EQUIPAMENTO IDENTIFICADOR DE FASES PARA REDES DE BAIXA TENSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EQUIPAMENTO IDENTIFICADOR DE FASES PARA REDES DE BAIXA TENSÃO"

Transcrição

1 EQUIPAMENTO IDENTIFICADOR DE FASES PARA REDES DE BAIXA TENSÃO Cristiane G. Langner 1,2, João A. Pereira 2 Caixa Postal Curitiba, PR (1) PUC-PR Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2) LACTEC Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento Abstract The objective of this article is to present the project of the phases identifier equipment for electric power distribution lines in low voltage. This solution has for objective to facilitate the identification of phases and unbalances loads in these lines. In the development, we used digital technology type EPLD for discrimination circuits. The transmission of the information is made by the own distribution line. As result has a portable equipment of small dimensions and robust for applications in field. Resumo O objetivo deste artigo é apresentar o projeto do equipamento identificador de fases para redes de distribuição de energia em baixa tensão. Esta solução tem por objetivo facilitar a identificação de fases e desequilíbrios de cargas nestas linhas. No desenvolvimento utilizamos tecnologia digital tipo EPLD para o circuito de discriminação e transmissão de informações pela própria linha de distribuição. Como resultado temos um equipamento portátil de pequenas dimensões e robusto para aplicações em campo. Palavras Chaves Identificação de fases, Circuito Digital, EPLD. 1 INTRODUÇÃO Para que as concessionárias de energia atendam os requisitos de qualidade no fornecimento de energia elétrica, são necessárias avaliações periódicas e precisas das condições da rede de distribuição. No cálculo da queda de tensão em circuitos de baixa tensão, a identificação das fases, nas quais os consumidores estão ligados, é ação fundamental para determinar o valor correto de carregamento em cada linha de fase específica. Através desta identificação, pode-se executar ações de balanceamento de cargas nos circuitos das redes de baixa tensão, bem como, faseamento em instalações prediais ou industriais. O cálculo eficaz das reais condições destes circuitos reduz os custos operativos com manutenção e elimina eventuais incômodos ao usuários melhorando a qualidade de energia entregue. Pelo fato de não haver equipamentos específicos para a identificação de fases no mercado de distribuição de energia elétrica, funcionários das concessionárias de energia, responsáveis pelo levantamento de fases em redes de baixa tensão, utilizam-se de métodos improvisados, alguns até engenhosos, com a finalidade de auxiliar e agilizar seus trabalhos. No entanto, tais procedimentos muitas vezes podem vir a causar incômodos aos consumidores por haver a necessidade de desligamento temporário de energia ou por causarem acidentes de curto-circuito entre as fases da rede, além dos riscos a saúde do próprio operador que pode estar sujeito a contatos com cabos energizados, uma vez que os acessórios e métodos improvisados não são totalmente seguros.

2 2 SOLUÇÃO PROPOSTA No sentido de se disponibilizar um equipamento confiável e seguro foi desenvolvido o Equipamento Identificador de Fases, único no mercado, robusto, portátil, de prática instalação na rede, de simples operação e sem qualquer tipo de ajuste ou calibração. O mesmo foi projetado para operar em redes trifásicas de distribuição de energia, a qual é fisicamente composta por um cabo de neutro e três cabos de fases com sinais senoidais de tensão defasados de 120º entre si. O equipamento tem como princípio de operação a transmissão de um sinal que identifique uma das fases como de referência com relação às demais, tomando-se os seus ângulos de fase como meio de distinguí-las. Este sinal é então recebido por um circuito, denominado receptor, que executa a função de compará-lo ao ângulo de fase do sinal da linha em teste. Assim, o equipamento é fisicamente constituído por um Módulo Transmissor, um Módulo Receptor e o Meio de Comunicação, os quais serão tratados com maiores detalhes na seqüência. 2.1 MÓDULO TRANSMISSOR (TX) O Módulo Transmissor (TX) é a unidade fixa que deve ser instalada, por exemplo, junto ao transformador de distribuição, posição esta onde se tem acesso a todas as linhas de fases e o neutro da rede (Figura 11). Assim sendo, com base no diagrama de blocos da Figura01 e formas de onda da Figura02, o módulo TX toma os sinais referentes a cada linha de fases, F1(IN), F2(IN) e F3(IN) (110V/ 220V-60Hz), e os converte, nos blocos A/D, em pulsos de 5,0V com duração de 1,0ms, sempre no instante em que a respectiva senoide passar por 0V (zero volts). Desta forma, tem-se três pulsos digitais seqüenciais defasados de 120º entre si (PF1, PF2 e PF3). O sinal PF1, particularmente, serve como start para o contador do bloco BASES DE COMPARAÇÃO que gera os sinais J120 e J240 com duração de 4,0ms em nível lógico alto e defasados de 120º e 240º com relação ao sinal de referência (o próprio PF1). Na seqüência, os sinais digitalizados referentes às duas outras linhas, PF2 e PF3, são comparados aos sinais J120 e J240 nos blocos COPARADORes, gerando os sinais LED F2 e LED F3 que, por sua vez, ativam os respectivos LEDs coloridos no painel do aparelho, os quais são responsáveis por associar uma cor a cada fase, conforme ângulo de fase correspondente em relação à fase tomada como referência e de acordo com a Tabela 01. O sinal PF1, por corresponder diretamente ao sinal de referência, por si só gera o sinal LED F1 que ativa o LED amarelo, cor esta associada ao ângulo de fase 0º. Tabela 01 Associação de cores para os ângulos de fases COR ÂNGULO DE FASE AMARELO 0 Graus VERMELHO 120 Graus VERDE 240 Graus Outra função do módulo TX, a qual dá a ele este nome, é a de tomar o sinal digital PF1, referente à fase de referência, e com ele modular um sinal de portadora no bloco MODULADOR gerando o sinal REF(F1). Este sinal, por sua vez, é amplificado no MODULO DE POTÊNCIA e, por fim, é acoplado às três linhas de fases da rede através das próprias pontas de prova utilizadas anteriormente para amostrar os sinais da rede elétrica. Do acoplamento, realizado pelos blocos ACOPLADORES, gera-se os sinais F1(OUT), F2(OUT) e F3(OUT). Assim, o sinal REF(F1) pode propagar-se pelas linhas de fase até chegar ao módulo RX, instalado em pontos de testes remotos da rede (Figura 11) onde, depois de tratado, é comparado com o sinal da fase local identificando seu ângulo de fase e consequentemente a fase em si, por intermédio dos mesmos padrões de cores associados anteriormente no módulo TX.

3 Figura 01 Arquitetura do Módulo TX Figura 02 Formas de onda que resumem o princípio de operação do Módulo TX

4 2.2 MÓDULO RECEPTOR O Módulo Receptor (RX) é a unidade portátil do Equipamento Identificador de Fases e trabalha em conjunto com o Módulo TX, o qual deve ser instalado previamente. A instalação do módulo RX deve ser feita conforme Figura 11, num painel de medição convencional ou em algum ponto da rede onde se tenha aceso a pelo menos uma fase e neutro. As Figura 03 e 04 ilustram o princípio de operação do Módulo RX onde, em primeira instância, o sinal de tensão proveniente da linha de fase em teste, FT, passa por circuitos específicos que dele extraem dois sinais fundamentais para a operação de identificação de fases, que são os sinais PREF e RL. Figura 03 Arquitetura do Módulo RX Figura 04 Formas de onda que resumem o princípio de operação do Módulo RX

5 O sinal PREF traz a informação de fase de referência. O mesmo é proveniente do sinal REF(F1), Figura 02, gerado pelo Módulo TX e transmitido à linha por acoplamento. Este sinal é recuperado no Módulo RX através de um circuito de ACOPLAMENTO seguido por um filtro passa alta (FPA) e um circuito de DEMODULAÇÃO gerando assim o sinal PREF, base para a geração dos sinais J0, J120 e J240 no bloco BASES DE COMPARAÇÃO, de forma semelhante ao mesmo circuito no Módulo TX. Já o sinal RL, por sua vez, traz a informação de referência local, ou seja, como no caso do Módulo TX, a referência local nada mais é do que um sinal na forma de um pulso de 5V com 1,0ms de duração gerado no instante em que o sinal senoidal de fase amostrada passar por 0V. O sinal RL é gerado depois que o sinal de fase, FT, tenha passado por um filtro passa baixa (FPB) resultando no sinal SFL que por sua vez é tratado no circuito A/D gerando, por fim, o sinal RL. No bloco COMPARADOR é feita a comparação do instante em que o evento RL ocorre com relação às bases de comparação J0, J120 e J240, fazendo com que os sinais LED F1, LED F2 e LED F3 passem para nível lógico alto quando o pulso RL coincidir com os sinais J0, J120 e J240 respectivamente. Os sinais LED F1, LED F2 e LED F3, quanto ativados, acionam LEDs nas cores amarelo, vermelho e verde, respectivamente, no painel do equipamento, de forma a associar uma cor a cada ângulo de fase conforme padrão anteriormente definido no Módulo TX Desta maneira, em um teste de campo, como exemplificado pela Figura 11, em que para a fase B é associado um LED verde do Módulo TX, no Módulo RX o LED verde também deverá acender, quando a linha em teste for a mesma da fase B. Resumidamente, a identificação de fases é obtida comparando-se as indicações de ângulo de fases tomadas no Módulo TX com a indicação de ângulo de fase tomada pelo Módulo RX, ambos tendo a mesma fase como referência. Esta por sua vez é informada ao Módulo RX por meio do sinal de referência modulado em freqüência, enviado pelo Módulo TX pela linha de energia. 2.3 MEIO DE COMUNICAÇÃO O meio de comunicação adotado para transmissão da informação entre os Módulos TX e RX foi a própria linha de energia de baixa tensão. Apesar de alguns inconvenientes, a comunicação de dados pela linha de energia foi adotada pelo fato da mesma estar presente tanto no ponto de tomada de referência quanto no ponto de medição, possibilitando a implementação de circuitos de comunicação simples e de baixo custo. No entanto, vale a informação de que, para a transmissão de dados em taxas mais altas são necessários circuitos mais elaborados. Para o caso proposto, a rede elétrica não permite um alcance de comunicação superior a 200 metros. Isto se deve ao fato do sinal de referência dissipar-se ao longo da linha chegando com baixa amplitude no ponto onde se utiliza o Módulo RX. Esta característica está relacionada à baixa impedância da linha de energia, a qual ainda pode variar de um sistema de distribuição para outro, não permitindo, em alguns casos, que o sinal atinja sequer os 200 metros. A solução de utilização de um módulo de potência mais eficiente acarretaria em um aumento de peso e consumo, do Módulo TX, não satisfatório com relação ao aumento do raio de ação correspondente. Assim, adotou-se a configuração atual de forma a satisfazer a maioria dos casos previstos pelas concessionária de energia, sem comprometer o peso e o consumo do equipamento. Em casos de teste de campo em que se necessite maior alcance, o procedimento normalmente utilizado é a medição de fases por trechos de linha. 3 IMPLEMENTAÇÃO O circuito eletrônico que compõem o Identificador de Fases pode ser dividido em duas partes quanto à tecnologia de operação. Uma parte analógica, constituída de circuitos como conversor A/D, fonte de alimentação, circuito de sincronismo com cristal oscilador, circuito de acoplamento e display de LEDs, que foi implementada com componentes comerciais e de simples tecnologia, e outra parte em tecnologia digital, que realiza a operação de identificação de fases propriamente dita. Esta por sua vez foi implementada em tecnologia EPLD (Erasable Programmable Logic Devices) possibilitando circuitos com excelente repetibilidade para produção em série, com garantia de sigilo das principais informações do projeto e redução de área e número de componentes na placa de circuito impresso. Para implementação da parte digital do Equipamento Identificador de Fases, descrita a seguir, utilizou-se o dispositivo de EPM7064SLC44-10 da ALTERA, com 64 células lógicas.

6 3.1 MÓDULO TRANSMISSOR (TX) Circuito BASES DE COMPARAÇÃO O circuito BASES DE COMPARAÇÃO (Figura 05) tem como entrada o pulso de referência PF1 que ativa um MONOESTÁVEL fazendo com que o sinal LED F1 passe de nível lógico 0 para nível lógico 1 ativando o LED amarelo (0 Graus) no painel do Módulo TX. O sinal PF1 também tem a função de disparar o CONTADOR o qual ativa os circuitos INICIA_J120, RESET_J120, INICIA_J240 e RESET_J240, que geram pulsos que ativam (in) e desativam (clr) os monoestáveis, cujas saídas correspondem às bases de comparação J120 e J240 de acordo com a Figura 02. O estado ativado de J120 e J240 tem cerca de 4,0ms o que garante uma comparação com certa margem de segurança em função de atrasos inerentes a desbalanceamentos ocasionais da rede. Figura 05 Circuito BASES DE COMPARAÇÃO (TX) Circuito COMPARADOR Os sinais J120 e J240, gerados no circuito BASES DE COMPARAÇÃO, são então comparados, em lógicas AND2, com o sinal PF2 (Figura 02), equivalente ao pulso de referência da fase conectada ao terminal F2. O resultado desta comparação é um pulso que atuará em um dos MONOESTÁVEIS cuja saída ativa um dos sinais LED F2 - vermelho 120 ou LED F2 - verde 240, de acordo com o ângulo de fase do sinal PF2 com relação ao sinal de referência PF1. O circuito correspondente aos sinais LED F3 é idêntico ao circuito da Figura 06, a não ser pelo sinal de entrada PF3. Figura 06 Circuito COMPARADOR (TX) Circuito MODULAÇÃO O sinal PF1 ativa o CONTADOR (Figura 07) quando estiver em nível lógico 1. Assim, é gerado o sinal de referência a ser transmitido, REF(F1), na saída do contador, de acordo com a Figura 02. Figura 07 Circuito MODULAÇÃO (TX)

7 3.2 MÓDULO RECEPTOR (RX) Circuito BASES DE COMPARAÇÃO O circuito ilustrado na Figura 08 refere-se ao bloco BASES DE COMPARAÇÃO onde, da mesma forma que no Módulo TX, a lógica de funcionamento baseia-se num CONTADOR ativo pelo pulso de referência PREF, cujas saídas atuam em comparadores que ativam (in) e desativam (clr) os monoestáveis, cujas saídas correspondem às bases de comparação J0, J120 e J240 (Figura 04). Figura 08 Circuito BASES DE COMPARAÇÃO (RX) Circuito COMPARADOR Assim como nos circuitos COMPARADORes do Módulo TX, os sinais J0, J120 e J240 são comparados em lógicas AND2 com o sinal RL (Figura 04), equivalente ao pulso de referência da fase local em análise. O resultado desta comparação resulta em um pulso que atua em um dos MONOESTÁVEIS cuja saída corresponde a um dos sinais LED F1, LED F2 ou LED F3, que por sua vez ativam os respectivos LEDs do painel do Módulo RX. Figura 09 Circuito COMPARADOR (RX) 4 RESULTADOS OBTIDOS Os módulos do equipamento são construídos de forma a atingir os requisitos de segurança e robustez para trabalhos de campo (Figura 10). Para tanto, optou-se pela utilização de caixas plásticas resistentes e com vedação. O acesso à placa do Módulo TX é feito por meio de passadores do tipo prensa-cabos de modo a não comprometer a vedação. Outra característica é que as placas de circuito impresso e seus componentes estão fixados de forma a apresentar resistência mecânica contra impactos. Também utilizou-se de conectores isolados para acesso à rede de forma a reduzir os riscos de choques elétricos. Quanto aos aspectos de operação, buscou-se simplicidade na disposição dos painéis dos módulos, de forma que os mesmos não apresentem qualquer tipo de ajuste e fornecendo sempre uma leitura clara e direta da associação de cada fase a uma cor específica por meio de LEDs de alto brilho.

8 1 Conectores tipo jacaré ; 2 Cabo multivelas (4 vias); 3 Prensa-cabo ; 4 Caixa plástica; 5 Display de LEDs; 6 Conector 4 vias. 1 Ponta de Prova; 2 Conector tipo jacaré ; 3 Caixa plástica; 4 Display de LEDs; 5 Passador de borracha para vedação; 6 Cabos. Figura 10 Módulos TX e RX do Equipamento Identificador de Fases A Foto 01 apresenta o Kit Identificador de Fases. À frente é exibido Módulo RX e o Módulo TX encontra-se acoplado à vara de manobra (acessório desenvolvido para facilitar a conexão desse módulo à rede de distribuição de energia). Foto 01 Equipamento Identificador de Fase

9 Como exemplo de aplicação, a Figura 11 ilustra um tipo comum de sistema de distribuição onde o Identificador de Fases pode ser aplicado. Figura 11 Exemplo de aplicação 5 CONCLUSÃO O equipamento Identificador de Fases permite realizar tarefas de identificação de fases em redes de baixa tensão (110/220V 60Hz) de forma eficaz, prática e segura, com baixo custo e manutenção praticamente inexistente. Um curto prazo de desenvolvimento do projeto, em parte, se deve ao fato do mesmo ter sido implementado com tecnologia digital EPLD, o que permitiu a construção de um equipamento leve, de pequenas dimensões, com excelente repetibilidade para produção em série e com garantia de sigilo das principais informações do projeto, além de que sua adaptação para outros sistemas é simples e rápida, sem haver necessidade de alterações do hardware já desenvolvido. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem aos colegas do LACTEC José C. do Nascimento, Ivan Chueiri, Mário Klinkoski, R. Naliwaiko, Adilson M. da Luz, Márcio Rodrigues, Fernando Uada e Marcelo Charan, a Flávio E. Mog da empresa MO Engenharia, fabricante do equipamento, ao Sr. Ary Gioria da empresa FESP, que fornece os acessórios do equipamento e ao Sr. Cavalcante da empresa Bandeirante de Energia S.A. e, principalmente, aos funcionários de campo da COPEL/DIS/SED/SEDGEO por todo o apoio técnico e cooperação nas diversas fases de desenvolvimento do equipamento Identificador de Fases, sem os quais sua realização e este trabalho não teriam sido possíveis.

10 BIBLIOGRAFIA [01] Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL, Regulamentação sobre Equipamentos de Radiocomunicação de Radiação Restrita, 1999; [02] ALTERA, Data Books e Max+Plus II Getting Started ; [03] Amitava Dutta-Roy, Networks for Homes, IEEE Spectrum, Dec. 1999; [04] INTELLON, Power Line Communications Sistems, User s Manual for the P200/P300 Evaluation Boards, 1999; [05] National Semiconductor, Aplication Notes 146, Jun. 1975; [06] Norma Técnica COPEL, Materiais de Distribuição Padrão, NTC 81, Rev. Set [07] Norma Técnica COPEL, Montagem de Redes de Distribuição Urbana, NTC 849, Rev. Set [08] POWER Integrations, Inc., Data Sheet, TNY253/254/255 TinySwitch Family, Sep. 1998;

RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES

RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES Cristiane G. Langner (1,2), Juliano João Bazzo (1,3), Ivan J. Chueiri (1,2) (1)LACTEC Instituto de Tecnologia

Leia mais

REGISTRADOR DE FALTAS MOMENTÂNEAS EM LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO

REGISTRADOR DE FALTAS MOMENTÂNEAS EM LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO REGISTRADOR DE FALTAS MOMENTÂNEAS EM LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO! " # $! % & ' ( ) & (1) LACTEC Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (2) PUCPR Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras Chaves

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

FOTOCÉLULA PROGRAMÁVEL. Ederson Ferronatto 1,3, Ivan J. Chueiri 1,2 Caixa Postal 19067-81531-990 Curitiba, PR ederferronatto@zipmail.com.

FOTOCÉLULA PROGRAMÁVEL. Ederson Ferronatto 1,3, Ivan J. Chueiri 1,2 Caixa Postal 19067-81531-990 Curitiba, PR ederferronatto@zipmail.com. FOTOCÉLULA PROGRAMÁVEL Ederson Ferronatto 1,3, Ivan J. Chueiri 1,2 Caixa Postal 19067-81531-990 Curitiba, PR ederferronatto@zipmail.com.br (1) LACTEC Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (2)

Leia mais

HP48G/GX: UM MULTÍMETRO INTELIGENTE

HP48G/GX: UM MULTÍMETRO INTELIGENTE HP48G/GX: UM MULTÍMETRO INTELIGENTE Cristiane G. Langner 1,3, Jonerlam R. Carvalho 2, Percy Nohama 1,2, Ivan J. Chueiri 1,3, João A. Pereira 3 Caixa Postal 19067 81531-990 Curitiba, PR cris_langner@hotmail.com

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

SISTEMA DIDÁTICO DE PARTIDA SUAVE PARA MOTORES TRIFÁSICOS

SISTEMA DIDÁTICO DE PARTIDA SUAVE PARA MOTORES TRIFÁSICOS SISTEMA DIDÁTICO DE PARTIDA SUAVE PARA MOTORES TRIFÁSICOS Edson Santos Acco edson@upf.br Universidade de Passo Fundo, Faculdade de Engenharia e Arquitetura, Engenharia Elétrica. Campus Universitário I

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Henrique Soares Hinke José Eduardo da Silva Rodrigues Matheus Augusto de Queiroz

Leia mais

Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2)

Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2) Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2) Márcio Antônio Mathias Augusto Carlos Pavão IMT Instituto Mauá de Tecnologia. Introdução Dando prosseguimento à série Modulações digitais, discutiremos neste

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Eletrônica Em um circuito ressonante LC paralelo (bobina em paralelo com capacitor fixo), quando se introduz na bobina um núcleo de ferrita, o que ocorre com a freqüência

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II Electrónica dos Sistemas Embebidos Guia de Laboratório II IST-2014 A -Objectivos Com este guia pretende-se tomar contacto com cada um dos blocos fundamentais do sistema de comunicações em PCM. Os sinais

Leia mais

APOSTILA DE TREINAMENTO E DICAS DE REPARO TELEVISORES LCD

APOSTILA DE TREINAMENTO E DICAS DE REPARO TELEVISORES LCD APOSTILA DE TREINAMENTO E DICAS DE REPARO TELEVISORES LCD INDICE DIAGRAMA EM BLOCOS... Pg. 03 AC INPUT... Pg. 04 POWER... Pg. 05 FONTE STANDBY... Pg. 06 PFC FONTE... Pg. 07 FONTE ALTA I... Pg. 08 FONTE

Leia mais

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PROJETO PROTECTED

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PROJETO PROTECTED PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PROJETO PROTECTED CURITIBA 2009 EDUARDO REBELO LOPES ELTON FOGGIATTO PROJETO PROTECTED Este

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

Projetos de Eletrônica Básica II

Projetos de Eletrônica Básica II Projetos de Eletrônica Básica II MUITO CUIDADO NA MONTAGEM DOS CIRCUITOS, JÁ QUE SE ESTÁ TRABALHANDO COM A REDE ELÉTRICA. Projete um sistema para uma casa inteligente, com as seguintes características:

Leia mais

BADISCO PROFISSIONAL PT-1000 EQUIPAMENTO DE TESTE DE LINHA

BADISCO PROFISSIONAL PT-1000 EQUIPAMENTO DE TESTE DE LINHA BADISCO PROFISSIONAL PT-1000 EQUIPAMENTO DE TESTE DE LINHA DISCAGEM POR PULSO E TOM INDICAÇÃO DE POLARIDADE DE LINHA MEMORIZA ÚTIMO NÚMERO DISCADO MONITORAÇÃO EM ALTA IMPEDÂNCIA PROTEÇÃO CONTRA REDIOINTERFERÊNCIA

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Conectores de derivação e distribuição de sinais e energia PRV e PPV

Conectores de derivação e distribuição de sinais e energia PRV e PPV Conectores de derivação e distribuição de sinais e energia PRV e PPV Conectores de derivação distribuição de sinais e energia PRV e PPV da Weidmüller, equipados com tecnologia de conexão "PUSH N". Os inovadores

Leia mais

LC428. Manual do Usuário

LC428. Manual do Usuário LC428 Manual do Usuário R 1.Descrição Geral: O conversor LC428 possui 8 entradas as quais podem ser projetadas para aceitar sensores tipo PT100, termopar, ou sinais padrão tipo 0 a 10V ou 4 a 20 ma e saída

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Terminais banhados à ouro Fácil visualização dos circuitos 18 Módulos envolvendo os principais conceitos de elétrica e eletrônica

Leia mais

TERMO DE GARANTIA. CONFORTO COM SEGURANÇA Cód: P26708 rev.:8 mod. 150

TERMO DE GARANTIA. CONFORTO COM SEGURANÇA Cód: P26708 rev.:8 mod. 150 TERMO DE GARANTIA A ELETROPPAR, Indústria Eletrônica Ltda, Localizada na Rua Carlos Ferrari nº2651, Distrito Industrial, Garça/SP, CEP 17.400-000, CNPJ 02.748.434/0001-08, IE 315.026.341.111 garante este

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321 CENTRAL DE E SEM FIO AS- CARACTERÍSTICAS DO APARELHO - Central de alarme sem fio com setor misto ( com e/ou sem fio ); - Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; - Carregador de bateria

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE

Leia mais

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Atenção: Antes de operar o equipamento, leia o manual do usuário, qualquer dano causado decorrente de utilização errônea do mesmo implicará na perda imediata

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL MODELO: CARACTERÍSTICAS 32 Pontos de Entrada / 32 Pontos de Saída. 3 Módulos Básicos: Controlador de Entrada, Simulador de Saída, Contador & Simulador

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

ONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CCET - CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

ONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CCET - CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CCET - CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO LUIZ RENATO HEY SCHMIDT RAFAEL DA SILVA NEVES SERRANO VALQUIRE DA SILVA DE JESUS SISTEMA

Leia mais

Modulador e demodulador PWM

Modulador e demodulador PWM Modulador e demodulador PWM 2 ATENÇÃO O autor não se responsabiliza pelo uso indevido das informações aqui apresentadas. Danos causados a qualquer equipamento utilizado juntamente com os circuitos aqui

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 3 Rede AS-I Actuador - Sensor - Interface Capítulo 3 Histórico A rede AS-Interface

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

Guia de consulta rápida

Guia de consulta rápida Guia de consulta rápida DigiFlash Smart Trigger 1 2 3 4 5 17 Smart Trigger 6 7 8 9 16 15 14 13 12 11 10 O DigiFlash Smart Trigger é um dispositivo para disparar flashes a partir de um evento externo. Pode

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Switch HDMI. 3 entradas e 1 saída. Manual do Usuário

Switch HDMI. 3 entradas e 1 saída. Manual do Usuário Switch HDMI 3 entradas e 1 saída Manual do Usuário Obrigado por comprar um Produto Comtac Você comprou um produto de uma empresa que oferece alta qualidade e valor agregado. Conheça nossa linha completa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR CONTROLE DE UM SERVO MOTOR Versão 2014 RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização e o projeto de um circuito de controle simples de um servo motor. A parte experimental inclui atividades

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A7 () Analise o circuito a seguir e determine V A e V o. V A V

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

Módulo de Acesso com Teclado 1. Manual do Usuário. Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações

Módulo de Acesso com Teclado 1. Manual do Usuário. Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações Módulo de Acesso com Teclado 1 Manual do Usuário Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações 2 Manual do Usuário Módulo de Acesso com Teclado 3 ÍNDICE CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO...07

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores:

Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores: Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores: Alan Nogueira Sanches Felippe de Carvalho Barros Fernando Felizate Pereira Leandro de Marchi Sérgio Antônio Mathias da Silva Professor Orientador:

Leia mais

Controle remoto por Bluetooth

Controle remoto por Bluetooth Controle remoto por Bluetooth Introdução Esse tutorial tem como objetivo, facilitar a montagem do controle e drive de potência voltado a modalidades que necessitam de controle remoto, seja robô sumo de

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

Controle Remoto AFT-RCT-TRM6

Controle Remoto AFT-RCT-TRM6 Folha 01 de 08 Agência Nacional de Telecomunicações 1636-14-5663 7898911715990 PRODUTO NACIONAL APLICAÇÃO O C o n t r o l e R e m o t o A l f a t r o n i c A F T - R C T - TRM6(Transmissor e Receptor)

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Manual de Instruções. Rastreador Via Satelite para Automóveis e Caminhões

Manual de Instruções. Rastreador Via Satelite para Automóveis e Caminhões Manual de Instruções Manual de Instruções Esta embalagem contém: Módulo AT1000 1 relé de potência 1 alto falante 1 antena GPS 1 antena GSM 1 soquete p/ relé com cabo 1 conector com cabo Manual de instruções

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR Flávio Augusto Mereu Pioto Técnico Pleno de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção Centro de Manutenções Especiais CTEEP Brasil fpioto@cteep.com.br

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital

LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital 2014.02 LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital Nome do Aluno(a) I PRIMEIROS CONTATOS COM A I.1- Introdução Na primeira parte das atividades deste roteiro o aluno entrará

Leia mais

MÓDULO DE CONTROLE DTMF TCG-PI02: UM CONTROLE DE DISPOSITIVOS VIA LINHA TELEFÔNICA

MÓDULO DE CONTROLE DTMF TCG-PI02: UM CONTROLE DE DISPOSITIVOS VIA LINHA TELEFÔNICA MÓDULO DE CONTROLE DTMF TCG-PI02: UM CONTROLE DE DISPOSITIVOS VIA LINHA TELEFÔNICA Thomás Colvara Teixeira thom@correios.net.br CEFET/SC Gerência Educacional de Eletrônica Av. Mauro Ramos, 950 Centro CEP

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

Comunicações Ópticas. E ns aios em Fibras Ópticas. Guia de T rabalhos de L aboratório. E T F O-01 Sistema de F ibra ótica

Comunicações Ópticas. E ns aios em Fibras Ópticas. Guia de T rabalhos de L aboratório. E T F O-01 Sistema de F ibra ótica Comunicações Ópticas E ns aios em Fibras Ópticas Guia de T rabalhos de L aboratório E T F O-01 Sistema de F ibra ótica Profº Engº Getúlio Teruo Tateoki Araçatuba, 20 de agosto de 2004 Prefácio -Este Guia

Leia mais

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Paulo S. C. Molina molina@upf.br Matheus A. C.

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Montagem da Barra de LEDs Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A4 (1A) FONTE CHAVEADA PAINEL SOLAR Uma aplicação possível

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO:

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADOR SÍNCRONO O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula teórica

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS e acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Departamento de Física e Ciência dos Materiais Caixa Postal 369-13560-970 São Carlos SP Brasil e-mail : andretec@ifsc.usp.br Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Introdução Neste projeto

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUMÁRIO CONTROLADOR DE PORTARIA RCP-2000...1 A) O EQUIPAMENTO RCP-2000... 1 A.1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS...

Leia mais

MANUAIS DE INSTRUÇÃO

MANUAIS DE INSTRUÇÃO MANUAIS DE INSTRUÇÃO ESPECIFICAÇÕES O DIMMER RACK 12 CANAIS CBI é fabricado para cumprir com as especificações do mercado de iluminação profissional, iluminação cênica, decorativa, shows, eventos e iluminação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA. Av Vila Ema, 3863 Conj 4

MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA. Av Vila Ema, 3863 Conj 4 MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA Av Vila Ema, 3863 Conj 4 Vila Ema São Paulo SP CEP: 032.81-001 PABX: (11) 2717-7760

Leia mais

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO Sumário Página 4: Quadro completo Disjuntores Transformador isolador Protetor elétrico Fonte primária VT CFTV Funcionalidades Baterias Página 6: Ponto de distribuição

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

MÓDULO SINTETIZADOR.

MÓDULO SINTETIZADOR. MÓDULO SINTETIZADOR. O módulo sintetizador é uma placa (PCA) de 3,5pol x 9 pol, ligada a placa mãe em J4 e localizada imediatamente adjacente ao módulo de Referência/Controle do transceptor. Como o módulo

Leia mais

Obrigado por comprar um Produto Comtac. Informações sobre marcas

Obrigado por comprar um Produto Comtac. Informações sobre marcas Obrigado por comprar um Produto Comtac Você comprou um produto de uma empresa que oferece alta qualidade e valor agregado. Conheça nossa linha completa através do site www.comtac.com.br As informações

Leia mais

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Pedro H. M. Araújo 1, Renan P. Figueiredo 1, Douglas L. Dias 1, Sandro C. S. Jucá 1 1 Área da Telemática Instituto Federal

Leia mais

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Monitor Cardíaco Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Giovani Baratto Santa Maria Agosto de

Leia mais

Seleção de Produtos. Sensor Fotoelétrico. Como especificar. TECNI-AR Ltda - Tel: 31 3362-2400 w.tecni-ar.com.br

Seleção de Produtos. Sensor Fotoelétrico. Como especificar. TECNI-AR Ltda - Tel: 31 3362-2400 w.tecni-ar.com.br Seleção de Produtos Sensor Fotoelétrico Como especificar Saída coletor PNP aberto Saída coletor NPN aberto Temporizador embutido Tipo padrão Tipo relflexivo (Tipo Difuso) Tipo feixe estreito Emissor Receptor

Leia mais

LINHA COMPACTA. KOBO-pH transmissor de ph APM-Z

LINHA COMPACTA. KOBO-pH transmissor de ph APM-Z KOBO-pH transmissor de ph APM-Z LINHA COMPACTA Range de medição ph da -1 a 14 Comutável de ph a ORP Display p/ valor de ph, mv/orp (Potencial de redução e oxidação) e temperatura Simples programação e

Leia mais

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330.

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás. É composto por um circuito inteligente (microcontrolado) que recebe o sinal gerado por um sensor eletrônico de gás, processa sua calibração

Leia mais

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com.

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com. Ponte levadiça digital... Projeto semestral primeira fase de 2003 Engenharia de Computação 4 período Em breve aqui novos projetos... Página inicial Pré-projeto Projeto FOTOS e Vídeos Funcionamento Esboços

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A (1) CONVERSOR A/D APROXIMAÇÃO SUCESSIVA (SAR) A figura

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais