DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS VIA GOVERNANÇA CORPORATIVA E DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS VIA GOVERNANÇA CORPORATIVA E DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS VIA GOVERNANÇA CORPORATIVA E DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Osmildo Sobral dos Santos (unip) josé antônio siqueira ribeiro (anchieta) Este trabalho possui como proposta enfatizar os aspectos relacionados à importância do princípio da governança corporativa e da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management - SCM) para o desenvolvimento de competências essenciais ao sucessso organizacional. Apreciar-se-á, também, as relações dentro da cadeia produtiva e das redes de negócios observando-se fatores da colaboração entre os elementos da base de negócios. No atual cenário extremamente competitivo das empresas, sejam elas pequenas ou gigantes transnacionais, em que o estabelecimento de competências essenciais é fator determinante para a sobrevivência e/ou sucesso, essas competências podem estar ligados à otimização de processos na Gestão da Cadeia de Suprimento, surge - complementando esse quadro - a Governança como diferencial para demonstrar como estas organizações podem adquirir competências essenciais (vantagens competitivas). A fim de atingir os objetivos deste trabalho de pesquisa foi realizada uma revisão bibliográfica sobre as organizações e a estratégia, cadeia de valor, gestão da cadeia de suprimentos - Supply Chain Management (SCM), governança e a rede de negócio, e governança no SCM. Foram analisadas diferentes perspectivas de autores da área e de seus conceitos aplicados ao assunto em questão. Por fim, apresenta-se como as organizações podem adquirir competências essenciais para obter vantagens competitivas e otimização de processos na Gestão da Cadeia de Suprimentos com a utilização de conceitos baseados na Governança. O artigo não tem a pretensão de estabelecer conceitos completos sobre o assunto, mas sim, contribuir para a discussão de trabalhos futuros na busca de fatores importantes para sobrevivência e sucesso das organizações ligadas ao uso dos conceitos dissertados. Palavras-chaves: Cadeia de Suprimentos, Governança, Cadeia de valor, Supply Chain Management - SCM.

2 1. Introdução Para as organizações a necessidade de obter vantagens competitivas sobre os concorrentes incide na busca constante de novas metodologias e tecnologia como formas de agregar valor aos seus produtos e serviços. A formação de redes de cooperação surge como uma alternativa inovadora e estratégica nas empresas, opondo-se à concepção verticalizada e fragmentada de uma empresa.(amato Neto 2000). Ante a esse quadro, nos dias atuais existem aspectos que podem inferir no sucesso para a gestão das cadeias de suprimentos, levando ao conceito conhecido como Supply Chain Management (SCM), onde aconselha-se sincronizar as necessidades dos clientes com administração dos fluxos de materiais, a partir dos fornecedores, reduzindo o investimento e os custos desses serviços e gerando vantagem competitiva e valor a Cadeia de Suprimentos (Francischini, 2002). Para Andrade e Rossetti (2004),...um bom sistema de governança ajuda a fortalecer as empresas, reforça competências para enfrentar novos níveis de complexidade, amplia as bases estratégicas da criação de valor, é fator de harmonização de interesses e, ao contribuir para que os resultados corporativos se tornem menos voláteis, aumenta a confiança dos investidores, fortalece o mercado de capitais e é fator coadjuvante do crescimento econômico. No ambiente competitivo das indústrias, em que o fator determinante para o sobrevivência e sucesso pode estar ligado à otimização de processos na Gestão da Cadeia de Suprimentos, surge a Governança como diferencial para identificar como estas organizações podem adquirir vantagens competitivas. Os objetivos deste artigo serão apresentar os conceitos e importância do princípio da Governança e do SCM, as relações dentro da cadeia produtiva, das redes de negócios, mostrando fatores essenciais para o sucesso da colaboração entre os elementos da cadeia. 2. Referencial teórico Foram definidos os seguintes conceitos para a explanação: as organizações e a estratégia, cadeia de valor, gestão da cadeia de suprimentos - Supply Chain Management (SCM), governança e a rede de negócio, e governança no SCM. 2.1 As Organizações e a estratégia Conforme Roberts (2005), as organizações com a finalidade de poder alcançar o objetivo pelo qual vieram a existir, com o passar dos anos se especializaram e conseqüentemente tornamse mutuamente dependentes, pois ninguém produz sozinho tudo o que precisa para sobreviver. Ainda enfatiza a necessidade de se coordenar as atividades de diferentes indivíduos para o alcance de tais objetivos. As organizações, cada vez mais, buscam sobreviver em um ambiente de concorrência competitiva e especializada, onde uma das formas é a busca por estratégias que visam agregar valor às unidades de negócios das organizações, descrita por Martin (1996). 2

3 Ainda sobre o assunto, Coronado (2001) afirma que: Vantagem competitiva introduz o conceito de cadeia de valor, um conceito que serve de base para o raciocínio estratégico do gestor sobre as atividades de qualquer negócio e a avaliação de seu custo relativo e o papel na diferenciação. Sobre o assunto, Hamel e Prahalad (1994) ressaltam que, para chegar ao futuro primeiro, a alta administração precisa ver oportunidades não vistas por outras equipes gerenciais ou ser capaz de explorar oportunidades, por meio de desenvolvimento de capacitação preemptiva e consistente que outras empresa não podem oferecer. Diante do exposto, a estratégia oferece às organizações meios para obtenção de vantagem competitiva como, por exemplo, utilizar-se da core competence definido por Porter (1986) no sentido de explorar o que a organização consegue fazer bem, diferenciando-se dos concorrentes de forma positiva e adquirindo, externamente, componentes e serviços de tudo que não estiver dentro de sua competência central. 2.2 Cadeia de valor Porter (1991) esclarece que a cadeia de valor pode ser usada para identificar e entender as fontes específicas de vantagem competitiva e como elas se relacionam para criar valor adicionado para os consumidores. Valor pode ser qualidade, exclusividade, conveniência ou resposta possível do serviço (um valor intrínseco). O denominador comum é o custo para o consumidor. O custo total para o consumidor deve incluir o custo do produto em si mais os custos incorridos para a sua aquisição. Entretanto, somente os custos não dão uma visão total. Eles devem ser considerados junto com os benefícios de valor que estão disponíveis no pacote total (produtos e serviços), antes que o custo total para o consumidor possa ser derivado, alertam Gattorna e Walters (1996). Silva (2002) ressalta que a noção espacial da cadeia de valor é externa à empresa, sendo esta apenas uma parte do todo. Inclusive a abrangência da agregação de valor pode ser diferente entre as empresas concorrentes, pois depende da estratégia de verticalização ou horizontalização. O conceito de cadeia de valor, apresentado e desenvolvido por Porter (1992), ao enfatizar a importância dos elos e da administração dos elos entre atividades geradoras de valor, dá a oportunidade para a discussão da empresa-rede e da gestão do conjunto de relações entre agentes distintos, mas que contribuem de forma conjunta para a geração de valor. Segundo o autor, a cadeia de valores não é uma coleção de atividades independentes, e sim um sistema de atividades interdependentes. As atividades de valor estão relacionadas por meio de elos dentro da cadeia de valores. Ainda segundo Porter (1992), a gestão dos elos pode resultar em vantagem competitiva, de duas formas: otimização e coordenação. Portanto, uma empresa deve otimizar estes elos, refletindo sua estratégia de modo a obter vantagem competitiva. No que se refere à coordenação entre atividades, podem-se reduzir custos e aumentar a diferenciação. É importante ressaltar que os elos extrapolam o âmbito da cadeia de valores de uma empresa, abarcando a relação entre diversas cadeias de valores. Conforme o Institute of Development Studies - IDS (2001), apud Silva e Saes (2005), a análise da cadeia de valor não é recente, pois foi usada, por exemplo, nas décadas de 60 e 70 para análise da dependência histórica de desenvolvimento das economias exportadoras de minerais. 3

