!.!- ':'_QS, raz6es e m6veis mais ou menos investidos de for9a <!!lli!i~;~~~i~~:~i-~f~ctiva:-'taffi,b6rnsabe.mos-que estes valo ~l!!.llidade e, ngr cons~uinte, nas diferentes etapas da vi<.j~ incidem mais sabre esta ou aquela dimensao do oesen=- volvimento1m riiiilndo-modaliaacles -m"s"tintas a -personalida<-,1_._,,,\,~. ''' Ck.:\,t..;;,.'-\~. ~ ~ ~ --_..._...""'..., 49

9 de de base emergente no seu processo de constru~ao. Do que nao resta duvida e que se torna necessaria conhecer 0 que e <(f'' ~~~ (9o,:o~;/,~ 1 :~ ', '--<' c-~~~~! ~.. uma S_tla_n.~(l~-~r.n:j~ve!Jl,_j!!!!_~dult~ u~~ 1~", :,\:, 3. :. :, ': ~:~,JeS.~.<2~Uk.HlJ!dk_p.9JlGQ_QllJJlU!t~.Jl:.'{~_l! <cl4_<!_.q~~<l:.~~~~~~- cor, (\cu-, o... to1o- g~~~les pod~!!}~_<!s?y~ffi.. ~r. a~!~\' l~<;js_!.l2.~~t.i-~-e~~~!~~~~~~- to no sentido qeqptimiz_ar todas (ls ~l:l.li c_ap_'!<:-:i.<! ldes disponfveis na intersec~ao dos distintos_.r._ostg 1. yi_sualiz-~5es'ou ~X.P~~~SQ~SLQ~ atls.uportes s~bstanti os da.._p~fs.qi)ali~1e, 6- ~-~~i~~ o '~~!f', a sua "identidad~ p~ss.9<!l oueg6ica''--~ Penso que os educadores e formadores terao toda a vantagem em conhecer os educandos, os formandos a este nfvel para '"' \) "'-'---~. (:>~V\.o }_?derem ter uma inter~~-?~ii.s?_~d~quada no -seu-desenvolvioecl.ueoq(c~ cav.\/'c -men-to-gtobai~este conhecimento~ou sese qulser;es'ia ~'~"~- (? ~ ~>c :;;_:),~'" ~9-~~j~n~i~X~~g'!!!len~~l, ~eveste~se-(fe-'llma -enorffie}lllp~r~_ '' 0 1 I.A.-'s C\.y C:n J~ncia, pois, ~OIJly~a a haver a consciencia de que todas as fdo a '(X)de:: \"r ~ \1.-e,. demais competencias do profissonal da educa~ao, os profes.sores, os educadores, os formadores, os formadores de forma~ dores, pn5ssup5em, como uma condi~ao sine qua non, esta competencia. A esfe'prop6sito talvez ajude rever e reflectir sobre os sete "skills" fundamentais da vida de Gazda, (Alarcao, Tavares, 1987:79-80) ~- Componentes de natureza social e contextual lj a~ 'tj e.-, '1-o 1-1 u" ""'-' w 0 sujeito hmn,ano e_ urn seleljlsi.tua.~ Efectivamente e L.t ~ s;:u { '--"-" cada pessoa, como urn sujeito concreto, e ele e as suas cir- """'.)\_,\_c.cc/"') cunstancias, como diria Ortega y Gasset, ou seja, s6 e com- ~el a artir do seu munqq.f~ngmenal (Rogers)M ~~obr~~~_!.a t~i!l~.!.!~;-~_j!~!!()_~!?.~c!apt~ ~}~z_qart~j~1 7-A:) \?::>"I< ~~a, ~? patri~~n_i~.~l!!!~~~-.~a~_ee~~~~~--p~l?_q~~ me dispenso de me.~jo~g_<l!._~2pe~~!~.. ~ S,~!!~9 f.k~~ menos, como corolario de que a dill!e..~~.! _psicol6gica e ~6gica da pessoa humana s6 pode ser verdacte~~!te compreendida na sua situa~ao concreta, ou s ti~, na sua c)c, p01""~ vv.6wtl 8I.J )"'P-'''-"- \ d! C:) (JES'E:,\lC ", 50 envolvente ffsica e biol6gica, psicol6gica, lingufstico~comu:. ==::::.1'......_,~,.. ::.>"' mcat1va, soc1al. Pondo as co1sas neste pe, a tese de Ortega y

10 Gasset, o homem e ele e as suas circunstil.ncias, continua a ser actual e revisitada constantemente por diferentes autores, como Heidegger, com o Dasein, Merleau-Ponty e Manuel Livinas, com o Meme, para s6 me referir a estes. De facto, embora o discurso ou as diferentes narrativas em que cada autor se exprime passem pelas mais diversas metamorfoses, a realidade permanece como ~nt~ in~sgotavel_~, em certa medida, inatingfvel no seu misterio, pela linguagem ou lin- ~~~~rn ~-!~~brar-nos de que o que e serl~-~-~!!~~!~!-!9. _q_:_,o homem em - situa~ao nao e apenas o-:6asein heideggeriano, nem 0 meme de Levinas, nem o signwc:-a.!lfe]qa.i.il\ch)_o.elj!cllq_~t~l!lp.~!ll oeutrans~e~ctenie-d~-teillard de ~ilardin_ na intexs~c<;:_~~- 4a_ ~ geosfera,-da-nuos]~r~--~-d~ th~o;]~r~:-e QY~Contexto com- J' c ~,-; c: c ~11~---Q!exo que onomem- ve_rii.. 1;-i)res.en~a e se des~ B a1 00 0J u:\?\-f j\ ~ "\Y? () \lvv-l-'~ ta;ti1i6m queo~ Sell<IesenVOTvlffientc)"{Jode-SefCOIDpfeendidO, ~tlvaao e-opffriiiiado em toda a sua.verdade e autenticidade; qu~- s e-ocriftino.pr6pdo processo do seu desvelamerito. Componentes de natureza linguistica 0 homem na sua dimensao ffsica, biol6gica, psicol6gica, axiol6gica, social e contextual ou situacional e falado e, nessa medida, constitufdo, se me e permitido explicitar desse modo as narrativas de Fernando Pessoa, Barthes, Lacan e muitos outros. 0 homem e essencialmente urn ser falante, dialogante e e nessa cadeia dialogal, comunicativa ou significante, intersubjectiva, lingufstica, cultural que ele e constitufdo. Parece ser por isso que para Fernando Pessoa a P:itria Lusfada e a Lfngua Portuguesa e a patria do homem e a linguagem. Efectivamente o homem e, existe, a partir da linguagem e por isso e af que ele habita, vive, se exprime e desenvolve como ser humano, ser falante. A lfngua, a fala e a morada e a alma mater do homem como sujeito e destinatario de cultura. Neste quadro, a linguagem assume toda a sua for~a e sentido como o Iugar da comunicac;ao por excelencia em que o ser humano na sua realidade quotidiana e mundana se exprime, se vela e desvela no propria acto da sua apresenta~ao. 51

