UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 Clínica Médica e Especialidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 Clínica Médica e Especialidades"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 Clínica Médica e Especialidades Cada questão vale 1,0 ponto. Gabarito da Prova realizada em 2/nov/2013 QUESTÃO 1 Antibioticoterapia precoce QUESTÃO 2 Sindrome serotoninérgica QUESTÃO 3 Bloqueador de canal de cálcio (BCC) ou diurético tiazidico QUESTÃO 4 140x90 QUESTÃO 5 Beta bloqueador

2 QUESTÃO 6 Bloqueador de canal de cálcio (BCC) ou inibidor da enzima conversora da angiotensina (IECA) ou bloqueador do receptor da angiotensina II (BRA) QUESTÃO 7 Manobra vagal QUESTÃO 8 Cardioversao elétrica (CVE) QUESTÃO 9 Encaminhar para estudo eletrofisiologico com possivel ablação (encaminhar para estudo eletrofisiológico) QUESTÃO 10 ivabradina ou trimetazidina ou ranolazina

3 QUESTÃO 11 Metformina e ramipril QUESTÃO 12 Cirurgia de revascularização do miocárdio (RM) QUESTÃO 13 Ciprofloxacino+ Amoxicilina+clavulanato QUESTÃO 14 Hiperuricemia (aumento do ácido úrico) hipercalemia (aumento do potássio/ hiperpotassemia) hiperfosfatemia (aumento do fósforo) hipocalcemia (diminuição cálcio/ cálcio baixo) QUESTÃO 15 Paciente Tabagista e paciente >50 anos (idoso)

4 QUESTÃO 16 Doenca de Von Willebrand QUESTÃO 17 toxicidade pulmonar QUESTÃO 18 mama, pulmão, rim (renal), próstata, mieloma múltiplo, tireóide e linfoma não Hodgkin QUESTÃO 19 Bhcg, alfa feto proteína (AFP), DHL (desidrogenase láctica) QUESTÃO 20 Fratura por Osteoporose (osteoporose)

5 QUESTÃO 21 púrpura trombocitopenica trombótica (PTT) e plasmaferese QUESTÃO 22 Massagem cardíaca QUESTÃO 23 adrenalina, vasopressina, amiodarona, lidocaina QUESTÃO 24 hipotermia, evitar hiperoxigenar (evitar excesso de oxigenio), controle glicêmico adequado (glicemia controlada), controle da temperatura (evitar febre) QUESTÃO 25 Sindrome hemofagocitica ou linfohistiocitose eritrofagocitica

6 QUESTÃO 26 Fenitoina (hidantal) 1600mg + soro fisiológico, correr até 50mcg minuto QUESTÃO 27 III nervo a esquerda (3º nervo a esquerda) QUESTÃO 28 Afasia de Wernicke ou Afasia de compreensão QUESTÃO 29 Enxaqueca QUESTÃO 30 Síndrome de Guillain Barré ou polirradiculoneurite aguda

7 QUESTÃO 31 Anticorpo antitireoglobulina e antiperoxidase / USG de tiróide QUESTÃO 32 Anti-depressivo tricíclicos QUESTÃO 33 Insulinização plena (insulina) + metformina QUESTÃO 34 Hiperparatiroidismo secundário a deficiência de vitamina D (hiperparatiroidismo secundário a hipovitaminose D) QUESTÃO 35 Metanefrinas e catecolaminas urinarias + dosagem cortisol

8 QUESTÃO 36 Administrar insulina regular e desligar bomba de infusão após 1 hora QUESTÃO 37 Associar opioide fraco (codeína / tramadol) QUESTÃO 38 Instituir cuidados paliativos/ seguir a vontade da paciente e não dos familiares QUESTÃO 39 Haloperidol QUESTÃO 40 Retirada do clonazepam (abstinência ao clonazepam)

9 QUESTÃO 41 Depressão QUESTÃO 42 da pergunta 1 Uso de anlodipino QUESTÃO 43 Sim, IMC > 35 e apneia do sono QUESTÃO 44 Dosagem da atividade de renina e aldosterona plasmática QUESTÃO 45 Três

10 QUESTÃO 46 Hemograma QUESTÃO 47 Prolactina QUESTÃO 48 Chlamydia e gonococo (neisseria gonorrhoeae) QUESTÃO 49 Biópsia esterotáxica (biópsia da lesão) QUESTÃO 50 Ketamina

11 QUESTÃO 51 Doença de Behçet QUESTÃO 52 Rifampicina e Etambutol seguido da Isoniazida e por fim da Pirazinamida QUESTÃO 53 Lúpus eritematoso sistêmico QUESTÃO 54 Corticóide em altas doses ou Prednisona 1-2 mg/kg/dia ou Pulsoterapia com metilprednisolona ou Ciclofosfamida QUESTÃO 55 Espondilite anquilosante

12 QUESTÃO 56 Choque cardiogênico QUESTÃO 57 Síndrome da angustia respiratória aguda grave. Conduta: Ventilação protetora ou recrutamento alveolar ou pronação do paciente QUESTÃO 58 4 meq por litro de SG5% ou seja, soro glicosado a 5% 3 litros endovenoso em bomba de infusão endovenoso em 24 horas QUESTÃO 59 Manitol ou solução salina hipertônica ou drenagem da derivação ventricular externa ou craniectomia descompressiva QUESTÃO 60 Broncoscopia com lavado broncoalveolar com biópsia ou Biopsia a céu aberto pulmonar (broncoscopia com lavado)

13 QUESTÃO 61 Repor cálcio em 30min a 60 min e fósforo de 4 a 6 horas (não pode ser simultâneo) QUESTÃO 62 Introdução de vasopressina ou adrenalina ou associar corticóide e aumento da dose do antibiótico. QUESTÃO 63 Lombociatalgia e a raiz nervosa acometida é a L5 QUESTÃO 64 Artrose de quadril (osteoartrose de quadril) QUESTÃO 65 AutoPEEP. Aumentar o fluxo inspiratório para diminuir o tempo inspiratório

14 QUESTÃO 66 Uso de benzodiazepínicos de curta duração ou uso dexmedetomidina (precedex). QUESTÃO 67 Intubação orotraqueal (IOT) QUESTÃO 68 Cirurgia cardíaca / Troca de válvula QUESTÃO 69 ANULADA QUESTÃO 70 Síndrome hepatorrenal tipo 1(sindrome hepatorenal). Albumina 1g/kg/dia por 2 dias

15 QUESTÃO 71 Amoxicilina 1g 12/12h e Claritromicina 500mg 12/12h por 7 dias e IBP dose terapêutica por 30 dias (aceita-se: IBP 2x/dia Lansoprazol 30 mg, omeprazol 20 mg, pantoprazol 40 mg, rabeprazol 20 mg ou esomeprazol 40mg 1x/dia) QUESTÃO 72 Diabéticos podem apresentar este quadro de forma assintomática. Diabéticos podem apresentar complicações de forma assintomática. QUESTÃO 73 Gabarito (colocar a resposta e os sinônimos possíveis para os itens da resposta) Síndrome nefrótica. Esquistossomose QUESTÃO 74 (ANULADA) Gabarito (colocar a resposta e os sinônimos possíveis para os itens da resposta) Hidroclorotiazida Tiazídicos QUESTÃO 75 Gabarito (colocar a resposta e os sinônimos possíveis para os itens da resposta) Fratura vertebral patológica secundária a osteodistrofia renal fase osteíte fibrosa ou secundária a hiperparatiroidismo secundário ou terciário

16 QUESTÃO 76 Coleta de líquido peritoneal. Presença de >50% neutrofilos. QUESTÃO 77 Staphylococccus coagulase negativo ou Staphylococccus epidermidis QUESTÃO 78 Síndrome de desequilíbrio pós diálise QUESTÃO 79 Doença renal policística (rins policisticos) QUESTÃO 80 Doença cardiovascular

17 QUESTÃO 81 Colite pseudomembranosa resistente a Metronidazol (colite pseudomembranosa). vancomicina oral 125mg 6/6h. (vancomicina oral). QUESTÃO 82 Megacólon tóxico induzido pelo uso de escopolamina. Indução de megacólon tóxico pelo uso de antiespasmódico na retocolite ulcerativa em atividade. QUESTÃO 83 Nenhuma relação. Inibidor de bomba de prótons, dose plena, por 8 semanas. QUESTÃO 84 Solicitar Endoscopia digestiva alta (teste de H pylori) e manter inibidor de bomba QUESTÃO 85 Todo AINE tem potencial de lesão do trato gastrointestinal. Uso concomitante de IBP no tratamento.

18 QUESTÃO 86 Antibioticoterapia e suspensão dos diuréticos (suspensão da furosemida e espironolactona) QUESTÃO 87 Reduzir a dose da lactulose para 4 evacuações/dia (reduzir a dose da lactulose) ou Conjugar dose furosemida para 1x/d. QUESTÃO 88 Cirrose Biliar Primária QUESTÃO 89 Hepatite Aguda Alcoólica. Pentoxifilina. (não aceitar prednisolona infecção vigente) QUESTÃO 90 Lactato normal; pressão venosa central (PVC) 8-12 mmhg; pressão arterial média (PAM) >ou= 65; saturação venosa central de oxigênio (SVcO 2 ) >ou=70 OU saturação venosa mista de oxigênio (SVO 2 ) >ou=65; e débito urinário >ou= 0,5 ml/kg/h

19 QUESTÃO 91 Prescrição de AAS, cefalexina e solicitar exame sorológico para dengue QUESTÃO 92 Reação em cadeia da polimerase (PCR) para leptospirose QUESTÃO 93 Oseltamivir QUESTÃO 94 Manter esquema para tuberculose e iniciar terapia anti-retroviral (TARV) (iniciar TARV) QUESTÃO 95 Grande intervalo entre as inalações (intervalo inadequado entre as inalações)

20 QUESTÃO 96 Diagnóstico: DPOC exacerbado; Fator desencadeante: Bloqueio sinoatrial 2º grau/ BAV 2º grau QUESTÃO 97 Doença pulmonar restritiva (distúrbio ventilatorio restritivo) (padrão restritivo) QUESTÃO 98 Cobrir microrganismos atípicos; solicitar antígeno urinário para Legionella sp QUESTÃO 99 Rinossinusite (também aceito rinite ou sinusite), asma e doença do refluxo gastresofágico QUESTÃO 100 Adenosina deaminase (ADA) ou biopsia de pleura

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Forum de Debates Sociedade Paulista de Reumatologia INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM PACIENTE COM LES Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Resumo do Caso Feminino, i 43 anos diagnóstico prévio

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

2. Em um evento agudo de acidente vascular encefálico isquêmico, a pressão arterial NÃO deve ser reduzida na situação de:

2. Em um evento agudo de acidente vascular encefálico isquêmico, a pressão arterial NÃO deve ser reduzida na situação de: MÉDICO/CLÍNICA MÉDICA 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO QUESTÕES DE 1 A 25 1. Sobre o diagnóstico da Síndrome Coronariana Aguda, é INCORRETO afirmar: a) A elevação de biomarcadores de necrose cardíaca distingue

Leia mais

Medicamentos. Esses medicamentos são Dispensados nas Unidades Básicas, Centro de Saúde e Policlínicas com a apresentação de Receituário Médico.

Medicamentos. Esses medicamentos são Dispensados nas Unidades Básicas, Centro de Saúde e Policlínicas com a apresentação de Receituário Médico. Medicamentos 1. REMUME (RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS). apresentação de Receituário Médico. AAS 500mg Aminofilina 100 Comp. Amoxicilina 500mg Amoxicilina 250-150 ml Susp. Ampicilina 500mg

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Endo Digestiva Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ENDOSCOPIA DIGESTIVA. Situação-Problema 1

Endo Digestiva Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ENDOSCOPIA DIGESTIVA. Situação-Problema 1 Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ENDOSCOPIA DIGESTIVA Situação-Problema 1 A) Esofagite eosinofílica B) Microabscessos eosinofílicos Agregados de eosinófilos. Concentração

Leia mais

8 Amoxicilina + Clavulanato de potassio comprimido 500 mg \ 125mg. Obs. Protocolo

8 Amoxicilina + Clavulanato de potassio comprimido 500 mg \ 125mg. Obs. Protocolo Secretaria de Saúde BOLETIM DE PUBLICAÇÃO Nº 005/09 Despacho da Secretaria de Saude em 22/07/09. Processo(s) 2294/08. De acordo com o parecer da Comissao de Elaboracao da Relacao de Medicamentos da Farmacia

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Especialidades Pediátricas

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Especialidades Pediátricas FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 Especialidades Pediátricas Gabarito da Prova realizada em 22/nov/2015 A Banca Examinadora alerta que o gabarito divulgado corresponde

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Anestesia no paciente transplantado cardiaco

Anestesia no paciente transplantado cardiaco Anestesia no paciente transplantado cardiaco Dr João Henrique Silva joaohen@terra.com.br Insuficiência cardiaca refratária Miocardiopatia dilatada Defeitos congenitos Doença valvular Disfunção de transplante

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013)

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Rutten GEHM De Grauw WJC Nijpels G Houweling ST Van de Laar FA Bilo HJ Holleman F Burgers JS Wiersma Tj Janssen PGH

Leia mais

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN)

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) Cálcio Sérico > 11 mg/dl Leve e Assintomático 11-12 mg/dl Moderada Cálcio Sérico 12-14 mg/dl Cálcio Sérico > 14 mg/dl Não tratar Assintomática Não tratar Sintomática

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA

CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA Volume 1 - Fevereiro 2009 CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID Dr. Egidio Lima Dórea DIFERENÇAS ÉTNICAS NA RESPOSTA RENAL À FUROSEMIDA Tae-Yon Chun, Lise Bankir, George J. Eckert, et al. Hypertension

Leia mais

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado!

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado! OBESIDADE MÓRBIDA Este documento é original e não pode ser modificado! SENTE-SE SOLITÁRIO? PESO IDEAL E IMC Peso ideal: altura X altura X 25 = Exemplo: 1.72 X 1.72 X 25 = 74 kg Excesso de peso : 89 kg

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA QUESTÃO 21 Em relação à fisiopatologia da hipertensão arterial no paciente idoso, marque a alternativa CORRETA: a) A pressão diastólica tende a ficar

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com

PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com INTRODUÇÃO AO ATENDIMENTO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA UTI - "unidade complexa dotada de sistema de monitorização contínua que admite pacientes

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg GABARITO 1 - Sr José, 65 anos, apresenta dor abdominal intensa há dois meses. Após solicitação de ultrasonografia pelo médico assistente chegou-se ao diagnóstico de câncer de pâncreas. O tratamento proposto

Leia mais

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa Apresentação A estrutura do Guia de Interpretação de Exames, em que cada capítulo aborda um exame diferente, foi concebida para ser uma alternativa à literatura especializada na melhor interpretação possível

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

Lista Medicamentos disponíves nas Farmácias da Rede SUS

Lista Medicamentos disponíves nas Farmácias da Rede SUS Lista Medicamentos disponíves nas Farmácias da Rede SUS DENOMINAÇÃO COMUM APRESENTAÇÃO 1. Ácido acetilsalicílico Comprimidos 100mg 2. Ácido acetilsalicílico Comprimidos 500mg 3. Aciclovir Comprimidos 200mg

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves Tratamento da Insuficiência Cardíaca Profª Rosângela de Oliveira Alves Insuficiência Cardíaca Causas Insuficiência miocárdica Regurgitação valvular l Disfunção diastólica Sinaisi congestão e edema débito

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE

BULA PARA O PACIENTE BULA PARA O PACIENTE FURP-PROPRANOLOL 40 mg Comprimido cloridrato de propranolol APRESENTAÇÃO Comprimido simples Embalagem com 20 comprimidos de 40 mg. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica)

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica) SEPSE Definições: - Síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS) - febre ou hipotermia - taquicardia - taquipnéia - leucocitose, leucopenia, desvio do hemograma - edema - alteração da glicemia -

Leia mais

Aldazida (espironolactona, hidroclorotiazida)

Aldazida (espironolactona, hidroclorotiazida) Aldazida (espironolactona, hidroclorotiazida) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Aldazida Nome genérico: espironolactona e hidroclorotiazida Forma farmacêutica e apresentação: Aldazida em embalagens

Leia mais

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014 MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL Belo Horizonte 2014 RESIDENTES MULTIPROFISSIONAIS EM INTENSIVISMO Camilla Serva Camilo Brandão Christina Tinti Cleunice Oliveira Daniela Falcão Gabriela Reis

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 17.276, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta o inciso III do art. 8º da Lei Complementar nº 298, de 20 de dezembro de 2007, acrescido pela Lei Complementar nº 475, de 27 de novembro de 2014.

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011 Dra. Bruna Castro Residente de Reumatologia da UNIFESP São Paulo 03/08/2011 S EVOLUÇÃO DISCUSSÃO IDENTIFICAÇÃO HDA AMP VAB, 33 anos, feminina, i branca, solteira, auxiliar de enfermagem, natural de Monte

Leia mais

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões:

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões: AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Risco intrínseco da cirurgia: ( ) Baixo ( ) Intermediário ( ) Alto Risco cardiológico:

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

ATACAND candesartana cilexetila

ATACAND candesartana cilexetila ATACAND candesartana cilexetila I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ATACAND candesartana cilexetila APRESENTAÇÕES Comprimidos de 8 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 16 mg em embalagens com

Leia mais

PROCESSO SELETIVO UNIFICADO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 PADRÃO DE RESPOSTA DEFINITIVO PROVA PARA O PROGRAMA DE MEDICINA INTENSIVA

PROCESSO SELETIVO UNIFICADO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 PADRÃO DE RESPOSTA DEFINITIVO PROVA PARA O PROGRAMA DE MEDICINA INTENSIVA PROCSSO SLTIVO UNIFICADO D RSIDÊNCIA MÉDICA 2016 PADRÃO D RSPOSTA DFINITIVO PROVA PARA O PROGRAMA D MDICINA INTNSIVA Situação-Problema 1 A) Derrame parapneumônico OU exsudato Pneumococo OU S. pneumoniae

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTE NOVA SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTE NOVA SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTE NOVA SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS - REMUNE ATENÇÃO BÁSICA 01 Ácido Acetilsalicílico 100mg comprimido 02 Ácido fólico 5mg comprimido 03 Albendazol

Leia mais

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos.

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA II Curso de Pneumologia na Graduação 11 e 12 de junho de 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Doenças Pleurais Evaldo Marchi Grupo de Pleura -

Leia mais

1ª PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA

1ª PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 1ª PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA Questão nº: 01 A coqueluche, ou pertussis, é uma doença respiratória aguda causada pela Bordetella pertussis, especialmente a Bordetella parapertussis. O organismo

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Transplante de Fígado para Situações Especiais

Diretrizes Assistenciais. Transplante de Fígado para Situações Especiais Diretrizes Assistenciais Transplante de Fígado para Situações Especiais Versão eletrônica atualizada em 2011 Transplante de Fígado para Situações Especiais INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA GRAVE (IHAG) Condições

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático essenciais,

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA Nome: Dia: 20 de dezembro de 2012. 01 - A conduta inicial em embolia

Leia mais

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo:

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo: Diabetes insípidus O que é Diabetes insípidus? Diabetes insípidus consiste em um distúrbio de controle da água no organismo, no qual os rins não conseguem reter adequadamente a água que é filtrada. Como

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

FARMÁCIA BÁSICA. Ácido Acetilsalicílico 100mg. Água destilada para injeção 10mL. Albendazol 40mg/mL Suspensão Oral Alendronato de Sódio 70mg

FARMÁCIA BÁSICA. Ácido Acetilsalicílico 100mg. Água destilada para injeção 10mL. Albendazol 40mg/mL Suspensão Oral Alendronato de Sódio 70mg FARMÁCIA BÁSICA Medicamento Acetato de Retinol (Vitamina A) 50.000UI/mL + Colecalciferol (Vitamina D) 10.000UI/mL Solução Oral Acetazolamida 250mg Aciclovir 200mg Ácido Acetilsalicílico 100mg Ácido Fólico

Leia mais

HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO

HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO Deficiência hormonal mais comum Produção ou ação deficiente dos hormônios tiroidianos Prevalência de 2 a 3% na população geral Mais comum em mulheres (10:1), idosos e brancos

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Litíase urinária- Identificação dos grupos de risco e tratamento. Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH

Litíase urinária- Identificação dos grupos de risco e tratamento. Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH - Identificação dos grupos de risco e tratamento Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH 11% homens X 5,6% mulheres Brancos X negros Oxalato de cálcio 80% Recorrência 40% 5 anos, 75%

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Dra. Daisy Maria Machado Universidade Federal de São Paulo Centro de Referência e Treinamento em DST-AIDS 2004 Terapia Anti-retroviral HAART: Redução

Leia mais

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga Manutenção do Potencial Doador Dra. Viviane Cordeiro Veiga 2009 Fila de Transplantes São Paulo 13.244 pacientes 9.911 - rim 2.556 fígado 391 pâncreas/rim 114 coração 80 pulmão 56 - pâncreas TRANSPLANTES:

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é:

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: QUESTÃO 01 Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: a) Cefalotina + gentamicina b) Vancomicina + cefazidime c) Rifampicina + ceftriaxona d) Sulfametozaxol-trimetropim

Leia mais

Declaração de Saúde. Nº de Registro da Operadora na ANS 312851. Nº de Registro do Produto: Nome do Declarante:

Declaração de Saúde. Nº de Registro da Operadora na ANS 312851. Nº de Registro do Produto: Nome do Declarante: Declaração de Saúde Nº de Registro da Operadora na ANS 312851 Nº de Registro do Produto: Nome do Declarante: Contratante: Responsável Legal: Beneficiário: Para cada doença ou lesão listada abaixo, o declarante

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA ADULTO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA ADULTO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA ADULTO QUESTÃO 21 São causas de hipocalemia, EXCETO: a) Síndrome de Bartter. b) Acidose tubular renal do tipo II. c) Acidose tubular renal tipo

Leia mais

Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais Contra-indicações à realização do teste:

Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais Contra-indicações à realização do teste: Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais O teste consiste na dosagem dos níveis séricos de cortisol e ACTH, após um estímulo hormonal ou farmacológico in vivo

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E SAC: 0800-483500 / www.unimedflorianopolis.com.br D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E Identificação: Nome: Data Nasc.: / / Grau de Parentesco Titular Esposo (a) Companheiro (a) Filho (a) Enteado (a) Agregado

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

RELAÇÃO DE EXAMES REALIZADOS NO IBEx

RELAÇÃO DE EXAMES REALIZADOS NO IBEx 1 Ácido úrico 2 Albumina 3 Alfa 1 glicoproteína ácida 4 Alfa fetoproteína 5 Amilase 6 Androstenediona 7 Anticorpos Anti-HIV I, Western Blot 8 Anticorpos anti-hiv1 + HIV2 (Determinação Conjunta) ELISA 9

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais