GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso"

Transcrição

1 GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso Clayton Giani Bortolini Engº Agr. MSc Diretor de Pesquisas Fundação Rio Verde Formma Consultoria Agronômica

2 Produção Agrícola no Mato Grosso Uma safra / ano: Trabalho em 5-6 meses / ano Surgimento da safrinha: Aproveitamento da estrutura Necessidade econômica Terceira safra: Integração L x P

3 A Soja Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun B Soja Milho Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Sobressemeadura da pastagem Gado C Gado Soja Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun D Gado Soja Milho + Pastagens Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Ano Gado Soja Sorgo + Pastagens Gado Milho Safra + Pastagens Gado Gado Soja Girassol + Pastagens Gado Algodão Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun

4 Girassol no Sistema de Produção Nova espécie Produção em Segunda Safra Redução de pragas e doenças da soja Redução de nematóides Reciclagem Nutrientes Amplitude de época de cultivo safrinha Alto potencial de óleo (biocombustível)

5 Potencialidades do Girassol Grande adaptabilidade ao Cerrado Janela de cultivo Adequado ao clima Tolerância a deficiência hídrica Diversidade de finalidades Óleo comestível Biocombustível Torta para alimentação animal Otimização da estrutura da propriedade Bom potencial econômico

6 Potencialidade da Safrinha no Médio Norte Matogrossense Data colheita Soja Área relativa SAFRA Possibilidade de cultivo SAFRINHA Utilização atual SAFRINHA Potencial de utilização SAFRINHA % Mil ha culturas % Mil ha % Mil ha Até 10/ Algodão / Milho /02 20/ Milho / Sorgo /02 28/ Sorgo / /03 10/ Girassol / /03 20/ Milheto /03 em diante 5 90 Milheto 0 0? TOTAL Incremento potencial: 432 mil ha

7

8 Níveis de Tecnologia para Girassol Baixa Tecnologia: Produtividade: sacas/ha Média Tecnologia: Produtividade: sacas/ha Alta Tecnologia: Produtividade: sacas/ha

9 TECNOLOGIA!!!! Maximizar a lucratividade para cada situação de local Manter ou melhorar a estabilidade produtiva Utilização e aplicação de informações técnicas locais Aplicação prática de resultados científicos

10 Fatores dos Níveis de Tecnologia Nível de investimento: Fertilizantes Defensivos Sementes Ambiente de Cultivo Expectativa de colheita Objetivos da produção (destino do produto) Custo de produção

11 Baixa Tecnologia Semeadura tardia Maior risco de perda climática Pouca aplicação de fertilizantes Sementes variedades ou de baixo custo Baixa produtividade e qualidade do grão

12 Média Tecnologia Semeadura com risco climático Fertilizantes ainda deficientes ( kg base kg cobertura) Sementes híbridas Controle de pragas e invasoras as vezes deficiente Produtividade de sacas Custos razoáveis pelo risco

13 Alta Tecnologia Semeadura em época adequada 15 a 28 de fevereiro Fertilizantes: ( kg base kg cobertura) Sementes híbridas validadas na região Adequado manejo de invasoras e pragas Produtividade de sacas Bom retorno financeiro Alta qualidade do grão: Mercado diferenciado

14 Sistema de Produção Espaçamento entre linhas = Reduzido População de plantas = 35 a 40 mil/há Nutrição: Macro: aumento do N Micro: Suprimento de B, Mn e Cu Escolha de Áreas: (fundamental) Teores Nutricionais Presença de alumínio (restritivo) Compactação Umidade do solo

15 Micronutrição Tabela 2. Rendimento de grãos de girassol submetida a diferentes programas de nutrição foliar em substituição à adubação via solo. Lucas do Rio Verde MT, 2006 Tratamento 1 Produto Dose Época Aplicação Rendimento de Grão Testemunha 31,3 c* Ácido Bórico 5,9 Base semeadura 34,5 b Ácido Bórico 2,8 + 2,8 25 DAE + 45 DAE 35,4 b Uby Ms Florada 1,0 + 1,0 25 DAE + 45 DAE 34,6 b 5 6 Potamol 0,1 TS Uby MS Mn DAE Uby Ms Florada 1 45 DAE Potamol 0,1 TS Kimon Plus 0,1 + 0,4 + 0,5 TS + 25 DAE + 45 DAE Uby MS Mn DAE Uby Ms Florada 1 45 DAE * Médias seguidas por letras distintas diferem entre si ao nível de 5% pelo teste de Duncan. 36,3 ab 37,8 a

16 Participação do Girassol Mercado Comprador Expectativa de renda Preços de produto / insumo Produtividade CUSTO DA LAVOURA Época de plantio SUCESSO DE ANOS ANTERIORES

17 Custo de Produção do Girassol 2008 Época de Semeadura ALTA TECNOLOGIA MÉDIA TECNOLOGIA BAIXA TECNOLOGIA Produtividade Maxima Media Minima Maxima Media Minima Maxima Media Minima sacas/ha estimada Data de semeadura fevereiro 20 fevereiro - 05 março após 05 de março Custo producao girassol quant. R$/uni. R$ item quant. R$/uni. R$ item quant. R$/uni. R$ item Insumos Sementes 1 80,00 80, ,00 70, ,00 20,00 Fertilizantes 0 0,00 0 0,00 Base ,04 260, ,04 124, ,04 72,80 Cobertura N / K 150 0,95 142, ,95 47,50 0 0,95 0,00 Micronutrientes 2 12,00 24, ,00 12, ,00 0,00 Defensivos 0 0,00 0 0,00 Dessecacao 2 13,00 26, ,00 26, ,00 26,00 Inseticidas TS 1 30,00 30, ,00 30, ,00 30,00 Herbicidas 1 35,00 35, ,00 20, ,00 20,00 Inseticida fisiologico 2 7,50 15,00 2 7,50 15,00 1 7,50 7,50 Inseticida "Percevejos" 1 7,00 7,00 1 7,00 7,00 1 7,00 7,00 Subtotal Insumos 619,50 352,30 183,30 Operacoes: Semeadura 1 20,00 20, ,00 20, ,00 20,00 Pulverizacoes 4 5,00 20,00 4 5,00 20,00 3 5,00 15,00 Colheita 32 0,70 22, ,86 18, ,86 10,32 transporte 32 1,00 32, ,00 22, ,00 12,00 Subtotal Operacoes 94,40 80,92 57,32 CUSTO TOTAL R$ 713,90 433,22 240,62

18 Custo de Produção do Girassol 2008 Época de Semeadura ALTA TECNOLOGIA MÉDIA TECNOLOGIA BAIXA TECNOLOGIA Produtividade Maxima Media Minima Maxima Media Minima Maxima Media Minima sacas/ha estimada Data de semeadura fevereiro 20 fevereiro - 05 março após 05 de março Custo producao girassol quant. R$/uni. R$ item quant. R$/uni. R$ item quant. R$/uni. R$ item Subtotal Insumos 619,50 352,30 183,30 Subtotal Operacoes 94,40 80,92 57,32 CUSTO TOTAL R$ 713,90 433,22 240,62 Valor do produto R$/saca 30,00 24,00 18,00 30,00 24,00 18,00 30,00 24,00 18,00 Custo do producao 23,80 29,75 39,66 14,44 18,05 24,07 8,02 10,03 13,37 Lucro Liquido R$ 246,10 54,10-137,90 226,78 94,78-37,22 119,38 47,38-24,62 Ponto de equilibrio (R$/sc) 22,31 19,69 20,05

19 Aplicação da Informação Técnica Girassol exige cultivo TÉCNICO Escolha de área para cultivo Definição de Insumos Nutrição (Macro e Micronutrição) Manejo de invasoras e pragas Formas e momentos de utilização de insumos Manejo de Plantas Cultivares População e espaçamento entre linhas Sistemas consorciados

20 Situações Ocorridas em 2007 Lavouras SEM Informação Técnica Custos Médios (pacotes) Insumos aplicados sem adequação Necessidades da planta Condições do ambiente de cultivo Cultivares e manejos Épocas de semeadura Produtividades baixas e variadas Queima da cultura

21 Lavouras TECNIFICADA Identificadas áreas mais adequadas Ajuste de insumos / cultivares / manejo do cultivo Ausência ou redução de danos ao girassol Custos adequados ELEVADAS PRODUTIVIDADE ALTA QUALIDADE DA PRODUÇÃO ALTO VALOR AGREGADO AO GRÃO EXPANSÃO DA CULTURA PARA 2008

22 Lavoura Média Tecnologia UNIFORMIDADE

23 Lavoura Média-Alta Tecnologia Área e Manejo Adequados

24 Custos de Produção 2008 CUSTO DE PRODUCAO DE GIRASSOL SAFRA Época de Semeadura MÉDIA TECNOLOGIA MÉDIA TECNOLOGIA MÉDIA TECNOLOGIA Produtividade Maxima Media Minima Maxima Media Minima Maxima Media Minima sacas/ha estimada Data de semeadura 20 fevereiro - 05 março 20 fevereiro - 05 março 20 fevereiro - 05 março Custo producao girassol quant. R$/uni. R$ item quant. R$/uni. R$ item quant. R$/uni. R$ item Insumos Sementes 1 65,00 65, ,00 65, ,00 65,00 Fertilizantes 0 0,00 0 0,00 Base ,04 187, ,04 187, ,04 187,20 Cobertura N / K 120 0,95 114, ,95 114, ,95 114,00 Micronutrientes 2 12,00 24, ,00 24, ,00 24,00 Defensivos 0 0,00 0 0,00 Dessecacao 2 13,00 26, ,00 26, ,00 26,00 Inseticidas TS 1 30,00 30, ,00 30, ,00 30,00 Herbicidas 1 20,00 20, ,00 20, ,00 20,00 Inseticida fisiologico 2 7,50 15,00 2 7,50 15,00 2 7,50 15,00 Inseticida "Percevejos" 1 7,00 7,00 1 7,00 7,00 1 7,00 7,00 Subtotal Insumos 488,20 488,20 488,20 Operacoes: Semeadura 1 20,00 20, ,00 20, ,00 20,00 Pulverizacoes 4 5,00 20,00 4 5,00 20,00 4 5,00 20,00 Colheita 27 0,70 18, ,70 15, ,70 11,90 transporte 27 1,00 27, ,00 22, ,00 17,00 Subtotal Operacoes 85,90 77,40 68,90 CUSTO TOTAL R$ 574,10 565,60 557,10 Valor do produto R$/saca 15,00 12,00 10,00 15,00 12,00 10,00 15,00 12,00 10,00 Valor do produto R$/saca 28,50 22,80 19,00 28,50 22,80 19,00 28,50 22,80 19,00 Custo do producao 20,14 25,18 30,22 19,85 24,81 29,77 19,55 24,43 29,32 Lucro Liquido R$ 195,40 41,50-61,10 61,40-64,00-147,60-72,60-169,50-234,10 Ponto de equilibrio (R$/sc) 21,26 25,71 32,77

25 Custo de Produção 2007 x 2008 Época de Semeadura MÉDIA TECNOLOGIA 2007 MÉDIA TECNOLOGIA 2008 Produtividade Maxima Media Minima Maxima Media Minima sacas/ha estimada Data de semeadura 20 fevereiro - 05 março 20 fevereiro - 05 março Custo producao girassol quant. R$/uni. R$ item quant. R$/uni. R$ item Insumos Sementes 1 65,00 65, ,00 65,00 Fertilizantes 0 0,00 Base ,04 187, ,70 126,00 Cobertura N / K 120 0,95 114, ,80 96,00 Micronutrientes 2 12,00 24, ,00 24,00 Subtotal Fertilizantes 325,20 246,00 Subtotal Operacoes 82,50 82,50 CUSTO TOTAL R$ 505,70 426,50 Valor do produto R$/saca 15,00 12,00 10,00 15,00 12,00 10,00 Valor do produto R$/saca 28,50 22,80 19,00 28,50 22,80 19,00 Custo do producao 17,74 22,18 26,62 14,96 18,71 22,45 Lucro Liquido R$ 206,80 64,30-30,70 286,00 143,50 48,50 Ponto de equilibrio (R$/sc) 20,23 17,06

26 Possibilidades de cultivo do Girassol Integração Lavoura Pecuária: Produção de grãos Cobertura de solo Produção de Carne na Entressafra (Jun-Set) Aumento da receita R$/ha/ano

27 Consorciação Girassol x Brachiaria

28 Girassol + Brachiarias Semeaduras em linhas alternadas (90cm) Redução de competição entre espécies Bom potencial produtivo Girassol + Brachiaria na mesma linha Semeadura mais antecipadas Melhor uniformidade na cobertura do solo Benefícios: Produção de grãos (girassol) Formação de cobertura de solo (brachiarias) Possibilidade da Terceira safra (gado)

29 Girassol: Integração lavoura Pecuária Soja: 60 sacas/ha Girassol: sacas/ha Gado: TRÊS SAFRAS/ANO AGRICOLA Possível e altamente rentável

30 Girassol + Brachiaria

31

32

33 Cobertura de Brachiaria após colheita de Girassol

34

35

36 Cobertura de Brachiaria após colheita de Milho e Girassol Outubro

37

38

39 Girassol +Brachiaria + Guandu

40 Girassol +Brachiaria + Guandu

41 Outras opções de consórcio Girassol + Crotalarias: Fixação de N Supressão de Nematóides Reciclagem nutricional Girassol + Crotalarias + Brachiarias: Girassol + Crotalarias + Pe de Galinha Outros sistemas consorciados:

42 Sistema de Produção eficiente só se faz utilizando tecnologia adaptada à cada situação

43 Maio de

44 CENTRO TECNOLÓGICO FUNDAÇÃO RIO VERDE (CETEF)

45 Grato pela atenção! Fundação Rio Verde Rodovia da Mudança Km 08 Lucas do Rio Verde MT Formma Consultoria Agronômica Clayton Giani Bortolini

Fundação de Apoio e Pesquisa e Desenvolvimento Integrado Rio Verde

Fundação de Apoio e Pesquisa e Desenvolvimento Integrado Rio Verde PARCERIIA FUNDAÇÃO RIIO VERDE - SN CENTRO Lucas do Rio, Outubro de 2007 PLANO DE PARCERIA FUNDAÇÃO RIIO VERDE - SN CENTRO TECNOLOGIAS DE NUTRIÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS LINHA DE PESQUISA: Avaliação de

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

3.4.2. Época 2: Semeadura da pastagem simultaneamente com a semeadura do milho safrinha numa única operação

3.4.2. Época 2: Semeadura da pastagem simultaneamente com a semeadura do milho safrinha numa única operação Tecnologia e Produção: Milho Safrinha e Culturas de Inverno - 2008 espaçamento de 45 cm. O método leva em consideração que parte das sementes da pastagem serão incorporadas na operação de semeadura do

Leia mais

Sorgo sacarino e alta biomassa: evolução e viabilidade econômica Ribeirão Preto 24/set/14

Sorgo sacarino e alta biomassa: evolução e viabilidade econômica Ribeirão Preto 24/set/14 Sorgo sacarino e alta biomassa: evolução e viabilidade econômica Ribeirão Preto 24/set/14 Linha de produtos José Geraldo Sousa Ceres Inc. EUA raízes de uma grande empresa Ceres No mundo Multinacional Americana

Leia mais

NABO FORRAGEIRO E BIOCOMBUSTÍVEL

NABO FORRAGEIRO E BIOCOMBUSTÍVEL NABO FORRAGEIRO ROTAÇÃO DE CULTURA E BIOCOMBUSTÍVEL 1 ESPÉCIE E USOS É uma planta da família das Crucíferas, muito utilizada para adubação verde no inverno, rotação de culturas e alimentação animal. Fonte:

Leia mais

Híbridos de. A Dow AgroSciences oferece um portifólio de híbridos com lançamentos projetados para os desafios de cada região do Brasil,

Híbridos de. A Dow AgroSciences oferece um portifólio de híbridos com lançamentos projetados para os desafios de cada região do Brasil, Híbridos de MILHO GRÃO E SILAGEM A Dow AgroSciences oferece um portifólio de híbridos com lançamentos projetados para os desafios de cada região do Brasil, aliado à biotecnologia PowerCore. Escolher a

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Estimativas de custo de produção de trigo e de aveia - safra 2006

Estimativas de custo de produção de trigo e de aveia - safra 2006 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 186 Foto: Paulo Kurtz ISSN 1517-4964 Dezembro, 2006 Passo Fundo, RS Estimativas de custo de produção de trigo e de aveia - safra 2006 Cláudia De Mori

Leia mais

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. VII Congresso

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE RESULTADOS DE PESQUISA DETERMINAÇÃO DE RESPOSTAS ECONÔMICAS A FERTILIZAÇÃO COM NITROGÊNIO E POTÁSSIO SOBRE O RENDIMENTO DE ALGODÃO PÓS-SOJA

Leia mais

HEVEICULTURA IMPLANTAÇÃO E FORMAÇÃO DE SERINGAIS NO CERRADO APROB-GO/TO DEZEMBRO DE 2013 AGNALDO GOMES DA CUNHA

HEVEICULTURA IMPLANTAÇÃO E FORMAÇÃO DE SERINGAIS NO CERRADO APROB-GO/TO DEZEMBRO DE 2013 AGNALDO GOMES DA CUNHA HEVEICULTURA IMPLANTAÇÃO E FORMAÇÃO DE SERINGAIS NO CERRADO APROB-GO/TO DEZEMBRO DE 2013 AGNALDO GOMES DA CUNHA APRESENTAÇÃO 1- PRÉ PLANTIO (PLANEJAMENTO) 2- TIPOS DE SOLO E PLANTIO 3- TRATOS CULTURAIS

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO Palestra apresenta no I Seminário alusivo ao Dia Nacional do Calcário, no dia 23 de maio de 2013, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2015 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.448.440 3.365.849 1.710.450 668.615 1.914.651 9.108.005 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.513,57 R$ 1.611,79

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Novembro/2014

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Novembro/2014 MATO GROSSO - Novembro/2014 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.448.440 3.365.849 1.710.450 668.615 1.914.651 9.108.005 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.437,49 R$ 1.612,95

Leia mais

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA Fatores válidos para recolhimento em 01/02/2017 JANEIRO 3,4634 3,3316 3,1086 2,9486 2,7852 2,6042 2,3996 2,2471 2,0710 1,9331 1,8123 1,6867 FEVEREIRO 3,4534 3,3078 3,0941 2,9384 2,7727 2,5859 2,3888 2,2349

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE CULTIVO DE MILHO SAFRINHA

VIABILIDADE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE CULTIVO DE MILHO SAFRINHA VIABILIDADE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE CULTIVO DE MILHO SAFRINHA Alceu Richetti 1 Introdução O milho safrinha é cultivado em pequenas, médias e grandes propriedades, onde o nível de investimento (adubação,

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente foi verificar

Leia mais

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO SALVADOR 5 DE AGOSTO DE 2014 Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Influência

Leia mais

Cenários de Soja e Milho para 2013. Novembro 2012

Cenários de Soja e Milho para 2013. Novembro 2012 Cenários de Soja e Milho para 2013 Novembro 2012 Milho milhões t. Milho / EUA - Produção Expectativa inicial (Pré-Plantio) 376 282 268 331 307 333 316 314 (104) 272 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11

Leia mais

Planejamento e Manejo de Lavouras Transgênicas de Algodão nos Sistemas de Produção

Planejamento e Manejo de Lavouras Transgênicas de Algodão nos Sistemas de Produção Planejamento e Manejo de Lavouras Transgênicas de Algodão nos Sistemas de Produção Wanderley Katsumi Oishi Consultor Agrícola Quality Cotton Cons. Agronômica Ltda. Situação Atual da Destruição Química

Leia mais

Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil. Carlos Clemente Cerri

Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil. Carlos Clemente Cerri Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil Carlos Clemente Cerri PLANO DE APRESENTAÇÃO Aquecimento global Opções de mitigação Redução do desmatamento Pecuária Reflorestamento Agricultura

Leia mais

Desafios para aumento da produtividade da soja

Desafios para aumento da produtividade da soja Desafios para aumento da produtividade da soja Embrapa Soja Avaliação e Reflexões sobre a Produtividade da Soja no Mato Grosso Passado, presente e futuro Londrina, 25 de outubro de 2016 Leandro Zancanaro

Leia mais

OPORTUNIDADE DE OTIMIZAÇÃO DO SISTEMA DE CULTURAS AGRICOLAS (ARROZ, SOJA, MILHO) Santa Maria, 09 de junho de 2016

OPORTUNIDADE DE OTIMIZAÇÃO DO SISTEMA DE CULTURAS AGRICOLAS (ARROZ, SOJA, MILHO) Santa Maria, 09 de junho de 2016 OPORTUNIDADE DE OTIMIZAÇÃO DO SISTEMA DE CULTURAS AGRICOLAS (ARROZ, SOJA, MILHO) PROF. TITULAR ENIO MARCHESAN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Santa Maria, 09 de junho de 2016 ROTEIRO 1 - Caracterização

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

.:.J. Estimativa de custos de produção de milho safrinha, em plantio direto na palha, para a região do cerrado de Rondônia, safra 1998

.:.J. Estimativa de custos de produção de milho safrinha, em plantio direto na palha, para a região do cerrado de Rondônia, safra 1998 7045,.:.J Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuiria Centro de Pesquisa Agroflorestal de Rond6nia Ministério da Agricultura e do Abastecimento NQ150, nov./98, p.1-4 Estimativa de custos de produção de

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA

COLETIVA DE IMPRENSA COLETIVA DE IMPRENSA São Paulo, 20 de dezembro de 2012 ROTEIRO I. Oferta de cana-de-açúcar na região Centro-Sul: condições agrícolas e climáticas II. Moagem e produção de açúcar e etanol na região Centro-Sul

Leia mais

Fases de Desenvolvimento da Cultura do Milho

Fases de Desenvolvimento da Cultura do Milho Tecnologia e Produção: Milho Safrinha e Culturas de Inverno - 2008 4 Fases de Desenvolvimento da Cultura do Milho Martin Weismann1 Definição da Densidade do grão Definição do Tamanho da Espiga R2 Definição

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200 INTEGRAÇÃO LAVOURA- PECUÁRIA Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini UNESP Campus Experimental de Dracena (18) 3821-8200 8200 lupatini@dracena.unesp.br 1 INTRODUÇÃO Monocultivo de culturas e pastagens; Problemas

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2015 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 333.627 1.548.845 530.231 201.169 664.932 3.278.803 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.241,80 R$ 1.148,62 R$

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2016/2017 MATO GROSSO - Março/2016

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2016/2017 MATO GROSSO - Março/2016 MATO GROSSO - Março/2016 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 357.536 1.585.024 583.054 209.446 750.982 3.486.042 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.397,93 R$ 1.282,86 R$ 1.292,30

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba - UFPB Centro de Ciências Agrárias - CCA Grupo de Pesquisa Lavoura Xerófila - GPLX

Universidade Federal da Paraíba - UFPB Centro de Ciências Agrárias - CCA Grupo de Pesquisa Lavoura Xerófila - GPLX Universidade Federal da Paraíba - UFPB Centro de Ciências Agrárias - CCA Grupo de Pesquisa Lavoura Xerófila - GPLX Palma Forrageira (Opuntia fícus indica e Nopalea cochenilifera) Mauricio Luiz de Mello

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T16

Teleconferência de Resultados 2T16 Teleconferência de Resultados 2T16 1 2 Destaques Receita Líquida de R$100,0 milhões no 6M16. Lucro Líquido de R$45,8 milhões no 6M16. EBITDA Ajustado de R$18,3 milhões no 6M16. Fornecimento de 1,0 milhão

Leia mais

Relações de Preço Sorgo/Milho nos Estados de São Paulo, Goiás e Rio Grande do Sul, 2001-2009. Alfredo Tsunechiro e Maximiliano Miura

Relações de Preço Sorgo/Milho nos Estados de São Paulo, Goiás e Rio Grande do Sul, 2001-2009. Alfredo Tsunechiro e Maximiliano Miura Relações de Preço Sorgo/Milho nos Estados de São Paulo, Goiás e Rio Grande do Sul, 2001-2009 Alfredo Tsunechiro e Maximiliano Miura Instituto de Economia Agrícola (IEA) Caixa Postal 68.029 04047-970 São

Leia mais

Avaliação do desempenho de novilhos em Sistema Integração Lavoura-Pecuária

Avaliação do desempenho de novilhos em Sistema Integração Lavoura-Pecuária Avaliação do desempenho de novilhos em Sistema Integração Lavoura-Pecuária Rafael França Fonseca (1), Maria Celuta Machado Viana (2), José Joaquim Ferreira (2), Waldir Botelho (2), Geraldo Antônio Resende

Leia mais

Fazenda Triunfo Integração Lavoura-Pecuária Safrinha de Boi. Diversificação da produção em larga escala em clima tropical (Oeste da Bahia)

Fazenda Triunfo Integração Lavoura-Pecuária Safrinha de Boi. Diversificação da produção em larga escala em clima tropical (Oeste da Bahia) Fazenda Triunfo Integração Lavoura-Pecuária Safrinha de Boi Diversificação da produção em larga escala em clima tropical (Oeste da Bahia) Nossa experiência de... Integração lavoura-pecuária ROTEIRO DA

Leia mais

1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2

1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 CLIMA DE EXPECTATIVA: O aumento da expectativa de produtividade do milho safrinha se deve principalmente às condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento da cultura ocorridas até então. Os ganhos

Leia mais

MANEJO DE BUVA (Conyza spp.) E DE AZEVÉM (Lolium multiflorum) RESISTENTES AO GLIFOSATO

MANEJO DE BUVA (Conyza spp.) E DE AZEVÉM (Lolium multiflorum) RESISTENTES AO GLIFOSATO MANEJO DE BUVA (Conyza spp.) E DE AZEVÉM (Lolium multiflorum) RESISTENTES AO GLIFOSATO Mario Antonio Bianchi CCGL Tecnologia - CCGL TEC Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ Workshop Latino-Americano sobre

Leia mais

Manejo integrado de pragas e doenças do maracujazeiro

Manejo integrado de pragas e doenças do maracujazeiro Manejo integrado de pragas e doenças do maracujazeiro Princípios do manejo integrado de pragas e doenças Viroses Bacterioses Doenças causadas por fungos Nematóides Pragas de maior importância Outras pragas

Leia mais

SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO

SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO CONJUNTURA BIMESTRAL: JULHO e AGOSTO/15 ANO 1. Nº 2 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre a safra brasileira

Leia mais

Relevância e principais alternativas para diversificação de modelos de produção envolvendo a soja

Relevância e principais alternativas para diversificação de modelos de produção envolvendo a soja Relevância e principais alternativas para diversificação de modelos de produção envolvendo a soja Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. XXXVI

Leia mais

Consórcio de milho safrinha com Brachiaria ruziziensis. Julio Franchini Henrique Debiasi

Consórcio de milho safrinha com Brachiaria ruziziensis. Julio Franchini Henrique Debiasi Consórcio de milho safrinha com Brachiaria ruziziensis Julio Franchini Henrique Debiasi Premissas Por quê colocar uma espécie forrageira para competir com o milho na safrinha? Sucessão milho safrinha/soja

