Criando aplicações ricas com Adobe Flex 3.4 e Java

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criando aplicações ricas com Adobe Flex 3.4 e Java"

Transcrição

1 a r t i g o Gilberto Santos é graduando do curso de Análise e Desenvolvimento de Software pela PUC- GO, trabalha com Java desde 2005, possui certificação SCJP5 e Adobe Certifield Expert, entusiasta opensource. Trabalha como desenvolvedor sênior no Centro de Excelência da Politec Goiânia e mantém um blog em Criando aplicações ricas com Adobe Flex 3.4 e Java Entenda a arquitetura deste framework MVC e aprenda a disponibilizar serviços para o Flex que vem ganhando espaço no mundo Java Ganhos efetivos As aplicações RIA (Rich Internet Applications aplicações ricas em internet) estão a cada dia ganhando mais mercado. Diversos aplicativos, tais como planilhas eletrônicas e gerenciadores de conteúdo, já abordam conceitos de RIA e estão cada vez mais semelhantes aos softwares no ambiente desktop. 40

2 É um framework de desenvolvimento criado pela Adobe que dá suporte a criação de componentes ricos visíveis ao Flash Player baseados em ActionScript 3 (linguagem orientada a eventos da antiga Macromedia). O Adobe Flex 3 foi desenvolvido com esse propósito, por meio de componentes reutilizáveis e ricos em interface. Recursos como transições, efeitos, arrastar e soltar, entre outros desejos do desenvolvedor web que eram barrados por incompatibilidade dentre os browsers e suas versões, são simplificados em componentes com o uso da linguagem ActionScript 3. Por serem componentes visuais, a Adobe desenvolveu uma interface para a linguagem ActionScript 3, o MXML, que é uma marcação XML comum que mapeia instâncias de AC3. Ambos contam com uma IDE (Flex Builder 3) baseada em Eclipse como ferramenta. Antigamente, só era possível fazer isso com uma linguagem interpretada de comportamento de tela orientada a eventos, baseada no modelo HTML + JavaScript, onde era preciso programar bastante para alcançar algum efeito RIA. Todas as fábricas de software já possuem know-how suficiente para construir sistemas ERP, CMS ou Mapas. As regras passam a ser comuns e, hoje, os ganhos efetivos ficam no diferencial das interfaces desses softwares que mais amigavelmente legíveis se oferecem ao usuário, lembrando do efeito que o IPhone trouxe para o mercado de telefonia móvel. A grande mudança fez com que as instituições concorrentes tivessem que adotar o mesmo conceito RIA para não perder mercado. Agora, com o desenvolvimento web não é diferente, este segue a mesma tendência. Porém, existem algumas alternativas de soluções RIA para web. Neste artigo, vamos focar no Adobe Flex, por ser open-source e pelo fato de o plugin do Adobe Flash Player estar presente em mais de 80% dos browsers no mundo. Por enquanto, falamos somente de interfaces ricas, mas a Adobe não se preocupou só com esse detalhe. Onde ficam as regras de negócio? Pensando também na segurança das informações, a Adobe criou o AMF (protocolo binário de comunicação) e o RPC (Remote Procedure Call), que permitem que a aplicação interaja com servidores e forneça acesso local ou remoto a um server-side. O Flex é projetado para interagir com vários tipos de serviços de RPC, alguns desse são: WebService: fornece acesso SOA baseado em serviços da web (trafega XML); HTTPService: fornece acesso a HTTP/S URLs que retornam dados (trafega XML); RemoteObject: fornece acesso a objetos no servidor usando protocolo de AMF (trafegam dados binários). Mais detalhes sobre como o Spring trata o gerenciamento de transações com Hibernate podem ser vistos no projeto disponibilizado para download. O papel do BlazeDs O Adobe Flash Player suporta serialização do tipo AMF, e o BlazeDs é um simples provedor de comunicação do tipo two-way. O framework é feito em Java, disponibilizado em pacotes jars, e é apenas um conversor de Destinos Remotos para o AMF3, que são disponibilizados em um descritor services-config.xml. Por definição, o BlazeDs cria instâncias completas de objetos no serverside Java. A integração com o Spring faz a injeção desses objetos como beans e sejam disponibilizados como Destinos Remotos para o Flex. O BlazeDs vem como um projeto web empacotado em um.war. Para utilizá-lo, descompacte-o e atente-se às suas dependências, e também ao diretório /WEB-INF/flex e seus arquivos *.xml. Configuração dos projetos O objetivo deste artigo é usar essa nova tecnologia de aplicações Rich como uma camada de visão aos recursos de aplicações Java, separando-a das regras de negócio, e criando assim dois projetos distintos. Para esse efeito, vamos começar a trabalhar com a IDE Adobe Flex Builder 3 e com suas perspectivas para cada tipo de desenvolvimento. Crie um projeto para cada: Flex Development aplicacao_flex (Front-end) Java EE aplicacao_java (back-end) Essa separação garante que o seu software seja também independente de um front-end. Isso porque obrigatoriamente os recursos Java serão agora disponibilizados por e o seu front-end deverá conhecer somente essa classe, que será unicamente responsável por conceber os serviços de negócio. Para este artigo, vamos usar da força de alguns frameworks de modo a garantir que os serviços transacionais e a comunicação do Adobe Flex para o Java sejam garantidos. Para isso, vamos trabalhar com o Spring e o BlazeDs. O papel do Spring Como um excelente fornecedor de beans para aplicações enterprise serverside, o framework possui um módulo específico para que o Java se comunique diretamente com o AMF3 do Flex. Uma camada de controle MVC do Spring será disponibilizada como Destino Remoto. Figura 1. Caminho para publicação do template de aplicação do Adobe Flex. 41

3 Dentro de um projeto Flex estão recursos *.xml, *.as e imagens, e tudo isso será compilado pelo SDK do Flex, que irá gerar arquivos *.swf. A IDE facilita o trabalho de criação de um projeto Flex, criando o template necessário para carregar o *.swf no browser. É necessário que esse arquivo gerado pelo SDK faça parte de um mesmo contexto Java EE quando se utiliza o BlazeDs como fornecedor AMF, conforme a figura 1. Para tanto, vá em propriedades do projeto aplicacao_flex, Flex Built Path e altere a Output Folder para: ${DOCUMENTS\aplicacao_java\web\flex como serviço AMF para invocações do RPC do Flex. É necessário que as dependências do BlazeDs estejam no diretório lib da sua aplicacao_java e também que o diretório /flex esteja dentro de WEB-INF. Modelo de Arquitetura Flex com Java É justamente no momento da compilação que é necessário passar alguns argumentos para o SDK, para que sua aplicacao_flex conheça os serviços AMF que estão disponíveis para o RPC do Flex. Vá em propriedades do projeto em aplicacao_flex, vá para Flex Compiler e adicione os parâmetros conforme a figura 2. - locale en_us //define o Locale da aplicação, por default en_us - compiler.services //define o caminho fisico dos serviços AMF disponíveis para o RPC Flex - compiler.root //define para qual context essa aplicação pode ser invocada Figura 3. Modelo de arquitetura Flex com Java. No momento da compilação para geração de arquivos *.swf, o Flex precisa mapear onde estarão os Destinos Remotos disponíveis sob o protocolo AMF. Neste nosso cenário, o desenvolvedor gera e compila os fontes, realizando em um mesmo deploy no container arquivos *.swf e *.class. O cliente (browser) carrega o *.swf, que deve estar pronto para fazer as chamadas remotas às classes Java que foram disponibilizadas pelo Spring como Destino Remoto. Figura 1.1. Argumentos adicionais ao SDK do Flex, para a localização de serviços disponíveis em AMF. Feito isso, o Flex irá tentar localizar um descritor services-config.xml de serviços disponíveis no lado Java, e provavelmente a IDE irá acusar um erro porque ainda não concluímos esta etapa. Este descritor vem junto com o BlazeDs. Criando o serviço back-end O serviço back-end Java para aplicações Flex, é uma implementação J2EE comum, ou seja, trata-se de uma aplicação Java para web JSP/Servlet. Neste caso, vamos adicionar um gerenciador de beans enterprise, o Spring Para essa adição, é necessário um descritor applicationcontext.xml e suas dependências. As configurações desse podem ser melhor detalhadas no projeto disponível para download. Configurando os serviços java O Projeto aplicacao_java é um projeto Java EE comum, e aqui vamos permitir a adição do Spring para o tratamento do MVC, que disponibilizará uma camada de controle como Destino Remoto e do BlazeDs que fará com que o mesmo Destino Remoto seja disponibilizado Após a chamada remota do Flex, a execução passa a estar disponível no server-side. Isso, às vezes, fica um pouco confuso para o desenvolvedor Java. Para esse efeito, vamos lembrar que Java é executado top-down e left right, e essa execução não é interrompida, a não ser que ocorra alguma exceção. No Flex, pode-se programar assim também, entretanto, a forma mais correta é a programação orientada a eventos. As classes Java estarão disponíveis para execução após o evento de invocação de chamada remota do Flex, podendo a partir desse ponto ter um comportamento comum ao Java, ou seja, a execução do código volta a ser top-down e left right para atender as regras de negócio. Se tudo ocorreu bem, seu ambiente de desenvolvimento deve estar bem parecido com a figura 4. Aqui nos podemos perceber que o Flex já gerou alguns arquivos necessários para uma aplicação web Flex. Não convém mexer nesses arquivos porque eles vão ser sobrescritos todas as vezes que o Adobe Flex Builder compilar o seu projeto. No projeto aplicacao_java, dentro de WEB-INF, temos alguns arquivos *.xml de configuração, e esses arquivos vão dizer ao BlazeDs qual é a forma de comunicação, canal e o cast de classe com o Flex (embora neste artigo utiliza-se o AMF3, existem também outros formatos). Quem irá de fato distribuir a sua aplicação e disponibilizar os serviços para o Flex é o Spring, portanto, vamos falar de cada arquivo separadamente, e dar uma atenção especial ao services-config.xml 42

4 Listagem 1 services-config.xml. <?xml version= 1.0 encoding= UTF-8?> <services-config> <services> <service-include file-path= remoting-config.xml /> <service-include file-path= messaging-config.xml /> <service-include file-path= proxy-config.xml /> <default-channels> <channel ref= my-amf /> </default-channels> </services> Figura 4. Configuração do workspace. Os códigos desses arquivos podem ser encontrados na Seção de downloads no site da revista Mundoj. Existem outras formas de disponibilizá-los, caso não se esteja usando Spring. Procure pela marcação destination em /flex/remoting-config.xml. Esta tag pode disponibilizar uma classe Java como Destino Remoto. Quase pronto! Falta pouco para os projetos configurados conversarem entre si e, a partir daqui, o desenvolvedor pode tranquilamente criar e testar os métodos do lado Java para garantir que as regras de negócio sejam atendidas com testes unitários. No Flex, preocupe-se somente com os componentes de visualização. Para os desenvolvedores que não conhecem bem o Flex, recomendo alguma literatura focada no assunto. Configuração dos canais de comunicação Dentro de /WEB-INF/flex em aplicação_java vamos encontrar os arquivos *.xml do BlazeDs necessários para conseguir fazer a ligação com o Adobe Flex. Desses arquivos, somente precisamos nos atentar para o servicesconfig.xml. Agora como utilizamos o Spring como framework MVC, então, precisamos informar ao BlazeDs que essa comunicação agora é gerenciada pelo Spring. Mudando o path original do endpoint do descritor services-config.xml. Na descrição services-config.xml, existem algumas tags, que referenciam os canais de comunicação. <channels> <channel-definition id= my-amf class= mx.messaging.channels.amfchannel > <endpoint url= spring/messagebroker/amf class= flex.messaging.endpoints.amfendpoint /> <properties> <polling-enabled>false</polling-enabled> </properties> </channel-definition> <channel-definition id= my-polling-amf class= mx.messaging.channels.amfchannel > <endpoint url= class= flex.messaging.endpoints.amfendpoint /> <properties> <polling-enabled>true</polling-enabled> <polling-interval-seconds>4</polling-interval-seconds> </properties> </channel-definition> </channels> <logging> <target class= flex.messaging.log.consoletarget level= Error > <properties> <prefix>[blazeds] </prefix> <includedate>false</includedate> <includetime>false</includetime> <includelevel>false</includelevel> <includecategory>false</includecategory> </properties> <filters> <pattern>endpoint.*</pattern> <pattern>service.*</pattern> <pattern>configuration</pattern> </filters> </target> </logging> <system> <redeploy> <enabled>false</enabled> </redeploy> </system> </services-config> O próximo passo, é configurar o MVC do Spring. A Listagem 2 mostra como deve ficar o seu web.xml 43

5 Listagem 2. web.xml aplicação_java. <?xml version= 1.0 encoding= UTF-8?> <web-app xmlns:xsi= xmlns= xmlns:web= com/xml/ns/javaee/web-app_2_5.xsd xsi:schemalocation= com/xml/ns/javaee id= WebApp_ID version= 2.5 > <display-name>aplicacao_java</display-name> <listener> <listener-class> org.springframework.web.context.request.requestcontextlistener </listener-class> </listener> <listener> <listener-class>org.springframework.web.context.contextloaderlistener </listener-class> </listener> Listagem 3. ( flex-servlet.xml). <?xml version= 1.0 encoding= UTF-8?> <beans xmlns= xmlns:flex= xmlns:xsi= xmlns:context= xsi:schemalocation= > <listener> <listener-class>flex.messaging.httpflexsession</listener-class> </listener> <!-- The front controller of this Spring Web application, responsible for handling all application requests--> <servlet> <servlet-name>spring MVC Dispatcher Servlet</servlet-name> <servlet-class>org.springframework.web.servlet.dispatcherservlet </servlet-class> <init-param> <param-name>contextconfiglocation</param-name> <param-value>/web-inf/flex-servlet.xml</param-value> </init-param> <load-on-startup>1</load-on-startup> </servlet> <servlet-mapping> <servlet-name>spring MVC Dispatcher Servlet</servlet-name> <url-pattern>/spring/*</url-pattern> </servlet-mapping> <session-config> <session-timeout>20</session-timeout> </session-config> <bean class= org.springframework.web.servlet.mvc.annotation.defaultannotationhandlermapping /> <bean class= org.springframework.web.servlet.mvc.annotation.annotationmethodhandleradapter /> <context:annotation-config /> <!-- procura por controladores anotados para flex --> <context:component-scan base-package= com.aula.flex annotation-config= true /> <flex:message-broker services-config-path= WEB-INF/flex/services-config.xml > <flex:mapping pattern= /messagebroker/* /> </flex:message-broker> <welcome-file-list> <welcome-file>index.html</welcome-file> <welcome-file>index.jsp</welcome-file> </welcome-file-list> </web-app> Um novo arquivo do Spring precisa ser adicionado, é um descritor exclusivamente para o MVC do Spring. A Listagem 3 mostra como deve ser: </beans> Implementações No arquivo Index.mxml (main da aplicacao_flex), vamos declarar alguns componentes que fazem o RPC e outros componentes visuais para entrada e exibição de dados. 44

6 Listagem 4. ( Main da aplicacao_flex Index.mxml). <?xml version= 1.0 encoding= utf-8?> <mx:application horizontalalign= center verticalalign= middle layout= horizontal xmlns:mx= > <mx:script> <![CDATA[ import models.pessoa; import mx.rpc.events.resultevent; import mx.controls.alert; import mx.rpc.events.faultevent; public function submit():void{ var pessoa:pessoa = new Pessoa; pessoa.nome = txtnome.text; pessoa.dtnascimento = txtdtnascimento.selecteddate; pessoa. = txt .text; servicojava.getoperation( submit ).send(pessoa); public function aconteceufalha(evento:faultevent):void{ Alert.show(evento.fault.faultString); public function aconteceusucesso(evento:resultevent):void{ Alert.show( objeto: \n + ObjectUtil.toString(evento.result) ); ]]> </mx:script> <mx:remoteobject id= servicojava destination= servicojavactrl > <mx:method name= submit fault= {aconteceufalha(event) result= {aconteceusucesso(event) /> </mx:remoteobject> <mx:panel width= 467 > <mx:form width= 100% > <mx:formitem label= Entre com seu nome: width= 100% > <mx:textinput id= txtnome width= 100% /> </mx:formitem> <mx:formitem width= 100% > <mx:datefield id= txtdtnascimento /> </mx:formitem> <mx:formitem width= 100% label= Entre com seu > <mx:textinput id= txt width= 100% /> </mx:formitem> </mx:form> <mx:controlbar> <mx:button label= enviar click= {submit() /> </mx:controlbar> </mx:panel> </mx:application> Note que, nessa marcação MXML, temos alguns componentes instanciados que são representações literais de classes AS3. Também há um corpo de códigos em AS3 dentro da tag mx:script (essa tag define um escopo AS3 dentro de um MXML). Agora, vamos explicar um pouco sobre o que cada componente faz, para ficar mais claro o entendimento deste artigo. Esse componente é similar ao método main() de uma aplicação Java. A partir desse ponto é que todas as classes AS3 deverão ser instanciadas. Um projeto Flex deve conter apenas um Application. Esse componente é responsável por fazer as invocações das classes remotas disponíveis em algum do servidor back-end. Neste caso, esperando por classes java. Atributo id nome da instância do componente Atributo destination nome da instância do destino remoto Esse componente é filho de RemoteObject e apenas serve para mapear os métodos assinados que estarão disponíveis na classe destination. Para cada instância de mx:method, é requerido dois outros métodos em AS3 que vão receber dois tipos de eventos: evento:faultevent Quando acontece alguma falha no servidor evento:resultevent Quando o serviço executou a operação Esse componente simplesmente exibe uma janela. Esse componente organiza elementos de formulários. Simplesmente exibe um item para o formulário. Exibe um item de entrada de texto. Exibe um botão. Isso é bem básico, mas vamos entrar com valores simples, construir um objeto e passar esse objeto como argumento para um método de uma classe Java que esteja disponibilizada como Destino Remoto e, a partir daí, o desenvolvedor pode executar operações, como fazer a persistência com o banco de dados. Provavelmente, o desenvolvedor vai perceber que as classes persistentes ficam do lado Java. Agora é necessário espelhar as entidades para o Flex, e assim, trabalharemos com os mesmos objetos dos dois lados. Isso caracteriza o CAST de AMF para Java, feito pelo BlazeDs. No Projeto aplicacao_flex, clique com o botão direito do mouse, New / ActionScript Class e crie uma classe Pessoa, que contenha os mesmos atributos e seja similar a entidade Pessoa.java, conforme a Listagem 2. Listagem 5. Representação AS3 da modelo Pessoa.java. Figura 5. Resultado dessa marcação mxml, compilada para *.swf. package models { [RemoteClass(alias= com.aula.flex.models.pessoa )] [Bindable] public class Pessoa { // construtor public function Pessoa(){ public var id:number; public var nome:string; public var dtnascimento:date; public var string; 45

7 É importante observar a anotação do Flex [RemoteClass(alias="com. javaflex.models.pessoa")]. Ela é responsável por fazer a amarração entre a classe Pessoa.as e a entidade persistente Pessoa.java. Note que as duas classes devem ter os mesmos atributos, seguindo as suas normas declarativas de cada linguagem. Agora vamos à classe que somente o Flex deve conhecer. No seu projeto aplicacao_java, crie uma classe com o mesmo nome do destination que você colocou na sua invocação RPC, conforme a Listagem 3. Listagem 6. Modelo Pessoa.java. package com.aula.flex.models.pessoa; public class Pessoa{ private Integer id; private String nome; private Date dtnascimento; private String ; // getters and setters omitidos Listagem 7. Interface de Serviços de Pessoa. package com.aula.flex.dao.ui; import anotação do Spring public interface PessoaDaoUI { public Pessoa add(pessoa pessoa) throws Exception; O Spring vai usar IoC para garantir que os serviços de persistência estejam disponíveis nos métodos que o Flex irá invocar através dos Esta classe Java recebe duas anotações: O MVC do Spring define que essa classe é um controlador (um bean que pode ser acessado a partir de uma visão qualquer). Essa anotação do pacote Spring-Flex determina que essa classe é um Destino Remoto e que será disponibilizada para invocações RPC. A possui um parâmetro que o desenvolvedor pode definir qual será o nome do destino remoto. Este nome é o mesmo na construção do objeto para o RPC do Flex: <mx:remoteobject id="servicojava" destination="servicojavactrl"> Se não fornecer nenhum nome, o próprio nome da classe será o nome do destino remoto. Repare que o nome do método na aplicação Java (submit) deve ser exatamente o mesmo nome do método que está descrito no MXML da aplicacao_flex, e obrigatoriamente os métodos devem possuir a mesma assinatura. Para rodar a sua aplicação, inicie a aplicacao_java no servidor Tomcat. Depois, volte ao projeto aplicacao_flex e clique com botão direito no main (Index.mxml ) / Run Application. Listagem 8. Implementação do Serviço de Pessoa. package com.aula.flex.dao.ui; import // anotação do Spring public class PessoaDaoImp implements PessoaDaoUI { public Pessoa add(pessoa pessoa) throws Exception { System.out.println( Persistencia com Hibernate ); System.out.println( persistiu Pessoa: + pessoa.getnome() ); return pessoa; Listagem 9. Classe disponibilizada como Destino Remoto para o flex. package com.aula.flex.ctrls; import org.springframework.context.applicationcontext; import org.springframework.flex.remoting.remotingdestination; import org.springframework.stereotype.controller; import org.springframework.web.context.support.webapplicationcontextutils; import com.javaflex.dao.ui.pessoadaoui; import com.javaflex.models.pessoa; public class ServicoJavaCtrl { /* * O AMF do Flex só deve conhecer essa camada de classe * a partir daqui, é puramente codigo java. * */ public Pessoa submit(pessoa pessoa) throws Exception{ // procura o contexto Flex dentro do spring ApplicationContext ctx = WebApplicationContextUtils. getwebapplicationcontext( FlexContext.getServletContext() ); // injeção de dependencia do spring final PessoaDaoUI pessoadao = (PessoaDaoUI) ctx.getbean( pessoadaoimp ); // chamada a persistencia com o hibernate return pessoadao.doregrasalvar(pessoa); Conclusão O objetivo deste artigo é mostrar como é feita a comunicação do Adobe Flex para o Java e vice-versa. A base dessa comunicação é o AMF, formato disponibilizado pela própria Adobe. Mais especificamente para um formato Java EE, utilizamos o framework BlazeDs. Sua configuração 46

8 é bem básica, mas usamos aqui o auxílio do Spring, para disponibilizar classes como destinos remotos com a ajuda das suas anotações fugindo um pouco de marcações xml. Dessa forma, é dever do desenvolvedor implementar os seus casos de uso, e buscar aprender um pouco mais sobre as tecnologias abordadas aqui. Fora mais conhecimento da linguagem, ainda falta abordar assuntos como transações, segurança, e falar mais sobre o próprio modelo MVC da camada Flex. Com esse exemplo, foi mostrado um pouco sobre o comportamento do Adobe Flex e como são suas formas de comunicação, sobretudo com a linguagem Java, o que é meramente um trabalho de configuração. Obviamente, estes passos poderiam ser explorados com a ausência das IDE, mas acredito ser um passo desnecessário. Agradecimentos A minha querida Renata de Paula, por revisar este artigo e por compreender o tempo gasto necessário para realização dele. Referências 47

Integrando Flex + Java + BlazeDS

Integrando Flex + Java + BlazeDS Integrando Flex + Java + BlazeDS (Vagner Machado) Para este tutorial serão necessários os seguintes requisitos: - Flex Builder 3. http://www.adobe.com/cfusion/entitlement/index.cfm?e=flex3email - BlazeDS

Leia mais

Integração do Java + Adobe Flex através do Projeto BlazeDs

Integração do Java + Adobe Flex através do Projeto BlazeDs Integração do Java + Adobe Flex através do Projeto BlazeDs por, Thiago Luiz Ribeiro Rodrigues (R.A: 060147-2), 14 de Abril 2009 Este artigo tem por objetivo ensinar como se faz a integração entre o Java

Leia mais

Virmerson B. Santos. virmerson@hightechcursos.com.br. Material de Apoio. CURSO de JAVA WEB FLEX. (cjwebflex)

Virmerson B. Santos. virmerson@hightechcursos.com.br. Material de Apoio. CURSO de JAVA WEB FLEX. (cjwebflex) Virmerson B. Santos virmerson@hightechcursos.com.br Material de Apoio CURSO de JAVA WEB FLEX (cjwebflex) Ferramentas Flex Builder (Download trial) Windows Processador de 2 GHz ou mais rápido Microsoft

Leia mais

Apache Wicket. Apache Wicket

Apache Wicket. Apache Wicket wicket_ Apache Wicket Apache Wicket Um framework simplificado para construir páginas Web dinâmicas Qual desenvolvedor não gostaria de utilizar orientação a objetos na Web? Utilizar componentes reutilizáveis

Leia mais

DWR DIRECTED WEB REMOTING

DWR DIRECTED WEB REMOTING DWR DIRECTED WEB REMOTING Vamos ver nesse artigo um pouco sobre o Frameworks Ajax para Java, o DWR. Vamos ver seus conceitos, utilidades, vantagens, algumas práticas e fazer o passo a passo para baixar,

Leia mais

Arquitetura de uma Webapp

Arquitetura de uma Webapp Arquitetura de uma Webapp Arquitetura J2EE Containers e componentes MVC: introdução Frederico Costa Guedes Pereira 2006 fredguedespereira@gmail.com Plataforma J2EE World Wide Web e a Economia da Informação

Leia mais

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa Adobe Flex Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa O que é Flex? Estrutura de Código aberto para a criação de aplicativos Web Utiliza o runtime do Adobe

Leia mais

Como criar um EJB. Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse

Como criar um EJB. Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse Como criar um EJB Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse Gabriel Novais Amorim Abril/2014 Este tutorial apresenta o passo a passo para se criar um projeto EJB no Eclipse com um cliente web

Leia mais

Guia para Iniciantes do WebWork

Guia para Iniciantes do WebWork Guia para Iniciantes do WebWork Marcelo Martins Este guia descreve os primeiros passos na utilização do WebWork Introdução Desenvolver sistemas para Web requer mais do que simplesmente um amontoado de

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Parte I. Demoiselle Vaadin

Parte I. Demoiselle Vaadin Parte I. Demoiselle Vaadin O Vaadin é um framework para construção de interfaces web que aplica ideias inovadoras. Apesar de usar o GWT como mecanismo para a exibição de seus componentes, eles tem características

Leia mais

Transaction Scripts: Uma Forma mais Simples de Organizar Lógica de Domínio

Transaction Scripts: Uma Forma mais Simples de Organizar Lógica de Domínio Roberto Perillo (jrcperillo@yahoo.com.br) é bacharel em Ciência da Computação e está atualmente cursando mestrado no ITA, onde já concluiu o curso de especialização em Engenharia de Software. Trabalha

Leia mais

Dominando Action Script 3

Dominando Action Script 3 Dominando Action Script 3 Segunda Edição (2014) Daniel Schmitz Esse livro está à venda em http://leanpub.com/dominandoactionscript3 Essa versão foi publicada em 2014-05-02 This is a Leanpub book. Leanpub

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Criação de um novo projeto no Eclipse utilizando Maven

Criação de um novo projeto no Eclipse utilizando Maven 1. Faça o download da versão mais atual do Eclipse IDE for Java EE Developers em https://www.eclipse.org/downloads/. 2. No Eclipse, crie um novo projeto Maven, em File >> New >> Maven Project 3. Marque

Leia mais

WebWork 2. João Carlos Pinheiro. jcpinheiro@cefet-ma.br

WebWork 2. João Carlos Pinheiro. jcpinheiro@cefet-ma.br WebWork 2 João Carlos Pinheiro jcpinheiro@cefet-ma.br Versão: 0.5 Última Atualização: Agosto/2005 1 Agenda Introdução WebWork 2 & XWork Actions Views Interceptadores Validação Inversão de Controle (IoC)

Leia mais

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Java II Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Java Web Arquitetura Aplicações web são basicamente constituídas de: Requisições Respostas Model View Controller (MVC) O que é MVC? Padrão

Leia mais

RICH INTERNET APPLICATIONS

RICH INTERNET APPLICATIONS Uma visão geral RICH INTERNET APPLICATIONS joao.saleiro@webfuel.pt Agenda 1. A história do Sr. Fonseca 2. Rich Internet Applications 3. Showcase 4. Tecnologias Adobe Flex 5. Próximos passos O apresentador

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

Virmerson B. Santos. virmerson@hightechcursos.com.br. Material de Apoio. CURSO de JAVA WEB FLEX. (cjwebflex)

Virmerson B. Santos. virmerson@hightechcursos.com.br. Material de Apoio. CURSO de JAVA WEB FLEX. (cjwebflex) Virmerson B. Santos virmerson@hightechcursos.com.br Material de Apoio CURSO de JAVA WEB FLEX (cjwebflex) Ferramentas Flex Builder (Download trial) Windows Processador de 2 GHz ou mais rápido Microsoft

Leia mais

Lidando de Forma Eficiente com Validações Locais de Objetos

Lidando de Forma Eficiente com Validações Locais de Objetos Lidando de Forma Eficiente com Validações Locais de Objetos Aprenda a construir um mini-framework para validar objetos locais sem afetar a complexidade do código. Autor Paulo César M. N. A. Coutinho (pcmnac@gmail.com):

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Alunos: Alessandro Aparecido André Alexandre Bruno Santiago Thiago Castilho

Leia mais

mhtml:file://d:\utfpr\2009-2\especialização Java\Materiais de Aula\02 - JSF\Estud...

mhtml:file://d:\utfpr\2009-2\especialização Java\Materiais de Aula\02 - JSF\Estud... Página 1 de 7 Precisa de um freelancer, códigosfonte e exemplos Dicas & Truques completos? Contrate Nossa Consultoria Downloads Quem Somos Artigos & Tutoriais Bem-vindo(a) ao meu site. Além de realizar

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Adobe Flex para iniciantes, desde a instalação até à produção avançada. Página 1

Adobe Flex para iniciantes, desde a instalação até à produção avançada. Página 1 Adobe Flex para iniciantes, desde a instalação até à produção avançada. Página 1 Adobe Flex a Partir do Zero Desde a instalação à produção avançada. Elaborado por Mário Santos Adobe Flex para iniciantes,

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Enterprise Java Beans

Enterprise Java Beans Enterprise Java Beans Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior DCC PUC Minas Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-O que é um Enterprise Java Bean? O Entertprise Java Bean (EJB) é um componente server-side

Leia mais

Criando e Entendendo o Primeiro Servlet Por: Raphaela Galhardo Fernandes

Criando e Entendendo o Primeiro Servlet Por: Raphaela Galhardo Fernandes Criando e Entendendo o Primeiro Servlet Por: Raphaela Galhardo Fernandes Resumo Neste tutorial serão apresentados conceitos relacionados a Servlets. Ele inicial como uma breve introdução do funcionamento

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

5 Derivando Aplicações Baseadas em Spring e OSGi

5 Derivando Aplicações Baseadas em Spring e OSGi 69 5 Derivando Aplicações Baseadas em Spring e OSGi O capítulo 3 apresentou como um conjunto de artefatos (classes, interfaces, aspectos e arquivos extras) de uma arquitetura de LPS pode ser modelado na

Leia mais

Versão 0.1.0. Manual FoRc. Última Atualização: Maio/2007. Daniel Schmitz danieljfa@gmail.com

Versão 0.1.0. Manual FoRc. Última Atualização: Maio/2007. Daniel Schmitz danieljfa@gmail.com Versão 0.1.0 Manual FoRc Última Atualização: Maio/2007 Daniel Schmitz danieljfa@gmail.com Sumário 1. O que é FoRc?... 3 2. O que é Adobe Flex?... 3 3. O que é Ruby on Rails?... 3 4. Flex + Ruby on Rails?...

Leia mais

Web-Services com JAX-WS. Capítulo. Introdução aos Web-Services via JAX-WS. - Um breve histórico sobre Web-Services. - SOAP x REST. Provendo um Serviço

Web-Services com JAX-WS. Capítulo. Introdução aos Web-Services via JAX-WS. - Um breve histórico sobre Web-Services. - SOAP x REST. Provendo um Serviço A1Provendo e Consumindo Web-Services com JAX-WS Capítulo 22 Introdução aos Web-Services via JAX-WS - Um breve histórico sobre Web-Services Os Web-Services são uma tecnologia popular para apoiar iniciativas

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges

TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges Versão 1.0 TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges Data: 01/12/2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É SPRING SECURITY?...

Leia mais

Versão 0.1. Manual FoRc. Última Atualização: Maio/2007. Daniel Schmitz danieljfa@gmail.com

Versão 0.1. Manual FoRc. Última Atualização: Maio/2007. Daniel Schmitz danieljfa@gmail.com Versão 0.1 Manual FoRc Última Atualização: Maio/2007 Daniel Schmitz danieljfa@gmail.com Sumário 1. O que é FoRc?... 3 2. O que é Adobe Flex?... 3 3. O que é Ruby on Rails?... 3 4. Flex + Ruby on Rails?...

Leia mais

Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura

Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura Vanderson Botelho da Silva (SERPRO/SUPST/STCTA) Emerson Sachio Saito (SERPRO/CETEC/CTCTA) Flávio Gomes da Silva Lisboa (SERPRO/CETEC/CTCTA) Serge Normando Rehem

Leia mais

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCC-0263 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition 1 Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition Sobre o Autor Carlos Eduardo G. Tosin (carlos@tosin.com.br) é formado em Ciência da Computação pela PUC-PR, pós-graduado em Desenvolvimento

Leia mais

Aula 03 - Projeto Java Web

Aula 03 - Projeto Java Web Aula 03 - Projeto Java Web Para criação de um projeto java web, vá em File/New. Escolha o projeto: Em seguida, na caixa Categorias selecione Java Web. Feito isso, na caixa à direita selecione Aplicação

Leia mais

TUTORIAL DE INTRODUÇÃO AO CEWOLF

TUTORIAL DE INTRODUÇÃO AO CEWOLF 1 TUTORIAL DE INTRODUÇÃO AO CEWOLF CRIANDO GRÁFICOS COM JSP, CEWOLF/JFREECHART E MYSQL 1. Introdução O Cewolf (http://cewolf.sourceforge.net/) é uma biblioteca que facilita a criação de gráficos dinâmicos

Leia mais

Ambientação JAVA. Versão 0.1 MICHEL CORDEIRO ANALISTA DE NEGÓCIO (NTI 2014) 1 UNIVERSIDADE CEUMA 08/01/2014

Ambientação JAVA. Versão 0.1 MICHEL CORDEIRO ANALISTA DE NEGÓCIO (NTI 2014) 1 UNIVERSIDADE CEUMA 08/01/2014 UNIVERSIDADE CEUMA Ambientação JAVA Versão 0.1 08/01/2014 Este é um modelo de configuração para desenvolvimento no ambiente Java. MICHEL CORDEIRO ANALISTA DE NEGÓCIO (NTI 2014) 1 Sumário Sumário... 2 1

Leia mais

JSF e PrimeFaces. Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL Campus Sapucaia do Sul

JSF e PrimeFaces. Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL Campus Sapucaia do Sul JSF e PrimeFaces Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL 2015 Agenda Introdução Desenvolvimento Web Java Server Faces Exercício 2 Introdução Ao longo dos anos diversas linguagens de programação foram

Leia mais

Desenvolvimento para Android Prá3ca 3. Prof. Markus Endler

Desenvolvimento para Android Prá3ca 3. Prof. Markus Endler Desenvolvimento para Android Prá3ca 3 Prof. Markus Endler Exercício 3.1 Solicitando permissão para abrir uma página Web ü Criaremos uma Ac.vity com um EditText (para entrada de uma URL), um Bu?on e uma

Leia mais

Android Binding. Implementando o padrão de projeto MVVM com MVVM_. Saiba como criar um projeto utilizando o padrão de projeto MVVM no Android

Android Binding. Implementando o padrão de projeto MVVM com MVVM_. Saiba como criar um projeto utilizando o padrão de projeto MVVM no Android MVVM_ Implementando o padrão de projeto MVVM com Android Binding Saiba como criar um projeto utilizando o padrão de projeto MVVM no Android O padrão de projeto MVVM O MVVM (Model-View-ViewModel) foi divulgado

Leia mais

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Software cliente: browser e outros Protocolo HTTP Infraestrutura de transporte

Leia mais

Java para WEB. Servlets

Java para WEB. Servlets Servlets Servlets são classes Java que são instanciadas e executadas em associação com servidores Web, atendendo requisições realizadas por meio do protocolo HTTP. Servlets é a segunda forma que veremos

Leia mais

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação: Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Programação Android na IDE Eclipse PROGRAMANDO ANDROID

Leia mais

Integração do Flex com PHP através s do AMFPHP. Eduardo Kraus PHPSC 29/05/2009

Integração do Flex com PHP através s do AMFPHP. Eduardo Kraus PHPSC 29/05/2009 Integração do Flex com PHP através s do AMFPHP Eduardo Kraus PHPSC 29/05/2009 Quem sou eu? Iniciei minha vida digital aos 15 anos com meu primeiro PC, um 486DX100; Iniciei na programação através s do C++

Leia mais

Prova Específica Cargo Desenvolvimento

Prova Específica Cargo Desenvolvimento UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Centro de Educação Aberta e a Distância CEAD/UFPI Rua Olavo Bilac 1148 - Centro CEP 64.280-001 Teresina PI Brasil Fones (86) 3215-4101/ 3221-6227 ; Internet: www.uapi.edu.br

Leia mais

Nome N Série: Ferramentas

Nome N Série: Ferramentas Nome N Série: Ferramentas Competências: Identificar e utilizar técnicas de modelagem de dados; Habilidades: Utilizar ferramentas de apoio ao desenvolvimento de software; Bases Tecnológicas: Metodologias

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Artigo JavaMagazine (edição 58)

Artigo JavaMagazine (edição 58) 1 / JBoss Seam Simplicidade e produtividade no desenvolvimento de aplicações Web Aprenda a desenvolver aplicações Web utilizando a integração perfeita entre JSF e EJB 3 FÁBIO AUGUSTO FALAVINHA O JBoss

Leia mais

Criação de Servlets Name Directory Build WAR JSP/Servlet frameworks Launch URL Package Class name Generate header comments

Criação de Servlets Name Directory Build WAR JSP/Servlet frameworks Launch URL Package Class name Generate header comments Criação de Servlets 1. Crie um novo projeto através do Menu File New Project. 2. Acesse o Menu File New. 3. Na janela Object Gallery que surgirá, selecione a guia Web. 4. Escolha o ícone que corresponde

Leia mais

ARQUITETURA SISGRAD. Manual de Utilização. Versão: 2.0. Criação: 05 de julho de 2007 Autor: André Penteado

ARQUITETURA SISGRAD. Manual de Utilização. Versão: 2.0. Criação: 05 de julho de 2007 Autor: André Penteado ARQUITETURA SISGRAD Manual de Utilização Versão: 2.0 Criação: 05 de julho de 2007 Autor: André Penteado Última Revisão: 09 de outubro de 2009 Autor: Alessandro Moraes Controle Acadêmico - Arquitetura SISGRAD

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda

Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda Agenda Apresentação Contexto do mercado Soluções para Java 5+ Soluções para Java 2 Conclusões Apresentação Saulo Arruda (http://sauloarruda.eti.br) Trabalha com

Leia mais

Gerenciando conteúdo em Portais Java usando Portlets

Gerenciando conteúdo em Portais Java usando Portlets portlet_ Gerenciando conteúdo em Portais Java usando Portlets Como a especificação dos Portlets pode ajudar a gerenciar grandes Portais no ambiente Java O artigo irá mostrar como utilizar a tecnologia

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Capacitar o aluno para o trabalho com o framework JQuery. INTRODUÇÃO JQuery é uma biblioteca

Leia mais

Grupo de Usuários Java http://www.guj.com.br JavaServer Faces: A mais nova tecnologia Java para desenvolvimento WEB

Grupo de Usuários Java http://www.guj.com.br JavaServer Faces: A mais nova tecnologia Java para desenvolvimento WEB JavaServer Faces: A mais nova tecnologia Java para desenvolvimento WEB Talita Pitanga Conheça um pouco sobre a mais nova tecnologia para desenvolvimento de aplicações WEB: JavaServer Faces. Introdução

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Introdução. Tutorial do Xdoclet. Resumo

Introdução. Tutorial do Xdoclet. Resumo Tutorial do Xdoclet Resumo Apresentar a ferramenta XDoclet uma ferramenta utilizada como tarefa (task) do Jakarta Ant que permite executar e criar templates para gerar arquivos, inclusive código Java,

Leia mais

AJAX Reverso. Comet com DWR. baseado em

AJAX Reverso. Comet com DWR. baseado em AJAX Reverso baseado em Comet com DWR Aprenda a trabalhar com o AJAX Reverso, técnica ainda pouco explorada que proporciona aos sistemas Web a funcionalidade de atualizar os clientes conforme o servidor

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

Aula 4. Objetivos. Conteúdo dinâmico na internet.

Aula 4. Objetivos. Conteúdo dinâmico na internet. Aula 4 Objetivos Conteúdo dinâmico na internet. Para uma solicitação da Web mais simples, um navegador solicita um documento HTML e o servidor Web encontra o arquivo correspondente e devolve. Se o documento

Leia mais

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF-MG Campo Universitário Bairro Marmelos Juiz de Fora MG Brasil

Leia mais

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA 1 Objetivos Apresentar de forma progressiva as diversas alternativas de persistência de dados que foram evoluindo na tecnologia Java, desde o JDBC, passando

Leia mais

Uma introdução ao Google App Engine com GWT

Uma introdução ao Google App Engine com GWT : : www.mundoj.com.br : : Uma introdução ao Google App Engine com GWT Desenvolvendo Java em Cloud Computing. Luiz Felipe Gomes Teixera É desenvolvedor Java na IPNET Soluções com ênfase em aplicações em

Leia mais

Tutorial RMI (Remote Method Invocation) por Alabê Duarte

Tutorial RMI (Remote Method Invocation) por Alabê Duarte Tutorial RMI (Remote Method Invocation) por Alabê Duarte Este tutorial explica basicamente como se implementa a API chamada RMI (Remote Method Invocation). O RMI nada mais é que a Invocação de Métodos

Leia mais

TUTORIAL SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO

TUTORIAL SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WISLIY LOPES JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA LUIZ GUILHERME MENDES TUTORIAL SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO GOIÂNIA JUNHO DE 2014 Sumário

Leia mais

WebApps em Java com uso de Frameworks

WebApps em Java com uso de Frameworks WebApps em Java com uso de Frameworks Fred Lopes Índice O que são frameworks? Arquitetura em camadas Arquitetura de sistemas WEB (WebApps) Listagem resumida de frameworks Java Hibernate O que são frameworks?

Leia mais

Comunicado 110 Técnico

Comunicado 110 Técnico Comunicado 110 Técnico ISSN 1677-8464 Dezembro, 2011 Campinas, SP Fotos: http://www.google.com.br/ Desenvolvendo aplicações web mais interativas com o Flex Builder Gabriel Garcia do Nascimento 1 Luciana

Leia mais

Programação para Android

Programação para Android Programação para Android Aula 01: Visão geral do android, instalação e configuração do ambiente de desenvolvimento, estrutura básica de uma aplicação para Android Objetivos Configurar o ambiente de trabalho

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte.

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Omondo EclipseUML Ricardo Rodrigues Lecheta Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Introdução Neste tutorial será apresentado

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informações Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 7 JPA A Persistência com JPA Para configurar o JPA

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

Arquitetura de Aplicações JSP/Web. Padrão Arquitetural MVC

Arquitetura de Aplicações JSP/Web. Padrão Arquitetural MVC Arquitetura de Aplicações JSP/Web Padrão Arquitetural MVC Arquitetura de Aplicações JSP/Web Ao projetar uma aplicação Web, é importante considerála como sendo formada por três componentes lógicos: camada

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Documentando Código Flex

Documentando Código Flex MXML e ActionScript 3 DClick Desenvolvimento de Software Ltda dev@dclick.com.br Rafael M. Martinelli v1.0 Janeiro/2008 Índice 1. Pré-requisito... 1 2. Objetivo... 1 3. Introdução... 1 4. ASDoc... 1 5.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

BlackBerry Messenger SDK

BlackBerry Messenger SDK BlackBerry Messenger SDK Versão: 1.2 Getting Started Guide Publicado: 2011-10-11 SWD-1391821-1011103456-012 Conteúdo 1 Requisitos do sistema... 2 2 Dependências de versão do BlackBerry Messenger... 3 3

Leia mais

Acessando um Banco de Dados

Acessando um Banco de Dados Acessando um Banco de Dados Introdução Agora que você já está craque em JSP e já instalou seu servidor, vamos direto para a parte prática! Neste tutorial vamos aprender a acessar um banco de dados. Para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. MURILO NUNES ELIAS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Além do JSF: Matriz de Campos com Recursos e Práticas Incomuns

Além do JSF: Matriz de Campos com Recursos e Práticas Incomuns Décio Heinzelmann Luckow (decioluckow@gmail.com): é bacharel em Sistemas de Informação pela Univille e pósgraduando em Gestão de Projetos pela Sustentare Escola de Negócios. Já trabalhou com as linguagens

Leia mais

Prof. Dr. Joubert de Castro Lima. DECOM-UFOP - agosto de 2013

Prof. Dr. Joubert de Castro Lima. DECOM-UFOP - agosto de 2013 O suficiente para programadores sem muita experiência em Java: padrão MVC, documentação de código, persistência, testes unitários e programação para computação de alto desempenho. Prof. Dr. Joubert de

Leia mais

2 Requisitos Mínimos... 2. 1 Visão Geral 2 Instalando o SDK... da Sun 3 Instalando o Tomcat... do Apache Jakarta Project 4 Instalando o WebIntegrator

2 Requisitos Mínimos... 2. 1 Visão Geral 2 Instalando o SDK... da Sun 3 Instalando o Tomcat... do Apache Jakarta Project 4 Instalando o WebIntegrator Conteúdo I Conteúdo Part I Introdução 2 1 Apresentação... 2 2 Requisitos Mínimos... 2 Part II Instruções de Instalação 2 1 Visão Geral... 2 2 Instalando o SDK... da Sun 2 3 Instalando o Tomcat... do Apache

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Tutorial Financeiro WEB. Spring Security

Tutorial Financeiro WEB. Spring Security Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Projeto Integrador Programação com Frameworks Tutorial Financeiro WEB Spring Security Fernando Norberto Juliana Carvalho Thiago Junior Ester Xavier GTI V Matutino 2014

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services (continuação) WSDL - Web Service Definition Language WSDL permite descrever o serviço que será oferecido

Leia mais

Esse update é 10: Novos applets e JavaFX

Esse update é 10: Novos applets e JavaFX Esse update é 10: Novos applets e JavaFX Jorge Diz Instrutor Globalcode Objetivos Objetivos: Mostrar o que vem por ai no desktop/ browsertop Ver se os applets agora vão pegar Onde está JavaFX? Agenda >Applets:

Leia mais

Aplicativos JavaEE 6 modularizados com Web Fragments

Aplicativos JavaEE 6 modularizados com Web Fragments Aplicativos JavaEE 6 modularizados com Web Fragments Kleber Xavier Instrutor e Arquiteto de Software Vinicius Senger Instrutor e Arquiteto De Software Agenda Introdução Componentização com JavaEE 6 Plugabilidade

Leia mais