Metodologia Baseada em Mineração de Dados para Apoio à Análise do Discurso de Telejornais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia Baseada em Mineração de Dados para Apoio à Análise do Discurso de Telejornais"

Transcrição

1 Felipe Leandro Andrade da Conceição Metodologia Baseada em Mineração de Dados para Apoio à Análise do Discurso de Telejornais Orientador: Prof. Dr. Flávio Luis Cardeal Pádua Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Co-orientadora: Profa. Dra. Giani David Silva Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Belo Horizonte MG Agosto de 2013

2 Resumo Este trabalho contempla o desenvolvimento de uma metodologia computacional para apoio à análise discursiva de vídeos televisivos, propondo uma metodologia de organização de metadados de conteúdo multimídia com base no gênero telejornal. Embora o sistema de televisão seja um dos mais importantes fenômenos de mídia existentes, nota-se ainda uma forte carência por sistemas de informação que viabilizem a recuperação e a análise efetiva de informações relevantes presentes em vídeos televisivos, prejudicando ou mesmo inviabilizando trabalhos sobre este universo. Neste cenário, buscando contribuir com ferramentas computacionais automáticas para alcançar os objetivos informacionais sobre este universo, o presente trabalho propõe novas soluções para o sistema de informação multimídia do Centro de Apoio a Pesquisas sobre Televisão (CAPTE) do CEFET-MG, desenvolvido em parceira com o canal de televisão aberta Rede Minas. Especificamente, propõe-se a criação de um modelo estrutural computacional para o gênero telejornal e a utilização de técnicas de mineração de dados baseadas em associação e sequência com o intuito de extrair e interpretar os metadados indexados por meio desta metodologia. Resultados experimentais com uma base de dados de 41 edições gravadas das emissoras Rede Globo e Rede Minas demonstram que a abordagem proposta é promissora, identificando associações entre os metadados superiores a 90% de confiança e, por meio da mineração de sequências, foi possível identificar uma forma de hierarquização temática entre as temáticas política e policial abordadas nas edições analisadas. PALAVRAS-CHAVE: Reconhecimento de faces, Mineração de Dados, Análise do Discurso.

3 Abstract This work addresses a new methodology to support the discourse analysis of television Multimedia Content based on data mining techniques. Although the television system represents one of the most massive media devices in the world, there is still a high demand for information systems that enable effective information retrieval and analysis on the broadcasting video industry. This work proposes a new data model that specifically represents the television news genre in order to extract useful information for professionals and researchers in the communication, linguistics and semiotics fields. The news genre has a distinctive look with core communicative features and its information richness has motivated us to develop a computational framework that could be later improved and applied to other different television genres and video streaming contents. Data mining techniques, based on association and classification algorithms, are used to extract and analyze the television video streaming metadata. Experimental results with a database of 41 editions of the stations recorded Rede Globo and Rede Minas demonstrate that the proposed approach is promising, identifying associations between metadata over 90 % confidence level and by mining sequences could be identified as the thematic hierarchy between the themes addressed in the political and police issues analyzed. KEY WORDS: Face Recognition, Data Mining, Discourse Analysis.

4 Lista de Figuras 1 Estrutura do Inathèque de France p Cascata p Faces similares p Planos Fílmicos p Processo de Descoberta de Conhecimento p Árvore de decisão p Esquema Dimensional de Vendas p Visão geral do módulo de software proposto para o sistema de informação CAPTE p Assinatura Visual p Formulário p Estrutura do Telejornal p Fluxograma DW p Esquema Dimensional p Percentual temporal para cada componente estrutural p Percentual temporal para cada temática p Comparação entre as temáticas policial e política p Cubo de dados para medição do tempo de presença p. 61

5 Lista de Tabelas 1 Métricas para avaliar as técnicas de mineração de dados p Escalada p Chamada de Bloco p Entrevista p Nota Coberta p Nota Seca p Reportagem p Santinho p Stand-UP p Descrição das tabelas do modelo estrela p Questões de Investigação - Descrição p Cenários para mineração de dados p Resumo dos Vídeos Gravados p Avaliação do módulo de planos fílmicos p Contagem das matérias indexadas p Padrões identificados p. 59

6 Sumário 1 Introdução p Definição do Problema de Pesquisa p Motivação p Objetivos: Geral e Específicos p Contribuições p Organização do Documento p Trabalhos Relacionados p Análise do Discurso p Processo de Descoberta do Conhecimento p Fundamentação Teórica p Análise do Discurso p Capital Visual p Detecção de faces p Reconhecimento de faces p Assinatura Visual p Plano Fílmico p Gênero Telejornal p Capital Temático p Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados p Caracterização e Mineração de Dados p. 28

7 Caracterização de Dados p Mineração de Dados p Regras de Associação p Mineração de Sequências p Classificação de Dados e Árvores de Decisão.... p Data Warehouse p Conjunto de dados orientados a assuntos p Integrado p Não volátil p Variável no tempo p Modelo Dimensional p Tabelas Dimensão e Fato p Metodologia p Indexação p Etapa Automática p Estimação de Capital Visual p Planos Fílmicos p Etapa Manual p Componentes Estruturais de um Telejornal p Escalada p Chamada de Bloco p Entrevista p Nota Coberta p Nota Seca p Reportagem p Santinho p. 46

8 Stand-UP p Extração de Conhecimentos p Data Warehouse p Banco de Dados Dimensional p Caracterização dos Dados p Mineração de Dados p Resultados Experimentais p Grupo 1: Etapa Automática de Indexação p Estimação do Capital Visual p Planos Fílmicos p Grupo 2: Métodos de Extração de Conhecimentos p Caracterização e Mineração de Dados p Mineração de Dados p Análise do Cubo de Dados p Conclusões e Trabalhos Futuros p. 62 Referências p. 64

9 9 1 Introdução Os Centros de Documentação (CEDOCs) das emissoras de televisão brasileiras têm como finalidade principal conservar o acervo de imagens e programas produzidos por essas empresas. Eles atendem predominantemente as demandas internas como, por exemplo, aquelas relacionadas às produções telejornalísticas (SILVA, 2005a). Estes centros executam as tarefas de armazenar o material, tendo um arquivista inserindo informações em um sistema que identifica o vídeo. De fato, o funcionamento de um CEDOC não tem o objetivo de disponibilizar informações à sociedade de uma forma geral. Em se tratando de demandas externas, os casos são analisados e, muitas vezes, os arquivos solicitados não são disponibilizados (ANDRADE, 2012; PEREIRA, 2012; SABINO, 2011; SILVA, 2005a). Um outro ponto que merece ser ressaltado é a forma como estes centros disponibilizam as informações dos vídeos. Eles apenas disponibilizam os metadados, não oferecendo ferramentas computacionais capazes de extrair novos conhecimentos a partir do relacionamento destes metadados (PE- REIRA, 2012). Este é um importante diferencial deste trabalho, pois visa criar uma estrutura que possibilita extrair novos conhecimentos discursivos a partir de vários metadados indexados pelos documentalistas. Observa-se que os usuários potenciais dos CEDOCs, ou seja, os jornalistas e pesquisadores deparam-se corriqueiramente com contratempos que tornam os trabalhos de pesquisa aos acervos extremamente demorados, por vezes, até inviabilizando alguns aspectos das pesquisas. Neste contexto, técnicas de caracterização e mineração de dados, baseadas em algoritmos de associação e mineração de sequência, são aplicadas neste trabalho para estudo, análise e interpretação dos metadados dos vídeos de programas telejornalísticos. Adicionalmente, são utilizadas técnicas de processamento e análise de imagens, voltadas especificamente para detecção e segmentação de objetos, em especial, faces dos participantes presentes nos vídeos (CONCEIÇÃO et al., 2012; VIOLA; JONES, 2004; CHARAUDEAU, 2010b). Além disso, este trabalho propõe a construção de um data warehouse com o intuito de auxiliar estes pesquisadores no processo de

10 1.1 Definição do Problema de Pesquisa 10 Figura 1: Estrutura do Inathèque de France. tomada de decisão ao realizar a análise do discurso de vídeos televisivos. 1.1 Definição do Problema de Pesquisa Este trabalho aborda o desenvolvimento de uma nova ferramenta de apoio à análise discursiva de telejornais, baseada em técnicas de mineração de dados, processamento e análise de imagens e modelagem dimensional de dados, visando a estruturação de um data warehouse. O gênero telejornal representa um dos produtos televisivos de maior audiência, possuindo essencialmente um conteúdo informativo que está associado a um sistema específico de regras de comunicação que o distingue dos demais gêneros televisivos (SANTOS; AYRES, 2008). A riqueza de informações e a complexidade deste gênero motivou, portanto, sua escolha como matéria-prima para o desenvolvimento da metodologia proposta neste trabalho, cuja aplicação no contexto de outros gêneros televisivos é proposta como trabalho futuro. Entre outros benefícios obtidos a partir da utilização dessa metodologia, destacase a estimação automática do capital visual, bem como plano fílmico dos participantes nos vídeos, além da extração de informações que possam contribuir para a análise do capital temático e da intencionalidade comunicativa dos telejornais considerados. Ressalta-se que a metodologia proposta pode ser aplicada em qualquer tipo de conteúdo de telejornal, bem como serve de base para formalização de outras taxonomias a serem aplicadas em diferentes tipos de programas televisivos. A análise dos metadados aqui apresentada terá sua ancoragem teórica numa vertente francesa da análise do discurso, preconizada por Patrick Charaudeau (CHARAU-

11 1.2 Motivação 11 DEAU, 1997, 2010a), juntamente com técnicas computacionais tais como, mineração de dados, processamento e análise de imagens. Embora o sistema de produção televisiva seja um dos principais fenômenos comunicacionais do século XX, com diversos estudos em várias áreas do conhecimento, nota-se ainda uma forte carência por sistemas de informação que viabilizem a recuperação e a análise automática de informações relevantes presentes nas imagens televisivas, prejudicando, retardando ou mesmo inviabilizando trabalhos sobre este universo. 1.2 Motivação Recentemente, tem-se observado a frequente proposição de novos métodos e técnicas para obter informações que se baseiam em imagens e sinais de áudio. Pode-se observar também que, nos últimos anos, o enfoque dos pesquisadores está relacionado a disponibilização dos metadados e seus respectivos vídeos ao usuário final. Todo este processo tem sido feito de forma manual e sem oferecer meios automáticos para analisar grandes quantidades de dados e, a partir desta análise, extrair novos conhecimentos para auxiliar estudiosos em suas pesquisas. Os serviços de seleção de conteúdo permitem a busca de itens multimídia, a partir de informações definidas pelos usuários, e podem ser baseados em anotações criadas durante o enriquecimento do conteúdo, geradas de forma manual ou automática. Estes sistemas apresentam uma necessidade em comum que é automatizar um pouco mais a extração dos metadados dos vídeos e extrair novas informações através da relação entre estes descritores. Pesquisadores das áreas da Análise do Discurso e Comunicação possuem uma carência por suporte computacional para suas pesquisas, pois existe uma grande falta de ferramentas computacionais especializados voltados a sua área de pesquisa. Visando oferecer suporte aos trabalhos de pesquisa sobre a televisão brasileira e outros que utilizem vídeos como objetos de estudo, este trabalho aborda o desenvolvimento de uma metodologia para apoio análise discursiva de vídeos televisivos, baseada em técnicas de mineração de dados, análise e processamento de imagens. Adicionalmente esta metodologia utilizará da arquitetura de um data warehouse que possibilitará trabalhar com grandes volumes de dados. O escopo deste trabalho está diretamente associado às atividades desenvolvidas no Centro de Apoio a Pesquisas

12 1.3 Objetivos: Geral e Específicos 12 Sobre Televisão (CAPTE) do CEFET-MG, o qual vem sendo construído em parceria com o canal de televisão aberta Rede Minas, que concedeu o direito de registro e arquivamento de sua programação, viabilizando assim as pesquisas deste trabalho em perfeito atendimento ao disposto na lei brasileira dos Direitos Autorais. 1.3 Objetivos: Geral e Específicos Este trabalho tem como objetivo geral propor uma metodologia inovadora para representar a estrutura do gênero telejornal, com o intuito de extrair informações que são do interesse de jornalistas e outros profissionais da televisão, bem como de pesquisadores em áreas como Comunicação e Linguística. Por meio desta metodologia, este trabalho propõe desenvolver uma nova ferramenta de apoio à análise do discurso de telejornais, a ser incorporada ao sistema de informação multimídia do CAPTE, a qual se baseia em técnicas computacionais como mineração de dados, data warehouse e processamento e análise de imagens. O sistema de informação mencionado consiste em um dos principais instrumentos desenvolvidos pelo Centro de Apoio a Pesquisas Sobre Televisão do CEFET-MG. Espera-se que o uso dos métodos desenvolvidos neste trabalho viabilize buscas por informações associadas aos programas televisivos de maneira mais precisa e eficiente. Além disso, este projeto de dissertação tem como objetivo gerar os seguintes produtos finais: (i) resultados de pesquisa que contribuam com avanços significativos na área de pesquisa em questão, com a consequente geração de publicações; e a (ii) disseminação de novos conhecimentos para a sociedade. Para tanto, busca-se os seguintes objetivos específicos: Pesquisar e implementar algoritmos para estimar automaticamente o tempo de presença visual em que um participante está presente em um vídeo; Pesquisar e implementar algoritmos para detecção e reconhecimento automático dos planos fílmicos para cada participante presente em um vídeo televisivo; Desenvolver um módulo de extração de conhecimentos por meio da utilização dos metadados dos telejornais e, a partir destas informações, disponibilizar rela-

13 1.4 Contribuições 13 tórios para auxiliar os pesquisadores das áreas da Análise do Discurso e Comunicação no processo de análise discursiva de vídeos televisivos; Utilizar técnicas de mineração e caracterização de dados, tais como associação e sequências, para extrair padrões a partir dos metadados discursivos presentes na base de dados do CAPTE; Desenvolver um modelo dimensional com informações discursivas presentes em um telejornal, oferecendo suporte ao data warehouse; Construir a estrutura de um data warehouse e integrá-lo ao sistema CAPTE. 1.4 Contribuições Este trabalho permitiu a modelagem computacional estrutural do gênero telejornal e o desenvolvimento de um sistema que reúne técnicas de mineração de dados, análise e processamento de informações multimídia, em especial vídeos televisivos. A estimação e identificação automática do capital visual e planos fílmicos dos participantes possibilita que os documentalistas economizem tempo ao tornar desnecessária a estimação destas métricas de forma manual. Desta forma, estes profissionais podem demandar um maior tempo na análise discursiva de vídeos televisivos. Outra importante contribuição deste trabalho é o suporte que o mesmo oferece para a análise discursiva de vídeos televisivos por meio da (1) implementação e geração automática de gráficos, (2) análises diversificadas obtidas pelo data warehouse e (3) extrações de padrões existentes entre os metadados discursivos, fornecendo ao usuário do sistema um vasto conjunto de informações que subsidiarão a análise do discurso. Assim, o trabalho descrito contribui fortemente para apoiar os trabalhos de profissionais e pesquisadores sobre o sistema televisivo brasileiro, bem como auxiliar na preservação da memória audiovisual nacional. 1.5 Organização do Documento Este trabalho está dividido em sete capítulos, incluindo o presente, que é a introdução. O capítulo 2 apresenta os principais trabalhos relacionados ao tema deste

14 Organização do Documento 14 projeto, fazendo-se uma análise crítica de seus resultados e suas contribuições, bem como estabelecendo-se comparações com esse trabalho que está sendo proposto. No capítulo 3, é apresentado a fundamentação teórica que será a base para o desenvolvimento da arquitetura do data warehouse proposto, dos módulos de indexação automática e manual dos vídeos televisivos e do módulo responsável por realizar a extração de conhecimentos a partir de um conjunto de dados. Já o capítulo 4 é dedicado à descrição da metodologia proposta para a modelagem estrutural computacional do artefato televisivo do gênero telejornal, estimação do capital visual dos participantes de um vídeo, identificação e reconhecimento do plano fílmico que um participante está presente, e por fim, a caracterização e mineração os dados que visam encontrar padrões nos metadados para auxiliar na análise do discurso. No capítulo 5 são apresentados os resultados obtidos com os estudos realizados. E finalmente, no capítulo 6 são apresentadas as conclusões extraídas e alguns trabalhos futuros que esta dissertação sugere para aprofundamento.

15 15 2 Trabalhos Relacionados Neste capítulo são apresentados alguns dos principais trabalhos relacionados com o problema de pesquisa em questão. Estes trabalhos envolvem a utilização de técnicas para realizar a análise do discurso em corpus textuais e multimídia. Uma análise sobre os resultados encontrados e metodologias adotadas é realizada com o intuito de justificar o desenvolvimento desta dissertação e relatar as diferenças entre as abordagens apresentadas. 2.1 Análise do Discurso Análise de telejornais é de grande importância para analistas de mídia em várias áreas, tais como jornalismo, aplicação da lei e segurança interna (STEGMEIER, 2013; MANSON; BERRANI, 2010; DIJK, 1987). Uma vez que um telejornal constitui um determinado tipo de discurso e um tipo específico de prática sociocultural (DIJK, 1987), foram aplicados técnicas de análise do discurso (CHARAUDEAU, 2002) para analisar a estrutura dos noticiários em vários níveis de descrição, considerando algumas propriedades, tais como os temas abordados, formas esquemáticas usadas e suas dimensões estilísticas e retóricas (CHENG, 2012; SILVA, 2005a; PAN; KOSICKI, 1993). A análise do discurso é a área da linguística que incide sobre a estrutura da linguagem acima do nível da cláusula (CHARAUDEAU, 2002). É interessante tanto na complexidade das estruturas que operam nesse nível quanto nas ideias que ela oferece sobre como a personalidade e relacionamentos que são revelados por meio de padrões de uso da linguagem (BAKER, 2006). Tradicionalmente, os discursos são analisados sem o apoio de ferramentas computacionais, tais como software de anotação automatizada e programas de recuperação de informação. No entanto, com o desenvolvimento constante e rápido de áreas como a linguística computacional, recuperação de informação e visão computacional,

16 2.1 Análise do Discurso 16 novos métodos têm sido frequentemente propostos para apoiar a análise do discurso, especialmente os de conteúdos multimídia (por exemplo, noticiários) (CULPEPER et al., 2008; BAKER, 2006). É importante ressaltar que os métodos assistidos por computador aparecem como ferramentas complementares, proporcionando ao analista uma compreensão melhor sobre o uso da língua. Segundo Stegmeier (STEGMEIER, 2013), o uso de ferramentas computacionais na análise do discurso permite a combinação de abordagens qualitativas com as quantitativas, contribuindo para lidar com os seguintes aspectos: Número de documentos (tamanho do corpus): grandes bancos de dados podem ser analisados quando as ferramentas computacionais são fornecidos, o que não seria possível de outra forma; Enriquecimento de documentos (qualidade do corpus): o corpus de dados pode ser enriquecido com informação adicional (metadados fornecidos a partir de processos de anotação); Aplicação de mineração de dados e abordagens estatísticas: modelos probabilísticos, medidas estatísticas e técnicas de extração de dados podem ser aplicadas para auxiliar na detecção de padrões e na descrição do significado destes resultados (GHOSH et al., 2010). A maioria dos estudos computacionais para análise do discurso concentraramse em textos, como é realizada em (BIBER; JONES, 2005), (MARCU, 2000) e (HEARST, 1993), para citar apenas alguns. Em (BIBER; JONES, 2005), os autores usam técnicas computacionais com base em uma análise multi-dimensional, que combinam, corpus linguístico e perpespectivas da análise do discurso para analisar os padrões de discurso em um grande corpus de investigação em artigos da área de biologia. Os principais objetivos desse estudo são: identificar as unidades de discurso baseado em vocabulário e, em seguida, ilustrar a forma como a organização interna de um texto pode ser descrito como uma sequência de unidades discursivas. Em (MARCU, 2000), o autor explora a medida em que as estruturas retóricas podem ser derivadas automaticamente por meio de algoritmos baseados na forma de superfícies. Estes algoritmos identificam o uso do discurso de marcadores e quebra de sentenças em cláusulas, sendo elas a hipótese retórica das relações que mantêm entre as unidades textuais, e a partir deste ponto, produz árvores com uma estrutura retórica válida para textos em

17 2.2 Processo de Descoberta do Conhecimento 17 linguagem natural. O autor em (HEARST, 1993) propõe um algoritmo, chamado TextTiling, para subdividir textos em unidades multi-parágrafo que representam passagens, o que pode ser útil em várias aplicações, tais como recuperação e sumarização da informação. Por outro lado, um pequeno grupo de estudos em linguística computacional se concentrou em discursos falados ou discursos multimodais (por exemplo, emissoras de televisão) (REY; CONRAD; REY, 2001; PASSONNEAU; LITMAN, 1997; AL-SURMI, 1993). Em (AL-SURMI, 1993), o autor adota uma ferramenta de análise de registro baseado em corpus (BIBER, 1992) para investigar até que ponto a novela, em comparação com a comédia, reflete a representação linguística de uma conversa natural. Os experimentos indicam que a comédia capta as características linguísticas de uma conversa natural, mais do que a novela faz. O autor em (REY; CONRAD; REY, 2001), por sua vez, realizou um estudo do diálogo falado na série de televisão Star Trek procurando diferenças entre o uso das linguagens masculina e feminina. Em (PASSONNEAU; LIT- MAN, 1997), os autores propõem um método baseado em algoritmos de aprendizado de máquina para segmentar monólogos narrativos em unidades discursivas. O presente trabalho pertence a este último grupo de estudos computacionais de discursos, uma vez que propõe uma abordagem baseada em corpus para a análise do discurso dos noticiários, que são em última análise, arquivos de vídeo. Neste cenário, técnicas de mineração de dados de vídeos (VIJAYAKUMAR; NEDUNCHEZHIAN, 2012) são propostas para extrair conhecimento de noticiários e detectar padrões interessantes a serem estudados sob a perspectiva da análise do discurso. 2.2 Processo de Descoberta do Conhecimento Segundo Fayyad, Piatetsky-Shapiro e Smyth (1996), o modelo tradicional para transformação dos dados em informação (conhecimento) consiste em um processamento manual de todas essas informações por especialistas que, então, produzem relatórios que deverão ser analisados. Na maioria das situações, devido ao grande volume de dados, esse processo manual se torna impraticável. Neste cenário, o uso de técnicas de mineração de dados em conjunto com a utilização da arquitetura de um data warehouse (DW) é muito utilizada, pois oferecem ferramentas que estão inseridas nas etapas de descoberta do conhecimento, tendo aplicações em varias áreas do conhecimento. A princípio, o DW foi muito utilizado por

18 2.2 Processo de Descoberta do Conhecimento 18 gestores para auxiliar nas tomadas de decisão; recentemente, vários trabalhos vem mostrando que as suas aplicações são úteis em outras áreas de conhecimento (TECH, 2008; PIRES, 2011). O trabalho de Tech (2008) utiliza esta abordagem para auxiliar na gestão de dados do sistema zootécnico com o objetivo de monitorar animais. Pires (2011) utiliza esta arquitetura para extrair novas informações a partir de uma análise de 10 anos dos dados do Sistema Público de Saúde (SUS). Este trabalho utiliza as ferramentas Online Analytical Processing (OLAP) para analisar e disponibilizar os resultados para o usuário final. No contexto dos telejornais, destaca-se o estudo realizado pelo The Pew Research Center, que teve como objetivo analisar a forma como os canais abertos de televisão estruturam as suas edições. Este estudo utilizou dados estatísticos apresentados durante o ano de 2005 e os comparou com informações apresentadas em A seguir são apresentados os principais resultados que esta pesquisa identificou: A quantidade de tempo dedicado às entrevistas foi insignificante, tanto em 2005 (2%) e 2012 (0%); A quantidade de tempo destinado às temáticas de tráfego e tempo aumentou de 15% do tempo dos telejornais em 2005 para para 21% em 2012; As temáticas relacionadas ao trânsito, esporte e tempo tiveram um crescimento nas transmissões ao vivo, aumentando de 1% em 2005 para 6% em 2012; Em uma comparação dos tópicos abordados nos telejornais estudados, em 2005, com uma amostra de edições do final de 2012 e início de 2013, as temáticas de esportes, previsão do tempo e tráfego aumentou para 40% do tempo das edições. Nesse sentido, este estudo apenas apresentou análises estatísticas dos dados. Técnicas de mineração de dados seriam úteis para extrair padrões neste conjunto de dados, sendo esta, uma forma para aumentar a robustez da pesquisa.

19 19 3 Fundamentação Teórica Neste capítulo, são apresentados alguns dos principais conceitos e ferramentas tecnológicas que fundamentam a metodologia proposta neste trabalho para apoiar a análise discursiva de vídeos de telejornais, por meio do uso de técnicas de mineração e modelagem dimensional de dados, bem como métodos de processamento e análise de imagens, visando-se a estruturação de um data warehouse no âmbito do Centro de Apoio a Pesquisas Sobre Televisão (CAPTE) do CEFET-MG. 3.1 Análise do Discurso A Análise do Discurso (AD) é uma disciplina que se caracteriza por articular diferentes dimensões da produção de um ato de comunicação. Nessa articulação buscase relacionar os diferentes gêneros discursivos, produtos das práticas sócio-discursivas de uma sociedade, a suas respectivas condições de produção. A seguir serão apresentadas algumas últimas considerações que poderão facilitar a compreensão da perspectiva pela qual vislumbra-se o discurso que é baseado em CHARAUDEAU (2001): Discurso não deve ser reduzido à manifestação verbal de uma língua; Discurso não deve ser confundido com texto. Esse último representa a materialização do ato de linguagem. Ele é produto de um processo que depende de um sujeito comunicante particular e de circunstâncias particulares de produção; Um conjunto de frases não faz em si um discurso; O discurso compreende a união do componente enunciativo (discurso) e do componente enunciativo (história);

20 Análise do Discurso 20 Textos, imagens e vídeos são exemplos de fontes que podem ser alvo da análise do discurso; devem, no entanto, serem compreendidos no bojo de seus respectivos contratos comunicativos. Para Charaudeau, a produção de um ato de linguagem deve ser compreendida na articulação de um duplo espaço: um Espaço Externo, denominado por ele como Situação de Comunicação e um Espaço Interno que o autor chama de Encenação Discursiva. A Situação de Comunicação a que se refere, Charaudeau, é o ambiente físico e social de um ato de comunicação (CHARAUDEAU, 2010b) e tem sempre um sujeito comunicante que ocupa essa instância de produção. Assim, podemos dizer que o telejornal é um gênero de informação televisiva que tem sua situação de comunicação caracterizada, dentre outros fatores, por um sujeito comunicante, que se compõem por diversas pessoas que selecionam notícias, filmam, editam, apresentam, entre outras diversas ações, o programa. Contudo, CHARAUDEAU (2010b) ainda aponta que o ato de comunicação só se completa com um espaço interno no qual o discurso se faz presente, e esse é indissociável à situação de comunicação. Assim, estes sujeitos comunicantes lançam mão de estratégias enunciativas para efetivar suas intenções comunicativas. Deve-se ressaltar a importância do princípio da alteridade que leva em consideração o outro para quem o discurso é direcionado. Os interlocutores estão presentes nesses dois espaços, internamente eles são uma projeção idealizada do sujeito enunciador e, externamente, os leitores reais, no caso da TV, os telespectadores. Ao afirmar que a televisão é imagem e fala (CHARAUDEAU, 2010a), Charaudeau destaca a imagem como a principal estratégia discursiva da televisão, pois é por meio da imagem que esta mídia se impõe à instância que olha, orientando-a em seu olhar os dramas do mundo (CHARAUDEAU, 2010a). Charaudeau aponta ainda o telejornal como um dos produtos televisuais mais diversificados, com o maior número de formas televisuais, como anúncios, reportagens, resultados de pesquisa e de investigações, entrevistas, mini debates, análise de especialistas, etc (CHARAUDEAU, 2010a). O autor coloca ainda que o papel principal do telejornal é desempenhado pelo apresentador, constituindo-se como pivô da encenação do telejornal pelo uso de modos discursivos diversos. Para Charaudeau, é o apresentador que durante todo o desenrolar do jornal [...] constituirá uma imagem de enunciador personalizado (um eu) que se expressa como se estivesse falando diretamente a cada indivíduo da coletividade dos telespectadores (CHARAUDEAU, 2010a).

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA Lizianne Priscila Marques SOUTO 1 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas

Leia mais

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila O que é Data Mining? Mineração de dados (descoberta de conhecimento em bases de dados): Extração de informação interessante (não-trivial, implícita, previamente desconhecida

Leia mais

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Data Warehouses Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Conceitos Básicos Data Warehouse(DW) Banco de Dados voltado para

Leia mais

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse Definição escopo do projeto (departamental, empresarial) Grau de redundância dos dados(ods, data staging) Tipo de usuário alvo (executivos, unidades) Definição do ambiente (relatórios e consultas préestruturadas

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Access Control System Based on Face Recognition Tiago A. Neves, Welton S. De Oliveira e Jean-Jacques De Groote Faculdades COC de Ribeirão

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Tipos de SAD Orientados por modelos: Criação de diferentes

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO por Fernando Sarturi Prass 1 1.Introdução O aumento das transações comerciais por meio eletrônico, em especial as feitas via Internet, possibilitou as empresas armazenar

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA LABORATÓRIO DE GUERRA ELETRÔNICA

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA LABORATÓRIO DE GUERRA ELETRÔNICA INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA LABORATÓRIO DE GUERRA ELETRÔNICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ANÁLISE DE AMBIENTE ELETROMAGNÉTICO CEAAE /2008 DISCIPLINA EE-09: Inteligência

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS Marcello Erick Bonfim 1

Leia mais

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências Probabilidade Introdução Tabelas Estatísticas População, Amostra e Variáveis Gráficos e Distribuição de Freqüências Renata Souza Conceitos Antigos de Estatística stica a) Simples contagem aritmética Ex.:

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Análise de Dados e Data Mining Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining Inscrições Abertas Início das Aulas: 24/03/2015 Dias e horários das aulas: Terça-Feira 19h00 às 22h45 Semanal Quinta-Feira 19h00

Leia mais

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância.

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. números e funções Guia do professor Objetivos da unidade 1. Analisar representação gráfica de dados estatísticos; 2. Familiarizar o aluno com gráfico de Box Plot e análise estatística bivariada; 3. Utilizar

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

Figura 1.1: Exemplo de links patrocinados no Google

Figura 1.1: Exemplo de links patrocinados no Google 1 Links Patrocinados 1.1 Introdução Links patrocinados são aqueles que aparecem em destaque nos resultados de uma pesquisa na Internet; em geral, no alto ou à direita da página, como na Figura 1.1. Figura

Leia mais

Gestão da Informação. Gestão da Informação. AULA 3 Data Mining

Gestão da Informação. Gestão da Informação. AULA 3 Data Mining Gestão da Informação AULA 3 Data Mining Prof. Edilberto M. Silva Gestão da Informação Agenda Unidade I - DM (Data Mining) Definição Objetivos Exemplos de Uso Técnicas Tarefas Unidade II DM Prático Exemplo

Leia mais

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 Sumário Parte l 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 2. Entrevistas 5 2.1 Tipos de entrevistas 8 2.2 Preparação e condução

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV, Araxá Av. Ministro Olavo Drumonnd,

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Data Mining. Origem do Data Mining 24/05/2012. Data Mining. Prof Luiz Antonio do Nascimento

Data Mining. Origem do Data Mining 24/05/2012. Data Mining. Prof Luiz Antonio do Nascimento Data Mining Prof Luiz Antonio do Nascimento Data Mining Ferramenta utilizada para análise de dados para gerar, automaticamente, uma hipótese sobre padrões e anomalias identificadas para poder prever um

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

Classes Funcionais 21

Classes Funcionais 21 Classes Funcionais 21 3 Classes Funcionais Em todo trabalho de classificação funcional é necessário determinar quais serão as classes funcionais utilizadas. Esta divisão não se propõe a ser extensiva,

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática 2006.2 Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento

Leia mais

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis Gabriel Galvão da Gama 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este artigo descreve um projeto

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Extração de Informações do Banco de Dados de um Supermercado

Gestão do Conhecimento: Extração de Informações do Banco de Dados de um Supermercado Gestão do Conhecimento: Extração de Informações do Banco de Dados de um Supermercado Alessandro Ferreira Brito 1, Rodrigo Augusto R. S. Baluz 1, Jean Carlo Galvão Mourão 1, Francisco das Chagas Rocha 2

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Gestão do conhecimento e inteligência Corporativa Conceitos fundamentais Aplicações do

Leia mais

Tarefas e Técnicas de Mineração de Dados TAREFAS E TÉCNICAS DE MINERAÇÃO DE DADOS

Tarefas e Técnicas de Mineração de Dados TAREFAS E TÉCNICAS DE MINERAÇÃO DE DADOS Tarefas e Técnicas de Mineração de Dados TAREFAS E TÉCNICAS DE MINERAÇÃO DE DADOS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 3 2. Tarefas desempenhadas por Técnicas de 4 Mineração de Dados...

Leia mais

Banco de Dados Multimídia

Banco de Dados Multimídia Banco de Dados Multimídia Nomes: Ariane Bazilio Cristiano de Deus Marcos Henrique Sidinei Souza Professor Mauricio Anderson Perecim Conteúdo Banco de Dados Multimídia... 3 Conceitos... 3 Descrição... 3

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining.

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining. BUSINESS INTELLIGENCE COM DADOS EXTRAÍDOS DO FACEBOOK UTILIZANDO A SUÍTE PENTAHO Francy H. Silva de Almeida 1 ; Maycon Henrique Trindade 2 ; Everton Castelão Tetila 3 UFGD/FACET Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br Processo Weka uma Ferramenta Livre para Data Mining O que é Weka? Weka é um Software livre do tipo open source para

Leia mais

Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face

Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face Vagner do Amaral 1 e Carlos Eduardo Thomaz 2 Relatório Técnico: 2008/01 1 Coordenadoria Geral de Informática Centro Universitário da FEI São Bernardo do

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais

Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais Paula Salgado Lucena, Marcelo Gattass, Luiz Velho Departamento de Informática Pontifícia Universidade Católica do

Leia mais

Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado em Visão Computacional

Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado em Visão Computacional Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens

Introdução ao Processamento de Imagens Introdução ao PID Processamento de Imagens Digitais Introdução ao Processamento de Imagens Glaucius Décio Duarte Instituto Federal Sul-rio-grandense Engenharia Elétrica 2013 1 de 7 1. Introdução ao Processamento

Leia mais

Prof. Júlio Cesar Nievola Data Mining PPGIa PUCPR

Prof. Júlio Cesar Nievola Data Mining PPGIa PUCPR Uma exploração preliminar dos dados para compreender melhor suas características. Motivações-chave da exploração de dados incluem Ajudar na seleção da técnica correta para pré-processamento ou análise

Leia mais

KDD. Fases limpeza etc. Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS. Conceitos o que é?

KDD. Fases limpeza etc. Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS. Conceitos o que é? KDD Conceitos o que é? Fases limpeza etc Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS TAREFAS PRIMÁRIAS Classificação Regressão Clusterização OBJETIVOS PRIMÁRIOS NA PRÁTICA SÃO DESCRIÇÃO E PREDIÇÃO Descrição Wizrule

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA TELEVISÃO VERDES MARES: INDEXAÇÃO DE IMAGENS AUDIOVISUAIS JORNALISTICAS RESUMO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA TELEVISÃO VERDES MARES: INDEXAÇÃO DE IMAGENS AUDIOVISUAIS JORNALISTICAS RESUMO XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RELATÓRIO DE ESTÁGIO

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

O Software Face Match

O Software Face Match Apêndice A O Software Face Match A.1 - Desenvolvimento do software para a extração de características de imagens de faces humanas: Face Match. Para dar suporte à proposta do trabalho de mestrado iniciou-se

Leia mais

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 13 2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 2.1. Páginas, Sites e Outras Terminologias É importante distinguir uma página de um site.

Leia mais

Grupo de Banco de Dados da UFSC

Grupo de Banco de Dados da UFSC Grupo de Banco de Dados da UFSC (GBD / UFSC) Oportunidades de Pesquisa e TCCs 2010 / 2 Objetivo GBD/UFSC Pesquisa e desenvolvimento de soluções para problemas de gerenciamento de dados LISA Laboratório

Leia mais

Relatório Iniciação Científica

Relatório Iniciação Científica Relatório Iniciação Científica Ambientes Para Ensaios Computacionais no Ensino de Neurocomputação e Reconhecimento de Padrões Bolsa: Programa Ensinar com Pesquisa-Pró-Reitoria de Graduação Departamento:

Leia mais

Tópico 7 Planejamento e Projetos. O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá:

Tópico 7 Planejamento e Projetos. O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá: Tópico 7 Planejamento e Projetos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá: - ser capaz de elaborar e orientar projetos de serviços e projetos de pesquisa; - ter adquirido conhecimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

Métricas de Software. Sistemas de Informação

Métricas de Software. Sistemas de Informação Métricas de Software Sistemas de Informação Objetivos Entender porque medição é importante para avaliação e garantia da qualidade de software Entender as abordagens principais de métricas e como elas são

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

PROCESSO DE DETECÇÃO FACIAL, UTILIZANDO VIOLA;JONES

PROCESSO DE DETECÇÃO FACIAL, UTILIZANDO VIOLA;JONES EXATAS E TECNOLÓGICAS ISSN IMPRESSO - 2359-4934 ISSN ELETRÔNICO - 2359-4942 PROCESSO DE DETECÇÃO FACIAL, UTILIZANDO VIOLA;JONES Luciana Maiara Queiroz de Santanas 1 Fábio Rocha Gomes 2 Thiago S. Reis Santos

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Nota Técnica Aplicação de Física Médica em imagens de Tomografia de Crânio e Tórax Autores: Dário Oliveira - dario@cbpf.br Marcelo Albuquerque - marcelo@cbpf.br

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas 1. Conceitos e Organização da Auditoria Universidade do Estado de Minas Gerais 1.1 Conceitos Auditoria é uma atividade que engloba o exame de operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Proposta de Formação Complementar: BUSINESS INTELLIGENCE E SUA APLICAÇÃO À GESTÃO Aluno: Yussif Tadeu de Barcelos Solange Teixeira

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Telejornal Sala 221 1

Telejornal Sala 221 1 Telejornal Sala 221 1 Thayane dos Santos MOREIRA 2 Gabriela Barbosa NEVES 3 Kamila Katrine Nascimento de FREITAS 4 Marcelo LIMA 5 Maryjane da Costa PEREIRA 6 Cogenes Felipe Silva de LIRA 7 Zulmira NÓBREGA

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais