Sistema de Informação Geográfica (SIG) e os Comitês de Bacias Hidrográficas do ERJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Informação Geográfica (SIG) e os Comitês de Bacias Hidrográficas do ERJ"

Transcrição

1 Sistema de Informação Geográfica (SIG) e os Comitês de Bacias Hidrográficas do ERJ Andréa Franco de Oliveira Gerente de Geoprocessamento e Estudos Ambientais (Geopea) Diretoria de Informação, Monitoramento e Fiscalização (DIMFIS) Mestre em Geomática Doutora em Biociências/Ecologia

2 Coleção de dados Base de dados Sistema de Informação Geográfica

3 Geomática utiliza técnicas matemáticas e computacionais para tratar os processos que ocorrem no espaço geográfico. componentes tecnológicos Geociências Informática GEOMÁTICA Geomática: Ciência e tecnologia para obtenção, análise, interpretação, distribuição e uso da informação espacial (conceito adotado pela Pós-Graduação em Geomática da UERJ)

4 Hardware Procedimentos e Processos Pessoas Software Banco de Dados

5 Hardware arquitetura dimensionada para cerca de 4,8 Tb (1,5 armazenamento livre e capacidade de expansão para 20 Tb) 1 servidor RISC baseado tecnologia SMP (Symmetric Multi Processing) com capacidade de processamento de mais de TPC-C (Transaction Processing Performance Council ), benchmark da TPC.ORG, SAN (Storage Area Network); 9 PCs Software Oracle, Oracle Spatial, ISmart, ERDAS, Globalmaper, QuantunGis ArcGis (Arcinfo),

6 Conjunto de técnicas relacionadas ao tratamento do dado/informação espacial Coleta Cartografia Dados Temáticos Sensoriamento remoto (GPS, Satélite, Fotogrametria) Dados Alfanuméricos Tratamento e Análise Modelagem de Dados Geoestatística Análise topológica Análise de redes Reclassificação Armazenamento Banco de Dados Uso Integrado GIS AM/FM LIS

7 Geoinformação é qualquer informação derivada de processos que envolvam uma ou várias geotecnologias Evolução da Geoinformação Localizar Mapear Analisar Modelar Prever

8 Vantagens Uso do espaço como linguagem comum; Produção de novas informações; Múltiplas visões do espaço. Dados Geográficos representação dual Localização Atributo Localização Representar eventos na Terra; Relação espacial com outros dados; Múltiplas visões do espaço. Atributo Descrevem o evento/ fenômeno; Representação em Banco de Dados

9 Fonte: Lanna, 1995

10 BDE-INEA Etapas projeto SIG exemplo Banco de Dados Espaciais do INEA Modelagem e implantação do BD Geográficos para armazenamento de dados Levantamento de macroprocessos, cartográficos de dados geográficos, e descritivos -BDE-INEA; cartográficos e alfanuméricos Banco de dados espacial Oracle / Oracle spatial SIGWEB estruturado em ISMART ANÁLISE Preparação, depuração e migração de base de dados existentes - seleção e inserção BDE-INEA; Normas, Procedimentos e Metodologia de dados geoespacial - normatização específica e os requisitos mínimos para entrada de dados Implementação no Banco de de PAGs Dados agenda Espaciais verde, fiscalização (BDE), e procedimentos parte do licenciamento de ambiental edição, avaliação Desenvolver e aquisição um modelo novos de dados, normas de validação, MODELAGEM de para a futura implantação do Sistema CONCEITUAL Extensão do modelo BDE para acomodação de dados alfanuméricos sistemas legados; armazenamento, de acesso e de segurança dos dados que nortearam o gerenciamento de dados no BDE-INEA. Manual normativo de certificação de dados espaciais - parâmetros de qualidade de dados geográficos e procedimentos de avaliação de qualidade. Construir e implantar serviços web de mapas distribuição, acesso, publicidade e estabelecimento de padrões cartográficos das informações BDE-INEA via Web Feature Services Desenvolver (WFS) e Web um Map modelo Services físico (WMS) dos MODELAGEM dados e relacionamentos LÓGICA Capacitação técnica na construção e no uso do SIG corporativo integração com outros sistemas, acesso, consulta e análise espacial dos dados; Metadados dos dados coletados foi desenvolvido um sistema próprio para gerenciamento desta informação denominado de AcervoGIS. Do universo de 1803 dados coletados: 1642 possuem um conjunto Documentação do software e dos dados do SIG corporativo do INEA/RJ mínimo de Implantação informações do Sistema relativas aos seus metadados, SISTEMA destes FUNCIONANDO 1579 já foram cadastrados no AcervoGIS módulo 1 A BDE-INEA e SIGWeb coorporativo em funcionamento

11 Projeto: Banco de Dados Espacial do INEA Desenvolvido em conjunto pela Geopea e Getec com verba do PPMA INVESTIMENTO PPMA/INEA Geopea hardware, software e peopleware BANCO DE DADOS ESPACIAL (BDE) (R$) funcionamento 04/13 revisto problemas referente a Hardware ,00 licitação fase 2 demorou 1 ano. Resistencia instituição ao uso da ferramenta. ORACLE ,46 Estabelecimento de regras e normas para aquisição e Não utilização de recomendações WEBGIS/Ismart ,22 validação de geodados e geoinformação, manual Geopea qualidade de dado Trein. Verba Diversos liberada BDE (1ª fase PPMA, 2ª fase ,54 PPMA e Dificuldade em arranjar INEA), Módulo 2 (AR) - INEA). Módulo 3 Biota/Pesquisa (em elaboração provável financiador CCA/Funbio) cobertura vegetal e uso da terra (1:25.000) Total Infra-estrutura Hardware robusto ( storage e PCs) e Software ,22 (Oracle, Rede (GETEC está viabilizando link Oracle Spatial, Ismart, ArcGis/ArcInfo, Erdas, maior) Microstation/IGEOVEC, AutoCAD, GlobalMapper, Idrisi) Fase ,25 (finalizado) Fase 2 (implantação BDE) ,00 Número (finalizado) de pessoas (pouco) - item Pontos positivos Pontos Negativos Infraestrutura institucional Gestão da Informação Projeto de Banco de Dados Espacial INEA Qualidade dos dados, produtos e serviços Recursos financeiros Aspectos tecnológicos Recursos humanos Oportunidades e Ameaças Equipe altamente especializada Geopea Usuários Investimento em treinamento e capacitação Públicos externos Número de pessoas lotadas (pouco) Prazo de implantação várias vezes financiamento para módulos BDE e projetos de monitoramento da Aditivo modelagem conceitual módulo Ar (até março/2013)

12 BDE - INEA BHBG base de dados /ArcGis/ArcServer - UERJ BHG treinamento em software SIG e no BDE até definir se quer esse arranjo, ou módulo específico do BDE (coorporativo e desktop), ou outra alternativa que achar mais apropriada importante para decidir é conhecer/entender e modelar o problema/demanda e especificidades conhecimento em geoferramentas peopleware estabelecer e seguir regras e normas para geodados e geoinformação interoperabilidade uso comum disponibilização da informação transparência nos processos /atividades e decisões

