Introdução Redes SAN. Fabio Marchiori

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução Redes SAN. Fabio Marchiori"

Transcrição

1 Introdução Redes SAN Fabio Marchiori

2 Agenda Mercado FibreChannel Tecnologia FibreChannel Aplicações de Teste Soluções de teste JDSU Demonstração 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 2

3 Mercado Fibre Channel

4 Introdução O que é Fibre Channel? Velocidade Gigabit usados na rede storage - SAN Padrões- T11 Committee (ANSI/INCITS in 1994) Suportado pelo Fibre Channel Industry Association (FCIA) O desenvolvimento do Fibre Channel começou em 1988, e praticamente custo não muito alto e utilizando cabos ópticos para dispositivos de armazenagem JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 4

5 Fibre Channel Onde está direcionado? FC é a topologia de escolha nos ambientes SAN Conectividade Remote Economia de integração/integração de TI das redes corporativas Remote Storage redes baseadas em grandes datacenters Aplicações estão cada vez mais crescentes Redes 1Gbps substituidas para 10Gigabit backbones, Custo do FC similar ao Ethernet e tem custo de instalação de um SDH Infonetics preve no ultimo ano que o preço da porta 10GigE, cairá por volta de 50% nos próximos 2 anos JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 5

6 Aplicações Fibre Channel Storage Area Networks (SAN) Data Warehousing/Mining Database Replication, Backup & Disk Mirroring Imagem Medica Video Streaming & Storage Virtualização de servidores Interconexão Alta velocidade e baixa latencia Weather Forecasting Modelamento Molecular Aviação On-Line Transaction Processing - Banking - Video on Demand 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 6

7 Equipamentos Fibre Channel Host Bus Adapters (HBAs) Conecta computer a rede Directors/Switches Interconecta dispositivos Fibre Channel Bridges/Adapters Traduz para os dispositivos legados Conecta FC a redes IP Gateways/Routers Conecta redes telecom Provê multifunções & interconexões 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 7

8 Descrições: Suporte a 4G e 10G FC Background Redes Fibre Channel over DWDM circuitos ponto a ponto Redes são protocolos independentes cuidado sobre as taxas de bit 75%-80% dos desenvolvimentos FC são baseadas em 4G/8G & 10G FC Mercado SAN crescendo de = 9% a 15% Descrição Teste desempenho de BERT na camada 1 Geração e analise das compatibilidades do quadro 4G, 8G e 10G FC Suporte aos quadros baseados aos padrões (CRPAT, CSPAT, CJPAT) Realizar testes RFC 2544-como testes automatizado Permitir capacidade de buffer crediting por testes controle de fluxo Mainframe DWDM Mux DWDM Mux DISK DISK FC Switch Metro FC Switch TAPE 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 8

9 Fibre Channel over CWDM Transmitir Fibre Channel over CWDM circuit Usado para Storage Area Networks Garantia de QoS Mesmo Ethernet over DWDM, somente a diferença de protocolo Location A Nortel Optera 5100 CWDM Optical Network Central Office Hard Loop Location B Nortel Optera 5200 or Como testar Gerar tráfego Loopback pode ser feito com a família MTS utilizando hard loop 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 9

10 Tecnologia Fibre Channel Pontos abordados: Topologia de Rede Protocolo e camadas Estrutura do quadro Fibre Channel

11 Fibre Channel : voce sabia? 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 11

12 Porque Fibre Channel? 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 12

13 Fibre Channel Background Caracteristicas Fibre Channel 1000MB/s High Speed Communications Suporte a Cobre ou Fiber Suporte a Multiplos Protocolos Baixa Latencia, suporte a longas distancias Bastante confiável (Baixa taxa de erro bit) Adotado para sistemas Storage Adotado para sistemas Tempo Real (video) Comunicação Serial Características Fibre Channel Comunicação confiável Redes escaláveis Alta disponibilidade Mensagens baixa latencia Tranferencia alta velocidade Backup de dados rapido 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 13

