RESULTADOS/PRODUTOS DOS PROJETOS DO PDTSP - REDE DENGUE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESULTADOS/PRODUTOS DOS PROJETOS DO PDTSP - REDE DENGUE"

Transcrição

1 RDCL: Rede Degue CLINICO LABORATORIAL RDCL 01 Dengue no Rio de Janeiro: Contribuição para o conhecimento de sua Epidemiologia Molecular, Patogenia, formas Atípicas e Diagnósticos Laboratorial. Rita Maria Ribeiro Nogueira 1. Vigilancia Epidemiologia ativa da Dengue: informação precoce sobre o sorotipo e genótipo circulante dos vírus. 2. Metodologia de uso de PCR tempo real (taqman) para diagnóstico (utilizando protocolo do CDC). Validou o uso de PCR de tempo real, comparando com outras técnicas. 3.Identificação do DEN3 como único sorotipo circulante no Rio em Confirmação do vírus dengue como agente etiológico de manifestações atípicas da doença. Parcerias com as SMS-Rio na vigilância de casos suspeitos de Dengue pelo diagnóstico do PCR em tempo real. Parceria com Ministério de Saúde e com o Centro de Referência de Dengue- Campos dos Goytacazes, RJ estudo de Formas atípicas. Implantação do RT-PCR na Rede Nacional de Diagnóstico de Dengue: capacitações em 2007 a pedido da CGLAB/MS com a participação de 7 LACENs. RDCL 02 Imunopatologia do Dengue: Caracterização de Parâmetros Imunobiológicos em Pacientes com Dengue, visando o Estabelecimento de Marcadores de Gravidade e Alvos para Terapia. Claire Kubelka Uso de novas abordagens: as abordagens agregam tecnologia inovadora: determinação de marcadores imunológicos prognósticos em pacientes; Citometria para detecção de virus;marcadores imunológicos para gravidade (células e soro); Luminex- testes multiplos em amostra pequenaidentificação de: marcadores de gravidade em pacientes e alvos para imunoterapia Aplicablidades de abordagens, ou seja, os resultados alcançados e a metodologia já estão sendo utilizados (citocinas marcadoras de gravidade /tecnologia Luminex) no laboratório para testes de terápicos já préselecionados em outros ensaios com a identificação de 3 produtos promissores como candidatos a imunoterápicos. RDCL 04 Poliformismo de genes Ligados ao HLA, Citocinas e Vitaminas na Infecção pelo Vírus Dengue tipo 3. Importância da Infecção Secundária no Agravamento da Doença. Liane de Castro IPEC 1. Desenvolvimento, Implantação e Validação de Metodologia de Alta Resolução para Tipagem de HLA-A (SBT). 2. Desenvolvimento do Método para o Estudo de Polimorfismos dos Genes VDR e TNF-alfa por RFLP. 3. Padronização de tipificação de HLA classe II. 4. Análise de polimorfismo do gene OAS (em desenvolvimento). A Metodologia desenvolvida poderá ser utilizada para estudos de histocompatibilidade e na susceptibilidade/resistência na infecção por dengue e em outras doenças. No caso de nova epidemia de dengue o laboratório está preparado para dar respostas rápidas e auxiliar na vigilância epidemiológica. É um projeto prospectivo de longo prazo, com difícil perspectiva a curto prazo. A validação depende de trabalho a longo prazo e do desenvolvimento de parcerias.

2 RDCL 0 Caracterização Clínica e Laboratorial dos Casos Suspeitos de Dengue 1,2 e 3 Submetidos à Confirmação Diagnóstica. Sônia Lambert Passos IPEC 1.Fluxograma de atendimento ambulatorial de Doenças Febris com vistas à vigilância epidemiológica. 2.Banco total (epidemia 2001/2) com 12 suspeitos dos quais 33 com critérios diagnósticos. 3. Padronização de questionário/manual de procedimentos para preenchimento do mesmo para doenças febris/dengue, em uso no CECLIN do IPEC. 4. Banco prospectivo:coorte do piloto estendido do novo formulário..estudo de Confiabilidade. Foi firmado um Convênio entre a SMS e a Fiocruz sendo constituída parceria com o Nucleo de Epidemiologia do Hospital Municipal Lorenço Jorge (SMS- Rio). O Banco de dados com 12 pacientes, foi repassado e usado por vários outros grupos. Foi elaborada Nota Técnica apresentando os avanços do trabalho para o Programa Nacional de Controle do Dengue (PNCD/MS), para subsidiar decisões técnicas na área de manejo clínico, revisão de definição de caso e vigilância epidemiológica. RDCL 06 Dengue em Saúde Materno Infantil: Mecanismos de Transmissão Vertical e Impacto Sobre o Desenvolvimento Fetal. Maria Virginia Peixoto Dutra IFF Guia de busca de dados repetidos na base SINAN Dengue: Utilizando Reclink III. (Banco de dados de nascimento com banco de notificação de dengue: buscar casos de dengue durante gravidez. Rotina automática que busca de duplicação no SINAN (usando o software RECLINK). Análise de bases de dados nacionais (SIM, SINAN, SINASC), com linkagem. O Guia já está disponível gratuitamente em:http://paginas.terra.com.br/educacao/kencamargo/reclinkdl.html. CD do Curso de Relacionamento de Dados na Vigilância Epidemiológica da Dengue. Pronto: Guia e o software utilizado o Reclink III e o CD do Curso (entregues em 29/11/07) Incorporação do produto por meio de Capacitação dos profissionais de saude. Realização do Curso de Relacionamento de Dados na Vigilância Epidemiológica da Dengue de forma a capacitar os profissionais dos serviços de saude na rotina utilizando o guia de busca de duplicidade na Base do Sinan Dengue. Já existe a demanda por essa rotina nas SES e SMS. A Rotina de verificação em bancos de dados pode ser repassado para outros grupo/hospitais. 1º Curso já foi realizado na EPSJV em dezembro de RDCL 08 Envolvimento de Citocinas e Marcadores Lipídicos na Dengue Grave: Identificação de Marcadores Prognósticos e Novos Alvos Terapêuticos. Patrícia Bozza Implementação de metodologia- Análise multiplex de citocinas produto em desenvolvimento (?) Não informado

3 RDEI: Rede Degue de Educação e Informação RDEI 01 Dengue: Educação com estratégia de prevenção. Tânia C. Araújo Jorge: subgerentes: Rosane Meirelles e Genilton Vieira O Projeto contêm 4 subprojetos com diversos produtos: 1. Materias Educativos: Jogos Educativos: a) "Corrida da Dengue"; b) "Atenção! Dengue, não!" ; c) Trilha da Dengue; d)aguá e Saúde; d) Jogando Água; e) Kit Vida de Inseto. 2. Fascículos Com Ciência na Escola-Dengue para professores sobre dengue. 3. Filme/DVD: O mundo macro e micro do mosquito Aedes Aegypti. Para combatê-lo é preciso conhecê-lo. Os demais produtos estão em fase de avaliação e revisão: 4. CD-Rom Dengue:tradução do CD Dengue Wellcome Trust - Topics in International Health series..projeto Brincadengue e Jogos LBC. 6. Filmes: Morfologia Interna e Externa do Mosquito Aedes aegypti; Aspecto do Vírus Dengue e sua Reprodução pelas Células. 7. Banco de Imagens digitais estáticas e dinâmicas. 8. Programas: Brasil Jovem e a Ciência :tema Dengue colaboração SBBqBM; Microscopista Júnior, colaboração SBMM. Prontos Os diversos produtos educatviso estarão/estão sendo utilizados para controle do vetor e prevenção da dengue, na difusão de informação através de parcerias com as Secretarias de Saúde de diversos Municípios para esclarecimentos dos agentes de endemias e de saude do ciclo do mosquito Aedes aegypti.tem ainda aplicação nas escolas para alunos e professores sobre o Ciclo de vida do mosquito. A solicitação das escolas pelos jogos, já estão sendo feitas por . O DVD da Dengue já está sendo amplamente utilizado por mais de 1000 Instituições de saude, universidades, etc.foi utilizando no Fantástico de 01/06/07 na matéria do Dr.Drauzo Varela. Foram editados 2000 fascículos e ainda estão disponíveis no site do Os protótipos dos jogos encontram-se em fase de finalização faltando executar a etapa de impressão gráfica e divulgação por meio de folderes.todas as imagens estáticas e dinâmicas ficaram armazenadas em um banco de imagens (em execução) e poderão ser utilizadas em outros materiais educativos como impressos e vídeos. RDEI 04 Avaliação na comunicação na prevenção da dengue Inesita Soares Araújo CICT 1. Pesquisa empírica c/ população de manguinhos. 2. Mapas dos Fluxos institucioais com materiais de comunicação: Desenho de fluxo institucional de comunicação de prevenção na dengue. 3. Observatório de Mídia em Saude: números do Boletim do Observatório com 400 destinatários. Analisou diariamente o conteúdo de mídia relacionado a saúde na área de Manguinhos. Material impresso e no site do Cict. 4. Página na Internet. Produtos s Potencial de parcerias com a SES e SMS mas ainda não formalizadas. Acesse o Boletim no site RDEI 0 Biblioteca Virtual e tesauro de manguinhos em dengue. Jeorgina Gentil CICT 1. Site em HTML Biblioteca Virtual em Dengue, incorporado à Biblioteca Virtual em Saúde em Doenças Infecciosas e Parasitárias (BVS-DIP) que reúne informações sobre a dengue como: Notícias, eventos, vídeos e imagens, links de sites institucionais e seção educativa Biblioteca Virtual em Dengue (HTML). 3.Tesauro de Manguinhos em Dengue (não alcançado). - acesso ao site BVS A aplicabilidade é imediata a partir da disponibilização do site de acesso livre. O site encontra-se disponível para acesso no endereço: (lançada em 09/12/07). Foram elaborados 1000 foulders da BVS- DIP e BVS-Dengue para divulgação.

4 RDVE: Rede Degue VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA RDVE 01 Métodos para avaliação de índices de infestação pelos vetores do dengue e sua potencialidade como identificadores de risco de transmissão. Ricardo Lourenço de Oliveira Métodos de avaliação de infestação pelo vetor: a) Métodos de avaliação de dispersão e de sobrevivência do vetor; b) Metodologia para monitoramento de circulação de vírus em mosquitos; c) Indicadores de distribuição espacial de vetores; b) Focos produtivos de adultos; d) Indicadores de distribuição temporal do vetor; e) Indicadores de risco de epidemia de dengue. em desenvolvimento Existe transferência direta para o controle de dengue a nível local (SMS- Rio), o que caracteriza também uma pesquisa de caráter translacional, combinando ciência, desenvolvimento tecnológico e serviço. - Transferência de metodologia para os serviços: Secretarias Municipais de Saúde SMS. RDVE 02 Aedes aegypti no Estado do Rio de Janeiro - monitoramento e determinação dos mecanismos bioquímicos envolvidos com a resistência aos inseticidas químicos usados nos programas de controle do vetor. Denise Valle p ç g resistência:1.guia "Metodologia p/ qualificação de atividade de enzimas relacionadas com resistência a inseticidas em Aedes aegypti " impresso e em CD pelo MS (objeto de publicação bilíngüe (português e inglês), realizada em parceria Fiocruz / SVS, validada por consultor externo (CDC)). 2.Metodologia padronizada e adaptada para a avaliação da resistência de adultos a piretróides, com avanço na discriminação entre mortalidade e efeito do inseticida no sítio de ação. 3. Metodologia para avaliação de produtos alternativos para o controle de larvas de Aedes aegypti, para definição daqueles que estão em consonância com o clima e com a realidade operacional instalada no país desenvolvida em parceria da Rede MoReNAa, PNCD e Secretarias de Saúde locais. 4. Livro de Biossegurança p/ insetário hoje empregado pelo MS como base para a reforma, construção e adaptação destes espaços: definição de normas de biossegurança específicas para insetários e espaços de infecção de insetos vetores de endemias e epidemias.. Implantação do Progra Produto (1) já publicado, bilíngüe; referência na rede MoReNAa, sendo aplicado em treinamentos no país; solicitado e acordado que o CDC aplique em treinamentos na África e na América do Sul. Produtos (2), (3) e (4) s e em uso no país.() em desenvolvimento O projeto é desenvolvido junto com o Ministério da Saúde/ PNCD de forma que a transferência de resultados ocorre simultaneamente alcançando uma integração de fato entre pesquisa e serviços de saúde publica. Todos os produtos e processos desenvolvidos pelo grupo, em muitos casos submetidos ao crivo dos laboratórios que compõem a Rede MoReNAa, estão sendo rapidamente assimilados pelo Ministério da Saúde e, seus resultados aplicados na definição de estratégias de controle do vetor de dengue. O Guia metodológico já foi publicado pelo MS (impresso e em CD multimidia) e é utilizado pela Rede MoReNAa (Rede Nacional de Monitoramento da Resistencia de Aedes Aegypti a inseticidas). Foi definido, para o PNCD, os municípios sentinela e estratégicos cuja resistência do vetor de dengue a inseticidas deverá ser monitorada. O Grupo é lider da Rede MoReNAa e consultor da Rede REVIRAA Rede de Vigilância da Resistência de Anopheles na Amazônia. Há a possibilidade de utilização dos processos alcançados por outros laboratórios de diferentes programas de controle do país, com potencial de aplicação destes procedimentos ao estudo de outros ve RDVE 03 Estudos populacionais e controle de vetores do dengue. Leda Regis CPqAM 1.Protocolo para determinação da atividade residual de biolarvicidas. 2. Larvicida à base de cepa latino-americana de Bt contra culicídeos. 3. SMCP- Aedes - Sistema de Monitoramento e Controle Populacional de Aedes (ovitrampa modificada, tecnologias de informação, contagem semiautomática de ovos). 4. Modelos: a) preditivo de densidade populacional do vetor; b) probabilístico para estimar o número de fêmeas / armadilha (em desenvolvimento). produtos s e em desenvolvimento Foi realizada Oficina, por iniciativa das Secretarias Estaduais de Saude de Pernambuco e da Bahia para a utilzação dessas abordagens no Programa de controle da Dengue desses Estados. Em Recife, o SMCP-Aedes está parcialmente implantado. A Secretaria Estadual de Saúde-PE está iniciando a implantação do SMCP-Aedes em dois outros municípios, em O projeto foi desenvolvido no ambito da Rede SAUDAVEL, formada pelo INPE, ENSP- Fiocruz, CPqAM-Fiocruz, UFPR, UFPE, UFMG, e contou com a parceria das Secretarias de Saúde do Recife e de Pernambuco.

5 RDVE 04 Vigilância epidemiológica e inovação na dengue: desenvolvimento de indicadores biológicos e sócio ambientais envolvidos na produção da endemia. Sérgio Luz/Luciano Toledo CPqMD 1. Metodologia de monitoramento e disseminação da denguena Amazônia: demanda do MS pois permite identificar focos geradores com menor subjetividade e intensidade de trabalho humano do que a investigação domiciliar de criadouros. 2. Modelos preditivos de transmissão da dengue, utilizando indicadores epidemiológicos, entomológicos e ambientais (necessita ainda validação). 3. Modelo de transmissão: monitorar população de vetores adultos. Vigilância viral em larvas e adultos (PCR) (estão na fase de testar as diversas armadilhas de adultos e tentar avaliar infecção de populações de mosquitos). 1.. Produtos 2 e 3 em desenvolvimento Potencial de uso para os serviços: SMS/SES (publico alvo) e o PNCD (Programa Nacional de Controle de Dengue). A organização das bases para um trabalho integrado com os serviços, considerando as dificuldades inerentes a região norte é um avanço considerável. RDVE 07 Modelos para a formulação de estratégias de Controle de Doenças Infecciosas na Presença de Incertezas: Aplicações em dengue e Febre Amarela. Claudia Torres Codeço PROCC Adaptação e implementação computacional do metodo do Bayesian Melding para análise de incertezas em modelos mecanísticos utilizado em epidemiologia matemática. Algoritmo para análise de incerteza: implementado na forma de software de simulação de sistemas dinâmicos (ModelBuilder): modelagem matemática e estatística e computacional com potencial preditivo aplicada a dengue e febre amarela. MOLDER BUILDER/HTTP://MODEL-BUILDER.SOURCEFOURGE.NET. Site: Um software livre foi desenvolvido para simulação de sistemas dinâmicos e encontra-se disponível para downloud em modelbuilder.sourceforg.ne Produto ainda acadêmico, modelo teórico, mas potencialmente com aplicabilidade diversa, com o objetivo de desenvolver metodologias para auxiliar em tomadas de decisão em saúde pública na presença de incertezas. O grupo está investindo em um software relacionado (Epigrass) com o intuito de aplicá-lo no âmbito da gestão em saúde pública.

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Secretaria de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa 11 de novembro de 2013 Casos Prováveis e internações por dengue/fhd Brasil, 1986-2013*

Leia mais

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014 Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya 1. Características da doença A Febre do Chikungunya (CHIKV) é uma doença causada por

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

Diretoria de Vigilância Epidemiológica FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014

Diretoria de Vigilância Epidemiológica FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014 FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014 Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância da Febre do Chikungunya na Bahia. I. A Febre do Chikungunya é uma doença causada por um vírus do gênero

Leia mais

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE Vigilância epidemiológica e controle vetorial

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014)

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) 1 NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) Assunto: Avaliação de armadilhas para a vigilância entomológica de Aedes aegypti com vistas à elaboração de novos índices

Leia mais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais II eminário DENGUE: desafios para políticas integradas de ambiente, atenção e promoção da saúde Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais Instituto Oswaldo Cruz FIOCUZ Laboratório Fisiologia e Controle

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz. Ministério da Saúde

Fundação Oswaldo Cruz. Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Ministério da Saúde Missão A Fundação Oswaldo Cruz é um centro polivalente e multidisciplinar na área da saúde, que exerce um papel social de grande relevância para o país. Realiza

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

I Oficina Técnica da Rede Pronex de Modelagem em Dengue

I Oficina Técnica da Rede Pronex de Modelagem em Dengue UFMA I Oficina Técnica da Rede Pronex de Modelagem em Dengue UFMG UFLA UFOP USP UFF FGV IMPA Unioeste Fiocruz DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA APLICAÇÃO NO CONTROLE DA DENGUE 14 a 16 de fevereiro

Leia mais

Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas

Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas OFICINA DE PRIORIDADES DE PESQUISA SOBRE DOENÇAS NEGLIGENCIADAS Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas Tânia C. A. Jorge (Coordenadora) - IOC/Fiocruz Bianca Zingales (Relatora) - USP Soraya

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia Prevenção e conscientização é a solução Ciências e Biologia Dengue Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo. A palavra dengue tem origem

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS

DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS Priscila Leal e Leite Coordenação do Programa Nacional do Controle da Dengue - CGPNCD Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima RECOMENDAÇÃO Nº 001/2011 MPF/RR P R DC Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão OBJETO: Inquérito Civil Público nº 1.32.000.000111/2010-37.

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Nota Técnica Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Yellow Fever in Brazil: Recommendations for Surveillance, Prevention and

Leia mais

NOTA INFORMATIVA - SVS/MS. Assunto: Procedimentos a serem adotados para a vigilância da Febre do Chikungunya no Brasil

NOTA INFORMATIVA - SVS/MS. Assunto: Procedimentos a serem adotados para a vigilância da Febre do Chikungunya no Brasil MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Ala Sul 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755 NOTA INFORMATIVA

Leia mais

Dengue, Chikungunya e Zika

Dengue, Chikungunya e Zika SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DA PARAÍBA GERENCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Dengue, Chikungunya e Zika Nº 01/2016 Situação epidemiológica De 01 a 25 de janeiro de 2016 ( 4ª* semana epidemiológica

Leia mais

Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO

Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO Parecer Técnico sobre Entomologia Consultor: Prof. Dr.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Dengue no Brasil Informe epidemiológico 17/2009 Monitoramento CGPNCD

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Dengue no Brasil Informe epidemiológico 17/2009 Monitoramento CGPNCD MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Dengue no Brasil Informe epidemiológico 17/2009 Monitoramento CGPNCD Período: Semana epidemiológica 1 a 26 de 2009 As notificações de casos suspeitos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS ano III nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico Hepatites

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 21 A Secretaria de Vigilância em Saúde, em trabalho

Leia mais

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001 1 reintrodução da dengue no Brasil em 1986 pelo Estado do Rio de Janeiro um sério problema de Saúde Pública, com 8 epidemias associadas aos sorotipos 1, 2 e 3 taxas de incidência: novo aumento a partir

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

NOTA TÉCNICA 10 2009 DIRETRIZES NACIONAIS PARA A PREVENÇÃO E CONTROLE DE EPIDEMIAS DE DENGUE. Brasília, 30 de junho de 2009.

NOTA TÉCNICA 10 2009 DIRETRIZES NACIONAIS PARA A PREVENÇÃO E CONTROLE DE EPIDEMIAS DE DENGUE. Brasília, 30 de junho de 2009. NOTA TÉCNICA 10 2009 DIRETRIZES NACIONAIS PARA A PREVENÇÃO E CONTROLE DE EPIDEMIAS DE DENGUE Brasília, 30 de junho de 2009. Sumário: 1. Introdução 2. Componentes 2.1. Assistência 2.2. Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 21 A Secretaria de Vigilância em Saúde, em trabalho

Leia mais

Concurso Público - FIOCRUZ 2010 Relação Candidato/Vaga

Concurso Público - FIOCRUZ 2010 Relação Candidato/Vaga Belo Horizonte/ MG A103 Assistente Técnico de Gestão em Saúde Assistente Técnico de Gestão em Saúde 765 3 255,00 Belo Horizonte/ MG A204 Técnico em Saúde Pública Manutenção de Insetário 49 1 49,00 Belo

Leia mais

SISPNCD SISTEMA DO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE

SISPNCD SISTEMA DO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Objetivo do Boletim Disponibilizar informações acerca da vigilância entomológica do Aedes aegypti no Estado

Leia mais

Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União

Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União Classificação dos Cargos Tecnologista Requisito: Graduação ou Graduação com Especialização, Residência

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

2. Operações de emergência

2. Operações de emergência Programa Nacional de Controle da Dengue CGPNCD/DEVEP Controle vetorial da Dengue (duas operações básicas) 1. Operações de rotina 2. Operações de emergência 1 Controle da Dengue (duas operações básicas)

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DO AGRAVO DENGUE NO ESTADO DO AMAPÁ

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DO AGRAVO DENGUE NO ESTADO DO AMAPÁ JULHO/2013 Volume 1, edição 1 Governo do Estado do Amapá BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DO AGRAVO DENGUE NO ESTADO DO AMAPÁ INFORM AÇ ÃO EPIDEM IOLÓGIC A D A DOENÇ A Secretaria de Estado da Saúde/SESA Coordenadoria

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO AO CONTROLE DA DENGUE EM CASCAVEL/PR ATRAVÉS DE UM SOFTWARE COM INFORMAÇÕES GEORREFERENCIADAS

UMA CONTRIBUIÇÃO AO CONTROLE DA DENGUE EM CASCAVEL/PR ATRAVÉS DE UM SOFTWARE COM INFORMAÇÕES GEORREFERENCIADAS UMA CONTRIBUIÇÃO AO CONTROLE DA DENGUE EM CASCAVEL/PR ATRAVÉS DE UM SOFTWARE COM INFORMAÇÕES GEORREFERENCIADAS Rodolfo Lorbieski 1, Diego Hachmann 1, Claudia Brandelero Rizzi 2, André Luiz Brun 3, Rogério

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 21 A Secretaria de Vigilância em Saúde, em trabalho

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009

PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009 SVS/MS - Portaria nº 151/2009 16/10/2009 PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009 A SECRETÁRIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUBSTITUTA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 45,

Leia mais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Departamento DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br Maio/2014

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano de Contingência para a Introdução do Vírus Chikungunya

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano de Contingência para a Introdução do Vírus Chikungunya MINISTÉRIO DA SAÚDE Plano de Contingência para a Introdução do Vírus Chikungunya Brasil 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CURSO INTRODUTÓRIO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA PARA AGENTES DE COMBATE AS ENDEMIAS ALUNO (A): PROFESSOR (A): CETAM Centro de Educação Tecnológica do Amazonas SUMÁRIO

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Karla Yamina Guimarães Santos 1 Diego Alves Gomes 2 Rafael Aguiar Marino 2 Eduardo Barbosa Beserra 2 Ricardo Alves de

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 28 (IDB-28) TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES SUMÁRIO Introdução... 1 Aids... 2 Dengue... 7 Leishmaniose Visceral... 11 Leishmaniose Tegumentar Americana...

Leia mais

A experiência de Campinas: Integração do controle vetorial

A experiência de Campinas: Integração do controle vetorial A experiência de Campinas: Integração do controle vetorial à promoção de saúde socioambiental. Carlos Eduardo Cantúsio Abrahão http://orion.cpa.unicamp.br/portal/index.php http://www.aleph.com.br/kce/niaurbo.htm

Leia mais

Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia

Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia Fórum INCA-ASCO sobre Câncer Hereditário Predisposição Genética ao Câncer 21 e 22 de novembro de 2011 Hotel Novo Mundo Flamengo Rio de Janeiro Brasil Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014)

NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014) NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014) Aspectos Gerais Assunto: Procedimentos a serem adotados em Santa Catarina frente a caso suspeito de Febre de Chikungunya A Febre de Chikungunya

Leia mais

VIGILÂNCIA DA MICROCEFALIA NOTA TÉCNICA 25/01/2016

VIGILÂNCIA DA MICROCEFALIA NOTA TÉCNICA 25/01/2016 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE VIGILÂNCIA DA MICROCEFALIA NOTA TÉCNICA 25/01/2016 Situação Epidemiológica Em 11 de novembro de 2015, através

Leia mais

Treinamento de Agentes de Combate as Endemias

Treinamento de Agentes de Combate as Endemias Treinamento de Agentes de Combate as Endemias 1 OPERAÇÕES DE CAMPO Tratamento Lucivaldo Farias Maciel AG. Endemias SVS/MS Educador em Saúde e Mob. Social 3ªCRES/SESA Lucivaldo.maciel@saude.ce.gov.br 2

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ

A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ Paulo Gadelha Vice-presidente de Desenvolvimento Institucional e Gestão do Trabalho Fundação Oswaldo Cruz 1900: Instituto Soroterápico Federal Objetivo

Leia mais

ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA

ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA E INVESTIGAÇÃO DE SÍNDROME EXANTEMÁTICA NO NORDESTE Wanderson Kleber de Oliveira Coordenação Geral de Vigilância e Resposta às Emergências de Saúde Pública Departamento

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Semanas de 1 a 52 de 2009

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Semanas de 1 a 52 de 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Semanas de 1 a 52 de 2009 A Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde

Leia mais

Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais

Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais Luciana T. Gomes, Laécio C. de Barros, Depto de Matemática Aplicada, IMECC, UNICAMP 133-59, Campinas, SP E-mail: ra@ime.unicamp.br,

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares de Epidemiologia.

Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares de Epidemiologia. Projeto do Curso de Educação à Distância para Qualificação da Investigação do Óbito Materno, Fetal e Infantil: Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014 CEVS/DVAS/PECD/PEVAa Programa Estadual de Controle da Dengue Programa Estadual de Vigilância do Aedes aegypti e Seção de Reservatórios e Vetores/ Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central /

Leia mais

Esfera: 20 Função: 10 - Saúde Subfunção: 302 - Assistência Hospitalar e Ambulatorial UO: 36901 - Fundo Nacional de Saúde

Esfera: 20 Função: 10 - Saúde Subfunção: 302 - Assistência Hospitalar e Ambulatorial UO: 36901 - Fundo Nacional de Saúde Programa 1444 Vigilância, Prevenção e Controle de Doenças e Agravos Numero de Ações 24 Ações Orçamentárias 20AC Incentivo Financeiro a Estados, Distrito Federal e Municípios para Ações de Prevenção e Qualificação

Leia mais

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE MACHADO, Luana Pequeno Vasconcelos¹; SOUSA, Bruna Katiele de Paula²; VALADÃO, Danilo Ferreira³; SIQUEIRA, João

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Cristiane Quental Analista de C&T da Fiocruz 17/outubro/2006 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Conselho Deliberativo Congresso Interno Presidência Chefe de Gabinete Comité

Leia mais

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública Adulto a eclodir Adulto Ciclo vida mosquito Ovos Maria João Alves Centro de Estudos de Vectores e Doenças Infecciosas

Leia mais

A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009

A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009 A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009 TRANZILLO, Eliene Maria dos Santos 1 MARTINS, Inatiane Campos Lima 2 BATISTA, Gustavo Silva 3 1. Introdução A dengue é um dos principais problemas

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

2 Dengue: Características Relevantes

2 Dengue: Características Relevantes 2 Dengue: Características Relevantes 2.1 Apresentação da Doença A dengue é uma arbovirose encontrada em regiões tropicais e subtropicais do mundo inteiro. Sua ocorrência está associada a quatro sorotipos

Leia mais

Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz

Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz Seminário: Um decênio de história na gestão de propriedade intelectual e transferência de tecnologia

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PARA ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO CEARÁ 2011

PLANO ESTRATÉGICO PARA ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO CEARÁ 2011 2 PLANO ESTRATÉGICO PARA ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO CEARÁ 2011 RISCO Pico Abril e Maio Desafios identificados na assistência Superlotação nas emergências dos hospitais (municípios estão concentrando o

Leia mais

Francisco Paz 09/12/2015

Francisco Paz 09/12/2015 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado de Saúde DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: DESAFIOS PARA A GESTÃO Plano de Intensificação do combate ao Aedes aegypti Francisco Paz 09/12/2015 Ações estaduais

Leia mais

Diarreicas Agudas e CóleraC

Diarreicas Agudas e CóleraC Superintendência ncia de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis Coordenaçã ção o de Controle de Doenças de Transmissão o Hídrica H e Alimentar Doenças Diarreicas

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

{dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: Ministério da Saúde

{dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: Ministério da Saúde {dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: Ministério da Saúde Balanço preliminar divulgado pelo Ministério da Saúde confirma tendência de redução de casos em relação ao ano passado

Leia mais

Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC. Comissão Plano de Prevenção à Dengue

Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC. Comissão Plano de Prevenção à Dengue Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC Comissão Plano de Prevenção à Dengue (Portaria Nº 1829/2015/GR/UFSC) Carlos José de Carvalho Pinto CCB/MIP (Presidente) Adriana Rodrigues secretária

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE AMBIENTE LABORATORIAL - MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA GERENCIADOR DE AMBIENTE LABORATORIAL - MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA GERENCIADOR DE AMBIENTE LABORATORIAL MANUAL REVISÃO 08 IPB-LACEN/RS GAL SISTEMA GERENCIADOR DE AMBIENTE LABORATORIAL - MANUAL DO USUÁRIO MÓDULO BIOLOGIA MÉDICA HUMANA Av. Ipiranga,

Leia mais

UNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Programa Nacional de Controle da Dengue

UNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Programa Nacional de Controle da Dengue UNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Programa Nacional de Controle da Dengue Instituído em 24 de julho de 2002 Presidente da República ernando Henrique Cardoso Ministro da Saúde Barjas Negri Presidente da undação

Leia mais

Veículo de Comunicação da AHERJ. Associação de Hospitais do Estado do Rio de Janeiro Ano XIII Nº 102 Novembro / Dezembro de 2011

Veículo de Comunicação da AHERJ. Associação de Hospitais do Estado do Rio de Janeiro Ano XIII Nº 102 Novembro / Dezembro de 2011 N 991219341-0/2010 DR/RJ Veículo de Comunicação da AHERJ. Associação de Hospitais do Estado do Rio de Janeiro Ano XIII Nº 102 Novembro / Dezembro de 2011 A DENGUE NO RIO As autoridades de saúde pública

Leia mais

Programa de Controle da Dengue/SC

Programa de Controle da Dengue/SC Programa de Controle da Dengue/SC Estratégia operacional de prevenção e controle da dengue para municípios não infestados por Aedes aegypti, infestados por Aedes aegypti sem circulação viral e infestados

Leia mais

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Biologia do Aedes Aegypti, O mosquito Aedes aegypti se desenvolve por meio de metamorfose completa e seu ciclo de vida

Leia mais

1 Ver apresentação de Paulo Buss em http://www.cict.fiocruz.br/media/ paulobusssus.pdf (acesso em 08/04/2009)

1 Ver apresentação de Paulo Buss em http://www.cict.fiocruz.br/media/ paulobusssus.pdf (acesso em 08/04/2009) planos privados de saúde no sistema de saúde brasileiro. Essa é uma questão absolutamente crítica para ser discutida no âmbito das políticas de saúde no país: queremos esse sistema dual que se caracteriza

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS ETAPA 2 CURSO INTRODUTÓRIO INSTRUÇÕES

Leia mais

Situação da Dengue no Rio Grande do Sul. Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS

Situação da Dengue no Rio Grande do Sul. Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS Situação da Dengue no Rio Grande do Sul Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Vigilância Epidemiológica Processo contínuo e sistemático

Leia mais

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI INTRODUÇÃO A dengue é uma doença infecciosa febril aguda benigna na maior parte dos casos. É causada pelo vírus do

Leia mais

No final de novembro o Ministério da Saúde

No final de novembro o Ministério da Saúde MIGUEL BOYAYAN > CAPA Mosquito na mira EP ID EM IO LO G IA MARIA GUIMARÃES Estudos buscam alternativas para com bater o transm issor da dengue No final de novembro o Ministério da Saúde anunciou um resultado

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA DENGUE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA DENGUE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA DENGUE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL REVISÃO DEZEMBRO 2013 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA DENGUE NO ESTADO DO RIO GRANDE

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Controle Populacional do Aedes aegypti

Sistema de Monitoramento e Controle Populacional do Aedes aegypti Sistema de Monitoramento e Controle Populacional do Aedes aegypti Apoio Financeiro: Ministério da Saúde - DECIT, UNESCO, CNPq, Fiocruz - PDTSP, Convênio CPqAM - FACEPE, e Secretaria Estadual de Saúde de

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema GOVERNO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO A SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, 730, 5 andar CEP:

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL ANEXO I DEMOSTRATIVO DE CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO,, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: TECNOLOGISTA JUNIOR Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE ÁREA 32 Arquitetura 12 Conservação e restauração de conjuntos

Leia mais