conexao Boas práticas na comunicação Setembro comprometido com o ambiente pág. 06 Investindo em qualidade pág. 03

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "conexao Boas práticas na comunicação Setembro comprometido com o ambiente pág. 06 Investindo em qualidade pág. 03"

Transcrição

1 conexao nº 015 setembro-outubro/2009 Boas práticas na comunicação Investindo em qualidade pág. 03 Setembro comprometido com o ambiente pág. 06 Estacionamentos: vagas de qualidade pág. 09

2 Página 2 conexao TÜV Rheinland nº 15 setembro-outubro/2009 Palavra do Presidente Falando de: Pessoas desenvolvidas, países desenvolvidos Gostaria de propor a todos um pequeno exercício de imaginação: que tal passarmos apenas um dia sem jogar lixo na rua, sem passar no sinal vermelho, sem usar software, CD ou DVD piratas? Imaginem mais: não desperdiçar água, papel, nem energia. Será assim, tão difícil? Acreditem, não é. Existem muitas pessoas que vivem assim. E são cidadãos comuns, não são monges, nem ascetas. Quando viajo, noto que nos países chamados desenvolvidos reclama-se menos e faz-se mais. Afinal: desenvolvido é o país ou são as pessoas? Um país não acontece sozinho, não é um organismo com vontade própria: são as pessoas que fazem o país. Não estou propondo atitudes radicais, extremistas. Apenas usemos o bom senso e pensemos num mundo com mais qualidade. O que é qualidade e porque devemos exigí-la? Produtos e serviços de qualidade certificada seguem preceitos de boas práticas, que envolvem desde matéria prima de origem controlada, emprego de mão de obra em concordância com as leis locais, até processos produtivos que não agridam o meio ambiente: é uma cadeia de pequenas coisas que formam um ciclo virtuoso. O papel do consumidor é exigir produtos que obedeçam a estes preceitos e banir do mercado os concorrentes que se valem de manobras desleais para baixarem os preços e ganharem uma fatia de mercado de pessoas desavisadas. A cultura de um grupo, seja ele pequeno, médio ou grande, não nasce da noite para o dia: ela é construída, transmitida, mantida e aprimorada de geração em geração. Vamos pensar nisso e fazer a nossa parte. Antonio Carlos Caio da Silva Presidente da TÜV Rheinland do Brasil Qualidade na origem O Grupo TÜV Rheinland tem uma história de 137 anos de controle de qualidade em todo o mundo. O desafio de auditar, inspecionar, gerenciar projetos e prover soluções tem como finalidade principal promover uma cultura de qualidade nas empresas onde o Grupo atua. Suzete Schipa Suzuki, coordenadora da qualidade da TÜV Rheinland do Brasil, e Roberto Cardoso, gerente da qualidade da Ductor, são responsáveis pela implementação de padrões de qualidade nos processos das empresas do Grupo no Brasil. A tarefa requer trabalho árduo, que é recompensado a cada objetivo alcançado. Todas as exigências que apresentamos aos nossos clientes no momento da certificação temos em dobro com nós mesmos diariamente, comenta Suzete. Ela explica ainda quais são as bases de uma empresa voltada à qualidade contínua. Para termos um Sistema de Gestão eficiente, sustentamos a empresa em três pilares: o cliente, o colaborador e o acionista. Meu trabalho é manter os três em equilíbrio, e dessa maneira mantermos a estrutura sólida. Para o sucesso desses objetivos, Suzete e sua equipe promovem as seguintes ações: pesquisa de satisfação do cliente, carta tratativa de reclamação de cliente, padronização de documentos e registros, integração e treinamento de colaboradores. Roberto Cardoso lida constantemente com o desafio de manter atualizado o Sistema de Gestão Integrado da Ductor, zelando para que o mesmo seja implementado adequadamente a cada novo contrato assinado pela empresa. Estruturamos um Sistema de Gestão Integrada (SGI), com procedimentos visando a qualidade da prestação de serviços, a melhoria contínua do desempenho operacional, as ações internas que buscam preservar a segurança e saúde ocupacional de nossos colaboradores, bem como a gestão dos aspectos ambientais de nossos processos, possibilitando o controle e mitigação dos impactos ambientais resultantes. Com base neste Sistema, cada contrato elabora seu Plano de Gestão Integrada específico contemplando os procedimentos corporativos e as especificidades próprias do cliente, explica Cardoso, que mantém a qualidade dos serviços da Ductor por meio de análises críticas periódicas do SGI, do apoio à elaboração dos Planos de Gestão Integrada de cada contrato, do acompanhamento de suas respectivas implementações e do monitoramento de sua aplicação nas auditorias internas do SGI, além da aferição final de sua eficácia pelas pesquisas de satisfação de cliente. Suzete Schipa Suzuki Coordenadora da qualidade da TÜV Rheinland do Brasil Roberto Cardoso Gerente da qualidade da Ductor Esta é uma publicação de: TÜV Rheinland do Brasil Holding Ltda Tel.: Fax: End.: Avenida Paulista, 302-4º andar São Paulo SP Projeto gráfico e editorial: Art On Line Comunicação Jornalista responsável: Milena Prado Neves - Mtb Sugestões e comentários:

3 setembro-outubro/2009 nº 15 conexao TÜV Rheinland Página Vox Ductor Investindo em qualidade A Ductor, empresa do Grupo TÜV Rheinland no Brasil, concluiu em setembro o processo de certificação de seu Sistema de Gestão nas normas ISO Sistema de Gestão de Qualidade, ISO Sistema de Gestão Ambiental, e OHSAS Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional. Mais uma vez, a Ductor é uma das grandes pioneiras em sua área: inovando através do investimento em qualidade, seguindo pelo caminho contínuo do aperfeiçoamento e alinhando ainda mais qualidade e segurança em seus serviços. Marcos Mariotto, diretor executivo da Ductor, comenta que estas certificações sistematizam os processos, e disseminam uma cultura de segurança no trabalho e de preservação ambiental entre todos os envolvidos. A certificação na prática Um dos desafios enfrentados quando da estruturação do Sistema de Gestão Integrado da empresa foi o de se implantar uma sistemática corporativa aplicável aos mais variados tipos de contrato. Este desafio foi prontamente transformado em opor- tunidade de melhoria e conscientização de todos os envolvidos, pois são os colaboradores capacitados que fazem com que o Sistema de Gestão tenha sucesso. Na prática, a Ductor agora possui um Manual do Sistema de Gestão Integrada, da segurança e saúde ocupacional, qualidade e meio ambiente, além do manual dos procedimentos corporativos. Através destes documentos, cada contrato possui seu próprio Plano de Gestão Integrada, onde são respeitadas suas características contratuais, seus respectivos impactos e riscos tanto ambientais quanto de segurança e saúde ocupacional. Estamos continuamente alinhados às exigências do mercado, muitas vezes até mesmo superamos as exigências e expectativas de nossos clientes, diz Mariotto. Marcos Mariotto Saiba um pouco mais sobre cada certificado: Sobre as certificações Atualmente, muitas empresas exigem que seus prestadores de serviço sejam certificados em muitas destas normas, visando um comprometimento de todos nas questões ambientais, de segurança e da qualidade. Com isto, a Ductor se antecipa, apresentando o certificado em consonância com as normas de Sistema de Gestão Integrado. Nossos clientes saberão que dentro da empresa cada vez mais está se criando uma cultura de segurança no trabalho. No final, isso se caracteriza como uma melhoria na qualidade do serviço prestado, complementa Marcos. A ISO 9001 promove a política da qualidade nas empresas, através da satisfação dos clientes e da melhoria contínua dos serviços. Com o Sistema de Gestão da Qualidade implementado, o cliente tem a certeza de que seu processo produtivo é confiável e está em conformidade com as exigências A ISO é uma norma de aceitação internacional que define os requisitos para estabelecer e operar um Sistema de Gestão Ambiental, baseando-se em política de meio ambiente, planejamento, implementação e operação, verificação e ação corretiva, e análise crítica pela administração. Visa integrar a Gestão de Impactos Ambientais com lucratividade, através da redução de custos, controle de riscos e melhoria do desempenho. O sistema de certificação OHSAS promove um Sistema de Gestão de Saúde e Segurança da empresa através do comprometimento com a saúde dos funcionários, além de fazer com que sejam cumpridos os requisitos legais e regulatórios.

4 Página 4 conexao TÜV Rheinland nº 15 setembro-outubro/2009 Matéria de Capa TRANSPARÊNCIA Vivemos um momento em que as notícias correm o planeta em questão de segundos. Sabemos o que se passa na China com a mesma velocidade que os vizinhos japoneses. A facilidade de obtenção de dados disponibilizada pela internet traz um universo de informações, verdadeiras e falsas. Diariamente nos deparamos com furos de notícias de famosos que têm sua vida bisbilhotada. Estamos sujeitos a ter nossas vidas rastreadas e divulgadas por hackers e crackers, os ladrões virtuais. Mas como distinguir o falso do verdadeiro, e separar o que é realmente relevante? Como administrar a divulgação de dados pessoais ou de sua empresa? São blogs, redes sociais, trocas de arquivos, envio e recebimento de s e, em todos os acessos, ficamos expostos a um mundo de surpresas. Fluxo de informações novos paradigmas de comunicação Desde o início da internet, todas as empresas publicaram seus web No início da era da informática, as pessoas e empresas armazenavam informações em seus computadores ou na Central de Processamento de Dados (CPD). No entanto, hoje em dia, com a proliferação de pendrives, notebooks e smartphones, são necessários critérios rigorosos na tomada de decisão e planejamento para a adequada divulgação de dados e conteúdos de comunicação. Projetos estratégicos, planilhas fi nanceiras, relatórios e afi ns são alguns dos dados que merecem total atenção. Mais do que bons antivírus e fi rewalls efi cientes, precisamos contar com a ética e respeito de todos os envolvidos no processo de disseminação das informações. sites, e uma maior transparência tem sido continuamente exigida. Estabeleceu-se, de maneira irreversível, uma via de mão dupla na comunicação de corporações com seus diversos públicos. Mas as informações dos sites e suas mais recentes derivações (Twitter, blogs e redes de relacionamento) nem sempre atendem às necessidades dos usuários e ao mercado como um todo. Ao abrir canais para receber feedbacks de clientes e consumidores - que, a todo momento, podem ser tema de calorosos debates online - o mundo corporativo viu novos paradigmas de comunicação se estabelecerem da noite para o dia e passou a planejar e estruturar sua comunicação. X boas práticas Se hoje o consumidor se sente muito mais próximo das empresas, estas, por sua vez, ocupam uma posição mais vulnerável,

5 setembro-outubro/2009 nº 15 conexao TÜV Rheinland Página 5 SUPEREXPOSIÇÃO: na comunicação. caso não sejam observados alguns protocolos fundamentais da etiqueta na internet, conhecida como netiqueta. (vide box) Acompanhando as últimas tendências, o site da TÜV Rheinland do Brasil traz duas novidades: ganhou uma versão mobile, para acesso via smart phones, e foi totalmente reprogramado de acordo com as melhores diretrizes de Search Engine Optimization (SEO), fazendo com que os conteúdos de todas as páginas sejam encontrados com muito mais facilidade pelas ferramentas de busca. Netiqueta : a etiqueta da internet O ambiente virtual promove uma convivência real entre as pessoas, com troca de ideias e informações a todo momento. Esta interação precisa seguir algumas regras. Daí o surgimento da netiqueta, conjunto de normas de conduta usadas no cotidiano da internet. Por se tratar de algo novo e em constante evolução, estas regras de boa conduta são revistas constantemente: Responder os s em 24h, no máximo; Evitar o envio de arquivos muito grandes sem prévio conhecimento do correspondente. isso pode levá-lo a exceder o espaço disponível da conta, difi cultando o recebimento de outros s; Nunca encaminhar s com a listagem de remetentes anteriores, muito menos com cópia aberta; Em sites de relacionamento, não divulgar dados pessoais. Segurança da Informação Empresas de todos os setores investem na proteção de seus dados por meio de Sistemas de Gestão de Segurança da informação. A TÜV Rheinland do Brasil oferece seus serviços em Segurança da informação, através dos seguintes certifi cados: ISO/IEC Sistema de Gestão da Segurança da informação: certificado dos requisitos mínimos estabelecidos pela empresa para manter as informações em segurança. O certificado para esta norma emitido pela TÜV Rheinland do Brasil tem reconhecimento internacional, pois leva o selo da TGA-DAR, órgão alemão equivalente ao inmetro brasileiro. ISO/IEC Código de Prática para Gestão da Segurança da informação: orienta a implementação, operação, monitoramento e aperfeiçoamento de um Sistema de Gestão de Segurança da informação e analisa os principais itens relacionados à segurança da empresa, dentre eles a segurança física, controles de acesso (tanto ao prédio quanto aos ativos da empresa) e a capacidade de agir contra interrupções e retomada das operações.

6 Página 6 conexao TÜV Rheinland nº 15 setembro-outubro/2009 Por um mundo mais verde Setembro é, definitivamente, um mês verde: tem início a primavera no hemisfério Sul e comemoramos o dia da árvore. Estes dias marcam um novo posicionamento de muitos países em relação às mudanças climáticas, conforme encontro promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU) na Cúpula sobre Mudanças Climáticas, que aconteceu em Nova York, em setembro. Neste encontro, países como China, Estados Unidos e Brasil, dentre outros, expuseram e discutiram um pouco do que será apresentado no final do ano em Copenhague, durante a Convenção sobre Mudanças Climáticas. Os países se unem para discutir novas políticas ambientais e reduzir o máximo possível a emissão de gases causadores do efeito estufa (GEE). Com esta redução, espera-se ser possível frear o processo de mudanças climáticas pelo qual passa nosso planeta, com tufões, tsunamis, enchentes e os termômetros que não mais obedecem às estações do ano. reciclando AtitUdeS Para dar uma folga à mãe natureza, precisamos de ações concretas de todos: reciclagem, consumo consciente, despoluição de rios e lagos, optar por meios de transporte menos poluentes, dentre tantas outras ações conjuntas. Enquanto isso, as grandes indústrias se comprometem a diminuir a emissão de GEE, podendo até mesmo lucrar com esta redução, através da venda de créditos de carbono. enquanto isso, no BrASil Percebendo esta demanda da sociedade em prol de um mundo mais verde, empresas brasileiras iniciam a busca por novos processos que diminuam a poluição. Dos 155 países que assinaram o Protocolo de Kyoto, 54 estão à procura de empresas que tenham projetos certificados de redução da emissão de gases para comprar seus excedentes. E a TÜV Rheinland do Brasil participa deste processo, através da oferta de serviços como Validação de Projetos a serem apresentados à ONU, Verificação de Projetos já aprovados pela organização e que foram implementados e Verificação ou Validação de Inventários (certificando as informações sobre as emissões de GEE da empresa).

7 setembro-outubro/2009 nº 15 conexao TÜV Rheinland Página 7 Daniel Gularte Xavier, assessor técnico comercial da área de crédito de carbono da TÜV Rheinland do Brasil, explica que num futuro próximo, as empresas que investem em tecnologias e projetos em prol do meio ambiente sairão à frente. As barreiras comerciais que surgirão quanto a questões ambientais foram muito discutidas no último Fórum Latinoamericano de Carbono, no Panamá, em julho desde ano. Acredita-se que futuramente haverá preferência em se fazer acordos com países que tenham esse viés ambiental forte, explica Daniel. Sobre o Protocolo de Kyoto O Protocolo de Kyoto foi discutido e negociado na cidade japonesa, em 1997, durante a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (UNFCCC, na sigla em inglês). O protocolo é um tratado internacional com compromissos rígidos para a redução da emissão de GEE. Nele se propõe um calendário pelo qual os países-membros têm a obrigação de reduzir a emissão de GEE neste primeiro período, que vai de 200 a 2012, em pelo menos 5,2%, em relação aos níveis registrados em Para muitos países, como os membros da União Europeia, estes valores correspondem a 15% abaixo das emissões esperadas para 200. Daniel Gularte Xavier Sobre os créditos de carbono Créditos de carbono ou Redução Certificada de Emissões (RCE) são certificados concedidos quando ocorre a redução de emissão de GEE. Por convenção, uma tonelada de dióxido de carbono (CO 2 ) corresponde a um crédito de carbono. Este crédito pode ser negociado no mercado internacional. A redução da emissão de outros gases que contribuem para o efeito estufa também pode ser convertida em créditos de carbono, utilizando o conceito de carbono equivalente.

8 Página conexao TÜV Rheinland nº 15 setembro-outubro/2009 Notas & Mercados Voando alto Com uma expectativa de crescimento no tráfego aéreo em todo o mundo, e a previsão de duplicação do número de passageiros até 2025, aumentam os requisitos relativos à segurança operacional e confiabilidade do sistema de aeronaves e aeroportos. A indústria da aviação está lidando com estes desafios através de novos produtos e atividades de reestruturação. Ao mesmo tempo, o setor está abordando novas questões relacionadas ao meio ambiente, aos custos dos combustíveis, novos materiais, direitos dos passageiros e um aumento sustentável do número de usuários. Em outubro, o Grupo TÜV Rheinland participou da Feira Inter Airport Europe 2009, em Munique, Alemanha. Foram apresentados todos os serviços do Grupo na feira mais importante do setor. Participaram os principais players da aviação mundial: fabricantes de aeronaves, operadoras de aeroportos, companhias de aviação, e operadoras de manutenção e reparação de infraestrutura. Serviços A TÜV Rheinland oferece diversos serviços nesta área: Gestão de riscos e projetos; Apoio no cumprimento dos requisitos específicos; Gestão de facilidades e comunicação em TI; Medições de ruído; Ensaios acústicos; Previsões de impacto da poluição; Controle de ruído. Para os fabricantes de aeronaves e fornecedores, os serviços da TÜV Rheinland incluem: Pesquisa e desenvolvimento de componentes; Análise das especificações de construção e dos serviços operacionais; Compilação de critérios de aviação aceitáveis; Desenvolvimento de planos; Execução de testes; Gestão da Qualidade. Além disso, os experts da TÜV Rheinland oferecem para as empresas de aviação suporte na implementação de regulamentos específicos de cada país, segurança de TI e sistemas de qualificação para as equipes. A subsidiária do Grupo no Brasil atua também em grandes obras de infraestrutura, sempre oferecendo mais qualidade e segurança aos milhares de usuários nacionais e internacionais de nosso crescente mercado de aviação. Marcos Zevzikovas

9 setembro-outubro/2009 nº 15 conexao TÜV Rheinland Página 9 Notas & Mercados Vagas de QUALIDADE As grandes capitais brasileiras têm cada vez mais carros circulando por suas vias. Esta enorme frota enfrenta diariamente longas filas de congestionamento e ao chegar ao seu destino a maratona não está completa: falta ainda encontrar uma boa vaga para estacionar seu veículo. Mais do que apenas uma vaga, os motoristas buscam um local seguro e livre de multas, mas as placas de proibido estacionar parecem se multiplicar. A opção que resta então, em muitos casos, são os estacionamentos que garantem uma vaga fácil e segura. Mas nem sempre estes estabelecimentos são sinônimo de segurança, e caso eles não estejam alinhados a modernos padrões de qualidade, é possível ter alguma surpresa indesejável. A boa notícia é que a TÜV Rheinland do Brasil, em parceria com o Sindicato das Empresas de Garagens e Estacionamentos do Estado de São Paulo (Sindepark), desenvolveu uma série de normas para agregar mais qualidade ao atendimento e segurança para os usuários de estacionamentos: é o Progra- ma Selo de Qualidade Sindepark. Os estacionamentos agora caminham rumo à qualidade e segurança certificadas! Sinal verde O Selo de Qualidade Sindepark estabelece níveis de qualificação progressivos, C, B e A, segundo os quais os Sistemas de Gestão da Qualidade das empresas são avaliados e classificados. Esse processo visa dar às empresas o tempo necessário para a implantação evolutiva de seu Sistema da Qualidade. Atualmente, mais de 250 estacionamentos possuem o Selo, que avalia a qualidade dos serviços prestados, o tamanho das vagas, a uniformização dos funcionários, a sinalização do espaço e as condições físicas do estabelecimento. A TÜV Rheinland do Brasil é a certificadora oficial deste selo, realizando auditorias nos estacionamentos certificados. O S e l o d e Qualidade Sindepark permite que as empresas atuem em edifícios comerciais, como shoppings e hospitais, oferecendo muito mais segurança ao cliente de que seu carro estará em boas mãos, explica Suzete Schipa Suzuki, coordenadora de certificação de sistemas da empresa. Suzete Schipa Suzuki

10 Página 10 conexao TÜV Rheinland nº 15 setembro-outubro/2009 Saiba mais Educação continuada A TÜV Rheinland do Brasil e o Centro Universitário Augusto Motta (Unisuam) firmaram parceria para promover cursos nos campi da universidade carioca. Com esta novidade, a TÜV Rheinland Academia intensifica sua atuação no Rio de Janeiro, preparando novos profissionais para atuar na área da qualidade. Esta parceria permitirá o acesso a diversas oportunidades, visto que a TÜV Rheinland é uma empresa reconhecida pela excelência dos cursos que oferece e pela equipe de trabalho que a representa, diz a professora Claudia Costa, pró-reitora de Pesquisa e Extensão. A Unisuam conta atualmente com seis unidades em bairros cariocas: Bonsucesso, Vila da Penha, Campo Grande, Bangu, Jacarepaguá e Méier. Os primeiros cursos serão oferecidos no campus de Bonsucesso, no auditório Hans Donner, a partir de novembro, explica Regina Toscano, superintendente técnica da TÜV Rheinland do Brasil. Existe uma grande carência, principalmente no Rio de Janeiro, de profissionais na área de certificações e auditoria. Através destes cursos, teremos mais mão-de-obra qualificada no Rio de Janeiro, aumentando o número de auditores e instrutores na região, além da abertura de novos mercados, salienta Regina. O primeiro curso oferecido será o Lead Assessor ISO 9001:2008 IRCA, com início em 23 de novembro. Para facilitar a participação de todos, haverá duas possibilidades de concluir as 40h/aula: cursadas em uma semana, ou por duas semanas, às sextas e sábados. O curso é destinado a qualquer pessoa que tenha interesse na área, mesmo não sendo aluno da instituição. As inscrições já estão disponíveis no portal da faculdade*. Aqueles que se interessarem devem ficar atentos, pois as vagas são limitadas, avisa a professora Claudia. Regina Celia Toscano *

11 setembro-outubro/2009 nº 15 conexao TÜV Rheinland Página 11 Saiba mais OBarato pode custar os OLHOS da cara O inverno se foi e o sol volta a brilhar. Roupas mais leves no lugar dos grandes casacos, sandálias no lugar dos sapatos e óculos escuros compõem a moda da estação. Os óculos de sol, mais do que moda, são necessários para manter a saúde ocular. É importante buscar produtos de qualidade, que realmente protejam os olhos dos raios ultravioletas (UV) e infravermelhos. Para o consumidor se certificar de que está comprando um produto de qualidade e que não trará malefícios à sua saúde, o oftalmologista Marcelo Gagliano Credie dá algumas dicas. Devese comprar óculos escuros em locais de referência, como óticas, não em camelôs. Além disso, é preciso escolher produtos que possuam o selo e marcação de proteção contra os raios ultravioletas. A exposição contínua dos olhos aos raios solares pode causar diversas doenças, como a queimadura da mácula, problemas na córnea, catarata e degeneração da retina, dentre tantas outras. Os óculos escuros que possuem proteção contra raios UV e infravermelhos ajudam a evitar estas doenças. Produtos de má qualidade não oferecem esta proteção e causam até mais danos do que não utilizar óculos algum, de acordo com o oftalmologista Ricardo Lewinski: É muito perigoso usar óculos escuros de má qualidade, pois a lente escura causa a sensação de conforto e nossa pupila se dilata, permitindo que os raios UV e infravermelhos entrem livremente em nossos olhos. Pense nisso ao aceitar produtos sem selos de qualidade, o barato pode custar caro. Marcos Zevzikovas

12 Onde tem qualidade, tem construção civil meio ambiente infraestrutura transporte saúde sistemas lâmpadas eletroeletronicos alimentos

Turismo e Sustentabilidade:

Turismo e Sustentabilidade: 3 Turismo e Sustentabilidade: TÜV Rheinland do Brasil inic ia validação para Reduções Certificadas de Emissões uma receita de sucesso O setor de turismo é, atualmente, um dos principais empregadores e geradores

Leia mais

Novos serviços na área de Engenharia

Novos serviços na área de Engenharia 3 Palavra do Presidente 6 Notícias Novos Horizontes S eguindo nossas perspectivas positivas para 2007, no final do mês de agosto assumimos o controle acionário da Ductor Implantação de Projetos, importante

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA CONHEÇA MELHOR A SAÚDE SOCIOAMBIENTAL DA SUA EMPRESA E OBTENHA MAIOR CREDIBILIDADE E VISIBILIDADE!!! INVISTA O Instituto Socioambiental

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Solução sustentável de compartilhamento de veículos para o mundo escolar

Solução sustentável de compartilhamento de veículos para o mundo escolar Interbros Tecnologia e Soluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Conj. 21 /179 Itaim Bibi - São Paulo- SP - 04532-060 Fone: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Por favor, considere

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC CONDUZINDO E EXPANDINDO NOSSOS NEGÓCIOSDE UMA MANEIRA RESPONSÁVEL E SUSTENTÁVEL HSEC APPROACH INTRODUCAO SOBRE NÓS A Trafigura é líder no mercado global de commodities. Suprimos,

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Case Schutz Maurício Bastos

Case Schutz Maurício Bastos LIVRO DE CASES CASE 1 CASES Case Schutz Maurício Bastos Ano de fundação: 1995 Segmento: Varejo Calçados Localização: São Paulo Crescimento Ecommerce: 400% ao ano Funcionários: 900 Loja Online: loja.schutz.com.br

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

nesta edição: Metrô de Salvador inaugura cinco primeiras estações supervisionadas pela TÜV Rheinland Ductor

nesta edição: Metrô de Salvador inaugura cinco primeiras estações supervisionadas pela TÜV Rheinland Ductor e-news Edição Revista corporativa da TÜV Rheinland Brasil 02 Agosto 2014 Metrô de Salvador inaugura cinco primeiras estações supervisionadas pela TÜV Rheinland Ductor nesta edição: TÜV Rheinland Brasil

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO SYMLEX

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO SYMLEX SISTEMA DE MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO SYMLEX Manual do Usuário Março/2011 V7 SISTEMA DE MONITORAMENTO AOS REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO DO SYMLEX MANUAL DE USUÁRIO A KEYASSOCIADOS atua

Leia mais

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Sumário Objetivo... 2 Parte 1 - Entendendo o Inventário de Gases

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

Desafios para enfrentar. o papel dos edifícios verdes. Secretaria do Verde e Meio Ambiente

Desafios para enfrentar. o papel dos edifícios verdes. Secretaria do Verde e Meio Ambiente Desafios para enfrentar mudanças as climáticas e o papel dos edifícios verdes Secretaria do Verde e Meio Ambiente DESAFIOS PARA AS CIDADES Redução da emissão global dos gases que causam efeito estufa 50%

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

SEGURANÇA E AGILIDADE EM TODAS AS SUAS ENTREGAS

SEGURANÇA E AGILIDADE EM TODAS AS SUAS ENTREGAS SEGURANÇA E AGILIDADE EM TODAS AS SUAS ENTREGAS TNT EFICIÊNCIA EM TRANSPORTES A TNT, uma das líderes mundiais em transporte expresso, possui hoje a maior rede de distribuição expressa rodoviária de toda

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064

Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064 Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064 Nasario de S.F. Duarte Jr. Resumo:o mercado de créditos de carbono assume proporções econômicas elevadas, e

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Turismo Sustentável e Certificação Avanços no Cenário Internacional

Turismo Sustentável e Certificação Avanços no Cenário Internacional Turismo Sustentável e Certificação Avanços no Cenário Internacional Vanilson Fragoso 8.º Forum Internacional de Turismo Sustentável -FITS SP 2011 Imagine Conhecer seu gasto de CO2 na caixa de supermercado

Leia mais

Asser Rio Claro. Descubra como funciona um antivírus. Como o antivírus protege o seu computador. A importância de um antivírus atualizado

Asser Rio Claro. Descubra como funciona um antivírus. Como o antivírus protege o seu computador. A importância de um antivírus atualizado Administração Informática Asser Rio Claro Descubra como funciona um antivírus Responsável por garantir a segurança do seu computador, o antivírus é um programa de proteção que bloqueia a entrada de invasores

Leia mais

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA A FIESP esclarece que as informações apresentadas na presente Cartilha são apenas sugestões para auxiliar as

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

Solução sustentável de compartilhamento de veículos para o mundo universitário

Solução sustentável de compartilhamento de veículos para o mundo universitário Interbros Tecnologia e Soluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Conj. 21 /179 Itaim Bibi - São Paulo- SP - 04532-060 Fone: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Por favor, considere

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA APRESENTAÇÃO Este é o Código de Conduta da Net Serviços de Comunicação S.A. e de suas controladas ( NET ). A NET instituiu este Código de Conduta norteado

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Julho/2014 a Março/2015. Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento.

Julho/2014 a Março/2015. Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento. Julho/2014 a Março/2015 Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento. Conteúdo. Por que realizar nossos treinamentos? 4 Nossa abordagem 4 Nossos instrutores

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CARBONO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CARBONO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CARBONO São Paulo 06 a 09 de DEZEMBRO de 2011. O Curso de Especialização em Mercado de Carbono é eminentemente técnico com uma visão estratégica e orientação prática,voltado

Leia mais

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL O objetivo deste documento é informar aos fornecedores dos pontos e valores fundamentais de nosso processo de compras. A GS1 Brasil mantém a ética, a transparência

Leia mais

Qualidade. Introdução à Administração de Empresas. Prof. Luiz Antonio 01/03/2007

Qualidade. Introdução à Administração de Empresas. Prof. Luiz Antonio 01/03/2007 Introdução à Administração de Empresas Prof. Luiz Antonio 01/03/2007 Histórico Era Artesanal (séc. XIX) Etapas da produção controladas pelo artesão. Compra dos materiais e insumos Acabamento Entrega do

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal Adjunto de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Abril 2013 A Construção de uma Cidade Sustentável

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Código: PSI_1.0 Versão: 1.0 Data de Publicação: 28/05/2014 Controle de Versão Versão Data Responsável Motivo da Versão 1.0 28/05/2014 Heitor Gouveia Criação da Política

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

Manual da Qualidade. Figura 1: Organograma da SInfo e Escopo de Certificação

Manual da Qualidade. Figura 1: Organograma da SInfo e Escopo de Certificação Criado por Aprovado por Analisado criticamente por Wilker Bueno de Freitas Rosa Luiz Mauro de Pádua Silveira Comitê da Qualidade 1 - SGQ- Sinfo A Superintendência de Informática Inserida dentro do quadro

Leia mais

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS 2015 E m um período de profundas mudanças socioambientais, torna-se ainda mais estratégico incluir a sustentabilidade

Leia mais

SISTEMAS BRASILEIRO EM INFORMÁTICA CNPJ:

SISTEMAS BRASILEIRO EM INFORMÁTICA CNPJ: Dados da Empresa Dados da SYSTEMBRAS SISTEMAS BRASILEIRO EM INFORMÁTICA CNPJ: 00.000.000/0001-00 Rua Paramoti, 04 Vila Antonieta SP Cep: 03475-030 Contato: (11) 3569-2224 A Empresa A SYSTEMBRAS tem como

Leia mais

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 1 de 14 Anexo III Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 2 de 14 ÍNDICE 1 OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 2 REFERENCIAL TEÓRICO PARA DEFINIÇÃO DAS MÉTRICAS... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 Tema: Mudanças Climáticas Palestrante: Érika Pires Ramos Resumo. O presente ensaio pretende ser uma

Leia mais

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 RELATÓRIO DE DESCRIÇÃO DE PRÁTICA DE GESTÃO: FROTA AZUL Setembro/2013 1 Estrutura Organizacional da OC 2 A Organização

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa L Fundação Espaço ECO apresenta ferramentas de gestão que tornam possível a medição da sustentabilidade Com análise de dados científicos precisos, organização colabora para a melhor

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE Ética para viver Ética para viver MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro colaborador, A Bandeirante possui missão, visão e valores definidos. Eles estão discriminados em um documento amplamente difundido dentro e

Leia mais

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental. Seis Sigma. Eco Six Sigma

Sistema de Gestão Ambiental. Seis Sigma. Eco Six Sigma Eco Six Sigma Nos dias de hoje, em que os requisitos de compra dos consumidores vão além do preço do produto, conquistar os consumidores torna-se um grande desafio. Características como a qualidade da

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA.

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. Elton Dias Paz Aluno de administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. Elton.paz@fibria.com.br

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA ecodesktop posso fornecer economias de custos e reduções no consumo de energia e na pegada de carbono de PCs e desktops de maneira precisa? agility made possible Você pode. Com o CA

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

2 Descrição da Empresa Focal

2 Descrição da Empresa Focal 2 Descrição da Empresa Focal 2.1 Origem e história da DNV A Det Norske Veritas 2 (DNV) é uma fundação global e independente, com o objetivo de salvaguardar a vida, a propriedade e o meio ambiente. Fundada

Leia mais

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos?

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos? Portfólio 1. Quem Somos? Somos uma Equipe de Auditores, Consultores e Assessores Empresariais com diversas competências para melhorar o desempenho de qualquer negócio por meio de SISTEMAS DE GESTÃO DA

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 Profissional com SELO DE QUALIDADE Certificar os conhecimentos e as habilidades do trabalhador em sua área de atuação torna-se uma receita para garantir a competitividade

Leia mais

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 Fortune Top companies: Biggest by Market Value Fortune Top companies: Most profitable VALOR V = Valor percebido pelo cliente (

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais