- Convocat6ria para assembleia de cond6minos; - Delega<;:ao de poderes para representa<;:ao em assembleia; 1. NOTA EXPLICATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Convocat6ria para assembleia de cond6minos; - Delega<;:ao de poderes para representa<;:ao em assembleia; 1. NOTA EXPLICATIVA"

Transcrição

1 1. NOTA EXPLICATIVA Nas rela<;:oescorrentes da gestao do condominia, torna-se imprescindfvel a elabora<;:ao de comunica<;:oes diversas entre a administra<;:ao e as cond6minos. Nesta perspectiva, as pontos essenciais a considerar na feitura destas comunica<;:oes poderao ser sintetizados em varias minutas tipo, par forma a simplificar a administra<;:aodo condominia do predio. Pretende-se com estas minutas esclarecer, tanto quanta possivel, a modo de elabora<;:aodas comunica<;:oes mais utilizadas entre a administrador do predio e as cond6minos, nao contemplando eventuais situa<;:oesespecificas que, dada a sua natureza, nao se enquadram na gestao corrente do condominia. 2. MINUTAS TIPO Dos aspectos mais importantes da gestao corrente dos cond6minos, destacamos como orienta<;:ao na comunica<;:ao entre as partes as modelos em anexo das seguintes minutas tipo: - Convocat6ria para assembleia de cond6minos; - Delega<;:ao de poderes para representa<;:ao em assembleia; - Acta de assembleia de cond6minos; - Comunica<;:ao para cond6minos ausentes das assembleias;

2 CONVOCATORIA PARA ASSEMBLEIA GERAL DE CONDOMINOS (Carta registada, ou aviso convocatorio pelo condomino) com recibo de recep9ao assinado Exmo. Senhor Data... Venho por este meio convocar V. Exa. para a assembleia de condominos do pn dio sito em, que se ira realizar no dia / /, pelas horas, nos termos do artigo do Codigo Civil, com a seguinte ordem de trabalhos: a) Discussao e aprova9ao das contas do ana de 200 e do or9amento para 0 proximo ano; b)... c)... d) Assuntos de interesse gera!. Com os melhores cumprimentos Administrador assinatura (identifica9ao)

3 REPRESENTACAO VOLUNT ARIA Artigo do C6digo Civil: (Procu ra<;:ao) 1. Diz-se procura<;:ao 0 acto pelo qual alguem atribui a outrem, voluntariamente, poderes representativos. 2. Salvo disposi<;:aolegal em contrario, a procura<;:aorevestira a forma exigida para 0 neg6cio que 0 procurador deva realizar. MODELO DE CARTA DE CONDOMINO DELEGANDO PODERES NOUTRA PESSOA PARA 0 REPRESENTAR EM ASSEMBLEIA DE CONDOMINOS Exmo. Senhor Administrador do condominio situado em... F, proprietario da frac<;:ao... do predio situado em em regime de propriedade horizontal delega em, portador do Bilhete de Identidade n.o, de I...!..., todos os poderes suficientes para 0 representar na assembleia geral de cond6minos a realizar no pr6ximo dia de de , devido a impossibilidade de se encontrar presente na citada assembleia. 0 referido procurador podera discutir e deliberar conforme achar conveniente. Data... assinatura (1) (1) Estedocumento deve ser acompanhado de fotoc6pia do 8.1.

4 ACTADA ASSEMBLEIA GERAL DE CONDOMINOS Acta n.o m.. Em de de 200.., em, as horas, teve lugar a assembleia de cond6minos do predio em regime de propriedade horizontal sito na Rua, n.o em, convocada po r (1) par a del ibe rar sob re (2). Encontravam-se presentes os cond6minos seguintes, cada um deles representando (3). as cond6minos,, e (4), fizeram-se representar por,... e (5) conforme credenciais que foram exibidas e vao ser arquivadas. Presidiu a assembleia 0 administrador (ou qualquer outro cond6mino que sera aqui identificado) e exerceram as fun<;:6es de vice-presidente e secretario, respectivamente e... Verificada a regularidade da convocat6ria e a presen<;:ade um numero de cond6minos representativo dos votos necessarios a tomada de delibera<;:6es, 0 cond6mino fez uma exposi<;:ao sobre os assuntos constantes da ordem do dia, acerca dos quais se pronunciaram... Ap6s a discussao das propostas apresentadas por, (6), passou-se a vota<;:ao, tendo side aprovada a proposta do cond6mino (7) 1) Indicar a data da convocat6ria, pessoa(s) que a assinarem assim como todos os elementos que a permitam identificar; 2) Discriminar 0 assunto ou assuntos da Ordem do Dia ou 0 objecto da reuniao; 3) Identifica~ao dos cond6minos, mencionando 0 numero de votos que cada um representa face ao titulo constitutivo da propriedade horizontal 4) Identifica~ao dos cond6minos ausentes que se fizeram representar 5) Identifica~ao das pessoas a quem foi delegada a representa~ao 6) Identifica~ao do cond6mino autor da proposta 7) Identifica~ao do cond6mino autor da proposta aprovada e n.ode votos ou maiorias (2/3 ou simples) 8) Numero de votos

5 Seguidamente foram submetidas a discussao e votac;:aoas propostas apresentadas por, condomino da fracc;:ao, com a seguinte redacc;:ao:... Destas propostas foi aprovada a segunda, pela maioria de (8) votos, tendo a primeira obtido votos a favor e votos contra, pelo que se considerou nao aprovada. Para ale mda Ordem do Dia foram ainda tratados acerca dos quais, apos discussao, foi decidido: os seguintes assuntos, a) Aprovar... b) Proceder a... c) Pedir orc;:amentos para... Nao havendo mais assuntos a tratar, foram os trabalhos dados como encerrados as horas, lavrando-se a presente acta que depois de lida e aprovada, vai ser assinada pelo presidente, vice-presidente, secretario e por todos os condominos presentes e em seguida enviada uma copia a todos os condominos ausentes.

6 MODELO PARACOMUNICAC;AOA CONDOMINOS AUSENTES DA ASSEMBLEIA (carta registada com aviso de recepc;:ao) Exmo. Senhor Data... Nos termas do numero 6 do artigo do C6digo Civil,venho pela presente comunicar a V.Exa. que, par deliberac;:aoda assembleia geral de cond6minos do predio sito em, realizada em de de 200.., foi aprovado a seguinte(1): a) Orc;:amentopara a novo ana; b) Vencimentos do pessoal afecto aos servic;:oscomuns; c)... d)... Para melhor esclarecimento, junto c6pia da acta da assembleia bem como fotoc6pia das propastas apresentadas pelos cond6minos. De notar que V. Exa., tem 90 dias, ap6s a recepc;:ao desta carta para comunicar par escrito a assembleia de cond6minos a seu assentimento au a sua discordancia. A falta de resposta sera considerada como aprovac;:aoda(s) deliberac;:ao(6es)comunicada(s). Com as melhores cumprimentos 0 Administrador assinatura (identificac;:ao) Anexo: c6pia da acta da assembleia e das propostas apresentadas 1) Discriminar as materias aprovadas

7 3. DOCUMENTOS DE GESTAO DO CONDOMINIO: - ORC;AMENTO PARA 0 NOVO ANO Receitas Ordinarias - Quotizayoes dos condominos Fracyoes / lado direito (10 x 180,00) Fracyoes / lado esquerdo (10 x 150,00) 1 800, , ,00 - Receitas Extraordinarias - Juras de depositos bancarios - Quotizayoes para 0 Fundo Comum de Reserva (1) - Quotizayoes extras para fazer face a obras nao cobertas pelo Fundo Comum de Reserva - Despesas Correntes - Electricidade, agua - Artigos de limpeza - Manutenyao de elevadores - Substituiyao de lampadas, tapetes, etc... - Remunerayao do pessoal afecto aos serviyos comuns - Contribuiyoes (Seguranya Social) - Seguros 600,00 446, ,00 TOTAL 19310,00 500,00 300, ,00 200, ,00 375,00 600, ,00 - Despesas Extraordinarias - Obras de conservayao e beneficiayao do predio - Grandes reparayoes dos elevadores - Impermeabilizayoes Saldo Localidade, 3 de Janeiro de , , ,00 TOTAL 0 Administrador assinatura (Identificayao) ,00 460, ,00 1) 0 minima legal de comparticipa98a para este Funda e de 10% sabre as despesas correntes, podendo eventualmente a assembleia estipular um montante mais elevado

8 APRESENTA<;AODAS CONTAS DO ANO ANTERIOR Movimento da 11.aAdministragao (1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2001) Receitas Saldo da administra<;ao anterior Quotiza<;oes dos condominos Juras de depositos bancarios TOTAL 3 500, ,00 700, ,00 Despesas Conserva<;ao e manuten<;ao Pessoal afecto aos servi<;os comuns Contribui<;oes (Seguran<;a Social) Agua e electricidade Compra de produtos de limpeza Saldo para a administra<;ao seguinte 600, ,00 312,50 215,00 75,00 TOTAL 2 452, , ,00 Desdobramento do saldo Valor em caixa Depositos a ordem Depositos a prazo Fundo Comum de Reserva (conta a prazo) 410, ,50 TOTAL 160, , , ,50 Localidade, 31 de Dezembro de Administrador assinatura (Identifica<;ao)

9 RECIBO DAS QUOTASDO CONDOMiNIO Podera adquirir numa boa livrariaum Livrode recibos, ou proceder a elabora9ao de um modele pr6prio de recibos (eventualmente em computador), que devera obrigatoriamente mencionar os seguintes aspectos: Identifica9ao da administra9ao do predio (localiza9ao); 0 numero do cartao de pessoa colectiva da administra9ao; Identifica9ao do cond6mino; Identifica9ao da frac9ao e andar de que e proprietario; 0 valor da comparticipa9ao; O(s) mes(es) a que se refere(m); 0 destino da comparticipa9ao (despesas correntes ou extraordinarias do condominio e Fundo Comum de Reserva); Data; - Assinatura do administrador.

Nas relações correntes da gestão do condomínio, torna-se imprescindível a elaboração de comunicações diversas entre a administração e os condóminos.

Nas relações correntes da gestão do condomínio, torna-se imprescindível a elaboração de comunicações diversas entre a administração e os condóminos. 1. NOTA EXPLICATIVA Nas relações correntes da gestão do condomínio, torna-se imprescindível a elaboração de comunicações diversas entre a administração e os condóminos. Nesta perspectiva, os pontos essenciais

Leia mais

ATA Nº Apresentação de contas do ano 2015;

ATA Nº Apresentação de contas do ano 2015; ATA Nº 13 Ao terceiro dia do mês de Fevereiro do ano de 2016, pelas 20 horas e 15 minutos, reuniram em Assembleia ordinária, os condóminos do prédio em regime de propriedade horizontal sito na Av. Abraão

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL AVISO CONVOCATÓRIO

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL AVISO CONVOCATÓRIO IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta Sede: Edifício Espaço Chiado Rua da Misericórdia, 12 a 20, 5º andar, Escritório n.º 19 1200-273 Lisboa Capital social: Euro 12.500.000 Matriculada

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Aprovado na Assembleia de Representantes de 25 de Março de 2000 CAPÍTULO I Natureza e composição Artigo 1.º Natureza

Leia mais

CONVOCATÓRIA. Sociedade Aberta - Capital Social ,00 - Pessoa Colectiva n.º C.R.C. Lisboa

CONVOCATÓRIA. Sociedade Aberta - Capital Social ,00 - Pessoa Colectiva n.º C.R.C. Lisboa JERÓNIMO MARTINS, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Rua Tierno Galvan, Torre 3 9.º J, Lisboa Capital Social de Euro 629.293.220,00 Matricula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e NIPC: 500 100 144

Leia mais

CONTRATO CESSÃO DE EXPLORAÇÃO

CONTRATO CESSÃO DE EXPLORAÇÃO CONTRATO CESSÃO DE EXPLORAÇÃO Primeiro Outorgante,.. com sede em.., N.º.., xxxx-xxx, com o NIF/NIPC xxx xxx xxx. Segundo Outorgante, JRG - Hotelaria, Lda, contribuinte n.º 506560821, com sede no Edifício

Leia mais

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Aviso Convocatório Nos termos do disposto no artigo 22.º dos Estatutos da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD ( Sociedade ) e no artigo 377.º do Código das Sociedades Comerciais,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto) A Comissão Executiva é designada pelo Conselho de Administração e tem como objectivo deliberar sobre as matérias

Leia mais

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração Artigo 1º 1. A sociedade tem a denominação de Litho Formas, S.A., e teve o seu início em 5 de Dezembro de 1966. 2.

Leia mais

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DA COMISSÃO EXECUTIVA DO BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. («BES») ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Denominação e natureza A Fundação Museu da Ciência, adiante designada por Fundação, é uma pessoa colectiva de direito privado,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da A.A.C.B. apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados efectivos e extraordinários no

Leia mais

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal Ex.mo. Sr. Presidente da Mesa da Assembleia Geral de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. Voto por Correspondência Postal Assembleia Geral Extraordinária de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. de 27 de Abril de

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL CONVOCATÓRIA

ASSEMBLEIA GERAL CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL CONVOCATÓRIA Sociedade Comercial Orey Antunes, SA. (Sociedade Aberta) Sede: Rua dos Remolares, n.º 14, freguesia de São Paulo, concelho de Lisboa Capital Social: 10.000.000,00 (dez milhões

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E PROPRIEDADE HORIZONTAL. Registo de Entrada

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E PROPRIEDADE HORIZONTAL. Registo de Entrada Registo de Entrada Despacho Registado em SPO Reqº.n.º. / / Procº. / / Data / / O Assist. Técnico Em, / / O Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E

Leia mais

CONCESSÃO DO PRÉDIO URBANO NA RUA DO ARNADO - COIMBRA TERMOS DE REFERÊNCIA

CONCESSÃO DO PRÉDIO URBANO NA RUA DO ARNADO - COIMBRA TERMOS DE REFERÊNCIA CONCESSÃO DO PRÉDIO URBANO NA RUA DO ARNADO - COIMBRA TERMOS DE REFERÊNCIA 1 TERMOS DE REFERÊNCIA REGRAS DO PROCEDIMENTO Artigo 1.º Finalidade Destinam-se os presentes TERMOS DE REFERÊNCIA a regular o

Leia mais

ITAQUI GERAÇÃO DE ENERGIA S.A. CNPJ nº / NIRE nº ATA DE ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE ABRIL DE 2014

ITAQUI GERAÇÃO DE ENERGIA S.A. CNPJ nº / NIRE nº ATA DE ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE ABRIL DE 2014 ATA DE ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE ABRIL DE 2014 (Lavrada sob a forma de sumário de acordo com a autorização contida no parágrafo 1º do Artigo 130 da Lei 6.404/76) 1. Data, hora e local

Leia mais

CONVOCATÓRIA ORDEM DE TRABALHOS:

CONVOCATÓRIA ORDEM DE TRABALHOS: THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. Sociedade aberta Capital - 717.500.000,00 Pessoa colectiva n.º 503025798 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Setúbal Sede - Península da Mitrena, freguesia

Leia mais

Declaração de Aceitação. Para Membro da Comissão Eleitoral

Declaração de Aceitação. Para Membro da Comissão Eleitoral Declaração de Aceitação Para Membro da Comissão Eleitoral Nos termos do disposto no artigo n.º 1º do artigo n.º 56º dos estatutos do Sindicato Nacional dos Registos e Notariado eu,..., venho por este meio

Leia mais

A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio.

A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio. PLATAFORMA DE GESTÃO A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio. Principais funcionalidades Possui uma série de funcionalidades

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA Registo de entrada RE SERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA (Art.º 63 do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

Propriedade Horizontal

Propriedade Horizontal Propriedade Horizontal Secção I - Disposições Gerais Artigo 1414.º - Princípio Geral As fracções de que um edifício se compõe, em condições de constituírem unidades independentes, podem pertencer a proprietários

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional. Artº. 1º (Aprovação) Artº. 2º (Entrada em vigor)

ASSEMBLEIA NACIONAL. Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional. Artº. 1º (Aprovação) Artº. 2º (Entrada em vigor) ASSEMBLEIA NACIONAL Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional Artº. 1º (Aprovação) É aprovado ao abrigo da alínea c) do nº 1 do artº. 30º do Regimento da Assembleia Nacional o

Leia mais

VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA.

VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA. VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA. Sociedade aberta Sede: Lugar da Vista Alegre, 3830-292 Ílhavo Matriculada na C.R.C. de Ílhavo - NIPC: 500.978.654 Capital social: 92.507.861,92 Euros -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

1. OBJECTODO REGULAMENTO

1. OBJECTODO REGULAMENTO REGULAMENTO DO CONDOMINIO 1. OBJECTODO REGULAMENTO 1. 0 presente regulamento e aplicavel nas rela

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

Artigo 1.º. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Artigo 2.º REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL, DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO CONSELHO FISCAL DA PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA (PPA) Artigo 1.º 1. A eleição da Mesa da Assembleia Geral,

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA. Aviso Convocatório

ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA. Aviso Convocatório ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Aviso Convocatório Nos termos do disposto no artigo 22.º dos Estatutos da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD ( Sociedade ) e no artigo 377.º do Código das Sociedades Comerciais,

Leia mais

REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE BENS. Capítulo I Disposições gerais

REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE BENS. Capítulo I Disposições gerais Capítulo I Disposições gerais Artigo 1 Objecto O presente regulamento estabelece o regime da alienação de bens móveis do património privado da APSS, SA, doravante designado abreviadamente por RAB. Artigo

Leia mais

IBERSOL S.G.P.S., S.A.

IBERSOL S.G.P.S., S.A. IBERSOL S.G.P.S., S.A. Sede: Praça do Bom Sucesso, 105/159, 9º, Porto Capital social: 20.000.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e de identificação

Leia mais

ESTORIL SOL SGPS SA CONVOCATÓRIA

ESTORIL SOL SGPS SA CONVOCATÓRIA ESTORIL SOL, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Capital social, integralmente realizado, 59.968.420 Sociedade Anónima, sede na Av. Dr. Stanley Ho, Edifício do Casino Estoril Estoril - Cascais Matriculada na Conservatória

Leia mais

Município da Nazaré Serviços Municipalizados da Nazaré

Município da Nazaré Serviços Municipalizados da Nazaré Município da Nazaré Serviços Municipalizados da Nazaré Projecto de Regulamento do Pagamento em Prestações de Dívidas referentes à Receita dos Serviços de Fornecimento de Água, de Drenagem de Águas Residuais

Leia mais

Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo Primeiro (Firma)

Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo Primeiro (Firma) Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo Primeiro (Firma) O Agrupamento Complementar de Empresas adoptará a denominação AFOCELCA Agrupamento Complementar

Leia mais

Se os varios apartamentos que constituem um predio pertencerem a

Se os varios apartamentos que constituem um predio pertencerem a 1-0 QUE EA PROPRIEDADEHORIZONTAL? Diz-se que um predio esta constitufdo em PROPRIEDADE HORIZONTAL, quando esta dividido em frac90es autonomas, nomeadamente apartamentos ou andares e garagens, desde que

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade aberta com o Capital Social: 12.000.000,00 (doze milhões de euros) Sede: Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, n.º 17, 6.º andar, 1070-313 Lisboa Registada

Leia mais

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ ESTATUTOS: DA FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ Da Denominação, Natureza e Fins CAPITULO I Artigo 1º - 1 A Fundação Aurélio Amaro Diniz é uma Fundação de Solidariedade Social,

Leia mais

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes:

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes: CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA A) Declaram constituir uma sociedade nos termos dos artigos seguintes: Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º - Natureza e Sede A Associação adopta a designação de (nome da Associação), e tem a sua sede provisória no Concelho de (designação

Leia mais

A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio.

A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio. PLATAFORMA DE GESTÃO A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio. Principais funcionalidades Possui uma série de funcionalidades

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL

ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL REGULAMENTO ELEITORAL Regulamento Eleitoral 2016 - appc.doc - 0 - Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º O presente Regulamento visa regular o processo eleitoral

Leia mais

A associação tem como fim...

A associação tem como fim... ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação, sede e duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação, e tem a sede na, freguesia de, concelho de e constitui-se por. 2. A associação tem o número

Leia mais

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535 PROGRAMA DE HASTA PÚBLICA Para atribuição do direito de ocupação efetiva de natureza precária da loja n.º 4 no Mercado de Quiaios Artigo 1.º Identificação A loja objeto de hasta pública localiza-se no

Leia mais

1. A sociedade tem por objecto:.

1. A sociedade tem por objecto:. CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima e a firma. 2. A sociedade tem o número de pessoa colectiva e o número de

Leia mais

s. R. TRIBUNAL DA COMARCA DE LISBOA Rua Marquês de Fronteira - Palácio da Justiça de Lisboa - Edifício Norte (Piso 4) Lisboa

s. R. TRIBUNAL DA COMARCA DE LISBOA Rua Marquês de Fronteira - Palácio da Justiça de Lisboa - Edifício Norte (Piso 4) Lisboa s. R. Regulamento do Conselho de Gestão da Comarca de Lisboa \0~ I'~, - ~.... J.. a->: Preâmbulo A Lei 62/2013, de 26 de Agosto, que estabelece as normas de enquadramento e de organização do sistema judiciário,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL

REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL 2014-2020 ARTIGO PRIMEIRO O Regulamento Eleitoral estabelece as normas que regulam o Processo Eleitoral da Mesa do Conselho de Parceiros, Seis

Leia mais

Mais informações e atualizações desta obra em

Mais informações e atualizações desta obra em Título: Normas Regulamentares do Regime da Propriedade Horizontal Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 8 páginas Formato: PDF (Portable Document

Leia mais

VULCABRAS S/A. CNPJ nº / NIRE ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 04 DE JUNHO DE 2004

VULCABRAS S/A. CNPJ nº / NIRE ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 04 DE JUNHO DE 2004 VULCABRAS S/A CNPJ nº 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 04 DE JUNHO DE 2004 1. DATA, HORA E LOCAL DA ASSEMBLÉIA: Realizada aos 04 (quatro) dias do mês

Leia mais

Confederação Brasileira de Boliche Vinculada ao Comitê Olímpico Brasileiro

Confederação Brasileira de Boliche Vinculada ao Comitê Olímpico Brasileiro ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DO DIA 01 DE JUNHO DE 2013 A Assembleia Geral Extraordinária, foi iniciada, em segunda convocação, às 16:30 do 1 dia do mês de Junho de 2013, nas dependências do

Leia mais

Regulamento Municipal de Remoção e Recolha de Veículos

Regulamento Municipal de Remoção e Recolha de Veículos CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artº 1º Âmbito de aplicação O presente Regulamento pretende dotar o Município de um instrumento que estabeleça regras referentes à acção de fiscalização assim como à remoção

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE UMA COOPERATIVA ATRAVÉS DE INSTRUMENTO PARTICULAR

CONSTITUIÇÃO DE UMA COOPERATIVA ATRAVÉS DE INSTRUMENTO PARTICULAR CONSTITUIÇÃO DE UMA COOPERATIVA ATRAVÉS DE INSTRUMENTO PARTICULAR (retirado de www.inscoop.pt site do Instituto António Sérgio do Sector Cooperativo) Podem constituir-se por instrumento particular as cooperativas

Leia mais

Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário

Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário Eleição da Direcção Aprovado em 16/07/2011 De harmonia com a Lei e com o disposto no nº 2 dos Estatutos do CAC, conjugado com os artºs 19º ao 23º,

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA. PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º ,

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA. PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º , CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA (Lote - UL ) ENTRE: PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º 500960046, com sede na Av. João XXI, n.º 63, em Lisboa, com o capital social

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAS

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAS CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAS AR T I G O 3 7 7. º - ( c o n v o c a ç ã o d a a s s e m b l e i a ) 1. As assembleias gerais são convocadas pelo presidente da mesa ou, nos casos especiais previstos na

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado a 29 de Outubro de 2010 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo

Leia mais

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Art.º 1º Composição e competências O Grupo de Recrutamento tem a composição e as competências determinadas pelo Decreto-lei 75/2008 de

Leia mais

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS ARSENAL DO ALFEITE, S. A. (Constituída pelo Decreto-Lei n.º33/2009, de 5 de Fevereiro) ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º Forma e denominação A sociedade adopta a forma

Leia mais

REGULAMENTO DO PAGAMENTO A PRESTAÇÕES DA RECEITA DO FORNECIMENTO DE ÁGUA

REGULAMENTO DO PAGAMENTO A PRESTAÇÕES DA RECEITA DO FORNECIMENTO DE ÁGUA REGULAMENTO DO PAGAMENTO A PRESTAÇÕES DA RECEITA DO FORNECIMENTO DE ÁGUA Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt www.cm-borba.pt Contribuinte n.º 503

Leia mais

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga;

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga; REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE BRAGA A lei n.º 33/98, de 18 de Julho veio criar os conselhos municipais de segurança que, segundo a terminologia utilizada pelo legislador, são entidades

Leia mais

CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES. CNPJ/MF nº / NIRE

CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES. CNPJ/MF nº / NIRE CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF nº 73.178.600/0001-18 NIRE - 35.300.137.728 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DATA, HORA E LOCAL: 23 de março de 2016, às 10:00

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DO CENFORMA 2 Artigo 1.º Definição 1. O Regimento Interno da Secção de Formação e

Leia mais

ACTA Nº.28/2005 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BORBA REALIZADA NO DIA 12 DE DEZEMBRO DE 2005

ACTA Nº.28/2005 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BORBA REALIZADA NO DIA 12 DE DEZEMBRO DE 2005 ACTA Nº.28/2005 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BORBA REALIZADA NO DIA 12 DE DEZEMBRO DE 2005 Aos doze dias do mês de Dezembro do ano de dois mil e cinco, no Salão Nobre dos Paços do Município,

Leia mais

BANCO BPI, S.A. ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS CONVOCATÓRIA

BANCO BPI, S.A. ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS CONVOCATÓRIA BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Tenente Valadim, n.º 284, Porto Capital Social: 990 000 000 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e pessoa

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. Companhia Aberta NIRE CNPJ/MF nº /

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. Companhia Aberta NIRE CNPJ/MF nº / DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. Companhia Aberta NIRE 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 24 DE MARÇO DE 2014 Data, Hora e Local: Realizada

Leia mais

Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti

Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti Artigo 1º (Da Constituição) 1. O Conselho Técnico-Científico é composto por 16 membros, para além do Director.

Leia mais

ATA DA 120ª AGE DO CONDOMÍNIO VIVENDAS BELA VISTA

ATA DA 120ª AGE DO CONDOMÍNIO VIVENDAS BELA VISTA ATA DA 120ª AGE DO CONDOMÍNIO VIVENDAS BELA VISTA Aos vinte e nove dias do mês de abril do ano de dois mil e nove, às 20h15min, em segunda chamada e última convocação na sala de administração do Condomínio,

Leia mais

Regulamento de concurso para Diretor

Regulamento de concurso para Diretor Regulamento de concurso para Diretor Nos termos do disposto no artigo 22.º, do Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, e do Decreto-Lei nº 137/2012 de 2 de Julho, torna-se público, que se encontra aberto

Leia mais

Regimento Interno. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

Regimento Interno. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL Regimento Interno Departamento de Matemática e Ciências Experimentais 2013/2014 D E P A R T A M E N T O DE M A T E M Á T I C A E C I Ê N C I A S E X P E R I M E N T A

Leia mais

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I Firma, sede, objecto e duração Artigo 1º Firma A Sociedade adopta o tipo de Sociedade anónima, com a firma EDAB Empresa de Desenvolvimento do Aeroporto de Beja,

Leia mais

CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO REINO UNIDO DA GRÃ BRETANHA E IRLANDA DO NORTE PROCURAÇÃO REQUISITOS

CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO REINO UNIDO DA GRÃ BRETANHA E IRLANDA DO NORTE PROCURAÇÃO REQUISITOS CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO REINO UNIDO DA GRÃ BRETANHA E IRLANDA DO NORTE PROCURAÇÃO REQUISITOS OUTORGANTE (aquele que delega poderes) O/a outorgante deverá comparecer pessoalmente no Consulado

Leia mais

1. A sociedade tem por objecto:.

1. A sociedade tem por objecto:. CONTRATO DE SOCIEDADE POR QUOTAS Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo sociedade por quotas e a firma. 2. A sociedade tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

EXTRACTO DA ACTA Nº 21. Aos trinta dias do mês de Maio de dois mil e oito, pelas dezoito horas e trinta

EXTRACTO DA ACTA Nº 21. Aos trinta dias do mês de Maio de dois mil e oito, pelas dezoito horas e trinta EXTRACTO DA ACTA Nº 21 Aos trinta dias do mês de Maio de dois mil e oito, pelas dezoito horas e trinta minutos, reuniu em Assembleia Geral, no Auditório do Estádio José Alvalade, na Rua Professor Fernando

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014

REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014 REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1º - Do âmbito do presente regulamento... 4 Artigo 2º - Do Congresso da Federação... 4

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES DE SERGIPE S/A CNPJ/MF nº / NIRC nº

TELECOMUNICAÇÕES DE SERGIPE S/A CNPJ/MF nº / NIRC nº TELECOMUNICAÇÕES DE SERGIPE S/A CNPJ/MF nº 13.079.322/0001-10 NIRC nº 2830000088-3 Ata da Assembléia Geral Extraordinária, realizada em 02 de agosto de 2001, lavrada na forma de sumário: 1. Data, Hora

Leia mais

Freguesia de Penela da Beira

Freguesia de Penela da Beira EDITAL Alexandre Rui Lopes Escudeiro, Presidente da Junta de Freguesia de Penela da Beira: Torna público que esta Junta de Freguesia em reunião extraordinária de 17 de Setembro de 2010, aprovou o seguinte

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO (6.ª Edição) Actualização N.º 1 Código das Sociedades Comerciais 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 1

Leia mais

INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (sociedade aberta)

INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (sociedade aberta) INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (sociedade aberta) Sede: Rua Braamcamp, n.º 40 9.º D, 1250-050 Lisboa Capital social: 180 135 111,43 Número único de pessoa colectiva e de matrícula na

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

2015/2016. Portefólio

2015/2016. Portefólio 2015/2016 Portefólio http://condosolutions.pt/ geral@condosolutions.pt 231 205 542 914 664 986 0 De JOAQUIM ANTÓNIO SERRANO DOS SANTOS JURISTA PORTEFÓLIO Apresentação... 2 1. Administração ou gestão...

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES DA PARAÍBA S/A CNPJ/MF n.º / NIRE nº

TELECOMUNICAÇÕES DA PARAÍBA S/A CNPJ/MF n.º / NIRE nº TELECOMUNICAÇÕES DA PARAÍBA S/A CNPJ/MF n.º 08.827.313/0001-20 NIRE nº 253.0000.706-1 Ata da Assembléia Geral Extraordinária, realizada em 02 de agosto de 2001, lavrada na forma de sumário: 1. Data, Hora

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO 2008/2010 Apreciado na 33.ª reunião plenária do CDN, em 20 de Março de 2007 e pelo Conselho Nacional de Delegados no dia 31 de Março de 2007. Aprovado em reunião plenária

Leia mais

REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas do concurso para eleição do

Leia mais

CONTRATO DE ARRENDAMENTO

CONTRATO DE ARRENDAMENTO CONTRATO DE ARRENDAMENTO Entre os abaixo assinados: PRIMEIRO(S) OUTORGANTE(S) - e marido/mulher casados no regime de, ele natural da freguesia de, concelho de, ela natural da freguesia de concelho de residentes

Leia mais

BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. (subsidiária integral do Banco do Brasil S.A.)

BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. (subsidiária integral do Banco do Brasil S.A.) BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. (subsidiária integral do Banco do Brasil S.A.) ATA DAS ASSEMBLEIAS GERAIS EXTRAORDINÁRIA E ORDINÁRIA REALIZADA EM 22 DE FEVEREIRO DE 2013 I. DATA, HORA E LOCAL: Em 22 de

Leia mais

Regulamento Eleitoral para os representantes dos trabalhadores não docentes e não investigadores para o Conselho Geral da Universidade da Madeira 1

Regulamento Eleitoral para os representantes dos trabalhadores não docentes e não investigadores para o Conselho Geral da Universidade da Madeira 1 Regulamento Eleitoral para os representantes dos trabalhadores não docentes e não investigadores para o Conselho Geral da Universidade da Madeira 1 O presente regulamento rege a eleição do representante

Leia mais

PORTUGAL TELECOM, SGPS S.A. CONVOCATÓRIA

PORTUGAL TELECOM, SGPS S.A. CONVOCATÓRIA PORTUGAL TELECOM, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Avenida Fontes Pereira de Melo, 40, Lisboa Capital Social: 395.099.775 Euros Nº de Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e de Pessoa

Leia mais

1. A associação tem os seguintes associados fundadores:

1. A associação tem os seguintes associados fundadores: ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação. 2. A associação tem a sua sede na, freguesia de, concelho de. 3. A associação tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

Decreto Lei nº 267/94, de 25 de Outubro de 1994

Decreto Lei nº 267/94, de 25 de Outubro de 1994 Decreto Lei nº 267/94, de 25 de Outubro de 1994 A propriedade horizontal constituiu, ao longo deste século, e principalmente a partir da 1.ª Guerra Mundial, um instrumento indispensável à ultrapassagem

Leia mais

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA ESTATUTO Artigo 1º (Definição) A Associação de Atletas Olimpicos de Angola, abreviadamente designada de AAOA é uma Instituição não governamental, de caracter associativo, autonóma e sem fins lucrativos,

Leia mais

GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS

GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS (De acordo com as alterações aprovadas pela Assembleia Geral nas reuniões de 13 de março de 2007, de 12 de agosto de 2008, de 14 de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL Convindo regular o procedimento tendente à aceitação e confirmação

Leia mais

1/2006 CONTRATO DE SOCIEDADE POR QUOTAS. Artigo 1.º Tipo e firma

1/2006 CONTRATO DE SOCIEDADE POR QUOTAS. Artigo 1.º Tipo e firma CONTRATO DE SOCIEDADE POR QUOTAS Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo sociedade por quotas e a firma. 2. A sociedade tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004

MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004 MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004 Presenças:------------------------------------------------------------------------------------------------- José

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014)

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo Primeiro A Fundação dos Lions de Portugal é uma

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO ROIZ DE CASTELO BRANCO

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO ROIZ DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO ROIZ DE CASTELO BRANCO Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas para a eleição do director do

Leia mais

[ ], [estado civil], residente na [ ], contribuinte fiscal n.º [ ], portadora do cartão de cidadão

[ ], [estado civil], residente na [ ], contribuinte fiscal n.º [ ], portadora do cartão de cidadão CONTRATO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL [ ], [estado civil], residente na [ ], contribuinte fiscal n.º [ ], portador do cartão de cidadão n.º [ ], válido até [ ], contrata na qualidade de locador, doravante

Leia mais