PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2008/09 a 2018/19 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Chefe da AGE: Derli Dossa. Equipe Técnica: José Garcia Gasques. Eliana Teles Bastos. Lucille Freire da Silva (consultora) Brasília, fevereiro de 2009.

2 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ÍNDICE PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO INTRODUÇÃO METODOLOGIA UTILIZADA RESULTADOS DAS PROJEÇÕES BRASIL Algodão em pluma Arroz Feijão Milho Trigo Complexo Soja Mandioca Batata Inglesa Café Leite Açúcar Etanol Laranja e Suco de Laranja Carnes RESULTADOS DAS PROJEÇÕES REGIONAIS RESUMO DOS PRINCIPAIS RESULTADOS INCERTEZAS BIBLIOGRAFIA ANEXO Modelos de Suavização Exponencial Modelos de Box e Jenkins (ARMA) Modelos em Espaço de Estados

3 3 Legendas: AGE - Assessoria de Gestão Estratégica CNA - Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento EMBRAPA Gado de Leite - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária FAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations FAPRI - Food and Agricultural Policy Research Institute FGV - Fundação Getúlio Vargas IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ICONE - Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais IFPRI - International Food Policy Research Institute IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento OECD - Organization for Economic Co-Operation And Development ONU Organização das Nações Unidas ÚNICA - União da Indústria de Cana de Açúcar USDA - United States Department of Agriculture

4 4 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 1. INTRODUÇÃO Organizações públicas e privadas necessitam ter rumos, saber que caminhos seguir para direcionar seus esforços e recursos, num futuro próximo e de longo prazo. Esta visão prospectiva não é estática, mas exige revisões periódicas, em face de mudanças no ambiente interno e externo. Por este motivo instituições que trabalham com essa visão de longo prazo, atualizam sistematicamente suas projeções. Ao projetar o futuro do agronegócio brasileiro para os próximos anos, este trabalho tem como objetivo indicar possíveis direções do desenvolvimento e fornecer subsídios aos formuladores de políticas públicas quanto às principais tendências dos principais produtos do agronegócio. Os resultados buscam, também, atender a um número enorme de usuários dos diversos setores da economia nacional e internacional para os quais as informações ora divulgadas são de enorme importância. As tendências indicadas permitirão identificar trajetórias possíveis, bem como estruturar visões de futuro do agronegócio no contexto mundial para que o país continue crescendo e conquistando novos mercados. O trabalho Projeções do Agronegócio Brasil 2008/09 a 2018/19, ora tornado público, é o quarto sobre uma visão prospectiva do setor, base para o planejamento estratégico do MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Para sua elaboração foram consultados trabalhos de organizações brasileiras e internacionais, alguns deles baseados em modelos de projeções. Dentre as instituições consultadas destacam-se os trabalhos da Food and Agricuture Organization of the United Nations (FAO), Food and Agricultural Policy Research Institute (FAPRI), International Food Policy Research Institute (IFPRI), Organization for Econiomic Co-Operation and Development (OECD), Organização das Nações Unidas (ONU), United States Department of Agriculture (USDA), Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Fundação Getúlio Vargas (FGV), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (ICONE), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), Embrapa Gado de Leite, Empresa de Pesquisa Energética (EPE), e União da Indústria de Cana de Açúcar (UNICA). 2. METODOLOGIA UTILIZADA O período das projeções abrange 2008/09 a 2018/19, portanto um período de onze anos. Para facilitar o acompanhamento e compreensão dos leitores, as comparações realizadas ao longo do trabalho são feitas em relação ao ano safra corrente, 2007/08. Os dados básicos utilizados para realizar as projeções Brasil no período observado são da CONAB, MAPA e Embrapa Gado de Leite. As comparações internacionais, em geral foram realizadas com informações do FAPRI e do USDA. Em geral, o período que constitui a base das projeções abrange 32 anos. Para a experiência da agricultura brasileira é um período longo, mas para a Estatística não é tão longo. As projeções foram realizadas utilizando três modelos econométricos específicos para realizar projeções de variáveis econômicas. São modelos de séries temporais que têm grande utilização em previsões de séries. Mas sua utilização no Brasil para a finalidade que está sendo dada neste trabalho é inédita. Não temos conhecimento de trabalhos publicados no Brasil que tenham trabalhado com esses modelos.

5 5 Três modelos estatísticos foram usados: Suavização Exponencial, Box & Jenkins (Arima) e Modelo de Espaço de Estados. Há uma nota metodológica (em anexo) onde foram apresentadas as principais características dos três modelos. Apesar de diferenças específicas, contidas em cada um, a idéia básica de operação dos modelos é que eles analisam os dados passados e as chances desses fatos passados se repetirem no futuro. As projeções foram realizadas em 18 produtos do agronegócio: milho, soja, trigo, laranja, suco de laranja, carne de frango, carne bovina, carne suína, açúcar, etanol, algodão, farelo de soja, óleo de soja, leite in natura, feijão, arroz, batata inglesa e mandioca. A escolha dos modelos mais prováveis foi feita da seguinte maneira: 1. Coerência dos resultados obtidos; 2. Comparações internacionais a dos dados de produção, consumo, exportação, importação e comércio dos países e do mundo; 3. Tendência passada dos nossos dados; 4. Potencial de crescimento; 5. Consultas a especialistas. As projeções foram realizadas em geral para produção, consumo, exportação, importação e área plantada. A tendência foi escolher modelos mais conservadores, e não aqueles modelos que indicaram taxas mais arrojadas de crescimento. Este comportamento na escolha orientou a maioria dos resultados selecionados. As projeções apresentadas neste Relatório são nacionais, onde o número de produtos estudados é abrangente, e regionais onde o número de produtos analisados é restrito e tem interesse específico. É importante ressaltar que as séries trabalhadas abrangem cerca de 30 anos. Em termos estatísticos não é um período longo para um período de previsão de 11 anos. À medida que amplia o horizonte de previsão as estimativas se tornam menos precisas, com limites de confiança muito amplos. Por essa razão os resultados das projeções foram cuidadosamente examinados segundo vários critérios, atentando ao intervalo de confiança, estudos paralelos e consultas à especialistas. 3. RESULTADOS DAS PROJEÇÕES BRASIL 3.1. Algodão em pluma As projeções realizadas pela AGE para o algodão em pluma, indicam a passagem da produção de 1,56 milhão de toneladas de algodão em 2007/2008 para 1,57 milhão de toneladas em 2018/2019. A taxa de crescimento da produção obtida no período 2008/09 a 2018/19 está projetada para 2,08% ao ano. Esta taxa está próxima do crescimento da produção de algodão projetada nos principais países produtores, de 2,16% ao ano (FAPRI, 2008). O consumo projetado até 2018/2019 segue uma taxa anual de 2,18%. Deste modo, o consumo projetado para o Brasil em 2018/2019 é de 1,32 milhão de toneladas de algodão. Por último, projeta-se um volume de exportações de 687,0 mil toneladas em 2018/2019.

6 6 Tabela 1 - Produção, Consumo e Exportação de Algodão ALGODÃO (milhões de toneladas) Produção Consumo Exportação Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 1,56 1,05 0, /09 1,20 (0,93 ; 1,48) 1,06 (0,92 ; 1,21) 0,50 (0,35 ; 0,65) 2009/10 1,52 (1,13 ; 1,90) 1,09 (0,93 ; 1,24) 0,53 (0,36 ; 0,71) 2010/11 1,72 (1,31 ; 2,13) 1,11 (0,94 ; 1,28) 0,55 (0,34 ; 0,76) 2011/12 1,37 (0,85 ; 1,89) 1,14 (0,95 ; 1,32) 0,57 (0,33 ; 0,80) 2012/13 1,50 (0,87 ; 2,14) 1,16 (0,96 ; 1,37) 0,58 (0,32 ; 0,84) 2013/14 1,81 (1,14 ; 2,48) 1,19 (0,97 ; 1,41) 0,60 (0,32 ; 0,88) 2014/15 1,55 (0,81 ; 2,28) 1,21 (0,98 ; 1,45) 0,62 (0,32 ; 0,92) 2015/16 1,52 (0,68 ; 2,35) 1,24 (0,98 ; 1,50) 0,63 (0,32 ; 0,95) 2016/17 1,85 (0,97 ; 2,73) 1,27 (0,99 ; 1,54) 0,65 (0,32 ; 0,99) 2017/18 1,71 (0,79 ; 2,63) 1,29 (1,00 ; 1,59) 0,67 (0,32 ; 1,02) 2018/19 1,57 (0,57 ; 2,57) 1,32 (1,00 ; 1,63) 0,69 (0,32 ; 1,05) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção e exportação modelo Arima e para o consumo modelo Alisamento Exponencial. Fig. 1 - Produção, Consumo e Exportação de Algodão milhões toneladas Algodão Produção Consumo Exportação 2,0 1,56 1,57 1,5 1,05 1,32 1,0 0,69 0,52 0,5 0,0 2007/ / / / / / / / / / / /19 Produção 2,08 Consumo 2,18 Exportação 3, Arroz As projeções de produção e consumo de arroz, feitas pelo MAPA/AGE mostram uma situação muito apertada entre essas duas variáveis, havendo necessidade de importações de arroz nos próximos anos. A produção projetada para 2018/2019 é de 13,47 milhões de toneladas. Equivale a um crescimento anual da produção de 0,94% de 2008/09 a 2018/19. O consumo deverá crescer a uma taxa anual média de 0,93%, atingindo o volume de 14,49 milhões de toneladas em 2018/19. Assim a importação projetada para o final do período é de 771 mil toneladas. A taxa anual projetada para o consumo de arroz nos próximos anos, de 0,93%, está um pouco abaixo do crescimento da população brasileira, mas está acima da taxa anual do consumo mundial prevista para os próximos dez anos em média anual de 0,60% (FAPRI, 2008).

