Fundamentos. Módulo 6: Sincronização de Processos. Bounded-Buffer (Cont.) Bounded-Buffer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos. Módulo 6: Sincronização de Processos. Bounded-Buffer (Cont.) Bounded-Buffer"

Transcrição

1 Módulo 6: Sincronização de Processos Fundamentos Fundamentos O problema das regiões críticas Hardware de Sincronização Semáforos Problemas Clássicos de Sincronização Regiões Críticas Monitores Sincronização no Solaris 2 Transações Atômicas Acesso concorrente a dados compartilhados pode resultar em inconsistências. Manter a consistência de dados requer a utilização de mecanismos para garantir a execução ordenada de processos cooperantes. Soluções de memória compartilhada com área de armazenamento limitada (bounded-buffer capítulo 4) permite no máximo n 1 itens no buffer ao mesmo tempo. Uma solução, na qual N buffers são utilizados não é simples. Suponha que sejam feitas modificações no código do produtor-consumidor adicionando uma variável counter, inicializada em 0 e incrementada cada vez que um novo item é adicionado ao buffer Bounded-Buffer Bounded-Buffer (Cont.) Dados compartilhados type item = ; var buffer array [0..n-1] of item; in, out: 0..n-1; counter: 0..n; in, out, counter := 0; Processo Produtor produz um item em nextp while counter = n do no-op; buffer [in] := nextp; in := in + 1 mod n; counter := counter +1; Processo consumidor while counter = 0 do no-op; nextc := buffer [out]; out := out + 1 mod n; counter := counter 1; consume um item em nextc Os comandos: counter := counter + 1; counter := counter - 1; Devem ser executados atomicamente

2 O Problema das Regiões Críticas n processos todos competindo para utilização dos mesmos dados compartilhados Cada processo tem um segmento de código, chamado região crítica, no qual os dados compartilhados são acessados. Problema garantir que quando um processo está executando sua nenhum outro processo tem permissão de executar a mesma região. Estrutura do Processo P i código de entrada código de saída Solução para o Problema da Região Crítica 1. Exclusão Mútua. Se um processo Pi está executando sua, então nenhuma de outro processo pode estar sendo executada. 2. Progresso. Se nenhuma está sendo executada e existem processos em espera para entrar em suas regiões críticas, apenas esses processos podem ser selecionados para entrar em suas regiões críticas e essa seleção não pode ser adiada indefinidamente. 3. Espera Limitada. Existe um limite para o número de vezes que outros processos são selecionados para entrar em suas regiões críticas, depois que um processo fez uma requisição para entrar em sua região, e antes que essa requisição seja atendida. 1. É assumido que cada processo executa em uma velocidade diferente de zero 2. Nenhuma hipótese é feita referente à velocidade relativa de execução dos n processos Tentativas Iniciais de Resolver o Problema Algoritmo 1 Somente 2 processos, P 0 e P 1 Estrutura Geral do processo P i (outro processo P j ) código de entrada código de saída Processos podem compartilhar algumas variáveis comuns para sincronizar suas ações. Variáveis compartilhadas: var turn: (0..1); inicialmente turn = 0 turn - i P i pode entrar na sua Processo P i while turn i do no-op; turn := j; Satisfaz exclusão mútua, mas não progresso

3 Algoritmo 2 Variáveis compartilhadas: var flag: array [0..1] of boolean; inicialmente flag [0] = flag [1] = false. flag [i] = true P i pronto para entrar na Processo P i flag[i] := true; while flag[j] do no-op; flag [i] := false; Satisfaz exclusão mútua, mas não progresso. Algoritmo 3 Combinar variáveis compartilhadas dos algoritmos 1 e 2. Processo P i flag [i] := true; turn := j; while (flag [j] and turn = j) do no-op; flag [i] := false; Atende os três requisitos; resolve o problema de seção crítica para dois processos Algoritmo para Diversos Processos Algoritmo para Diversos Processos (Cont.) Antes de entrar na sua, processos recebem um número. Quem possuir o menor número entra primeiro. Se processos P i e P j recebem o mesmo número, se i < j, então P i é atendido primeiro; senão P j é atendido primeiro. O esquema de numeração sempre gera números em ordem crescente; ex.: 1,2,3,3,3,3,4,5... Conhecido também como algoritmo de agências bancárias (bakery algorithm) Notação < ordem lexográfica (número do ticket, número do proc.) (a,b) < (c,d) se a < c ou se a = c e b < d max (a 0,, a n-1 ) é um número k, tal que k a i, para i = 0,, n 1 Dados compartilhados var choosing: array [0..n 1] of boolean; number: array [0..n 1] of integer, Estruturas de dados são inicializadas em false e 0 respectivamente

4 Algoritmo para Diversos Processos (Cont.) Hardware de Sincronização choosing[i] := true; number[i] := max(number[0], number[1],, number [n 1])+1; choosing[i] := false; for j := 0 to n 1 do begin while choosing[j] do no-op; while number[j] 0 and (number[j],j) < (number[i], i) do no-op; number[i] := 0; Testar e modificar o conteúdo de uma área de memória atomicamente. function Test-and-Set (var target: boolean): boolean; begin Test-and-Set := target; target := true; Exclusão Mútua usando Test-and-Set Semáforos Dados Compartilhados: var lock: boolean (initially false) Processo P i while Test-and-Set (lock) do no-op; lock := false; Ferramenta de sincronização que não requer espera ocupada (busy waiting). Semáforo S variável inteira Somente pode ser acessada via duas operações indivisíveis (atômicas) wait (S): while S 0 do no-op; S := S 1; signal (S): S := S + 1;

5 Exemplo: Seção Crítica com n Processos Implementação de Semáforos Variáveis compartilhadas var mutex : semaphore initially mutex = 1 Processo P i signal(mutex); Definição de semáforo é feita através de um registro type semaphore = record value: integer L: list of process; São assumidas duas operações simples: block: suspende o processo que a evoca. wakeup(p): restaura a execução de um processo bloqueado P Implementação (Cont.) Operações sobre semáforos podem ser definidas como: wait(s): S.value := S.value 1; if S.value < 0 then begin signal(s): S.value := S.value = 1; if S.value 0 then begin adiciona este processo a S.L; block; remove o processo P de S.L; wakeup(p); Semáforos Empregados para Sincronização Execute B em P j somente após A executar em P i Use semáforo flag inicializado em 0 Código: P i A signal(flag) P j wait(flag) B

6 Deadlock (Impasse) e Starvation (Abandono) Dois tipos de Semáforos Deadlock dois ou mais processos estão esperando indefinidamente por um evento que pode ser causado somente por um dos processos esperando o evento. Seja S e Q dois semáforos inicializados em 1 P 0 P 1 wait(s); wait(q); wait(q); wait(s); Semáforo Contador valor nele armazenado pode ser qualquer número inteiro. Semáforo Binário valor nele armazenado pode variar entre 0 e 1; pode ser implementado mais simplesmente. É possível implementar um semáforo contador S como um semáforo binário. signal(s); signal(q); signal(q) signal(s); Starvation bloqueio indefinido. Um processo pode nunca ser removido da fila do semáforo em que está suspensa devido a um mecanismo de seleção injusta Implementando S como um Semáforo Binário Implementando S (Cont.) Estruturas de dados: Inicialização: var S1: binary-semaphore; S2: binary-semaphore; S3: binary-semaphore; C: integer; S1 = S3 = 1 S2 = 0 C = valor inicial do semáforo S operação wait operação signal wait(s3); wait(s1); C := C 1; if C < 0 then begin signal(s1); wait(s2); end else signal(s1); signal(s3); wait(s1); C := C + 1; if C 0 then signal(s2); signal(s)1;

7 Problemas Clássicos de Sincronização Problema Bounded-Buffer Problema do Buffer de tamanho limitado (Bounded-Buffer) Problema dos Leitores e Escritores Problema dos Filósofos Dados compartilhados type item = var buffer = full, empty, mutex: semaphore; nextp, nextc: item; full :=0; empty := n; mutex :=1; Problema Bounded-Buffer (Cont.) Problema Bounded-Buffer (Cont.) Processo produtor produz um item em nextp wait(empty); signal(mutex); signal(full); Processo consumidor wait(full) remove um item de buffer para nextc signal(mutex); signal(empty); consome o item em nextc

8 Problema dos Leitores e Escritores Problema dos Leitores e Escritores(Cont.) Dados compartilhados var mutex, wrt: semaphore (=1); readcount : integer (=0); Processo Escritor wait(wrt); realização da escrita signal(wrt); Processo Leitor readcount := readcount +1; if readcount = 1 then wait(wrt); signal(mutex); realização da leitura readcount := readcount 1; if readcount = 0 then signal(wrt); signal(mutex): Problema dos Filósofos Problema dos Filósofos (Cont.) Dados compartilhados var chopstick: array [0..4] of semaphore; (=1 initially) Filósofo i: wait(chopstick[i]) wait(chopstick[i+1 mod 5]) comendo signal(chopstick[i]); signal(chopstick[i+1 mod 5]); pensando

9 Regiões Críticas Regiões Críticas (Cont.) Construção para sincronização em alto nível Uma variável compartilhada v do tipo T, é declarada como: var v: shared T Variável v é acessada somente através do comando region v when B do S onde B é uma expressão Booleana. Enquanto o comando S está sendo executado, nenhum outro processo pode acessar a variável v. Regiões que referem a mesma variável compartilhada excluem umas as outras no tempo. Quando um processo tenta executar o comando region, a expressão Booleana B é avaliada. Se B é true, comando S é executado. Se é falso, o processo é atrasado até B tornar-se true e nenhum outro processo estiver na região associada com v Exemplo Bounded Buffer Bounded Buffer (Cont.) Variáveis compartilhadas: var buffer: shared record pool: array [0..n 1] of item; count,in,out: integer Processo produtor insere nextp no buffer compartilhado region buffer when count < n do begin pool[in] := nextp; in:= in+1 mod n; count := count + 1; Processo consumidor remove um item do buffer compartilhado e põem em nextc region buffer when count > 0 do begin nextc := pool[out]; out := out+1 mod n; count := count 1;

10 Implementação: region x when B do S Implementação (Cont.) Associa com a variável compartilhada x, as seguintes variáveis: var mutex, first-delay, second-delay: semaphore; first-count, second-count: integer, Acesso mutuamente exclusivo à é possibilitado pela variável mutex. Se um processo não pode entrar na por causa da expressão booleana B, ele inicialmente espera no semáforo firstdelay (primeira espera); ele então é movido para o semáforo second-delay (segunda espera) antes de poder reavaliar B. Manter controle do número de processos esperando nos semáforos first-delay e second-delay, com variáveis first-count e second-count respectivamente. O algoritmo assume uma ordenação FIFO na fila de processos esperando por um semáforo. Para uma disciplina arbitrária de fila, uma implementação mais complicada é necessária while not B do begin first-count := first-count + 1; if second-count > 0 then signal(second-delay) else signal(mutex); wait(first-delay): first-count := first-count 1; if first-count > 0 then signal(first-delay) else signal(second-delay); wait(second-delay); second-count := second-count 1; S; if first-count >0 then signal(first-delay); else if second-count >0 then signal(second-delay); else signal(mutex); Monitores Construção de sincronização de alto nível que permite o compartilhamento seguro de um tipo de dados abstrato entre processos concorrentes. type monitor-name = monitor declarações de variáveis procedure entry P1 :(); begin procedure entry P2(); begin procedure entry Pn (); begin begin código de inicialização end

11 Monitores (Cont.) Visão Esquemática de um Monitor Para permitir que um processo espere no monitor, uma variável condicional deve ser declarada, como var x, y: condition Variáveis condicionais somente podem ser usadas com as operações wait e signal. A operação x.wait; indica que o processo que chama esta operação está suspenso até outro processo chamar x.signal; A operação x.signal restaura exatamente um processo suspenso. Se nenhum processo está suspenso, a operação signal não possui efeito Monitor com Variáveis Condicionais Exemplo dos Filósofos type dining-philosophers = monitor var state : array [0..4] of :(thinking, hungry, eating); var self : array [0..4] of condition; procedure entry pickup (i: 0..4); begin state[i] := hungry, test (i); if state[i] eating then self[i], wait, procedure entry putdown (i: 0..4); begin state[i] := thinking; test (i+4 mod 5); test (i+1 mod 5);

12 Exemplo dos Filósofos (Cont.) procedure test(k: 0..4); begin if state[k+4 mod 5] eating and state[k] = hungry and state[k+1 mod 5] ] eating then begin state[k] := eating; self[k].signal; begin for i := 0 to 4 end. do state[i] := thinking; Implementação de Monitor com Semáforos Variáveis var mutex: semaphore (init = 1) next: semaphore (init = 0) next-count: integer (init = 0) Cada procedimento externo F será substituído por corpo de F; if next-count > 0 then signal(next) else signal(mutex); Exclusão mútua dentro do monitor é garantida Implementação de Monitor (Cont.) Implementação de Monitor (Cont.) Para cada variável condicional x, tem-se: var x-sem: semaphore (init = 0) x-count: integer (init = 0) A operação x.wait pode ser implementada como: x-count := x-count + 1; if next-count >0 then signal(next) else signal(mutex); wait(x-sem); x-count := x-count 1; A operação x.signal pode ser implementada como: if x-count > 0 then begin next-count := next-count + 1; signal(x-sem); wait(next); next-count := next-count 1;

13 Implementação de Monitor (Cont.) Sistema Operacional Solaris 2 Construção da espera condicional: x.wait(c); c expressão inteira avaliada quando a operação wait é executada. Valor de c (número de prioridade) é armazenado com o nome do processo que está suspenso. Quando x.signal é executado, o processo com o menor número de prioridade associada é executado. Verificar duas condições para estabelecer o correto funcionamento do sistema: Processos usuários devem sempre realizar suas chamadas em uma seqüência correta. Deve garantir que um processo não cooperativo não ignore o protocolo de acesso ao recurso pelo monitor e tente usar diretamente o recurso compartilhado. Implementa uma variedade de mecanismos de sincronização para suportar multitarefa, múltiplos fluxos de execução (incluindo threads em tempo real), e multiprocessamento. Usa semáforos adaptáveis para eficiência quando protegendo dados de pequenos segmentos de códigos. Usa variáveis condicionais e semáforos leitores e escritores quando seções maiores de código necessitam acessar os dados

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 11 Sincronização de Processos Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Capítulo 6: Sincronização de Processos

Capítulo 6: Sincronização de Processos Capítulo 6: Sincronização de Processos Sobre a apresentação (About the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin e Gagne em 2005. Esse apresentação foi modificada

Leia mais

Sincronização de Processos (4) Monitores

Sincronização de Processos (4) Monitores Sincronização de Processos (4) Monitores Monitores (1) Sugeridos por Dijkstra (1971) e desenvolvidos por Hoare (1974) e Brinch Hansen (1975), são estruturas de sincronização de alto nível, que têm por

Leia mais

Programação Concorrente

Programação Concorrente Programação Concorrente Monitores e Troca de Mensagens Monitores Considere que, no projeto da solução do produtor-consumidor com semáforos, os 2 downs tenham sido trocados Se o buffer estiver cheio deadlock

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Objetivos Introduzir o problema da seção crítica, cujas soluções podem ser usadas

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução Processo cooperativo é aquele que pode afetar outros processos em execução no sistema Ou ser por eles afetado Processos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Técnicas de Implementação de Exclusão Mútua. Aula VI Prof. Rosemary Silveira

Sistemas Operacionais. Técnicas de Implementação de Exclusão Mútua. Aula VI Prof. Rosemary Silveira Sistemas Operacionais Técnicas de Implementação de Exclusão Mútua Aula VI Prof. Rosemary Silveira Tópicos de Apresentação Condições de Corrida Técnicas de Implementação de Exclusão Mútua Condições de Corrida

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SINCRONIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 07, PÁGINA 101 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional sistemas multiprogramáveis Os sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Sistemas Operacionais Sincronização e Comunicação entre Processos

Sistemas Operacionais Sincronização e Comunicação entre Processos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Sincronização e Comunicação entre Processos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com

Leia mais

9 - Sincronização e Comunicação entre Processos

9 - Sincronização e Comunicação entre Processos 1 9 - Sincronização e Comunicação entre Processos 91 Introdução Em um sistema multitarefa, seja com um único processador ou com mais de um processador ou ainda com vários núcleos por processador, os processos

Leia mais

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo Módulo 4: Processos Conceito de Processo Conceito de Processo Escalonamento de Processos Operações com Processos Processos Cooperativos Comunicação entre Processos Um sistema operacional executa uma variedade

Leia mais

Sistemas Operacionais. Capítulo 7 Sincronização e Comunicação entre Processos

Sistemas Operacionais. Capítulo 7 Sincronização e Comunicação entre Processos Sistemas Operacionais Capítulo 7 Sincronização e Comunicação entre Processos Baseado no Livro e Material de Apoio de Arquitetura de Sistemas Operacionais 3ª edição - LTC - 2004 Francis Berenger Machado

Leia mais

Revisão Ultima aula [1/2]

Revisão Ultima aula [1/2] SOP - TADS Comunicação Interprocessos - 2 IPC Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Revisão Ultima aula

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos e Threads Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que são Processos? Uma abstração de um programa em execução. Mantêm a capacidade de operações (pseudo)concorrentes,

Leia mais

Sincronização de Processos (1) Mecanismos de busy wait

Sincronização de Processos (1) Mecanismos de busy wait Sincronização de Processos (1) Mecanismos de busy wait Condições de Corrida Exemplo: Fila de impressão. Qualquer processo que queira imprimir precisa colocar o seu documento na fila de impressão (compartilhada).

Leia mais

Monitores. Conceito Sistemas Operacionais II

Monitores. Conceito Sistemas Operacionais II Monitores Conceito Sistemas Operacionais II Monitores Autores Daniel Artur Seelig Fábio Lutz Local Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Sistemas Operacionais II Professor

Leia mais

Parte 1 Processos e Threads (20%)

Parte 1 Processos e Threads (20%) INE 5645 Programação Paralela e Distribuída 2011.1 Turma 0238B Prof. Bosco Nome: BOSCO Matrícula: Parte 1 Processos e Threads (20%) 1.1 Explique, resumidamente, o que é um processo em Sistema Operacional.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Sabaris Carballo Pinto Gerencia de Processos 4.1 Introdução aos Processos Gerenciamento de Processos Processo -Definição: É uma abstração do sistema

Leia mais

Modelagem e implementação de programas concorrentes

Modelagem e implementação de programas concorrentes Modelagem e implementação de programas concorrentes Aula 10 DCC-UFMG 2010 Bibliograa Andrews + Ben Ari Da aula passada Se não posso adquirir o lock... Continuar tentando: Spinning, Busy wait (espera ocupada)

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Comunicação e Sincronismo entre processos Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO 1 Comunicação entre Processos Processos

Leia mais

BC1518-Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br

BC1518-Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br BC1518-Sistemas Operacionais Sincronização de Processos (aula 5 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Semáforos Monitores Passagem de Mensagem Exemplos em S.O.

Leia mais

Sincronização. Cooperação entre Processos

Sincronização. Cooperação entre Processos Sincronização Parte II Programação Concorrente Cooperação entre Processos Vários processos executam em conjunto uma ou mais tarefas, nas quais Competem por recursos Indicam uns aos outros a: Ausência/existência

Leia mais

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto Sincronização e Comunicação entre Processos Adão de Melo Neto 1 INTRODUÇÃO Em um sistema multitarefa os processos alternam sua execução segundo critérios de escalonamento estabelecidos pelo sistema operacional.

Leia mais

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos Módulo 4: Processos Conceito de Processo Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos 4.1 Conceito de Processo Um Sistema Operacional executa uma

Leia mais

S.O.: Conceitos Básicos

S.O.: Conceitos Básicos S.O.: Conceitos Básicos Camada de software localizada entre o hardware e os programas que executam tarefas para o usuário; Acessa os periféricos Entrada e Saída Esconde os detalhes do hardware para o programador

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC Prof. Almeida Jr Processos Conceitos Básicos Nomes Tipos Batch: jobs CPU-bound T.Sharing: Tarefas/Processos

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Gerência de Processos. Alexandre Augusto Giron

Sistemas Operacionais 2014 Gerência de Processos. Alexandre Augusto Giron Sistemas Operacionais 2014 Gerência de Processos Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Revisão Processos Escalonamento de processos Operações de processos Comunicação Cooperação Threads Escalonamento de CPU

Leia mais

Computação Concorrente (MAB-117) Monitores

Computação Concorrente (MAB-117) Monitores Computação Concorrente (MAB-117) Monitores Prof. Silvana Rossetto 1 Departamento de Ciência da Computação (DCC) Instituto de Matemática (IM) Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Maio de 2012 1.

Leia mais

MC504 - Sistemas Operacionais

MC504 - Sistemas Operacionais MC504 - Sistemas Operacionais Algoritmo da Padaria Problema dos Produtores e Consumidores Primitivas de Sincronização Islene Calciolari Garcia Primeiro Semestre de 2014 Sumário 1 Algoritmo da Padaria 2

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais AULA 09 Sincronização de Processos - II Monitores Conforme comentamos, o uso equivocado dos semáforos pode levar a uma situação de deadlock, por isso devemos tomar cuidado ao programar utilizando este

Leia mais

processo internamente dadospara serem

processo internamente dadospara serem Aula 14 Monitores Sincronização e Troca de de Processos Mensagens (5) Monitores Sugeridos Profa. Patrícia Motivação: (1974) sincronização (forçar) concorrentes. (1) por Dijkstra(1971) e desenvolvidos por

Leia mais

void echo(); { chin = getchar(); chout = chin; putchar(chout); }

void echo(); { chin = getchar(); chout = chin; putchar(chout); } Sincronização Processos (Aula de 10) Concorrência Dificuldades: Profa. Patrícia Ação Compartilhamento Gerência Localização D. Proteger Promover de alocação de recursos. globais. CostaLPRM/DI/UFES programas).

Leia mais

Sistemas Operativos: Concorrência (Parte 2)

Sistemas Operativos: Concorrência (Parte 2) Sistemas Operativos: Concorrência (Parte 2) Pedro F. Souto (pfs@fe.up.pt) March 23, 2012 Sumário Instruções read-modify-write Atómicas. Problema do Lost Wakeup Semáforos Monitores Variáveis de Condição

Leia mais

Conceito de processo como uma unidade de trabalho em um sistema moderno de tempo compartilhado. Estados de um processo.

Conceito de processo como uma unidade de trabalho em um sistema moderno de tempo compartilhado. Estados de um processo. gerenciamento de processos Objetivo Compreender a maneira como o sistema operacional controla o gerenciamento dos programas em execução por meio do gerenciamento de processos no qual cada processo representa

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

III - Processos e Threads

III - Processos e Threads III - Processos e Threads P rocesso é geralmente entendido como um programa em execução porém, na realidade, trata-se de uma estrutura mais complexa que contém, além do programa no seu formato executável,

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas slide 1 Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas Material adaptado de: TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 3ª edição. Disponível em: http://www.prenhall.com/tanenbaum_br slide

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

(Aula 17) Threads em Java

(Aula 17) Threads em Java (Aula 17) Threads em Java Difícil As Threads thread threads de emjava classificar sãogerenciadaspelajvm. podemser com user criadasdas thread ou kernel Profa. Patrícia A seguintesmaneiras: Fazendo extend

Leia mais

Problemas Clássicos de Sincronização

Problemas Clássicos de Sincronização Problemas Clássicos de Sincronização Filósofos Jantando Filósofo i: Solução Óbvia O problema dos filósofos jantando foi introduzido e solucionado por Dijkstra em 1965. Neste problema, 5 filósofos estão

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais BCC264 Sistemas Operacionais Deadlocks Prof. Charles Garrocho Deadlocks Considere os processos P1 e P2 (S=Q=1): P1: P2: wait(s); wait(q); wait(q); wait(s);...... signal(s); signal(q); signal(q); signal(s);

Leia mais

Threads em Java. Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado

Threads em Java. Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado Threads em Java Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado 1 Conceitos de Programação Concorrente Uma unidade concorrente é um componente de um programa que não exige a execução seqüencial,

Leia mais

Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br

Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br Principais problemas programação concorrente Deadlocks (impasses) Starvation (inanição) Condições de corrida Erros de consistência na

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads. 2.1 Processos 2.2 Threads 2.3 Comunicação interprocesso 2.4 Problemas clássicos de IPC 2.

Capítulo 2 Processos e Threads. 2.1 Processos 2.2 Threads 2.3 Comunicação interprocesso 2.4 Problemas clássicos de IPC 2. Capítulo 2 Processos e Threads 2.1 Processos 2.2 Threads 2.3 Comunicação interprocesso 2.4 Problemas clássicos de IPC 2.5 Escalonamento 1 Processos O Modelo de Processo Multiprogramação de quatro programas

Leia mais

Estrutura de Dados Pilha (Stack)

Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados que corresponde a uma lista sequencial com a propriedade seguinte: LIFO O primeiro elemento a entrar é o último a sair ( Last in First Out ) Operações

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Sincronização entre Processos Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Sincronização Freqüentemente, os processos precisam se comunicar com outros processos. Isto ocorre quando

Leia mais

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS 7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS Até... 7.1 Alocação Estática Alocação de Espaço em Memória Como já foi visto anteriormente, a memória de um computador compõe-se de uma sequência de palavras,

Leia mais

Capítulo 2. Processos e Threads. Processos e threads

Capítulo 2. Processos e Threads. Processos e threads Capítulo 2 Processos e Threads 1 Processos e threads 1. Processos 2. Threads 3. Comunicação inter processos (IPC) 4. Problemas clássicos de IPC 5. Escalonamento (Scheduling) 2 1 Processos: O modelo de

Leia mais

Sistemas Operativos: Deadlocks

Sistemas Operativos: Deadlocks Sistemas Operativos: Deadlocks Pedro F. Souto (pfs@fe.up.pt) March 30, 2012 Deadlocks Um deadlock é uma situação em que 2 ou mais processos ficam bloqueados indefinidamente pode ser uma race condition

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Remote Procedure Call. Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1

Remote Procedure Call. Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Remote Procedure Call Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Autoria Autores C. Geyer Local II-UFRGS Versão V11.4 2014-2 Disciplinas SOII Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Fila / Alocação Estática Pag.: 1 - UNIVERSIAE O VALE O RIO OS SINOS IÊNIAS EXATAS E TENOLÓGIAS urso: Informática / iência da omputação Programação II isciplina: Linguagem de

Leia mais

Concorrência e Paralelismo

Concorrência e Paralelismo Concorrência e Paralelismo mleal@inf.puc-rio.br 1 Programação Concorrente e Paralela Na programação sequencial todas as instruções de um programa são executadas através de uma única linha de execução Na

Leia mais

Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1

Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Autores C. Geyer Local II-UFRGS Versão v6 2008-2 Disciplinas SOII Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 2 Bibliografia base original dos

Leia mais

Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis

Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis Lista de Exercícios Data: 4 de Novembro de 2013 Questões sobre o capítulo 1, Tanenbaum & van Steen: Fundamentos 1) Explique o significado de transparência,

Leia mais

FUNCTION ) RETURNS INTEGER AS $$ DECLARE

FUNCTION ) RETURNS INTEGER AS $$ DECLARE PERFORM O comando PERFORM permite a execução de um comando SELECT desprezando o resultado do comando. PERFORM query; A variável especial FOUND é definida como verdadeiro se a instrução produzir pelo menos

Leia mais

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos.

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3 COMANDOS CONDICIONAIS E DE LAÇO Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3.1 COMANDOS CONDICIONAIS 3.1.1 Comando IF Como o próprio nome já indica, estes comandos

Leia mais

Exclusão Mútua Distribuída

Exclusão Mútua Distribuída Exclusão Mútua Distribuída Raimundo Macêdo Laboratório de Sistemas Distribuídos - LaSiD Universidade Federal da Bahia Propriedades de um programa distribuído (Lamport, 1977) Exemplo 2: sistema controlando

Leia mais

Estruturas de controle no nível de sentença

Estruturas de controle no nível de sentença Estruturas de controle no nível de sentença Linguagens de Programação Marco A L Barbosa cba Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Leia mais

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104.

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104. AULA 12 - Deadlocks Em alguns casos pode ocorrer a seguinte situação: um processo solicita um determinado recurso e este não está disponível no momento. Quando isso ocontece o processo entra para o estado

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA 3. FILA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma fila é um tipo especial de lista na qual todas as inserções são feitas sempre depois do fim e as deleções no início. Por isso também recebe

Leia mais

Sistemas Operacionais: Threads

Sistemas Operacionais: Threads Sistemas Operacionais: Threads Threads Única linha de execução x múltiplas linhas de execução Benefícios Tempo de resposta Compartilhamento de recursos Economia de recursos Desempenho em arquiteturas multiprocessadas

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Monitores. Setembro de 2009. Monitores

Monitores. Setembro de 2009. Monitores Setembro de 2009 mecanismo de sincronização clássico referência influência de conceitos de programação estruturada C. A. R. Hoare, Monitors: an operating system structuring concept, Communications of the

Leia mais

Deadlocks. Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Deadlocks. Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Dispositivos e recursos são compartilhados a todo momento: impressora, disco, arquivos,

Leia mais

Hardware e Software das TI

Hardware e Software das TI Licenciatura em Gestão de Informação / Sistemas e Tecnologias de Informação Hardware e Software das TI Prof. Victor Lobo Prof. Roberto Henriques Hardware e Software das TI Sistemas Operativos 2 Sistema

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Threads

Programação Orientada a Objetos Threads Threads Prof. Edwar Saliba Júnior Janeiro de 2013 1 Introdução Multithreading: fornece múltiplas threads de execução para a aplicação; permite que programas realizem tarefas concorrentemente; às vezes

Leia mais

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL PL/SQL Laboratório de Bases de Dados PL/SQL Program Language SQL linguagem de programação da Oracle que permite processar dados armazenados no banco de dados Exemplos de operações permitidas alterar, remover,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Python: Comandos Básicos. Claudio Esperança

Python: Comandos Básicos. Claudio Esperança Python: Comandos Básicos Claudio Esperança Primeiros passos em programação Até agora só vimos como computar algumas expressões simples Expressões são escritas e computadas imediatamente Variáveis podem

Leia mais

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Prof. Eduardo Alchieri Estruturas de Dados Pilhas Pilhas Lista LIFO (Last In, First Out) Os elementos são colocados na estrutura (pilha) e retirados em ordem

Leia mais

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br IES-300 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br Teste de Caixa Branca 2 Teste de Componentes: Caixa Branca Teste de Caixa Branca Grafo de Fluxo de

Leia mais

Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário

Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário Filas Fila é um tipo de lista linear onde as inserções são realizadas num extremo (final da Fila) e as remoções restritas ao outro (começo da Fila). O primeiro a entrar é o primeiro a sair e último a entrar

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL 1) Visão Geral A PL/pgSQL é uma linguagem de programação procedural para o Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARALELA EM C# Notas de Aula Prof. Marcos E Barreto

PROGRAMAÇÃO PARALELA EM C# Notas de Aula Prof. Marcos E Barreto PROGRAMAÇÃO PARALELA EM C# Notas de Aula Prof. Marcos E Barreto Referências: - Programming C#. Jesse Liberty, O Reilly, 2001. - Threading in Java and C#: a focused language comparison. Shannon Hardt -

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ)

Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ) Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ) Aula 7: Programação com memória compartilhada usando OpenMP 1, 8, 10 e 15 de abril de 2015 OpenMP (Open MultiProcessing) Projetado para sistemas de memória

Leia mais

EXEMPLO IF E ELSE IF TERNÁRIO

EXEMPLO IF E ELSE IF TERNÁRIO PHP Aula 2 Estruturas de Controle, Continue e Break Leonardo Pereira facebook.com/leongamerti ESTRUTURA DE DECISÃO Simples Composta Encadeada Ternário IF Estrutura de controle que introduz um desvio condicional

Leia mais

Noções de Processamento de Transações, Controle de Concorrência e Recuperação de Falhas

Noções de Processamento de Transações, Controle de Concorrência e Recuperação de Falhas Noções de Processamento de, e Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Transação

Leia mais

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea Variáveis Compostas Heterogêneas Variável Composta Heterogênea Conjunto de dados logicamente relacionados, mas de tipos diferentes. Também chamada de registro. Variável Composta Heterogênea 1 Declaração

Leia mais

Disciplina de Sistemas Distribuídos. Sincronização em SD. Prof. M.Sc. Alessandro Kraemer kraemer@utfpr.edu.br. Kraemer

Disciplina de Sistemas Distribuídos. Sincronização em SD. Prof. M.Sc. Alessandro Kraemer kraemer@utfpr.edu.br. Kraemer Disciplina de Sistemas Distribuídos Sincronização em SD Prof. M.Sc. Alessandro kraemer@utfpr.edu.br Cronograma Contextualização Tipos de sincronização Mecanismos para sincronização da região crítica Exclusão

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

Gerência de Processador

Gerência de Processador Gerência de Processador Prof. Edwar Saliba Júnior Junho de 2009 Unidade 03-003 Gerência de Processador 1 Introdução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, onde múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

Sistemas Operacionais IV - Coordenação entre Tarefas

Sistemas Operacionais IV - Coordenação entre Tarefas Sistemas Operacionais IV - Coordenação entre Tarefas Prof. Carlos Alberto Maziero DAInf UTFPR http://dainf.ct.utfpr.edu.br/ maziero 18 de novembro de 2011 Copyright (c) 2006 Carlos Alberto Maziero. É garantida

Leia mais

(Model Checking) Estes slides são baseados nas notas de aula da Profa. Corina

(Model Checking) Estes slides são baseados nas notas de aula da Profa. Corina Verificação de Modelos (Model Checking) Estes slides são baseados nas notas de aula da Profa. Corina Cîrstea Lista de Leitura para a Parte Teórica M. Huth and M. Ryan, Logic in Computer Science Modelling

Leia mais

SQL Procedural. Josino Rodrigues Neto josinon@gmail.com

SQL Procedural. Josino Rodrigues Neto josinon@gmail.com SQL Procedural Josino Rodrigues Neto josinon@gmail.com SQL Procedural Agregada em SQL-92 As ferramentas têm nomes para suas linguagens SQL procedurais/embutidas Oracle : PL/SQL Postgres PL/Pgsql SQL Server

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS CURSO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO PILHA E FILA Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com

Leia mais

Porque eu preciso entender este assunto?

Porque eu preciso entender este assunto? Porque eu preciso entender este assunto? Para entender como um computador consegue executar várias tarefas simultaneamente e qual o impacto que isso pode ter em meus programas! Os programas de ontem...

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais 3 a Edição Versão: 3. (Jan/) Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Soluções dos Exercícios - Autores LTC Soluções de Exercícios Autores Versão 3. (Jan/4) Capítulo

Leia mais

Udesc/Ceplan Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Operacionais. Prof. Alexandre Veloso alexandre.matos@udesc.br

Udesc/Ceplan Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Operacionais. Prof. Alexandre Veloso alexandre.matos@udesc.br Programação Concorrente [Parte 2] Udesc/Ceplan Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Operacionais Prof. Alexandre Veloso alexandre.matos@udesc.br Condição de Corrida Uma forma de um processo comunicar-se

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Modelagem de Sistemas

Modelagem de Sistemas Modelagem de Sistemas Em muitas áreas de estudo, um fenômeno não é estudado diretamente, mas através de um modelo. Um modelo é uma representação, freqüentemente em termos matemáticos, do que parecem ser

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA 3. PILHA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma pilha é um tipo especial de Pilha na quais todas as inserções e remoções são feitas na primeira posição, que é chamada de topo. Outro nome

Leia mais