ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2"

Transcrição

1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido DMPL - 01/01/2011 à 31/03/ DMPL - 01/01/2010 à 31/03/ Demonstração do Valor Adicionado 9 DFs Consolidadas Balanço Patrimonial Ativo 10 Balanço Patrimonial Passivo 11 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado Abrangente 13 Demonstração do Fluxo de Caixa 14 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido DMPL - 01/01/2011 à 31/03/ DMPL - 01/01/2010 à 31/03/ Demonstração do Valor Adicionado 17 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho Outras Informações que a Companhia Entenda Relevantes 143 Pareceres e Declarações Relatório da Revisão Especial - Sem Ressalva 153

2 Dados da Empresa / Composição do Capital Número de Ações (Mil) Trimestre Atual 31/03/2011 Do Capital Integralizado Ordinárias Preferenciais 0 Total Em Tesouraria Ordinárias 0 Preferenciais 0 Total 0 PÁGINA: 1 de 154

3 DFs Individuais / Balanço Patrimonial Ativo (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Trimestre Atual 31/03/2011 Exercício Anterior 31/12/ Ativo Total Ativo Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa Aplicações Financeiras Aplicações Financeiras Avaliadas a Valor Justo Títulos para Negociação Contas a Receber Clientes Dividendos e juros a receber Tributos a Recuperar Tributos Correntes a Recuperar Outros Ativos Circulantes Outros Outros ativos Ativo Não Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo Tributos Diferidos Impostos e contribuições a recuperar Outros Ativos Não Circulantes Outros ativos Investimentos Participações Societárias Participações em Controladas Intangível Intangíveis Outros ativos intangíveis PÁGINA: 2 de 154

4 DFs Individuais / Balanço Patrimonial Passivo (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Trimestre Atual 31/03/2011 Exercício Anterior 31/12/ Passivo Total Passivo Circulante Obrigações Fiscais Obrigações Fiscais Federais Impostos e contribuições a recolher Outras Obrigações Outros Dividendos e JCP a Pagar Outros passivos Passivo Não Circulante Tributos Diferidos Imposto de Renda e Contribuição Social Diferidos Patrimônio Líquido Capital Social Realizado Reservas de Capital Ágio na Emissão de Ações Combinação de negócios Itaú Auto e Residência Reservas de Lucros Dividendo Adicional Proposto Reservas Lucros acumulados Outros resultados abrangentes PÁGINA: 3 de 154

5 DFs Individuais / Demonstração do Resultado (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta 3.04 Despesas/Receitas Operacionais Despesas Gerais e Administrativas Despesas administrativas Despesas com tributos Resultado de Equivalência Patrimonial Resultado de Equivalência Patrimonial Ganhos na Alienação de Investimentos Resultado Antes do Resultado Financeiro e dos Tributos Resultado Financeiro Receitas Financeiras Despesas Financeiras Resultado Antes dos Tributos sobre o Lucro Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Corrente Resultado Líquido das Operações Continuadas Lucro/Prejuízo do Período Lucro por Ação - (Reais / Ação) Acumulado do Atual Exercício 01/01/2011 à 31/03/2011 Acumulado do Exercício Anterior 01/01/2010 à 31/03/2010 PÁGINA: 4 de 154

6 DFs Individuais / Demonstração do Resultado Abrangente (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Acumulado do Atual Exercício 01/01/2011 à 31/03/2011 Acumulado do Exercício Anterior 01/01/2010 à 31/03/ Lucro Líquido do Período Outros Resultados Abrangentes Ajustes de títulos e valores mobiliários em controladas Ajustes acumulados de conversão Efeitos tributários sobre itens dos lucros abrangentes Resultado Abrangente do Período PÁGINA: 5 de 154

7 DFs Individuais / Demonstração do Fluxo de Caixa - Método Indireto (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Acumulado do Atual Exercício 01/01/2011 à 31/03/2011 Acumulado do Exercício Anterior 01/01/2010 à 31/03/ Caixa Líquido Atividades Operacionais Caixa Gerado nas Operações Lucro líquido do período Amortizações Resultado de equivalência patrimonial Variações nos Ativos e Passivos Variação dos ativos financeiros aos valor justo Variação dos impostos e contribuições a recuperar Variação dos dividendos a receber Variação de outros ativos Variação de impostos e contribuições a recolher Variação do imposto de renda e contribuição social diferidos Variação das provisões Variação de ganhos na alienação de investimentos Caixa Líquido Atividades de Investimento Juros sobre capital próprio e dividendos Baixa de ágio na aquisição de investimentos Aquisição de investimentos Caixa Líquido Atividades de Financiamento Distribuição de juros sobre capital próprio e dividendos Aumento (Redução) de Caixa e Equivalentes Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes Saldo Final de Caixa e Equivalentes 66 7 PÁGINA: 6 de 154

8 DFs Individuais / Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido / DMPL - 01/01/2011 à 31/03/2011 (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Capital Social Integralizado Reservas de Capital, Opções Outorgadas e Ações em Tesouraria Reservas de Lucro Lucros ou Prejuízos Acumulados Outros Resultados Abrangentes Patrimônio Líquido 5.01 Saldos Iniciais Saldos Iniciais Ajustados Transações de Capital com os Sócios Dividendos Resultado Abrangente Total Lucro Líquido do Período Outros Resultados Abrangentes Ajustes de Instrumentos Financeiros Ajustes de Conversão do Período Baixa de ágio - Integração (líquido de impostos) Saldos Finais PÁGINA: 7 de 154

9 DFs Individuais / Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido / DMPL - 01/01/2010 à 31/03/2010 (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Capital Social Integralizado Reservas de Capital, Opções Outorgadas e Ações em Tesouraria Reservas de Lucro Lucros ou Prejuízos Acumulados Outros Resultados Abrangentes Patrimônio Líquido 5.01 Saldos Iniciais Saldos Iniciais Ajustados Transações de Capital com os Sócios Dividendos Resultado Abrangente Total Lucro Líquido do Período Outros Resultados Abrangentes Ajustes de Instrumentos Financeiros Ajustes de Conversão do Período Saldos Finais PÁGINA: 8 de 154

10 DFs Individuais / Demonstração do Valor Adicionado (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Acumulado do Atual Exercício 01/01/2011 à 31/03/2011 Acumulado do Exercício Anterior 01/01/2010 à 31/03/ Insumos Adquiridos de Terceiros Materiais, Energia, Servs. de Terceiros e Outros Valor Adicionado Bruto Retenções Depreciação, Amortização e Exaustão Valor Adicionado Líquido Produzido Vlr Adicionado Recebido em Transferência Resultado de Equivalência Patrimonial Receitas Financeiras Outros Ganhos na alienação de investimentos Valor Adicionado Total a Distribuir Distribuição do Valor Adicionado Pessoal Remuneração Direta Impostos, Taxas e Contribuições Federais Remuneração de Capitais de Terceiros Juros Remuneração de Capitais Próprios Lucros Retidos / Prejuízo do Período PÁGINA: 9 de 154

11 DFs Consolidadas / Balanço Patrimonial Ativo (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Trimestre Atual 31/03/2011 Exercício Anterior 31/12/ Ativo Total Ativo Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa Aplicações Financeiras Aplicações Financeiras Avaliadas a Valor Justo Títulos para Negociação Contas a Receber Clientes Operações de crédito Prêmios a receber de segurados Títulos e créditos a receber Outras Contas a Receber Ativos de resseguro Tributos a Recuperar Tributos Correntes a Recuperar Outros Ativos Circulantes Ativos Não-Correntes a Venda Outros Ativo Não Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo Aplicações Financeiras Avaliadas a Valor Justo Títulos para Negociação Títulos Disponíveis para Venda Contas a Receber Clientes Tributos Diferidos Imposto de Renda e Contribuição Social Diferidos Impostos e contribuições a recuperar Outros Ativos Não Circulantes Investimentos Propriedades para Investimento Imobilizado Imobilizado em Operação Intangível Intangíveis Custos de aquisição de contratos diferidos Outros intangíveis PÁGINA: 10 de 154

12 DFs Consolidadas / Balanço Patrimonial Passivo (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Trimestre Atual 31/03/2011 Exercício Anterior 31/12/ Passivo Total Passivo Circulante Obrigações Fiscais Obrigações Fiscais Federais Impostos e contribuições a recolher Outras Obrigações Outros Dividendos e JCP a Pagar Passivos de contratos de seguros Débitos de operações de seguros e resseguros Passivos financeiros Outros passivos Passivo Não Circulante Outras Obrigações Outros Passivos de contratos de seguros Outros passivos Tributos Diferidos Imposto de Renda e Contribuição Social Diferidos Provisões Provisões Fiscais Previdenciárias Trabalhistas e Cíveis Provisões Fiscais Provisões Previdenciárias e Trabalhistas Provisões Cíveis Patrimônio Líquido Consolidado Capital Social Realizado Reservas de Capital Ágio na Emissão de Ações Combinação de negócios - Itaú Auto e Residência Reservas de Lucros Dividendo Adicional Proposto Reservas Lucros acumulados Outros resultados abragentes Participação dos Acionistas Não Controladores PÁGINA: 11 de 154

13 DFs Consolidadas / Demonstração do Resultado (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta 3.04 Despesas/Receitas Operacionais Despesas Gerais e Administrativas Despesas administrativas Despesa com tributos Outras Receitas Operacionais Prêmios de seguros auferidos Contribuições de plano de previdência privada Prêmio de resseguro cedido Receitas de operações de crédito Receitas de prestações de serviços Outras receitas operacionais Receitas com imóveis de renda Outras Despesas Operacionais Variação das provisões técnicas - seguros Variação das provisões técnicas - previdência Sinistros retidos - bruto Benefícios de planos de previdência complementar Recuperação de resseguradores Recuperação de salvados e ressarcimentos Amortização de custos de aquisição diferidos Custos de aquisição - outros Custos dos serviços prestados Outras despesas operacionais Resultado Antes do Resultado Financeiro e dos Tributos Resultado Financeiro Receitas Financeiras Despesas Financeiras Resultado Antes dos Tributos sobre o Lucro Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Corrente Diferido Resultado Líquido das Operações Continuadas Lucro/Prejuízo Consolidado do Período Atribuído a Sócios da Empresa Controladora Atribuído a Sócios Não Controladores Lucro por Ação - (Reais / Ação) Lucro Básico por Ação ON 0, , Lucro Diluído por Ação Acumulado do Atual Exercício 01/01/2011 à 31/03/2011 Acumulado do Exercício Anterior 01/01/2010 à 31/03/ ON 0, ,37000 PÁGINA: 12 de 154

14 DFs Consolidadas / Demonstração do Resultado Abrangente (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Acumulado do Atual Exercício 01/01/2011 à 31/03/2011 Acumulado do Exercício Anterior 01/01/2010 à 31/03/ Lucro Líquido Consolidado do Período Outros Resultados Abrangentes Ajustes de títulos e valores mobiliários em controladas Ajustes acumulados de conversão Efeitos tributários sobre itens dos lucros abrangentes Resultado Abrangente Consolidado do Período Atribuído a Sócios da Empresa Controladora Atribuído a Sócios Não Controladores PÁGINA: 13 de 154

15 DFs Consolidadas / Demonstração do Fluxo de Caixa - Método Indireto (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Resultado na venda de imobilizado Variações nos Ativos e Passivos Variação dos ativos financeiros ao valor justo através do resultado Variação dos passivos financeiros Variação dos impostos e contribuições a recolher Variação do imposto de renda e contribuição social diferidos Variação das provisões Variação de outros passivos Variação ajustes de títulos e valores mobiliários em controladas Variação ajustes acumulados de conversão Outros Imposto de renda e contribuição social pagos Caixa Líquido Atividades de Investimento Alienação de imobilizado Aquisição de imobilizado Aplicação em custos de aquisição de contratos direridos (intangível) Acumulado do Atual Exercício 01/01/2011 à 31/03/2011 Acumulado do Exercício Anterior 01/01/2010 à 31/03/ Caixa Líquido Atividades Operacionais Caixa Gerado nas Operações Lucro líquido do período Depreciações e amortizações Variação dos ativos financeiros disponíveis para venda Variação das operações de crédito Variação dos prêmios a receber de segurado Variação dos títulos e créditos a receber Variação dos ativos de resseguro Variação do imposto de renda e contribuição social diferido Variação dos impostos e contribuições a recuperar Variação dos ativos não financeiros mantidos para venda Variação de outros ativos Variação dos passivos de contratos de seguro Variação dos débitos de operações de seguro e resseguro Aplicação em outros intangíveis Caixa Líquido Atividades de Financiamento Distribuição de juros sobre capital próprio Aumento (Redução) de Caixa e Equivalentes Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes Saldo Final de Caixa e Equivalentes PÁGINA: 14 de 154

16 DFs Consolidadas / Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido / DMPL - 01/01/2011 à 31/03/2011 (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta 5.01 Saldos Iniciais Saldos Iniciais Ajustados Transações de Capital com os Sócios Dividendos Resultado Abrangente Total Lucro Líquido do Período Outros Resultados Abrangentes Ajustes de Instrumentos Financeiros Ajustes de Conversão do Período Baixa de ágio - Integração (líquido de imposto) Portotel - participação de não controladores Capital Social Integralizado Reservas de Capital, Opções Outorgadas e Ações em Tesouraria Reservas de Lucro Lucros ou Prejuízos Acumulados Outros Resultados Abrangentes Patrimônio Líquido Participação dos Não Controladores Patrimônio Líquido Consolidado Saldos Finais PÁGINA: 15 de 154

17 DFs Consolidadas / Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido / DMPL - 01/01/2010 à 31/03/2010 (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Capital Social Integralizado Reservas de Capital, Opções Outorgadas e Ações em Tesouraria Reservas de Lucro Lucros ou Prejuízos Acumulados Outros Resultados Abrangentes Patrimônio Líquido Participação dos Não Controladores Patrimônio Líquido Consolidado 5.01 Saldos Iniciais Saldos Iniciais Ajustados Transações de Capital com os Sócios Dividendos Resultado Abrangente Total Lucro Líquido do Período Outros Resultados Abrangentes Ajustes de Instrumentos Financeiros Ajustes de Conversão do Período Saldos Finais PÁGINA: 16 de 154

18 DFs Consolidadas / Demonstração do Valor Adicionado (Reais Mil) Código da Conta Descrição da Conta Acumulado do Atual Exercício 01/01/2011 à 31/03/2011 Acumulado do Exercício Anterior 01/01/2010 à 31/03/ Receitas Outras Receitas Receitas com operações de seguros Receitas com operações de previdência privada Prestação de serviços Outras Despesas de intermediação financeira Variação das provisões técnicas - seguro Variação das provisões técnicas - previdência Sinistros retidos Despesas com benefícios Provisão/Reversão de Créds. Liquidação Duvidosa Insumos Adquiridos de Terceiros Custos Prods., Mercs. e Servs. Vendidos Materiais, Energia, Servs. de Terceiros e Outros Perda/Recuperação de Valores Ativos Outros Serviços de terceiros, comissões líquidas Variação das despesas de comercialização diferida Valor Adicionado Bruto Retenções Depreciação, Amortização e Exaustão Valor Adicionado Líquido Produzido Vlr Adicionado Recebido em Transferência Receitas Financeiras Outros Valor Adicionado Total a Distribuir Distribuição do Valor Adicionado Pessoal Remuneração Direta Benefícios F.G.T.S Impostos, Taxas e Contribuições Federais Estaduais Municipais Remuneração de Capitais de Terceiros Juros Aluguéis Remuneração de Capitais Próprios Lucros Retidos / Prejuízo do Período Part. Não Controladores nos Lucros Retidos PÁGINA: 17 de 154

19 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho Análise do Resultado do Primeiro Trimestre de 2011 Comparado com o Primeiro Trimestre de 2010 (Controladora) Nos tópicos a seguir, as expressões em 2011 e em 2010 referem-se aos saldos e índices apurados pela Companhia nos períodos de 1º de janeiro a 31 de março de 2011 e de 2010, respectivamente. O resultado do primeiro trimestre de 2011 comparado ao primeiro trimestre de 2010 apresentou o seguinte desempenho: Resultado da Equivalência Patrimonial O resultado da equivalência patrimonial totalizou em 2011 R$ 144,4 milhões, com um aumento de R$ 21,2 milhões ou 17,2% sobre o montante de R$ 123,2 milhões em Despesas Administrativas As despesas administrativas da Companhia totalizaram em 2011 R$ 16,4 milhões, com um aumento de R$ 0,2 milhão sobre R$ 16,2 milhões em Composta, principalmente, da amortização do intangível decorrente da aquisição da Itaú Auto e Residência no montante de R$ 15,0 milhões. Resultado Financeiro As receitas financeiras totalizaram em 2011 R$ 11,6 milhões, com um aumento de R$ 0,4 milhão sobre R$ 11,2 milhões em 2010, que decorre, principalmente, do aumento das aplicações financeiras médias para R$ 465,9 milhões em 2011, em relação aos R$ 419,5 milhões em 2010, compensados pela redução da taxa efetiva para 2,49% em 2011 em relação aos 2,67% em Em 2010 as despesas financeiras referem-se, a atualização das parcelas decorrentes da compra da ex-controlada Integração (vendida em janeiro de 2011). Lucro Líquido O lucro líquido totalizou em 2011 R$ 143,5 milhões, registrando um aumento de 17,9% sobre R$ 121,7 milhões obtidos em Desconsiderando a amortização do intangível decorrente da aquisição da Itaú Auto e Residência o lucro líquido seria de R$ 152,5 milhões em 2011 com crescimento de 16,7%, sobre o lucro líquido de R$ 130,7 milhões de A rentabilidade sobre o patrimônio (ROAE) em 2011 foi de 12,84% e em ,87%. Desconsiderando a amortização do intangível decorrente da aquisição da Itaú Auto e Residência a rentabilidade sobre o patrimônio (ROAE) em 2011 seria de 16,91% e em ,30%. O lucro líquido por ação em 2011 foi de R$ 0,44 e em 2010 R$ 0,37, ambos considerando a quantidade de ações de PÁGINA: 18 de 154

20 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho Análise do Resultado do Primeiro Trimestre de 2011 Comparado com o Primeiro Trimestre de 2010 (Consolidado) A Porto Seguro S.A. ("Companhia") é uma sociedade de capital aberto que tem por objeto a participação, como acionista, ou sócia, em outras sociedades empresariais, nacionais ou estrangeiras, que exploram: (a) atividade de seguros em todos os ramos; (b) atividades privativas de instituições financeiras e de sociedades equiparadas a instituições financeiras, incluindo, sem limitação, a administração de consórcios; (c) atividade de prestação de serviços e comercialização de equipamentos de monitoramento eletrônico de sistemas de proteção patrimonial; e (d) atividades conexas, correlatas ou complementares à atividade de seguros e às demais atividades descritas anteriormente. A Companhia oferece para pessoas físicas, famílias, empresas e entidades governamentais no Brasil, por intermédio de suas subsidiárias diretas e indiretas ampla gama de produtos, nos seguintes segmentos: (i) Seguros seguro de automóvel, saúde, patrimoniais, transportes, riscos financeiros, pessoas e rural; (ii) Financeiras e consórcio de bens concessão de financiamentos para aquisição de bens e serviços para capital de giro e operações com cartão de crédito, administração de grupos de consórcios de bens moveis e imóveis; (iii) Prestadores de serviços prestação de serviços de proteção e monitoramento eletrônico em bens imóveis e veículos; (iv) Previdência complementar produtos de previdência e similares. Os principais títulos utilizados nas demonstrações contábeis das controladas são: Receitas Totais Prêmios e Seguros Auferidos Os prêmios auferidos compreendem: (i) os prêmios de seguros emitidos líquidos de cancelamentos, restituições, cessões de prêmios a congêneres; (ii) as estimativas de receitas de prêmios para as apólices em processo de emissão. Contribuições de Planos de Previdência Privada As contribuições de planos de previdência decorrem do valor da contribuição efetuada mensalmente por cada um dos participantes de planos de previdência. Prestação de Serviços de Monitoramento As receitas de prestação de serviços de monitoramento decorrem dos serviços de proteção e monitoramento eletrônico prestados pela Porto Seguro Proteção e Monitoramento. PÁGINA: 19 de 154

21 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho Prestação de Serviços de Consórcio As receitas de prestação de serviços de consórcios decorrem da cobrança de taxas de administração dos grupos de consorciados. Prestação de Serviços - Portoserv As receitas de prestação de todos e quaisquer serviços relativos ao agenciamento, promoção, fomento e administração de vendas de serviços ou produtos e suporte de qualquer natureza para pessoas físicas e jurídicas. Prestação de Serviços - Crediporto As receitas de prestação de serviços de análise de crédito, serviços de cobrança, faturamento, informações cadastrais para terceiros, serviços de desenvolvimento e assessoramento de negócios. Prestação de Serviços - Integração As receitas de prestação de serviços decorrem de licenciamento ou cessão de direito de uso de programas para computadores. Prestação de Serviços Serviços Médicos As receitas de prestação de serviços de saúde em regime ambulatorial e prestação de serviços de elaboração e implementação de programas de controle médico de saúde ocupacional em empresas, elaboração e implementação de programas de prevenção de riscos à saúde no trabalho e demais atividades relacionadas com a medicina do trabalho. Prestação de Serviços - Serviços As receitas de prestação de serviços decorrem da gestão de serviços de condomínios, segurança e zeladoria e serviços de desenvolvimento e hospedagem de páginas de internet de classificados e outros serviços de seu objeto social. Prestação de Serviços - Atendimento As receitas de prestação de serviços de telemarketing ativo e receptivo (Call Center), serviços de atendimento ao consumidor (SAC), intermediação de vendas, distribuição e divulgação de produtos, suporte técnico (help Desk), serviços de cobrança, agendamento de visitas, pesquisas de mercado e outras atividades conexas, correlatas ou complementares às atividades de telemarketing e telesserviços. Prestação de Serviços Franco As receitas de prestação de serviços técnicos de corretagem e administração de seguros. PÁGINA: 20 de 154

22 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho Operações de Crédito As receitas de operações de crédito representam os juros cobrados nos empréstimos, financiamentos e com cartão de crédito na utilização do crédito rotativo ou parcelamento da fatura. Outras Receitas Portopar As receitas decorrem da gestão de recursos pela Portopar. Receitas Financeiras Líquidas As receitas financeiras líquidas decorrem do investimento das disponibilidades financeiras, líquidas das despesas financeiras. Custos e Despesas Prêmios de Resseguros Cedidos As controladas (Porto Seguro, Porto Seguro Vida, Itaú Auto e Residência e Azul Seguros) resseguram parte de seus riscos no IRB Brasil Resseguros S.A., cedendo resseguros principalmente para: (a) reduzir o risco líquido relativo a riscos individuais; (b) mitigar os efeitos de ocorrências de perdas individuais; (c) estabilizar os resultados de subscrição; e (d) aumentar a capacidade de subscrição da Companhia. Variação de Provisões Técnicas A variação de provisões técnicas consiste, principalmente: (a) da despesa com a constituição de provisão de prêmios não ganhos; (b) da despesa com a constituição de provisão de benefícios a conceder dos planos de previdência; e (c) da receita com a reversão dessas provisões. Sinistros retidos Sinistros retidos são as despesas das controladas com as indenizações e com a regulação e liquidação de sinistros, líquidas de recuperações de resseguro e cosseguro, salvados e ressarcimento. Amortização de Custos de Aquisição Diferidos e Custos de aquisição - outros Amortização de custos de aquisição diferidos e custos de aquisição - outros - são as comissões que as controladas pagam aos corretores, as despesas das controladas com campanhas de rendas e a ajuda de custo concedida aos corretores e as despesas de comercialização dos demais produtos e serviços. Custo dos Serviços Prestados - Monitoramento Custo dos serviços prestados é o custo dos serviços de monitoramento eletrônico, da instalação de equipamento eletrônico e sua manutenção periódica, da prestação de serviços pelas empresas de segurança contratadas pela Porto Seguro Proteção e Monitoramento e das despesas de pessoal PÁGINA: 21 de 154

23 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho destinadas ao centro de monitoramento. Despesas de Intermediação Financeira Referem-se principalmente a provisão dos valores a pagar, a título de captação de recursos no mercado. Despesas Administrativas As despesas administrativas compreendem basicamente gastos com pessoal próprio, localização e expediente (despesas de escritório e de infra-estrutura), serviços contratados de terceiros (segurança, manutenção, funcionários temporários, assessoria externa e auditores externos) e propaganda e marketing. Despesas com Tributos As despesas com tributos compreendem basicamente PIS, COFINS e ISS. Outras Receitas (Despesas) Operacionais Outras receitas (despesas) operacionais abrangem custo de apólices cobrado dos segurados, receitas eventuais, despesas com inspeção de riscos, custos de emissão de apólices e provisões para devedores duvidosos das operações de seguros. PÁGINA: 22 de 154

24 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho Análise do Resultado do Primeiro Trimestre de 2011 Comparado com o Primeiro Trimestre de 2010 Nos tópicos a seguir, as expressões em 2011 e em 2010 referem-se aos saldos e índices apurados pela Companhia no período de 1º de janeiro a 31 de março de 2011 e de 2010, respectivamente. O resultado do primeiro trimestre de 2011, comparado ao primeiro trimestre de 2010 apresentou os seguintes desempenhos: Receita Total A receita total da Companhia, incluindo as receitas financeiras líquidas e receitas com imóveis de renda, totalizou em 2011 R$ 2.376,1 milhões, com crescimento de R$ 261,4 milhões ou 12,4% em relação aos R$ 2.114,7 milhões de Receitas Totais (R$ milhões) 1º Trimestre Variação % Prêmios de seguros auferidos (*) 2.010, ,1 12,2 Receitas financeiras líquidas 206,9 187,5 10,3 Operações de créditos Portoseg 44,9 39,2 14,5 Contribuições de planos de previdência 37,1 31,0 19,7 Receita de prestação de serviços Consórcio 35,0 30,5 14,8 Receita de prestação de serviços Monitoramento 15,3 13,1 16,8 Receita de prestação de serviços Portopar 8,3 6,5 27,7 Receita de prestação de serviços Atendimento 7,8 3,6 116,7 Receita de prestação de serviços Crediporto 2,3 2,5 (8,0) Receita de prestação de serviços Integração - 1,1 - Receita de prestação de serviços Serviços 5,3 1,5 253,3 Receita de prestação de serviços Portoserv 0,3 0,6 (50,0) Receita de prestação de serviços Serviços Médicos 0,8 0,4 - Receitas com imóveis 1,7 0,6 183,3 RVNE 0,1 4,5 (97,8) Receita Total 2.376, ,7 12,4 (*) Prêmios líquidos da RVNE. PÁGINA: 23 de 154

25 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho Prêmios de Seguros Auferidos Os prêmios de seguros auferidos pela Companhia totalizaram em 2011 R$ 1.980,5 milhões, com um aumento de R$ 209,4 milhões ou 11,8% sobre o montante de R$ 1.771,1 milhões em 2010, desconsiderando os planos VGBL. Prêmios de Seguros Auferidos (R$ milhões) 1º Trimestre Evolução % Prêmios por segmento Porto Seguro Auto 778,9 720,7 8,1 Azul Seguros Auto 258,2 201,4 28,2 Subtotal 1.037,1 922,1 12,5 Itaú Auto e Residência Auto 321,1 319,2 0,6 Total Auto 1.358, ,3 9,4 Porto Seguro Patrimonial 80,1 71,9 11,4 Azul Seguros Patrimonial 0,9 0,9 - Subtotal 81,0 72,8 11,3 Itaú Auto e Residência Patrimonial 69,4 61,0 13,8 Total Patrimonial 150,4 133,8 12,4 Porto Seguro DPVAT 40,2 54,0 (25,6) Azul Seguros DPVAT 15,0 14,5 3,4 Previdência DPVAT 12,9 13,0 (0,8) Subtotal 68,1 81,5 (16,4) Itaú Auto e Residência DPVAT 28,3 8,5 232,9 Total DPVAT 96,4 90,0 7,1 Saúde 196,6 156,2 25,9 Pessoas 74,4 66,7 11,5 Riscos Financeiros 54,7 44,2 23,8 Transportes 26,4 19,8 33,3 Responsabilidade 4,2 1,9 121,1 Rural/Animal 0,3 0,3 - Outros 0,2 0,4 (50,0) Porto Seguro Uruguay 18,7 16,5 13,3 Total de Prêmios de Seguros Auferidos sem VGBL 1.980, ,1 11,8 Prêmios de VGBL 29,9 25,5 17,3 Total de Prêmios de Seguros Auferidos 2.010, ,6 11,9 PÁGINA: 24 de 154

26 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho Segmento de Seguro Automóvel Porto Seguro: os prêmios de seguros auferidos no segmento de seguro automóvel totalizaram em 2011 R$ 778,9 milhões, aumento de R$ 58,2 milhões ou 8,1 % sobre os R$ 720,7 milhões em 2010, que decorre do aumento de 4,9% na quantidade de itens emitidos no período e da frota segurada que em março de 2011 totalizou 1.950,4 mil veículos, aumento de 10,7% em relação aos 1.762,5 mil de março de Segmento de Seguro Automóvel Azul Seguros: os prêmios de seguros auferidos no segmento de seguro automóvel totalizaram em 2011 R$ 258,2 milhões, aumento de R$ 56,8 milhões ou 28,2% sobre os R$ 201,4 milhões em 2010, que decorre do aumento de 20,9% na quantidade de itens emitidos no período, parcialmente compensado pela redução de 2,9% no prêmio médio. A frota segurada em março de 2011 totalizou 891,1 mil veículos, aumento de 37,5% em relação aos 647,9 mil veículos em março de Segmento de Seguro Automóvel Itáu Auto e Residência: os prêmios de seguros auferidos no segmento de seguro automóvel e residência totalizaram em 2011 R$ 321,1 milhões, aumento de R$ 1,9 milhão ou 0,6 % sobre os R$ 319,2 milhões em Os prêmios ganhos totalizaram em 2011 R$ 359,4 milhões com aumento de R$ 13,3 milhões ou 3,8% em relação aos R$ 346,1 milhões de A frota de veículos segurados reduziu 1,69% passando para 1.056,5 mil em 2011 em relação aos 1.074,7 mil em Segmento de Seguro Saúde - os prêmios de seguros auferidos no segmento de seguro saúde totalizaram R$ 196,6 milhões em 2011 com aumento de R$ 40,4 milhões ou 25,9%, sobre os R$ 156,2 milhões em 2010 que decorre do,(i) aumento de 8,1%, na quantidade de vidas seguradas para 465,5 mil em março de 2011 em relação aos 430,5 mil em março de 2010 e (ii) aumento 4,4% no prêmio anual médio. Segmento de Seguro de Pessoas os prêmios de seguros auferidos totalizaram R$ 74,4 milhões em 2011, com aumento de R$ 7,7 milhões ou 11,5% em relação aos R$ 66,7 milhões em 2010, que decorre do aumento de 12,7% na quantidade de vidas seguradas, passando para 2.707,0 mil em 2011, em relação as 2.401,2 mil em 2010, parcialmente compensado pela redução de 4,3% no prêmio médio. Receitas de Contribuições e Prêmios de VGBL Previdência Complementar As receitas com contribuições de planos de previdência e prêmios de VGBL totalizaram R$ 37,1 milhões em 2011, aumento de R$ 6,1 milhões ou 19,7% em relação aos R$ 31,0 milhões em 2010, que decorre do aumento de 24,6% na receita total média. A quantidade de participantes de Previdência (exceto Vida Prêmio) passou para 140,2 mil em 2011, com aumento de 7,7% em relação aos 130,2 mil em Receita de Prestação de Serviços Monitoramento As receitas de prestação de serviços de monitoramento eletrônico totalizaram R$ 15,3 milhões em 2011, aumento de R$ 2,2 milhões ou 16,8% em relação aos R$ 13,1 milhões em 2010, que decorre do (i) aumento do número de clientes de 8,0% passando para 28,2 mil em 2011 em relação aos 26,1 mil em 2010 e (ii) e aumento da receita anual média 7,6% passando para R$ 2.621,01 em 2011, em relação aos R$ 2.436,89 de PÁGINA: 25 de 154

27 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho Receita de Prestação de Serviços Consórcio As receitas de administração de consórcios totalizaram R$ 35,0 milhões em 2011, com aumento de R$ 4,5 milhões ou 14,8%, em relação aos R$ 30,5 milhões em O número de cotas de Consórcio administradas aumentou 11,6% passando para 63,4 mil em 2011, em relação aos 56,8 mil em Operações de Crédito As receitas com operações de crédito totalizaram R$ 44,9 milhões em 2011, com aumento de R$ 5,7 milhões ou 14,5%, em relação aos R$ 39,2 milhões em 2010, A carteira de operações de créditos administrados aumentou 22,4% passando para R$ 1.219,9 milhões em 2011, em relação aos R$ 996,7 milhões em Receita de Prestação de Serviços - Portopar As receitas da Portopar com administração financeira totalizaram R$ 8,3 milhões em 2011, aumento de R$ 1,8 milhão ou 27,7% em relação aos R$ 6,5 milhões em 2010, que decorre, principalmente: (i) do aumento de 88,9% das receitas com administração de recursos para 8,5 milhões em 2011, em relação aos R$ 4,5 milhões de 2010 e (ii) do aumento de 30,8% da receita de Serviços de Rebates para R$ 97,3 mil em 2011 em relação aos R$ 74,4 mil de 2010, das Receitas de Administração de Carteiras; (iii) parcialmente compensado pela redução, de 30,8% de Serviços de Administração de Carteiras para R$ 0,9 milhão em 2011 em relação aos R$1,3 milhão em Prêmios de Resseguros Cedidos As despesas com prêmios cedidos de resseguros totalizaram em 2011 R$ 6,2 milhões, com um aumento de R$ 1,5 milhão ou 31,9% sobre R$ 4,7 milhões em PÁGINA: 26 de 154

28 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho Sinistros Retidos, líquido As despesas com sinistros retidos, líquido totalizaram em 2011 R$ 1.203,0 milhões, um aumento de R$ 139,2 milhões, ou 13,1% sobre o montante de R$ 1.063,8 milhões em Sinistros Retidos, líquido Sinistralidade 1º Trimestre Evolução % 1º Trimestre Carteira Porto Seguro Auto 423,1 396,3 6,8 54,3 56,7 Azul Seguros Auto 185,8 129,7 43,3 77,3 71,3 Subtotal 608,9 526,0 15,8 59,7 59,8 Itaú Auto e Residência Auto 245,1 232,8 5,3 70,3 67,3 Total Auto 854,0 758,8 12,5 62,4 61,9 Porto Seguro Patrimonial 44,0 36,0 22,2 53,5 53,4 Azul Seguros Patrimonial 1,1 0,4 175,0 74,2 41,0 Subtotal 45,1 36,4 23,9 53,9 53,2 Itaú Auto e Residência Patrimonial 20,1 21,1 (4,7) 30,6 30,0 Total Patrimonial 65,2 57,5 13,4 43,6 41,4 Porto Seguro DPVAT 35,0 47,2 (25,8) 87,4 87,0 Azul Seguros DPVAT 13,1 12,0 9,2 87,3 82,3 Previdência DPVAT 11,2 11,3 (0,9) 87,3 87,3 Subtotal 59,3 70,5 (15,9) 87,4 86,2 Itaú Auto e Residência DPVAT 34,2 7,5 356,0 87,3 87,4 Total DPVAT 93,5 78,0 19,9 87,4 86,3 Pessoas 23,6 21,9 7,8 31,6 31,2 Saúde 137,1 110,7 23,8 69,7 66,2 Riscos Financeiros 10,8 17,3 37,6 22,4 40,2 Transportes 11,0 12,3 (10,6) 43,8 66,3 Outros 1,4 1,2 16,7 27,8 44,3 Porto Seguro Del Uruguay 6,4 6,1 4,9 38,7 40,2 Total Sinistros Retido, líquido 1.203, ,8 13,1 60,4 60,0 Amortização de Custos de Aquisição Diferidos e Custos de aquisição - outros As despesas de amortização de custos de aquisição diferidos e custos de aquisição outros - totalizaram em 2011 R$ 405,8 milhões, com um aumento de R$ 41,2 milhões ou 11,3% sobre o montante de R$ 364,6 milhões em As despesas de amortização de custos de aquisição diferidos de seguros totalizaram em 2011 R$ 394,3 milhões, um aumento de R$ 39,7 milhões ou 11,2% sobre o montante de R$ 354,6 milhões em PÁGINA: 27 de 154

29 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho O percentual sobre os prêmios ganhos em 2011 foi de 19,7%, e em ,0%, uma redução de 0,3 ponto percentual. Despesas Administrativas e com Tributos As despesas administrativas totalizaram, em 2011, R$ 428,2 milhões, com aumento de R$ 78,8 milhões ou 22,6% sobre o montante de R$ 349,4 milhões em 2010, principalmente, em razão de: (i) aumento de R$ 34,4 milhões ou 21,9% com pessoal próprio, em decorrência do aumento de 7,0% por acordo coletivo e de aproximadamente 14,5% no quadro de funcionários; (ii) aumento de R$ 19,2 milhões ou 46,9% nas despesas com serviços de terceiros; e (iii) aumento de R$ 11,5 milhões ou 16,5% nas despesas com localização e funcionamento, devido à expansão dos negócios. As despesas com tributos totalizaram, em 2011, R$ 65,3 milhões, com aumento de R$ 18,0 milhões ou 38,1% sobre o montante de R$ 47,3 milhões em Em 2011, o índice de despesas administrativas e com tributos de seguros sobre os prêmios ganhos foi de 19,1% e em 2010 foi de 17,8%, com aumento de 1,3 ponto percentual. Resultado Financeiro As receitas financeiras totalizaram em 2011 R$ 275,8 milhões, com um aumento de R$ 27,2 milhões, ou 10,9% em relação aos R$ 248,6 milhões em 2010, devido a: (i) As receitas com aplicações financeiras totalizaram em 2011 R$ 201,6 milhões, com um aumento de R$ 22,1 milhões, ou 12,3% em relação aos R$ 179,5 milhões em 2010, que decorre do aumento de 16,0% nas aplicações financeiras médias para R$ 7.411,8 milhões em 2011, em relação aos R$ 6.387,9 milhões em 2010, compensadas pela redução da taxa efetiva para 2,72% em 2011 em relação aos 2,81% em As receitas com aplicações financeiras (exceto Porto Seguro Vida e Previdência) totalizaram em 2011 R$ 151,6 milhões, com um aumento de R$ 26,6 milhões, ou 21,3% em relação aos R$ 125,0 milhões em 2010, que decorre do aumento de 11,8% nas aplicações financeiras médias para R$ 5.898,8 milhões em 2011, em relação aos R$ 5.274,3 milhões em 2010 e pelo aumento da taxa efetiva para 2,57% em 2011 em relação aos 2,37% em (ii) As outras receitas financeiras que totalizaram R$ 74,2 milhões, com aumento de R$ 5,1 milhões ou 7,4% em relação aos R$ 69,1 milhões em 2010, que decorre, principalmente, do aumento de R$ 1,9 milhão nas operações com seguros para R$ 41,2 milhões em 2011 em relação aos R$ 39,3 milhões em As despesas financeiras totalizaram em 2011 R$ 68,9 milhões, com um aumento de R$ 7,8 milhões, ou 12,8% em relação aos R$ 61,1 milhões em PÁGINA: 28 de 154

30 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho Outras Receitas e Despesas Operacionais - Outras receitas operacionais totalizaram, em 2011, R$ 148,6 milhões, com aumento de R$ 47,4 milhões ou 46,8% sobre o montante de R$ 101,2 milhões em Esse aumento se deve, principalmente: (a) ao aumento das receitas com custo de apólices de R$ 29,8 milhões ou 47,6% e (b) ao aumento das outras receitas, referente a transações com cartão de crédito, de R$ 6,6 milhões. - Outras despesas operacionais totalizaram, em 2011, R$ 123,3 milhões, com redução de R$ 12,9 milhões ou 9,5% sobre o montante de R$ 136,2 milhões em Essa redução se deve, principalmente: (a) a redução das despesas com provisão para riscos de créditos de R$ 6,6 milhões ou 142,4%, (b) a redução das despesas com inspeção de riscos e ações preventivas de R$ 4,0 milhões ou 12,7% e (c) a redução das despesas com bonificação de R$ 0,8 milhão ou 8,6%. IRPJ e CSLL As despesas com IRPJ e CSLL totalizaram em 2011 R$ 89,8 milhões, com um aumento de R$ 22,5 milhões ou 33,4% sobre R$ 67,3 milhões em As taxas efetivas de IRPJ e CSLL em 2011 e em 2010 foram de 38,5% e 35,6%, respectivamente. Lucro Líquido O lucro líquido totalizou em 2011 R$ 143,5 milhões, registrando um aumento de 17,9% sobre R$ 121,7 milhões obtidos em Desconsiderando a amortização do intangível decorrente da aquisição da Itaú Auto e Residência o lucro líquido seria de R$ 152,5 milhões em 2011 com crescimento de 16,7%, sobre o lucro líquido de R$ 130,7 milhões de A rentabilidade sobre o patrimônio (ROAE) em 2011 foi de 12,84% e em ,87%. Desconsiderando a amortização do intangível decorrente da aquisição da Itaú Auto e Residência a rentabilidade sobre o patrimônio (ROAE) em 2011 seria de 16,91% e em ,30%. O lucro líquido por ação em 2011 foi de R$ 0,44 e em 2010 R$ 0,37, ambos considerando a quantidade de ações de Índice combinado - Seguros O índice combinado (sinistros retidos, amortização de custos de aquisição diferidos, despesas administrativas e despesas com tributos, comparados com os prêmios ganhos), em 2011 foi de 99,2%, com um aumento de 1,4 ponto percentual sobre os 97,8% de O aumento deve-se, principalmente, ao aumento de 1,3 ponto percentual nas despesas administrativas e tributos, de 0,4 ponto percentual no índice de sinistralidade, compensados pela redução de 0,3 ponto percentual nas despesas de amortização de custos de aquisição diferidos. O índice combinado considerando também outras receitas e despesas operacionais, em 2011 foi de 98,3%, com uma redução de 1,1 ponto percentual, em relação ao índice de 2010 que foi de 99,4%. PÁGINA: 29 de 154

31 Relatório da Administração/Comentário do Desempenho O índice combinado ampliado, que, também considera o resultado financeiro, em 2011 foi de 90,6%, apresentando um aumento de 1,4 ponto percentual, em relação ao índice de 2010 que foi de 89,2%. *** PÁGINA: 30 de 154

32 1. Contexto operacional e informações gerais A Porto Seguro S.A. ("Companhia") é uma sociedade de capital aberto com sede e escritório principal localizado na Alameda Ribeiro da Silva, 275 1º andar em São Paulo, estado de São Paulo Brasil, que tem por objeto a participação, como acionista, ou sócia, em outras sociedades empresariais, nacionais ou estrangeiras, que exploram: (a) atividade de seguros em todos os ramos; (b) atividades privativas de instituições financeiras e de sociedades equiparadas a instituições financeiras, incluindo, sem limitação, a administração de consórcios; (c) atividade de prestação de serviços e comercialização de equipamentos de monitoramento eletrônico de sistemas de proteção patrimonial; e (d) atividades conexas, correlatas ou complementares à atividade de seguros e às demais atividades descritas anteriormente. A emissão destas demonstrações financeiras foi autorizada pelo Conselho de Administração, em 29 de abril de A seguir, relacionamos as empresas controladas por ramo de atividade: (a) Seguros (i) (ii) (iii) (iv) (v) Porto Seguro Companhia de Seguros Gerais ("Porto Seguro") - controlada direta pela Companhia (totalidade das ações exceto uma), foi constituída em 6 de setembro de 1945, autorizada a operar pelo Decreto nº , de 6 de dezembro de 1945 e tem por objeto social a exploração das operações de seguro de danos e de pessoas. Porto Seguro Vida e Previdência S.A. ("Porto Seguro Vida") - controlada pela Porto Seguro (99,97%) foi constituída em 23 de dezembro de 1986 e tem por objeto social a exploração das operações de seguro de pessoas e de planos de previdência complementar nas modalidades de pecúlio e renda. Porto Seguro - Seguros del Uruguay S.A. ("Porto Seguro Uruguay") - controlada integral da Porto Seguro desde 22 de dezembro de 1994, tem como principal atividade a atuação no ramo de seguro de automóveis. Porto Seguro - Seguro Saúde S.A. ("Porto Seguro Saúde") - controlada pela Porto Seguro (99,98%), foi constituída em 12 de junho de 2001, com o objetivo de atuar como seguradora especializada em seguro-saúde. Azul Companhia de Seguros Gerais ("Azul Seguros") - controlada direta da Companhia (99,71%), desde 28 de novembro de 2003, tem por objeto social a exploração das PÁGINA: 31 de 154

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/26 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1. 0. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO 1. 1. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1. 1. 1. 1. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE ELETRO BRÁS TERM ONUCLEAR S.A. CNPJ: 42. 540.2 11/0001-67 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O Numerário disponível 15.650 27.050 Aplicações financeiras 104.077 36.869 Concessionárias

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - GRAZZIOTIN SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - GRAZZIOTIN SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - BROOKFIELD INCORPORAÇÕES S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - BROOKFIELD INCORPORAÇÕES S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração SECULUS CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A Endereço: Rua Paraíba, n.º 330 11º Andar Belo Horizonte - MG CNPJ: 04.787.807/0001-77 Relatório da Administração Senhores acionistas, Cumprindo determinação

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2013 - BRF S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2013 - BRF S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2011 - KLABIN S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2011 - KLABIN S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 São Paulo, 30 de abril de 2008. Confab Industrial S.A. (BOVESPA:CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes ao primeiro

Leia mais

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 PRODUTOS, LANÇAMENTOS E PERFORMANCE COMERCIAL: Durante o primeiro trimestre de 2003, a Rossi Residencial

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - SARAIVA SA LIVREIROS EDITORES Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - SARAIVA SA LIVREIROS EDITORES Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração do Fluxo de Caixa 7 Demonstração das Mutações

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - CIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - CIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico...

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 09. Dem. Fluxos de Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico...

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A.

HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A. HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2007 e parecer dos auditores independentes Balanço patrimonial em 30 de

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - WHIRLPOOL S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - WHIRLPOOL S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Anexo 14 - Balanço Patrimonial

Anexo 14 - Balanço Patrimonial Página 1 de 5 CIRCULANTE 9.919.946,74 CIRCULANTE 30.835,00 Caixa e Equivalente de Caixa 93.278,58 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a pagar a Curto Créditos a Curto Empréstimos e

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO VALE FERTILIZANTES COMUNICADO AO MERCADO VALE FERTILIZANTES S.A. Uberaba, 24 de março de 2011. A Vale Fertilizantes S.A. ( Companhia ) disponibiliza a seus acionistas, investidores e ao mercado, a complementação

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA PRIVADA

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA PRIVADA MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA PRIVADA JAN A JUNHO -2013 1 O Mercado Brasileiro de Seguros e Previdência Privada encerrou o período em foco apresentando um Lucro Líquido não consolidado tecnicamente

Leia mais

GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073

GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073 GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073 Resultados do 1º Trimestre de 2006 Rio de Janeiro, 18 de maio de 2006 Globex Utilidades S.A. (BOVESPA: GLOB4, GLOB3; OTC: GBXPY),

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Conceito: - Conjunto de ingressos e desembolsos de numerários ao longo do período - Representação dinâmica da situação financeira

Leia mais

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 2T09 488.249.000,00

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 2T09 488.249.000,00 RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 488.249.000,00 Resultados do 2º Trimestre de 2009 São Paulo, 14 de agosto de 2009 A Bradespar [BOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - WHIRLPOOL S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - WHIRLPOOL S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES 100.000.000 000 ATIVO REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS E DIREITOS, AGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO. 110.000.000 000 ATIVO CIRCULANTE REGISTRA O

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - PETROPAR SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - PETROPAR SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 A escrituração contábil e a emissão de relatórios,

Leia mais

MODELO DE PLANO DE CONTAS PARA EMPRESAS DE GRANDE PORTE

MODELO DE PLANO DE CONTAS PARA EMPRESAS DE GRANDE PORTE MODELO DE PLANO DE CONTAS PARA EMPRESAS DE GRANDE PORTE Balancete Analítico Trimestral Trimestre Nome da Empresa: Logradouro: Número: Município: Telefone: E-Mail: CNPJ Obs.: prencher somente os campos

Leia mais

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 2.017.196,11 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/27 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001 1 ATIVO 1.01 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 DISPONIBILIDADES 1.01.01.01 CAIXA GERAL 1.01.01.01.01 Caixa Matriz 1.01.01.01.02 Caixa Filiais 1.01.01.02 DEPÓSITOS BANCÁRIOS - NO PAÍS 1.01.01.02.01 Bancos Conta

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$ RELATÓRIO DA DIRETORIA Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, apraz-nos apresentar para a devida apreciação o Balanço Patrimonial e Demonstrativos Financeiros, relativo ao exercício findo

Leia mais

DESTAQUES OPERACIONAIS E FINANCEIROS DO 3T05 E 9M05

DESTAQUES OPERACIONAIS E FINANCEIROS DO 3T05 E 9M05 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$74,5 milhões ou R$0,97 por ação no 3T05 e R$167,9 milhões ou R$2,18 por ação em 9M05 Crescimento de 12,1% dos Prêmios Auferidos na comparação trimestral e 19,3%

Leia mais

I BALANÇO SINTÉTICO 1 II PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA 4 III COMPOSIÇÃO DO CAPITAL 5 IV HISTÓRICO DAS CONTAS 6 V HISTÓRICO DE INDICADORES 9

I BALANÇO SINTÉTICO 1 II PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA 4 III COMPOSIÇÃO DO CAPITAL 5 IV HISTÓRICO DAS CONTAS 6 V HISTÓRICO DE INDICADORES 9 ÍNDICE I BALANÇO SINTÉTICO 1 II PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA 4 III COMPOSIÇÃO DO CAPITAL 5 IV HISTÓRICO DAS CONTAS 6 V HISTÓRICO DE INDICADORES 9 VI MERCADO DE AÇÕES 10 VII INFORME INSTITUCIONAL 11 DF/DFR Av.

Leia mais

Sumário PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27

Sumário PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27 Sumário Prefácio à décima primeira edição, 15 Prefácio à décima edição, 17 Prefácio à nona edição, 19 Prefácio à primeira edição, 21 Sugestões ao professor, 23 PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27 1 CONTABILIDADE,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02069-9 SANTOS BRASIL TECON S.A. 08.519.271/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02069-9 SANTOS BRASIL TECON S.A. 08.519.271/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF Data-Base - 31/12/27 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS. 1.1 - IDENTIFICAÇÃO 269-9

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01385-4 CEMEPE INVESTIMENTOS SA 93.828.986/0001-73 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01385-4 CEMEPE INVESTIMENTOS SA 93.828.986/0001-73 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

COMPANHIA DE SEGUROS MINAS BRASIL

COMPANHIA DE SEGUROS MINAS BRASIL Senhores acionistas: Atendendo às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras da Companhia de Seguros Minas Brasil relativas ao exercício findo em

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - MONTEIRO ARANHA SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - MONTEIRO ARANHA SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES AUDITORES INDEPENDENTES S/C SÃO PAULO - RUA MADRE CABRINI, 99 VILA MARIANA SP CEP: 04020-000 FONE (0xx11) 5574-5252 - FAX: 5574-5578 E-mail: binah@sti.com.br C.N.P.J.M.F. 47.174.537/0001-31 CRC 2SP 009.597/O-8

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - BRASILAGRO CIA BRAS DE PROP AGRICOLAS Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - BRASILAGRO CIA BRAS DE PROP AGRICOLAS Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - LIGHT SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - LIGHT SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

3º Trimestre 2012 DIVULGAÇÃO DE RESULTADO

3º Trimestre 2012 DIVULGAÇÃO DE RESULTADO São Caetano do Sul, SP, Brasil, 31 de outubro de 2012. A Via Varejo S.A. [BM&FBOVESPA: VVAR3] divulga os resultados do 3º trimestre de 2012 (3T12). As informações operacionais e financeiras da Companhia

Leia mais

PORTO SEGURO S.A. Companhia Aberta. CVM nº 01665-9. CNPJ/MF nº 02.149.205/0001-69 NIRE 35.3.001.5166.6 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

PORTO SEGURO S.A. Companhia Aberta. CVM nº 01665-9. CNPJ/MF nº 02.149.205/0001-69 NIRE 35.3.001.5166.6 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO PORTO SEGURO S.A. Companhia Aberta CVM nº 01665-9 CNPJ/MF nº 02.149.205/0001-69 NIRE 35.3.001.5166.6 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DE 27 DE MARÇO DE 2015 ÍNDICE Página Proposta da

Leia mais

RB CAPITAL SECURITIZADORA S.A. 58ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO

RB CAPITAL SECURITIZADORA S.A. 58ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO RB CAPITAL SECURITIZADORA S.A. 58ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores

Leia mais

Assunto: Itaú Unibanco Holding S.A. Resultados do 3º Trimestre de 2015. Comunicado ao Mercado

Assunto: Itaú Unibanco Holding S.A. Resultados do 3º Trimestre de 2015. Comunicado ao Mercado Assunto: Resultados do 3º Trimestre de 2015 Comunicado ao Mercado ( Companhia ) comunica aos seus acionistas e ao mercado em geral que já estão disponíveis no site de Relações com Investidores (www.itau.com.br/relacoes

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

CONSELHO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I

CONSELHO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 8º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Versão : 2. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Versão : 2. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A.

HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2007 HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. 2ª Emissão de

Leia mais

Capítulo IX - Resultados não operacionais 2015

Capítulo IX - Resultados não operacionais 2015 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2014 Capítulo IX - Resultados não operacionais 2015 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

Balanço Patrimonial. Composição do Balanço

Balanço Patrimonial. Composição do Balanço Balanço Patrimonial O balanço de uma empresa é considerado por muitos autores uma "fotografia" daquela empresa, demonstrando suas posições patrimonial e financeira em um certo momento. O balanço pode retratar

Leia mais

Demonstrações Contábeis Intermediárias. 30 de setembro de 2013 BR GAAP

Demonstrações Contábeis Intermediárias. 30 de setembro de 2013 BR GAAP Demonstrações Contábeis Intermediárias BR GAAP Arquivado na CVM, SEC e HKEx em 6 de novembro Vale S.A. Índice das Demonstrações Contábeis Intermediárias Página Relatório de Revisão dos Auditores Independentes

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2016 - SWEET COSMÉTICOS S.A. Versão : 2. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2016 - SWEET COSMÉTICOS S.A. Versão : 2. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda. Laudo de avaliação a valor contábil do Patrimônio Líquido em 31 de março de 2014

Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda. Laudo de avaliação a valor contábil do Patrimônio Líquido em 31 de março de 2014 Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda. Laudo de avaliação a valor contábil do Patrimônio Líquido em 31 de março de 2014 KPMG Auditores Independentes Av. Borges de Medeiros, 2.233-8º andar

Leia mais

RESOLUCAO N. 003567/2008

RESOLUCAO N. 003567/2008 RESOLUCAO N. 003567/2008 RESOLUCAO 3.567 --------------- Dispõe sobre a constituição e o funcionamento de sociedades de crédito ao microempreendedor e à empresa de pequeno porte. O BANCO CENTRAL DO BRASIL,

Leia mais

119 Ciências Contábeis

119 Ciências Contábeis UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR PERSPECTIVAS E EVOLUÇÃO FUTURA ESTRATÉGIA EM AÇÃO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PRÊMIOS Fonte : CNSeg Fonte : CNSeg

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 CONTEÚDO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2012 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02114-8 CONSTRUTORA TENDA S/A 71.476.527/0001-35 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02114-8 CONSTRUTORA TENDA S/A 71.476.527/0001-35 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF DFP - DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PADRONIZADAS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/12/28 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh) 1 Perfil

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh) 1 Perfil 1 Perfil A Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S.A. ( Companhia ) é uma companhia de capital aberto com ações listadas na BMF&Bovespa, autorizada a operar como concessionária de Serviço

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Rodobens (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Rodobens (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Rodobens Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares reais

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01588-1 INDS ARTEB SA 62.291.380/0001-18 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01588-1 INDS ARTEB SA 62.291.380/0001-18 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF DFP - DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PADRONIZADAS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/12/28 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

CRESS/RJ - 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92

CRESS/RJ - 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92 Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE Especificação CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO Exercício Atual 1.566.424,19

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas:

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas: RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas: De acordo com as disposições legais e estatutárias, vimos apresentar-lhes o Balanço Patrimonial, a Demonstração de Resultados, a Demonstração das Mutações

Leia mais

MaxBlue Investimentos Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

MaxBlue Investimentos Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. 1 Contexto operacional A MaxBlue Investimentos Distribuidora de Títulos e Valores está autorizada a operar no mercado como agente intermediador de operações financeiras dentro do contexto do sistema financeiro

Leia mais

Conselho Regional de Corretores de Imóveis - CRECI / DF SISCONTW - v1.06 Balancete Analítico de Verificação Período: 01/02/2011 a 28/02/2011

Conselho Regional de Corretores de Imóveis - CRECI / DF SISCONTW - v1.06 Balancete Analítico de Verificação Período: 01/02/2011 a 28/02/2011 Folha: 1 2 SISTEMA FINANCEIRO 1.906.387,90D 1.675.420,32 1.499.489,71 2.082.318,51D 2.1 ATIVO FINANCEIRO 2.510.142,26D 661.967,14 609.867,96 2.562.241,44D 2.1.1 DISPONÍVEL 2.505.864,48D 659.552,76 609.805,77

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73. Informações referentes a Julho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73. Informações referentes a Julho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73 Informações referentes a Julho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Dezembro de 2015. (Em milhares de reais) Aumento de capital (em aprovação) Reservas de reavaliação

Dezembro de 2015. (Em milhares de reais) Aumento de capital (em aprovação) Reservas de reavaliação Volume 126 Número 36 Página 10 Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras, com o parecer dos auditores independentes,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ PORTO SEGURO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ PORTO SEGURO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução O IAS 21 The Effects of Changes in Foreign

Leia mais

Lucro Líquido de R$129,4 milhões ou R$1,69 por ação no 3T07 e R$348,9 milhões ou R$4,54 por ação em 9M07.

Lucro Líquido de R$129,4 milhões ou R$1,69 por ação no 3T07 e R$348,9 milhões ou R$4,54 por ação em 9M07. Lucro Líquido de R$129,4 milhões ou R$1,69 por ação no 3T07 e R$348,9 milhões ou R$4,54 por ação em 9M07. São Paulo, 09 de novembro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32. Tributos sobre o Lucro

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32. Tributos sobre o Lucro Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32 Tributos sobre o Lucro Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas para identificação dos principais pontos tratados,

Leia mais

Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 Em milhares de reais

Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 Em milhares de reais 1 Contexto operacional O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera na forma de banco múltiplo através de suas carteiras comercial, de crédito, financiamento e investimento. As operações são

Leia mais

ORÇAMENTO PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA

ORÇAMENTO PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA EXERCÍCIO DO ESTADO 2016 ORÇA PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA 5.2 ORÇA APROVADO 5.892.000,00 5.2.1 PREVISÃO DA RECEITA 5.892.000,00 5.2.1.1 PREVISÃO INICIAL DA RECEITA 5.892.000,00

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 INVESTIMENTOS PERMANENTES Avaliados pelo método de método de custo e de valor justo 1 BALANÇO

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E! Definições e mudanças propostas no Projeto de Lei 3.741 que altera a Lei 6.404/76.! O que é AMORTIZAÇÃO? Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes de transações não incluídas nas

Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes de transações não incluídas nas 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes de transações não incluídas nas atividades principais ou acessórias que constituam

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 8 Demonstração do Fluxo de Caixa 9 Demonstração das Mutações

Leia mais

LOJAS COLOMBO S.A. COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS

LOJAS COLOMBO S.A. COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS 1002 LOJAS COLOMBO S.A. COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Lojas Colombo S.A. Comércio de Utilidades Domésticas ( Companhia ), é uma sociedade anônima com sede em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE GESTÃO CONTÁBIL

REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE GESTÃO CONTÁBIL TÍTULO I REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE GESTÃO CONTÁBIL DO LABORATÓRIO DE GESTÃO CONTÁBIL E SEUS FINS CAPÍTULO I DO LABORATÓRIO DE GESTÃO CONTÁBIL Artigo 1º - O Laboratório de gestão contábil é uma

Leia mais

ANEXO DO EDITAL. Anexo IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA

ANEXO DO EDITAL. Anexo IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA ANEXO DO EDITAL Anexo IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA Dezembro - 2013 Anexo IV: Diretrizes para elaboração do Plano de Negócios de Referência Índice 1 Introdução... 3 2

Leia mais

Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis

Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Confederação Brasileira de Remo em 31 de dezembro de 2015. Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis ÍNDICE I. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 17/06/2013 16:40:51

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 17/06/2013 16:40:51 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade...1 1.1. Conceitos...1 1.2. Campo de Aplicação...2 1.3. Funções da Contabilidade...2 1.4. Usuários da Informação Contábil...3 1.5. Técnicas Contábeis

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF 6 - DDD 7 - TELEFONE 8 - TELEFONE 9 - TELEFONE 10 - TELEX

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF 6 - DDD 7 - TELEFONE 8 - TELEFONE 9 - TELEFONE 10 - TELEX ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/25 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Demonstrações Financeiras Suzano Holding S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Suzano Holding S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Suzano Holding S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas Relatório

Leia mais