REDES TÉCNICAS DO SENAI GUIA DE PROCEDIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDES TÉCNICAS DO SENAI GUIA DE PROCEDIMENTOS"

Transcrição

1 REDES TÉCNICAS DO SENAI GUIA DE PROCEDIMENTOS VERSÃO 1 BRASÍLIA 2013

2 REDES TÉCNICAS DO SENAI GUIA DE PROCEDIMENTOS VERSÃO 1 BRASÍLIA 2013

3 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Diretor de Educação e Tecnologia SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL - SENAI Conselho Nacional Robson Braga de Andrade Presidente SENAI - Departamento Nacional Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Diretor Geral Gustavo Leal Sales Filho Diretor de Operações

4 REDES TÉCNICAS DO SENAI GUIA DE PROCEDIMENTOS

5 2013. SENAI Departamento Nacional Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida, desde que citada a fonte. SENAI/DN Unidade de Inovação e Tecnologia UNITEC FICHA CATALOGRÁFICA S491c Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Departamento Nacional. Guia de procedimentos. -- Brasília : SENAI/DN, p. il. (Redes técnicas do SENAI). 1. Implantação de redes do SENAI. 2. Trabalho em rede. I. Título SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Nacional Sede Setor Bancário Norte Quadra 1 Bloco C Edifício Roberto Simonsen Brasília DF Tel.: (0xx61) Fax: (0xx61)

6 Lista de ilustrações FIGURA Figura 1: Ciclo de vida de um Atendimento em Rede...14 FLUXOS Fluxo 1: Demonstra situações na qual a empresa é atendida pelo Regional da mesma Unidade da Federação (UF)...22 Fluxo 2: Demonstra situações na qual a empresa é atendida pelo Regional de outra UF...24 Fluxo 3: Demonstra situação na qual a Unidade de uma empresa de Base Nacional demanda atendimento em outras UFs...26 Fluxo 4: Demonstra operação e evolução do Atendimento em Rede...28 Fluxo 5: Demonstra dissolução do Atendimento em Rede...30 Fluxo 6: Demonstra operação de um atendimento em rede por meio dos Institutos SENAI de Inovação...32

7

8 Sumário 1 Apresentação Objetivo Conceito de trabalho em Rede Diretrizes para atuação em Rede Alinhamento das terminologias Responsabilidades Critérios para criação e implantação das Redes do SENAI Para criação de uma Rede Para estruturação da Rede Para ampliação da Rede Meios de comunicação e formalização do trabalho em Rede Ferramenta de comunicação: Instrumento Jurídico: Termo de Corresponsabilidade (TCR) Formas de apropriação: Sistemas Protheus, SATT e SCOP Indicador utilizado: índice de satisfação Fluxos de Atendimento em Rede (AR) Fluxos de criação do AR Fluxo de operação, evolução e dissolução do AR Fluxo de atendimento dos Institutos SENAI de Inovação...21 Referências...35 Apêndice... 37

9

10 Apresentação 1 O contexto mundial de crise econômica traz preocupações e oportunidades para a indústria brasileira, sensível ao ciclo econômico e à concorrência internacional. Para sobressair-se neste cenário de mudanças, a indústria brasileira precisa aplicar novas formas de atuação. Uma das estratégias que as organizações estão adotando para enfrentar esses desafios é mudar seu relacionamento com clientes, fornecedores e, inclusive, concorrentes, no sentido de trabalhar colaborativamente no conceito de Rede. No conceito de Rede, emergem oportunidades que prepararam uma organização para a competitividade por meio do desenvolvimento de competências que a diferencie das outras. Para atuação em Rede, uma organização deve possuir um diferencial que possibilite a sua complementação com outras organizações para desenvolver trabalhos mais eficientes e eficazes. O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) foi criado para atender à indústria e, nesse sentido, desenvolveu o Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira, visando promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologia para torná-las mais competitivas. Uma das estratégias adotadas para viabilizar esse programa é o trabalho em Rede. O presente documento define procedimentos que objetivam promover o atendimento às indústrias por meio das Redes Técnicas do SENAI, em interface com a Rede de Mercado do Sistema Indústria, formadas com recursos e competências do Departamento Regional, dos Regionais e SENAI-CETIQT, em uma abrangência regional e/ou nacional. A sistematização de procedimentos torna-se necessária no sentido de promover o atendimento corporativo e a confiança mútua das equipes envolvidas, garantindo maior transparência e clareza nas atribuições e relacionamentos institucionais.

11

12 Objetivo 2 Estabelecer procedimentos do SENAI para promover o atendimento em Rede às indústrias, na realização dos serviços especializados educacionais, técnicos e tecnológicos. Tais procedimentos ordenam a articulação entre os Departamentos Regionais e o SENAI-CETIQT em âmbito nacional.

13

14 Conceito de trabalho em Rede 3 Ao adotar o conceito de trabalho em Rede, em alinhamento com as ações do Programa de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira, o SENAI busca adaptar-se a uma nova cultura de gestão, revendo seus procedimentos e proporcionando uma valorização no relacionamento entre as equipes que atendem as indústrias, de forma autossustentável 1. A constituição de redes interorganizacionais 2 é uma inovação organizacional, associada às tecnologias da informação e do conhecimento. Entre as muitas tipologias de redes interorganizacionais, as redes formais 3 trabalham por meio de termos contratuais, do estabelecimento de regras de conduta entre os associados e da realização de alianças estratégicas. Os participantes das redes formais compartilham atividades comuns, com o objetivo de atingir mudanças nos próprios contextos 4. Portanto, para trabalhar em Rede, torna-se indispensável mudar a cultura das relações de trabalho referentes às competências, à confiança e à colaboração, o que representa uma oportunidade para que a instituição reorganize um conjunto eficiente de procedimentos e indicadores, de maneira a incentivar que este tipo de trabalho se dê de uma forma mais ágil. A realização de um Atendimento em Rede (AR) está fundamentada na capacidade de criar e estabelecer cooperações temporárias para atender as oportunidades de negócio. 1 Autossustentabilidade: Recuperação do custeio direto envolvido na realização do serviço (custo da UO). 2 CASTELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura a sociedade em rede KNORRINGA, P.; MEYER-STAMER, J. New dimensions in local enterprise co-operation and development: from clusters to industrial districts. Clusters e sistemas locais de inovação.1999, em Vallejos, RV. Como funciona uma rede. Modelo para formação de empresas virtuais EGGER, U. Work the Net: um guia de gerenciamento para redes formais. GTZ, 2007.

15 14 GUIA DE PROCEDIMENTOS DAS REDES TÉCNICAS DO SENAI As Redes têm principal procura pela complementação das competências internas do SENAI em educação, tecnologia e inovação, para atender às indústrias de forma ágil, eficaz e eficiente. Decorrente do comportamento dinâmico do mercado, há um ciclo de vida para o Atendimento em Rede, representado pelas seguintes fases: Criação Operação Dissolução Evolução Figura 1: Ciclo de vida de um Atendimento em Rede Fonte: CAMARINHA-MATOS, L. M.; AFSARMANESH, H. The virtual entreprise concept. In:. Infraestructures for Vitual Enterprises Network Industrial Enterprises. Kluwer Academic Publishers, 1999a. Criação do atendimento: fase em que o Atendimento em Rede à Indústria é configurado. Nela é detectada a oportunidade de negócio, são contatados os interlocutores de mercado, são selecionados os Regionais e/ou SENAI-CETIQT aptos para atender a essa oportunidade e são estabelecidos os contratos de negócio e as responsabilidades. Operação/evolução do atendimento: fase na qual o projeto é executado com base no plano de trabalho estabelecido entre as partes envolvidas, com acompanhamento sistemático, apropriação dos resultados obtidos e registros das ocorrências, com base nas regras e nas práticas de gestão de projetos. Quando existirem problemas no decorrer da operação e for necessário reestruturar a equipe e/ou os processos planejados, executa-se a fase de evolução. Dissolução do atendimento: fase na qual, após a entrega do produto e a aceitação pelo cliente, distribuem-se os ganhos e as perdas obtidos ao longo do AR, em que os ganhos podem ser tangíveis (financeiros, equipamentos, laboratórios, entre outros) e/ou intangíveis (informações, conhecimento, patentes, métodos, entre outros).

16 Diretrizes para atuação em Rede 4 O Atendimento em Rede no SENAI propicia uma governança mais flexível, ágil e desenvolve uma nova cultura de trabalho. Dessa forma, são necessários alinhamentos institucionais, com o propósito de oferecer o suporte necessário à formação, à consolidação e ao crescimento das Redes. 4.1 ALINHAMENTO DAS TERMINOLOGIAS As terminologias que fazem referência aos Departamentos Regionais e SENAI-CETIQT foram alinhadas conforme o Manual de Relacionamento Corporativo com Grandes Clientes, em que os papéis estão adaptados para que as Redes Técnicas e de Mercado, promovam o melhor atendimento à indústria, sendo: 1. SENAI/Departamento Nacional (SENAI-DN). 2. Regional Coordenador do Cliente. 3. Regional Coordenador do Relacionamento de Base Nacional. 4. Regional Coordenador Técnico. 5. Regional Operador. 6. Comitê Técnico. 7. Gestor Técnico da Rede. Observação: Para o atendimento de Base Nacional especificado no Fluxo 3, deve ser observado o papel do Regional Coordenador do Relacionamento de Base Nacional (Núcleos de Relacionamento Corporativo com o Cliente). A seguir descrevem-se as funções de cada um deles: (1) SENAI-DN: organiza e acompanha a mediação das ações que viabilizam a atuação dos Departamentos Regionais (Regionais) e SENAI-CETIQT em Redes. Legitima procedimentos, instrumentos e condutas do trabalho nas Redes.

17 16 GUIA DE PROCEDIMENTOS DAS REDES TÉCNICAS DO SENAI (2) Regional Coordenador do Cliente: é o Regional localizado no mesmo estado da empresa demandante. Cada Regional é Coordenador do Relacionamento com as empresas de sua UF. (3) Regional Coordenador do Relacionamento de Base Nacional: é o Regional sede da matriz da empresa pertencente à lista de 250 e/ou sede da demanda que coordena o relacionamento corporativo e a operação de entrega em todas as UFs. (4) Regional Coordenador Técnico: é o Regional com competência técnica reconhecida pelos Regionais e o SENAI-CETIQT. (5) Regional Operador: é a denominação dada a todos os Regionais e o SENAI- CETIQT envolvidos em um Atendimento em Rede. (6) Comitê Técnico: é composto pelo grupo de interlocutores (especialistas técnicos), indicados pelos Regionais e SENAI-CETIQT, e o representante do SENAI-DN. (7) Gestor Técnico da Rede: é um representante eleito entre os interlocutores do Comitê Técnico, para a gestão da Rede, por um período de dois anos. O monitoramento da Rede será realizado pelo SENAI DN. Todos os Regionais podem assumir distintos papéis em um Atendimento em Rede. 4.2 RESPONSABILIDADES Cabe ao SENAI-DN: Formar uma equipe inicial de interlocutores, prevendo a participação de cinco a nove Regionais. Essa equipe inicial formará o Comitê Técnico da Rede, sob a orientação do SENAI-DN. Mediar situações de possíveis conflitos no processo de criação, estruturação e operacionalização da Rede. Incentivar o trabalho entre os interlocutores das Redes. Apoiar o mapeamento das informações setoriais e de prospecção da demanda, por meio das assessorias da Unidade de Relações com o Mercado e da Unidade de Estudos e Prospectiva. Identificar as competências da Rede. Elaborar o plano de ação da Rede. Prover o orçamento para operacionalização do Comitê, workshops, apoio ao Gestor Técnico da Rede e outras ações.

18 4 DIRETRIZES PARA ATUACÃO EM REDE 17 Viabilizar a realização de coaching organizacional entre Regionais para integração dos novos interlocutores na cultura de atuação em Rede. Os participantes da equipe inicial serão os responsáveis pela multiplicação desta ação junto aos novos Regionais. Será também possível viabilizar a realização de coaching tecnológico, de capacitações para transferência de tecnologia e treinamentos especializados, visando maximizar o desempenho das equipes e os resultados da Rede. O Regional, empresa ou instituição que aplicará o coaching, será definido pelo SENAI-DN e o Gestor Técnico da Rede. Cabe aos Regionais e SENAI-CETIQT: Indicar um interlocutor que possua a formação técnica e o perfil adequados para realizar interlocução com o setor empresarial e gestão das demandas institucionais. Incentivar a atuação conjunta dos interlocutores da Rede Técnica e da Rede de Mercado para compartilhar histórico de atendimentos anteriores e realizar a avaliação intermediária e final do serviço, evitando abordagem em duplicidade ao cliente. Elaborar em conjunto com o interlocutor de mercado, os planos de ação de relacionamento, com a definição das atividades que competem a cada interlocutor. Utilizar a avaliação de satisfação da empresa atendida como indicador para análise das ações em Rede. Prospectar os negócios envolvendo os interlocutores de mercado para garantir a gestão única do relacionamento com o cliente e da imagem institucional perante o mercado. Informar ao Núcleo de Relacionamento Corporativo com Grandes Clientes, o atendimento junto a Clientes de Base Nacional. Alinhar as ações de convênios e articulações com Unidades de Mercado e Núcleos de Relacionamento Corporativo com Grandes Clientes para ganho de negociação em escala. Mobilizar a competência técnica instalada (recursos humanos, infraestrutura e experiência dos atendimentos ao setor), para realização do trabalho nas Redes. Apoiar a realização de reuniões nacionais de planejamento, monitoramento, promoção da confiança e a colaboração entre os participantes. Revisar o documento proposta da Rede Técnica anualmente por meio do Comitê Técnico, em conjunto com o Gestor Técnico e representante do SENAI/DN. Realizar ou participar de coaching, capacitações para transferência de tecnologia e treinamentos especializados.

19 18 GUIA DE PROCEDIMENTOS DAS REDES TÉCNICAS DO SENAI Cabe ao Comitê Técnico da Rede Zelar pelo desenvolvimento da cultura de trabalho colaborativo entre os Regionais. Agilizar o atendimento da Rede. Fornecer subsídios e feedback ao Gestor da Rede para fortalecer a Rede. Desenvolver um plano de ação da Rede anualmente. Validar os procedimentos de relacionamento entre os Regionais e SENAI-CETIQT. Prospectar novas oportunidades de trabalho em Rede. Cabe ao Gestor Técnico da Rede Implementar o plano de ação da Rede, conjuntamente com o responsável pela Rede no SENAI-DN, a quem reporta diretamente suas atividades. Assegurar o funcionamento e a sintonia da Rede para alcance de seus objetivos. Gerenciar o planejamento coletivo, o desenvolvimento e a execução do plano de ação anual da Rede. Organizar as reuniões periódicas da Rede e seus respectivos eventos. Representar a Rede em instituições externas e em eventos relacionados a temas de interesse. Articular o desenvolvimento técnico e tecnológico da Rede. Identificar na Rede as práticas de sucesso para disseminá-las em workshops, coachings 1 e reuniões. 4.3 CRITÉRIOS PARA CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DAS REDES DO SENAI Para viabilizar a organização e a atuação dos Departamentos Regionais em Redes, estão previstos os seguintes critérios de atuação: PARA CRIAÇÃO DE UMA REDE Para criação de uma Rede, o SENAI-DN considera: (a) a demanda de um setor industrial; (b) o planejamento estratégico do SENAI-DN; (c) a proposição de Regionais; e (d) proposição da Rede de Mercado sob demanda de clientes nacionais. 1 Coaching: processo, com início, meio e fim, em que o coach apoia o cliente buscando de realizar metas de curto, médio e longo prazo, por meio da identificação e do uso das próprias competências desenvolvidas, como também do reconhecimento e da superação de suas fragilidades.

20 4 DIRETRIZES PARA ATUACÃO EM REDE 19 As proposições de criação devem ser respaldadas por informações da representatividade setorial, número de demandas, viabilidade técnico-financeira, competência institucional e interesse no relacionamento com os clientes, para validação do SENAI-DN, no Plano de Ação anual. Na criação de uma Rede, será envolvido um grupo de cinco a nove Regionais que possuam maior competência de atuação técnica e setorial, ou seja, que possuam uma equipe de profissionais capacitados, uma infraestrutura pronta para a realização de serviços e resultados alcançados nos atendimentos realizados junto às empresas do setor PARA ESTRUTURAÇÃO DA REDE Na estruturação da Rede acontece a difusão da cultura do trabalho em Rede com a adesão de outros cinco a nove Regionais. São critérios para seleção desses novos Regionais: a) percentual de arrecadação para o Sistema; b) número de empresas do setor; c) existência de APL do setor; d) competências para atendimento ao setor PARA AMPLIAÇÃO DA REDE Na fase de ampliação, a iniciativa para participar da Rede caberá aos Regionais. É desejável a adesão de todos eles porque, em todos os estados, existe um mercado potencial a ser atendido em Rede. 4.4 MEIOS DE COMUNICAÇÃO E FORMALIZAÇÃO DO TRABALHO EM REDE O diálogo e o entendimento entre as equipes são fundamentados nas condutas individuais de responsabilidade, confiança e colaboração, tanto nos relacionamentos internos quanto nos relacionamentos externos. Todos os atores das Redes são responsáveis pela imagem do SENAI junto ao mercado. Para realização de procedimentos e condutas de comunicação e formalização dos trabalhos, os mesmos serão legitimados conforme instrumentos descritos a seguir:

21 20 GUIA DE PROCEDIMENTOS DAS REDES TÉCNICAS DO SENAI FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO: As comunicações do Atendimento em Rede e as instruções de trabalho nas Redes acontecerão sempre por , visando: Agilidade na comunicação: todos os relacionamentos de prospecção, demandas de clientes, negociações com os Regionais e adesões devem ser comunicados por , para facilitar o contato entre os interlocutores técnicos e de mercado; Transparência na comunicação entre os interlocutores: os Regionais Coordenadores do Relacionamento com o Cliente devem comunicar, à rede, os relacionamentos de prospecção, as negociações e as soluções aos atendimentos para possibilitar identificação de oportunidades conjuntas, informar o status da proposta enviada à empresa (se foi aceita ou recusada) e informar todas as orientações de revisão das propostas e planos de trabalho; Validação prévia das participações dos Regionais antes da assinatura do Termo de Corresponsabilidade: as adesões serão formalizadas por s, para desburocratizar e tornar ágil o atendimento ao cliente INSTRUMENTO JURÍDICO: TERMO DE CORRESPONSABILIDADE (TCR) Será o instrumento interno de formalização jurídica utilizado entre os Regionais e SENAI-CETIQT: O TCR é um termo de adesão que será utilizado para formalizar o Atendimento em Rede, confirmando as responsabilidades dos Regionais envolvidos na execução das ações previstas nos contratos, anteriormente acordados por . O início do atendimento ao cliente não será impactado no período de coleta de assinaturas do TCR. O valor da proposta, em cada atendimento, será acordado entre os Regionais FORMAS DE APROPRIAÇÃO: SISTEMAS PROTHEUS, SATT E SCOP Serão utilizados os sistemas nacionais existentes para apropriação da produção física e financeira, conforme Plano de Contas aprovado pelo Conselho Nacional do SENAI: Para evitar duplicidade de informações, os Regionais envolvidos nos Atendimentos em Rede devem acordar para cada atendimento: a) os valores a serem lançados no registro financeiro e orçamentário (receitas e despesas decorrentes da gestão e efetivação dos contratos); e b) os números para registro da produção de Educação e Serviços Técnicos-Tecnológicos.

22 4 DIRETRIZES PARA ATUACÃO EM REDE INDICADOR UTILIZADO: ÍNDICE DE SATISFAÇÃO Será utilizado inicialmente somente o índice de satisfação das empresas atendidas, como indicador para análise da qualidade dos atendimentos em Rede. Os Regionais aplicarão pesquisa de satisfação, nas fases intermediária e final do Atendimento em Rede. 4.5 FLUXOS DE ATENDIMENTO EM REDE (AR) Para realização do AR, foram padronizados os fluxos de criação, operação, evolução e dissolução do atendimento, prevendo ações articuladas com a Rede de Mercado, todos demonstrados a seguir FLUXOS DE CRIAÇÃO DO AR Fluxo 1: Demonstra situações na qual a empresa é atendida pelo Regional da mesma Unidade da Federação (UF). Fluxo 2: Demonstra situações na qual a empresa é atendida pelo Regional de outra UF. Fluxo 3: Demonstra situação na qual a Unidade de uma empresa de Base Nacional pertencente às 250 demanda atendimento em outra UF FLUXO DE OPERAÇÃO, EVOLUÇÃO E DISSOLUÇÃO DO AR Fluxo 4: Demonstra operação e evolução do Atendimento em Rede. Fluxo 5: Demonstra dissolução do Atendimento em Rede FLUXO DE ATENDIMENTO DOS INSTITUTOS SENAI DE INOVAÇÃO Fluxo 6: Demonstra o atendimento em Rede por meio dos Institutos de Inovação.

23 22 GUIA DE PROCEDIMENTOS DAS REDES TÉCNICAS DO SENAI Fluxo 1: Demonstra situações na qual a empresa é atendida pelo Regional da mesma Unidade da Federação (UF) Início Empresa do mesmo Estado demanda atendimento. NÃO Reg. Coord. do Cliente tem competência técnica? Reg. Coord. do Cliente comunica a Rede e escolhe um Reg. Coord. Técnico. SIM NÃO Reg. Coord. do Cliente opta por atender em Rede? SIM Reg. Coord. Técnico elabora solução técnica- orçamentária e se necessário envolve Regionais Operadores. O atendimento é realizado pelo Reg. Coord. do Cliente. Reg. Coord. do Cliente envolve, se necessário, Regionais Operadores, assumindo a Coordenação Técnica. Reg. Coord. do Cliente formata a proposta técnica-financeira e apresenta à empresa. Responsável financeiro, jurídico e físico do atendimento. NÃO Proposta foi aprovada? SIM Reg. Coord. do Cliente informa aceite aos Regionais envolvidos, emite o TCR. Formalizações e instruções de trabalho se dão por . Reg. Coord. do Cliente controla a operação comercial de atendimento, produção, cobrança e repasse financeiro aos Regionais. Reg. Coord. do Cliente realiza registro físico financeiro e acompanha registros realizados pelos Regionais nos sistemas nacionais (Protheus, SATT e SCOP). A data de assinatura do TCR pode ser a mesma data de assinatura do contrato, porém o atendimento não será impactado no período de coleta das assinaturas do TCR. Reg. Coord. do Cliente aplica pesquisa de satisfação ao cliente para posterior envio ao interlocutor de mercado. Fim Descrição: os Regionais Coordenadores de Relacionamento identificam ou prospectam demandas, verificam condição de atendimento local e, se necessário, comunicam a Rede para escolha de Regionais Especialistas Técnicos e Regionais Operadores.

24 4 DIRETRIZES PARA ATUACÃO EM REDE 23 A seguir são apresentados a descrição e o procedimento de cada fluxo: Procedimento: 1. A empresa da mesma UF demanda ou é prospectada pelo interlocutor da Rede (Técnica de Mercado) localizada no estado do Regional Coordenador do Cliente. Os Interlocutores comunicam-se para tratar a demanda por plano de ação. 2. O Regional Coordenador do Cliente verifica três alternativas: a) Possui competência técnica e opta por atender diretamente à empresa. b) Opta por envolver um Regional Coordenador Técnico, especialista no setor. A demanda do cliente é analisada conjuntamente entre o Regional Coordenador do Cliente e o Regional Coordenador Técnico. Acordam a solução técnica e o orçamento. O Regional Coordenador do Cliente o elabora proposta técnica-orçamentária e apresenta para a empresa. c) Opta por envolver outros Regionais Operadores. Regional Coordenador do Cliente seleciona e consulta os outros Regionais, elabora proposta técnica- -orçamentária e apresenta para a empresa. 3. Após resposta do cliente, o Regional Coordenador do Cliente: a) Informa aceite aos Regionais envolvidos e emite o TCR. Decide se acompanha tecnicamente a ação. b) Controla a operação comercial de atendimento, produção, cobrança e repasse financeiro aos Regionais. c) Realiza registro físico e financeiro e acompanha os registros realizados pelos Regionais nos Sistemas Nacionais (Protheus, SATT e SCOP). d) Aplica pesquisa de satisfação no cliente para posterior envio ao interlocutor de mercado, conforme já é realizado em cada Regional. 4. Caso a proposta não seja aceita o atendimento é encerrado.

25 24 GUIA DE PROCEDIMENTOS DAS REDES TÉCNICAS DO SENAI Fluxo 2: Demonstra situações na qual a empresa é atendida pelo Regional de outra UF Início Empresa demanda atendimento ao Regional de outra UF. Reg. Coord. do Cliente interage com a empresa para informar a conduta de atendimento pelo Regional demandado, mantendo-se no processo. O Reginal demandado comunica a solicitação ao Reg. Coord. do Cliente. O Regional demandado atua como Reg. Coord. Técnico, elabora solução técnica e se necessário envolve Regionais Operadores. Reg. Coord. do Cliente tem competência técnica? SIM NÃO Reg. Coord. do Cliente em conjunto com o Reg. Coord. Técnico elaboram proposta técnica-financeira e apresentam para a empresa. Responsável financeiro, jurídico e físico do atendimento. O Regional demandado, em conjunto com o Reg. Coord. do Cliente, interagem com a empresa para informar a possibilidade de atendimento pelo Reg. Coord. do Cliente. NÃO Proposta foi aprovada? SIM Empresa concorda com atendimento pelo Reg. Coord. do Cliente? SIM Reg. Coord. do Cliente envolve Regionais Operadores. NÃO Reg. Coord. do Cliente informa aceite aos Regionais envolvidos, emite o TCR. Reg. Coord. do Cliente controla a operacão de atendimento, produção, cobrança e repasse financeiro aos Regionais. Reg. Coord. do Cliente realiza registro físico financeiro e acompanha registros realizados pelos regionais nos sistemas nacionais (Protheus, SATT e SCOP). Formalizações e instruções de trabalho se dão por . A data de assinatura do TCR pode ser a mesma data de assinatura do contrato, porém o atendimento não será impactado no período de coleta das assinaturas do TCR. Reg. Coord. do Cliente aplica pesquisa de satisfação ao cliente para posterior envio ao interlocutor de mercado. Fim Descrição: Um Regional da Rede recebe demanda de um cliente de outra UF e mobiliza o Regional Coordenador de Relacionamento do estado ao qual a empresa esta situada. O procedimento para um Regional atender a clientes em outra UF, fora de sua área de abrangência, pauta-se na respeitabilidade entre operações de parceria entre Regionais e pelo atendimento em Rede, com base na confiança e na atuação sistêmica.

26 4 DIRETRIZES PARA ATUACÃO EM REDE 25 Procedimento: 1. A empresa demanda atendimento ao Regional de outra UF. O Regional demandado comunica a solicitação ao Regional Coordenador de Relacionamento da UF da empresa. 2. O Regional Coordenador do Cliente verifica três alternativas: a) Possui competência técnica e opta por atender diretamente à empresa. O Regional demandado em conjunto com o Regional Coordenador do Cliente interage com a empresa para informar a possibilidade de atendimento pelo Regional da UF. Caso a empresa concorde, os interlocutores se comunicam para tratar a demanda por plano de ação. b) A empresa insiste no atendimento pelo Regional de outra UF. O Regional Coordenador do Cliente interage com a empresa para informar a conduta de atendimento pelo Regional demandado, mantendo-se no processo. O Regional demandado atua como Regional Coordenador Técnico, elabora a solução técnica-orçamentária. O Regional Coordenador do Cliente elabora proposta técnica-orçamentária e apresenta para a empresa. c) A empresa aceita ser atendida pelo Regional Coordenador do Cliente e este opta por envolver outros Regionais. Seleciona os Regionais Operadores, elabora proposta técnica-orçamentária e apresenta para a empresa. 3. Após resposta do cliente, o Regional Coordenador do Cliente: a) Informa aceite aos Regionais envolvidos e emite o TCR. Decide se acompanha tecnicamente a ação. b) Controla a operação comercial de atendimento, produção, cobrança e repasse financeiro aos Regionais. c) Realiza registro físico e financeiro e acompanha os registros realizados pelos Regionais nos sistemas nacionais (Protheus, SATT e SCOP). d) Aplica pesquisa de satisfação no cliente para posterior envio ao interlocutor de mercado, conforme já é realizado em cada Regional. 4. Caso a proposta não seja aceita o atendimento é encerrado.

27 26 GUIA DE PROCEDIMENTOS DAS REDES TÉCNICAS DO SENAI Fluxo 3: Demonstra situação na qual o atendimento é nacional (empresa de base nacional pertencente às 250) Início Empresa demanda a um Regional atendimento em outras UFs. Regional aciona o Reg. Coord. do Rel. de Base Nacional. Reg. Coord. do Cliente e Reg. Coord. do Rel. de Base Nacional definem (com a Rede Técnica) o Reg. Coord. Técnico que será responsável pelo atendimento, acompanhado do Reg. Coord. do Cliente e do Reg. Coord. do Rel. de Base Nacional. Reg. Coord. do Cliente e o Reg. Coord. do Rel. de Base Nacional analisam em conjunto qual Regional coordenará o atendimento nacional. NÃO Reg. Coord. do Cliente ou Reg. Coord. do Rel. de Base Nacional possuem a competência técnica? SIM Reg. Coord. do Rel. de Base Nacional em conjunto com o Reg. Coord. Técnico identificam a necessidade de atuação dos Regionais Operadores e definem condições e valores padrões para atendimento. Reg. Coord. do Rel. de Base Nacional elabora proposta técnicaorçamentária e apresenta à empresa. Responsável financeiro, jurídico e físico do atendimento. NÃO A proposta foi aprovada? SIM Reg. Coord. do Rel. de Base Nacional informa aceite aos Regionais envolvidos, emite o TCR. Reg. Coord. do Rel. de Base Nacional controla a operação comercial de atendimento, produção, cobrança e repasse financeiro aos Regionais. Reg. Coord. do Rel. de Base Nacional realiza registro físico financeiro e acompanha registros realizados pelos Regionais nos sistemas nacionais (Protheus, SATT e SCOP). Formalizações e instruções de trabalho se dão por . A data de assinatura do TCR pode ser a mesma data de assinatura do contrato, porém o atendimento não será impactado no período de coleta das assinaturas do TCR. Reg. Coord. do Rel. de Base Nacional aplica pesquisa de satisfação ao cliente para posterior envio ao interlocutor de mercado. Fim Descrição: o Regional Coordenador do Cliente do estado no qual se encontra a UNIDADE da empresa-cliente de base nacional avalia a demanda e a capacidade de atendimento em conjunto com o Regional Coordenador do Relacionamento de Base Nacional. Empresas entre as 250 maiores contribuintes possuem Regionais Coordenadores predefinidos em Núcleos de Relacionamento Corporativo com Grandes Clientes. Clientes de Base Nacional fora do Grupo das 250 também são atendidos por este procedimento. O Atendimento em base nacional é caracterizado quando ocorre em no mínimo duas UFs, com o mesmo produto e gestão corporativa do relacionamento realizado por um Regional, conforme Política de Relacionamento Corporativo com Grandes Clientes.

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância

Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância 15 Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José Augusto Coelho Fernandes Diretor

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INSTITUTOS QUE OPERAM NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO 189-01/2012 RELATÓRIO 1 30.09.2012

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA SESI, SENAI E IEL GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO BRASÍLIA,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Videoconferência 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Programação 1 O QUE É O GUIA? 2 OS PROCESSOS CORPORATIVOS NO

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE Projeto Corporativo Relacionamento Externo // 1 Apresentação RIALIDE 25 de novembro de 2014 1 Agenda // 2 Contextualização e Objetivos do Projeto Abordagem Metodológica Etapas do Projeto Benchmarking Segmentação

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Versão 1.0 Setembro de 2015 Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Felipe de Souza Leão Gabinete do Secretário

Leia mais

Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados. Rio Branco, 10 de Maio de 2013

Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados. Rio Branco, 10 de Maio de 2013 Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados Rio Branco, 10 de Maio de 2013 Processo dos PSA REDD+ em nivel de país 10 etapas 1. Conscientização / Capacitação

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 Anexo à Resolução CGM 1.143 DE 08/07/2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 INTRODUÇÃO Este trabalho é o produto de discussões finalizados em fevereiro de 2014, junto à Comissão

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA

Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA Centro de Competência em Manufatura CCM Praça Marechal Eduardo Gomes, 50 Vila das Acácias 12228-900

Leia mais

Gestão de Riscos na Embrapa

Gestão de Riscos na Embrapa Gestão de Riscos na Embrapa Gestão de riscos na Embrapa - Agenda A Embrapa Ponto de partida Reestruturação Organizacional Política de gestão de risco Metodologia Alinhamento de processos Contexto atual

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário.

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil

Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil Renato Caporali Confederação Nacional da Indústria Arranjos Produtivos Locais como modalidade

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS Alberto Wajzenberg Gerente de Desenvolvimento Organizacional alberto.wajzenberg@eletrobras.com Brasilia 7 de novembro de 2013 GESTÃO DE PROCESSOS

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO NOVAS LIDERANÇAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO NOVAS LIDERANÇAS Apresentação Atenta aos movimentos do mercado e ao cenário competitivo vivenciado pelas empresas e profissionais, a ADVB/RS atua na área de educação corporativa e oferece conhecimentos alinhado às principais

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR. Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR. Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS Maria do Carmo Aparecida de Oliveira - (41) 3350-9565 - - - IMAP -

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

Resolução SE 21, de 28-4-2014. Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades

Resolução SE 21, de 28-4-2014. Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades Resolução SE 21, de 28-4-2014 Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades A Secretária Adjunta, Respondendo pelo Expediente da Secretaria da Educação, tendo em vista o disposto no inciso

Leia mais

4 - Sistema Indústria

4 - Sistema Indústria Brasília 2009 4 - Sistema Indústria APRESENTAÇÃO Com o objetivo de sistematizar o processo de avaliação de desempenho, as entidades nacionais do Sistema Indústria desenvolveram modelo próprio, baseado

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO

ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO Outubro 2015 AGENDA PMIMF Frente de Inovação Frente de Projetos - Plano de Comunicação - Painel Patrocinador - Case da SPE (Implantação do Escritório de Projetos) -Nova Versão

Leia mais

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1 Sistema RH1000 Gestão de Pessoas por Competências Foco em Resultados Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987 Atualizado em 01Set2015 1 Implantação do RH de Resultados (RHR ) Solução Completa Metodologia

Leia mais

Processo nº 7.675-9/2013

Processo nº 7.675-9/2013 Processo nº 7.675-9/2013 Interessado TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Assunto Institui e regulamenta o Comitê Gestor Interno do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização - Gespública

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 10.15 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 10.15 sob contratação em regime

Leia mais