A influência do layout da operação em uma pequena empresa prestadora de serviços técnicos em informática: um estudo de caso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A influência do layout da operação em uma pequena empresa prestadora de serviços técnicos em informática: um estudo de caso"

Transcrição

1 A influência do layout da operação em uma pequena empresa prestadora de serviços técnicos em informática: um estudo de caso Paulo César Chagas Rodrigues (FEB/UNESP) Resumo: Hoje as pequenas empresas prestadoras de serviços técnicos encontram-se inseridas em um cenário extremamente competitivo, onde, muitas são as possibilidades de intervenção para que racionalizem o processo operacional e os serviços. Elementos simples como sistemas de controle de estoques, planejamento de pedidos, Layout da planta, dentre outros, podem trazer enormes benefícios para as empresas. Sendo o principal objetivo desta pesquisa é descrever e analisar, apontando os principais aspectos positivos e as deficiências, do sistema de gestão de processos de uma pequena empresa prestadora de serviços técnicos em informática. Palavras-chave: Gestão de estoques; Logística; Logística de Planta; Layout. 1. Introdução Neste setor produtivo, dada à alta flexibilidade de operação, o layout da planta ganha uma importância ainda maior. Por meio de um gerenciamento eficaz da estrutura física da empresa, movimentação de produtos e pessoas e armazenagem, sendo possível reduzir consideravelmente as perdas provenientes de uma má estruturação física. Para tanto, será realizada uma pesquisa qualitativa com base na metodologia de estudo-de-caso, pois este tipo de pesquisa preocupa-se fundamentalmente com a compreensão e interpretação de determinado fenômeno, conforme o pretendido aqui. Os instrumentos de coleta de dados na empresa estudada se deram por meio da realização de entrevistas, análise de documentos e visitas in loco. No artigo é feita uma breve revisão teórica sobre sistemas de administração da produção, logística e gestão de estoques, de forma a embasar conceitualmente o referido estudo. Por fim, são feitas algumas recomendações, de enfoque genérico, para a racionalização das operações em empresas deste setor. Segundo Alves (1999), o ambiente empresarial caracteriza-se por uma concorrência muito baseada no prazo e na satisfação das exigências do cliente traduzidas, frequentemente, no requisito de produtos únicos e exclusivos e entregas imediatas ou em prazos muito curtos. 2. Sistemas de Administração da Produção (SAP) A Gestão da Produção pode ser definida, segundo a APICS (The Educational Society for Resource Management), como sendo: um campo de estudo que busca o planejamento, a programação, o uso e o controle efetivo da organização da manufatura por meio do estudo de conceitos de engenharia de projeto, engenharia industrial, sistemas de informações gerenciais, gestão da qualidade, gestão de estoques, contabilidade e outras funções que afetam o processo de transformação. Segundo Lima (2003), os sistemas de produção são, por tradição, baseados numa visão estática da estrutura do sistema, os sistemas depois de projetados, mantêm-se inalterados por longos períodos, e as mudanças importantes dão-se em ciclos muito longos. Mesmo os sistemas cuja estrutura se baseiam na ligação entre unidades básicas, sejam elas segmentos de 1

2 produção, ilhas de produção, ou células de produção, são fundamentalmente estáticos. Os departamentos são dinâmicos, que os leva a alterar a sua estrutura e as ligações existentes com os outros. Warnecke (1993) enumera alguns dos fatores internos de sucesso que influenciam a dinâmica do sistema, como sejam: custos; potencial de produção; investigação e desenvolvimento; eficiência da gestão; potencial de compras e distribuição; potencial financeiro; logística; localização; funcionários. Por sua vez, os fatores de sucesso externos que influenciam a vitalidade são enumerados como sendo os seguintes: mercados de escoamento; mercados de fornecimento; concorrência; legislação. Segundo a AEP (2004), pensando na Produtividade, verifica-se, muitas vezes que nessas instalações ocorrem fatos que promovem a perda de eficiência e de produtividade, como sejam: Excesso de movimentação de pessoas e matérias-primas; Produtos semi-acabados e produtos acabados, causando transtornos diversos e aumentando os riscos de quebra e acidentes, além de custos e de tempo de produção; e Os produtos têm um percurso produtivo muito complicado. A idéia base da simplificação do trabalho corresponde á eliminação de tudo aquilo que não agrega valor ao produto, ou seja, tudo aquilo que não melhora ou não transforma o produto e que aumenta os seus custos. O transporte pode representar esse tipo de atividade que não acrescenta valor ao produto e que se for mal gerido no decorrer do processo, irá onerar em tempo, energia, desgaste de máquinas e paragens o produto final. Torna-se em muitos casos imperioso avaliar a participação dos processos de transporte e percursos de pessoas e bens, de forma a minimizar a sua participação no custo final do produto e na Produtividade do processo. Para Slack, Chambers e Johnston (2002), o arranjo físico de uma operação produtiva preocupa-se com a localização física dos recursos de transformação. Colocado de forma simples, definir o arranjo físico é decidir onde colocar todas as instalações, máquinas, equipamentos e pessoal da produção. O arranjo físico é uma das características mais evidentes de uma operação produtiva porque determina sua forma e aparência. Stevenson (2005) comenta que a necessidade de se fazer um planejamento do arranjo físico surge tanto durante o projeto de novas instalações como quando se reformulam projetos de instalações preexistentes. Os motivos mais comuns para a reformulação de projetos de arranjo físico são os seguintes: (a) a ineficiência das operações (por exemplo, por custo elevado, pela existência de gargalos); (b) acidentes, ou risco à integridade física e à segurança; (c) mudança no projeto e produtos ou serviços; (d) introdução de novos produtos ou serviços; (e) mudanças no volume de produção, ou no mix (composição); (f) mudança nos métodos ou no equipamento; (g) mudança em requisitos ambientais ou outros, de ordem legal; e (h) problemas relacionados com o moral do pessoal (por exemplo, falta de contato face a face). Para Slack, Chambers e Johnston (2002), há algumas razões práticas pelas quais as decisões de arranjo físico são importantes na maioria dos tipos de produção. Arranjo físico é freqüentemente uma atividade difícil e de longa duração devido às dimensões físicas dos recursos de transformação movidos; 2

3 O re-arranjo físico de uma operação existente pode interromper seu funcionamento suave, levando à insatisfação do cliente ou a perdas na produção; e Se o arranjo físico (examinado a posteriori) está errado, pode levar a padrões de fluxo excessivamente longos ou confusos, estoque de materiais, filas de clientes formandose ao longo da operação, inconveniências para os clientes, tempos de processamento desnecessariamente longos, operações inflexíveis, fluxos imprevisíveis e altos custos. Slack, Chambers e Johnston (2002) classificam em quatro tipos básicos de layout: layout posicional, layout por processo, layout por produto e layout celular. Este último mencionado é a forma de layout que mais impacta na redução dos desperdícios sob a óptica da filosofia da Produção Enxuta. Segue uma explicação de cada tipo de layout: Layout posicional: é utilizado quando os materiais transformados são ou muito grandes, ou muito delicados, ou objetariam ser movidos; Layout por processo: neste tipo de arranjo físico todos os recursos similares de operação são mantidos juntos. Este tipo de layout é normalmente usado quando a variedade de produtos é relativamente grande. Este tipo de layout é conhecido também como layout funcional; Layout celular: neste tipo de layout os recursos necessários para uma classe particular de produtos são agrupados de alguma forma. Nesse arranjo físico as máquinas são dedicadas a um grupo exclusivo de peças; e Layout por produto: neste os recursos de transformação estão configurados na seqüência específica para melhor conveniência do produto ou do tipo de produto. Este tipo de arranjo físico é também conhecido como layout em linha. Para Slack, Chambers e Johnston (2002), a decisão de qual tipo de arranjo físico adotar raramente, se tanto, envolve uma escolha entre os quatro tipos básicos. As características de volume e variedade de uma operação vão reduzir a escolha, grosso modo, a uma ou duas opções. Ainda assim, como ilustra a figura 01, as faixas de volumes e variedades contidas em cada tipo de arranjo físico sobrepõem-se. A decisão sobre qual arranjo específico escolher é influenciada por um entendimento correto das vantagens e desvantagens de cada um. Figura 01: Posição do processo no contínuo volume-variedade influencia seu arranjo físico e, conseqüentemente, o fluxo dos recursos transformados. Fonte: Slack, Chambers e Johnston (2002). 3

