O Campesinato e seus Aspectos na Literatura do Egito Faraônico: o caso de uma Revolta Popular no III Milênio a.c..

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Campesinato e seus Aspectos na Literatura do Egito Faraônico: o caso de uma Revolta Popular no III Milênio a.c.."

Transcrição

1 O Campesinato e seus Aspectos na Literatura do Egito Faraônico: o caso de uma Revolta Popular no III Milênio a.c.. Fábio Frizzo (NIEP-PréK/ UCAM/UVA) Frente à dificuldade constante de iniciar um texto algo que, não por acaso, pode tomar cores dramáticas ao se utilizar a metáfora do parto, por exemplo sinto-me congelar na frente do computador. É nestas horas adversas que os sujeitos apelam às escrituras. No caso do povo dos historiadores, um dos livros sagrados é do apóstolo Marc Bloch. Buscando um caminho, deparo-me com declarações muito mais lidas do que de fato compreendidas, pelo menos entre os estudiosos do pré-capitalismo. Entre elas, encontra-se sua alegação de que Na verdade, conscientemente ou não, é sempre a nossas experiências cotidianas que, para nuançá-las onde se deve, atribuímos matizes novos, em última análise os elementos, que nos servem para reconstruir o passado. 1 Partindo de escrituras distintas, Walter Benjamin chega a conclusões semelhantes. Com a teologia judaica, Benjamin aprendeu a ver no tempo algo diferente de uma linha reta a qual o historicista preenche com uma massa de fatos. Para ele o continuum temporal era pulsante e estava disponível ao materialista histórico para ser utilizado como uma citation à l ordre du jour, conforme fica claro em sua sexta tese sobre o conceito de História: Articular historicamente o passado não significa conhecê-lo como ele de fato foi. Significa apropriar-se de uma reminiscência, tal como ela relampeja no momento de um perigo. Cabe ao materialismo histórico fixar uma imagem do passado, como ela se apresenta no momento do perigo, ao sujeito histórico, sem que ele tenha consciência disso. Em cada época é preciso 1 BLOCH, Marc. Apologia da História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, p. 66. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

2 arrancar a tradição ao conformismo, que quer apoderar-se dela. O dom de despertar no passado as centelhas da esperança é privilégio exclusivo do historiador convencido de que também os mortos não estarão em segurança se o inimigo vencer. E esse inimigo não tem cessado de vencer. (Tese 6) 2 Em sua qualidade de arguto leitor de Marx, Benjamin não se iludia com a existência de uma pretensa História atemporal, uma verdade estabelecida e acessível, como as vozes ouvidas por Michelet nos arquivos, esperando pelo resgate do historiador. Benjamin sabia que a História é refeita a cada presente e que cada tempo apropria-se dela como bem entende. Desta maneira, ele faz saltar pelos ares o continuum da história e constrói um conceito de tempo no qual o passado não existiu, mas, sim, existe! Ou, em suas palavras, crê que A verdadeira imagem do passado perpassa, veloz. O passado só se deixa fixar, como imagem que relampeja irreversivelmente, no momento em que é conhecido (Tese 5) 3. Desta maneira, o intelectual alemão... funda um conceito de presente como um agora no qual se infiltraram estilhaços do messiânico (Apêndice 1) 4. O materialista histórico reconhece o sinal de uma imobilização messiânica dos acontecimentos, ou, dito de outro modo, de uma oportunidade revolucionária de lutar por um passado oprimido. Ele aproveita a oportunidade para extrair uma época determinada do curso homogêneo da história. O fruto nutritivo do que é compreendido historicamente contém em seu interior o tempo, como sementes preciosas, mas insípidas (Tese 17) 5. No que nos parece o ápice de sua percepção temporal, influenciada pela concepção cíclica do tempo messiânico judaico, Walter Benjamin produz um encontro histórico entre gerações e gerações de oprimidos, que se unem na luta pela redenção: 2 BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Editora Brasiliense, pp Idem, Ibidem. p Idem, Ibidem. p Idem, Ibidem. p Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

3 O passado traz consigo um índice misterioso, que o impele à redenção. Pois não somos tocados por um sopro do ar que foi respirado antes? Não existem, nas vozes que escutamos, ecos de vozes que emudeceram? Não têm as mulheres que cortejamos irmãs que elas não chegaram a conhecer? Se assim é, existe um encontro secreto, marcado entre as gerações precedentes e a nossa. Alguém na terra está à nossa espera. Nesse caso, como a cada geração, foi-nos concedida uma frágil força messiânica para qual o passado dirige um apelo. Esse apelo não pode ser rejeitado impunemente. O materialista histórico sabe disso. (Teses 2) 6 Toda esta introdução acerca do caráter do conhecimento histórico me foi imposta pela necessária reflexão sobre os acontecimentos ocorridos durante o início do ano, no que se convencionou chamar de Primavera Árabe, que teve o Egito como centro gravitacional. Para as camadas populares egípcias, a Praça Tahir se tornou local do encontro secreto, marcado entre as gerações precedentes e a nossa. Como egiptólogo esforçado e pretenso materialista histórico, foi impossível não buscar nos estilhaços messiânicos a fixação da imagem de um sopro de ar que foi respirado há mais de 4000 anos, na única revolta popular bem documentada do período faraônico. A principal fonte para o estudo dos movimentos populares no Egito Antigo foi publicada em 1909 por Alan Gardiner, sob o título de As Admoestações de um Sábio Egípcio, proveniente do texto do recto do Papiro Leiden 344, encontrado na região de Mênfis e datado do final do primeiro milênio a.c.. Logo de início, entendeu-se, a partir das suas características gramaticais, tratar-se de uma cópia tardia de um texto anterior, que a maioria dos egiptólogos atualmente localiza no espaço de tempo conhecido como Primeiro Período Intermediário, no final do III Milênio a.c.. O Primeiro Período Intermediário ( a.c.) foi marcado pelo enfraquecimento da monarquia faraônica e a descentralização do governo egípcio como havia existido no Reino Antigo. Tais mudanças parecem ter sido causadas por uma revolta popular acompanhada da invasão de asiáticos no Delta, conforme referência do próprio Papiro Leiden 344. Para o egiptólogo Moreno Garcia: 6 Idem, Ibidem. p Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

4 O papel dos períodos intermediários para o historiador é o de lentes que ampliam e põem em evidência os elementos subjacentes de fratura, de crise, de transformação, presentes na sociedade, mas que aparecem citados raramente nas fontes oficiais. 7 Dez anos após sua primeira publicação, por Gardiner, as Admoestações já começaram a passar por um processo de revisionismo historiográfico que afirmava o caráter não-histórico do texto. Até o final do século passado, alguns egiptólogos, como Miriam Lichtheim, sustentavam que a obra era apenas um exercício puramente literário que refletia o par ordem/caos, central na concepção de mundo egípcia 8. Tudo isto por tratar-se de um discurso de inversão social, incomum em uma sociedade em que uma classe dominante de no máximo 1% da população produzia fontes escritas. É importante fazer esta discussão, porque a gigantesca maioria dos documentos egípcios retrata um estado de ordem social a partir de uma perspectiva idealizada de continuidade ordeira, o que é explicado não somente por uma visão ideológica de classe, mas também por um fator conjunto: o fato de que as escrituras tinham caráter mágico. Para os egípcios escrever sobre a ordem era, também, uma forma de manter Maat, a deusa-conceito de ordem, justiça, verdade e medida, responsável pela continuidade do universo tal como existia. O supramencionado processo de revisionismo historiográfico pelo qual passaram As Admoestações... nada mais é, portanto, do que algo corriqueiro no campo de História Antiga e Medieval, a saber, a confusão entre a escassez de fontes provenientes das camadas populares e a inexistência de qualquer manifestação destas. Nas palavras de Walter Benjamin, este tipo de pensamento cria uma imagem de passado apropriada pelo conformismo, vazia e homogênea (Tese 14) 9. Um materialista histórico interessado em escovar a história a contrapelo (Tese 7) 10 não pode aceitar a inexistência de conflitos sociais em uma civilização que durou cerca de 3000 anos, por mais forte que seja o poder do consenso criado pela ideologia 7 MORENO GARCIA, Juan Carlos. El Egipto en el Imperio Antiguo. Barcelona: Edicions Bellaterra, p LICHTHEIM, Miriam. Ancient Egyptian Literature. Vol. 1. Berkley: University of California Press, pp BENJAMIN, Water. Op. Cit. p Idem, Ibidem. p Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

5 religiosa. Tampouco é aceitável responsabilizar apenas agentes exógenos, como invasões estrangeiras, pelos períodos de intensa modificação social. Ademais, há argumentos suficientes para crer na veracidade dos eventos descritos no texto do Papiro Leiden 344, conforme foi demonstrado por Ciro Cardoso 11. Não é novidade que, a exemplo de qualquer outra sociedade pré-capitalista, o Antigo Egito era eminentemente agrário. Com um meio ambiente altamente propício para o cultivo, a produção egípcia era marcada por um baixo nível de desenvolvimento técnico e tecnológico das forças produtivas (baseado no tripé corda-madeira-pedra), compensado pela abundância e intenso controle da força de trabalho. Já há muito tempo, criticou-se devidamente o conceito de Modo de Produção Asiático conforme elaborado por Marx e Engels 12, principalmente em relação à negação da chamada hipótese causal hidráulica. Esta se referia à necessidade de organização das obras de irrigação como fator fundamental para o surgimento do Estado. Hoje sabemos que o controle dos recursos hídricos era feito pelas comunidades camponesas através de obras de pequeno alcance. A atividade estatal concentrava-se nos censos de terras e trabalhadores, bem como na tributação tanto do excedente de produção quanto de trabalho, que era feita de forma extremamente violenta e penosa para os camponeses. São comuns nas cenas de tumbas imagens de lavradores diante de escribas, recebendo castigos físicos em caso de insuficiência no pagamento de cereais. Geralmente as agressões consistiam em espancamento com bastões de madeira nas plantas dos pés ou nas costas. Toda esta repressão transformou-se em rebelião popular no final do Reino Antigo. O texto das Admoestações... foi atribuído a um sábio egípcio conhecido como Ipu-Ur, que detinha o cargo de chefe dos cantores a julgar por outro documento da mesma época, conhecido como fragmento Daressy. As circunstâncias iniciais da revolta popular descrita no Papiro Leiden 344 não são relatadas. O egiptólogo José Carlos Reyes afirma que a perda de força do Estado 11 CARDOSO, Ciro. Violência e Política no Antigo Egito. Conferência apresentada no Ciclo de Debates do Laboratório de História Antiga da UFRJ. Rio de Janeiro: Um dos exemplos publicados em português é CARDOSO, Ciro, BOUZON, Emanuel & TUNES, Cássio. Modo de Produção Asiático. Nova Visita a um Velho Conceito. Rio de Janeiro: Editora Campus, Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

