Java e XML Processamento de documentos XML com Java

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Java e XML Processamento de documentos XML com Java"

Transcrição

1 Guia de Consulta Rápida Java e XML Processamento de documentos XML com Java 2 a edição Renê Rodrigues Veloso Novatec

2 Copyright 2007 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo, sem prévia autorização, por escrito, do autor e da Editora. Editor: Rubens Prates ISBN: Primeira impressão: Abril/2003 (ISBN: ) Segunda edição: Julho/2007 (ISBN: ) Novatec Editora Ltda. Rua Luís Antônio dos Santos São Paulo SP Brasil Tel.: Fax: Site:

3 Sumário Introdução...5 Por que utilizar Java?...5 O que é XML?...5 Analisando documentos XML...7 Parsers XML...8 Processadores XML...9 Diferenças entre parser e processador XML Diferenças entre SAX e DOM Trabalhando com JAXP...11 As APIs JAXP Parser DOM Parser SAX Validando com Schema em JAXP...22 Trabalhando com Xerces...25 Instalação...25 Parser DOM...25 Parser SAX...26 Manipulando Namespaces...26 Validação DTD...26 Validação Schema...26 Tratando erros...26 A Interface ErrorHandler...27 Utilizando o tratador de erros criado...28 Removendo espaços em branco...28 Removendo espaços em branco com JAXP...29 Removendo espaços em branco com Xerces...29 API DOM...30 Módulos de DOM...30 Hierarquia de Classes/Interfaces Interface Node Interface NodeList...38 Interface Element Interface NamedNodeMap Interface Attr...42 Interface Document...42 Interface CharacterData...44 Interface Text...45 Interface DocumentType...46 Interface Entity Interface Notation Interface ProcessingInstruction Interface DOMImplementation...48 Classe DOMException...48 Módulo DOM Traversal...50 Interface NodeIterator...51 Interface fábrica DocumentTraversal Interface NodeFilter...54 Interface TreeWalker...56 Gerando documentos XML...58 Criando uma árvore DOM...58 Criando um objeto Document...58 Criando e adicionando nós-filho...58

4 Sumário Serialização...60 Serializando com JAXP...60 Serializando com Xerces...64 Classe OutputFormat...64 XPath e XSLT...68 XPath...68 Funções de processamento XPath...73 XPath em Java...77 XSLT Exemplos práticos...84 Trabalhando com DOM4J...90 Instalação...90 Parsing XML...90 Criando um Novo Documento XML Percorrendo o documento XML...93 Navegação com Xpath...93 Convertendo de String para Árvore DOM4J...94 Principais Interfaces do Pacote org.dom4j...95 Serialização de Objetos em XML Serializando com XStream Serializando com XMLEncoder/XMLDecoder Informações adicionais (links) Sobre o autor Índice remissivo

5 Introdução Introdução Por que utilizar Java? A frase escreva um e rode em qualquer lugar é um bom motivo para começar a pensar em Java como sendo a plataforma de desenvolvimento de aplicações poderosas, seguras e que funcionam em qualquer ambiente computacional. Java é uma linguagem popular e de recursos fantásticos; com ela é possível fazer quase tudo o que se queira, é ideal para a implementação de aplicativos baseados em Intranet e Internet e em qualquer outro software para dispositivos que se comunicam em uma rede (como telefones celulares, pagers e PDAs Personal Digital Assistants), e possui recursos importantes como manipulação de strings, imagens gráficas, componentes de interface gráfica com o usuário, tratamento de exceções, multitarefa, multimídia (áudio, imagens, animação e vídeo), processamento de arquivos, processamento de banco de dados, computação distribuída e estruturas de dados pré-empacotadas. Os recursos de Java são exatamente o que as empresas e organizações estão procurando para atender aos requisitos de processamento de informações atuais. A linguagem Java foi desenvolvida pela Sun Microsystems e está disponível gratuitamente na Internet no site da Sun:. O que é XML? A XML (Extensible Markup Language, ou Linguagem de Marcação Extensível, com extensível significando expansível), é uma metalinguagem de marcação definida pelo W3C (World Wide Web Consortium) em que lhe permite criar a sua própria linguagem (baseada em marcações tags) e seguindo as regras que você definir em um determinado contexto. O W3C não é um órgão de padronização como a ISO, mas de recomendações. Isso significa que ele indica o que é melhor, e não o que deverá, necessariamente, ser utilizado. Por exemplo, a recomendação XML 1.1. Interoperabilidade É muito comum encontrarmos, principalmente em ambientes empresariais, grandes redes de comunicação de dados interligando aplicativos distribuídos entre máquinas com arquiteturas e sistemas operacionais diferentes. E para que isso aconteça, é necessário que as aplicações sejam capazes de conversar entre si, ou melhor, é fundamental que haja interoperabilidade entre elas. Para que ocorra interoperabilidade, também é preciso que as aplicações aceitem uma especificação comum de protocolos e formato de dados e que sejam, o máximo possível, baseadas

6 Introdução em padrões abertos. A Internet é um bom exemplo de ambiente facilitador de interoperabilidade, e padronização é uma palavra importante na grande rede, pois nela devemos garantir que a informação transmitida será entendida pelo receptor, como os diversos browsers e aplicações clientes existentes. Uma das principais vantagens da XML é justamente promover a interoperabilidade ou a troca dos dados de maneira simples, barata e rápida entre os diversos tipos de computadores e sistemas. E isso se dá porque um arquivo XML é baseado em formato texto, contribuindo até mesmo para a leitura e maior entendimento. Organização e personalização XML representa os dados de maneira hierárquica e organizada. Essa representação é feita por meio de uma árvore que trata cada elemento como sendo um nó, facilitando o entendimento e a busca de informações. Uma outra função de XML é a capacidade de separar o conteúdo da apresentação; preocupa-se com o que mostrar, enquanto HTML se preocupa em como mostrar a informação. Veja a tag <p>, por exemplo; em HTML, essa tag significa o início de um parágrafo, já em XML, essa mesma tag poderia representar um preço, um parâmetro, uma pessoa etc., dependendo do contexto em que se encontra. Existem várias linguagens de marcação que foram criadas a partir de XML e que se tornaram recomendações do W3C, como a MathML (Mathematical Markup Language) em. que fornece uma maneira padrão de descrever equações, símbolos e expressões matemáticas, e a CML (Chemical Markup Language) em que descreve informações moleculares, gerencia problemas de equações químicas e ajuda os químicos a manipular átomos e moléculas como tags. Autodescrição dos dados Os dados em um documento XML são autodescritíveis, já que as tags informam o tipo de informação que está por vir. Por exemplo, em um documento XML, como o mostrado a seguir: livro.xml <?xml version= 1.0 encoding= UTF-8?> <LIVRO> <TITULO> Java e XML </TITULO> <ASSUNTO> Processamento de documentos XML com Java </ASSUNTO> </LIVRO>

7 Introdução Tomando como base somente os nomes das tags ou elementos XML, podemos descobrir de que se trata o documento apresentado. Neste caso, o documento livro.xml descreve informações sobre um livro cujo título é Java e XML e o assunto é Processamento de documentos XML com Java. Documentos bem formados Um bom documento XML precisa ser bem formado, ou seja, deve seguir as regras de sintaxe estabelecidas para a XML pelo W3C na especificação XML 1.1. O documento XML precisa conter um ou mais elementos (tags); deve haver somente um elemento raiz, que deve conter todos os demais elementos. Cada elemento deve estar aninhado corretamente dentro de outro elemento. Cada elemento deve ter a sua tag de fechamento correspondente. Diferentemente do HTML que pode ter tags abertas, embaralhadas e sem raiz, o documento XML deve ser sintaticamente correto. Documentos válidos Um documento XML é dito válido se houver uma definição de tipo de documento (DTD) ou Schema associado a ele. DTD/Schema dita as regras que o documento deve seguir, quais são seus elementos, os seus nomes e que tipo de dados suporta. Veja um exemplo de DTD para o documento livro.xml mostrado anteriormente: <!ELEMENT LIVRO (TITULO, ASSUNTO)> <!ELEMENT TITULO (#PCDATA)> <!ELEMENT ASSUNTO (#PCDATA)> O arquivo com esse texto pode ser chamado de livro.dtd. Observação Um documento bem formado nem sempre é válido, mas um documento válido é sempre bem formado. Analisando documentos XML Para trabalhar com documentos no formato XML, de maneira que se tenha acesso a todos os elementos que constituem o documento, precisamos ter em mãos algumas ferramentas que nos permitirão realizar a parsing ou análise dos dados. Essas ferramentas são as chamadas APIs (Application Programming Interface), disponíveis para Java, com as quais construíremos os parsers e processadores XML.

8 Analisando documentos XML Parsing É o processo de leitura e divisão do documento em elementos, atributos, entidades, comentários e outros tipos de dados, por meio do qual poderão ser analisados e validados. Parsers XML O parser é uma biblioteca de software (uma classe em Java) que lê o documento XML e verifica se ele é bem formado e válido. Validante e não-validante Os parsers XML são categorizados como validantes e nãovalidantes: Validante: Um parser validante deve checar as restrições de validação e boa formação do documento de acordo com o DTD/Schema associado. Não-validante: Quando lemos um documento XML, um parser não-validante checa a sua boa formação de acordo com a especificação XML 1.1 e informa quaisquer violações ou erros quanto à estrutura do documento. Java 1.4 foi a primeira versão de Java a incluir um parser XML. Em outras versões, é necessário fazer o download do parser na web e instalá-lo normalmente como qualquer outra biblioteca Java, bastando adicioná-lo ao seu CLASSPATH. Mesmo em Java 1.4 é possível substituir o parser-padrão por um diferente que contenha uma característica adicional, mais simples ou mais rápida em seus documentos. Parsers disponíveis Existem vários tipos de analisadores ou parsers XML, todos com características e implementações distintas, podendo ser encontrados disponíveis para download na internet ou comercializados. A seguir serão citados os mais comuns. Ælfred O Ælfred (http://www.microstar.com/aelfred.html) é um pequeno e rápido parser especialmente desenvolvido para o uso em applets Java. Foi projetado para programadores Java que querem processar XML em seus applets e outras aplicações sem aumentar excessivamente o tamanho do projeto. Alfred consiste em somente duas classes, com um total de 26K de tamanho, e necessita de pouca memória para executar. Suporta a API SAX.

9 Analisando documentos XML Crimson Antes conhecido como Projeto Java X (http://xml.apache. org/crimson/), é o parser que a Sun empacota com o JDK 1.4. Crimson suporta mais ou menos as mesmas APIs e especificações que a Xerces SAX2, DOM2, JAXP, XML 1.0, Namespaces em XML e schema. Oracle XML Parser Encontrado em É um parser que permite a análise de documentos XML por meio das APIs SAX ou DOM, usando os modos validante ou não-validante. Piccolo Piccolo de Yuval Oren é um parser pequeno, rápido e nãovalidante. No entanto, faz a leitura de DTDs externas e as aplica ao documento ajustanto valores de atributos e resolvendo referências a entidades externas. Suporta exclusivamente a API SAX. Não possui implementação DOM. Mais informações podem ser obtidas em Xerces Um dos melhores e mais completos parsers disponíveis atualmente é Xerces-J do Projeto XML Apache, disponível em Atualmente, na versão 2.x, possui a melhor adaptação à especificação XML 1.1. Fornece suporte completo às APIs SAX2 e DOM Level 3, e até JAXP. Xerces-J é altamente configurável e adaptável para quase tudo de que um parser necessita. Xerces-J também suporta W3C XML Schema Language e Namespaces. XP Encontrado em XP é um parser que suporta a especificação 1.0 da XML. É capaz de detectar documentos bem formados, no entanto, atualmente, é um parser não-validante. Suporta a API SAX. Processadores XML Basicamente um processador XML é um módulo de software que faz a leitura de documentos XML e fornece os aplicativos necessários para acessar o conteúdo e a estrutura desses documentos. A especificação XML 1.0 do W3C (http://www. w3.org) define precisamente as funções de um processador XML. Um processador XML (Figura 1) funciona como uma ponte entre um documento XML e uma aplicação, podendo, além de analisar, também gerar documentos XML. A aplicação utiliza uma API para acessar objetos que representam parte do documento XML.

10 10 Analisando documentos XML Documento XML Processador XML Árvore DOM Eventos SAX Aplicação Análise Geração Acesso com DOM e SAX Figura 1 Processador XML. Diferenças entre parser e processador XML Um parser XML tem a função de fazer a análise do conteúdo de um documento XML e verificar se esse documento é bem formado e válido. Já um processador XML, além de fazer a parsing ou a análise dos dados, pode navegar por entre os nós da árvore XML, acessar todos os elementos e campos, como também gerar documentos em formato XML e quaisquer outros formatos. Diferenças entre SAX e DOM O objetivo das APIs SAX e DOM é tornar a interpretação XML fácil e satisfatória para programas de computador. Para fazer essa interpretação, existem duas técnicas conhecidas como Simple API for XML (SAX) e Document Object Model (DOM), baseadas em abstrações dos conjuntos de informação de um documento XML (Figura 2). Essas técnicas projetam esses conjuntos e informações em um modelo de objetos que permite aos programadores manipulá-los. SAX SAX (Simple API for XML) é um conjunto de interfaces que decompõe um documento XML em uma sucessão linear de chamadas de métodos. DOM DOM (Document Object Model) é um conjunto de interfaces que decompõe um documento XML em uma árvore transversal hierárquica de nós/objetos.

11 Analisando documentos XML 11 <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <livro> <nome>java e XML</nome> <editora>novatec</editora> </livro> PARSING livro nome editora Java e XML Novatec startelement: livro startelement: nome characters: Java e XML endelement: nome startelement: editora characters: Novatec endelement: editora endelement: livro Figura 2 Diferenças entre DOM e SAX, respectivamente. Comparando DOM e SAX DOM é uma solução natural para lidar com dados que são mais bem descritos como uma árvore. Para trabalhar principalmente com dados estruturados ou gerados pelo computador, SAX pode ser mais conveniente. SAX possui métodos e estruturas de dados mais simples do que os de DOM, podendo muitas vezes alcançar alta performance. DOM agiliza a pesquisa por elementos, bastando apenas indicar o caminho de nós na árvore (por exemplo, com expressões XPath). SAX utiliza menos memória que DOM, pois não precisa manipular uma estrutura de dados complexa, como uma árvore em memória. Trabalhando com JAXP Nas versões mais recentes de J2SE e J2EE, é incluído um conjunto-padrão de APIs para XML, conhecido como JAXP (Java APIs for XML Processing). Essas APIs também estão disponíveis separadamente, em um pacote de bibliotecas Java chamado JAX Pack (Java XML Pack), no site da Sun (http://java.sun.com), contendo várias outras APIs relacionadas a XML e Web Services. JAXP suporta os analisadores-padrão SAX (Simple API for XML Parsing) e DOM (Document Object Model), assim como o padrão XSLT (XML Stylesheet Language Transformation), dando maior controle sobre a apresentação dos dados e capacitando a conversão dos dados para outro documento XML ou para outros formatos, como HTML. JAXP também trabalha com DTD/Schema e suporta namespaces.

12 12 Trabalhando com JAXP As APIs JAXP As principais APIs JAXP são definidas no pacote javax.xml.parsers. Esse pacote contém duas fábricas de classes: SAXParserFactory e DocumentBuilderFactory, que fornecem instâncias para um objeto SAXParser e um objeto DocumentBuilder, respectivamente. A vantagem é que essas fábricas de classes, SAXParserFactory e DocumentBuilderFactory, permitem utilizar uma implementação XML oferecida por outros fornecedores sem a necessidade de mudar o código. Uma visão geral dos pacotes As APIs SAX e DOM são definidas pelo grupo XML-DEV e pelo W3C, respectivamente. As bibliotecas que definem essas APIs são: Pacotes DOM Pacote org.w3c.dom javax.xml.parsers Descrição Define a interface de programação DOM para documentos XML (especificação W3C). Define a classe-fábrica DocumentBuilderFactory e a classe DocumentBuilder, que constroem um objeto implementando a interface Document do W3C. A fábrica utilizada para criar o construtor é determinada pelas propriedades do pacote javax.xml.parsers, que podem ser ajustadas por um comando de linha ou ativadas quando se invocar o método new Instance. Esse pacote também define a classe ParserConfigurationException para informar erros. Pacotes SAX Pacote Descrição org.xml.sax Define as interfaces SAX. O nome org.xml é o prefixo do pacote que foi estabelecido pelo grupo que definiu a API SAX. org.xml.sax.ext Define as extensões SAX que são utilizadas em um processamento SAX mais sofisticado, por exemplo, para processar um DTD ou para ver a sintaxe detalhada de um arquivo. org.xml.sax.helpers Contém classes auxiliares que facilitam a utilização de SAX. Javax.xml.parsers Define a classe SAXParserFactory que retorna o SAXParser. Também define classes de exceções para informar erros.

13 Trabalhando com JAXP 13 Pacotes XSLT Pacote Descrição javax.xml.transform Define as classes TransformerFactory e Transformer, que são utilizadas para obter um objeto capaz de fazer transformações em um documento XML seguindo as regras contidas em uma folha de estilo. Depois de criar um objeto transformer, é invocado o método transform(), fornecendo uma entrada (source) e uma saída (output). javax.xml.transform.dom Classes para criar objetos de entrada (input) e saída (result) de um DOM. javax.xml.transform.sax Classes para criar a entrada (input) de um parser SAX e objetos de saída (output) de um manipulador de eventos SAX. javax.xml.transform.stream Classes para criar objetos de entrada (input) e saída (output) de uma stream de I/O. Parser DOM O Document Object Model (DOM) é uma interface de programação especificada pelo W3C para o tratamento e manipulação de dados em documentos XML. DOM sugere um meio de abordar documentos XML como sendo uma árvore de nós, e essa é a maneira mais correta, visto que o documento XML organiza-se também em forma de árvore. A Figura 3 apresenta o processo de construção e funcionamento de um parser DOM JAXP. Para mais informações sobre DOM, visite o site DocumentBuilder Factory DocumentBuilder Dados XML Objeto Document Árvore DOM Figura 3 Construção e funcionamento de um parser DOM JAXP.

14 14 Trabalhando com JAXP DocumentBuilder e DocumentBuilderFactory Para construir um parser DOM em JAXP, é necessário utilizar as classes javax.xml.parsers.documentbuilderfactory e javax.xml.parsers. DocumentBuilder e configurá-las corretamente. import javax.xml.parsers.documentbuilderfactory; import javax.xml.parsers.documentbuilder; import org.w3c.dom.document; String nome_arquivo;... DocumentBuilderFactory factory = DocumentBuilderFactory. newinstance(); DocumentBuilder builder = factory.newdocumentbuilder(); Document doc = builder.parse(nome_arquivo); É necessário seguir alguns passos para obter um parser DOM JAXP: 1. Utilize o método-fábrica estático DocumentBuilderFactory. n e w I n s t a n c e ( ) par a re tor n ar u m o b j e to DocumentBuilderFactory. 2. Utilize o método newdocumentbuilder() do objeto DocumentBuilderFactory para retornar uma instância da classe DocumentBuilder. 3. Utilize um dos cinco métodos parse() de DocumentBuilder para ler o documento XML e retornar um objeto org. w3c.dom.document. 4. Lembre-se de colocar tudo em um bloco try-catch para tratar possíveis exceções. Exemplo completo import javax.xml.parsers.*; import org.w3c.dom.document; import java.io.*; public class ParserExemplo { public static void main(string args[]) { String nomearquivo = ; if(args.length > 0) nomearquivo = args[0]; else { System.out.println( Use: ParserExemplo seu_arquivo_xml ); System.exit(0); } } } try{ DocumentBuilderFactory factory = DocumentBuilderFactory.newInstance(); DocumentBuilder builder = factory.newdocumentbuilder(); Document doc = builder.parse(nomearquivo); } catch(exception e){e.printstacktrace();}

15 Trabalhando com JAXP 15 Métodos parse() public Document parse(inputsource fonte) throws SAXException, IOException public Document parse(string uri) throws SAXException, IOException public Document parse(file arquivo) throws SAXException, IOException public Document parse(inputstream entrada) throws SAXException, IOException public Document parse(inputstream entrada,string systemid) throws SAXException,IOException Configurando DocumentBuilderFactory A classe DocumentBuilderFactory possui métodos de ajuste set...(), que permitem determinar exatamente como o parser criado deve se comportar. Ignorando comentários public boolean isignoringcomments(); public void setignoringcomments(boolean ignora); Esses métodos determinam se o parser produzido por esse factory irá gerar nós de comentários que serão vistos na entrada do documento. O valor default, false, significa que os nóscomentário serão produzidos. Ignorando espaços em branco public boolean isignoringelementcontentwhitespace(); public void setignoringelementcontentwhitespace(boolean ignorarws); Esses métodos determinam se o parser irá gerar nós-texto para os chamados espaços em branco ignoráveis, isto é, espaço em branco que ocorre entre os elementos onde o DTD especifica que os caracteres de dados analisados não podem aparecer. O valor default (padrão) é false, isto é, inclui nós-texto para espaços em branco ignoráveis. Para que essa propriedade seja aplicada, ou seja, para que se possa atribuir true ao argumento ignoraws, o documento deve ter um DTD associado a ele e deve ser válido. De outra forma, o parser não pode saber qual espaço em branco é ignorável e qual não é. Reconhecendo Namespaces public boolean isnamespaceaware(); public void setnamespaceaware(boolean namespaceaware); Esses métodos determinam se o parser produzido é namespace aware, ou seja, se reconhece namespaces. Essa característica irá ajustar as propriedades de prefixo e URI namespace dos nós-elemento e atributos. O valor default (padrão) é false, mas deve ser ajustado sempre para true. Por exemplo: DocumentBuilderFactory factory = DocumentBuilderFactory.newInstance(); factory.setnamespaceaware(true);

Sistemas de Informação: XML- Java

Sistemas de Informação: XML- Java XL 1 : XL- Java Todos os exemplos bem como o conteúdo teórico tem por base o livro: Steven Holzner, SAS Teach Yourself XL, SAS Publishing, 2004 XL Java e XL 2 Documentos XL podem ser abordados de dois

Leia mais

Processamento de dados XML

Processamento de dados XML Processamento de dados XML César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br Outubro de 2000 Resumo Considerações no desenvolvimento de software para processar dados XML. Processamento de uma DTD para interpretar marcação

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec Guia de Consulta Rápida PHP com XML Juliano Niederauer Terceira Edição Novatec Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

Manipulação de XML JAXP - DOM

Manipulação de XML JAXP - DOM UNIPÊ Centro Universitário de João Pessoa Desenvolvimento para Web - XML Manipulação de XML JAXP - DOM Prof. Eduardo Ribas ducaribas@gmail.com 1 4 JAXP DOM O que é DOM? Document Object Model API padrão

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML Otávio C. Décio Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML de Otávio C. Décio Copyright@2000 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) (extensible( Markup Language ) Origens (extensible Markup Language linguagem de marcação extensível) Criada em 1996 pelo W3C (World

Leia mais

Comunicado Técnico. Adaptação da Ferramenta Digester para Tratamento de Atributos em Tags de Documentos XML. Padrão XML

Comunicado Técnico. Adaptação da Ferramenta Digester para Tratamento de Atributos em Tags de Documentos XML. Padrão XML Comunicado Técnico 63 Novembro, 2004 Campinas, SP ISSN 1677-8464 Adaptação da Ferramenta Digester para Tratamento de Atributos em Tags de Documentos XML Sérgio Aparecido Braga da Cruz¹ Carla Geovana do

Leia mais

ESTUDO DA LINGUAGEM XML E SUA INTEGRAÇÃO COM

ESTUDO DA LINGUAGEM XML E SUA INTEGRAÇÃO COM Tatianne Domingues de Faria Bini Dias RA. 0301758-8 sem ESTUDO DA LINGUAGEM XML E SUA INTEGRAÇÃO COM A PLATAFORMA JAVA Jaguariúna 2006 Tatianne Domingues de Faria Bini Dias RA. 0301758-8 sem ESTUDO DA

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML Juliano Niederauer Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML de Juliano Niederauer Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos

Leia mais

Programação por Objectos. Documentos anotados MEEC@IST XML 1/57

Programação por Objectos. Documentos anotados MEEC@IST XML 1/57 Programação por Objectos Documentos anotados MEEC@IST XML 1/57 Definição (1) A formatação de documentos é realizada segundo duas metodologias: 1. Embutir: a formatação é absorvida internamente pela ferramenta

Leia mais

DOM Document Object Model

DOM Document Object Model DOM Document Object Model Vanessa Braganholo Vanessa Braganholo DOM API padrão para processamento de dados XML baseado em um modelo de árvore o parser constrói na memória um objeto representando a árvore

Leia mais

CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA

CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA Introdução para Iniciantes Prof. M.Sc. Daniel Calife Índice 1 - A programação e a Linguagem Java. 1.1 1.2 1.3 1.4 Linguagens de Programação Java JDK IDE 2 - Criando o primeiro

Leia mais

Processamento de dados XML

Processamento de dados XML Processamento de dados XML Vanessa Braganholo Vanessa Braganholo Introdução } Dois pontos básicos: } Como escrever um documento XML? } Como ler um documento XML? 2 Escrevendo um documento XML } Documentos

Leia mais

JavaScript. Guia do Programador. Maurício Samy Silva. Novatec

JavaScript. Guia do Programador. Maurício Samy Silva. Novatec JavaScript Guia do Programador Maurício Samy Silva Novatec Copyright Novatec Editora Ltda. 2010. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra,

Leia mais

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java FBV - Linguagem de Programação II Um pouco sobre Java História 1992: um grupo de engenheiros da Sun Microsystems desenvolve uma linguagem para pequenos dispositivos, batizada de Oak Desenvolvida com base

Leia mais

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação III Aula 02 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação Técnica de comunicação padronizada para enviar instruções a um computador. Assim

Leia mais

XML: uma introdução prática X100. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br)

XML: uma introdução prática X100. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) XML: uma introdução prática X100 Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) Atualizado em setembro de 2001 1 Programação com XML Há duas maneiras populares para manipular (interpretar, gerar, extrair dados

Leia mais

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados Introdução Definição Validação Apresentação Processamento Banco de Dados Universo XML Prof. Enzo Seraphim Popularidade do HTML Extremamente simples Estilo próprio para formatação de documentos Ligações

Leia mais

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário inventa as marcas através de DTDs XML Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs Unidade física - as entidades Armazenamento separado dos dados Como toda linguagem de marcação: XML

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML Por Carlos H. Marcondes marcon@vm.uff.br Rio de Janeiro Abril 2008 PROGRAMA 1.Problema, motivações e conceitos 2.Estrutura de um documento XML 1.DTDs, Schemas 2.Folhas

Leia mais

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique.

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique. Lista de Revisão 1. Nos sistemas web, geralmente os usuários apresentam dois problemas típicos, a desorientação e a sobrecarga cognitiva. Discorra sobre esses problemas. 2. Apresente as principais diferenças

Leia mais

Bruno Ribeiro de F. Machado DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA DOCUMENTAÇÃO DE CÓDIGOS-FONTE BASEADA EM XML

Bruno Ribeiro de F. Machado DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA DOCUMENTAÇÃO DE CÓDIGOS-FONTE BASEADA EM XML Bruno Ribeiro de F. Machado DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA DOCUMENTAÇÃO DE CÓDIGOS-FONTE BASEADA EM XML Palmas 2004 Bruno Ribeiro de F. Machado DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

Criando Aplicações PHP com. Zend e Dojo. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec

Criando Aplicações PHP com. Zend e Dojo. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec Criando Aplicações PHP com Zend e Dojo Flávio Gomes da Silva Lisboa Novatec Copyright 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Introdução à Linguagem Java

Introdução à Linguagem Java Introdução à Linguagem Java Histórico: Início da década de 90. Pequeno grupo de projetos da Sun Microsystems, denominado Green. Criar uma nova geração de computadores portáveis, capazes de se comunicar

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Web Service Plínio Antunes Garcia Sam Ould Mohamed el Hacen Sumário Introdução conceitual O Web Service

Leia mais

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Motivação extensible Markup Language W3C: World Wide Web Consortium http://www.w3.org 1.0 W3C Recommendation, 10/Fev/1998 (inicial) W3C Recommendation, 04/Fev/2004, 3

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

Prof. Esp. Adriano Carvalho

Prof. Esp. Adriano Carvalho Prof. Esp. Adriano Carvalho Um arquivo contendo uma sequência de comandos em uma linguagem de programação especifica Esses comandosrespeitam regras de como serem escritos e quais são as palavras que podem

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

Objetivos do Curso. Você será capaz de:

Objetivos do Curso. Você será capaz de: Objetivos do Curso Ao término do curso você entenderá: Aplicativos Java e applets Tipos de dados primitivos Fluxo de Controle em Java Métodos Outros: exceções, multithreading, multimedia, I/O, redes. Objetivos

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL

BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL Deinf/Dine4 Versão 1.3 20/05/2013 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 06/11/2007 1.0 Elaboração da primeira versão

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Especialização em desenvolvimento para web com interfaces ricas. Tratamento de exceções em Java Prof. Fabrízzio A. A. M. N. Soares

Especialização em desenvolvimento para web com interfaces ricas. Tratamento de exceções em Java Prof. Fabrízzio A. A. M. N. Soares Especialização em desenvolvimento para web com interfaces ricas Tratamento de exceções em Java Prof. Fabrízzio A. A. M. N. Soares Objetivos Conceito de exceções Tratar exceções pelo uso de try, catch e

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ESTUDO COMPARATIVO ENTRE BANCO DE DADOS RELACIONAL E XML NATIVO Área de Banco de Dados por

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 02 APRESENTAÇÃO: Apresentação; conceitos básicos da linguagem java; estrutura

Leia mais

Tutorial. Introdução ao XML e tecnologias associadas. Aplicações e dialectos XML. Sessão 4. 8-10 Fevereiro XATA 06

Tutorial. Introdução ao XML e tecnologias associadas. Aplicações e dialectos XML. Sessão 4. 8-10 Fevereiro XATA 06 Tutorial Introdução ao XML e tecnologias associadas Sessão 4 Aplicações e dialectos XML Miguel Ferreira mferreira@dsi.uminho.pt Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho Conteúdo Vantagens

Leia mais

Criando documentação com javadoc

Criando documentação com javadoc H Criando documentação com javadoc H.1 Introdução Neste apêndice, fornecemos uma introdução a javadoc ferramenta utilizada para criar arquivos HTML que documentam o código Java. Essa ferramenta é usada

Leia mais

Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android. Cristiano Costa

Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android. Cristiano Costa Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android Cristiano Costa Desenvolvimento da interface estática Sobre mim Graduando em Engenharia Eletrônica - UNIFEI Trabalhou em desenvolvimento

Leia mais

A utilização do JSWDP para construção de Web Services

A utilização do JSWDP para construção de Web Services A utilização do JSWDP para construção de Web Services Fabiana Ferreira Cardoso 1, Francisco A. S. Júnior 1, Madianita Bogo 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Centro Universitário Luterano de Palmas

Leia mais

O uso de exceções permite separar a detecção da ocorrência de uma situação excepcional do seu tratamento, ao se programar um método em Java.

O uso de exceções permite separar a detecção da ocorrência de uma situação excepcional do seu tratamento, ao se programar um método em Java. Exceções em Java Miguel Jonathan DCC/IM/UFRJ (rev. abril de 2011) Resumo dos conceitos e regras gerais do uso de exceções em Java O uso de exceções permite separar a detecção da ocorrência de uma situação

Leia mais

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Conceitos Web Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011 Tecnologias Web jgw@unijui.edu.br Conceitos Básicos Sistema

Leia mais

Sintaxe XML. César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br. Outubro de 2000. Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos

Sintaxe XML. César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br. Outubro de 2000. Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos Sintaxe XML César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br Outubro de 2000 Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos XML. Sintaxe XML Marcação de documentos eletrônicos XML é

Leia mais

SuporteNativoa XML no

SuporteNativoa XML no SuporteNativoa XML no Gerenciamento de Dados e Informação Suporte Nativo a XML no Oracle Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo 2 Oracle & XML Habilita uma fonte confiável para XML Apresenta flexibilidade

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

Um Modelo de Controle de Acesso para Conteúdos Digitais

Um Modelo de Controle de Acesso para Conteúdos Digitais Um Modelo de Controle de Acesso para Conteúdos Digitais Valerio Rosset, Carla Merkle Westphall INE - LRG (Laboratório de Redes e Gerência) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Caixa Postal 476

Leia mais

Guia do Programador Joel Saade

Guia do Programador Joel Saade C# Guia do Programador Joel Saade Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial,

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. JavaScript

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. JavaScript Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES JavaScript Desenvolvimento de Sistemas para WEB Site:

Leia mais

Java Laboratório Aula 1. Divisões da Plataforma. Introdução a Plataforma Java. Visão geral da arquitetura da

Java Laboratório Aula 1. Divisões da Plataforma. Introdução a Plataforma Java. Visão geral da arquitetura da Java Laboratório Aula 1 Programação orientada a objetos Profa. Renata e Cristiane Introdução a Plataforma Java O que é Java? Tecnologia Linguagem de Programação Ambiente de Execução (JVM) Tudo isso é a

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

Aula 09 Introdução à Java. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 09 Introdução à Java. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 09 Introdução à Java Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www.profbrunogomes.com.br/ Agenda da Aula Java: Sintaxe; Tipos de Dados; Variáveis; Impressão de Dados.

Leia mais

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Como construir um compilador utilizando ferramentas Java p. 1/3 Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Aula 5 Análise Léxica com JavaCC Prof. Márcio Delamaro delamaro@icmc.usp.br Como

Leia mais

Definições. Parte 02. Java Conceitos e. Desenvolvimento de Programação Orientada a Objetos. Prof. Pedro Neto

Definições. Parte 02. Java Conceitos e. Desenvolvimento de Programação Orientada a Objetos. Prof. Pedro Neto Java Conceitos e Definições Parte 02 Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Conteúdo 2 O que é Java i. Java ii. Máquina Virtual iii. Java lento? Hotspot e JIT iv. Versões do Java e a confusão do Java2

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é:

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: 1.264 Aula 13 XML O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: Uma recomendação proposta pelo World Wide Web Consortium (W3C) Um formato de arquivo Documentos eletrônicos

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais

Java - Introdução. Professor: Vilson Heck Junior. vilson.junior@ifsc.edu.br

Java - Introdução. Professor: Vilson Heck Junior. vilson.junior@ifsc.edu.br Java - Introdução Professor: Vilson Heck Junior vilson.junior@ifsc.edu.br Agenda O que é Java? Sun / Oracle. IDE - NetBeans. Linguagem Java; Maquina Virtual; Atividade Prática. Identificando Elementos

Leia mais

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Índice Introdução... 1 Sobre a linguagem XML... 2 O que é XML (extensible Markup Language)?... 2 Características da Linguagem...3 Sobre o seu uso...

Leia mais

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL 232 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL Stevan D. Costa1, Alexandre T. Lazzaretti1, Anubis

Leia mais

Aula 2. Objetivos Conceitos; Instalação do Text Pad; Entendendo o código java do AloMundo1 Codificação do AloMundo2,AloMundo3 e AloMundo4.

Aula 2. Objetivos Conceitos; Instalação do Text Pad; Entendendo o código java do AloMundo1 Codificação do AloMundo2,AloMundo3 e AloMundo4. Aula 2 Objetivos Conceitos; Instalação do Text Pad; Entendendo o código java do AloMundo1 Codificação do AloMundo2,AloMundo3 e AloMundo4. Conceitos O software controla os computadores(freqüentemente conhecido

Leia mais

XML. na gestão de informações. Helder da Rocha Consultor. Integração total de negócios usando XML. Integração total de negócios usando XML

XML. na gestão de informações. Helder da Rocha Consultor. Integração total de negócios usando XML. Integração total de negócios usando XML Integração total de negócios usando XML Integração total de negócios usando XML São Paulo, 08 de maio de 2002 XML na gestão de informações Helder da Rocha Consultor 1 Objetivos Responder às questões Como

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Introdução. http://www.youtube.com/watch?v=6gmp4nk0eoe

Introdução. http://www.youtube.com/watch?v=6gmp4nk0eoe Introdução http://www.youtube.com/watch?v=6gmp4nk0eoe Treinamento básico em software I Código HTML - Concebido por Tim Berners-Lee Berners-Lee atualmente mantém um blog que discute questões atuais sobre

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

XML - Extensible Markup Language

XML - Extensible Markup Language XML - Extensible Markup Language Introdução O que é XML? Extensible Markup Language (XML) é linguagem de marcação de dados (metamarkup language) que provê um formato para descrever dados estruturados.

Leia mais

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Guilherme Miranda Martins 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Documentação Usando o Javadoc

Documentação Usando o Javadoc Documentação Usando o Javadoc Prof. MSc. João Carlos Pinheiro jcpinheiro@cefet-ma.br Versão 2.1 Última Atualização: 04/2005 1 Comentários e Documentação Comentários em Java Existem três tipos de comentários

Leia mais

Breve Tutorial de JavaCC

Breve Tutorial de JavaCC Breve Tutorial de JavaCC O que é? Instalação: http://javacc.dev.java.net Exemplos usados de: http://w3.msi.vxu.se/users/jonasl/javacc http://www.cs.nmsu.edu/~rth/cs/cs471/interpretersjavacc.html http://www.engr.mun.ca/~theo/javacc-tutorial/javacc-tutorial.pdf

Leia mais

Módulo 02 Programação Orientada a Objetos. Última atualização: 07/06/2010

Módulo 02 Programação Orientada a Objetos. Última atualização: 07/06/2010 Módulo 02 Programação Orientada a Objetos Última atualização: 07/06/2010 1 Objetivos Definir conceitos de orientação a objetos: o abstração, encapsulamento, pacotes. Discutir reutilização de código em

Leia mais

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza Técnicas e processos de produção Profº Ritielle Souza INTRODUÇÃO HTML Sigla em inglês para Hyper Text Markup Language, traduzindo daria algo como Linguagem para marcação de Hipertexto. E o que seria o

Leia mais

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCC-0263 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB)

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB) Uma Introdução à Arquitetura Francisco C. R. Reverbel 1 Copyright 1998-2006 Francisco Reverbel O Object Request Broker (ORB) Via de comunicação entre objetos (object bus), na arquitetura do OMG Definido

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação.

extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação. extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação. Em XML, os tags não são pré-definidos. Temos de definir os nossos tags. XML utiliza um Document

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

Orientação a Objetos em Java. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br

Orientação a Objetos em Java. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Orientação a Objetos em Java Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Agenda Introdução; Orientação a Objetos; Orientação a Objetos em Java; Leonardo Murta Orientação a Objetos em Java 2 Agosto/2007

Leia mais

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Tiago A. Gameleira 1, Raimundo Santos Moura 2, Luiz Affonso Guedes 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais