A Lei 9.601/98 e o Contrato de Trabalho por Tempo Determinado. Artur Luis Pereira Torres

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Lei 9.601/98 e o Contrato de Trabalho por Tempo Determinado. Artur Luis Pereira Torres"

Transcrição

1 A Lei 9.601/98 e o Contrato de Trabalho por Tempo Determinado 1 Artur Luis Pereira Torres Intróito. 1. Contrato a prazo e trabalho temporário: : realidades inconfundíveis? 2. Os ordenamentos espanhol e italiano como exemplos de intervenção estatal na política de criação e estimulação de empregos. 3. A Lei 9.601/98 e sua repercussão no quadro do crescimento formal do emprego no Brasil. Considerações Finais. Intróito A Lei 9.601/98, agradando alguns e aterrorizando outros tantos, acabou por movimentar a doutrina laboralista do final da década de noventa. Especulações a respeito do acerto ou desacerto da política por ela adotada não faltaram, no entanto, não passaram de meras meditações. Perpassados doze anos de sua publicação parece-nos tenha transcorrido tempo hábil para, sem quaisquer precipitações, identificarmos se detinham razão (a) os que a repugnaram ou (b) os que aplaudiram-na. Longe de pretender estudá-la em minúcias (prazos, condições e detalhes), o desiderato aqui almejado não supera a realização de análise macroscópica capaz de identificar em que medida contribuiu a adoção da política para a efetiva recuperação (ou não) do mercado de trabalho formal no Brasil. Perguntamo-nos, então: a adoção da política surtiu os efeitos desejados em solo nacional, ou empresariado se fez valer da previsão legal para reduzir contratações por 40

2 prazo indeterminado?? Aumentaram o número de postos formais de emprego no Brasil, ou tal medida não passou de mera precarização dos direitos trabalhistas? É hora de checar o que se tornou, de fato, realidade entre nós. 1 Laureado Dom Antonio Zattera pela Universidade Católica de Pelotas; Especialista em Direito Processual (PUC/RS); Mestre em Direito (PUC/RS); Professor convidado do PPG em Direito e Processo do Trabalho (PUC/RS); Professor do PPG em Direito de Família (PUC/RS); Professor convidado da Fundação Escola Ministério Público RS; advogado. 41

3 1. Contrato a prazo e trabalho temporário: : realidades inconfundíveis? Cumpre, antes de investigar os malefícios ou benefícios oriundos da publicação da Lei 9.601/98, rememorar o critério legislativo utilizado para dissociar dois importantes institutos do direito do trabalho: contratos a prazo e trabalho temporário. Os contratos individuais do trabalho revelam-se classificáveis a partir de diversos critérios. Do ponto de vista da forma mediante a qual são pactuados, poderão revelar- se verbais ou escritos; ; do ponto de vista da forma mediante a qual as partes o anuem, tácitos ou expressos e, finalmente, do ponto de vista do tempo que devam perdurar, por prazo determinado ou 2 indeterminado. No que diz com a derradeira possibilidade (a que interessa mais de perto), considerada a excepcionalidade de seu aceite, a Consolidação das Leis do Trabalho tratou de conceituar e enumerar expressamente as possibilidades de sua contratação. Fez constar, destarte, que considera a prazo os contratos de trabalho cuja vigência dependa de termo prefixado ou da execução de serviços especificados ou ainda da realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada. 3 4 Os contratos por prazo determinado são assim nominados em contraposição aos contratos por prazo indeterminado, regra no direito brasileiro, e nada obstante possuam regramento peculiar (especialmente o rescisório), revelam a existência de vínculo laboral entre o empregado contratado para laborar por período predeterminado e a figura clássica do empregador descrita pelo artigo 2º da CLT. 5 6 O trabalho temporário, espécie de contrato por tempo determinado, não se confunde com a noção supra esposada no que diz com a vinculação entre o prestador e tomador da mão de obra. Regulado pela Lei 6.019/74, o epíteto revela a existência de relação triangular entre (a) uma empresa de trabalho temporário ETT, 7 (b) uma empresa tomadora de serviço ETS e, 2 3 Prevê o artigo 443 da Consolidação das Leis Trabalhistas brasileiras que o contrato individual de trabalho poderá ser acordado tácita ou expressamente, verbalmente ou por escrito e por prazo determinado ou indeterminado. Art (...) 1º -Considera-se se como de prazo determinado o contrato de trabalho cuja vigência dependa de termo prefixado ou da execução de serviços especificados ou ainda da realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada. (Parágr (Parágrafo único renumerado 42

4 6 4 5 pelo Decreto-lei nº 229, de ) As possibilidades de sua concretização (de acordo com a CLT) e a potencial abertura do sistema mediante a publicação da Lei 9.601/98 figurarão como objeto de abordagem do item 3 destes escritos. Art. 2º -Considera-se se empregador a empresa, individual ou coletiva, que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço. 1º -Equiparam-se ao empregador, para os efeitos exclusivos da relação de emprego, os profissionais liberais, as instituições de beneficência, as associações recreativas ou outras instituições sem fins lucrativos, que admitirem trabalhadores como empregados. 2º -Sempre que uma ou mais empresas, tendo, embora, cada uma delas, personalidade jurídica própria, estiverem sob a direção, controle ou administração de outra, constituindo grupo industrial, comercial ou de qualquer outra atividade econômica, serão, para os efeitos da relação de emprego, solidariamente responsáveis a empresa esa principal e cada uma das subordinadas. (...) no contrato de trabalho a prazo o vínculo empregatício se estabelece diretamente entre o empregado e a empresa que o admite.. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. São Paulo: LTr, p Art. 4º - Compreende-se como empresa de trabalho temporário a pessoa física ou jurídica urbana, cuja atividade consiste em colocar à disposição de outras empresas, temporariamente, trabalhadores, devidamente qualificados, por elas remunerados e assistidos. 43

5 (c) o trabalhador temporário. Trabalho temporário, na definição do art. 2º da Lei n , de 3 de janeiro de 1974, é aquele prestado por pessoa física a uma empresa, para atender, necessidade transitória de substituição de seu pessoal regular e permanente ou acréscimo extraordinário de serviços. 8 Em suma, é preciso compreender que a prestação do trabalho temporário tem como pano de fundo a celebração de um contrato de natureza civil entre dois empresários. O primeiro deles (responsável pela empresa de trabalho temporário) ) obriga-se a colocar a disposição do segundo (responsável pela empresa tomadora de serviço) trabalhador a ele vinculado, para fins de atender necessidade provisória deste (seja em razão da troca de seu quadro de empregados, seja em decorrência do acréscimo extraordinário de serviço). 9 A despeito do que ocorre com os contratos a prazo previstos pela CLT, inexiste vínculo trabalhista entre empresa tomadora do serviço e trabalhador temporário (eventual reconhecimento de vínculo trabalhista entre ambos dependerá do desrespeito ao prazo legal). Vínculo existe, porém, entre a empresa de trabalho temporário eo trabalhador temporário. Os contratos previstos pela CLT (gise-se, se, onde há vinculo empregatício entre aquele que presta e quem recebe a prestação do serviço), com exceção do contrato de experiência,, poderão ser pactuados por até dois anos. 10 A prestação de trabalho temporário, consoante prescreve o artigo 10 da Lei 6.019/74, não poderá exceder de 3 (três) meses, pena de reconhecimento de vínculo entre trabalhador temporário e empresa tomadora do serviço. 11 Os institutos não devem ser baralhados pelo só fato de possuírem limitação temporal, no entanto, não há negar que analisados a partir do critério do tempo que devam perdurar,, revelam realidades assemelhadas. Em ambos é possível conhecer previamente o período máximo pelo qual surtirão efeitos enquanto contratos a termo. Distinguem-se, portanto, com relação a distinto critério. Em suma, a Lei 9.601/98 possibilita contratação a termo em situações distintas daquelas previstas pela CLT (a autorização deriva de instrumento coletivo) e deve ser compreendida, a exemplo do realizado em ordenamentos outros, como instrumento de adoção de política combativa a altas taxas de desemprego que assolaram o Brasil do final do século XX. 44

6 8 ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p A respeito: MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do Trabalho. 21 ed. São Paulo: Atlas, p Os contratos de experiência não poderão superar 90 dias. Art. 10 -O contrato entre a empresa de trabalho temporário e a empresa tomadora ou cliente, com relação a um mesmo empregado, não poderá exceder de três meses, salvo autorização conferida pelo órgão local do Ministério do Trabalho e Previdência Social, segundo instruções a serem baixadas pelo Departamento Nacional de Mão-de-Obra

7 2. Os ordenamentos espanhol e italiano como exemplos de intervenção estatal na política de criação e estimulação de empregos Consoante preleciona doutrina de renome, pelo menos dois países de peso (em matéria trabalhista), no intuito de alargar o mercado formal de trabalho, se fizeram valer de expediente semelhante ao adotado pela Lei 9.601/98: Espanha e Itália. Editado em 1980 na Espanha, o Estatuto dos Trabalhadores (Lei n. 8) consagrou a presunção de que os contratos de trabalho deviam ser estipulados, em regra, por prazo indeterminado,, admitindo excepcionalmente a contratação a prazo.. No entanto: O agravamento da crise econômica e o aumento progressivo dos níveis de desemprego determinaram a necessidade de dar nova redação ao art. 15 do Estatuto dos Trabalhadores, a fim de se admitir em caráter geral a celebração de contratos de duração determinada, surgindo o denominado sistema conjuntural de duração determinada. O contrato de incentivo ao emprego tem como principal característica a inexigibilidade de causa objetiva que justifique a predeterminação da duração do ajuste. Esta reforma foi obra da Lei n. 32/1984, de 2 de agosto. Tal política manteve-se por aproximadamente uma década. Visando combater o desemprego que agonizou a Espanha do início dos anos noventa, três importantes diplomas legislativos foram promulgados (Leis 10, 11 e 14/1994). A Lei 10/1994 prestou-se, dentre outras, a suprimir a previsão constante do artigo 15 do Estatuto dos Trabalhadores (que consolidava a previsão de que os contratos de trabalho deveriam ser interpretados como por prazo indeterminado); a Lei 14 revogou o artigo 43.1, tornando lícita a atuação de empresas de trabalho temporário, mediante a justificativa de que a quase totalidade dos países que compunham a União Européia admitia tal expediente. O novo Estatuto dos Trabalhadores (1995) manteve, inauguralmente, idêntica sistemática. 16 Contudo, a grande rotatividade da mão-de-obra obra e impossibilidade de implementar processos de qualificação profissional dos trabalhadores conduziram o legislador espanhol, em 1997, a rever a orientação até então adotada. O princípio da continuidade do contrato de trabalho reconquistou seu espaço. 17 A política social não prosperou em solo 12 ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. Direito do Trabalho: Temas abertos. p. 202/

8 Segundo Arion Sayão Romita parcela da doutrina brasileira, em nome de interesses obscuros (a) realiza distorção relativa a realidade do ordenamento espanhol no que diz com o tema contratos a prazo e, (b) ignora/omite a experiência a italiana no concernente, visando apedrejar, quase sempre por motivos ideológicos facilmente identificáveis, o conteúdo da Lei 9.601/98. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p. 202/224. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p Tal alteração, segundo Romita, representou uma evolução legislativa digna de nota, porque revelou a sensibilidade do poder público no concernente ao grave problema do desemprego. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p. 204/205. O Decreto Legislativo número 1 de 1995 foi responsável pela aprovação do novo Estatuto dos Trabalhores ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p Essa reforma foi implementada por meio de dois reais decretos-leis: 1º -n. 8/1997, de 16 maio, sobre medidas urgentes para a melhoria do mercado de trabalho e incentivo à contratação por tempo indefinido. Foram introduzidas alterações no Estatuto dos Trabalhadores. As novas disposições articulam uma modalidade para o incentivo à contratação por tempo indeterminado, dirigidos a grupos especialmente afetados pelo desemprego e a instabilidade trabalhista; além disso, deu-se maior prestígio à negociação coletiva na contratação de empregados; 2º -n. 9/1997, de 47

9 espanhol. O ordenamento italiano fez-se valer de política assemelhada, todavia, ao que tudo indica, com melhor sorte. 20 No início do último quartel do século passado, sob idêntico pretexto (combate ao desemprego), implementou inovadora tendência: expansão do aceite da contratação a termo. 21 No ano de 1987 surge no direito italiano algo à semelhança do disposto pela Lei 9.601/98: Atenuou-se em conseqüência o desfavor manifestado pelo legislador no tocante ao contrato de trabalho a prazo. Este passou a ser tido por eficaz instrumento de flexibilização a ser utilizado pelas empresas, surgindo uma tendência a conceder crescente espaço ao contrato a termo, a ponto de se falar em uma inversão do histórico desfavor cultivado no passado, tendência esta que culmina com a promulgação da Lei n. 56, de 28 de fevereiro de 1987, que atribui à negociação coletiva, promovida pelos sindicatos de trabalhadores mais representativos, a tarefa de fixar novas hipóteses de contratações a termo, além daquelas previstas em lei. Anteriormente a este diploma, outras leis haviam sido editadas, sempre com o mesmo desiderato, a saber, o aumento da possibilidade de celebração de contratos de trabalho por tempo determinado (...). (grifos nossos) 22 O quadro evolutivo, a partir do início dos anos oitenta, apresentou-se galopante, tendo, inclusive, redundado em 1997, na queda do tradicional impedimento de interposição no trabalho, admitindo-se a figura do trabalhador temporário. 23 Nada obstante tenha o ordenamento espanhol dado passo atrás (ou seja, por lá a política não obteve os resultados almejados), o sistema italiano (nossa matriz ideológica) segue firme em sua proposta, o quê nos leva a crer que o acerto na adoção da política em epígrafe (leia-se, seu sucesso ou insucesso) será passível de identificação apenas quando analisado isoladamente suas consequências em dado ordenamento jurídico. Nesta linha, portanto, importa verificar (a) quais as consequências de sua implementação na realidade brasileira,, não sem antes, é claro, preparar o terreno para tanto de maio, peloqual se regulam incentivos em matéria de seguridade social e de caráter fiscal para a promoção da contratação indefinida e a estabilidade no emprego.. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p. 207/208. (...) o direito espanhol não serve de paradigma para o direito brasileiro, pelo menos com o significado que lhe vem sendo emprestado por intérpretes que hostilizam a promulgação da Lei n Se as medidas adotadas pelo legislador espanhol em 1984 não surtiram o efeito 48

10 20 21 desejado reduzir as altas taxas de desemprego o fato deve-se a circunstância de ordem econômica, estruturais, que não são necessariamente as mesmas observadas no Brasil.. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p. 202/224. A Itália apresenta uma evolução legislativa idêntica à registrada na Espanha: em nome do combate ao desemprego, ampliou as hipóteses de celebração de contratos de trabalho por tempo determinado (...).ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p Como expressão da nova tendência à política ativa do trabalho, em 1977 e 1978 foram promulagadas três leis que ampliaram as possibilidades de estipular contratos de trabalho por tempo determinado. Além das cinco hipóteses taxativamente enumeradas pela Lei n. 230, de 1962, este contrato tornou-se possível, também: 1º -no setor do espetáculo e da radiotelevisão (Lei n. 266, de 1977); 2º -setor do comércio e do turismo (Lei n. 18, de 1978; 3º -no trabalho dos jovens inscritos nas listas especiais de colocação ( Lei n. 479, de 1978).. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p. 211/ ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p A Lei 196/97 estabeleceu a possibilidade (lavor interinale). 49

11 3. A Lei 9.601/98 e sua repercussão no quadro do crescimento formal do emprego no Brasil Entre nós as contratações laborais são consideradas, em regra, por prazo indeterminado. 24 Preza-se pela prevalência do princípio da continuidade das relações de laborais, admitindo-se, excepcionalmente, contratação a prazo. 25 Anteriormente a essa lei, o direito brasileiro conhecia alguns tipos de contrato de trabalho de duração definida: a) o contrato de trabalho temporário regulado pela Lei n , de 3 de janeiro de 1974, cuja duração não poderia exceder 3 meses, ressalvada autorização administrativa (art. 10); b) o contrato de trabalho a termo (CLT, art. 443, 1º); c) o contrato de trabalho por obra certa (CLT, art. 443, 1º); d) o contrato de safra (CLT, art. 443, 1º); e) o contrato de experiência (CLT, art. 443, 2º, c). (...) Após a Lei 9.601, os contratos de trabalho de duração definida podem ser então assim grupados: a) o contrato de trabalho temporário (Lei n ); b) os contratos regidos pelo art. 443, CLT; c) o contrato de trabalho resultante da negociação coletiva (Lei n ). 26 Interessa para o momento, antes de investigar suas consequências, compreender os anseios e a sistemática adotados pela Lei O primeiro passo diz com a compreensão de que, a exemplo dos ordenamentos espanhol e italiano, a medida legislativa visou, grosso modo, expandir o mercado formal de trabalho, almejando combater os altos índices de desemprego da época de sua promulgação Dispôs o primeiro artigo do diploma sob apreço -regulamentado pelo Decreto 2.490/98 -que as convenções e os acordos coletivos de trabalho poderão instituir contrato de trabalho por prazo determinado, independentemente das condições estabelecidas pelo parágrafo 2º da Consolidação das Leis Trabalhistas, em qualquer atividade desenvolvida pela empresa ou estabelecimento A indeterminação da duração contratual tem constituído, no Direito do Trabalho, como já exaustivamente analisado, a regra geral aplicável aos contratos de trabalho.. DELGADO. Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 4 ed. São Paulo: LTr, p A Consolidação das Leis do Trabalho regula a matéria a partir de seu artigo 443, assim 50

12 redigido: Art O contrato individual de trabalho poderá ser acordado tácita ou expressamente, verbalmente ou por escrito e por prazo determinado ou indeterminado. 1º - Considera-se se como de prazo determinado o contrato de trabalho cuja vigência dependa de termo prefixado ou da execução de serviços especificados ou ainda da realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada. 2º -O contrato por prazo determinado só será válido em se tratando: a) de serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique a predeterminação do prazo; b) de atividades empresariais de caráter transitório; c) de contrato de experiência. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p Foram objetivos do governo, ao enviar ao Congresso Nacional o projeto que deu origem à Lei n /98, diminuir o desemprego e legalizar a situação informal de certos trabalhadores, que eram contratados sem carteira assinada.. MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do Trabalho. 21 ed. São Paulo: Atlas, p A Lei n tem o declarado propósito de contribuir para a redução da taxa de desemprego, que ultimamente vem crescendo: (...) O art. 1º da lei dispõe claramente que o contrato de trabalho por tempo determinado ali previsto poderá ser instituído para admissões que representem acréscimo no número de empregados. O art. 1º, parágrafo único, do Decreto n 2.490, de 4 de fevereiro de 1998, que regulamenta a Lei 9.601, veda a contratação por tempo determinado na forma agora introduzida para substituição de pessoal regular e permanente contratado por tempo indeterminado. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p A Lei n deve ser estuda neste contexto: combate ao desemprego, emprego, à luz do modelo ou sistema de relações industriais prevalecente no Brasil.. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p O O 1º, do art. 1º da Lei 9.601/98 dispõe expressamente que a contratação é feita mediante convenção ou acordo coletivo. Não usa a expressão acordo ou convenção coletiva, que poderia indicar que o acordo é individual. Nesse caso, o acordo é coletivo e não individual. Para a validade do contrato por tempo determinado, a contratação deve ser feita mediante mediante convenção ou acordo coletivo. Não será possível a contratação individual.. MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do Trabalho. 21 ed. São Paulo: Atlas, p

13 Segundo doutrina de peso, dois são os requisitos exigidos para a validação da contratação ação a termo previsto pela Lei 9.601/98: a) a existência de instrumento coletivo autorizativo e, b) que tais admissões representem acréscimo no número de empregados do contratante. 31 No tocante ao primeiro requisito (contrato instituído por negociação coletiva), quer a lei que tal contrato somente seja pactuado caso tenha recebido autorização de diploma normativo autônomo negociado. Não há possibilidade jurídica, desse modo, à utilização do contrato a termo, nos moldes da Lei n /98, sem o manto prévio da negociação coletiva, através de seus instrumentos formais (convenção e/ou acordo coletivo do trabalho). (...) Quer a ordem jurídica exigir, portanto, a formalidade da convocação de assembléia geral específica para tratar do tema (arts. 611 e 612, CLT), celebrando-se os diplomas normativos negociais coletivos autorizadores do tipo de pactuação aventado pela Lei n /98. Sem tal formalidade e sem tal título jurídico de caráter coletivo, torna-se irregular o contrato por tempo determinado. (...) O segundo destes requisitos (...), é de que seja o contrato de trabalho instituído para pactuar admissões que representem acréscimo no número de empregados. Isso significaria que o temor de que haja utilização desse contrato para admissão de obreiros que não traduzam real acréscimo no número de empregados teria encontrado lenitivo no próprio texto legal: será irregular a contratação que se faça sem verdadeiro incremento no número de postos de trabalho. 32 Chancelando a ratio legislativa, o artigo 1º do diploma regulamentador (Decreto 2.490/98) veda a contratação de trabalhadores, por esta via, para substituição de pessoal regular e permanente contratado por prazo indeterminado. 33 É possível asseverar, destarte, que a Lei 9.601/98 atenuou sim o caráter restritivo que a ordem jurídica conferia à validação dos contratos a termo, restando, porém, a necessidade de enfrentar o tema a partir da perspectiva da fragilização ou não da proteção estatal ao trabalhador e sua atual legitimidade. 34 De um lado, parcela doutrinária sustenta que o diploma legal não apenas diminuiu restrições à pactuação dos contratos a termo, mas aprofundou a carência de direitos trabalhistas, característica ínsita a espécie contratual, em clara afronta ao sistema juslaboral pátrio. 35 Argumenta-se, primeiro, no sentido de que a política adotada não se presta a legitimar o discurso oficial de que a redução do custo direto e indireto da força do trabalho seria instrumento eficaz para gerar novos postos de trabalho Segundo, que o trilho normativo escolhido como política 52

14 Neste sentido, vide: DELGADO. Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. p. 555/556. DELGADO. Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 4 ed. São Paulo: LTr, p Pugnando pela ilegalidade do artigo 1º do Decreto 2.490/98, vide: MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do Trabalho. p. 152/ Ao ser promulgada, a Lei n ensejou a nítida separação na grei dos estudiosos do Direito do Trabalho entre nós, de duas correntes de opinião perfeitamente identificadas: 1ª corrente estatizante, intervencionista, apegada AA noção do garantismo legislativo, crente no direito impositivo, defensora intransigente da ordem pública social; 2ª corrente que abre espaço às manifestações da sociedade civil, liberalizante, que dá ênfase à autonomia coletiva privada, avaliza o direito promocional e reconhece não o primado, mas a necessidade de atentar para as limitações da ordem pública econômica de direção.. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p DELGADO. Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 4 ed. São Paulo: LTr, p DELGADO. Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 4 ed. São Paulo: LTr, p Há críticas, porém, ao mecanismo adotado pela lei. Pondera-se que nenhum empresário, em sã consciência, iria criar novos postos de trabalho simplesmente pelo fato de se tratar de postos menos onerosos (o raciocínio é outro: eleva-se a produção apenas se o mercado justificar tal acréscimo). A equação postos de trabalho mais onerosos versus menos onerosos apenas justificaria a substituição de trabalhadores, eliminando-se os postos mais dispendiosos pelos menos dispendiosos e igualmente produtivos. Para tal linha reflexiva, a criação efetiva de empregos passaria por raciocínio distinto, de dimensão macroeconômica, não se vinculando a práticas de apenação unilateral do trabalhador (práticas adotadas em um país cujos salários básicos já se situam entre os menores, no quadro dos parâmetros ocidentais minimamente comparáveis). (...) mesmo considerado o cenário estritamente trabalhista, outro tipo de política social é que se mostraria eficaz no combate ao desemprego: a redução da jornada de 53

15 social encontra enorme dificuldade de compatibilização com o texto constitucional de A Lei 9.601/98, entretanto, parece querer firmar marco distinto e mais extremado do processo flexibilizatório trabalhista no país. Pelo texto deste diploma, a linha flexibilizatória deixa de preponderar pela simples adequação do caráter genérico das leis trabalhistas às circunstâncias e especificidades de segmentos do mercado de trabalho e setores produtivos e profissionais, através da negociação coletiva. Prefere o novo diploma, ao revés, apontar na direção da franca e direta redução dos direitos laborais decorrentes da ordem jurídica. Passa-se a perceber na norma jurídica heterônoma estatal e na negociação coletiva instrumentos de pura e simples redução de direitos. 38 Em suma, tal corrente considera que o diploma em epígrafe é responsável pela precarização de direitos trabalhistas e condições básicas de pactuação da força de trabalho, motivo pelo qual apelidou a Lei 9.601/98 de Lei do Contrato Precário. Doutro, ecoam aplausos ao legislador de 98 considerando parcela doutrinária que a veemente crítica ao diploma legal retrata herança do ranço histórico-ideológico que, atualmente, se presta tão somente a albergar interesses escusos. 41 O Estado autoritário onisciente, onipresente e onipotente -, que sabe melhor do que os grupos e do que os indivíduos aquilo que convém a todos e a cada qual, está em vias de desaparecimento, mesmo entre nós. O Estado que absorve os anseios da sociedade civil reprime a ação dos corpos sociais intermediários ou a direciona para a satisfação dos interesses do bloco instalado no poder. (...) O Estado que desconfia dos atores sociais, que se nega a aceitar a participação dos protagonistas sociais na criação do direito também se encolhe. Como disse Ernst Forsthoff em 1964, liberdade e participação são conceitos cardeais que determinam hoje a relação do indivíduo com o Estado. 42 Segundo tal corrente, não há mais falar na manutenção de um modelo jurídico facista-getulista (incapaz de alinhar o exacerbado paternalismo estatal a contemporânea conjuntura econômica) que vede maior participação da sociedade civil na construção dos ditames jurídicos a que se submete. O Direito, independentemente do pretexto a ser levantado como pano de fundo, não pode ignorar a realidade e as necessidades sociais. Escasso o bem da vida (no caso o emprego) ) deve sim o ordenamento buscar alternativas para renová-lo. Ao adotar medidas tendentes a abrandar os contornos do desemprego, a Lei n , sem sombra de dúvida, atenta contra o princípio da continuidade da relação da relação de emprego (...) mas o faz com o declarado propósito de contribuir para o combate do desemprego. Leva em conta a existência de vastos contingentes de seres humanos que buscam uma colocação, após terem perdido a

16 que tinham. Procura incorporar ao mercado formal de trabalhadores que se encontram fora dele, marginalizados. (...) A Lei n tem suportado muitas críticas, de diversas origens e de variadas naturezas. Todas são injustas e improcedentes. Não raro carregam em seu bojo o preconceito (jamais trabalho, associada à penalização definitiva da prática de horas suplementares habituais, por exemplo.. DELGADO. Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. p A respeito: DELGADO. Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. p. 579/581. DELGADO. Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. p Segundo Romita tal corrente fiel à sua matriza ideológica de cunho autoritário, com raízes no corporativismo facista-getulista do Estado Novo, não pode tolerar o avanço doutrinário, de efeito modernizante e democrática, que a Lei traz em seu bojo.. ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p Neste sentido vide: ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p. 203/ ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p. 216/

17 explicitado, é claro) que trai o apego doutrinário e ideológico de quem as formula ao ideário corporativista, estatizante, autoritário, paternalista e protecionista que está na base do Direito do Trabalho brasileiro, desde seu início histórico até os dias de hoje. (grifos nossos) 43 Mas, e de fato, a adoção da política (12 anos atrás) surtiu quais efeitos em solo brasileiro? O empresariado se fez valer da previsão legal para reduzir contratações por prazo indeterminado?? Aumentaram o número de postos de emprego? Consoante anotação do Ministério do Trabalho (vide relatórios de Relação Anual de Informações Sociais RAIS 44 ), com derradeira atualização em 2008 (apenas dados do CAGED relatam o ano de ), constata-se se que os anos que precederam a publicação da Lei 9.601/98 representaram período de pequena evolução no quadro do crescimento do emprego no Brasil (em alguns casos até seu decrescimento). De 1989 a 1992 registrou-se se queda livre no número de empregos formais no país (1989= ; 1990= ; 1991= ; 1992= ). Ainda que se tenha registrado alta no ano de 1993 (em relação a = ), os índices alcançados em 1989 foram recuperados/superados tão somente no ano de 1999 (ano posterior ao da publicação da Lei = ), momento a partir do qual decolou o Brasil rumo aos postos de trabalho registrados em Foram registrados no âmbito celetista,, até o mês de julho de 2009, o surgimento de mais 299,5 mil postos de trabalho. É preciso, porém, analisar os números oficiais com a devida cautela. Primeiro, porque a estatística oficial soma postos de emprego (formais) celetistas e estatutários; ; segundo, porque não há dados específicos referentes ao número de contratações realizadas mediante a via ora analisada (pelo menos não há divulgação oficial); terceiro, porque evidentemente questões outras (com destaque para o crescimento econômico do país) obviamente contribuíram para a evolução do número de postos de emprego constatado. Assim sendo, imperioso reconhecer a impossibilidade de concluir pelo (des)acerto de qualquer das correntes doutrinárias supra mencionadas. Há, no entanto, uma certeza. O Brasil, desde 2000, registra considerável taxa de crescimento no número de empregos formais. 46 Desde lá, crescemos mais de 35%, nada obstante afigure-se impossível afirmar o quilate da contribuição perpetrada pela Lei 9.601/98 para tanto. 43 ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. p Instituída pelo Decreto no /75, a RAIS é um registro administrativo de responsabilidade do Ministério do Trabalho e Emprego, criado com fins fiscalizadores, operacionais e estatísticos. Fonte: Relatório 2008 RAIS, acessado em ; 56

18 acessado em Se considerarmos o saldo do CAGED (que compreende apenas o mercado de trabalho celetista), de janeiro a junho de 2009 (299,5 mil postos, cujo resultado está fortemente influenciado pelo impacto da crise financeira), o montante de empregos criados no período de janeiro de 2003 a junho de 2009 totaliza 11,056 milhões de postos de trabalho formais. acessado em No período de 2003 a 2008, com base nos dados da RAIS, verificou-se a geração de emprego formal da ordem de 10,758 milhões. Esse resultado demonstra um ganho na formalização da força de trabalho sem precedentes, com importantes repercussões em termos sociais e econômicos, visto que representa uma melhoria social, decorrente do fato de que esses trabalhadores são amparados legalmente, com salários mais altos e outros benefícios. Fonte: Relatório 2008 RAIS, acessado em

19 Considerações finais O presente estudo, ao fim e ao cabo, nos leva concluir que: a) ainda que a espécie contratual prevista pela Lei 9.601/98 não possa ser confundida com o trabalho temporário no que diz com a vinculação existente entre prestador e tomador da mão de obra, ambos se assemelham do ponto de vista da estipulação de limitação temporal para duração do pacto; b) o contrato especial a termo (Lei 9.601/98) foi introduzido no Brasil, a exemplo do que ocorreu na Espanha e na Itália do final do século passado, mediante o discurso de tratar-se de política social capaz de adequar o ordenamento vigente as exigências econômicas contemporâneas, visando o combate aos altos índices de desemprego registrados à época de sua publicação; c) a doutrina pátria cindiu-se no que diz com a aprovação da política por ela adotada. De um lado, sustentou-se se que, além de a política adotada não revelar instrumento eficaz à geração de novos postos de trabalho, encontrava enorme dificuldade de compatibilização com o texto constitucional de Em suma, considerou tal corrente que o diploma em epígrafe representou fonte de precarização dos direitos trabalhistas, nada além disso; De outro, sustentou-se se que não mais havia falar na manutenção de um modelo jurídico facista-getulista (incapaz de alinhar o exacerbado paternalismo estatal a contemporânea conjuntura econômica) capaz de impedir a maior participação da sociedade civil na construção dos ditames jurídicos a que deveria se submeter. Escasso o emprego,, teria agido bem o legislador ao buscar alternativa inovadora para sua renovação; d) nada obstante registre-se se o considerável crescimento do número postos formais de emprego no Brasil a partir do início do século XXI, não é possível afirmar, face à inexistência de índices oficiais específicos, o acerto ou desacerto de qualquer das correntes doutrinárias, bem como o tamanho da contribuição perpetrada pela Lei 9.601/98 para tanto. 58

20 Referências bibliográficas AGUIAR, Leonardo Sales de. O novo contrato de trabalho por prazo determinado previsto na lei nº 9.601/98. acessado em BARROSO, Fábio Túlio. Novo contrato de trabalho por prazo determinado. Curitiba: Juruá, Crítica ao processo de flexibilização laboral. O contrato de trabalho por prazo determinado da lei 9.601/98 e sua forma impositiva legal. Jus Et Fides: Revista do Departamento de Ciências Jurídicas -Unicap. Recife, v. 2, n. 2, p , 148, dez DINIZ, José Janguiê Bezerra. Do contrato de trabalho por prazo determinado (temporário). Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região,, Recife, v. 10, n. 26, DELGADO. Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 4 ed. São Paulo: LTr, O novo contrato por tempo determinado (Lei n. 9601/98).. 2. ed. São Paulo: LTR, MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do Trabalho. 21 ed. São Paulo: Atlas, PAMPLONA FILHO, Rodolfo. PAMPLONA, Danielle Anne. Nós górdios da Lei nº 9.601/98; acessado em ROMITA, Arion Sayão. Direito do Trabalho: Temas abertos. São Paulo: LTr, TEIXEIRA FILHO, Manoel Antônio. Contrato Temporário de Trabalho Comentários à Lei nº 9.601/98. in Revista LTr 62-02/

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho.

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho. 1. CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO O Contrato por prazo indeterminado é firmado quando o empregado for contratado para trabalhar em atividades normais da empresa, sem tempo de duração (Princípio da Continuidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997 Dispõe sobre a fiscalização do trabalho nas empresas de prestação de serviços a terceiros e empresas de trabalho temporário. O MINISTRO DE ESTADO DE

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO

CONTRATO DE TRABALHO 7 Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p CONTRATO DE TRABALHO Contrato Individual de Trabalho o negócio jurídico pelo qual uma pessoa física se obriga, mediante remuneração, a prestar

Leia mais

A expressão contrato individual de trabalho tem o mesmo significado das expressões contrato de trabalho e contrato de emprego.

A expressão contrato individual de trabalho tem o mesmo significado das expressões contrato de trabalho e contrato de emprego. 1 Aula 02 1 Contrato individual de trabalho A expressão contrato individual de trabalho tem o mesmo significado das expressões contrato de trabalho e contrato de emprego. 1.1 Conceito O art. 442, caput,

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO

O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO Thiago Leão Nepomuceno (*)1 Normalmente, todo final de ano ao se aproximar traz consigo um aumento na demanda de algumas empresas, fazendo com que a necessidade

Leia mais

ENTENDENDO O TRABALHO TEMPORÁRIO NO BRASIL

ENTENDENDO O TRABALHO TEMPORÁRIO NO BRASIL ENTENDENDO O TRABALHO TEMPORÁRIO NO BRASIL Marcos Abreu Diretor Jurídico da Asserttem Presidente do Grupo Employer marcos@employer.com.br HISTÓRIA DO TRABALHO TEMPORÁRIO Para entender o trabalho temporário

Leia mais

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções?

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções? LUANA ASSUNÇÃO ALBUQUERK Especialista em Direito do Trabalho Advogada Associada de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados O CONTRATO TEMPORÁRIO DE TRABALHO São as conhecidas contratações

Leia mais

CONTRATO DE OBRA CERTA

CONTRATO DE OBRA CERTA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Marina Quintino Vital de Souza CONTRATO DE OBRA CERTA Belo Horizonte 2012 Marina Quintino Vital

Leia mais

Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol

Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol Oraides Morello Marcon Marques 1 Com o retorno da Copa Mundial de Futebol ao Brasil crescerá a demanda do comércio por

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

expert PDF Trial Aspectos Trabalhistas e Previdenciários (Departamento Pessoal) Outubro 2013 Elaborado por: Valéria de Souza Telles

expert PDF Trial Aspectos Trabalhistas e Previdenciários (Departamento Pessoal) Outubro 2013 Elaborado por: Valéria de Souza Telles Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TRABALHO A TERMO.

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TRABALHO A TERMO. CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TRABALHO A TERMO. Francisco José Monteiro Júnior 1. Resumo: No trabalho a seguir foram delineadas linhas gerais a respeito do contrato a termo, abordando-se prazo, forma de contratação,

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO

CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO BSB,25.02.2014 COMO SE SABE O GOVERNO ( RE) APRESENTOU( NOVA INVESTIDA ) ANTEPROJETO DE LEI ELABORADO COM VISTAS A ESTABELECER O CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO.

Leia mais

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão Contratos de Trabalho e Formas de Contratação História do Direito do Trabalho Origem do trabalho: desde o início da humanidade.

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções.

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. TERCEIRIZAÇÃO Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. INTRODUÇÃO Para que haja uma perfeita compreensão sobre

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

PONTO ELETRÔNICO. COMO FICA A PARTIR DE DOIS DE ABRIL DE 2012

PONTO ELETRÔNICO. COMO FICA A PARTIR DE DOIS DE ABRIL DE 2012 PONTO ELETRÔNICO. COMO FICA A PARTIR DE DOIS DE ABRIL DE 2012 I - INTRODUÇÃO. Como é público e notório, o ponto eletrônico foi instituído através da Portaria do Ministro de Estado do Trabalho e Emprego,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil Terceirização A precarização das relações trabalhistas No Brasil RELAÇÃO DE EMPREGO (ARTIGO 3º DA CLT) Pessoalidade Subordinação Trabalho não eventual remuneração O QUE É TERCEIRIZAÇÃO? É uma prática administrativa

Leia mais

FEVEREIRO 2015 BRASÍLIA 1ª EDIÇÃO

FEVEREIRO 2015 BRASÍLIA 1ª EDIÇÃO Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Identificação Profissional SEGURO-DESEMPREGO E ABONO SALARIAL NOVAS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.867

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.867 PARECER Nº 14.867 TRADUTOR PÚBLICO E INTÉRPRETE COMERCIAL. INCLUSÃO, REINCLUSÃO E HABILITAÇÃO EM MAIS UM IDIOMA, SOB CONDIÇÃO PRECÁRIA. IMPOSSIBILIDADE. Vêm ao exame desta Equipe de Consultoria, encaminhados

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte:

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte: 1. Da legislação que prevê o direito às férias - previsão constitucional e infraconstitucional Preconiza o artigo 7º da Constituição Federal que o trabalhador possui direito a férias anuais, com um adicional

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

PARECER Nº 13238. São formulados objetivamente os seguintes questionamentos: Relatei.

PARECER Nº 13238. São formulados objetivamente os seguintes questionamentos: Relatei. PARECER Nº 13238 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. CONTRATAÇÃO EMERGENCIAL PELO REGIME DA CLT. ARTIGO 37, IX, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 C/C ARTIGO 443 DA CLT. Vem a esta Procuradoria-Geral

Leia mais

O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000

O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000 O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000 Grasiele Augusta Ferreira Nascimento 1 Introdução Um dos temas mais debatidos em Direito do Trabalho refere-se à proteção ao

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Guilherme Portes Rio de Janeiro 08 de agosto de 2014 Advogado e Sócio

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

Aula 01. 1 Princípios 1.1 Conceito. 1.2 Funções. 1.3 Princípios em espécie 1.3.1 Princípio da proteção. 1.3.1.1 Princípio do in dubio pro operarium

Aula 01. 1 Princípios 1.1 Conceito. 1.2 Funções. 1.3 Princípios em espécie 1.3.1 Princípio da proteção. 1.3.1.1 Princípio do in dubio pro operarium 1 Aula 01 1 Princípios 1.1 Conceito Segundo palavras de Maurício Godinho Delgado os princípios correspondem à noção de proposições ideais, fundamentais, construídas a partir de uma certa realidade e que

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário?

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário? Trabalho temporário Fonte: Fecomercio Em acréscimo ao Mix Legal Express, nº 168, de 2014, que trata de algumas peculiaridades do trabalho temporário, a que se refere à Lei nº 6.019 de 1974 e Portaria do

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 25, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005 Estabelece procedimentos para a remessa de amostra de componente do patrimônio genético

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

Novidades Trabalhistas

Novidades Trabalhistas Novidades Trabalhistas Ampliação do contrato temporário passa a valer em 1º de Julho. Lei publicada altera artigo da CLT determinando pagamento de adicional de periculosidade para motociclistas. Empresa

Leia mais

Direito do Trabalho no Tempo

Direito do Trabalho no Tempo Direito do Trabalho no Tempo Mario Paiva DIREITO DO TRABALHO NO TEMPO Art. 2. A lei só dispõe para o futuro, não tem efeitos retroativos Código Civil Francês de 1804 A norma jurídica tem eficácia limitada

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

ASSESPRO ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E Internet - RS

ASSESPRO ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E Internet - RS ASSESPRO ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E Internet - RS DESTAQUE E PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO PARA O PROJETO DE LEI 993/07. Artigo 1º, 1º constante no PL 993: CAPITULO

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

Nestes termos, P.Deferimento,

Nestes termos, P.Deferimento, Ao Sindicato dos Oficiais Alfaiates, Costureiras e Trabalhadores nas Indústrias de Confecção de Roupas e de Chapéus de Senhoras de São Paulo e Osasco. Rua dos Bandeirantes, 388 Bom Retiro - São Paulo/SP

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. Disciplina os procedimentos relativos à adoção, pelas sociedades seguradoras, das condições contratuais e das respectivas disposições tarifárias e notas

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1

FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1 FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1 1. Fontes do Direito Processual do Trabalho A abordagem relativa às fontes processuais trabalhistas é de extrema relevância para a compreensão das

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação COORDENAÇÃO GERAL DE FISCALIZAÇÃO (COFIS)

Coordenação Geral de Tributação COORDENAÇÃO GERAL DE FISCALIZAÇÃO (COFIS) Fl. 19 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 13 Data 16 de maio de 2013 Origem COORDENAÇÃO GERAL DE FISCALIZAÇÃO (COFIS) ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS Art. 1º Este regulamento aplica os procedimentos e os princípios observados pelo Instituto

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

TRABALHO AVULSO Sabemos que em algum momento as empresas se deparam com uma demanda ocasional de trabalho nos setores de cargas, descargas,

TRABALHO AVULSO Sabemos que em algum momento as empresas se deparam com uma demanda ocasional de trabalho nos setores de cargas, descargas, TRABALHO AVULSO Sabemos que em algum momento as empresas se deparam com uma demanda ocasional de trabalho nos setores de cargas, descargas, armazenamento, distribuição, montagem de kits promocionais, etc.

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO Análise acerca das últimas discussões sobre o Projeto de Lei 4330, que regula o contrato de prestação de serviços terceirizados e as relações de trabalho

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

OS FUTUROS CONTRATOS DE TRABALHO.

OS FUTUROS CONTRATOS DE TRABALHO. OS FUTUROS CONTRATOS DE TRABALHO. José Alberto Couto Maciel Da Academia Nacional de Direito do Trabalho. Não me parece que com o tempo deverá perdurar na relação de emprego o atual contrato de trabalho,

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Ética e Legislação Profissional Assunto: Legislação Trabalhista/Construção Civil Prof.

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior

Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior Kildare Araújo Meira Advogado sócio da Covac Sociedade de Advogados, Pós Graduado em Direito Processual Civil pelo Instituto Brasiliense

Leia mais

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009 Quadro Comparativo O PRESIDENTE DO CONSELHO DE GESTÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 5º, 18 e 74 da Lei

Leia mais

Trabalho suplementar e Banco de horas

Trabalho suplementar e Banco de horas Trabalho suplementar e Banco de horas INTRODUÇÃO Sem grandes considerações jurídicas acerca do Direito do Trabalho, é consabido que esta é uma área que se encontra muito próxima do indivíduo, desenvolvendo-se,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A questão da aceitação, no direito brasileiro, da empresa individual

Leia mais

PONTO 1: Contrato Individual 1. CONTRATO INDIVIDUAL. 1.1 PRINCÍPIOS, RELAÇÃO DE EMPREGO e DEFINIÇÃO

PONTO 1: Contrato Individual 1. CONTRATO INDIVIDUAL. 1.1 PRINCÍPIOS, RELAÇÃO DE EMPREGO e DEFINIÇÃO 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Contrato Individual 1. CONTRATO INDIVIDUAL 1.1 PRINCÍPIOS, RELAÇÃO DE EMPREGO e DEFINIÇÃO Relação de emprego, conforme a CLT, é apenas para trabalhadores urbanos. Art. 7º

Leia mais

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 11/2014, de 6 de março A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei estabelece mecanismos de convergência

Leia mais

AMORVILLE Associação dos Moradores do Condomínio Ville de Montagne Gestão Renova Ville 2012/2014

AMORVILLE Associação dos Moradores do Condomínio Ville de Montagne Gestão Renova Ville 2012/2014 Associação dos Moradores do PROJETO NORMATIVO Nº 01-AMORVILLE, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre o regime de prestação de da Administração da Associação referentes ao exercício do ano anterior, a

Leia mais

Stock Optionse HiringBonus: sua tributação e a incidência de contribuições da seguridade social. Carla de Lourdes Gonçalves Mestre e doutora PUC/SP

Stock Optionse HiringBonus: sua tributação e a incidência de contribuições da seguridade social. Carla de Lourdes Gonçalves Mestre e doutora PUC/SP Stock Optionse HiringBonus: sua tributação e a incidência de contribuições da seguridade social Carla de Lourdes Gonçalves Mestre e doutora PUC/SP CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 195. A seguridade social será

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

IBRACON NPA nº 08 - Serviços de Auditoria dos Processos de Privatização

IBRACON NPA nº 08 - Serviços de Auditoria dos Processos de Privatização IBRACON NPA nº 08 - Serviços de Auditoria dos Processos de Privatização INTRODUÇÃO 1. O processo de venda de ativos, de modo geral, e de participações societárias, principalmente as majoritárias, em particular,

Leia mais

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Ética e Legislação em Publicidade e Propaganda Profª. Cláudia Holder Nova Lei de Estágio (Lei nº 11.788/08) Lei

Leia mais

Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. RESOLUCAO 2.689 --------------- Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 207/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 207/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 207/XII Exposição de Motivos 1 - O Programa do XIX Governo Constitucional assenta num novo paradigma de políticas que através da adoção de um conjunto extenso de reformas estruturais,

Leia mais

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12)

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) PT ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 24 de março de 2015 sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) Introdução e base jurídica Em 14 de janeiro de 2015 o Banco Central Europeu (BCE)

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

www.brunoklippel.com.br QUESTÕES COMENTADAS DE DIREITO DO TRABALHO PARTE 1 PRINCÍPIOS.

www.brunoklippel.com.br QUESTÕES COMENTADAS DE DIREITO DO TRABALHO PARTE 1 PRINCÍPIOS. www.brunoklippel.com.br QUESTÕES COMENTADAS DE DIREITO DO TRABALHO PARTE 1 PRINCÍPIOS. 1. MEUS CURSOS NO ESTRATÉGIA CONCURSOS: Estão disponíveis no site do Estratégia Concursos (www.estrategiaconcursos.com.br),

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Orientador Empresarial FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos CIRCULAR CAIXA Nº 351, DE 04 DE ABRIL DE 2005 - DOU

Leia mais

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho Sílvia Neli* Uma das formas de precarização do contrato individual do trabalho é a utilização ilícita da figura da pessoa jurídica para formalizar

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Nova Lei dos estágios: as novas regras do estágio em nível superior Bruno Minoru Takii* Introdução. O presente artigo tem como objetivo elucidar as novas regras trazidas pelo Projeto

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

Capítulo I Da Assembléia Geral

Capítulo I Da Assembléia Geral 1 Regimento Interno do Núcleo de Gestão do Porto Digital Título I Do Regimento Interno Art. 1º O presente Regimento Interno tem como objetivo estabelecer as normas que regerão internamente o Núcleo de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Salário e Remuneração Uma Abordagem Ipso Jure Douglas Fronza* SUMÁRIO: 1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES; 2. IMPORTÂNCIA DA DIFERENCIAÇÃO SALÁRIO-REMUNERAÇÃO; 3. SALÁRIO E REMUNERAÇÃO:

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso III do 4º do art. 40 da Constituição, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial ao servidor público titular de cargo efetivo cujas atividades

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador HERÁCLITO FORTES

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador HERÁCLITO FORTES PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 464, de 2009, do Senador Paulo Paim, que fixa o piso salarial do gari e define o grau do

Leia mais

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I MÓDULO I ÍNDICE OBJETIVO METODOLOGIA BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA CURRICULUM RESUNIDO DO PROFESSOR CAPÍTULO 1 DIREITO DO TRABALHO Conceitos, Fontes e Convenções...4 Jornada de Trabalho...8 CAPÍTULO 2 REMUNERAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

Remuneração de expatriados aspectos tributários e previdenciários. Wagner Balera Professor titular e coordenador da Pós-graduação da PUC/SP

Remuneração de expatriados aspectos tributários e previdenciários. Wagner Balera Professor titular e coordenador da Pós-graduação da PUC/SP Remuneração de expatriados aspectos tributários e previdenciários Wagner Balera Professor titular e coordenador da Pós-graduação da PUC/SP Carência Estrutura da Norma a) Critério Material Hipótese Conseqüente

Leia mais

ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO

ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO Termo de Constituição de Consórcio 1 As Partes: A empresa (Nome da Empresa)..., com sede na cidade de..., (Endereço)..., com CNPJ n o..., Inscrição Estadual...,

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

Programa de Participação dos Empregados em Lucros ou Resultados

Programa de Participação dos Empregados em Lucros ou Resultados Programa de Participação dos Empregados em Lucros ou Resultados Não integram o salário-de-contribuição para os fins desta Lei, exclusivamente: (...) j) a participação nos lucros ou resultados da empresa,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 22, de 2011, do Senador Lindbergh Farias, que autoriza a União a conceder isenção fiscal,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

Araújo, João Ferreira, Direito à reforma antecipada. A. Resumo

Araújo, João Ferreira, Direito à reforma antecipada. A. Resumo Araújo, João Ferreira, Direito à reforma antecipada A. Introdução. B. Direito à Reforma. C. Origem do direito à antecipação da Reforma. D. Pedido de reforma por velhice de acordo com o regime atual. D.

Leia mais