13 A água é o reflexo do que acontece na bacia hidrográfica, e quando represada, pode servir como laboratório para analisar os efeitos do uso do solo em seu entorno. Sendo BACIA assim, HIDROGRÁFICA a água reflete o efeito da urbanização, e demais ações antrópicas sobre os mananciais e o reservatório. De acordo com, O gerenciamento de bacias hidrográficas é um processo de O negociação aumento social da intensidade fundamentado e variedade em conhecimentos de usos da água científicos sem o e planejamento tecnológicos, É uma unidade adequado que espacial visa (célula tem à compatibilização gerado básica na muitos análise impactos das ambiental) demandas nas que BH s. permite e Eles das normalmente oportunidades conhecer e são de avaliar iniciados desenvolvimento seus com diversos a retirada sociedade, componentes vegetação considerando e existente os processos horizontes mudando e a de estrutura interações planejamento vertical que nela da de paisagem. ocorrem longo prazo. - A visão eliminação É sistêmica antes desse e integrada tudo elemento uma do por relação ambiente. outro de natureza negociação Ela é considerada distinta política, (cultivo econômica, uma unidade ou social uma de e relevo ambiental, construção que contribui entre qualquer), os diversos para provocará um setores único alterações regionais, coletor de inseridos na águas sua dinâmica pluviais no âmbito (Botelho geral, dos Comitês a e começar Silva, de 2004) Bacias pelo. ciclo Em (Lanna, termos hidrológico 1997). ambientais, que é instantaneamente Para é a tanto unidade é necessário ecossistêmica afetado que e e também morfológica os dados promovem, (tabulares que melhor de e geo) reflete acordo e os informações com impactos Lanna (1997), (tabulares das interferências variações e geo) significativas produzidos antrópicas, seja no pelos ambiente na atores/parceiros ocupação como: de terras desaparecimento atuantes com atividades na BH s do filtro estejam agrícolas protetor disponíveis ou da na superfície urbanização. e estruturados solo; para a alteração o uso comum. das condições Assim a de utilização infiltração de e Sistemas de escoamento de Informações de água; a Geográficas instalação de são processos essenciais erosivos para organização, que podem começar acessibilidade, a remover integração, os horizontes interoperabilidade superficiais do desse solo conjunto modificando de paralelamente dados/informações as formas de forma da vertente; a subsidiar o aumento o diagnóstico, do volume monitoramento, de água nos canais prognóstico fluviais e e apoio junto a com tomada ela o aumento de decisão dos em sedimentos; BH e para a alteração um a fim dos de leitos planejamento, do curso d água; gerenciamento, alteração no gestão volume e e definição no ritmo dos de lençóis alternativas freáticos de e manejo mudança sustentáveis nas fontes voltadas d água. à conservação dos recursos naturais.

14 Território: usos, manejo, praticas sustentáveis, ecologia (paisagem, ecossistemas, comunidade, população e modelagem), conservação (solo, flora, fauna), preservação, planejamento, gerenciamento, monitoramento... Água (superficial, subsuperficial e subterrânea): qualidade, quantidade, usos, conservação, manejo, ecologia (ecossistema, comunidade, população e modelagem), saneamento, abastecimento, planejamento, gerenciamento, monitoramento,... Conservação e proteção dos recursos naturais Saúde Ambiental Impactos? Gestão de BH Especificidades da bacia hidrográfica do Guandu Atores Legislação/Politica Instrumentos de gestão

15 Quais são as demandas. Quais são as especificidades. O se quer atender. O que se pode atender. Quais os dados e informações para atendimento de cada demanda. Onde estão esses dados/informações. Eles existem. Estão disponíveis. Qual metodologia de obtenção/aquisição. São compatíveis. Qual temporalidade. Existe série histórica. Serão repassados periodicamente. Tem qualidade. Qual é essa qualidade. É passível de integração. É interoperável....

16 Dados Comitê PCJ Legenda: Volume Útil Total do Sistema Cantareira: 978,57 milhões de m 3 - Índice 1 : SABESP - Índice 2 : Comitês PCJ Fonte:

17 Dados Disponíveis Bases Cartográficas: SEA/IBGE escala 1:25000 Parcial, IBGE/DES 1:50000 integrada em ambiente SIG, MDE 1: e MDE 1:50000 ; Ortofotos 2005/2006 e respectivo MDE, Landsat s, e coleção de imagens diversas para áreas especificas (UC s, lagoas, acidentes, etc...); Base Temática Limites : Geopolítico (fonte Fund. CEPERJ 1:50000), Regiões Hidrográficas, Bacias Hidrográficas, UC s Estaduais (1: e 1:25000), RPPN S Estaduais e UCs Municipais (1:25000 espacialização 186 no ERJ falta validação do material pelas Prefeituras, correção dos limites quando necessário, validação final, autorização das prefeituras para disponibilização do material prazo agosto/2013); Qualidade da Água estações de coleta e índice (será atualizado periodicamente disponível SIGWeb BD/INEA a partir de maio) responsabilidade da GEAG; Qualidade do Ar estações (constituirá o módulo 3 do BDE INEA previsão de conclusão nov./2013) responsabilidade GEAR; Climáticas estações meteorológicas e hidrometeorológicas responsabilidade gerencias DIGAT e DIMFIS; Clima temperatura e pluviosidade (WordClean serie histórica ), evapotranspiração, déficit hídrico, excedente hídrico);

