Engenharia de Software II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia de Software II"

Transcrição

1 Engenharia de Software II Aula 25 Aula 25-19/07/2006 1

2 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap. 22 Seções 22.1 e 22.2) Estimativas (Cap. 23 Seções 23.1 a 23.7) Cronogramação (Cap. 24) Gestão de risco (Cap. 25) Gestão de qualidade (Cap. 26 Seções 26.1 a 26.7) Gestão de modificações Reengenharia e engenharia reversa Aula 25-19/07/2006 2

3 Gestão de Qualidade Todos concordam que produzir software de alta qualidade é importante. Mas o que é qualidade de software? Como fazemos para atingí-la? Gestão de qualidade = Garantia de qualidade de software = Software Quality Assurance (SQA) É uma atividade guarda-chuva. Especifica atividades e métricas para aperfeiçoar o processo de software. Aula 25-19/07/2006 3

4 Conceitos de Qualidade Controle de variação é fundamental para controlar a qualidade. Na produção industrial, controla-se a variação nas características de um produto produzido em série. Na engenharia de software, controla-se a variação no processo genérico que aplicamos. Minimizar a diferença entre os recursos previstos e os recursos usados (pessoal, equipamento e tempo). Minimizar a variância no número de erros de uma versão pra outra. Minimizar as diferenças na velocidade e na precisão de respostas aos problemas de clientes. Aula 25-19/07/2006 4

5 Conceitos de Qualidade Qualidade = Característica ou Atributo Para um objeto físico, qualidade se refere a características físicas. Comprimento, cor, propriedades elétricas, maleabilidade, etc. O software é informação (não é físico), mas tem propriedades que podemos medir. Complexidade ciclomática, coesão, pontos por função, linhas de código, etc. Aula 25-19/07/2006 5

6 Conceitos de Qualidade Qualidade de projeto Características que os projetistas especificam para um certo item. Na engenharia de software, abrange os requisitos, as especificações e o projeto. Qualidade de conformidade É o grau com que as especificações de projeto são seguidas durante a fabricação. Aula 25-19/07/2006 6

7 Conceitos de Qualidade Controle de qualidade Envolve uma série de inspeções, revisões e testes usada ao longo do projeto de software. Garante que cada produto de trabalha satisfaça os requisitos estabelecidos para ele. Inclui um ciclo de realimentação no processo que gerou o produto. Permite ajustar o processo. Todos os produtos de trabalho devem ter especificações mensuráveis para permitir a comparação. Aula 25-19/07/2006 7

8 Conceitos de Qualidade Garantia de qualidade Conjunto de funções de auditoria e relatório que avaliam a efetividade das atividades de controle de qualidade. Fornece à gerência dados sobre a qualidade do produto. Se os dados identificam problemas, é responsabilidade da gerência aplicar os recursos necessários. Aula 25-19/07/2006 8

9 Conceitos de Qualidade Custos da qualidade Custos de prevenção Planejamento da qualidade, revisões técnicas formais, equipamento de teste e treinamento. Custos de avaliação Inspeção intra e interprocessos, calibração e manutenção de equipamento e teste. Custos de falha São os que desapareciam se nenhum defeito fosse encontrado. Custos de falha interna Ocorrem antes da entrega e envolvem refazer, reparar e analisar o modo como a falha ocorreu. Custos de falha externa Ocorrem depois da entrega e envolvem solução de queixas e substituição do produto. Aula 25-19/07/2006 9

10 Garantia da Qualidade de Software Definição de qualidade de software: Conformidade com requisitos funcionais e de desempenho, normas de desenvolvimento explicitamente documentadas e outras características implícitas. A definição enfatiza três pontos importantes: Requisitos: base pela qual a qualidade é medida. Normas: conjunto de critérios que guia o modo pelo qual é submetido. Requisitos implícitos: a qualidade do software é baixa se ele não satisfaz características como facilidade de uso e boa manutenibilidade. Aula 25-19/07/

11 Garantia da Qualidade de Software Atividades de SQA Associadas a duas partes diferentes: Engenheiros de software Fazem o trabalho técnico. Aplicam métodos e medidas técnicas sólidas, conduzem revisões técnicas formais e efetuam testes. Grupo SQA Planejamento, supervisão, registro, análise e relato da garantia de qualidade. Deve olhar o software do ponto de vista do cliente. Garante que a qualidade de software é mantida. Aula 25-19/07/

12 Garantia da Qualidade de Software Atividades do grupo SQA Prepara um plano SQA para o projeto. Participa no desenvolvimento da descrição do processo de software do projeto. Revê as atividades de engenharia de software para verificar a satisfação do processo de software definido. Audita os produtos de trabalho de software para verificar a satisfação do que foi definido como parte do processo de software. Garante que os desvios do trabalho de software e dos produtos do trabalho sejam documentados e manipulados de acordo com um procedimento documentado. Registra qualquer eventual não-satisfação e a relata à gerência superior. Aula 25-19/07/

13 Revisões de Software As revisões são um filtro para o processo de software. São aplicadas em vários pontos do processo. Servem para descobrir erros e defeitos que podem depois ser removidos. Diferentes tipos de revisões podem ser conduzidos. Conversas informais sobre problemas técnicos. Apresentação formal do projeto para uma audiência de clientes e gerência. A revisão técnica formal é o filtro mais efetivo para garantia de qualidade. Tem como objetivo encontrar erros antes que eles sejam passados para outra atividade ou entregues ao usuário final. Aula 25-19/07/

14 Revisões de Software Impacto no custo de defeitos de software Estudos da indústria indicam que as atividades de projeto introduzem entre 50% e 65% de todos os erros durante o processo de software. Revisões técnicas formais são 75% efetivas na descoberta de erros de processo. Reduz substancialmente o custo dos passos subseqüentes. Estudos demonstram que se um erro descoberto na fase de projeto custa 1 unidade para ser corrigido, este mesmo erro custa 15 unidades depois do teste e entre 60 e 100 unidades depois da entrega. Aula 25-19/07/

15 Revisões de Software Amplificação e remoção de defeitos. Um modelo de amplificação de defeitos pode ser usado para ilustrar a geração e a detecção de erros durante os passos do processo. Uma caixa representa cada passo do processo. Erros advindos do passo anterior Defeitos Erros que atravessaram Erros amplificados 1:x Erros recém gerados Detecção Porcentagem de eficiência na detecção de erros Erros passados para o próximo passo Aula 25-19/07/

16 Revisões Técnicas Formais A revisão técnica formal (FTR) é uma atividade de SQA realizada por engenheiros de software. Objetivos: Descoberta de erros na função, lógica, ou implementação. Verificar se o software atende aos requisitos. Garantir que o software tenha sido representado conforme padrões pré-definidos. Obter softwares que sejam desenvolvidos uniformemente. Tornar os projetos mais gerenciáveis. A FTR também serve como espaço de treinamento e para promover continuidade. Cada FTR é conduzida como uma reunião. Inclui walkthroughs, inspeções, revisões em rodízio e outras avaliações técnicas. Aula 25-19/07/

17 Reunião de revisão Restrições à reunião: Entre 3 e 5 pessoas, uma preparação antecipada e duração da reunião inferior a 2 horas O foco da reunião FTR é um produto um componente de software. Maior probabilidade de encontrar erros. Ao final da reunião, os participantes da reunião FRT devem decidir: Aceitam o produto. Rejeitam o produto (após correção dos erros, outra revisão deve ser realizada). Aceitam o produto provisoriamente (nenhuma revisão adicional é exigida) Aula 25-19/07/

18 Reunião de revisão Antes da reunião 2 horas de estudo e revisão individual Cópia Revisor Produtor Produto pronto Líder do projeto Líder da revisão Cópia Cópia Revisor Revisor Durante a reunião Um dos revisores assume o papel de registrador. O produtor faz um walkthrough (percorre) do produto de trabalho e explica o material, enquanto os revisores levantam questões baseadas na preparação. Aula 25-19/07/

19 Registros da revisão Durante a FTR, o registrador registra todos os tópicos que foram levantados. Ao final da reunião, eles são resumidos em dois documentos: Relatório de revisão resumido: 1. O que foi revisado? 2. Quem fez a revisão? 3. Quais foram as descobertas e conclusões? Lista de questões de revisão: 1. Identifica áreas problemáticas do produto. 2. Serve como uma checklist que orienta o produtor à medida que as correções forem feitas. O líder da revisão deve fazer um acompanhamento para garantir que os itens na lista de questões sejam corrigidos. Aula 25-19/07/

20 Diretrizes para a revisão Revise o produto, não o produtor. Fixe e mantenha uma agenda. Limite o debate e a réplica. Enuncie as áreas problemáticas, mas não tente resolver cada problema anotado. Tome nota por escrito em um quadro de parede. Limite o número de participantes e insista numa preparação antecipada. Desenvolva uma checklist para cada produto que será revisado. Atribua recursos e uma programação de tempo para as FTRs. Realize um treinamento para todos os revisores. Reveja suas primeiras revisões. Aula 25-19/07/

21 Revisões guiadas por amostras Se o tempo disponível para revisões é curto, uma estratégia razoável é fazer revisões guiadas por amostras. Os seguintes passos são sugeridos: Inspecione uma fração a i de cada produto de trabalho i. Registre o número de falhas f i. Estime o número total de falhas multiplicando f i por 1/a i. Ordene os produtos de trabalho em ordem decrescente da estimativa do número de falhas. Enfoque os recursos de revisão disponíveis naqueles produtos que tem o maior número estimado de falhas. A fração dos produtos amostrada deve ser representativa e significativa. Aula 25-19/07/

22 Abordagens Formais para SQA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO = Sintaxe e Semântica rigorosas ESPECIFICAÇÃO DOS REQUISITOS DE SOFTWARE Desenvolvimento de algo similar PROVAS MATEMÁTICAS PARA DEMONSTRAR A CORRETUDE Aula 25-19/07/

23 Garantias Estatísticas da Qualidade de Software Tendência crescente da indústria de tornar-se mais quantitativa em relação à qualidade. Implica nos seguintes passos: Coletar e categorizar informações a respeito dos defeitos. Ex: falta de conformidade com as especificações, violação dos padrões, comunicação com o usuário deficiente, etc. Tentar encontrar a causa de cada defeito Utilizar o princípio de Pareto, isolando os 20%. 80% dos defeitos podem ser mapeados em 20% de todas as causas possíveis. Corrigir os problemas que tenham causado os defeitos. Aula 25-19/07/

24 Garantias Estatísticas da Qualidade de Software Conceito relativamente simples. Representa um importante passo na direção da criação de um processo de engenharia de software adaptativo. Mudanças são feitas para melhorar os elementos do processo que introduzem erros. Em resumo: Gaste seu tempo melhorando as coisas que realmente importam, mas tenha certeza que você sabe o que realmente importa. Aula 25-19/07/

25 Exemplo Uma organização coleta informação sobre defeitos durante um período de um ano. Os defeitos são rastreados até uma das seguintes causas: Especificação incorreta (IES) Interpretação errônea da comunicação com o usuário (MCC) Desvio intencional das especificações (IDS) Violação dos padrões (VPS) Erro na representação dos dados (EDR) Interface de componente inconsistente (ICI) Erro na lógica do projeto (EDL) Teste incompleto ou errôneo (IET) Documentação imprecisa ou incompleta (IID) Erro na tradução do projeto para a linguagem de programação (PLT) Interface ambígua ou inconsistente (HCI) Miscelânia (MIS) Aula 25-19/07/

26 Exemplo: Dados coletados para SQA Estatística Aula 25-19/07/

27 Exemplo A tabela indica que IES, MCC e EDR são as causas vitais, que contabilizam 53% de todos os erros. Ou, IES, EDR, PLT e EDL se considerarmos apenas os erros graves. Uma vez que as causas vitais foram descobertas, ações corretivas podem ser tomadas. Por exemplo, para corrigir EDR, pode ser adquirida uma ferramenta CASE para a modelagem dos dados além de executar revisões mais rigorosas no projeto dos dados. Aula 25-19/07/

28 Seis Sigma para Engenharia de Software Seis Sigma é a estratégia mais amplamente usada para garantia de qualidade estatística na indústria. Popularizada pela Motorola na década de Seis sigma = 6σ = 6 desvios-padrão 3.4 defeitos por milhão de ocorrências. Norma de qualidade extremamente alta. Aula 25-19/07/

29 Seis Sigma para Engenharia de Software A metodologia Seis Sigma define três passos centrais: Defina os requisitos, os artefatos para entrega e os objetivos através de métodos de comunicação o cliente. Meça o processo e sua saída para determinar o atual dsempenho de qualidade. Analise métricas de defeito e determine as poucas causas vitais. Se é necessário aperfeiçoamento são adicionados mais dois passos: Aperfeiçoe o processo pela eliminação das causas básicas dos defeitos. Controle o processo para garantir que o trabalho futuro não reintroduza as causas dos defeitos. Conhecido como método DMAIC. Aula 25-19/07/

30 Confiabilidade de Software Em termos estatísticos confiabilidade significa: a probabilidade de operação livre de falhas de um programa, em um ambiente específico, durante um tempo específico. Falha = não-conformidade com os requisitos. Podem ser catastróficas ou apenas inoportunas. Podem ser corrigidas em segundos ou em semanas. Não há dúvida que confiabilidade de um programa é um elemento importante na sua qualidade geral. Confiabilidade, ao contrário de outros fatores de qualidade, pode ser medida diretamente e estimada utilizando dados históricos e de desenvolvimento. Aula 25-19/07/

31 Confiabilidade do software Exemplo: Estima-se que o programa X tenha confiabilidade de 0.96, transcorridas 8 horas de processamento. Isso significa, que se o programa for executado 100 vezes, requerendo 8 horas de execução, irá funcionar corretamente (sem falhas) 96 vezes. Aula 25-19/07/

32 Medidas de Confiabilidade e Disponibilidade Trabalhos iniciais em confiabilidade de software tentaram extrapolar a matemática das teorias de confiabilidade de hardware. A maioria dos modelos relacionados à confiabilidade do hardware são dedicados a falhas devido ao uso, ao invés de falhas devido a defeitos de projeto Para hardware: falhas devidas a desgaste físico são mais prováveis do que as relacionadas a projeto. Efeitos de temperatura, corrosão e choque. Para software, não existe desgaste. Falhas são sempre de projeto. Aula 25-19/07/

33 Medidas de Confiabilidade e Disponibilidade Uma medida simples de confiabilidade para sistemas baseados em computador é mean-time-between-failure (MTBF) MTBF = MTTF + MTTR onde MTTF = mean-time-to-failure MTTF = mean-time-to-repair Aula 25-19/07/

34 Medidas de Confiabilidade e Disponibilidade Muitos pesquisadores defendem que MTBF é uma medida mais útil do que defeitos por KLOC ou por FP. Exemplo: Considere um programa em operação por 14 meses. Muitos erros permaneceram por décadas sem serem descobertos. O MTBF desses erros obscuros é de 50 ou 100 anos. O impacto da remoção desses erros na confiabilidade do software é insignificante. Aula 25-19/07/

35 Medidas de Confiabilidade e Disponibilidade Somado a medida da confiabilidade, podemos desenvolver uma medida de disponibilidade. É a probabilidade de um programa estar operando de acordo com os requisitos em um dado momento. Disponibilidade = [MTTF / (MTTF +MTTR)] 100% É mais sensível a MTTR que a MTBF. Aula 25-19/07/

36 Segurança de Software É uma atividade de garantia de qualidade, que focaliza a identificação e a avaliação de riscos potenciais, que podem afetar o software negativamente e causar uma falha de todo o sistema. Exemplo em um sistema de controle de navegação de um automóvel: Aceleração descontrolada, que não pode ser parada. Aula 25-19/07/

37 Segurança de Software Inicialmente, riscos são identificados e categorizados por criticalidade. Técnicas de análise são utilizadas para determinar a severidade e probabilidade de ocorrência dos riscos. O software deve ser analisado no contexto do sistema como um todo. Técnicas de análise como análise de falha em árvore, lógica de tempo real ou redes de Petri podem ser usadas para prever a cadeia de eventos que podem causar riscos e a probabilidade de cada evento ocorrer. Aula 25-19/07/

38 Segurança de Software Uma vez identificados e analisados os riscos requisitos relacionados à segurança podem ser especificados para o software. Embora confiabilidade e segurança sejam intimamente relacionadas, é importante notar a diferença sutil entre elas. A confiabilidade utiliza análise estatística para determinar a probabilidade de ocorrência de uma falha. Entretanto, essa falha não necessariamente implicará em uma risco ou infortúnio. A segurança examina os meios pelos quais falhas podem resultar em acidentes. Falhas são analisadas no contexto de todo o sistema. Aula 25-19/07/

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A qualidade de software é responsabilidade de todos os participantes envolvidos no desenvolvimento de software.

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Garantia da Qualidade de Software

Garantia da Qualidade de Software Especialização em Gerência de Projetos de Software Garantia da Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto de Ciências Exatas e Naturais

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Departamento de Informática Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software Estágio de Docência http://www.din.uem.br/~pg45640/ Qualidade de Software

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software ATIVIDADES DE APOIO. Atividades da Engenharia de Software. Atividades da Engenharia de Software

Atividades da Engenharia de Software ATIVIDADES DE APOIO. Atividades da Engenharia de Software. Atividades da Engenharia de Software Módulo 1 SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br CONSTRUÇÃO Planejamento do Codificação Teste MANUTENÇÃO Modificação 2003 2 Planejamento do Gerenciamento CONSTRUÇÃO de Codificação

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Inspeção Defeitos dos Software Classificação dos Erros Técnica de Leitura Ad-hoc Checklist Exercício Inspeção Inspeção de Software Definição É um método de análise estática

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 24 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 24-14/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Software Gerenciamento de Requisitos Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Requisitos (ER) Engenharia de O termo Engenharia implica em dizer que um processo sistemático

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães Agenda Contextualização da Qualidade Dificuldades na construção de software Possíveis soluções

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

MÉTRICAS DE SOFTWARE

MÉTRICAS DE SOFTWARE MÉTRICAS DE SOFTWARE 1 Motivação Um dos objetivos básicos da Engenharia de Software é transformar o desenvolvimento de sistemas de software, partindo de uma abordagem artística e indisciplinada, para alcançar

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software (1) Gestão de Projetos (1) Definição e evolução. (2) Processo de Software (2) Processos de software. (3) Projeto de Interface Homem- Máquina (4) SW-CMM/CMMI (3) Gestão de projetos.

Leia mais

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Teste de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade Garantia de Qualidade Qualidade do processo Qualidade do produto Testes Estáticos Testes Dinâmicos Teste de software

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 22-07/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 8 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 8-17/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação Laboratório de Tecnologia de Software LTS Qualidade de Produto Cláudio Martins claudiomartins2000@gmail.com www.ufpa.br/redetic

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Karla Pires de Souza (FPM ) karlapsouza@hotmail.com Angelita Moutin Segoria Gasparotto (FPM ) angelita@usp.br A atividade de teste de

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

Atividade da gerência da qualidade

Atividade da gerência da qualidade O que é qualidade de software? Qualidade, de forma simplista, significa que o produto deve esta de acordo com a especificação. Problemas: Tensão entre requisitos do cliente: Eficiência, confiança, etc.

Leia mais

Teste de Software I Conceitos e Estratégias

Teste de Software I Conceitos e Estratégias Tema da Aula Teste de I Conceitos e Estratégias Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Conceitos Teste e Garantia de Qualidade Importância do Teste, segundo Deutsch: O desenvolvimento de

Leia mais

Engenharia de Software I. Prof. André Castro Garcia

Engenharia de Software I. Prof. André Castro Garcia Engenharia de Software I Prof. André Castro Garcia 1. Introdução 1.1 A IMPORTÂNCIA DO SOFTWARE Nas primeiras décadas da era do computador, o principal desafio era desenvolver um hardware que reduzisse

Leia mais

UNIVASF - Universidade Federal do Vale do São Francisco Manutenção de Software

UNIVASF - Universidade Federal do Vale do São Francisco Manutenção de Software UNIVASF - Universidade Federal do Vale do São Francisco Manutenção de Software Prof. Ricardo A. Ramos Ciclo de Vida de Software 2 Manutenção de Software Alterações efetuadas no software depois de sua liberação.

Leia mais

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás Prof.: Ivon Rodrigues Canedo PUC Goiás Qualidade Subjetiva Não sei o que é mas reconheço quando a vejo Qualidade Baseada no Produto O produto possui algo que produtos similares não têm Qualidade Baseada

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

2.Gerência de Projetos: Métricas de Software

2.Gerência de Projetos: Métricas de Software 2.Gerência de Projetos: Métricas de Software A seguir consideraremos os conceitos fundamentais que levam à administração efetiva de projetos de software. Vamos considerar o papel da administração e das

Leia mais

Engenharia de Requisitos, Manutenção Corretiva e Acordo de Nível de Serviço.

Engenharia de Requisitos, Manutenção Corretiva e Acordo de Nível de Serviço. Engenharia de Requisitos, Manutenção Corretiva e Acordo de Nível de Serviço. Nilton Ferreira Caetano, Francinaldo de Paula Santos, Thiago Lopes de Godoi Barbosa Centro Universitário de Brasília (UNICEUB)

Leia mais

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade?

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade? Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 30 minutos 1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? a) Acompanhamento b) Revisão técnica c) Revisão informal d) Aprovação da gerência 2. Qual

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 60 minutos 1. Considerando as seguintes afirmações: I. 100% de cobertura de sentença (comando) garante 100% de cobertura de desvio II. 100% de cobertura de desvio

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Tópicos da Aula. Que é são requisitos? Tipos de Requisitos. Requisitos Funcionais. Classificação de Requisitos. Requisitos de Software.

Tópicos da Aula. Que é são requisitos? Tipos de Requisitos. Requisitos Funcionais. Classificação de Requisitos. Requisitos de Software. Engenharia de Software Aula 06 Tópicos da Aula Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo dcc603@gmail.com 26 Março 2012 Funcionais e não funcionais De usuário e do Engenharia de Estudo

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 18 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 18-23/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Teste de Software Apresentação

Teste de Software Apresentação Teste de Software Apresentação Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Agenda Teste de Software VV&T e Defeitos de Software Inspeção de Software Teste

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Plano de projeto. Cronograma e Controle

Plano de projeto. Cronograma e Controle Plano de projeto Cronograma e Controle Razões para atrasar um projeto Um deadline não realístico estabelecido por alguém fora do grupo de engenharia de software Câmbios nos requerimentos do software não

Leia mais

Segurança Estratégica da Informação ISO 27001, 27002 e 27005 Primeira Aula: ISO 27001

Segurança Estratégica da Informação ISO 27001, 27002 e 27005 Primeira Aula: ISO 27001 Segurança Estratégica da Informação ISO 27001, 27002 e 27005 Primeira Aula: ISO 27001 Prof. Dr. Eng. Fred Sauer fsauer@gmail.com http://www.fredsauer.com.br Documentos Normativos Básicos ISO 27001:2006

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas?

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Fábio Martinho. obtido [on-line] na URL http://www.testexpert.com.br/?q=node/669, em 11/03/2008. Segundo a NBR

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Motivação Por que estudar Gerenciamento de Projetos? As habilidades mais valorizadas pelas organizações são Liderança (89%) Comunicação (78%) Conhecimento em Gerenciamento de

Leia mais

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com.br 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário,

Leia mais

Projeto de Sistemas I

Projeto de Sistemas I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Projeto de Sistemas I Professora: Kelly de Paula Cunha E-mail:kellypcsoares@ifsp.edu.br Requisitos: base para todo projeto, definindo o

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados

Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados A U L A : C R I A Ç Ã O D E B A N C O D E D A D O S - R E Q U I S I T O S F U N C I O N A I S E O P E R A C I O N A I S P R O F. : A N D R É L U I Z M O N T

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Acidentes são eventos raros em sistemas críticos e pode ser impossível simulá-los durante testes de um sistema. Requisitos

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Abordagens da Qualidade Garvin, (1992) mostrou que a qualidade sofre modificações Em função da sua organização e abrangência, sistematizou

Leia mais

Manutenção desoftware. SCE 186- Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestrede2002

Manutenção desoftware. SCE 186- Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestrede2002 Manutenção desoftware SCE 186- Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestrede2002 CiclodeVidadeSoftware 2 ManutençãodeSoftware n Alterações efetuadas no software

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade de Projetos. Parte 07. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento da Qualidade de Projetos. Parte 07. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento da Qualidade de Projetos Parte 07 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Serviços de solução de replicação de dados HP Continuous Access EVA/P6000

Serviços de solução de replicação de dados HP Continuous Access EVA/P6000 Serviços de solução de replicação de dados HP Continuous Access EVA/P6000 Serviços HP Dados técnicos O HP Continuous Access (CA) fornece disponibilidade otimizada e proteção de disaster recovery. Para

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE Síntese de tópicos importantes PRESSMAN, Roger S. Conteúdo Componentes e tipos de software Problemas com o software e suas causas Mitologia que envolve o software Configuração de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1 1-Estratégia Global 1.1-Visão Global de Estratégias Para Teste A estratégia

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 03 In a calm sea every man is a pilot. Engenharia de Software I Aula 3 Gerenciamento de

Leia mais

Auditoria de organizações prestadoras de serviços

Auditoria de organizações prestadoras de serviços QSP Informe Reservado Nº 63 Outubro/2006 Auditoria de organizações prestadoras de serviços Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este guindance paper foi elaborado

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Objetivos. Requisitos de Software. Tipos de Requisitos. O que é um requisito? Requisitos Funcionais e Não- Funcionais. Requisitos Funcionais

Objetivos. Requisitos de Software. Tipos de Requisitos. O que é um requisito? Requisitos Funcionais e Não- Funcionais. Requisitos Funcionais Objetivos de Software Gidevaldo Novais (gidevaldo.vic@ftc.br) Introduzir os conceitos do usuário e do Descrever requisitos funcionais e nãofuncionais (domínio) Apresentar um esqueleto de documento e notas

Leia mais