7 7 Tabela 2 - Produção, Consumo e Importação de Arroz ARROZ (milhões de toneladas) Produção Consumo Importação Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 12,11 13,00 0, /09 12,26 (9,00 ; 15,52) 13,21 (12,55 ; 13,87) 0,71 (-0,41 ; 1,82) 2009/10 12,38 (8,86 ; 15,90) 13,34 (12,62 ; 14,05) 0,82 (-0,42 ; 2,06) 2010/11 12,50 (8,67 ; 16,34) 13,47 (12,69 ; 14,24) 0,81 (-0,46 ; 2,09) 2011/12 12,62 (8,44 ; 16,80) 13,59 (12,75 ; 14,44) 0,74 (-0,62 ; 2,10) 2012/13 12,74 (8,19 ; 17,29) 13,72 (12,80 ; 14,64) 0,75 (-0,74 ; 2,24) 2013/14 12,86 (7,93 ; 17,80) 13,85 (12,85 ; 14,85) 0,78 (-0,79 ; 2,36) 2014/15 12,99 (7,64 ; 18,33) 13,98 (12,90 ; 15,06) 0,78 (-0,86 ; 2,42) 2015/16 13,11 (7,34 ; 18,87) 14,11 (12,94 ; 15,28) 0,76 (-0,95 ; 2,48) 2016/17 13,23 (7,03 ; 19,42) 14,24 (12,98 ; 15,49) 0,77 (-1,03 ; 2,56) 2017/18 13,35 (6,72 ; 19,98) 14,37 (13,02 ; 15,71) 0,77 (-1,09 ; 2,64) 2018/19 13,47 (6,40 ; 20,54) 14,50 (13,06 ; 15,93) 0,77 (-1,16 ; 2,70) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção e consumo modelo Alisamento Exponencial e para a importação modelo Arima. Fig. 2 - Produção, Consumo e Importação de Arroz milhões toneladas Produção Arroz Consumo Importação ,0 14, ,1 13,5 5 0,60 0 0, / / / / / / / / / / / /19 Produção 0,94 Consumo 0,93 Importação 0, Feijão Representa um típico produto de consumo doméstico e de enorme importância na alimentação e na geração de renda dos pequenos produtores no Brasil. O feijão tem uma taxa anual projetada de aumento da produção de 1,97% e consumo ao redor de 1,21% ao ano, para o período 2008/2009 a 2018/2019. As projeções de importação indicam que pode haver alguma importação de feijão nos próximos anos. Porém, a magnitude dos números de importação indica que esta, se feita, ocupa uma posição pouco expressiva.

8 8 Tabela 3 - Produção, Consumo e Importação de Feijão FEIJÃO (milhões de toneladas) Produção Consumo Importação Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 3,54 3,40 0, /09 3,55 (2,48 ; 4,63) 3,29 (2,85 ; 3,72) 0,07 (-0,01 ; 0,16) 2009/10 3,63 (2,47 ; 4,79) 3,34 (2,84 ; 3,85) 0,07 (-0,02 ; 0,17) 2010/11 3,71 (2,44 ; 4,97) 3,38 (2,82 ; 3,94) 0,07 (-0,02 ; 0,17) 2011/12 3,78 (2,41 ; 5,16) 3,43 (2,82 ; 4,04) 0,08 (-0,03 ; 0,19) 2012/13 3,86 (2,36 ; 5,36) 3,46 (2,80 ; 4,12) 0,08 (-0,04 ; 0,20) 2013/14 3,94 (2,31 ; 5,56) 3,50 (2,80 ; 4,21) 0,08 (-0,05 ; 0,20) 2014/15 4,01 (2,25 ; 5,77) 3,55 (2,80 ; 4,29) 0,08 (-0,05 ; 0,21) 2015/16 4,09 (2,19 ; 5,99) 3,59 (2,80 ; 4,38) 0,08 (-0,06 ; 0,22) 2016/17 4,17 (2,12 ; 6,21) 3,63 (2,81 ; 4,46) 0,08 (-0,06 ; 0,23) 2017/18 4,24 (2,06 ; 6,43) 3,67 (2,81 ; 4,54) 0,08 (-0,07 ; 0,24) 2018/19 4,32 (1,99 ; 6,65) 3,72 (2,82 ; 4,61) 0,09 (-0,07 ; 0,24) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção modelo Alisamento Exponencial, para o consumo modelo Espaço de estados e para a importação modelo Arima. Fig. 3 - Produção, Consumo e Importação de Feijão milhões toneladas Produção Feijão Consumo Importação 5 4 3,5 4,3 3 3,4 3, ,07 0, / / / / / / / / / / / /19 Produção 1,97 Consumo 1,21 Importação 1,85 Na literatura sobre consumo, o feijão se apresenta como um produto de elasticidade renda consumo positivo apenas para o estrato de renda mais baixa. Significa dizer que para esse estrato de renda, quando a renda aumenta o consumo de feijão também aumenta. Mas, a elasticidade renda consumo média dos estratos é (-0,072). Esse valor negativo da elasticidade indica que se a renda aumenta o consumo de feijão decresce (Hoffmann, 2007) Milho As projeções de produção de milho no Brasil indicam um aumento de 15,7 milhões de toneladas entre a safra de 2007/08 que está finalizando e 2018/19. Em 2018/2019 a produção deverá situar-se em 73,25 milhões de toneladas (MAPA/AGE) e um consumo de 52,49 milhões. Esses resultados indicam que o País deverá fazer ajustes no seu quadro de suprimentos de modo a garantir o abastecimento do mercado interno e obter algum excedente para exportação, estimado em 22,91 milhões de toneladas em 2018/19. O Brasil está colocado entre os países que terão aumentos significativos de suas exportações de milho, ao lado da Argentina (FAPRI e USDA). Este crescimento das

9 9 exportações brasileiras far-se-á possível por meio de ganhos de produção e produtividade. A estimativa prevista para as exportações de milho são da ordem de 22,9 milhões de toneladas em 2018/19. Mas esse valor poderá sofrer forte tendência de situar-se num limite superior devido à importância crescente do milho no mundo. Tabela 4 - Produção, Consumo e Exportação de Milho MILHO (milhões de toneladas) Produção Consumo Exportação Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 58,59 44,00 11, /09 57,83 (48,39 ; 67,26) 43,10 (38,19 ; 48,02) 11,15 (6,09 ; 16,21) 2009/10 60,03 (48,71 ; 71,35) 44,04 (38,72 ; 49,36) 12,33 (6,85 ; 17,80) 2010/11 61,32 (47,96 ; 74,68) 44,98 (39,19 ; 50,77) 13,50 (7,55 ; 19,46) 2011/12 62,87 (47,85 ; 77,89) 45,92 (39,61 ; 52,23) 14,68 (8,19 ; 21,17) 2012/13 64,32 (47,76 ; 80,88) 46,86 (39,99 ; 53,72) 15,85 (8,79 ; 22,92) 2013/14 65,83 (47,88 ; 83,77) 47,79 (40,34 ; 55,25) 17,03 (9,36 ; 24,70) 2014/15 67,30 (48,06 ; 86,54) 48,73 (40,66 ; 56,81) 18,21 (9,90 ; 26,51) 2015/16 68,79 (48,34 ; 89,24) 49,67 (40,97 ; 58,38) 19,38 (10,43 ; 28,33) 2016/17 70,28 (48,69 ; 91,87) 50,61 (41,26 ; 59,96) 20,56 (10,94 ; 30,18) 2017/18 71,76 (49,09 ; 94,44) 51,55 (41,54 ; 61,56) 21,73 (11,43 ; 32,03) 2018/19 73,25 (49,54 ; 96,96) 52,49 (41,81 ; 63,17) 22,91 (11,92 ; 33,89) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção modelo Espaço de estados, para o consumo e exportação modelo Alisamento exponencial. Fig. 4 - Produção, Consumo e Exportação de Milho Milho Produção Consumo Exportação milhões toneladas ,6 44,0 11,6 2007/ / / / / / / / / / /18 73,2 52,5 22,9 2018/19 Produção 2,33 Consumo 1,99 Exportação 7,37 A área plantada de milho entre 2008/09 e 2018/19, deverá crescer a uma taxa média anual de 1,4%. Deste modo, a área deverá passar de 14,3 milhões de hectares em 2008/09 para 16,46 milhões de hectares em 2018/19. Esse crescimento é bem maior do que a média mundial, de 0,33% ao ano previsto para os próximos 10 anos. Essa diferença se deve ao fato do Brasil dispor de terras que poderão ser incorporadas à produção nos próximos anos. Mas o crescimento da produtividade será o fator determinante para o aumento da produção de milho nos próximos anos.

10 10 Fig. 5 Área Plantada de Milho Milho Área plantada (mil ha) Área 1, / / / / / / / / / / / / Trigo O consumo interno de trigo no País deverá crescer em média 1,31% ao ano, entre 2008/09 e 2018/19, alcançando a cifra de 12,5 milhões de toneladas em 2018/19. O consumo doméstico deverá crescer bem mais rápido que a produção. A taxa prevista para o aumento do consumo é de 1,31% ao ano para os próximos anos. Isso deve manter o país como um dos maiores importadores mundiais de trigo. A produção projetada para 2018/2019 é de 7,89 milhões de toneladas, e um consumo de 12,25 milhões de toneladas no mesmo ano. O abastecimento interno exigirá importações de 5,5 milhões de toneladas em 2018/2019. Vale observar que pode-se ter redução das importações de trigo nos próximos anos, devido ao aumento esperado da produção interna. O trigo apresenta-se como um dos produtos relevantes entre os grãos produzidos mundialmente. Por ser de elevada importância no consumo, especialmente humano, representa um produto de elevada importância estratégica. Tabela 5 - Produção, Consumo e Importação de Trigo TRIGO (milhões de toneladas) Produção Consumo Importação Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 5,41 10,25 6, /09 5,48 (2,06 ; 8,90) 10,75 (3,94 ; 17,57) 6,57 (-1,41 ; 14,55) 2009/10 5,72 (2,02 ; 9,43) 10,90 (3,53 ; 18,28) 6,47 (-5,30 ; 18,24) 2010/11 5,96 (1,93 ; 9,99) 11,05 (3,03 ; 19,08) 6,37 (-9,53 ; 22,27) 2011/12 6,20 (1,81 ; 10,60) 11,20 (2,46 ; 19,95) 6,26 (-13,91 ; 26,43) 2012/13 6,44 (1,66 ; 11,23) 11,35 (1,83 ; 20,87) 6,16 (-18,34 ; 30,66) 2013/14 6,68 (1,49 ; 11,88) 11,50 (1,16 ; 21,84) 6,06 (-22,81 ; 34,93) 2014/15 6,92 (1,30 ; 12,54) 11,65 (0,46 ; 22,84) 5,95 (-27,30 ; 39,21) 2015/16 7,16 (1,10 ; 13,23) 11,80 (-0,26 ; 23,87) 5,85 (-31,81 ; 43,51) 2016/17 7,41 (0,89 ; 13,92) 11,95 (-1,01 ; 24,92) 5,75 (-36,33 ; 47,82) 2017/18 7,65 (0,68 ; 14,62) 12,10 (-1,78 ; 25,98) 5,65 (-40,85 ; 52,14) 2018/19 7,89 (0,45 ; 15,32) 12,25 (-2,55 ; 27,06) 5,54 (-45,38 ; 56,46) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB e IBGE para as safras de 2006/07 e 2007/08. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção, consumo e importação modelo Alisamento exponencial.

11 11 Fig. 6 - Produção, Consumo e Importação de Trigo milhões toneladas ,3 6,5 5,4 2007/ / /10 Trigo Produção Consumo Importação 2010/ / / / / / / /18 12,3 7,9 5,5 2018/19 Produção 3,69 Consumo 1,31 Importação 1, Complexo Soja Soja Grão As estimativas realizadas pela AGE indicam uma produção brasileira de 80,9 milhões de toneladas de soja em 2018/2019. Essa projeção é maior em cerca de 20 milhões de toneladas em relação ao que o Brasil está produzindo nesta safra de 2007/08. A taxa de crescimento anual prevista é de 2,43% no período da projeção, 2008/09 a 2018/19. Essa taxa está próxima da taxa mundial para os próximos dez anos, estimada pelo FAPRI (2008) em 2,56% ao ano. O consumo doméstico de soja em grão deverá atingir 44,4 milhões de toneladas no final da projeção, representando 55,0% da produção. O consumo está projetado crescer a uma taxa anual de 2,11%, taxa esta praticamente idêntica ao crescimento previsto mundialmente. Como se sabe, a soja é um componente essencial na fabricação de rações animais e adquire importância crescente na alimentação humana. As exportações de soja projetadas pela AGE para 2018/2019 são de 36,5 milhões de toneladas. Representam um aumento de cerca de 11 milhões de toneladas em relação a quantidade exportada pelo Brasil em 2007/08. A taxa anual projetada para a exportação de soja em grão é de 3,1%. Essa taxa está um pouco acima da taxa mundial projetada pelo FAPRI (2008), de 2,72% ao ano para os próximos anos. Os resultados obtidos mostram que a exportação de soja brasileira deve representar no período final das projeções, 40% do comércio mundial. Esse percentual representa um acréscimo de 4 pontos percentuais em relação ao ano de Fig. 7 - Produção, Consumo e Exportação de Soja milhões toneladas ,1 Soja (grão) Produção Consumo Exportação 80,9 35,1 44,4 25,8 36,5 2007/ / / / / / / / / / / /19 Produção 2,43 Consumo 2,11 Exportação 3,09

12 12 Tabela 6 - Produção, Consumo e Exportação de Soja SOJA (milhões de toneladas) Produção Consumo Exportação Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 60,07 35,05 25, /09 63,84 (56,50 ; 71,18) 35,85 (32,79 ; 38,91) 27,07 (23,69 ; 30,45) 2009/10 64,02 (55,08 ; 72,97) 37,04 (32,69 ; 41,39) 27,62 (23,16 ; 32,08) 2010/11 67,11 (55,90 ; 78,33) 37,76 (32,23 ; 43,29) 28,78 (23,34 ; 34,22) 2011/12 67,61 (55,00 ; 80,23) 38,62 (32,17 ; 45,07) 29,68 (23,31 ; 36,05) 2012/13 70,51 (56,38 ; 84,65) 39,45 (32,17 ; 46,73) 30,63 (23,48 ; 37,78) 2013/14 71,05 (55,75 ; 86,36) 40,27 (32,27 ; 48,26) 31,62 (23,75 ; 39,49) 2014/15 73,98 (57,45 ; 90,52) 41,10 (32,44 ; 49,76) 32,57 (24,03 ; 41,12) 2015/16 74,50 (56,96 ; 92,05) 41,92 (32,65 ; 51,20) 33,55 (24,39 ; 42,71) 2016/17 77,45 (58,83 ; 96,07) 42,75 (32,90 ; 52,60) 34,52 (24,78 ; 44,26) 2017/18 77,97 (58,44 ; 97,50) 43,58 (33,19 ; 53,97) 35,49 (25,21 ; 45,77) 2018/19 80,91 (60,42 ; 101,41) 44,41 (33,50 ; 55,31) 36,46 (25,66 ; 47,26) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção, consumo e exportação modelo Espaço de estados. As projeções de expansão de área plantada de soja mostram que a área deve passar para 26,5 milhões de hectares em 2018/19. Representa um acréscimo de 5,0 milhões de hectares em relação à safra 2007/08. Essa expansão é superada apenas pela expansão prevista da área de cana de açúcar, de 7 milhões de hectares até o final das projeções. Mas o aumento de produtividade será o principal fator de aumento da produção de soja no Brasil. Enquanto o aumento de produção previsto é de 2,43% ao ano, nos próximos anos a expansão da área é de 1,95%. A soja deve expandir-se através de uma combinação de expansão de fronteira em regiões onde ainda há terras disponíveis e um processo de substituição de lavouras onde não há terras disponíveis para serem incorporadas. Fig. 8 Área Plantada de Soja e Cana de Açúcar Área Plantada (mil hectares) Cana de açúcar Soja Soja 1,95 Cana Açúcar 4, / / / / / / / / / / / /19 Farelo e Óleo de Soja O farelo de soja e o óleo mostram grande dinamismo nos próximos anos. Nas exportações o óleo deve crescer a taxa maior que o farelo o farelo deve crescer a 1,12% ao ano e o óleo de soja, 2,03% ao ano. Em ambos os produtos o consumo interno deve crescer a

13 13 taxas elevadas nos próximos anos. O consumo de óleo de soja deverá crescer a uma taxa anual de 3,2% no período 2008/09 a 2018/19, e o farelo de soja deve crescer o consumo em 4,2% ao ano. Esses dados refletem o dinamismo do mercado interno para esses produtos. Tabela 7 - Produção, Consumo e Exportação de Farelo de Soja FARELO DE SOJA (milhões de toneladas) Produção Consumo Exportação Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 24,95 11,80 13, /09 25,56 (22,11 ; 29,01) 12,08 (11,19 ; 12,98) 13,44 (10,26 ; 16,63) 2009/10 26,35 (22,61 ; 30,08) 12,70 (11,73 ; 13,66) 13,60 (10,15 ; 17,05) 2010/11 27,14 (23,07 ; 31,20) 13,31 (12,26 ; 14,36) 13,76 (10,01 ; 17,51) 2011/12 27,92 (23,50 ; 32,35) 13,93 (12,78 ; 15,07) 13,92 (9,83 ; 18,01) 2012/13 28,71 (23,89 ; 33,53) 14,54 (13,29 ; 15,79) 14,08 (9,63 ; 18,53) 2013/14 29,50 (24,27 ; 34,73) 15,15 (13,80 ; 16,51) 14,24 (9,40 ; 19,07) 2014/15 30,29 (24,62 ; 35,95) 15,77 (14,30 ; 17,24) 14,39 (9,17 ; 19,62) 2015/16 31,08 (24,97 ; 37,18) 16,38 (14,80 ; 17,97) 14,55 (8,91 ; 20,19) 2016/17 31,86 (25,30 ; 38,43) 17,00 (15,29 ; 18,70) 14,71 (8,65 ; 20,77) 2017/18 32,65 (25,63 ; 39,68) 17,61 (15,79 ; 19,43) 14,87 (8,39 ; 21,36) 2018/19 33,44 (25,94 ; 40,93) 18,22 (16,28 ; 20,17) 15,03 (8,11 ; 21,95) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção, consumo e exportação modelo Alisamento Exponencial. Tabela 8 - Produção, Consumo e Exportação de Óleo de Soja ÓLEO DE SOJA (milhões de toneladas) Produção Consumo Exportação Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 6,16 4,10 2, /09 6,33 (5,52 ; 7,15) 3,93 (3,50 ; 4,36) 2,43 (1,46 ; 3,40) 2009/10 6,54 (5,66 ; 7,42) 4,08 (3,61 ; 4,54) 2,48 (1,43 ; 3,54) 2010/11 6,75 (5,79 ; 7,71) 4,22 (3,72 ; 4,73) 2,54 (1,39 ; 3,68) 2011/12 6,96 (5,91 ; 8,00) 4,37 (3,81 ; 4,92) 2,59 (1,35 ; 3,84) 2012/13 7,16 (6,03 ; 8,30) 4,51 (3,91 ; 5,11) 2,65 (1,29 ; 4,00) 2013/14 7,37 (6,13 ; 8,60) 4,66 (4,00 ; 5,31) 2,70 (1,23 ; 4,18) 2014/15 7,58 (6,24 ; 8,91) 4,80 (4,10 ; 5,51) 2,76 (1,16 ; 4,35) 2015/16 7,78 (6,34 ; 9,22) 4,95 (4,19 ; 5,71) 2,81 (1,09 ; 4,53) 2016/17 7,99 (6,44 ; 9,54) 5,09 (4,27 ; 5,91) 2,86 (1,02 ; 4,71) 2017/18 8,20 (6,54 ; 9,86) 5,24 (4,36 ; 6,11) 2,92 (0,94 ; 4,90) 2018/19 8,41 (6,64 ; 10,17) 5,38 (4,45 ; 6,32) 2,97 (0,86 ; 5,08) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção, consumo e exportação modelo Alisamento Exponencial.

14 14 A tabela 9 ilustra a dinâmica prevista para óleo de soja e farelo através dos dados da AGE e do FAPRI Tabela 9 - Dinâmica do Farelo e Óleo de Soja Farelo de Soja Mundo (2008/09 a 2017/18) Brasil (2008/09 a 2018/19) Produção 2,72% 2,72% Exportação 2,74% 1,12% Consumo 2,50% 4,18% Óleo de Soja Produção 2,70% 2,86% Exportação 1,69% 2,03% Consumo 2,63% 3,18% Fonte: AGE/ MAPA (2008) e FAPRI (2008) Fig. 9 - Produção, Consumo e Exportação de Farelo de Soja milhões toneladas Farelo de Soja Produção Consumo Exportação 40 33, , ,2 13, ,8 15, / / / / / / / / / / / /19 Produção 2,72 Consumo 4,18 Exportação 1,12 Fig Produção, Consumo e Exportação Óleo de Soja milhões toneladas Óleo de Soja Produção Consumo Exportação ,2 6 4,1 4 2, / / / / / / / / / / /18 8,4 5,4 3,0 2018/19 Produção 2,86 Consumo 3,18 Exportação 2, Mandioca Assim como o feijão, a mandioca é um produto típico de mercado interno. Não há muitas informações sobre esse produto, o que dificulta análises mais abrangentes. As projeções de produção mostram que a produção de mandioca deve crescer a 1,72% ao ano nos

15 15 próximos 11 anos. A produção está projetada para 32,2 milhões de toneladas no último ano da projeção. Tabela 10 - Produção de Mandioca MANDIOCA (milhões de toneladas) Produção Ano Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 26, /09 27,18 (22,15 ; 32,20) 2009/10 27,68 (22,24 ; 33,12) 2010/11 28,19 (22,27 ; 34,11) 2011/12 28,69 (22,24 ; 35,14) 2012/13 29,20 (22,18 ; 36,22) 2013/14 29,70 (22,08 ; 37,33) 2014/15 30,21 (21,96 ; 38,46) 2015/16 30,71 (21,82 ; 39,61) 2016/17 31,22 (21,66 ; 40,78) 2017/18 31,73 (21,49 ; 41,96) 2018/19 32,23 (21,31 ; 43,15) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção modelo Alisamento exponencial. Fig Produção de Mandioca Mandioca milhões toneladas ,1 Produção 32,2 Produção 1, / / / / / / / / / / / /19 Há possibilidade que a área tenha expansão nos próximos anos. De 1,81 milhão de hectares em 2007/08 para 2,0 milhões de hectares em 2018/19. Deve haver uma expansão ao redor de 200 mil hectares. Isso deve ocorrer especialmente nas regiões que lideram a produção nacional, e esse aumento de área é bem inferior ao aumento da produção prevista. Pode haver, desse modo, aumentos de produtividade nesse produto à medida que aumenta sua demanda para a indústria Batata Inglesa A produção deverá crescer a uma taxa anual de 1,56% nos próximos anos. A produção deverá atingir 4,1 milhões de toneladas. Essa produção é totalmente voltada para abastecer o mercado interno. Por sua vez, melhoria tecnológica introduzida, deve levar a redução de área plantada com essa atividade.

16 16 Tabela 11 - Produção de Batata Inglesa BATATA INGLESA (milhões de toneladas) Produção Ano Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 3, /09 3,51 (3,16 ; 3,86) 2009/10 3,59 (3,22 ; 3,96) 2010/11 3,65 (3,25 ; 4,05) 2011/12 3,70 (3,28 ; 4,13) 2012/13 3,76 (3,31 ; 4,22) 2013/14 3,82 (3,34 ; 4,30) 2014/15 3,88 (3,38 ; 4,38) 2015/16 3,94 (3,41 ; 4,46) 2016/17 4,00 (3,45 ; 4,54) 2017/18 4,05 (3,49 ; 4,62) 2018/19 4,11 (3,53 ; 4,70) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção modelo Arima. Fig Produção de Batata Inglesa 4,5 Batata Inglesa Produção 4,0 3,5 3,0 3,6 4,1 2007/ / / / / / / / / / /18 milhões toneladas 2018/19 Produção 1, Café As projeções da AGE referem-se ao consumo e área plantada para o período 2008/2009 até 2018/2019. As projeções mostram que o consumo interno deverá crescer muito acima do crescimento populacional nos próximos anos. A taxa prevista é de 2,62% ao ano para o período 2008/09 e 2018/19. Não se tem projeções para o consumo mundial, mas o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, 2008), estimou uma taxa anual média de consumo no mundo nos últimos 34 anos, de 1,68% ao ano. A área plantada de café deverá sofrer ligeira redução nos próximos anos. Deve passar de 2,1 milhões de hectares em 2007/08 para 1,9 milhão de hectares nos próximos 11 anos. Portanto, espera-se uma queda na área plantada de café da ordem de 0,82% ao ano.

17 17 Tabela 12 - Consumo de Café CAFÉ (milhões de toneladas) Consumo Ano Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 18, /09 18,77 (18,44 ; 19,10) 2009/10 19,38 (18,56 ; 20,20) 2010/11 19,92 (18,83 ; 21,02) 2011/12 20,51 (19,17 ; 21,86) 2012/13 21,03 (19,47 ; 22,59) 2013/14 21,61 (19,86 ; 23,36) 2014/15 22,14 (20,22 ; 24,06) 2015/16 22,71 (20,63 ; 24,79) 2016/17 23,24 (21,02 ; 25,46) 2017/18 23,80 (21,44 ; 26,17) 2018/19 24,34 (21,85 ; 26,83) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para o consumo modelo Espaço de estados. Fig Consumo de Café milhões toneladas ,1 Café Consumo 2007/ / / / / / / / / / / /19 Consumo 2,62 24,3 Fig Área Plantada de Café / / / / /12 Café Área (mil ha) 2012/ / / /16 Área -0, / / / Leite O leite foi considerado neste trabalho como um dos produtos que apresenta elevadas possibilidades de crescimento. A produção deverá crescer a uma taxa anual de 2,75%. Isso corresponde a uma produção de 36,9 bilhões de litros de leite cru no final do período das projeções. O consumo deverá crescer a uma taxa de 2,23% ao ano nos próximos anos. Essa taxa é bem superior à observada para o crescimento da população brasileira.

18 18 Tabela 13 - Produção, Consumo e Exportação de Leite LEITE (bilhões de litros) Produção Consumo Exportação Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 27,40 26,58 1, /09 28,10 (26,78 ; 29,43) 27,09 (24,89 ; 29,28) 1,08 (0,77 ; 1,38) 2009/10 28,98 (27,55 ; 30,42) 27,76 (25,38 ; 30,13) 1,18 (0,85 ; 1,51) 2010/11 29,86 (28,30 ; 31,42) 28,43 (25,84 ; 31,01) 1,28 (0,92 ; 1,64) 2011/12 30,74 (29,04 ; 32,44) 29,09 (26,28 ; 31,91) 1,38 (0,99 ; 1,77) 2012/13 31,61 (29,76 ; 33,47) 29,76 (26,70 ; 32,83) 1,48 (1,05 ; 1,91) 2013/14 32,49 (30,48 ; 34,50) 30,43 (27,10 ; 33,76) 1,58 (1,12 ; 2,05) 2014/15 33,37 (31,19 ; 35,54) 31,10 (27,50 ; 34,71) 1,68 (1,18 ; 2,19) 2015/16 34,25 (31,90 ; 36,59) 31,77 (27,88 ; 35,66) 1,78 (1,24 ; 2,33) 2016/17 35,12 (32,60 ; 37,64) 32,44 (28,26 ; 36,62) 1,89 (1,30 ; 2,47) 2017/18 36,00 (33,30 ; 38,70) 33,11 (28,64 ; 37,58) 1,99 (1,36 ; 2,61) 2018/19 36,88 (34,00 ; 39,76) 33,78 (29,01 ; 38,55) 2,09 (1,42 ; 2,75) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da Embrapa Gado de Leite Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção, consumo e exportação modelo Alisamento exponencial. Fig Produção, Consumo e Exportação de Leite Leite Produção Consumo Exportação bilhões litros ,4 26,6 1,1 2007/ / / / / / / / / / /18 36,9 33,8 2,1 2018/19 Produção 2,75 Consumo 2,23 Exportação 6,78 Os dados disponíveis sobre exportação não permitem que se faça com segurança as projeções, pois ao contrário de outras séries de dados, o período não é suficientemente longo que permita que se faça as projeções Açúcar As projeções da OCDE e do FAPRI são coincidentes ao demonstrarem que o Brasil será um país-chave na determinação do futuro dos preços mundiais do açúcar, permanecendo como o líder em produtividade e em exportação do produto. Segundo o FAPRI (2008), o Brasil deverá contar com um aumento da produção de 7 milhões de toneladas entre 2008/09 e 2017/18, atingindo um montante de 40,76 milhões de toneladas em 2017/18. Até 2017/18, o comércio de açúcar brasileiro deve aumentar em 20,6%. Ganhos de produtividade e eficiência na produção de açúcar no Brasil e na Índia podem levar a queda de preços no mercado internacional segundo o FAPRI. As estimativas obtidas pela AGE para a produção brasileira de açúcar indicam uma taxa média anual de crescimento de 3,25% no período 2008/2009 a 2018/2019. Essa taxa deve

19 19 conduzir a uma produção de 47,34 milhões de toneladas do produto em 2018/2019. Essa produção corresponde a um acréscimo de 14,6 milhões de toneladas em relação ao observado em 2007/2008. As taxas projetadas para exportações e consumo para os próximos 11 anos são, respectivamente, de 4,08% ao ano e de 1,84% ao ano. Para as exportações, a projeção para 2018/2019 é de um volume de 32,64 milhões de toneladas. Tabela 14 - Produção, Consumo e Exportação de Açúcar AÇÚCAR (milhões de toneladas) Produção Consumo Exportação Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 32,78 11,43 21, /09 34,43 (31,51 ; 37,36) 11,65 (10,13 ; 13,16) 21,83 (18,04 ; 25,61) 2009/10 35,61 (30,99 ; 40,23) 11,89 (9,95 ; 13,83) 22,95 (18,63 ; 27,26) 2010/11 36,94 (31,46 ; 42,42) 12,11 (9,75 ; 14,48) 24,03 (19,03 ; 29,04) 2011/12 38,24 (31,87 ; 44,60) 12,35 (9,67 ; 15,03) 25,10 (19,54 ; 30,65) 2012/13 39,53 (32,45 ; 46,62) 12,58 (9,60 ; 15,56) 26,18 (20,13 ; 32,23) 2013/14 40,84 (33,08 ; 48,59) 12,81 (9,56 ; 16,07) 27,25 (20,74 ; 33,77) 2014/15 42,14 (33,77 ; 50,50) 13,05 (9,54 ; 16,55) 28,33 (21,39 ; 35,27) 2015/16 43,44 (34,50 ; 52,38) 13,28 (9,55 ; 17,01) 29,41 (22,06 ; 36,75) 2016/17 44,74 (35,26 ; 54,21) 13,51 (9,56 ; 17,46) 30,48 (22,76 ; 38,21) 2017/18 46,04 (36,06 ; 56,02) 13,74 (9,58 ; 17,90) 31,56 (23,47 ; 39,66) 2018/19 47,34 (36,87 ; 57,81) 13,98 (9,62 ; 18,33) 32,64 (24,19 ; 41,08) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção, consumo e exportação modelo Espaço de estados. Fig Produção, Consumo e Exportação de Açúcar Açúcar milhões toneladas ,8 21,0 11,4 2007/ /09 Produção Consumo Exportação 2009/ / / / / / / / /18 47,3 32,6 14,0 2018/19 Produção 3,25 Consumo 1,84 Exportação 4, Etanol A produção de etanol no Brasil tem como fonte a cana de açúcar e é produzido nas regiões Centro-Sul, Norte e Nordeste. O etanol é considerado pelos especialistas como o álcool etílico de biomassa, para uso combustível ou industrial, inclusive na produção de bebidas industrializadas, excluindo, entretanto, o álcool contido em bebidas originais como cachaça, rum, vodka, whisky, bourbon, conhaque e outras. Neste sentido, a produção de etanol é composta pelo álcool anidro e álcool hidratado. O Brasil e os Estados Unidos são atualmente os maiores produtores de etanol, embora os Estados Unidos extraiam esse produto do milho, e não da cana de açúcar como no Brasil.

20 20 As projeções do etanol, referentes a produção, consumo e exportação refletem grande dinamismo desse produto devido especialmente ao crescimento do consumo interno. A produção de etanol projetada para 2018/19 é de 58,8 bilhões de litros, mais que o dobro da produção de 2007/08. O consumo interno para 2018 está projetado em 50,0 bilhões de litros e as exportações em 8,8 bilhões. A Empresa de Pesquisa Energética EPE (2008), projeta para 2017 que 73,6% dos veículos vendidos no Brasil serão do tipo flex fuel. Para ter-se uma referência do que essa proporção representa no ano de 2008, os veículos flex fuel representam 29,6% do total das unidades vendidas. A expansão do setor automobilístico, e o uso crescente dos carros flex fuel é atualmente o principal fator responsável pelo crescimento da produção de etanol no Brasil. O trabalho de Bressan Filho (2008) é muito útil para analisar o etanol como um novo combustível universal. Tabela 15 - Produção, Consumo e Exportação de Etanol ETANOL (bilhões litros) Ano Produção Consumo Exportação ,5 18,0 5, ,9 20,7 5, ,3 24,1 6, ,7 27,6 6, ,1 31,2 6, ,5 33,6 7, ,9 35,8 7, ,3 38,7 7, ,7 41,6 7, ,1 44,4 8, ,5 47,2 8, ,8 50,0 8,8 Fonte: MAPA, 2007 e EPE - Empresa de Pesquisa Energética, 2008./ Câmaras Setoriais Fig Produção, Consumo e Exportação de Etanol bilhões litros ,5 18,0 5, Etanol Produção Consumo Exportação ,8 50,0 8, Laranja e Suco de Laranja A produção de laranja deverá passar de 18,6 milhões de toneladas na safra 2006/07 para 20,5 milhões de toneladas. Em 2018/19. Esse crescimento corresponde a uma taxa anual de crescimento de 0,89%. A área plantada deve expandir-se pouco nos próximos anos. A taxa projetada é de 0,42% ao ano para os próximos 11 anos. A área deverá atingir 856 mil hectares de laranja em 2018/19.

21 21 O Brasil deve exportar 3,1 milhões de toneladas de suco de laranja. Restrições comerciais na forma de barreiras ao comércio é o principal fator limitando a expansão do suco de laranja. Tabela 16 - Produção e Exportação de Laranja e Suco de laranja LARANJA (milhões de toneladas) Exportação Suco de Produção Laranja Laranja Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) 2007/08 18,61 2, /09 18,76 (16,47 ; 21,05) 2,15 (1,68 ; 2,62) 2009/10 18,93 (16,46 ; 21,41) 2,24 (1,73 ; 2,75) 2010/11 19,11 (16,41 ; 21,80) 2,34 (1,78 ; 2,89) 2011/12 19,28 (16,34 ; 22,21) 2,43 (1,82 ; 3,03) 2012/13 19,45 (16,26 ; 22,65) 2,52 (1,86 ; 3,18) 2013/14 19,63 (16,15 ; 23,10) 2,62 (1,90 ; 3,33) 2014/15 19,80 (16,04 ; 23,55) 2,71 (1,94 ; 3,48) 2015/16 19,97 (15,92 ; 24,02) 2,80 (1,97 ; 3,64) 2016/17 20,15 (15,79 ; 24,50) 2,90 (2,00 ; 3,79) 2017/18 20,32 (15,66 ; 24,98) 2,99 (2,03 ; 3,95) 2018/19 20,49 (15,52 ; 25,46) 3,08 (2,06 ; 4,11) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados do IBGE - Produção Agrícola Municipal. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção modelo Alisamento exponencial e para a exportação modelo Espaço de estados. Fig Produção e Exportação de Laranja e Suco de laranja Laranja / Suco de Laranja milhões toneladas ,6 2,1 2007/ /09 Produção (fruto) 2009/ / / / /14 Exportação (suco) 2014/ / / /18 20,5 2018/19 3,2 Produção (fruto) 0,89 Exportação (suco) 2, Carnes As projeções de carnes para o Brasil mostram que esse setor deve apresentar intenso dinamismo nos próximos anos. Entre as carnes, as que se projetam com maiores taxas de crescimento da produção no período 2008/2009 a 2018/2019 são a carne de frango, que deve crescer anualmente a 4,22%, e a bovina, cujo crescimento projetado para esse período é de 3,50% ao ano. Por último, a produção de carne suína tem um crescimento projetado de 2,84% ao ano, o que também representa um valor relativamente elevado, pois consegue atender ao consumo doméstico e às exportações (MAPA/AGE).

22 22 Tabela 17 - Produção de Carnes CARNES PRODUÇÃO (milhões de toneladas) Bovina Suína De Aves Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) ,38 3,11 11, ,99 (10,00 ; 11,97) 3,21 (2,64 ; 3,79) 11,52 (10,72 ; 12,32) ,44 (10,38 ; 12,51) 3,32 (2,69 ; 3,94) 12,11 (11,24 ; 12,98) ,89 (10,73 ; 13,05) 3,42 (2,74 ; 4,10) 12,70 (11,76 ; 13,65) ,35 (11,08 ; 13,61) 3,53 (2,78 ; 4,27) 13,30 (12,27 ; 14,32) ,80 (11,42 ; 14,17) 3,63 (2,82 ; 4,43) 13,89 (12,77 ; 15,01) ,25 (11,76 ; 14,75) 3,73 (2,86 ; 4,61) 14,48 (13,26 ; 15,70) ,70 (12,09 ; 15,32) 3,84 (2,89 ; 4,78) 15,07 (13,76 ; 16,39) ,16 (12,41 ; 15,90) 3,94 (2,92 ; 4,96) 15,67 (14,25 ; 17,09) ,61 (12,73 ; 16,48) 4,04 (2,95 ; 5,14) 16,26 (14,73 ; 17,78) ,06 (13,05 ; 17,07) 4,15 (2,97 ; 5,32) 16,85 (15,22 ; 18,48) ,51 (13,37 ; 17,65) 4,25 (3,00 ; 5,51) 17,44 (15,70 ; 19,19) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção modelo Alisamento exponencial, para o consumo modelo Espaço de estados e para a exportação modelo Arima. Fig Produção de Carnes Carnes - Produção Bovina Suína de Frango ,4 15,5 11,1 10,4 3,1 4, milhões toneladas Bovina 3,50 Suína 4,22 Frango 2,84 As projeções do consumo mostram preferência crescente dos consumidores brasileiros pela carne de frango, cujo crescimento projetado é de 2,57% ao ano no período 2008/2009 a 2018/2019. Isso significa um consumo interno de 9,9 milhões de toneladas daqui a 11 anos. A carne bovina assume o segundo lugar no aumento do consumo com uma taxa anual projetada de 2,22%, entre 2008/09 a 2018/19. Em nível inferior de crescimento situa-se a projeção do consumo de carne suína, de 1,79% ao ano para os próximos anos (AGE- MAPA).

23 23 Tabela 18 - Consumo de Carnes CARNES CONSUMO (milhões de toneladas) Bovina Suína De Aves Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) ,01 2,48 7, ,21 (7,62 ; 8,79) 2,53 (2,15 ; 2,90) 7,74 (7,33 ; 8,15) ,41 (7,56 ; 9,26) 2,57 (2,09 ; 3,05) 7,96 (7,38 ; 8,54) ,61 (7,55 ; 9,67) 2,62 (2,06 ; 3,18) 8,19 (7,48 ; 8,90) ,81 (7,58 ; 10,05) 2,67 (2,04 ; 3,30) 8,41 (7,59 ; 9,23) ,01 (7,62 ; 10,41) 2,72 (2,02 ; 3,42) 8,63 (7,72 ; 9,55) ,22 (7,68 ; 10,75) 2,77 (2,01 ; 3,52) 8,86 (7,85 ; 9,86) ,42 (7,75 ; 11,08) 2,82 (2,01 ; 3,63) 9,08 (8,00 ; 10,17) ,62 (7,84 ; 11,40) 2,87 (2,01 ; 3,73) 9,31 (8,15 ; 10,47) ,82 (7,93 ; 11,72) 2,92 (2,01 ; 3,82) 9,53 (8,30 ; 10,76) ,02 (8,02 ; 12,03) 2,97 (2,01 ; 3,92) 9,76 (8,46 ; 11,05) ,23 (8,12 ; 12,33) 3,01 (2,02 ; 4,01) 9,98 (8,62 ; 11,34) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção e exportação modelo Alisamento exponencial e para o consumo modelo Espaço de estados. Fig Consumo de Carnes Carnes - Consumo Bovina Suína de Frango milhões toneladas ,0 7,5 2, ,2 10,0 3, Bovina 2,22 Suína 2,57 Frango 1,79 Quanto às exportações, as projeções indicam elevadas taxas de crescimento para os três tipos de carnes analisados. As estimativas realizadas pela AGE-MAPA projetam um quadro favorável para as exportações brasileiras de carnes. As carnes de frango e de suínos lideram as taxas de crescimento anual das exportações para os próximos anos a taxa anual prevista para carne de frango é de 5,62%, e para a carne suína, de 4,91%; as exportações de carne bovina devem situar-se numa média anual de 3,07%.

24 24 Tabela 19 - Exportação de Carnes CARNES EXPORTAÇÃO (milhões de toneladas) Bovina Suína De Aves Ano Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) Projeção (linf. ; Lsup) ,40 0,63 3, ,50 (2,25 ; 2,75) 0,69 (0,52 ; 0,85) 3,80 (3,27 ; 4,34) ,60 (2,21 ; 2,99) 0,73 (0,55 ; 0,91) 4,08 (3,50 ; 4,67) ,69 (2,12 ; 3,26) 0,77 (0,58 ; 0,96) 4,36 (3,73 ; 5,00) ,79 (2,05 ; 3,52) 0,82 (0,61 ; 1,02) 4,64 (3,95 ; 5,33) ,88 (1,97 ; 3,78) 0,86 (0,63 ; 1,09) 4,92 (4,17 ; 5,68) ,96 (1,90 ; 4,03) 0,90 (0,65 ; 1,15) 5,20 (4,39 ; 6,02) ,05 (1,84 ; 4,27) 0,94 (0,68 ; 1,21) 5,48 (4,60 ; 6,37) ,14 (1,78 ; 4,50) 0,99 (0,70 ; 1,27) 5,76 (4,81 ; 6,72) ,22 (1,73 ; 4,72) 1,03 (0,72 ; 1,34) 6,04 (5,02 ; 7,07) ,31 (1,68 ; 4,94) 1,07 (0,74 ; 1,40) 6,32 (5,23 ; 7,42) ,39 (1,64 ; 5,15) 1,11 (0,76 ; 1,47) 6,60 (5,43 ; 7,77) Fonte: Elaboração da AGE/MAPA com dados da CONAB. Nota: Os valores entre parênteses se referem ao intervalo de confiança a 95% das projeções. * Modelos utilizados: Para a produção e exportação modelo Alisamento exponencial e para o consumo modelo Espaço de estados. Fig Exportação de Carnes Carnes - Exportação milhões toneladas ,6 2,4 0,6 6,6 3,4 1, Bovina Suína de Frango Bovina 3,07 Suína 5,62 Frango 4,91 Como as carnes são produtos que apresentam elevada elasticidade-renda, o aumento de renda interna pode dirigir parte da produção para o consumo interno e reduzir o excedente de exportações. No caso, as elasticidades renda consumo de carne bovina, calculadas por Hoffmann (2007) variam entre 0,35 e 1,00 dependendo do estrato de renda. Esses valores são considerados elevados quando comparados a outros alimentos e indicam que o aumento do poder aquisitivo da população tem um acentuado impacto no consumo de carnes. A expansão prevista das exportações de carnes pelo Brasil colocam-no em posição de muito destaque no comércio mundial. O país deverá manter a liderança de principal exportador de carnes, bovina e suína, bem como manter seu terceiro ou quarto lugar nas exportações de carne suína. Em 2018/19 as relações Exportação do Brasil/Comércio mundial, devem representar: Carne bovina, 60,6% do comércio mundial; carne suína, 21% do comércio mundial; carne de aves, 89,7% do mercado mundial.

25 25 4. RESULTADOS DAS PROJEÇÕES REGIONAIS As projeções regionais foram feitas com o objetivo de indicar possíveis tendências de produtos selecionados nas principais regiões produtoras. Os produtos analisados foram Arroz no Rio Grande do Sul; Milho no Mato Grosso, Paraná, Minas Gerais; Soja no Mato Grosso e Paraná; Trigo, no Paraná e Rio Grande do Sul. As projeções foram realizadas para produção e área plantada. Tabela 20 - Projeção de Produção e Área - Regionais Projeções Regionais /09 a 2018/19 Produção Área Plantada Mil Toneladas Mil Hectares 2007/ / / /19 Arroz RS Milho MT PR MG Sub total Soja RS MT PR Sub total Trigo PR RS Fonte : AGE/ MAPA As projeções regionais mostram acentuado aumento da participação dos estados de Mato Grosso e Paraná na produção nacional de milho e soja. Mas, em ambos os produtos o maior aumento na produção nacional ocorrerá em Mato Grosso. Este deverá aumentar sua participação na produção nacional de milho de 13,3% para 18,2%, e o Paraná de 26,2% para 29,5% entre 2007/08 e 2018/19. Na produção de soja, Mato Grosso aumentará sua participação nacional de 29,7% para 34,9%. Paraná e Rio Grande do Sul perdem participação relativamente a Mato Grosso, embora ambos também aumentem a produção de soja. Na produção de trigo, Paraná e Rio Grande do Sul representaram juntos em 2007/08, 91,2% da produção brasileira desse cereal. Mas essa participação deverá cair para 89,3% nos próximos 11 anos. Tabela 21 Comparação da produção regional Milho, Soja e Trigo Milho - produção (mil toneladas) MT PR Produção %/Brasil Produção %/Brasil 2007/ ,30% ,20% 2018/ ,20% ,50%

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ÍNDICE PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO...4

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Assessoria de Gestão Estratégica

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Assessoria de Gestão Estratégica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Assessoria de Gestão Estratégica Brasília DF Junho de 2010 2010 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados. Permitida

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Assessoria de Gestão Estratégica Gabinete do Ministro PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2013/14 a 2023/24 Projeções de Longo Prazo Brasília DF Setembro

Leia mais

O QUASE FINAL DA SAFRA DE GRÃOS 2010/11. E A CRISE?

O QUASE FINAL DA SAFRA DE GRÃOS 2010/11. E A CRISE? 1 O QUASE FINAL DA SAFRA DE GRÃOS 2010/11. E A CRISE? Fernando Homem de Melo 1 Professor Titular do Departamento de Economia da FEA-USP e Pesquisador da FIPE A safra de grãos, 2010/11 está terminando.

Leia mais

Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Dezembro/2013 12.000 Gráfico 1 - Balança Comercial do Agronegócio

Leia mais

Metodologia. Modelos de Séries Temporais Específicos para previsão

Metodologia. Modelos de Séries Temporais Específicos para previsão Metodologia CONAB IBGE MAPA EMBRAPA FAPRI (Food and Agricultural Policy Research Institute ) USDA (United States Department of Agriculture) Modelos de Séries Temporais Específicos para previsão Foram usados

Leia mais

ALGODÃO Período: 06 a 10/04/2015

ALGODÃO Período: 06 a 10/04/2015 ALGODÃO Período: 06 a 0/04/205 Quadro I- PREÇO PAGO AO PRODUTOR Algodão em Pluma - (em R$/unidade) Períodos anteriores () Centros de Produção Unid. 2 Meses Mês Semana Média do mercado () Semana Atual Preço

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS inistério da Agricultura, ecuária e Abastecimento. GUSTAVO COSTA DE ALMEIDA ENG. AGRÔNOMO MS C Fotos: Thiago Ventura TENDÊNCIAS MUNDIAIS bilhões 12 8 4

Leia mais

BANGLADESH INTERCÂMBIO COMERCIAL DO AGRONEGÓCIO --- BANGLADESH --- Brasil: Bangladesh:

BANGLADESH INTERCÂMBIO COMERCIAL DO AGRONEGÓCIO --- BANGLADESH --- Brasil: Bangladesh: BANGLADESH Bangladesh: Capital: Daca População 1 : 158,2 milhões de habitantes PIB (2014) 2 : US$ 185,4 bilhões PIB per capita (2014) 2 : US$ 1.172 PIB por setor 3 : Agricultura: 15,1% Indústria: 26,5%

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Mundial e Brasil 26/7 a 217/18 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade. Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014

Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade. Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014 Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014 Portfólio da BBM a serviço do Agro NEGÓCIOS COM PRODUTOS FÍSICOS LEILÕES DA PGPM REGISTRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Novembro/2013 I - Resultados do mês As exportações do agronegócio

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Maio/2016

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Maio/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Maio/2016 I Resultados do mês (comparativo Maio/2016 Maio/2015)

Leia mais

Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem

Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem A produção brasileira de grãos e de café 1 cresceu expressivamente de 2007 a 2013, conforme o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA)

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

Introdução a Agronegócios

Introdução a Agronegócios Introdução a Agronegócios Professor: Me. Claudio Kapp Junior juniorkapp@hotmail.com Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Pilares do Agronegócio Sustentabilidade Segurança Alimentar

Leia mais

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA janeiro de 215 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

Projeções do Agronegócio 2009/10 a 2019/20

Projeções do Agronegócio 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 2009/10 A 2019/20 jose.gasques@agricultura.gov.br APRESENTACAO ORAL-Comercialização, Mercados e Preços JOSE GARCIA GASQUES 1 ; ELIANA TELES BASTOS 2 ; DERLI DOSSA 3 ; LUCILLE FREIRE

Leia mais

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura produtiva: 430 unidades produtoras Produtores de cana-de-açúcar: 70.000 Empregos diretos: 1,2 milhão PIB

Leia mais

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Representante da União da Indústria de Cana-de-Açúcar O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura produtiva: 430 unidades produtoras

Leia mais

Capítulo 10. Aspectos Econômicos da Comercialização e Custo de Produção do Milho Verde 10.1. Introdução

Capítulo 10. Aspectos Econômicos da Comercialização e Custo de Produção do Milho Verde 10.1. Introdução Capítulo 10. Aspectos Econômicos da Comercialização e Custo de Produção do Milho Verde 10.1. Introdução O milho verde é um tipo especial de milho, como o milho doce, milho pipoca, milho ceroso, milho branco,

Leia mais

Como Ampliar a Liderança a do Brasil no Mercado Mundial de Carnes

Como Ampliar a Liderança a do Brasil no Mercado Mundial de Carnes ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNE Como Ampliar a Liderança a do Brasil no Mercado Mundial de Carnes M.V. PRATINI DE MORAES Presidente da ABIEC Cuiabá, MT, junho de 2007 Associados

Leia mais

COMPETITIVIDADE ECONÔMICA ENTRE AS CULTURAS DE MILHO SAFRINHA E DE SORGO NO ESTADO DE GOIÁS

COMPETITIVIDADE ECONÔMICA ENTRE AS CULTURAS DE MILHO SAFRINHA E DE SORGO NO ESTADO DE GOIÁS COMPETITIVIDADE ECONÔMICA ENTRE AS CULTURAS DE MILHO SAFRINHA E DE SORGO NO ESTADO DE GOIÁS Alfredo Tsunechiro 1, Maximiliano Miura 2 1. Introdução O Estado de Goiás se destaca entre as Unidades da Federação

Leia mais

A DINÂMICA DA CULTURA DA SOJA NO ESTADO DO PARANÁ: O PAPEL DA EMBRAPA ENTRE 1989 E 2002

A DINÂMICA DA CULTURA DA SOJA NO ESTADO DO PARANÁ: O PAPEL DA EMBRAPA ENTRE 1989 E 2002 A DINÂMICA DA CULTURA DA SOJA NO ESTADO DO PARANÁ: O PAPEL DA EMBRAPA ENTRE 1989 E 2002 Thiago André Guimarães No lastro das profundas transformações técnico-produtivas germinadas na agricultura brasileira,

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO: Mundial e Brasil até 2016/17

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO: Mundial e Brasil até 2016/17 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO: Mundial e Brasil até 216/17 RESUMO EXECUTIVO* APRESENTAÇÃO O documento apresenta uma visão

Leia mais

Estimativas e Projeções do PIB Paraense 2014-2020

Estimativas e Projeções do PIB Paraense 2014-2020 VII REUNIÃO DO GRUPO DE ESTUDOS E ANÁLISE CONJUNTURAL GEAC Estimativas e Projeções do PIB Paraense 20142020 Maria Glaucia P. Moreira Diretora de Estatística e de Tecnologia e Gestão da Informação FAPESPA

Leia mais

Relações de Preço Sorgo/Milho nos Estados de São Paulo, Goiás e Rio Grande do Sul, 2001-2009. Alfredo Tsunechiro e Maximiliano Miura

Relações de Preço Sorgo/Milho nos Estados de São Paulo, Goiás e Rio Grande do Sul, 2001-2009. Alfredo Tsunechiro e Maximiliano Miura Relações de Preço Sorgo/Milho nos Estados de São Paulo, Goiás e Rio Grande do Sul, 2001-2009 Alfredo Tsunechiro e Maximiliano Miura Instituto de Economia Agrícola (IEA) Caixa Postal 68.029 04047-970 São

Leia mais

ICEI Índice de Confiança do Empresário Industrial Julho/07 Interiorização da Sondagem

ICEI Índice de Confiança do Empresário Industrial Julho/07 Interiorização da Sondagem Resultado do ICEI - Índice de Confiança do Empresário Industrial - nas Regionais FIESP Projeto de de Opinião CNI (DEPAR/DEPECON) Introdução A Sondagem Industrial é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente

Leia mais

HETEROGENEIDADE REGIONAL

HETEROGENEIDADE REGIONAL HETEROGENEIDADE REGIONAL Miguel Matteo*1 Uma das faces da heterogeneidade estrutural é representada pela profunda desigualdade regional brasileira. A distribuição dos setores é profundamente desigual em

Leia mais

PRODUÇÃO E MERCADO DE GRÃOS. Alfredo Tsunechiro

PRODUÇÃO E MERCADO DE GRÃOS. Alfredo Tsunechiro PRODUÇÃO E MERCADO DE GRÃOS Alfredo Tsunechiro Instituto de Economia Agrícola, Av. Miguel Stefano, 3900, CEP 04301-903, São Paulo, SP, Brasil. E-mail: alftsu@iea.sp.gov.br Tem-se tornado rotina o uso da

Leia mais

O CONSUMO DE ÓLEO DE SOJA NO BRASIL

O CONSUMO DE ÓLEO DE SOJA NO BRASIL O CONSUMO DE ÓLEO DE SOJA NO BRASIL Alzirene de Vasconcelos Milhomem 1 1 INTRODUÇÃO A Pesquisa de Orçamento Familares (POF) do IBGE (Instituto de Geografia e Estatística) de 2002/2003 avaliou os padrões

Leia mais

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL O FENÔMENO DOS CARROS FLEX E OS NOVOS USOS DO ETANOL 2 MERCADO AUTOMOTIVO BRASILEIRO Vendas de automóveis e comerciais leves por tipo de

Leia mais

Brasília, 27 de julho de Nota: Projeções de longo prazo para a agricultura

Brasília, 27 de julho de Nota: Projeções de longo prazo para a agricultura Brasília, 27 de julho de 2017. Nota: Projeções de longo prazo para a agricultura Introdução José Garcia Gasques (MAPA) Geraldo da Silva e Souza (EMBRAPA) Eliana Teles Bastos (MAPA) Eliane Gonçalves Gomes

Leia mais

BRASIL PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 2016/2017 a 2026/2027 (VERSÃO PRELIMINAR)

BRASIL PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 2016/2017 a 2026/2027 (VERSÃO PRELIMINAR) MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA BRASIL PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 2016/2017 a 2026/2027 (VERSÃO PRELIMINAR) Brasília, julho de 2017. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 CENÁRIO INTERNACIONAL VARIAÇÃO ANUAL DO PIB REAL E DO VOLUME DE COMÉRCIO DE MERCADORIAS POR REGIÃO - 2011-2013 (%) (%) (%) CRESCIMENTO DO VOLUME DE IMPORTAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ÍNDICE PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO...

Leia mais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais 1 São Paulo, 03 de novembro de 2011 Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais NOTA À IMPRENSA Ao contrário do que ocorreu em setembro, quando 09 cidades registraram queda no preço dos gêneros

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2007/08 S O J A

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2007/08 S O J A ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2007/08 S O J A Elaboração: Eng. Agr. Otmar Hubner Data: setembro de

Leia mais

Agronegócio e Banco do Brasil: Balanço e Perspectivas

Agronegócio e Banco do Brasil: Balanço e Perspectivas Agronegócio e Banco do Brasil: Balanço e Perspectivas 1 Agenda Agronegócio: Histórico de desafios Medidas Governamentais e seus impactos O agronegócio no Banco do Brasil Perspectivas para o setor 2 O histórico

Leia mais

SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO

SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO CONJUNTURA BIMESTRAL: JULHO e AGOSTO/15 ANO 1. Nº 2 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre a safra brasileira

Leia mais

Preços Agropecuários: alta de 2,99% em fevereiro de 2014

Preços Agropecuários: alta de 2,99% em fevereiro de 2014 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Preços Agropecuários: alta de 2,99% em fevereiro de 2014 O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR) 1, 2 (que mede

Leia mais

Aumento do emprego contrasta com desindustrialização em SP e RJ

Aumento do emprego contrasta com desindustrialização em SP e RJ 3 set 2007 Nº 35 Aumento do emprego contrasta com desindustrialização em SP e RJ Por Antonio Marcos Ambrozio Economista da SAE Vagas na indústria de transformação foram deslocadas para outras regiões do

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2015/16 a 2025/26 Projeções de Longo Prazo Resumo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Política

Leia mais

Boletim nº VIII, Agosto de 2012 Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná Ocepar, Curitiba. agroexportações

Boletim nº VIII, Agosto de 2012 Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná Ocepar, Curitiba. agroexportações agroexportações EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS DO PARANÁ De Janeiro a Julho de 2012 Contexto Nacional Cooperativas do Paraná 1,15 bilhão de dólares em exportações 36% das exportações brasileiras de cooperativas

Leia mais

2 Caracterização da oferta de açúcar produzida no Brasil

2 Caracterização da oferta de açúcar produzida no Brasil 2 Caracterização da oferta de açúcar produzida no Brasil A agroindústria açucareira tem passado por dois distintos momentos na década de 90. O primeiro marcado pela extinção do Instituto do Açúcar e do

Leia mais

COMENTÁRIOS. A produção industrial em julho apresentou crescimento de 0,6% frente ao

COMENTÁRIOS. A produção industrial em julho apresentou crescimento de 0,6% frente ao COMENTÁRIOS A produção industrial em julho apresentou crescimento de 0,6% frente ao mês anterior, descontadas as influências sazonais. No confronto com julho de 2005 o aumento ficou em 3,2%. Assim, o setor

Leia mais

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP.

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados FEVEREIRO - 216 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. A Consultoria Técnica Especializada da Câmara Municipal de Limeira apresenta os dados do

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank. Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar

QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank. Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 2011 O que aconteceu com a oferta

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

Introdução. Mercado Externo

Introdução. Mercado Externo Introdução Trata-se de importante leguminosa alimentícia para o consumo humano direto, com mais de 23 milhões de hectares cultivados em boa parte do planeta, representando uma rica fonte de proteína, ferro

Leia mais

Retropolação. Tabela 1 - Participação (%) e taxa acumulada (1995-2007) do PIB a preços de mercado, segundo unidades da federação

Retropolação. Tabela 1 - Participação (%) e taxa acumulada (1995-2007) do PIB a preços de mercado, segundo unidades da federação Retropolação O IBGE divulga a retropolação das Contas Regionais do Brasil até 1995, que se junta a divulgação do ano de 2007, assim sendo fica disponível uma série de 1995 a 2007. Os resultados retropolados

Leia mais

Visão. O efeito China sobre as importações brasileiras. do Desenvolvimento. nº 89 20 dez 2010

Visão. O efeito China sobre as importações brasileiras. do Desenvolvimento. nº 89 20 dez 2010 Visão do Desenvolvimento nº 89 20 dez 2010 O efeito China sobre as importações brasileiras Por Fernando Puga e Marcelo Nascimento Economistas da APE País asiático vende cada vez mais produtos intensivos

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Primeiro Levantamento Abril/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

ECONOMIA ALAGOANA CRESCE 5% EM 2012 CONFORME SEPLANDE E IBGE. Tabela 01- Variação Real do PIB de Alagoas 2008-2012 (%)

ECONOMIA ALAGOANA CRESCE 5% EM 2012 CONFORME SEPLANDE E IBGE. Tabela 01- Variação Real do PIB de Alagoas 2008-2012 (%) ECONOMIA ALAGOANA CRESCE 5% EM 2012 CONFORME SEPLANDE E IBGE Superintendência da Produção e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estudos e Pesquisas A variação real do Produto Interno Bruto (PIB) indica

Leia mais

Perspectivas de la industria

Perspectivas de la industria Perspectivas de la industria i Brasil a mediano y largo plazo Fabio Trigueirinho Secretário Geral ABIOVE - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Rosario Argentina 14 de Setembro de 2011

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO OPORTUNIDADES E DESAFIOS LOGÍSTICOS ABRIL DE 2009 BRASIL - Em mil toneladas - EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO FLORESTAL 1997 2006 variações Celulose l e Papel 3.834 8.232 114,70% Madeira

Leia mais

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DEVE AUMENTAR 2,99% EM 2018

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DEVE AUMENTAR 2,99% EM 2018 VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DEVE AUMENTAR 2,99% EM 2018 Destaques 1) Produção brasileira de grãos está estimada em 228,3 milhões de toneladas para a safra 2017/2018, redução de 3,9% em relação

Leia mais

Brecha Produtiva Internacional e Heterogeneidade Estrutural na Agricultura Brasileira

Brecha Produtiva Internacional e Heterogeneidade Estrutural na Agricultura Brasileira Brecha Produtiva Internacional e Heterogeneidade Estrutural na Agricultura Brasileira José Eustáquio Ribeiro Vieira Filho* 1 INTRODUÇÃO A agricultura brasileira passou por fortes transformações nas últimas

Leia mais

Embargo Russo: é necessário cautela para o mercado de carnes e leite

Embargo Russo: é necessário cautela para o mercado de carnes e leite Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 v. 9, n. 9, setembro 2014 Embargo Russo: é necessário cautela para o mercado de carnes e leite A Rússia proibiu as importações, pelo período de um ano,

Leia mais

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de São Paulo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 I) INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE

Leia mais

BRASIL. Comércio Exterior. ( Janeiro de 2016 )

BRASIL. Comércio Exterior. ( Janeiro de 2016 ) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior ( Janeiro de 2016 ) Fevereiro de 2016

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA CENTRO EDUCACIONAL SIGMA 4ºAno 1.4 GEOGRAFIA 3º período 1º de outubro de 2015 Cuide da organização da sua avaliação. Escreva de forma legível. Fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Maio de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Maio de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

AFINAL, QUAL É A PRODUTIVIDADE DO REBANHO LEITEIRO?

AFINAL, QUAL É A PRODUTIVIDADE DO REBANHO LEITEIRO? AFINAL, QUAL É A PRODUTIVIDADE DO REBANHO LEITEIRO? Sebastião Teixeira Gomes 1 A maior abertura do Brasil para o mercado internacional ampliou a concorrência, exigindo maior produtividade e melhor qualidade

Leia mais

MERCADO DE ALIMENTOS E BEBIDAS UNIÃO EUROPEIA E CHINA

MERCADO DE ALIMENTOS E BEBIDAS UNIÃO EUROPEIA E CHINA MERCADO DE ALIMENTOS E BEBIDAS UNIÃO EUROPEIA E CHINA INFORMAÇÕES PARA A FEIRA SIAL 2016 PARIS (FRANÇA) INTRODUÇÃO A SIAL (Salon International de l'alimentation) é considerada a maior feira de alimentos

Leia mais

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica.

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. Marcos Paulo Novais Silva José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho analisa a pesquisa Contas Satélite de Saúde 2005-2007, divulgada

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Outubro 2015

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Outubro 2015 >> Exportações de produtos industriais 1 Período Quadro evolutivo - Exportação de Mato Grosso do Sul (2011 a 2015) Industrial Total Receita (US$ Milhão) Participação (%) sobre a Receita total Variação

Leia mais

PALESTRAS Scot Consultoria

PALESTRAS Scot Consultoria PALESTRAS Scot Consultoria ÍNDICE PALESTRAS SCOT CONSULTORIA As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você TEMAS 3 PECUÁRIA DE CORTE E SEUS DERIVADOS TEMAS 5 PECUÁRIA DE LEITE E DERIVADOS

Leia mais

Tabela 1 - Preço médio da Soja em MS - Período: 02/06 á 06/06 junho de 2014 - Em R$ por saca de 60Kg. Praça 02/jun 03/jun 04/jun 05/jun 06/jun Var.

Tabela 1 - Preço médio da Soja em MS - Período: 02/06 á 06/06 junho de 2014 - Em R$ por saca de 60Kg. Praça 02/jun 03/jun 04/jun 05/jun 06/jun Var. SOJA» MERCADO INTERNO O preço da saca de 6 Kg de soja em grãos experimentou recuo na primeira semana de junho. A cotação média no dia 6/Jun foi de R$ 62,6, valor este 3,12% inferior ao verificado em 2/Jun.

Leia mais

INFORMAÇÕES DISPONÍVES PARA O SEGURO RURAL NO BRASIL

INFORMAÇÕES DISPONÍVES PARA O SEGURO RURAL NO BRASIL Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária INFORMAÇÕES DISPONÍVES PARA O SEGURO RURAL NO BRASIL FLÁVIO PINTO BOLLIGER e JULIO CESAR PERRUSO ELENCO DE PESQUISAS SOBRE AGROPECUÁRIA NO IBGE COORDENAÇÃO

Leia mais

Cana para produzir energia entrosamento do setor é chave para competitividade

Cana para produzir energia entrosamento do setor é chave para competitividade Socicana Cana para produzir energia entrosamento do setor é chave para competitividade Especialista analisa mercados e alerta para escalada dos preços da energia. A Socicana realizou no dia 2 de junho,

Leia mais

Projeções do agronegócio no Brasil e no mundo

Projeções do agronegócio no Brasil e no mundo Projeções do agronegócio no Brasil e no mundo Elisio Contini 1 José Garcia Gasques 2 Renato Barros de Aguiar Leonardi 3 Eliana Teles Bastos 4 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar as projeções

Leia mais

PERSISTÊNCIA DO PODER POLÍTICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: O CASO DA TRANSIÇÃO DE REGIME NO BRASIL

PERSISTÊNCIA DO PODER POLÍTICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: O CASO DA TRANSIÇÃO DE REGIME NO BRASIL PERSISTÊNCIA DO PODER POLÍTICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: O CASO DA TRANSIÇÃO DE REGIME NO BRASIL Aluno: Rafael Campos de Mattos Orientador: Claudio Ferraz Introdução Nas últimas décadas, observou-se

Leia mais

Departamento de Economia, Planejamento e Estatística (DECON)

Departamento de Economia, Planejamento e Estatística (DECON) Departamento de Economia, Planejamento e Estatística (DECON) O Departamento de Economia e Estatística da ABIA desenvolve análises e pesquisas do interesse das Indústrias da Alimentação (alimentos e bebidas),

Leia mais

Alimentos sobem em outubro

Alimentos sobem em outubro 1 São Paulo, 6 de novembro de 2008. NOTA À IMPRENSA Alimentos sobem em outubro Após dois meses com preços em queda, os gêneros alimentícios essenciais voltaram a apresentar predomínio de alta em outubro,

Leia mais

A Questão. UNICAMP-IE Mariana Correa Olivia Polli Thiago Tonus. Agrária

A Questão. UNICAMP-IE Mariana Correa Olivia Polli Thiago Tonus. Agrária A Questão UNICAMP-IE Mariana Correa Olivia Polli Thiago Tonus Agrária Agenda Panorama Dados e Informações Aspectos Econômicos Aspectos Sociais Aspectos Políticos Futuro... Histórico 1500-1850 Capitanias

Leia mais

CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO

CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO BOLETIM Novembro 2015 CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO Mês de Referência: 11/2015 Mês de Divulgação: 12/2015 Profa. Dra. Michelle da Silva Borges Karen Brina Borges de Deus; Luciene Maria Borges

Leia mais

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação 33 A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Quase 5 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 7 e 14 anos (18,8% da população da região) vivem no Semi-árido. No Brasil,

Leia mais

Custo da cesta básica tem forte alta na maioria das capitais em 2010

Custo da cesta básica tem forte alta na maioria das capitais em 2010 1 São Paulo, 11 de janeiro de 2011. NOTA À IMPRENSA Custo da cesta básica tem forte alta na maioria das capitais em 2010 Catorze, das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística

Leia mais

Resultados de março 2015

Resultados de março 2015 Resultados de março Em março de, as MPEs paulistas apresentaram queda de 4,8% no faturamento real sobre março de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 2007

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 2007 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO MUNDO E BRASIL 26/7 a 217/18 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 27 1 SISTEMA AGROINDUSTRIAL AMBIENTE INSTITUCIONAL

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CARNE DE CAVALO, NO PERÍODO DE 1996 A 2004

CARACTERÍSTICAS DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CARNE DE CAVALO, NO PERÍODO DE 1996 A 2004 CARACTERÍSTICAS DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CARNE DE CAVALO, NO PERÍODO DE 1996 A 2004 HELOÍSA MARIA DE PEREIRA ORSOLINI Graduanda em Ciências Econômicas CPF: 220.964.408-90 Departamento de Economia,

Leia mais

no Estado do Rio de Janeiro

no Estado do Rio de Janeiro MICROEMPREENDEDORES FORMAIS E INFORMAIS NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 PANORAMA GERAL De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

Comportamento do custo da Cesta Básica se diferencia nas capitais do Brasil

Comportamento do custo da Cesta Básica se diferencia nas capitais do Brasil 1 São Paulo, 11 de abril de 2016. NOTA À IMPRENSA Comportamento do custo da Cesta Básica se diferencia nas capitais do Brasil Em março de 2016, houve aumento no custo do conjunto de alimentos básicos em

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. No quadro seguinte estão representadas as quantidades oferecidas e procuradas do bem A e as quantidades procuradas dos bens B e C, para

Leia mais

Expansão do complexo sucroalcooleiro e suas implicações distributivas para o Brasil

Expansão do complexo sucroalcooleiro e suas implicações distributivas para o Brasil ECONOMIA E TECNOLOGIA Expansão do complexo sucroalcooleiro e suas implicações distributivas para o Brasil Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho RESUMO A forte expansão projetada na produção, consumo e

Leia mais

Informativo sobre a Estiagem no Nordeste - nº 12 03/08/2012

Informativo sobre a Estiagem no Nordeste - nº 12 03/08/2012 Informativo sobre a Estiagem no Nordeste - nº 12 03/08/2012 1. Região Nordeste Breve Panorama Econômico do Semi-árido Segundo estudo do ETENE/BNB, com base em dados do IBGE e do Ministério da Integração

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Julho/2015 I Resultados do mês (comparativo Julho/2015 Julho/2014)

Leia mais

PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS

PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS Brasília (DF), 30 de novembro de 2006. Tendência Crescente de Produção e Volume de

Leia mais

Síntese do panorama da economia brasileira 3

Síntese do panorama da economia brasileira 3 Síntese do panorama da economia brasileira 3 O - PIB, no ano de 2012, acumulou crescimento de 1,0% em relação ao ano anterior. Em 2011, o crescimento acumulado no ano havia sido de 2,7%. Em função desse

Leia mais

4 O mercado da soja. 4.1. Um breve histórico da soja

4 O mercado da soja. 4.1. Um breve histórico da soja 4 O mercado da soja O complexo da soja hoje é compreendido por três tipos de produto: grão, farelo e óleo. A proteína de soja é base de muitos produtos comestíveis, além de diversos outros usos como alimentação

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA

COLETIVA DE IMPRENSA COLETIVA DE IMPRENSA São Paulo, 20 de dezembro de 2012 ROTEIRO I. Oferta de cana-de-açúcar na região Centro-Sul: condições agrícolas e climáticas II. Moagem e produção de açúcar e etanol na região Centro-Sul

Leia mais

AEB: PREVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2013

AEB: PREVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2013 Rio de Janeiro, 18 de dezembro de 2012 AEB: PREVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2013 A previsão dos resultados da Balança Comercial é tradicionalmente divulgada pela AEB em dezembro considerando as expectativas

Leia mais

Potencialidade da Mamona como Fonte de Produção do Biodiesel. Grupo de Pesquisa: Comercialização, Mercados e Preços

Potencialidade da Mamona como Fonte de Produção do Biodiesel. Grupo de Pesquisa: Comercialização, Mercados e Preços POTENCIALIDADE DA MAMONA COMO FONTE DE PRODUÇÃO DO BIODIESEL NAGILANE PARENTE DAMASCENO; AHMAD SAEED KHAN; LEILA MARIA MOREIRA ALVES; UFC FORTALEZA - CE - BRASIL nagilaneparente@yahoo.com.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

DESACELERAÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA REFLETE EM BAIXA NAS CADEIAS DO AGRONEGÓCIO Equipe Macroeconomia Cepea 1

DESACELERAÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA REFLETE EM BAIXA NAS CADEIAS DO AGRONEGÓCIO Equipe Macroeconomia Cepea 1 Esclarecimento Metodológico: Este relatório considera os dados disponíveis até o seu fechamento. Em edições futuras, ao serem agregadas informações mais atualizadas, pode, portanto, haver alteração dos

Leia mais

OS FENOMENOS METEREOLOGICOS E O IMPACTO NA ATIVIDADE ECONOMICA RESUMO

OS FENOMENOS METEREOLOGICOS E O IMPACTO NA ATIVIDADE ECONOMICA RESUMO OS FENOMENOS METEREOLOGICOS E O IMPACTO NA ATIVIDADE ECONOMICA Autor: AGUILAR, Vladimir Antunes i Co-Autor: GOMES, Ezequiel ii RESUMO A pergunta básica que permeia este trabalho é: Dadas às projeções das

Leia mais