Parametrização e configuração da ferramenta IBM Algo One ALM Base e outro Dúvida: Esclarecimento: 1. Dúvida: Esclarecimento: Dúvida:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parametrização e configuração da ferramenta IBM Algo One ALM Base e outro Dúvida: Esclarecimento: 1. Dúvida: Esclarecimento: Dúvida:"

Transcrição

1 1 Dúvida: Sobre Conciliar contabilmente os saldos da rubricas contábeis... e Consultar o resultado da conciliação..., entendemos que o Banco deseja que seja desenvolvido um relatório que concilie, com valores contábeis, valores carregados na solução ou produzidos por ela. Para orçar o serviço necessário necessitamos definir essa conciliação com o máximo de detalhe possível. Alguns pontos: 1. Que dados seriam conciliados? 2. É suficiente exportar os dados carregados na solução pelas mesmas chaves contábeis, para que um sistema externo faça a comparação, ou será necessário carregar na solução também os dados contábeis e gerar a comparação dentro da solução Algo? 3. Se for necessário comparar dentro da solução, um arquivo.csv com colunas é suficiente, ou serão exigidos relatórios e funcionalidades adicionais? 4. Como relatórios de conciliação contábil não são nativos da solução, se eles forem mesmo necessários, o Banco dispõe de uma ferramenta de BI para isto, como Cognos ou equivalente? 5. Favor listar outros pontos que especifiquem essa conciliação. Esclarecimento: 1. Seriam conciliados os saldos das rubricas contábeis das operações nos sistemas operacionais com os saldos das rubricas contábeis no sistema da contabilidade. 2. A solução ideal seria carregar os dados contábeis e gerar a comparação dentro da solução Algo, inclusive como forma de validação da base de dados dos sistemas operativos previamente à entrada dos dados no motor matemático. 3. Para comparar dentro da solução, é suficiente, tanto na entrada, como na saída, um arquivo.csv. A saída de que necessitamos equivale a um log de erros do sistema. 4. Não será necessária nesta etapa do projeto, nenhuma ferramenta adicional, uma vez que o relatório de conciliação contábil necessário equivale a um log de erros do sistema. 5. A contabilidade apresenta um saldo para cada rubrica contábil, por dependência. Os sistemas operacionais apresentam os dados no nível de operação, sendo a rubrica contábil um dos atributos da informação. Dessa forma, os dados desses sistemas necessitam ser agrupados por rubrica para possibilitar a conciliação. 2 Dúvida: Sobre Permitir incluir, alterar, excluir ou liberar, com 2a. chave...registros de operação..., a exclusão manual não é uma funcionalidade nativa da solução, por questões de governança. A maneira de efetuar essas alterações é corrigir a entrada (nos arquivos texto ou no banco de dados), e rodar batches de atualização. O Banco estaria disposto a excluir com 2a. chave do texto do requisito? Esclarecimento: A segunda chave poderá ser excluída como requisito para a solução ALGO ONE, desde que seja implementada para a correção das entradas, por meio de um sistema interno do Banco. 3 Dúvida: Sobre Permitir incluir, alterar ou excluir grupamentos de dependência..., o que são grupamentos de dependência? Seriam hierarquias de grupamentos? Ou agrupamentos de subsidiárias estrangeiras? Um exemplo já esclareceria. 1 / 5

2 Esclarecimento: São agrupamentos de subsidiárias estrangeiras. Um grupo pode ser composto por uma ou mais subsidiária, no entanto, a formação de um grupamento não ocorre pela soma dos totais de cada subsidiária. É necessário desconsiderar as operações entre essas dependências sempre que houver uma agregação. Por exemplo: o Bloco Europa era composto por Frankfurt, Lisboa, Londres, Madri, Milão e Viena. Com a criação do BBAG, foi necessário criar esse novo grupamento e migrar Frankfurt, Lisboa, Madri, Milão e Viena para esse grupamento. O grupamento Europa passou a ser composto por Lisboa e BBAG. 4 Dúvida: Sobre o alongamento de operações passivas, a solução aplica cenários de evolução do saldo e de antecipação de retiradas para modelar o comportamento de produtos sem vencimento definido. A solução não possui uma ferramenta para produzir o cenário de evolução da carteira, mas aplica o cenário produzido pelo usuário fora da solução. Em alguma ferramenta fora do IBM Algo, o usuário considera a utilização histórica, aplica métodos estatísticos ou econométricos, produz o cenário e o alimenta para que a solução o aplique. O Banco aceita esta abordagem? Esclarecimento: Não. O Banco poderá fornecer os modelos, com as respectivas fórmulas matemáticas para que a solução calcule a nova distribuição de passivos. 5 Dúvida: Em vários pontos cita-se taxa média de juros. A solução pode consolidar contratos na entrada. O contrato resultante, consolidado, traz uma taxa média. A saída, no módulo de relatórios, pode ser agrupada por taxa ou por zonas de taxa dos contratos consolidados. Tudo bem com esta abordagem? Esclarecimento: Se o contrato consolidado resultante possuir uma taxa média, essa abordagem atende, desde que seja possível também calcular essas taxas médias por intervalos de tempo (time steps), considerando o vencimento das operações. Além disso, para operações em diferentes moedas, deverá ser feito o swap das taxas para a unidade em que o relatório estiver sendo visualizado. 6 Dúvida: Os requisitos citam frequentemente spread, definido como (taxa média dos ativos taxa média dos passivos). Normalmente o spread é calculado em relação às operações com o Caixa Central ou com a Tesouraria, por meio da funcionalidade de FTP. Se for mesmo necessário calcular uma taxa média dos ativos e dos passivos, qual é o critério de cálculo? Esclarecimento: Para cálculo da taxa média, cada operação deverá ter seu saldo multiplicado pela taxa. Esse total deverá ser dividido pelo total dos saldos das operações. No caso da distribuição de vencimentos, essa taxa média por produto deverá ser calculada para cada grupo de operações vincendas em um mesmo intervalo de tempo. Vol_Oper = Volume da Operação; Tx_Oper = Taxa da Operação. Tx_Méd = Somatório(Vol_Oper x Tx_Oper) / Somatório(Vol_Oper) 7 Dúvida: Ainda sobre spread, um item cita Permitir consulta à Distribuição de vencimentos... por dependência ou grupamento de dependências, com spread acumulado e por intervalo : O que é spread acumulado? Acumulado à medida que se soma que tipo de variável? 2 / 5

3 Esclarecimento: O spread acumulado será a diferença da (taxa média do ativo a taxa média do passivo) ao longo do tempo. Sendo intervalos (time steps) de 0-1, 2-7, 8-15 e 16 a 30 dias, o spread acumulado será dado considerando o estoque das operações vincendas acumulado até 1 dia, até 7 dias, até 15 dias, até 30 dias e assim por diante. 8 Dúvida: O conceito de rentabilidade financeira, bastante citado, é simplesmente a receita contábil líquida entre ativos e passivos? Esclarecimento: Sim 9 Dúvida: Sobre Permitir consulta ao resumo de descasamento por Tipo de Taxa... poderiam exemplificar alguns tipos de taxa? Esclarecimento: Pré-fixado, pós-fixado. Em caso de pós-fixado, para a área externa, permitir abrir pelo prazo da libor. Na área interna, será necessário abrir por tipo de indexador: CDI, TR, TJLP e índices de preços. 10 Dúvida: Sobre Permitir consulta à simulação de operações e seus impactos no prazo médio contratual..., a solução permite consultar por data de vencimento ou faixas de data de vencimento, e por duration ou faixas de duration. Ela não controla o prazo total do contrato, que que consideraria o prazo decorrido. Apenas para certificar-se de que esses conceitos se encaixam no que a solução apresenta, qual é a diferença entre prazo médio contratual e prazo médio contratual remanescente? Esclarecimento: O Prazo Remanescente de uma operação é calculado subtraindo-se a data do relatório da data de amortização da operação, enquanto o prazo contratual é calculado subtraindo-se a data do início da data de amortização da operação. 11 Dúvida: Sobre Classificar as dependências externas em níveis de rating de liquidez a partir do cálculo do gap acumulado., a solução calcula gap e permite estabelecer limites sobre ele, para cada dependência ou agrupamento. Porém a solução não classifica nativamente cada dependência em ratings de acordo com o gap. Isto deve ser desenvolvido fora da solução e estaria fora do escopo dos serviços de parametrização. Tudo bem com esta abordagem? Esclarecimento: Não. O Banco poderá fornecer os modelos, com as respectivas fórmulas matemáticas para que a solução calcule a classificação. 12 Dúvida: Sobre Distribuir o alongamento do passivo entre os períodos (buckets), poderiam descrever um ou mais exemplos de critérios possíveis de reinvestimento ou alteração dos passivos? Se alongar é aplicar hipóteses de variação do saldo de passivo, então o que seria distribuir esse alongamento entre períodos? Esclarecimento: Para o produto Depósito à vista, seja S_1, S_2, S_3,..., S_n uma série de saldos espaçados por período "t" (semanal) e de tamanho mínimo de 31 observações (n > ou = 31); devem ser calculadas as variações logarítmicas dos saldos Delta_i = ln(s_i+1) - ln(s_i), onde i = 1, 2,..., n-1; deverá ser denominado "s" o desvio-padrão estimado da amostra de "delta". Sendo "S_0" o saldo observado no momento zero, a estimativa de saldo mínimo esperado para "n" períodos "t" (semanal) após o momento zero, para 99,5% de confiança é: -2,58 x s x raiz quadrada de n 3 / 5

4 S_nt = e x S_0 Onde: S_nt = saldo mínimo esperado n períodos t (semanal) após o momento zero; n = vértice convertido a número de períodos t (semanal); e = base dos logaritmos neperianos. As estimativas de saldo mínimo para diferentes horizontes de tempo deverão ser usadas para a alocação de recursos nos 9 vértices padrão. Os valores a serem alocados nos vértices A_v (v = 1, 2, 3,..., 9 - números de ordem do vértice) deverão ser obtidos subtraindo o saldo mínimo estimado para o vértice v+1 do saldo mínimo estimado para o vértice v. Assim: A_v = S_v - S_v+1. Os recursos passíveis de alocação em vértices posteriores a 360 dias corridos deverão ser alocados no último vértice. Caso o saldo observado (S_0) apresente crescimento superior a 20% em relação ao saldo observado no período anterior, deverá ser considerado S_0 o saldo observado no período anterior. Nesse caso, a diferença entre o saldo observado e o saldo considerado deverá ser adicionada ao valor previsto para o vértice 1 (A_1). 13 Dúvida: Sobre Calcular a Distribuição de Vencimentos... agrupando os totais em intervalos de tempo, com spread por bucket, o que seria agrupar intervalos de tempo com spread por bucket? Esclarecimento: É o cálculo da diferença da taxa média do ativo, menos a taxa média do passivo, para as operações com vencimento em um dado intervalo de tempo (time steps). Ou seja, para as operações vincendas entre 15 e 30 dias, por exemplo, deverá ser feito o cálculo das taxas médias ativas e passivas e apurado o spread (diferença entre as taxas) e assim, para todos os intervalos. 14 Dúvida: Sobre Calcular o impacto das mudanças de cenário sobre os componentes do perfil de resultado:... prazo contratual e remanescente em dias, taxas médias do ativo e do passivo... : a solução apura o impacto sobre métricas que ela é capaz de calcular. Ela não calcula uma taxa média, mas pode agrupar os resultados por taxa ou por zona de taxa. Quanto ao prazo, a solução pode agrupar resultados por data de vencimento ou faixa de data, por duration ou faixa de duration. Todas essas variáveis são impactadas por mudanças de cenário. Tudo bem com esta abordagem? Esclarecimento: É necessário que as variáveis, taxa média, prazo médio contratual e remanescente sejam impactadas pelas mudanças de cenário. Se a solução contempla esses componentes, estamos de acordo com essa abordagem. 15 Dúvida: Sobre Permitir incluir, alterar ou excluir taxas de juros, o termo taxa de juros pode se referir à taxa do papel ou a curvas de desconto (estas são fatores de risco). É possível alterar taxas de papéis e curvas de desconto pela GUI do motor de cálculo RiskWatch, porém estas alterações só afetam a sessão operada pelo usuário no momento. Elas só afetam a produção se reproduzidas nos arquivos de entrada. Para excluir uma taxa não mais utilizada, se elimina o registro do arquivo de entrada carregado diariamente. Tudo bem com este modo de operação? Esclarecimento: Sim 4 / 5

5 16 Dúvida: Sobre Permitir incluir, alterar ou excluir taxas de câmbio, se uma taxa de câmbio não é mais utilizada, simplesmente se elimina o registro dos arquivos de entrada. Haveria alguma necessidade de excluir taxas de câmbio por outros meios? Esclarecimento: Não. 17 Dúvida: O item Calcular os componentes do perfil da dependência externa: Percentual de Participação, Percentual da Taxa..., cita uma variável nova: percentual da taxa. O que seria isto? Esclarecimento: Essa variável refere-se ao percentual de participação de cada produto no total de ativos ou passivos da dependência. Além disso, deverá apresentar a taxa média por produto. 18 Dúvida: Quais sãos os Termos e Condições referente a contratação dos serviços (Faturamento, Pagamento, Penalidade)? Favor especificar em detalhes. Esclarecimento: Os termos e condições serão detalhados no momento da publicação do edital de licitação. 19 Dúvida: Há Acordo de Nível de Serviço? Favor especificar e informar quais penalidades serão aplicadas ao fornecedor, caso este acordo de nível de serviço não seja atendido. Esclarecimento: O Acordo de Nível de Serviço será detalhado no momento da publicação do edital de licitação. 5 / 5

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo)

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) 1. Contrato com prazo total de 120 meses, sendo 24 de carência, com pagamento trimestral de juros

Leia mais

Material de Apoio. SEB - Contas a Pagar. Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com

Material de Apoio. SEB - Contas a Pagar. Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com Material de Apoio SEB - Contas a Pagar Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com Conteúdo CONFIGURAÇÃO... 3 Cadastro de Fornecedores... 3 Métodos de Pagamento...

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) Janeiro de 2012 1 MOVIMENTOS FIC ADVANTAGE III PSI E PSII - BD Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação

Leia mais

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES Os aplicativos financeiros da MPS - Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa - são utilizados por diversos clientes e possuem todas as funcionalidades operacionais necessárias, além de opções

Leia mais

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas.

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas. Balancete Orçamentário Produto : TOTVS Gestão Patrimonial - 12.1.6 Processo : Relatórios Subprocesso : Balancete Orçamentário Data publicação da : 17/06/2015 O Balancete é um relatório contábil oficial

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

AUDITORIA FINANCEIRA. No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria Financeira.

AUDITORIA FINANCEIRA. No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria Financeira. AUDITORIA FINANCEIRA Processo de uso da Auditoria Financeira CADASTRO DE EMPRESA PARÂMETROS No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria

Leia mais

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos...

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos... Relatórios Financeiro... 3 Detalhes financeiros da classe... 3 Detalhes financeiros do plano... 4 Detalhes financeiros dos alunos... 5 Vencimento diferenciado... 6 Não emitir boleto... 7 Diferenças entre

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 O sistema T-Car-Win está sendo atualizado para a versão 1.15.5. Esta versão tem o objetivo de agregar as seguintes funcionalidades ao sistema: Possibilidade

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

Concorrência nº 22/2008

Concorrência nº 22/2008 Concorrência nº 22/2008 Brasília, 20 de julho de 2009. A Comissão Permanente de Licitação (CPL) registra a seguir perguntas de empresas interessadas em participar do certame em referência e respostas da

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC CAMBIAL DOLAR 02.294.024/0001-26 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC CAMBIAL DOLAR 02.294.024/0001-26 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO CAMBIAL LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53. Informações referentes a Agosto de 2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53. Informações referentes a Agosto de 2015 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53 Informações referentes a Agosto de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o QUELUZ TRADER FUNDO

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Movimentação de Contas Sumário 1 MOVIMENTAÇÃO DE CONTAS...3 2 CONTAS A RECEBER...8 2.1 Lançamento Contas a Receber...9 2.2 Baixa Contas a Receber...11 3 CONTAS A PAGAR...13

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Curva ABC. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br

Curva ABC. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Curva ABC Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Introdução... 3 Utilização no sistema TCar-Win... 3 Configuração da curva ABC... 4 Configuração

Leia mais

ANEXO VII GLOSSÁRIO 1

ANEXO VII GLOSSÁRIO 1 ANEXO VII GLOSSÁRIO 1 Termo Ambiente de Desenvolvimento Ambiente de Homologação Ambiente de Produção Ambiente de Teste Aplicativo Basileia Basileia II BNDES Descrição Ambiente onde propriamente são desenvolvidas

Leia mais

ANEXO 4 PREMISSAS GERAIS DA CENTRAL DE EXPOSIÇÃO A DERIVATIVOS - CED

ANEXO 4 PREMISSAS GERAIS DA CENTRAL DE EXPOSIÇÃO A DERIVATIVOS - CED ANEXO 4 PREMISSAS GERAIS DA CENTRAL DE EXPOSIÇÃO A DERIVATIVOS - CED Capítulo I Premissas Gerais 1. O relatório da CED é uma consolidação, conforme critérios abaixo definidos pela CED, das informações

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.04

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.04 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.04 Inventário Manual...2 Relatório de contagem...2 Contagem...3 Digitação...3 Inventário Programado...6 Gerando o lote...7 Inserindo produtos manualmente no lote...8 Consultando

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

SPEKX Platform DATA SHEET. Visão Resumida da Plataforma. Release 3.3. Versão 1.0

SPEKX Platform DATA SHEET. Visão Resumida da Plataforma. Release 3.3. Versão 1.0 SPEKX Platform DATA SHEET Visão Resumida da Plataforma Release 3.3 Versão 1.0 ÍNDICE ANALÍTICO Introdução... 3 Funcionalidade Modular... 4 de s SPEKX Platform...5 Funcionalidades Adicionais...7 Introdução

Leia mais

Capítulo 10 Fluxos de Caixa e Inflação

Capítulo 10 Fluxos de Caixa e Inflação Capítulo 10 Fluxos de Caixa e Inflação MODELO PREFIXADO Fluxo de Caixa e Inflação Princípios básicos Os cálculos no fluxo de caixa são realizados utilizando-se os conceitos da matemática financeira desenvolvidos

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL Disciplina: Teoria Contábil do Lucro Prof. Paulo Arnaldo OLAK E-mail: olak@uel.br 1 Quantia que pode ser consumida sem prejudicar o capital, tanto o capital fixo quanto

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40. Instrumentos Financeiros: Evidenciação

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40. Instrumentos Financeiros: Evidenciação COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40 Instrumentos Financeiros: Evidenciação Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 7 Índice Item OBJETIVO 1 2 ALCANCE 3 5

Leia mais

CATÁLOGO DE CUSTOMIZAÇÕES Atualização de Preços de Tabela de Venda

CATÁLOGO DE CUSTOMIZAÇÕES Atualização de Preços de Tabela de Venda CATÁLOGO DE CUSTOMIZAÇÕES Atualização de Preços de Tabela de Venda Índice ÍNDICE... 2 OBJETIVO DO PROJETO... 3 ESCOPO... 3 PREMISSAS... 5 LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES... 5 OBSERVAÇÕES... 5 POLÍTICA DA CUSTOMIZAÇÃO...

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

OFIC1200 - Consulta da O.S.

OFIC1200 - Consulta da O.S. OFIC1200 - Consulta da O.S. Este programa é utilizado para consultar O.S. Para isso, deve ser seguido por 3 etapas: 1ª - Selecionar uma O.S., partindo de diversas opções. 2ª - Selecionada a O.S., filtrar

Leia mais

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015 Demonstrações financeiras intermediárias em KPDS 134230 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras intermediárias 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações dos resultados

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Sumário 1 CONCEITO... 4 2 REQUISITOS... 4 3 CONFIGURAÇÕES... 4 3.1 Permissões de Acesso... 4 3.2 Plano de Contas... 5 3.2.1 Parcelado... 6 3.2.2 Parcelamento Notas a Prazo...

Leia mais

Projeto SICADI/Política de Investimentos (PI) Manual do Usuário Versão 1.10

Projeto SICADI/Política de Investimentos (PI) Manual do Usuário Versão 1.10 Projeto SICADI/Política de Investimentos (PI) Manual do Usuário Versão 1.10 1 de 73 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 26/08/2010 1.6 CRISTINA HOLANDA (UDCE) 16/02/12 14/09/12 1.7 1.8 As

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

Lembrando que a empresa deve estar devidamente cadastrada com o Regime de Lucro Real ou Lucro Presumido e obrigada ao Sped.

Lembrando que a empresa deve estar devidamente cadastrada com o Regime de Lucro Real ou Lucro Presumido e obrigada ao Sped. ATIVIDADE IMOBILÁRIA Como configurar no sistema? Lembrando que a empresa deve estar devidamente cadastrada com o Regime de Lucro Real ou Lucro Presumido e obrigada ao Sped. Para iniciar as configurações,

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

NOVIDADES COMPLY VERSÃO 4.00

NOVIDADES COMPLY VERSÃO 4.00 NOVIDADES COMPLY VERSÃO 4.00 Página 1 de 15 Maiores informações a respeito dos assuntos destacados abaixo devem ser obtidas no Manual do Comply v4.00 disponível no Portal de Produtos. Página 2 de 15 CADASTROS

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Apresentação de Resultados do 2º trimestre de 2011. Agosto, 2011

Apresentação de Resultados do 2º trimestre de 2011. Agosto, 2011 Apresentação de Resultados do 2º trimestre de 2011 Agosto, 2011 2 Destaques Operacionais DESTAQUES OPERACIONAIS DO 2T11 & 1S11 2T11 LANÇAMENTOS PRO RATA PDG ALCANÇARAM R$2,05 BILHÕES NO 2T11, REPRESENTANDO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes.

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes. Página1 TESOURARIA Âmbito Recibos O módulo de recibos do Multi permite associar os valores recebidos de terceiros aos documentos regularizados, registar os meios de liquidação e emitir o Recibo. O recibo

Leia mais

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Conteúdo Balanços Patrimoniais

Leia mais

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Atualização de Preços de Tabela de Venda

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Atualização de Preços de Tabela de Venda CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Atualização de Preços de Tabela de Venda Objetivo do projeto O projeto de atualização de preços de tabela de venda tem por objetivo permitir que a manutenção de preços de tabela

Leia mais

Índice 1.Auditoria Financeira...2 2.Parametrizações do Sistema...3 2.1.Cadastro da Empresa...3 2.1.1.Forma de controle das notas na Auditoria

Índice 1.Auditoria Financeira...2 2.Parametrizações do Sistema...3 2.1.Cadastro da Empresa...3 2.1.1.Forma de controle das notas na Auditoria Índice 1.Auditoria Financeira...2 2.Parametrizações do Sistema...3 2.1.Cadastro da Empresa...3 2.1.1.Forma de controle das notas na Auditoria Financeira...4 2.1.2.Formas de Registro do Pagamento e Recebimento

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Page 1 of 7 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são de exclusiva responsabilidade

Leia mais

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque)

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque) SuperStore Sistema para Automação de Óticas MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque) Contato: (34) 9974-7848 http://www.superstoreudi.com.br superstoreudi@superstoreudi.com.br SUMÁRIO 1 ACERTO DE ESTOQUE...

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA NACIONAL COM JUROS PÓS FIXADOS EM CDI? COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA? O QUE SÃO OPERAÇÕES DE ACC

Leia mais

II - os limites mínimos de exposição presentes no regulamento

II - os limites mínimos de exposição presentes no regulamento A construção das taxas spot é obtida mediante a acumulação das taxas a termo implícitas entre os vencimentos dos instrumentos financeiros listados, assumida a hipótese de que a taxa a termo entre os vencimentos

Leia mais

Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Perguntas e Respostas

Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Perguntas e Respostas Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Novembro/2013 1. ÁREAS RESPONSÁVEIS SUSEP/DITEC/CGSOA/COPRA SUSEP/DITEC/CGSOA/COARI 2. BASE LEGAL CIRCULAR SUSEP N 457, de 14 de dezembro de 2012.

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Changelog 30/04/2015. Versão 3.0.001

Changelog 30/04/2015. Versão 3.0.001 Versão 3.0.001 Changelog 30/04/2015 RESUMO Parcelamento de itens de atendimento Importação de nota fiscal de fornecedores via arquivo xml Envio de boleto vencido atualizado por e-mail Central de Notificações

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Agendamento para Importação de Notas Fiscais

Agendamento para Importação de Notas Fiscais LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro

PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro SUMÁRIO 1. FINANCEIRO... 5 1.1. ED - SECRETARIA... 5 1.2. ED - ESCOLA... 5 1.3. USUÁRIOS POR ENTIDADE NO ED SECRETARIA E ESCOLA... 6 2. FINANCEIRO - SECRETARIA... 7 2.1.

Leia mais

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2008 Em milhares de reais Ativo Passivo e patrimônio social Circulante

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo CNPJ nº 01.701.201/0001-89) Demonstrações financeiras

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012.

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2013 e de 2012. 1 Índice Balanço Patrimonial...3 Demonstração dos resultados dos exercícios...4 Demonstração das mutações do patrimônio

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Discutir e conhecer conceitos de matemática financeira para tomada de decisão na área financeira. Estudaremos cálculo e análise

Leia mais

NOVO PROCESSO DE CENTRO DE CUSTO DO WINTHOR

NOVO PROCESSO DE CENTRO DE CUSTO DO WINTHOR NOVO PROCESSO DE CENTRO DE CUSTO DO WINTHOR Todos os direitos reservados. PC Sistemas 1.0 - Data: 28/08/2012 Página 1 de 47 Sumário Apresentação... 4 1. PROCEDIMENTOS INICIAIS... 5 1.1. Realizar Atualizações...

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DA VERSAO 05.07.01. Abaixo constam as alterações referentes a versão 05.07.01 do dia 28/09/2012:

ATUALIZAÇÃO DA VERSAO 05.07.01. Abaixo constam as alterações referentes a versão 05.07.01 do dia 28/09/2012: ATUALIZAÇÃO DA VERSAO 05.07.01 Abaixo constam as alterações referentes a versão 05.07.01 do dia 28/09/2012: ATENÇÃO: Versões intermediarias não são de atualização obrigatório para todos os clientes, apenas

Leia mais

PLANO DE CONTAS - GÁS NATURAL

PLANO DE CONTAS - GÁS NATURAL 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponibilidades 1.1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa 1.1.1.1.01 Caixa 1.1.1.1.02 Depósitos Bancários em Moeda Nacional 1.1.1.1.03 Contas de Poupança 1.1.1.1.04 Numerários

Leia mais

Apresentação de Resultados do 3º trimestre de 2011. Novembro, 2011

Apresentação de Resultados do 3º trimestre de 2011. Novembro, 2011 Apresentação de Resultados do 3º trimestre de 2011 Novembro, 2011 2 Destaques & Eventos Recentes PDG é eleita melhor empresa da América Latina no Institutional Investor Awards 2011; Extensão do contrato

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Outubro de 2014 Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria

Leia mais

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA).

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). 1. Como proceder para corrigir, nas Demonstrações Atuariais, as informações do campo características dos benefícios?

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014.

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre os procedimentos para a remessa das informações relativas às exposições ao risco de mercado e à apuração das respectivas parcelas no cálculo

Leia mais

Dúvida sobre o envio do Doc 3050

Dúvida sobre o envio do Doc 3050 www.bcb.gov.brinício Legislação e normas Normas do CMN e do BC Normas com caracteres especiais Circular Circular 3.493 Dúvida sobre o envio do Doc 3050 01. Quem está obrigado a enviar o Doc 3050 ao Banco

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

2. APURAÇÃO E DESTINAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO SOCIAL

2. APURAÇÃO E DESTINAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO SOCIAL 1. INTRODUÇÃO EMENTA: Procedimentos a serem observados pelas companhias abertas na elaboração das demonstrações financeiras relativas ao encerramento do exercício social a partir de 28.02.86. Inteligência

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IGP-M Futuro de Cupom de IGP-M Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IGP-M oferece

Leia mais

ERP ERP MRP. Page 1. Visão Funcional. Visão de Materiais: Compras Estoque

ERP ERP MRP. Page 1. Visão Funcional. Visão de Materiais: Compras Estoque ERP Visão Funcional ERP Visão de Materiais: Compras Estoque MRP Parâmetros: Estoque de Segurança Lead time Fornecedor Lead time Compras Ponto de Reabastecimento Previsão de Consumo Previsão de Vendas Planejamento

Leia mais

UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE

UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE PROF. M.Sc. RICARDO GONÇALVES DOS SANTOS LINS-SP/2012 1 TEORIA CONTÁBIL DO LUCRO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.198/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.198/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.34 para NBC TG 40 e de outras normas citadas: de NBC T 17 para NBC TG 05; de NBC T 7 para NBC TG 02; de NBC T 19.11

Leia mais