ANÁLISE DA QUANTIDADE DE CLORETO DE SÓDIO UTILIZADA NO ALMOÇO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO EM DOURADOS-MS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA QUANTIDADE DE CLORETO DE SÓDIO UTILIZADA NO ALMOÇO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO EM DOURADOS-MS"

Transcrição

1 37 ANÁLISE DA QUANTIDADE DE CLORETO DE SÓDIO UTILIZADA NO ALMOÇO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO EM DOURADOS-MS ANALYSIS OF THE AMOUNT OF SODIUM CHLORIDE USED AT LUNCH OF FOOD AND NUTRITION UNIT IN DOURADOS-MS BERTONCELLO, Thais Fernandes 1 ; CINTRA, Patricia 1 Resumo Atualmente é notável a mudança nos padrões alimentares da população, incluindo o consumo excessivo de produtos com alto teor de cloreto de sódio (NaCl) que é o popular sal de cozinha, sendo assim, o objetivo deste estudo foi avaliar a quantidade no almoço de uma Unidade de Alimentação e Nutrição. O presente estudo foi descritivo e foram analisadas as quantidades de três dias de almoço servidos para 850 funcionários. Para a quantificação do sal foram necessárias as pesagens dos s e foram descontadas as sobras. Verificou-se no primeiro, segundo e terceiro dias, que as quantidades per capita consumidas foram: 6,83 g, 5,07 g e 4,89 g respectivamente. Durante o período do estudo não houve adequação nas recomendações estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde, sendo que no primeiro, segundo e terceiro dias, as quantidades consumidas excederam em 241,5%, 153,5%, e 144,5% respectivamente. Sugere-se que a unidade retire o saleiro das mesas, adote práticas de orientação nutricional com os clientes e o treinamento com os cozinheiros. Palavras chave: per capita, per capita de sódio, qualidade da alimentação. Abstract Currently it is remarkable the change in dietary patterns of the population, including excessive consumption of products with high content of sodium chloride (NaCl) that is the popular cooking salt, therefore, the objective of this study was to evaluate the amount of salt in the lunch of a Food and Nutrition Unit. The present study was descriptive and the quantities of salt were analyzed from three days of lunch served to 850 employees. For the quantification of salt were required the weighing of food and were discounted leftovers. It was found in the first, second and third days, that the quantities of salt per capita consumed were: 6.83 g, 5.07 g and 4.89 g respectively. During the study period there was no adjustment in salt recommendations set by the World Health Organization, and the first, second and third days, the amount of salt consumed exceeded 241.5%, 153.5%, and %, respectively. It is suggested that the Unit remove the salt shaker from the tables, adopt nutritional guidance practices with customers and the training with the cooks. Keywords: per capita NaCl, per capita sodium, quality of food. 1 Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN). Departamento de Nutrição, Dourados-MS, Brasil.

2 38 Introdução O setor de alimentação coletiva forma um complexo e importante setor de negócio em todo o mundo, trata-se de um conjunto de áreas de serviços que são responsáveis por produzir refeições dentro dos padrões higiênicos e dietéticos recomendados. Este setor conta com o auxílio de portarias e resoluções que são atualizadas constantemente, buscando sempre as melhores formas para o desenvolvimento de refeições com qualidade (SAVIO, 2005). É notável a mudança nos padrões alimentares da população, como o consumo excessivo de produtos industrializados que apresentam alto teor de sódio, de gorduras saturadas e também a alta adição do Cloreto de Sódio (Sal de Cozinha) nas preparações, ocasionando uma ingestão maior do que o recomendado pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Estes excessos na alimentação favorecem uma série de doenças conhecidas como crônicas não transmissíveis, a exemplo da hipertensão, doenças cardiovasculares, câncer, entre outras (CUPPARI, 2012). A OMS, recomenda que a ingestão diária seja inferior a 5 gramas/dia, sendo recomendados 2 gramas em cada uma das refeições principais, ou seja o almoço e o jantar e é importante ressaltar que 1 grama contem 400 mg de sódio (OPAS/OMS, 2012). Há diferença entre o sódio e o cloreto de sódio, o primeiro é um elemento mineral e o segundo representa a união do sódio com o cloro, formando cristais iônicos que por sua vez formam o cloreto de sódio (sal de cozinha) (RODRIGUES, 2010). O PAT (Programa de Alimentação do Trabalhador) tem como objetivo melhorar as condições nutricionais da alimentação dos trabalhadores, principalmente evitando as doenças crônicas não transmissíveis, como a hipertensão. Segundo a Portaria Interministerial Nº. 66, de 25 de Agosto de 2006, que trata dos paramentos nutricionais adequados para os trabalhadores, a quantidade diária recomendada de sódio é de 2400 mg/dia, cerca de um valor igual ou menor que 6 gramas de Cloreto de Sódio/dia. Nas refeições principais como o almoço e jantar recomenda-se um valor médio de mg de sódio/dia por refeição, cerca de 2 gramas de Cloreto de Sódio/dia (MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 2006). O Brasil está classificado entre os países que consomem a maior média por dia, cerca de 15,09 gramas/dia, o triplo do que recomenda a OMS, como consequência deste dado o Brasil também apresenta 18,2% da população com hipertensão arterial, uma das patologias que sofrem maior influência do alto consumo de sal e que está alocada como a 3ᵃ causa de afastamento do trabalhador no serviço (MONTEIRO, 2000). Estudos realizados em países desenvolvidos mostram que o consumo diário de sódio ultrapassa o recomendado pela OMS, fato que é explicado pelo alto consumo de s industrializados (BEER-BORST, 2009). O sódio não é apenas um vilão para o ser humano, prejuízos só acontecem quando há um consumo excessivo do mesmo. Seu uso é conhecido desde o início da humanidade e o mesmo apresenta funções diversas como a melhora no sabor dos s, controle da água do nosso organismo e a participação nas contrações musculares (SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO, 2010). A preocupação com o excesso na alimentação não está relacionado apenas ao aumento da pressão arterial, mas também as complicações que podem ser geradas quando não há o controle deste aumento arterial, complicações estas que vão desde os problemas renais a cardiovasculares podendo ser até fatais (OPAS/OMS, 2012). A recomendação sugerida pela American Heart Association (AHA) para pacientes portadores de hipertensão arterial é em média 1,5 g/dia por dia, uma quantidade muito baixa comparada a estimativa de consumo da população e para

3 39 que estas recomendações sejam atingidas a população deve tomar consciência dos benefícios que podem ser proporcionados pela diminuição da ingestão deste mineral (AMERICAN HEART ASSOCIATION, 2010). As Unidades de Alimentação representam um papel importante na diminuição do consumo e as formas para a adequação vão desde a troca dos temperos industrializados utilizados nas preparações por temperos naturais, na diminuição gradativa do sal utilizado para produzir as refeições e ações educativas e informativas para os comensais sobre os benefícios que podem ser adquiridos através da diminuição da utilização do Cloreto de Sódio nas refeições (VEIROS, 2002). O trabalho foi realizado na Unidade de Alimentação e Nutrição em Dourados (MS) de 27 a 29 de setembro de 2012, utilizando o método descritivo (BARUFFI, 2004; CERVO; BERVIAN, 1996). A pesquisa descritiva busca, descreve, analisa e interpreta fatos ou fenômenos envolvendo a coleta de dados. Foi analisado a adição de sal de cozinha nas preparações servidas no almoço de 3 dias consecutivos para os 850 funcionários da empresa. O cardápio analisado foi composto de 2 pratos proteicos, 1 guarnição e os pratos bases (Arroz e Feijão) e os dados coletados foram: peso das preparações do cardápio, quantificação das sobras, per capita, per capita de sódio e resto ingesta. Material e Métodos Término da cocção dos s Peso total das preparações Peso das sobras Per capita Per capita de sódio Peso do reto ingesta Figura 1 Fluxograma do término da cocção dos s e suas pesagens As sobras são s não consumidos e neste sentido temos a sobra viável (sobra da panela) que é aquela que pode ser reaproveitada desde que sejam respeitados os critérios de tempo e temperatura e a sobra inviável que é aquela que sobrou no balcão de distribuição e que não pode ser reaproveitada, pois trata-se de um que foi exposto ao cliente e ao ambiente e supostamente esteja contaminado. Peso da refeição distribuída é referente ao peso da refeição servida (refeição preparada sobra). O cálculo para a per capita (que significa por pessoa) foi baseado no consumo total das preparações e foi dividido pelos comensais que realizaram a

4 40 refeição. Para o cálculo foi descontado a sobra, pois a mesma não foi consumida. O cálculo para a per capita de sódio foi baseado na quantidade per capita e foi multiplicado por 400 mg de sódio, este valor é o que contem em 1 grama segundo recomendação da OPAS/OMS (2012). O resto ingesta analisado foi referente ao não consumido pelo cliente, ou seja, o deixado no prato e ou bandeja que posteriormente foi descartado. Tabela 01- Fórmulas utilizadas para os cálculos segundo Abreu (2013) *. % SOBRAS PER CAPITA DE SAL PER CAPITA DE SÓDIO = [total produzido total distribuído total produzido] x 100 = quantidade total consumida número de comensais = quantidade per capita x 400 mg de sódio % RESTO INGESTA = [peso da refeição rejeitada peso da refeição distribuída] x 100 *Somente as fórmulas das sobras e do resto ingesta foram retiradas do Abreu (2013). Resultados e Discussão Primeiramente serão apresentados os cardápios analisados, a quantidade utilizada, a sobra do dia e os cálculos do resto ingesta, per capita e sódio. No primeiro dia foram preparados 729,22 kg de s e o consumo foi de 5,81 kg não havendo a adição de temperos industrializados. O resto ingesta foi de 67 kg ou 22,48%, o per capita foi de 6,83 g e o de sódio foi de 2732 mg. O consumo per capita foi muito alto neste primeiro dia de cardápio, excedeu em 36,6% a recomendação da OMS sobre o consumo diário, se contabilizarmos a recomendação de 2 gramas somente para almoço o excedente representa 241,5% a mais no consumo diário para esta refeição. Já o PAT recomenda o consumo diário igual ou abaixo de 2400 mg de sódio e o resultado nos mostra que somente a refeição do almoço ultrapassa o consumo diário em 13,83%. Tabela 02- Cardápio do 1 dia avaliado. Composição do cardápio utilizada sal consumida produzir consumido Sobra RI 1 (%) PCS 2 (g) PCS 3 (mg) Arroz 2 223,2 Feijão 1 123,5 Macarrão alho 1 e ½ 91,8 e óleo Cupim ao 1 142,4 molho Sobrecoxa 2 148,32 assada Total 7,5 5,81 729,22 565,26 163,96 22,48 6, RI 1 = resto ingesta; PCS 2 = per capita ; PCS 3 = per capita de sódio.

5 41 Também existe um alto índice de resto ingesta (22, 48%) o que pode representar uma produção de s muito além do consumo, o resultado nos faz acreditar que o cardápio precisa ser revisto, assim como a per capita, a qualidade das preparações, a conscientização dos clientes entre outros. Tabela 03 Cardápio do 2 dia avaliado. Composição do cardápio utilizada consumida (kg) produzido consumido Sobra RI 1 (%) PCS 2 (g) PCS 2 (mg) Arroz 2 227,52 Feijão 1 118,3 Batata doce 93,66 cozida - Ovo frito 76,58 - Sobrecoxa 2 e ½ 156,4 assada Total 5,5 4,31 672,46 527,41 145,05 21,57 5, RI 1 = resto ingesta; PCS 2 = per capita ; PCS 3 = per capita de sódio. No segundo dia foram preparados 672,46 kg de s e o consumo foi de 4,31 kg não havendo a adição de temperos industrializados. O resto ingesta foi de 42 kg ou 21,57%, o per capita foi de 5,07 g e o de sódio foi de 2038 mg. O consumo per capita também foi alto, excedeu em 1,4% a recomendação da OMS sobre o consumo diário, se contabilizarmos a recomendação de 2 gramas somente para almoço o excedente representa 153,5% a mais no consumo diário para esta refeição. Já com relação ao PAT, o resultado nos mostra que o valor não foi ultrapassado (2038 mg), porém vale ressaltar que esta quantidade contabilizada é somente do almoço e dependendo da composição do cardápio consumido no dia também pode ultrapassar as recomendações. Tabela 04- Cardápio do 3 dia avaliado. Composição do cardápio utilizada consumida produzido consumido Sobra (kg) RI 1 (%) PCS 2 (g) PCS 3 (mg) Arroz 2 224,3 Feijão 0,250 - Feijão ½ 110,02 Tropeiro* Feijoada 127,58 - Frango 2 148,32 grelhado Cupim ao 1 144,7 molho Total 5,75 4,16 754,92 546,33 208,59 27,63 4, *Feijão tropeiro = couve, charque, linguiça e ovo; RI 1 = resto ingesta; PCS 2 = per capita ; PCS 3 = per capita de sódio.

6 42 Também houve um alto índice de resto ingesta (21,57%) o que pode representar uma produção de s muito além do consumo. A literatura recomenda um valor de 10% de índice de resto e a unidade mostrou por 2 dias consecutivos que este índice está além do esperado. No último dia de análise foram preparados 754,92 kg de s e o consumo foi de 4,16 kg, porém foram utilizados pertences para feijoada que contém um teor de sódio elevado. O resto ingesta foi de 78 kg ou 27,63%, o per capita foi de 4,89 g e o de sódio foi de 3527,2 mg. Neste dia houve o maior valor do índice de resto ingesta (27,63%) e isto reforça a necessidade de um estudo detalhado sobre o tema. O consumo per capita foi alto 4,89 g/ per capita, não excede a recomendação diária da OMS, porém se contabilizarmos a recomendação de 2 gramas somente para o almoço o excedente representa 144,5% a mais no consumo diário para esta refeição. Outro valor que chama bastante atenção é a quantidade de sódio utilizada, o valor per capita foi de 1956 mg de sódio referente as preparações e 1571,2 mg de sódio referente aos pertences para feijoada, totalizando 3527,2 mg de sódio, este valor excedeu em 46,96% o valor recomendado para esta refeição. Para os cálculos de sódio dos pertences para feijoada utilizou-se as informações da rotulagem nutricional do produto e foram utilizados 32 pacotes sendo que cada pacote apresentou um total de 49,10 mg de sódio. Gráfico 01- per capita consumida durante os três dias de cardápio. O consumo durante os três dias de cardápio avaliado variou entre 6,83 a 4,89 g/ per capita mostrando-se a acima do recomendado pela OMS, o valor de sódio também excedeu as recomendações do PAT. A refeição do almoço é considerada uma grande refeição, pois contribui com um número expressivo durante todas as refeições realizadas em um dia, se considerarmos que esta refeição contenha 2 gramas, todos os dias analisados excederam os valores. No 1 dia, 2 dia e 3 dias excederam em 241,5%, 153,5% e 144,5% respectivamente, sobre o valor recomendado. O 1º dia obteve um maior percentual da utilização do sal para o preparo da refeição que o 2º dia, isto pode ser explicado

7 43 pelo fato da guarnição batata doce do 2º dia não precisar do uso sal ao contrário do macarrão alho e óleo utilizado como guarnição do 1º dia. Este fato também acontece com um dos pratos proteicos do 2º dia, o ovo frito, que não teve a adição no momento do preparo. O 3º dia atingiu menor índice de consumo com 4,89 gramas, porém neste mesmo dia o consumo de sódio apresentou-se muito acima do recomendado, fato este que pode ser explicado pelo o uso de produtos industrializados (pertences para feijoada). Outro valor importante é a quantidade total consumida pelos clientes da UAN durante os dias da pesquisa que foi de 14,28 kg, o valor ideal seria de 5,1 kg considerando um capita de 2g. Gráfico 02- per capita de sódio consumida durante os três dias de cardápio. O estudo realizado por Spinelli (2007) em uma UAN da cidade de cidade de Suzano (SP) obteve resultados próximos ao encontrado pelo presente estudo. A pesquisa realizada em 2007, apresentou um consumo médio de 5,37 g /pessoa e cerca de 2110 mg de sódio, apenas no almoço, a nossa pesquisa apresentou uma média de 5,59 g/ per capita e 2762,4 mg/ per capita de sódio. Outro estudo realizado por Burgos (2011) mostrou por um período de 5 dias que o consumo por refeição foi de 2,4 g. Diversos estudos apontam para a diminuição do consumo, contribuindo assim para a redução da pressão arterial e a diminuição de eventuais casos de problemas cardiovasculares. Estes dados mostram o quanto é importante a intervenção de uma nutricionista na elaboração e na execução dos cardápios das UAN, trabalhando para a redução do consumo excessivo nas preparações, buscando alternativas de temperos naturais e o corte de produtos industrializados com o intuito de exercer o papel de educador na prevenção das doenças crônicas não transmissíveis (SAVIO, 2005; MARCHI, 2004). Conclusões Foi observado que em nenhum dos dias foi atingida a recomendação pela unidade. Sugere-se que o nutricionista da UAN adote um sistema de monitoramento constante para que haja a diminuição da quantidade na produção e também de s com alto teor de sódio como aqueles industrializados. Também devem ser adotadas práticas como a retirada do saleiro das mesas, orientação nutricional com os clientes e a realização de

8 44 treinamentos com os cozinheiros. Essas mudanças são essenciais para a melhoria na qualidade de vida dos funcionários da empresa, pois proporcionam a estes também uma alimentação saudável e dentro dos padrões recomendados. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABREU, E. S.; SPINELLI, M. G. N.; PINTO, A. M. S. Gestão de unidades de alimentação e nutrição: um modo de fazer. 5 a. ed. São Paulo: Metha, p. AMERICAN HEART ASSOCIATION. DIETARY GUIDELINES Disponível /documents/downloadable/ucm_ pdf>. Acesso: 26/junho/2014. BARUFFI, H. Metodologia da Pesquisa: manual para elaboração da monografia. 4ª. ed. Dourados: HBedit, p. BEER-BORST, S.; et al. Twelve-year trends and correlates of dietary salt intakes for the general adult population of Geneva, Switzerland. Eur J Clin Nutr, v.63, p , dez BURGOS, S. M.; ASSUNÇÃO, V. P. S. Avaliação quantitativa de sódio em refeições de uma unidade de alimentação e nutrição em Caruaru PE p. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a Faculdade do Vale do Ipojuca, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Nutrição, Caruaru, CERVO, A.L.; BERVIAN, P.A. Metodologia científica. 4ª. ed. São Paulo: Makron Books do Brasil, p. MONTEIRO C. A. Velhos e novos males da saúde no Brasil: a evolução do país e de suas doenças. 2ª. ed. São Paulo: Hucitec, p. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE/ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE OPAS/OMS Disponível em: <http://www.opas.org.br> Acesso em: outubro de RODRIGUES, K. REED, E. Estudo sobre o consumo de sódio pelos alunos do curso técnico em s do IFG- Campus Inhumas. In: IV Seminário de Iniciação Científica, Inhumas, 2010, Goiás p.1-4. SAVIO, K. E. O.; et al. S. Avaliação do almoço servido a participantes do programa de alimentação do trabalhador. Rev. Saúde Púb, v. 2, n.39, p , abril SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO. VI DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO Disponível em: <http://www.sbh.org.br/pdf/diretrizes_final.pdf>. Acesso: 26/junho/2014. SPINELLI, M. G. N.; KOGA, T. T. Avaliação do consumo em uma unidade de alimentação e nutrição. Nutrire: Rev. Soc. Bras. Alim. Nutri, v. 32, n.2, p , agosto VEIROS, M. B. Análise das condições de trabalho do nutricionista na atuação como promotor de saúde em uma Unidade de Alimentação e Nutrição: um estudo de caso p. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, CUPPARI, L. Guia de nutrição: nutrição clínica no adulto. 2ª. ed. São Paulo, Barueri: Manole, p. MARCHI, D. Saúde Nutrição do trabalhador no contexto de mudança organizacional p. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Portaria interministerial Nº66, de 25 de agosto de Altera os parâmetros nutricionais do Programa de Alimentação do Trabalhador-PAT. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 de ago n.165, p. 153.

DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS POR CLIENTES EM UM RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO RIO GRANDE DO SUL

DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS POR CLIENTES EM UM RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO RIO GRANDE DO SUL Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS POR CLIENTES EM UM RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO RIO GRANDE DO SUL CONSUMERS FOOD WASTE IN A UNIVERSITY RESTAURANT

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

ÁGUA MINERAL: sódio, ph e saúde

ÁGUA MINERAL: sódio, ph e saúde ÁGUA MINERAL: sódio, ph e saúde POR QUE FALAR SOBRE SÓDIO? O sódio é essencial para regular os fluidos intra e extracelulares do corpo, atuando para manter a pressão arterial e o volume sanguíneo. Também

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NA DISTRIBUIÇÃO DO ALMOÇO SERVIDO PARA ESTUDANTES DE UM COLÉGIO PRIVADO EM SÃO PAULO, SP

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NA DISTRIBUIÇÃO DO ALMOÇO SERVIDO PARA ESTUDANTES DE UM COLÉGIO PRIVADO EM SÃO PAULO, SP 5 Recebido em 09/2012. Aceito para publicação em 06/2013. AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NA DISTRIBUIÇÃO DO ALMOÇO SERVIDO PARA ESTUDANTES DE UM COLÉGIO PRIVADO EM SÃO PAULO, SP EVALUATION OF FOOD

Leia mais

Elaboração de Cardápios

Elaboração de Cardápios Elaboração de Cardápios Junho 2013 1 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para o consumo.

Leia mais

ADEQUAÇÃO DOS CARDÁPIOS DE ALMOÇO DE UMA UAN EM RELAÇÃO AOS PARÂMETROS NUTRICIONAIS DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR (PAT)

ADEQUAÇÃO DOS CARDÁPIOS DE ALMOÇO DE UMA UAN EM RELAÇÃO AOS PARÂMETROS NUTRICIONAIS DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR (PAT) ADEQUAÇÃO DOS CARDÁPIOS DE ALMOÇO DE UMA UAN EM RELAÇÃO AOS PARÂMETROS NUTRICIONAIS DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR (PAT) Marianne Pinheiro da Rocha (*) Andrea Carvalheiro Guerra Matias (**)

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

REDUÇÃO DO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS EM UM RESTAURANTE POPULAR REDUCTION OF WASTE OF FOOD IN A POPULAR RESTAURANT

REDUÇÃO DO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS EM UM RESTAURANTE POPULAR REDUCTION OF WASTE OF FOOD IN A POPULAR RESTAURANT Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Campus Ponta Grossa - Paraná - Brasil ISSN: 1981-3686/ v. 07, n. 02: p.1106-1117, 2013 D.O.I.: 10.3895/S1981-36862013000200010 Revista Brasileira de Tecnologia

Leia mais

Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo

Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo V Encontro de Especialistas Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo Profª Raquel Botelho Universidade de Brasília Problemática Consumo excessivo Oferta excessiva Adaptação do Paladar Escolha de

Leia mais

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a alimentação apresentação Uma boa saúde é, em grande parte, resultado de uma boa alimentação. Há muita verdade no dito

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: desperdício de alimentos, resto ingestão, Educação Ambiental, cantina universitária.

PALAVRAS-CHAVE: desperdício de alimentos, resto ingestão, Educação Ambiental, cantina universitária. Belo Horizonte/MG 24 a 2/11/2014 PRATO LIMPO CONSCIÊNCIA LIMPA : UM PROJETO CONTRA O DESPERDÍCIO IMPLEMENTADO NA CANTINA DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA EM 2013 Renata Soares

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO ALIMENTAR NA PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE REFEIÇÕES DE UM HOSPITAL DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO ALIMENTAR NA PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE REFEIÇÕES DE UM HOSPITAL DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO ALIMENTAR NA PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE REFEIÇÕES DE UM HOSPITAL DE SÃO PAULO Edeli Simioni de Abreu 1 Rosana Farah Simony¹ Deborah Helena Silveira Dias¹ Flavia Regina Oliveira

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CAMPANHA CONTRA DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA CIDADE DE MINEIROS GOIÁS

DESENVOLVIMENTO DE CAMPANHA CONTRA DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA CIDADE DE MINEIROS GOIÁS 1 DESENVOLVIMENTO DE CAMPANHA CONTRA DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA CIDADE DE MINEIROS GOIÁS Development of campaign against waste of food in a Food and Nutrition

Leia mais

William Salviano de Paula. Análise da alimentação de um restaurante, segundo exigências do Programa de Alimentação do Trabalhador

William Salviano de Paula. Análise da alimentação de um restaurante, segundo exigências do Programa de Alimentação do Trabalhador William Salviano de Paula Análise da alimentação de um restaurante, segundo exigências do Programa de Alimentação do Trabalhador Bragança Paulista 2008 William Salviano de Paula Análise da alimentação

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

Aceitação do cardápio de uma unidade de alimentação hospitalar em Fortaleza, Ceará

Aceitação do cardápio de uma unidade de alimentação hospitalar em Fortaleza, Ceará ARTIGO ORIGINAL Aceitação do cardápio de uma unidade de alimentação hospitalar em Fortaleza, Ceará Food menu acceptance of a hospital in Fortaleza, Ceará 1. Ana Carolina Cavalcante Viana 2. Luana Najara

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE RESTO-INGESTA E SOBRAS EM UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) DE UMA EMPRESA METALÚRGICA NA CIDADE DE PIRACICABA/SP

AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE RESTO-INGESTA E SOBRAS EM UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) DE UMA EMPRESA METALÚRGICA NA CIDADE DE PIRACICABA/SP AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE RESTO-INGESTA E SOBRAS EM UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) DE UMA EMPRESA METALÚRGICA NA CIDADE DE PIRACICABA/SP Vivian Cristina de Menezes Augustini 1 Patrícia Kishimoto

Leia mais

Instrumento imagético para orientação nutricional

Instrumento imagético para orientação nutricional UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO FLÁVIA GONÇALVES MICALI ROSA WANDA DIEZ GARCIA Instrumento imagético para orientação nutricional Ribeirão Preto 2014 FLÁVIA GONÇALVES MICALI

Leia mais

Irlene Maria Lanius Saurim 2 e Cristiana Basso 3

Irlene Maria Lanius Saurim 2 e Cristiana Basso 3 Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 115-120, 2008. 115 ISSN 2177-3335 AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS DE BUFÊ EM RESTAURANTE COMERCIAL EM SANTA MARIA, RS 1 EVALUATION

Leia mais

Receitas MENOS SAL MAIS SABOR A VIDA. Fazer bem está na nossa NATUREZA.

Receitas MENOS SAL MAIS SABOR A VIDA. Fazer bem está na nossa NATUREZA. Receitas Uma iniciativa Com o apoio Fazer bem está na nossa NATUREZA. Menos Sal, Mais Sabor a Vida é a iniciativa da sua Unidade de Saúde Familiar pensada para apontar novos caminhos para a sua saúde cardiovascular.

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

Indicadores e/ou Parâmetros de Qualidade do Serviço de Ailmentos

Indicadores e/ou Parâmetros de Qualidade do Serviço de Ailmentos TÉCNICA DIETÉTICA E GASTRONOMIA Indicadores e/ou Parâmetros de Qualidade do Serviço de Ailmentos INDICADORES NO PREPARO DE ALIMENTOS Indicador de Parte Comestível (IPC): Valor > 1,00 IPC: usado para o

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Orientações básicas de nutrição para o autocuidado em DM Maria Palmira C. Romero Nutricionista Marisa Sacramento

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO 2013.1

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO 2013.1 DADOS DO ESTÁGIO FACULDADE SANTA TEREZINHA - COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO 2013.1 CÓDIGO ÁREA CARGA HORÁRIA PERÍODO Gestão de Unidades de Alimentação e 230h 7 Nutrição HORÁRIO 13h30

Leia mais

Alimentos industrializados fontes de sódio utilizados no preparo de refeições em restaurantes comerciais de Chapecó-SC

Alimentos industrializados fontes de sódio utilizados no preparo de refeições em restaurantes comerciais de Chapecó-SC ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES DOI 10.12957/demetra.2014.7249 Alimentos industrializados fontes de sódio utilizados no preparo de refeições em restaurantes comerciais de Chapecó-SC Industrialized

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

Aspectos dietéticos das refeições oferecidas por empresas participantes do Programa de Alimentação do Trabalhador na Cidade de São Paulo, Brasil

Aspectos dietéticos das refeições oferecidas por empresas participantes do Programa de Alimentação do Trabalhador na Cidade de São Paulo, Brasil Investigación original / Original research Aspectos dietéticos das refeições oferecidas por empresas participantes do Programa de Alimentação do Trabalhador na Cidade de São Paulo, Brasil Ana Paula Gines

Leia mais

VERIFICAÇÃO DO VALOR NUTRICIONAL DAS REFEIÇÕES PRODUZIDOS NUM RESTAURANTE COMERCIAL

VERIFICAÇÃO DO VALOR NUTRICIONAL DAS REFEIÇÕES PRODUZIDOS NUM RESTAURANTE COMERCIAL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 VERIFICAÇÃO DO VALOR NUTRICIONAL DAS REFEIÇÕES PRODUZIDOS NUM RESTAURANTE COMERCIAL Edna Kiyomi Kassuya

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINAS

PROGRAMA DE DISCIPLINAS U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS PROGRAMA DE DISCIPLINAS DISCIPLINAS CÓDIGO NUT A02 N O M E ESTÁGIO EM ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE RESTO-INGESTÃO E SOBRAS EM UMA UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÃO COMERCIAL EM IPATINGA-MG

AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE RESTO-INGESTÃO E SOBRAS EM UMA UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÃO COMERCIAL EM IPATINGA-MG AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE RESTO-INGESTÃO E SOBRAS EM UMA UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÃO COMERCIAL EM IPATINGA-MG REST-INGESTION AND WASTE INDEX ASSESSMENT AT A COMMERCIAL MEAL PRODUCTION UNIT IN IPATINGA-MG

Leia mais

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014 Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados Setembro de 2014 Doenças crônicas não-transmissíveis são responsáveis por 72% dos óbitos Doenças cardiovasculares Doenças respiratórias

Leia mais

Qualidade em serviço de alimentação hospitalar em Fortaleza, Ceará: análise de satisfação

Qualidade em serviço de alimentação hospitalar em Fortaleza, Ceará: análise de satisfação ARTIGO ORIGINAL Qualidade em serviço de alimentação hospitalar em Fortaleza, Ceará: análise de satisfação Quality in hospital food service in Fortaleza, Ceará: analysis of satisfaction 1. Ana Carolina

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

A formação de bons hábitos alimentares na infância devem convergir para um único fim: o bem-estar emocional, social e físico da criança

A formação de bons hábitos alimentares na infância devem convergir para um único fim: o bem-estar emocional, social e físico da criança A formação de bons hábitos alimentares na infância devem convergir para um único fim: o bem-estar emocional, social e físico da criança Recomendações para a prática dietética do pré-escolar: Intervalo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE PLANO DE REDUÇÃO DO SÓDIO EM ALIMENTOS PROCESSADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE PLANO DE REDUÇÃO DO SÓDIO EM ALIMENTOS PROCESSADOS MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Em termos globais, a redução do consumo de sódio pelas populações tem ocupado posição de destaque entre as prioridades de saúde pública, tendo em vista a relação direta do consumo

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR Alimentação Boa Pra Você Todo ser vivo precisa se alimentar para obter energia e nutrientes para se desenvolver. No caso do ser humano, os alimentos trazem

Leia mais

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO (segunda parte) A ESCOLHA Responda à seguinte pergunta: Você gosta de carro? Se você gosta, vamos em frente. Escolha o carro de seus sonhos: Mercedes,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL Formação sobre Promoção de Estilos de Vida Saudáveis em Contexto Escolar, Familiar e Envolvente Julho de 2009 ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL TERESA SOFIA SANCHO Gabinete de Nutrição Departamento de Saúde

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 12, n. 1, p. 139-145, 2011. Recebido em: 11.10.2011. Aprovado em: 15.05.2012.

Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 12, n. 1, p. 139-145, 2011. Recebido em: 11.10.2011. Aprovado em: 15.05.2012. Recebido em: 11.10.2011. Aprovado em: 15.05.2012. ISSN 2177-3335 TEMPERATURA DOS EQUIPAMENTOS E DOS ALIMENTOS DURANTE A DISTRIBUIÇÃO EM UM RESTAURANTE DE SANTA MARIA 1 TEMPERATURE OF THE EQUIPMENT AND

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO CARDÁPIO DO RESTAURANTE BENEFICENTE BELA VISTA RECANTO DA LAGOA NA CIDADE DE PARÁ DE MINAS-MG

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO CARDÁPIO DO RESTAURANTE BENEFICENTE BELA VISTA RECANTO DA LAGOA NA CIDADE DE PARÁ DE MINAS-MG 17 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO CARDÁPIO DO RESTAURANTE BENEFICENTE BELA VISTA RECANTO DA LAGOA NA CIDADE DE PARÁ DE MINAS-MG Ana Aurora Guimarães Teixeira 1 Flávia Faria Nunes 2 RESUMO: É de fundamental importância

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

Gastronomia. Lethiais)

Gastronomia. Lethiais) Nutrição Ciência que trata da alimentação e dos alimentos sob todos os seus aspectos: utilização e transformação dos alimentos, a assimilação dos alimentos no organismo através do qual são garantidas a

Leia mais

Aline Ramalho dos Santos Faculdade de Nutrição Centro de Ciências da Vida aline.rs3@puccampinas.edu.br

Aline Ramalho dos Santos Faculdade de Nutrição Centro de Ciências da Vida aline.rs3@puccampinas.edu.br DETERMINAÇÃO DO TEOR DE SÓDIO EM PREPARAÇÕES DE ARROZ, FEIJÃO E CARNE SERVIDAS NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE ENSINO INFANTIL (EMEIS) DA REGIÃO SUL DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS Aline Ramalho dos Santos Faculdade

Leia mais

Cadernos UniFOA. Avaliação da Adequação do Almoço de uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) ao Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT)

Cadernos UniFOA. Avaliação da Adequação do Almoço de uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) ao Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) 54 Avaliação da Adequação do Almoço de uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) ao Programa de Alimentação do Trabalhador () Artigo Original Original Paper Evaluation of Lunch Adequation in a Feeding

Leia mais

PORCIONAMENTO, CONSUMO E DESPERDÍCIO EM UM RESTAURANTE ESCOLAR PORTIONING, CONSUMPTION, AND WASTE IN A SCHOOL CAFETERIA

PORCIONAMENTO, CONSUMO E DESPERDÍCIO EM UM RESTAURANTE ESCOLAR PORTIONING, CONSUMPTION, AND WASTE IN A SCHOOL CAFETERIA 71 Recebido em 01/2012. Aceito para publicação em 04/2012. PORCIONAMENTO, CONSUMO E DESPERDÍCIO EM UM RESTAURANTE ESCOLAR PORTIONING, CONSUMPTION, AND WASTE IN A SCHOOL CAFETERIA Nathália Bernardo Faquim

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ ANÁLISE DO ÍNDICE DE RESTO - INGESTA EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO NOROESTE DO ESTADO DO RS Vanessa Schmidt Nutrição

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

LEI N.º 4.522 de 16 de julho de 2015.

LEI N.º 4.522 de 16 de julho de 2015. LEI N.º 4.522 de 16 de julho de 2015. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Institui o Programa Municipal Alimentar de Proteção à Vida, denominado de SOUP.A., e dá outras providências. Faço saber, em cumprimento

Leia mais

ELABORAÇÃO DE FICHAS TÉCNICAS DE PREPARAÇÕES DE

ELABORAÇÃO DE FICHAS TÉCNICAS DE PREPARAÇÕES DE ELABORAÇÃO DE FICHAS TÉCNICAS DE PREPARAÇÕES DE UMA UNDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO MUNICÍPIO DE XAXIM SANTA CATARINA, BRASIL ISSN: 1984-7688 PREPARATION OF TECHNICAL DOCUMENTS PREPARED IN A UNIT OF

Leia mais

Guia Alimentar para a População Brasileira

Guia Alimentar para a População Brasileira Guia Alimentar para a População Brasileira Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Revisão do Guia Alimentar para a

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E POLÍTICAS AFIRMATIVAS. Restaurante Universitário Uma opção saudável

PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E POLÍTICAS AFIRMATIVAS. Restaurante Universitário Uma opção saudável PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E POLÍTICAS AFIRMATIVAS Restaurante Universitário Uma opção saudável Sumário Apresentação História do RU Conhecendo o RU Componentes do Cardápio Administração Dicas

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Uma alimentação equilibrada proporciona uma quantidade correcta

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Oshiro do Carmo, Silmara; Pereira Lima, Thaís AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE SOBRAS

Leia mais

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:70750.543

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC 20 a 22 de agosto de 2008 - Bento Gonçalves-RS COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC Silvia Cristina Ferreira Iop 1,2, Evanilda Teixeira 2 e Rosires Deliza 3 1 Universidade

Leia mais

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS:

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1 GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1) MODIFICAÇÃO NA INGESTÃO DE GORDURA: O consumo de menos gordura é um aspecto importante da orientação nutricional para comer de maneira mais saudável, para a protecção

Leia mais

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE.

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. 1. DOENÇA CELIACA É uma doença que causa inflamações nas camadas da parede do intestino delgado,

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS 1. INTRODUÇÃO GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS O pão francês é um alimento tradicionalmente consumido pela população brasileira, principalmente em refeições como o café da manhã e o lanche

Leia mais

Alimento Industrializado Redução de Sal, Açúcares e Gordura

Alimento Industrializado Redução de Sal, Açúcares e Gordura 4º Simpósio de Segurança Alimentar sbcta - RS Alimento Industrializado Redução de Sal, Açúcares e Gordura Eliane Miyazaki FOODSTAFF Assessoria de Alimentos Ltda. Maio/2012 1988 equipe multidisciplinar

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação

Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação (...) A verdade, em matéria de saúde, está na adaptação e no respeito à Natureza (...). Mokiti Okada Para uma alimentação saudável, podemos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS 1 A IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ELABORADO POR LUCILEIDE RODRIGUES DOS SANTOS Gerente de Supervisão e Avaliação DAE SEED/SE 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE

Leia mais

ANÁLISE E CONTROLE DE SOBRAS DE ALIMENTOS EM UMA EMPRESA FORNECEDORA DE REFEIÇÕES TRANSPORTADAS NO MUNICÍPIO DE CHAPECO SC

ANÁLISE E CONTROLE DE SOBRAS DE ALIMENTOS EM UMA EMPRESA FORNECEDORA DE REFEIÇÕES TRANSPORTADAS NO MUNICÍPIO DE CHAPECO SC Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Campus Ponta Grossa - Paraná - Brasil ISSN: 1981-3686/ v. 05, n. 02: p. 531-541, 2011 D.O.I.: 10.3895/S1981-36862011000200005 Revista Brasileira de Tecnologia

Leia mais

especial iate LIAMARA MENDES

especial iate LIAMARA MENDES 54 Maio / Junho de 2013 especial use os alimentos a seu favor iate por LIAMARA MENDES Uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos pode ser considerada a fórmula ideal para a conquista do corpo perfeito.

Leia mais

Alessandra Moniz da Silva 1 Carina Pioli Silva 2 Elen Longo Pessina 3

Alessandra Moniz da Silva 1 Carina Pioli Silva 2 Elen Longo Pessina 3 AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE RESTO INGESTA APÓS CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DOS CLIENTES CONTRA O DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS EM UM SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO HOSPITALAR. Alessandra Moniz da Silva 1 Carina Pioli Silva

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 0103-4235 Alim. Nutr., Araraquara v.19, n.4, p. 435-440, out./dez. 2008 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL EM UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO, DIRECIONADA PARA CONSUMO DE PRATOS PROTÉICOS: UM ESTUDO DE CASO Carolina

Leia mais

Índice de Qualidade da Dieta

Índice de Qualidade da Dieta Veris Faculdades Curso de Nutrição Avaliação Nutricional II Índice de Qualidade da Dieta O estudo da dieta com suas diversas combinações de alimentos, mais do que o consumo de itens alimentares individuais

Leia mais

TEORES DE LIPÍDIOS EM REFEIÇÕES OFERECIDAS EM UMA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

TEORES DE LIPÍDIOS EM REFEIÇÕES OFERECIDAS EM UMA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. TEORES DE LIPÍDIOS EM REFEIÇÕES OFERECIDAS EM UMA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Gisele Cristina Dias 1 Ana Paula da Silva¹ Mônica Glória Neumann Spinelli¹

Leia mais

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ REDUÇÃO DA INGESTÃO ENERGÉTICA SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL APROPRIADA INGESTÃO

Leia mais

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Infância A infância representa um período que compreende modificações importantes: Crescimento do

Leia mais

ANÁLISE QUALITATIVA DAS PREPARAÇÕES DO CARDÁPIO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NO MUNICÍPIO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL

ANÁLISE QUALITATIVA DAS PREPARAÇÕES DO CARDÁPIO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NO MUNICÍPIO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL ANÁLISE QUALITATIVA DAS PREPARAÇÕES DO CARDÁPIO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NO MUNICÍPIO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL Melina Hatsue Sasaki 1 ; Andréa Ribeiro Luz Chamaa 2 1 Acadêmica do

Leia mais

Estratégias Governamental para Redução do Sódio

Estratégias Governamental para Redução do Sódio VIII REUNIÃO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ALIMENTOS Goiânia, 22,23 e 24/08/12 Estratégias Governamental para Redução do Sódio DENISE DE OLIVEIRA RESENDE Gerente-Geral de Alimentos Ações Governamentais :

Leia mais

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos Ano: 2010/2011 Disciplina: Educação Física Professora: Rita Marques Trabalho realizado por: Andreia Cipriano Catarina Silva Jéssica Pereira Mónica Algares Patrícia Martinho A roda dos alimentos Para se

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Ata Parcial. Item 0001

Ata Parcial. Item 0001 Ata Parcial Às 10:00 horas do dia 07 de fevereiro de 2012, reuniu-se o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas e respectivos membros da Equipe de apoio, designados pela portaria 095/2011-GAB/SEFIN

Leia mais

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e Análise dos resultados Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e grupos de alimentos, consumo de nutrientes e ainda algumas análises que combinam nutrientes e grupos de alimentos ou

Leia mais

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Tema: Informações técnicas sobre o NUTRI-RENAL para pacientes em tratamento dialítico 1. ANÁLISE CLÍNICA DA SOLICITAÇÃO 3. 1.1. Pergunta estruturada 3

Tema: Informações técnicas sobre o NUTRI-RENAL para pacientes em tratamento dialítico 1. ANÁLISE CLÍNICA DA SOLICITAÇÃO 3. 1.1. Pergunta estruturada 3 Consultoria 06/2012 Solicitante Dr. Enismar Kelley de Souza e Freitas Juiz de Direito - Comarca de Cristina MG Data:22/10/2012 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Tema: Informações técnicas sobre

Leia mais

Registo Alimentar de 3 dias. Nota: Leia com atenção, e tente cumprir, os parâmetros de utilização.

Registo Alimentar de 3 dias. Nota: Leia com atenção, e tente cumprir, os parâmetros de utilização. Registo Alimentar de 3 dias Nota: Leia com atenção, e tente cumprir, os parâmetros de utilização. Parâmetros de Utilização: É necessário anotar tudo o que foi ingerido durante 3 dias representativos do

Leia mais

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA!

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! Sumário Introdução Composição da sopa Benefícios da sopa Que quantidade de sopa devo comer por dia? Sopa no início ou depois do prato principal? Receitas de sopas

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

COMIDA DE ESCOLA NA COZINHA. O que é?

COMIDA DE ESCOLA NA COZINHA. O que é? Receitas COMIDA DE ESCOLA O que é? Comida de Escola é um conjunto de vídeos de culinária gravados no ambiente real da escola e destinados às merendeiras. Neles, um chefe e duas cozinheiras compartilham

Leia mais

Sustentabilidade na Prática. Ações do dia a dia que fazem a diferença para qualquer tamanho de empresa

Sustentabilidade na Prática. Ações do dia a dia que fazem a diferença para qualquer tamanho de empresa Sustentabilidade na Prática Ações do dia a dia que fazem a diferença para qualquer tamanho de empresa Há mais de 7 bilhões de pessoas no mundo. Nos próximos anos serão 750 milhões de pessoas a mais! Tendência

Leia mais

ANÁLISE DA ROTULAGEM NUTRICIONAL DE ALIMENTOS QUE COMPÕEM A CESTA BÁSICA ANALYSIS OF THE NUTRITIONAL LABELING OF FOOD COMPRISING THE FOOD BASKET

ANÁLISE DA ROTULAGEM NUTRICIONAL DE ALIMENTOS QUE COMPÕEM A CESTA BÁSICA ANALYSIS OF THE NUTRITIONAL LABELING OF FOOD COMPRISING THE FOOD BASKET ANÁLISE DA ROTULAGEM NUTRICIONAL DE ALIMENTOS QUE COMPÕEM A CESTA BÁSICA ANALYSIS OF THE NUTRITIONAL LABELING OF FOOD COMPRISING THE FOOD BASKET HORTENCIA FRANCISCA DOS SANTOS Graduanda em nutrição pela

Leia mais

O sódio é um mineral presente em diversos alimentos, mas é constituinte principal do sal de cozinha (cloreto de sódio NaCl).

O sódio é um mineral presente em diversos alimentos, mas é constituinte principal do sal de cozinha (cloreto de sódio NaCl). SODIO O sódio é um mineral presente em diversos alimentos, mas é constituinte principal do sal de cozinha (cloreto de sódio NaCl). Em quantidades excessivas, este mineral pode prejudicar a saúde. Mas você

Leia mais

Padrão de Respostas Prova Discursiva

Padrão de Respostas Prova Discursiva 01 Padrão de Respostas Prova Discursiva a) Evitam movimentos manuais repetitivos e agilizam a tempo de distribuição das refeições, aumentando a produtividade. (Valor: 7,0 pontos) b) Como agentes de transformação,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO Lucia B. Jaloretto Barreiro Qualidade de Vida=Saúde=Equilíbrio Qualidade de Vida é mais do que ter uma boa saúde física ou mental. É estar

Leia mais