UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DO MARKETING NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA <>

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DO MARKETING NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA <>"

Transcrição

1 <> <> UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE <> <> <> <> <> A IMPORTÂNCIA DO MARKETING NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA <> <> Márcia da Silva Freitas <> <> <> Orientador Prof. André Gustavo Rio de Janeiro 2005

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE <> <> <> <> <> A IMPORTÂNCIA DO MARKETING NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA <> <<> <> <> Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como condição prévia para a conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Marketing. Por: Márcia da Silva Freitas

3 3 AGRADECIMENTOS A Deus por sempre me dar força para que eu nunca desista dos meus ideais, meus pais, meu irmão e meu marido por tudo que eles representam para mim.

4 4 DEDICATÓRIA A minha mãe, por ser responsável por tudo que sou e tudo que conquistei até aqui.

5 5 RESUMO O tema A importância do marketing na indústria farmacêutica foi escolhido por ser muito questionado, já que a propaganda é um instrumento persuasivo, o que gera uma contradição com a responsabilidade social da própria indústria farmacêutica. O objetivo desta monografia é mostrar todo o processo que envolve o marketing farmacêutico, o poder da propaganda no mercado farmacêutico, a importância do propagandista que reforça o marketing de relacionamento, que é o grande diferencial do mecanismo da propaganda médica. Assim, a finalidade desta pesquisa é estudar a importância do marketing no mercado farmacêutico, analisando, através da revisão da literatura, a divulgação de medicamentos, alimentos para fins especiais e produtos para a saúde em diferentes veículos de comunicação e identificar o teor das mensagens veiculadas, para obter um perfil da promoção farmacêutica no Brasil.

6 6 METODOLOGIA O estudo se baseará em uma pesquisa bibliográfica de cunho explicativo, no intuito de abordar o tema a partir de uma análise teórica, explicando os aspectos inerentes ao fenômeno estudado, ou seja, o marketing na indústria farmacêutica.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1 A PROPAGANDA E O MARKETING NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA A História do marketing na propaganda médica O poder da propaganda médica 2 MARKETING FARMACÊUTICO Informação principal como instrumento de pesquisa 3 SEGMENTAÇÃO Definição A segmentação no mercado farmacêutico 4 A PROPAGANDA FARMACÊUTICA 4.1 O propagandista 4.2 Propaganda versus Indústria Farmacêutica 4.3 Propaganda versus médicos 4.4 Marketing de relacionamento CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ÍNDICE ANEXO FOLHA DE AVALIAÇÃO INTRODUÇÃO

8 8 O tema A importância do marketing na indústria farmacêutica foi escolhido por ser muito questionado, já que a propaganda é um instrumento persuasivo, o que gera uma contradição com a responsabilidade social da própria indústria farmacêutica. O objeto de estudo é o medicamento, que segundo a Lei da vigilância Sanitária nº 6.360, de setembro de 1976 (atualizada pela Lei nº 9.294, de julho de 1996), não pode ser anunciado na mídia de massa, restrita apenas às revistas médicas. O que difere do medicamento OTC (medicamento de venda livre), o que pode fazer propaganda livremente na mídia. Conhece-se bem o impacto da propaganda de produtos relacionados à saúde tanto na prática dos profissionais do setor, como nas demandas das populações. As indústrias farmacêuticas, por exemplo, gastam em média 35% do valor das vendas com a chamada promoção farmacêutica, publicidade e marketing de seus produtos. São inúmeros os estudos que mostram a influência das estratégias utilizadas pelos fabricantes de medicamentos na qualidade da prescrição médica. Diversas pesquisas vêm mostrando, também, que a maioria dos médicos tende a negar esta influência. O objetivo desta monografia é mostrar todo o processo que envolve o marketing farmacêutico, o poder da propaganda no mercado farmacêutico, a importância do propagandista que reforça o marketing de relacionamento, que é o grande diferencial do mecanismo da propaganda médica. Assim, a finalidade desta pesquisa é estudar a importância do marketing no mercado farmacêutico, analisando, através da revisão da literatura, a divulgação de medicamentos, alimentos para fins especiais e produtos para a saúde em diferentes veículos de comunicação e identificar o teor das mensagens veiculadas, para obter um perfil da promoção farmacêutica no Brasil. O estudo se baseará em uma pesquisa bibliográfica de cunho explicativo, no intuito de abordar o tema a partir de uma análise teórica, explicando os aspectos inerentes ao fenômeno estudado, ou seja, o marketing na indústria farmacêutica. O estudo será dividido em 4 capítulos. O primeiro tem como tema a propaganda e o marketing na indústria farmacêutica. Neste capítulo, será descrita a

9 9 história do marketing na propaganda médica e analisada o poder da propaganda médica. O segundo capítulo tem o objetivo de analisar o marketing farmacêutico, através dos seguintes assuntos: informação principal como instrumento de pesquisa; progresso técnico; elasticidade e mark ups. O terceiro capítulo investiga a segmentação no mercado farmacêutico, conceituando-a e explicando os fatores desse processo. O tema do quarto capítulo é a propaganda farmacêutica. Primeiro será estudada a importância do propagandista. Em seguida será investigado o tema Propaganda versus Indústria Farmacêutica e Propaganda versus médicos. Por último, será estudado o marketing de relacionamento como estratégia competitiva para o merchandising farmacêutico. 1 - A PROPAGANDA E O MARKETING NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 1.1 A história do marketing na propaganda médica

10 10 Esse capítulo tem como objetivo resgatar a História da Propaganda de Medicamentos no país, através de marcas e slogans que marcaram época em nossa propaganda. Com a pesquisa bibliográfica pode-se notar que a propaganda de medicamentos sempre utilizou fortes manifestações de persuasão, como, por exemplo, os slogans, também conhecidas por frase de efeito, instrumentos persuasivos e lemas. As indústrias farmacêuticas, que viu nascer o século, acumularam muito da prática artesanal e empírica. Inicialmente conhecida como botica (nome dado à farmácia administrada por famílias) a indústria farmacêutica passou os trinta anos deste século produzindo remédios através de insumos extratos vegetais e produtos de origem animal. (TEMPORÃO, 1996, p26). Sua evolução, assim como a da propaganda brasileira, aconteceu gradativamente. Hoje, falar de propaganda sem falar dos primeiros anunciantes, ou seja, medicamentos (os populares remédios) é praticamente impossível. Só para se ter uma idéia, a principal publicação sobre doenças data de 1889: O Farol da medicina, que tinha como anunciantes o Pó da Pérsia, Bálsamo Maravilhoso do Ungüento Santo, Óleo de Fígado de Bacalhau, Magnésia Fuida e, mais tarde o Xarope Bromil. (SGANZERLA, 1999, P5). Por tanto, o medicamento faz parte da comemoração dos Cem Anos da Propaganda no Brasil A propaganda de 1900 a 1930 Larga-me... deixa-me gritar!.... Esse era o slogan do Xarope São João, de 1900, veiculado na Revista da Semana, Rio de Janeiro. Esse xarope utilizava-se da imagem de um homem, como se estivesse amordaçado, significando a ameaça da tosse, bronquite, rouquidão. O xarope era o grande salvador. O texto ainda dizia frases como:... É a única garantia de sua saúde... é o remédio científico, apresentado sob a forma de um saboroso licor. O único que não ataca o estômago, nem os rins... Um anúncio com ameaças ao consumidor, além de tantas promessas,

11 11 tanta certezas, hoje com o Código de Defesa do Consumidor e o CONAR, certamente não seria veiculado. A característica da indústria farmacêutica na propaganda em utilizar a dor como vilã e o medicamento como salvador atravessou anos. Para TEMPORÃO (1986, P45) o tipo de mensagem publicitária utilizada nesses tempos era informativa, mas dentro do componente escrito, sempre havia um destaque especial à marca e ao slogan. O componente icônico era um desenho, quase sempre mostrando um certo exagero. O destaque para os anúncios, com uma melhor elaboração, se deu na chegada das revistas: Revista da Semana, O Malho, Cri-Cri, A Careta, Fon-Fon, e, em 1910 com o seminário A Lua, trazendo nas últimas capas, em quase todas as edições, anúncios do Xarope Bromil, famoso pelo slogan: cura a tosse em 24 horas e Saúde da Mulher, o famoso preparado também conhecido pelo infalível nas moléstias das senhoras. Entre 1913 e 1914, com a chegada da A Eclética, a primeira agência do país, a propaganda passou a ser mais respeitada. Durante a 1º Grande Guerra (1914/18) a linguagem dos anúncios, principalmente os de medicamentos, parecia nitidamente ligada ao período conturbado em que o mundo encontrava-se. Santogen dá auxilio e levanta exaustos os que caem por falta de energia e vitalidade ; Alcatrão-Guyert a polícia dos pulmões ; Rhodine em nada se parece com outros comprimidos ; Urudonal lava o sangue, amacia as artérias e evita a obesidade e xarope de Grindélia pedir e exigir sempre contra tosse (RAMOS; MARCONDES, 1995, P29). Em 1919 surgia o grande anunciante do setor: BAYER. Com campanhas regulares, a empresa alemã, chegava ao mercado investindo alto em publicidade. Em 1920, Aspirina fez 23 anúncios com temas variados resultando em campanhas de sucesso. A Bayer destacava-se pela originalidade dos textos e pela qualidade gráfica dos anúncios. Era característica sua associar seus produtos a palavras como: original, puro, científico, para contrapor os produtos nacionais. Eram muitos os produtos Bayer: Adalina a fonte da juventude eterna ; Bayaspirina silencio ; Instantina num instante vae-se o mal ; e outros, sempre utilizando a marca e reforçando-a com um slogan. Vale destacar que nessa época os redatores publicitários, na verdade, eram escritores, literários, poetas brasileiros que, mesmo sem experiência na

12 12 linguagem comercial, tinham o dom da palavra e sabiam expressar-se muito bem. Os tons exagerados, poéticos, cheios de rimas pertenciam na verdade aos redatores da época: Casemiro de Abreu, Lopes trovão, Emílio de Meneses, Basílio Viana, Olavo Bilac, mais tarde, Orígenes Lessa e tantos outros. Verdadeira obra prima da publicidade brasileira, Jeca Tatuzinho é criado por Monteiro Lobato para Biotônico Fontoura o mais completo fortificante. O personagem ficou famoso e a marca não menos conhecida e consumida durante gerações. Até hoje, personalidades como Angélica e Sandy e Júnior cantam o jingle que encantou gerações: B A Ba, B E Bé, B I Bi, Biotônico Fontoura A propaganda de 1930 a 1960 Em meio à crise de 30, devido à Revolução, o rádio desponta no ar sem deixar de lado os jornais do século passado e as revistas do início do século. Os slogans antes lidos e interpretados tinham então uma sonoridade especial. Eram falados por locutores, cantados nos jingles e repetidos pela população. O mercado de medicamentos industrializados passa a ser ampliado, baseando-se na propaganda popular. Amplia-se também o número de farmácias nas principais capitais. Os bondes (grandes veículos publicitários) tinham como anunciantes: Lugolina e Rhum Creosotado, os textos eram tão famosos e repetidos que até as crianças saiam falando. (TEMPORÃO, 1996, P 60-61). O rádio conseguia a atenção de todos. Através das radionovelas, reunia toda uma família em volta do aparelho. Essa credibilidade atraia a indústria farmacêutica que, como grande anunciante da época, passava a patrocinar os programas. No período de 30 a 50 o rádio alcançava a glória, com centenas de emissoras espalhadas pelo país. Radionovelas como: Renúncia, Céu-cor-de-rosa, Helena, O Direito de Nascer faziam grande sucesso e programas como o de Orlando silva tinham como patrocinadores: Fandorine e Urudonal, além de Sidney Ross, um dos maiores anunciantes de rádio, com suas Pílulas de vida do Dr Ross fazem bem ao fígado de todos nós (TEMPORÃO, 1996, P64). O rádio, mesmo misturando notícias da Guerra (Segunda Grande Guerra 1939/45; com radionovelas, contava com grandes anunciantes).

13 13 Era um momento diferente, mais criativo para a propaganda, que misturava informação com imaginação. RAMOS & MARCONDES (1995, P47) registram esse período como o mais criativo em slogan. O repórter Esso era o primeiro a dar as últimas e testemunha ocular da História. Nesse contexto surgem as Pastilhas Minorativas posso sorrir outra vez e o colírio Moura Brasil dois gotas, 2 minutos, dois olhos claros e bonitos. Utilizando uma linguagem mais suave, como se nada tivesse acontecendo. Enquanto isso, anunciantes do rádio mantêm-se fiéis ao estilo tradicional, hoje considerados como verdadeiros clássicos da propaganda brasileira: Melhoral é melhor e não faz mal e Pílulas do Dr Ross pequeninas, mas que resolvem (TARSITANO E FEITOSA, 1998, p53). Em 50, com a chegada da televisão, começava uma nova era eletrônica. Com textos ainda radiofônicos e muitas falhas (por ser ao vivo e não ter vídeo tape, que só surgiria uma década depois), a TV foi evoluindo aos poucos conquistando uma legião de telespectadores que, além de poder ouvir, viam os artistas, filmes e produtos, atraindo mais anunciantes. Em termos publicitários o rádio perde o duelo para a TV, sendo os anos 60 os piores de sua existência. O desinteresse do anunciante se reflete nos criadores de spots e jingles, notando-se a perda de qualidade. (CASTELO BRANCO, 1990, P 194). No rádio, o medicamento reinava absoluto como anunciante, o mesmo não acontecia na TV. No final da década de 60 caia, ainda mais, o número de medicamentos anunciados livremente, fato ocorrido entre os anos 50 e 70, devido à introdução no mercado de produtos éticos: ansiolíticos, antipsicóticos e pílulas anticoncepcionais, deslocando o consumidor diretamente para o consultório médico (TEMPORÃO, 1996, P67). Percebe-se, a partir da década de 50, um maior incentivo ao consumo de produtos éticos, o que se estendeu pelas décadas posteriores, tendo como conseqüência o também incentivo à propaganda ética regulada pela vigilância Sanitária A propaganda de 1970 até os tempos atuais Apesar de ser encontrado nos anúncios de arquivo de 1919, o slogan da Bayer até hoje é um dos mais lembrados em testes de recall (PINHO, 1996, P77).

14 14 Anos 70 período de pra frente Brasil, bossa nova, liberação sexual, ditadura, censura... Em meio a tudo isso a TV transformava-se no grande veículo de comunicação de massa. O que era anunciando na TV passava a ter credibilidade. O rádio tentava sobreviver e os outros meios tentavam arrumar caminhos diversos de sobrevivência. Aos poucos a convivência entre esses meios passou a ser harmoniosa, cada qual exercendo o seu papel na sociedade. Em 76, o medicamento passava a ter uma divisão distinta provocada pela Lei da vigilância Sanitária nº 6.360, de setembro, proibindo a veiculação de anúncios de medicamentos éticos (tarjas vermelha e preta) na mídia de massa, restringindo-os aos propagandistas e publicações especificas dos laboratórios da industria farmacêutica. Apenas, o medicamento de venda livre (OTC Over the Counter) podia ser veiculado livremente na mídia de massa (OLIVEIRA, 1998). Com isso, a propaganda de medicamentos passava a ser segmentada: os éticos, às revistas para médicos e os de venda livre à população, com uma linguagem bem popular. Segundo TEMPORÃO (1996, P67) a partir de 1978, acontecia a retomada de crescimento das práticas promocionais da indústria farmacêutica. As especialidades mais anunciadas passavam aos analgésicos, vitaminas, fortificantes e emagrecedores. Com a televisão, a publicidade eminentemente informativa passava à publicidade valorativa, onde os componentes escritos são dominados pelos icônicos. Ou seja, na mídia impressa, os textos e as ilustrações conseguiam passar um certo entendimento, mas não tinham tanto alcance como no rádio. Já a TV atingia grandes contingentes da população, mostrando o produto e demonstrando o seu uso, o que colocava a propaganda não apenas como instrumento de persuasão, mas também exercendo uma função educativa, informando sobre a doença e o uso correto do medicamento. Ainda para TEMPORÃO (1996, P68) Nesse período, o slogan se mantém não mais como sustentáculo básico de Marketing, mas apenas como mais um figurante diante da imagem e de suas possibilidades massificadoras e educativas. Na década de 80, conhecida também como a década da transformação (Adeus ao militarismo, diretas Já, Plano Cruzado, Constituição de 89, etc) a

15 15 propaganda caminhava lentamente... Nessa década surgiram grandes campanhas institucionais, principalmente na área da saúde. Em 85, a indústria farmacêutica chegava a ocupar a 8º posição de maior anunciante do Brasil, sendo o grupo Dorsay tomou Doril a dor sumiu o maior do setor. Com a década de 90, novas mudanças. Agências brasileiras associavamse com estrangeiras e os produtos importados entravam no país com força total, inclusive medicamentos, acirrando a concorrência no mercado. Apesar da existência do Conselho Nacional de Autoregulamentação Publicitária, o CONAR, que visava normatizar a atividade publicitária, evitando abusos nas mensagens, só em 1992, surgia o primeiro caso de punição de publicidade de medicamento, gerando modificação no anúncio de Biotônico Fontoura. Com a publicidade de medicamentos dividida em ético e OTC, a mensagem publicitária diferenciava-se para médicos, em revistas específicas para a população, na mídia de massa. Sendo assim, é relevante destacar alguns slogans atuais: de medicamentos éticos: Artren ainda não pintou antiinflamatório tão eficaz ; Trofodermin por onde passa, cicatriza ; Capoten a terapia indispensável ; Nisulid o antiinflamatório que faz sucesso no mundo; Gopten vai fundo no controle da hipertensão e de medicamentos (OTC) de venda livre: Doril tomou Doril, a dor sumiu ; AAS pureza máxima que faz ; Neosaldina a dor de cabeça passa logo de cara ; Estomazil é plá-plum ; anador a marca do alívio, e outros. Nos tempos atuais, é notória a presença da linguagem coloquial na história dos slogans, tanto em medicamentos éticos, quanto nos OTCs, e mesmo quando ainda não havia essa divisão, o slogan sempre foi popular, repetível e repetido pelas pessoas, acompanhando as marcas os medicamentos, através de frases marcantes e persuasivas. Em tempos de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), muito tem preocupado a indústria farmacêutica, que além de ser acusada de formadora de cartel, tenta zelar pelas marcas tradicionais do mercado de medicamentos, mesmo reconhecendo que é inevitável à chegada dos genéricos (que além de não terem marca comercial, chegam a ser 30% mais baratos por não investirem em propaganda), aprovados pela Lei

16 16 Em virtude desse fato novo, a propaganda de medicamentos deverá sofrer mudanças, passando a ser controlada pela Agência Nacional de vigilância sanitária, com o intuito de disciplinar, coibir abusos e estabelecer padrões éticos nas mensagens publicitárias veiculadas pela mídia de massa, trabalho que já é realizado pelo Conselho Nacional de Autoregulamentação Publicitária. Sendo assim, não só as marcas do setor farmacêutico deverão sofre mudanças, como as mensagens publicitárias, onde se inclui o slogan. Slogan, que também é conhecido como frase de efeito, instrumento persuasivo, lema e até como apelido pragmático do nome próprio, como LEFÈVRE refere-se ao slogan na sua Mitologia sanitária saúde, doença, mídia e linguagem, quando argumenta que expressões metonímicas como a dor sumiu dizem muito mais que um simples nome da marca (LEFÉVRE, 1999) e que por sua importância é parte integrante da propaganda no país e merece destaque nos Cem Anos de Propaganda de Medicamentos no Brasil. 1.2 O poder da propaganda Médica Levando em conta que a indústria farmacêutica divulga o medicamento ético apenas ao médico e esse o indica ao paciente, o médico é, então, um dos responsáveis pela venda do medicamento. Como, geralmente, o paciente não contesta seu médico, por acreditar na sua palavra ou desconhecer a eficácia do medicamento, surge o que a filósofa CHAUÍ (1997) afirma que o discurso competente é aquele discurso que pode ser proferido, ouvido e aceito como verdadeiro ou autorizado. Ou seja, o médico tem um certo poder sobre o paciente, um verticalismo existente entre quem tem o poder de falar e quem não tem. Assim como o que é científico e o que é popular. Sem cair na oposição, mas na discussão, para que a validade de ambos seja respeitada. O estudo faz ainda, uma breve abordagem sobre o papel do propagandista, que na verdade é o representante de vendas da indústria farmacêutica e relata sobre os escândalos dos medicamentos falsos e a polêmica chegada dos genéricos ao mercado de medicamentos no Brasil.

17 17 Propaganda de medicamentos, marketing em saúde, propaganda farmacêutica são alguns termos utilizados na mídia e que certamente farão parte desse breve estudo sobre a divulgação do remédio nos meios de comunicação. Desde o início do século XX, a propaganda a respeito dos produtos farmacêuticos, constitui-se em uma manifestação de forte persuasão. Aliás, na própria história da propaganda no Brasil, nota-se que os primeiros anunciantes eram desse setor. Mensagens em bondes, em um tempo onde não havia mídia, como as do xarope Ruhn Creosotado, criadas pelo escritor Casemiro de Abreu, já prometiam curar doentes de bronquite. Em 1900, a propaganda do Xarope São João destacava-se pela imagem agressiva, colocando a doença como o grande mal e o remédio como salvador. Com a chegada da mídia, os investimentos da indústria farmacêutica em propaganda cresceram muitos. Alguns anunciantes, dessa época, estão até hoje no mercado: Instantina e Cafiaspirina da Bayer, Bromil, Guaraina, Mitigal e a maior peça publicitária da década de trinta: o Jeca Tatu, criado por Monteiro Lobato para Biotônico Fontoura. Os produtos de caráter popular serviram para fixar a propaganda de estilo persuasivo. Esses medicamentos passaram a ser conhecido como OTCs de venda livre, podendo anunciar livremente na mídia, ao contrário dos chamados éticos (vendidos apenas com receita médica). Segundo os registros da ABIFARMA (Associação Brasileira das Indústrias Farmacêuticas), o mercado farmacêutico nacional movimenta anualmente cerca de 10 bilhões e meio de dólares. Apesar de não aparecer tanto aos consumidores, os investimentos na comunicação chegam a cifras bilionárias. Essa verba provém de mais de 300 laboratórios instalados no país. Por exemplo, o Laboratório Ache é uma empresa com 95% de produtos éticos, fechando um balanço de quase 650 milhões de dólares de faturamento (1º do ranking, segundo Revista Exame 98). A empresa reserva 150 milhões de dólares no treinamento, salário e material de propaganda para tornar seus dois mil profissionais aptos ao mercado (CAMARGO, 1998, P 21-22).

18 18 O grande investimento na propaganda de medicamentos justifica-se porque os brasileiros estão no 4º lugar em consumo mundial de medicamentos. Com uma média de 11 caixas de produtos farmacêuticos por pessoa / ano, ficando atrás apenas dos EUA, França e Alemanha. 2- MARKETING FARMACÊUTICO 2.1 Informação principal como o instrumento de pesquisa A Indústria farmacêutica é sempre, devido as suas características estruturais, um exemplo radical do comportamento potencial de um setor industrial dinâmico.

19 19 FRENKEL (1998) a considera uma das indústrias mais globalizadas, tendo começado o processo ainda na década de vinte do século passado, estando presente na maioria dos países do mundo, operando em um determinado estágio tecnológico. A possibilidade/ facilidade de desmembrar as suas operações nos vários estágios tecnológicos, de acordo com o grau de desenvolvimento dos países receptores e/ou distribuição estratégica das operações, sem perda de eficiência econômica devido a pouca importância das economias de escala e alta relação produto / capital facilita sobremaneira esse processo de difusão mundial das operações produtivas e comerciais Progresso Técnico Do ponto de vista do progresso técnico, e analisando-a na configuração global, FRENKEL (1998) a conceitua como uma das mais dinâmicas tecnologicamente, estando há muitos anos entre aquelas com maior proporções de despesas de P&D com relação ao faturamento. A exploração intensa da pesquisa nas combinações do binômio básico objeto desta ação a relação estrutura-atividade, ou seja, alterações moleculares dos fármacos e potencial novas ações terapêuticas permite um dinamismo tecnológico que garante um constante fluxo de novos produtos, nas suas várias dimensões, e cuja intensidade no grau de diferenciação atingida nos vários aspectos da combinação permite gerar altos mark-ups, e contribuir para a mantê-la como uma das indústrias mais lucrativas. No caso das empresas multinacionais, QUEIROZ & GONZALES (2001) afirmam que elas englobam, na sua estrutura organizacional, a quase totalidade dos conhecimentos e dos instrumentos necessários à exploração da relação estrutura atividade, e sendo assim a estratégia de longo prazo destas empresas se baseia na busca permanente das condições que otimizem a exploração tecnológica e comercial desta relação. As recentes fusões entre várias das grandes empresas do setor (Ciba- Sandoz), Glaxo-Smithkline Beechaam, Hoesht-Rodhia, etc) são exemplos de realocações estratégias buscando ou agregar pesquisas já existentes no pipeline de cada uma delas, ou de agregação de mercados, que possibilitem aumentar

20 20 rapidamente os faturamentos e, portanto a capacitação financeira para permitir um aumento dos investimentos na relação. A supremacia dos laboratórios multinacionais surge deste permanente reposicionamento estratégico com relação à exploração tecnológica e comercial da relação. E qualquer mudança na posição relativa do país no longo prazo exige, conseqüentemente, um reposicionamento de suas empresas e instituições com relação esta questão Elasticidade e Mark ups. O motivo original que condiciona a demanda de medicamentos a busca da recuperação de um estado de saúde, que se confunde como uma condição intrínseca à própria vida, seja individual ou pública, faz com que ela tenha forte predisposição a ser inelástica ao preço. Segundo QUEIROZ & GONZALES (2001), a este fato associa-se um outro, que também contribui para a indução da inelasticidade-preço, que o ato de consumir medicamentos passa pela decisão de uma figura intermediária, o médico, ou seja, a decisão do que consumir não esta acoplada à decisão de quem vai pagar! Esta separação, em combinação com as técnicas de marketing utilizadas, de intensa ação sobre a decisão dos médicos e/ou memorização das marcas, fortalece a insensibilidade ao preço, contribuindo para fortalecer a inelasticidade inerente às características do produto que induzem a demanda. Uma outra característica importante deve ser devidamente compreendida, pois pode ter grande influência sobre a elaboração de uma política industrial e/ou comercial eficaz para os vários segmentos da indústria é o fato que os mark ups nas especialidades farmacêuticas são relativamente altos, e por sua vez superiores aos do segundo estágio, produção de fármacos, onde é bem mais baixa. Esta relação tem várias implicações, mas tentando nos reter aos objetivos deste trabalho, isto significa que os mark-ups brutos preços sobre custos variáveis de produção sendo relativamente altos no estágio de produção de especialidades e bem mais

21 21 baixos no de fármacos, tornam o segundo segmento muito mais sensível à implementação de alíquotas, ou outros instrumentos de políticas que induzam alterações nos custos de produção, do que o primeiro segmento. Adicionalmente, ainda com relação a esta característica, mark-ups elevados ou não, potenciais economias (ou não) de escala e cada estágio de produção; e conseqüentemente são menos (ou mais) relevantes nos processos decisórios de alocação de capacidade produtiva e/ou de investimentos. Sabe-se também que tanto mais inovações são introduzidas no binômio estrutura-atividade, tornando as respectivas novas especialidades mais eficazes terapeuticamente, mais elevados serão os preços das respectivas especialidades e fármacos, ou seja, os (mark-ups) serão maiores, as elasticidades preço serão menores, menores serão a participação relativa dos custos variáveis, e menos sensibilidade terão aos instrumentos tradicionais de política industrial e comercial (políticas que influenciem os custos como indutores do comportamento econômico dos agentes). 3 SEGMENTAÇÃO 3.1 Definição Atualmente, as indústrias farmacêuticas têm se direcionado para uma administração que decide sobre produtos que são comercializados para se obter resultados. A essência do planejamento estratégico consiste em perceber as oportunidades e problemas que possam surgir e tentar solucionar.

22 22 FORTES (1999, P63) relata que as empresas estão frente a desafios totalmente novos, diferentes dos habituais, normalmente extrapoláveis, pois a velocidade das mudanças é mais rápida do que a resposta praticada habitualmente. De acontecimentos repetitivos, prognosticáveis e previsíveis, que proporcionavam uma rotina na tomada de decisões, a organização empresarial irá ter à sua frente cenários parcialmente previsíveis, aumentando o nível e o volume de surpresas, ficando reservado, para os próximos anos, os maiores índices de turbulência ambiental até então experimentados pelos planejadores, mesmo aqueles habituados a enfrentar situações e contingências bastante adversas. Frente a essas mudanças aceleradas, a industria farmacêutica deve se preparar para enfrentar o futuro e desenvolver estratégias para acompanhá-las. Em tempos de concorrência acirrada, as empresas precisam buscar maior eficiência em suas estratégias e usar todo seu arsenal de marketing disponível. Do contrário, correm o risco de desaparecer do mercado. A segmentação aumenta a chance de eficiência do marketing, ao chegar a uma resposta de que as pessoas não são iguais. Apostando nesta diferença, tornou-se imprescindível para uma empresa pesquisar as sutis mutações do mercado (RICHERS, 1996 p156), já que é o mercado que mais cresce. A segmentação é necessária para aumentar a eficácia da estratégia mercadológica. Porque os diferentes públicos têm necessidades e desejos diferentes. A empresa deve estudar o mercado e escolher os segmentos aos quais pode servir, com lucro, melhor do que seus concorrentes. Ela não pode satisfazer todos os consumidores em um dado mercado ou, pelo menos, todos os consumidores da mesma maneira, cada um tem diferentes tipos de necessidades. O estudo de mercado envolve quatro passos: Mensuração e previsão de demanda: a empresa necessita fazer uma cuidadosa estimativa do atual e futuro tamanho do mercado e de seus vários segmentos. Para estimar o tamanho atual do mercado, a empresa deve identificar todos os produtos concorrentes, estimar suas vendas correntes e determinar se o tamanho do mercado é suficiente.

Propaganda de Medicamentos. Os éticos e a ética da indústria farmacêutica no Brasil

Propaganda de Medicamentos. Os éticos e a ética da indústria farmacêutica no Brasil Propaganda de Medicamentos Os éticos e a ética da indústria farmacêutica no Brasil INTRODUÇÃO O tema Propaganda de Medicamentos, foi escolhido por ser muito questionado, já que a propaganda é um instrumento

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA Na linha Como a automação contribuiu para o desenvolvimento das empresas de distribuição e atacadistas? A automação foi fundamental para o crescimento e fortalecimento do setor. Sem o uso intensivo da

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha Diversos fatores influenciam na percepção de valor para o cliente ou mercado, dependendo do tipo de produto. Para alguns produtos a confiabilidade

Leia mais

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Nos últimos anos, muitas empresas tiveram contato com o Lean e se impressionaram com os ganhos que poderiam obter. Tratava-se de uma nova abordagem de negócios, e que

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Marketing Direto faz bem para a saúde

Marketing Direto faz bem para a saúde capa Marketing Direto faz bem para a saúde Hospitais e laboratórios têm encontrado no Marketing Direto uma forma eficaz de comunicação, sem cair nas restrições da Anvisa. Levando-se em consideração que

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA 4 E ÚLTIMO MÓDULO: Como Ganhar dinheiro com Mala Direta APRESENTAÇÃO PESSOAL Edileuza

Leia mais

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Seminário GVcev Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Tema: Tecnologia para Entender e Atender o consumidor Palestrante: Paulo Nassar HISTÓRICO Cobasi uma empresa brasileira Iniciou suas atividades

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

VENHA FAZER PARTE DA NOSSA EQUIPE DE VENCEDORES! PROPOSTA DISTRIBUIDOR LA POZZI

VENHA FAZER PARTE DA NOSSA EQUIPE DE VENCEDORES! PROPOSTA DISTRIBUIDOR LA POZZI VENHA FAZER PARTE DA NOSSA EQUIPE DE VENCEDORES! PROPOSTA DISTRIBUIDOR LA POZZI INTRODUÇÃO A LaPozzi Professional Cosméticos fornece ao mercado de cosméticos capilar profissional, produtos inovadores,

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos PESQUISA INÉDITA DO CREMESP 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos 80% dos médicos recebem visitas de representantes da indústria de medicamentos Estudo

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 Mar / 2006 Por que focar no Varejo? Investimentos em Mídia Volume em R$ 5.540.176 Varejo representa 27% dos

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO MARKETING:

A EVOLUÇÃO DO MARKETING: A EVOLUÇÃO DO MARKETING: ( 4 Gerações ): Primeira Geração - Ajudar a Vender - antes da II Guerra até o início dos anos 60 Segunda Geração - Ajudar a fazer o melhor para os consumidores - início dos anos

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

Módulo 1. Introdução à Disciplina

Módulo 1. Introdução à Disciplina Módulo 1. Introdução à Disciplina Você conhece o Marketing ele está à sua volta em todos os locais. Você vê os resultados do Marketing na grande quantidade de produtos disponíveis no shopping center, nos

Leia mais

Anuncie na Play! PROPOSTA COMERCIAL. Prezados,

Anuncie na Play! PROPOSTA COMERCIAL. Prezados, PROPOSTA COMERCIAL Prezados, Apresentamos a V.Sas. proposta de prestação de serviços de veiculação de anúncios publicitários na rádio Play FM, sintonizada na frequência 107,5 do dial FM dos rádios e acessada

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 1 Índice Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 A Empresa Informações sobre a empresa, farmacêuticas responsáveis, instalações, diferenciais

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL

A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL www.espm.br/centraldecases A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL Preparado pelos Professores Antonio Carlos Bonassa e Paulo

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS Como conquistar e manter clientes Marketing de Relacionamento Visa a orientar como utilizar as ferramentas do marketing de relacionamento para aumentar as vendas e fidelizar clientes. Público-alvo: empresários

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

manual básico de mídia

manual básico de mídia manual básico de mídia Manual Básico de Mídia 1 2 Manual Básico de Mídia 2015 Índice_ 01. Amostra...4 02. Público-alvo...6 03. Audiência de TV...8 04. GRP...12 05. Alcance e frequência...14 06. Custo por

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

Qual o papel das palavras na propaganda de medicamentos?

Qual o papel das palavras na propaganda de medicamentos? São Bern@rdo.com.br Revista Acadêmica do Grupo Comunicacional de São Bernardo www.metodista.br/unesco/gcsb/index.htm Ano 1 - nº 2 - (julho/dezembro de 2004) Textos originais, revisados pelos membros do

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial SIG

Sistema de Informação Gerencial SIG Sistema de Informação Gerencial SIG O SIG abrange a empresa Estratégico Tático Operacional Conceitos Básicos: DADO: Qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a compensação

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença?

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença? MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS Qual a diferença? Marketing promocional É uma ferramenta que se utiliza de várias outras para promover a promoção de vendas. Por exemplo: Marketing promocional

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista Entrevista com Tetrafarma Nelson Henriques Director Gerente Luísa Teixeira Directora Com quality media press para Expresso & El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As

Leia mais

Teste sua empregabilidade

Teste sua empregabilidade Teste sua empregabilidade 1) Você tem noção absoluta do seu diferencial de competência para facilitar sua contratação por uma empresa? a) Não, definitivamente me vejo como um título de cargo (contador,

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Professor: Tiago Tripodi

Professor: Tiago Tripodi Professor: Tiago Tripodi Quando temos uma situação em que acontece o processo de troca, envolvendo desejo e necessidade de se obter um bem ou serviço, neste momento se realiza uma ação de marketing As

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO 1 AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO O Sr. Asdrúbal Matrimônio, proprietário da gráfica Casamentos & Casórios Ltda., especializada em convites de casamento com dobras e cortes especiais, oferecia um

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

Valorização das pessoas:

Valorização das pessoas: GEDUC - Valorização das pessoas: maximizando seu desempenho por meio do comprometimento, do desenvolvimento e de espaços para empreender 1 Valorização das pessoas: maximizando seu desempenho por meio do

Leia mais

Integrar para Mudar. T 2 People 2013 www.t2people.com. por Daniel Druwe Araujo

Integrar para Mudar. T 2 People 2013 www.t2people.com. por Daniel Druwe Araujo Integrar para Mudar por Daniel Druwe Araujo As melhores organizações têm funções competentes para cuidar de aspectos importantes da gestão de pessoas, como a comunicação, o aprendizado e o sistema de consequências.

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

. Indice. 1 Introdução. 2 Quem Somos. 3 O que Fazemos. 4 Planejamento. 5 Serviços. 6 Cases. 9 Conclusão

. Indice. 1 Introdução. 2 Quem Somos. 3 O que Fazemos. 4 Planejamento. 5 Serviços. 6 Cases. 9 Conclusão . Indice 1 Introdução 2 Quem Somos 3 O que Fazemos 4 Planejamento 5 Serviços 6 Cases 9 Conclusão . Introdução 11 Segundo dados de uma pesquisa Ibope de 2013, o Brasil ocupa a terceira posição em quantidade

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013 Isabella Assunção Cerqueira Procópio Janeiro de 2013 1 Sumário 1. Dados Básicos de Identificação...3 2. Histórico

Leia mais