6 perante os nobres locais, que abusavam dos privilégios sobre a população, teria levado, em conjunto com a crise econômica conjuntural, à rebelião 13. O texto das Admoestações... é composto por trechos em prosa e outros e verso e se concentra em alguns eixos temáticos como, por exemplo: a oposição entre um passado glorioso e um presente em desordem; a questão da traição das forças mercenárias estrangeiras e a invasão da região do Delta; a inversão social entre ricos e pobres; o ataque às instituições; o vandalismo e a pilhagem 14. O estado de violência e desordem fica bem expresso no trecho seguinte: Em verdade [ ] o país está cheio de bandos (revoltosos), e para lavrar um homem leva o seu escudo. Em verdade o crime alastrou-se e não há homens como antigamente. Em verdade os ladrões [estão] por toda parte, os criados levam o que encontram. Em verdade o Nilo inunda (mas) ninguém lavra para si (pois) todos dizem Não sabemos o que sucederá ao país. 15 No caso do eixo de inversão social, que é mais importante para o propósito desta comunicação, há uma exaltação dos pobres em contraposição à humilhação dos ricos e à tomada de bens dos segundos pelos primeiros. Em verdade os pobres passaram a exibir luxo, e o que não podia ter sandálias possui riqueza. Em verdade os criados estão vorazes e o poderoso não compartilha [de alegria] com sua gente. ( ) Em verdade os ricos deploram e os pobres exultam; Cada cidade diz: Expulsemos os poderosos! ( ) Não há remédio para isso, 13 REYES, José Carlos Castañeda. Sociedad Antigua y Respuesta Popular. Movimentos Sociales en Egipto Antiguo. Cidade do México: Universidad Autónoma Metropolitana, pp Alguns destes eixos temáticos foram estudados, em seus aspectos literários, em JOÃO, Maria Thereza. As Admoestações de Ipu-Ur: Reflexões sobre a Sociedade Egípcia do Primeiro Período Intermediário.. NEARCO. N. 1. Ano II. Rio de Janeiro, ARAÚJO, Emanuel (Org. e Trad). Escritos para a Eternidade. Brasília: Editora da UNB, pp Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

7 As senhoras sofrem como criadas, ( ) Eis que as senhoras dormem em tábuas E os notáveis no celeiro, [mas] o homem que nem dormia em cubículo possui uma cama. Eis que o rico se deita com sede, e o que esmolava sobras tem bilhas que transbordam de cerveja. 16 Ainda que o texto se refira em alguns momentos aos artesãos, aparentemente, os protagonistas do movimento popular foram os camponeses. Há menções à conquista de terras, à tomada de grãos e ao não pagamento de tributos. Em verdade [desde] Elefantina [até] Tis [ ] não se paga imposto [por causa do tumul]to. Há falta de grãos, carvã e madeiras. Em verdade acabou o grão em toda parte, Em verdade os escribas de esteira 17 Têm seus escritos destruídos O grão do Egito é [agora] de quem diz: Chego e pego. Eis que o pobre em terra ficou rico e o que tinha propriedades nada tem Eis que aquele que não tinha pão possui celeiro e sua despensa está cheia de coisas dos outros. Eis que aquele que não tinha uma parelha de bois possui rebanhos, e o que nem podia ter bois de arado Possi gado. Eis que aquele que não tinha grãos possui celeiros e o que pedia grão emprestado [agora empresta] [Eis que aquele que computava] a colheita nada sabe sobre ela,. 18 Como último eixo abordado neste trabalho, cabem as menções aos ataques a instituições estatais, expressos no trecho abaixo: Falta ouro, esgotaram-se as matérias-primas de todos os ofícios. O que pertencia ao Palácio, V.P.S., foi saqueado. 16 Idem, Ibidem. pp Funcionários responsáveis pelo cadastro das colheiras. 18 ARAÚJO, Emanuel. Op. Cit. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

8 Diz-se: Maldito o Lugar dos Segredos! [pois agora] pertence [tanto] aos que não o conheciam [quanto] aos que o conhecem Em verdade os documentos do Grande Baluarte 19 foram roubados, seus segredos revelados. Em verdade as fórmulas mágicas foram divulgadas, tornaram-se ineficazes porque são repetidas por todo mundo. Em verdade as repartições [públicas] foram abertas e levados seus arquivos Em verdade as leis do Grande Baluarte são jogadas fora, As pessoas pisam-nas pelos lugares públicos e os mendigos rasgam-nas nas ruas. Em verdade invade-se o Grande Baluarte, os mendigos entram e saem [à vontade] nas grandes casas [de Justiça]. Eis agora que aconteceu algo jamais ocorrido: O rei foi pilhado por mendigos. Eis que se chegou a privar o país da realeza por alguns aventureiros desvairados Eis que o segredo do país 20, cujos limites eram desconhecidos, se tornou público e a Residência [pode] ser arrasada num instante. Eis que a Residência tem medo da penúria, Os homens levantam-se em agitações e não há resistência. 21 A partir de alguns trechos supracitados, José Carlos Reyes vê como indubitável a existência de uma tomada popular do governo. Tal grupo popular parece ter se tornado dirigente de pelo menos uma parte do Egito, ainda que tenha entrado em crise logo em seguida, em decorrência da impossibilidade de resistir aos ataques dos nobres e funcionários provinciais do restante do país. 19 Ao que tudo indica tratava-se de um tribunal (talvez uma prisão também) destinado a casos ligados aos camponeses e escravos. 20 Os mistérios da realeza, só conhecidos pelo faraó. 21 ARAÚJO, Emanuel. Op. Cit Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

9 A primeira medida dos dirigentes do governo popular teria sido a divulgação dos segredos do país, ou seja, os mecanismos de administração pública e seus registros oficiais. Para isto, é possível que se tenha contado com a ajuda de funcionários menores, incorporados ao movimento. A crise, todavia, não foi contida pelo governo popular, incapaz de resolver o problema da fome e da insegurança derivada dos conflitos internos e ataques estrangeiros. Estima-se, pelo contrário, que tenha produzido, aos poucos, a deserção de alguns grupos que apoiavam a insurreição, como artesãos, que viram piorar a sua situação com a escassez de matérias-primas e sem um governo investindo em grandes obras. Ainda que seja muito difícil precisar o intervalo temporal ocupado por este governo popular, é provável que tenha durado entre 70 e 75 dias. Em seguida, sofreu com a repressão coordenada pelos normarcas e grades nobres 22. Conclusão Durante as mobilizações populares na Praça Tahir e por todo o Egito, egiptólogos do mundo, cobertos pela mídia internacional, demonstraram acima de tudo suas preocupações com as relíquias sagradas do país, ou seja, os documentos arqueológicos da vasta cultura material faraônica. Condenou-se a invasão de museus e templos por desordeiros interessados em saquear o patrimônio histórico da humanidade. Foi com isso que os historicistas se preocuparam! Enquanto isto, os materialistas históricos observavam com admiração o levantar de um povo oprimido. Não é uma questão de desprezo pelo patrimônio material, mas, sim, de uma valorização do patrimônio imaterial do qual aquela população se apoderava, sua verdadeira relíquia sagrada. Mais do que cacos de cerâmica milenares, tão valorizados pelos arqueólogos, as camadas populares demonstrava interesse nos estilhaços messiânicos descritos por Benjamin. Estes estão ao alcance de qualquer um, cabe a nós o trabalho cuidadoso de reuni-los na luta pela redenção daqueles homens e mulheres que derramaram sangue na mesma areia egípcia há mais de 4000 anos atrás. 22 Sobre a teoria de um governo popular, ver REYES, José Carlos Castañeda. Op. Cit. pp Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

COLÉGIO SANTO ANDRÉ. EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA 6º Ano - 1º TRIMESTRE. PROFª Ms ROSANE T. PETRORÓSSI DE FIGUEIREDO

COLÉGIO SANTO ANDRÉ. EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA 6º Ano - 1º TRIMESTRE. PROFª Ms ROSANE T. PETRORÓSSI DE FIGUEIREDO COLÉGIO SANTO ANDRÉ EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA 6º Ano - 1º TRIMESTRE PROFª Ms ROSANE T. PETRORÓSSI DE FIGUEIREDO REFLITA A PARTIR DE ESTUDOS EM SALA DE AULA E TAREFAS DIRIGIDAS E RESPONDA ÀS SEGUINTES QUESTÕES

Leia mais

EGITO PA P SSADO E PR P ESENT N E T

EGITO PA P SSADO E PR P ESENT N E T EGITO PASSADO E PRESENTE VOCÊ SABE ONDE ESTÁ O EGITO? ÁFRICA O EGITO É UM PAÍS DO CONTINENTE AFRICANO NO PASSADO O EGITO ERA ASSIM... ATUALMENTE, O EGITO CHAMA-SE REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO. SUA CAPITAL

Leia mais

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA PARA O HISTORIADOR GREGO HERÓDOTO: O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO DÁDIVA = PRESENTE SIGNIFICADO = Sem as cheias do Nilo, o Egito seria um grande deserto PARA O HISTORIADOR FRANCÊS JEAN

Leia mais

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive MESOPOTÂMIA TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive ASPECTOS FÍSICOS Os dois rios mais importantes são o Tigre e o Eufrates. Localiza-se, predominantemente, no Crescente Fértil, onde hoje está o Iraque. Possui precárias

Leia mais

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou 1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou dano de várias relíquias, obras e sítios arqueológicos

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 5ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 5ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise Lista de Recuperação de Arte 6º ANO Nota: 1) A arte fez parte da vida do homem desde a pré-história ( período anterior ao surgimento da escrita ) que

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino HISTÓRIA DA ESCOLA Quando e como surgiram as escolas? ESCOLA, do grego SKHOLE que significa LAZER EDUCAR, do latim

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 6 o ano Unidade 3

Sugestões de avaliação. História 6 o ano Unidade 3 Sugestões de avaliação História 6 o ano Unidade 3 5 Nome: Data: Unidade 3 1. Complete as sentenças a seguir. a) O termo Mesopotâmia, em grego, significa. b) O território mesopotâmico estava situado entre

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino HISTÓRIA DA ESCOLA Quando e como surgiram as escolas? ESCOLA, do grego SKHOLE que significa LAZER EDUCAR, do latim

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

Na Mesopotâmia: nossas raízes

Na Mesopotâmia: nossas raízes A U A UL LA Na Mesopotâmia: nossas raízes Você já leu algum horóscopo, desses que são publicados em jornais e revistas? Esse costume de consultar os astros é muito antigo e surgiu na Mesopotâmia - a chamada

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA. A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios.

CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA. A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios. CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios. INTRODUÇÃO É uma faixa de terra cortada por dois grandes rios: o Tigre e o Eufrates; Fica situada entre a Europa, a

Leia mais

Uma introdução à Bíblia

Uma introdução à Bíblia Uma introdução à Bíblia FORMAÇÃO DO IMPÉRIO DE DAVI E SALOMÃO PRIMEIRO TESTAMENTO A serviço da leitura libertadora da Bíblia VOLUME 3 Ildo Bohn Gass (Org.) 2 a edição São Leopoldo/RS 2011 Centro de Estudos

Leia mais

O povo da Bíblia HEBREUS

O povo da Bíblia HEBREUS O povo da Bíblia HEBREUS A FORMAÇÃO HEBRAICA Os hebreus eram pastores nômades que se organizavam em tribos lideradas por chefes de família denominado patriarca. Principais patriarcas: Abraão, Jacó e Isaac.

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 33 A FORMAÇÃO DAS SOCIEDADES ORIENTAIS

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 33 A FORMAÇÃO DAS SOCIEDADES ORIENTAIS HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 33 A FORMAÇÃO DAS SOCIEDADES ORIENTAIS Fixação F 1) Leia os itens abaixo, que contém possíveis condições para o surgimento do Estado nas 2 sociedades da Antigui-dade. I)

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Aula 6 A PÓLIS GREGA. Alfredo Julien

Aula 6 A PÓLIS GREGA. Alfredo Julien Aula 6 A PÓLIS GREGA META Apresentar as características básicas da organização da organização da pólis e discutir o processo de formação da pólis. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: listar

Leia mais

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham o direito de conservar para si apenas uma pequena parte

Leia mais

Unesco chama destruição de cidade assíria de "crime de guerra" do EI

Unesco chama destruição de cidade assíria de crime de guerra do EI PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA Os ataques do Estado Islâmico ao patrimônio histórico e artístico no Iraque DATA DE APLICAÇÃO 06 a 10/04/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Mariana e Alberto 1. SUGESTÕES DE PONTOS

Leia mais

O JULGAMENTO DE CRISTO

O JULGAMENTO DE CRISTO Por Constantino Ferreira O JULGAMENTO DE CRISTO O julgamento de Cristo teve dois aspectos processados em seis partes, três religiosas e três civis, entre a uma e as sete horas. 1. Jesus foi interrogado

Leia mais

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias?

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias? O Mistério dos Maias O que aconteceu com os Maias? O que aconteceu com os Maias? A cultura dos Maias do Período Clássico era muito avançada. A sociedade Maia era muito estável. Eles desenvolveram arte,

Leia mais

Distribuição Gratuita Venda Proibida

Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan 2009 www.estudosdabiblia.net Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan Introdução

Leia mais

CRISTOLOGIA. Disciplina da teologia que sistematiza a reflexão crítica sobre a pessoa de Jesus Cristo, a partir da Revelação

CRISTOLOGIA. Disciplina da teologia que sistematiza a reflexão crítica sobre a pessoa de Jesus Cristo, a partir da Revelação CRISTOLOGIA Disciplina da teologia que sistematiza a reflexão crítica sobre a pessoa de Jesus Cristo, a partir da Revelação cristã. Resposta à questão: Quem é Jesus? (Mt 16,16) Jesus é o Cristo! Jesus:

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

A Antiguidade Oriental Hebreus

A Antiguidade Oriental Hebreus A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) Mar Mediterrâneo Delta do Nilo Egito NASA Photo EBibleTeacher.com Península nsula do Sinai Mt. Sinai Mar Vermelho Canaã Tradicional Rota do Êxodo

Leia mais

Pérsia, fenícia e palestina

Pérsia, fenícia e palestina Pérsia, fenícia e palestina Região desértica Atuais estados de Israel e Palestina Vários povos (semitas) estabelecidos no curso do Rio Jordão Palestina Hebreus (Palestina) Um dos povos semitas (cananeus,

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA Claudiane Lorini claudianelorini@hotmail.com Silvana Rodrigues da Silva madonalongati@hotmail.com Tânia Marli Peçanha de Brito taniam.brito@hotmail.com RESUMO: O ambiente

Leia mais

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus.

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. Profeta Daniel Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. O livro de Daniel liga-se ao livro do Apocalipse do Novo Testamento, ambos contêm

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano A Bíblia, na parte denominada Antigo Testamento (Torá), é o principal documento da história dos hebreus. Foi escrita ao longo

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia.

Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia. Mesopotâmia Antiga Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia. Diferente do Egito, a Mesopotâmia nunca se preocupou com

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq Introdução a análise Histórica Feudalismo Fernando Del pozzo hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxc

Leia mais

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

Capítulo 5 O Egito Antigo. Prof.ª Marilia C. Camillo Coltri 6.º ano História Colégio Ser! Sorocaba

Capítulo 5 O Egito Antigo. Prof.ª Marilia C. Camillo Coltri 6.º ano História Colégio Ser! Sorocaba Capítulo 5 O Egito Antigo Prof.ª Marilia C. Camillo Coltri 6.º ano História Colégio Ser! Sorocaba Egito atual O Egito Antigo 5.000 a.c. O Rio Nilo atraiu populações às suas margens em busca de água, vegetação

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - História - 2º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - História - 2º Bimestre Capítulo 5 1) O que se entende por Crescente Fértil? E quais regiões correspondiam? 2) Qual a importância dos rios para a história da humanidade? 3) Leia as afirmações abaixo: I Civilização é o estágio

Leia mais

Capítulo 3 A Mesopotâmia

Capítulo 3 A Mesopotâmia Capítulo 3 A Mesopotâmia Conceitos: sociedade, Estado, trabalho, desigualdade social, urbanização, escravidão, politeísmo e patriarcalismo. Professora: Marcela Guerra Durante o Neolítico: Agricultura e

Leia mais

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES maio / 2003 Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Trabalho

Leia mais

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

É PERMANECENDO FIRMES QUE VOCÊS IRÃO GANHAR A VIDA! - Comentário de Pe. Alberto Maggi (OSM) ao Evangelho

É PERMANECENDO FIRMES QUE VOCÊS IRÃO GANHAR A VIDA! - Comentário de Pe. Alberto Maggi (OSM) ao Evangelho XXXIII TEMPO ORDINÁRIO 14 novembro 2010 É PERMANECENDO FIRMES QUE VOCÊS IRÃO GANHAR A VIDA! - Comentário de Pe. Alberto Maggi (OSM) ao Evangelho Lc 21,5-19 Algumas pessoas comentavam sobre o Templo, enfeitado

Leia mais

A visão jurídica no contrato social de Rousseau

A visão jurídica no contrato social de Rousseau A visão jurídica no contrato social de Rousseau Jean-Jacques Rousseau, suíço nascido em Genebra, um dos mentores do iluminismo, escreveu esta obra em 1757. Na sua biografia encontramos relato da tentativa

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas.

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas. América Portuguesa Aspecto político/formas de governo Capitanias hereditárias É um sistema descentralizado. A metrópole quer gastar o mínimo possível com a exploração, por isso dão a nobres a serviço do

Leia mais

Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre

Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre Colégio: Nome: Nº Sem limite para crescer! Professor (a): Série: 1º ano Turma: Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre Questão 01: Pela exploração do mercado mundial a burguesia imprime um caráter

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

Cristãos e impostos pesados e injustos: oportunidade para ação ou acomodação

Cristãos e impostos pesados e injustos: oportunidade para ação ou acomodação Cristãos e impostos pesados e injustos: oportunidade para ação ou acomodação 1 ESTADOS UNIDOS, SÉCULO 18 Havia muito pecado na sociedade americana e no governo inglês que a controlava, mas Deus teve misericórdia.

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA INTRODUÇÃO A História da Educação Física relaciona-se com todas as ciências que estudam o passado e o presente das atividades humanas e a sua evolução. O homem, condicionado

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Série: 1ª Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Mateus 6-11 - Provisão - Pr. Paschoal Piragine Jr. Primeira Igreja Batista de Curitiba. 29/05/2012

Mateus 6-11 - Provisão - Pr. Paschoal Piragine Jr. Primeira Igreja Batista de Curitiba. 29/05/2012 1 A. PROVISÃO Mt 6: 11 Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia. At 17 INTRODUÇÃO 1. É interessante perceber a estrutura da oração do pai nosso i. A semelhança dos 10 mandamentos, os três primeiros pedidos

Leia mais

Igreja Pentecostal da Bíblia

Igreja Pentecostal da Bíblia Igreja Pentecostal da Bíblia 2014 O Ano de Josué ** Prosperidade Josué cap. 21 Pastoreio # 013 Direção Nacional Retorno: Antes do pastoreio #013 é hora de ouvir: Motive os envolvidos no pastoreio a relatar

Leia mais

O FUTURO DE UMA ILUSÃO

O FUTURO DE UMA ILUSÃO Ano V nº 7/8 (J an./ Dez. 2007) Revista da Faculdade de Educação O FUTURO DE UMA ILUSÃO M aria da Penha Fornanciari Antunes 1 FREUD, Sigmund. O futuro de uma ilusão. O mal-estar na civilização e outros

Leia mais

LIÇÃO 3 Outros Exemplos de Crescimento

LIÇÃO 3 Outros Exemplos de Crescimento LIÇÃO 3 Outros Exemplos de Crescimento O principal exemplo de maturidade cristã na Bíblia é Jesus Cristo, o nosso irmão mais velho. Ele assumiu a forma de servo e obedeceu ao Pai totalmente. Ele humilhou-se

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Notas do jornalista José Arbex sobre o trabalho da delegação de entidades ligadas o Conselho Internacional

Leia mais

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Ir. KatiaRejaneSassi Os desafios da travessia Aqueles que viveram a maravilhosa experiência de conseguir libertar-se da dominação egípcia sentem no deserto o desamparo total.

Leia mais

A Bíblia sustenta a confiabilidade das sensações?

A Bíblia sustenta a confiabilidade das sensações? A Bíblia sustenta a confiabilidade das sensações? Vincent Cheung Qualquer cristão que admite algum grau de confiança no empirismo e na ciência para o conhecimento sobre a realidade faz isso por razões

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

Professora: Holanda Maria

Professora: Holanda Maria Professora: Holanda Maria Com a crise dos séculos III e IV a escassez de mão-obra escrava levou os grandes proprietários a abandonarem as cidades e rumar para as villae (latifúndios) onde exploravam o

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Coleguium -3ºEM 1ª etapa

Coleguium -3ºEM 1ª etapa Coleguium -3ºEM 1ª etapa CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA: - Desenvolvida às margens do Nilo, na África; - Organização social complexa e rica em realizações culturais; - Escrita bem estruturada; Hieróglifos na parede

Leia mais

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Jesus revela-nos que Deus é Pai Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Quem inventou Deus? Desde sempre que os homens acreditaram na existência de forças muito poderosas

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder 1- Unificação dos Estados Nacionais Centralização do poder 1.1- Nobreza classe dominante Isenção de impostos; Ocupação de cargos públicos; Altos cargos no exército. 1- Conceito: Sistema de governo que

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

Antiguidade Oriental. Prof. Helder Carneiro

Antiguidade Oriental. Prof. Helder Carneiro Antiguidade Oriental Prof. Helder Carneiro Impérios Teocráticos de Regadio Desenvolveram-se próximos de grandes rios; Teocracia = Governo de Deus; Obras Hidráulicas; Modo de Produção Asiático: O Estado

Leia mais

As narrativas de fronteira e a construção de identidades

As narrativas de fronteira e a construção de identidades As narrativas de fronteira e a construção de identidades Diogo da Silva Roiz * Recebida em agosto e qprovada em outubro de HARTOG, François. Memória de Ulisses: narrativas sobre a fronteira na Grécia Antiga.

Leia mais

EGITO, TERRA DAS PIRÂMIDES E DOS FARAÓS QUE GOVERNAVAM

EGITO, TERRA DAS PIRÂMIDES E DOS FARAÓS QUE GOVERNAVAM EGITO, TERRA DAS PIRÂMIDES E DOS FARAÓS QUE GOVERNAVAM COMO DEUSES TERRA DAS MÚMIAS E DOS GRANDES MISTÉRIOS LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA Mar Mediterrâneo Egito Nordeste da África Península Arábica Lago Vitória

Leia mais

O último fato que agitou os apocalípticos

O último fato que agitou os apocalípticos O último fato que agitou os apocalípticos Uma suposta Profecia Maia Distorções na Ideia de Paraíso Espiritualidade comprometida apenas com a prosperidade no aqui e agora. Em nome de uma esperança futura,

Leia mais

Daniel não se Contamina com os Manjares do Rei

Daniel não se Contamina com os Manjares do Rei Daniel não se Contamina com os Manjares do Rei Daniel 1:1-21 No terceiro ano de Jeoaquim como Rei de Judá, o Rei Nabucodonosor, da Babilônia, atacou Jerusalém, e os seus soldados cercaram a cidade. 2 Deus

Leia mais

Aula 7 A COLONIZAÇÃO DE SERGIPE: HISTÓRIAS... Antônio Lindvaldo Sousa

Aula 7 A COLONIZAÇÃO DE SERGIPE: HISTÓRIAS... Antônio Lindvaldo Sousa Aula 7 A COLONIZAÇÃO DE SERGIPE: HISTÓRIAS... META Demonstrar como o processo historiográfico é um exercício de aplicação do historiador, pois as informações não chegam ao seu conhecimento por acaso. OBJETIVOS

Leia mais

O ALICERCE DA ESPERANÇA

O ALICERCE DA ESPERANÇA O ALICERCE DA ESPERANÇA ADRIANO MOREIRA Presidente da Academia das Ciências de Lisboa Presidente do Conselho Geral da Universidade Técnica de Lisboa Não é numa data de alegria descuidada, nem sequer da

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 01 - (Unicamp 2014) Desde o período neolítico, os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats

Leia mais

Nigéria: A resposta da Shell ao relatório da Amnistia Internacional Petróleo, Poluição e Pobreza no Delta do Níger é decepcionante

Nigéria: A resposta da Shell ao relatório da Amnistia Internacional Petróleo, Poluição e Pobreza no Delta do Níger é decepcionante Nigéria: A resposta da Shell ao relatório da Amnistia Internacional Petróleo, Poluição e Pobreza no Delta do Níger é decepcionante Reagindo ao relatório de 30 de Junho de 2009 da Amnistia Internacional

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos Oséias Salvação Conceitos Básicos Oséias, o profeta, era filho de Beeri. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos O nome Oséias era comum

Leia mais

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Juversino Júnior Lisandro Braga "Em lugar da mercadoria aparecer como resultado de relações sociais enquanto relações de produção, ela aparece como um bem que

Leia mais

A origem do cristianismo

A origem do cristianismo A origem do cristianismo KARL KAUTSKY (tradução, introdução, apêndice e notas de Luiz Alberto Moniz Bandeira) Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2010, 559p. MICHAEL LÖWY * Graças ao eminente historiador

Leia mais

PODEMOS VENCER A BATALHA ESPIRITUAL

PODEMOS VENCER A BATALHA ESPIRITUAL 1 PODEMOS VENCER A BATALHA ESPIRITUAL Zc 1 18 Tive outra visão e vi quatro chifres de boi. 19 Perguntei ao anjo que falava comigo: Que querem dizer estes chifres? Ele respondeu: Eles representam as nações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA A IMPORTÂNCIA DAS VIAGENS NA NOSSA VIDA PARA SABERMOS VER MELHOR A VIDA PERCEBERMOS O NOSSO PAPEL NO MUNDO PARA ENTENDERMOS O PRESENTE PARA SABERMOS COMO CHEGAMOS ATÉ AQUI VINDOS

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE ESCOLA E FAMÍLIA

INTERAÇÃO ENTRE ESCOLA E FAMÍLIA INTERAÇÃO ENTRE ESCOLA E FAMÍLIA Valdeir de Aquino Schuenck 1 ; Douglas Ortiz Hamermuller 2. RESUMO O presente artigo busca abordar a importância da participação das famílias no processo de ensino aprendizagem

Leia mais

O NASCIMENTO DO SALVADOR

O NASCIMENTO DO SALVADOR Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz no culto de natal na Igreja Batista Novo Coração, em 20 de dezembro de 2015. Evangelho de Lucas 2.8-20: 8 Havia pastores que estavam nos campos próximos

Leia mais

Você acredita que a opinião de Heródoto é acertada, em relação ao Rio Nilo? Explique. R.:

Você acredita que a opinião de Heródoto é acertada, em relação ao Rio Nilo? Explique. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Os fundamentos

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes Juliana Abuzaglo Elias Martins Doutoranda em Filosofia pela UFRJ

Leia mais

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Eliane A Silva Rodrigues * Desde que a humanidade se afirmou capitalista, conheceu a modernidade e as indústrias se desenvolveram

Leia mais

ESTADO: ALIENAÇÃO E NATUREZA

ESTADO: ALIENAÇÃO E NATUREZA BPI Biblioteca Pública Independente www.bpi.socialismolibertario.com.br MAL-BH Movimento Anarquista Libertário www.socialismolibertario.com.br ESTADO: ALIENAÇÃO E NATUREZA Mikhail Bakunin O Estado, como

Leia mais