4 Na figura 02 Slack, Chambers e Johnston (2002) mostram algumas das mais significativas vantagens e desvantagens associadas a cada tipo de arranjo físico. Deve ser enfatizado, entretanto, que o tipo de operação vai influenciar sua importância relativa. Posicional Processo Celular Produto Vantagens Flexibilidade de mix e produto muito alto; Produto ou cliente não movido ou perturbado; e Alta variedade de tarefas para a mão-deobra. Alta flexibilidade de mix e produto; Relativamente robusto em caso de interrupção de etapas; e Supervisão de equipamento e instalações relativamente fácil. Pode dar um bom compromisso entre custo e flexibilidade para operações com variedade relativamente alta; Atravessamento rápido; e Trabalho em grupo pode resultar em melhor motivação. Baixos custos unitários para altos volumes; Dá oportunidade para especialização de equipamento; e Movimentação de clientes e materiais conveniente. Desvantagens Custos unitários muito altos; Programação de espaço ou atividades pode ser complexa; e Pode significar muita movimentação de equipamentos e mão-de-obra. Baixa utilização de recursos; Pode ter alto estoque em processo ou filas de clietnes; e Fluxo complexo pode ser difícil de controlar. Pode ser caro reconfigurar o arranjo físico atual; Pode requerer capacidade adicional; e Pode reduzir níveis de utilização de recursos. Pode ter baixa flexibilidade de mix; Não muito robusto contra interrupções; e Trabalho pode ser repetitivo. Figura 02: Vantagens e desvantagens dos tipos básicos de arranjo físico. Fonte: Slack, Chambers e Johnston (2002). 3. Logística O Council of Logistcs Management, (1998) define Logística como o processo da cadeia de suprimentos que planeja, implementa e controla o fluxo e o estoque de bens e serviços e as informações relativas, do ponto de origem ao ponto de consumo, de maneira eficiente e eficaz, buscando a satisfação das necessidades dos clientes. Christopher (1998:2) define logística como o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados (e os fluxos de informações correlatas) através da organização e seus canais de marketing, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura através do atendimento dos pedidos a baixo custo. Segundo Alves (1999), é necessário conhecer ainda os intervenientes na cadeia logística, desde os fornecedores de matéria prima até os distribuidores e, por último, os consumidores (clientes). Porque a empresa está integrada numa cadeia que cria valor para o consumidor e para produzir de forma mais eficiente. A empresa deve melhorar não só a sua produtividade, mas também contribuir para melhorar a produtividade de toda a cadeia de valor, isto é, do sistema de atividades ligadas e interdependentes necessárias para adicionar valor ao produto. Uma conseqüência imediata do estabelecimento de estruturas produtivas em rede integrando toda a cadeia logística, ao nível da produção, é a alteração nos processos de planejamento, de um nível estritamente local, para um nível mais abrangente, onde os aspectos logísticos e de coordenação assumem grande importância. Assim, na perspectiva da produção, deve ser possível gerir dinamicamente as capacidades dos diferentes intervenientes, 4

5 apoiando, por um lado, todo o processo de aceitação e colocação de encomendas e por outro, o planejamento das unidades produtivas. A logística esteve tradicionalmente definida como o processo de planejar, implementar e controlar o fluxo eficientemente e armazenamento de bens, serviços, e informação relacionada como eles viajam do ponto de origem até o consumidor (Council of Logistics Management, 1998). Gregory, Noel e John (2000) relatam que dentro deste modelo, o lugar de controle de logística foi à empresa isolada. Além disso, como em muitas outras áreas da administração, as atividades logísticas foram divididas tradicionalmente junto aos limites funcionais. Ultimamente, há um reconhecimento que as atividades de logística deveriam ser integradas dentro do domínio do negócio, não simplesmente banido a um papel funcional estreito (GREIS; KASARDA, 1997; FAWCETT; CLINTON, 1996). Logística integrada pode ser descrita através de duas dimensões: interno e externo; dependendo da ligação de atividades de integração. Note que integração de logística é diferente das características de ligação da governança do supply chain. Integração de logística recorre a práticas de logística específicas: atividades operacionais que coordenam o fluxo de materiais para os clientes ao longo do fluxo de valor; provendo ligações de cadeia recorre às relações entre os provedores e clientes que incluem a provisão e canal de distribuição. 4. Gestão de estoques A atividade de gestão de Estoques é realizada devido à necessidade de controlar os produtos, ou seja, a empresa deve decidir quais os níveis de estoques que é economicamente viável manter-se (MAYER, 1984). Por um lado esta ação induz características positiva como sejam o permitir a regulação e decomposição do processo de produção, fornecimento de um leque de opções ao cliente, descontos de aquisição em função da quantidade e proteção contra subidas de preços (HEIZER; RENDER, 2001). No entanto, por outro lado introduz também componentes consideradas negativas. O aumento da rigidez da produção, do prazo médio de produção, imobilização de meios financeiros consideráveis e a ocupação de espaços, são alguns exemplos (COURTOIS; PILLET; MARTIN, 1997). A literatura distingue quatro tipos de estoques (COURTOIS; PILLET; MARTIN, 1997; HEIZER; RENDER, 2001). Suprimento, (a) o estoque de matéria-prima, normalmente materiais necessários a produção; (b) os estoques MRO (Maintenace/Repair/Operating Manutenção/Reparação/Operação), consistindo em peças de substituição ou reposição, normalmente necessárias para o parque de máquinas, ferramentas especiais, ferramentas e outros consumíveis, produtos para manutenção de edifícios, etc.; (c) estoques em processo ou intermediários em curso (WIP), materiais armazenados entre as diferentes fases do processo produtivo; e (d) o estoques de produtos acabados. Uma revisão de mecanismos de controle de fluxo de materiais pode ser descrito em Graves, Konopka e Milne (1995), cujo um deles é o mecanismo de controle Kanban relatado por Monden (1983). Kanban é implementado tipicamente fixando um nível de WIP para cada produto no armazenamento na área que segue cada estação e, então, permitindo trabalhar para só ser iniciado em uma estação quando há uma liberação na área de armazenamento que segue o ex. o nível de WIP está debaixo de seu nível fixo. Em esta maneira, para WIP é impedido de construir no sistema. Kanban é o mais cedo e a maioria mecanismo de controle de fluxo amplamente utilizado. Porém, para isto foi mostrado para não executar como também outros mecanismos de controle de fluxo materiais recentemente propostos. O trabalhar-em-processo constante (CONWIP) é um mecanismo de controle que foi proposto por Spearman, Woodruff e Hoop (1990). CONWIP mantém constante WIP para a linha industrial liberando um novo trabalho no sistema, só quando uma das linhas de processos de saída for concluída. Goldratt e Cox (1986) reconheceram a importância de manter o trabalho há frente do gargalo para 5

6 alcançar uma taxa de processamento máxima. O mecanismo, drum-buffer-rope, programação de liberação de trabalhos de forma que a estação gargalo continue trabalhando. Wein (1988) propôs o mecanismo de controle de regulamento de carga de trabalho que mantém uma carga de trabalho constante antes dos gargalos. Este mecanismo só libera um trabalho quando a carga de trabalho nivele antes de um gargalo fique abaixo de um nível fixo. 5. Estudo de caso Nesta pesquisa, procurando restringir seu foco, optou-se por estudar a gestão de estoques em uma pequena empresa prestadora de serviços técnicos em informática, com um faturamento mensal médio de R$ ,00 que possui sede na região centro-oeste do Estado de São Paulo do Brasil. Segundo a Target (2006), esta região é composta por 76 municípios e uma população aproximada de habitantes. Possui aproximadamente indústrias, empresas de serviço e 817 centros educacionais. A empresa estudada foi fundada na década de 80, por dois empresários que trabalham há mais de 50 anos neste segmento e que são oriundos de uma grande empresa de informática nacional. A planta de Bauru possui cerca de 12 colaboradores e vem se reestruturando para que possa prestar um serviço mais ágil, flexível há um menor custo para o cliente final. Com base no exposto, o principal objetivo desta pesquisa é descrever e analisar, apontando os aspectos positivos e as deficiências, quanto ao layout da operação na empresa que esta sediada na cidade de Bauru, Estado de São Paulo, Brasil. Atualmente a empresa não possui nenhum tipo de software ERP, para integrar todas as áreas da empresa, para apoiar nos cálculos de previsão de demanda, na gestão de estoque, monitorar a produção e gerar informações para as áreas administrativas e auxiliar a direção na tomada de decisão, quanto às melhores praticas a serem adotadas. Ela possui sistemas estanques para a área administrativa, financeira e operacional, onde a troca de informações é feita através da rede por mensagens, não havendo um controle sobre o estoque de peças, não há uma mensuração dos valores de estoques, os pedidos são feitos de forma empírica. Foi notado por várias vezes o atraso no atendimento, por não se ter um determinado item em estoque e foi constatado posteriormente um alto índice de rotatividade deste item, em contra partida determinados itens que já são obsoletos ou que possuem um índice de rotatividade abaixo do esperado, estão presentes em quantidades elevadas. A empresa também esta com um sério problema de layout da sua estrutura, onde estão sendo executadas algumas melhorias há nível de realinhamento dos departamentos e de fluxo de peças e equipamentos, pois em determinados horários do dia nota-se um congestionamento de pessoal e mau aproveitamento da mão de obra especializada, como pode ser visto na figura 01, este é o layout antigo. O estoque de peças e equipamentos esta em local inapropriado, pois os técnicos e até mesmo os clientes têm livre acesso e por muitas vezes foi notado o não cumprimento das regras para a utilização de peças em equipamentos em manutenção e até mesmo na substituição e devolução dos equipamentos de backup. A logística no atendimento dos chamados é feita sem nenhuma regra e que vem acarretando uma sobre carga no número de chamados atendidos e no tempo de deslocamento por alguns técnicos, foi observado também de forma esporádica o deslocamento de mais de um técnico para o mesmo cliente com o intuito de atender chamados diferentes. 6

7 Figura 01: Layout antigo da empresa. Não há por parte da diretoria nenhum tipo de padrão para cálculo de previsão de demanda de peças e chamados técnicos, que após um breve estudo detectou um custo muito elevado quando da compra de peças, pois as mesmas são compradas em pequenos lotes, não permitindo uma melhor negociação dos valores e tendo um gasto muito alto com frete. A empresa tem perdido clientes importantes, visto que o seu custo por atendimento é alto para o padrão de mercado, o lead time alto entre o chamado aberto e a solução do problema, a má distribuição dos chamados, a falta de acompanhamento do chamado atendido, dentre outros fatores. Recomendações É necessário que a empresa passe por uma reestruturação dos seus processos, para que volte a ser competitiva a nível custos, agilidade e flexibilidade, para isso é proposto que haja uma alteração no layout da planta, da gestão de estoques, na logística de atendimento ao cliente interno e externo, de RH, entre outras coisas. Deve ser iniciado o processo de normalização dos processos, através da criação de diretrizes para a gestão de estoques e operações com níveis de prioridade, para num segundo passo as normas sejam expostas em locais acessíveis a todos os funcionários, de forma que possam ler e compreender como os processos funcionam. O processo de reestruturação pode se iniciar pela alteração no layout da planta, que segundo a AEP (2005), geram perdas de produtividade e rendimento, onde a recepção passaria a ser na entrada da empresa, sem que o cliente tenha acesso direto ao laboratório, pois ele teria de passar pela recepcionista, sendo o primeiro laboratório de impressoras, visto que se trata de um equipamento que pode ser muito pesado e de alto custo, o segundo laboratório ficaria sendo o de microcomputadores e notebooks, por serem mais leves e de fácil manuseio, o financeiro e o estoque pode ser agrupado em uma única sala, pois o funcionário não necessita de todo o espaço que possui e assim ganha-se na customização do ambiente e visto que o mesmo funcionário recebendo o treinamento adequado pode gerenciar o estoque de peças, estas alterações podem ser vistas na figura 02. Nos depósitos existentes, se organizar um para receber todos os equipamentos de backup que a empresa possui, permitirá assim customizar o espaço dentro da empresa e no outro poderá ficar os equipamentos sem consertos, que serão reciclados e esta área poderá num futuro se transformar em outro laboratório, caso seja necessário. 7

8 Com a recepção na entrada, o aglomerado de técnicos nos laboratórios poderá cessar, pois quem for atender campo, já recebe o seu chamado na recepção e só tem que requisitar as peças necessárias ao atendimento e não necessita ficar transitando pela empresa e haverá uma redução de pessoas estranhas ao local de trabalho acessando e até mesmo atrapalhando os técnicos de laboratório. A recepcionista terá a função de filtrar o acesso de clientes aos laboratórios, ao financeiro e ao diretor e técnicos, ela também deverá em determinado período do dia fazer o acompanhamento dos atendimentos, ligando para os clientes e avaliando o atendimento a postura e o grau de conhecimento passado pelo técnico. Ela também deverá ligar após uma semana para os clientes que levaram seus equipamentos até a empresa para saber se esta tudo normal, se não houve nenhuma ocorrência após a retirada do equipamento, se está satisfeito com o atendimento realizado. Figura 02: Layout proposto Quanto à logística de atendimento aos clientes externos, deve ser pensado em criar escaninhos para cada técnico, e assim conforme o chamado seja aberto já pode ser repassado para o técnico e caso algum técnico não tenha muitos chamados dividir naquele momento a área de quem tem mais chamados e que seja próxima a sua. Nos atendimentos de laboratório, deve ser estipuladas prioridades do tipo: ordem de chegada, nível do cliente, grau de emergência, etc. Também deve haver pelo menos um técnico que tenha um grau de conhecimento maior para atender os clientes vips da empresa, permitindo assim uma maior fidelização do cliente para com a empresa e um atendimento mais personalizado. Mas para isso deverá ser criada a figura do supervisor com atribuições para definir o que deve ser atendido primeiro, esta pessoa deve ter certo grau de conhecimento da região, dos tipos de equipamentos que serão atendidos e o volume de chamados por técnico, para que não haja sobre carga para ninguém e não cause stress para o cliente e o técnico. Deve ser pensado em adquirir um sistema para controle de chamado, que tenha integrado controle de estoque, cadastro de clientes, técnicos e fornecedores, emissão de nota fiscal de serviço e de venda, contas a pagar e receber permita acompanhar a produtividade do técnico, por equipamento, contrato e modelo de peça, permita visualizar o histórico de chamados do equipamento e quem atendeu ocorrência e solução, se é equipamento de contrato, garantia ou avulso. 8

9 Com a aquisição de um sistema, poderá ser resolvida a forma de como é feito a gestão do estoque, onde o próprio sistema deverá informar qual é a rotatividade de determinado produto, através da curva ABC, o lote econômico de compra, deve ser o estoque mínimo e de segurança, prazo de entrega de cada fornecedor com o preço mínimo, médio e o alto, qualidade do produto, qual técnico retirou e para qual cliente, se retornou ou não. Quando do chamado aberto deverá ser gerado prazo de atendimento e solução do problema, que tipo de cliente é, qual técnico deve atender, etc. O sistema também deverá contemplar cálculos de depreciação dos estoques de peças e equipamentos existentes na empresa, visto que ter estoque de determinadas peças e equipamentos, pode significar prejuízo, pelos mais variados motivos. Conclusões O estudo permitiu concluir que se a empresa não iniciar uma reestruturação rápida, poderá ter sérios problemas financeiros, visto que os atendimentos estão diminuindo, as compras de produtos é mal gerenciada, a logística de atendimento está muito ruim e sem nenhum critério, não possui nenhum tipo de parâmetro sobre os atendimentos realizados, não a noção de tempo de deslocamento e atendimento. Baseado no que Stevenson (2005) comenta que a necessidade de se fazer um planejamento do arranjo físico surge tanto durante o projeto de novas instalações como quando se reformulam projetos de instalações preexistentes e que há vários motivos para sua reformulação, deve-se estar sempre atento as reestruturações do ambiente operacional, para que não ocorram perdas de produtividade. Foi observado no estudo-de-caso que a falta de um sistema e o layout da planta da empresa eram um dos pontos críticos e os quais se decidiram trabalhar imediatamente, o layout da empresa pôde ser alterado logo no final do ano entre o Natal e Ano Novo, quando a empresa decidiu, parar com a maioria dos trabalhos e fazer toda a reestruturação e conseqüentemente a aquisição de um sistema próprio para empresas de assistência técnica. Com a reorganização dos departamentos e a implantação do sistema de gestão empresarial pode-se também iniciar um inventário do estoque de peças, e equipamentos de backup, sendo feito o cadastramento no sistema, com as respectivas quantidades e valores e equipamentos que se encontravam emprestados. Podemos citar Christopher (1998), que define logística como o processo de gerenciar estrategicamente os suprimentos, a planta, a distribuição, sua integração e até mesmo o retorno de informações, como forma de ampliar os ganhos produtivos sem onerar os custos e satisfazer as necessidades dos clientes. Conclui-se assim que uma das maiores preocupações da empresa deve ser com o processo de gestão empresarial, visto que a mesma vem promovendo mudanças na forma de administrar os seus processos e estoque de peças e equipamentos de backup, para que possa reduzir as suas perdas por retrabalho, falta de peças, dentro outras. Contudo, este trabalho não esgota todas as possibilidades de gestão, pois como o próprio estudo de caso demonstra, apesar de haverem desafios comuns há todas as empresas, existem também especificidades em função das estratégias adotadas em cada empresa ou ainda em função das características de sua operação. REFERÊNCIAS AEP, Associação Empresarial de Portugal. Manual de Formação: Produtividade e Inovação. Programa Formação PME. Lisboa: Câmara de comercio e indústria,

10 ALVES, A. C. Metodologia para a Concepção de Sistemas de Produção Orientados ao Produto. Dissertação (Mestrado em Produção Integrada por Computado). Guimarães: Universidade do Minho, APICS, American Production and Inventory Control Society. Logistic meaning. Disponível em: <http://www.apics.org>. Acessado em: 25 jan CHRISTOPHER, M. Logistics and supply chain management: strategies for reducing cost and improving service. 2 ed. New Jersey: Prentice Hall, COUNCIL OF LOGISTICS MANAGEMENT. In: 1998 Year End Review. p. 2, COURTOIS, A.; PILLET, M.; MARTIN, C. Gestão da Produção, FAWCETT, S.E.; CLINTON, S. R. Enhancing logistics performance to improve the competitiveness of manufacturing organizations. Production and Inventory Management Journal, v. 37, n. 1, p , GOLDRATT, E.; COX, J. The Goal: a process of ongoing improvement. revised ed., North River Press, Croton-on-the-Hudson, New York, GRAVES, R. J.; KONOPKA, J. M.; MILNE, J. R. Production Planning and Control. Literature review of material flow control mechanisms, v. 6, n. 5, , MONDEN, Y. Toyota Production System. Industrial Engineering and Management Press, GREGORY, N. S.; NOEL, P. G.; JOHN, D. K. Enterprise logistics and supply chain structure: the role of fit. Journal of Operations Management, GREIS, N. P.; KASARDA, J. D. Enterprise logistics in the information age. California Management Review, v. 39, n. 3, p , HEIZER, J.; RENDER, B. Operations Management. Prentice Hall, LIMA, R. M. Sistema distribuídos de produção em ambiente de produção simultânea. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção e Sistemas). Guimarães: Universidade do Minho, MAYER, R. Administração da produção. São Paulo: Atlas, SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da produção. 2. ed. São Paulo: Atlas, SPEARMAN, M. L.; WOODRUFF, D. L.; HOPP, W. J. CONWIP: a pull alternative to Kanban, International Journal of Production Research, v. 25, n. 5, p , STEVENSON, W. J. Operations Management. 8 Ed. New York: McGraw-Hill/Irwin, TARGET. Brasil em foco Software de estudo e pesquisa. v Rio de Janeiro: Target Marketing Editora, WARNECKE, H. J. The fractal company: a revolution in corporate culture. Springer Verlag, WEIN, L. M. Scheduling semiconductor wafer fabrication. IEEE Transactions on Semiconductor Manufacturing, v. 1, p ,

GESTÃO DE OPERAÇÕES EM UMA PEQUENA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS TÉCNICOS EM INFORMÁTICA: UM ESTUDO DE CASO

GESTÃO DE OPERAÇÕES EM UMA PEQUENA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS TÉCNICOS EM INFORMÁTICA: UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& GESTÃO DE OPERAÇÕES EM UMA PEQUENA EMPRESA PRESTADORA

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 6 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO Edilaine Cristina Duarte de Souza Flávia Galdino Silva Com a concorrência acirrada nos dias de hoje, com grandes mudanças a todo tempo,

Leia mais

CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos

CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos 4.1 Arranjo físico GESTÃO DA PRODUÇÃO É a maneira segundo a qual se encontram dispostos fisicamente

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Processos e Layouts Produtivos

Processos e Layouts Produtivos Processos e Layouts Produtivos Produção Segurança Tecnologia de processos Layout Projeto de organização do trabalho Fernando Gonçalves Amaral Estudos de ou Layout Aplicação: Em todos os setores produtivos

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Arranjo físico e fluxo Procedimentos de arranjo físico O arranjo físico (em inglês lay-out) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS.

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Sobre o MedOne GESTÃO SIMPLIFICADA, EFICIÊNCIA GARANTIDA. Gestão simplificada, segurança

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Laureilton José Almeida BORGES¹; Warley Alves Coutinho CHAVES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA 2 ; Adriana Giarolla VILAMAIOR 2 ¹ Estudante de Engenharia

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de ERP Enterprise Resource Planning Pacote de ferramentas que integram toda a empresa, a grande vantagem é que os dados

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial:

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial: FASCÍCULO 2 Papel estratégico e objetivo da produção Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel se espera que a produção desempenhe

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA

ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA Edson Augusto Lopes RESUMO Atualmente com a globalização as indústrias vem investindo em máquinas e equipamentos modernos

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais