Política de Saúde. Orçamento de Estado I 2014 Saúde e Segurança Social Para onde vamos? Ordem dos Economistas Fundação Calouste Gulbenkian

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política de Saúde. Orçamento de Estado I 2014 Saúde e Segurança Social Para onde vamos? Ordem dos Economistas Fundação Calouste Gulbenkian"

Transcrição

1 Política de Saúde Orçamento de Estado I 2014 Saúde e Segurança Social Para onde vamos? Ordem dos Economistas Fundação Calouste Gulbenkian 18 de novembro de 2013

2 Eolução da despesa pública com prestações sociais ( ) Fonte: Society at a Glance OECD Social Indicators, April 2013, OECD, Paris. 2

3 Evolução da despesa em Saúde: enquadramento internacional Fonte: Scarpetta, S., Latest Labour Market Developments and Some Policy Challenges, October 2013, OECD, Paris. 3

4 Evolução da despesa em Saúde: enquadramento internacional Fonte: Scarpetta, S., Latest Labour Market Developments and Some Policy Challenges, October 2013, OECD, Paris. 4

5 Inovação custos com a saúde (projeção) Percentagem da despesa em saúde no PIB, Portugal Média OCDE Cenário Cost-pressure assumes no stepped-up policy action spending Portugal Média OCDE Portugal Média OCDE Cost-containment assuming that policies act more strongly than in the past to rein in some of the expenditure growth Fonte: De La Maisonneuve, C. and J. Oliveira Martins, Public spending on health and long-term care: a new set of projections, OECD Economic Policy Papers, No. 06, June 2013, OECD, Paris. 5

6 Competitividade World Economic Forum 2013 Fonte: World Economic Forum

7 Mercado de trabalho Saúde e bem-estar com a melhor cotação (23.º, em 122) Fonte: Fórum Económico Mundial - Ranking do Desenvolvimento do Capital Humano

8 Discriminação positiva da saúde no OE14 Despesa do SNS e financiamento do OE (em MEUR) Financiamento adicional do SNS Fonte: Ministério da Saúde. FASP Fundo de Apoio ao Sistema de Pagamentos do SNS. PRD Programa de Regularização de Dívidas. 8

9 Consolidação orçamental Sector da Saúde Saldos dos SPA e HEPE (em MEUR) * * - resultado dependente, em parte, do acordo com a indústria farmacêutica Fonte: Ministério da Saúde O saldo consolidado do SNS melhora 620 MEUR entre 2010 e 2013 O impacto das medidas transversais de 2013 é estimado em 518 MEUR, incluindo: a reintrodução de dois subsídios (360 MEUR); o aumento da quota da entidade empregadora para a CGA (100 MEUR) o alargamento do âmbito de incidência da quota para a CGA (58 MEUR) Ainda assim, espera-se que a posição do conjunto do SNS melhore face a 2012, atingindo um défice de cerca de 150 MEUR, uma melhoria de cerca de 130 MEUR face ao ano anterior 9

10 Evolução da dívida total do SNS (em MEUR) MEUR Esforço de redução do stock total de dívida desde dezembro de 2011 Fonte: Ministério da Saúde 10

11 Medidas 2014 Congelamento da atualização anual ao valor da inflação das taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários Aposta na prevenção da doença e na promoção da Saúde Novas infraestruturas à disposição da população Hospital da Guarda e Centro Materno Infantil do Norte Maior equidade - formulário nacional do medicamentos (hospitalar/ ambulatório) Implementação progressiva da emissão de fatura informativa com o custo dos serviços prestados aos utentes do SNS Maior mobilidade dos doentes relativamente a cuidados de saúde programados, desde cirurgias a consultas, tratamentos e exames diretiva dos cuidados de saúde transfronteiriços 11

12 Aumento da prevenção e definição de prioridades Despesa em prevenção (em EUR) 2013 Área 2014* (Previsão) Variação absoluta Variação % PNS e outros Programas de Saúde Pública Diabetes Doenças Respiratórias Infeções associadas aos cuidados de saúde e resistência aos antimicrobianos Alimentação saudável Doenças cardiovasculares Doenças oncológicas % VIH / SIDA & Tuberculose % Tabagismo % Saúde Mental % Subtotal PNS e Restantes Programas Prioritários % Saúde Oral % Vacinação % Saúde Escolar e Ambiental % SICAD % INEM % TOTAL % * - Dotação orçamental inicial (sem aplicação de cativos) Fonte: Direção-Geral de Saúde; Serviços Partilhados do Ministério da Saúde; Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências; Instituto Nacional de Emergência Médica. 12

13 Medidas 2014 Sustentabilidade dos hospitais Prosseguir o objetivo de lançar o Hospital Oriental de Lisboa Tributação adicional do álcool e tabaco Combate à fraude Melhoria do controlo interno Redução do custo dos MCDT Aposta no Acordo Parceria Restruturação do MS: separação do financiamento da prestação de cuidados Melhoria da articulação entre ARS e ACSS Passagem da gestão da ADSE para o Ministério da Saúde 13

14 Discriminação positiva da saúde no OE14 Aumento de capital nos hospitais HEPE (em MEUR) * * * - perdão de juros por parte do Estado aos Hospitais à data de , cujos montantes não são considerados para efeitos de aumento de capital Fonte: Ministério da Saúde 14

15 Política de Saúde Para onde vamos?

16 Terapias para a Saúde SNS Resiliente Discriminação positiva da Saúde Aumento da prevenção e definição de prioridades Investimento seletivo SNS Reformável Qualidade das Instituições Contas Equilibradas Governance adequada Aumento da Eficiência Análise Custo- Benefício Combater Fraude Combater rendas excessivas Sistema de incentivos Transparência Equidade Conflito de Interesses Inovação Novas Reformas 16

17 Qualidade das Instituições A instituições económicas inclusivas ( ) permitem e incentivam a participação da maioria das pessoas nas atividades económicas que tiram o máximo do partido dos seus talentos e competências e que possibilitam que façam as escolhas que quiserem Fonte: Porque falham as Nações, Temas e Debates 17

18 Conflito de Interesses Encaminhamento de doentes para o sector privado (SIGIC) Acumulação público/privado Seleção de produtos farmacêuticos Seleção de dispositivos clínicos Entidades que produzem Normas de Orientação Clínica Aquisição de dispositivos e medicamentos 18

19 Transparência Antecipação do processo de negociação dos Contratos Programa 2014 Consolidação do RNU (Nascer Utente, e-vacinas e integração com SICO) Desenvolvimento da Plataforma de Dados de Saúde Desmaterialização do circuito de prescrição, dispensa e conferência de medicamentos Revisão das convenções em resultado da alteração do enquadramento legal do regime de convenções Revisão dos licenciamentos Disponibilização com periocidade trimestral relatórios de benchmarking, através de microsite criado para o efeito (alargamento gradual do número de indicadoes) 19

20 Aumento da prevenção e definição de prioridades Fonte: INE, IP,

21 Aumento da prevenção e definição de prioridades Área Diabetes Objetivos (um dos objetivos existentes) Diminuir a mortalidade específica por diabetes, reduzindo a mortalidade intrahospitalar, por todas as causas, nas pessoas com diabetes em 10% até 2016 Status 26 Nov. Infeção VIH/SIDA Prevenção e Controlo do Tabagismo Promoção da Alimentação Saudável Saúde Mental Reduzir o número de novos casos por VIH em 25% e o número de mortes por SIDA em 50%, até 2016 Reduzir em pelo menos 2% a prevalência do consumo de tabaco na população com 15 anos, até 2016 Controlar a incidência e a prevalência de excesso de peso e obesidade na população infantil e escolar, limitando o crescimento até 2016 Reduzir o impacto da doença mental, traduzido na redução até 5% do número de doentes crónicos residentes 28 Nov. 19 Nov. 24 Out. 10 Out. Doenças Oncológicas Aumentar a taxa de cobertura total dos rastreios oncológicos (mama e colo útero), garantindo mais de 60% de cobertura em todo o território até Out. Doenças Respiratórias Reduzir a taxa de internamento por doença respiratórias crónicas em 10%, até Out. Doenças Cérebrocardiovasculares Reduzir a mortalidade por doença do aparelho circulatório em 1%, até Set. Prev. e Controlo de Infec. e de Resist. a Antimicrobianos Fonte: DGS. Reduzir a incidência e prevalência da infeção associada aos cuidados de saúde e a resistência a antimicrobianos 31 Out. 21

22 Equidade Continuação da diminuição de margens excessivas Melhoria significativa do acesso ao medicamento Maioria dos utentes está isenta de taxas moderadoras Combate à fraude Indução da baixa de preços no sector privado Menor pagamento do trabalho extraordinário Utilização da capacidade pública instalada Discriminação positiva da Saúde SNS gerador de coesão social 22

23 Equidade Taxas moderadoras financiam cerca de 2,4% da despesa Encargo Líquido (2011-Abr2013) Medicamento vs. Taxas Moderadoras (TM) Despesa Total SNS 8,2 MMEUR -210 MEUR Despesa com medicamento +113 MEUR Encargos com TM Taxas Moderadoras 2014E 200 MEUR Benefício Líquido de 100 MEUR (este benefício terá sido proporcionalmente maior nos utentes de baixos rendimentos, já que estes estão isentos de TM mas beneficiaram da redução no custo dos medicamentos) 23

24 Equidade do ajustamento 6% 7% Utentes* Outros Indústria Farmacêutica Prestadores de serviços 22% Horas extraordinárias Repartição do esforço 65% Remunerações ( ) Prestadores de MCDT Grossistas (mercado ambulatório) Dispositivos clínicos Farmácias de ambulatório Fonte: Ministério da Saúde * O impacto nos utentes apenas considera o acréscimo de custos com taxas moderadoras, não considerando o impacto da poupança com medicamentos 24

25 SNS Resiliente Fonte: Marcel, M., Strengthening governance to support robust and inclusive growth, September 2013, OECD, Paris. 25

26 Combater rendas excessivas Compras centralizadas Poupanças alcançadas em ,3 MEUR -14% Contraceptivos 0,2 MEUR -46% Comunicações móveis 5,4 MEUR -67% Consumíveis de impressão (toners) Saúde 2,2 MEUR -13% Vacinas 5,7 MEUR -31% Licenças de Software Não Saúde Fonte: Serviços Partilhados do Ministério da Saúde e Secretaria-Geral do Ministério da Saúde. 26

27 Combater rendas excessivas Nome Medicamento DCI Área terapêutica PVP máximo ( ) PVP máximo ( ) Variação de Preço Plavix Clopidogrel Antiagregante plaquetar Nexium Esomeprazol Antiulceroso Nexium Esomeprazol Antiulceroso Co-Diovan Forte Valsartan + HidroclorotiazAntihipertensor Co-Diovan 160 mg/ 12,5 mg Valsartan + HidroclorotiazAntihipertensor Zarator Atorvastatina Antidislipidémicos Zarator Atorvastatina Antidislipidémicos Zyprexa Velotab Olanzapina Antipsicóticos Fonte: INFARMED 48,46 18,53-61,76% 54,07 32,03-40,76% 72,97 44,32-39,26% 26,90 17,96-33,23% 51,19 34,31-32,98% 40,94 27,63-32,51% 38,09 26,04-31,64% 106,01 91,17-14,00% 27

28 Análise Custo-Benefício Criação de um sistema de avaliação de tecnologia de saúde No caso dos medicamentos hospitalares, existindo genérico ou biossimilar, o critério que prevalece na escolha é o do menor preço Carta de equipamentos médicos pesados Levantamento de equipamentos não utilizados Revisão do sistema de avaliação farmacoeconómica 28

29 Programa de Internacionalização da Saúde 3 Objetivos estratégicos Vetores estratégicos Crescer no exterior Atrair investimento Conquistar novos mercados 1. Intensificar a cooperação entre as instituições nacionais e a CPLP 1. Promover o intercâmbio de profissionais do SNS com os serviços de saúde da CPLP 1. Programa de apoio aos jovens licenciados 2. Apoiar o Health Cluster na criação de um programa de venture capital que atraia a vinda de parceiros internacionais para áreas de inovação 1. Apoiar os investigadores e inovadores portugueses a estabelecer parcerias internacionais e a localizar novos investimentos em Portugal 1. Identificar e incentivar os operadores portugueses na criação de novas unidades e novas atividades nos países CPLP 2. Desenvolver uma rede de Centros de Referência para atrair os doentes europeus 3. Incentivar o Turismo de Saúde organizando uma oferta específica para os países do Norte da Europa 29

30 Saúde: relevância económica Volume de negócios: Em 2010, o sector nacional da saúde apresentou um volume de negócios de cerca de 26,2 MMEUR aproximadamente 15,2% do PIB, cabendo 1,6 MMEUR às atividades de produção, 9,6 MMEUR à distribuição e 15,0 MMEUR à prestação. Fonte: Estudo efetuado pela Porto Business School para o Health Cluster Portugal, Contributo para as exportações: Nos últimos 4 anos o valor das exportações no sector da saúde cresceu cerca de 50%. Em 2012, o valor das exportações de bens do sector da saúde ascendeu, em 2012, aos 983 milhões de euros, o que representou um crescimento de 8% face ao ano anterior acima da média nacional da exportação de bens. Fonte: Instituto Nacional de Estatística e Banco de Portugal 30

31 Reformas estruturais - Saúde A. Política do Medicamento Prescrição por Denominação Comum Internacional (DCI) Remoção das barreiras à entrada de genéricos Alteração do processo de revisão anual de preços Sistema de referência internacional de preços para o sector hospitalar B. Recursos Humanos Reorganização do trabalho médico C. Acesso Ajuste de taxas moderadoras e do universo de isentos Melhoria do acesso ao medicamento Sistema Nacional de Notificação de Incidentes e Eventos Adversos D. Aumento da eficiência e transparência Plataforma de Dados em Saúde Prescrição electrónica de medicamentos e de MCDT Reprocessamento de dispositivos médicos Publicação e utilização de NOC na prescrição médica Sistema de Informação dos Certificados de Óbito (SICO) E. Cuidados de Saúde Primários Aumento do número de utentes por médico de família Revisão do Registo Nacional de Utentes 31

32 Reformas estruturais Transversais A. Recursos Humanos Redução do volume e valor do trabalho extraordinário Maior mobilidade B. Acesso Alteração do regime de convenções Alteração do funcionamento do Sistema de Gestão dos Utentes Inscritos para Cirurgia (SIGIC) e da Consulta a Tempo e Horas (CTH) C. Aumento da eficiência Aproveitamento da capacidade hospitalar Centralização das compras e serviços partilhados Programa de Eficiência Energética D. Aumento da transparência Emissão de nota informativa de custos Combate à fraude Benchmarking Hospitalar Articulação entre o Ministério da Saúde e as IPSS Contratos de Gestão com Gestor Público Alteração do Estatuto do Gestor Público E. Promoção da sustentabilidade económico-financeira Alteração do modelo de financiamento das unidades hospitalares 32

33 Reformas em curso A. Política do Medicamento: Formulários nacionais de medicamentos (hospitalar e ambulatório) B. Recursos Humanos Avaliação dos profissionais médicos Estruturação e desenvolvimento das Carreiras Médicas Abertura de concurso para os lugares do topo da carreira médica Contratação de profissionais de saúde para o quadro C. Acesso Legislação relativa às terapêuticas não convencionais Médicos de família para todos os portugueses Criação do enfermeiro de família Sistema Nacional de Notificação de Incidentes e Eventos Adversos D. Reforma Hospitalar Reformulação da oferta de obstetrícia, psiquiatria e cuidados continuados Sistema de registo e codificação dos dispositivos médicos Plano de Racionalização da Ocupação do Espaço Centralização das compras e serviços partilhados Publicação e utilização de NOC na prescrição médica Prosseguir o objetivo de lançar o Hospital Lisboa Oriental 33

34 Futuro do SNS Improved Health Improved Care Reduced Cost and Waste Fonte: Plataforma "Saúde em Portugal: Um desafio para o futuro, Fundação Calouste Gulbenkian,

Orçamento de Estado 2015 Saúde e Segurança Social Para onde vamos?

Orçamento de Estado 2015 Saúde e Segurança Social Para onde vamos? Orçamento de Estado 2015 Saúde e Segurança Social Para onde vamos? Ordem dos Economistas Paulo Moita de Macedo 24 de novembro de 2014 Política de Saúde Enquadramento Condições de sustentabilidade (não

Leia mais

Orçamento de Estado 2015

Orçamento de Estado 2015 Orçamento de Estado 2015 Programa Orçamental da Saúde 03 de novembro de 2014 Programa Orçamental da Saúde 2015 Principais destaques Programa Orçamental da Saúde 2015 Principais destaques 1.REFORÇO DA TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Orçamento de Estado 2015

Orçamento de Estado 2015 Orçamento de Estado 2015 Programa Orçamental da Saúde 03 de novembro de 2014 Orçamento da saúde Evolução do Orçamento do SNS Evolução do Orçamento do SNS Indicador OE 2014 OE 2015 Variação em pp. Despesa

Leia mais

Saúde em perspetiva IDEFF. Ministério da Saúde

Saúde em perspetiva IDEFF. Ministério da Saúde Saúde em perspetiva IDEFF Ministério da Saúde 22 de novembro de 2012 O ponto de partida A situação do sistema de saúde em 2011 1980 1982 1984 1986 1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008

Leia mais

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO?

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão contribuinte entenda? Os Medicamentos e o Orçamento José A. Aranda da Silva Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Alteração do mecanismo relativo ao limite máximo para a despesa com medicamentos nos acordos com a indústria farmacêutica;

Alteração do mecanismo relativo ao limite máximo para a despesa com medicamentos nos acordos com a indústria farmacêutica; 168 IV.12. Saúde (P012) IV.12.1. Políticas Os objetivos estratégicos e as prioridades do Ministério da Saúde (MS) para o ano de 2015 encontram-se explicitados em detalhe nas Grandes Opções do Plano para

Leia mais

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Inclusivo, equitativo, sustentável José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Auditório do Instituto para a Investigação

Leia mais

Impacto das novas abordagens terapêuticas e financiamento da diabetes

Impacto das novas abordagens terapêuticas e financiamento da diabetes Impacto das novas abordagens terapêuticas e financiamento da diabetes Helder Mota Filipe Vice-Presidente, INFARMED, I.P. Professor Associado, FFUL 25 Junho 2015 2 Prevalência da Diabetes em Portugal 2013

Leia mais

Combate à Fraude na Saúde

Combate à Fraude na Saúde Combate à Fraude na Saúde Estratégia adotada no Combate à Fraude Carla Costa, Adjunta do Ministro da Saúde Auditório da ACSS, IP Parque de Saúde de Lisboa, 22 de julho de 2015 Programa 1 - Estratégia 2

Leia mais

3º Programa de Saúde 2014-2020

3º Programa de Saúde 2014-2020 2014-2020 INFARMED, 25 de junho de 2014 1. Enquadramento estratégico 2. Apresentação 3. Objetivos 4. Prioridades temáticas 5. Ações 6. Beneficiários 7. Tipos de subvenção 8. Regras de financiamento 9.

Leia mais

Serviços Partilhados e Externalização Logística

Serviços Partilhados e Externalização Logística Serviços Partilhados e Externalização Logística Vias para aumentar a eficiência nos cuidados de saúde e recuperar a sustentabilidade do SNS Augusto Mateus 23.11.2011 1. (In)sustentabilidade do SNS 2.

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

As TIC e a Saúde no Portugal de 2013

As TIC e a Saúde no Portugal de 2013 As TIC e a Saúde no Portugal de 2013 20 de fevereiro de 2014 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Patrocinadores Bronze Apoios Patrocinadores Globais Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2013

Leia mais

Inovação no Financiamento

Inovação no Financiamento Inovação no Financiamento José Mendes Ribeiro Covilhã,18 de Maio de 2007 UBI_JMR_Maio 2007 Três perguntas simples...... de resposta muito complexa! Quem financia, hoje, a SAÚDE? Onde é gasto o dinheiro?

Leia mais

ARS Norte, I.P. Gabinete de Gestão do Conhecimento. Plano de Formação 2011. Aprovação do Conselho Directivo

ARS Norte, I.P. Gabinete de Gestão do Conhecimento. Plano de Formação 2011. Aprovação do Conselho Directivo ARS Norte, I.P. Gabinete de Gestão do Conhecimento Plano de Formação 2011 Aprovação do Conselho Directivo A intervenção integrada na Saúde Mental nos CSP 1 24 Rita Oliveira do Carmo Abordagem ao Doente

Leia mais

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, da Saúde, representado pelo Ministro

Leia mais

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe Conta Satélite da Saúde 21-212Pe 21 de junho de 213 Em 212 a despesa corrente em saúde voltou a diminuir Em 212, a despesa corrente em saúde voltou a diminuir significativamente (-5,5), após ter registado

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais.

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais. ANO:2011 Ministério da Saúde Administração regional de saúde do Norte, I.P. MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso à prestação de cuidados de saúde de qualidade e cumprir e fazer

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE

ESTRATÉGIA NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE ESTRATÉGIA NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 2 SAÚDE Enquadramento do sector No âmbito da Estratégia Nacional para uma Especialização Inteligente, o desafio que se

Leia mais

Auditoria Tribunal de Contas

Auditoria Tribunal de Contas Auditoria Tribunal de Contas Situação económico Financeira do SNS 2006 www.acss.min-saude.pt Lisboa, 26 de Novembro de 2007 Auditoria Tribunal de contas nota prévia O Relatório do Tribunal de Contas (RTC)

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

Projetos de Investimento UFCD 0606 25H

Projetos de Investimento UFCD 0606 25H - Reconhecer, organizar e planificar um projeto de investimento. - Acompanhar e controlar a execução de um projeto de investimento. - Proceder à hierarquização dos projetos em função de prioridades e custos.

Leia mais

Desafios da saúde em Portugal

Desafios da saúde em Portugal www.pwc.pt/saude Desafios da saúde em Portugal 2013 Duas agendas simultâneas: cortes e reformas, com sentido Agenda 16.15h Abertura José Alves, Territory Senior Partner 16.15h 16.55h Apresentação do estudo

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA?

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? 29.Nov.2013 Financiamento Sector público é a principal fonte de financiamento de cuidados de saúde. Apenas EUA e México apresentam menos de 50% de financiamento

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

Plano Local de Saúde Amadora 2014 2016

Plano Local de Saúde Amadora 2014 2016 Plano Local de Saúde Amadora 2014 2016 Lisboa, 19 de Novembro de 2014 António Carlos SILVA Médico de Saúde Pública Coordenador da Unidade de Saúde Pública antonio.silva.usp@csreboleira.min-saude.pt André

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

Modelos de Gestão Hospitalar da administração direta dos hospitais públicos (SPA) aos SA, EPE e PPP. Artur Vaz

Modelos de Gestão Hospitalar da administração direta dos hospitais públicos (SPA) aos SA, EPE e PPP. Artur Vaz Modelos de Gestão Hospitalar da administração direta dos hospitais públicos (SPA) aos SA, EPE e PPP Artur Vaz Lisboa, 20 a 22 de Novembro de 2014 Sumário Principais reformas e estratégias do SNS nos últimos

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º /XI/2ª

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º /XI/2ª Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º /XI/2ª Altera o regime legal da prescrição de medicamentos, no sentido de generalizar a prescrição por Denominação Comum Internacional (DCI), nos termos do artigo

Leia mais

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada.

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada. Análise especializada Política do medicamento, dispositivos médicos e avaliação de tecnologias em saúde Exmos. Senhores, O processo de elaboração do Plano Nacional de Saúde pode ser considerado um bom

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011

IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011 IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011 SOBRE A IMS HEALTH Operando em mais de 100 países, a IMS Health é fornecedora e líder mundial de soluções aplicadas às indústrias farmacêuticas e de saúde. Com

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Seminário internacional: Inclusão dos cidadãos em políticas públicas de saúde A participação dos cidadãos no sistema de saúde português Mauro Serapioni Centro de

Leia mais

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA MAPUTO, 25 a 27 de Março de 2015 A Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa (AFPLP), que congrega mais 200 mil

Leia mais

A política do medicamento: passado, presente e futuro

A política do medicamento: passado, presente e futuro A política do medicamento: passado, presente e futuro Barcelos, 27 de março de 2015 Ricardo Ramos (Direção de Avaliação Económica e Observação do Mercado) INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL

ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL 1. Sustentabilidade económica A linha estratégica seguida em 2011 e que continuará em 2012 passa por tomada de ações que

Leia mais

Sérgio Gomes Saúde 24

Sérgio Gomes Saúde 24 Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Sérgio Gomes Saúde 24 Patrocínio: Patrocinadores Globais Centro de Atendimento

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 1. ENQUADRAMENTO DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 1. ENQUADRAMENTO DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE Plano Nacional de Saúde 2012-2016 1. ENQUADRAMENTO DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE Plano Nacional de Saúde 2012-2016 1. ENQUADRAMENTO DO PLANO NACIONAL DA SAÚDE 1.1.VISÃO DO PNS... 2 1.2.MISSÃO DO PNS... 2

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

Perguntas & Respostas. Ferramenta de Benchmarking hospitais EPE e PPP

Perguntas & Respostas. Ferramenta de Benchmarking hospitais EPE e PPP Ferramenta de Primeiro Semestre de 2013 Desde setembro de 2011, o processo de contínua disponibilização de informação tem permitido um maior conhecimento do desempenho das instituições hospitalares do

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Ministério da Saúde. Relatório e Contas 2014. Sede: Parque de Saúde de Lisboa Edifício 16 Avenida do Brasil, 53 1700-063 LISBOA

Ministério da Saúde. Relatório e Contas 2014. Sede: Parque de Saúde de Lisboa Edifício 16 Avenida do Brasil, 53 1700-063 LISBOA Ministério da Saúde Relatório e Contas 2014 i Índice 1. Apresentação... 10 2. Enquadramento macroeconómico... 13 3. Reforma Hospitalar... 23 4. Carta de Equipamentos Pesados... 27 5. O Programa Orçamental

Leia mais

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer?

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? 4 de junho de 2014 Auditório Adriano Moreira ISCSP PATRCINADORES PRATA Com a Colaboração Científica Patrocinadores Globais APDSI Administração

Leia mais

Em 2013, a despesa corrente em saúde diminuiu 2,1%

Em 2013, a despesa corrente em saúde diminuiu 2,1% Conta Satélite da Saúde Base 211 21 213Pe 12 de setembro de 214 Em 213, a despesa corrente em saúde diminuiu 2,1 Em 213, a despesa corrente em saúde continuou a diminuir (-2,1), mas de forma menos acentuada

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

POR UM SISTEMA DE SAÚDE MAIS EFICIENTE

POR UM SISTEMA DE SAÚDE MAIS EFICIENTE CAD 80 27/09/07 17:26 Page 9 POR UM SISTEMA DE SAÚDE MAIS EFICIENTE ANTÓNIO CORREIA DE CAMPOS MINISTRO DA SAÚDE Numa perspectiva estratégica, há que sublinhar que a finalidade da política de saúde é a

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 A TRANSFORMAÇÃO DOS HOSPITAIS SA EM HOSPITAIS EPE, A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE EM PORTUGAL E O PROGRAMA DO GOVERNO PS PARA A ÁREA DA SAÚDE RESUMO

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade. 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro

III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade. 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro Índice 1. Tributação, crescimento económico e competitividade: algumas considerações de

Leia mais

NOVOS DESAFIOS DO SISTEMA DE SAÚDE. Adalberto Campos Fernandes

NOVOS DESAFIOS DO SISTEMA DE SAÚDE. Adalberto Campos Fernandes NOVOS DESAFIOS DO SISTEMA DE SAÚDE Adalberto Campos Fernandes O Contexto NOVOS DESAFIOS DO SISTEMA DE SAÚDE O CONTEXTO OS OBJECTIVOS DAS POLÍTICAS DE SAÚDE O SISTEMA DE SAÚDE, OS MODELOS DE FINANCIAMENTO,

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI SIG / Plataforma de Gestão de MCDT (Glintt) Evolução nos modelos

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

A SAÚDE DOS PORTUGUESES

A SAÚDE DOS PORTUGUESES A SAÚDE DOS PORTUGUESES A Saúde dos Portugueses A propósito do DIA DO DOENTE, a Direção-Geral da Saúde publica dados sumários sobre a SAÚDE DOS PORTUGUESES. Em termos de evolução 2008-2014 1, o quadro

Leia mais

Newsletter SPMS. SPMS reúne com instituições do SNS em todo o país. Catálogo de Aprovisionamento Público da Saúde

Newsletter SPMS. SPMS reúne com instituições do SNS em todo o país. Catálogo de Aprovisionamento Público da Saúde Regras sobre registos eletrónicos para as notas de alta médica e de enfermagem e notas de transferência das unidades de cuidados intensivos SPMS reúne com instituições do SNS em todo o país Pág.04 Pág.03

Leia mais

Relatório de execução orçamental Anual. Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2

Relatório de execução orçamental Anual. Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2 Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2 2 - Análise detalhada 2 2.1-Despesa total efetuada, em 2014, através das fontes de financiamento 2 2.2 - Despesa total efetuada, em 2014, pela fonte de

Leia mais

2ª semana da Farmácia Angolana 3ª ExpoFarma Angola 07 de Outubro 2015 Paulo Lilaia

2ª semana da Farmácia Angolana 3ª ExpoFarma Angola 07 de Outubro 2015 Paulo Lilaia Análise e desenvolvimento do mercado, legislação e factores de crescimento do Mercado de Medicamentos Genéricos 2ª semana da Farmácia Angolana 3ª ExpoFarma Angola 07 de Outubro 2015 Paulo Lilaia APOGEN

Leia mais

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Serviços Partilhados em Saúde Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Lisboa, 22 de Maio de 2007 Unidades de Serviços Partilhados Processos A divisão dos processos entre actividades locais e actividades

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014 RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014. Largo da Misericórdia 4490-421 Póvoa de Varzim Telefone: 252 690 600 Fax: 252 611 120 w w w.chpvvc.pt SUMÁRIO 0. ENQUADRAMENTO I. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação.

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação. Discurso do Ministro da Saúde na tomada de posse do Bastonário e Órgãos Nacionais da Ordem dos Farmacêuticos 11 de janeiro de 2013, Palacete Hotel Tivoli, Lisboa É com satisfação que, na pessoa do Sr.

Leia mais

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise Adalberto Campos Fernandes O Contexto FINANCIAMENTO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE EM TEMPOS DE CRISE O CONTEXTO A ESPECIFICIDADE DO BEM

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

O plano e orçamento 2010 que vos é proposto materializam o que queremos para o sector da Saúde nos Açores:

O plano e orçamento 2010 que vos é proposto materializam o que queremos para o sector da Saúde nos Açores: Plano e Orçamento para 2010 - Saúde O plano e orçamento 2010 que vos é proposto materializam o que queremos para o sector da Saúde nos Açores: Queremos um Serviço Público de Saúde cada vez mais próximo.

Leia mais

O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO. Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG

O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO. Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG 22-06-2016 1. O PASSADO Os problemas A urgência como forma de acesso em primeira linha A combinação público-privado

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE INVESTIMENTOS NA ÁREA DA SAÚDE DOMÍNIO DA INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

Princípios orientadores para a política do medicamento

Princípios orientadores para a política do medicamento Princípios orientadores para a política do medicamento Aprovado pela Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica Objectivos: Neste documento da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica (CNFT) discutem-se

Leia mais

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA: DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO, RELAÇÕES E PARCERIAS 1 DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS 1. Introdução 2 2. Diagnóstico

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Índice de Figuras, Quadros e Tabelas (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 ÍNDICE DE FIGURAS, QUADROS E TABELAS 1. Enquadramento do Plano Nacional de Saúde

Leia mais

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Inovação, Tecnologia e Operações Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Experiência publica e empresarial em Espanha Eduardo Figueiredo Pensar Global e Agir Local para a Excelência do Varejo

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Roteiro de Intervenção em Tecnologias de Informação e Comunicação (Julho de 2014) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Roteiro de Intervenção

Leia mais

DEFENDER AS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO

DEFENDER AS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO DEFENDER AS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO Sem Administração Publica não existem Funções Sociais do Estado (Educação, Saúde, Segurança Social, etc.) ENCONTRO / DEBATE ORGANIZADO PELA FRENTE COMUM DE SINDICATOS

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

Operador global centrado na sustentabilidade

Operador global centrado na sustentabilidade Operador global centrado na sustentabilidade Francisco Nunes, Administrador PT Portugal Lisboa, 8 maio 2012 CONFIDENCIAL A utilização deste documento, para quaisquer fins, sem autorização expressa da Portugal

Leia mais

Onde estamos e para onde vamos?

Onde estamos e para onde vamos? Onde estamos e para onde vamos? Carlos da Silva Costa Governador 20º Encontro SAER A nova economia e as novas formas de financiamento Museu do Oriente, 25 de junho de 2014 Onde estamos e para onde vamos?

Leia mais

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012 1º Trimestre 2012 Indicadores de Gestão Interna 0 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Enquadramento No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, relativos ao primeiro

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

Programa Regional de Prevenção e Controlo. das. Doenças Respiratórias

Programa Regional de Prevenção e Controlo. das. Doenças Respiratórias Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Respiratórias Índice 1. Contextualização... 3 Parte I... 4 Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica... 4 2. População Alvo... 4 3. Objectivos... 4 4. Indicadores

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais