4. CÓDIGO DE BARRAS PADRÃO Conceito Características do código Estrutura Símbolos de início e

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4. CÓDIGO DE BARRAS PADRÃO 128... 11 4.1 Conceito... 11 4.2 Características do código 128... 11 4.3 Estrutura... 11 4.4 Símbolos de início e"

Transcrição

1

2 Sumário Considerações e convenções adotadas neste GUIA... 3 Apresentação BENEFÍCIOS DA PADRONIZAÇÃO DE ENCOMENDAS OBJETIVO DESTE GUIA COMO ESTE GUIA ESTÁ ESTRUTURADO OUTROS GUIAS DA ECT GERÊNCIAS COMERCIAIS DA ECT ETIQUETA DE CEP Definição Impressão Características do Papel Formatação Elementos Básicos do Código de Barras Dimensões dos Elementos e Densidade do Código de Barras Características de Contraste de Impressão Posicionamento da etiqueta CEP ETIQUETA DE REGISTRO Definição Impressão Características do Papel Formatação Algoritmo para cálculo do dígito verificador do número de registro: Elementos Básicos do Código de Barras Dimensões dos Elementos e Densidade do Código de Barras Características de Contraste de Impressão Posicionamento da etiqueta do Número de Registro Sumário - i de ii

3 4. CÓDIGO DE BARRAS PADRÃO Conceito Características do código Estrutura Símbolos de início e término Cálculo do dígito verificador do código Exemplos de cálculos do Dígito Verificador do código Zona de Silêncio Largura de uma etiqueta Exemplo do cálculo da largura de uma etiqueta para CEP Exemplo do cálculo da largura de uma etiqueta para Número de Registro Altura do código Importância da resolução da impressora Fontes para impressão do código SIGEP - Sistema de Gerenciamento de Postagens Objetivo Histórico Funcionalidades Serviços disponíveis Postagem Eletrônica Padrão O que é Como funciona Vantagens da postagem eletrônica: Documentos Código de Registro do Objeto Código de Barra do Número de Registro do Objeto Código de barra do CEP Glossário Definições e explicações sobre termos usados neste Guia Bibliografia Referência bibliográfica utilizada Sumário - ii de ii

4 Considerações e convenções adotadas neste GUIA Procurou-se, neste guia, explicar de forma detalhada todos os fundamentos sobre as corretas e produtivas formas de endereçamento de encomendas. Desta forma, antes de procurar o suporte dos CORREIOS, recomenda-se sua leitura completa. As consultas podem ser efetuadas a partir do índice por tópicos, localizado na coluna esquerda do documento. Este guia é destinado a todos os clientes dos CORREIOS, não importando o volume de encomendas postado. Este guia foi concebido para ser consultado, transportado e colocado à disposição por meio eletrônico, devido, principalmente, à incidência de atualizações assim como a urgência na sua distribuição. Todavia, o cliente que desejar poderá facilmente imprimi-lo; Suporte ao cliente: Central de Atendimento ao Cliente fone Fale Conosco no site dos CORREIOS Todas as ocorrências encontradas em vermelho e azul, possuem links, o que proporciona mais agilidade na localização do assunto/documento/site procurado. Para que os links funcionem corretamente é necessário que os arquivos: Guia de endereçamento de correspondências - grandes formatos.pdf, guia técnico_cepnet.pdf e guia de enderecamento formato padrao.pdf estejam na mesma pasta. Todas as ilustrações estão sem escala. Recomenda-se, que antes da produção definitiva das etiquetas do Número de Registro e do CEP, uma amostra seja testada em nossos equipamentos de triagem de encomendas, de forma a evitar retrabalhos e custos desnecessários. Considerações e convenções adotadas neste GUIA - 3 de 25

5 Apresentação Obrigado por usar os serviços dos CORREIOS! Os CORREIOS estão iniciando uma nova era no relacionamento comercial com sua empresa, baseada na consolidação da habitual segurança e na crescente agilidade no tratamento de suas encomendas, considerando que o tempo é fator importantíssimo nos dias de hoje. 1.1 BENEFÍCIOS DA PADRONIZAÇÃO DE ENCOMENDAS Os CORREIOS adquiriram máquinas de separação automática de encomendas, entre as mais modernas do mundo. São capazes de processar até objetos por hora e, para tanto, dependem do correto endereçamento com o respectivo código de barras e a utilização de embalagens adequadas para garantir a celeridade que suas encomendas merecem. Mais do que um incremento na velocidade de processamento, a nova tecnologia agrega qualidade ao tratamento de objetos com formatos mecanizáveis. 1.2 OBJETIVO DESTE GUIA Este guia contém informações sobre as formas de preparação e impressão das etiquetas de CEP e registro em código de barras padrão 128, assim como sobre as ferramentas de software oferecidas pela ECT. 1.3 COMO ESTE GUIA ESTÁ ESTRUTURADO O presente Guia é composto das seguintes partes: Etiqueta CEP - Conceito, elementos do código de barras, características de impressão, posicionamento da Etiqueta CEP Etiqueta de Registro - Conceito, elementos do código de barras, formatação, algoritmo do dígito verificador, características de impressão, posicionamento da etiqueta de Registro Código de barras padrão Noções teóricas sobre geração e impressão do CEP e do Número de Registro, cálculo e exemplo de dígito verificador SIGEP - Sistema de Gerenciamento de Postagens - Software desenvolvido pela ECT e distribuído gratuitamente a clientes com contrato, que proporciona ganho de produtividade na preparação dos documentos de postagem (etiqueta do CEP e do número de registro, lista de postagem, aviso de recebimento), por meio do aproveitamento dos cadastros de clientes, garantindo maior segurança e agilidade, nas postagens de encomendas Postagem eletrônica padrão - Regras, algoritmos e procedimentos de geração e impressão do número de registro e do CEP em código de barras padrão 128, assim como documentos de postagem (físicos e eletrônicos) e a sistemática para solicitação do serviço de logística reversa. É recomendado ao cliente que por algum motivo não pode usar o SIGEP. Apresentação - 4 de 25

6 1.4 OUTROS GUIAS DA ECT 1 MANUAL TÉCNICO CEPNet - guia específico para desenvolvedores, contendo todas características técnicas, algoritmos, etc., sobre CEP em código de barras CEPNet. GUIA DE ENDEREÇAMENTO DE CORRESPONDÊNCIAS [FORMATO PADRÃO] - guia detalhado em linguagem usual, sobre conceitos, especificações das correspondências de formato padrão, envelopes, etiquetas, necessárias ao rápido tratamento das cartas pelas máquinas de triagem automática dos CORREIOS, inclusive sobre a geração e impressão do CEP em código de barras CEPNet. GUIA DE ENDEREÇAMENTO DE CORRESPONDÊNCIAS [GRANDES FORMATOS] - guia detalhado em linguagem usual, sobre conceitos, especificações das correspondências de grandes formatos, (revistas, malas diretas e jornais), envelopes, etiquetas, necessárias ao tratamento das cartas pelas máquinas de triagem automática dos CORREIOS, inclusive sobre a geração e impressão do CEP em código de barras CEPNet. GUIA DE ENDEREÇAMENTO DE ENCOMENDAS - guia detalhado em linguagem usual, sobre conceitos, especificações das encomendas, embalagens, etiquetas, necessárias ao rápido tratamento dos objetos pelas máquinas de triagem automática dos CORREIOS, em elaboração. 1.5 GERÊNCIAS COMERCIAIS DA ECT A ECT possui Gerências Comerciais nas principais capitais brasileiras, detalhes no endereço: contatos/contatos_comerciais.cfm, e representantes nas Regiões Operacionais sediadas nas maiores cidades do País. 1. Todos os guias, softwares e parceiros da ECT estão no endereço: Apresentação - 5 de 25

7 2. ETIQUETA DE CEP 2.1 Definição A ETIQUETA DE CEP contém as informações do CEP de 8 (oito) dígitos do destino impresso no envoltório da mesma em algarismos e em código de barras padrão 128 subset C, o qual será tratado apenas pelos sistemas de triagem de encomendas. 2.2 Impressão A impressão da etiqueta do CEP deverá ser feita na cor preta de alto contraste por meio de impressão térmica direta, transferência térmica ou laser. Não devem ser utilizadas impressoras jato de tinta e matricial, por não serem apropriadas para a impressão de código de barras. 2.3 Características do Papel O uso do papel com tonalidades de cor pode vir a comprometer a exigência de contraste expressa neste Guia, veja 2.7 Características de Contraste de Impressão, pág 6. Recomenda-se a utilização a utilização de papel auto-adesivo de fundo branco ou tonalidades claras 2.4 Formatação Figura 1 A dimensão total desta etiqueta é função do espaço necessário para a impressão do código de barras e de sua linha de equivalência, assim como das zonas de silêncio do inicio e do fim da etiqueta. Estas dimensões deverão também estar de acordo com a área definida para sua utilização nas embalagens SEDEX. Apresentamos um exemplo desse código com sua linha de equivalência, veja Figura 1, pág. - 6, 2.5 Elementos Básicos do Código de Barras O símbolo inclui uma zona de silêncio (dez dimensões X), o caracter START C, os dados codificados, um dígito verificador do código 128, o caracter STOP e uma zona de silêncio final (dez dimensões X, no mínimo). 2.6 Dimensões dos Elementos e Densidade do Código de Barras A dimensão X deverá estar compreendida na faixa de 0,375mm a 0,508mm (14,76mils a 20,00mils). Se a dimensão X for inferior a 18mils (0,475 mm), a altura do código deverá ser de 22,5mm; acima deste valor, a altura do código deverá ser de 25mm, que é a altura de barra recomendada pela ECT. 2.7 Características de Contraste de Impressão O código de barras 128 deverá ser impresso de modo a atender às seguintes características de contraste e qualidade de impressão: PCS (Print Contrast Signal) deverá ser de no mínimo 70% (setenta por cento) medido mediante o uso de um campo amostral igual a um círculo de diâmetro 0,6L, onde "L" é a largura nominal das barras impressas; A MRD (Minimum Reflective Difference) deverá ser de 30% (trinta por cento). 2. ETIQUETA DE CEP - 6 de 25

8 2.8 Posicionamento da etiqueta CEP A etiqueta do CEP deve ser posicionada na face de maior área da encomenda, onde deve constar todo o endereçamento, inclusive a etiqueta de registro. 2. ETIQUETA DE CEP - 7 de 25

9 3. ETIQUETA DE REGISTRO 3.1 Definição Figura 2 A ETIQUETA DE REGISTRO contém as informações que individualizam cada objeto postado na ECT como registrado, expressas no envoltório da mesma em algarismos e em código de barras padrão 128 subset A e C, o qual deverá ser lido pelos sistemas de triagem de encomendas e por todos os equipamentos pertencentes ao sistema SRO. 3.2 Impressão A impressão da etiqueta de Registro deverá deverá ser feita na cor preta de alto contraste por meio de impressão térmica direta, transferência térmica ou laser. Não devem ser utilizadas impressoras jato de tinta e matricial, por não serem apropriadas para a impressão de código de barras. 3.3 Características do Papel O uso do papel com tonalidades de cor pode vir a comprometer a exigência de contraste expressa neste Guia, veja 3.8 Características de Contraste de Impressão, pág 10. Recomenda-se a utilização a utilização de papel auto-adesivo de fundo branco ou tonalidades claras 3.4 Formatação As dimensões totais desta etiqueta são função do leiaute necessário para acomodar os campos com as informações específicas de cada tipo de etiqueta de registro e do espaço necessário para a impressão do código de barras e de sua linha de equivalência, garantidas as zonas de silêncio do mesmo. Estas dimensões deverão também estar de acordo com a área definida para sua utilização nas embalagens SEDEX. Quanto ao código de barras, existem várias possibilidades de tamanho, em função da dimensão X e dos subsets utilizados. Para cada caso específico, deve-se verificar se o tamanho do código a ser gerado é compatível com o tamanho definido para a etiqueta. Estas dimensões deverão também estar de acordo com a área definida para sua utilização nas embalagens SEDEX. Código de Registro X X X X Tipo serv. # Registro DV País Figura 3 Apresentamos um exemplo desse código com sua linha de equivalência, o qual utiliza os subsets A e C, veja Figura 2, pág. - 8, O campo de dados possui a seguinte estrutura, veja Figura 3, pág. - 8, : Dois dígitos alfanuméricos indicando o tipo do serviço; Oito dígitos numéricos seqüenciais que individualizam os objetos; Um dígito verificador numérico do registro; 3. ETIQUETA DE REGISTRO - 8 de 25

10 Dois dígitos alfanuméricos para identificação do país de origem do objeto, no nosso caso BR. O XX, que são os dois primeiros caracteres significam uma família de etiquetas, a qual faz referência a um tipo de serviço específico. Podemos exemplificar os seguintes tipos de serviços: SS, SR, SL - Sedex e seus devirados especiais CD, 3D, Livro, para maiores detalhes, veja default.cfm SX - Sedex 10 ES - e-sedex LV - Logística Reversa e-sedex LE - Logística Reversa Econômica A parte numérica é composta por duas partes, sendo a primeira composta por 8 dígitos e a segunda pelo dígito verificador. A primeira parte é referente a uma faixa numérica a qual é informada ao cliente, esta faixa é composta por um número inicial e um final, e o cliente terá que controlar a emissão destes códigos de forma a não haver duplicidade na geração deste código, sob pena do seu objeto não ser entregue ao destinatário, sendo bloqueado no processo de auditoria e verificação de códigos duplicados. Exemplo de código de registro: FE BR 3.5 Algoritmo para cálculo do dígito verificador do número de registro: 1. Aplicar os fatores de ponderação sobre os dígitos do número seqüencial do registro utilizando os seguintes algarismos: ; 2. Calcular a soma destes números; 3. Dividir esta soma por 11; 4. Caso o resto seja igual a 0 ou 1, utilizar como dígito de controle, respectivamente, 5 ou 0; 5. Caso contrário, subtrair o resto de 11, sendo o algarismo obtido correspondente ao dígito verificador. EXEMPLO: Se o número seqüencial for , aplicando a fórmula teremos: (4*8) + (7*6) + (3*4) + (1*2) + (2*3) + (4*5) + (8*9) + (2*7) = 200 Continuando, 200 / 11 = 18 com resto = 2. O dígito verificador será dado por: DV = 11-2 = Elementos Básicos do Código de Barras O número de registro poderá ser codificado utilizando-se apenas o subset A ou intercalando-se os subsets A e C do código 128, possibilitando, assim, uma redução no comprimento total do código. No primeiro caso, o símbolo é formado por uma zona de silêncio inicial (dez dimensões X, no mínimo), o caracter START A, os dados codificados, um caracter de verificação, o caracter de STOP e uma zona de silêncio final (dez dimensões X, no mínimo). O comprimento total do código, incluindo as duas zonas de silêncio, é de 198 vezes a dimensão X. No segundo caso, o símbolo é formado por uma zona de silêncio inicial (dez dimensões X, no mínimo), o caracter START A, os dois primeiros caracteres alfanuméricos (tipo de serviço), o caracter CODE C, os oito dígitos do número do registro, o caracter CODE A, o dígito verificador do registro e os dois últimos caracteres alfanuméricos (país), um dígito verificador do código, o caracter de STOP e uma zona de silêncio final (dez dimensões X, no mínimo). O comprimento total do código, incluindo as duas zonas de silêncio, é de 176 vezes a dimensão X. 3. ETIQUETA DE REGISTRO - 9 de 25

11 3.7 Dimensões dos Elementos e Densidade do Código de Barras A dimensão X deverá estar compreendida na faixa de 0,375mm a 0,508mm (14,76mils a 20,00mils). Se a dimensão X for inferior a 18mils (0,475 mm), a altura do código deverá ser de 22,5mm; acima deste valor, a altura do código deverá ser de 25mm, que é a altura de barra recomendada pela ECT. 3.8 Características de Contraste de Impressão O código de barras 128 deverá ser impresso de modo a atender às seguintes características de contraste e qualidade de impressão: PCS (Print Contrast Signal) deverá ser de no mínimo 70% (setenta por cento) medido mediante o uso de um campo amostral igual a um círculo de diâmetro 0,6L, onde "L" é a largura nominal das barras impressas; A MRD (Minimum Reflective Difference) deverá ser de 30% (trinta por cento). 3.9 Posicionamento da etiqueta do Número de Registro A etiqueta do Número de Registro deve ser posicionada na face de maior área da encomenda, onde deve constar todo o endereçamento, inclusive a etiqueta de CEP. 3. ETIQUETA DE REGISTRO - 10 de 25

12 4. CÓDIGO DE BARRAS PADRÃO Conceito Noções de geração e impressão do Número de Registro e CEP no padrão 128 adotadas nos CORREIOS. Os CORREIOS utilizam as variações do código de barras 128 abaixo: 128A, permite a codificação de números e letras maiúsculas, sendo utilizado para a impressão do número de registro; 128C, permite a codificação apenas de números, aos pares de 00 até 99, inclusive, sendo utilizado para a impressão do CEP. A vantagem do 128C é que ele permite que números possam ser representados usando uma densidade dupla, onde cada conjunto de dois números seja representado por um símbolo 128C. O código 128 necessita do dígito verificador do código, calculado por meio do algoritmo Módulo Características do código 128 Cada símbolo em 128 é representado por 3 barras e três espaços (exceção para o símbolo que representa o fim do código); Cada símbolo é composto por 11 divisões, cuja dimensão é o tamanho da menor barra ou espaço possível (exceção para o símbolo que representa o fim do código, que contém 13 divisões); Uma barra ou espaço pode ser um conjunto de uma, duas, três ou quatro divisões, ou seja, uma barra ou espaço pode ter até quatro vezes o tamanho da barra ou espaço mais estreita; A largura total do código de barras depende do tamanho da barra ou espaço mais estreito; É obrigatória a presença do dígito verificador do código Estrutura Um conjunto de dados representados no código 128 será representado da seguinte maneira, veja Figuras 4 Nùmero de Registro e 5 CEP, pág : Uma zona de silêncio inicial; O símbolo de início (start); Os símbolos que representam os dados (data); O dígito verificador (check char) do código de barras; O símbolo de término (stop); Uma zona de silêncio final; Linha de equivalência, representação alfanumérica do código de barras Figura 4 - Número de Registro Figura 5 - CEP 4. CÓDIGO DE BARRAS PADRÃO de 25

13 4.4 Símbolos de início e término No código do número de registro o símbolo de início utilizado é o A e no de CEP o C. O símbolo de término é sempre o mesmo, independente do tipo de código 128 usado. 4.5 Cálculo do dígito verificador do código 128 O cálculo de dígito verificador é feito por meio do algoritmo Módulo 103. O qual é descrito a seguir. 1. Cada caracter a ser codificado recebe um valor, retirado da tabela ASCII. 2. É atribuído um peso para cada caracter, de acordo com a sua posição. 3. Multiplica-se o valor de cada caracter pelo seu peso correspondente. 4. Soma-se o resultado de todas as multiplicações do passo O resultado anterior é dividido por O resto da divisão feita no passo 5 é o dígito verificador. Obs.: não confundir dígito verificador do código 128 com o dígito verificador do número de registro e CEP. 4. CÓDIGO DE BARRAS PADRÃO de 25

14 4.6 Exemplos de cálculos do Dígito Verificador do código 128 Cálculo do dígito verificador do código 128 para o CEP Para a correta impressão do referido CEP no padrão 128, é imprescindível a retirada de qualquer caracter não-numérico. Por exemplo, , deverá ser apresentado, da seguinte forma: , para então ser impresso., veja Figura 6, pág. - 13, Cálculo do dígito verificador do código 128 para o Número de Registro EN BR, usando os códigos 128A e 128C, veja Figura 7, pág. - 13,. POSIÇÃO Caracter Valor Peso Multiplicação Posição 1 Início A x 1 = 103 Posição 2 E x 1 = 37 Posição 3 N x 2 = 92 Posição 4 COD C x 3 = 297 Posição x 4 = 00 Posição x 5 = 150 Posição x 6 = 558 Posição x 7 = 413 Posição 9 COD A x 8 = 808 Posição x 9 = 27 Posição 11 B x 10 = 340 Posição 12 R x 11 = / 103 = 32, com resto = 79. Logo o dígito verificador é igual a 79. POSIÇÃO Caracter Valor Peso Multiplicação Posição 1 Início C x 1 = 105 Posição x 1 = 80 Posição x 2 = 02 Posição x 3 = 03 Posição x 4 = / 103 = 1, com resto = 87. Logo o dígito verificador é igual a 87 Figura 6 - CEP Figura 7- Número de Registro 4.7 Zona de Silêncio Os CORREIOS recomendam, por medida de segurança a adoção de 5 mm para cada zona de silêncio. 4.8 Largura de uma etiqueta A largura física necessária para a elaboração de uma etiqueta que utiliza o código 128 é dado pela seguinte fórmula, veja Figura 8, pág. - 13, onde: L = Largura da etiqueta; A = número de caracteres a serem codificados usando 128A, em milímetros ; C = número de dígitos a serem codificados usando 128c; X = tamanho da largura da menor barra, em milímetros; Figura 8 ZS = tamanho da Zona de Silêncio, que será igual a 10 * X. É altamente recomendado o tamanho de 5 mm. 4. CÓDIGO DE BARRAS PADRÃO de 25

15 4.9 Exemplo do cálculo da largura de uma etiqueta para CEP Dados: A = 0 C = 8 X = 0,36 mm ZS = 5 mm L = (11 * (A + (C / 2) + 3) + 2) * X + 2 * ZS L = (11 * (0 + (8 / 2) + 3) + 2) * 0, * 5 L = (11 * ( ) + 2) * 0, * 5 L = (11 * 7 + 2) * 0, * 5 L = 79 * 0, L = 38,44 mm 4.10 Exemplo do cálculo da largura de uma etiqueta para Número de Registro Dados: A = 7 (E, N, COD C, COD A, Dígito Verificador do Número de Registro, B e R) C = 8 (o número de registro menos o dígito verificador do registro) X = 0,36 mm ZS = 5 mm L = (11 * (A + (C / 2) + 3) + 2) * X + 2 * ZS L = (11 * (7 + (8 / 2) + 3) + 2) * 0, * 5 L = (11 * ( ) + 2) * 0, * 5 L = (11 * ) * 0, * 5 L = 154 * 0, L = 65,44 mm 4.11 Altura do código 128 A ECT recomenda o mínimo de 25 mm para a altura do código 128 do CEP e do Número de Registro, veja 4.3 Estrutura, pág Importância da resolução da impressora A princípio, quanto maior a etiqueta maior é a facilidade de leitura. Entretanto, deve-se manter a relação entre a altura e a largura dentro de um determinado limite e evitar que o código seja desnecessariamente grande. Por isso foram definidas duas alturas de barra em função da dimensão X (cuja espessura deve estar compreendida na faixa de 0,375mm a 0,508mm). A limitação de espessura da dimensão X também define os limites máximos e mínimos para o tamanho total do código.. O resultado final da impressão está intimamente ligado às características da impressora utilizada. Por exemplo, uma impressora com resolução de 600dpi (pontos por polegadas) é capaz de imprimir 23,62 pontos por milímetro ( 600 / 25,4 = 23,62 ), o que equivale a dizer que cada ponto tem a largura de 0,0423mm ( 1 / 23,62 = 0,0423 ). A barra mais fina, que define todo o código 128, só 4. CÓDIGO DE BARRAS PADRÃO de 25

16 pode ser formada por um número inteiro de pontos. Portanto, sua largura deve, obrigatoriamente, ser sempre um múltiplo do passo de impressão ( 0,0423mm, neste caso). Assim, neste caso a largura da barra mais fina, e, conseqüentemente, do código todo, tem as seguintes possibilidades: No. de Pontos dimensão X (mm) Largura total do Código de Registro (mm) 1 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Portanto, vemos que apenas do nono ao décimo segundo passo a dimensão total do código atende às especificações, ou seja, neste exemplo (600 dpi), a largura da barra mais fina deve ser formada por 9 a 12 pontos de impressão. Eventualmente este parâmetro pode não ser facilmente configurável pelo usuário, em função da fonte ou tipo de impressora utilizada. 4. CÓDIGO DE BARRAS PADRÃO de 25

17 4.13 Fontes para impressão do código 128 As fontes para impressão do código 128, são encontradas com facilidade no mercado, principalmente pela Intenet. Os CORREIOS recomendam, no entanto que antes da produção definitiva das etiquetas do Número de registro e CEP, uma amostra seja testada em nossos equipamentos de triagem de encomendas, de forma a evitar retrabalhos e custos desnecessários. 4. CÓDIGO DE BARRAS PADRÃO de 25

18 5. SIGEP - Sistema de Gerenciamento de Postagens 5.1 Objetivo Proporcionar ganho de produtividade na preparação dos documentos de postagem (etiqueta de CEP e número de registro, lista de postagem, aviso de recebimento), por meio do aproveitamento dos cadastros de clientes e informações contratuais gerados em arquivo pela ECT, garantindo maior segurança, graças ao total controle das postagens das encomendas e, ainda, maior economia com a simulação de custos e previsão de gastos com as remessas. 5.2 Histórico O projeto foi idealizado pela área comercial em meados de 1999 com o nome de SGR (Sistema de Gerenciamento de Remessas). Desenvolvido em VISUAL BASIC 6 e banco de dados Access. O lançamento ocorreu em novembro/99 juntamente com o Site SEDEX On Line que o disponibilizava para download aos clientes pessoa física ou jurídica. Após a versão 1.7d, a gestão do SGR passou para o Programa de Encomendas, onde o seu nome foi alterado para SIGEP. O SIGEP só é disponibilizado para clientes com contrato e sua implantação é realizada por representantes da área comercial e técnica, das Diretorias Regionais da ECT. Figura Funcionalidades Fornecer listas de postagens ; Disponibilizar serviços adicionais: Mão Própria, Valor Declarado, Aviso de Recebimento; Emitir etiquetas (Rótulo, Registro e CEP), veja Figura 9, pág. - 17, ; Emitir o Aviso de Recebimento - AR, veja Figura 10, pág. - 17, Emitir Vale Postal - VP; Emitir Relatório Picking / Packing; Emitir cópia de segurança; Simular tarifa; Importar/exportar informações sobre clientes e postagens de outras bases de dados; Controle de Acesso às funcionalidades por usuário ou Grupo de Usuário; Multi-Processamento; Figura 10 Interagir com os sistemas da captação de postagens, existentes nos centros operacionais e agências da ECT; Permitir alterar situação de ARs, VPs e Objetos; Utilizar os serviços estabelecidos no contrato entre os clientes e os Correios. Gerar informações para os sistemas da captação de postagens, existentes nos centros operacionais e agências da ECT 5. SIGEP - Sistema de Gerenciamento de Postagens - 17 de 25

19 5.4 Serviços disponíveis CódigoDescrição Carta comercial Carta não comercial Mala direta normal local Mala direta urgente local Mala direta normal estadual Mala direta normal nacional Mala direta urgente estadual Mala direta urgente nacional Impresso nacional normal Impresso nacional urgente Seed nac c/comprovante Seed nac s/comprovante Seed registrado Sedex convencional documento Sedex hoje documento Sedex vip documento Sedex a cobrar documento Sedex estadual pré-franquiado documento Sedex hoje documento am/to/pa/no Sedex convencional encomenda Sedex hoje encomenda Sedex vip encomenda Sedex a cobrar encomenda Sedex estadual pré-franquiado encomenda Sedex hoje encomenda am/to/pa/no Sedex 10 documento Sedex 10 encomenda Encomenda Normal PAC PAC - Logística Reversa Mercadoria Expressa (E.M.S.) Documento Econômico Documento Prioritário Documento Expresso (E.M.S.) 5. SIGEP - Sistema de Gerenciamento de Postagens - 18 de 25

20 45128 Mercadoria Econômica Mercadoria Prioritária Sur postal 24 horas documento Sur postal expresso documento Encomenda Especial Sedex 3D - Documento Sedex 3D - Encomenda Sedex Nacional Vestuário Sedex cd postagem Sedex 3D a Cobrar - Documento Sedex 3D a Cobrar - Encomenda Sedex 4D documento Sedex 4D encomenda Sedex 4D a cobrar documento Sedex 4D a cobrar encomenda e-sedex standard e-sedex prioritário e-sedex express e-sedex devolução de objetos FAC simples local FAC simples estadual FAC simples nacional FAC registrado local FAC registrado estadual FAC registrado nacional FAC registrado local com AR FAC registrado estadual com AR FAC registrado nacional com AR 5. SIGEP - Sistema de Gerenciamento de Postagens - 19 de 25

21 6. Postagem Eletrônica Padrão 6.1 O que é. A postagem eletrônica é aquela em que o cliente gera um arquivo dos dados das encomendas postadas em meio magnético. Este arquivo tem layout específico, o qual poderá ser aproveitado na postagem dos objetos através dos nossos sistemas de atendimento, SARA ou Scada 2.6. É composto de regras, algoritmos e procedimentos de geração e impressão do número de registro e do CEP em código de barras padrão 128, assim como documentos de postagem (físicos e eletrônicos) e a sistemática para solicitação do serviço de logística reversa. 6.2 Como funciona. A postagem corporativa disponibiliza informações referentes aos objetos de forma eletrônica. É realizada por cliente com contrato, com qualquer que seja o volume de objetos, de acordo com os requisitos constantes neste item. A utilização deste mecanismo permite um aproveitamento de informações geradas na cadeia produtiva do cliente, minimizando a necessidade da intervenção humana em processos repetitivos nos procedimentos de captação de dados, reduzindo, desta forma, a probabilidade de ocorrência de erros nas informações captadas. 6.3 Vantagens da postagem eletrônica: Simplificação da Postagem - Propicia maior rapidez nas atividades de postagem, uma vez que todo o processo de recebimento de encomendas nos CORREIOS é realizado por meio da transferência de arquivos. Reduzindo significativamente a necessidade de listas de postagens em papel Segurança e Integridade das Informações de Postagem - Além das vantagens inerentes ao processo de captação de postagem, pode-se citar a importância da captação de dados complementares, possibilitando a alimentação do BNE -Banco Nacional de Encomendas, o qual propiciara uma integração com os demais sistemas da empresa auxiliando nosso cliente a interagir com a ECT, viabilizando serviços tais como: Logística Reversa, Rastreamento Ativo, dentre outros. Existem dois layouts disponíveis para geração do arquivo que será utilizado na postagem eletrônica. A adoção de um ou outro layout vai depender do sistema utilizado na agência de postagem vinculada ao cliente; se for o Scada 2.6 deverá ser gerado um arquivo no padrão TXT, se for o SARA dever-se-á utilizar o padrão XML O envio destes dados para a efetivação da postagem poderá ser feito de duas formas, via internet ou disquete. O critério para aceitação da postagem via internet dependerá do acesso à rede CorreiosNET da unidade de postagem vinculada ao cliente, pela premissa básica de que a informação deverá estar disponível no momento da postagem do objeto, pois se o objeto for postado e não tiver um registro eletrônico correspondente, este objeto terá que ser postado da mesma forma que é captado hoje a postagem de varejo, inserindo todos os dados para alimentação do sistema de atendimento. No caso de geração da postagem eletrônica em disquete existe uma limitação, a qual é imposta pela capacidade do meio, que é de 1.44 MegaByte de informação Os layouts dos arquivos de Postagem Eletrônica estão descritos nos Anexos abaixo, dísponíveis no endereço, Anexo I - Layout do Arquivo de Postagem Eletrônica - TXT Anexo II - Layout do Arquivo de Postagem Eletrônica - XML 6. Postagem Eletrônica Padrão - 20 de 25

Vice-Presidência do Negócio Postal Departamento de Marketing Brasília, outubro de 2015

Vice-Presidência do Negócio Postal Departamento de Marketing Brasília, outubro de 2015 Requisitos técnicos para preparação do bloco de endereçamento de cartas para tratamento em sistemas automatizados, utilizando o CEPNet e Código Bidimensional Datamatrix 2D. Versão 0.1, 27/10/2015 1 Sumario

Leia mais

Sumário. Sumário - 1 de 1

Sumário. Sumário - 1 de 1 Sumário Considerações e convenções adotadas neste GUIA 2 2. Apresentação 3 2.1 BENEFÍCIOS DA PADRONIZAÇÃO DE ENCOMENDAS...3 2.2 OBJETIVO DESTE GUIA...3 2.3 COMO ESTE GUIA ESTÁ ESTRUTURADO...3 2.4 OUTROS

Leia mais

Manual SIGEP lojamestre.com.br

Manual SIGEP lojamestre.com.br manualcielo 2015 Manual SIGEP lojamestre.com.br Studio VR Ltda. 20/10/2015 1 1 2 Sumário Apresentação... 3 Pré-Requisitos... 3 Homologando o SIGEP Web... 4 Configurando o SIGEP na administração da loja

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 1 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1.Quais são as características do Programa?...4 2.Quais são os pré-requisitos para instalação do Sigep Web?...4 3.Como obter o aplicativo para instalação?...4

Leia mais

COBRANÇA ELETRÔNICA BNB

COBRANÇA ELETRÔNICA BNB COBRANÇA ELETRÔNICA BNB Compensação Eletrônica (Código de Barras) Manual de Instruções e Preenchimento de Boletos Cobrança BNB Julho de 2011 Contatos: Central de Orientação ao Cliente Fone: (085) 3299-3121

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS DO FAC

GLOSSÁRIO DE TERMOS DO FAC GLOSSÁRIO DE TERMOS DO FAC Amarrados: Conjunto de objetos postais agrupados, com identificação e um destino único. Amostra: Objetos retirados de diversas partes da postagem do cliente para conferência

Leia mais

Guia de apoio à codificação de medicamentos

Guia de apoio à codificação de medicamentos Guia de apoio à codificação de medicamentos Para atender à RDC 54/2013 (Versão 2) Apoio: Introdução... 3 Benefícios esperados... 3 Aplicações... 4 Embalagem secundária:... 4 Identificação: GTIN Codificação:

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SIGEP WEB

MANUAL DO USUÁRIO SIGEP WEB MANUAL DO USUÁRIO SIGEP WEB Sumário PRÉ- REQUISITOS PARA UTILIZAÇÃO DO SIGEP WEB... 4 PROCEDIMENTOS PARA DOWNLOAD DO SISTEMA... 4 INSTALANDO O SIGEP WEB... 6 INICIANDO O SISTEMA... 6 INICIANDO O SISTEMA...

Leia mais

Manual de código de Barras

Manual de código de Barras 1. VISÃO GERAL 1.1 MODITIVAÇÃO: O código de barras é uma forma de representar a numeração, que viabiliza a captura automática dos dados por meio de leitura óptica nas operações automatizadas (EAN Brasil,

Leia mais

Correios é o parceiro de 9 em cada 10 sites de e-commerce no Brasil.

Correios é o parceiro de 9 em cada 10 sites de e-commerce no Brasil. Correios é o parceiro de 9 em cada 10 sites de e-commerce no Brasil. Sabe por quê? Porque os Correios têm as melhores soluções de ponta a ponta para todas as etapas do e-commerce. Porque têm a melhor cobertura

Leia mais

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO 2 ÍNDICE 1. PRÉ REQUISITOS PARA UTILIZAÇÃO DO SIGEP WEB 04 2. PROCEDIMENTOS PARA DOWNLOAD DO SISTEMA 04 3. INSTALANDO O SIGEP WEB 07 4. CONFIGURAÇÕES DO SISTEMA 09 COMPARTILHANDO O BANCO

Leia mais

FKcorreios - Geração 2

FKcorreios - Geração 2 FKcorreios - Geração 2 Instalação do módulo Faça o download do arquivo FKcorreiosg2.zip, salvando-o em uma pasta em seu computador. Entre na área administrativa de sua loja: Entre no menu Módulos/Módulos.

Leia mais

DANFE e o Código de Barras

DANFE e o Código de Barras DANFE e o Código de Barras Escrito por: Eng. Luciano T.Junior Danfe e o Código de Barras...3 A Chave de Acesso...4 Cálculo do Dígito Verificador da Chave de Acesso da NF-e...5 Transformando a Chave de

Leia mais

Considerações de legibilidade de código de barras e OCR

Considerações de legibilidade de código de barras e OCR OCR e fontes de código de 3 de 9 1 Considerações de legibilidade de código de e OCR de tela Existem diversos fatores que podem afetar a legibilidade de caracteres OCR e de código de e de OCR, incluindo

Leia mais

Nestes termos e de acordo com o artigo 67.º do Decreto-Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, determina-se o seguinte:

Nestes termos e de acordo com o artigo 67.º do Decreto-Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, determina-se o seguinte: Define uma nova estrutura de codificação de todos os medicamentos. Revoga os Despachos Normativos n. os 233/82, de 28 de Outubro, e 26/84, de 30 de Janeiro (Revogado pelo Despacho Normativo n.º 1/2003,

Leia mais

SIntegra Abordagem Completa - Conceitos Gerais.

SIntegra Abordagem Completa - Conceitos Gerais. SIntegra Abordagem Completa - Conceitos Gerais. 1 por Victory Fernandes Creio que muitos de vocês leitores, assim como eu, venham sendo constantemente abordados por seus clientes a respeito da obrigatoriedade

Leia mais

Folha Pagamento Salário - Padrão 150 FEBRABAN

Folha Pagamento Salário - Padrão 150 FEBRABAN Arquivo com registros de 150 bytes próprios do sistema SICOV DESCRIÇÃO DOS REGISTROS DO ARQUIVO scrição do Registro "A" - HEADER Obrigatório em todos os arquivos A.01 1 1 X(01) Código do registro = "A"

Leia mais

MANUAL TÉCNICO MÓDULO I I EMISSÃO DO CLIENTE

MANUAL TÉCNICO MÓDULO I I EMISSÃO DO CLIENTE COBRANÇA REGISTRADA MANUAL TÉCNICO MÓDULO I I EMISSÃO DO CLIENTE COBRANÇA DIRETIVA Versão: Abril/2012 HSBC Bank Brasil S.A. Banco Múltiplo. APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Pág. 4 NOTAS PRELIMINARES O que é a

Leia mais

Você sabia que... A Embalagem. Guia #9 Como escolher as melhores embalagens e formas de envio

Você sabia que... A Embalagem. Guia #9 Como escolher as melhores embalagens e formas de envio Guia #9 Como escolher as melhores embalagens e formas de envio Você sabia que... Sua Loja Virtual está online, com anúncios de sucesso, imagens de produtos, e-mail marketing preparado, ou seja você tem

Leia mais

Soluções em Recebimentos. Cobrança BB. Manual Técnico

Soluções em Recebimentos. Cobrança BB. Manual Técnico Soluções em Recebimentos Cobrança BB Layout de Arquivo Remessa CNAB400 Manual Técnico Orientações Técnicas CONVÊNIOS COM NÚMERAÇÃO ACIMA DE 1.000.000 Versão Abril 2012 1. Apresentação CONCEITO: Arquivo

Leia mais

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque)

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque) SuperStore Sistema para Automação de Óticas MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque) Contato: (34) 9974-7848 http://www.superstoreudi.com.br superstoreudi@superstoreudi.com.br SUMÁRIO 1 ACERTO DE ESTOQUE...

Leia mais

NFC-e NOTA FISCAL DE VENDA A CONSUMIDOR ELETRÔNICA. Perguntas e Respostas. Versão 1.0

NFC-e NOTA FISCAL DE VENDA A CONSUMIDOR ELETRÔNICA. Perguntas e Respostas. Versão 1.0 NFC-e NOTA FISCAL DE VENDA A CONSUMIDOR ELETRÔNICA Perguntas e Respostas Versão 1.0 01/10/2014 SUMÁRIO I) INFORMAÇÕES INICIAIS 1. O que é a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica - NFC-e? 1 2. Quais os tipos

Leia mais

Setor de Protocolo Administrativo do TJAM

Setor de Protocolo Administrativo do TJAM PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO 50 Setor de Protocolo Elaborado por: Adriano Ramos Gomes Setor de Protocolo

Leia mais

Layout Padrão de Arrecadação/Recebimento. com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04

Layout Padrão de Arrecadação/Recebimento. com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04 Layout Padrão de Arrecadação/Recebimento com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04 Vigência: a partir de 01.04.2005 não obrigatório manter contato prévio com os bancos G:\SERVBANC\CENEABAN\Padrões\Codbar4-v28052004.doc

Leia mais

Particularidades BB. Leiaute CNAB 240. julho / 2011

Particularidades BB. Leiaute CNAB 240. julho / 2011 Particularidades BB Leiaute CNAB 240 julho / 2011 Sumário Assunto página Últimas Alterações 3 Header de Arquivo 5 Header de Lote 6 Segmento P 8 Segmento Q 11 Segmento R 13 Segmento S 15 Segmento Y-01 16

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

Guia de Codificação para Livros

Guia de Codificação para Livros Guia de Codificação para Livros 1. Introdução A GS1 e as Agências Internacionais do ISBN e ISSN elaboraram diretrizes para ajudar os editores na compreensão das funcionalidades do Sistema GS1 para o setor

Leia mais

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2 1 Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2 por Victory Fernandes Na internet estão disponíveis diversos componentes para geração e impressão de Código de Barras utilizando o

Leia mais

Manual do Software de Cobrança Itaú

Manual do Software de Cobrança Itaú Banco Itaú SA Manual do Software de Cobrança Itaú Última atualização: agosto/2006 Índice 1 Visão Geral 03 2 Instalação 03 3 Inserindo os dados de sua empresa 03 4 Inserindo os dados dos títulos de Cobrança

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE COBRANÇA BANCÁRIA GERAÇÃO DE BOLETO PELO SOFTWARE DO COOPERADO PADRÃO CNAB 400 POSIÇÕES

MANUAL TÉCNICO DE COBRANÇA BANCÁRIA GERAÇÃO DE BOLETO PELO SOFTWARE DO COOPERADO PADRÃO CNAB 400 POSIÇÕES MANUAL TÉCNICO DE COBRANÇA BANCÁRIA GERAÇÃO DE BOLETO PELO SOFTWARE DO COOPERADO PADRÃO CNAB 400 POSIÇÕES Versão 03 Junho/2015 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 4 2 PÚBLICO ALVO... 4 3 INTRODUÇÃO... 5 4 ESTRUTURA

Leia mais

Tecnologia com Máxima Economia. RECURSO EXCLUSIVO INOVANDO SEMPRE. Balança Computadora Urano Maximus II. Automação Comercial e Balanças Eletrônicas

Tecnologia com Máxima Economia. RECURSO EXCLUSIVO INOVANDO SEMPRE. Balança Computadora Urano Maximus II. Automação Comercial e Balanças Eletrônicas Tecnologia com Máxima Economia. RECURSO EXCLUSIVO INOVANDO SEMPRE Comunicação po r Cabo ou Rádio Frequência Etiquetador conjugado Produt o patenteado P I 8502136 Balança Computadora Urano Maximus II Automação

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO BANRISUL

CARTÃO DE CRÉDITO BANRISUL 1 CARTÃO DE CRÉDITO BANRISUL Layout Para Arquivo de Cobrança de Parcelas de Cartão de Crédito Sistema BDL Carteira de Letras Troca de Informações Via Arquivo Magnético Unidade Atendimento e Serviços Unidade

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Manual. http://www.cobrebem.com Manual Técnico Solução CobreBemX Versão 1.0.13.10.18 1

Manual. http://www.cobrebem.com Manual Técnico Solução CobreBemX Versão 1.0.13.10.18 1 Manual http://www.cobrebem.com Manual Técnico Solução CobreBemX Versão 1.0.13.10.18 1 Prezado Cliente, O CobreBemX é um componente COM ''não visual'' distribuído sob a forma de DLL, possuindo as seguintes

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3 O QUE É CNAB?... 3 QUAL O OBJETIVO DO CNAB?... 3 QUAIS BANCOS E CARTEIRAS O EMPRESÁRIO ERP NOS FORNECE?...

Sumário INTRODUÇÃO... 3 O QUE É CNAB?... 3 QUAL O OBJETIVO DO CNAB?... 3 QUAIS BANCOS E CARTEIRAS O EMPRESÁRIO ERP NOS FORNECE?... Sumário INTRODUÇÃO... 3 O QUE É CNAB?... 3 QUAL O OBJETIVO DO CNAB?... 3 QUAIS BANCOS E CARTEIRAS O EMPRESÁRIO ERP NOS FORNECE?... 4 COMO CONFIGURAR O CNAB... 5 CADASTRO DE BANCOS... 5 PARAMETROS DO CNAB...

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Sumário. Apresentação 2. Identidade Corporativa 3. Serviços 4

Sumário. Apresentação 2. Identidade Corporativa 3. Serviços 4 Sumário Apresentação 2 Identidade Corporativa 3 Serviços 4 2 Apresentação Aproximam-se as comemorações dos 350 anos das atividades postais no Brasil. Desde o dia 25 de janeiro de 1663, os Correios vêm

Leia mais

Manual de Integração

Manual de Integração Manual de Integração Versão 3.10 Conteúdo 1 Obtendo e Instalando o Emissor... 4 1.1 Obtendo o instalador... 4 1.2 Instalando o JAVA e o Framework.NET 2.0... 4 1.3 Instalando o Emissor... 5 2 Padrões de

Leia mais

Especificação do Código de Barras Para Bloquetos de Cobrança Rápida e Sem Registro SICOB - Nosso Número 11 posições 1 INTRODUÇÃO

Especificação do Código de Barras Para Bloquetos de Cobrança Rápida e Sem Registro SICOB - Nosso Número 11 posições 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO 1.1 - Este manual foi elaborado para Clientes Cedentes da CAIXA que queiram emitir/imprimir bloquetos de cobrança CAIXA com código de barras para as Carteiras Rápida e/ou Sem Registro. 1.2

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE COBRANÇA BANCÁRIA GERAÇÃO DE BOLETO PELO SOFTWARE DO COOPERADO PADRÃO CNAB 400 POSIÇÕES

MANUAL TÉCNICO DE COBRANÇA BANCÁRIA GERAÇÃO DE BOLETO PELO SOFTWARE DO COOPERADO PADRÃO CNAB 400 POSIÇÕES MANUAL TÉCNICO DE COBRANÇA BANCÁRIA GERAÇÃO DE BOLETO PELO SOFTWARE DO COOPERADO PADRÃO CNAB 400 POSIÇÕES Versão 01 Novembro/2013 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 4 2 PÚBLICO ALVO... 4 3 GLOSSÁRIOS/DEFINIÇÕES...

Leia mais

COBRANÇA NÃO REGISTRADA

COBRANÇA NÃO REGISTRADA LAYOUT TÉCNICO - VOLUME I MANUAL DE EMISSÃO DO CLIENTE Versão: Abril/2012 HSBC BANK BRASIL S.A. Banco Múltiplo. PUBLIC ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO Pág. 02 2 CAMPOS DO BLOQUETO A SEREM PREENCHIDOS Pág. 03 3 DADOS

Leia mais

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico Soluções em Recebimentos CNAB400/CBR641 Manual Técnico Layout de Arquivo Remessa para convênios na faixa numérica entre 000.001 a 999.999 (Convênios de até 6 posições) Orientações Técnicas Versão Set/09

Leia mais

Mobility PDV e Lite One

Mobility PDV e Lite One Mobility PDV e Lite One Revisão : 08/06/2007 Índice Tópicos Página Composição da Solução... 3 Modelos de Utilização... 4 Login do Config... 7 Periféricos... 8 Teclas de Função...12 Finalizadoras... 15

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO - RDC Nº 3, DE 20 DE JANEIRO DE 2000 (*) Aprova normas de fornecimento de informações para cadastros de beneficiários. A Diretoria

Leia mais

Manual de Noções Básicas de Cobrança

Manual de Noções Básicas de Cobrança Este manual tem como finalidade explicar o que é uma cobrança através de boleto bancário, o que a constitui e outras informações pertinentes a mesma. Para maiores informações entre em contato com o gerente

Leia mais

LAYOUT TÉCNICO DEPÓSITO IDENTIFICADO TVD TRANSFERÊNCIA DE VALORES E DADOS

LAYOUT TÉCNICO DEPÓSITO IDENTIFICADO TVD TRANSFERÊNCIA DE VALORES E DADOS LAYOUT TÉCNICO DEPÓSITO IDENTIFICADO TVD TRANSFERÊNCIA DE VALORES E DADOS Layout Técnico do Arquivo Retorno Diário (Batch) Fórmula de Cálculo da Identificação do Depositante Versão: Abril/2008 HSBC Bank

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS. NFC-e Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica. Perguntas e Respostas

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS. NFC-e Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica. Perguntas e Respostas GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS NFC-e Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica Perguntas e Respostas I) INFORMAÇÕES INICIAIS 1. O que é a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

Leia mais

LIMITES DE DIMENSÕES E DE PESOS

LIMITES DE DIMENSÕES E DE PESOS CONTRATO Nº 102/09; ANEXO Nº 01 LIMITES DE DIMENSÕES E DE PESOS 1. PESOS E DIMENSÕES DOS OBJETOS 1.1. LIMITES DE PESO 1.1.1. Cartas no Regime Nacional a) peso máximo 2 Kg; b) faixas de pesos, em gramas,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 29 de Abril de 2011. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO Disciplina no âmbito da UDESC o controle dos serviços de postagem e remessa

Leia mais

PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro

PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro SUMÁRIO 1. FINANCEIRO... 5 1.1. ED - SECRETARIA... 5 1.2. ED - ESCOLA... 5 1.3. USUÁRIOS POR ENTIDADE NO ED SECRETARIA E ESCOLA... 6 2. FINANCEIRO - SECRETARIA... 7 2.1.

Leia mais

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática ZEBRA ZPL2

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática ZEBRA ZPL2 1 Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática ZEBRA ZPL2 por Victory Fernandes e Augusto Frederico Na Internet estão disponíveis diversos componentes para geração e impressão de Código de Barras

Leia mais

EXPORTAÇÃO SIMPLIFICADA

EXPORTAÇÃO SIMPLIFICADA EXPORTAÇÃO SIMPLIFICADA REALIZEI UMA EXCELENTE VENDA! E AGORA? COMO FAÇO PARA ENTREGAR? CORREIOS Estrutura Física: 5.570 mil municípios atendidos, 37 mil pontos de atendimento, 11.890 mil Agências, 10

Leia mais

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos:

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos: Access 1 Tela Inicial: 2 ÁREA DE TRABALHO. Nosso primeiro passo consiste em criar o arquivo do Access (Banco de Dados), para isto utilizaremos o painel de tarefas clicando na opção Banco de Dados em Branco.

Leia mais

Recebimento e Expedição (Unidades de Recebimento e Expedição)

Recebimento e Expedição (Unidades de Recebimento e Expedição) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS LOGÍSTICOS Manual Recebimento e Expedição (Unidades de Recebimento e Expedição)

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Diretoria Regional de São Paulo Metropolitana SUOPE/GENCO / SPM

Diretoria Regional de São Paulo Metropolitana SUOPE/GENCO / SPM Diretoria Regional de São Paulo Metropolitana SUOPE/GENCO / SPM Abordagem Definição de Logística Reversa; Apresentação das características; Modalidades; Funcionalidades do sistema; Importância do serviço;

Leia mais

Agilize o processamento de suas correspondências e aumente a produtividade de sua empresa

Agilize o processamento de suas correspondências e aumente a produtividade de sua empresa Entregas de Pacotes e Encomendas Sistemas de postagem Sistema de Postagem digital Produtividade, praticidade e eficiência em suas correspondências Agilize o processamento de suas correspondências e aumente

Leia mais

Folha Pagamento Salário - Padrão 150 FEBRABAN

Folha Pagamento Salário - Padrão 150 FEBRABAN Arquivo com registros de 150 bytes próprios do sistema SICOV DESCRIÇÃO DOS REGISTROS DO ARQUIVO scrição do Registro "A" - HEADER Obrigatório em todos os arquivos A.01 1 1 X(01) Código do registro = "A"

Leia mais

No mercado bancário a competitividade é crescente

No mercado bancário a competitividade é crescente 6 Fortalecendo a marca, gerando negócios Intenso, produtivo e criativo No mercado bancário a competitividade é crescente e a disputa pelos espaços é proporcional ao empenho das instituições em ampliar

Leia mais

BLOQUETOS DE COBRANÇA

BLOQUETOS DE COBRANÇA BLOQUETOS DE COBRANÇA Federação Brasileira das Associações de Bancos 1 BLOQUETO DE COBRANÇA Invista alguns minutos para ler este manual e evite problemas com seus clientes (sacados) e transtornos no gerenciamento

Leia mais

Tutorial Colocar Frete no Template Mercado Livre

Tutorial Colocar Frete no Template Mercado Livre Tutorial Colocar Frete no Template Mercado Livre 1 Configurar seu template Incluindo seu CEP no simulador Link para cadastrar seus produtos no calculador de frete: http://frete-facil.com/ Para personalizar

Leia mais

Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica NFC-e. PROJETO NFC-e NOTA FISCAL DE CONSUMIDOR ELETRÔNICA. Padrões Técnicos do DANFE-NFC-e e QR Code

Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica NFC-e. PROJETO NFC-e NOTA FISCAL DE CONSUMIDOR ELETRÔNICA. Padrões Técnicos do DANFE-NFC-e e QR Code PROJETO NFC-e NOTA FISCAL DE CONSUMIDOR ELETRÔNICA Padrões Técnicos do DANFE-NFC-e e QR Code Versão 3.2 abril 2014 Pág. 1/ 25 1. Leiaute de Impressão DANFE NFC-e Este capítulo descreve o leiaute de impressão

Leia mais

Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE

Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE Garantindo que o código certo está no produto certo Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE 2 As soluções CLARiSUITE ajudam a garantir que o código certo esteja no produto

Leia mais

CAPCAIXA MANUAL OPERACIONAL. Vs. 1.0

CAPCAIXA MANUAL OPERACIONAL. Vs. 1.0 CAPCAIXA MANUAL OPERACIONAL Vs. 1.0 ( Novembro/2000 ) ÍNDICE Apresentação 3 1. Caracteristica Equipamento 3 2. TIpos de Documentos Gerados pelo Aplicativo 3 Condições para uso do aplicativo Capcaixa (anexo)

Leia mais

SISDEB SISTEMA de DÉBITO ELETRÔNICO ITAÚ

SISDEB SISTEMA de DÉBITO ELETRÔNICO ITAÚ SISDEB SISTEMA de DÉBITO ELETRÔNICO ITAÚ Intercâmbio Eletrônico de Arquivos Layout de Arquivos CNAB150 Versão 4.0 Índice 1. Noções Básicas...3 1.1 Apresentação...3 1.2 Sistema de Débito Eletrônico Itaú...3

Leia mais

Especificações Técnicas para Emissão de Boletos Cobrança Bancária CAIXA - SIGCB ATENÇÃO:

Especificações Técnicas para Emissão de Boletos Cobrança Bancária CAIXA - SIGCB ATENÇÃO: Especificações Técnicas para Emissão de Boletos Cobrança Bancária CAIXA - SIGCB ATENÇÃO: O Cliente Beneficiário deve enviar à CAIXA amostras dos boletos por ele emitidos, para validação, antes de sua efetiva

Leia mais

1. FAC SIMPLES Vigência: 12/06/2014

1. FAC SIMPLES Vigência: 12/06/2014 FAC FRANQUEAMENTO AUTORIZADO DE CARTAS 1. FAC SIMPLES Vigência: 12/06/2014 1.1. Tabela de Preços R$ FAIXAS DE PESO (g) NACIONAL ESTADUAL LOCAL Até 20 Mais de 20 até 50 Mais de 50 até 100 Mais de 100 até

Leia mais

FsBank. Manual do Usuário

FsBank. Manual do Usuário FsBank Manual do Usuário Manual do Usuário Copyright Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução 2 ÍNDICE 1. COMENTÁRIOS... 1.1. Apresentação do Sistema (uso, benefícios, características)...7 1.2.

Leia mais

NFS-e AGL Versão X.X.0.26

NFS-e AGL Versão X.X.0.26 NFS-e AGL Versão X.X.0.26 Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos Add-on responsável pela integração do SAP Business One e diversas prefeituras para emissão de notas fiscais de serviços

Leia mais

CONVÊNIO DE CHEQUE. Intercâmbio Eletrônico de Arquivos. Layout de Arquivos CNAB240 Remessa Versão 04.2 Retorno Versão 07.1

CONVÊNIO DE CHEQUE. Intercâmbio Eletrônico de Arquivos. Layout de Arquivos CNAB240 Remessa Versão 04.2 Retorno Versão 07.1 CONVÊNIO DE CHEQUE Intercâmbio Eletrônico de Arquivos Layout de Arquivos CNAB240 Remessa Versão 04.2 Retorno Versão 07.1 Índice 1. Noções Básicas... 3 1.1 Apresentação... 3 2. Informações Técnicas... 4

Leia mais

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO Envio de Remessas Online BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO webshipping.dhl.com ACESSE O DHL WEB SHIPPING DE QUALQUER LUGAR DO MUNDO. Ideal para qualquer empresa com acesso à internet, o DHL Web

Leia mais

AMAZÔNIA COBRANÇA FÁCIL (CNR) Manual de Cobrança Não Registrada

AMAZÔNIA COBRANÇA FÁCIL (CNR) Manual de Cobrança Não Registrada Manual de operação AMAZÔNIA COBRANÇA FÁCIL (CNR) Manual de Cobrança Não Registrada Objetivo Orientar as empresas com relação ao fluxo operacional e funcional da Carteira de Cobrança Não Registrada: manual

Leia mais

Termo e condições de prestação de serviço Correios Encomenda Pré-Paga via Internet

Termo e condições de prestação de serviço Correios Encomenda Pré-Paga via Internet Termo e condições de prestação de serviço Correios Encomenda Pré-Paga via Internet Leia atentamente antes da aceitação e utilização do serviço. 1. SERVIÇO Correios Encomenda Pré-paga via Internet é o serviço

Leia mais

Lenke e Meitech é um grupo de empresas especializadas em fornecer equipamentos e sistemas para a indústria de alimentos.

Lenke e Meitech é um grupo de empresas especializadas em fornecer equipamentos e sistemas para a indústria de alimentos. Lenke e Meitech é um grupo de empresas especializadas em fornecer equipamentos e sistemas para a indústria de alimentos. Atuando a mais de 10 anos no mercado brasileiro, com o apoio de profissionais experientes,

Leia mais

Manual do usuário SIACC CAIXA Programado 1

Manual do usuário SIACC CAIXA Programado 1 Manual do usuário SIACC CAIXA Programado 1 Índice ACESSO AO SISTEMA CAIXA PROGRAMADO PELA PRIMEIRA VEZ... 6 CONFIGURAÇÕES NECESSÁRIAS PARA ACESSAR O SISTEMA... 6 TELA DE ACESSO AO SISTEMA CAIXA PROGRAMADO...

Leia mais

Documentação de Controle de Acesso Descrição das opções disponíveis

Documentação de Controle de Acesso Descrição das opções disponíveis Módulo Cadastro SIGLA Digital Relação de Controles de Acesso Página 1 de 22 Documentação de Controle de Acesso Descrição das opções disponíveis Agenda Telefônica Cadastro simplificado de telefones. Tem

Leia mais

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE GERAÇÃO DE BOLETOS BRADESCO NO FINANCE 2 Índice Como gerar Boleto Bancário pelo Bradesco... 3 Como gerar os arquivos de Remessa para o Banco pelo Finance... 14 Como enviar

Leia mais

5.564 cidades atendidas. 54 mil pontos de atendimento

5.564 cidades atendidas. 54 mil pontos de atendimento BOM DIA! Quem somos? 5.564 cidades atendidas 54 mil pontos de atendimento Distribuição diária: 50 mil carteiros que atendem 44 milhões de domicílios Maior rede logística intermodal do país: 2,6 milhões

Leia mais

Cédula de Crédito. Versão 28.03.2011

Cédula de Crédito. Versão 28.03.2011 Cédula de Crédito Versão 28.03.2011 1 O Sistema Cédula de Crédito é um aplicativo desenvolvido pelo Banco Intermedium, com o objetivo de consolidar os dados cadastrais da empresa e movimentação de títulos

Leia mais

MANUAL CADASTRAMENTO SITE EXPORTA FÁCIL PRÉ-POSTAGEM NÃO-DOCUMENTO

MANUAL CADASTRAMENTO SITE EXPORTA FÁCIL PRÉ-POSTAGEM NÃO-DOCUMENTO MANUAL CADASTRAMENTO SITE EXPORTA FÁCIL PRÉ-POSTAGEM NÃO-DOCUMENTO Brasília 2016 CADASTRO PRÉ-POSTAGEM O Exporta Fácil é uma linha de serviços destinada a pessoas jurídicas ou físicas que desejam expandir

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Instalação do certificado digital Para cada empresa certificadora existe um manual de instalação. Antes de emitir o certificado no cliente, leia atentamente as instruções do manual.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA TROCA DE INFORMAÇO ES 1.2

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA TROCA DE INFORMAÇO ES 1.2 MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA TROCA DE INFORMAÇO ES 1.2 SUMA RIO 1.1 PRIMEIROS PASSOS... 3 1.2 FUNCIONALIDADE DO SISTEMA CENTERCOB... 4 1.3 ARQUIVOS... 5 1.4 LAYOUT PADRÃO DOS ARQUIVOS DE CADASTRO / ALTERAÇÕES

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO SEDEX 10

TERMO E CONDIÇÕES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO SEDEX 10 1. SERVIÇO SEDEX 10 é o serviço de remessa expressa de documentos e mercadorias com entrega garantida até às 10 horas do dia útil seguinte ao da postagem. 1.1. O serviço SEDEX 10 possui os seguintes serviços

Leia mais

Manual de Operação. SCP Sistema de Controle de Pesagem

Manual de Operação. SCP Sistema de Controle de Pesagem SCP Sistema de Controle de Pesagem Fábrica, Administração, Vendas, Locação e Assistência Técnica. Fone/Fax: 41 3377 1577 Rua O Brasil para Cristo, 364 Boqueirão CEP 81650 110 CURITIBA PR comercial@digitronbalancas.com.br

Leia mais

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 Conteúdo 1 - O que é o Conectividade Social? 03 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 3 - O que é necessário para instalar o Conectividade Social?.... 05 4 - Como faço para executar

Leia mais

GUIA SIMPLIFICADO. Sistema de Gestão Direto

GUIA SIMPLIFICADO. Sistema de Gestão Direto GUIA SIMPLIFICADO Sistema de Gestão Direto Publicado por: Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Vice-Presidência de Negócios - VINEG Departamento de Produtos de Comunicação DEPRO Gerência Corporativa

Leia mais

Introdução. Servidor de Tempo (SNTP) com opção de horário de verão automático; 1 Cadastro do novo modelo de equipamento Urano Topmax SS

Introdução. Servidor de Tempo (SNTP) com opção de horário de verão automático; 1 Cadastro do novo modelo de equipamento Urano Topmax SS Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Guia de Novas Funcionalidades Urano Integra 2.3 Data: 15/04/2015

Leia mais

MANUAL SCCARD. Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19

MANUAL SCCARD. Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19 Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19 UNIMED BLUMENAU COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO SCCard Sistema de Autorização On-Line O SCCard é a interface web do sistema de autorização da Unimed Blumenau

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E VENDA DE PRODUTOS A ÓRGÃO PÚBLICO, QUE ENTRE SI FAZEM PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS E A EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS. CONTRATANTE: Razão Social: PREFEITURA

Leia mais

Reduza o custo das caixas e simplifique os processos de produção de laticínios

Reduza o custo das caixas e simplifique os processos de produção de laticínios Nota técnica Reduza o custo das caixas e simplifique os processos de produção de laticínios Com a impressão sob demanda, é possível reduzir a complexidade de SKUs e aumentar a eficiência operacional Simplifique

Leia mais

9. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU UTILITÁRIOS...2

9. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU UTILITÁRIOS...2 1 9. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU UTILITÁRIOS...2 9.1 Cópia de Segurança (Backup)...2 9.1.a Adicionar ou Remover Empresas da Lista... 2 9.1.b Empresas Cadastradas no Sistema... 2 9.1.c Inserir uma Empresa...

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

Luiz Turolla. Consultor Comercial

Luiz Turolla. Consultor Comercial Luiz Turolla Consultor Comercial O Tripé do e-commerce Loja Virtual Cadeia Logística Entrega e-commerce Cliente Envio Montagem Lojista Encomenda Pacote Pedido Sua loja conectada aos Correios Serviços e

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual do Consumidor

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual do Consumidor GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA Nota Fiscal Paulista Manual do Consumidor Versão 1.2 28/12/2007 Índice Analítico 1. Considerações Gerais 2 1.1 Definição 2 1.2

Leia mais

Treinamento Módulo Contas a Pagar

Treinamento Módulo Contas a Pagar Contas a Pagar Todas as telas de cadastro também são telas de consultas futuras, portanto sempre que alterar alguma informação clique em Gravar ou pressione F2. Teclas de atalho: Tecla F2 Gravar Tecla

Leia mais

Portaria COORDENADOR DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - CAT nº 130 de 01.07.2009

Portaria COORDENADOR DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - CAT nº 130 de 01.07.2009 Portaria COORDENADOR DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - CAT nº 130 de 01.07.2009 DOE-SP: 02.07.2009 Altera a Portaria CAT-55/98, de 14-7- 1998, que dispõe sobre o uso, credenciamento e demais procedimentos

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO O Sistema Cédula de Crédito é um aplicativo desenvolvido pelo Banco Intermedium, com o objetivo de consolidar os dados cadastrais da empresa e movimentação de títulos em cobrança.

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIAS E ENDEREÇAMENTO NO ÂMBITO DA UFG

ORIENTAÇÃO PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIAS E ENDEREÇAMENTO NO ÂMBITO DA UFG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CENTRO DE INFORMAÇÃO, DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO ORIENTAÇÃO PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIAS E ENDEREÇAMENTO NO

Leia mais

Webinar Pergunte ao especialista.

Webinar Pergunte ao especialista. Webinar Pergunte ao especialista. Código de Barras: Entenda, crie e gerencie a identificação do seu produto. Edson Matos 26/02/2015 Padrões GS1 que serão abordados Webinar Para fazer perguntas coloque:

Leia mais

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE 5 passos para implementação do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE O que é o código de Barras? Os números de identificação de um produto podem ser representados por meio de um código, possibilitando

Leia mais