18 Outorga 2008 a 2009 (atualização em andamento BDE-INEA) responsabilidade GELIRH; Atividades licenciadas 2010 (atualização em andamento - BDE-INEA) gerencias da DIGAT e DILAM e as superintendências do INEA ; Solos detalhamento 1: e favorabilidades das terras a silvicultura, crescimento urbano, preservação ambiental, atividades agrícolas; (escala 1:100000); Fragilidade do Meio Físico (1:50000); Geologia DRM (1:50000) Geomorfologia (1:50000); Vegetação Potencial; Mapas Cobertura vegetal e Uso da terra : Madureira, 2007 subsídio ZEE (1:100000), Monitoramento 1: Inea , 2010 Landsat 5 e 2012 (em estudo) - IRS (satélite indiano), Monitoramento 1: em fase de finalização de tdr previsão de duração 12 meses; Mapa Bioclimático 1:100000; Conectividade Ecológica: Conectividade Estrutural, Funcionalidade Ecológica, Importância biológica e permeabilidade; Mapa Áreas Potenciais para Restauração; Mapa Áreas Potenciais para Conservação;

19 Mapa Grandes empreendimentos com potencial poluidor; Mapa Economias Atuais; Mapa Lixo; Mapa Gestão Ambiental; Mapa de Vulnerabilidade Socioeconômica; Mapa Conservação Ambiental (ICMS); Mapa Potencial Econômico ; Reflorestamento / restauração (em elaboração) SIBAR- responsáveis gerencias da DIBAP, DILAM e Superintendências; Dados Cadastro Ambiental Rural (em fase de estruturação) responsável Gesef/DIBAP; Zoneamento - Planos de Manejo de UC s de Proteção Integral e de Uso Sustentável; Zoneamentos Municipais em processo de solicitação Geget/DIGAT; Áreas de Preservação Permanente - 1:50000 hidrografia, > 1800 m, manguezais, o restante das APP s Lei estão em processo de espacialização definição de metodologia mais adequada.

20 Base topográfica 1:50000 IBGE/DSG - contínua

21 Andréa Franco de Oliveira Gerencia de Geoprocessamento e Estudos Ambientai GEOPEA/DIMFIS Rua Sacadura Cabral 103, 5º andar/sala Geopea. tel:

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão MundoGEO#Connect LatinAmerica 2013 Seminário Gestores Públicos da Geoinformação São Paulo, 19 de

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente. Fundação Florestal

Secretaria do Meio Ambiente. Fundação Florestal Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal Governo do Estado de São Paulo Sistema Ambiental Paulista Projeto DataGEO Implantação de uma Infraestrutura de Dados Espaciais Ambientais do Estado de São

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 29/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Válida para os acadêmicos ingressantes a partir

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS FERRAMENTAS ELETRÔNICAS NO APRIMORAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS FERRAMENTAS ELETRÔNICAS NO APRIMORAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

Apresentação. Maio de 2014

Apresentação. Maio de 2014 Apresentação Maio de 2014 Desafios para a disponibilização da geoinformação para o Monitoramento Ambiental Moderno Case: Ibama Objeto Auxiliar a promoção de um Monitoramento Ambiental Moderno apoiado por

Leia mais

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana.

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. NOME DOS AUTORES: Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo. Formação: Bacharel em Geografia, pela Universidade

Leia mais

Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade

Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade N T I Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Uma Visão Simplificada das Atividades Um Breve Resumo Histórico Situação da Informação em 1995

Leia mais

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água João Guimarães Dezembro/2012 60 anos Brasil 1988 32 países 3.500 funcionários

Leia mais

SÍNTESE Termo de Referência de Sistema de Informação Geográfica

SÍNTESE Termo de Referência de Sistema de Informação Geográfica SÍNTESE Termo de Referência de Sistema de Informação Geográfica Objetivo Geral O objetivo do desenvolvimento de um sistema de informações geográficas para a bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul é integrar

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

Apresentações do evento GGP 2013

Apresentações do evento GGP 2013 Apresentações do evento GGP 2013 Acesse outras apresentações e vídeos das palestras no site: http://www.ggp.uerj.br Processos GIS: Benefícios e Progressos para a Gestão José Augusto da Silva Machado Gerente

Leia mais

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs.

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Geociências Departamento de Geografia Sistemas de Informações Geográficas I GEO 01007 Professora: Eliana Lima da Fonseca Site da disciplina: https://moodleinstitucional.ufrgs.br

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20141030112259176. Projeto: Implantação do Componente Biota do Banco de Dados Espaciais Módulo 3 INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20141030112259176. Projeto: Implantação do Componente Biota do Banco de Dados Espaciais Módulo 3 INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20141030112259176 Projeto: Implantação do Componente Biota do Banco de Dados Espaciais Módulo 3 Assunto: Item: Contratação de consultoria PJ especializada para: 1- Implantação do

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO O que ele pode fazer por Você? Anderson Maciel Lima de Medeiros Tecnólogo em Geoprocessamento 2010

GEOPROCESSAMENTO O que ele pode fazer por Você? Anderson Maciel Lima de Medeiros Tecnólogo em Geoprocessamento 2010 GEOPROCESSAMENTO O que ele pode fazer por Você? Anderson Maciel Lima de Medeiros Tecnólogo em Geoprocessamento 2010 Sumário Geoprocessamento O que é? Geotecnologias Análise Espacial Geoprocessamento e

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

PROJETO SIG-SP Solução Corporativa de Dados Espaciais do Município de São Paulo

PROJETO SIG-SP Solução Corporativa de Dados Espaciais do Município de São Paulo PROJETO SIG-SP Solução Corporativa de Dados Espaciais do Município de São Paulo HISTÓRICO DO GEOPROCESSAMENTO NA PREFEITURA DE SÃO PAULO 1972 1980 1985 1996 2001 2005 2013 Cartografia Analógica Aplicativos

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento Gilberto Pessanha Ribeiro Engenheiro Cartógrafo - UERJ Mestre em Ciências Geodésicas - UFPR Doutor em Geografia UFF Especialista em Geologia do Quaternário Museu Nacional/UFRJ gilberto@eng.uerj.br gilberto@globalgeo.com.br

Leia mais

Novas ferramentas GIS para gestão Ambiental. Fabiano Cucolo 26/02/2015

Novas ferramentas GIS para gestão Ambiental. Fabiano Cucolo 26/02/2015 Novas ferramentas GIS para gestão Ambiental Fabiano Cucolo 26/02/2015 Um pouco sobre o palestrante Fabiano Cucolo fabiano@soloverdi.com.br 11-98266-0244 (WhatsApp) Consultor de Geotecnologias Soloverdi

Leia mais

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica SIG Sistema de Informação Geográfica O SIG é um sistema de Informação

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Governo Federal / Governo Estadual Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Plenária Desafios comuns Governança de dados espaciais; Informação geográfica é um ativo

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações.

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações. PROCESSO 014-2014 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações. A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS EDITAL DE SELEÇÃO PARA ALUNO ESPECIAL Período 2015/2 (Publicado em 06/08/2015)

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE RECURSOS HÍDRICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE RECURSOS HÍDRICOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇAO DE PROJETOS PARA O FUNDO DE RECUPERAÇÃO, PROTEÇÃO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS FHIDRO. SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Sistema Integrado de Informações Ambientais e dos Recursos Hídricos SIG Lagos São João

Sistema Integrado de Informações Ambientais e dos Recursos Hídricos SIG Lagos São João Sistema Integrado de Informações Ambientais e dos Recursos Hídricos SIG Lagos São João CILSJ Descritivo SIG Lagos São João Cláudio Vasque Chumbinho Presidente Graziella Magalhães Vice Presidente Mário

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE TECNOLOGIA GEOESPACIAL PARA GESTÃO DE CIDADES

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE TECNOLOGIA GEOESPACIAL PARA GESTÃO DE CIDADES SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Eng. Eberli Cabistani Riella Gerente de Tecnologia e Serviços eberli@procempa.com.br Eng. Sílvio Longo Vargas Supervisor de

Leia mais

Panorama tecnológico do Geoprocessamento na Prefeitura de São Paulo

Panorama tecnológico do Geoprocessamento na Prefeitura de São Paulo Panorama tecnológico do Geoprocessamento na Prefeitura de São Paulo Ivan Ciola Analista GIS Núcleo de Geoprocessamento PRODAM Quem é a PRODAM? Empresa de economia mista, criada em 1971, com a finalidade

Leia mais

Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos²

Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos² Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos² ¹UNIMEO/CTESOP UEM Professor da Faculdade UNIMEO/CTESOP-Assis Chateaubriand/PR Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia PGE-UEM ordmelo@hotmail.com

Leia mais

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades executadas pelo grupo de pesquisa da Faculdade

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de 2014.

SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de 2014. SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de 2014. Consulta Questionário GERCOs UFs 2014 Consulta GERCOs UFs - Objetivo: coletar informações institucionais, normativas, bem

Leia mais

TF096767 Projeto Políticas para o Cerrado e Monitoramento do Bioma Iniciativa Cerrado Sustentável MMA TERMO DE REFERÊNCIA N 2013.0122.

TF096767 Projeto Políticas para o Cerrado e Monitoramento do Bioma Iniciativa Cerrado Sustentável MMA TERMO DE REFERÊNCIA N 2013.0122. TF096767 Projeto Políticas para o Cerrado e Monitoramento do Bioma Iniciativa Cerrado Sustentável MMA TERMO DE REFERÊNCIA N 2013.0122.00032-0 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA ESPECIALIZADA

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA Clima urbano e qualidade socioambiental Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim João Lima Sant Anna Neto Este projeto tem como objetivo identificar como se processa a produção do clima urbano em cidades

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura Plena em Geografia Disciplina: Hidrogeografia Carga Horária: 60hs Teórica: 60hs Prática: 00hs Semestre: 2013.2 Professor: Antonio Marcos

Leia mais

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Odeir Alves LIIDTHE 1 Dalva Maria Castro VITTI 2 José Carlos Veniziani JUNIOR 3 Resumo As inundações

Leia mais

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA INTRODUÇÃO O presente Termo de Referência tem como objetivo

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008.

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008. DECRETO Nº 25974 de 15 de dezembro de 2008. Institui o GEOPARQUE CICLO DO OURO DE GUARULHOS e dá diretrizes para sua estruturação com o objetivo de implantação e forma de gestão. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca USO DE GEOTECNOLOGIAS APLICADO AO ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE E ANÁLISE DE RISCO DE PROCESSOS EROSIVOS EM FAIXAS DE DOMÍNIO DE LINHAS FÉRREAS - SUBSÍDIO AOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO OPERACIONAL E AMBIENTAL

Leia mais

COMPATIBILIZANDO CADASTROS

COMPATIBILIZANDO CADASTROS COMPATIBILIZANDO CADASTROS EM PROJETO SIG Cristiane Vaz Domingues cristiane.vaz@uol.com.br FOTOGRAFIA Hoje nas instituiçõesições públicas existem: informações repetidas e/ou complementares distribuídas

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Período: 13/09/2013 a 31/12/2013. Publico Alvo: 51 Gestores Governamentais

Período: 13/09/2013 a 31/12/2013. Publico Alvo: 51 Gestores Governamentais Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral Unidade de Apoio a Projetos Especiais Projeto de Inserção dos Gestores Governamentais Programa de Qualificação Profissional para os Gestores Governamentais

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza

RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza Introdução: A cidade é uma estrutura espacial, onde todos os elementos estão em constante interação. Em conseqüência

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Site: www.geomata.com.br Tel.: (21) 9999-1183 E-mail: administrativo@geomata.com.br

Site: www.geomata.com.br Tel.: (21) 9999-1183 E-mail: administrativo@geomata.com.br Empresa: GEOMATA - Soluções Ambientais Setor de atuação: Meio ambiente, Engenharia Florestal Status: ( ) Pré-incubada ( ) Incubada ( x ) Graduada ( ) Associada ( ) PRIME Inventário florestal, manejo florestal,

Leia mais

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Autor/apresentador Eng. José Maria Viillac Pinheiro Currículo Sócio

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine:

Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine: Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine: potencialização da comunicação espacial em simulação da morfologia de ocupação e parâmetros urbanísticos Profa Ana Clara Mourão Moura Laboratório

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA DPI - INPE Criada em 1984, a Divisão de Processamento de Imagens (DPI) faz parte da Coordenação Geral de Observação da Terra/OBT do Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO Profa. Adriana Goulart dos Santos Aula 2 o INTRODUÇÃO A SIG o MODELAGEM DE DADOS Por que Geoprocessamento? Porque

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos

Gestão de Recursos Hídricos Gestão de Recursos Hídricos Sustentabilidade e o Valor Econômico da Água na Mineração José Roberto Centeno Cordeiro Leonardo Mitre Alvim de Castro ANGLO FERROUS BRAZIL PLANO DA APRESENTAÇÃO 1. AS VISÕES

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

PROJETO DE MONITORAMENTO DA BACIA HIDROGEOLÓGICA DA REGIÃO DE IRECÊ COM O USO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

PROJETO DE MONITORAMENTO DA BACIA HIDROGEOLÓGICA DA REGIÃO DE IRECÊ COM O USO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PROJETO DE MONITORAMENTO DA BACIA HIDROGEOLÓGICA DA REGIÃO DE IRECÊ COM O USO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS Hailton M. Silva (NEHMA/IG/UFBa), Luiz R.Bastos Leal (NEHMA/IG/UFBa), Antonio Puentes

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

SigaGeo Monitoramento de Projetos Seminário Gestores Públicos da Geoinformação

SigaGeo Monitoramento de Projetos Seminário Gestores Públicos da Geoinformação Seminário Gestores Públicos da Geoinformação Ações de Governo no uso da Geoinformação como instrumento para uma Gestão Pública mais eficiente Metodologia para Monitoramento de Projetos Estratégicos para

Leia mais

Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades

Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades A Sabesp STATUS: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: R$ 10,5 bilhões* EMPREGADOS: 14.896 Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária

Leia mais

Zoneamento Ecológico-econômico da Região Nordeste

Zoneamento Ecológico-econômico da Região Nordeste Programa 0512 ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO Objetivo Promover o zoneamento ecológico-econômico de regiões selecionadas, como forma de consolidar o processo de ocupação e desenvolvimento, de forma sustentável.

Leia mais

O Mercado Geoespacial e a Atuação da Santiago & Cintra Consultoria: Entendimento das Necessidades, Aplicações e Soluções Integradas

O Mercado Geoespacial e a Atuação da Santiago & Cintra Consultoria: Entendimento das Necessidades, Aplicações e Soluções Integradas O Mercado Geoespacial e a Atuação da Santiago & Cintra Consultoria: Entendimento das Necessidades, Aplicações e Soluções Integradas Iara Musse Felix Diretora de Desenvolvimento de Negócios da Salvador

Leia mais

MECANISMOS DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS AMBIENTAIS COM SUPORTE DAS GEOTECNOLOGIAS

MECANISMOS DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS AMBIENTAIS COM SUPORTE DAS GEOTECNOLOGIAS p. 001-005 MECANISMOS DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS AMBIENTAIS COM SUPORTE DAS GEOTECNOLOGIAS DANIELLA TANCREDO DE MATOS ALVES COSTA Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ Faculdade de Engenharia

Leia mais

APRESENTAÇÃO A BIOEC

APRESENTAÇÃO A BIOEC APRESENTAÇÃO Empresa especializada em elaboração, execução e gerenciamento de projetos ambientais. Formada por profissionais altamente qualificados, que buscam desenvolver projetos eficientes e inovadores,

Leia mais

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo DETERMINAÇÃO DA VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DE DEMANDA HÍDRICA E PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM ESCALA REGIONAL POR MEIO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO AGRÍCOLA, ASSOCIADAS À MODELAGEM, GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Rede de Geoprocessamento Lagos São João

Rede de Geoprocessamento Lagos São João Rede de Geoprocessamento Lagos São João CILSJ Descritivo SIG Lagos São João Cláudio Vasque Chumbinho Presidente Graziella Magalhães Vice Presidente Mário Flávio Moreira Secretário Executivo Quadro institucional

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

WORKSHOP COMITÊ GESTOR DO SIG

WORKSHOP COMITÊ GESTOR DO SIG Geoprocessamento na CELG-D Estrutura Organizacional Estrutura Organizacional CELG DISTRIBUIÇÃO DIRETORIA TÉCNICA Superintendência de Sistemas Elétricos Departamento de Tecnologia e Pesquisa Setor de Geoprocessamento

Leia mais

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição Eng. Patrícia Maria Mafra Macedo CEMIG Distribuição S.A pmafra@cemig.com.br

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade

Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade N T I Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade SEMA NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Uma Visão Simplificada das Atividades Objetivo DADOS INFORMAÇÃO CONHECIMENTO UM BREVE RESUMO

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Rossini Ferreira Matos Sena Especialista em Recursos Hídricos Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável

Leia mais