Seminário China and the World Economy

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário China and the World Economy"

Transcrição

1 Seminário China and the World Economy Representante do BNDES: Alexandre Lautenschlager, economista da Área de Comércio Exterior. Data: 17 e 18 de março de Local: EPGE FGV, Rio de Janeiro. O seminário China and the World Economy foi dedicado à reunião de representantes das esferas acadêmica, empresarial e pública para discutir a economia chinesa em seus diversos aspectos. Temas tratados ao longo dos dois dias do evento incluíram a estratégia de desenvolvimento da China, suas lições para outros países em desenvolvimento, os prospectos de médio e longo prazos para o país e o papel dos desequilíbrios globais para o futuro da economia mundial. Por restrições de agenda, o autor compareceu somente à primeira seção do segundo dia do evento. Entre os trabalhos apresentados, o do economista e professor Raghuram G. Rajan foi escolhido para esta comunicação pela proeminência do palestrante e pela relevância de suas conclusões. Rajan foi economista chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) e atualmente leciona na Booth School of Business da Universidade de Chicago. Em 2005, ganhou atenção ao apresentar, sob críticas da maioria dos presentes, o artigo Has Financial Development Made the World Riskier?, no encontro do Federal Reserve (Fed), o Banco Central americano, em Jackson Hole, Wyoming. 1 Nele, mostrou grande clareza sobre como o desenvolvimento de um mercado financeiro desregulado, a despeito de alguns benefícios, tinha também trazido novos perigos à economia mundial. Seu mais recente livro, Fault lines: how hidden fractures still threaten the world 1 O artigo se encontra disponível em: <http://www.kansascityfed.org/publicat/sympos/2005/pdf/rajan2005.pdf>. Seminário China and the World Economy p

2 economy, é considerado uma referência para a interpretação da crise financeira internacional e suas consequências, tendo sido premiado pelo Financial Times/Goldman Sachs como 2010 Best Business Book of the Year. Em fevereiro, levantamento realizado pela revista The Economist com 50 economistas de destaque apontou Rajan como o detentor das ideias mais importantes para o mundo pós-crise. Trabalho: The global trade imbalances, how they might develop, and what role China might play 2 Autor: Raghuram Rajan, Universidade de Chicago. O argumento desenvolvido por Rajan tem por base a divisão dos principais atores do comércio global em três categorias: os países consumidores (ou gastadores, do termo inglês spenders), os produtores e os ricos em recursos naturais. No primeiro grupo, estão nações como Estados Unidos, Reino Unido e Espanha. O segundo inclui grandes exportadores líquidos, como China, Alemanha e Japão. No último, encontram-se os fornecedores dos diversos tipos de commodities na América Latina, no Oriente Médio e na África. Do resultado do comércio entre consumidores e produtores, originam-se os chamados desequilíbrios globais, expressos com maior destaque no déficit em conta corrente americano e no persistente superávit chinês. Grande parte dos macroeconomistas interpreta tal fenômeno como simples consequência de um excesso de poupança nos países credores, que financia o consumo de suas contrapartes deficitárias. Rajan, por sua vez, defende que os nexos causais são mais tênues. Um melhor entendimento da situação atual passaria pelas políticas públicas implementadas em cada país de modo independente. No caso dos Estados Unidos, a explosão de consumo da década passada teria raízes na brutal concentração de renda verificada desde 2 A apresentação de Rajan está disponível em: <http://epge.fgv.br/chinaconference/docs/ Global-Trade-mbalances-How-they-may%20develop-and-%20Chinas-role.ppt >. 412 Revista do BNDES 35, julho 2011

3 o início dos anos Com o advento de novas tecnologias, segundo Rajan, o mercado de trabalho americano tornou-se mais exigente quanto às habilidades e à instrução dos empregados. Esse movimento não foi acompanhado de medidas que reestruturassem o sistema educacional, compatibilizando a oferta com o número de vagas abertas com o requisito de nível superior. Frente à escassez de mão de obra qualificada, salários nos estratos mais elevados de rendimento aumentaram continuamente, avançando sobre a remuneração das camadas intermediárias e inferiores. Dado o fraco apoio à ação redistributiva mais direta, mesmo em governos democratas, políticos viram um caminho particularmente fácil e efetivo para a supressão do descontentamento popular no fomento à expansão do crédito (nas palavras de Rajan, let them eat credit ), especialmente o habitacional, por meio de agências governamentais. Assim, com a ajuda de hipotecas e instrumentos derivativos sofisticados, o endividamento permitiu que o consumo permanecesse artificialmente alto mesmo entre famílias cuja renda disponível estava estagnada. A situação ganhou também uma face cíclica quando finalmente ocorreu o estouro da bolha no mercado de empréstimos subprime. Por força da experiência histórica, em que, tipicamente, o produto interno bruto (PIB) retornava a uma trajetória de crescimento dois trimestres após a crise e os empregos perdidos eram recuperados em cerca de oito meses, a rede de proteção social dos Estados Unidos é focada em benefícios de curta duração. Similarmente, planos de assistência médica são condicionados ao vínculo empregatício, deixando particularmente vulneráveis pessoas que ainda estejam procurando recolocação. Entretanto, a última retomada da atividade econômica americana tem sido caracterizada por baixa geração de empregos (jobless recovery) e as autoridades são então pressionadas a executar estímulos fiscais e monetários desproporcionais (e.g. o programa de incentivo à compra de carros e a política de quantitative Seminário China and the World Economy 413

4 easing), prolongando o período de sobreconsumo. 3 O capital barato oferecido pelos países poupadores teria facilitado a dinâmica descrita, mas não seria uma condição necessária para sua materialização. Nas palavras do próprio palestrante, a poupança chinesa apenas adicionou combustível ao fogo. Por sua vez, do outro lado do Pacífico, países asiáticos registram superávits graças à orientação de seus governos em perseguir uma estratégia de crescimento apoiado pelas exportações (export-led growth), inspirada principalmente no sucesso do modelo japonês. Em alguns casos, como Coreia do Sul e Filipinas, a decisão decorreu do choque da crise asiática, quando os países foram obrigados a confrontar a fragilidade do modelo anterior de investimento financiado por endividamento externo. Para outros, a ênfase na integração ao comércio internacional era importante porque o mercado interno se mostrava muito estreito para acomodar um volume de vendas que garantisse os ganhos necessários à formação de grandes empresas nacionais. Em comum, os formuladores da política econômica estariam agindo de forma discriminatória em favor do empresariado e contra as famílias (households), deprimindo a renda dos segundos para melhorar os ganhos dos primeiros e torná-los competitivos a nível global. Para o futuro próximo, Rajan prevê uma gradual superação dos desequilíbrios atuais. Apesar da insistência do governo americano nos estímulos ao consumo e outras medidas expansionistas, a relativa lentidão dos países desenvolvidos em readquirir o dinamismo pré-crise acelerará o deslocamento do centro de gravidade do consumo global em direção aos emergentes. Ao mesmo tempo, a China dá sinais de que está disposta a diminuir sua dependência da demanda externa e 3 Nesse sentido, se ressaltariam as possíveis contradições no duplo mandato do Federal Reserve em controlar pressões inflacionárias e manter níveis adequados de emprego. 414 Revista do BNDES 35, julho 2011

5 retornar à trajetória de apreciação, ainda que lenta, de sua moeda em termos reais. Quanto à necessidade de que o processo de ajustamento seja de alguma forma coordenado pelo G-20, o palestrante manifesta ceticismo não apenas na capacidade de um grupo tão heterogêneo alcançar acordo sobre questões de política que envolvem as soberanias individuais, mas também quanto à efetividade de intervenções desse tipo, já que a defasagem entre ações e seus efeitos é variável e incerta. Organismos supranacionais, principalmente o FMI, teriam como principal missão garantir a regulação das finanças globais com medidas macroprudenciais e impedir a adoção por parte de seus países-membros de barreiras ao comércio e ao investimento. Durante os comentários, Rajan foi questionado se, em sua opinião, o restabelecimento do Glass-Steagal Act nos Estados Unidos seria uma forma eficiente de evitar novos colapsos no sistema financeiro americano. 4 Em sua resposta, ele afirmou que a aprovação da legislação original foi muito pouco baseada em dados e mais na percepção de que os bancos haviam se tornado grandes demais. Tal preocupação foi renovada na última crise, mas reguladores devem ponderar o perigo de se verem na situação oposta na qual os bancos são muito numerosos para quebrar (too many to fail, em oposição a too big to fail) ou, alternativamente, na qual as atividades arriscadas tenham se movido completamente para o shadow banking system, onde não podem ser monitoradas com confiabilidade. Ademais, mesmo que as antigas restrições não tivessem sido revogadas, os grandes protagonistas da crise, como o banco Lehman Brothers, não seriam impossibilitados de executar as manobras contábeis e a engenharia financeira que eventualmente colaboraram para a crise. 4 O Glass-Steagal Act foi a legislação aprovada após a Grande Depressão, que, entre outras medidas, promovia a separação entre bancos de depósito e investimento. A partir de 1999, tal restrição foi suspensa. Seminário China and the World Economy 415

6 Aos interessados, uma referência crítica à interpretação de Rajan sobre a ligação entre desigualdade de renda nos Estados Unidos, políticas públicas e a crise é o economista do Massachusetts Institute of Technology (MIT) Daron Acemoglu. Uma apresentação resumindo seus argumentos está disponível em: <http://econ-www.mit.edu/ files/6348>. A ela é oferecida uma contrarresposta em: <http://blogs. chicagobooth.edu/n/blogs/blog.aspx?nav=main&webtag=faultlines& entry=29>. Paul Krugman e Robin Wells também escreveram uma informativa resenha dos livros sobre a crise financeira para o The New York Review of Books, dividida em duas partes, que podem ser lidas em: <http://www.nybooks.com/articles/archives/2010/sep/30/ slump-goes-why/?page=1> e <http://www.nybooks.com/articles/ archives/2010/oct/14/way-out-slump/?utm_source=feedburner&utm_ medium=feed&utm_campaign=feed%3a+nybooks+%28the+new +York+Review+of+Books%29>. 416 Revista do BNDES 35, julho 2011

7 Reunião anual da Associação de Economia dos EUA Representante do BNDES: Gilberto Rodrigues Borça Jr., economista e gerente da Área de Pesquisa e Acompanhamento Econômico do Departamento (APE). Data: 6 a 9 de janeiro de Local: Denver, Colorado, EUA. Tema: American Economic Association (AEA) Meeting Descrição das mesas e palestrantes O AEA Meeting envolve, à semelhança do encontro nacional dos centros de pós-graduação no Brasil (Anpec), diversas mesas e painéis simultâneos sobre os mais variados assuntos. Dessa forma, entre os temas considerados mais relevantes, escolheu-se um painel para elaboração desse comunicado, haja vista a restrição de espaço. O principal painel do evento, no dia 7 de janeiro, intitulava-se The Dollar, the Euro, the Yuan, and the International Monetary System, presidido por Dominick Salvatore (Fordham University) e teve como debatedores alguns dos mais reconhecidos professores de economia internacional: Martin Feldstein (Harvard University); Peter Kenen (Princeton University); Ronald McKinnon (Stanford University). Ausentaram-se da mesa de discussão Kenneth Rogoff (Harvard University) e Michael Mussa (Peterson Institute for International Economics), que inicialmente faziam parte da mesa. Martin Feldstein (Universidade de Harvard) Martin Feldstein sustenta que os desequilíbrios globais em conta corrente estão, atualmente, em processo natural de correção. No entanto, as políticas econômicas implementadas por seus principais Reunião anual da Associação de Economia dos EUA p

8 atores EUA e China vêm impedindo que as forças de mercado atuem na direção correta de maneira mais efetiva. Antes de chegar a esse ponto, Feldstein fez algumas afirmações sobre como os desequilíbrios globais em conta corrente afetam a economia internacional: a. criam pressões para a adoção de políticas protecionistas nos países com déficits em transações correntes; b. têm levado à adoção de medidas restritivas (controles seletivos sobre os fluxos de capitais) para a prevenção de movimentos bruscos de apreciação cambial nos países emergentes, acarretando distorção na realização de investimentos e má alocação de capital entre os países; c. fomentaram o estouro da bolha imobiliária norte-americana em 2006, na medida em que contribuíram para que as taxas de juros de longo prazo tanto nos EUA como no restante do mundo ficassem artificialmente baixas, levando os investidores internacionais a elevarem seu grau de apetite ao risco via excessiva alavancagem na busca de ativos de maior rentabilidade; d. políticas que visam conter a apreciação cambial em países com contas correntes superavitárias tendem a elevar os níveis de inflação quando a demanda doméstica está aquecida (esterilização dos influxos de capitais, acúmulo de reservas internacionais e expansão monetária), ao passo que políticas que têm a intenção de conter a depreciação cambial tendem a causar deflação nos países com déficit em conta corrente (queima de reservas e queda da oferta monetária). Feldstein sustenta também que países com déficit em transações correntes devem elevar seus níveis de poupança interna (elevação da poupança do governo e/ou do setor privado), isto é, devem reduzir seus níveis de absorção doméstica reduzindo o consumo privado e/ou os investimentos e/ou gastos públicos. 418 Revista do BNDES 35, julho 2011

9 Países com STC < 0 ΔSgov > 0; ΔSpri > 0 ΔSint > 0, i.e. ΔC < 0 e/ou ΔI < 0 e/ou ΔG<0 Países com superávit em transações correntes devem reduzir seus níveis de poupança interna (redução da poupança do governo e/ou do setor privado), isto é, devem elevar seus níveis de absorção doméstica elevando o consumo privado e/ou os investimentos e/ou gastos públicos. Países com STC > 0 ΔSgov < 0; ΔSpri < 0 ΔSint < 0, i.e. ΔC > 0 e/ou ΔI > 0 e/ou ΔG>0 Esse ajustamento deve ocorrer independentemente das variações na taxa de câmbio real, já que investimento/poupança são variáveis fundamentais (reais) e, sozinhos, refletem o resultado do saldo em transações correntes de um país. No entanto, as variações na taxa de câmbio real são cruciais para a manutenção do pleno emprego dos fatores de produção (non-inflationary/deflationary full employment) durante o processo de ajuste do saldo em conta corrente. Países com déficit em conta corrente (STC < 0) devem elevar a poupança interna (Si), i.e., cortar gastos domésticos (consumo das famílias e/ou investimentos e/ou gastos públicos). Para que não haja recessão ou elevação do desemprego, a taxa de câmbio real deve se depreciar para que a demanda externa via elevação das exportações líquidas substitua, na mesma magnitude, a retração da demanda doméstica. Países com superávit em conta corrente (STC > 0) devem diminuir a poupança nacional (Si), i.e., elevar gastos domésticos (consumo das famílias e/ou investimento e/ou gastos públicos). Para que não haja superaquecimento e/ou pressões inflacionárias na economia, a taxa de câmbio real deve apreciar-se. A apreciação cambial real aumenta as Reunião anual da Associação de Economia dos EUA 419

10 importações reduzindo as pressões inflacionárias pela concorrência dos produtos importados com os nacionais e, simultaneamente, estimula o consumo doméstico privado, expandindo a demanda interna na mesma magnitude da retração da demanda externa pela redução das exportações líquidas. O ajustamento macroeconômico em conta corrente dos EUA elevação da poupança interna associada à depreciação da taxa de câmbio vem sendo, em algum grau, impedido pela China, na medida em que há um gerenciamento da taxa de câmbio entre o RMB/US$ manutenção do RMB em patamares relativamente depreciados vis-à-vis o dólar. Embora haja gerenciamento da taxa nominal de câmbio por parte dos chineses, a taxa real de câmbio vem se movimentando na direção correta. Isso ocorre porque o câmbio real depende não apenas da taxa nominal de câmbio, mas também do diferencial de inflação entre os dois países. Feldstein afirma que nos últimos 12 meses, encerrados em junho de 2010, além da apreciação nominal de 5% do RMB em relação ao dólar, o diferencial de inflação, medido pelo índice de preços ao consumidor, entre China e EUA atingiu cerca de 5%. Assim, a apreciação real atingiu cerca de 9%. No entanto, as políticas governamentais adotadas nos EUA e na China vêm impedindo que a correção dos desequilíbrios globais em contas correntes ocorra de maneira mais veloz: EUA: os grandes déficits fiscais associados à baixa taxa de poupança das famílias (devido aos generosos programas de seguridade social social security pensions; health care for aged in Medicare; benefícios do seguro-desemprego; e estímulo à tomada de novos financiamentos imobiliários). China: excesso de poupança interna (45% do PIB) em função dos lucros retidos das empresas estatais e da poupança das famílias 420 Revista do BNDES 35, julho 2011

11 (ausência de um sistema de seguridade social). Ainda assim, os chineses conseguem manter elevado o nível de demanda agregada e de crescimento do emprego urbano mediante a canalização desse excesso de poupança para a realização de investimentos (públicos e privados) e pelo estímulo às exportações mediante o gerenciamento da taxa nominal de câmbio (impedindo sua apreciação em relação ao dólar). Quanto às proposições e tentativas de políticas para a limitação dos Global Imbalances, Feldstein sugere que a correção dos desequilíbrios globais deve ser foco de negociação internacional e das atividades do FMI. As discussões bilaterais entre China e EUA têm se concentrado, exclusivamente, na política cambial chinesa caminho que tem se mostrado infrutífero. Deve, portanto, voltar-se para proposições de políticas nas variáveis fundamentais (reais) da economia, i.e., no binômio investimento-poupança da China. Ações do FMI Discussões sobre os cinco maiores países superavitários em conta corrente. Multilateral Surveillance Process países monitorando uns aos outros no que tange aos desequilíbrios em conta corrente. G-20 limitação do superávit em conta corrente (STC > 0) em 4% do PIB (proposta americana rejeitada por China e Alemanha) qualquer proposição que limite os resultados (sejam esses superavitários ou deficitários em conta corrente) não é objeto efetivo de controle de políticas macro dos países (choques nos preços das commodities e flutuações excessivas nas taxas de câmbio não são variáveis sob controle das autoridades, embora tenham profundas implicações para os níveis de investimento/poupança). Reunião anual da Associação de Economia dos EUA 421

12 Negociações internacionais Compromisso do G-20 na realização de esforços para conter os desequilíbrios globais, com o auxílio do FMI. Para ele, efetivamente, ainda não há decisão nenhuma tomada. Em termos prospectivos, Feldstein afirma que o processo de ajustamento continua a ocorrer e deve acelerar-se, em função: 1. da elevação da poupança/redução do consumo das famílias nos EUA: a. baixa renda real (desemprego elevado); b. elevado nível de endividamento (famílias desalavancando e realizando ajustes patrimoniais); c. condições restritas de crédito; 2. da redução mais acentuada do déficit público (visão otimista sobre a evolução da política fiscal norte-americana); 3. da continuidade do processo de ajustamento da taxa real de câmbio (apreciação nominal do RMB e diferencial positivo de inflação entre China e EUA); 4. do New Five Years Plan da China que visa não apenas elevar o consumo das famílias como proporção do PIB, mas também à distribuição de dividendos das empresas estatais e aos gastos governamentais em saúde, educação e moradia ações compatíveis com a elevação nos padrões de vida dos chineses. Ronald McKinnon (Universidade de Stanford) McKinnon começa sua exposição afirmando que os EUA são um país soberano que tem o direito de seguir sua própria política monetária. Por um acidente da história, desde 1945, são também o centro do 422 Revista do BNDES 35, julho 2011

13 mundo por meio do padrão-dólar que continua surpreendentemente robusto até os dias atuais. Portanto, a escolha da política monetária pelo Federal Reserve (FED) afeta fortemente seus vizinhos seja para melhor ou para pior. Começando com o choque implementado por Nixon em 1971, os policy-makers americanos têm olhado excessivamente para dentro no que diz respeito à execução de sua política monetária. Mas, ignorando seus efeitos sobre o os demais países, o FED tornou menos estáveis o mundo e a economia americana. O exemplo mais recente é a política do FED de fixação das taxas de juros de curto prazo próximo a zero desde meados de 2008 [Zero Interest Rate Policy (ZIRP)], e, em seguida, no final de 2010, pelo Quantitative Easing (QE2), destinado a reduzir também as taxas de juros de longo prazo. No encontro do G-20 em Seul, em novembro de 2010, autoridades estrangeiras reclamaram veementemente de influxos de capital do tipo hot money oriundos das políticas expansionistas dos Estados Unidos, os quais geram não apenas apreciação excessiva de suas taxas de câmbio (via operações de carry trade), mas também criam pressões inflacionárias (advindas do processo de esterilização/acúmulo de reservas internacionais e expansão da oferta monetária doméstica). Ironicamente, a política de taxas de juros zero do FED também não vem estimulando a concessão de empréstimos bancários nos Estados Unidos em si, causando uma espécie de empoçamento da liquidez. Além disso, provoca sério enfraquecimento de outras instituições financeiras americanas, como seguradoras e fundos de pensão. McKinnon classifica o dólar como moeda não amada (the unloved US$), uma vez que ela não consegue agradar nem aos norte- -americanos, os quais não conseguem exercer um controle efetivo sobre sua taxa de câmbio, nem ao resto do mundo, na medida em que suas políticas expansionistas geram pressões de apreciação cambial (devido aos fluxos de hot money), que são combatidas por políticas Reunião anual da Associação de Economia dos EUA 423

14 de esterilização/controle de capitais e provocam expansão monetária [mesmo em ambientes de demanda doméstica aquecida (inflação)]. Ele afirma também que, se na década de 1930 as políticas de desvalorização cambial competitiva ( políticas de empobrecimento do vizinho ) foram utilizadas amplamente, no período pós-crise financeira de 2008 elas voltaram à tona, mas adquiriram uma nova versão via redução excessiva das taxas de juros básicas (policy rate) dos países centrais. Estas geram operações de carry trade para os países emergentes não apenas pelo diferencial de taxas de juros existentes, mas também pela divergência na velocidade de recuperação (two-speed recovery) entre países centrais e países emergentes. McKinnon também ressalta que a política monetária norte-americana (ZIRP + QE2) está voltada exclusivamente para dentro (por causa das tendências deflacionárias e do alto nível de desemprego), ignorando suas consequências no resto do mundo e, assim, o papel do dólar no sistema monetário internacional (padrão-dólar). As consequências são: Excessiva liquidez internacional (gerando fluxos de hot money nos países emergentes) com apreciação cambial e imposição de controles de capitais/tentativas de esterilização e acúmulo de reservas. Todavia, essa combinação de políticas tende a levar os países emergentes a reduzir suas taxas de juros domésticas, uma vez que a esterilização completa é difícil. Como efeito colateral, há a expansão da oferta monetária doméstica, contribuindo para a alta da inflação. Alta de preços internacionais das commodities que são precificadas em dólar. Como o rendimento dos ativos financeiros está baixo, o sistema fica mais suscetível a bolhas especulativas, pois há elevação do grau de apetite ao risco dos investidores internacionais à procura de ativos de maior rendimento (search for yield), assim como aconteceu com a bolha imobiliária nos EUA. 424 Revista do BNDES 35, julho 2011

15 Continuidade das políticas ZIRP, associada a uma situação de armadilha da liquidez tipicamente keynesiana, faz com que qualquer estímulo monetário fornecido pelas autoridades se transforme em excesso de reservas por parte do sistema bancário, mantendo o crédito travado (o crescimento da base monetária foi contrabalançado por uma forte redução do multiplicador monetário). Dificuldade para outros importantes intermediários financeiros, como fundos de pensão com benefício definido ou companhias de seguro, cujos ativos são fortemente vinculados aos papéis de longo prazo do governo. Em termos propositivos, McKinnon sugere: 1. abandonar políticas de ZIRP + QE2, que tendem a pressionar os países emergentes na manutenção de taxas de juros reduzidas mesmo sob pressões inflacionárias (esterilização + acúmulo de reservas + expansão monetária doméstica); 2. elevar as taxas de juros nominais nos principais países centrais (EUA, Inglaterra, Zona do Euro e Japão) de maneira coordenada, buscando sair da armadilha da liquidez (liquidity trap); 3. legitimar e auxiliar os países emergentes na imposição de controles de capitais (conforme já realizado na última reunião do G-20). Peter Kenen (Universidade de Princeton) Em essência, Kenen afirma que não há mais espaço para que o dólar ocupe sozinho o papel de moeda internacional. Sendo assim, propõe um arranjo monetário internacional em que a compensação das relações comerciais e financeiras passe a ocorrer, gradualmente, em Special Drawing Rights (SDR) ou Direitos Especiais de Saques (DES), moeda Reunião anual da Associação de Economia dos EUA 425

16 escritural do FMI. Embora essa ideia tenha surgido há cerca de 30 anos, sua proposta almeja, diferentemente, que as transações comerciais e financeiras sejam compensações entre países em DES. Ressalta que o apoio político para isso é reduzido, em especial nos EUA, mas começa a ganhar espaço no resto do mundo. Kenen cita como exemplo o speech do presidente do Banco Central Chinês em 2009, que faz menção à ideia do Plano Keynes elaborado no pós-segunda Guerra Mundial. Relevância do seminário para a atuação do BNDES A Área de Pesquisa e Acompanhamento Econômico (APE) vem, ao longo dos últimos anos, desenvolvendo trabalhos de análise sobre a situação da economia internacional e da realidade socioeconômica brasileira. Para aprimorar as rotinas de trabalho, atendendo de forma cada vez mais satisfatória às necessidades do BNDES, é fundamental que a equipe de pesquisa econômica esteja atualizada não apenas com os fatos e acontecimentos internacionais e as medidas de política econômica implementadas, mas também com a recente literatura acadêmica especializada. Nesse sentido, o American Economic Association (AEA) Meeting, fórum organizado para debater temas econômicos relacionados à ciência e aplicação de políticas públicas, que reuniu vários acadêmicos de renome das principais universidades norte-americanas, foi uma ótima oportunidade para o aprimoramento e o desenvolvimento profissional dos economistas da APE/BNDES. A absorção de conhecimento tende a ser revertida, em nossas atividades rotineiras, a favor do BNDES a curto, médio e longo prazos. Além disso, o evento é uma boa oportunidade para o desenvolvimento de canais de comunicação com outras instituições mundo afora, 426 Revista do BNDES 35, julho 2011

17 haja vista a grande participação de profissionais de inúmeras áreas (economia, finanças, ciências sociais etc.) e diversas nacionalidades. A troca de informações e o estabelecimento de redes de contato são vitais para o aperfeiçoamento da atividade profissional de uma equipe de pesquisa econômica, pelo intercâmbio de conhecimentos técnicos específicos e/ou de informações de experiências de outras economias no desenvolvimento e na adoção de políticas públicas. Desse modo, o evento permitiu que os economistas da Área de Pesquisa do BNDES tivessem contato com reflexões que orientam/orientarão decisões econômicas no presente e no futuro próximo. Coordenadas da página eletrônica do evento. Referência dos papers e painéis de discussão do evento: org/aea/2011conference/program/meetingpapers.php Reunião anual da Associação de Economia dos EUA 427

18

19 13 a Conferência Europeia sobre Financiamento de Aeronaves Representantes do BNDES: Marcio Nobre Migon chefe de Departamento (AEX/DECEX1). Sergio Bittencourt Varella Gomes gerente (AEX/DECEX1). Tema do seminário: 13ª Conferência Europeia sobre Financiamento de Aeronaves. Data e local: 25 a 27 de janeiro de 2011, em Dublin, República da Irlanda. Descrição das mesas e palestrantes 25 de janeiro: Investindo em Aeronaves e Motores Aeronáuticos Esse primeiro dia do evento foi organizado sob a forma de um seminário didático, ou seja, procurou-se dar um caráter educativo a cada um dos painéis, sem prejuízo do espaço para debates ao fim de cada um deles. Observadas tais premissas, os principais temas e aspectos relacionados ao financiamento aeronáutico foram cobertos. A organização do evento optou por constituir mesas com até quatro participantes para os assuntos mais polêmicos e promover palestras tradicionais quando a finalidade era essencialmente informativa e de atualização do tema tratado. Assim, realizaram-se as seguintes mesas : Tendências quanto ao valor residual das aeronaves, composta por representantes das empresas de avaliação (appraisers) Morten, Bayer & Agnew, Avitas, IBA Group e do banco DVB Bank, com a moderação a cargo da editora do Airfinance Journal. Aeronaves regionais como ativos para investimento, composta por representantes das empresas fabricantes Mitsubishi Aircraft Corp., SuperJet International, Bombardier e Embraer, com a moderação a cargo de representante da consultoria HMG Aviation Inc. Comunicação de participação em seminário p

20 Aeronaves usadas: por que investir no mercado secundário?, composta por representantes das empresas de arrendamento de aeronaves KV Aviation, RPK Capital, Cabot Aviation e Tailwind Capital LLC, com a moderação a cargo do vice-presidente de Marketing da Orix Aviation. Retomada de aeronaves um guia para os investidores, composta por representantes das empresas Orix Aviation, Sage-Popovich e KV Aviation, com a moderação a cargo de sócio da Arthur Cox. Grandes motores, pequenos motores e remotorização, composta por representantes dos fabricantes de motores aeronáuticos CFM e Pratt & Whitney, e a moderação a cargo da editora do Airfinance Journal. Já as palestras foram organizadas de modo que os principais fabricantes Airbus e Boeing para os grandes jatos comerciais, e Bombardier e ATR para os turbo-hélices regionais pudessem atualizar os participantes quanto ao desenvolvimento de suas mais recentes aeronaves (histórico e perspectivas de desenvolvimento futuro para cada uma delas). 26 de janeiro: 1º dia da Conferência sobre Financiamento de Aeronaves Assim como no dia anterior, nesse também houve mesas e palestras individuais. No que tange às mesas, a organização do evento levou às seguintes composições: Decifrando o novo Entendimento Setorial Aeronáutico (ASU), com representantes da Boeing, Airbus, Bombardier, Embraer, ATR, Mitsubishi e AWG Aviation Working Group; 1 moderação a cargo de sócio da KPMG. 1 Organização social composta pelos principais fabricantes de aeronaves e de motores e por instituições financeiras, reconhecida como legítima representante do interesse desse grupo no âmbito da OCDE. 430 Revista do BNDES 35, julho 2011

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Comunicação de participação em conferência: 16ª Conferência Global sobre Financiamento de Aeronaves

Comunicação de participação em conferência: 16ª Conferência Global sobre Financiamento de Aeronaves Biblioteca Digital Comunicação de participação em conferência: 16ª Conferência Global sobre Financiamento de Aeronaves Marcio Nobre Migon Renato Baran Sergio Bittencourt Varella Gomes http://www.bndes.gov.br/bibliotecadigital

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira +

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Fernando Ferrari Filho * e Luiz Fernando de Paula ** A recente crise financeira internacional mostrou que a estratégia nacional para lidar

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud

A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud May 12, 2015 O investimento privado vem desacelerando em todos os mercados emergentes desde meados de 2011, e a

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev. Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.1, 2011 Estrutura da apresentação Antecedentes Principais características

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Parte III Política Cambial

Parte III Política Cambial Parte III Política Cambial CAPÍTULO 5. A GESTÃO DO REGIME DE CÂMBIO FLUTUANTE NO BRASIL CAPÍTULO 6. A RELAÇÃO ENTRE A TAXA DE CÂMBIO E O DESENVOLVIMENTO Regimes e Política Cambial Apesar da adoção quase

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único Teoria: um primeiro olhar ECONOMIA INTERNACIONAL II Paridade Poder de Compra Professor: André M. Cunha 1. Teoria da Paridade Poder de Compra (PPC) : a abordagem da paridade poder de compra (PPC) sugere

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais

China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais INFORMATIVO n.º 43 DEZEMBRO de 2015 China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais Fabiana D Atri* Ao longo dos últimos anos, ao mesmo tempo em que a economia chinesa

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

O privilégio exorbitante dos EUA

O privilégio exorbitante dos EUA O privilégio exorbitante dos EUA Michael Pettis Valor Econômico, 15.9.2011. O status dominante de uma moeda levou a desequilíbrios que criaram um sério risco para o sistema financeiro global. Alguns países

Leia mais

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo A Taxa de Câmbio no Longo Prazo Organização do Capítulo Introdução A Lei do Preço Único Paridade do Poder de Compra Modelo da Taxa de Câmbio de Longo Prazo Baseado na PPC A PPC e a Lei do Preço Único na

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira Claudio Roberto Amitrano Dr. em Economia UNICAMP DIMAC-IPEA claudio.amitrano@ipea.gov.br Principais determinantes da crise Crise: inadimplência

Leia mais

A América Latina está preparada para o fim da Bonança?

A América Latina está preparada para o fim da Bonança? Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Declaração No. 30 A América Latina está preparada para

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

O Brasil e o Rebalanceamento

O Brasil e o Rebalanceamento n o 103 23.07.14 Visão do desenvolvimento O Brasil e o Rebalanceamento do Comércio Mundial A principal forma de explicar o desempenho comercial de um país é aquela que interpreta os comportamentos das

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Roberto Meurer * RESUMO - Neste artigo se analisa a utilização dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

Gustavo H.B. Franco Belo Horizonte, outubro de 2015

Gustavo H.B. Franco Belo Horizonte, outubro de 2015 Perspectivas e temas Econômicos, a crise e seus desdobramentos Versão reduzida Gustavo H.B. Franco Belo Horizonte, outubro de 2015 Agenda Temas 1.Dominância fiscal e crise 2.O mistério da criação de moeda

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais