Avaliação das Habilidades Sociais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação das Habilidades Sociais"

Transcrição

1

2 Avaliação das Habilidades Sociais Atualmente- espera-se que pessoas apresentem nos + variados contextos de interação humana desempenhos sociais aceitáveis e + elaborados. Habilidades sociais (HS) - essenciais para processos de ajustamento social dos indivíduos, portadores ou não de necessidades educativas especiais. Últimas décadas- HS têm obtido um importante papel no estudo de pessoas com distúrbios de aprendizagem e de desenvolvimento, a tal ponto que definição de distúrbios de aprendizagem inclui, além da inteligência prática e conceitual, as dificuldades nas interações sociais (Greenspan & Granfield, 1992). Dificuldades nos desempenhos sociais experimentadas por indivíduos com distúrbios de aprendizagem ou de desenvolvimento- geralmente associadas com déficits em HS.

3 Síndrome de Down Síndrome de Down - aberração cromossômica que constitui uma das principais causas da deficiência mental de origem pré-natal. Várias fontes expressam que indivíduos com síndrome de Down são: dóceis, alegres, bem humorados o que facilitaria o seu ajustamento ao lar (Glat & Kadlec, 1984; Kaplan et al., 1997) cooperativos, além de sociáveis, amistosos, simpáticos (Dykens, Hodapp & Finucane, 2000).

4 Síndrome de Down Outro estudo- crianças pré-escolares com síndrome de Down - descritas como sendo: birrentas, agitadas e também irritadas (Pereira-Silva, 2000). Desatenção, teimosia e desobediência - problemas de comportamento comuns em indivíduos com síndrome de Down (Cuskelly & Dadds, 1992; Dykens, Shah, Sagun, Beck & King, 2002). Na adolescência- indivíduos com síndrome de Down frequentemente experimentam dificuldades em estabelecer / manter relações com amigos na escola e figuras de autoridade (Soresi & Nota, 2000).

5 Avaliação das Habilidades Sociais de Adolescentes com Síndrome de Down Poder-se-ia pensar que suposta docilidade, afeição e cooperação interpessoal atribuídas aos portadores da síndrome, poderiam ser consideradas como respostas de concordância e submissão às exigências e solicitações do meio, moldadas por condições de aprendizagem específicas.

6 Avaliação das Habilidades Sociais de Adolescentes com Síndrome de Down Dessa perspectiva teórica, emerge uma questão importante: Supondo que indivíduos com síndrome de Down apresentem uma tendência à sociabilidade, com comportamentos prósociais bem consistentes, eles teriam igualmente respostas de enfrentamento para estabelecer interações de maior equilíbrio no cotidiano?

7 Participantes: 10 adolescentes com síndrome de Down, na faixa etária de 12 a 17 anos, com o intuito de tornar mais homogêneas as características de desenvolvimento dos integrantes, após consentimento obtido junto à direção de 3 instituições de ensino, na qual se encontravam regularmente matriculados, e aos pais dos mesmos, depois de serem apresentados os principais objetivos e procedimentos do estudo.

8 Participantes

9 Procedimento: Para levantamento das HS constantes no repertório de interação social dos sujeitos, foram efetuadas 07 sessões de filmagens para cada participante em diversas situações naturais e 02, em situações estruturadas. Observações diretas em situações naturais: (a) durante as atividades didáticas em sala de aula; (b) almoço ou lanche, dependendo da instituição em questão; (c) intervalo; (d) aula de educação física; (e) dança; (f) brinquedoteca.

10 Procedimento: 02 situações estruturadas: o reação à retirada provisória do almoço ou lanche do participante; o respostas ao não ser contemplado na distribuição de doces para todos os alunos. Essas situações foram usadas para verificar ocorrência de prováveis desempenhos sociais específicos, visando a caracterizar o estilo interpessoal dos participantes em assertivo, passivo ou agressivo.

11

12 RESULTADOS Classes de Habilidades Sociais exibidas pelos Participantes Variabilidade das HS

13 Respostas pró-ativas x reativas

14 Habilidades pró-sociais x enfrentamento Verificou-se que existe relação forte (p < 0,01) entre respostas pró-ativas e de enfrentamento apresentadas pelos participantes, indicando que quanto + freqüente uso de respostas pró-ativas pelos indivíduos, + freqüente será uso de suas habilidades de enfrentamento.

15 Habilidades pró-sociais x enfrentamento

16 Habilidades pró-sociais x enfrentamento Não foi encontrada relação significativa (p = 0,564) entre comportamentos pró-sociais e respostas de enfrentamento demonstradas pelos participantes, apontando para independência funcional entre estas 2 classes de comportamentos em relação às demandas do ambiente.

17 Situações estruturadas 02 participantes (Larissa e Eduardo) - desempenho de enfrentamento para 02 situações, pedindo comestível para professora ou diretora (discordando das situações geradas e defendendo seus próprios direitos); 06 deles (Júlia, Rogério, Leandra, Bernardo, Luan e Gustavo) - resposta passiva para ambas (apresentando concordância às situações, e não defendendo seus direitos); 02 (Bruno e Patrícia, respectivamente) permutaram entre responder assertivo e passivo, variabilidade esta que pode ser explicada pela efetividade do reforço para desempenho de cada um deles.

18 Concordância entre perfil social dos participantes e relatos dos pais Perfil de Eduardo demonstrar um nº. de habilidades bem distribuído entre diversas classes observadas pode encontrar correspondência nos seguintes fatores ou ações presentes na sua educação em casa: a) imposição de limites pelos pais, prática essencial na educação de filhos; b) pais conversarem com ele, o que pode tanto oferecer modelos apropriados de conversação a ele, quanto favorecer a instalação de novos repertórios verbais; c) incentivo que recebeu, desde cedo, dos pais para iniciar contato com outras crianças, facilitando assim a sua sociabilidade; d) preservação e importância atribuída pelos pais à convivência familiar, que podem tanto favorecer quanto maximizar repertórios de interação social; e) passeios constantes que realizam com o filho; f) esforço dos pais para que ele se sinta bem e seja aceito pela sociedade.

19 Concordância entre perfil social dos participantes e relatos dos pais Patrícia demonstrou um bom nº. de habilidades empáticas, o que pode ser atribuído à prática dos pais de ensinarem os filhos a: tratar bem os outros, repartir as coisas, ajudar o próximo.

20 Concordância entre perfil social dos participantes e relatos dos pais Luan apresentou uma freqüência > de respostas reativas ao ambiente no seu repertório e a sua mãe o caracterizou como sendo muito tímido. Pode-se afirmar que estes dados encontram justificativa plausível na sua história e dinâmica familiar, apresentada a seguir: a) havia carência de um clima mais interativo entre Luan e mãe, que não conversava muito com ele e, portanto, não estimulava e tampouco lhe oferecia modelos apropriados de conversação; b) com 4 ou 5 anos, a mãe permitiu que brincasse com vizinhos que jogavam areia na sua cabeça, cuspiam, atiravam pedra nele e lhe puxavam os cabelos, tornando seu contato social com outras crianças como algo aversivo e favorecendo seu retraimento;

21 Concordância entre perfil social dos participantes e relatos dos pais (Luan) c) na sua infância, pais não incentivaram o contato dele com outras crianças; d) quando entrou na escola, meninos também o mordiam, arranhavam-no e rasgavam sua roupa; e) pais trabalhavam muito e não tinham tempo para brincar ou conversar com ele. Por causa do modo de vida que levavam, nem olhavam para ele; f) ao nascer, foi rejeitado pelo pai que dizia que iria jogá-lo no chão, que iria matá-lo; g) em casa, ficava muito assistindo televisão, não possuindo outra forma de lazer ( saindo da televisão, ele não tem mais o que fazer diz a mãe); h) o irmão de 23 anos sempre teve vergonha dele, não permitindo que o acompanhasse aos lugares que ia, e vivia querendo rebaixá-lo dizendo: Você é um bobão! ou Você é de nada!.

22 Concordância entre perfil social dos participantes e relatos dos pais Bruno - um dos participantes que apresentou uma freqüência > de hab. assertivas de enfrentamento em comparação com os demais e uma porcentagem > de respostas pró-ativas, o que encontra conformidade com as seguintes informações prestadas pelos pais: a) ele não precisou de incentivo para estabelecer contato com outras crianças, o que fazia espontaneamente desde os quatro anos de idade em função da abertura concedida por eles; b) os pais lhe ensinavam a se defender de acusações injustas quando as crianças faziam coisas erradas e o culpavam; c) sabia mediar conflitos em casa (quando as coisas não estão bem entre os pais, quer saber o por quê, perguntando O que foi pai? ou O que foi mãe?, e pedia para que eles não fiquem bravos um com o outro).

23 Conclusões Práticas educativas podem favorecer tanto desenvolvimento de comportamentos pró-sociais e/ou habilidades de enfrentamento, como de respostas pró-ativas e/ou reativas ao ambiente, dependendo da freqüência e intensidade que os pais utilizem determinadas estratégias educativas com seus filhos. Aprendizagem das HS depende muito do ambiente no qual indivíduos estão inseridos e, principalmente, do ambiente familiar e escolar, não existindo, portanto, um limite exato para o seu desenvolvimento social.

24 Conclusões Limitações existem em qualquer indivíduo, o que não significa que ele não possa ser um sujeito participativo e capaz de aprender. Todo indivíduo possui capacidades reais de desenvolver seu conhecimento, cabendo ao educador elaborar estratégias que viabilizem esse desenvolvimento (Santos, Souza, Alves & Gonzaga, 2002). Neste sentido, como defendido por Skinner (1953/2003), se soubermos que um indivíduo tem certas limitações inerentes a sua constituição genética, apenas poderemos usar + inteligentemente nossas técnicas de ensino em resposta a elas ao passo que não podemos alterar o fator genético.

25 Referências Cuskelly, M., & Dadds, M. (1992). Behavioural problems in children with Down s syndrome and their siblings. Journal of Child Psychology & Psychiatry & Allied Disciplines, 33(4), Dykens, E. M., Hodapp, R. M., & Finucane, B. M. (2000) Genetics and mental retardation syndromes: a new look at behavior and interventions. Paul H. Brookes, Baltimore, MD. Dykens, E. M., Shah, B., Sagun, J., Beck, T., & King, B. Y. (2002). Maladaptive behavior and psychiatric disorders in persons with Down s syndrome. Journal of Intellectual Disabilities Research, 46(6), Glat, R., & Kadlec, V. P. S. (1984). A criança e suas deficiências: Métodos e técnicas de atuação psicopedagógica. Rio de Janeiro: Agir. Greenspan, S. & Granfield, J.M. (1992). Reconsidering the construct of mental retardation: Implication of model of social competence. American Journal on Mental Retardation, 96,

26 Referências Kaplan, H. I., Sadock, B. J., & Grebb, J. A. (1997). Retardo mental. In Compêndio de psiquiatria: Ciências do comportamento e psiquiatria clínica. (pp ). 7a ed., Porto Alegre: Artes Médicas. Pereira-Silva, N. L. (2000). Crianças pré-escolares com síndrome de Down e suas interações familiares. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília. Santos, M. P., Souza, L. P. F., Alves, R. V., & Gonzaga, S. A. (2002). Educação especial: Redefinir ou Continuar Excluindo? Integração (pp ). Ministério da educação. Secretaria de Educação Especial, Ano 14, nº 24/2002. Skinner, B. F. (2003). Ciência e comportamento humano (J. C. Todorov & R. Azzi, trads.). 11a ed., São Paulo: Martins Fontes. (Original published in 1953). Soresi, S. & Nota, L. (2000). A Social Skill Training for Persons with Down s Syndrome. European Psychologist, 5(1),

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

ESTUDO DESCRITIVO DO REPERTÓRIO DE HABILIDADES SOCIAIS DE ADOLESCENTES COM SÍNDROME DE DOWN

ESTUDO DESCRITIVO DO REPERTÓRIO DE HABILIDADES SOCIAIS DE ADOLESCENTES COM SÍNDROME DE DOWN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ESTUDO DESCRITIVO DO REPERTÓRIO DE HABILIDADES SOCIAIS DE ADOLESCENTES COM SÍNDROME

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças Choques Econômicos dos últimos anos Filhos do Downsizing Geração X Foco na carreira e no seu processo de desenvolvimento profissional. Síndrome de

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR DE UMA ALUNA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: ESTUDO DE CASO

INCLUSÃO ESCOLAR DE UMA ALUNA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: ESTUDO DE CASO INCLUSÃO ESCOLAR DE UMA ALUNA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: ESTUDO DE CASO CARLA FERNANDA SIQUEIRA carlauerj@hotmail.com UERJ SUZANLI ESTEF suzanli_estef@hotmai.com UERJ PATRÍCIA MACEDO patriciacardosomacedo@gmail.com

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DÉFICITI COGNITIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO TRABALHO DOCENTE EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DÉFICITI COGNITIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO TRABALHO DOCENTE EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DÉFICITI COGNITIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO TRABALHO DOCENTE EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Resumo Cíntia Aline Schlindweis Iop 1 UFSM Denise Ferreira da Rosa 2 UFSM Martiéli de Souza

Leia mais

DEFICIÊNCIA MENTAL LEVE: ASPECTOS EDUCACIONAIS E SOCIOFAMILIARES. FERNANDES, Elizabeti C. Pires*. AGUIAR, Oscar Xavier de** RESUMO ABSTRACT

DEFICIÊNCIA MENTAL LEVE: ASPECTOS EDUCACIONAIS E SOCIOFAMILIARES. FERNANDES, Elizabeti C. Pires*. AGUIAR, Oscar Xavier de** RESUMO ABSTRACT DEFICIÊNCIA MENTAL LEVE: ASPECTOS EDUCACIONAIS E SOCIOFAMILIARES. FERNANDES, Elizabeti C. Pires*. AGUIAR, Oscar Xavier de** RESUMO Este estudo tem como objetivo refletir, sobre a deficiência mental leve,

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Deficiência intelectual De acordo com o Decreto nº 5.296, a deficiência mental, atualmente denominada deficiência intelectual, refere-se ao

Leia mais

comportamento que pode ser observado em crianças e pré-adolescentes, gerando grande estresse

comportamento que pode ser observado em crianças e pré-adolescentes, gerando grande estresse Recusa Escolar M.A.M. 1 RECUSA ESCOLAR: Por que algumas crianças não querem ficar na escola? Embora não seja formalmente caracterizada como uma síndrome, recusa escolar é um comportamento que pode ser

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES NA REDUÇÃO DE COMPORTAMENTOS INADEQUADOS EM ALUNOS DO ENSINO REGULAR ATRAVÉS DE TREINAMENTO EM ANÁLISE DO COMPORTAMENTO.

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES NA REDUÇÃO DE COMPORTAMENTOS INADEQUADOS EM ALUNOS DO ENSINO REGULAR ATRAVÉS DE TREINAMENTO EM ANÁLISE DO COMPORTAMENTO. CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES NA REDUÇÃO DE COMPORTAMENTOS INADEQUADOS EM ALUNOS DO ENSINO REGULAR ATRAVÉS DE TREINAMENTO EM ANÁLISE DO COMPORTAMENTO. Silvia Aparecida Fornazari, Marcos Aníbal Tardin Torresani,

Leia mais

Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva. 11/7/2009 Adaptações Curriculares - Prof. Dorival Rosa Brito

Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva. 11/7/2009 Adaptações Curriculares - Prof. Dorival Rosa Brito Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva 1 Abordagem tradicional -Focalização do aluno -Avaliação do aluno por especialistas -Resultados da avaliação traduzidos em diagnóstico/prescrição Abordagem

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL

EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL Camila Graciella Santos Gomes Universidade Federal de São

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares.

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares. NOSSA META Que todos os alunos entendam todas as nossas aulas! TUDO GIRA EM TORNO DA AULA COMO? Aula bem proposta (autor) Aula bem preparada (professor) Aula bem dada (professor) Aula bem assistida (aluno)

Leia mais

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 1 PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 Cintia Taiza Klein 2 Patrícia Luiza Klein Santos 3 Marilete Staub 4 Jair André Turcatto 5 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho busca apresentar algumas atividades e vivências desenvolvidas

Leia mais

RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO)

RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO) RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO) HOFMANN *, Ana Paula - PUCPR aninhahofmann@gmail.com Resumo Os portadores de necessidades especiais

Leia mais

Inclusão social de um paciente com déficit intelectual moderado por meio de repertório verbal

Inclusão social de um paciente com déficit intelectual moderado por meio de repertório verbal Seção Livre Inclusão social de um paciente com déficit intelectual moderado por meio de repertório verbal Desordens alimentares no desporto: situação atual e perspectivas futuras no estudo dos fatores

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Aprendendo através de uma experiência que não foi como o que se esperava.

Aprendendo através de uma experiência que não foi como o que se esperava. Aprendendo através de uma experiência que não foi como o que se esperava. Laila Cristina Cezar Rezende (UFRJ / FE) Eixo Temático: A idéia parecia boa, mas não deu muito certo. Da próxima vez... Resumo

Leia mais

Uma cura para a síndrome de Down: o que os pais querem?

Uma cura para a síndrome de Down: o que os pais querem? Uma cura para a síndrome de Down: o que os pais querem? Catriona Hippman, MSc, Conselheira Genética Certificada Professora Clínica Assistente, Universidade British Columbia,Department o de Psiquiatria,

Leia mais

Relações Humanas e Marketing Pessoal

Relações Humanas e Marketing Pessoal Relações Humanas e Marketing Pessoal Realização: Projeto Ser Tão Paraibano Parceiros: Elaboração: Deusilandia Soares Professor-Orientador: Vorster Queiroga Alves PRINCÍPIOS DE RELAÇÕES HUMANAS Em qualquer

Leia mais

Teste a sua Resiliência

Teste a sua Resiliência Teste a sua Resiliência Faça o teste abaixo e descubra o seu grau de resiliência: De acordo com as perguntas abaixo coloque no quadrado em branco os seguintes números abaixo. 3 - Sempre 2 - Frequentemente

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL DIVONETE BITTENCOURT dbittencourt2009@hotmail.com ALINE PAULA MALHERBI CRISTIANE PERSZEL Orientador(ª) Prof(ª) ROSELI VIOLA RODRIGUES

Leia mais

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL 1003 ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL Cristina Angélica Aquino de Carvalho Mascaro Carla Fernanda Siqueira Vanessa Cabral Amanda Carlou Andrade Santos Fundação

Leia mais

Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA)

Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA) Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA) Caraterização Conclusões Não olha nos olhos, balança o corpo num movimento repetitivo, comunica pouco ou

Leia mais

Karina Polezel de Sales kpolezel@yahoo.com.br Janete Costa da Silva Maia jarovil@yahoo.com.br Prefeitura Municipal de Rio Claro/ SP.

Karina Polezel de Sales kpolezel@yahoo.com.br Janete Costa da Silva Maia jarovil@yahoo.com.br Prefeitura Municipal de Rio Claro/ SP. RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM OLHAR SOBRE A CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NAS ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM UMA ESCOLA DA PERIFERIA DE RIO CLARO NO ESTADO DE SÃO PAULO. Karina Polezel de Sales kpolezel@yahoo.com.br

Leia mais

Aos 4 anos. Desenvolvimento Psicológico. i dos Pais

Aos 4 anos. Desenvolvimento Psicológico. i dos Pais i dos Pais Aos 4 anos Aos 4 anos de idade várias competencias intelectuais e emocionais surgem mais integradas dando à criança um acréscimo de autonomia e iniciativa no contexto das relações com os adultos

Leia mais

A compreensão da Educação Física em uma escola rural do Distrito Federal: uma

A compreensão da Educação Física em uma escola rural do Distrito Federal: uma 1 A compreensão da Educação Física em uma escola rural do Distrito Federal: uma experiência a partir do PIBID O presente trabalho tem o objetivo de apresentar de que forma as aulas de Educação Física tem

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA

ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA Dr. Márcio Borges Moreira Instituto de Educação Superior de Brasília Instituto Walden4 Conceitos Básicos Reforço Comportamento Consequência Punição

Leia mais

GRUPO DE PRODUÇÃO TEMÁTICA EM SAÚDE MENTAL / GPT-SM

GRUPO DE PRODUÇÃO TEMÁTICA EM SAÚDE MENTAL / GPT-SM GRUPO DE PRODUÇÃO TEMÁTICA EM SAÚDE MENTAL / GPT-SM Organizadora: Ana Marta Lobosque Material produzido a partir da Linha Guia de Saúde Mental da SES-MG revisado em Julho/09 OFICINAS PARA CONSELHEIROS

Leia mais

ADAPTAÇÃO CURRICULAR INDIVIDUALIZADA DE ALUNOS DISLÉXICOS EM ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE ESTEIO/RS

ADAPTAÇÃO CURRICULAR INDIVIDUALIZADA DE ALUNOS DISLÉXICOS EM ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE ESTEIO/RS 644 IV Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS ADAPTAÇÃO CURRICULAR INDIVIDUALIZADA DE ALUNOS DISLÉXICOS EM ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE ESTEIO/RS Aluna: Neuza Barbosa Michel,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LARISSA LACHI TALAMINI ASPECTOS NEUROPSIQUIÁTRICOS NA SÍNDROME DE DOWN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LARISSA LACHI TALAMINI ASPECTOS NEUROPSIQUIÁTRICOS NA SÍNDROME DE DOWN UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LARISSA LACHI TALAMINI ASPECTOS NEUROPSIQUIÁTRICOS NA SÍNDROME DE DOWN Curitiba 2012 LARISSA LACHI TALAMINI ASPECTOS NEUROPSIQUIÁTRICOS NA SÍNDROME DE DOWN Projeto de pesquisa

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

IBE. A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador 300. A arte de contar histórias 200. A arte de escrever bem 180. A arte na educação 180

IBE. A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador 300. A arte de contar histórias 200. A arte de escrever bem 180. A arte na educação 180 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador

Leia mais

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies Psicologia: Teoria e Pesquisa Out-Dez 2010, Vol. 26 n. 4, pp. 729-737 Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1 Camila Graciella Santos Gomes André Augusto Borges Varella

Leia mais

Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio

Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio Grande do Sul Eixo Temático: Autismo Introdução: O autismo

Leia mais

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência www.comportamentoinfantil.com EPIDEMILOGIA 10-20% da população infanto-juvenil (AACAP 2002) Blumenau 61.600 matrículas (IBGE 2008) 6.160 estudantes???

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO ADVOGADO NOBEL VITA BRINCANDO COM A MATEMÁTICA

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO ADVOGADO NOBEL VITA BRINCANDO COM A MATEMÁTICA ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO ADVOGADO NOBEL VITA BRINCANDO COM A MATEMÁTICA MAXSUEL GONÇALVES DE OLIVEIRA COREMAS PB 2011 SUMÁRIO 1 Introdução...3

Leia mais

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações No Capítulo 5 da História do Pequeno Reino Uma verdadeira confusão toma conta do castelo, depois que a Rainha cochila. Ao acordar,

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA: ADAPTAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR PARA O ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

ORIENTAÇÃO TÉCNICA: ADAPTAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR PARA O ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL ORIENTAÇÃO TÉCNICA: ADAPTAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR PARA O ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL EDUCAÇÃO ESPECIAL LDB 9394/96 art. 58 Entende-se por educação especial, para os efeitos desta Lei, a modalidade

Leia mais

TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO/HIPERATIVIDADE (TDAH) Tania Zagury Filósofa, Mestre em Educação e Escritora

TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO/HIPERATIVIDADE (TDAH) Tania Zagury Filósofa, Mestre em Educação e Escritora Page 1 of 5 Assinatura Fale Conosco Busca: MATÉRIAS ESPECIAIS LETRAS E TINTAS Lendo e aprendendo O livro da vez Dicas de leitura Pintando o 7 Músicas PEDAGOGIA A fala do mestre... Professor Construir Espaço

Leia mais

INTRODUÇÃO Anais, 2008

INTRODUÇÃO Anais, 2008 ESCOLA INCLUSIVA: O PAPEL DE COLEGAS E PROFESSORES NA CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO Daniela Cristina Zampieri; Daniele de Paula Souza; Maria Inês Bacellar Monteiro INTRODUÇÃO A inclusão escolar de alunos com

Leia mais

CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1

CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1 CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1 CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 2 1 2 3 VISITEM A ESCOLA DE SEUS FILHOS SEMPRE QUE PUDEREM. CONVERSEM COM OS PROFESSORES. PERGUNTEM

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ALUNOS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ATENDIDOS NO PROJETO EDUCAÇÃO ESPECIAL: ATIVIDADES DE EXTENSÃO, PESQUISA E ENSINO AUTORES: Luis Henrique de Freitas Calabresi, Maria da Piedade Resende da

Leia mais

Avaliação do clima na escola

Avaliação do clima na escola Avaliação do clima na escola INSTRUÇÕES INICIAIS PARA O GESTOR: Avise que a pesquisa para avaliar o clima da escola é anônima. Não será preciso colocar nome, apenas identificar a qual segmento da comunidade

Leia mais

Resumo: Autismo. Intervenções Comportamentais para Crianças com Autismo

Resumo: Autismo. Intervenções Comportamentais para Crianças com Autismo Intervenções Comportamentais para Crianças com Autismo -D Diretor, Programa ASSERT Professor, Departamento de Educação Especial e Reabilitação Utah State University Professor Visitante/Pesquisador Associado

Leia mais

JOVENS COM PARALISIA CEREBRAL: AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES SOCIAIS ATRAVÉS DA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA

JOVENS COM PARALISIA CEREBRAL: AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES SOCIAIS ATRAVÉS DA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA JOVENS COM PARALISIA CEREBRAL: AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES SOCIAIS ATRAVÉS DA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Patricia Lorena (Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial, Universidade do Estado

Leia mais

Motivação para a Atividade Física na Escola

Motivação para a Atividade Física na Escola 11 Motivação para a Atividade Física na Escola Renata Serra Sequeira Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida - UNICAMP Estela Marina Alves Boccaletto Mestre em Educação Física - UNICAMP Ana

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR: O PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DE EGRESSO DE ESCOLA ESPECIAL MARCADO PELA TENTATIVA DE RETORNO APÓS INCLUSÃO NO ENSINO COMUM

INCLUSÃO ESCOLAR: O PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DE EGRESSO DE ESCOLA ESPECIAL MARCADO PELA TENTATIVA DE RETORNO APÓS INCLUSÃO NO ENSINO COMUM INCLUSÃO ESCOLAR: O PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DE EGRESSO DE ESCOLA ESPECIAL MARCADO PELA TENTATIVA DE RETORNO APÓS INCLUSÃO NO ENSINO COMUM Anderson Borges de Santana 1 ; Tatiana Platzer do Amaral 2 Estudante

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSO PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ( ) PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ( ) PROJETO DE PESQUISA ( )

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSO PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ( ) PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ( ) PROJETO DE PESQUISA ( ) DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSO PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ( ) PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ( ) PROJETO DE PESQUISA ( ) PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmico ( X ); Social ( ) PROJETO DE

Leia mais

BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL

BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL DIONISIO, Amanda Luziêk Alves¹ FRANCA, Annyelle Santos² CAVALCANTE, Cindy Bianca Soares² ARAÚJO, Clarice Ribeiro Soares³

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

PERTURBAÇÃO DE HIPERATIVIDADE E DÉFICE DE ATENÇÃO(PHDA)

PERTURBAÇÃO DE HIPERATIVIDADE E DÉFICE DE ATENÇÃO(PHDA) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola EB 2,3/ES de São Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial 3º ano Ano Letivo: 2013/2014 Psicopatologia Geral PERTURBAÇÃO DE HIPERATIVIDADE

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Centro Educativo Passionista Maria José

Mostra de Projetos 2011. Centro Educativo Passionista Maria José Mostra de Projetos 2011 Centro Educativo Passionista Maria José Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO

OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO SANTOS, Fernanda Costa 1 PEREIRA, Bruna Kely da Silva 2 CANEDO, Samara Rodrigues

Leia mais

A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR.

A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR. A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR. Autores: FRANCISCO MACHADO GOUVEIA LINS NETO e CELIA MARIA MARTINS DE SOUZA Introdução Atualmente,

Leia mais

Guia dos Pais: escolhendo uma escola de educação infantil de qualidade

Guia dos Pais: escolhendo uma escola de educação infantil de qualidade Guia dos Pais: escolhendo uma escola de educação infantil de qualidade ESCOLHENDO UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE QUALIDADE Escolher a escola de educação infantil adequada para seu filho é uma importante

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO

VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO Mônica Barcellos Café Psicóloga na Aldeia Juvenil PUC Goiás Movimento de Meninos e Meninas de Rua de Goiás VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Todo ato ou omissão praticado

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

ME DEIXA CRESCER! SOU DIFERENTE, E DAÍ? CASO

ME DEIXA CRESCER! SOU DIFERENTE, E DAÍ? CASO ME DEIXA CRESCER! SOU DIFERENTE, E DAÍ? CASO PARTE 1 D. Ruth procurou o agente comunitário Fábio, preocupada com a mudança de comportamento do filho de 16 anos, que tem síndrome de Down. Ela observou que

Leia mais

EDUCAÇÃO COMO INICIATIVA DE TRANSFORMAÇÃO NO TRABALHO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA CASA DE RESGATE NO MUNICIPIO DE COARI-AM

EDUCAÇÃO COMO INICIATIVA DE TRANSFORMAÇÃO NO TRABALHO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA CASA DE RESGATE NO MUNICIPIO DE COARI-AM EDUCAÇÃO COMO INICIATIVA DE TRANSFORMAÇÃO NO TRABALHO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA CASA DE RESGATE NO MUNICIPIO DE COARI-AM RESUMO Fábio Gomes da Silva Ademar Vieira dos Santos Keliane

Leia mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais 1016327-7 - set/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

ASPECTO NUTRICIONAL EM CRIANÇAS PORTADORA DE SINDROME DE DOWN

ASPECTO NUTRICIONAL EM CRIANÇAS PORTADORA DE SINDROME DE DOWN ASPECTO NUTRICIONAL EM CRIANÇAS PORTADORA DE SINDROME DE DOWN Jaqueline de Sousa Lima 10, Helder Cardoso Tavares, Patrícia, Rita de Cássia Alves Silvestre, Milana Drumond Ramos Santana 11. Correspondência

Leia mais

Arte e Cultura na Escola

Arte e Cultura na Escola SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT Arte e Cultura na Escola GESTÃO: MUNICÍPIO: 2001-2004 IMPERATRIZ PREFEITO: Jomar Fernandes Perereira Filho ÓRGÃO RESPONSÁVEL:

Leia mais

Contratação e Modelo de Contrato

Contratação e Modelo de Contrato Contratação e Modelo de Contrato Deveres da Empresa Firmar contrato especial de aprendizagem com o adolescente e inscrevê-lo em curso de aprendizagem desenvolvido por uma entidade qualificada de ensino

Leia mais

JUN Revista Veja 2010

JUN Revista Veja 2010 2010 JUN Revista Veja 2010 JUN Revista Veja (continuação) 2010 JUN Revista Veja (continuação) Revista Muito - Salvador Revista Muito - Salvador (cont.) Revista Muito - Salvador (cont.) Revista Muito -

Leia mais

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA Educação Infantil METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA s s s Precisao e organizacao nos conceitos A agitação é a mesma. Com algumas adaptações ao espaço e ao tempo, a rotina e as histórias

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO INTERSETORIALIDADE E AUTISMO Daniel de Sousa Filho Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento UPM Introdução Kanner, 1943 Asperger, 1944 Bleuler, 1906 Transtornos do

Leia mais

Registrar para não deixar ninguém para trás

Registrar para não deixar ninguém para trás Registrar para não deixar ninguém para trás Acompanhar o desenvolvimento de cada aluno é fundamental para oferecer boas condições de ensino e aprendizagem. No caso dos estudantes com necessidades educacionais

Leia mais

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS SANTOS, Aniúsca V¹; MANGGINI, Bruna K¹; MACIESKI, Franciele¹; SOARES, Jéssica Cavalheiro 1 ; TAMANHO, Jiana¹;

Leia mais

A Companhia dos amigos na floresta das emoções

A Companhia dos amigos na floresta das emoções A Companhia dos amigos na floresta das emoções Promoção de competências sócio-emocionais de crianças pré-escolares Caderno Divulgação 2015 Associação A Companhia dos amigos na floresta das emoções Propomos

Leia mais

AÇÃO EXTENSIONISTA DE ACADÊMICOS DE MEDICINA EM ESCOLA PÚBLICA: CONSCIENTIZAÇÃO DE PAIS, PROFESSORES E ALUNOS SOBRE PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM

AÇÃO EXTENSIONISTA DE ACADÊMICOS DE MEDICINA EM ESCOLA PÚBLICA: CONSCIENTIZAÇÃO DE PAIS, PROFESSORES E ALUNOS SOBRE PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AÇÃO EXTENSIONISTA DE ACADÊMICOS

Leia mais

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Língua Portuguesa Nome: CONHEÇA A HISTÓRIA DO PAPAI NOEL

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Língua Portuguesa Nome: CONHEÇA A HISTÓRIA DO PAPAI NOEL 3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Língua Portuguesa Nome: Leia este texto para resolver as questões propostas. CONHEÇA A HISTÓRIA DO PAPAI NOEL Era uma vez um menino chamado Nicolau. Os pais

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO DEFINIÇÃO Os alunos da área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento apresentam

Leia mais

A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP) E UM SONHO DE CRIANÇA

A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP) E UM SONHO DE CRIANÇA A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP) E UM SONHO DE CRIANÇA Fátima Cristina S. Conte/2000- ABPMC Instituto de Psicoterapia e Análise do Comportamento e-mail: psicc@onda.com.br tel/fax: (43) 324-4740

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Roberta Ortiz Furian Palavra-chave: ecologia, ambiente, desenvolvimento Este trabalho tem como objetivo destacar a teoria Ecologia do Desenvolvimento

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Prêmio Itaú-Unicef Fundamentos da edição 2007. Ações Socioeducativas

Prêmio Itaú-Unicef Fundamentos da edição 2007. Ações Socioeducativas Fundamentos da edição 2007 Ações Socioeducativas I - conjuguem educação e proteção social como meio de assegurar o direito ao desenvolvimento integral de crianças e adolescentes de 6 a 18 anos em condições

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM 2014 O Estágio Supervisionado é um componente curricular obrigatório. O estágio supervisionado obrigatório será desenvolvido

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR Autoras: Natália Aparecida DAL ZOT, Rafaela Alice HORN, Neusa MARTINI Identificação autores: Acadêmica do Curso de Matemática-Licenciatura

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais