Cód 01 Clínico Geral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cód 01 Clínico Geral"

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS CONCURSO PÚBLICO EDITAL 01/2008 Cód 01 Clínico Geral 1. A Norma Operacional da Assistência à Saúde (NOAS SUS 01/2001) estabelece o processo de regionalização da assistência de média e alta complexidade, no âmbito do SUS, como estratégia para a otimização de recursos e garantia de acesso. Uma das características desse processo é: A) a atuação do gestor municipal como único mediador e coordenador da organização da oferta. B) o uso da noção de territorialidade na identificação das prioridades de intervenção. C) a atividade normativa clássica com valorização do papel do administrador em âmbito federal. D) a supremacia do poder decisório do governo federal na definição das prioridades. 2. Segundo a Lei Orgânica da Saúde, compete à direção estadual do SUS: A) estabelecer normas e executar a vigilância sanitária dos portos e aeroportos. B) elaborar normas para regular as relações entre o SUS e os serviços privados contratados de assistência à saúde. C) dar execução, no âmbito de cada cidade, à política de insumos e equipamentos para a saúde. D) acompanhar, controlar a avaliar as redes hierarquizadas do SUS. 3. Analise as afirmativas abaixo, sobre o SUS: I. O acesso universal (princípio da universalidade) significa que ao SUS compete atender a toda população, seja através dos serviços estatais prestados pela União, Distrito Federal, estados e municípios, seja através dos serviços privados conveniados ou contratados com o poder público. II. O acesso igualitário (princípio da eqüidade) não significa que o SUS deva tratar a todos de forma igual, mas sim respeitar os direitos de cada um, segundo as suas diferenças, apoiando-se mais na convicção íntima da justiça natural do que na letra da lei. III. O SUS impõe o direito de cidadania que deve ser exercido, institucionalmente, através dos Conselhos de Saúde, em cada esfera de governo federal, estadual e municipal. É (São) correta(s): A) I e III, apenas. B) I apenas. C) I, II e III. D) III apenas. 4. Quanto à responsabilidade pela remoção de um paciente de uma para outra instituição, é incorreto afirmar que: A) após o primeiro atendimento do doente na instituição para a qual foi removido, a responsabilidade passa a ser da equipe médica dessa instituição. B) a primeira providência a ser tomada é se estabelecer contato com o médico da outra instituição. C) compete ao médico que optou pela transferência a decisão sobre a necessidade de acompanhamento médico durante o percurso. D) a responsabilidade intregral pelo paciente é de quem decidiu pela transferência, até o local de destino. 5. Em relação a atestados e boletins médicos, é incorreto afirmar que: A) comunicações orais feitas por médico, em público, sobre o estado de saúde de um paciente podem ser consideradas como atestado médico. B) é vedado ao médico deixar de atestar atos executados no exercício profissional, quando solicitado pelo paciente. C) em casos de expedição de um boletim médico escrito falso, pode-se considerar que se trata de um atestado médico falso. D) um atestado em branco, assinado por médico, é considerado como atestado falso. 1

2 6. Paciente deu entrada no hospital com queixa típica de precordialgia e sudorese. Foi internado imediatamente, fez ECG que confirmou infarto diafragmático extenso. Iniciou-se medicação específica, porém faleceu 40 minutos após ser internado. Neste caso, o atestado de óbito: A) deve ser emitido pelo Serviço de Verificação de Óbito (SVO), em decorrência do reduzido tempo de permanência no hospital. B) deve ser emitido pelo médico que o atendeu, tendo como causa básica infarto agudo do miocárdio. C) deve ser emitido pelo médico que o atendeu, tendo causa básica indeterminada, em decorrência do reduzido tempo de permanência no hospital. D) deve ser emitido preferencialmente pelo SVO e, na ausência deste na localidade, pelo médico que constatou o óbito. 7. Considerando as doenças de notificação compulsória no estado de São Paulo, é considerada de notificação imediata a(o): A) tétano. B) doença meningocócia. C) febre tifóide. D) sarampo. 8. A Estratégia de Saúde da Família incorpora diversos sentidos da integralidade da atenção à saúde. Entre suas diretrizes básicas não se inclui: A) continuidade da atenção. B) articulação entre saúde pública e assistência individual. C) identificação de problemas e estímulo a intervenções federais. D) humanização, vínculo e responsabilização. 9. Analise os itens abaixo: Paciente feminina vítima de violência sexual com penetração terá direito a: I. contracepção de emergência. II. coquetel anti-hiv. III. abortamento legal em caso de gravidez. É(São) correto(s): A) I, II e III. B) II apenas. C) I apenas. D) I e II, apenas. 10. A Educação em Saúde: A) é o mesmo que informação em saúde. B) procura desencadear mudanças de comportamento individual. C) é a abordagem biomédica de intervenção social no cenário da saúde pública. D) é o mesmo que promoção em saúde. 11. O olho vermelho é um sinal que esconde um grande número de enfermidades oculares. Entre as grandes ameaças à visão associadas ao olho vermelho, estão o glaucoma agudo, a iridociclite e a ceratite, que têm como manifestação comum: A) prurido ocular. B) cefaléia. C) dor ocular. D) hemorragia conjuntival. 12. O diagnóstico mais provável da ocorrência de lesões eritêmato-edematosas, em placas, pruriginosas, dispersas pelo tegumento, de duração efêmera e recidivantes é: A) eritema multiforme. B) urticária. C) escabiose. D) prurigo agudo. 2

3 13. A manifestação clínica mais freqüente da sífilis secundária é: A) linfadenopatia. B) condiloma sifilítico. C) alopécia. D) exantema. 14. Entre as localizações onde ocorrem comumente as lesões da monilíase cutânea, não se inclui(em): A) virilhas. B) axilas. C) região cervical. D) região submamária. 15. Em relação às alergias às drogas, é falso afirmar que: A) betalactâmicos são as drogas mais comumente envolvidas em reações de hipersensibilidade imediata drogainduzida. B) a significância da história clínica de alergia a penicilina pode ser avaliada por testes cutâneos. C) a maior parte dos pacientes que relatam serem portadores de alergia às penicilinas irão apresentar reações após o seu uso. D) paciente asmático tem particular maior risco de reação alérgica à aspirina. 16. Paciente de 35 anos, trabalhador rural, refere picada na perna quando se dirigia ao trabalho pelo matagal. O acidente aconteceu por volta das 5:00h, estando ainda escuro, impossibilitando o paciente de identificar o agente causador. Foi socorrido e levado a hospital local cerca de cinco horas após o evento. O local da picada estava dolorido, com pequeno edema e parestesia em torno da lesão. Apresentava náuseas, vômitos, salivação excessiva, ptose, diplopia e dilatação pupilar. O caso acima se refere provavelmente a acidente: A) por cobra-coral. B) crotálico. C) por escorpião. D) botrópico. 17. Após a administração venosa de digitálico para um paciente com fibrilação atrial, a freqüência cardíaca torna-se regular e de 44 batimentos por minuto. O mecanismo mais provável é: A) desenvolvimento de bloqueio átrio-ventricular total. B) desenvolvimento de taquicardia ventricular. C) conversão para flutter atrial. D) restabelecimento do ritmo sinusal. 18. Paciente masculino de 35 anos refere que seu coração está disparado desde há 1 hora, o que se acompanha de discreto mal estar. Refere episódios semelhantes, com menor intensidade, em três ocasiões anteriores, com regressão espontânea. Ao exame clínico observa-se freqüência cardíaca de 170 bpm, Pressão arterial de 120 x 70 mmhg, sem outras anormalidades. Ao ECG observam-se complexos QRS estreitos, bem definidos, regulares e semelhantes entre si. Seu diagnóstico e conduta inicial seriam A) taquicardia sinusal, repouso e observação. B) taquicardia paroxística supraventricular, manobra vagal. C) fibrilação atrial, digital intravenoso. D) taquicardia sinusal, manobra vagal. 19. No tromboembolismo pulmonar (TEP) podemos afirmar que: A) hemoptise ocorre na maioria dos pacientes. B) a ausência de trombose em membros inferiores afasta a suspeita clínica de TEP. C) a radiografia de tórax freqüentemente é normal. D) a dispnéia e a apreensão, de origem súbita, são os sintomas mais comuns. 20. Paciente de 14 anos, feminina, apresenta há quatro dias dor e queimação à micção. Ao exame de urina tipo I observa-se leucocitúria intensa, bacteriúria discreta e teste do nitrito positivo. Após coleta de material para cultura de urina deve-se: A) medicar com analgésicos de vias urinárias e aguardar resultado da cultura. B) iniciar tratamento com norfloxacina. C) iniciar tratamento com sulfametoxazol-trimetropim. D) iniciar tratamento com cloranfenicol. 3

4 21. A helmintíase mais prevalente no Brasil é a: A) ascaríase. B) ancilostomíase. C) estrongiloidíase. D) enterobíase. 22. Com relação à conduta na síndromes isquêmicas miocárdicas instáveis de risco intermediário e alto, sem supradesnivelamento do segmento ST, é incorreto afirmar que: A) embora não empregados rotineiramente, na angina instável, os inibidores da enzima de conversão da angiotensina têm sua indicação reconhecida no controle da hipertensão arterial sistêmica e da disfunção ventricular esquerda. B) a terapia com betabloquedores deve ser restrita aos casos com freqüência cardíaca maior que 90 bpm. C) parece inquestionável, à luz das evidências, que as heparinas fracionadas empregadas por tempo curto (até cerca de sete dias), associam-se a efeitos benéficos. D) a nifedipina não deve ser indicada, pois seu uso têm se associado a efeitos adversos graves. 23. São critérios de reperfusão miocárdica pós-terapia trombolítica, a ocorrência de: A) redução do supradesnivelamento de ST > 50%) + pico enzimático tardio. B) aumento da dor + pico enzimático precoce. C) redução ou desaparecimento da dor + arritmias. D) hipotensão + arritmias. 24. Considerando os dados epidemiológicos nacionais sobre doenças cardiovasculares, é incorreto afirmar que: A) a mortalidade por doenças cardiovasculares aumentou significativamente entre 1980 e B) estima-se que as doenças cardiovasculares sejam responsáveis por cerca de 30% dos óbitos no Brasil. C) a hipertensão arterial pode ser responsabilizada por cerca de 25% das mortes por doença coronariana. D) a taxa de prevalência da hipertensão arterial na população urbana brasileira varia entre 22 e 44%. 25. Em relação ao uso de diuréticos no tratamento da insuficiência cardíaca, é incorreto afirmar que: A) a espironolcatona não deve ser uma das drogas a serem prescritas. B) são medicamentos indispensáveis para a compensação dos pacientes. C) a prescrição de tiazídicos pode manter o paciente compensado por mais tempo que aqueles que recebem diuréticos de alça. D) hipotensão, hiperuricemia e câimbras são efeitos colaterais previsíveis. 26. O achado da dor torácica que se associa à elevada probabilidade de o paciente apresentar isquemia miocárdica é: A) irradiação da dor para a fronte. B) irradiação da dor para os dentes. C) alívio da dor em segundos após o decúbito. D) dor sub-esternal aguda irradiando-se para o dorso. 27. No Serviço que você trabalha encontram-se em falta as medicações nitroprussiato de sódio e nifedipina. Você atende uma paciente do sexo feminino, com 48 anos, hipertensa crônica, com sensação de mal-estar e observa ao exame clínico pressão arterial de 190 x 130 mmhg, que se mantém em repetidas medidas. A paciente não se lembra de quais medicações faz uso. Não há outros dados relevantes ao exame físico. Para esse caso você indicaria: A) furosemida por via venosa. B) nitroglicerina por via venosa. C) metoprolol por via venosa. D) captopril por via oral. 28. As classes de anti-hipertensivos em uso em nosso meio são: diuréticos, inibidores adrenérgicos, vasodilatadores diretos, iniobidores da enzima conversora da angiotensina (IECA), bloqueadores dos canais de cálcio e antagonistas do receptor AT 1 da angiotensina II. Em relação à monoterapia inicial da hipertensão arterial, é incorreto afirmar que: A) qualquer das classes de medicamentos, com exceção dos vasodilatadores diretos, pode ser apropriada para o controle da PA. B) é eficaz em cerca de 40-50% dos casos. C) os bloqueadores dos canais de cálcio são a primeira opção na hipertensão arterial associada à doença coronariana. D) os betabloqueadores são a primeira opção na hipertensão arterial associada ao tremor essencial. 4

5 29. Em relação às medidas terapêuticas na fase aguda do AVC, é falso afirmar que: A) níveis pressóricos acima de 160 x 100 mmhg devem ser sempre tratados, sendo o nitroprussiato de sódio a drogas de eleição. B) nos pacientes com hemorragia intracerebral, deve-se evitar que a PA sistólica ultrapasse 180 mmhg e que a PA diastólica supere 105 mmhg. C) há relativo consenso de que hiperglicemia (glicemia > 120 mg/dl) é deletéria na fase aguda do AVC, independentemente da idade do paciente ou da extensão e tipo do AVC (isquêmico ou hemorrágico). D) a hiperventilação é uma conduta de emergência efetiva e recomendada no controle de pacientes cujas condições estejam deteriorando secundariamente à hipertensão intracraniana aguda. 30. Você é acionado para avaliar um paciente que há três horas apresentou episódio de hematêmese, observado pela enfermeira de plantão. O paciente foi submetido a passagem de sonda nasogástrica e medicado com cimetidina por sonda, segundo orientação médica, transmitida por telefone. Ao exame clínico acha-se normotenso, com freqüência cardíaca normal e se observa apenas líquido escuro na bolsa coletora. A melhor conduta é: A) prescrever ranitidina em bolus. B) prescrever esomeprazol em infusão. C) indicar lavagem gástrica com soro gelado. D) indicar endoscopia digestiva de urgência. 31. Acerca do tratamento da insuficiência cardíaca, analise as afirmativas abaixo, e assinale V (verdadeiro) ou F (falso). ( ) Recomenda-se o tratamento profilático com vacina contra a gripe (anual) e pneumonia (a cada três anos) nos pacientes com IC avançada. ( ) Atualmente, o repouso de longa duração no leito, como recomendado há décadas, não é mais indicado, a não ser nos casos de IC grave. ( ) Uma dieta com 2 g/dia de cloreto de sódio é indicada para a maioria dos pacientes não devendo ser restrita aos casos mais graves. ( ) A ingestão de líquidos é liberada de acordo com as necessidades do paciente, devendo, no entanto, ser evitado o excesso ou a escassez. A seqüência correta, de cima para baixo, é: A) V, V, V, V. B) V, F, V, F. C) V, V, F, V. D) F, F, F. F. 32. Acerca do tratamento medicamentoso da insuficiência cardíaca (IC), analise as frases abaixo, e assinale V (verdadeiro) ou F (falso). ( ) Os inibidores da ECA constituem o grupo de fármacos de maior importância comprovada em favorecer a evolução de pacientes com IC, tanto em relação à morbidade, como à mortalidade. ( ) Verapamil, diltiazem e di-hidropiridínicos de primeira geração devem ser empregados com cautela em presença de disfunção ventricular esquerda sistólica e contra-indicados em presença de IC manifesta. ( ) A amiodarona reduz o nível sérico do digital. ( ) Numerosos ensaios clínicos controlados, realizados com diversos betabloqueadores, em pacientes com IC crônica, mostraram que esses fármacos melhoram os sintomas, a função ventricular esquerda, aumentam a fração de ejeção a capacidade funcional. A seqüência correta, de cima para baixo, é: A) F, V, V, F. B) V, F, V, F. C) F, F. F, V. D) V, V, F, V. 33. Para o tratamento da asma persistente leve e moderada, as seguintes medidas são válidas, exceto: A) beta-2 adrenérgico de curta duração inalado quando necessário para alívio dos sintomas até 2 vezes/semana. B) corticóide inalado em baixas doses (200 a 500 mcg de beclometasona ou equivalente). C) antileucotrienos. D) corticóide oral em dose mínima. 5

6 34. No tratamento da crise aguda de asma, em adultos, o primeiro tratamento deve ser a administração de: A) doses altas e repetidas de beta-2 por via inalatória a cada minutos. B) corticóide por via venosa. C) de terbutalina por via subcutânea. D) adrenalina por via subcutânea. 35. Homem de 59 anos, 1,67 m de altura e peso corporal de 81 kg, assintomático, apresenta glicemia de jejum de 214 mg/dl. Ao exame físico observa-se pressão arterial de 140 x 95 mmhg, em várias medidas, sem outros dados relevantes. Pode-se dizer que o paciente: A) é possivelmente diabético, sendo necessária a confirmação por nova glicemia de jejum. B) é diabético. C) é possivelmente diabético, sendo necessária a confirmação por GTT. D) é diabético e hipertenso moderado. 36. No caso da questão anterior, havendo critérios para confirmação do diagnóstico de diabetes melito, você deve orientar redução do peso e modificações do estilo de vida. Se essas medidas, após dois meses de tratamento, não forem eficazes, a conduta a seguir será: A) prescrição de sulfoniluréia. B) prescrição de biguanidas. C) prescrição de insulina. D) apenas reforço na orientação e manutenção da conduta anterior. 37. Para o mesmo paciente você indicou redução do conteúdo do sal da dieta. Após dois meses de tratamento seus níveis tensionais se mantém entre 140 x 90 mmhg e 150 x 100 mmhg. Para essa condição você deve: A) prescrever inibidor da enzima conversora e ter como meta níveis pressóricos < 140 x 90 mmhg. B) prescrever inibidor da enzima conversora e ter como meta níveis pressóricos < 130 x 85 mmhg. C) prescrever diurético tiazídico e ter como meta níveis pressóricos < 140 x 95 mmhg. D) prescrever diurético tiazídico e ter como meta níveis pressóricos < 120 x 80 mmhg. 38. No tratamento da glomerulonefrite pós-estreptocócica, são corretas as seguintes medidas, exceto: A) tratamento com penicilina na fase aguda da doença. B) repouso. C) tratamento profilático das estreptococcias com penicilina até os 18 anos de idade. D) dieta hipossódica. 39. Nas pielonefrites com estado toxêmico associado, a melhor opção terapêutica é: A) ceftriaxone via venosa. B) norfloxacina via oral. C) gentamicina via venosa ou intramuscular. D) ceftazidima via venosa. 40. Paciente de 45 anos apresentou quadro de hipotensão severa após episódio de melena, tendo evoluído com oligúria por aproximadamente 8 horas após o restabelecimento da pressão arterial. Dois dias após apresentava-se em bom estado geral, com volume urinário de ml/24 horas e com exames de laboratório mostrando valores de creatinina sérica de 2,2 mg/dl. A principal hipótese para justificar a elevação da creatinina é: A) reabsorção intestinal de produtos derivados do sangramento. B) quadro de insuficiência renal aguda estabelecida pós-isquêmica. C) quadro de insuficiência renal aguda pré-renal. D) erro de laboratório. 41. Indivíduo masculino de 56 anos, sabidamente diabético há 10 anos, apresenta-se assintomático e com níveis pressóricos em torno de 140 x 80 mmhg, em uso de captopril (inibidor da enzima de conversão da angiotensina). Seus exames de laboratório mostram glicemia de jejum de 120 mg/dl, creatinina = 1,2 mg/dl; clearance de creatinina = 65 ml/min e proteinúria= g/24 horas. Em relação ao estadiamento da doença renal crônica pode-se afirmar que o paciente encontra-se no estádio: A) 3 (insuficiência renal moderada ou laboratorial). B) 2 (insuficiência renal leve ou funcional). C) 1 (lesão renal com função renal normal). D) 0 (grupo de risco para a doença renal crônica). 6

7 42. Paciente em estado de abstinência alcoólica apresenta desorientação, confusão mental e alucinações visuais. Esse quadro é mais corretamente classificado como A) alucinose alcoólica aguda. B) delirium temens incipiente. C) delirium tremens. D) abstinência simples. 43. Correlacione os tipos de distúrbio ácido-básicos (coluna da direita) com as possíveis causas (coluna da esquerda). ( ) Intoxicação por salicilatos I. Acidose metabólica com hiato aniônico normal ( ) Insuficiência renal II. Acidose metabólica com hiato aniônico elevado ( ) Cetoacidose diabética III. Alcalose metabólica ( ) Ileostomia ( ) Drenagem gástrica A seqüência correta de cima para baixo é: A) II, II, II, I, III. B) II, I, I, III, III. C) I, I, II, III, II. D) I, II, I, II, III. 44. Quando a reposição volêmica não é suficiente para normalizar a pressão arterial e a prefusão, no paciente séptico deve ser sempre iniciada a terapêutica com agentes vasopressores. Em relação a essa afirmação podemos dizer que: A) é verdadeira, porém não há nenhuma indicação para o uso de noradrenalina. B) é falsa, havendo atualmente evidências que o uso de vasopressores se associa a maior risco de óbito, nesses pacientes. C) é correta e os agentes a serem selecionados podem ser a dopamina, a noradrenalina e a dobutamina. D) é correta, porém dentre os vasopressores apenas a dopamina tem indicação justificada cientificamente. 45. Paciente sabidamente diabético, com 72 anos de idade, apresenta tosse, expectoração amarelada e calafrios há quatro dias. O paciente encontra-se em regular estado geral, orientado e acompanhado pela família. Fez uso até ontem, por três dias, de sulfametoxazol-trimetropim, por indicação de um farmacêutico (sic). Ao exame físico observa-se freqüência cardíaca de 100 bpm, temperatura de 37,8ºC, freqüência respiratória de 26 mrpm e pressão arterial de 120 x 80 mmhg. Os exames laboratoriais mostram glicemia de 230 mg/dl e os demais exames encontram-se dentro da normalidade. A radiografia torácica é compatível com pneumonia lobar na base direita. A melhor conduta seria: A) azitromicina oral em regime ambulatorial. B) ceftriaxone em regime de internação. C) ciprofoxacina em regime de internação. D) levofloxacina oral em regime ambulatorial. 46. Sobre o traumatismo torácico, podemos afirmar que: A) a indicação de laparotomia exploradora em ferimentos perfurantes de abdome é facultativa, enquanto que nos ferimentos perfurantes de tórax a indicação de toracotomia exploradora é formal. B) no afundamento torácico traumático com respiração paradoxal, a insuficiência respiratória se deve exclusivamente aos movimentos paradoxais efetuados pelas costelas fraturadas. C) em politraumatizado, com hipotensão e congestão venosa, devemos pensar na hipótese de pneumotórax hipertensivo e/ou tamponamento cardíaco. D) em pacientes jovens as fraturas costais, que levam a áreas de instabilidade torácica localizadas, devem receber o mesmo tratamento dos afundamentos torácicos extensos. 47. Em relação a uma fratura exposta considera-se que a ferida tornou-se infectada a partir de: A) seis horas. B) três horas. C) 12 horas. D) 24 horas. 7

8 48. Ao receber um paciente vítima de colisão de veículos, no pronto-socorro de um hospital de referência, com múltiplos ferimentos na face, com laceração de pálpebras e hematomas bipalpebrais bilaterais, a melhor seqüência de atendimento a ser realizada, após a avaliação inicial do politraumatizado, seria A) sutura dos ferimentos, avaliação neurocirúrgica e oftalmológica. B) avaliação neurocirúrgica, avaliação radiológica e exame oftalmológico pelo cirurgião geral, uma vez que não há necessidade de exame mais aprofundado numa situação de ferimentos cutâneos da pálpebra, seguido de sutura dos ferimentos. C) avaliação neurocirúrgica, avaliação radiológica, avaliação oftalmológica e sutura dos ferimentos. D) avaliação oftalmológica e sutura dos ferimentos. Caso haja sinais de alterações neurológicas, solicitar avaliação especializada. 49. Paciente deu entrada no pronto-socorro com dores abdominais, atraso menstrual de 10s, hipotensa, afebril, ombralgia e distensão abdominal. Ao exame ginecológico: discreto sangramento, útero aumentado uma vez de tamanho, colo impérvio, abaulamento de fundo de saco. Esse quadro sugere: A) abortamento retido. B) prenhez ectópica. C) neoplasia trofoblástica gestacional. D) abortamento incompleto. 50. Paciente, vítima de acidente automobilístico com trauma craniano, admitida no pronto-socorro torporosa, com abertura ocular ao estímulo doloroso, sem resposta verbal e resposta motora em descerebração bilateral após estímulo álgico. A sua graduação na escala de Glasgow é: A) 4. B) 6. C) 5. D) 3. 8

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina

BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda CLASSIFICAÇÃO DA DOR TORÁCICA AGUDA. - Dor anginosa típica (tipo A) - Dor provavelmente anginosa (tipo B) - Dor provavelmente não anginosa (tipo C) - Dor não anginosa (tipo D):

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Cardizem cloridrato de diltiazem

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Cardizem cloridrato de diltiazem IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd Cardizem cloridrato de diltiazem FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimido de 30 mg: embalagem com 20 e 50 comprimidos. Comprimido de 60 mg: embalagem com 20 e 50

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

ATENOL atenolol. Excipientes: laurilsulfato de sódio, estearato de magnésio, carbonato de magnésio, amido de milho e gelatina.

ATENOL atenolol. Excipientes: laurilsulfato de sódio, estearato de magnésio, carbonato de magnésio, amido de milho e gelatina. ATENOL atenolol I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ATENOL atenolol APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de ATENOL 25 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos simples de ATENOL 50 mg em embalagem com 30

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

American Heart Association. Suporte Avançado de Vida Cardiovascular. Autoavaliação escrita Pré-Curso. 7 de março de 2012

American Heart Association. Suporte Avançado de Vida Cardiovascular. Autoavaliação escrita Pré-Curso. 7 de março de 2012 A C E American Heart Association Suporte Avançado de Vida Cardiovascular Autoavaliação escrita Pré-Curso 7 de março de 2012 2012 American Heart Association Autoavaliação Pré-curso Escrito de SAVC 2012

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SOCIEDADE QUIXADAENSE DE PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA À MATERNIDADE E À INFÂNCIA HOSPITAL MATERNIDADE JESUS MARIA JOSÉ Av. Francisco Almeida Pinheiro 2268 Fone (0**88) 3412-0681 Caixa Postal 82 CEP 63.900-000

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Código 19 Médico Socorrista Clínico

Código 19 Médico Socorrista Clínico PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARUJÁ ESTADO DE SÃO PAULO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 001/2008 Código 19 Médico Socorrista Clínico O caso abaixo corresponde às questões 1, 2 e 3. Paciente feminina de 66 anos com

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

TÉCNICO TÉCNICO TÉCNICO EM ENFERMAGEM 21/MAIO/2006 TÉCNICO EM ENFERMAGEM. Nome. Assinatura CPF _. _. _-

TÉCNICO TÉCNICO TÉCNICO EM ENFERMAGEM 21/MAIO/2006 TÉCNICO EM ENFERMAGEM. Nome. Assinatura CPF _. _. _- TÉCNICO CONCURSO PÚBLICO ADMINISTRATIVO TÉCNICO EM ENFERMAGEM Reservado ao CEFET-RN 21/MAIO/2006 Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome e o número do seu CPF no espaço indicado

Leia mais

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína 1 IDENTIFICAÇÃO MEDICAMENTO DO Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg de fosfato de codeína e 500 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 52

PROVA ESPECÍFICA Cargo 52 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 52 QUESTÃO 26 Em relação à hipertensão do avental branco, marque a afirmativa INCORRETA: a) Normalmente, ocorre em pacientes do sexo feminino e em jovens. b) Apresenta risco cardiovascular

Leia mais

Solução injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Solução injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Aramin hemitartarato de metaraminol Solução injetável 10 mg/ml Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Aramin hemitartarato de metaraminol APRESENTAÇÕES: Solução

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO i) DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Sevoflurano Baxter 100%, líquido para inalação por vaporização. ii) COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves

ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves 1 Anatomia Cerebral 2 3 swallowing, breathing,heartbeat, wakefulness, brainstem, smell, speech, judgement, foresight, pain, heat, hear=deglutição,

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Sustrate. propatilnitrato. APRESENTAÇÃO Comprimido propatilnitrato 10 mg Embalagem com 50 comprimidos. VIA SUBLINGUAL USO ADULTO

Sustrate. propatilnitrato. APRESENTAÇÃO Comprimido propatilnitrato 10 mg Embalagem com 50 comprimidos. VIA SUBLINGUAL USO ADULTO Sustrate propatilnitrato APRESENTAÇÃO Comprimido propatilnitrato 10 mg Embalagem com 50 comprimidos. VIA SUBLINGUAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: propatilnitrato... 10 mg; excipientes q.s.p....

Leia mais

Aeroflux sulfato de salbutamol guaifenesina

Aeroflux sulfato de salbutamol guaifenesina sulfato de salbutamol guaifenesina Edulito Solução oral sem açúcar FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO edulito é uma solução oral aromatizada e edulcorada, mas isenta de açúcar, apresentada em frasco com

Leia mais

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Descrição do Procedimento Operacional Padrão Quando Na admissão da paciente após detecção da patologia obstétrica. Objetivo

Leia mais

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS Protocolo: Nº 81 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 06/09/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS DEFINIÇÃO: Animais peçonhentos são animais que

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, IA 1 Objetivo: Identificar, qualificar e principalmente evitar qualquer tipo

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO MEDICINA/GERIATRIA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 A surdez pode ser efeito colateral do uso de:

Leia mais

Este medicamento está sujeito a receita médica obrigatória. Composição Cada comprimido contém 5 ou 10 mg de amlodipina (sob a forma de besilato).

Este medicamento está sujeito a receita médica obrigatória. Composição Cada comprimido contém 5 ou 10 mg de amlodipina (sob a forma de besilato). PROJECTO DE FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. * Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente. * Caso tenha dúvidas consulte o seu médico

Leia mais

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS www.emergenciasclinicas.com.br HISTÓRICO DO EVENTO Em virtude da carência no ensino de urgências e emergências em algumas Faculdades de Medicina de

Leia mais

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO maleato de timolol 0,5% Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg JARDIANCE (empagliflozina) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg Jardiance empagliflozina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 10 mg ou 25

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

[129] 50. TAQUIARRITMIAS

[129] 50. TAQUIARRITMIAS [129] d. ALGORITMO DE BRADICARDIA Algoritmo de atendimento a pacientes com bradicardia. 50. TAQUIARRITMIAS a. CONSIDERAÇÕES GERAIS Frequentemente encontradas nas emergências. São definidas como ritmos

Leia mais

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir:

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir: 01 Concurso Público Menina de sete anos de idade apresentou imagem radiológica de pneumatoceles em ambos os pulmões. História pregressa de rash neonatal, atraso da dentição e fraturas recorrentes devido

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL Sulfato de Terbutalina Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,5mg/mL 1 sulfato de terbutalina Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: Sulfato de terbutalina FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

Transamin Ácido Tranexâmico

Transamin Ácido Tranexâmico Transamin Ácido Tranexâmico 250 mg Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos Bula do Paciente I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TRANSAMIN ácido tranexâmico APRESENTAÇÕES Comprimidos de 250 mg. Embalagem

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA Leia os dois casos clínicos abaixo e as perguntas que fizemos sobre eles. Mas não comece a responder ainda. Depois de analisar bem os dois casos, abra o texto Pneumonia Diretriz

Leia mais

PROVA ENFERMAGEM ASSISTENCIAL A

PROVA ENFERMAGEM ASSISTENCIAL A 1. Considerando um caso fictício foi prescrito SF 0,45% de 500mL. Porém na sua unidade há disponível somente SF 0,9% de 1000mL, frasco de água destilada de 500mL e ampola de NaCl 20% de 10mL. Como você

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

sulfato de terbutalina

sulfato de terbutalina sulfato de terbutalina União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável 0,5 mg/ml sulfato de terbutalina Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA EDEMA AGUDO DE PULMÃO Dra. CRISTINA MACHADO PIRES Enf. CYNTHIA DE AZEVEDO JORGE O GRAU DE URGÊNCIA O Edema Agudo de Pulmão é uma situação de emergência, classificada

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013)

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Rutten GEHM De Grauw WJC Nijpels G Houweling ST Van de Laar FA Bilo HJ Holleman F Burgers JS Wiersma Tj Janssen PGH

Leia mais

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio 2 Índice Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio... 3 Quantas mortes são causadas por AVC?... 3 Como dimininuir o risco de AVC?... 3 Quais as pessoas com

Leia mais

Estomanol. (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio)

Estomanol. (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio) Estomanol (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio) Laboratório Farmacêutico Vitamed Ltda Granulado Efervescente 5g ESTOMANOL Bicarbonato de sódio 2,31g + Carbonato de sódio 0,45g APRESENTAÇÕES Cartucho

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S [297] Avançar o guia através da agulha. Monitorizar o ECG, devido a risco de produção de arritmias. Remover a agulha deixando o fio guia. Empregar

Leia mais

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA O defeito

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA QUESTÃO 21 Em relação à fisiopatologia da hipertensão arterial no paciente idoso, marque a alternativa CORRETA: a) A pressão diastólica tende a ficar

Leia mais

BAMBEC cloridrato de bambuterol

BAMBEC cloridrato de bambuterol BAMBEC cloridrato de bambuterol I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BAMBEC cloridrato de bambuterol APRESENTAÇÕES Solução oral de 1 mg/ml em frasco contendo 100 ml + 1 copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Insuficiência cardíaca: Antonio Luiz Pinho Ribeiro MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde

Insuficiência cardíaca: Antonio Luiz Pinho Ribeiro MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Avaliação e manejo Antonio Luiz Pinho Ribeiro MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Importância Via comum final das cardiopatias caráter progressivo grande impacto na qualidade de vida elevadas

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

Protocolo de tratamento de influenza - 2011

Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Depois de definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a fase pós- pandêmica, a partir de agosto de 2010, o vírus da influenza pandêmica A (H1N1) 2009 continuou

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA ADULTO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA ADULTO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA ADULTO QUESTÃO 21 São causas de hipocalemia, EXCETO: a) Síndrome de Bartter. b) Acidose tubular renal do tipo II. c) Acidose tubular renal tipo

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE. Cada ml contém: levosimendana... 2,5 mg Excipientes: polividona, ácido cítrico e etanol.

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE. Cada ml contém: levosimendana... 2,5 mg Excipientes: polividona, ácido cítrico e etanol. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: SIMDAX levosimendana Formas Farmacêuticas, vias de administração e apresentações: SIMDAX (levosimendana) 2,5 mg/ml: embalagens com 1 frasco-ampola

Leia mais

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados - O que são palpitações cardíacas? A palpitação ocorre quando passamos a perceber os batimentos cardíacos ECG demonstrando batimento

Leia mais