11 E por isso que a linguagem ao exprimir o todo da personalidade nos diferentes aspectos ou dimens6es acaba por constituir uma especie de duplo. Por sua vez, a linguagem apenas e possfvel e se constr6i a partir das estruturas cognitivas do sujeito pensante, que como referimos tornam possivel a expressao de todos os outros comportamentos. E assim voltamos, de novo, ao cfrculo a que temos feito referencia, varias vezes, no decorrer desta reflexao como nao poderia ser de outro jeito. Processos de activas;ao Ap6s a disseca~ao do sentido sobre a incidencia dos diferentes componentes que integram a actividade humana sera mais facil examinar como e que eles intervem no desenvolvimento psicol6gico e incentivam a sua activa~ao. As investiga~6es mais recentes sobre esta materia, entre as quais se situa a tese de doutoramento de Maria de Lnrdes Cr6 Bras, ~~~-r~-~~t~~-s_jl<tj3duca~ao_i>r~scolar e Activa~ao do desenvolvimento psicol6gico e de Carolina Moreira da Silva e Sousa sobre a Activa~ao do desenvolvimento cognitivo e facilita~ao da aprendizagem no ensino das Ciencias do zo Cicio do Ensino Basico, tem-se centrado sobretudo nos aspectos psicomotores, cognitivos, afectivo-relacionais ou motivacionais e cognitivos, lingufsticos. g[ectivamente, como insistimos nas reflex6es anteriores, parece nao haver grandes =~----=-~--~ :-- 0 J- 1 U{4 UrO duvi~- a activ~-~o ~~~se~_::~l~~eio...~~~~~ A {, ( ~ '->. b>_gue _r~~~::.-~~-:::urrf )p.ai!_~_ir~-~!:!_~e ou~qf~~!~s QJmensoes 1 1 '<' ou aspectos da personalidade porque, a alma, o e~rtt2. hu!q.l;!:,) 0? f' "" r\ TC::."c c:;u..e (:.:F'S.'-'>0\no--easua c"orpo~~o realidades "Cev-'\'~--,_, (_<, ~~ 1iisepaave1s. Nareairdaae:-essatd!feieD.Tesdimensoeseiitre~ - 7,~~:-~~~,~,',r 'c).)i 1 ;~ )-Ja~am-se numa u~ca e abertaqueesia subjacente -- - ). iosujeuo-:-a--pessoanumana, como algo que e uno e unico to,, _\( oentro da sua}?_r 2P!!a especie,o-que-lhe-periillte'ciesenvolver- --se:d~9.!.r~ ~--li!ll,i!~~~~-s-~iii. ' p-qs.s.lbiliai!9i_s,.~.in~intei:i~~~_() com as outras pessoas e o meio envolvente. Penso que o tempo dos dualismos e dos compartimentalismos, dos 52

12 racionalismos ou idealismos esta definitivamente ultrapassado. E a pessoa humana, como urn todo, que evolui e que permanece, no decorrer da sua existencia, que interessa e que e preciso explicar e compreender. Neste quadro, a activa<;ao do desenvolvimento psicol6gico como processo teni que ser examinado atendendo, pelo menos,a4-dementos essenctais que, em certa medida, estao sempre preseiites.-dsslijeitos e os seas estadios de desenvolvimento, as activid~d-~s-ou tarefas' areaiizar~-- 0-~--~;~h~ci~entos a-aaqiiirkou- a constrii!r--e- os-coniexios-nsicos, fiiofog!cos -e-ijsrcos-ociafs~-~ ~ ~-~ ,entaremos seguidamente analizar mais em pormenor cada urn destes-eleriientos :~ ~ --. Os sujeitos e os seus estadios de desenvolvimento Este e urn assunto que me e muito caro e sobre o qual tenho reflectido e escrito bastante no exercfcio da minha actividade profissional. Trata~~ como e 6bvio, de urn ele- II1ffitQ._~.~.Qcial.J.2.C!f(!JUJitllS~~Q-;PJ~~n~!:~9~_-p~()~~sde-.~C:~\:'!l ~<?... ~Q-.~~~!!.y_Qlvim-~~!2.. P!c:~!<)gic;g. Po is,. co~~--s~be-.: mos, nao e possfvel intervir, de facto, sem saber como e q_ue os sujeitos sao, agem (sentem, pensam, decidem) r~a_gem e se 0\ t' '""<: :: 1 '" f \ -~ ''-' e-, comportam no decorrer dos diferentes estadios ou f~;~;-d~ (Zec;ccp=;J co 1 00fr'J c)..c) \ c..(_j ~_c;::, e--;lc- U..:JS --~-;~~Mmento normal ou com p~blemas especiai~ cl1 J 1 -..,,.-. desenvo1viinento.os-su]eit~;-p<>dem-~~; co;si'd~rna~;d~ro~ mais ou menos complicados.g~ta-se de urn pressuposto basilar que _qualquer profissional da educa<;ao e da forma<;ao de homens e de cidadaos nao podera esquecer. Parece tambem ser opiniao corrente de que urn saber desta natureza, para alem de born senso e respeito pela experiencia acumulada das gera<;oes passadas, pressupoe ter urn conhecimento profundo e adequado da articula<;ao, pelo menos, de tres dimensoes que integram e interagem na estrutura da personalidade humana, a saber: a dimensao ffsico-biol6gica,. ~-~!II_l~1l~!o p~is:.912e;ic~.~-a dimensao social,$ assiiinindo nio-~-~ dalidades, ou identidades pessoais distintas segundo 53