14 Channel e Network dentro de FC Serviço conectado Circuitos Físicos Transferencias confiáveis Alta velocidade Baixa latencia Curta distancias Channel Fibre Channel Network Serviço nao orientado a conexao Circuitos lógicos Transferencias nao confiáveis Alta conectividade Alta latencia Longas distancias 1. Comutação Circuito & Pacotes 2. Transferencias confiáveis 3. Alta integridade nos dados 4. Altas taxas 5. Baixa latencia 6. Alta conectividade 7. Longa distancia Fibre Channel : transporte dados de sistemas storage & protocolos 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 14

15 Mercado principal de Fibre Channel é SAN 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 15

16 Tecnologias concorrentes InfiniBand Switched fabric I/O focus Popular em conexoes de servidores Baixo Volume/Muito Caro iscsi SCSI over IP Crescendo unindo com 10GigE NAS NFS, AFS ou SMB/CIFS Small SMB Facil Implementação Outros HyperSCSI AoE 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 16

17 Tecnologias complementares ifcp FCIP FCoE FC Layer 4 FCP over IP Protocolo Gateway-to-Gateway Útil ma extensao de transferencia de blocos sobre WAN Tuneis Fibre Channel Over IP Complementa todo protocolo FC Layer 4 WAN Deployment Emergente Segue ideia de comutação versus roteamento Intenção no uso é reduzir custo do 10G Ethernet 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 17

18 Topologias FC

19 Topologias FC FC-P2P Point-to-Point FC-AL Arbitrated Loop FC-SW Switched Fabric 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 19

20 Topologias Fibre Channel Point to point N N Serviços para multiplas portas em um nó Consiste de dois dispositivos FC conectados Banda full o tempo todo N L N L N L N L Arbitrated Loop Até 127 portas em uma unica rede Banda é dividida entre os nós Quando um nó quer enviar trafego, ele ganha o controle do loop Quando mais de um nó quer enviar, ele analisa a informação de endereçamento para determinar a prioridade. Algoritmo que proibe um dispositivo tomar o controle novamente até que outro tenha chance de transmitir Fabric ou Switch N N F F FL NL NL NL Circuit-switching Conecta dispositivos que trabalham com diferentes taxas Conecta até 2 24 dispositivos em uma configurção cross-point Pode supoertar protocolos que nao sejam Fibre Channel layer FC-4 N_ Port: Node Port F_Port: Fabric Port NL_Port: LoopPort 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 20

21 Opções de mídia FC e Camadas

22 FC Nomenclaturas SM - LL - L Speed Distance 1000 L Long Distance 200 I Intermediate Distance 100 S Short Distance Media Transmitter Technology SM Single Mode LL Long Wave laser M5 Multi Mode 50um SL Short Wave (OFC) Laser M6 Multi Mode 62.5um SN Short Wave (non-ofc) Laser MI Miniature Cable LE Long Wave LED TV Video Cable EL Electrical TP Twisted Pair 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 22

23 Opções de Media FC 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 23

24 Camadas FC FC0 FC1 FC2 FC3 FC4 Camada Física Inclui cabos, fibras opticas, conectores, transmissores e receptores Codificação 8B/10B Manutenção de enlace Formato e topologia do Frame Gerenciamento do enlace & Login/Logout Classe de Serviço & Segmentação e recuperação do frame Serviços comuns Sempre de dificil implementação Mapping to ULP IP, SCSI, ESCON, FICON, VI, AV 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 24

25 Arquitetura FC Camadas de Protocolo IPI: Intelligent Peripheral Interface HIPPI: High Performance Parallel Interface SCSI: Small Computer System Interface SBCCS: Single Byte Command Code Set Mapping 802.2: LLC, HDLC Other FC-4 Layer: FICON 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 25

26 FC-0 Camada Física FC-1 Safety system with OFC Open Fiber Control 8B10B En/De-coder Parallel / Serial Converter FC-0 define a camada física do sistema, incluindo especificação da mídia (fibra, conector), assim como a parte óptica ou elétrica do transmissor e receptor além de parâmetros para uma variedade de taxa de dados. O/E Converter or Electrical Line Driver FC-0 SFP & regular GBIC Copper FC, CS connectors 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 26

27 FC-1 8B/10 Encoding Parallel Data Byte Byte Clock Parallel Byte Data Byte Clock MUX / DEMUX FC-1 define o protocolo de transmissão incluindo caracteres de codificação decodificação incluindo o 8B/10B e controle de erro FC-1 FC-1 codifica 8bit de informação em caracteres de 10bit. Balanceamento DC é suficiente para recuperação de tráfego FC-0 8B10B En/De-coder To Parallel/Serial Converter Benefícios do código 8B/10B: transição do sinal de clock é recuperado melhora na detecção de erros (bit errors) Permite transmissão de caracteres especificas Contem palavra de alinhamento 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 27

28 FC-2: Cabeçalho Quadro de dados 4 Bytes Start of Frame 24 Bytes Frame header 2112 Bytes Data Field 64 Bytes Optional header 2048 Bytes Payload 4 Bytes CRC 4 Bytes End of Frame CTL Sources address Destin. address Type Seq_Cnt Seq_ID Exchange_ID Quadro Controle 4 Bytes Start of Frame 24 Bytes ACK; Busy; Reject 4 Bytes CRC 4 Bytes End of Frame Cabeçalho opcional: Aumenta o numero de endereços, diminui o payload Address: Frame Length: WWN address Variable from 24 to 2148 Bytes JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 28

29 Login e Controle de Fluxo

30 Controle de Fluxo com Buffer to Buffer Credits Controle de fluxo Buffer to Buffer : T X Pronto para receber N quadros BB_Credito Valor = N BB_Credito Valor = M Pronto para receber M quadros T X Cobre enlaces: entre duas portas N entre portas N e F Sinalização: Troca de informação de creditos durante o Login Constant Buffer Credit Control é incrementado e decrementado 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 30

31 Controle de Fluxo com Buffer to Buffer Credits T X Pronto para receber 4 Frames BB_Credito Valor = 4 BB_Credito Valor = 4 Pronto para receber 4 frames T X 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 31

32 Controle de Fluxo com Buffer to Buffer Credits 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 32

33 Controle de fluxo em FC Fabric Controle de fluxo em FC Fabric Sequence Sender Data Frame Fabric Sequence Recipient R_RDY ACK R_RDY BB_C BB_C EE_C = Transmit Buffers = Receive Buffers 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 33

34 Classes de Serviços em FC Classe 1 Conexão dedicada Entrega dos quadros em ordem Controle de fluxo Fim-a-Fim Classe 2 Notificação de entregas não orientada a conexão Não aarantia de entrega In-Order Classe 3 Controle de fluxo Buffer-to-Buffer Serviço de datagrama Classe 4 Serviço Classe 1 com circuitos virtuais Existente somente en Switched Fabric Classe 6 Serviços Multicast Similar a Classe JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 34

35 Aplicações e Testes

36 Teste FC - Preparação Caracteristicas dos serviços FC Transparente (over DWDM) ou Comutado(Fabric no caminho)? Distancia em km? Existe Buffer Credits nos equipamentos? Service Level Agreements no serviço? Limite de quadros perdidos ou descartados? Limite de quadros errados? Limite da latencia RTT? Limite de erros de bits? Desenvolver um teste automatizado para determinar o tamanho mínimo de buffer size para um throughput desejado 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 36

37 Testes FC Testes ativação dos serviços FC FC-0 over 850nm & 1310nm FC-1 (8B/10B unframed) BERT tests FC-2 cabeçalho com Payload verificando parametros de SLA _Port MAN/WAN _Port Testes ativação dos serviços transparentes de FC Verificação do controle de fluxo com funcionalidade de Buffer Crediting Emulação do processo de Login e controle de Buffer E_Port MAN/WAN E _Port 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 37

38 Quadros FC e a latencia com a distancia Exemplo: Quadros FC com 2K dados, gerando com taxa completa" FC SAN FC Distancia maior que alguns km WAN FC SAN (DWDM, Multi Service SOF Frame Header Data Field CRC EOF Frame Bytes Geração com 1,0625 GBaud/s e 8b/10B Code 9.41ns/Byte Duração do quadro 19.6 us/frame com 2 Idles de 4 bytes (min 2, typ. 6): aprox. 20 us / frames Transferencia do vidro no comprimento da luz aprox. 5 ns/m = 5us/km 20 us por quadro e 5 ns/m (20us/5ns) * m = 4000 m Quadro de 2048 byte cobre uma distancia optica de 4000 metros 1 Credito por 4000 metros é necessário para Controle de fluxo FC 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 38

39 Testes Fibre Channel End to end service Extender FC WAN (DWDM, Multi Service) FC Extender Serviços Transparentes FC O que precisa ser testado? Conectividade Qualidade da conexão FC OK Camada física Desenvolver emulação protocolo com FC? OK Throughput Qual Throughput FC de acordo com SLA? OK Round Trip Delay Mais importante para serviços FC OK 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 39

40 FC Testing - Conectividade End to end network FC WAN (DWDM, Multi Service) FC Proposta: Verificar a disponibilidade da conexão Procedimento: Conectar o testador, Configurar o Setup, ligar o laser ON Verificar: O Sinal está OK? Sinal optico OK O alarme SYNC está OK? 8B/10B Code OK O link ativo LINK ACTIVE? Idle Traffic OK Resultado: Connectividade OK 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 40

41 Teste FC L1 BERT FC End to end network WAN (DWDM, Multi Service) FC Proposta: Verificar a transferencia de bit na rede, Verificar se a rede esta de acordo com os parametros Procedimento: Configurar teste Layer 1 BERT, escolher padrão de teste, iniciar teste Verificar: LEDs L1 BER Statistics Error Statistics Resultado: Verificar L1BER 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 41

42 Testes FC L2 BERT FC End to end network WAN (DWDM, Multi Service) FC Proposta: Verificar desempenho na rede emulando camada FC-2, testando BER Test Payload Procedimento: Configurar aplicações tráfego em teste L2, configurar campos relevantes (Addresses, Sequence IDs, Flow Control, etc), escolher TX Payload BERT Pattern, iniciar o teste Verificar: LEDs por teste L2 BER Statistics Error Statistics Summary Resultado: Verificar L2 BER BER: Bit Error Rate 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 42

43 Teste FC - Utilização FC End to end network WAN (DWDM, Multi Service) FC Proposta: Verifica a utilização de banda de serviço FC Procedimento: Configurar L2 aplicação trafego, campos relevantes (Addresses, Sequence IDs, Flow Control, etc), escolha o padrão TX Payload BERT Pattern, Definir perfil RX, Iniciar o teste Verificar: LEDs para todas as camadas Link Statistics Link Counts Error Statistics Filter Statistics Result: Assegurar Utilização % encontra SLA Perform this test with different frame sizes and traffic profiles 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 43

44 Teste FC - Latencia FC End to end network WAN (DWDM, Multi Service) FC Proposta: Checar o Round Trip Delay (RTD) para que fique conforme SLA Procedimento: Configurar aplicação tráfego L2, escolha o TX Profile (Pattern Acterna ), Iniciar Verificar: LEDs para todas camadas Link Statistics Link Counts Error Statistics Filter Statistics Resultados: Round Trip Delay (Max/Avg/Min) Delay = ½ RTD 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 44

45 Troubleshooting Dual-port No modo troubleshoot em serviço, família MTS permite aos tecnicos a possibilidade de monitorar tráfego em ambas as direções dos circuitos sem disrupção de serviços MSPP MSPP 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 45

46 Fibre Channel Teste Automatizado como RFC Metodologia de teste RFC 2544 adaptada para circuitos Fibre Channel Permite rotinas de teste automatizadas e analise de resultados Permite o usuário salvar configurações específicas Selecionar tamanho quadro por teste Selecionar rotinas de teste 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 46

47 Fibre Channel Script Estimativa do Buffer-to-buffer Teste Buffer Credit Descobre o valor para voce! Encontra o tamanho ótimo do buffer: grande o suficiente para não perder dados, pequeno suficiente para o enlace não ficar lento Calcula o minimo tamanho do buffer credit para o throughput de cada quadro (Fig. 1) Mede o throughput em varios tamanhos de buffer credit averiguando a saude do enlace (Fig. 2) 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 47

48 Soluções de teste JDSU para FC

49 Famílias MTS & ONT MTS Mais compacto testador com capacidade até 10G Ethernet. - Ideal para instalação e troubleshooting MTS 6000A - Mais compacto testador para PDH, SDH, Eth, PMD e OTDR - Equipamento modular MTS Plataforma escalável para serviços PDH, SDH, Eth, PMD e OTDR - Escalável para serviços de alta velocidade (40G e 100G) ONT - Mais completa ferramenta para desenvolvimento em laboratório - Suporta bibliotecas para automatização de testes 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 49

50 MTS 5800: O mais compactor testador 10G para Metro Ethernet, PDH e SDH - Garante a evolução das redes Carrier Ethernet e Mobile Backhaul - Configurável de acordo com a necessidade do cliente - Ferramenta não modular - Testes RFC Teste TrueSpeed (RFC 6349) - SAIBA MAIS clicando aqui! Turn-up Related Problem RFC2544 Y.1564sam TrueSpeed TM, RFC 6349 Single Service, Layer 2/3 SLA Issues (loss, jitter, etc.) X X N/A Multi-service, Layer 2/3 SLA Issues (service prioritization, loss, jitter, etc.) Demonstrate the effect of End customer TCP Window size on throughput (CPE issue) Inadequate device buffers to handle bursty customer applications Policing effects to TCP performance X N/A X X X 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 50

51 MTS 6000/6000A: Pequeno Mainframe para testes de Fibra & Transporte - Unico slot para encaixar módulos de fibra e transporte - Módulos de Fibra -OTDR -CD/PMD/SA (OMD) -CWDM OTDR - Módulos de Transporte - E1/E3/STM1/2/4/16/64-10/100/1000 & 10GigE -Testes SDH com alarmes, configuração de overhead e erros; -Testes Ethernet com suporte à MPLS/VPLS, Scrips RFC-2544, Multiplas Streams e IPTV - Testes statefull (testes camada 4) - Wireshark integrado e modo captura de até 10G -J-Complete (testing made easier) Módulos intercambiáveis com o MTS JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 51

52 MTS-8000 Flexibilidade Modularidade Até 06 módulos Expansibilidade dos módulos em campo Portátil e leve Gerenciamento versátil no consumo das baterias de longa duração Teste de aplicações como OC-768/ STM-256 down to STS-1/VC-3 OTU3 ODU1 and ODU2 muxing RTD & APS 40/100G Ethernet Plataforma otimizada Linux OS, I/O interfaces Funções ópticas integradas 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 52

53 Portifólio de testes MTS Criado para simplificar os testes na rede utilizando as mesmas GUI UMA NOVA OPÇÂO DE TESTE Métodos de teste e procedimentos iguais para a família MTS Não necessita treinamento adicional 2012 JDS Uniphase Corporation JDSU CONFIDENTIAL AND PROPRIETARY INFORMATION 53

54 Thank you!

Administração de Sistemas (ASIST)

Administração de Sistemas (ASIST) Administração de Sistemas (ASIST) Virtualização de Storage SAN Storage Area Network Fibre Channel e iscsi Outubro de 2012 1 Um servidor tradicional contém os seu próprio sistema de armazenamento periférico

Leia mais

Vanio Rodrigues/10 Página 1. Figura 1 Retirada do sitio http://learn.iis.net/

Vanio Rodrigues/10 Página 1. Figura 1 Retirada do sitio http://learn.iis.net/ Data Center Data Center também conhecido como centro de processamento de dados (CPD). Projetado para ser um ambiente seguro e de acesso controlado, com monitoramento 24x7, Cabeamento estruturado (fibra

Leia mais

STORAGE AREA NETWORKING FUNDAMENTOS. Valdir Adorni Serviços a Clientes valdir.adorni@compwire.com.br

STORAGE AREA NETWORKING FUNDAMENTOS. Valdir Adorni Serviços a Clientes valdir.adorni@compwire.com.br STORAGE AREA NETWORKING FUNDAMENTOS Valdir Adorni Serviços a Clientes valdir.adorni@compwire.com.br 22 de Abril de 2010 Storage Area Network? Storage Area Network (SAN) é qualquer rede de alto desempenho,

Leia mais

Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação

Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação Documento técnico Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação Introdução Tradicionalmente, os testes de ativação das Camadas 2/3, como RFC 2544 têm sido conduzidos

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 7 Metro Ethernet Sumário IEEE 802.3ae 10 Gbit/s Ethernet - Metro

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 5.6 e 5.7 Interconexões e PPP Prof. Jó Ueyama Maio/2011 SSC0641-2011 1 Elementos de Interconexão SSC0641-2011 2 Interconexão com Hubs Dispositivo de camada física. Backbone:

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte

Redes de Computadores. Camada de Transporte Redes de Computadores Camada de Transporte Objetivo! Apresentar as características da camada de transporte da arquitetura TCP/IP! Apresentar os serviços fornecidos pela camada de transporte! Estudar os

Leia mais

Capítulo 5 Camada de Enlace

Capítulo 5 Camada de Enlace Redes de Computadores DCC/UFJF Capítulo 5 Camada de Enlace Material fortemente baseado nos slides do livro: Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet. Os slides foram disponibilizados

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 15 1 Introdução Esta dissertação dedica-se ao desenvolvimento de um analisador de erro para Redes Ópticas através da utilização de circuitos integrados programáveis de última geração utilizando taxas que

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

Protocolos de armazenamento

Protocolos de armazenamento 2003-2004 Renato Franzin 1 2004 Volnys Bernal & J. Maximo 2 Agenda Protocolos de Armazenamento Jefferson Maximo Volnys Borges Bernal DAS x x DAS ifcp (IP Protocol) FCIP ( over IP) i (Internet Small Computer

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Arquitetura IEEE 802 Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores IEEE Standard 802 Aula 11 Por que dividir a camada de enlace em duas? Nível 2 ISO não específica controle de acesso ao

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Disciplina: Redes de Computadores 2. Arquiteturas de Redes: Modelo em camadas Prof. Ronaldo Introdução n Redes são

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Especificação do interface Cliente -Rede MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 26 de agosto de 2015

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome:

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome: Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012 Nome: 1. Com base na rede mostrada abaixo: i. Assumindo que essa rede use IP, circule as subredes IP que nela devem ser criadas. ii. Identifique um protocolo

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 8 Redes ATM Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral A RDSI-FE (Rede Digital de Serviços Faixa Estreita) apareceu como uma evolução das tradicionais redes telefônicas, para redes de tecnologia

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802 RCO2 Redes Locais (LANs): 1 Conjunto de padrões no escopo das camadas de enlace e física 2 Exemplos de padrões partes da arquitetura IEEE 802: 3 Alguns padrões da família IEEE 802: 802.2 LLC 802.3 Equivalente

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Padrão Ethernet. Características Gerais

Padrão Ethernet. Características Gerais O padrão ethernet surgiu em 1972 nos laboratórios da Xerox, com o pesquisador Robert Metcalfe. Inicialmente utilizava uma rede onde todas as estações(lans) compartilhavam do mesmo meio de transmissão,

Leia mais

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Robert Metcalf, Xerox, 1973 1 Barra 2 Barra-Estrela: HUBS 3 Hubs, Concentradores e Switches Hub ou Switch 4 Barra 5 Arquitetura OSI Aplicação Apresentação Sessão Transporte

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos: Fundamentos Fabricio Breve Protocolos linguagem utilizada pelos diversos dispositivos para trocar informações Exemplos: TCP/IP, NetBEUI, SPX/IPX Premissas básicas A maioria

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Enlace Slide 1 Camada de Enlace Fluxo real de PDUs Slide 2 Sumário dos Protocolos MAC Como se faz com um canal compartilhado? Particionamento de canal, no tempo, por freqüência

Leia mais

SmartClass Ethernet Testador de Ethernet 10M-1G

SmartClass Ethernet Testador de Ethernet 10M-1G SOLUÇÕES PARA TESTES E MEDIÇÕES EM COMUNICAÇÕES SmartClass Ethernet Testador de Ethernet 10M-1G Recursos principais Gera e mede tráfego L2/L3 em interfaces de Ethernet elétrica ou óptica de até 1G com

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Redes de Computadores Concursos de TI

Redes de Computadores Concursos de TI Redes de Computadores Concursos de TI CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Prof. Bruno Guilhen Arquitetura e Protocolo de Redes www.concursosdeti.com.br E1 E9 Conceito de Protocolo E2 N1 R1 R3 R2 N5 R4 Como esses

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching SWITCHING Quando o ethernet foi originalmente desenhado, os computadores eram lentos e as redes eram pequenas. Portanto, uma rede rodando a 10 mbps era mais que suficiente para qualquer aplicação. Atualmente,

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS

6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS 6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS Este Capítulo objetiva fornecer uma análise para a redução do número de bits a serem transmitidos na interface

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

O Modelo OSI Open Systems Interconection Redes Industriais Semestre 02/2015

O Modelo OSI Open Systems Interconection Redes Industriais Semestre 02/2015 O Modelo OSI Open Systems Interconection Redes Industriais Semestre 02/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Dentro de uma rede, a comunicação entre controladores e estações é possível pela

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade

Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade Leonardo Antônio dos Santos¹ Orientadora Prof. Esp. Sabrina Vitório Oliveira Sencioles¹ Co-orientador M.Sc. Pedro Eugênio Rocha² ¹Faculdades

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO.

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. 1ª Camada - Física - Grupo Rede Física Esta camada traduz os bits a enviar em sinais elétricos, de tensão ou corrente. Ela fornece os meios de hardware

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet Especificação do interface Cliente-Rede Data: 2014-12-30 Página 1 / 6 Versão: 4.0 MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A.

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores Santo André, 2Q2011 1 Comutação Comutação (chaveamento): alocação dos recursos da rede para a transmissão pelos diversos dispositivos

Leia mais

DESEMPENHO DE REDES Métricas de rede Prof. Ulisses Cotta Cavalca

DESEMPENHO DE REDES Métricas de rede Prof. Ulisses Cotta Cavalca <ulisses.cotta@gmail.com> DESEMPENHO DE REDES Métricas de rede Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 Sumário 1. Introdução 2. Métricas de redes 3. Análise de desempenho 4. Qualidade da Internet

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br Introdução Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Veremos agora os passos para enviar uma string de caracteres pela USB. Porém antes veremos um tutorial referente a porta USB. Tutorial USB Sistema de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais