COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE POTÊNCIA E DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA NO LIMIAR DE ANAEROBIOSE DETERMINADO POR DOIS MÉTODOS INDIRETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE POTÊNCIA E DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA NO LIMIAR DE ANAEROBIOSE DETERMINADO POR DOIS MÉTODOS INDIRETOS"

Transcrição

1 JSSN Rev. bras. fisioter. Vol. 9, No. 2 (2005), Revista Brasileira de Fisioterapia COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE POTÊNCIA E DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA NO LIMIAR DE ANAEROBIOSE DETERMINADO POR DOIS MÉTODOS INDIRETOS Sirol, F. N., 1 Sakabe, D. 1., 2 3 Catai, A. M., 2 Milan, L. A., 4 Martins, L. E. B. 5 e Silva, E Laboratório de Pesquisa em Fisioterapia Cardiovascular e de Provas Funcionais, Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, Brasil 2 Núcleo de Pesquisa em Exercício Físico, Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil 'Departamento de Ginecologia e Obstetrícia, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil 4 Departamento de Estatística, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil 5 Laboratório de Fisiologia do Exercício da Faculdade de Educação Física da Universidade de Campinas, Campinas, SP, Brasil Correspondência para: Ester da Silva, Rodovia do Açúcar, km 156, CEP , Piracicaba, SP, Brasil, CEP , Recebido: 22/6/2004- Aceito: 15/3/2005 RESUMO Objetivo: Avaliar se protocolos individualizados do tipo rampa podem ser melhor que os do tipo degrau na determinação do limiar de anaerobiose (LA). Método: 1 O homens de meia idade (54± 3,25 anos) saudáveis e sedentários foram submetidos a 2 testes de exercício físico dinâmico em cicloergômetro de frenagem eletromagnética (Quinton Corival 400). O primeiro teste foi contínuo do tipo rampa (TC-R), com incrementos de 15 W/min, até a exaustão física. O segundo teste foi descontínuo do tipo degrau (TD D). A freqüência cardíaca (FC) foi captada batimento a batimento e as variáveis ventilatórias e metabólicas, respiração a respiração, em tempo real. No TC-R o LA foi determinado pela metodologia visual (média de 3 observadores) de análise das variáveis ventilatórias e metabólicas. Para determinação do LA no TD-D foi aplicado o modelo matemático e estatístico semiparamétrico ao conjunto de dados da FC. Análise estatística: Teste de Wilcoxon para amostras pareadas com nível de significância a = 5%. Resultados: Foi observada diferença estatisticamente significativa (p < 0,05) entre os valores de potência no LA determinado no TC-R (66,5 W) e no TD-D (45 W). Os valores de FC não foram estatisticamente diferentes (p > 0,05) entre os 2 protocolos. Conclusões: Nossos dados mostram que no protocolo com cargas descontínuas, os voluntários atingem o LA em níveis de potência inferiores, porém com resposta do trabalho cardíaco similar à do exercício realizado com protocolo contínuo do tipo rampa. Isso sugere que a carga de trabalho durante o treinamento físico para esses voluntários deve ser a do protocolo descontínuo. Palavras-chave: freqüência cardíaca, limiar de anaerobiose, exercício dinâmico. ABSTRACT Comparison of power output and heart rate leveis in anaerobic threshold determinations by two indirect methods Objective: To evaluate whether individualized ramp protocols may be better than step protocols for determining the anaerobic threshold (AT). Method: Ten healthy sedentary middle-aged men (54 ± 3.25 years) underwent two dynamic physical exercise tests on an electromagnetically braked cycle-ergometer (Quinton Corival 400). The first protocol was a continuous ramp test (R-CT), with 15 W/min power increments, until physical exhaustion. The second protocol was a discontinuous step test (S-DT). Heart rates were measured on a beat-to-beat basis and ventilatory and metabolic variables on a breath-to-breath basis, in real time. For R-CT, AT was determined visually (mean of three observers) by analyzing the ventilatory and metabolic variables. To determine the AT for S-DT a semi-parametric mathematical and statistical model was applied to heart rate data. Statistical analysis was performed by the Wilcoxon test for paired samples, with the levei of significance set at 5%. Results: A statistically significant difference (p <