13 perdomina uma ou outra destas dimensoes. E 6bvio que qualquer destas dimensoes esta presente nas diferentes fases de desenvolvimento mas tambem, em minha opinhio, hoje, ja nao restam duvidas, de que a sua incidencia ou determinancia e distinta em cada uma dessas fases. Porque? Perguntara. E justamente a esta pergunta que irei tentar responder porque as formas, os processos e as estrategias de activas;ao do desenvolvimento psicol6gico prendem-se com o sentido dessa resposta. Todos saij~!llos que a pei _0!1 l1igade dos sujeitos e integrada pelas dimensoes fisic-~ e hiof6g1ca,- psicol6gica e social ou ~ontextual. Sabemos,_~_i,l!<!~_5E~-~~- est~~io ae--desenvolvimento 'em cada uma destas dimensoes configura a personalidade -~.J;;-~~~T~ i-t~--4~---~~- ~octo ~~is 0~ -men-os e_s:~eatrco e deiermi~~nt~. Dai il!lt:!_para deve activar - ~ 'c1esenvolvimento humano em cada uma das suas'iases e in ~g~i~el conhe~er _o pgp_dq_!l~~tameirteaeserripeiiha cada uma dessas dimens6es~a. titulo de exemplo, poderiamos considerar uma crians;a de 2 anos e perguntar qual dessas dimensoes assume mais importancia no desenvolvimento da sua personalidade. Nao ha duvida que as tres dimensoes estao presentes nesta idade, como alias o estao tambem em todas as outras idades ou etapas do desenvolvimento, mas nem por isso deixa de ser menos pertinente saber qual delas, eventualmente e mais determinante na configuras;ao da sua personalidade. Para isso poderiamos perguntar ainda: que tarefas especificas devera desenvolver uma crians;a desta idade? Uma crians;a de 2 anos, no caso de se ter desenvolvido normalmente no periodo anterior, acabou por atingir momentos de enorme importancia da sua vida, tais como: por-se de pee andar, a separas;ao ou o desmame, a aquisis;ao do objecto permanente e das estruturas basicas da representas;ao que justificam a aquisis;ao do objecto permanente e em que assenta a actividade semi6tica e desenvolvimento da linguagem ou linguagens que se explicitara nas diversas formas de comunicas;ao. A crians;a ira, com certeza, continuar a desenvolver e a equilibrar essas aquisis;oes, por urn lado, e, por outro, tera que potencializar 54

14 --,- c:>.. npao _:.,. ~. aquelas que lhe possibilitariio ascender mais rapidamente a urn novo patamar ou estadio de desenvolvimento que lhe permitira novas performances e a realiza9iio de tarefas qualitativamente diferentes. Parece, efectivamente, dever ser por essa via que a sua activagiio tera que processar-se e desenvolver-se optimizando todos os seus recursos e capacidades disponfveis. Para que a interven9iio se desencadeie da maneira mais adequada e eficaz convini, pois, saber qual o estadio de desenvolvimento para o qual uma crian9a com dois anos de idade e supondo que esta normalmente desenvolvida, esta na realidade a preparar-se. As investiga96es levadas a cabo sobre esta materia tern convergido em que por volta dos tres, tres anos e meio, a crian9a ira comegar a desenvolver a consciencia de si, do seu proprio eu, como urn ser diferente e, em certa medida, aut6nomo, dos outros objectos e das outras pessoas. Embora esta consciencia. de si, no inicio, se centre mais no "sell'' como mim. ( objecto) do que no "self' como eu > -(sujeito), de acordo com a designa9iio de William Jaii1es (... ), 11.el!!POrisso c1eixa cl~ ref1_ectir ja uma certa subjectividade. E a passagem do cosmodualismo para identificagao pessoal. Trata-se, como referimos atras, de ter atingido urn novo patamar qualitativamente diferente no seu processo desenvolvimental. A esta luz, a pergunta que se coloca e a seguinte: como ajudar essa crian9a no sentido da activa9iio e optimiza9iio do desenvolvimento para que ela atinja o mais facile espontaneamente possfvel esta nova etapa? Digamos, que tarefas desenvolver, como, quando e em que circunstancias para que ela atinja esse novo objectivo? Aceitando a tese de que, na realidade, o desenvolvimento das pessoas, seja qual for a etapa ou estadio em que se encontrem, passa pela realiza~iio de tarefas mais ou menos esped: C"r't''ficaseacleqUadaS:~dO ~~-~Qnta 0 SeU estado de matura9ii0, "prontidiio" (readiness), de Q_reparagiio, caberia perguntar quais as tarefas ou actividades que devera realizar uma crian-, ga de dois anos e me~9~_!res e meio Q;e idade, como, guando ~-~_que nfvel de dificuldade,_p9ra que ela possa ascender. 1!1-~~~!~!~-~Qca~m~!ll~-~~_jQm_a!lit de consciencia de si