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA EM CULTIVO CONSORCIADO

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA EM CULTIVO CONSORCIADO ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA EM CULTIVO CONSORCIADO Alceu Richetti 1, Gessi Ceccon 2 1. Introdução As condições de riscos e incertezas na agricultura são elevadas e, para

Leia mais

COMPETITIVIDADE ECONÔMICA ENTRE AS CULTURAS DE MILHO SAFRINHA E DE SORGO NO ESTADO DE GOIÁS

COMPETITIVIDADE ECONÔMICA ENTRE AS CULTURAS DE MILHO SAFRINHA E DE SORGO NO ESTADO DE GOIÁS COMPETITIVIDADE ECONÔMICA ENTRE AS CULTURAS DE MILHO SAFRINHA E DE SORGO NO ESTADO DE GOIÁS Alfredo Tsunechiro 1, Maximiliano Miura 2 1. Introdução O Estado de Goiás se destaca entre as Unidades da Federação

Leia mais

Apresentação Case Campeão de Produtividade da Região Norte/Nordeste e Nacional Plínio Itamar de Souza (Ph.D.), Pesquisador de Soja Membro do CESB e

Apresentação Case Campeão de Produtividade da Região Norte/Nordeste e Nacional Plínio Itamar de Souza (Ph.D.), Pesquisador de Soja Membro do CESB e Apresentação Case Campeão de Produtividade da Região Norte/Nordeste e Nacional Plínio Itamar de Souza (Ph.D.), Pesquisador de Soja Membro do CESB e Consultor da ABRASEM Safra 2011/2012 Dados do Participante

Leia mais

Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade

Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade B.Sc. Agronomia José Eduardo de Macedo Soares Júnior Fazenda Capuaba / Lucas do Rio Verde-MT Fazenda Capuaba Lucas do Rio Verde

Leia mais

RENDIMENTO DE GRÃOS DE SOJA EM SUCESSÃO AVEIA PRETA SOB DIVERSOS MANEJOS

RENDIMENTO DE GRÃOS DE SOJA EM SUCESSÃO AVEIA PRETA SOB DIVERSOS MANEJOS 116 Resultados de soja da Embrapa Trigo RENDIMENTO DE GRÃOS DE SOJA EM SUCESSÃO AVEIA PRETA SOB DIVERSOS MANEJOS À Gilberto Omar Tomm' Henrique Pereira dos Sentas' Introdução A aveia preta (Avena strigosa

Leia mais

FATORES DE SUCESSO E O CASO DO ZÉ TRANQUILO. por Fernando Pimentel

FATORES DE SUCESSO E O CASO DO ZÉ TRANQUILO. por Fernando Pimentel FATORES DE SUCESSO E O CASO DO ZÉ TRANQUILO por Fernando Pimentel IMPORTÂNCIA DO MOMENTO DE COMPRA Preços dos fertilizantes em Rondonópolis US$/ton 800,00 700,00 KCL 0-18-18 600,00 500,00 400,00 300,00

Leia mais

Recria Intensiva em sistemas de ILP(F).

Recria Intensiva em sistemas de ILP(F). Recria Intensiva em sistemas de ILP(F). William Marchió :. Rede de Fomento ILPF Integração Lavoura Pecuária e Floresta ilpf Intensif icação Sustentável Rede de Fomento ILPF ILPF NO BRASIL Pesquisa encomendada

Leia mais

EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS

EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS André Cesar Vitti Eng. Agr., Dr. PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA acvitti@apta.sp.gov.br Entre

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA Alceu Richetti 1 1.INTRODUÇÃO No cenário nacional, o Estado de Mato Grosso do Sul é o terceiro maior produtor de milho safrinha e o quinto

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 INTRODUÇÃO

ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 INTRODUÇÃO 1 ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 Carla Maria Pandolfo 2, Sérgio Roberto Zoldan 3, Milton da Veiga 4 INTRODUÇÃO O município de Campos Novos

Leia mais

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Murillo Freire Junior Embrapa Agroindústria de Alimentos Rio de Janeiro, RJ 15/03/2016 Perdas e Desperdícios de

Leia mais

Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade. Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014

Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade. Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014 Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014 Portfólio da BBM a serviço do Agro NEGÓCIOS COM PRODUTOS FÍSICOS LEILÕES DA PGPM REGISTRO

Leia mais

REPENSANDO A ADUBAÇÃO NPK EM SISTEMAS DE ALTA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS. Álvaro V. Resende

REPENSANDO A ADUBAÇÃO NPK EM SISTEMAS DE ALTA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS. Álvaro V. Resende REPENSANDO A ADUBAÇÃO NPK EM SISTEMAS DE ALTA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS Álvaro V. Resende Araxá, 19/09/2014 Roteiro Contexto dos sistemas soja-milho Repensando a adubação NPK Considerações finais Contexto

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA CENTRO DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DO OESTE - CPAO RELATÓRIO PARCIAL DE AUXÍLIO Á PESQUISA

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA CENTRO DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DO OESTE - CPAO RELATÓRIO PARCIAL DE AUXÍLIO Á PESQUISA EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA CENTRO DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DO OESTE - CPAO RELATÓRIO PARCIAL DE AUXÍLIO Á PESQUISA Projeto Agrisus No: 769/2011 Título: Produtividade de soja em

Leia mais

A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado.

A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado. Escrito por: Renato Anselmi Link: Panorama Rural A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado. Minas Gerais está se tornando berço

Leia mais

Soja: manejo para alta produtividade de grãos. André Luís Thomas, José Antonio Costa (organizadores). Porto Alegre: Evangraf, 2010. 248p. : il.

Soja: manejo para alta produtividade de grãos. André Luís Thomas, José Antonio Costa (organizadores). Porto Alegre: Evangraf, 2010. 248p. : il. Soja: manejo para alta produtividade de grãos. André Luís Thomas, José Antonio Costa (organizadores). Porto Alegre: Evangraf, 2010. 248p. : il., 23 cm. ISBN 978-85-7727-226-6 Apresentação Este livro contempla

Leia mais

ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA

ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA PRIMEIROS CAMPONESES Os primeiros camponeses foram caçadores e coletores, ou seja, eram somente extrativistas: retiravam os alimentos da natureza, sem qualquer controle

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula prática: Amostragem de Solo FINALIDADES DA ANÁLISE DE SOLO Determinar a disponibilidade de nutrientes; Indicar ao agricultor o nível

Leia mais

7 PRÁTICAS CULTURAIS

7 PRÁTICAS CULTURAIS CULTURA DO MILHO 7 PRÁTICAS CULTURAIS 7.1 Preparo do Solo O preparo do solo pode ser realizado de diversas formas dependendo: -Tamanho da área; -Disponibilidade de equipamentos pelo produtor; -Disponibilidade

Leia mais

Plantas daninhas no cenário de resistência

Plantas daninhas no cenário de resistência Plantas daninhas no cenário de resistência Conhecendo e manejando o milho voluntário Mauro Antônio Rizzardi Eng. Agr., Dr., Prof. Universidade de Passo Fundo Sucessão soja:milho milho:soja JUL AGO SET

Leia mais

Bibliografia. EPAGRI A cultura do feijão em Santa Catarina. Florianópolis, 1992, 285p.

Bibliografia. EPAGRI A cultura do feijão em Santa Catarina. Florianópolis, 1992, 285p. Bibliografia EPAGRI A cultura do feijão em Santa Catarina. Florianópolis, 1992, 285p. Sartoratto, A.; Rava, C.A. Principais doenças do feijoeiro e seu controle. EMBRAPA, 1994, 300p. Feijão no inverno.

Leia mais

"Estratégias de manejo de plantas

Estratégias de manejo de plantas 1 "Estratégias de manejo de plantas daninhas para maximizar a produtividade na cultura do milho". Eng. Agr. Prof. Dr. Diecson Ruy Orsolin da Silva UFSM campus Frederico Westphalen "VI SIMPÓSIO DE ATUALIZAÇÃO

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare)

A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare) A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare) INTRODUÇÃO: - Origem: - Mesopotâmia; - Produção: - Ásia; - Europa; - América do Norte; - 80%. INTRODUÇÃO: - Características das regiões produtoras; - Brasil: - 1920-1930;

Leia mais

ALGODÃO 2001/02 SAFRINHA 2002 RESULTADOS DE PESQUISA

ALGODÃO 2001/02 SAFRINHA 2002 RESULTADOS DE PESQUISA Fundação de Apoio a Pesquisa e Desenvolvimento Integrado Rio Verde FUNDAÇÃO RIO VERDE Lucas do Rio Verde MT Boletim Técnico n.º 06 ALGODÃO 2001/02 SAFRINHA 2002 RESULTADOS DE PESQUISA Lucas do Rio Verde

Leia mais

Inovações em nutrição via sementes

Inovações em nutrição via sementes II Encontro Nacional da Soja: Rio Verde, 11 de setembro de 2015 Inovações em nutrição via sementes Eng. Agro, M.Sc. Ithamar Prada Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento DESAFIO DA AGRICULTURA - POTENCIAL

Leia mais

PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE

PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE Rosalina Maria Alves Rapassi (1), Rodrigo Anselmo Tarsitano (2), Ércio Roberto Proença (3) Introdução O milho

Leia mais

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89)

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) 3562-2274 Efeito do uso dos produtos da linha Celleron no tratamento de semente e na parte aérea, para o aumento do

Leia mais

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA janeiro de 215 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL

LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL ANEXO 2 LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL Região Norte Mês Semana Título principal FEV. 1ª Como lidar com a resistência de bovinos e ovinos aos antiparasitários

Leia mais

Problemas operacionais e custos dos cafezais de montanha.

Problemas operacionais e custos dos cafezais de montanha. Problemas operacionais e custos dos cafezais de montanha. M.L. Carvalho, Eng Agr. Fdas Reunidas L & S J.B. Matiello, Eng Agr. MAPA/Procafé G.M. Souza,Gerente Recursos Humanos Fdas Reunidas L & S M.L.L.

Leia mais

1. Aspectos gerais da cultura

1. Aspectos gerais da cultura CULTURA DO ARROZ 1. Aspectos gerais da cultura Centro de Origem -Asiático -Africano Gênero Oryza 25 espécies dispersas Espécies Sul Americanas Ásia África América do Sul e Central Espécies utilizadas Histórico

Leia mais

DESAFIOS DO PRODUTOR:

DESAFIOS DO PRODUTOR: Milho-Análise DESAFIOS DO PRODUTOR: Durante o período de plantio, colheita e comercialização de uma cultura, a tarefa de garantir boa produção e bom preço são de grande relevância para o produtor. Sendo

Leia mais

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman 9º Seminário Nacional de Milho Safrinha. Rumo à estabilidade: anais. 311 COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA, EM DOURADOS, MS (1) (2) (3) Gessi Ceccon, Giovani Rossi,

Leia mais

09 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

09 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 09 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA RR EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja com tecnologia RR em duas

Leia mais

Fernando Penteado Cardoso Ondino Cleante Bataglia Giseli Brüggemann Antonio Roque Dechen

Fernando Penteado Cardoso Ondino Cleante Bataglia Giseli Brüggemann Antonio Roque Dechen Fernando Penteado Cardoso Ondino Cleante Bataglia Giseli Brüggemann Antonio Roque Dechen Em 2014 o Rally da Safra realizou sua 11ª Edição. Há 9 anos conta com o apoio da Fundação Agrisus na Avaliação do

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 25 de fevereiro de 2011 Número: 141. É mesmo

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 25 de fevereiro de 2011 Número: 141. É mesmo Milho - Análise É mesmo MILHO COMPROMETIDO EM PLENO PLANTIO: O Imea realizou na semana o primeiro levantamento de comercialização de milho da corrente safra e o volume comprometido alcança 28,8% no mês

Leia mais

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Os produtores de Cascavel se reuniram no dia 29/06, para realizar o levantamento de custos de produção de grãos para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa

Leia mais

Boas Práticas Agrícolas no MS. Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt. Astecplan Ltda

Boas Práticas Agrícolas no MS. Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt. Astecplan Ltda Boas Práticas Agrícolas no MS Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt Astecplan Ltda Atua desde 1997, na região dos Chapadões MS e GO; Atende áreas no MS ( Sede ), GO e MT; Foco em algodão, soja e milho; Área

Leia mais

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Adubação de Lavouras Podadas Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Tipos de Podas Critérios básicos para o sucesso das podas 2. Adubação do cafeeiro

Leia mais

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo.

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Eng. Agr. Dr. Douglas de Castilho Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do Solo (67) 9681-7293 douglas@fundacaoms.org.br Roteiro da Palestra 1. Ambientes

Leia mais

Módulo 2. Conceitos do MIP

Módulo 2. Conceitos do MIP Módulo 2 Conceitos do MIP O que fazer para conter essa praga? A solução não está no MIP por cultura! MIP Soja Identificação das Pragas e dos Inimigos Naturais Monitoramento Tomada de decisão MIP Algodão

Leia mais

SEGUNDA SAFRA 2004 RESULTADOS DE PESQUISA Divulgação Aberta

SEGUNDA SAFRA 2004 RESULTADOS DE PESQUISA Divulgação Aberta Fundação de Apoio a Pesquisa e Desenvolvimento Integrado Rio Verde FUNDAÇÃO RIO VERDE Lucas do Rio Verde MT Boletim Técnico nº 10 SEGUNDA SAFRA 2004 RESULTADOS DE PESQUISA Divulgação Aberta Algodão, Milho,

Leia mais

PLANTIO DIRETO DO TOMATEIRO. Roberto Botelho Ferraz Branco Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Centro Leste/APTA branco@apta.sp.gov.

PLANTIO DIRETO DO TOMATEIRO. Roberto Botelho Ferraz Branco Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Centro Leste/APTA branco@apta.sp.gov. PLANTIO DIRETO DO TOMATEIRO Roberto Botelho Ferraz Branco Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Centro Leste/APTA branco@apta.sp.gov.br A agricultura moderna está pautada em elevadas produtividades e conservação

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1151

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1151 Página 1151 ANÁLISE DO CULTIVO DA MAMONEIRA NA MICRORREGIÃO DE IRECÊ BA Jalmi Guedes Freitas 1, Fábio Aquino de albuquerque¹, Márcia Barreto Medeiros da Nóbrega¹, Máira Milani¹ 1 Embrapa Algodão: Rua Oswaldo

Leia mais

AVEIA PRETA - ALTERNATIVA DE CULTIVO NO OUTONO/INVERNO. Vera Lucia Nishijima Paes De Barros

AVEIA PRETA - ALTERNATIVA DE CULTIVO NO OUTONO/INVERNO. Vera Lucia Nishijima Paes De Barros AVEIA PRETA - ALTERNATIVA DE CULTIVO NO OUTONO/INVERNO Vera Lucia Nishijima Paes De Barros Engª. Agrª., MSc., PqC do Polo Regional Sudoeste Paulista/APTA vpaes@apta.sp.gov.br Embora a aveia preta tenha

Leia mais

C EA E 3 1 4 27 2 84 8 /D / -RS R 23 2 92 9 -MS) P

C EA E 3 1 4 27 2 84 8 /D / -RS R 23 2 92 9 -MS) P Avaliação das Cultivares de Soja Safra 2013/14 e Posicionamento para Safra 2014/15. Carlos Pitol 1 Elton José Erbes 2 Thiago da Silva Romeiro 3 1 Eng Agrº (CREA 42784/D-RS Visto 2392-MS) Pesquisador da

Leia mais

COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA

COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA Mariana S. de Proença 1, Leonel J. Ribeiro 2, Maria C. Ferrari 3, Flavia C. Cavalini 4 1 Graduanda em Agronegócio,

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

PESQUISA EM ANDAMENTO

PESQUISA EM ANDAMENTO ISSN 1413-0157 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agropecuária do Oeste Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR 163, km 253,6 - Trecho Dourados-Caarapó km 5 Caixa Postal

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR Foi realizado no dia 09 de julho de 2012 em Castro (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação da

Leia mais

Manejo da adubação para produção de grãos em solos de fertilidade construída. Álvaro V. Resende

Manejo da adubação para produção de grãos em solos de fertilidade construída. Álvaro V. Resende Manejo da adubação para produção de grãos em solos de fertilidade construída Álvaro V. Resende Roteiro Solo de fertilidade construída: base para produção intensiva Construção de um ambiente de alto potencial

Leia mais

TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS

TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS Andréia Cristina Silva Hirata Eng. Agr., Doutora, Pesquisadora científica do Polo Regional Alta Sorocabana/APTA andreiacs@apta.sp.gov.br Edson Kiyoharu

Leia mais