2 212 Sirol, F. N. et ai. Rev. bras. jisioter. 0.05) was observed between the power values at AT from R-CT (66.5 W) and S-DT (45 W). Heart rate values were not statistically different (p > 0.05) between the two protocols. Conclusion: Our data show that, during the discontinuous step test, the volunteers reached the AT at lower power leveis than for the continuous test, but the cardiac work response was similar between the protocols. This suggests that the physical training workload for these volunteers should be determined by the discontinuous step test. Key words: heart rate, anaerobic threshold, dynamic exercise. INTRODUÇÃO A realização de exercício físico requer a interação de diferentes mecanismos fisiológicos que permitem ao sistema cardiorrespiratório suprir as crescentes demandas energéticas provenientes dos músculos em atividade. A capacidade desse sistema de realizar tal tarefa está condicionada à manutenção da homeostase do organismo durante o exercício físico, e sua habilidade para desempenhar adequadamente tal função é uma medida da sua capacidade funcional. 1 O limiar de anaerobiose (LA) tem sido utilizado como um parâmetro fisiológico útil na avaliação da capacidade aeróbia funcional bem como na prescrição de exercício físico, para diferentes populações. Fornece ainda importantes informações acerca dos principais sistemas fisiológicos envolvidos na realização do exercício físico. O LA tem sido utilizado também na determinação da capacidade física de um indivíduo no diagnóstico de patologias degenerativas cardiovasculares, respiratórias, musculares e metabólicasp Uma das metodologias mais utilizadas, estudadas e consagradas para a determinação do LA é a análise das respostas das variáveis ventilatórias e metabólicas, IA coletadas respiração a respiração durante protocolo contínuo. A literatura tem documentado que os protocolos com incremento contínuo de carga, também conhecidos como protocolos em rampa, permitem melhor observação da cinética das variáveis estudadas. 1 No entanto, a captação das variáveis ventilatórias e metabólicas requer equipamentos de alto custo e complexo manuseio, que, na maioria das vezes, está disponível apenas em centros de pesquisa. 5 Além disso, a utilização de protocolos com incremento contínuo de carga geralmente levam o indivíduo à exaustão física em menor espaço de tempo, sendo considerado um teste de esforço físico máximo. Ribeiro 6 e Marães et a/.,1 avaliando o comportamento da freqüência cardíaca (FC) e de sua variabilidade (VFC) durante exercício físico dinâmico com cargas constantes em degraus descontínuos, observaram aumento da FC concomitante à redução da VFC decorrente do incremento de potências, sugerindo menor participação da atuação vagai e predomínio da atividade simpática sobre o coração. Orizio et a/. 8 relatam a existência de uma associação entre o aumento lento da FC, observada em exercícios de média e alta intensidade, com incrementos na concentração sangüínea de noradrenalina, sugerindo que nessas condições o tônus simpático aumentado é o principal responsável pelo aumento da FC. Silva et al. 9 referem que a aplicação de modelos matemáticos, como o auto-regressivo integrado médias móveis (ARIMA), e de medida da entropia de sistemas dinâmicos (Kolmogorov-Sinai Entropy) podem ser utilizados na caracterização do LA, em protocolos com cargas constantes. Nesse sentido, a determinação do LA por métodos indiretos mais simples e menos onerosos em relação à utilização do equipamento de ergoespirometria, como, por exemplo, a FC captada em protocolos de exercício físico submáximos, permite enorme avanço na prática clínica fisioterapêutica de avaliação de indivíduos submetidos a esquemas terapêuticos farmacológicos e não-farmacológicos (como, por exemplo, programas de treinamento físico) em ambulatórios, clínicas e academias. 5 Dessa maneira, os objetivos da presente investigação foram: determinar o LA de homens de meia-idade por meio da aplicação de dois tipos de protocolos, um contínuo e outro descontínuo, utilizando dois métodos indiretos (variáveis ventilatórias e metabólicas e FC, respectivamente); comparar os níveis de potência e da FC no LA mensurado em cada um dos protocolos. Casuística MATERIAIS E MÉTODOS Foram estudados dez homens de meia-idade saudáveis com idade de 54 ± 3,25 anos e padrão sedentário de vida, com base nas respostas do teste de avaliação cardiovascular e funcional, estando de acordo com a classificação aeróbia da American Heart Association. Todos os voluntários foram informados sobre os procedimentos experimentais, aceitaram participar do estudo e assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido antes de realizar os testes. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da instituição (processo 01/2001). Procedimento Experimental Os voluntários foram submetidos a exames de caráter diagnóstico, a saber: a) avaliação clínica (anamnese e exame clínico);

3 Vol. 9 No. 2, 2005 Potência e Freqüência Cardíaca no Limiar de Anaerobiose 213 b) eletrocardiografia de 12 derivações em repouso na posição supina; c) teste de esforço físico dinâmico contínuo até exaustão física ou sintoma limitante, para avaliação cardiovascular e funcional (Protocolo I); d) exames laboratoriais (hemograma completo, urina tipo I, colesterol total e frações, triglicérides, creatinina e uréia). A idade, as características antropométricas, os exames laboratoriais e os dados da avaliação funcional estão apresentados na Tabela 1. Procedimentos para a realização dos testes A sala onde foram realizados os experimentos foi climatizada artificialmente, com temperatura e umidade relativa do ar mantidas em torno de 23"C e 50%, respectivamente. Os equipamentos utilizados foram calibrados previamente à chegada do voluntário e os testes foram realizados no mesmo período do dia (vespertino), para evitar as influências do ciclo circadiano sobre as respostas das variáveis estudadas. Os protocolos experimentais foram conduzidos em uma bicicleta ergométrica de frenagem eletromagnética (Quinton Corival 400), com a altura do banco regulado de modo a permitir flexão de joelho de aproximadamente 5. Os voluntários foram orientados a manter a velocidade da pedalada em 60 rotações por minuto. Protocolos Experimentais e Determinação do LA Para determinação do LA foram aplicados dois protocolos individualizados: teste de exercício físico dinâmico contínuo do tipo rampa (TC-R) e teste de exercício físico dinâmico descontínuo do tipo degrau (TD-D), com intervalo de uma semana entre eles. Teste de exercício físico dinâmico contínuo do tipo rampa (TC-R) Esse protocolo foi realizado com o objetivo de determinar a capacidade aeróbia funcional e o limiar de anaerobiose ventilatório dos voluntários estudados. O protocolo do TC-R consistiu de 60 s de repouso pré-teste sentado no cicloergômetro, iniciando o exercício com carga livre durante 240 s, seguido de incrementos de potência de 15 W/60 s até a exaustão física. Esse incremento de potência foi calculado individualmente, de acordo com fórmula descrita por Wasserman et al. 1 Não foram observados sinais e/ou sintomas limitantes para o pico dos testes em nenhum dos voluntários estudados. As variáveis ventilatórias e metabólicas como consumo de oxigênio (V0 2 ), produção de gás carbônico (VC0 2 ) e ventilação pulmonar, foram captadas, respiração a respiração, durante todo o TC-R, por meio de um sistema de medidas de gases expirados (CPX/D MedGraphics). Essas variáveis foram posteriormente processadas e calculadas em médias móveis a cada oito ciclos respiratórios para melhor observação da cinética de suas respostas durante o exercício. Nesse protocolo, o LA foi determinado pela análise visual das respostas das variáveis ventilatórias e metabólicas por três observadores independentes, devidamente treinados. O critério adotado para determinação do LA foi a observação do momento do exercício físico em que ocorre a perda do paralelism<? entre as respostas do vo2 e da vco2, ou seja, quand~ a vco2 começa a se elevar mais rapidamente do que o V0 2 (Figura 1 ). Os valores de potência e FC no LA de cada um dos voluntários foram calculados como a média das três observações. A FC foi captada nos dois protocolos experimentais aplicados, batimento a batimento, em tempo real por meio de uma interface entre um monitor cardíaco (ECAFIX TCSOO) e um microcomputador (Pentium III 500 MHz). O sinal do ECG, captado na derivação MCS (pólo negativo no manúbrio estemal, pólo positivo na região do quinto espaço intercostal, na linha hemiclavicular esquerda e terra no quinto espaço intercostal direito), foi digitalizado por meio de um conversor AID Lab. PC+ (National Instruments, CO) e processado por um software (STEF 1.01 PC-LPM-16 PnP), que realizava o cálculo dos intervalos R-R e da FC em valores instantâneos, amostrados em tempo real e armazenados em disco, permitindo, assim, a análise posterior dos dados e a impressão dos relatórios. Teste de exercício físico dinâmico descontínuo do tipo degrau (TD-D) Esse protocolo foi padronizado com o objetivo de avaliar 11 o limiar de anaerobiose 10 dos voluntários estudados por meio da análise do comportamento das respostas da FC. O protocolo TD-D consistiu da aplicação de cargas constantes, variando de 5 a 1 O W, a partir do nível de potência do LA atingido no TC-R, com duração de 480 s cada uma, sendo 60 s de repouso pré-exercício, 360 s de exercício e 60 s recuperação pós-exercício. A determinação do LA no protocolo descontínuo foi realizada a partir da análise do comportamento das respostas da FC em cada uma das cargas aplicadas utilizando modelos matemáticos e estatísticos, por meio dos quais pode-se verificar a perda da estabilidade da FC durante o TD-D, de forma que os seus valores apresentam inclinação positiva e estatisticamente significativa, o que tem sido atribuído ao início do predomínio da ativação simpática, podendo ser indicativo do nível do LA (Figura 2).

4 214 Sirol, F. N. et a/. Rev. bras. fisioter. Também podemos observar nessa figura os conjuntos de dados da FC em três diferentes níveis de potência: A - corresponde à carga do LA determinado no protocolo contínuo do tipo rampa (inclinação positiva); B - corresponde à carga do LA determinado no protocolo descontínuo do tipo degrau (inclinação positiva); e C- corresponde a uma carga inferior em relação à carga do LA do protocolo descontínuo do tipo degrau (inclinação negativa). Nesse conjunto de dados foi ajustado um modelo matemático e estatístico semiparamétrico. Verifica-se, ainda, que no nível B ocorreu inclinação positiva e estatisticamente significativa (p < 0,05) do conjunto de dados da FC, sendo esse o nível de potência considerado o LA para esse voluntário. Para a análise em questão foi utilizado o aplicativo "S-Plus" (Versão 4.5 Professional Release 2 for MS Windows, 1998, Copyright Statistical Sciences, Inc. Copyright AT & T). Na potência em que foi determinado o LA, calculouse a FC média correspondente ao intervalo de 120 a 400 s do exercício físico. Análise Estatística Foi aplicado o teste de Kolmogorov-Smirnov para análise de distribuição de normalidade das variáveis estudadas. Para comparação dos valores de potência e FC no LA detectado nos dois protocolos foi aplicado o teste de Wilcoxon para amostras pareadas. Nível de significância estabelecido a= 5%. RESULTADOS Os valores de potência e FC no LA determinado no TC-R e no TD-D estão apresentados na Tabela 1. Observase que foram encontradas diferenças significativas (p < 0,05) entre os dois protocolos em relação à potência do LA. Os valores de FC no LA dos dois protocolos não foram estatisticamente diferentes (p > 0,05). Também estão representados na Tabela 1 os valores de potência, V0 2 e FC no pico do teste cardiopulmonar (TC-R). DISCUSSÃO Há diferentes metodologias para a identificação do LA, tanto invasivas (pela dosagem sangüínea de lactato) como não-invasivas. 12 n Um dos métodos indiretos e não-invasivos mais utilizados para determinação do LA é a análise da resposta das variáveis ventilatórias e metabólicas pela observação do momento em que ocorre o aumento não-linear da ventilação pulmonar e da produção de dióxido de carbono (VC0 2 ), em relação ao incremento linear do consumo de oxigênio (V0 2 ), durante teste de exercício físico dinâmico incrementai do tipo rampa. 1 Nesta investigação, para o protocolo contínuo do tipo rampa foi utilizada metodologia similar a de Sakabe 5 e Crescêncio, 14 que adotaram como critério para determin~ção do L~ a perda do paralelismo entre as respostas do V0 2 e da vco2. No entanto, apesar de a análise da resposta das variáveis ventilatórias e metabólicas ser uma técnica bastante estudada e consagrada na literatura para a quantificação do LA, devese ressaltar que a utilização de equipamentos capazes de realizar a coleta dessas variáveis é restrita, na maioria das vezes, a centros de pesquisa, pelo seu alto custo e complexo manuseio. Nesse sentido, a avaliação desse importante parâmetro fisiológico por meio de equipamentos de coleta de sinais mais simples e menos dispendiosos é essencial para que se possa determinar a capacidade aeróbia de indivíduos submetidos diariamente a programas de treinamento físico aeróbio em clínicas, ambulatórios e academias. 5 Em estudos realizados utilizando protocolos descontínuos do tipo degrau foi observado que o limiar de anaerobiose pode ser detectado indiretamente, por meio da análise da resposta da FC, no nível de potência de exercício físico em que ocorre a perda de estabilidade de seus valores. Nesta investigação, o LA foi detectado por meio da aplicação do modelo matemático e estatístico semiparamétrico aos dados da FC coletados durante o protocolo em degraus descontínuos. A potência do LA foi determinada como a menor carga de exercício em que ocorreu tendência de inclinação positiva do ajuste matemático aos dados da FC, sugerindo que o aumento de seus valores foi decorrente de maior ativação simpática e menor contribuição vagai nesse nível de esforço. O LA é um índice objetivo da tolerância ao exercício e representa um parâmetro fisiológico aceito internacionalmente na avaliação da capacidade funcional 19 e na prescrição de treinamento físico para diferentes tipos de população. 4 O treinamento físico tem sido considerado um importante esquema terapêutico não-farmacológico tanto no tratamento de pacientes portadores de cardiopatias como na prevenção do desenvolvimento de doença cardíaca em portadores de fatores de risco. 20 Alonso et a/. 19 referem que a prática de exercício físico em intensidades até o LA parece proporcionar maior segurança em relação a possíveis eventos cardiovasculares. O treinamento físico realizado em intensidades de exercício próximas ao LA promove sobrecarga fisiológica efetiva e segura ao organismo, levando a modificações anátomofisiológicas que permitem ao indivíduo aumentar sua capacidade aeróbia de maneira gradual. 20

5 Vol. 9 No. 2, 2005 Potência e Freqüência Cardíaca no Limiar de Anaerobiose c E 1200 E Tempo (s) Figura 1. Resposta do consumo de oxigênio (V0 2 ) e da produção de gás carbônico (VC0 2 ) durante o teste de exercício físico dinâmico contínuo do tipo rampa de um dos voluntários estudados (SVA). A seta indica o momento da determinação do limiar de anaerobiose (LA) por um dos observadores, seguindo o critério da perda do paralelismo das respostas das duas variáveis c.e 1200 E o o Tempo (s) Figura 2. Conjuntos de dados da freqüência cardíaca em três diferentes níveis de potência do teste de exercício físico dinâmico descontínuo do tipo degrau: A- corresponde à carga do LA determinado no protocolo contínuo do tipo rampa (70 W, inclinação positiva); B- corresponde à carga do LA determinado no protocolo descontínuo do tipo degrau (60 W, inclinação positiva); C- corresponde a uma carga inferior em relação à carga do LA do protocolo descontínuo do tipo degrau (50 W, inclinação negativa).

6 216 Sirol, F. N. et ai. Rev. bras. fisioter. Tabela 1. Idade, altura, peso, índice de massa corporal, pressão arterial sistólica (PAS), pressão arterial diastólica (PAD), freqüência cardíaca (FC) em repouso e resultados dos exames laboratoriais. Dados dos parâmetros obtidos no pico do teste ergométrico de avaliação cardiovascular e funcional, no pico do teste cardiopulmonar contínuo do tipo rampa (TC-R) e no limiar de anaerobiose (LA) dos testes TC-R e no descontínuo do tipo degrau (TD-D). Características antropométricas Idade (anos) Altura (m) Peso (kg) Índice de massa corporal (kg/m 2 ) Repouso PAS (mmhg) PAD (mmhg) FC (bpm) Exames laboratoriais Colesterol total (mg/dl) Triglicérides (mg/dl) Hemograma Urina tipo I Variáveis Valores no pico do teste ergométrico de avaliação cardiovascular e funcional PAS (mmhg) PAD (mmhg) FC pico (bpm) Potência (Watts) Valores no pico do TC-R Potência (Watts) Consumo de oxigênio (ml0 2 /kg/min) FC (bpm) Valores no LA Potência (Watts) FC (bpm) TC-R 65 ± 10,8 97 ± 12,7 Médiaj:DP 53,9 ± 3,2 1,66 ± 0,05 72,5 ± 8,8 26,05 ± 2,6 117,5 ± 6,3 78,5 ± 3,3 68,4 ± 7,9 162,2± 24,9 101,3 ± 25 normal normal 192 ± 16,5 94 ± 11,4 158,3 ± 15,2 135 ± ± 17 21,3 ± 1,4 148±15,2 TD-D 47 ± 15,3* 105 ± 12,6 em = centímetros; kg = quilogramas; kg/m 2 = quilogramas por metro quadrado; mmhg = milímetros de mercúrio; bpm = batimentos por minuto; mg/dl =miligramas por decilitro; ml0 2 /kg/min = mililitro de oxigênio por quilograma por minuto; *p < 0,05. Um índice bastante utilizado na prescrição de protocolos de treinamento fisico é a FC. Há algumas fórmulas preestabelecidas para a determinação da FC de treinamento, mas é preconizado que a intensidade de exercício ideal seja determinada em testes de exercício para avaliação da capacidade funcionaj.2 A FC ideal de treinamento físico dos voluntários estudados não diferiu entre os protocolos realizados, conduzindo a resultados equivalentes, no entanto, em relação à potência no LA, o teste com incremento contínuo de carga apresentou valores superiores em relação ao teste com cargas descontínuas, o que pode ser explicado pela duração do exercício em cada nível de potência dos dois protocolos. Pela maior duração do exercício no TD-D, a sobrecarga aplicada ao sistema cardiovascular, mensurada pela FC, é similar à observada no TC-R, porém em níveis de esforço mais baixos, em termos de valores de potência.

7 Vol. 9 No. 2, 2005 Potência e Freqüência Cardíaca no Limiar de Anaerobiose 217 No TC-R, o indivíduo não permanece por muito tempo em um mesmo nível de potência, pelo incremento de carga contínuo (aumento de I W a cada 4 s). Nessas condições, a FC observada em um dado instante do teste corresponde ao trabalho cardiovascular realizado até aquele momento e não ao exercício realizado somente naquela potência, como é o caso dos protocolos com cargas constantes mantidas por um período de tempo. Nesse teste, o indivíduo é submetido a determinada potência por um período de tempo maior (360 s), suficiente para que o trabalho cardíaco possa ser mensurado e corresponda adequadamente àquela carga de exercício. O treinamento físico mais adequado para populações de risco, como indivíduos sedentários e cardiopatas, é o denominado protocolo intervalado, ou seja, aquele que tem como característica a realização de uma série de períodos repetitivos de exercício, alternada com períodos de repouso ativo ou intervalos de recuperação. Nesse protocolo, a duração, a intensidade e os intervalos são variáveis, dependendo do objetivo desejado. 20 Nesta investigação, o protocolo com cargas descontínuas aplicado mostrou-se mais adequado para prescrição de intensidade de treinamento físico baseado em protocolo intervalado por permitir o conhecimento do trabalho cardíaco imposto em uma dada potência por um determinado período de tempo. Dessa forma, a mesma potência em que foi identificado o LA no TD-D pode ser utilizada, de forma segura e eficaz, no protocolo de treinamento físico do tipo intervalado, permitindo uma sobrecarga cardíaca ideal dentro dos limites aeróbios preconizados pelo teste. Conclusão: Nossos dados mostram que no protocolo com cargas descontínuas os voluntários atingem o LA em níveis de potência inferiores, porém com resposta do trabalho cardíaco similar à do exercício realizado com protocolo contínuo do tipo rampa. Isso sugere que a carga de trabalho durante o treinamento físico para esses voluntários deve ser a do protocolo descontínuo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS I. Wasserman K, Hansen JE, Sue D, Whipp BJ, Casaburi R. Principies of exercise testing and interpretation. 4' 11 ed. Philadelphia: Williams & Wilkins; Beaver WL, Wasserman K, Whipp BJ. A new method for detecting anaerobic threshold by gas exchange. J Appl Physiol 1986; 60(6): Svedahl K, Macintosh BR. Anaerobic threshold the concept and methods of measurement. Can J Appl Physiol 2003; 28(2): Lucía A, Vaquero AF, Pérez M, Sánchez O, Sánches V, Gómez MA, et ai. Electromyographic response to exercise in cardiac transplant patients. Chest 1997; 111 (6): Sakabe DI. Quantificação do limiar de anaerobiose durante exercício físico dinâmico em homens de meia idade: análise da resposta de variáveis cardiorrespiratórias e musculares [dissertação]. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos; Ribeiro TF. Avaliação da modulação autonômica da atividade eferente do coração pela variabilidade da freqüência cardíaca em mulheres sedentárias em repouso e em exercício [dissertação]. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos; Marães VRFS, Teixeira LCA, Catai AM, Milan LA, Rojas FAR, Oliveira L, et ai. Determinação e validação do limiar de anaerobiose a partir de métodos de análise da freqüência cardíaca e de sua variabilidade. Rev Soe Cardiol Estado de São Paulo 2003; 13(4): Orizio C, Perini R, Comande A, Castellano, M, Beschi M, Veicsteinas A. Plasma catecholamines and heart rate at the beginning of muscular exercise in man. Eur J Appl Physiol 1988; 57: Silva FMHSP, Silva Filho AC, Lavrador MAS, Marães VRFS, Moura MSA, Silva E, et ai. Characterization of anaerobic threshold in dynamical physical exercise of healthy men. In: Accessibility and quality of health services. Proceeding of the 28'h Meeting of the European Working Group on Operational Research Applied to Health Services (ORAHS). Rio de Janeiro; O. Garcez ARR, Visconde FJ, Zaitune MPA, Marães VRFS, Moura MSA, Verzola RMM, et ai. Avaliação do limiar de anaerobiose em homens com fatores de risco para doença da artéria coronária e com doença da artéria coronária. Rev Soe Cardiol Estado de São Paulo 2001; ll(supl. 3): Marães VRFS, Silva E, Catai AM, Gallo Jr. L, Oliveira L, Ribeiro TF, et ai. Avaliação da capacidade física de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica de grau leve e moderado a partir da resposta da freqüência cardíaca: Relato de caso. Rev Soe Cardiol Estado de São Paulo 2000; 1 O(supl. 3): Hofmann P, Bunc V, Leitner H, Pokan R, Gaisl G. Heart rate threshold related to lactate turn point steady-state exercise on a cycle ergometer. Eur J Appl Physiol 1994; 69: Bunc V, Hofmann P, Leitner H, Gaisl G. Verification of the heart rate threshold. Eur J Appl Physiol 1995; 60(6): Crescêncio JC. Determinação do limiar de anaerobiose ventilatório no exercício físico dinâmico em indivíduos sadios. Comparação entre métodos obtidos por análise visual e modelos matemáticos [dissertação]. São Carlos (SP): Universidade de São Paulo; 2002.

8 218 Sirol, F. N. et al. Rev. bras. fisioter. 15. Marães VRFS, Silva E, Ribeiro TF, Petto J, Moura MSA, Catai AM, et ai. Study of heart rate variability in the characterization of anaerobic threshold (AT) in discontinuous dynamic exercise tests (DDET). J Int Acad Cardiol I999; 1(1): Ribeiro TF, Azevedo GD, Marães VRFS, Catai AM, Crescêncio JC, Oliveira L, et ai. Determination of aerobic capacity in postmenopausal and young women by analysis of heart variability. In: Genazzani AR, Artini PG, Petraglia F, editores. Recent research on Gynecological Endocrinology; 2001; London, United Kingdom; 1: I 7. Sakabe DI, Ferreira V, Ribeiro TF, Azevedo GD, Milan LA, Catai AM, et ai. Use of a semi-parametric model for the analysis o f heart rate variability (HRV) in order to determine the anaerobic threshold of middle-aged men and postmenopausal women receiving or not hormonal replacement therapy. In: 13'h Annual Meeting of the North American Menopause Society (NAMS): Annals of the 13'h Annual Meeting of the NAMS. Chicago: United States of America; p I Consenso de Reabilitação Cardiovascular. Arq Bras Cardiol 1997; 69(4):

AVALIAÇÃO DO CONTROLE AUTONÔMICO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E DETERMINAÇÃO DO LIMIAR DE ANAEROBIOSE EM HOMENS SAUDÁVEIS E CORONARIOPATAS

AVALIAÇÃO DO CONTROLE AUTONÔMICO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E DETERMINAÇÃO DO LIMIAR DE ANAEROBIOSE EM HOMENS SAUDÁVEIS E CORONARIOPATAS Vol. ISSN 9 No. 1413-3555 2, 2005 Limiar de Anaerobiose em Homens Saudáveis e Coronariopatas 157 Rev. bras. fisioter. Vol. 9, No. 2 (2005), 157-164 Revista Brasileira de Fisioterapia AVALIAÇÃO DO CONTROLE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO.

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. Natália Serra Lovato (PIBIC/CNPq-UEL) e Marcos Doederlein Polito

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica 106 EFEITOS CARDIORRESPIRATÓRIOS E HEMODINÂMICOS APÓS 12 MESES DE CONDICIONAMENTO FÍSICO EM UM GRUPO DE CARDIOPATAS. EFFECT CARDIO RESPIRATORY AND HEMODYNAMIC AFTER 12 MONTHS OF PHYSICAL CONDITIONING IN

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA

8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA 8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA Autor(es) TAIS MENDES DE CAMARGO Co-Autor(es) ESTER

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA INFLUÊNCIA DA IDADE SOBRE A MODULAÇÃO AUTONÔMICA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E A CAPACIDADE AERÓBIA

Leia mais

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM FISIOLOGIA DO LACTATO LACTATO x EXERCÍCIO FÍSICO METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DO LACTATO FISIOLOGIA DO LACTATO Metabolismo anaeróbio lático; Formação do lactato; Acúmulo

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5 CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Habilidade de realizar atividades físicas de caráter dinâmico que envolvam grande massa muscular com intensidade de moderada a alta por períodos prolongados (Fernandes Filho,

Leia mais

Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique Sales Oliveira²

Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique Sales Oliveira² COMPARAÇÃO DO EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR INSPIRATÓRIO E SUA INFLUÊNCIA NA CAPACIDADE FUNCIONAL DE SADIOS SEDENTÁRIOS MENSURADO PELO TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique

Leia mais

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO Alexandra Gomes Jesus Prestes, Marcelo Ricardo de Souza de Oliveira, Rodrigo Alexis

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica 5 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MÉTODOS PARA DETERMINAR O LIMIAR DE ANAEROBIOSE DE IDOSOS SAUDÁVEIS

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MÉTODOS PARA DETERMINAR O LIMIAR DE ANAEROBIOSE DE IDOSOS SAUDÁVEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MÉTODOS PARA DETERMINAR O LIMIAR DE ANAEROBIOSE DE IDOSOS

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Esteira e eletrocardiógrafo com conexões

Esteira e eletrocardiógrafo com conexões ANTECIPANDO TECNOLOGIAS Esteira e eletrocardiógrafo com conexões O sistema para teste de esforço ErgoPC 13 une qualidade e facilidade com capacidade de diagnóstico e prognóstico. Ele oferece a melhor relação

Leia mais

VELOCIDADE CRÍTICA: ESTIMATIVA DE TRÊS MODELOS DE ANÁLISE

VELOCIDADE CRÍTICA: ESTIMATIVA DE TRÊS MODELOS DE ANÁLISE VELOCIDADE CRÍTICA: ESTIMATIVA DE TRÊS MODELOS DE ANÁLISE Andrigo Zaar, Ms. Departamento de Ciências do Desporto, Exercício e Saúde (DCDES). Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Portugal.

Leia mais

ESPORTE E AVALIAÇÃO FUNCIONAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

ESPORTE E AVALIAÇÃO FUNCIONAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA ESPORTE E AVALIAÇÃO FUNCIONAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTRODUÇÃO A atuação de profissionais da área da saúde com a finalidade de trabalhar a reabilitação das pessoas com deficiência (lesão medular,

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Oxycon Mobile O Oxycon Mobile é um analisador de gases portátil que faz medições de importantes parâmetros ergoespirométricos como a ventilação (VE), o consumo de oxigênio (VO 2 ), a produção de dióxido

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

Exercício físico com doentes hemodialisados

Exercício físico com doentes hemodialisados Novo, André *#+ ;Travassos, Francisco ; Teixeira, Fernanda» ; Hernández Múrua, Aldo» ; de Paz Fernández, José» ; Nunes de Azevedo, José ; * Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Bragança

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 Reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia Cardiovascular. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO),

Leia mais

VELOCIDADE CRÍTICA, CONCENTRAÇÃO DE LACTATO SANGÜÍNEO E DESEMPENHO NO REMO

VELOCIDADE CRÍTICA, CONCENTRAÇÃO DE LACTATO SANGÜÍNEO E DESEMPENHO NO REMO 14 Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano Mello & Franchini ISSN 1415-8426 Artigo original Fernando de Campos Mello 1 Emerson Franchini 1 VELOCIDADE CRÍTICA, CONCENTRAÇÃO DE LACTATO

Leia mais

A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS VARIÁVEIS CARDIOVASCULARES EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS?

A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS VARIÁVEIS CARDIOVASCULARES EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS? 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CEILÂNDIA CURSO DE FISIOTERAPIA AMANDA CASTELO BRANCO DUARTE HANNA LISSA RIBEIRO MIRANDA QUINTANILHA A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS

Leia mais

Teste de Esforço Cardiopulmonar

Teste de Esforço Cardiopulmonar Teste de Esforço Cardiopulmonar Um único sistema concentra todas as informações necessárias para a Ergoespirometria. O Ergo PC Elite é o primeiro sistema integrado de Teste de Esforço, Análise Metabólica

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO: Fisioterapia TURMA: Terceiro Período A HORARIO: Segundas-feiras às 21hs (1) e Terças-feiras às 20hs10mim (2) COMPONENTE

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física 0 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física SULINO, R. M.; LAMOGLIA, L. J. A PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO AERÓBIO A PARTIR

Leia mais

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO Autoria: Inácia Regina Barbosa Leal (FCM-CG) Rosa Suênia da Camara Melo (Orientadora)

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE UM CURTO PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO SOBRE O VALOR DO LIMIAR DA FREQUÊNCIA CARDÍ- ACA EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS

INFLUÊNCIAS DE UM CURTO PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO SOBRE O VALOR DO LIMIAR DA FREQUÊNCIA CARDÍ- ACA EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS INFLUÊNCIAS DE UM CURTO PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO SOBRE O VALOR DO LIMIAR DA FREQUÊNCIA CARDÍ- ACA EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS Thaísa Siqueira Modesto Gonçalves Faculdade de Medicina Centro de

Leia mais

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA PÂMELLA RIBEIRO RODRIGUES ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO

Leia mais

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO Maria Cristina Andrade Lopes Graduada Educação Física pelo Unileste-MG. Carlos Augusto

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica

Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Dra. Fátima Dumas Cintra

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

TREINO AERÓBIO EM REABILITAÇÃO CARDIACA

TREINO AERÓBIO EM REABILITAÇÃO CARDIACA TREINO AERÓBIO EM REABILITAÇÃO CARDIACA ACIMA DO LIMIAR ANAERÓBIO PAULA ALMEIDA HOSPITAL PEDRO HISPANO 1/34 INTENSIDADE TREINO DOENTE CARDIACO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA COLABORAÇÃO BIBLIOTECÁRIOS HPH DRª JOANA

Leia mais

Journal of Applied Physiology Outubro 2009

Journal of Applied Physiology Outubro 2009 INFLUÊNCIA DO COMANDO CENTRAL E ATIVAÇÃO DE AFERÊNCIAS MUSCULARES SOBRE A VELOCIDADE DO SANGUE NA ARTÉRIA CEREBRAL ANTERIOR EM RESPOSTA A EXERCÍCIO DE PANTURRILHA EM HUMANOS Lauro C. Vianna 1,2, Claudio

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO

FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO Durante um jogo de futebol, tanto os atletas quanto os amigos que se reúnem em um fim de semana, assim como os jogadores da seleção brasileira que este mês começa

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física Marcos Abibi Tavares da Cunha Petrous André Monteiro Cesário RESPOSTAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das 12 1 INTRODUÇÃO O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das funções corporais involuntárias, entre elas, a freqüência cardíaca (FC). Os componentes simpático e parassimpático

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

ANÁLISE DO VO2 MÁXIMO DE FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL DA CIDADE DE CARATINGA - MG

ANÁLISE DO VO2 MÁXIMO DE FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL DA CIDADE DE CARATINGA - MG Centro Universitário de Caratinga UNEC Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão Curso de Pós-Graduação em Atividades Motoras para a Promoção da Saúde e Qualidade de Vida CLEIDIMAR GOMES DE SOUZA

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

RENATO APARECIDO CORRÊA CARITÁ EFEITO DO NÍVEL DO TREINAMENTO AERÓBIO NA DETERMINAÇÃO DO LIMITE SUPERIOR DO DOMÍNIO PESADO NO CICLISMO

RENATO APARECIDO CORRÊA CARITÁ EFEITO DO NÍVEL DO TREINAMENTO AERÓBIO NA DETERMINAÇÃO DO LIMITE SUPERIOR DO DOMÍNIO PESADO NO CICLISMO RENATO APARECIDO CORRÊA CARITÁ EFEITO DO NÍVEL DO TREINAMENTO AERÓBIO NA DETERMINAÇÃO DO LIMITE SUPERIOR DO DOMÍNIO PESADO NO CICLISMO Dissertação apresentada ao Instituto de Biociências do Campus de Rio

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Relação entre velocidade crítica, limiar anaeróbio, parâmetros associados ao VO 2 max, capacidade anaeróbia e custo de O 2 submáximo

Relação entre velocidade crítica, limiar anaeróbio, parâmetros associados ao VO 2 max, capacidade anaeróbia e custo de O 2 submáximo Motriz, Rio Claro, v.12 n.2 p.103-111, mai./ago. 2006 Relação entre velocidade crítica, limiar anaeróbio, parâmetros associados ao VO 2 max, capacidade anaeróbia e custo de O 2 submáximo Mateus Elias Pacheco

Leia mais

Perfil antropométrico e fisiológico de jogadores de rugby.

Perfil antropométrico e fisiológico de jogadores de rugby. 496 Perfil antropométrico e fisiológico de jogadores de rugby. X Salão de Iniciação Científica PUCRS Randhall Bruce Kreismann Carteri 1, Eraldo Pinheiro 2, Giovani Cunha 1, Katiuce Zapata 1, Jocelito Martins

Leia mais

Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior

Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DO TREINO Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior PEDRO MIGUEL MOREIRA DA SILVA Coimbra

Leia mais

Munhoz Eva - Detecção de Isquemia Miocárdica Esforço Induzida: um novo Cenário para o teste de Esforço Cardio...

Munhoz Eva - Detecção de Isquemia Miocárdica Esforço Induzida: um novo Cenário para o teste de Esforço Cardio... QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus 7 Estratégias para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica Diabete Mellitus Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais para as pessoas

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana O Método Pilates e os seus Efeitos em Termos de Autoeficácia na Musculatura do Pavimento Pélvico em Mulheres com Incontinência Urinária de

Leia mais

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira COMPARAÇÃ ÇÃO O DA RECUPERAÇÃ ÇÃO O ATIVA EM INDIVIDUOS TREINADOS E NÃO N O TREINADOS EM MEIOS AQUÁTICO E TERRESTRE Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira Orientador: Prof.Ms.

Leia mais

AVALIAÇÃO AERÓBIA PRÉ E PÓS-MENSTRUAL PRE AND POST-MENSTRUAL AEROBIC ASSESSMENT

AVALIAÇÃO AERÓBIA PRÉ E PÓS-MENSTRUAL PRE AND POST-MENSTRUAL AEROBIC ASSESSMENT RBCS ARTIGOS ORIGINAIS AVALIAÇÃO AERÓBIA E -MENSTRUAL PRE AND POST-MENSTRUAL AEROBIC ASSESSMENT Luciene Braz 1 e Jorge Roberto Perrout de Lima 2 1 Professora mestre da Faculdade de Educação Física da Universidade

Leia mais

Check-up Performance

Check-up Performance A Saúde pelo Esporte é nosso lema maior. É o nosso ponto de partida e também nosso norteador. Dr. Felix Abuquerque Drummond Parceria REMOSUL O INSTITUTO O Instituto de Medicina do Esporte - IME é um centro

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

O DNA DA CARDIOLOGIA

O DNA DA CARDIOLOGIA O DNA DA CARDIOLOGIA Ergo PC Elite TESTE DE ESFORÇO CARDIOPULMONAR Um único laudo contempla todas as informações necessárias ao exame Sistema totalmente integrado oferece mais poder de diagnóstico ao Teste

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Habilidades: Entender o sistema cardiovascular com a prática de atividades físicas. REVISÃO A Importância do sistema Muscular e a relação do mesmo com

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

ANÁLISE DAS VAZÕES DO RIO SÃO FRANCISCO COM O FILTRO HODRICK-PRESCOTT

ANÁLISE DAS VAZÕES DO RIO SÃO FRANCISCO COM O FILTRO HODRICK-PRESCOTT ANÁLISE DAS VAZÕES DO RIO SÃO FRANCISCO COM O FILTRO HODRICK-PRESCOTT Igor Madson Fernandes dos Santos 1, Bruno dos Santos Guimarães 1, Renato Vieira Costa 1, Luiz Carlos Baldicero Molion² e João Rafael

Leia mais