15 '(X:A '1\~0 "\ v-.sl e (J'-.1 '\cue. IJ.--'. 0 s mesma que constitui urn dos modos de afirma9ao da sua personalidade nesta fase? E justamente aqui que reside o problema ou os problemas que se prendem com a adequa9ao e articula9ao dos processos de educa9ao e forma9ao do homem, em geral, e dos processos de ensino/aprendizagem, em particular. Para dar resposta as interroga96es que se levantam, neste dominio, e que tern sido levadas a cabo imimeras investiga96es no seio da comunidade cientffica educacional em que poderfamos destacar autores como Vygotsky, Darwin, C. Buhler, Piaget, Bruner, Noelting, Ausubel, Elkind e tantos outros. Voltando a questao suscitada, diria que a primeira coisa a fazer, nesta como em qualquer outra fase ou estadio de desenvolvimento,~~,~~x.!._rpjgw e procurar compreender o Illa!s rigorosae objectiv lii1e.!lt~ possfvel como e efecti.\'.'l:lllente o sujeito nessa ida~~' dq. poll!f? de~_ffsico_(d>~~ psicol6gico e social, e qual dessas dimensoes e determinante \J \' '-' ~ 0 ~ n Q _ em termos de desenvolvimento e configura9a0 da personali- Oe 5' 11 f''slcc\<.jcj1c~dade. r e' :o._u c(' c~o c Do ponto de vista ffsico e biol6gico, uma crian9a desta ~'. o s c' (A.() co ',:,ctlf.dade acaba de atingir e consolidar urn grande patamar: a C '-l Dl~u cj-p, \_Q cjcj ~ov<--j,..,, ~.,. esta9ao de pe e a marcha. 0 seu grande trabalho agora e I c:j-.~ \/' '::>1 s ~-\,co ~. ~): o;-- = coordenar, activar e optimizar essa enorme aquisi9ao prepa- ') "-'-\ '---'--' '--d ~so"-<'~1 rando-se assim para correr, saltar, saltitar, subir e descer escadas alternando espontanea e naturalmente os pes, arremessar e agarrar objectos, etc. Trata-se de urn trabalho de continuidade que lhe possibilitani alcan9ar a destreza e a harmonia dos movimentos dando a sua expressao corporal urn grande equilibria e gra9a fundamentando a designa9ao que, com frequencia, alguns autores atribuem a esta fase etiria, a idade da gra9a. Do ponto de vista psicol6gico, a situa9ao cololca-se certamente de uma maneira bastante diferente quer quanto aos aspectos cognitivos quer quanto aos aspectos afectivos e volitivos ou de tomada de decisao. De.qualquer modo, se quisermos activar o desenvolvimento da crian9a nas multiplas dimensoes ou facetas da sua personalidade temos de saber por onde e que se deve come9ar. 56

16 Se observarmos uma crians;a de dois anos e meio a tres anos meio de idade constatamos, com certeza, que ela deveni continuar a desenvolver prioritariamente as diferentes estruturas morfol6gicas e fisiol6gicas do seu corpo de uma maneira equilibrada e coordenada. Para atingir os diferentes padroes do seu desenvolvimento corporal, a dimensao motora e sens6rio motora e fundamental. Alias e este suporte motor e sens6rio motor que permitini a crians;a desenvolver a parte cognitiva e lingufstica que, por sua vez, lhe possibilitani urn desenvolvimento mais equilibrado da parte afectiva e volitiva, ou de tomada de decisao. :E, pois, de primordial importancia, saber oncte e que a crians;a esti, quais a suas reais caracterfsticas e capacidades em cada urn dos difererttes estadios de desenvolvimento, para saber por onde e que ela devera ser activada de urn modo concreto e adequado, quer em situas;oes normais quer em situas;oes de deficiencia especifica ou profunda. Por outras palavras, trata-se de actuar no sentido de tirar o maximo das suas reais possibilidadesdesenvofvendo 'urn-cert~ -estadode t-eilsko,--(fe-cfesafio-rn.as-sem-vfoie-ncra~na:--perspeet:rv:n:ramaturfillide e"specffica (readiness) de ~furie! -~ <i~--q~p.amka vigostkiana entre a zona actual e potencial ou proxima. As tarefas a desenvolver Outro ponto muito importante, na activas;ao do desenvolvimento psicol6gico, sao as tarefas a realizar. Tarefa, aqui, e entendida no sentido amplo, ou seja, tarefa e sin6nimo de actividade. Embora tarefa envolva urn sentido de certa forma depreciativo, na medida em que anda ligada a ideia de uma certa imposis;ao ou obrigatoriedade, nao e esse o significado que aqui lhe atribuimos. A esta luz, os problemas escolares e da vida sao actividades, sao tarefas que os sujeitos terao de realizar, de resolver para se adapatarem a realidade e se de-_ senvolverem. Como sabemos as tarefas podem ser mais ou menos especificas mais ou menos dificeis e complexas. Do que nao resta duvida - e esta opiniao parece ser cada vez mais 57

17 partilhada pelos investigadores educacionais - e de que as pessoas se desenvolvem agindo e para que essa aq:ao se realize nas melhores condi~6es e possa ser eficaz e necessaria que haja adequa~ao entre as capacidades do sujeito e o grau de dificuldade ou de complexidade e abstrac~ao das tarefas a realizar. 0 problema p6e-se precisamente em saber qual o nfvel de dificuldade a que deve ser apresentada uma tarefa tendo em conta os estadios de desenvolvimento dos sujeitos nela envolvidos. E aqui, em minha opiniao, onde as maiores dificuldades se levantam, pois nao e facil saber, na realidade, qual o nfvel de desenvolvimento dos sujeitos, as suas caracterfsti cas e capacidades e o grau de deficuldade das tarefas, tendo em conta a sua complexidade e nfvel de abstrac~ao. Para resolver este problema o educador tera que ter uma boa prepara~ao em Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem e designadamente no domfnio da cogni~ao e metacogni~ao, pois, a analise das tarefas pressupoe a analise dos conceitos, dos juizos, dos raciocfnios, dos princfpios e dos mecanismos conscientes e inconscientes que lhe estao subjacentes. Por outro lado, o educador tambem nao pode descurar os conteudos das diferentes especialidades em que exerce a sua profissao, pois, sao OS conhecimentos pedag6gicos que e preciso efectivamente desenvolver pois eles sao a condi~ao sine qua non para a realiza~ao das diferentes tarefas e actividades. Aqui interessa-nos, pois, considerar principalmente as tarefas, as actividades como urn factor determinante de activa~ao do desenvolvimento psicol6gico. Como referfamos acima as tarefas podem incidir sobre os objectos, os sujeitos e as opera~6es. Alias na medida em que tudo pode ser tematizado como objecto da a~ao do sujeito, inclusive a sua propria ac~ao, as tarefas podem assumir as mais variadas formas mais ou menos interessantes. Daf que quando pretendemos propor determinadas tarefas a sujeitos que se encontram num determinado estadio de desenvolvimento, uma das primeiras decis6es que teremos de tomar e a de saber que tarefas seleccionar. Nesta identifica~ao e selec~ao, os aspectos que poderao predispor ou motivar os sujeitos a quem elas 58

18 se destinam nao deverao ser descurarados. Outra decisao que sera preciso tomar e a relativa ao grau de deficuldade a que a tarefa tera que ser apresentada. Esta decisao requer uma analise cuidadosa da tarefa que possibilite a identifica~ao correcta dos seus diferentes graus de dificuldade e o tipo de conhecimentos, de "schemes" e de capacidades, estrategias e tacticas, "skills", que sao necessarios para que os sujeitos as possam executar correctamente. Do ponto de vista dos conhecimentos esta analise tern a ver directamente com o grau de abstrac~ao dos conceitos que integram a tarefa. Isto quer dizer que se a execu~ao da tare fa exigir a compreensao de conceitos que pressup6em urn grau de abstra~ao superior aquele que o sujeito possui no estadio de desenvolvimento em que se encontra, ele nao podera resolver o problema ou executar a tarefa, de urn modo correcto e significativo em termos de transforma~ao e mudan~a. isto e, passando atraves do funcionamento normal dos mecanismos de assimila~ao, acomoda ~ao e equilibra~ao piagetianos, sem a aquisi<;ao dessas capacidades. Caso nao se verifiquem estes pressupostos, em princfpio, nem o seu desenvolvimento normal, e muito menos a sua activa~ao, poderao ocorrer. Os conhecimentos N (~ -< f e <.J-J. ca:, d c>.:;, c_, ('c ~.e --~. \ --- '\S.-<...!-' ~ 0,-.'J\C~.;) Qutro factor de activa<;ao do desenvolvimentq_psicol6gi::.... co sao, com certeza, os conhecimentos. Na execu<;ao das diferentes tarefas os sujeitos necessitam de ter conhecimentos ~eguados. Como referimos, estes conhecimentos podem envolver conceitos mais ou menos abstractos de acordo com ;liaiiireza: das iaieras. raffibii;~e~re;;;i~~de... irande.. Tffipill-. ~ :..., tancia saber que conhecimentos e a que nfvel de abstrac~ao -~~ sao necessarios para realizar as tarefas, E~~~lver os problemas que sao pr9postos~os suj~_ttos a ~ se destinam~esteponto_, assiiffie~a importancia crucial, em termos-de' ensino/aprendizagem, se o objectivo de todo o processo for efectivamy_n ~ a activa<;ao do desenvolvimento psicol6gico. 59

19 A este prop6sito, o educador deven1 ter em conta, por urn lado, a natureza da tarefa para saber que tipo e que grau de conhecimentos ela exige para poder ser resolvida, por outro, saber distinguir os diferentes graus de abstrac9ao que urn determinado conceito pode apresentar. As conclusoes a que a investiga9ao tern chegado sobre a aquisi9ao e forma<_;ao dos conceitos podeni ajuda-lo nesta tarefa que, por vezes, se apresenta diffcil e complicada, embora, em principia, tudo pare- 9a mais ou menos 6bvio e de senso comum. A atmosfera envolvente 60 Nao h3. duvida que os aspectos referidos anteriormente sao importantes para que o processo de ensino/aprendizagem ocorra e se desenvolva nas melhores condi<;oes e o desenvolvimento dos sujeitos se active e optimize, mas nao sao suficientes. Sabemos, alem disso, que eles podem ser condicionados e ate neutralizados pelos contextos de ensino/aprendizagem, ou seja, pela atmosfera envolvente do processo. Daf que os contextos ou a atmosfera envolvente que se inscreve no quadro das dinamicas multi e transculturais responsaveis por toda uma serie profunda de mudan<_;as ao nfvel das atitudes e dos processos cientffico-pedag6gicos, investigativos e tecnol6gicos, pode assumir uma importancia determinante no seu sucesso ou insucesso. Poderfamos ainda perguntar quais os principais elementos que constituem este contexto, clima ou atmosfera? As investiga<_;oes que tern procurado dar resposta a este tipo de questoes incidem particularmente nos aspectos afectivos. Em defesa desta tese poderfam ser alinhadas pesquisas e estudos levados a cabo por Gilly, Moscovici, Tavares, Ventura de Pinho, entre muitos outros autores. A dimensao afectiva da atmosfera envolvente passa sobretudo pelas chamadas formas de encorajamento em que se provou verificar-se uma grande congruencia entre as percep<_;6es dos professores e alunos. (Tavares et al., 1987 e Tavares, 1992). Em termos de activa<_;ao do desenvolvimento psicol6gico parece nao haver grandes duvidas que, de facto, a atmosfera

20 envolvente do processo educativo e dos processos dos sistemas de forma9ao, em geral, podem ter uma influencia decisiva no desenvolvimento dos sujeitos, daf o nos parecer que ela deve ser destacada nesta reflexao. Efectivamente, as rela- 96es interpessoais que pressupoem urn born funcionamento e equilibrio das rela~oes intrapessoais, nas actividades de forma9ao e de educa9ao revestem-se de uma importancia fundamental que felizrnente corne9a a ser considerada e a rnerecer urna aten9ao especial nos nossos dias. Essas redes de rela~oes estabelecidas entre os diferentes agentes educativos possibilitarn, sem duvida, urn rnelhor sucesso nos processos e nos resultados de ensino/aprendizagem, facilitam a constru9ao, a produ9ao de conhecirnentos e o desenvolvirnento pessoal, social e profissional dos sujeitos envolvidos no processo. Modelo pessoal e interpessoal da actividade humana Toda esta reflexao pressupoe urn rnodelo de analise que aqui reproduzirnos e de que deixarnos alguns considerandos sobre a sua dinamica intema e os seus principais ingredientes. Consciente Rei. objectiva Rei. objectiva Eu (tu) sujeito Rei. objectal Rei. objectal Inconsciente ~ Contexto Modelo Interpessoal 61

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

Motivação e aprendizagem em contexto

Motivação e aprendizagem em contexto Motivação e aprendizagem em contexto escolar Filomena Ribeiro (1) Escola Secundária de São Lourenço Resumo O presente artigo procura salientar a importância da motivação nos processos de aprendizagem e

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

o meu trabalho e resultante das reflexoes que

o meu trabalho e resultante das reflexoes que A APRENDIZAGEM DE LfNGUA PORTUGUESA NA 5~ S~- RIE DO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU: UMA EXPERIBNCIA E PRIN- CfPIOS PARA UMA PROPOSTA DE ENSINO. Esta comunicacao pretende expor as linhas gerais de minha dissertacao

Leia mais

Resolução de Problemas: Conceptualização, Concepções, Práticas e Avaliação

Resolução de Problemas: Conceptualização, Concepções, Práticas e Avaliação Resolução de Problemas: Conceptualização, Concepções, Práticas e Avaliação Joaquim António P. Pinto Aluno do Mestrado em Ensino da Matemática Número mecanográfico: 030370027 Departamento de Matemática

Leia mais

Instrumentos de avaliação: diversificar é preciso

Instrumentos de avaliação: diversificar é preciso Instrumentos de avaliação: diversificar é preciso In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 QUALITATIVO E (OU) QUANTITATIVO? Em avaliação escolar a ambição de quantificar com

Leia mais

o DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS METACOGNITIVAS COMO RECURSO PEDAG6GICO NO PROCESSO DE AQUISIC;AO DE LEITURA EM LfNGUA INGLESA: UM ESTUDO DE CASO

o DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS METACOGNITIVAS COMO RECURSO PEDAG6GICO NO PROCESSO DE AQUISIC;AO DE LEITURA EM LfNGUA INGLESA: UM ESTUDO DE CASO o DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS METACOGNITIVAS COMO RECURSO PEDAG6GICO NO PROCESSO DE AQUISIC;AO DE LEITURA EM LfNGUA INGLESA: UM ESTUDO DE CASO Angela Cristina de Oliveira CORTE (Universidade Paulista)

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

Psicologia Aplicada em Portugal

Psicologia Aplicada em Portugal Psicologia Aplicada em Portugal Áreas Técnicos de Saúde Mental Psicologia Educacional Psicologia do Trabalho Psicologia Profissional Psicologia Clínica Psicologia Criminal Psicologia Desportiva Psicólogo

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Fotografia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Técnicas de Comunicação Escolas Proponentes / Autores ETIC José Pacífico (Coordenador)

Leia mais

A Parte I, denominada Desenvolvimento e Educação, integra textos sobre o desenvolvimento humano e as implicações educativas de teorias e resultados

A Parte I, denominada Desenvolvimento e Educação, integra textos sobre o desenvolvimento humano e as implicações educativas de teorias e resultados Introdução Reunimos aqui, num único volume, os contributos de vários psicólogos e investigadores nacionais que desenvolvem trabalho teórico e empírico nos domínios da aprendizagem e do desenvolvimento

Leia mais

Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Rua Júlio Dinis, 931-3.º Esquerdo 4050-327 Porto

Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Rua Júlio Dinis, 931-3.º Esquerdo 4050-327 Porto Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Rua Júlio Dinis, 931-3.º Esquerdo 4050-327 Porto www.cnis.pt cnis.porto@mail.telepac.pt Tel 226 068 614 / 226 065 932 Fax 226 001 774 FINALIDADES

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM DESAFIO PARA O SÉCULO XXI

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM DESAFIO PARA O SÉCULO XXI FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM DESAFIO PARA O SÉCULO XXI Maria José dos Santos Cunha Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro / Vila Real / Portugal mjscunha@net.sapo.pt Resumos Educar é cada vez mais

Leia mais

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática.

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática. ANEXO III 217 QUADRO N. º 4 - Formação recebida no domínio da intervenção educativa com crianças portadoras de NEE SUB-CATEGORIA INDICADORES UNIDADES DE REGISTO SUJEITOS F.U.R. % Disciplinas do Curso Uma

Leia mais

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta A Escola portuguesa no séc. XXI (1/5) Falar de Escola é falar de educação. Compreender a escola é, também, compreender a evolução das ideias sobre educação ao longo dos tempos. Nesta linha de evolução,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DESENVOLVIMENTO COGNITIVO ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS Passemos então a examinar alguns conceitos piagetianos que são essenciais para a compreensão do processo de desenvolvimento da inteligência. HEREDITARIEDADE

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

Declaração de Amsterdam

Declaração de Amsterdam Pág. 1 de 9 CONGRESSO SOBRE O PATRIMÓNIO ARQUITECTÓNICO EUROPEU 21 25 de Outubro de 1975 Declaração de Amsterdam Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro Civil IST Maio de 2007 Pág. 2 de 9 O Congresso

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional. Ano Letivo 2013/2014

Escola Básica e Secundária de Velas. Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional. Ano Letivo 2013/2014 Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional Ano Letivo 2013/2014 Professor Mário Miguel Ferreira Lopes PRIMEIRO PERÍODO MÓDULO 1: DESCOBRINDO

Leia mais

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES II Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Comunidades de Aprendizagem Modo de Funcionamento Metodologia

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha PSICOLOGIA APLICADA A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha Psicologia aplicada É impossível pensar em psicologia, sem pensar em intervenção, pois esta tem uma dimensão prática que

Leia mais

As religiões na escola

As religiões na escola G E R A Ç Õ E S E V A L O R E S Estudos As religiões na escola Se a escola tem por missão colaborar na formação integral do aluno, então não pode ignorar nenhuma das suas dimensões específicas, sob pena

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

Introdução. 1.2 Escola Católica

Introdução. 1.2 Escola Católica Introdução A Escola Sagrada Família Externato é uma Escola Católica e é regida pelo Ideário das Escolas da Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias e o Estatuto da Associação Portuguesa

Leia mais

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados Gestão de Carreiras Durante muito tempo, a gestão de carreiras não fez parte das preocupações dominantes dos gestores de pessoal. Nos últimos anos, porém, tem-se assistido a um crescendo de interesse relativamente

Leia mais

Conhecimento pedagógico e desenvolvimento humano

Conhecimento pedagógico e desenvolvimento humano Conhecimento pedagógico e desenvolvimento humano Conhecimento pedagógico e desenvolvimento humano Carlos Marques Simões Universidade do Algarve Introdução Ao conceber-se o acto de ensinar como uma actividade

Leia mais

Consultoria Sistémica

Consultoria Sistémica Cecílio Fernández Regojo Empresário, Consultor e Formador em diversas empresas e organizações nacionais e internacionais cregojo@talentmanager.pt Consultoria Sistémica O método das Constelações Organizacionais

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria

A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria As aptidões essenciais de uma boa tutoria não são muito diferentes das do bom professor presencial. O que distingue umas e outras é o ambiente

Leia mais

A ciência experimental no Jardim-de-Infância

A ciência experimental no Jardim-de-Infância A ciência experimental no Jardim-de-Infância Isabel Fialho Departamento de Pedagogia e Educação Universidade de Évora Introdução Na comunidade científica existe consenso na ideia de que o modo como os

Leia mais

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção 43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção Ana Macedo 1*, Rafaela Rosário 1, Flávia Vieira 2, Maria Silva 1, Fátima Braga 1, Cláudia Augusto 1, Cristins Araújo Martins

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

200 educação, ciência e tecnologia

200 educação, ciência e tecnologia 200 A LÍNGUA FRANCESA NO JARDIM DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO * A Área Científica de Francês promoveu, no âmbito da Semana Cultural da Escola Superior de Educação de Viseu, que decorreu de

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO. Componente de Formação Científica. Disciplina de

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO. Componente de Formação Científica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO PROGRAMA Componente de Formação Científica Disciplina de Psicologia Direcção-Geral de Formação Vocacional 2006 Parte I Orgânica Geral Índice: Página 1. Caracterização

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS Aspectos gerais Definição de pequeno grupo Tipos de grupos Estrutura e Dinâmica de grupo Resolução

Leia mais

Psicologia Escolar Uma Área de Intervenção Prioritária Agrupamento de Escolas Matosinhos Sul

Psicologia Escolar Uma Área de Intervenção Prioritária Agrupamento de Escolas Matosinhos Sul 1 Psicologia Escolar Uma Área de Intervenção Prioritária Agrupamento de Escolas Matosinhos Sul Dorabela Rocha (*) Introdução O insucesso escolar e educativo, o risco de abandono escolar, a indisciplina,

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Workshop Trabalhar e Avaliar Competências

Workshop Trabalhar e Avaliar Competências Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2º e 3º Ciclos Dr. João de Barros 12 e 17 de Maio 2006 Workshop Trabalhar e Avaliar Competências Maria de Lurdes Santos Gonçalves mgoncalves@dte.ua.pt

Leia mais

[ CRECHE CONNOSCO ] CATL, CRECHE E JARDIM-DE-INFÂNCIA DA SANTA CASA DA. [Projeto pedagógico da Creche [2014/2015] MISERICÓRDIA DE MELGAÇO

[ CRECHE CONNOSCO ] CATL, CRECHE E JARDIM-DE-INFÂNCIA DA SANTA CASA DA. [Projeto pedagógico da Creche [2014/2015] MISERICÓRDIA DE MELGAÇO CATL, CRECHE E JARDIM-DE-INFÂNCIA DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MELGAÇO [ CRECHE CONNOSCO ] [Projeto pedagógico da Creche [2014/2015] [LA R G O D A L O J A N O V A, 4 9 6 0-5 5 8 M E L G A Ç O ; 2 5

Leia mais

TEORIA DE J. BRUNER. importância das influências sociais. J. Bruner et al. (1966) Studies in cognitive growth. New York. John Wiley & Sons.

TEORIA DE J. BRUNER. importância das influências sociais. J. Bruner et al. (1966) Studies in cognitive growth. New York. John Wiley & Sons. FCTUC - Psicologia Educacional II - 05/06 Bruner 1 TEORIA DE J. BRUNER Jerome BRUNER USA (1915-) construtivista aluno activo métodos activos método da descoberta socio-interaccionista importância das influências

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

I Comunicação, Conflito e Poder

I Comunicação, Conflito e Poder Sessão Semi-Plenária Mundos Sociais: Saberes e Práticas I Comunicação, Conflito e Poder RODRIGUES, Adriano Duarte Resumo A temática desta mesa levanta uma das questões fundamentais com que se confrontam

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR (2007) RESUMO

O ENSINO SUPERIOR (2007) RESUMO O ENSINO SUPERIOR (2007) Ana Moreira Psicóloga Clínica Email: ana_marco@hotmail.com RESUMO A ideia de que o Ensino Superior não é uma entidade puramente educativa, mas que se compõe de múltiplas tarefas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA CULTURA NA PRÁTICA DIDÁTICA 1

A INFLUÊNCIA DA CULTURA NA PRÁTICA DIDÁTICA 1 A INFLUÊNCIA DA CULTURA NA PRÁTICA DIDÁTICA 1 PRETTO, Valdir 2 ; 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Professor do Curso de Pedagogia e do Mestrado Profissionalizante em Ensino de Física e de Matemática do

Leia mais

1 plano de trabalho. NO CAMINHO PARA CASA ÂNGELA SALDANHA doutoramento em educação artística FBAUP

1 plano de trabalho. NO CAMINHO PARA CASA ÂNGELA SALDANHA doutoramento em educação artística FBAUP NO CAMINHO PARA CASA ÂNGELA SALDANHA doutoramento em educação artística FBAUP Quem nunca se encontrou num ponto em que tudo lhe parece incerto, nunca chegará a nenhuma certeza (...) o espanto (...) é o

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação A dimensão pessoal do ensinar PROFESSOR COMO PESSOA ATITUDES FACE AO ENSINO E APRENDIZAGEM ATITUDES FACE AOS ALUNOS ATITUDES FACE A SI PRÓPRIO Copyright, 2006 José Farinha, Prof.

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

O PROJECTO EDUCATIVO COMO ESTRATÉGIA DE PROMOÇÃO DE CONGRUÊNCIA ENTRE AS DIMENSÕES ADMINISTRATIVO- ORGANIZATIVA E CURRICULAR

O PROJECTO EDUCATIVO COMO ESTRATÉGIA DE PROMOÇÃO DE CONGRUÊNCIA ENTRE AS DIMENSÕES ADMINISTRATIVO- ORGANIZATIVA E CURRICULAR O PROJECTO EDUCATIVO COMO ESTRATÉGIA DE PROMOÇÃO DE CONGRUÊNCIA ENTRE AS DIMENSÕES ADMINISTRATIVO- ORGANIZATIVA E CURRICULAR Escola Superior de Educação do Porto IPP RESUMO No domínio da actual investigação

Leia mais

Projeto Educativo 2014 / 2017

Projeto Educativo 2014 / 2017 Projeto Educativo 2014 / 2017 O Colégio de S. Miguel (CSMiguel) é uma escola cuja entidade titular é a Diocese de Leiria-Fátima, através do Seminário Diocesano de Leiria. O CSMiguel nasceu por iniciativa

Leia mais

A Pedagogia de Jerome Bruner Ramiro Marques

A Pedagogia de Jerome Bruner Ramiro Marques A Pedagogia de Jerome Bruner Ramiro Marques Jerome S. Bruner nasceu em 1915. Doutorou-se em Psicologia, em 1941, na Harvard University, após ter concluído, em 1937, a licenciatura na Duke University. Foi,

Leia mais

Comunidades de Prática

Comunidades de Prática Comunidades de Prática um conceito útil para pensar sobre aprendizagem 23 Novembro 2007 Madalena Pinto dos Santos http://madalenapintosantos.googlepages.com/ mpsantos@fc.ul.pt 1 Plano da sessão De onde

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FUNDAMENTALS AND EVALUATION PRACTICES IN THE CHILDHOOD EDUCATION

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FUNDAMENTALS AND EVALUATION PRACTICES IN THE CHILDHOOD EDUCATION FUNDAMENTOS E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FUNDAMENTALS AND EVALUATION PRACTICES IN THE CHILDHOOD EDUCATION ANTECEDENTES Y EVALUACIÓN PRÁCTICA EN EDUCACIÓN INFANTIL Amélia de Jesus Marchão

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015 1. INTRODUÇÃO 340 Psicologia B O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário, a realizar em 2015 pelos alunos que se encontram abrangidos

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Ana Rita Bernardo Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa, área de PLE/L2 Cientes do apelo que se impõe

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

Conclusão [de um estudo sobre o Conselho]

Conclusão [de um estudo sobre o Conselho] A Socialização Democrática na Escola: o desenvolvimento sociomoral dos alunos do 1º CEB 279 Serralha, F. (2007). Conclusão. In A Socialização Democrática na Escola: o desenvolvimento sociomoral dos alunos

Leia mais

Fazer investigação usando uma abordagem metodológica mista

Fazer investigação usando uma abordagem metodológica mista Fazer investigação usando uma abordagem metodológica mista Ana Maria Morais Isabel Pestana Neves Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Leia mais

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Uma proposta de reflexão para o Conselho Académico da Universidade do Minho António Sérgio Pouzada Moisés Martins Cândida Lucas Dolores Cabral Jorge

Leia mais

Curso de Auditorias da Qualidade Internas Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003

Curso de Auditorias da Qualidade Internas Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003 Curso de Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003 Objectivos: Os formandos no fim do curso devem: Dispor de conhecimentos técnicos e metodológicos sobre o modo de desenvolvimento de uma Auditoria da

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 14.7.2004 COM(2004) 479 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU "Reforçar a confiança nos mercados

Leia mais

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA França, A., & Brazão, P. (2009). Não escolarizem a Expressão Dramática! - uma reflexão sobre a vivência desta forma de expressão enquanto actividade autêntica. In L. Rodrigues, & P. Brazão (org), Políticas

Leia mais

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades?

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades? i dos Pais Temas O Brincar Todas as crianças são únicas e diferentes das outras, sendo que as suas diferenças individuais parecem estar diretamente associadas com a sua maneira de brincar e a imaginação

Leia mais

Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura

Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura 1. Enquadramento legal do Projecto Dinamizar Considerando o contrato de delegação de competências da Comissão Directiva do POPH

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL.

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL. 1 INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL Paradigmas da educação Competências Paradigmas contemporâneos

Leia mais

Leiturao. "Group and team coaching: The eooential guide"

Leiturao. Group and team coaching: The eooential guide LETURAS SPG Leiturao "Group and team coaching: The eooential guide" CHRSTNE THoRNTON (2010) Group and team coaching: The essential guide London and New York, Routledge Christine Thornton publicou recentemente

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Teorias de Aprendizagem: uma contribuição metodológica ao ensino da dança de salão.

Teorias de Aprendizagem: uma contribuição metodológica ao ensino da dança de salão. Teorias de Aprendizagem: uma contribuição metodológica ao ensino da dança de salão. Arquiteta Urbanista, especialista em Arquitetura Contemporânea, em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente, em Planejamento

Leia mais

O papel da prática pedagógica na formação inicial do docente

O papel da prática pedagógica na formação inicial do docente Perspectivas e expectativas em relação à formação inicial e à profissão de educadora de Infância Ana Rita Graciano, Isabel Fialho IPSS Obra de S. José Operário, Évora Universidade de Évora Palavras-chave:

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A presente comunicação resulta de um trabalho desenvolvido pelo CEOS Investigações Sociológicas da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

PSICOLOGIA SOCIAL PARA TRABAJADORES SOCIALES. A bad, J.R.B., Murillo, M.L., Pastor, M. A. M., Hernandis,S.P., (1999). Valencia: Editorial Gules, S.L.

PSICOLOGIA SOCIAL PARA TRABAJADORES SOCIALES. A bad, J.R.B., Murillo, M.L., Pastor, M. A. M., Hernandis,S.P., (1999). Valencia: Editorial Gules, S.L. n PSICOLOGIA SOCIAL PARA TRABAJADORES SOCIALES. A bad, J.R.B., Murillo, M.L., Pastor, M. A. M., Hernandis,S.P., (1999). Valencia: Editorial Gules, S.L. Joiio Pissarra * A obra em aprecia

Leia mais

ETICA E CIDADANIA- AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO INTERFACE PARA 0 SERVI<;O SOCIAL

ETICA E CIDADANIA- AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO INTERFACE PARA 0 SERVI<;O SOCIAL ETICA E CIDADANIA- AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO INTERFACE PARA 0 SERVI

Leia mais

f m H fll ~l l miu lll l ll tm~~ l l llllm ll ll

f m H fll ~l l miu lll l ll tm~~ l l llllm ll ll f m H fll ~l l miu lll l ll tm~~ l l llllm ll ll '*~:~~/;. FEDERA~Ii. O NACWNA.l f'(irtiicm. Protocolo de Coopera~ao Institucional Entre: A FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA DA UNIVERSIDADE TECNICA DE LISBOA,

Leia mais

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2 1 PREFÁCIO O objectivo destas páginas é o de apresentar, de maneira acessível e resumida, as principais técnicas da comunicação e da informação, que constituem, em conjunto, um dos domínios que mais directamente

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010

Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010 PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS E O MARKETING Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010 Sónia Sousa Pereira 13-12-2011 Sónia Sousa Pereira 2

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais