PROTESTOS DE TÍTULOS DE CRÉDITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTESTOS DE TÍTULOS DE CRÉDITO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, POLÍTICAS E SOCIAIS CEJURPS CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA COORDENAÇÃO DE MONOGRAFIA PROTESTOS DE TÍTULOS DE CRÉDITO TAÍS ABREU AMÁBILE Itajaí(SC), abril de 2006

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, POLÍTICAS E SOCIAIS - CEJURPS CURSO DE DIREITO PROTESTOS DE TÍTULOS DE CRÉDITO TAÍS ABREU AMÁBILE Monografia submetida à Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, como requisito parcial à obtenção do grau de Bacharel em Direito. Orientador: Professor MSc. Jefferson Custódio Próspero Itajaí (SC), abril de 2006

3 2 Meus Agradecimentos: A Deus por tudo, mas principalmente, por ter iluminado meu caminho na conclusão deste trabalho. Ao meu namorado Hálisson, pelas palavras certas nas horas difíceis, pelo incentivo, compreensão e companheirismo; Aos meus colegas de trabalho, em especial ao Sandro, que me auxiliaram em todos os momentos que necessitei. Agradeço ao Professor Jefferson Custódio Próspero, pela paciência e ajuda na elaboração deste trabalho.

4 3 Este trabalho dedico: Aos meus pais, João Carlos e Elaine, pelo grande exemplo de dignidade, princípios e moral, pelo amor e carinho;.

5 4 PÁGINA DE APROVAÇÃO A presente monografia de conclusão do Curso de Direito da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, elaborada pela graduando Taís Abreu Amábile sob o título PROTESTO DE TÍTULOS E OUTROS DOCUMENTOS DE DÍVIDA, foi submetida em 11 de maio de 2006, à Banca Examinadora composta pelos seguintes Professores: MSc. Jefferson Custódio Próspero (Orientador e Presidente da Banca), MSc. Eduardo Erivelto Campos (Membro) e MSc. José Silvio Wolf (Membro) e aprovada com a nota 10,0 (dez). Itajaí (SC), 23 de maio de 2006 Prof. MSc Antônio Augusto Lapa Coordenação de Monografia Prof. MSc. Jefferson Custódio Próspero Orientador

6 5 DECLARAÇÃO DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE Declaro, para todos os fins de direito, que assumo total responsabilidade pelo aporte ideológico conferido ao presente trabalho, isentando a Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI, a Coordenação do Curso de Direito, a Banca Examinadora e o Orientador de toda e qualquer responsabilidade acerca do mesmo. Itajaí (SC), 23 de maio de Taís Abreu Amábile Graduando

7 6 ROL DE CATEGORIAS Ato notarial: Atos elaborados pelo Notário em seu Tabelionato. 1 Apontamento: Descrição das caracteríticas do título ou documento de dívida em um livro de protocolo. 2 Apresentante: Pessoa responsável a apresentar o título ou documento de dívida ao Tabelião com a finalidade de exteriorizar a impontualidade da obrigação. 3 Credor: Pessoa que teve sua obrigação descumprida, detentor do crédito. 4 Declaração de Anuência: Documento fornecido pela pessoa que se figura como credor, dando total quitação da dívida. 5 Desistência: Procedimento que possui o apresentante de retirar o título ou documento de dívida do Tabelionato, antes que seja lavrado o protesto ou ainda que o devedor se manifeste, liquidando o título ou sustando- judicialmente. 6 1 CENEVIVA, Walter. Lei dos notários e dos registradores comentada (Lei n /94), 3. ed. São Paulo: Saraiva, WOLFFENBUTTEL, Miriam Comassetto. O protesto cambiário como atividade notarial - Aspectos Inovadores da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de ed. São Paulo: Frater et Labor Edições Ltda, WOLFFENBUTTEL, Miriam Comassetto. O protesto cambiário como atividade notarial Aspectos Inovadores da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, p ABRÃO, Carlos Henrique. Do Protesto. São Paulo: Livraria e Editora Universitária de Direito Ltda, PARIZATTO, João Roberto. Protesto de Títulos de Crédito.2. ed. Ouro Fino: Edipa, 1999.

8 7 Devedor: Pessoa que descumpriu com sua obrigação. 7 Documentos de dívida: Documentos que alicerçam obrigações, líquidas, certas e exigíveis. 8 Intimação: Procedimento que dá ciência ao devedor de que sua obrigação descumprida está em cobrança no Tabelionato. 9 Inadimplência: Estado daquele que não cumpriu com as obrigações impostas. 10 Instrumento de protesto: Documento emitido para exteriorizar o descumprimento da obrigação. 11 Lavratura do Protesto: Ato público que concretiza a impontualidade do devedor. 12 Obrigação: Vínculo jurídico entre duas pessoas, onde uma fica obrigada com a outra a satisfazer algo tratado. 13 Pagamento: Cumprimento da obrigação WOLFFENBUTTEL, Miriam Comassetto. O protesto cambiário como atividade notarial Aspectos Inovadores da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, p PARIZATTO, João Roberto. Protesto de Títulos de Crédito, 2. ed. Ouro Fino: Edipa, ABRÃO. Carlos Henrique. Do Protesto, p ABRÃO, Carlos Henrique. Do Protesto,p CENEVIVA, Walter. Lei dos notários e dos registradores comentada (Lei n /94),p WOLFFENBUTTEL, Miriam Comassetto. O protesto cambiário como atividade notarial Aspectos Inovadores da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, p WOLFFENBUTTEL, Miriam Comassetto. O protesto cambiário como atividade notarial Aspectos Inovadores da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, p GOMES, Orlando. Obrigações.13.ed.Rio de Janeiro: Forense,2000.

9 8 Protesto: Ato pelo qual se exterioriza a inadimplência do devedor. 15 Protesto Cambiário: Ato praticado pelo Notário ou Tabelião. 16 Sustação: Medida Judicial com intuito de evitar a efetivação do protesto. 17 Tabelião: Oficial público que exerce seu ofício em um Tabelionato de Notas e Protestos de Títulos. 18 Títulos de crédito: Título de crédito é o documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo nele mencionado. 19 Tríduo Legal: São os três dias úteis contados para a procedência da efetivação do protesto WOLFFENBUTTEL, Miriam Comassetto. O protesto cambiário como atividade notarial Aspectos Inovadores da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, p ABRÃO, Carlos Henrique. Do Protesto, p WOLFFENBUTTEL, Miriam Comassetto. O protesto cambiário como atividade notarial Aspectos Inovadores da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, p ABRÃO, Carlos Henrique. Do Protesto, p CENEVIVA, Walter. Lei dos notários e dos registradores comentada (Lei n /94), p ABRÃO, Carlos Henrique. Do Protesto, p CENEVIVA, Walter. Lei dos notários e dos registradores comentada (Lei n /94), p.73.

10 9 SUMÁRIO RESUMO...11 INTRODUÇÃO...12 CAPÍTULO I...16 NOÇÕES SOBRE PROTESTO DE TÍTULOS DE CRÉDITO DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO PROTESTO CONCEITO, NATUREZA JURÍDICA E COMPETÊNCIA LOCAL E DESTINATÁRIO DO PROTESTO PROTESTO COMO MEIO ASSECURATÓRIO AO DIREITO DO CREDOR Protesto necessário Protesto facultativo Protesto especial para fins de falência Protesto por falta de pagamento Protesto por falta de devolução...35 CAPÍTULO II...37 PROCEDIMENTOS QUE ANTECEDEM O ATO DO PROTESTO E SUA FORMALIZAÇÃO DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO E DO APONTAMENTO DA INTIMAÇÃO...42

11 Intimação por edital DA MANIFESTAÇÃO DO DEVEDOR Sustação do protesto Do pagamento Da desistência do protesto...56 CAPÍTULO III...59 DA LAVRATURA DO PROTESTO, PRAZOS E CANCELAMENTO DA CONTAGEM DE PRAZO PARA APONTAMENTO DO PROTESTO DA CONTAGEM DE PRAZO PARA LAVRATURA DO PROTESTO PELA LEI Nº 9.492/ DA CONTAGEM DE PRAZO PARA LAVRATURA DO PROTESTO PELO CÓDIGO DE NORMAS DE SANTA CATARINA DA LAVRATURA DO INSTRUMENTO DE PROTESTO DO CANCELAMENTO DO PROTESTO...68 CONSIDERAÇÕES FINAIS...74 REFERÊNCIAS DAS FONTES CITADAS...80

12 11 RESUMO A presente monografia versa sobre o instituto do protesto de títulos e outros documentos de dívida. O protesto teve inicio com o surgimento do Código Comercial 21, mas somente a partir de 1908 foi que a matéria passou a ser regida por outras legislações. Sua inovação foi trazida com o advento da Lei 9.492/97 22, pois foi ela quem trouxe uma legislação específica sobre o instituto, ditando regras atinentes à competência e regulamentando os serviços a ele referentes. Com o surgimento da Lei em tela houve uma inovação para o instituto do protesto, oferecendo oportunidade de maior compreensão da matéria por vir a ser relatada de maneira mais abrangente. Cabe observar que em Santa Catarina a matéria é tratada também pelo Código de Normas do Foro Extrajudicial 23, onde em um de seus artigos dispõe que o tríduo legal começa a contar da intimação do devedor, entrando em contradição com a Lei de Protesto 24, em cujo texto está disposto que o tríduo legal será contado a partir da protocolização. Sob este prisma é que está focado o trabalho, qual seja, apresentar as divergências existentes entre as duas legislações. 21 BRASIL, Código Comercial.Lei nº 556 de 25 de junho de BRASIL, Código Comercial. Lei nº 9.492, de 10 de setembro de Lei de Protestos de Títulos. 16.ed.São Paulo: Saraiva SANTA CATARINA. Código de normas do foro extrajudicial de Santa Catarina. Florianópolis: Tribunal de Justiça, Doravante Lei de Protestos.

13 12 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objeto o protesto de títulos de crédito, instituto disposto na Lei nº 9.492, de 10 de setembro de Como objetivo, institucional, produzir uma Monografia para obtenção do grau de Bacharel, pela Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI. Como objetivo geral, analisar os procedimentos necessários à concretização ao ato do protesto, sua devida efetivação, bem como a anulação de seus efeitos. Como objetivo específico, verificar quais foram os benefícios trazidos pela Lei de Protestos 26 e seu conflito com o Código de Normas do Foro Extrajudicial do Estado de Santa Catarina, bem como o posicionamento da doutrina sobre o assunto. 27 O enfoque principal deste trabalho é enfatizar a divergência de normas existentes entre a Lei de Protestos 28 e o Código de Normas de Santa Catarina. 29 Com este trabalho, buscar-se-á demonstrar este conflito, explanando suas diferenças, como a existente a respeito do tríduo legal, onde a Lei Federal dispõe que o prazo para futura efetivação do protesto é de três dias contados da protocolização, contrapondo o Código de Normas de Santa Catarina 30 menciona que o prazo começaria a fluir a partir da intimação feita ao devedor. Demonstrar-se-á a desarmonia existente entre vários doutrinadores sobre algumas matérias aludidas, em especial: qual a finalidade do protesto, se é exteriorizar a inadimplência, tendo o direito de exigir o cumprimento da obrigação, ou se é somente constranger o indivíduo perante a sociedade; 25 Lei de Protestos. 26 Idem. 27 Código de Normas de Santa Catarina. 28 Lei de Protestos. 29 Código de Normas de Santa Catarina. 30 Idem.

14 13 sobre a prescrição do cheque; sobre os procedimentos que segue o Tabelião até a feitura do protesto. Além da matéria dos prazos e da lavratura, estudar-se-á o cancelamento do protesto, instituto através do qual, com a apresentação da documentação correta ao Tabelionato, é possível ao devedor anular os efeitos do protesto, resgatando assim seu crédito perante a sociedade. Matéria que causa grandes transtornos ao Oficial por não ser clara no que diz respeito a documentação necessária para sua efetivação. Para iniciar a investigação adotou-se o método indutivo 31, operacionalizado com técnicas do referente 32, da categoria 33, dos conceitos operacionais 34 e da pesquisa de fontes documentais. Para relatar os resultados da pesquisa, utilizou-se a metodologia proposta por Colzani 35 e a apresentada pela NBR/ABNT 36. Para a feitura do trabalho monográfico, foram apreciados Leis, Decretos, Norma Estadual e doutrinas referentes a matéria, dando especial destaque a doutrina de Wolffenbutel 37 e Parizatto 38. hipóteses: A pesquisa foi desenvolvida tendo como base as seguintes 31 Pesquisar e identificar as partes de um fenômeno e coleciona-las de modo a ter um percepção ou conclusão geral (cf. PASOLD, César Luiz. Prática da pesquisa jurídica: idéias e ferramentas úteis para o pesquisador do direito.7.ed.rev.atual. ampl. Florianópolis: OAB/SC, 2002.P Explicitação prévia dos motivos, dos objetivos e do produto desejado, delimitando o alcance temático e de abordagem para uma atividade intelectual, especialmente para uma pesquisa(cf. PASOLD, César Luiz. Prática da pesquisa jurídica: idéias e ferramentas úteis para o pesquisador do direito,p.62). 33 Palavra ou expressão estratégica à elaboração e/ou à expressão de uma idéia(cf. PASOLD, César Luiz. Prática da pesquisa jurídica: idéias e ferramentas úteis para o pesquisador do direito, p.31). 34 (...) é uma definição para uma palavra e expressão, com desejo de que tal definição seja aceita para os efeitos das idéias que expomos(cf. PASOLD, César Luiz. Prática da pesquisa jurídica: idéias e ferramentas úteis para o pesquisador do direito, p.45). 35 COLZANI, Valdir Francisco. Guia para redação do trabalho científico. Curitiba: Juruá, Norma Brasileira de Referência. 37 WOLFFENBUTTEL, Miriam Comassetto. O protesto cambiário como atividade notarial Aspectos Inovadores da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, 1 ed. São Paulo: Frater et Labor Edições Ltda, PARIZATTO, João Roberto. Protesto de Títulos de Crédito, 2.ed. Ouro Fino: Edipa, 1999.

15 14 1. Ainda que um direito do credor, com o intuito de cobrar a dívida não paga, o protesto é meio de coação e constrangimento ao devedor perante a sociedade; 2. A cobrança de juros na forma determinada pelo Código de Normas Estadual fere o dispositivo constante da Lei Federal; 3.O tríduo legal previsto na Lei de Protestos deve ser contado na forma prevista no Código de Normas do Estado de Santa Catarina pois este é mais benéfico ao devedor. capítulos: Para melhor aparelhar o trabalho, este foi dividido em três O primeiro cuidará de apresentar ao leitor as bases introdutórias à compreensão ao instituto do protesto, através de seu desenvolvimento histórico, seu conceito, sua natureza jurídica, discorrendo duas teses distintas, a de ter ele o intuito de exteriorizar a inadimplência e a do constrangimento legal do devedor. Ainda versar-se-á o primeiro capítulo sobre a competência, sendo esta privativa do Tabelião de Protestos, seu local e destinatário, fazendo menção a regra sobre o local devido para lavratura do protesto de cheque, suas espécies, classificando-as quanto sua função: protesto necessário, facultativo e protestos especial para fins de falência; e quanto a natureza de sua solicitação: protesto por falta de pagamento, por falta de aceite ou ainda por falta de devolução. O segundo tratar-se-á sobre as diversas etapas que o título ou documento de dívida percorre até chegar a efetivação do protesto: sua distribuição, sua apresentação e seu apontamento. Ainda sobre sua intimação, tanto por remessa do oficial, como também da por edital. As manifestações do devedor a respeito de sua obrigação exigida, sustando-o ou liquidando-o, por fim sobre a desistência do protesto pelo apresentante. Finalmente, aludir-se-á o terceiro capítulo sobre o registro do

16 15 protesto, sua materialização através do instrumento de protesto e seus requisitos dispostos na Lei Federal 39. Sobre tríduo legal estabelecido pela Lei de Protestos 40, bem como o disposto no Código de Normas de Santa Catarina 41, enfocando o conflito existente entre eles. Discorrer-se-á enfim sobre a maneira de anular seus efeitos, através do cancelamento, relevante firmar que será tratado apenas sobre sua via administrativa. Nas considerações finais demonstrar-se-á uma sucinta síntese do trabalho monográfico, objetivando apresentar possíveis soluções, referentes aos conflitos expostos. 39 Lei de Protestos. 40 Idem. 41 Código de Normas de Santa Catarina.

17 16 CAPÍTULO I NOÇÕES SOBRE PROTESTO DE TÍTULOS DE CRÉDITO 1.1 DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO PROTESTO Para o desenvolvimento deste trabalho é necessário que se faça uma retrospectiva da história do surgimento do protesto até os dias atuais. É pressuposto essencial para que possamos compreender melhor este instituto e o surgimento da Lei nº , de 10 de setembro de O protesto cambial, segundo Saraiva citado por Pinheiro 43 [...] já era praticado no século XIV, pois conhecidos protestos realizados em 1335, estando equivocada a afirmação de que o protesto mais antigo fora lavrado em Gênova, a 14 de novembro de Confirma também Saraiva citado por Pinheiro 44, que A Breve Coll. notar. de Piza (1305) já incluía, entre as funções dos notários, a praesentatio e a protestatio litterarum, e que na França, há referências sobre o protesto no Edicto de Luiz XI, de 8 de março de 1462, e que a Alemanha tinha conhecimento sobre o protesto no século XVI. Segundo se pode observar, não existia nenhuma formalidade para sua realização, o que difere da atualidade. Battaglini citado por Abrão 45 afirma que, [...] o surgimento do instituto estaria descrito pela facultatividade do aceite na cambial, assumidos na sua concretização, o protesto compunha-se de três atos específicos: praesentatio litterarum, requisitio e protestatio, somente feito por notário, com os requisitos essenciais, conferindo ao portador todos os direitos em 42 Lei de Protestos. 43 PINHEIRO, Hélia Márcia Gomes. Aspectos Atuais do Protesto Cambial. Rio de Janeiro: Lumen Juris, Idem. 45 ABRÃO, Carlos Henrique. Do Protesto,p.15.

18 17 relação aos co-obrigados, permitindo o conseqüente exercício do regresso. 46 De acordo com Abrão 47, no século XVI, a caracterização do descumprimento da obrigação traduzida pela relação do comércio, era realizada perante testemunhas, sob forma de contestatio, só mais tarde é que foi ganhar forma própria através da letra de câmbio, que simbolizava unicamente a falta do aceite 48. Este instituto no Direito Brasileiro teve inicio com o surgimento do Código Comercial 49 que dispunha sobre os protestos das letras de câmbio e a quem os competia. Somente a partir de 1908 é que tal assunto passou a ser regido por outras legislações, como o Decreto nº , ainda vigente, que além de passar a tratar sobre a matéria relativa a nota promissória, referia-se também as letras de câmbio, o que teve como conseqüência a revogação do Código Comercial de Pinheiro 52 mencionou que, surgiram também diversas leis como: a Lei Uniforme de Genebra 53, a Lei do Cheque 54, a Lei das Duplicatas 55, a 46 Direito de regresso: Extraído da obra de Abrão. Citação através de citação (cf. BENASSE, Paulo Roberto. Dicionário jurídico de bolso: terminologia jurídica, p.338. Campinas: Bookseller, 2000 (Verbete Terminologia). 47 ABRÃO, Carlos Henrique. Do Protesto. São Paulo: Livraria e Editora Universitária de Direito Ltda, Tratar-se-á deste instituto no item Doravante Código Comercial. 50 BRASIL.Código Comercial. Decreto-lei n. 2044, de 31 de dezembro de Define a letra de câmbio e a nota promissória e regula as Operações Cambiais. 16.ed. São Paulo: Saraiva, Doravante Código Comercial. 52 PINHEIRO, Hélia Márcia Gomes. Aspectos Atuais do Protesto Cambial,p BRASIL. Código Comercial. Decreto-lei n , de 24 de janeiro de Promulga as Conversões para adoção de uma lei uniforme em matéria de letra de câmbio e nota promissória. 16.ed. São Paulo: Saraiva, BRASIL. Código Comercial. Lei n , de 02 de setembro de Dispõe sobre o cheque e dá outras providencias. 16.ed. São Paulo: Saraiva, BRASIL. Código Comercial. Lei n , de 18 de julho de Dispõe sobre as duplicatas e dá outras providências. 16.ed.São Paulo: Saraiva, 2003.

19 18 Lei de Falências 56 e também e a Lei que disciplinava especificamente o Cancelamento de Protesto. 57 Conforme Wolffenbuttel 58, apesar do aparecimento de todas essas leis, que ainda continuam em vigor, o nosso ordenamento jurídico só foi inovado com o advento da Lei nº em 10 de setembro de , pois somente ela foi quem trouxe uma legislação que tratasse especificamente sobre protesto de títulos e outros documentos de dívida, ditando regras atinentes à competência e regulamentando os serviços a eles referentes. No Estado de Santa Catarina para complementar tal instituto foi criado a Consolidação Normativa Notarial e Registral 60, que tratando do Foro Extrajudicial em sua terceira parte (artigos 518 a 1.052), veio traçar em seu Capítulo VII 61, normas referentes ao Tabelionato de Protestos de Títulos, dos artigos 953 a CONCEITO, NATUREZA JURÍDICA E COMPETÊNCIA A própria Lei nº , de 10 de setembro de 1997 define logo de início em seu artigo 1º, que Protesto é o ato formal e solene pelo qual se prova a inadimplência e o descumprimento de obrigação originada em títulos e outros documentos de dívida. Abrão 63 preceitua protesto como, Típico ato formal e de natureza solene, destinado a servir de meio probatório na configuração do inadimplemento, reveste-se o 56 BRASIL. Código Comercial. Decreto Lei n , de 21 de junho de Lei de Falências.16.ed. São Paulo: Saraiva, BRASIL. Código Comercial. Lei n , de 10 de setembro de Lei de Cancelamento de Protestos. 16.ed. São Paulo: Saraiva, WOLFFENBUTTEL, Miriam Comassetto. O protesto cambiário como atividade notarial Aspectos Inovadores da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, p Lei de Protestos. 60 Código de Normas de Foro Extrajudicial de Santa Catarina. 61 Código de Normas de Foro Extrajudicial. Capítulo VII Ofícios de Registro de Protesto arts. 953 a Lei de Protestos. 63 ABRÃO, Carlos Henrique. Do Protesto, p.15.

20 19 protesto de qualidades próprias, as quais denotam o relacionamento com uma determinada obrigação sem a conseqüente responsabilidade a ela satisfeita. Menciona o mesmo autor 64 que, Priorizado na situação de ato extrajudicial, de espírito público, sempre na esfera formal que delineia sua concretização, o ato notarial tem uma eficácia que gera efeitos nas circunstâncias do padrão obrigacional, ou seja, o limite temporal estabelecido, quando determinado, restou desatendido. Assim entende-se como a exteriorização do descumprimento de uma obrigação, baseada na inadimplência de um negócio realizado, fundado em um documento escrito. Submetendo sua eficácia a forma legal, sob a responsabilidade de um delegado, neste caso o Tabelião de Protestos, que tem por obrigação cumprir com os procedimentos previstos em lei. Ceneviva 65 afirma que, [...] a lei os distinguiu, vinculando o primeiro (descumprimento) à obrigação de fazer ou de não fazer e o segundo (inadimplemento) à obrigação de pagar. Abrão 66 foi feliz e sensato ao definir a expressão [...] outros documentos de dívidas, estabelecendo que, [...] quaisquer títulos ou documentos que alicerçam obrigações, líquidas, certas, exigíveis, fazem parte dos indicativos instrumentalizados ao protesto, cujo exame primeiro de suas condições caberá ao Tabelião, formalizando o ato, ou recusando sua feitura. Portanto, o título ou documento de dívida sendo líquido, certo e exigível seriam cabíveis para o ato do protesto. Exemplos: Faturas de 64 ABRÃO, Carlos Henrique. Do Protesto, p CENEVIVA, Walter. Lei dos notários e dos registradores comentada (Lei n /94), 3. ed. São Paulo: Saraiva, ABRÃO, Carlos Henrique. Do Protesto, p.26.

21 20 cartões de crédito, Carta de garantia, contrato de financiamento e rotativo de crédito, carta de fiança, desconto bancário, etc. Menciona Almeida 67 que, protesto [...] objetiva tão-só caracterizar a impontualidade do devedor, não gerando qualquer outro direito senão o de constituir-se em prova da existência da mora, não sendo, por isso mesmo, imprescindíveis à propositura da ação quando se trata de obrigados principais. Abrão 68 preleciona que, Estruturada a forma específica na figura do enraizamento do protesto e seu típico elemento probatório, não é inexato afirmar que ele não gera direitos, não produz obrigações, somente instrumentaliza o inadimplemento e pelos informes representados na descrição da própria obrigação. Parizatto 69 afirma que, O protesto de títulos se faz como medida probatória de falta de cumprimento de determinada obrigação firmada em titulo de crédito ou outros documentos de dívida, pressupondo-se que esse tenha vencido e não tenha sido pago pelo devedor, tratando-se de ato extrajudicial realizado pelo Tabelionato de Protestos, sem qualquer dependência do órgão judiciário. Pires 70 chega à conclusão após estudar várias doutrinas, [...] que o protesto cambial é um simples meio de prova não gerando direitos nem obrigações na esfera do Direito. Da essência de todos os conceituados doutrinadores citados, não é gerada nenhuma obrigação no âmbito do Direito, pela mesma já ter 67 ALMEIDA, Amador Paes de. Teoria e prática dos títulos de crédito, 18.ed. São Paulo: Saraiva, ABRÃO, Carlos Henrique. Do Protesto, p PARIZATTO, João Roberto. Protesto de Títulos de Crédito, p PIRES, José Paulo Leal Ferreira; PIRES, Ieda Maria Ferreira. Comentários à nova lei de protesto cambial e de documentos de dívida (Lei nº 9.492, de ). São Paulo: Malheiros, 1998.

22 21 sido gerada no momento em que as partes acordaram em realizar um negócio a elas pertinente, pois naquele momento o devedor admitiu o compromisso com o credor de satisfazer a obrigação, no prazo, praça e maneira entre eles pactuados. Havendo a inadimplência e o descumprimento, é por lógica que surge um direito pertencente ao credor de exigir que seja cumprida a promessa contida no título. Com outra linha de pensamento, entende Wolffenbuttel 71 que, o instituto do protesto é visto como um constrangimento legal do devedor, pois o ato tem em uma de suas características a publicidade. Desta forma, entende o doutrinador que o devedor fica exposto a sociedade, já que por conseqüência passa a ter restrições em Bancos, Comércios e a diversos atos praticados que possuam ligação com o seu C.P.F. (Cadastro de Pessoas Físicas), pois na efetivação do protesto, a informação é enviada a Órgãos de Proteção ao Crédito, como Serasa e S.P.C. (Serviço de Proteção ao Crédito). tem, Em um mesmo entendimento Darold 72 afirma que o protesto [...] a relevante função de constranger legalmente o devedor ao pagamento, sob pena de ter lavrado e registrado contra si ato restritivo de crédito, evitando, assim, que todo e qualquer inadimplemento vislumbre na ação judicial, a única providência formal possível. Sustenta Oliveira citado por Pires 73 que [...] o ato notarial do protesto tem como efeito imediato o abalo de crédito. Continua Oliveira citado por Pires 74 que, o dano ao crédito gera efeito jurídico profundo de natureza comercial, cabendo pedidos de indenizações ao beneficiário do titulo, apenas quando tirado indevidamente. Pelo que foi aludido, esta linha de pensamento entende que 71 WOLFFENBUTTEL, Miriam Comassetto. O protesto cambiário como atividade notarial Aspectos Inovadores da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, p DAROLD, Ermínio Amarildo. Protesto Cambial: duplicatas x boletos. Curitiba: Juruá, PIRES, José Paulo Leal Ferreira; PIRES, Ieda Maria Ferreira. Comentários à nova lei de protesto cambial e de documentos de dívida (Lei nº 9.492, de ), p Idem.

23 22 protesto gera conseqüências negativas ao devedor, pois com sua devida efetivação seria o mesmo levado ao constrangimento legal perante a sociedade, por tratar-se de ato público. Por conseqüência causaria abalo crítico a seu crédito, originando ao inadimplido, restrições a atos relativos ao comércio. A competência para efetuar o protesto de título é exclusiva do Tabelião de Protesto, este é dotado de fé pública para praticar os atos dispostos no artigo 3º da Lei 9.492/97 75, tutelando interesses públicos e privados. Ceneviva 76 discorre sobre o art. 3º da Lei, O art. 3º determina a competência privativa do tabelião de protesto de títulos, na tutela dos interesses públicos e privados, para a protocolização, a intimação, o acolhimento da devolução ou do aceite, o recebimento do pagamento, do título e de outros documentos da dívida, bem como lavrar e registrar o protesto ou aceitar a desistência do credor em relação a ele, proceder às averbações, prestar informações e fornecer certidões relativas a todos os atos praticados, na forma da mesma lei. Nenhum outro serviço notarial e de registro pratica tais atos, ante a força do advérbio de modo privativamente, a enunciar a restrição. O artigo em comento dispõe que somente o Tabelião de Protestos de Títulos poderá formalizar tal instituto, efetuando os procedimentos impostos pelo artigo transcrito. 1.3 LOCAL E DESTINATÁRIO DO PROTESTO O Decreto nº 2.044/ dispõe em seu art. 28, parágrafo único que, O protesto deve ser tirado do lugar indicado na letra, para o aceite ou para o pagamento. Sacada ou aceita a letra para ser paga em outro domicílio que não o do sacado, naquele domicílio deve ser tirado o protesto. Entende-se que a efetuação do protesto deva ocorrer na 75 Lei de Protestos. 76 CENEVIVA, Walter. Lei dos notários e registradores comentada (Lei nº 8,935/94), p Doravante Decreto Lei n. 2044/1908.

24 23 praça de pagamento do título, abranja-se esta, como sendo o lugar onde foi originada a obrigação. Almeida 78 esclarece que O protesto deve ser tirado no local onde deva ser exigida a obrigação. Esta é a regra geral. Todavia, não há obstáculo legal a que os interessados elejam outro local, que poderá ser o lugar indicado para aceite, o domicílio do sacado e, inclusive, indicação alternativa de lugares, hipótese em que ficará a critério do portador o direito de escolha. A Lei nº 9.492/97 em seu art. 6º 79 dita a regra sobre o local devido para a lavratura do protesto de cheque, que seria a da praça de pagamento ou do domicílio do devedor, mencionando que no mesmo deve-se constar apresentação ao banco sacado devidamente comprovado. A exceção à regra se daria quando a finalidade do protesto fosse uma medida preparatória contra estabelecimento bancário sacado. Pires 80 faz menção ao art. 1º do Provimento n. 30/97 81, do Egrégio Tribunal de Justiça de São Paulo, Art. 1º. Fica proibido o apontamento de cheques quando estes tiverem sido devolvidos pelo estabelecimento bancário sacado por motivo de furto, roubo ou extravio das folhas de cheques ou dos talonários, nos casos dos motivos 25, 28 e 30 das Circulares n , de 18 de janeiro de 1996 e COMPE n. 96/45 do Banco Central do Brasil, desde que os títulos não tenham circulado por meio de endosso, nem estejam garantidos por aval. Continua o mesmo autor 82, esclarecendo que os motivos 78 ALMEIDA, Amador Paes de. Teoria e prática dos títulos de crédito, p Art.6. da Lei de Protestos: Tratando-se de cheque, poderá o protesto ser lavrado no lugar do pagamento ou do domicílio do emitente, devendo do referido cheque constar a prova de apresentação ao banco sacado, salvo se o protesto tenha por fim instruir medidas pleiteadas contra o estabelecimento de crédito. 80 PIRES, José Paulo Leal Ferreira; PIRES, Ieda Maria Ferreira. Comentários à nova lei de protesto cambial e de documentos de dívida (Lei nº 9.492, de ), p Provimento CG n. 30/97 de , Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. 82 PIRES, José Paulo Leal Ferreira; PIRES, Ieda Maria Ferreira. Comentários à nova lei de protesto cambial e de documentos de dívida (Lei nº 9.492, de ), p.19.

LEI Nº 9.492, DE 10 DE SETEMBRO DE 1997. Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I. Da Competência e das Atribuições

LEI Nº 9.492, DE 10 DE SETEMBRO DE 1997. Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I. Da Competência e das Atribuições O PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 9.492, DE 10 DE SETEMBRO DE 1997. Define competência, regulamenta os serviços concernentes ao protesto de títulos e outros documentos de dívida e dá outras providências.

Leia mais

PROTESTO DE TÍTULOS. Deverão ser observados os prazos prescricionais, de acordo com legislação vigente.

PROTESTO DE TÍTULOS. Deverão ser observados os prazos prescricionais, de acordo com legislação vigente. 2 PROTESTO DE TÍTULOS O protesto de títulos pode ser lavrado por falta de aceite, de devolução de duplicatas, por falta de pagamento em seu vencimento, para garantia do direito regressivo contra endossantes

Leia mais

A PRÁTICA DE PROTESTO DE TÍTULOS

A PRÁTICA DE PROTESTO DE TÍTULOS A PRÁTICA DE PROTESTO DE TÍTULOS ANTONIO, Alex Ceolin 1 (G/FACINAN) BEDE, Judith Aparecida de Souza 2 (D/FACINAN) RESUMO: Neste artigo, será abordada brevemente a evolução do instituto do protesto no direito

Leia mais

O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS

O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS Tatiana Corrêa Teixeira Acadêmica de Direito Centro Universitário Newton Paiva Resumo: O presente artigo tem a função de demonstrar os abusos cometidos

Leia mais

1. CONCEITO O protesto extrajudicial (ou cartorário) é regulamentado pela Lei 9492/97 (LP).A própria norma legal assim o define:

1. CONCEITO O protesto extrajudicial (ou cartorário) é regulamentado pela Lei 9492/97 (LP).A própria norma legal assim o define: CAPíTULO 7 PROTESTO 1. CONCEITO O protesto extrajudicial (ou cartorário) é regulamentado pela Lei 9492/97 (LP).A própria norma legal assim o define: Arf. 10_ Protesto é o ato formal e solene pelo qual

Leia mais

AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA

AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA 1 INTRODUÇÃO No estudo da matéria títulos de crédito, torna-se imprescindível a análise daqueles elementos que, não obstante não fazerem parte da essência

Leia mais

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : DUPLICATA Material de apoio para a disciplina Direito Empresarial Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com base nas

Leia mais

DUPLICATA XII. 1. Origem:

DUPLICATA XII. 1. Origem: DUPLICATA XII 1. Origem: - A duplicata constitui um título de crédito que tem origem no Direito brasileiro, e mais especificamente no Código Comercial de 1850, o qual determinava aos comerciantes atacadistas

Leia mais

Cobrança Itaú. Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos.

Cobrança Itaú. Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos. Cobrança Itaú Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos. Para garantir uma gestão de Cobrança ainda mais eficiente, é preciso que você saiba como funciona o serviço de protesto de títulos

Leia mais

AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO 1 AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO Atualmente, existem cerca de 40 títulos de crédito em circulação no país. Os mais conhecidos são a nota promissória, cheque e duplicata. NOTA PROMISSÓRIA

Leia mais

CHEQUE CARACTERÍSTICA

CHEQUE CARACTERÍSTICA CHEQUE LEI 7357/1985 CONCEITO: Cheque é uma ordem de pagamento à vista, sacada contra um banco e com base em suficiente provisão de fundos depositados pelo sacador em mãos do sacado ou decorrente de contrato

Leia mais

Exigibilidade. Introdução

Exigibilidade. Introdução 1 Exigibilidade Introdução 1. Considerações: Os devedores de um título de crédito são de duas categorias: o chamado devedor principal, que, na letra de câmbio, é o aceitante, e os coobrigados, que, nesta

Leia mais

LEI N 5.474 - DE 18 DE JULHO DE 1968. Dispõe sobre as Duplicatas, e dá outras providências. Capítulo I - DA FATURA E DA DUPLICATA

LEI N 5.474 - DE 18 DE JULHO DE 1968. Dispõe sobre as Duplicatas, e dá outras providências. Capítulo I - DA FATURA E DA DUPLICATA LEI N 5.474 - DE 18 DE JULHO DE 1968. Dispõe sobre as Duplicatas, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Capítulo

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito 1) São exemplos de títulos de crédito, exceto: a) Cheque b) Testamento c) Duplicata d) Nota promissória 2) São características de títulos de crédito, exceto: a) Documentalidade b) Força executiva c) Autonomia

Leia mais

APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : NOTA PROMISSÓRIA

APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : NOTA PROMISSÓRIA APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : NOTA PROMISSÓRIA Material de apoio para a disciplina Direito de Empresa Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com

Leia mais

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1 A CLASSIFICAÇÃO QUANTO À ESTRUTURA JURÍDICA 1.1 AS ORDENS DE PAGAMENTO Há títulos de crédito que estão estruturados na forma de ordens de pagamento.

Leia mais

Cheque Aulas 22 a 24

Cheque Aulas 22 a 24 Cheque Aulas 22 a 24 1. NORMATIZAÇÃO: Lei 7.357/85 que absorveu as regras contidas na Lei Uniforme sobre Cheques. Resoluções do Banco Central do Brasil, tomadas por deliberação do Conselho Monetário Nacional,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004.

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. 1 REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. Lécio Goulart Costa * Acadêmico do curso de Direito Contabilista Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos gerais da CCB

Leia mais

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO 12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO A duplicata mercantil é um documento criado pelo legislador brasileiro. O Código Comercial, embora revogado, previa, em seu art. 219, que nas vendas por atacado, o vendedor

Leia mais

NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO CONCEITO Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br MSN: armindocastro1@hotmail.com Homepage: www.armindo.com.br Cel: 8405-7311 A nota promissória é promessa de pagamento, isto é, compromisso

Leia mais

Literalidade o título valerá pelo que nele estiver escrito. Formalismo - a forma do título de crédito é prescrita lei.

Literalidade o título valerá pelo que nele estiver escrito. Formalismo - a forma do título de crédito é prescrita lei. Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 27 DIREITO CAMBIÁRIO Títulos de Crédito São documentos representativos de obrigações pecuniárias, deve ser escrito, assinado

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO PROVIMENTO Nº 32/06 CGJ. PROVIMENTO Nº 01/98 CGJ. RELAÇÃO ENTRE O TEXTO DA NOVA CONSOLIDAÇÃO E O TEXTO DA CONSOLIDAÇÃO ANTERIOR.

CONSOLIDAÇÃO PROVIMENTO Nº 32/06 CGJ. PROVIMENTO Nº 01/98 CGJ. RELAÇÃO ENTRE O TEXTO DA NOVA CONSOLIDAÇÃO E O TEXTO DA CONSOLIDAÇÃO ANTERIOR. CONSOLIDAÇÃO PROVIMENTO Nº 32/06 CGJ. PROVIMENTO Nº 01/98 CGJ. RELAÇÃO ENTRE O TEXTO DA NOVA CONSOLIDAÇÃO E O TEXTO DA CONSOLIDAÇÃO ANTERIOR. CONSOLIDAÇÃO JOÃO FIGUEIREDO FERREIRA 2º TABELIONATO DE PROTESTO

Leia mais

OAB XIV EXAME PROVA BRANCA. Comentário às questões de Direito Empresarial

OAB XIV EXAME PROVA BRANCA. Comentário às questões de Direito Empresarial OAB XIV EXAME PROVA BRANCA Comentário às questões de Direito Empresarial A prova, no geral, foi bem elaborada e não admite recursos. Critica-se apenas a questão 49, pela inclusão da duplicata cartularizada,

Leia mais

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Cheque e Duplicata Crédito ETIMOLOGIA E SEMÂNTICA A palavra crédito é derivada do latim "Creditum", Credere que significa, coisa emprestada, empréstimo, dívida, depositar confiança em, confiar em, dar

Leia mais

CONHEÇA O PROTESTO, A FORMA MAIS EFICIENTE DE RECEBER UMA DÍVIDA.

CONHEÇA O PROTESTO, A FORMA MAIS EFICIENTE DE RECEBER UMA DÍVIDA. CONHEÇA O PROTESTO, A FORMA MAIS EFICIENTE DE RECEBER UMA DÍVIDA. ÍNdiCE 1. Apresentação 4 2. Entenda o Protesto 4 3. Vantagens 5 4. Documentos Protestados 6 5. Dicas Úteis 7 6. Efeitos do Protesto 8 7.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

IMPEDIMENTO AO PAGAMENTO

IMPEDIMENTO AO PAGAMENTO MOTIVOS DE DEVOLUÇÃO DE CHEQUES CHEQUES EM PROVISÃO DE FUNDOS MOT DESCRIÇÃO OBSERVAÇÕES 11 Cheque sem fundos 1º apresentação. 12 Cheque sem fundos 2º reapresentação. 13 Conta encerrada. 14 Prática espúria.

Leia mais

TABELA IV DOS TABELIONATOS DE PROTESTO DE TÍTULOS

TABELA IV DOS TABELIONATOS DE PROTESTO DE TÍTULOS TABELA IV DOS TABELIONATOS DE PROTESTO DE TÍTULOS Tabela elaborada sob responsabilidade do IEPTB-SP. Lei 11.331, de 26 de dezembro de 2002, publicada no DOE-SP em 27 de dezembro de 2002. Lei estadual 13.160,

Leia mais

CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O CONSELHO REGIONAL

CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O CONSELHO REGIONAL CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO CEARÁ - CRCCE E O INSTITUTO DE ESTUDOS DE PROTESTO DE TÍTULOS DO BRASIL SEÇÃO CEARÁ (IEPTB-CE). O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

Sumário. xiii. Olho_Willy_Titulos de Creditos.pmd 13

Sumário. xiii. Olho_Willy_Titulos de Creditos.pmd 13 Sumário INTRODUÇÃO TÍTULOS DE CRÉDITO: SUA HISTÓRIA... 1 1. Origem remota... 3 2. Letra de câmbio na antiguidade... 4 3. Origem lógica... 6 4. Período italiano instrumento de troca... 9 5. Período francês

Leia mais

Cheque. 1) Informações Gerais. Roteiro da Aula. Informações Gerais. Informações Gerais. Informações Gerais

Cheque. 1) Informações Gerais. Roteiro da Aula. Informações Gerais. Informações Gerais. Informações Gerais Professor Luiz Antonio de Carvalho Cheque lac.consultoria@gmail.com Roteiro da Aula 1) Informações Gerais; 2) Requisitos essenciais; 3) Endosso; 4) Cruzamento; 5) Compensação; 6) CCF; 7) Outros. 1 2 Informações

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição.

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição. TARIFAS BANCÁRIAS A utilização de bancos é praticamente indispensável aos cidadãos. Contas e impostos, salários e seguros-desemprego são exemplos de transferência de dinheiro normalmente intermediada por

Leia mais

Chec NEGATIVAÇÃO Serviço de registro de inadimplentes Manual de Uso e Aplicação

Chec NEGATIVAÇÃO Serviço de registro de inadimplentes Manual de Uso e Aplicação ACESSO AO SISTEMA DE Para ter acesso a área de negativação SRI (Serviço de Registro de Inadimplente), acesse o site www.checkok.com.br. Insira o seu código administrativo no campo de ACESSO EXCLUSIVO A

Leia mais

Traslados e Certidões.

Traslados e Certidões. Traslados e Certidões. Ementa: Noções sobre traslados e certidões, suas distinções, possibilidades, capacidade para expedição, finalidades, validade jurídica e efeitos. Noções Gerais Nesta aula abordaremos

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 Altera a Resolução Normativa - RN 4, de 19 de abril de 2002, que dispõe sobre o parcelamento de débitos tributários e não tributários para com a

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I Da Fatura e da Duplicata

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I Da Fatura e da Duplicata LEI Nº 5.474, DE 18 DE JULHO DE 1968. Dispõe sôbre as Duplicatas, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO DO SCPC Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PROTEÇÃO PROTEÇÃO AO AO CRÉDITO CRÉDITO

Leia mais

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR DISPOSIÇÕES GERAIS Édison Renato Kirsten Registrador Santo Antônio da Patrulha/RS Conforme artigo 32 da Lei 6015/73, os assentos de nascimento,

Leia mais

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 44 4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 4.1 Cheque O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser

Leia mais

É um título de crédito que se estrutura como ordem de pagamento. Desta forma tem-se origem a três situações jurídicas distintas:

É um título de crédito que se estrutura como ordem de pagamento. Desta forma tem-se origem a três situações jurídicas distintas: TÍTULOS DE CRÉDITO LETRA DE CÂMBIO É um título de crédito que se estrutura como ordem de pagamento. Desta forma tem-se origem a três situações jurídicas distintas: a) Sacador quem emite a ordem; b) Sacado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL ENUNCIADO João Santana, administrador de Supermercados Porto Grande Ltda., lhe procura para que tome providências para a cobrança imediata de vários débitos assumidos

Leia mais

AULA 6 23/03/11 A LETRA DE CÂMBIO

AULA 6 23/03/11 A LETRA DE CÂMBIO AULA 6 23/03/11 A LETRA DE CÂMBIO 1 O CONCEITO A letra de câmbio é uma ordem de pagamento, à vista ou a prazo, emitida pelo sacador contra o sacado, devendo este último efetuar o pagamento ao beneficiário

Leia mais

Curso de Qualificação Profissional Serviços Notariais e de Registro-EAD. Aspectos teóricos e práticos na Serventia

Curso de Qualificação Profissional Serviços Notariais e de Registro-EAD. Aspectos teóricos e práticos na Serventia Curso de Qualificação Profissional Serviços Notariais e de Registro-EAD Protesto Extrajudical: Aspectos teóricos e práticos na Serventia Izabela Gonçalves Nogueira Titular do Tabelionato de Protesto de

Leia mais

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO Inovações trazidas pela Lei Federal n.º 12.810 de 15 de maio de 2013. João Pedro Lamana Paiva* 1 Desde o advento da Lei

Leia mais

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ PROVIMENTO N 001/2003 CGJ Estabelece normas de serviço acerca dos Procedimentos de Registro de Nascimento, Casamento e Óbito de Brasileiros ocorridos em País Estrangeiro, bem como o traslado das certidões

Leia mais

Global Central de Documentação e Serviços Ltda. CPR: Cédula de Produto Rural

Global Central de Documentação e Serviços Ltda. CPR: Cédula de Produto Rural 2012 Global Central de Documentação e Serviços Ltda. CPR: Cédula de Produto Rural CPR: Cédula de Produto Rural CPR é um título cambial e declaratório com as seguintes características: É título líquido

Leia mais

Define competência, regulamenta os serviços concernentes ao protesto de títulos e outros documentos de dívida e dá outras providências.

Define competência, regulamenta os serviços concernentes ao protesto de títulos e outros documentos de dívida e dá outras providências. Protesto de Títulos O protesto do título pode ser lavrado por falta de aceite, por devolução de duplicatas, por falta de pagamento em seu vencimento, para garantia do direito de regressivo contra endossantes

Leia mais

NORMATIVO SARB 002/2008

NORMATIVO SARB 002/2008 O Conselho de Auto-Regulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Auto-Regulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da auto-regulação

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Levi Hülse Período/ Fase: 10ª Semestre: 1º Ano: 2015 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.747. II - endereços residencial e comercial completos; (NR) III - número do telefone e código DDD;

RESOLUÇÃO Nº 2.747. II - endereços residencial e comercial completos; (NR) III - número do telefone e código DDD; RESOLUÇÃO Nº 2.747 Altera normas relativas à abertura e ao encerramento de contas de depósitos, a tarifas de serviços e ao cheque. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado Neste estudo, procuraremos trazer algumas considerações

Leia mais

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1.

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1. 1. OBJETO 1.1. Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador perante o Segurado, conforme os termos da apólice e até o valor da garantia fixado nesta, e de acordo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA FORO CENTRAL 1 a VARA DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÕES JUDICIAIS

PODER JUDICIÁRIO COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA FORO CENTRAL 1 a VARA DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÕES JUDICIAIS FORO CENTRAL 1 a VARA DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÕES Pedido de Recuperação Judicial nº 0000379-30.2012.8.16.0185 proposto por PIERGO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE AÇO LTDA. Retifique-se o valor da causa. 1. Acolho

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SCPC WEBNET 2.0 Site: www.cdlpelotas.com.br E-mail: scpc@cdlpelotas.com.br

MANUAL DO USUÁRIO SCPC WEBNET 2.0 Site: www.cdlpelotas.com.br E-mail: scpc@cdlpelotas.com.br MANUAL DO USUÁRIO SCPC WEBNET 2.0 Site: www.cdlpelotas.com.br E-mail: scpc@cdlpelotas.com.br ÍNDICE 1 WEBNET 2.0... 4 2 ACESSO WEBNET 2.0... 4 2.1 ALTERAÇÃO DE SENHA DO USUÁRIO... 5 3.1 REGISTRO NORMAL

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado de

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL 1 TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL Juliana de Oliveira Carvalho Martins Ferreira 1 RESUMO: Na busca pelo aprimoramento do conhecimento acerca dos títulos de crédito, faz-se necessária uma

Leia mais

Os principais motivos que levam o banco sacado a devolver o cheque são:

Os principais motivos que levam o banco sacado a devolver o cheque são: AUTORIZAÇÃO DE COMPRA TERCEIROS E MENORES Pelo presente termo, eu, portador do CPF., abaixo assinado autorizo às pessoas abaixo identificadas a adquirirem bens e produtos em meu nome, reconhecendo como

Leia mais

PROVIMENTO CG N.º 27/2013. Altera a redação do capítulo XV das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça.

PROVIMENTO CG N.º 27/2013. Altera a redação do capítulo XV das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça. PROVIMENTO CG N.º 27/2013 Altera a redação do capítulo XV das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça. O Desembargador JOSÉ RENATO NALINI, Corregedor Geral da Justiça, no uso de suas atribuições

Leia mais

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual Novo Código Comercial Livro III Das obrigações dos empresários Cibele Frandulic Shimono Guilherme Setoguti J. Pereira Luiz Rafael de Vargas Maluf Rafael Villac Vicente de Carvalho 22 de novembro de 2011

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

OBRAS DO AUTOR... NOTA EXPLICATIVA... XVII

OBRAS DO AUTOR... NOTA EXPLICATIVA... XVII ÍNDICE SISTEMÁTICO OBRAS DO AUTOR... XV NOTA EXPLICATIVA... XVII CAPÍTULO I TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1. A regulamentação dos títulos de crédito pelo Código Civil e por leis especiais 2. Aplicação

Leia mais

PROVIMENTO Nº 34. O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA em substituição, no uso de suas atribuições legais e constitucionais;

PROVIMENTO Nº 34. O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA em substituição, no uso de suas atribuições legais e constitucionais; PROVIMENTO Nº 34 Disciplina a manutenção e escrituração de Livro Diário Auxiliar pelos titulares de delegações e pelos responsáveis interinamente por delegações vagas do serviço extrajudicial de notas

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO RETIFICAÇÃO DO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Pereira Barreto, empresário individual, falido desde 2011, teve encerrada a liquidação de todo o seu ativo abrangido pela falência. No relatório final

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João Santana, administrador de Supermercados Porto Grande Ltda., o procura para que providencie a cobrança imediata de vários débitos assumidos pela sociedade Ferreira

Leia mais

CAPITULO XV DO TABELIONATO DE PROTESTO

CAPITULO XV DO TABELIONATO DE PROTESTO CAPITULO XV DO TABELIONATO DE PROTESTO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1. O serviço de protesto de títulos e outros documentos de dívida está sujeito ao regime jurídico estabelecido nas Leis Federais 8.935,

Leia mais

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS Pela presente CÉDULA DE CRÉDITO BANCARIO, doravante designada como CÉDULA, pagarei ao Banco Ibi S.A. Banco Múltiplo, com sede na Alameda Rio Negro, 585,

Leia mais

PENSANDO NA RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO POR PROCESSOS E A UNIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

PENSANDO NA RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO POR PROCESSOS E A UNIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PENSANDO NA RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO POR PROCESSOS E A UNIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS 1. INTRODUÇÃO Hermínia Maria Firmeza Bráulio Mestre em Administração Pós-Graduada em Direito Notarial e Registral Tabeliã

Leia mais

TÍTULO DE CRÉDITO E SEU PROTESTO CAMBIAL/CAMBIARIFORME

TÍTULO DE CRÉDITO E SEU PROTESTO CAMBIAL/CAMBIARIFORME O PROTESTO DE TÍTULOS E OUTROS DOCUMENTOS DE DÍVIDA NA ATUALIDADE. O NOVO CPC E O PROTESTO. 2015 Aula 2 TÍTULO DE CRÉDITO E SEU PROTESTO CAMBIAL/CAMBIARIFORME Vicente de Abreu Amadei 1. Teoria geral e

Leia mais

Protesto de Títulos Extrajudiciais

Protesto de Títulos Extrajudiciais 1 Protesto de Títulos Extrajudiciais Marcelo Cordeiro de Lima 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo O objeto destas reflexões é o estudo sobre o protesto de título extra judiciais, com ênfase voltada para

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO)

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) ESSOR Seguros S.A CNPJ 14.5 25.684/0001-50 Process o SUSEP Nº 1 54 14.002 72 3/2 01 2-09 O registro deste plano na SUSEP não im plica,

Leia mais

03/04/2012. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

03/04/2012. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com 6.1) Noções gerais e legislação aplicável 6.2) Requisitos essenciais 6.3) Aceite 6.4) Pagamento 6.5) Duplicata de prestação de serviços 6.6) Triplicata 6.7) Ação de cobrança e protesto Conceito: É um título

Leia mais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Excertos do Código Comercial Carta de Lei de 28 de junho de 1888 Livro Segundo Dos Contratos Especiais de Comércio TÍTULO I Disposições gerais Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Os

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS Pelo presente instrumento particular de contrato de adesão para prestação de serviços educacionais, de um lado o acadêmico (a)... CPF:..., Estado Civil:...

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL (razão social do devedor), com inscrição no CNPJ nº, devidamente representada por (nome e qualificação do representante), DECLARA, para os fins da RN

Leia mais

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO:

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO: TÍTULOS DE CRÉDITO: CRÉDITO = alargamento da troca. Venda a prazo Empréstimo Documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo nele mencionado.(vivante) joao@joaopereira.com.br TÍTULO

Leia mais

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE:

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: Partes - BANCO MERCANTIL DO BRASIL S.A., com sede na Rua Rio de Janeiro, nº 654, Centro,

Leia mais

ROTEIRO DE ENCERRAMENTO DE CONTAS CORRENTES

ROTEIRO DE ENCERRAMENTO DE CONTAS CORRENTES Como resultado de uma série de reuniões técnicas envolvendo representantes da Febraban, do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor e do Banco Central do Brasil, no sentido de aprimorar ainda mais os procedimentos

Leia mais

Prática Cível 2ª Fase da OAB Ação Monitória AÇÃO MONITÓRIA

Prática Cível 2ª Fase da OAB Ação Monitória AÇÃO MONITÓRIA AÇÃO MONITÓRIA A está regulada nos artigos 1102-A a 1102-C, CPC. Eles são fruto da Lei 9.079/95. Essa ação é um grande exemplo de sincretismo processual em nosso ordenamento. é processo sincrético que

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Turma DIREITO Nome da Disciplina / Curso DIREITO COMERCIAL II D- 32DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/01) D- 27 DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/02)

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais

Leia mais

CLÁUSULAS E CONDIÇÕES DE ABERTURA DE CONTA DE DEPÓSITOS PESSOA JURÍDICA

CLÁUSULAS E CONDIÇÕES DE ABERTURA DE CONTA DE DEPÓSITOS PESSOA JURÍDICA CLÁUSULAS E CONDIÇÕES DE ABERTURA DE CONTA DE DEPÓSITOS PESSOA JURÍDICA BANCO DAYCOVAL S/A, com sede em São Paulo/SP, na Avenida Paulista nº 1.793, inscrito no CNPJ sob nº 62.232.889/0001-90, doravante

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS CLÁUSULAS GERAIS que regem o Contrato de Abertura de Crédito para Desconto de Cheques Pessoas Jurídicas, tendo de um lado o BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A., com sede em Brasília, Capital Federal, inscrito

Leia mais

PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial. 1. Títulos de Crédito:

PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial. 1. Títulos de Crédito: 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial 1. Títulos de Crédito: Critérios de Classificação: Estrutura: - sacador = dá a ordem, emite o título; - sacado = destinatário

Leia mais

CONTRATO PERSONAL CARD VALE CULTURA

CONTRATO PERSONAL CARD VALE CULTURA CONTRATO PERSONAL CARD VALE CULTURA SUL CARD ADMINISTRADORA DE CARTÕES S.A., inscrita no CNPJ sob nº 04.376.768/0001-15, com sede à Rua Deodoro, nº 181, 5 andar, bairro Centro, cidade de Florianópolis,

Leia mais

DICAS LEGAIS ADMINISTRAÇÃO INTERNA DICAS PARA ASSOCIADOS

DICAS LEGAIS ADMINISTRAÇÃO INTERNA DICAS PARA ASSOCIADOS DICAS LEGAIS ADMINISTRAÇÃO INTERNA DICAS PARA ASSOCIADOS Dados importantes na FICHA CADASTRAL Nome completo, sem abreviatura Data de nascimento Filiação (mesmo que falecidos) CPF/RG Nome do cônjuge Endereço/Tempo

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2012.0000073026 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0145148-24.2009.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ASSEFAC ASSESSOR FACTORING LTDA sendo apelados

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais da Disciplina

Leia mais

ÍNDICE SUMÁRIO PARTE I DOUTRINA. Capítulo I Títulos de Crédito... 27

ÍNDICE SUMÁRIO PARTE I DOUTRINA. Capítulo I Títulos de Crédito... 27 Títulos de Crédito, Aval, Endosso, Cessão e Fiança 11 ÍNDICE SUMÁRIO PARTE I DOUTRINA Capítulo I Títulos de Crédito..................................................... 27 Ação regressiva no título de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Aprova o Regulamento de Parcelamento de Créditos Não Tributários Administrados pela Agência Nacional de Telecomunicações Anatel

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 Divulga as informações mínimas que deverão estar contidas na apólice, nas condições gerais e nas condições especiais para os contratos de segurogarantia e dá

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT.

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. 1 A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. Vinicius Leal Batista de Andrade 1 RESUMO A empresa seus aspectos e características, notas breves sobre o que venha ser uma empresa, sua função. Recuperação judicial,

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015. Ref.: Circular AEX nº 001/2015, de 30 de janeiro de 2015. Ass.: Alteração das Normas Operacionais

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

CHEQUE. Exemplo para fins didáticos, sem valor! AULA Nº 2. 3) o sacado, que é o banco em que está depositado o dinheiro do emitente.

CHEQUE. Exemplo para fins didáticos, sem valor! AULA Nº 2. 3) o sacado, que é o banco em que está depositado o dinheiro do emitente. AULA Nº 2 CHEQUE Exemplo para fins didáticos, sem valor! Características do cheque O cheque é uma ordem de pagamento a vista, devendo ser pago no momento de sua apresentação ao banco sacado, descontando-se

Leia mais