A literatura egípcia do Império Médio: espelho de uma civilização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A literatura egípcia do Império Médio: espelho de uma civilização"

Transcrição

1 A literatura egípcia do Império Médio: espelho de uma civilização I volume Telo Ferreira Canhão Doutoramento em História (História Antiga) 2010

2

3 A literatura egípcia do Império Médio: espelho de uma civilização I volume Telo Ferreira Canhão Tese orientada pelo Professor Doutor Luís Manuel de Araújo (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) Doutoramento em História (História Antiga) 2010

4

5 III ANÁLISE DO CORPUS LITERÁRIO DO IMPÉRIO MÉDIO EM ANTOLOGIA E ANEXO DOCUMENTAL

6

7 Introdução

8

9 INTRODUÇÃO «A palavra ensina desde o tempo do deus.» Ensinamento Lealista, 8-2 A curiosidade sobre o passado é uma característica humana. Alguns dos próprios textos egípcios aqui traduzidos, cujas datas históricas se têm admitido serem do Império Médio, debruçam-se literariamente sobre épocas anteriores, seja o muito próximo Primeiro Período Intermediário ou as mais distantes IV e III dinastias. É evidente que somos privilegiados por estudarmos uma época posterior à invenção da escrita, pois para a maior parte do passado humano a arqueologia e as ciências a ela associadas são a única maneira de chegar ao seu conhecimento. Quando pouco mais temos do que artefactos, sepulturas ou povoados, é à arqueologia que compete o estudo desses vestígios. Começámos por perceber como uma espécie superou todas as outras, depois de que modo o homem foi dominando o meio envolvente, desenvolvendo novas tecnologias e, até, o seu modo de vida, desde aspectos mais relacionados com o seu dia-a-dia, como a alimentação, o vestuário ou as ferramentas, até às suas realizações artísticas e culturais. Hoje sabemos que mesmo para o estudo de períodos recentes, a arqueologia pode preencher lacunas sobre questões omissas nos documentos escritos. Sabemos também que por mais que as novas técnicas científicas transformem a arqueologia, ela terá sempre o mesmo objectivo: o estudo das sociedades, da sua cultura, da sua economia, qualquer que seja a época abordada. Com as respectivas variantes derivadas da maior ou menor quantidade de vestígios e da existência de documentação escrita, a arqueologia é, por tudo isso, fundamental ao conhecimento do passado humano, seja de que época for. Contudo, a arqueologia mostra uma exterioridade absoluta aos objectos de estudo, pois o arqueólogo é exterior ao sítio em análise e a tudo o que lá se encontra: detectam-se efeitos, relações, mas não a essência das próprias coisas. O que o arqueólogo revela é precisamente o efeito, a relação. A arqueologia pode reconstituir o aspecto exterior das estruturas e até das civilizações, mas o seu aspecto interior, a sua própria identidade, aquilo que os construtores dessas estruturas pensavam só é possível sentir através dos seus registos escritos. Esta prática, a escrita, foi possível graças a milénios de «polimento» dos idiomas e de organização e disciplinização da linguagem e respectivo enquadramento gramatical que, com o decorrer dos tempos, se tornou cada vez mais num sistema metódico, coerente e organizado. É com a linguagem, sejam os signos de comunicação gráficos, sonoros ou outros, que se transmite o que se pensa e, sem dúvida, que as palavras escritas «receberam a tarefa e o poder de representar o pensamento», como diz 307

10 INTRODUÇÃO o «arqueólogo do pensamento» Michel Foucault 1. Isto porque a escrita é simplesmente a representação gráfica da fala que, por sua vez, já é a representação do que se pensa. Por outro lado, a palavra escrita, ao contrário da oral que é efémera, perdurará tanto tempo quanto o suporte onde foi registada e a qualidade do material de registo utilizado, em particular a tinta. Assim, quando surgiu, «a literatura passou a reflectir com pureza a alma dos povos, a par das outras artes, cuja forma de expressão não alcança todavia a precisão e a dualidade da palavra. Quando habilmente manejada, esta reproduz a cor como o pincel, releva as formas como o escopro, encanta os ouvidos como a orquestra, suscita visões de grandeza como os monumentos arquitectónicos. Mas chega a extremos de concreção sintética e de subtileza analítica a que não podem aspirar nem as artes plásticas com todo o seu poder de imitação, nem a música com toda a sua espiritualidade, nem a arquitectura com toda a sua potência sugestiva» 2. Daqui se depreende que a sociedade e a mentalidade de um povo ou de uma época se revelam nas suas concretizações artísticas, em particular na literária, o meio mais seguro para o historiador conhecer uma sociedade, procurando na obra literária «as pulsações do seu coração e as vibrações do seu cérebro» 3. Práticas, costumes, máximas, pensamentos, crenças, tradições, ou mesmo esperanças, ambições ou ilusões, tudo é objecto de atenção dos pensadores que, de forma por vezes genial, elaboram textos que acabam por constituir a literatura de um povo. Cada vez mais a literatura é «a poderosa alavanca com que os pensadores abalam o mundo» 4, uma vez que é um dos principais meios de divulgação da ciência, da moral e da filosofia. Chega mesmo a haver uma troca de influências entre os leitores, que de um modo geral fornecem os elementos necessários aos escritores, e os escritores, que trabalham esta matéria-prima no seu laboratório cerebral transformando-a, destilando-a e devolvendo-a habilmente manipulada sobre a forma de conjuntos estruturados de palavras com múltiplos significados e incidências. Já no início do século XVI, o humanista de origem judaica nascido em Valência, Juan Luís Vives ( ), afirmava: «Não há espelho que melhor reflicta a imagem do homem do que as suas palavras». Ora num espelho plano comum, que é uma superfície muito lisa e com alto índice de reflexão de luz, vemos a nossa imagem com a mesma forma e tamanho. Embora seja uma forma virtual, uma vez que não se pode projectar num alvo, é também direita e simétrica. Por outro lado, é do senso comum que o espelho nunca mente, pois aquilo que se vê num 1 M. FOUCAULT, As Palavras e as Coisas, p A. F. SAMPAIO (dir.), História da Literatura Portuguesa Ilustrada, vol. I, p A. F. SAMPAIO (dir.), História da Literatura Portuguesa Ilustrada, vol. I, p A. F. SAMPAIO (dir.), História da Literatura Portuguesa Ilustrada, vol. I, p

11 INTRODUÇÃO espelho é aquilo que realmente existe. De tal modo, que é célebre a frase inscrita no suporte de marfim do espelho que terá pertencido a Leonardo da Vinci e que se encontra no Museu do Louvre: «Não te queixes de mim, ó mulher. Só te devolvo o que tu me dás». Foi desta sequência de pensamentos que surgiu o título proposto para este trabalho. E isto porque a literatura de um povo reflecte a forma de ser e de pensar desse mesmo povo, incluindo as próprias marcas do tempo literário em que foi concebida e do tempo histórico que relata. Assim nós saibamos olhar para o espelho e ver com clareza o que nele se reflecte! É também importante que se assinale que neste trabalho ao aludir-se à literatura está-se apenas a sopesar o conjunto de produções literárias do Egipto, numa determinada época, sem nenhuma conotação com qualquer definição moderna de «literatura», ainda que se tenha em conta o valor estético dos textos abordados, o que é transversal a todas elas. Quando aqui se alude à literatura do antigo Egipto, desde logo fica afastado o conceito de uma literatura em sentido lato ou abrangente, que abarcaria toda a produção escrita e conhecida como património literário do antigo Egipto. Pelo contrário, pretende-se tão-somente abarcar uma produção de carácter mais restrito que, independentemente do conteúdo e por força da sua qualidade estética, foi considerada trabalho de primeiro plano pela própria «crítica» egípcia da época. Através dela, os escribas legaram-nos valores e conhecimentos, pensamentos e crenças tão importantes ou ainda mais do que tudo aquilo que os seus empreendimentos de carácter mais visível nos podem transmitir. E isto deve-se acrescentar sem escamotear o facto destas afirmações assentarem na certeza de só ter chegado até nós uma pequena parte da produção literária egípcia. Além disso, são vestígios fragmentados pelo tempo ou pela barbárie dos homens, cuja reconstituição em boa parte dos casos, só tem sido possível através de diferentes cópias do mesmo texto, por vezes ainda agravada por pertencerem a diversas épocas. Apesar de variada, a literatura egípcia que chegou até nós pode organizar-se em cinco géneros: ensinamentos, literatura das ideias, lírica, textos ideológicos e contos 5. Os ensinamentos são textos em que um orador se dirige a um interlocutor, normalmente pai e filho, transmitindo-lhe conselhos e ensinando-lhe preceitos baseados na sua experiência de vida. É o único género para o qual se conhece uma designação egípcia: sebait (sebayt) ensinamento, instruções. É um termo que se forma a partir da raiz sebá (sba), que significa também «porta», «estrela» e «ensinar», o que está perfeitamente de acordo com a ideia subjacente a estes textos que deveriam ser actos pedagógicos que funcionariam como portas que se abriam para o 5 P. VERNUS, Chants d'amour de l'égypte Antique, pp ; R. O. FAULKNER, A Concise Dictionary of Middle Egyptian, p. 219 ; J. N. CARREIRA, Literatura do Egipto Antigo, pp

12 INTRODUÇÃO conhecimento e estrelas destinadas a guiar a vida daqueles a quem eram dirigidas. Aqui se inserem o Ensinamento de Amenemat I ao seu filho Senuseret, o Ensinamento Lealista e o Ensinamento de Kheti. A literatura de ideias é um conjunto de textos onde se debatem ideias ou expõem teses. Podem assumir diversas formas como cartas, diálogos, lamentações ou máximas. Nesta área foram estudadas As Admoestações de Ipu-uer, o Diálogo de um Desesperado com o seu ba e as Lamentações de Khakheperréseneb. Na lírica celebram-se os prazeres terrenos, por vezes vividos com tanta intensidade que a demonstração de tão grande apego à vida e às suas delícias é também sintoma de cepticismo nas crenças de sobrevivência para além da morte. Agrupam poemas de amor e outros escritos como os cantos de harpista. O presente trabalho não se detém nesta temática 6. Dos textos ideológicos fazem parte a «propaganda» monárquica, hinos, bênçãos que passaram a ser considerados obras literárias quando lhes foram reconhecidas as suas excepcionais qualidades, alguns merecendo a atenção de escribas que os copiavam em exercícios de cópia ou ditado, em alguns casos inúmeras vezes, seduzidos pelos seus atractivos literários, tornandoos assim verdadeiros clássicos da literatura egípcia. Apenas foram apreciados os Hinos a Senuseret III. Finalmente, os contos são textos narrativos compostos por escribas de grande talento e constituem uma das expressões mais importantes da literatura egípcia no elenco das obras literárias do antigo Egipto. À partida não eram destinados ao povo mas a uma elite apreciadora da arte de composição e da língua; a sua excepcional qualidade também os tornava dignos de servirem pedagogicamente como exercícios de leitura e caligrafia, para os jovens destinados à profissão de escriba. Trata-se de obras com temáticas variadas que Gustave Lefebvre organiza em seis grupos (mitológicos, anedóticos, filosóficos, psicológicos, maravilhosos e contos-moldura), aos quais, contrapondo narrativa de acontecimentos fictícios a narrativa de fundo histórico, acrescenta o grupo dos romances que incluem textos cujos autores se basearam em factos reais 7. Percorrendo a literatura egípcia de todas as épocas, os textos que Gustave Lefebvre considera histórias romanceadas são a História de Sinuhe, que consta deste estudo, e a Desventura de Uenamon, de uma época posterior. Nos contos mitológicos este autor inclui a Lenda do Deus do Mar (Astarté) e as Aventuras de Hórus e de Set, em que as personagens principais são deuses 6 Veja-se, no entanto, os estudos de L. M. ARAÚJO, Estudos sobre Erotismo no Antigo Egipto; J. N. CARREIRA, Cantigas de Amor do Oriente Antigo; R. SOUSA, Os Doces Versos. Poemas de Amor do Antigo Egipto. 7 G. LEFEBVRE, Romans et Contes Égyptiens, pp. VII-IX. 310

13 INTRODUÇÃO e se envolvem em aventuras e peripécias impossíveis de realizar pelos mortais; nos contos anedóticos faz constar a Luta de Apopi e de Sekenenré, A Tomada de Joppe e a Princesa de Bakhtan, por se basearem não em acontecimentos históricos mas em pequenos acontecimentos anedóticos verificados em determinadas épocas; nos contos filosóficos aparece Verdade e Mentira, uma alegoria em que o bem, Verdade, triunfa sobre o mal, Mentira; nos contos psicológicos temos a primeira parte do Conto dos Dois Irmãos em que, na presença do marido, uma mulher calunia um jovem por quem está apaixonada; nos contos maravilhosos inclui a segunda parte do anterior conto, e ainda O Náufrago, que mereceu neste estudo devida atenção, os contos do Papiro Westcar, também aqui abordados, O Príncipe Predestinado e O Pastor que viu uma Deusa, contos onde a magia assume papel de destaque, criando ambientes em que o maravilhoso é a pedra de toque que prende a atenção dos leitores e dos ouvintes. Os contos-moldura, onde se enquadra o Conto do Camponês Eloquente, o qual também consta no presente trabalho, é um género em que o conto é apenas uma parte secundária da totalidade da obra literária, mas que não pode ser separado do todo; no caso presente constituía a introdução e a conclusão. A obra completa-se com um conjunto de petições, identificadas no texto como tendo sido proferidas no tempo de Nebkauré Kheti. Com excepção dos contos-moldura (onde, além do Conto do Camponês Eloquente 8, ainda integra o Conto Profético, que nesta abordagem se titula de Profecia de Neferti), de uma forma ou de outra, mais ou menos vincadamente, todos os outros contos dos diferentes géneros têm a sua quota de maravilhoso, pois o maravilhoso é praticamente inseparável do conto egípcio. Foram certamente estas as razões que tornaram deveras apreciadas as palavras de Gustave Lefebvre, certamente muito interpelantes para os que se debruçam sobre esta temática: «Os contos oferecem-nos portanto a sociedade, a sua hierarquia, as suas diversas classes, como também as suas ideias morais e crenças religiosas, um quadro fiel, pleno de vida, com ricas cores, de detalhes cuidadosamente escritos, que nos permitem penetrar mais profundamente na alma egípcia. A este título eles interessam não somente à história da literatura, mas mais ainda talvez à da civilização» 9. Acrescentemos que não são só os contos, mas os textos literários em geral que nos oferecem tudo isto: conhecer a literatura egípcia é a forma privilegiada de alcançar o modo de pensar e sentir da civilização egípcia, enfim, de estudar a «alma egípcia». 8 G. LEFEBVRE, Romans et Contes Égyptiens, p. VII. Simpson inclui este conto na parte da sua obra intitulada «Narrativas e Contos da Literatura do Médio Egipto»; ver W. K. SIMPSON, The Literature of Ancient Egypt, p. 31. Quanto a Miriam Lichtheim inclui-o na «literatura didáctica» do Império Médio; ver M. LICHTHEIM, Ancient Egyptian Literature, I, p G. LEFEBVRE, Romans et Contes Égyptiens, p. XXV. 311

14 INTRODUÇÃO Refira-se, com clareza, que não é intenção fazer uma abordagem dos textos num estudo do ponto de vista estritamente literário, de forma a produzir qualquer definição de literatura egípcia e eventual determinação de géneros literários que levem a uma nova arrumação dos objectos em análise. Como vimos, outros, melhor habilitados, já antes o fizeram. O que se pretende, de facto, nesta parte do trabalho, é procurar ideias, maneiras de pensar e agir que possamos considerar suportes civilizacionais egípcios, que permitam um melhor conhecimento da civilização egípcia do Império Médio, através dos textos apresentados em antologia no primeiro capítulo deste volume, e que surgem traduzidos e comentados no segundo volume. Na realidade, o que se propõe é aquilo a que se poderá chamar o tratamento arqueológico do texto, e não o seu tratamento literário. Correr-se-á mesmo o risco de não ter em conta a hipótese de eventuais exageros motivados por diversas razões, quer sejam propagandísticas quer sejam de outra natureza desconhecida. Contudo, uma tarefa desta natureza pode ser praticamente infinita ou, no mínimo, muito extensa, porque há muito a colher em cada texto, e cada elemento extraído pode ser observado de múltiplas maneiras. Tudo depende da sensibilidade e da perspectiva de quem investiga. Por esta razão, se o próprio autor não impuser um limite correrá o risco de ser acusado de apresentar um trabalho incompleto, por não ter sido abordada esta ou aquela perspectiva. Neste sentido, a presente análise reterá um número mínimo de temas, mais precisamente três grandes temas globalizantes, aqueles que no decurso do trabalho de investigação e estudo despertaram maior atenção no conjunto dos doze textos traduzidos. Também não é intenção determinar a correcção, ou incorrecção, da atribuição da datação do corpus literário em estudo, partindo do princípio de que os textos em análise, pelo menos os seus arquétipos, são, de facto, do Império Médio. Ainda assim, antes de se abordarem questões respeitantes às épocas em causa, seja a época da datação literária, seja a época da datação histórica, e de se procurar ver o que nos dizem os textos sobre elas, abordar-se-á esta questão da datação a partir do Conto do Camponês Eloquente, apresentando um conjunto de elementos do tipo dos que se podem aplicar, de uma forma geral, a cada um dos textos. Tudo leva a crer que os manuscritos do Conto do Camponês Eloquente são do Império Médio: B1, B2 e Bt da XII dinastia e R, o único descoberto em contexto datado, da XIII dinastia 10. Não tendo sido possível determinar a antiguidade dos três primeiros papiros a partir de dados arqueológicos, foram os estudos epigráficos e, sobretudo, filológicos, que permitiram datá-los. Para este fim, contribuiu tam- 10 G. LEFEBVRE, Romans et Contes Égyptiens de l Époque Pharaonique, p. 45 ; R. B. PARKINSON, The Tale of The Eloquent Peasant, pp. xxv-xxviii. Para mais informações sobre os papiros cfr. T. F. CANHÃO, «O Conto do Camponês Eloquente na Literatura do Antigo Egipto», em Cadmo (14), pp ; ver também J. N. CARREI- RA, Literatura do Egipto Antigo, pp ). 312

15 INTRODUÇÃO bém o facto do cólofon de B2 ser semelhante ao de outros contos da XII dinastia, nomeadamente da História de Sinuhe e do Conto do Náufrago 11. Por seu lado, com R foram encontrados no Ramesseum alguns objectos cuja origem aponta para finais da XII dinastia, além de 23 outros papiros cuja datação só foi possível através do contexto, que os posicionou na XIII dinastia e ao túmulo onde se encontravam nos finais da XIII dinastia. Em obras mais antigas, autores como Adolf Erman, Sergio Donadoni e Edda Bresciani 12 atribuíram como data da sua composição o Primeiro Período Intermediário. Em 1967, Sergio Donadoni insistia nessa suposição, contudo, com um certo grau de imprecisão: «quatro manuscritos não muito posteriores à época da composição» 13. Eram conclusões motivadas pela única referência histórica que o Conto do Camponês Eloquente apresenta entre a primeira e a segunda petições (B1, : «Ora este camponês fazia este discurso no tempo da majestade do rei do Alto e do Baixo Egipto Nebkauré, justo de voz»), reforçada no final, já depois da nona petição, quando Rensi manda entregar ao soberano 14 o papiro onde escrevera as queixas (B2, : «E o grande intendente Rensi, filho de Meru, mandou-o entregar à majestade do rei do Alto e do Baixo Egipto Nebkauré, justo de voz»). São duas afirmações respeitantes ao rei Nebkauré Kheti, um dos três monarcas conhecidos do período heracleopolitano e do qual pouco mais se sabe do que o nome. Mohammed Mokhtar reforça aquela ideia dizendo que no Primeiro Período Intermediário se assistiu ao florescimento de uma literatura realista que mostrava a vida tal como era e na qual se integrava o Conto do Camponês Eloquente. Esse estilo literário orientava-se no sentido de «uma decidida aproximação à democracia, justiça, humanismo, igualdade social e benevolência com respeito ao pobre» 15. Mas, de facto, uma coisa é a datação da época histórica na qual se desenrola a acção, isto é, a datação literária, e outra é a época em que o texto foi imaginado e escrito pela primeira 11 P. LUINO, La Véritable Histoire de Sinouhé, p. 140 ; P. LE GUILLOUX, Le Conte du Naufragé (Papyrus Ermitage 1115), p. 68; M. LAPIDUS, La Quête de l Île Merveilleuse (le Conte du Naufragé), p. 88; G. R. PARKINSON, The Tale of Sinuhe and Other Ancient Egyptian Poems, pp. 43 e 98; G. LEFEBVRE, Romans et Contes Égyptiens, pp. 25 e 40; E. PERRY, A Critical Study of the Eloquent Peasant, p E. PERRY, A Critical Study of the Eloquent Peasant, p. 6; A. ERMAN, Die Literatur der Ägypter, p. 175; S. DONA- DONI, Storia della Letteratura Egizianna Antica, p. 95; S. DONADONI e E. BRESCIANI, Letteratura e Poesia dell Antico Egitto, p S. DONADONI, La Letteratura Egizia, p Usaremos indiscriminadamente os termos rei, soberano, monarca e faraó, conscientes porém de que esta última designação surgiu por via hebraica, composta a partir da expressão per-aá (pr-aa), a Casa Grande, isto é, o Palácio, sendo comprovada como designação exclusiva do rei do Egipto apenas a partir da XVIII dinastia, mais precisamente de Tutmés III (M.-A. BONHÈME e A. FORGEAU, Pharaon. Les Secrets du Pouvoir, pp ). 15 M. G. MOKHTAR, Ihnâsya El-Medina (Herakleopolis Magna). Its importance and its role in pharaonic history, p

16 INTRODUÇÃO vez, ou seja, a datação histórica 16. Gerhard Fecht, que concorda com a inclusão dos papiros do Conto do Camponês Eloquente no Império Médio, afirma que a «época presumível» da sua redacção corresponde ao período heracleopolitano, embora seja claro pela indicação «justo de voz» (maé-kheru) que o rei estava morto. É também indiscutível para este autor, que neste texto a métrica utilizada é igualmente do Império Médio, o que o leva à constatação de que a «época verdadeira» da redacção ou é posterior à reunificação ou os manuscritos foram adaptados posteriormente 17. Apresenta então uma série de argumentos, mais circunstanciais do que conclusivos, para demonstrar que o arquétipo do Conto do Camponês Eloquente não foi escrito nem na XII dinastia, tão pouco na XI, mas duzentos ou trezentos anos antes. Para isso fundamenta-se em análises contextuais comparativas com textos das duas épocas, principalmente entre o Ensinamento para Merikaré, provavelmente da IX ou da X dinastia, o Ensinamento de Amenemhat I ao seu filho Senuseret e o Ensinamento Lealista, ambos da XII dinastia. O primeiro é o testamento de um rei heracleopolitano não identificado 18, que se dirige ao filho Merikaré tentando explicar- -lhe acontecimentos recentes e dando-lhe conselhos para, no futuro, evitar situações similares. No segundo, o fundador da XII dinastia Amenemhat I, provável vizir de Mentuhotep IV, o último rei da XI dinastia 19, justifica a sua presença no trono com a obra que realizou: a pacificação final do reino iniciada com a unificação de Mentuhotep II. Apresenta, ainda, o seu reconhecimento aos deuses, numa prova de que a ideologia legitima o rei a posteriori. O último texto é a tentativa ideológica de justificar e fortalecer a autoridade do faraó, num apelo explícito aos súbditos, isto é, o funcionalismo, invocando a lealdade ao seu soberano 20. Gerhard Fecht acha surpreendente e até inconcebível que o camponês Khuenanupu, vivendo num período particularmente agitado pelas classes sociais mais baixas, que representava, 16 O. BERLEV, «The Date of the Eloquent Peasant"», p G. FECHT, «Bauerngeschichte», LÄ, I, col Prevalece ainda uma certa confusão acerca da ordem dos reis das IX/X dinastias, não se sabendo mesmo qual a sua composição completa, havendo mais suposições do que certezas. No texto só o nome do filho permaneceu legível (M. LICHTHEIM, Ancient Egyptian Literature, I, p. 97; P. CLAYTON, Crónicas dos Faraós, pp.70-71). 19 Segundo a Câmara dos Antepassados de Karnak, terá existido ainda um Mentuhotep IV, Nebtauiré Mentuhotep. Contudo, o Papiro Real de Turim no seu lugar apresenta um espaço vazio «de sete anos» e o seu nome é omisso nas listas reais de Abido e de Sakara. Para Clayton é Mentuhotep III. O fundador da XI dinastia terá sido o governador de Tebas que se assumiu como rei com o nome de Antef I. Seguiram-se-lhe Antef II e Antef III e só depois o filho deste, Nebhepetré Mentuhotep, ou seja, Mentuhotep II. O rei Mentuhotep I terá sido o pai de Antef I, que certas fontes confirmam como rei e do qual pouco mais se sabe. Esta situação gera desfasamentos entre os diversos autores, considerando uns três reis com este nome e outros quatro, de modo que Mentuhotep I, II e III de uns, correspondem aos Mentuhotep II, III e IV de outros (C. VANDERSLEYEN, L Egypte et la Vallé du Nil. Tomo II. De la fin de l Ancien Empire à la fin du Nouvel Empire, pp e 37-39; P. CLAYTON, Chronicle of the Pharaohs, pp.72-77). 20 G. POSENER, L Enseignement Loyaliste. Sagesse égyptienne du Moyen Empire, pp

17 INTRODUÇÃO não fosse um analfabeto grosseiro pouco dado a perturbações; ou que fizesse determinadas críticas éticas, denunciando com acutilância a falta de escrúpulos dos funcionários. E isso sem ser feito de modo gratuito, mas desenvolvendo um raciocínio claramente ético e oportuno; o próprio facto do ouvinte saber pelo desenrolar da narrativa que a disputa entre ele e o grande intendente Rensi é fictícia, não retira seriedade aos princípios morais enunciados. Portanto, em seu entender, trata-se de um conjunto de discursos rebeldes que traduzem discussões profundas e sábias, totalmente em desacordo com um ser insubmisso que demonstra sempre grande segurança e coragem no relacionamento com um alto funcionário, sem nunca se deixar arrebatar pela imprudência. Por isso Gerhard Fecht pensa que o ambiente do Conto do Camponês Eloquente está perfeitamente de acordo com o modo de agir e de pensar do tempo de Heracleópolis (IX e X dinastias) e em desacordo com o pensamento e a prática pós-unificação da XII dinastia. Inclusivamente, as semelhanças que manifestamente existem com outros textos, em nada contrariam segundo a sua opinião, o facto de o arquétipo do Conto do Camponês Eloquente ser do Primeiro Período Intermediário 21. No entanto, outros conceituados egiptólogos 22, depois de cuidadosos estudos dos papiros, de análises contextuais e linguísticas, e do cruzamento com outros textos, concluíram que os manuscritos do texto em causa são do Império Médio, mais concretamente das XII e/ou XIII dinastias. Mesmo com o arquétipo dado como desaparecido, alguns precisam melhor as suas opiniões: Gustave Lefebvre afirma que é um texto escrito «na bela língua da XII dinastia» 23 ; Oleg Berlev, baseando-se no título de Rensi, mer-per uer (mr-pr wr), situa-o na XII dinastia 24 ; Pascal Vernus, através de uma demonstração puramente linguística, acredita que o Conto do Camponês Eloquente terá sido escrito na segunda metade da XII dinastia 25 ; William K. Simpson repete esta ideia afirmando que este texto, como outros onde se incluem as Admoestações de Ipuuer e as Lamentações de Khakheperréseneb 26, é de carácter propagandístico, escrito intencio- 21 G. FECHT, «Bauerngeschichte», LÄ, I, col Na parte final da sua exposição, Fecht compara expressões do Conto com Os Ensinamentos de Ptahhotep, Ensinamento para Merikaré, Ensinamento para Kagemni e Diálogo de um Desesperado com o seu ba (G. FECHT, «Bauerngeschichte», LÄ, I, col ). 22 A. H. GARDINER, «The Eloquent Peasant», p. 5; M. LICHTHEIM, Ancient Egyptian Literature, I, p. 169; G. MAS- PERO, Contes Populaires de l'égypte Ancienne, pp G. LEFEBVRE, Romans et Contes Égyptiens, pp O. BERLEV, «The Date of the Eloquent Peasant"», pp P. VERNUS, «La date du Paysant Eloquent», pp Textos cujos arquétipos parecem ter sido compostos na XII dinastia. Para Lichtheim é muito provável que pelo menos o segundo tenha sido escrito no reinado de Senuseret II; para Simpson são da XII dinastia, podendo o segundo ser mesmo do Segundo Período Intermediário. Nas Admoestações de Ipu-uer o autor lamenta as calami- 315

18 INTRODUÇÃO nalmente na tentativa de contrariar uma certa inquietação política e social que o Egipto viveu no final da XII dinastia 27 ; por fim, Richard Parkinson coloca-o no final da XII dinastia, «não muito depois dos reinados de Senuseret III e Amenemhat III», nos casos de B1, B2 e Bt, e de meados da XIII dinastia no que respeita a R, aparentemente mostrando que os heracleopolitanos não foram anatematizados pela XII dinastia. De certo modo isto foi demonstrado pelo facto de alguns reis de meados da XII dinastia, como Senuseret II e Amenemhat III, terem mandado proceder a edificações em Heracleópolis 28. São diversos os argumentos destes estudiosos, indo do facto de o autor do Conto do Camponês Eloquente estar familiarizado com questões, conceitos e vocabulário burocrático e legal da época, o que prova a sua erudição e um possível treino na prática jurídica, até às preocupações com a corrupção dos funcionários e a injustiça, aspectos que se enquadram tanto num panorama de anarquia do Primeiro Período Intermediário como no de reorganização e expansão administrativa levada a cabo no Império Médio. Juntemos a nossa voz àqueles que julgam mesmo plausível supor que a autoria do Conto do Camponês Eloquente possa ser atribuída a um dos reis do final da XII dinastia, com a ideia de ajudar essa reforma. Com efeito, a figura real no conto assume sempre uma posição respeitada, cuja autoridade nunca é questionada, todas as suas ordens são escrupulosamente cumpridas e o enquadramento nos valores máximos do Estado é plenamente conseguido. O suporte desta afirmação provém de duas análises que merecem particular destaque. Oleg Berlev fez o levantamento do número de vezes em que o título de «grande intendente» (mr-pr wr), seguido ou não do nome «Rensi» (rnsy) e do patronímico «filho de Meru», meru sa (mrw sa), é mencionado no Conto do Camponês Eloquente. Encontrou-o 26 vezes sempre escrito de forma completa, sem qualquer abreviatura ou simplificação como, ao contrário de outros cargos, acontece sempre com este título durante o Império Médio. O patronímico aparece isolado apenas duas vezes (B1, 218 e B2, 133) e o nome nunca figura escrito isoladamente. Como isto acontece em todos os papiros, conclui que esta fórmula é parte integrante do texto, não podendo ter sido introduzida por nenhum copista posterior, o que entra em conflito com a data literária do conto, com a qual concorda inteiramente. De facto, «grande intendente» era um dos dades do Primeiro Período Intermediário; nas Lamentações de Khakheperréseneb temos um sacerdote que fala consigo próprio, lamentando os perigos e a desorganização dos tempos conturbados (W. K. SIMPSON, The Literature of Ancient Egypt, pp. 210 e 230; M. LICHTHEIM, Ancient Egyptian Literature, I, pp e 149). 27 W. K. SIMPSON, The Literature of Ancient Egypt, p. 31; W. K. SIMPSON, «The political background of the Eloquent Peasant», pp R. B. PARKINSON, The Tale of The Eloquent Peasant, pp. xxv-xxviii; R. B. PARKINSON, «The date of the Tale of the Eloquent Peasant», p

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou 1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou dano de várias relíquias, obras e sítios arqueológicos

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

O Olho Egípcio dos Barcos dos Pescadores da Costa da Caparica

O Olho Egípcio dos Barcos dos Pescadores da Costa da Caparica O Olho Egípcio dos Barcos dos Pescadores da Costa da Caparica Pelo Professor Doutor José Sales, Egiptólogo, Docente da Universidade Aberta Creio que se justifica, de facto, a tese da origem egípcia para

Leia mais

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos Oséias Salvação Conceitos Básicos Oséias, o profeta, era filho de Beeri. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos O nome Oséias era comum

Leia mais

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA PARA O HISTORIADOR GREGO HERÓDOTO: O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO DÁDIVA = PRESENTE SIGNIFICADO = Sem as cheias do Nilo, o Egito seria um grande deserto PARA O HISTORIADOR FRANCÊS JEAN

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ

A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Kaefer, José Ademar A Bíblia, a arqueologia e a história

Leia mais

Coleguium -3ºEM 1ª etapa

Coleguium -3ºEM 1ª etapa Coleguium -3ºEM 1ª etapa CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA: - Desenvolvida às margens do Nilo, na África; - Organização social complexa e rica em realizações culturais; - Escrita bem estruturada; Hieróglifos na parede

Leia mais

Sociedade das Ciências Antigas. O que é um Iniciado? por Papus

Sociedade das Ciências Antigas. O que é um Iniciado? por Papus Sociedade das Ciências Antigas O que é um Iniciado? por Papus Publicação feita na revista L'Initiation nº 4, de 1973. Uma das causas mais reiteradas da obscuridade aparente dos estudos das Ciências Ocultas

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AERT E. B. 2, 3 de Rio Tinto

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AERT E. B. 2, 3 de Rio Tinto Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AERT E. B. 2, 3 de Rio Tinto CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 3º CICLO - 2015/2016 Os critérios de avaliação têm como documentos de referência o Programa de Inglês

Leia mais

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado Reino de Marrocos Ministério da Função Pública e Modernização da Administração Centro Africano de Formação e Resquisa em Administração para o Desenvolvimento Fundação para o Reforço de Capacidades em Africa

Leia mais

TELO FERREIRA CANHÃO

TELO FERREIRA CANHÃO TELO FERREIRA CANHÃO, Textos da Literatura Egípcia do Império Médio. Textos hieroglíficos, transliterações e traducões comentadas, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2014, 1020 páginas. ISBN 978-972-31-1508-6

Leia mais

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Caro(a) Aluno(a) A prova da 2ª fase da UFBA exige, além dos pré-requisitos da primeira fase(conhecimento do conteúdo programático aliado a habilidades de analisar, comparar, julgar, fazer generalizações,

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino HISTÓRIA DA ESCOLA Quando e como surgiram as escolas? ESCOLA, do grego SKHOLE que significa LAZER EDUCAR, do latim

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

EGITO PA P SSADO E PR P ESENT N E T

EGITO PA P SSADO E PR P ESENT N E T EGITO PASSADO E PRESENTE VOCÊ SABE ONDE ESTÁ O EGITO? ÁFRICA O EGITO É UM PAÍS DO CONTINENTE AFRICANO NO PASSADO O EGITO ERA ASSIM... ATUALMENTE, O EGITO CHAMA-SE REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO. SUA CAPITAL

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados Gestão de Carreiras Durante muito tempo, a gestão de carreiras não fez parte das preocupações dominantes dos gestores de pessoal. Nos últimos anos, porém, tem-se assistido a um crescendo de interesse relativamente

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão I

Sistema Integrado de Gestão I Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Integrado de Gestão I Aula - 2 A evolução da sociedade da era agrícola à era do conhecimento Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Objetivos Conhecer

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática John A. Fossa As presentes linhas pretendem ser uma espécie de propedêutica para a discussão do grupo temático sobre

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

Homem tropeça anda, corre voará...

Homem tropeça anda, corre voará... Professora: Isabel Maria Ribeiro Madureira de Sousa Fonseca Escola Secundária com 3º Ciclo Padrão da Légua C445 - Projecto de Formação para o Novo Programa de Português do Ensino Básico Turma - D Maio

Leia mais

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

RS-SPEE-150anos/Perri

RS-SPEE-150anos/Perri CENTRO ESPÍRITA ORIGEM E CONCEITO RS-SPEE-150anos/Perri Rua dos Mártires, 8 2º. Andar - Fundos RS-SPEE-150anos/Perri Há 153 Anos... Palais Royal RS-SPEE-150anos/Perri RS-SPEE-150anos/Perri Allan Kardec

Leia mais

C A P R I C Ó R N I O : A L U Z D A V I V Ê N C I A

C A P R I C Ó R N I O : A L U Z D A V I V Ê N C I A PLENILÚNIO DE CAPRICÓRNIO (Lua Cheia 5/1/2015 às 1:53 hora de local Argentina e Brasil (nos locais com horário de verão acrescentar uma hora) C A P R I C Ó R N I O : A L U Z D A V I V Ê N C I A Aquele

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Pág. 1 de9 CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Gestão do Turismo nos Sítios com Significado Patrimonial 1999 Adoptada pelo ICOMOS na 12.ª Assembleia Geral no México, em Outubro de 1999 Tradução por

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

Desenvolvimento Cognitivo

Desenvolvimento Cognitivo Desenvolvimento Cognitivo Psicologia do Desenvolvimento Jean Piaget elaborou uma teoria do desenvolvimento a partir do estudo da inteligência da criança e do adolescente. A sua teoria permitiu que se acabasse

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Maio de 2003 No mundo de hoje, pais, professores e outros agentes educativos enfrentam

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula.

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. 01_IN_CA_FolderTecnico180x230_capa.indd 3 sonhando com uma nova escola e uma nova sociedade 7/24/13 2:16 PM comunidade de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2 1 PREFÁCIO O objectivo destas páginas é o de apresentar, de maneira acessível e resumida, as principais técnicas da comunicação e da informação, que constituem, em conjunto, um dos domínios que mais directamente

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

Capítulo 5 O Egito Antigo. Prof.ª Marilia C. Camillo Coltri 6.º ano História Colégio Ser! Sorocaba

Capítulo 5 O Egito Antigo. Prof.ª Marilia C. Camillo Coltri 6.º ano História Colégio Ser! Sorocaba Capítulo 5 O Egito Antigo Prof.ª Marilia C. Camillo Coltri 6.º ano História Colégio Ser! Sorocaba Egito atual O Egito Antigo 5.000 a.c. O Rio Nilo atraiu populações às suas margens em busca de água, vegetação

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO ANO LECTIVO - 010/ 011 ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA 7º ANO COMPETÊNCIAS GERAIS 1. Tratamento de informação; utilização de fontes;. Compreensão histórica:.1. Temporalidade.. Espacialidade.3. Contextualização

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a IDEIAS A RETER SOBRE A GRÉCIA O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a 507) e mais tarde aperfeiçoadas

Leia mais

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS Carta de Florença 1982 Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro Civil IST Dezembro de 2006 Pág. 2 de7 PREÂMBULO O ICOMOS-IFLA

Leia mais

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus.

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. Profeta Daniel Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. O livro de Daniel liga-se ao livro do Apocalipse do Novo Testamento, ambos contêm

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TRABALHO E FORMAÇÃO NO CONGRESSO DO ANO INTERNACIONAL DOS VOLUNTÁRIOS Senhora Presidente da Comissão Nacional para o Ano Internacional do Voluntariado, Senhor

Leia mais

P.º C.Co. 109/2008 SJC - Expressão de Fantasia - Emissão de Certificado de Admissibilidade

P.º C.Co. 109/2008 SJC - Expressão de Fantasia - Emissão de Certificado de Admissibilidade P.º C.Co. 109/2008 SJC - Expressão de Fantasia - Emissão de Certificado de Admissibilidade I 1. O Instituto dos Registos e do Notariado (IRN) remeteu ao Registo Nacional de Pessoas Colectivas cópia da

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Português 12.º Ano de Escolaridade Prova 639/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Quem guarda os guardiães? Helena Carreiras

Quem guarda os guardiães? Helena Carreiras r e c e n s ã o Quem guarda os guardiães? Helena Carreiras LUÍS SALGADO DE MATOS Como Evitar Golpes Militares Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais 2008, 407 páginas Numa obra que suscita diversas perplexidades,

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

200 educação, ciência e tecnologia

200 educação, ciência e tecnologia 200 A LÍNGUA FRANCESA NO JARDIM DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO * A Área Científica de Francês promoveu, no âmbito da Semana Cultural da Escola Superior de Educação de Viseu, que decorreu de

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB Sem qualquer negociação, o Ministério da Educação anunciou, e está desenvolver, algumas medidas avulsas relacionadas com o 1º Ciclo do Ensino Básico.

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT.

Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT. Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT. Objecto da consulta: Pedido de registo automóvel online por comprador autenticado electronicamente com cartão de cidadão, com digitalização da declaração de compra e venda. Relatório:

Leia mais

A MAGIA DA MATEMÁTICA

A MAGIA DA MATEMÁTICA A MAGIA DA MATEMÁTICA Helena Rocha, Isabel Oitavem Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa hcr@fct.unl.pt, oitavem@fct.unl.pt Introdução Todos os professores se preocupam com as

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - História - 2º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - História - 2º Bimestre Capítulo 5 1) O que se entende por Crescente Fértil? E quais regiões correspondiam? 2) Qual a importância dos rios para a história da humanidade? 3) Leia as afirmações abaixo: I Civilização é o estágio

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

Lição 3 O Plano de Deus Para os Obreiros

Lição 3 O Plano de Deus Para os Obreiros Lição 3 O Plano de Deus Para os Obreiros O António estudou as razões por que os crentes da Igreja primitiva se reuniam. Observou que muitos tipos de necessidades reuniam os crentes a necessidade de ensino,

Leia mais

Equações do segundo grau

Equações do segundo grau Módulo 1 Unidade 4 Equações do segundo grau Para início de conversa... Nesta unidade, vamos avançar um pouco mais nas resoluções de equações. Na unidade anterior, você estudou sobre as equações de primeiro

Leia mais

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE 53 O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE Sidnei Shirosaki Faculdade Unida de Suzano(sidnei.shirosaki@uniesp.edu.br) Resumo A morte é tratada de forma diferente por diversos povos, mas sempre com

Leia mais