4 Além disso, utilizou-se, no final da década de 70 e início de 80, na literatura de planejamento e desenvolvimento francês, para perceber a capacidade da indústria daquele país de se estender ao longo de toda a cadeia de valor. Na literatura francesa, cadeia de valor foi denominada filière. Os conceitos de cadeia de valor e filière são equivalentes, em virtude da importância dada por ambos à formação da cadeia produtiva e à problemática de pesquisa, pois o estudo da filière também se justifica pela necessidade de se conhecer bem o setor em que a empresa atua. É coerente vincular a estratégia empresarial (aquilo que diz respeito aos aspectos internos da empresa) à estratégia da cadeia (aquilo que se vincula às relações com outras empresas), conforme propõem Chopra e Meindl (2003). Na estratégia da cadeia, deve-se priorizar o alinhamento ou a busca da compatibilidade entre as prioridades do cliente e as habilidades dos diferentes agentes da cadeia de suprimento. Nesse sentido, é fundamental identificar os objetivos de desempenho que possibilitam mensurar objetivamente o processo de alinhamento estratégico SCM Supply Chain Management Segundo Christopher (2002), no gerenciamento da cadeia de suprimentos: A logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados (e o fluxo de informações correlatas) através da organização e seus canais de marketing, mais conhecidos como canais de distribuição, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura através do atendimento dos pedidos a baixo custo. Francischini (2002) define cadeia de suprimento como integração dos processos que formam um determinado negócio, desde os fornecedores originais até o usuário final, proporcionando produtos, serviços e informações que agregam valor para o cliente Novaes (2004) afirma que o longo do caminho, que se estende desde a fonte de matériaprima, passando pelas fábricas de componentes, pela manufatura do produto, pelos distribuidores e chegando finalmente ao consumidor através do varejista, constitui a cadeia de suprimentos Pires (2003) considera que o conceito de gerenciamento da cadeia de suprimentos está baseado no fato de que nenhuma empresa existe isoladamente no mercado, que consiste de uma complexa e interligada cadeia de fornecedores e clientes, por onde fluem matérias-primas, produtos intermediários, produtos acabados, informações e dinheiro, sendo responsável pela viabilidade do abastecimento de mercados consumidores. Ainda, Krajewski & Ritzman (2004) indicam que as cadeias de suprimentos precisam ser gerenciadas a fim de coordenar os insumos (input) com os resultados (output), para concretizar as prioridades competitivas apropriadas dos processos corporativos. Segundo Dornier et al. (2000), as dificuldades da Gestão da Cadeia de Suprimentos podem ser devidas à alocação descoordenada e fragmentada de responsabilidades das diversas atividades da cadeia para diferentes áreas funcionais. Considera como essência da gestão da cadeia a visão desta como integradora e coordenadora das atividades de produção e logística. Davis et. al. (1999) informam que existem fatores influentes na cadeia de suprimentos que podem impactar no sucesso da cadeia da empresa, como o reduzido número de fornecedores, aumento da competitividade, compartilhar para reduzir riscos, utilização de tecnologia, design colaborativo e produção colaborativa. 4

5 Porter (1986) elucida que o SCM também introduz uma importante mudança no paradigma competitivo, na medida em que considera que a competição no mercado ocorre, de fato, entre cadeias produtivas, e não apenas entre unidades de negócios isoladas. Na continuidade do assunto, Pires (1998) esclarece algumas das práticas e princípios mais freqüentes na SCM, com a finalidade de obter vantagem competitiva para a organização e alerta que, em alguns casos, mudanças de ordem cultural, estrutural e administrativa se fazem necessárias: a) Gestão integrada da cadeia de suprimentos: significa que o planejamento estratégico da cadeia deve ser feito de forma holística (ou sistêmica), considerando a cadeia como um todo e não como partes independentes; b) Reestruturação e consolidação do número de fornecedores e clientes: significa reestruturar (geralmente através de redução) o número de fornecedores e clientes, construindo e aprofundando as relações de parceria com o conjunto de empresas com as quais, realmente, se deseja desenvolver um relacionamento colaborativo e com resultado sinérgico; c) Divisão de informações e integração de infra-estrutura com clientes e fornecedores: propicia entregas Just-In-Time e redução dos níveis de estoques. Isto pode ser conseguido mediante a utilização de práticas como EDI, ECR (Efficient Consumer Response), e com a adoção de representantes permanentes (in plant representatives) junto aos clientes prestando auxílio técnico e consultivo em questões de produção. d) Desenvolvimento conjunto de produtos: o envolvimento dos fornecedores desde os estágios iniciais do desenvolvimento de novos produtos (Early Supplier Involvement) tem proporcionado, principalmente, uma redução no tempo e nos custos dos mesmos. e) Considerações logísticas na fase de desenvolvimento dos produtos: representa a concepção de produtos que facilitem o desempenho da logística da cadeia produtiva, geralmente também envolvendo a escolha de um operador logístico eficiente para administrar a mesma. f) Outsoursing na cadeia de suprimentos: consiste em uma prática onde parte do conjunto de produtos e serviços utilizados em uma empresa (na realização de uma cadeia produtiva) são realizados por uma empresa externa, num relacionamento colaborativo e interdependente. A empresa fornecedora se especializa e se desenvolve continuamente, enquanto a outra empresa cliente se empenha nas suas atividades principais. Outsoucing significa, essencialmente, a opção por uma relação de parceria e cumplicidade com um ou mais fornecedores da cadeia produtiva, numa decisão tipicamente estratégica, abrangente e de difícil reversão. 2.4 Governança e a rede de negócio. O conceito de Governança, instituído por Williamson (1996), pode ser definido como a matriz onde a relação contratual se desenvolve na sua totalidade e sustenta o conceito de que as formas de governaça observadas devem se alinhadas com características das transações, seguindo uma lógica visando a economia de custos de transação. Carlini Junior e Dantas (2004) compartilham deste pensamento e declaram que a estrutura de governança mais adequada depende, principalmente, do nível de especificidade dos ativos embutidos nas transações. O mercado é a estrutura de coordenação mais eficiente quando as 5

6 transações são padronizadas, em que o preço é a única variável importante para se efetuar a transação, assim como acontece com as transações que envolvem commodities agrícolas. Para que as transações com presença de especificidade nos ativos possam ser realizadas de modo eficiente, ou seja, com os custos de transação e de produção mais baixos possíveis, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT privilegia a hierarquia ou formas híbridas, como, por exemplo, contratos formais ou informais, parcerias e franchising. Ainda sobre esse assunto, Zylbersztajn (1995) defende a governança como sendo uma estrutura-padrão de transações e contratos que minimizem custos de transação dentro das organizações. Pode-se perceber que a escolha da estrutura de governança a ser adotada pelas organizações é determinante na busca por vantagem competitiva. Williamson (1996) utiliza a expressão especificidade dos ativos para designar a perda de valor dos investimentos no caso de quebras contratuais baseados em oportunidades. Dentro deste prisma, a abordagem dos custos de transação também deve ser levada em conta nas organizações em rede, pois a racionalidade limitada e comportamentos oportunísticos por parte dos agentes provocam incerteza no ambiente, o que altera o nível de cooperação, pois a confiança mútua pode ser abalada. O desafio está, então, em se conciliar colaboração com competição, o que significa, também, considerar a questão do poder. Suzigan, Garcia e Furtado (2002), ressalvam que a governança da atividade produtiva refere-se a relações de poder que ocorrem ao longo das cadeias de produção e mercadorias. Storper & Harrison (1991) declaram que a capacidade de comando das relações entre empresas e a governança são formadas dentro das cadeias de produção e distribuição de mercadorias e o sistema de produção é a estrutura de coordenação que se forma a partir das interações que se dão ao longo das cadeias de suprimentos. Nas afirmações de Zaccarelli (2005) apud Fittipaldi (2006), a governança é indispensável para tornar a rede de negócios competitiva e ser uma entidade supra-empresarial evoluída, e para isto acontecer considera dez itens fundamentais para a performance competitiva de rede de negócios, onde a governança assume duas funções: complementar e fundamental, onde: Função fundamental: a governança é indispensável, sem ela estes itens não existem, onde procura-se: I) formas de homogeneizar a intensidade de fluxo nas empresas da rede; II) formas para introduzir inovações para alinhamento entre os negócios da rede; III) formas para introdução de novas tecnologias nas empresas da rede, para maior competitividade; IV) formas de compartilhar investimentos, riscos e lucros; V) existência de estratégia para competir como rede com outras redes de negócios. Função complementar: precariamente viável por auto - organização sem governança e consiste em: I) especialização das empresas; II) compra direta de insumos, eliminando o tipo de empresa exclusivamente comerciante; III) fidelidade nas transações entre empresas da rede; IV) abrangência dos negócios para incluir na rede os negócios relevantes para o produto principal da rede; V) agilidade na substituição de empresas da rede sem boa gestão. Assim, Oliveira e Guerrini (2003) indicam que as redes de cooperação podem ser traduzidas como uma relação de colaboração mútua mantendo uma interdependência entre as empresas, que se unem por objetivos em comum, como por exemplo, financiar uma pesquisa, introduzir um novo produto no mercado, realizar alianças oportunistas, entre outros. 2.5 Governança e o SCM 6

7 Suzigan, Garcia e Furtado (2002) declaram que a capacidade de governar e comandar a rede de empresas faz com que os valores gerados ao longo dos processos de produção e distribuição de mercadorias sejam apropriados pelos grandes compradores internacionais. Segundo esses autores, os processos produtivos são de responsabilidade de extensas redes de empresas subcontratadas, geralmente de países em desenvolvimento, que fabricam o produto acabado de acordo com as especificações de seus compradores externos responsáveis pelo desenvolvimento do produto e e/ou pela sua comercialização, afirmam Suzigan, Garcia e Furtado (2002). Na continuidade do assunto, Olave e Amato Neto (2001) declaram que as empresas em rede complementam-se nos planos técnicos (meios produtivos) e comerciais (redes de distribuição) e decidem apoiar-se mutuamente em prioridade. Yoshizaki (2000), identifica a existência de complexas teias de relacionamentos que envolvem a seleção e a organização dos parceiros a jusante e a montante no fluxo logístico, pois o cliente de uma empresa vai ser o fornecedor de outra mais à frente, e assim sucessivamente. Humphrey & Schimitz (2000) assinalam que os grandes compradores assumem papel fundamental na transmissão dos conhecimentos aos produtores que se inserem na cadeia e as necessidades e garantia da qualidade e de cumprimento das especificações do produto fazem com que os produtores desenvolvem habilidades específicas, muitas vezes em colaboração com os grandes compradores. Storper & Harrison (1991) indicam que as relações dentro da cadeia produtiva (ou sistema de produção) são governadas por mecanismos de preços ou, em outro extremo, são resultados de fortes hierarquias impostas pelos agentes participantes do processo. Ainda sobre a questão, Zylbersztajn e Nogueira (2001) relatam que os diferentes arranjos contratuais entre as empresas, amparados por um intermediário financeiro, podem configurar um conjunto amplo de transações coordenadas de modo quase hierárquico. Kanter (1994) apud Vieira (2006) salienta que os relacionamentos mais produtivos são aqueles baseados em cinco tipos de integração. São elas: a) integração vertical: diz respeito ao envolvimento dos líderes da empresas na definição dos objetivos e das estratégias de negócios. Este tipo de integração permite troca de informações estratégicas e melhor conhecimento das oportunidades e dificuldades da parceria; b) integração tática: refere-se ao envolvimento dos gerentes e coordenadores das empresas na busca do cumprimento das metas, estímulo à descoberta de oportunidades e melhor atendimento das equipes parceiras; c) integração interpessoal: diz respeito a construção de uma base de relacionamento entre os parceiros com o objetivo de atingir à integração interorganizacional; d) integração operacional: estabelece meios para que as pessoas resolvam os problemas do dia-a-dia de forma a assegurar o acesso às informações e recursos, tanto físicos como humanos; e) integração cultural: diz respeito às habilidades de comunicação e consciência cultural que resumem as diferenças interorganizacionais e interpessoais. Como exemplo, o autor cita a criação de uma joint ventures entre duas empresas para atuar em outro segmento de mercado. O autor esclarece, ainda, que boas condições culturais proporcionam uma maior aproximação entre os parceiros, havendo um maior comprometimento entre eles. Para Lam e Chin (2005), confiança é um dos elementos essenciais de colaboração e que a desconfiança é, geralmente, a principal fonte de conflitos. Estes autores identificaram treze fatores essenciais para o sucesso da colaboração, e os agruparam em quatro categorias. Dentre 7

8 essas categorias pode-se destacar: (1) Gestão do relacionamento: consiste na administração do relacionamento entre os parceiros, se a parceria está sendo benéfica para ambas as partes. Esta categoria contém os seguintes fatores: (1.1) Mútuo entendimento dos objetivos organizacionais; (1.2) Compromisso de colaboração; (1.3) Confiança; (2) Conflito que dirige o sistema (Conflict handling system), onde há - (2.1) Conflito na cultura organizacional; (2.2) Habilidades; (2.3) Processos; (2.4) Monitoramento e aperfeiçoamento; (3) Novo produto desenvolvido com o gerenciamento do processo. 3. Comentários finais e conclusões Este artigo apresenta um momento do estado da arte no que concernem os conceitos de diferentes pesquisadores sobre a importância do princípio da Governança e do Supply Chain Management SCM dentro das relações da cadeia produtiva para as organizações como fator de competitividade. Outrossim identifica os fatores essenciais para o sucesso da colaboração entre os elementos da cadeia de suprimentos e negócios. A fim de atingir os objetivos deste trabalho de pesquisa foi realizada uma revisão bibliográfica sobre as organizações e a estratégia, cadeia de valor, gestão da cadeia de suprimentos - Supply Chain Management (SCM), governança e a rede de negócio, e governança no SCM. Foram analisadas diferentes perspectivas de autores da área e de seus conceitos aplicados ao assunto em questão. O artigo apresenta como as organizações podem adquirir competências essenciais para obter vantagens competitivas e otimização de processos na Gestão da Cadeia de Suprimentos com a utilização de conceitos baseados na Governança. O artigo não tem a pretensão de estabelecer conceitos completos sobre o assunto, mas sim, contribuir para a discussão de trabalhos futuros na busca de fatores importantes para sobrevivência e sucesso das organizações ligados ao uso dos conceitos dissertados. 4. Referências Bibliográficas AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, ANDRADE, A.; ROSSETI, J. P. Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. São Paulo: Atlas, CARLINI JUNIOR, R.J.; DANTAS, C.L.F. Análise contratual sobre a ótica da economia dos custos de transação: a relação entre uma cooperativa hortícola e uma rede de supermercados no estado de Pernambuco, [online] Disponível na Internet via URL:http://www.mackenzie.br/editoramackenzie/revistas/administracao/adm5n1/105.pdf. Arquivo capturado em 12/12/2007. CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégias para a redução de custos e melhoria dos serviços. São Paulo: Thomson Pioneira, CORONADO, Osmar. Controladoria no Atacado e Varejo: logística integrada e modelo de gestão sob a ótica da gestão econômica logisticon. São Paulo: Atlas, DAVIS, M.,; AQUILANO N.; CHASE, R. Fundamentals of Operations Management. Toronto: Irwin McGraw-Hill. 1999; p. DORNIER, P.P; ERNST, R.; FENDER, M.; KOUVELIS, P. Logística e Operações Globais; Texto e Casos, São Paulo; Atlas; FITTIPALDI, M. A. S. Estudo sobre rede de negócios no setor editorial de revistas vendidas em bancas de jornais na cidade de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Universidade Cidade de São Paulo -UNICID, Programa de Pós-graduação Mestrado em Administração, São Paulo:

9 FRANCISCHINI, G. P. Administração de materiais e do patrimônio. São Paulo: Pioneira Thomson, GATTORNA, J.L.; WALTERS, D.W. Managing the supply chain. New York: Macmillan, p , HAMEL, G.; PRAHALAD, C.K. Competing for the future. Cambridge, M.A: Harvard Business School Press, HITT, M. A.; IRELAND, R. D.; HOSKISSON, R. E. Administração estratégica. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, HUMPRHEY, J.; SCHMITZ, H. Governance and upgrading: linking industrial cluster and global value chain research. IDS Discussion Paper, n. 120, (2000). Governance in global value chains. Published in IDS Bulletin, Vol 32, No 3, 2001 KRAJEWSKI, L.J.; RITZMAN, L.P. Administração de produção e operações. São Paulo: Pearson Prentice Hall, LAM, P. K.; CHIN, K. S. Identifying and prioritizing critical success factors for conflict management in collaborative new product development. Industrial Marketing Management. Vol. 34. N.8, p , MARTIN, J. A grande transição: usando as sete disciplinas da engenharia para reorganizar pessoas, tecnologia e estratégia. São Paulo: Futura, NOVAES, A.G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, ª Reimpressão. OLAVE, Maria E. L.; AMATO NETO, João. Redes de cooperação produtiva: uma estratégia de competitividade e sobrevivência para pequenas e médias empresas, [online] Disponível na Internet via URL: Arquivo capturado em 02/12/2007. OLIVEIRA, R. F.; GUERRINI, F. M. Estrutura morfológica de redes de empresas. In: X SIMPEP Simpósio de Engenharia de Produção. UNESP, Bauru, São Paulo: Anais.., PIRES, F. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: tendências da indústria automobilística brasileira, In: FIGUEIREDO, K.F.; FLEURY, P. F.; WANKE, P. (Organizadores) Logística e gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. São Paulo: Atlas, PIRES, S. I. Gestão da Cadeia de Suprimentos e o Modelo de Consórcio Modular. Revista de Administração. Vol.33, n.3, p5-15, julho/setembro, PORTER, M. E. Estratégia Competitiva. Rio de Janeiro: Editora Campus, Estratégia competitiva: técnicas para análise da indústria e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus, 1991 ROBERTS, J. Teoria das organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, RCG Supply Chain Management Definition - Rockford Consulting Group. New York, USA, [online] Disponível na Internet via URL:http://logistics.about.com/gi/dynamic/offsite.htm?zi=1/XJ&sdn=logistics&zu=http%3A%2F%2Fwww.rockfor dconsulting.com%2fscm.htm. Arquivo capturado em 02/12/2007: 04 ago SILVA, C. L. da. Competitividade na cadeia de valor: um modelo econômico para tomada de decisão empresarial. Curitiba: Juruá Editora, SILVA, C. L.; SAES, M. S. M. Estruturas e características da cadeia de valor a partir do tipo de Governança: uma avaliação preliminar da avicultura de corte Paranaense, [online] Disponível na Internet via URL:www. unioeste.br/revistas/gepec/download.php?id=37 Arquivo capturado em 02/12/2007. STORPER, M; HARRISON, B. Flexibility, hierarchy and regional developments: the changing structure of industrial production systems and their forms of governance in the 1990s. Research Policy, North-Holland, v.20, n.5,1991. SUZIGAN, S.; GARCIA, R.; FURTADO, J. Governança de sistemas de MPME em clusters industriais. Rede de Sistemas Produtivos e Inovativos Locais, UFRJ, setembro de VIEIRA, J. G. V. Avaliação do estado de colaboração logística entre indústria de bens de consumo e redes de varejo supermercadista. Tese de Doutorado. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, YOSHIZAKI, Hugo. Supply chain management e logística [online] Disponível na Internet via URL:http://www.portal.vanzolini_ead.org.br/siteBuilder/upload/br/site_147/arquivos/secao_584/SCM_logisitca.pdf. Arquivo capturado em 02/12/2007. WILLIAMSON, O. Mechanisms of governance. Ney York: Oxford University Press,1996 9

10 ZYLBERSZTAJN, D.. Estruturas de Governança e Coordenação do Agribusiness: Uma aplicação da Nova Economia das Instituições. Tese de Livre-Docência apresentada no Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP), 1995, 238 p. ZYLBERSZTAJN, D.; NOGUEIRA, A.C.L. Estabilidade e difusão de arranjos verticais de produção: uma contribuição teórica. Preparado para o II Simpósio Brasileiro sobre a Nova Economia Institucional. UNICAMP, Março de

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular

Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular Ana Carolina Cardoso Firmo (UNIFEI) accfirmo@unifei.edu.br Renato da Silva Lima (UNIFEI) rslima@unifei.edu.br

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

1- Objetivos e métodos

1- Objetivos e métodos Resumo: O dinamismo e a competitividade sempre caracterizaram a indústria automobilística, a qual está em constante busca por inovações que agreguem valor ao seu processo produtivo, reduzindo custos com

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ISSN: 0000-0000 Monica Alejandra Noemi Romero 1 Dario Silva de Souza 2 RESUMO O presente artigo tem por objetivo apresentar uma revisão bibliográfica da abrangência

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho para Agrônomia. Prof. Antonio Domingos Padula 21/10/2011

Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho para Agrônomia. Prof. Antonio Domingos Padula 21/10/2011 Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Escola de Administração - EA Centro de Estudos e Pesquisas em Agronegócios - CEPAN Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista.

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Romão del Cura Lopéz (OPET) romao_dcl@ig.com.br Rodrigo Perez Guerra (OPET) rodrigoguerra@softall.com.br Mari Regina Anastácio (PUCPR)

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO 1 Ana Carolina Ignácio da Silva 2 Flavio José Patrocínio 3 Marcia Tathiane da Silva Ribeiro Mantovani 4 Mariane Ichisato 5 Renata Cristina

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Turmas de Agosto de 2014 Início das Aulas: 18/08/2014 Termino das Aulas: 31/08/2015 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

Inovação na cadeia produtiva

Inovação na cadeia produtiva CRI Minas BH, 21 Mar 2013 Inovação na cadeia produtiva Renato Garcia Poli/USP renato.garcia@poli.usp.br Novo paradigma tecnológico Reestruturação das grandes empresas Especialização nas competências centrais

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

2. Referencial teórico

2. Referencial teórico 2. Referencial teórico O referencial teórico consiste em uma revisão bibliográfica de forma a apresentar o embasamento necessário para compreensão do tema e seus elementos relacionados. São apresentados

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Logística e o Marketing: a integração dos processos em busca da vantagem competitiva

Logística e o Marketing: a integração dos processos em busca da vantagem competitiva Logística e o Marketing: a integração dos processos em busca da vantagem competitiva Glauber Ruan Barbosa Pereira (FARN) glauber_pereira@globo.com Maria Valéria Pereira de Araújo, Dra. (UFPB) valeriaraujoufpb@gmail.com

Leia mais

O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model)

O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model) VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model) Carlos M.Taboada Rodrigues (PPGEP UFSC) taboada@deps.ufsc.br Cristian

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM ISSN 1984-9354 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM Darciane Alves Justino (Fac. Redentor) Eduardo Barbosa Bernardes

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response )

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Objetivo da Aula Aprofundar os conhecimentos de ECR, suas vantagens e implicações. Introdução Na aula anterior, estudamos

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Luís Henrique Piovezan (SENAI-SP, Uniban e Escola Politécnica da USP) lhpiovezan@aol.com Adalberto

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO O investimento direto estrangeiro tornou-se, desde o inicio de 90,

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Um modelo para a gestão do relacionamento cliente-fornecedor em cadeias de suprimentos

Um modelo para a gestão do relacionamento cliente-fornecedor em cadeias de suprimentos XIII SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, 06 a 08 de novembro de 2006. Um modelo para a gestão do relacionamento cliente-fornecedor em cadeias de suprimentos Márcio de Souza Campos (UNIMEP) marcioscampos@terra.com.br

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do Setor Automobilístico

Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do Setor Automobilístico IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO MBA Gestão de negócios com ênfase em compras Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática MATRIZ CURRICULAR ELETIVAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática MATRIZ CURRICULAR ELETIVAS MATRIZ CURRICULAR ELETIVAS 7ª ETAPA GESTÃO EMPRESARIAL: FOCO SISTEMAS CORPORATIVOS Disciplina: ESTRATÉGIAS EM SISTEMAS DE GESTÃO EMPRESARIAL ENEX00614 (34) Teóricas 34 h/a Conceitos básicos de estratégia

Leia mais

Terceirização e estratégia competitiva: perspectivas para a logística no Brasil

Terceirização e estratégia competitiva: perspectivas para a logística no Brasil XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de Novembro de 2006 Terceirização e estratégia competitiva: perspectivas para a logística no Brasil Karine Lima de Carvalho (PRO/USP) karine.carvalho@poli.usp.br Maria

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS Felipe Devos Masson (Unifran ) felipemasson1@hotmail.com DIEGO FERNANDES SILVA (Unifran ) difersilva@yahoo.com.br Antonio Vieira Nunes (Unifran ) antoniovieiranunes1@hotmail.com

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: ASPECTOS SOCIOTÉCNICOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: ASPECTOS SOCIOTÉCNICOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: ASPECTOS SOCIOTÉCNICOS Prof. Marcelo Rodrigues dos Santos UFMG e Fundação Dom Cabral Prof. Stéfano Angioletti UFMG e Fundação Dom Cabral Prof. Marcello

Leia mais

Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1

Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1 Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Apresentar e discutir o conceito de Cadeia de Suprimentos; 2. Apresentar e

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Caracterização da estrutura de governança: um estudo de caso na Companhia Siderúrgica de Tubarão CST

Caracterização da estrutura de governança: um estudo de caso na Companhia Siderúrgica de Tubarão CST Caracterização da estrutura de governança: um estudo de caso na Companhia Siderúrgica de Tubarão CST Mônica de Fátima Bianco (UFES-PPGAdm) mfbianco@npd.ufes.br Hélio Zanquetto Filho (UFES-PPGAdm) zanquetto@ccje.ufes.br

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos

6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos 6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos 6.1 Relacionamentos no canal Os relacionamentos entre distintos membros de uma cadeia de suprimentos sugerem um alto grau de complexidade e fonte quase sempre

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS A LOGÍSTICA COMO FATOR COMPETITIVO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES ALUNO:

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais