e 2012 Relatório de Gestão e Contas 2012 O ano de 2012 fica estratégia de proximidade dura de sustentabilidade alcançar do

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "e 2012 Relatório de Gestão e Contas 2012 O ano de 2012 fica estratégia de proximidade dura de sustentabilidade alcançar do"

Transcrição

1 Relatório de Gestão e Contas 2012 O ano de 2012 fica marcado pelo crescimento da equipa de trabalho, pela criação de novas vertentes de intervenção social e pela consolidação da estratégia de proximidade local aos benfeitores como mecanismo de intervenção, divulgação e alargamento da influência da Fundação S. João de Deus. Contudo, não obstante a meta da sustentabilidade ser mais dura de alcançar do que havia sido planeado, o caminho trilhado parece ser consistente e seguro. Os resultados mostram isso mesmo. Da criatividade à sustentabilidade Fundação S. João de Deus *

2 Relatório de Gestão e Contas 2012 Da criatividade à sustentabilidade...da Sustentabilidade Fundraising recolher para d(o)ar! Esta é a actividade central da Fundação e, estatutariamente, a razão primordial da sua existência institucional. Por isso a política institucional de proceder à entrega de 100% do valor dos donativos recolhidos sem retenção de qualquer taxa administrativa a favor dos projectos apoiados é uma das marcas desta instituição. Be There! Intervenção Social Apesar de se ter presente a importância das diversas áreas de actividade dos centros assistenciais do Instituto S. João de Deus, as actividades sociais desenvolvidas pela Fundação é um tema muito importante para quem nos apoia. Intervimos nas áreas em que a missão institucional nos impele à intervenção: os idosos, as crianças e os menos favorecidos. Support Yourself negócios sociais Desenvolvemos pequenas actividades económicas estruturadas de suporte às necessidades financeiras da Fundação. No âmbito dos fins estatutários, estas actividades experimentais procuram dar resposta aos custos de estrutura que a politica de 0% de retenção de donativos da área de Fundraising não cobre. Representativity A criação de notoriedade institucional é o mote desta área. Promovemos, participamos e organizamos redes de formação, eventos e iniciativas diversas de sensibilização e partilha de competências e conhecimentos de forma autónoma ou em parceria com outros actores sociais. Como ser economicamente sustentável e, ao mesmo tempo, responder a uma politica de 0% de retenção no valor doado? Que actividades podem ser desenvolvidas por uma instituição sem fins lucrativos no sentido de garantir essa sustentabilidade sem colocar em causa os fins estatutários? Estas são, na actualidade, duas das grandes questões em aberto nas organizações do terceiro sector! 1

3 A Fundação S. João de Deus Enquadramento A Fundação S. João de Deus tem como Missão, e no âmbito dos seus estatutos, promover, coordenar e patrocinar a investigação, a formação, a assistência e a cooperação nas áreas da saúde, da integração social e comunitária, do desenvolvimento humano e do melhoramento da prevenção, assistência e reabilitação dos doentes. Ainda como Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONG D), a instituição, tem como objectivo a coordenação ou apoio de outras iniciativas principalmente nos países em vias de desenvolvimento e subdesenvolvidos tais como ajudas humanitárias de emergência ou de calamidade pública, de reabilitação e de desenvolvimento social e comunitário. Para além de apoiar projectos internacionais externos, apoia preferencialmente projectos internos e outros provenientes de candidaturas dos hospitais e das casas de saúde (centros assistenciais) do Instituto S. João de Deus. Equipa A composição da equipa, que desenvolve trabalho directamente na Fundação, rege se segundo o principio de afectação dos recursos financeiros disponiveis. Por isso mesmo, a Fundação ainda não tem quadro de pessoal permanente/residente: antes de alcançada a autonomia financeira e criados os mecanismos para a sustentabilidade funcional, não é nesta prespectiva recomendável que se altere esta politica. Aliás, este ano termina apenas com dois colaboradores com contrato a termo. Os restantes colaboradores participam hodiernamente com a Fundação estão comprometidos por de outros mecanismos: Nº elementos Estágios Profissional 2 Contrato Emprego Inserção 1 Contrato a termo 1 2 Este é um dos assuntos que, naturalmente a Fundação deverá ponderar a cada momento segundo os objectivos que for formulando no seu plano de desenvolvimento. No limite muito embora a construção estruturada da instituição não se compadeça de constantes alterações da equipa a cada elemento dever se á fazer corresponder em orçamento a percentagem de imputação do projecto de financiamento. 2 1 A Fundação tem, desde 1 de Junho de 2012 uma colaboradora incluída neste número no distrito da Guarda no sentido de ter em 2013 uma delegação activa. Esta delegação deverá estar em funcionamento no 1º trimestre de 2013.

4 Fundraising recolher para d(o)ar! Receber o peixe ou ensinar a pescar? O contexto económico actual não favorece a angariação de fundos. Esta afirmação que parece estar presente nas justificações das muitas organizações de fundraising tem, no nosso caso, alguns (outros) factos interessantes. De facto, o valor global dos donativos recolhidos em 2012 é mais reduzido, comparativamente aos anos anteriores. Contudo, e para este ano, interessa ter em conta que: a) A base de dados com cerca de contactos que a Fundação tinha em servidor (e que não podia ser utilizada por razões contratuais) foi sujeita a limpeza. Assim, destes dados iniciais, apenas cerca de 5000 contactos são utilizáveis; b) A média de idades dos benfeitores é elevada: apesar de não termos dados finais para análise, percebemos empiricamente que a cada 10 contactos realizados, apenas 1 é de um benfeitor em idade jovem/adulto; c) A identificação com a instituição, com os valores institucionais e o conhecimento pessoal de algum Irmão de S. João de Deus são factores centrais de confiança no momento da entrega de donativos; d) A entrega de dinheiro por via RSF (correio normal) é o meio mais escolhido, seguido da transferência bancária. A existência de situações de donativos fidelizados por débito directo é residual; e) O número de donativos é também ligeiramente inferior. Ainda assim, ter se á que levar em linha de conta que, a especialização do destino do donativo é um factor de maior dispersão de valor a atribuir a cada projecto; f) A média de valor de donativos é (ainda assim) elevada: geralmente o valor dos donativos oscila entre os 20 e os 50 euros, embora a média de valor de donativo seja de cerca de 100 euros. Frente a esta realidade, com poucos benfeitores para o número de projectos que teria, estatutariamente, que apoiar, a Fundação está, assim, num limbo de definição estratégica interna: entre a capacidade para angariar mais benfeitores (e assim conseguir mais valor para distribuir por mais projectos) e a inevitabilidade de ter que se expandir (criar, fisicamente, delegações a fim de criar identidade local, mas consumindo recursos) para estar localmente mais perto dos potenciais benfeitores... Perante esta situação, o status quo da Fundação, no seu contexto organizacional interno, altera-se: o pretenso mestre pescador deve aprender as boas práticas da actividade, enquanto apoia, observando e libertando recursos, para que se continue a faina. 3

5 Aprender a receber o peixe... A Ordem Hospitaleira tem uma grande tradição na angariação de fundos. Aliás, os irmãos de s. João de Deus são ainda hoje lembrados com a tradição de esmoleiros, na senda dos ensinamentos do seu padroeiro e fundador. A FSJD participa, desde 2007 como entidade observadora nos trabalhos da "Saint Jonh of God Fundraising Alliance", estrutura que reúne semestralmente as organizações que se dedicam à actividade de Fundraising por todo o mundo onde estão presentes os irmãos, coordenando o seu trabalho internacional conjunto. A Fundação tem vindo a receber diversos inputs da larga experiência destes seus parceiros internos, procurando melhorar a sua performance, mas fundamentalmente procurando perceber os melhores passos a dar para a consolidação progressiva do seu posicionamento institucional frente aos seus actuais benfeitores. Angariação de Fundos em número 2 Nº de donativos recebidos em Nº de donativos recebidos em Angariação de Fundos em valor 3 Valor total de donativos recebidos em ,07 Valor total de donativos recebidos em ,49 4 Angariação de Fundos número de projectos apoiados Projectos apoiados em 2011: Nacionais 2 Internacionais 2 Projectos apoiados em 2012: Nacionais 2 Internacionais 2 Actividades de recolha de fundos em número e valor recebido Campanhas por "Direct Mail" ,49 Campanhas por "Responsabilidade Social Empresarial" ,10 2 Não foram retirados a este número, referências a erros, alterações ou emissão de documentos duplicados ou correctivos. 3 Não foram retirados a este valor, referências a erros, alterações ou emissão de documentos duplicados ou correctivos. Incluem se donativos em numerário e espécie. 4 5 Envio de boletins informativos das actividades da Fundação, endereçados directamente a cada benfeitor e a alguns potenciais benfeitores, inscritos em base de dados como promocionais. Neste boletim inscrevem se os pedidos de apoio para novos projectos.

6 Campanhas por "Acordos de Empresa" 7 0 0,00 Campanhas por "Consignação IRS" ,69 Outras actividades financing/concursos externos: 1 9 0,00 Em finais de 2012 a FSJD conseguiu garantir a sua participação no Programa Escolhas, o que veio enfatizar a nossa capacidade em administrar fundos públicos associados ao cumprimento de metas rigorosas, definidas por indicadores operacionais objectivos....e deixar pescar! Apesar de se querer posicionar enquanto principal instituição financiadora dos projectos da Província Portuguesa da OH, a Fundação reconhece que essa capacidade ainda não foi alcançada e, seguramente, nos próximos anos muitos passos ainda terão que ser dados para que esse desiderato estatutário seja, por fim, alcançado. Para a Fundação, enquanto entidade instituída pelos Irmãos de S. João de Deus, o apoio aos projectos internacionais dinamizados pela Província Portuguesa é fundamental enquanto boa prática de lealdade e partilha de recursos. Enquanto tal não acontece, a Fundação tem vindo a colaborar com a PPOH assegurando que parte dos custos com o envio e estadia de pessoal técnico para os projectos humanitários em Timor-Leste, Brasil e Moçambique, se façam por recurso a fundos entregues pela PPOH à Fundação para sua gestão e desenvolvimento. O modelo de financiamento deverá ser revisto durante o ano de Assim, os seguintes projectos/missões foram apoiados com as seguintes verbas/recursos humanos: Recursos Financiamento Moçambique: 1 Técnico de animação sociocultural ,60 10 Brasil: 1 Técnico de educação social 2.718,00 11 Timor-Leste: 1 Técnico de manutenção 4.500,00 6 Valor recebido a título de donativo enquanto responsabilidade social empresarial. Estas 12 empresas estão inseridas em Base de Dados como benfeitor. 7 A título de exemplo, alguns dos acordos a celebrar visam a entrega à Fundação de uma percentagem do valor de venda de produto que reverte assim a favor de projectos específicos. 8 Em 2012 recebeu se o valor de consignação de IRS referente a Prémio da Missão Sorriso ao projecto ferro de soldar a receber em O compromisso da FSJD foi assumido até terminar o período de 1 ano de permanência no terreno, terminando em Março de O compromisso da FSJD foi assumido até terminar o período de 1 ano de permanência no terreno, culminando em Setembro de

7 Be There!: Intervenção Social Criativos para a acção, fiéis na identidade. Um dos passos mais interessantes na reconstrução da Fundação foi, sem dúvida, ouvir as pessoas (benfeitores, colaboradores, irmãos,...) e entidades (parceiros internos e externos, concorrentes, empresas potencialmente mecenas, patrocinadores, sponsors,...) fazer a mesma questão: o que faz a Fundação? E a resposta a esta questão não poderia passar pelos domínios de intervenção do Instituto S. João de Deus, apesar da proximidade e forte ligação institucional. Havia que construir a sua própria acção. Ser criativo Desde cedo que a Fundação teve muito claro no seu posicionamento estratégico que, em momento algum se colocaria no terreno, a executar acções que, na sua forma ou conteúdo não servissem as pessoas e as suas necessidades. Por isso, ainda que hoje execute acções ou projectos no terreno, similares à actuação de outras entidades (muitas delas parceiras da própria Fundação), fá lo na consciência e com a evidência objectiva de que estas acções continuam a ser pertinentes e necessárias à população que assiste. Assim faremos enquanto as necessidades forem presentes, até que a nossa intervenção não seja oportuna. Projectos Nacionais Activos em número e intervenções/pessoas abrangidas Projecto/Acção Sementes a Crescer E5G Programa Escolhas 12. Ferro de soldar Âmbito de Intervenção Inclusão Social População alvo Crianças, jovens e famílias carenciadas e/ou em situação de exclusão social Reparações domésticas Idosos carenciados, doentes dependentes. Pano de limpar Limpezas domésticas Idosos carenciados, doentes dependentes, situações de insalubridade/higiene e saúde pública. Intervenções realizadas/pesso as abrangidas Armazém social Recolha de Idosos carenciados, doentes A Fundação será entidade gestora deste projecto, que iniciará no início do próximo ano de Projecto em fase de implementação/identificação de casos e parceiros. 14 Projecto em fase de implementação/identificação de estrutura física e parceiros.

8 Somos por si 15 SPACE4U cowork solidário Atrium Hospitalidade equipamentos de obra em 2ª mão Redução do isolamento social e solidão Empreendedorismo/a poio no desemprego Alojamento social dependentes. Idosos e doentes sem família ou com fracos laços familiares. Jovens desempregados/freelancers/iní cio de actividade; ESFL 16 ; Jovens professores em situação de carência económica Projectos Internacionais Activos em número e intervenções/pessoas abrangidas Projecto/Acção Humanizar em Moçambique (Nampula Moçambique) Formar e Desenvolver (Laclubar Dili Timor Leste) Casa da Hospitalidade (Aparecida do Taboado Brasil) Âmbito de Intervenção Intervenção Social em saúde mental junto da população hospitalar Educação Bolsas de estudo Intervenção em educação social População alvo Jovens e famílias carenciadas e/ou em situação de exclusão social por doença mental Jovens carenciados com elevado rendimento escolar Famílias/idosos carenciados em risco de exclusão social Intervenções realizadas/pessoas abrangidas Outros Projectos Activos em número e intervenções/pessoas abrangidas Outras acções/projectos Mochilas para Timor Operação Manto Branco Âmbito de Intervenção Mochilas e Material escolar para crianças carenciadas Mantas e cobertores para famílias e instituições Intervenções realizadas/pessoas abrangidas Projecto já elaborado estando à espera de abertura de linha de financiamento adicional à estrutura de financiamento prevista. 16 Entidades sem fins lucrativos. 17 Não foi possível apurar resultados. 7

9 Do SPORTING para Moçambique Blocos de Judo (Lisboa/Olaias crianças apoiadas) CuiDando (Casa de Saúde ISJD Barcelos) Toalhas de desporto para crianças/jovens com doença mental Inclusão social de crianças e jovens Acompanhamento psiquiátrico no domicílio Fiéis à identidade: a hospitalidade como cultura institucional. As instituições da Ordem Hospitaleira têm não apenas a firme convicção, mas a consciência certa da responsabilidade institucional de que a identidade hospitaleira se transmite em primeiro lugar pelo exemplo empírico e, sempre que possível, francamente esclarecido e intrinsecamente reflectido. Importa por isso dar conta do trabalho feito na disseminação da identidade/carisma/cultura institucional que tem, naturalmente, meios e ferramentas de comunicação distintas das restantes. Destas iniciativas formativas fazem parte (ou são convidados) todos os colaboradores na forma de estagiários, voluntários, parceiros, amigos, benfeitores que de alguma forma tomam parte nas acções que se desenvolvem junto das populações alvo. (Fazer bem, ao estilo de S. João de Deus!) Formação Institucional em número e intervenções/pessoas abrangidas N.º Acções 3 Pessoas Abrangidas 25 8

10 Support Yourself negócios sociais Ajudar quando se está a comprar. A implementação de uma política de taxa zero sobre os donativos recebidos dos benfeitores da Fundação e que estão indicados a favor de projectos por eles indicados, foi determinante na conquista do estatuto de única instituição a ter este tipo de prática. Não obstante todas as vantagens ao nível do marketing social esta prática colocou nas mãos da equipa executiva um desafio já esperado, mas talvez difícil de superar. A definição de uma meta de sustentabilidade capaz de fazer face às necessidades da instituidora (cessação do refinanciamento, invertendo o ciclo para que possa ser financiada) e da própria Fundação (criação de mais valias de suporte aos custos de estrutura e funcionamento quotidiano e ligação das eventuais mais valias ao financiamento de projectos joandeínos 18 nacionais ou no âmbito da cooperação internacional 19 ). A opção pela prestação de serviços não é, actualmente, uma prática nova no seio das instituições do terceiro sector. Aliás, desde os mais tradicionais empréstimos de equipamentos e viaturas às mais elaboradas formas de prestação de serviços de consultoria estratégica, fiscal ou multi serviços, as Fundações, IPSS, ONG ou apenas associações estão profundamente empenhadas em alcançar a sua independência financeira por estas ou trilhando vias semelhantes. O tema da sustentabilidade económica das organizações do terceiro sector é, actualmente, muito marcante. Mas em 2010 não estava tão em cima da mesa. A Fundação tomou parte no grupo das instituições que perceberam o que estaria em causa num futuro próximo e iniciou em 2010 a implementação do projecto SPACE4U 20 cowork solidário, um serviço de cedência de espaços de trabalho (escritório). Hoje este é um dos vários projectos em desenvolvimento que, em conjunto com outros, entretanto, implementados e outros ainda em fase de investigação, contribuem com parte dos fluxos financeiros necessários para alcançar a sustentabilidade organizacional. 18 Com a presença dos irmãos de S. João de Deus ou seus representantes carismáticos. 19 É plausível que a médio prazo, a Fundação venha a ser chamada a ter um papel activo no financiamento de projectos internacionais, ainda que fora do âmbito de responsabilidade da Província Portuguesa mas onde, ainda assim, a Ordem Hospitaleira tenha um papel relevante na intervenção humanitária. 20 Inicialmente o projecto designava se 1SPACE4ME cowork solidário. 9

11 Negócio Sociais Grau de implementação Negócio Social Ferro de Soldar SPACE4U cowork solidário 22 Atrium Hospitalidade Pano de limpar Caminhos de S. João de Deus Área/domínio de actividade Reparações domésticas simples Aluguer de espaços/cedência de equipamentos Aluguer de espaços/cedência de equipamentos Limpezas domésticas simples Turismo religioso Negócio Sociais Afectação de Recursos Fase de Investimento Grau de concretização 21 Rendimento Anual Obtido 100% 0,00 100% , % 0,00 50% 0,00 50% 0,00 Piloto/Negócio social RH (nº pessoas) 24 Ferro de soldar 1 Pano de limpar 1 Caminhos de S. João de Deus 1 SPACE4U cowork solidário (Lisboa) 1 Atrium Hospitalidade 1 21 De notar que todas as iniciativas de negocio social iniciadas terão que ser apreciadas no momento de conclusão da sua implementação e por isso, terminada a fase de investimento. Deverá ser colocada em análise a sua separação da Fundação criando uma entidade distinta. 22 O primeiro espaço SPACE4U abriu em Lisboa a 01 de Fevereiro de 2011 na Sobreloja do Edifício Fundação S. João de Deus, expandindo para o 1º andar esquerdo no mesmo ano. Em 2013 está prevista a abertura da primeira delegação da Fundação S. João de Deus na cidade da Guarda, contando com a abertura de um espaço de cowork solidário, denominado SPACE4U cowork solidário (Guarda) 23 Este valor representa cerca de 19% do potencial de rendimento máximo deste espaço. 24 Os recursos humanos dos projectos são repartidos pelos projectos por percentagens de imputação. 10

12 Representativity A notoriedade da nossa Identidade A Fundação S. João de Deus posiciona se como uma instituição inovadora, em expansão da sua marca (S. João de Deus) diversificando as suas áreas de intervenção quer no âmbito social quer na vertente de sustentabilidade económica. Garante, na sua identidade, o respeito por todos os grupos de trabalho e por isso, tem acolhido nos seus espaços, desde a primeira hora, diversas instituições e iniciativas individuais que tem manifestado profundo respeito institucional pelos valores e matriz funcional da Fundação (e por isso da sua instituidora). Acolher em Hospitalidade tem sido o lema intrínseco a todas as acções a par do slogan da Fundação pelas pessoas, de alma e coração. O estabelecimento de parcerias, com entidades externas a fim de beneficiar benfeitores, ou com entidades internas com a finalidade de potenciar os seus negócios beneficiando da mesma forma outros terceiros tem sido uma constante preocupação. É também explorado este tema na tentativa de angariar novos benfeitores. Parcerias de Âmbito Nacional Parceiro «Saint John of God Fundraising Alliance» Instituto São João de Deus Associação Entreajuda Associação Humanitária de Mulheres Empreendedoras FEC - Fé e Cooperação Fundação da Juventude CVP confederação portuguesa do voluntariado Revista Hospitalidade Juventude Hospitaleira Descrição de benefício As ONGD ligadas à Ordem aplicaram cerca de 30 milhões de euros para desenvolver projectos em África, América Latina e Ásia ao longo dos últimos seis anos na área da saúde e cuidados sociais, através da cooperação para o desenvolvimento e do voluntariado internacional. Cedencia de viaturas e recursos diversos. Parceria informal de fornecimento de equipamentos e produtos Parceria formal na formulação de candidaturas de financeiamento a projecto de cooperação Campanha nacional para donativos no âmbito dos presentes solidários para a nossa missão em Timor Promoção de auto emprego e no acolhimento, em regime contratual específico, de Jovens Profissionais Liberais Desempregados, no Espaço COWORK SOLIDÁRIO, sob a coordenação e apoio técnico e de secretariado/acolhimento conjunto de ambas as Fundações. Divulgação das actividades de colaboração interinstitucional Divulgação das actividades de colaboração interinstitucional Divulgação das actividades de colaboração 11

13 Fundação Calouste Gulbenkian EAPN Rede Europeia Anti-Pobreza GEPE/IPAV - - Escola de Judo Nuno Delgado - Ministério da Justiça Projecto sementes a crescer TAP interinstitucional Parceria pontual sem beneficios definidos Membros da assembleia geral da Rede;e parceiros em diversas acções locais com actividades, ligadas à inclusão e ao apoio social) Somos parceiros com protocolo para a cooperação dos Grupos de Entre-ajuda para a procura de Emprego, reúnem semanalmente nas nossas instalações da Guarda e Lisboa. Apoiamos a implementação de Blocos de Judo a crianças carenciadas do 1º Ciclo da Guarda durante 1 ano. Protocolo para o acolhimento de pessoas em regime de trabalho comunitário (Guarda e Lisboa) Cooperação para que a Fundção seja Entidade gestiora do programa de financiamento Parceria pontual sem beneficios definidos Accenture Parcerias de Âmbito Local Câmara Municipal da Guarda Freguesia de Nossa Senhora de Fátima Junta de Freguesia de Campolide Projecto Mais Proximidade, Melhor Vida Regimento Sapadores Bombeiros de Lisboa Cercimor Associação de Comércio da Guarda Núcleo Empresarial da Guarda (NERGA) Rede Social do Distrito da Guarda Guarda +Acessível Parceria pontual sem beneficios definidos Protocolo de colaboração muito alargado e muito próximo, seja no apoio das nossas iniciativas, seja na cedência de instalações diversas, etc... Divulgação das actividades de colaboração interinstitucional No âmbito do projecto Ferro de Soldar - melhoria das habitações dos idosos da Freguesia de Campolide No âmbito do projecto Ferro de Soldar - melhoria das habitações dos idosos sinalizados pelo parceiro. No âmbito do projecto Ferro de Soldar e dio núcleo NISAC- melhoria das habitações dos idosos sinalizados pelo parceiro Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de Montemor-o-Novo divulgação das actividades de colaboração no âmbito de programas de formação para pessoas com deficiencia. Associados e com protocolo de colaboração para diversas actividades ligadas ao empreendedorismo Associados e com protocolo de colaboração para diversas actividades ligadas ao empreendedorismo Membro activo e permanente da Rede Social Local Membro do Conselho Consultivo do Projecto 12

14 Cáritas diocesana da Guarda ADM Estrela Active Way Clineve Liberty Seguros Livraria Bertrand (Guarda) Academia da Memória IEFP centro emprego da Guarda Casa de Saúde S. Bento Menni Guarda mais social Instituto Politécnico da Guarda UBI Espaço das Idades CNE Colaboração informal no apoio ao empreendedorismo imigrante e à inclusão social Colaboração em diversas acções sociais Empresa parceira para a organização de eventos e actividades outdoor - Clinica de diversas especialidades médicas que é nossa parceira com condições preferenciais aos nossos benfeitores Parceiro no apoio de diversas actividades e acções sociais Protocolo de colaboração para disponibilização de livros e manuais em diversas acções sociais e a preços preferenciais Projecto em parceria com a psicóloga Elina Duarte para a implementação de sessões de estimulação cognitiva em grupos sociais problemáticos Protocolo de parceria no apoio de diversos projectos de empreendedorismo As Irmãs do Sagrado Coração de Jesus têm na Guarda esta casa de saúde ligada ao tratamento de pessoas com doença mental, acolhem 162 pessoas em regime de internamento. Temos com elas uma estreita colaboração para a inclusão de doentes mentais e diversas acções sociais Parceiros do concurso de apoio ao empreendedorismo Colaboração para diversas actividades de ligação à comunidade estudantil (empreendedorismo, marketing e voluntariado) Universidade da Beira Interior na Covilhã - Parceiros na organização conjunta de de uma Conferência Internacional sobre Envelhecimento Activo em Setembro de 2013 Parceiros para a organização de diversas acções sociais relacionadas com a Terceira Idade Corpo Nacional de Escutas, nomeadamente o Agrupamento 134 da Guarda com quem colaboramos activamente para acções sociais. 13

15 Resultados Actividades planeadas/realizadas Apesar da equipa de trabalho que elaborou o Plano de Actividades para 2013 ser diferente daquela que executou o plano de 2012, não deixa de ser importante referir o cuidado tomado de, adequadamente, aferir da possibilidade, viabilidade e exequibilidade de transpor algumas das referências/actividades não terminadas. Regista se, como é devido, as actividades e a marca percentual aproximada (empírica) da sua execução. Grau de Execução de Actividades 2012 Actividade Grau de execução Workshop Cowork solução ou confusão? 0% Presença nas paroquias cooperação com CNE (escuteiros) para distribuição de velas aos paroquianos Partilha de Bases de Dados de e com Parceiros Institucionais, nomeadamente com SFORI e APD (Associação Portuguesa de Deficientes) Acolhimento de Prova Universitária 24 horas de Gestão em moldes semelhantes aos de % Campanha João Paulo II dirigida a todos os benfeitores realizando a oferta de um terço SJD e um livro do rosário e pedindo um donativo. 0% 0% 0% Campanha A minha vida com SJD recolha de relatos de vida dos benfeitores marcando a presença de SJD nassuas vivências e pedindo um donativo. Pesquisar Fóruns Web Convidar cibernautas que mostrem interesse pela temática de S João de Deus a receberem informação da FSJD. Campanha A Hospitalidade convida te campanha dirigida aos benfeitores activos, convidando a que nos indique um amigo que possa ter interesse em conhecer ão João de Deus Projecto Ferro de SolDAR destinado a apoiar nas reparações domesticas simples, pessoas referenciadas por uma das instituições locais de trabalho de terreno (câmara Municipal, Junta de Freguesia, paroquia, centro e Saúde), numa determinada área metropolitana da localidade. Protocolo com instituições de ensino para estudo populacional Construir diversas candidaturas a financiamentos nacionais e comunitários em parceria com outras entidades (FundaçãoAgha Kan; Leigos para o Desenvolvimento; FEC) 100% 0% 0% 100% 100% Inscrever a Fundação na Plataforma Portuguesa ONGD s 0% Conseguir parceria com GRACE Grupo de reflexão e apoio à cidadania empresarial 0% Celebrar acordos com entidades ligadas ao sector do desenvolvimento empresarial, microcrédito e iniciativas deemprego e empreededorismo. 0% 14

16 Programa Bem Hajam! dirigida a todos os benfeitores, visitando benfeitores a cada deslocação a uma localidade. Campanha Sou Benfeitor, ajudo a fazer o Bem! recolha de dados para contacto directo com benfeitores e limpeza de Base de Dados. Projecto Escutatório linha telefónica aberta, de luta contra a solidão pela pratica da escuta activa. Pesquisar o mercado por instituições, organizações do terceiro sector que aceitem repartir a sua gestão ou ceder a sua gestão à FSJD 10% 10% 0% 0% Realizar protocolos de cedência de instalações com entidades 0% Organizar uma peregrinação a Granada para Benfeitores, totalmente custeada pelos benfeitores 100% Organizar uma peregrinação a Montemor para Benfeitores, totalmente custeada pelos benfeitores 0% Enviar mensalmente uma newsletter aos benfeitores dinamizada integralmente por voluntários 100% Enviar SMS aos benfeitores activos pelo seu aniversário 0% Criar e dinamizar página Facebook da FSJD 100% CSSJD Barcelos entrega dos donativos ao Projecto Cuidando 100% HSJD Montemor o Novo finalização do projecto Inocentes de Guerra 100% Avaliar a expansão dos espaços de cowork solidário Projecto nos municipios de Braga,Maia, Évora e Funchal. Inaugurar/Abertura do Projecto Atrium Hospitalidade 100% Emitir Boletim GS Mar 2012 subordinado a duas campanhas (Moçambique + Blocos de Judo intervenção no Bairro do Armador) 0% 100% Emitir Boletim GS Mar 2012 subordinado a duas campanhas (Timor Leste + Causas com Rosto 2012) Emitir Boletim GS Dez 2012 número extraordinário subordinado a três campanhas (Desempregados + Atrium Hospitalidade + Projecto Ferro de SolDAR) Emitir Carta Campanha de Angariação de novos benfeitores através dos contactos inscritos como PROMOCIONAIS/Correio não direccionado/distribuição junto a Metro 100% 0% 0% Proceder à abertura de conta bancaria de Fundo de Emergência. 0% Proceder à abertura de conta bancária de Fundo Patrimonial. 0% Transitar fundos não utilizados em campanhas de emergência de conta de Fundo de Emergência para Fundo Patrimonial 0% Emitir Carta de pedido de Legados, Heranças e benfeitorias dirigido a benfeitores activos. 100% 15

17 Contas Demonstrações Financeiras e Anexos Apresentam se as demonstrações finaceiras e as devidas justificações deles decorrentes. Estas reflectem já a adaptação da contabilidade da Fundação ao novo Normativo SNC ESNL Sistema Normalização Contabilistico Entidades do Sector não Lucrativo 16

18 Balanço BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 Unidade Monetária: Euros Ativo não corrente Rúbricas Notas Exercícios Ativo Ativos fixos tangíveis , ,23 Subtotal , ,23 Ativo corrente Clientes , ,00 Estado e outros entre públicos 7 306,24 Diferimentos , ,98 Outras contas a receber , ,00 Outros Ativos Financeiros , ,02 Caixa e depósitos bancários , ,55 Subtotal , ,55 Total do Ativo , ,78 Fundos Patrimoniais e Passivo Fundos Patrimoniais Fundos , ,00 Resultados Transitados , ,71 Resultado liquido do período , ,95 Total do fundo de capital , ,66 Passivo não corrente Passivo Financiamentos obtidos , ,86 Subtotal , ,86 Passivo corrente Fornecedores , ,92 Estado e outros entre públicos , ,33 Diferimentos , ,81 Outras contas a pagar , ,52 Subtotal , ,58 Total do passivo , ,44 Total dos fundos patrimoniais e do passivo , ,78 17

19 Demonstração de resultados por naturezas PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 Rendimentos e Ganhos Notas Unidade Monetária: Euros Períodos Vendas e serviços prestados , ,85 Subsídios, doações e legados à exploração , ,78 Fornecimentos e serviços externos , ,38 Gastos com pessoal , ,19 Outros rendimentos e ganhos , ,07 Outros gastos e perdas , ,29 Resultado antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos , ,16 Gastos/reversões de depreciações e de amortização , ,97 Resultado Operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) , ,13 Juros e rendimentos similares obtidos , ,80 Resultado antes de impostos 4.713, ,33 Imposto sobre o rendimento do período ,57 911,62 Resultado líquido do período 2.157, ,95 18

20 Demonstração Fluxos de Caixa PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 Rúbricas Notas Unidade Monetária: Euros Períodos Fluxos de caixa das atividades operacionais método direto Recebimentos de clientes e utentes , ,96 Recebimentos de Subsídios 4.568, ,78 Recebimentos de apoios , ,77 Pagamentos de apoios , ,63 Pagamentos a fornecedores , ,19 Pagamentos ao pessoal , ,33 Caixa gerada pelas operações , ,64 Pagamento/recebimento do imposto sobre o rendimento 911,62 0,00 Outros recebimentos/pagamentos , ,62 Fluxos de caixa das atividades operacionais (1) , ,26 Fluxos de caixa das atividades de investimento Pagamentos respeitantes a: Ativos fixos tangíveis , ,74 Recebimentos provenientes de: Juros e rendimentos similares , ,66 Fluxos de caixa das atividades de investimento (2) , ,92 Fluxos de caixa das atividades de financiamento Recebimentos provenientes de: Pagamentos respeitantes a: Fluxos de caixa das atividades de financiamento (3) 0,00 0,00 Variação de caixa e seus equivalentes (1+2+3) , ,34 Caixa e seus equivalentes no inicio do período 10 e , ,91 Caixa e seus equivalentes no fim do período 10 e , ,57 19

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Anexo em 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014

Anexo em 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014 Associação Escola 31 de Janeiro 1 Índice 1- IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE... 3 2- REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 3 3 - PRINCIPAIS POLÍTICAS

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO Anexo 10 de Março de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 4 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais Políticas Contabilísticas...

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Federação Portuguesa de Orientação

Federação Portuguesa de Orientação Federação Portuguesa de Orientação Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 Índice Balanço... 4 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 5 Demonstração dos Resultados por Funções... 6 Demonstração

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade.

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade. 01 -IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE A ASSOCIACAO ENTRE FAMILIA - BRAGANÇA é uma sociedade Anónima, constituída a 13-08-2009, com sede em RUA EMIDIO NAVARRO TRAS IGREJA, BRAGANCA, 5300-210, BRAGANCA, e tem como

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EXERCÍCIO DE 2014

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EXERCÍCIO DE 2014 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EXERCÍCIO DE 2014 1 - Introdução 1.1 - A APN - Associação Portuguesa de Doentes Neuromusculares, NIF.502887206, é uma Associação, constituída em 1992, tendo

Leia mais

2. REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

2. REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nos termos da Portaria nº 105/2011 de 14 de Março, as divulgações a efetuar pelas ESNL em anexo às Demonstrações Financeiras, correspondem às publicadas no anexo nº 10 da Portaria nº 986/2009 de 07 de

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 2013 Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 Índice 1. Mensagem do Presidente... 3 2. Demonstrações financeiras de 2013... 4 2.1. Situação patrimonial... 4 2.2. Demonstração de resultados... 5 2.3. Fluxos

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

«APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014

«APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 «APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 30 de Junho de 2015 Nos termos da Portaria nº 105/2011 de 14 de Março, as divulgações a efetuar

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO ANEXO 13 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Concelho da Batalha, PCUP 1.2 Sede: Batalha 2440-117 Batalha 1.3 - Natureza da actividade:

Leia mais

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes.

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes. Ano: 2016 Instituição: CERCI Braga Caracterização Síntese: MISSÃO Contribuir para a congregação e articulação de esforços no sentido de melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade IDFG Instituto D. Francisco Gomes - Casa dos Rapazes 1.2 Sede Bom João 8000-301 Faro 1.3 NIPC 500868395

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS 2014 1 Nome: SEDE: Rua Infante D. Henrique - Beja NIF: 500875030 Instituição Particular de Solidariedade Social RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS Índice RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 2 BALANÇO EM 31 DE

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 AIDGLOBAL- ACÃO E INTEG. PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL ONG BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES EXPRESSOS EM EUROS) Notas 2014 2013 Activo Activos

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015

APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015 APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 3 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DA BORRALHA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DA BORRALHA Demonstrações Financeiras em 31 de Dezembro 2014 Página 1 de 20 CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DA BORRALHA DEMONSTRAÇOES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 Demonstrações Financeiras em 31 de Dezembro 2014 Página

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Exercício 2012 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2010 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 31

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS 3. RECURSOS HUMANOS 4. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA. Balanço

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS 3. RECURSOS HUMANOS 4. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA. Balanço 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS 3. RECURSOS HUMANOS 4. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA Balanço Demonstração dos Resultados Gastos Rendimentos Resultados 5. FACTOS RELEVANTES OCORRIDOS APÓS O

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

Relatório de Gestão e Contas. Pelas pessoas. De alma e coração. +351 217 983 400 sede@fundacao-sjd.pt www.fundacao-sjd.pt

Relatório de Gestão e Contas. Pelas pessoas. De alma e coração. +351 217 983 400 sede@fundacao-sjd.pt www.fundacao-sjd.pt 2014 Relatório de Gestão e Contas Pelas pessoas. De alma e coração. +351 217 983 400 sede@fundacao-sjd.pt www.fundacao-sjd.pt Tabela de conteúdos Highlights 2014 04 Enquadramento Institucional 06 Recursos

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO Verificar passagem de ano Verificar aprovação de contas do exercício anterior Verificar apuramentos do IVA Verificar contas do balancete e fazer as devidas correcções

Leia mais

III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço

III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço 1 1.2.1.Demonstração de Resultados por Naturezas 2 1.3.Demonstração de Fluxos de Caixa 3 1.4.Demonstração das Alterações no Capital Próprio 4 1. Identificação

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) RelatórioAnual 2014 2 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MINIGOLFE UPD FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MINIGOLFE UPD BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

F U N D A Ç Ã O FRANCISCO MANUEL DOS SANTOS RELATÓRIO ANUAL DE 2014. Relatório de Contas. Demonstração dos Resultados por Natureza

F U N D A Ç Ã O FRANCISCO MANUEL DOS SANTOS RELATÓRIO ANUAL DE 2014. Relatório de Contas. Demonstração dos Resultados por Natureza F U N D A Ç Ã O FRANCISCO MANUEL DOS SANTOS RELATÓRIO ANUAL DE 2014 Relatório de Contas Balanço Demonstração dos Resultados por Natureza Demonstração dos Fluxos de Caixa Anexo Parecer do Conselho Fiscal

Leia mais

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Formação Eventual Sistema de Normalização Contabilística Exemplos práticos 14Set2009 a 14Out2009 1 de 142 Sistema de Normalização Contabilística Exemplos práticos

Leia mais