Manual de Siglas e Abreviaturas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Siglas e Abreviaturas"

Transcrição

1 Manual de Siglas e Abreviaturas Dr. Fábio Luís Peterlini Responsável Técnico CRM-SP 54289

2

3 Sumário O que não usar no registro dos prontuários 6 Itens de prescrição e controles 7 Exames 12 Gerais 18 UTI e Cardiologia / Pneumologia 27 Pediatria e Ginecologia / Obstetrícia 34 Infectologia 39 Neurologia e Psiquiatria 40 Renal Metabólico 42 Oncologia / TMO / Hematologia 43 Gastroenterologia 45 Ortopedia 47 Enfermagem 47 Otorrinolaringologia / Buco Maxilo 47 Fonoaudiologia 48 Fisioterapia 49 Nutrição 51

4 Introdução De forma a zelar pela segurança dos pacientes atendidos nesta Instituição, e garantir que esta segurança permeie todos os processos clínicos e assistenciais atrelados ao histórico de atendimento do paciente, a Rede São Camilo recomenda a todos os profissionais de saúde que evitem, sempre que possível, o uso de siglas e abreviaturas no registro de prontuários e documentos afins. Tais abreviações, por vezes, geram falhas na comunicação entre os profissionais, com graves consequências aos pacientes. A transcrição e o registro das palavras por extenso, por sua vez, evitam mal-entendidos entre as equipes multidisciplinares que atendem o paciente, contribuindo para a segurança do paciente. Sabemos, entretanto, que o uso de siglas e abreviaturas é uma prática universal, já incorporada ao cotidiano profissional dos profissionais de saúde, como forma de otimizar e agilizar o registro de informações frente à sempre crescente demanda de pacientes atendidos em clínicas e hospitais. Face a este entendimento, padronizamos neste manual as siglas e abreviaturas que podem ser utilizadas no registro de documentos, na Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. A utilização deste manual é obrigatória!

5 De forma a contemplar e preservar as siglas e abreviaturas empregadas em diferentes setores do Hospital, em concordância com a literatura e terminologia técnica recomendadas, dividimos o manual em especialidades. Também destacamos as siglas e abreviaturas que jamais devem ser utilizadas em prontuários, a fim de se evitar a ocorrência de erros. Mais uma vez ressaltamos que as siglas e abreviaturas devem ser evitadas ao máximo no registro escrito de informações. Caso você precise utilizar as siglas e abreviaturas mesmo assim, orientamos que faça uso das recomendações contidas neste guia. A segurança dos nossos pacientes depende desta atitude! Time de Comunicação Diretoria Administrativa

6 O que não usar no registro dos prontuários < > AB BIC Cc CPM CU IC OD OE PV U UI μ O sinal de menor pode ser confundido com a letra L O sinal de maior pode ser confundido com o número 7 Aborto Bicarbonato de Sódio Para indicar volume de drogas e infusões utilizar mililitros ou ml e não centímetro cúbico ou cc Conforme Prescrição Médica Cicatriz Umbilical Incisão Cirúrgica Pode significar olho direito, ombro direito ou ouvido/ orelha direita Pode significar olho esquerdo, ombro esquerdo ou ouvido/ orelha esquerda Perdas Vaginais Este símbolo significa unidade, porém pode ser confundido com zero Este símbolo significa unidade internacional, porém pode ser confundido com intravenoso ou com o número 10 Este símbolo grego de micro pode ser confundido com muitas letras 6

7 Siglas e Abreviaturas Padronizadas Itens de prescrição e controles AAS ACM Amp BH bpm Caps CCG cm cm3 cp DDAVP DDE DDH Ácido Acetilsalicílico (Aspirina) A critério médico Ampola Balanço Hídrico Batimentos Por Minuto Cápsula Cuidados e Controles Gerais Centímetro Centímetro cúbico Comprimido Acetato de Desmopressina Decúbito Dorsal Elevado Decúbito Dorsal Horizontal 7

8 DL dl DLD DLE EV FC FL FR Fr-amp g GM-CSF Gt Gt(s) GTM H ID IM IV KCl Decúbito lateral Decilitro Decúbito Lateral Direito Decúbito Lateral Esquerdo Endovenosa Frequência cardíaca Flaconete Frequência Respiratória Frasco ampola Grama Fator de Crescimento de Neutrófilos Gota(s) Gota(s) Gastrostomia Hora Intradérmica Intramuscular Intravenoso Cloreto de Potássio 8

9 Kg KMnO4 L m2 mcg meq mg min ml mm mmhg mmol MTN NaCl NBZ NPH NPP NPT Quilograma(s) Permaganato de Potássio Litro Metro(s) quadrado(s) Micrograma(s) Miliequivalente(s) Miligrama(s) Minuto(s) Mililitro Milímetro Milímetros de Mercúrio Milimol(es) Manhã, tarde, noite Cloreto de Sódio Nebulização Insulina Isofana bovina, suína ou humana. Efeito 3 a 4 horas, pico 6 a 12 horas, duração 18 a 24 horas Nutrição Parenteral Prolongada Nutrição Parenteral Total 9

10 O2 P PA PAM PANI PCA PFC PMV PPM PS PTU PVC qsp RH RL rpm S/N Sat Oxigênio Pulso Pressão arterial Pressão Arterial Média Pressão Arterial Não Invasiva Bomba de Infusão para Analgesia Controlada Plasma Fresco Congelado Para Manter Veia Partícula por minuto Pressão Sistólica Propiltiouracil Pressão Venosa Central Quantidade suficiente para Restrição Hídrica Ringer Lactato Respiração por minuto Se necessário Saturação 10

11 SatO2 SC seg SF SG SGF SL SNE SNG SOE SOG Sol SSVV SVA SVD T TRO VIG VO Saturação de Oxigênio Arterial Subcutâneo Segundos Solução Fisiológica / Soro Fisiológico Solução Glicosada / Soro Glicosado Soro Glicofisiológico Sublingual Sonda Nasoenteral Sonda Nasogástrica Sonda Oroenteral Sonda Orogástrica Solução Sinais Vitais Sonda Vesical de Alívio Sonda/Sondagem Vesical de Demora Temperatura Terapia de Rehidratação Oral Velocidade Infusão Glicose Via Oral 11

12 Vol. VP VR VV xp Volume Veia Periférica Via retal Via Vaginal Xarope Exames ACTH AngioCT ATB BD bhcg BI BNP BT BTF Hormônio Adrenocorticotrófico Angiotomografia computadorizada Antibiograma Bilirrubina Direta b Gonadotrofina Coriônica Humana Bilirrubina Indireta Peptídeo natriurético atrial Bilirrubina Total Bilirrubina T + F C, Cr Creatinina Ca Cai Cálcio Cálcio Iônico 12

13 CH CHCM CICR CKM Cl CPK CPRE CTG DHL EBV ECG ECO EDA EEG FA Fe FR FSH Concentrado Hemácias (ou CH) Concentração de HCM Clearance Creatinina Creatinofosfoquinase massa Cloro Creatinofosfoquinase Colangiopancreatografia retrógada endoscópica Cardiotocografia Desidrogenase Láctica Epstein-Boar Vírus Eletrocardiograma Ecodopplercardiograma Endoscopia Digestiva Alta Eletroencefalograma Fosfotase Alcalina Ferro Fator Reumatóide Hormônio Folículo Estimulante 13

14 FTA FTA-ABS FvW G6PD Gaso A Gaso V GB GGT Gli GVC Hb HBsAg HCM HCV HDV HIV HMC HMC + ATB Anticorpo Treponêmico Fluorescente Absorção de FTA Fator de Von Willebrand Glicose-6-Fosfato Desidrogenase Gaso Arterial Gaso Venosa Glóbulos brancos Gama glutamil transferase Glicose Gasometria Venosa Central Hemoglobina Antígeno de Superfície para Hepatite Hemoglobina Corpuscular Média Hepatite por Vírus C Hepatite por Vírus D Vírus da Imunodeficiência Humana Hemocultura Hemocultura + Antibiograma 14

15 HMG HPV Ht IG IgA IgE IgG IgM K LBA LCR Leu Mg MMG Na P PA pco2 PCO2 Hemograma Herpes Vírus Humano Hematócrito Imunoglogulina Imunoblobulina A Imunoblobulina E Imunoblobulina G Imunoblobulina M Potássio Lavado Broncoalveolar por Broncoscopia Líquido Cefálo - Raquidiano Leucograma Magnésio Mamografia Sódio Fósforo Postero-anterior Pressão Parcial de CO2 no Sangue (venoso e/ ou arterial) Pressão CO2 15

16 PCR PET ph Plaq po2 PPF PSA PT PTF PTF PTH RDW Rh RM RNM RX T3 T4 Proteína C Reativa Tomografia com Emissão Pósitrons Potencial de Hidrogênio Iônico Plaquetas Pressão de Oxigênio (venoso e/ou arterial) Protoparasitológico de Fezes Antígeno Prostático Específico Proteína Total Proteínas T + F Proteína Total e Frações Paratohormônio Índice de Anisocilose Fator Rhesus (Fator Rh) Ressonância magnética Ressonância Magnética / Ressonância Nuclear Magnética Raio X Triiodotironina Tetraiodotironina 16

17 TC TGO TGP TP TRAb TS TSH TT TTPA U UFC/ml UI URC USG VCM VDRL VHS MMG Tomografia Computadorizada Transaminase glutâmico oxalacética Transaminase glutâmico pirúvica Tempo de Protrombina Anticorpo Antirreceptor do TSH Tempo Sangramento Hormônio Tireoestimulante Tempo de Trombina Tempo de Tromboplastina Ativada Ureia Unidade Formadora de Colônia Urina I Urocultura Ultrassonografia Volume Carpuscular Médio Venereal Disease Research Laboratory Velocidade de Sedimentação mamografia 17

18 Gerais - Ausente + Presente a AA Abd ACV AINE AINH alt ANVISA AP ASA ATB aut b B1 B12 B2 Alfa Aminoácidos Abdomen Acesso Venoso Central Anti-Inflamatório Não-Esteróide Anti-Inflamatório Não-Hormonal Altura Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anátomo Patológico American Society of Anesthesiologists Antimicrobiano Autorizado Beta Tiamina Cianocabalamina Ribofluvina 18

19 B3 B6 BAAR BANF BCG BCP BEG BRNF BRNF a 2T Bx Niacina Piridoxina Bacilo Álcool-Ácido Resistente Bulhas Arrítmicas Normo Fonética Vacina Contra Tuberculose Broncopneumonia Bom Estado Geral Bulhas Rítmicas Normo Fonética Bulhas Rítmicas Normo Fonética em Dois Tempos Biópsia C/ Com CA Cal CC cça CCIH CD CDC CE Câncer Calorias Centro Cirúrgico Criança Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Conduta Center Disease Control Corticóide 19

20 CH CHAAE CHCM CID CO CO2 Cod conc Cor CVC D DB DBP DDE DDH DEA DIH DL DLD Concentrado Hemácias (ou CH) Corado, Hidratado, Anictérico, Acianótico, Afebril e Eupneico Concentração de HCM Código Internacional de Doenças Centro Obstétrico / Monóxido de Carbono Gás Carbônico Código Concentrado Corado Cateter Venoso Central Direito Descompressão Brusca Displasia Broncopulmonar Decúbito Dorsal Elevado Decúbito Dorsal Horizontal Desfibrilador Elétrico Automático Dia Internação Hospitalar Decúbito lateral Decúbito Lateral Direito 20

21 DLE DLP DNA DPT DST E E.coli EF EIC eup FAB FAF FAV FCC FD FDA FE FID FIE Decúbito Lateral Esquerdo Dislipidemia Ácido Desoxirribonucleico Difteria Coqueluche Tétano Doença Sexualmente Transmissível Esquerdo Escherichia Coli Exame Físico Espaço Intercostal Eupneico Ferimento por Arma Branca Ferimento por Arma de Fogo Fístula artério-venosa Ferimento Corto-Contuso Flanco Direito Food and Drug Administration Flanco Esquerdo Fossa Ilíaca Direita Fossa Ilíaca Esquerda 21

22 FRA Fx g g GI GO HAS HD HDMA HE Hidr HTD HTE IG IL IMC ITU IVAS LER Febre reumática aguda Fratura Gama Grama Gastrointestinal Ginecologia e Obstetrícia Hipertensão Arterial Sistêmica Hipótese Diagnóstica História de Moléstia Atual Hipocôndrio Esquerdo Hidratado Hemitórax direito Hemitórax esquerdo Imunoglobulina Intralípides Índice de Massa Corpórea Infecção do Trato Urinário Infecção das Vias Aéreas Superiores Lesão por Esforços Repetitivos 22

23 LES LS MEG MID MIE MMII MMSS MOE MSD MSE MT MV MV+ sem RA N ndn Neo nl NO Lúpus Eritematoso Sistêmico Lábio Superior Mal Estar Geral Membro Inferior Direito Membro Inferior Esquerdo Membros Inferiores Membros Superiores Motilidade Ocular Extrínseca Membro Superior Direito Membro Superior Esquerdo Membrana Timpânica Murmúrio Vesicular Murmúrio Vesicular presente sem ruído adventício Não Nada digno de nota Neoplasia Normal Óxido Nítrico nº Número 23

24 Obs OK OMS OVAS Observação De acordo Organização Mundial da Saúde Obstrução Vias Aéreas Superiores P/ Para PCR pcte PEG Peq PICC PO POI POT PS PSA PSI QD QID QIE Parada Cardiorrespiratória Paciente Péssimo estado geral Pequeno Catéter Central de Inserção Periférica Pós-Operatório Pós-Operatório Imediato Pós-Operatório Tardio Pronto-Socorro Pronto-Socorro Adulto Pronto-Socorro Infantil Queixa e Duração Quadrante Inferior Direito Quadrante Inferior Esquerdo 24

25 QSD QSE qsp QT Qt RA RCD RCE RCP Resp RET RH RHA RI RPA S Quadrante Superior Direito Quadrante Superior Esquerdo Quantidade suficiente para Quimioterapia Quantidade Recuperação Anestésica Rebordo costal direito Rebordo costal esquerdo Ressuscitação Cardiopulmonar Respiratório Retorno Restrição Hídrica Ruído Hidroaéreo Risco Infeccioso Recuperação Anestésica Sim S/ Sem S/N SCD Se necessário Subclávia Direita 25

26 SCE Sd SIC SIDA SNC SO SSVV SVA SVD TBc Tbg TCE TEV TQM TR Transf TVP Tx UAA Subclávia Esquerda Síndrome Segundo Informações Coletadas Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Humana Sistema Nervoso Central Sala Operatória Sinais Vitais Sonda Vesical de Alívio Sonda/Sondagem Vesical de Demora Turbeculose Tabagista Trauma/Traumatismo Crânio-Encefálico Tromboembolismo venoso Traqueostomia Toque Retal Transferência Trombose Venosa Profunda Transplante Unidade de admissão e alta 26

27 UCO UPP UTI UTI-A UTI-NEO UTI-PED VFR VMG X CHAAE MV+ sem RA Unidade de Terapia Iintensiva Coronariana Úlcera por pressão Unidade de Terapia Intensiva Unidade de Terapia Intensiva Adulto Unidade de Terapia Intensiva Neonatal Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica Vide Folha Rosto Visceromegalia Vezes Corado, Hidratado, Anictérico, Acianótico, Afebril e Eupneico Murmúrio Vesicular presente sem ruído adventício UTI e Cardiologia / Pneumologia A/C ACT ACTP AD Ventilação Assistida Controlada Angioplastia Angioplastia Coronária Transluminar Percutânea Átrio Direito 27

28 AE AV BAV BAVT BCE BE BIPAP BIS CAP CATE CD CEC CIA CIV CIVD CPAP CPT CVF Cx Átrio Esquerdo Átrio Ventricular Bloqueio Atrioventricular Bloqueio Atrioventricular Total Broncoespasmo Base Excess Bi Level Positive Pressure Airway Bispectral Index Cateter Artéria Pulmonar Cateterismo Cardíaco Coronária Direita Circulação Extracorpórea Comunicação Intra-Arterial Comunicação Intraventricular Coagulação Intravascular Disseminada Continuous Pressure Airway Positive - Pressão Contínua Positiva das Vias Aéreas Capacidade Pulmonar Total Capacidade Vital Forçada Circunflexa 28

29 DA DAC DBP DC DEA Dg DMOS DP DPOC EAo EAP ECMO EIC EPAP EtCO2 FA FV HP Descendente Anterior Doença Arterial Coronariana Displasia Broncopulmonar Débito Cardíaco Desfibrilador Elétrico Automático Diagonal Disfunção de Múltiplos Órgãos e Sistemas Derrame Pleural Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Estenose Aórtica Edema Agudo de Pulmão Oxigenação Extracorpórea Espaço Intercostal Expiratory Pressure = Pressão Positiva Expiratória CO2 Expirado Final Fibrilação Atrial Fibrilação Ventricular Hipertensão Pulmonar 29

30 HTD HTE I/E IAM IC ICC ICO IECA IMV IOT IPAP IRA IRC IRpA IRVP IRVS IS ME Hemitórax direito Hemitórax esquerdo Relação Inspiratória / Expiratória Infarto Agudo do Miocárdio Índice Cardíaco Insuficiência Cardíaca Congestiva Insuficiência Coronária Crônica Inibidor Enzima Conversora de Angiotensina Ventilação Mandatória Intermitente Intubação Orotraqueal Inspiratory Pressure = Pressão Positiva Inspiratória Insuficiência Renal Aguda Insuficiência Renal Crônica Insuficiência Respiratória Aguda Índice de RVP Índice de RVS Índice Sistólico Morte Encefálica 30

31 Mg PAD PAE PAM PANI PAP PAV PBE PC PCA PCP PD PEEP PEFR PS PSAP PVC Marginal Pressão de Átrio Direito Pressão de Átrio Esquerdo Pressão Arterial Média Pressão Arterial Não Invasiva Pressão de Artéria Pulmonar Pneumonia Associada à Ventilação Peritonite Bacteriana Espontânea Pressão controlada Bomba de Infusão para Analgesia Controlada - Persistência do Canal Arterial Pressão Capilar Pulmonar Pressão Diastólica Positive Expiratory End Pressure Pressão Positiva do Fim da Expiração Pico da Frequência de Fluxo Expiratório Pressão de Suporte Pressão Sistólica Artéria Pulmonar Pressão Venosa Central 31

32 RPPI RVP RVS SDRA SHU SIRS SvcO2 SvO2 TEC TEO2 TEP TGA TGI TNF TPSV TQM Respiração Com Pressão Positiva Intermitente Resistência Vascular Periférica / Resistência Vascular Pulmonar Resistência Vascular Sistêmica Síndrome do Desconforto Respiratória Agudo Síndrome Hemolítica-Urêmica Síndrome de Resposta Inflamatória Sistêmica Saturação Venosa Central de Oxigênio Saturação de Oxigênio da Artéria Pulmonar Tempo Endrimento Capilar Taxa Extração de O2 Tromboembolismo Pulmonar Transposição de Grandes Artérias Insuflação de Gás Intratraqueal Fator Necrose Tumoral Taquicardia paroxística supra ventricular Traqueostomia 32

33 TSV TV TVP V/Q VAFO VD VE VEF1 VFD VFE VJD VJE VJED VJEE VJID VJIE VM VMA VMC VS Taquicardia Supraventricular Taquicardia Ventricular Trombose Venosa Profunda Ventilação Perfusão Ventilação Alta Frequência Oscilatória Ventrículo Direito Ventrículo Esquerdo Volume Expiratório Forçado em 1 segundo Veia Femural Direita Veia Femural Esquerda Veia Jugular Direita Veia Jugular Esquerda Veia Jugular Externa Direita Veia Jugular Externa Esquerda Veia Jugular Interna Direita Veia Jugular Interna Esquerda Ventilação Mecânica Ventilação Mecânica Assistida Ventilação Mecânica Controlada Volume Sistólico 33

34 VSCD VSCE VSR Cx CD DA Mg Veia Subclávia Direita Veia Subclávia Esquerda Vírus Sincicial Respiratório Circunflexa Coronária Direita Descendente Anterior Marginal Pediatria e Ginecologia / Obstetrícia A ABO AIG AO AU BCF BP BQL CAU CGV Aborto Sistema sanguíneo ABO Adequado para Idade Gestacional Ambos olhos Altura Uterina Batimento Cárdio-Fetal Baixo Peso Bronquiolite Cateter arterial umbilical Concentrado de glóbulos vermelhos 34

35 COMFORT COT CTG CU CVU DBP DHEG DIP DIU DMH DPP DRP DST DU DUM ECN EHI EIM EVA Escala de dor conforto Cânula orotraqueal Cardiotocografia Contração Uterina Cateter venoso umbilical Displasia broncopulmonar Doença Hipertensiva Específica da Gestação Doença Inflamatória Pélvica Dispositivo Intrauterino Doença da Membrana Hialina Descolamento Prematuro de Placenta Desconforto Respiratório Precoce Doença Sexualmente Transmissível Dinâmica Uterina Data da Última Menstruação Enterocolite necrosante Encefalopatia hipóxico-isquêmica Erro Inato do Metabolismo Escala visual analógica 35

36 FANT FLACC FOP FR G GIG HP HPIV HPV I/E IG IGc ILA IOT LM LMO MBP MF Fontanela anterior normotensa Face leg activity crying consolability (Faces, Pernas, Braços, Choro e Consolabilidade) Forame oval pervio Frequência respiratória Gestação Grande para Idade Gestacional Hipertensão pulmonar Hemorragia periintraventricular Herpes Vírus Humano Relação inspiratória:expiratória Idade Gestacional Idade Gestacional Corrigida Índice Líquido Amniótico Intubação orotraqueal Leite materno Leite materno ordenhado Muito Baixo Peso Movimentação fetal 36

37 MMBP NIPS OTD PAI PC PC PEEP PIG PN PN POAE PP PRISM RN RNPT RNT ROP RR2T Muito Muito Baixo Peso Neonatal Infant Pain Scale Occipitotransversal Direta (Posição Fetal) Pressão arterial invasiva Perímetro Cefálico Parto Cesária Pressão expiratória final positiva Pequeno para Idade Gestacional Parto Normal Peso nascimento Posição Occipito Anterior Esquerda (do Feto no Útero) Placenta Prévia Pediatric Risk of Mortality Recém-Nascido Pré-Termo Recém-Nascido de Termo Retinopatia da prematuridade Ritmo regular a dois tempos 37

38 RV SAM SDR SDRA SFA SHPPN SIDS SIMV SMNS SNAPPE SOPC SPU TP TPM TPP TRH Reflexo vermelho Síndrome de Aspiração Meconial Síndrome do desconforto respiratório do recém-nascido Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo Sofrimento fetal agudo Síndrome da Hipertensão Pulmonar Persistente do RN Síndrome da Morte Súbita Infantil Ventilação mandatória intermitente sincronizada Síndrome da Morte Neonatal Súbita Score for Neonatal Acute Phisiology Perinatal Extension Síndrome do Ovário Policístico Síndrome do Pulmão Úmido Trabalho de Parto Tensão Pré-Menstrual Trabalho de Parto Prematuro Terapia Reposição Hormonal 38

39 TRO TTRN VIG VPM VPP Terapia de Rehidratação Oral Taquipneia transitória do Recém Nascido Velocidade Infusão Glicose Ventilação pulmonar mecânica Ventilação com pressão positiva Infectologia ATB AZT BAAR BCG BCP BGN BK CCIH CMV E.coli EBV Anti-microbiano Zidovudina Bacilo Álcool-Ácido Resistente Vacina Contra Tuberculose Broncopneumonia Bacilo Gram Negativo Bacilo de Koch (causador da Tuberculose) Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Citomegalovírus Escherichia Coli Epstein-Boar Vírus 39

40 ESBL GM-CSF HIV ICS MIC MMR Multi-R Multi-S SIDA SIRS TBc VZIG Bactérias Produtoras de Beta-lactomase Extendida Fator de Crescimento de Neutrófilos Vírus da Imunodeficiência Humana Infecção de Corrente Sanguínea Concentração Inibitória Mínima Vacina Combinada Contra Sarampo, Caxumba e Rubéola Multirresistente Multissensível Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Humana Síndrome de Resposta Inflamatória Sistêmica Tuberculose Imunoglobulina Humana Específica para o Vírus da Varicela Zoster Neurologia e Psiquiatria AIT AVC / AVE Ataque Isquêmico Transitório Acidente Vascular Cerebral/Encefálico 40

41 AVCH / AVEH AVCI / AVEI DNPM DNV DVE DVP ECT ELA EOA HIC HSA ME PIC PPC RFM TOC TRM Acidente Vascular Cerebral/Encefálico Hemorrágico Acidente Vascular Cerebral/Encefálico Isquêmico Desenvolvimento Neuropsicomotor Distúrbio Neurovegetativo Derivação Ventricular Externa Derivação Ventrículo Peritoneal Eletrochoqueterapia. Esclerose Lateral Amiotrófica Emissão Otoacústica Hipertensão Intracraniana Hemorragia Sub Aracnóide Morte Encefálica Pressão Intracraniana Pressão de Perfusão Cerebral Reflexo Foto Motor Transtorno Obsessivo Compulsivo Traumatismo Raquimedular 41

42 Renal Metabólico ACTH ADH CAD Cal CAPD CE DM DPI FAV FeNa G6PD GNDA IMC IRA IRC NEM Hormônio Adrenocorticotrófico Hormônio Anti-Diurético Cetoacidose Diabética Calorias Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua Corticóide Diabetes Melitus Diálise Peritoneal Intermitente Fístula artério-venosa Fração Excreção Sódio Glicose-6-Fosfato Desidrogenase Glomerulonefrite Difusa Aguda Índice de Massa Corpórea Insuficiência Renal Aguda Insuficiência Renal Crônica Neoplasia Endócrina Múltipla 42

43 NTA SHU SSIADH TRH Necrose Tubular Aguda Síndrome Hemolítica-Urêmica Síndrome Secreção Inapropriada do Hormônio Anti-diurético Terapia Reposição Hormonal Oncologia / TMO / Hematologia AF CL DA Assimetria focal Compressão localizada Densidade assimétrica 5 FLU Fluorouracil ABVD AraC BEAM BUMEL cels CODOX Doxorrubicina, bleonicina, vimblastina, dacarbazina Aracytin Carmustina, etoposide, citarabina e melfalano Bussulfano e melfalano Células Ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina e metotrexato 43

44 CVO- COP DHAP EPOCH FK506 Flag-Ida FSC GM-CSF Hiper- CVAD HYPER CVAD ICE LH LLA LLC LMA LMC LNH MADIT Ciclofosfamida, vincristina, prednisona Dexametasona, cisplatina e citarabina Etoposido, doxorrubicina, ciclofosfamida e predinisona Tacrolimus Fludarabina e idarrubicina Fossa supra-clavicular Fator de Crescimento de Neutrófilos Ciclofosfamida, daunorrubicina, viscristina e predinisona Protocolo quimioterápico Cisplatina, etoposide e ifosfamida Linfoma Hodking Leucemia Linfóide Aguda Leucemia Linfóide Crônica Leucemia Mielóide Aguda Leucemia Mielóide Crônica Linfoma Não-Hodking Metotrexato, aracytin e dexametasona intratecal 44

45 MTX NEM Neo PTI PTT QT R- CHOP RDT SED SHU TBI TIP TMO TU Metotrexato Neoplasia Endócrina Múltipla Neoplasia Púrpura Trombocitopênica Idiopática Púrpura Trombocitopênica Trombótica Quimioterapia Rituximabe, ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina e predinisona Radioterapia Sem evidência de doença Síndrome Hemolítica-Urêmica Radioterapia corporal total Paclitaxel, ifosfamida, cisplatina e mesna Transplante de Medula Óssea Tumor Gastroenterologia BH2 CBP CCC Bloqueador H2 Cirrose biliar primária Colecistite crônica calculosa 45

46 CEP Colangite Esclerosante Primária DRGE FO OK GECA Doença do Refluxo Gastroesofágico Ferida operatória sem sinais flogísticos/ infecção Gastroenterocolite aguda H. Hérnia HDA HDB Hp Hemorragia Digestiva Alta Hemorragia Digestiva Baixa Helicobacter pylori IBP OH+ PBE RCUI RGE TIPS TR UBT UD UG VHA Inibidor da Bomba de Prótons Etilismo Peritonite Bacteriana Espontânea Retocolite Ulcerativa idiopática Refluxo Gastroesofágico Shunt Portossistêmico Intrahepático Transvenoso Toque Retal Teste respiratório da urease Úlcera duodenal Úlcera gástrica Vírus hepatite A 46

47 VHB VHC VHD Vírus hepatite B Vírus hepatite C Vírus hepatite D Ortopedia JD JE LCA LIG Joelho direito Joelho esquerdo Ligamento cruzado anterior Ligamento Enfermagem SAE Sistematização da Assistência de Enfermagem Otorrinolaringologia / Buco Maxilo ATM DTM OMA TQM Articulação temporo mandibular Disfunção temporo mandibular Otite Média Aguda Traqueostomia 47

48 Fonoaudiologia AC AC+ AT ATIC ATL AV EOAPD EOAT FEES I IPRF LRF ORL OTN PEATE PL Ausculta Cervical Negativa Ausculta Cervical Positiva Aspiração Laringotraqueal Audio Tonal Infantil Condicionada Audiometria Total Limiar Audiometria Vocal Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção Emissões Otoacústicas Transientes Nasofibroscopia Funcional da Deglutição Imitanciometria Índice Percentual de Reconhecimento de Fala Limiar de Reconhecimento de Fala Otorrinolaringologista Otoneurológico Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico Penetração Laríngea 48

49 RCP RV SCAø TAN VDG VF Reflexo Cócleo-Palpebral Reabilitação Vestibular Sinais Clínicos de Aspiração Ausente Triagem Auditiva Neonatal Videodeglutograma Válvula Fonatória (Passy Muir) Fisioterapia ADM AVD CDin CEst CRF CV Eq.Din Eq.Est ETCO2 EXP. Amplitude de movimento Atividade de vida diária Complacência Dinâmica Complacência Estática Capacidade residual funcional Capacidade Vital Equilíbrio Dinâmico Equilíbrio Estático CO2 expirado final Expiração 49

50 FiO2 HCO3 INSP PInsp PPI SIMV TENS TExp TInsp VC VM VNI VolMin VPC VPS VR VRI VVC Fração inspirada de oxigênio Bicarbonato Inspiração Pressão Inspiratória Pico de pressão inspiratória Ventilação mandatória intermitente sincronizada Neuroestimulação elétrica transcutânea Tempo Expiratório Tempo Inspiratório Volume corrente Ventilação mecânica Ventilação não invasiva Volume minuto Ventilação por pressão controlada Ventilação por pressão de suporte Volume residual Volume reserva inspiratória Ventilação por volume controlado 50

51 Nutrição A/C/G D baixo K D baixo vit K Água, chá e gelatina Dieta pobre em potássio Dieta com aporte fixo de vitamina K D. B Dieta branda DCR DCR homog DDM DG DHG Dieta cremosa Dieta cremosa homogênea Dieta para DIABETES Dieta geral Dieta hipogordurosa DHH DHipocal DHP DHSS DL Dlax Dliq DP Dieta Hiperprotéica e Hipercalórica Dieta hipocalórica Dieta hipoprotéica Dieta hipossódica Deita leve Dieta laxativa Dieta liquida Dieta pastosa 51

52 Drica AACR Ds/r Dulc NPP NPT OC OH SND Dieta rica em aminoácidos de cadeia ramificada Dieta sem resíduo Dieta para gastrite ou úlcera Nutrição Parenteral Prolongada Nutrição Parenteral Total Oferta Calórica Oferta Hídrica Serviço de Nutrição e Dietética 52

53 Anotações 53

54 54 Anotações

55

56 Unidade Pompeia Av. Pompeia, São Paulo SP Tel (11) Unidade Santana Rua Voluntários da Pátria, São Paulo SP Tel (11) Unidade Ipiranga Rua Pouso Alegre, São Paulo SP Tel (11)

ANUALM SIGLAS E ABREVIATURAS PADRONIZADAS

ANUALM SIGLAS E ABREVIATURAS PADRONIZADAS ANUALM INTRODUÇÃO As falhas de comunicação são as principais causas que levam a ocorrência de erros e eventos sentinelas na assistência aos pacientes em Organizações Prestadoras de Serviços à Saúde. Sabemos

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Acrônimos médicos: abreviações do cotidiano

Acrônimos médicos: abreviações do cotidiano Acrônimos médicos: abreviações do cotidiano AAS: Ácido Acetil Salicílico ABD: abdômen. ACHO: Anticoncepcional Hormonal Oral ACM: A critério médico ACS: American College of Surgeons ACV: Aparelho Cardiovascular

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Criamos este manual para ajudar você na compreensão e identificação das siglas e abreviaturas utilizadas no dia a dia do Hospital vivalle.

Criamos este manual para ajudar você na compreensão e identificação das siglas e abreviaturas utilizadas no dia a dia do Hospital vivalle. AAS ACM Amp BH bpm Caps CCG cm cm3 cp DDAVP DDE DDH DL dl DLD DLE EV FC FL FR Fr - amp g GM-CS Gt Gt(s) GTM H ID IM IV KCL Kg KMnO4 Guia Lm2 demcg meq mg min ml mm siglas mmhg mmol MTN Nacl NBZ e NPH Abreviaturas

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza Patologia por tomografia Profº Claudio Souza Patologia Patologia derivado do grego pathos, sofrimento, doença, e logia, ciência, estudo) é o estudo das doenças em geral Conhecimento Dentro da tomografia

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011 Dra. Bruna Castro Residente de Reumatologia da UNIFESP São Paulo 03/08/2011 S EVOLUÇÃO DISCUSSÃO IDENTIFICAÇÃO HDA AMP VAB, 33 anos, feminina, i branca, solteira, auxiliar de enfermagem, natural de Monte

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas. 1- DESCRIÇÃO O xlung é um simulador virtual da interação paciente-ventilador pulmonar que incorpora os principais recursos do suporte ventilatório a diferentes configurações de aspectos demográficos, de

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E PARA TODOS OS CARGOS: PORTUGUÊS: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios). 2. Domínio da norma do português

Leia mais

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato?

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato? Caso Clínico 1 (2 pontos) Primigesta com 36 semanas de gestação é admitida na maternidade com queixas de náuseas, epigastralgia e cefaleia. Gesta II Para I (Parto normal). Ao exame, encontra - se eupneica,

Leia mais

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Descrição do Procedimento Operacional Padrão Quando Na admissão da paciente após detecção da patologia obstétrica. Objetivo

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO

INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO 1. Dados Gerais da coleta de dados 1. Data da coleta de dados / / 2. Horário de início da coleta de dados : 3. Nome da mãe: 4. Nº do prontuário da mãe:. 5.

Leia mais

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL 1. Consultoria I 2. Assessoria I Livre ADMINISTRATIVAS 3. Auditoria I manifestação 4. Planejamento

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROGRAMA DA PROVA GERAL DO CONCURSO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 01- CLÍNICA MÉDICA Insuficiência

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI.

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI. DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO Podem resultar de alterações no mecanismo hemostático como integridade dos vasos sanguíneos, plaquetas e fatores de coagulação. DIAGNÓSTICO CLÍNICO Baseia-se na

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

Hospital Governador Israel Pinheiro IPSEMG. DEAFAR Farmácia e Comissão de Farmácia e Terapêutica CFT

Hospital Governador Israel Pinheiro IPSEMG. DEAFAR Farmácia e Comissão de Farmácia e Terapêutica CFT Ácido Aminocapróico - Cirurgias cardíacas. Cirurgia FA 20 ml c/ 1g SOL INJ Cardiovascular Ácido Zoledrônico - Tratamento de câncer de próstata com metástase óssea FA 4 mg atuando nas lesões ósseas líticas

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões:

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões: AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Risco intrínseco da cirurgia: ( ) Baixo ( ) Intermediário ( ) Alto Risco cardiológico:

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Atividades Administrativas 1. Consultoria I 2. Assessoria I 3. Auditoria I 4. Planejamento I 5. Supervisão I Livre negociação entre as partes a partir de 72,31

Leia mais

Anexo I Relação de exames laboratoriais Pregão presencial nº 20/2015

Anexo I Relação de exames laboratoriais Pregão presencial nº 20/2015 Anexo I Relação de exames laboratoriais Pregão presencial nº 20/2015 ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO VALOR 01 02.02.05.001-7 ANÁLISE DE CARACTERES FÍSICOS, 3,70 ELEMENTOS E SEDIMENTOS NA URINA (EQU)

Leia mais

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof.Msc.MoisésMendes professormoises300@hotmail.com www.moisesmendes.com Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular Esse sistema é constituído por um fluido circulante (o

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com

PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com INTRODUÇÃO AO ATENDIMENTO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA UTI - "unidade complexa dotada de sistema de monitorização contínua que admite pacientes

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL ENFERMEIRO : Elton Chaves NUTRIÇÃO PARENTERAL Refere-se a nutrição feita por uma via diferente da gastro-intestinal. A nutrição parenteral pode servir para

Leia mais

PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS

PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS NEONATOLOGIA ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br VIAS AÉREAS e VENTILAÇÃO Intubação Traqueal Seqüência Intubação Traqueal Técnica de Intubação Oxigenação com ambu com O2

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

SÍNDROME DO ANTICORPO ANTIFOSFOLÍPIDE E GRAVIDEZ

SÍNDROME DO ANTICORPO ANTIFOSFOLÍPIDE E GRAVIDEZ SÍNDROME DO ANTICORPO ANTIFOSFOLÍPIDE E GRAVIDEZ Marta Maria Xavier Veloso Francisco Edson Lucena Feitosa Definição: Presença de anticorpos antifosfolípides, como o anticoagulante lúpico (LA) e/ou anticardiolipina

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 Monitorização Clínica do Paciente Neurológico em Terapia Intensiva Prof. Dr. Salomón S. Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 FILOSOFIA DE ATENDIMENTO Profilaxia Diagnóstico

Leia mais

Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal

Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal 1 de 5 2070 94 RESULTADO ESPERADO: 2070 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Neonatal Atendimento Cirúrgico Atendimento em Emergência Internação Procedimento Recém-Nascido com desconforto respiratório Como

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda CLASSIFICAÇÃO DA DOR TORÁCICA AGUDA. - Dor anginosa típica (tipo A) - Dor provavelmente anginosa (tipo B) - Dor provavelmente não anginosa (tipo C) - Dor não anginosa (tipo D):

Leia mais

Insuficiência cardíaca / Edema agudo de pulmão

Insuficiência cardíaca / Edema agudo de pulmão UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES MATERNIDADE ESCOLA JANUÁRIO CICCO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROCESSO SELETIVO PARA

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

03- GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

03- GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA 01- CLÍNICA MÉDICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROGRAMA DA PROVA GERAL DO CONCURSO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2010 - Edema Agudo

Leia mais

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica)

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica) SEPSE Definições: - Síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS) - febre ou hipotermia - taquicardia - taquipnéia - leucocitose, leucopenia, desvio do hemograma - edema - alteração da glicemia -

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NOS COMPARTIMENTOS 80 70 ÁGUA TOTAL 60 % ÁGUA 50 40 ÁGUA INTRA-CELULAR 30 20 10 ÁGUA EXTRA-CELULAR 0 3 6 9 1 3 5 7 9 11 13 15 IDADE EM MESES

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL QUESTÃO 21 Sobre a insuficiência cardíaca congestiva, é correto afirmar, EXCETO: a) Os inibidores da fosfodiesterase são uma alternativa

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

Caso Clínico Mariana Sponholz Araujo Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares Divisão de Pneumologia - InCor Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Caso Clínico Masculino, 59 anos Dispnéia

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028 Telefone PABX (011) 3053-6611 e-mail hcor@hcor.com.br Dúvidas Técnicas Telefone PABX (011) 3053-6611 Ramal 2028 EQUIPE CLINIC CHECK UP Num. Pedido 050802886 10/08/2005 060000 Emissão 11/08/2005 135055

Leia mais

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA Licia Moreira UFBA Definição de AIDS na CRIANÇA Toda criança com menos de 13 anos com evidência laboratorial de infecção Uma amostra de soro repetidamente positiva em teste como ELISA, IFI (pesquisa de

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999.

Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999. Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999. Broncopneumonia não especificada 3388 2564 1637 1734 Diarréia e gastroenterite

Leia mais

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA:

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA: 21cir FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecimento: Portaria nº 604, de 31 de maio de 1995 E-mail: denf@unir.br Campus Porto Velho/RO. BR 364,

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice 1. Definição/ Avaliação/Profilaxia 1 1.1. Tromboembolismo Venoso 1 2. Descrição do método de avaliação 1 3. Profilaxia

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Anestesia no Transplante Renal

Diretrizes Assistenciais. Anestesia no Transplante Renal Diretrizes Assistenciais Anestesia no Transplante Renal Versão eletrônica atualizada em 2011 Anestesia no Transplante Renal Protocolo 1. Transplante renal intervivos 1.1. Doador: - Medicação pré-anestésica:

Leia mais

PROTOCOLO DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO (TEV) PACIENTES CIRÚRGICOS

PROTOCOLO DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO (TEV) PACIENTES CIRÚRGICOS PROTOCOLO DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO (TEV) PACIENTES CIRÚRGICOS Em pacientes cirúrgicos, a chance de desenvolvimento de tromboembolismo venoso (TEV) depende da idade do paciente, do tipo de cirurgia e da

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Transplante de Fígado para Situações Especiais

Diretrizes Assistenciais. Transplante de Fígado para Situações Especiais Diretrizes Assistenciais Transplante de Fígado para Situações Especiais Versão eletrônica atualizada em 2011 Transplante de Fígado para Situações Especiais INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA GRAVE (IHAG) Condições

Leia mais

Lista de Tabulação CID-BR

Lista de Tabulação CID-BR Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Esta classificação foi elaborada a partir da Lista de Tabulação da CID-BR-9, uma versão da Lista Básica de Tabulação da Classificação Internacional de Doenças

Leia mais

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias GESTAÇÃO PROLONGADA IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) SIM NÃO IG > 42 SEM IG 40 a 41 sem e 6 dias **USG + ILA *** Parto Avaliar Vitalidade Fetal **USG + ILA ***

Leia mais

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO D EREGULAÇÃO DE UTI Introdução A Política Nacional de Regulação traz como responsabilidade das três esferas do governo, em seu âmbito administrativo, o exercício

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva Específica da Gravidez e Hellp Síndrome Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 1 - DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GRAVIDEZ Hipertensão que aparece após a

Leia mais

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO O bebé prematuro, em geral com peso inferior a 2.500 gramas, está mais propenso a problemas de saúde tendo em conta que a gravidez encurtada não permitiu o desenvolvimento

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Curosurf alfaporactanto (fração fosfolipídica de pulmão porcino) Surfactante de origem porcina. APRESENTAÇÕES Suspensão estéril disponibilizada em frasco-ampola de dose unitária.

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

Exames Laboratoriais (continuação) Símbolos. Exames Laboratoriais LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS DO HOSPITAL 9 DE JULHO.

Exames Laboratoriais (continuação) Símbolos. Exames Laboratoriais LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS DO HOSPITAL 9 DE JULHO. Aumentado Bilirrubina direta Bilirrubina indireta Bilirrubina total Bilirrubina total e frações Citomegalovírus Creatinina Creatinofosfoquinase Creatinoquinase, fração MB Desidrogenase Láctica Dextrostix

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE)

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE) Caso Clínico 1 (2,0 pontos) Um homem de 50 anos, funcionário público, casado, etanolista diário, deu entrada na emergência, referindo dor abdominal, febre 38 C e evacuações diarreicas aquosas há 24 horas.

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório. A circulação do sangue permite o transporte

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais