FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA II"

Transcrição

1 3ª edição FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA II

2 FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA II

3 SOMESB Sociedade Mantenedora de Educação Superior da Bahia S/C Ltda. Presidente Gervásio Meneses de Oliveira Vice-Presidente William Oliveira Superintendente Administrativo e Financeiro Samuel Soares Superintendente de Ensino, Pesquisa e Etensão Germano Tabacof Superintendente de Desenvolvimento e Planejamento Acadêmico Pedro Daltro Gusmão da Silva FTC-EAD Faculdade de Tecnologia e Ciências Ensino a Distância Diretor Geral Reinaldo de Oliveira Borba Diretor Acadêmico Roberto Frederico Merh Diretor de Tecnologia Jean Carlo Nerone Diretor Administrativo e Financeiro André Portnoi Gerente Acadêmico Ronaldo Costa Gerente de Ensino Jane Freire Gerente de Suporte Tecnológico Luís Carlos Nogueira Abbehusen Coord. de Softwares e Sistemas Romulo Augusto Merh Coord. de Telecomunicações e Hardware Osmane Chaves Coord. de Produção de Material Didático João Jacomel EQUIPE DE ELABORAÇÃO / PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO Produção Acadêmica Autor Adriano Pedreira Cattai Rui de Jesus Santos Gerente de Ensino Jane Freire Supervisão Ana Paula Amorim Coordenador de Curso Geciara da Silva Carvalho Revisão Final Adriano Pedreira Cattai Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento. Produção Técnica Edição em L A T E X ε Adriano Pedreira Cattai Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento. Revisão de Teto Carlos Magno Coordenação João Jacomel Equipe Técnica Aleandre Ribeiro, Cefas Gomes, Clauder Filho, Delmara Brito, Diego Doria Aragão, Diego Maia, Fábio Gonçalves, Francisco França Júnior, Hermínio Filho, Israel Dantas, Lucas do Vale, Marcio Serafim, Mariucha Ponte, Ruberval Fonseca e Tatiana Coutinho. Copright c FTC-EAD Todos os direitos reservados e protegidos pela lei 9.60 de 9/0/98. É proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios, sem autorização prévia, por escrito, da FTC-EAD - Faculdade de Tecnologia e Ciências - Ensino a distância.

4 Sumário Funções Afim, Quadráticas, Eponenciais e Logarítmicas 6 Funções Afins e Quadráticas 6 Definições Elementares 6. Função Par Função Ímpar Função Crescente Função Decrescente Função Sobrejetora Função Injetora Função Bijetora Função Inversa Função Periódica Eercícios Propostos A Função Afim. O Gráfico da Função Afim Sinal de uma Função Afim A Inversa da Função Afim Apêndice : Modelagem Matemática Apêndice : Crescimento e Decrescimento Eercícios Propostos A Função Quadrática 0.7 A Função Quadrática Raízes de uma Função Quadrática Etremo de uma Função Quadrática Sinal de uma Função Quadrática Aplicações Eercícios Propostos Funções Eponenciais e Logarítmicas 8 Função Eponencial 8. Apresentação Potências Potência de Epoente Natural Propriedades das Potências Equações Eponenciais A Função Eponencial Representação Gráfica Inequações Eponenciais Aplicações Eercícios Propostos

5 Fundamentos da Matemática II Função Logarítmica 36.8 Apresentação Logaritmos: Definição e Propriedades Propriedades Equações Logarítmicas A Função Logarítmica Gráfico da Função Logarítmica Inequações Logarítmicas Eercícios Propostos Funções Trigonométricas e Outras Elementares 43 Funções Trigonométricas 44 Trigonometria Relações Trigonométricas Fundamentais Arcos Côngruos Funções Trigonométricas As Funções Seno e Cosseno Outras Funções Trigonométricas Eercícios Propostos Outras Funções Elementares 53 Outras Funções Elementares Apresentação Função Potência Funções Definidas por mais de uma Sentença Função Modular Função Polinomial Função Recíproca Eercícios Propostos Atividade Orientada Etapa Etapa Etapa

6 Apresentação de Disciplina Caro aluno, Damos-lhe boas vindas ao curso de Fundamentos de Matemática II. Ao colocarmos este material à disposição de educadores e de alunos que se preparam para o magistério, é nossa intenção destacar alguns dos temas usualmente vistos no ensino médio, a eemplo das funções elementares: afim, quadrática, eponencial e logarítmica. Buscamos, tanto quanto possível, ilustrá-los mediante eemplos e interessantes aplicações que, sem dúvida alguma, tornarão mais instigantes e agradáveis de estudá-los. Conforme verá, adotamos uma abordagem bem simples e elementar. Evitamos o emprego de fórmulas, mesmo nas demonstrações, preferindo, ao invés disso, um constante apelo ao raciocínio lógico-dedutivo na obtenção de nossos resultados. Ao longo do teto, inserimos questões para refleão. Sugerimos que pare, ao encontrá-las em sua leitura, e as considere com bastante atenção. Incluímos, também, eercícios resolvidos e atividades complementares, bem como, no final deste trabalho, um bloco de atividades orientadas como parte de sua de avaliação individual. E, é claro, registramos nossa gratidão, ainda que previamente, por quaisquer observações ou comentários sobre o trabalho, para que possamos aprimorá-lo continuamente. Uma boa leitura, portanto, e boa sorte na carreira que escolheu. Prof. Rui Santos 5

7 Fundamentos da Matemática II Funções Afim, Quadráticas, Eponenciais e Logarítmicas Funções Afins e Quadráticas Definições Elementares Na disciplina Fundamentos de Matemática I, a definição de uma função real a uma variável foi apresentada da seguinte forma: Uma função real é um objeto matemático que, a cada número de um subconjunto A dos números reais, associa um único número f () de um subconjunto B dos números reais. Em outras palavras: f : A B é função A,! B; = f (). O conjunto A é chamado de domínio da função f ; o conjunto dos números reais contido em B que estão associados por f é chamado o conjunto imagem (ou simplesmente, a imagem) de f ; e o conjunto B é chamado de contradomínio da função. As seguintes notações foram estabelecidas:. f : A B para dizer que se trata da função real cujo domínio é o conjunto A.. f () para dizermos que f associa o número f () B ao número A. 3. Dom(f ) representa o domínio de f, e CD(f ) o contra-domínio. 4. Im(f ) representa a imagem de A, e se C A, indicaremos por f (C) o conjunto dos números f (), com C, que é chamado de imagem de C. Neste primeiro tema, detalharemos duas funções especiais, a saber: a Função Afim e a Função Quadrática. Antes disto, vejamos as seguintes definições: 6

8 . Função Par Dizemos que uma função f : ( c, c) R é uma função par, se f ( ) = f (), ( c, c). = f() Um eemplo bem simples de função par é f () =. Seu gráfico é eibido ao lado. De fato, o quadrado de qualquer número real é sempre não negativo. Ou ainda: a a f( a ) = f( a) f ( ) = ( ) = = f ().. Função Ímpar Dizemos que uma função f : ( c, c) R é uma função ímpar, se f ( ) = f (), ( c, c) A função g() = 3 é um eemplo de função ímpar, pois, g( ) = ( ) 3 = 3 = g(). Nota. Uma função pode não satisfazer uma destas duas definições. De fato, seja a função definida por h() =. Assim, h( ) = ( ) = h() h( ) = + = h() ßÞ ÐÞ Ð ß Nota. Qualquer função com domínio simétrico em relação à origem pode ser escrita como soma de uma função par com uma função ímpar: f I () f () + f ( ) f () f ( ) f () = f P () + f I () = +, f P () em que a função f P () é uma função par e f I () é uma função ímpar. Verifique! f P () = = Se considerarmos a função h() =, eibida acima, então, ou seja, h() = f P () + f I (). f I () = ( ) = = + + =, 7

9 Fundamentos da Matemática II.3 Função Crescente Uma função f é crescente se a, b Dom(f ), a < b, então f (a) < f (b). f(b) f( a) f() a b.4 Função Decrescente Uma função f é decrescente se a, b Dom(f ), a < b, então f (a) > f (b). f( a) f() f(b) a b.5 Função Sobrejetora Uma função é sobrejetora quando todo o contradomínio possui um elemento correspondente em seu domínio, isto é, o conjunto imagem e o contradomínio são coincidentes. Em símbolos, se f : A B, então: B, A; = f ()..6 Função Injetora Uma função f : A B é injetora se, e somente se, elementos distintos no domínio possuem, como imagem, elementos distintos no contradomínio. Em símbolos:, A,, f ( ) f ( ). Nota 3. Uma outra maneira de eibir esta mesma condição é a através da sua contra-positiva, ou seja, f ( ) = f ( ) =. 8

10 = f() Esta epressão afirma que cada elemento da imagem da função f provém de um único elemento do seu domínio. Uma maneira visual de interpretar este fato é pelo chamado teste da linha horizontal. Se a linha interceptar o gráfico da função em mais de um ponto, então eistem pontos distintos no domínio tal que suas imagens são iguais..7 Função Bijetora Uma função é bijetora se é, simultaneamente, injetora e sobrejetora. Deiamos a representação simbólica deste conceito como eercício..8 Função Inversa Este é um conceito aplicável somente às funções bijetoras. Seja f : A B uma função bijetora, ou seja, para cada B, eiste eatamente um valor A tal que = f (). Assim, podemos definir uma função g : B A tal que = g(). A função g definida desta maneira é chamada função inversa de f, a qual denotaremos por f. Em outras palavras: f : B A = f () a = b B b A a A a a b b B f : A B a b = f (a) f : B A b a = f (b).9 Função Periódica Dizemos que uma função f é periódica se eiste um número real p 0 tal que f ( + p) = f () para todo Dom(f ). O menor número p que satisfaz f ( + p) = f () é chmado de período da função f. O gráfico de uma função periódica se repete a cada intervalo de comprimento p. 9

11 Fundamentos da Matemática II 6 Na disciplina Fundamentros da Matemática III, veremos que as funções f () = sen() e g() = cos() são funções periódicas de período π. A figura ao lado ilustra o gráfico de uma função periódica de período Eercícios Propostos.. Para que valor de, f () = + é igual a 6? e 0?.. Verifique que a correspondência entre os valores e = f (), dados pelos conjuntos abaio, não definem uma função. (a) R = {(, ) Z Z; + = 4} (c) R 3 =(, ) Z Z; = (b) R = {(, ) N Z; = 0} (d) R 4 = {(, ) N Z; = 0}.3. Eiba os domínios das seguintes funções: (a) f () = 3 + (d) f () = (b) f () = (c) f () =.4. Decida se cada função é par, ímpar ou nem par e nem ímpar. (e) f () = 4 5 (f) f () = (a) f () = 5 (b) f () = (c) f () = 3 (d) f () = 5.5. Mostre que as funções abaio não são nem pares e nem ímpares, e epresse-as como uma soma de uma função par com uma função ímpar. (a) g() = (b) h() = +.6. Dada uma função qualquer f : [ a, a] R, mostre que: (a) a função g definida por g() = f () + f ( ) é uma função par; (b) função h definida por h() = f () f ( ) é uma função ímpar..7. Suponha f e g duas funções dadas. Então, definem-se as seguintes funções: (f ± g)() = f () ± g(), (f g)() = f () g() ef = g() f () (g() 0). g() Considere agora, que f () = e g() = 6. Determine: 0 (i) (a) (f + g)(); (b) (f g)(); (c)f g() (ii) os domínios das funções do item (i)

12 .8. Ao analisar a função real f definida por f () = + 4, podemos afirmar que f é injetora? Justifique a resposta. Gabarito Questão e Questão..3. (a) R. (b) R {0}. (c) { R; }. (d) { R; < }. (e) R {±}. (f) { R; 5}. Questão..4. (a) Par. (b) Par. (c) Ímpar. (d) Par. Questão..7. (i.a) +Ô6. (i.b)ô( ) (6 ). (i.c)õ 6. (ii.a) { R; 4}. (ii.b) { R; 4 ou 4}. (ii.c) { R; < 4 ou < 4}. Questão..8. Não, pois f () = f ( 6) = 0. A Função Afim Chama-se função afim a toda função f : R R definida por f () = a + b, em que a e b são números reais. Lembra-se de algo além deste conceito? Talvez se recorde que os coeficientes "a"e "b"são comumente, e nesta ordem, chamados coeficientes angular e linear. E das condições de crescimento e decrescimento desta função, sua inversa e condições de eistência, e outras propriedades e aplicações? Revisitaremos este e outros temas aqui - em parte porque vale a pena preencher possíveis lacunas ou, eventualmente, corrigir uma ou outra imperfeição que assimilamos ao longo de nosso percurso; além disso, este, afinal é o objeto de seu trabalho como educador. Começaremos com uma situação bem típica, como escolher uma operadora de telefonia. Suponha - e isto não é mais que uma suposição - que as operadoras Telemar e Embratel lançaram ao mercado os seguintes produtos: TELEMAR Aparelho Assinatura mensal R$ 430, 00 R$ 70, 00 EMBRATEL Aparelho Assinatura mensal R$ 690, 00 R$ 50, 00 Qual destas opções é mais vantajosa? Como resposta, eperimente descrever cada um desses planos em termos de uma epressão que forneça o montante pago em função do tempo de assinatura. Você sabia? A este trabalho, que busca uma epressão conveniente para a descrição de uma determinada situação, chamamos modelagem matemática. E isto, em campos tão diversos quanto a Medicina, a Engenharia de Tráfego, otimização, etc., tem sido um campo bem fértil para pesquisas. Você deve ter obtido epressões do tipo: f (t) = 70t+430 e g(t) = 50t+690, respectivamente. É possível que não se sinta seguro quanto a como se obtiveram estas epressões; neste caso, queira consultar o Apêndice, Modelagem matemática. Apresentamos ali, um passo a passo com eplicações um pouco mais detalhadas sobre esse eemplo específico. Aliás, incluiremos, sempre que necessário, uma seção, ou apêndice, com pormenores adicionais sobre certos cálculos, conceitos, etc. Sinta-se à vontade para consultá-los.

13 Fundamentos da Matemática II Eaminemos a primeira epressão. Observe que o coeficiente linear, 430, corresponde, precisamente, ao valor inicialmente pago, antes sequer do primeiro mês de contrato. Em termos mais genéricos, isto nos fornece uma interessante interpretação para o coeficiente linear numa função afim. Ele corresponde ao valor da função f (t) avaliado em t = 0. Quanto ao coeficiente angular, suponhamos que após uma longa pechincha, o gerente da empresa de telefonia concorda em alterar sua proposta, concedendo um coeficiente angular realmente promocional. Imagine, então, que a nossa nova função é: f (t) = 50t Compare-a com a anterior, f (t) = 70t O que acha que muda no decorrer do contrato? Obviamente, a taa de crescimento de nosso montante é menor. E isto nos leva a uma óbvia, mas fundamental, conclusão: O coeficiente angular, numa função afim, é o único fator que determina o seu crescimento ou decrescimento. Nos eemplos que acabamos de ver, ambas as funções f (t) = 70t e f (t) = 50t + 430, em que ambos os coeficientes angulares são positivos, são crescentes, porém, observe que a velocidade ou taa de crescimento mudou. No apêndice, Crescimento e Decrescimento, ilustramos com mais detalhes a influência do coeficiente angular sobre a taa de crescimento ou decrescimento de uma função afim. Queira consultá-lo, se necessário. A propósito, o que você supõe que acontece se o coeficiente angular for negativo ou nulo? Agora é a sua vez! O movimento de um ponto sobre um eio chama-se uniforme quando ele percorre espaços iguais em tempos iguais. Sua velocidade é, por definição, o espaço percorrido na unidade de tempo. Formule estas definições matematicamente, e obtenha eplicitamente a posição f (t) do ponto em termos de uma função de t e do ponto de partida. Uma corrida de tái custa m reais por km rodado, mais uma taa fia de n reais, chamada bandeirada. Formule, matematicamente, o custo de uma corrida como função do número de quilômetros percorridos. Um pouco de história Foi por volta de.360 d.c. que um matemático parisiense chamado Nicole Oresme teve um pensamento brilhante:

14 por que não traçar uma figura que representasse a maneira pela qual as coisas variam? Ali estava um primeiro esboço do que conhecemos hoje como representação gráfica de funções. Este processo era conhecido, então, como a latitude das formas. Oresme usava os termos latitude e longitude dum modo equivalente à ordenada e à abscissa, e sua representação gráfica assemelhava-se à nossa geometria analítica. Naturalmente, seu uso de coordenadas retangulares, ou cartesianas, não era novo, mas a sua representação gráfica de uma quantidade variável, sim.. O Gráfico da Função Afim Oresme sabia, já em.360 d.c., que a latitude das formas, ou gráfico, de uma função afim era uma reta. Aliás, não apenas o gráfico de uma função afim é uma reta, mas, reciprocamente, a toda reta no plano corresponde uma, e apenas uma, função. O gráfico da função f () = a + b é uma reta. Prova: Suponhamos inicialmente que o gráfico não seja uma reta, ou seja, eistem três pontos A, B e C distintos dois a dois, do gráfico de f que não estão alinhados, conforme figura. Sejam (, ), (, ) e ( 3, 3 ), respectivamente, as coordenadas cartesianas destes pontos. Nestas condições, temos = a + b = a + b 3 = a 3 + b Subtraindo membro a membro, obtemos: 3 = a( 3 ) 3 = = a. = a( 3 ) 3 3 B A D C E 3 Observe que 3 = CE 3 BE = tg β e = BD AD = tg α. e, então tg β = tg α, ou seja, devemos ter α = β e, portanto, os pontos A, B e C estão necessariamente alinhados. Isso conclui a nossa prova. Transcrevemos, agora, um resultado fundamental da Geometria Plana que, aplicado ao nosso trabalho, simplifica, em muito, a representação de uma função. Dados dois pontos distintos no plano, P e P eiste uma única reta que os contém. Temos, portanto, que dada uma função afim f () bastam dois pontos (, f ( )) e (, f ( )) para representá-la graficamente. Naturalmente, podemos tomar uma seqüência de pontos, construindo uma tabela e enumerando infinitos valores,, 3,..., p,..., e suas respectivas imagens. É claro, porém, 3

15 Fundamentos da Matemática II que segundo o resultado acima, todos estes, não importa quais deles tomemos, estarão sobre a mesma reta. Uma dica = a + b Lembre-se do que já dissemos sobre o coeficiente linear b: ele indica o valor da função f () avaliado em = 0. ( 0,b) Isto equivale a dizer que o gráfico de f () = a + b passa pelo ponto (0, b). a b (, ) Queremos, agora, chamar a atenção para o inverso deste processo; isto é, dado um gráfico - neste caso, uma reta no plano - o nosso trabalho será obter a função afim correspondente. Isto tem numerosas e interessantes aplicações. O eemplo seguinte ilustra este fato. Sabe-se, com base em observações, que o peso de uma criança, na faia de zero a seis meses, varia linearmente, isto é, o gráfico da função peso P(t) é uma reta. Suponha que aos dois e aos cinco meses a criança apresenta o quadro ao lado: Mês Peso g g P (peso em gramas) P saber, Note que isto corresponde a dois pontos no plano, a P (, 4.450) e P (5, 6.700) P 3 5 t (meses) Se uma reta é bem determinada por dois de seus pontos, obviamente, deve ser possível, com os dados que temos, P e P, obter a epressão f (t) = at + b, que representa a função. Observe como podemos fazê-lo. Da seguinte identificação = f (t) = at + b, escrevemos: = a + b = a 5 + b resultando no seguinte sistema de equações: a + b = a + b = Observe que os valores a determinar, desta vez, são os coeficientes angular e linear da função. Ao resolvêlo, você terá obtido a epressão que fornece o peso ideal duma criança, em função de sua idade t e seu peso ao nascer, que é: f (t) = 750t Há, de fato, inúmeras outras situações que podem ser modeladas em termos de funções afins. Aliás, todo e qualquer evento que apresente variação uniforme em função do tempo ou de qualquer outro 4

16 parâmetro pode ser epresso mediante uma epressão do tipo f () = a + b. Veremos mais outras aplicações oportunamente. Até agora recapitulamos a definição de função afim. Vimos as implicações de seus coeficientes angular e linear sobre o valor inicial da função, bem como seu crescimento e decrescimento. Consideramos algumas situações que envolvem modelagem matemática em termos destas funções e, por fim, relembramos interessantes aspectos sobre como representá-la graficamente e, reciprocamente, como obter sua epressão a partir de seu gráfico. Naturalmente, não esgotamos todo este tópico. Mas esta introdução ao assunto deve servir como um bom ponto de partida para aplicações e conceitos adicionais.. Sinal de uma Função Afim Nos parágrafos anteriores, eaminamos o gráfico de uma função afim. Deste eame, obtemos informações importantes sobre o seu sinal, isto é, quanto aos intervalos em que a função é positiva, negativa ou nula. Em primeiro lugar, vimos que a raiz de uma função do primeiro grau f () = a + b, que corresponde ao valor de que anula a função, é dado pela solução da equação a + b = 0, e corresponde a: = b a. Para qualquer diferente deste valor, temos que a função ou é positiva ou é negativa, conforme o crescimento ou decrescimento da função. Considere o eemplo a seguir, em que temos uma função crescente. Seja f () = 6 uma função cuja raiz é, evidentemente, = 3. Seu gráfico eibimos ao lado. Note como, para valores maiores do que = 3, o gráfico da função se encontra acima do eio-, portanto, a função é positiva. Reciprocamente, para valores menores que 3, a função é negativa O gráfico ao lado representa desta vez, uma função decrescente: f () = +6; note como isto afeta a distribuição de sinais da função. 3 Temos que, para valores maiores do que 3 a função é, desta vez, negativa. Isto naturalmente decorre de esta ser uma função decrescente. 5

17 Fundamentos da Matemática II O estudo do sinal de uma função afim de modo algum eige sua representação gráfica. O conhecimento da raiz da função, e do efeito do sinal do coeficiente angular sobre seu crescimento ou decrescimento é o bastante. Applet JAVA AVA Consulte o AVA para visualizar e manipular, num Applet Java, o gráfico de uma função afim..3 A Inversa da Função Afim No Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) de Fundamentos de Matemática I, no capítulo sobre funções, vimos um fato fundamental sobre funções bijetoras: elas, e apenas elas, possuem inversa. Conforme deve lembrar, funções bijetoras são aquelas que estabelecem uma correspondência biunívoca entre seu domínio e seu contra-domínio. uma função afim, desde que, naturalmente, não seja constante. Observe como é este o caso de O modo como obtemos a inversa de uma função afim = f () pode ser descrito como a seguir. Seja = a + b. Desejamos, em primeiro lugar, escrever em função de. Isto corresponde a isolar a variável no primeiro membro, e pode ser feito assim: a + b = a = b = b = a a b a. Obtivemos, aqui, uma nova função () dada pela epressão: () = a b a. Não é comum escrever como função de. É meramente uma questão de costume entre nós. Portanto, uma vez obtida a inversa de uma função, intercambiamos as variáveis e, de modo a termos como função de, como se costuma escrever. Assim, escrevemos a inversa em sua forma final: () = a b a. Evidentemente, não convém decorar esta epressão. Ao contrário, em cada caso, basta que se façam as manipulações algébricas necessárias, como ilustramos abaio: Seja a função f () = + 4. Para obter sua inversa, isolamos a variável, no primeiro membro, assim: + 4 = = 4 = 4. donde 6 =.

18 Efetuando, por fim, a substituição sugerida, obtém-se: que é a função inversa desejada. =,.4 Apêndice : Modelagem Matemática Consideremos o caso das operadoras de telefonia, proposto inicialmente em nosso roteiro. Naquele eemplo, ambas as operadoras cobram um valor inicial pela aquisição do aparelho, de R$ 430, 00 (Telemar) e R$ 690, 00 (Embratel). O montante pago, no decorrer do contrato é, evidentemente, uma função do tempo de assinatura. E, no caso das duas operadoras, varia conforme a tabela a seguir, onde indicamos os valores até o terceiro mês; observe que, em cada coluna, na segunda linha, o valor indicado entre parênteses corresponde precisamente ao que foi pago no mês precedente. Observe também o modo como agrupamos e reescrevemos estes valores, na terceira linha. Queremos, com isso, tornar evidente a epressão genérica que indica o valor da função Montante num tempo t qualquer. TELEMAR Compra do aparelho mês mês 3 mês ( ) + 70 ( ) Pare um pouco e pense em como completaria a tabela com os valores do 4 e do 5 mês. Qual seria o valor obtido para o mês? Se você percebeu que, em cada mês, há um valor fio (430), se observou que o valor da assinatura mensal (70) é, em cada mês, multiplicado pelo correspondente tempo de assinatura t e, por fim, se notou como esses valores são somados para se obter o montante respectivo, concordará com a epressão que obtivemos para a nossa função: f (t) = 70t Faremos o mesmo para a operadora Embratel. Observe cuidadosamente a tabela e compare as duas epressões obtidas. EMBRATEL Compra do aparelho mês mês 3 mês ( ) + 50 ( ) f (t) = 50t Apêndice : Crescimento e Decrescimento Em nosso roteiro, comparamos as duas epressões: f (t) = 70t e f (t) = 50t

19 Fundamentos da Matemática II e afirmamos que a velocidade ou taa de crescimento ou decrescimento da primeira, em função do tempo, é maior. Embora pareça evidente, vamos, inicialmente, ilustrar este fato de um modo bem simples. Considere a tabela abaio, em que registramos os valores correspondentes à primeira e à segunda epressão. f (t) = 70t t = 0 t = t = t = 3 t = f (t) = 50t t = 0 t = t = t = 3 t = Comparando mês a mês os valores calculados em cada epressão, vemos, conforme ilustrado na tabela ao lado, que a sua diferença aumenta em função do tempo. Isto parece confirmar a nossa suposição de que o coeficiente angular é o que determina a taa ou, noutras palavras, o modo de crescimento ou decrescimento de uma função afim. Nos casos que eaminamos aqui, em que o coeficiente angular é positivo, ambas as funções são crescentes. t f (t) f (t) Agora é a sua vez! Preencha numa tabela seguinte, os valores correspondentes à função, f (t) = 50t + 430, em que mantivemos o coeficiente linear, mas tornamos o coeficiente angular negativo. Por fim, eperimente representar as três funções que eaminamos aqui num mesmo sistema de coordenadas. Em resumo, os dados e informações obtidos ilustram e confirmam um resultado que vimos diversas vezes no ensino médio: enquanto o coeficiente linear b, numa função afim f () = a + b, indica o valor inicial da função, avaliado em = 0, o coeficiente angular determina o seu crescimento ou decrescimento, isto é, a função será crescente, decrescente ou constante conforme a seja positivo, negativo ou nulo, respectivamente..6 Eercícios Propostos.9. Construir, num mesmo sistema cartesiano, os gráficos das funções f, g, h, p : R R dadas por: f () =, g() = 4, h() = e p() =..0. Construir, num mesmo sistema cartesiano, os gráficos das funções f, g, h, p : R R dadas por: f () =, g() = 4, h() = e p() =... Construir o gráfico cartesiano das funções de R em R dadas por: (a) = (b) = + (c) = 3 + (d) = 3 (e) = 3 4 (f) = + (g) = + 3 (h) = Resolver analítica e graficamente os sistemas de equações: 8

20 (a) + = 5 = = 4 (b)3 + 3 = 4 (c) 5 = = 0 (d)4 + 5 = = 4 (e) + = + 4 = 3 (f) + 5 = 0 3 = 0.3. Obter a equação da reta que passa pelos pontos (a) (, ) e (3, ) (b) (, 3) e (3, 5) (c) (, ) e (, ) (d) (3, ) e (, 3).4. Obter a equação da reta que passa pelo ponto: (a) (, 4) e tem coeficiente angular igual a 3; (b) ( 3, ) e tem coeficiente angular igual a ; (c) (, ) e tem coeficiente linear igual a 4; (d) (, 3) e tem coeficiente angular igual a..5. Especificar, para cada uma das funções abaio, se é crescente ou decrescente em R. (a) = + 5 (b) = + (c) = 3.6. Das alternativas abaio, está correta apenas: (a) Uma função constante é ao mesmo tempo crescente e decrescente; (b) Se uma função afim não é crescente, então ela é decrescente. (c) Se uma função afim não é decrescente, então ela é crescente. (d) Se o conjunto das raízes de uma função constante não é vazio, então é infinito..7. Estudar os sinais das funções, ou seja, para que valores de a função é positiva, negativa ou nula: (a) = + 3 (b) = 3 + (c) = 4 (d) = Dada a função f () = 5, é correto dizer que: (a) f não tem raiz, pois o coeficiente de é negativo; (b) Seu gráfico intersecta o eio 0 no ponto (, 0); (c) Esta função é decrescente; (d) Sua inversa é f () = Para que valores de R a função f () = 3 3 é negativa?.0. Determine m de modo que o gráfico da função f () = + 4m + 5, intercepte o eio- no ponto de abscissa 3... A unidade de um certo produto fabricado por uma indústria tem custo unitário de R$, 00 e sua produção tem um custo fio de R$ 300, 00, devido a taas de transporte. Qual o custo de 00 unidades desse produto?.. Construa o gráfico da função: f () = 3 +, se, se <.3. Paulo resolveu montar uma fábrica de bolsas. Calculou que teria uma despesa de R$ 4.000, 00 com aluguel, manutenção, máquinas, etc., e que o preço de custo de cada bolsa seria R$ 00, 00. Resolveu, então, fiar o preço em R$ 50, 00, para a venda de cada bolsa. Determine: (a) O menor número de bolsas que Paulo deve fabricar para não ter prejuízo 9

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1 APOSTILA 015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 015 1 Sumário 1.Conjuntos...5 1.1 Representação de conjuntos...5 1. Operações com conjuntos...6 1. Propriedades

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 008/ . CONCEITO DE FUNÇÃO As funções são as melhores ferramentas para descrever

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

FUNDAMENTOS MATEMÁTICA. 1 a Edição - 2008

FUNDAMENTOS MATEMÁTICA. 1 a Edição - 2008 FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA 1 a Edição - 8 SOMESB SOCIEDADE MANTENEDORA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA BAHIA S/C LTDA. GERVÁSIO MENESES DE OLIVEIRA PRESIDENTE SAMUEL SOARES SUPERINTENDENTE ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

Matriz de Referência de Matemática da 3ª série do Ensino Médio Comentários sobre os Temas e seus Descritores Exemplos de Itens

Matriz de Referência de Matemática da 3ª série do Ensino Médio Comentários sobre os Temas e seus Descritores Exemplos de Itens Matriz de Referência de Matemática da 3ª série do Ensino Médio Comentários sobre os Temas e seus Descritores Eemplos de Itens TEMA III NÚMEROS E OPERAÇÕES/ÁLGEBRA E FUNÇÕES Nesse tema abordam-se essencialmente

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Apontamentos: Curso de Conhecimentos Básicos de Matemática Cursos do Departamento de Gestão Maria Cristina

Leia mais

UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE 1º E 2º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA

UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE 1º E 2º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA ISSN 794 UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE º E º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA Valeria Ap. Martins Ferreira, Viviane Carla Fortulan Mestre em Ciências pela Universidade de São Paulo- USP. Professora da Faculdade de

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA 1 a Edição - 2007 SOMESB SOCIEDADE MANTENEDORA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA BAHIA S/C LTDA. GERVÁSIO MENESES DE OLIVEIRA PRESIDENTE WILLIAM OLIVEIRA VICE-PRESIDENTE SAMUEL SOARES SUPERINTENDENTE

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

Guião Revisões: Funções ESA-IPVC. Funções

Guião Revisões: Funções ESA-IPVC. Funções GUIÃO REVISÕES Funções Conceito de função Quatro amigos decidiram apostar no totoloto, tendo cada um deles preenchido o seu boletim da seguinte forma: Boletim do Hugo Boletim do João Jogos Apostas Jogos

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA FUNÇÃO DO 1º GRAU PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU DEFINIÇÃO Chama-se função do 1. grau toda função definida de por f() = a b com a, b e a 0.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 0/ SUMÁRIO. FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL..... CONCEITO..... ZEROS DE UMA

Leia mais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais PARTE 3 FUNÇÕES REAIS DE VÁRIAS VARIÁVEIS REAIS 3. Funções Reais de Várias Variáveis Reais Vamos agora tratar do segundo caso particular de funções vetoriais de várias variáveis reais, F : Dom(F) R n R

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO (Tóp. Teto Complementar) PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 1 PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO Este teto estuda um grupo de problemas, conhecido como problemas de otimização, em tais problemas, quando possuem soluções, é

Leia mais

Função Afim Função do 1º Grau

Função Afim Função do 1º Grau Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Função Afim 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 4 1º Bimestre/01 Aluno(: Número: Turma: Função Afim Função do

Leia mais

FUNÇÕES DE 1º GRAU. 02) Determine f(x) cujo gráfico está ilustrado abaixo. Uma função de 1º grau é caracterizada pela seguinte lei: Observações:

FUNÇÕES DE 1º GRAU. 02) Determine f(x) cujo gráfico está ilustrado abaixo. Uma função de 1º grau é caracterizada pela seguinte lei: Observações: 1 FUNÇÕES DE 1º GRAU 0) Determine f() cujo gráfico está ilustrado abaio. Uma função de 1º grau é caracterizada pela seguinte lei: Observações: 1) O fator a determina o crescimento da função: se y 1, então

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função polinomial do 1 o grau

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função polinomial do 1 o grau Resolução das atividades complementares Matemática M5 Função polinomial do o grau p. 8 O perímetro p de um quadrado é função linear de seu lado. Qual a sentença que define essa função? p 5 O perímetro

Leia mais

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1 Prof. William Mascia Resende Engenharia Elétrica ITAJUBÁ 2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ Curso: Engenharia

Leia mais

UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Matrizes e Sistemas de Equações Apresentação Lineares UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Descrever e comentar possibilidades

Leia mais

Não importa com quem estejamos, sempre pensamos algo parecido com:

Não importa com quem estejamos, sempre pensamos algo parecido com: 0 76 MENSAGEM FINAL Não importa com quem estejamos, sempre pensamos algo parecido com: Eu sou mais forte do que ele, Eu sou mais bonita do que ela, Eu sou mais inteligente, Eu sou mais rico, Sou melhor

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I

MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I Acadêmico(a): Turma: 9/ Capítulo : Funções Cálculo I. ANÁLISE GRÁFICA DAS FUNÇÕES.. EXERCÍCIOS Abaio estão representadas graficamente algumas funções. Analise cada uma dessas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

3.400 17. ( ) 100 3400 6000, L x x. L x x x. (17) 34 60 Lx ( ) 17 34 17 60 L(17) 289 578 60 L(17) 289 638 L(17) 349 40 40 70.40 40 1.

3.400 17. ( ) 100 3400 6000, L x x. L x x x. (17) 34 60 Lx ( ) 17 34 17 60 L(17) 289 578 60 L(17) 289 638 L(17) 349 40 40 70.40 40 1. REDE ISAAC NEWTON ENSINO MÉDIO 3º ANO PROFESSOR(A):LUCIANO IEIRA DATA: / / TURMA: ALUNO(A): Nº: UNIDADE: ( ) Riacho Fundo ( ) Taguatinga Sul EXERCÍCIOS DE REISÃO - AALIAÇÃO ESPECÍFICA 3º TRIMESTRE 01 MATEMÁTICA

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC DO VESTIBULR 0 D UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. Em de outubro de 0, Feli Baumgartner uebrou o recorde de velocidade em ueda livre. O salto foi monitorado oficialmente

Leia mais

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista º Bimestre/0 Aluno(a): Número: Turma: ) Na função f : R R, com f()

Leia mais

1. UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS

1. UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS . UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS.. INTRODUÇÃO Os logaritmos foram inventados, no começo do século XVII, como um instrumento para facilitar e simplificar o cálculo aritmético, permitindo que se efetuassem,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Analítica: ircunferência p. (Uneb-A) A condição para que a equação 6 m 9 represente uma circunferência é: a), m, ou, m, c) < m < e), m, ou,

Leia mais

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação . Isolar os zeros da função f ( )= 9 +. Resolução: Pode-se construir uma tabela de valores para f ( ) e analisar os sinais: 0 f ( ) + + + + + Como f ( ) f ( ) < 0, f ( 0 ) f ( ) < 0 e f ( ) f ( ) < 0,

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES

MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES Prof. ANTONIO ROBERTO GONÇALVES Aprendizagem de Conceitos Se você precisa encontrar o volume de um silo de milho, a distância percorrida por um carro

Leia mais

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Funções e Aplicações Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Maio de 2011 Índice 1 - Conjuntos Numéricos... 4 Intervalos... 5 Intervalos finitos... 5 Intervalos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B).

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B). Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo : Funções.- Definições Sejam A e B dois conjuntos não vazios. Uma função f de

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Gustavo Sousa Pavani Universidade Federal do ABC (UFABC) 3º Trimestre - 2009 Aulas 1 e 2 Sobre o curso Bibliografia: James Stewart, Cálculo, volume I,

Leia mais

1º Unidade. Capítulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Conjuntos 3. Função 13. Função Afim e Sistema 23. Função Quadrática 33

1º Unidade. Capítulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Conjuntos 3. Função 13. Função Afim e Sistema 23. Função Quadrática 33 º Unidade Capítulo I Conjuntos Capítulo II Função Capítulo III Função Afim e Sistema Capítulo IV Função Quadrática Capítulo V Função Eponencial 8 Questões do ENEM e Vestibulares Organização: Apoio: Capítulo

Leia mais

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Questão Concurso 00 Seja ABC um triângulo com lados AB 5, AC e BC 8. Seja P um ponto sobre o lado AC, tal que

Leia mais

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Fundamentos da Matemática Fernando Torres Números Complexos Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Sumário 1. História...3 2.Introdução...4 3. A origem de i ao quadrado igual a -1...7 4. Adição, subtração,

Leia mais

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma.

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma. 2ª Fase Matemática Introdução A prova de matemática da segunda fase é constituída de 12 questões, geralmente apresentadas em ordem crescente de dificuldade. As primeiras questões procuram avaliar habilidades

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função Polinomial

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função Polinomial Resolução das atividades complementares Matemática M Função Polinomial p. 6 (UFRJ) Uma operadora de celular oferece dois planos no sistema pós-pago. No plano A, paga-se uma assinatura de R$, e cada minuto

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Método Simple.. Solução eata para os modelos de Programação Linear O modelo de Programação Linear (PL) reduz um sistema real a um conjunto

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL FERREIRA, Eliézer Pires Universidade Estadual de Goiás - UnU Iporá eliezer_3d@hotmail.com SOUZA, Uender Barbosa de Universidade Estadual

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

Í N D I C E Introdução Função Constante... 01 Função Linear... 02

Í N D I C E Introdução Função Constante... 01 Função Linear... 02 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL Conhecendo a teoria III Curso: Pós-graduação / MBA Campus Virtual Cruzeiro do Sul - 009 Professor Responsável: Carlos Henrique de Jesus Costa Professores Conteudistas: Carlos

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013)

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) I N T E G R A L ac C Á L C U L O Prof. ADRIANO CATTAI 03 Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) NOME: DATA: / / Não há ciência que fale das harmonias da natureza

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto Erros Nenhum resultado obtido através de cálculos eletrônicos ou métodos numéricos tem valor se não tivermos conhecimento e controle sobre os possíveis erros envolvidos no processo. A análise dos resultados

Leia mais

MATERIAL MATEMÁTICA I

MATERIAL MATEMÁTICA I MATERIAL DE MATEMÁTICA I CAPÍTULO I REVISÃO Curso: Administração 1 1. Revisão 1.1 Potência de Epoente Inteiro Seja a um número real e m e n números inteiros positivos. Podemos observar as seguintes propriedades

Leia mais

Gráfico: O gráfico de uma função quadrática é uma parábola. Exemplos: 1) f(x) = x 2 + x -3-2 -1-1/2 1 3/2 2. 2) y = -x 2 + 1 -3-2 -1

Gráfico: O gráfico de uma função quadrática é uma parábola. Exemplos: 1) f(x) = x 2 + x -3-2 -1-1/2 1 3/2 2. 2) y = -x 2 + 1 -3-2 -1 Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 1º semestre 2015 Profa Olga Função Quadrática Uma função f : R R chama-se função quadrática quando existem números reais a, b e c, com a 0, tais que f(x) = ax 2 + bx

Leia mais

1 C. Logo, A B = {c} e P(A B) = {Ø, {c}}

1 C. Logo, A B = {c} e P(A B) = {Ø, {c}} MATEMÁTICA NOTAÇÕES = {,,,,...} : conjunto dos números reais : conjunto dos números compleos [a, b] = { ; a b} (a, + ) = ]a, + [ = { ; a < < + } A\B = { A; B} A C : complementar do conjunto A i: unidade

Leia mais

Estudo do Sinal de uma Função

Estudo do Sinal de uma Função Capítulo 1 Estudo do Sinal de uma Função 11 Introdução Neste Capítulo discutimos o problema do estudo do sinal de uma função, assunto muitas vezes tratado de forma rápida e supercial nos ensinos básico

Leia mais

Máximos e mínimos. Problemas de máximos e mínimos estão presentes. Nossa aula

Máximos e mínimos. Problemas de máximos e mínimos estão presentes. Nossa aula A UA UL LA Máimos e mínimos Introdução Problemas de máimos e mínimos estão presentes em quase todas as atividades do mundo moderno. Por eemplo, você pode imaginar como um carteiro distribui a correspondência?

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIA DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: MATEMÁTICA I SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:.

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

PROVA OBJETIVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA OBJETIVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA OBJETIVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 0 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouveia. O PIB per capita de um país, em determinado ano, é o PIB daquele ano dividido pelo número de habitantes.

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO 6 o ANO MATEMÁTICA I Adição e subtração de frações: Frações com denominadores iguais. Frações com denominadores diferentes. Multiplicação de um número natural por uma fração. Divisão entre um número natural

Leia mais

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Definição Chama-se função polinomial do 1º grau, ou função afim, a qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f(x) = ax + b, onde a e b são números reais dados

Leia mais

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 01 É toda função do tipo f(x)=ax 2 +bx+c, onde a, b e c são constantes reais com a 0. Ou, simplesmente, uma função polinomial de grau

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

11. Problemas de Otimização

11. Problemas de Otimização 11. Problemas de Otimização Nesta seção veremos vários eemplos de problemas cujas soluções eigem a determinação de valores máimos e/ou mínimos absolutos das funções que os representam. São chamados de

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M4 Funções

Matemática. Resolução das atividades complementares. M4 Funções Resolução das atividades complementares Matemática M Funções p. Responda às questões e, tomando por base o teto abaio: (Unama-PA) O ATAQUE DOS ALIENS Caramujos africanos, medindo centímetros de comprimento

Leia mais

MATEMÁTICA TIPO C. 01. A função tem como domínio e contradomínio o conjunto dos números reais e é definida por ( ). Analise a

MATEMÁTICA TIPO C. 01. A função tem como domínio e contradomínio o conjunto dos números reais e é definida por ( ). Analise a 1 MATEMÁTICA TIPO C 01. A função tem como domínio e contradomínio o conjunto dos números reais e é definida por ( ). Analise a veracidade das afirmações seguintes sobre, cujo gráfico está esboçado a seguir.

Leia mais

PUERI DOMUS ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA. Saber fazer saber fazer + MÓDULO

PUERI DOMUS ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA. Saber fazer saber fazer + MÓDULO PUERI DOMUS ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA Saber fazer saber fazer + MÓDULO Saber fazer Função do Primeiro Grau. (Cefet-MG) Sabendo-se que f() = a + b, que f( ) = 4 e que f() = 7, deduz-se que f(8) vale: a) 0

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web . (Pucrj 015) Sejam as funções f(x) = x 6x e g(x) = x 1. O produto dos valores inteiros de x que satisfazem a desigualdade f(x) < g(x) é: a) 8 b) 1 c) 60 d) 7 e) 10 4. (Acafe 014) O vazamento ocorrido

Leia mais

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS.0 Representação O sistema de numeração decimal é o mais usado pelo homem nos dias de hoje. O número 0 tem papel fundamental, é chamado de base do sistema. Os símbolos 0,,, 3, 4, 5,

Leia mais

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 2010/2

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 2010/2 Número de pontos Dívida ($ bilhão) 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 010/ 1. A dívida pública dos EUA (em bilhões de dólares) para alguns anos encontra-se no gráfico abaio. 400 300 00 100 000 1900 1800

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Matemática CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Prof AULA 0 - FUNÇÕES.

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS FUNÇÕES PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 FUNÇÃO IDÉIA INTUITIVA DE FUNÇÃO O conceito de função é um dos mais importantes da matemática.

Leia mais

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense [Folha 1] Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Parte 1 Versão 0.9 Parte 1 Cálculo I -A- 1 Conteúdo do curso [Folha 2] Apresentação

Leia mais

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 - Abrindo o Winplot Para abrir o Winplot.exe clique duas vezes no ícone. Abrirá a caixa: Clique (uma vez) no botão. Surgirá uma coluna: Clique no

Leia mais

O gráfico de. Freqüentemente você se depara com tabelas. Nossa aula

O gráfico de. Freqüentemente você se depara com tabelas. Nossa aula O gráfico de uma função A UUL AL A Freqüentemente você se depara com tabelas e gráficos, em jornais, revistas e empresas que tentam transmitir de forma simples fatos do dia-a-dia. Fala-se em elevação e

Leia mais

TRABALHO ELABORADO PELA PROFESSORA MÁRCIA OLIVEIRA DA SILVA GONÇALVES

TRABALHO ELABORADO PELA PROFESSORA MÁRCIA OLIVEIRA DA SILVA GONÇALVES TRABALHO ELABORADO PELA PROFESSORA MÁRCIA OLIVEIRA DA SILVA GONÇALVES RESGATE DE CONTEÚDOS DO 6º AO 9º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL E CONTEÚDOS DO º ANO DO ENSINO MÉDIO ÍNDICE CONJUNTOS -----------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

REGRA DE TRÊS Este assunto é muito útil para resolver os seguintes tipos de problemas:

REGRA DE TRÊS Este assunto é muito útil para resolver os seguintes tipos de problemas: ÁLGEBRA Nivelamento CAPÍTULO VI REGRA DE TRÊS REGRA DE TRÊS Este assunto é muito útil para resolver os seguintes tipos de problemas: 1) Num acampamento, há 48 pessoas e alimento suficiente para um mês.

Leia mais

Módulo 2 Unidade 7. Função do 2 grau. Para início de conversa... Imagine você sentado. em um ônibus, indo. para a escola, jogando uma

Módulo 2 Unidade 7. Função do 2 grau. Para início de conversa... Imagine você sentado. em um ônibus, indo. para a escola, jogando uma Módulo 2 Unidade 7 Função do 2 grau Para início de conversa... Imagine você sentado em um ônibus, indo para a escola, jogando uma caneta para cima e pegando de volta na mão. Embora para você a caneta só

Leia mais