Aula 00 Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS SP Professor: Luciano Moura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 00 Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS SP Professor: Luciano Moura"

Transcrição

1 Aula 00 Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS SP Professor: Luciano Moura Prof. Luciano Moura 1 de 52

2 Apresentação Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS SP Olá querido aluno, Bem-vindo ao curso on-line preparatório para o cargo de Agente Fiscal de Rendas de São Paulo. Caso você ainda não me conheça, vou tratar de me apresentar. Meu nome é Luciano Moura, sou servidor federal na Secretaria do Tesouro Nacional (STN), onde trabalho na Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. Faço parte da equipe de professores do Exponencial Concursos, ministrando as disciplinas Contabilidade de Custos e Contabilidade Geral. Fui aprovado em 4º lugar no último concurso para o cargo de Analista de Finanças e Controle da STN, na área Contábil, além de ter a experiência de mais de dois anos de árduo estudo, experiência esta que estarei dividindo com você ao longo de nossas aulas. Antes de ocupar o cargo atual, fui Oficial do Exército Brasileiro, formado na Academia Militar das Agulhas Negras, em 2006, e sou Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Católica Dom Bosco (2013). Elaborei este curso com foco especial para o cargo de Agente Fiscal de Rendas de São Paulo (AFR-SP), baseado no último edital deste certame. No entanto, ele também é uma excelente ferramenta se você busca aprender, aprofundar ou revisar o estudo na matéria de contabilidade de custos. O certame em questão foi organizado pela banca Fundação Carlos Chagas, tendo oferecido 885 vagas para o cargo de Agente Fiscal de Rendas, divididas em duas áreas do conhecimento: Gestão Tributária e Tecnologia da Informação. Nossa matéria foi cobrada em ambas as áreas, em 15 questões da prova de Conhecimentos Básicos, sendo obrigatório fazer no mínimo 50% em cada prova, além de 60% no somatório das três provas. Desta forma, todo ponto vale muito. Nosso curso está sistematizado em 10 aulas, contando com esse nosso encontro introdutório, abrangendo todo o conteúdo cobrado pela banca examinadora, esquematizado de acordo com a metodologia diferenciada do Exponencial Concursos, além de mais de 280 questões comentadas, todas da FCC, o que o ajudará a massificar o conhecimento e ir bem na prova. Ressalta-se que as questões dos certames mais recentes e mais importantes da FCC estarão presentes no nosso curso, destacando-se: ICMS/PI e TCM/GO (2015) e ICMS/PE, ICMS/RJ, TCE/GO, TCE/PI e TJ/AP (2014). Antes de começarmos efetivamente a nossa primeira aula, vamos fazer uma breve análise da nossa disciplina nos três últimos certames da FCC na área fiscal para que possamos, como diriam os militares, conhecer um pouco do nosso inimigo, rsrs. Prof. Luciano Moura 2 de 52

3 Histórico e análise das provas Contabilidade Geral Para traçar o perfil da banca examinadora, fizemos a análise dos três concursos mais recentes organizados pela FCC na área fiscal (ICMS/PI, ICMS/PE e ICMS/RJ). Nessa análise, conseguimos notar que há assuntos que estão presentes em todas nas provas, tais como Contabilização de Operações Típicas de Empresas Mercantis e Critérios de Avaliação dos Componentes do Patrimônio. Neste último, enquadra-se um formato de questão que é arroz de festa nas provas da FCC, que trata da constituição e reversão de provisões. Veremos alguns exemplos deste tipo de questão nos nossos exercícios. Outro assunto que não fica sem aparecer nas provas é o que trata das Demonstrações Contábeis, em especial a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), a Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e a Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados (DLPA). Mas é claro que não estou apontando os queridinhos das bancas para limitar seus estudos. Convém que todo o conteúdo do edital seja batido, e é isso que faremos em nosso curso. No entanto, é evidente que esses assuntos mais cobrados têm de ser enfatizados, enquanto os menos visados terão o tratamento adequado. Além disso, você deve saber o quanto é importante a resolução de muitos exercícios durante a preparação para uma prova de concurso, de preferência, da mesma banca examinadora que aplicará a prova para a qual você está se preparando. Por isso, todas as questões resolvidas neste curso serão da FCC, para que você se acostume com o modo de cobrança da banca. Abaixo, apresentamos o detalhamento dos assuntos mais cobrados nos últimos concursos na área fiscal. Provas AFFE-PI (2015), AFTE-PE (2014) e AFRE-RJ (2014) Prova Assunto Quantidade de questões Variações do patrimônio 1 Operações com Mercadorias 2 AFFE-PI 2015 Contabilização de Estoques 1 Depreciação 2 Componentes do patrimônio (provisões) 1 Distribuição de Lucros / DLPA 1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 2 Prof. Luciano Moura 3 de 52

4 Provas AFFE-PI (2015), AFTE-PE (2014) e AFRE-RJ (2014) Prova Assunto Quantidade de questões AFTE- PE 2014 Critérios de Avaliação de Ativos 2 Alienação de Bens 1 Contabilização de Estoques 1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Componentes do patrimônio (provisões) 1 Variações do patrimônio 1 AFRE- RJ 2014 Contabilização de operações típicas de empresas mercantis Tratamento contábil dos impostos incidentes em operações de compras e vendas 2 1 Distribuição de Lucros / DLPA 1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Demonstração do Valor Adicionado 1 Aula Tópico Data Contabilidade: Conceituação, objetivos, campo de atuação e usuários da informação contábil; Conceitos, forma de avaliação, evidenciação, natureza, espécie e estrutura: Atos e fatos administrativos; Escrituração contábil contas patrimoniais, resultado. Fatos contábeis permutativos, modificativos e mistos. Princípios contábeis e normas contábeis brasileiras emanadas pelo CFC Conselho Federal de Contabilidade. Itens Patrimoniais: conteúdo, conceitos, estrutura; Variação do patrimônio líquido receita, despesa, ganhos e perdas; Apuração dos resultados; Regimes de apuração caixa e competência. Disponível 30/03/15 Prof. Luciano Moura 4 de 52

5 Aula Tópico Data Sociedades empresariais e não empresariais. Escrituração contábil lançamentos contábeis; Livros contábeis obrigatórios e documentação contábil; Aspectos intrínsecos e extrínsecos dos livros contábeis: Ênfase nos livros contábeis Diário Diário auxiliar Razão Sintético e Razão Analítico. Conceitos sobre o SPED Contábil. Código Civil Lei nº /2002, artigos 1179 a 1195; Aspectos contábeis do Código de Processo Civil Lei n 5.869, de 11 de janeiro de 1973 Em especial: A escrituração contábil é indivisível: se dos fatos que resultam dos lançamentos, uns são favoráveis ao interesse de seu autor e outros lhe são contrários, ambos serão considerados em conjunto como unidade. Tratamento contábil dos tributos incidentes em operações de compras e vendas. Estoques tipos de inventários, critérios e métodos de avaliação. Apuração do custo das mercadorias vendidas. Itens Patrimoniais: formas de avaliação e classificação dos itens patrimoniais do ativo, do passivo e do patrimônio líquido; Ajustes, classificações e avaliações dos itens patrimoniais exigidos pelas novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº /07 e Lei nº /09; Demonstrações contábeis Notas explicativas às demonstrações contábeis conteúdo, forma de apresentação e exigências legais de informações; Balanço patrimonial. 06/04/15 13/04/15 20/04/15 27/04/15 06 Demonstração do resultado do exercício. 04/05/15 07 Demonstração de lucros ou prejuízos acumulados; Demonstração das mutações do patrimônio líquido. 11/05/15 08 Demonstração dos fluxos de caixa. 18/05/15 09 Demonstração do valor adicionado. RICMSSP Lei nº /2009, inciso VIII do artigo 11, inciso XI e letras d e j do inciso XVIII do artigo /05/15 Prof. Luciano Moura 5 de 52

6 Aula 00 Contabilidade: Conceituação, objetivos, campo de atuação e usuários da informação contábil; Conceitos, forma de avaliação, evidenciação, natureza, espécie e estrutura: Atos e fatos administrativos; Escrituração contábil contas patrimoniais, resultado. Fatos contábeis permutativos, modificativos e mistos. Assunto Página 1. A Contabilidade 7 2. Componentes do Patrimônio 9 3. Introdução à Escrituração Contábil Atos e Fatos Administrativos Questões Comentadas Risco Exponencial Lista de Questões Gabarito 52 E para facilitar sua referência, abaixo as esquematizações disponíveis nesta aula: Esquema 1 Contabilidade Objeto, Objetivo e Finalidade... 7 Esquema 2 Comparação Função Administrativa X Função Econômica da Contabilidade... 8 Esquema 3 Campo de atuação da Contabilidade... 9 Esquema 4 Representação gráfica dos componentes do patrimônio Esquema 5 Classificação dos Bens Esquema 6 Classificação dos Bens Corpóreos Esquema 7 Ciclo Operacional Esquema 8 Subgrupos de Ativos e Passivos Esquema 9 Contas Patrimoniais X Contas de Resultado Esquema 10 Funcionamento dos grupos de Contas Contábeis Esquema 11 Premissas do Método das Partidas Dobradas Esquema 12 Classificação dos Fatos Administrativos Esquema 13 Comparação Receitas X Despesas Nesse primeiro encontro, abordaremos os principais conceitos e nomenclaturas atinentes à nossa matéria. Também falaremos um pouco dos componentes do patrimônio e de como ocorre sua variação. Por fim, iniciaremos a abordagem da escrituração contábil, assunto este de vital importância para a nossa disciplina. Então, ajeite-se na cadeira, esqueça seu celular e concentre-se, para que seu rendimento seja o mais favorável possível. Ah, e lembre-se, você já está na frente, pois já está se preparando! Prof. Luciano Moura 6 de 52

7 1. A Contabilidade 1.1. O que é contabilidade? Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS SP Durante esse curso, sempre que for necessário definir algo, procuraremos utilizar definições contidas nas resoluções do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e nas normas técnicas do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). Desta forma, o art. 2º da Resolução CFC n.º 750/93 postula que a Contabilidade é uma ciência social, e que tem por objeto o patrimônio das entidades. Se o objeto da contabilidade é o patrimônio, podemos dizer que seu objetivo é controlar esse patrimônio, com a finalidade de fornecer informações acerca de sua composição e variação, bem como do resultado econômico decorrente da gestão patrimonial, a quem se fizer interessado. Esses interessados serão chamados de usuários da informação contábil. Montando um esquema, podemos escrever: Objeto Patrimônio das Entidades Contabilidade (Ciência Social) Objetivo Controlar o Patrimônio Finalidade Prover informações contábeis aos usuários Esquema 1 Contabilidade Objeto, Objetivo e Finalidade 1.2. Finalidade e Usuários da informação contábil Vimos há pouco que a finalidade da Contabilidade é fornecer informações sobre o patrimônio da entidade aos usuários da informação contábil. Alguns autores também chamam isso de objetivo principal ou objetivo final da Ciência Contábil. Mas quem são os usuários da informação contábil? São todas as pessoas ou entidades que tenham interesse em conhecer a situação patrimonial e econômica da entidade. Podem citar como exemplo os seguintes: Investidores (sócios ou acionistas), pois necessitam saber se a empresa está auferindo lucro e será capaz de remunerá-los pelo capital nela investido; Financiadores (bancos e outras instituições financeiras) os quais desejam saber se a saúde financeira da entidade é bastante para que ela honre com os empréstimos tomados; Prof. Luciano Moura 7 de 52

8 Fornecedores, os quais precisam saber se a empresa continuará adquirindo seus produtos e serviços, bem como se terá condições de honras os compromissos já assumidos; Clientes, os quais podem depender da empresa (como fornecedora) para a saúde vital de seus negócios; Administradores, Diretores e Executivos, estes talvez os que precisem de informações mais detalhadas, pois são responsáveis pelo controle e planejamento de ações futuras e tomadas de decisões. Funcionários, para saberem se a empresa perdurará por longo período no mercado, a fim de garantirem seus empregos; Governos, a fim de fiscalizarem o recolhimento de tributos. Os conceitos de situação patrimonial e econômica da entidade estão ligados às Funções da Contabilidade, que são duas: Função Administrativa, a qual controla o patrimônio da entidade, ou seja, seus bens, direitos e obrigações. Tal controle pode ser chamado de estático, pois apresenta a situação do patrimônio em um determinado momento. Função Econômica, que tem a função de apurar o resultado (rédito receitas menos despesas) da entidade, ou seja, se ela apresentou lucro ou prejuízo no período. Este controle é denominado dinâmico, pois apresenta a evolução de fenômenos patrimoniais em um período, evidenciando as variações provocadas pelos fatos nele ocorridos. Assim, podemos dizer que a conhecer a situação patrimonial da entidade diz respeito a quantificar seus bens, direitos e obrigações em determinado momento, enquanto a situação econômica da entidade está ligada ao conhecimento do quanto a empresa contabiliza de lucro ou prejuízo em determinado período. Vejamos uma comparação entre as duas funções: Função Administrativa Situação patrimonial Controla o patrimônio Bens, direitos e obrigações Determinado momento Controle estático Função Econômica Situação econômica Apura o resultado Lucro ou Prejuízo Determinado período Controle dinâmico Esquema 2 Comparação Função Administrativa X Função Econômica da Contabilidade Prof. Luciano Moura 8 de 52

9 1.3. Campo de Atuação Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS SP O campo de atuação da Ciência Contábil é bastante amplo. Ele se estende a todas as entidades, sejam elas de direito público ou privado, pessoas físicas ou jurídicas, com ou sem fins lucrativos, que possuam patrimônio. Desta forma, podemos fazer o seguinte esquema gráfico acerca do campo de atuação da Contabilidade: Pessoa Física ou Jurídica Entidade (Patrimônio) Direito Público ou Privado Com ou sem fins lucrativos Esquema 3 Campo de atuação da Contabilidade 2. Componentes do Patrimônio 2.1. Conceito de Patrimônio O que você imagina quando se depara com a palavra patrimônio? Possivelmente, o primeiro pensamento que lhe veio à cabeça foram os seus bens, ou seja, seu carro ou moto, seu celular etc. No entanto, seu patrimônio é muito mais que isso. Por exemplo, caso você tenha emprestado um dinheiro a um amigo, este dinheiro não faz parte de seu patrimônio? Seu amigo não tem que te pagar? Então ele faz parte sim, como um direito que você possui contra seu amigo. De forma oposta, caso você tenha uma dívida com uma loja, esta dívida também figura em seu patrimônio, como uma obrigação sua com a empresa. Dessa forma, podemos dizer que o seu patrimônio é composto pelo conjunto de bens, direitos e obrigações. Com as empresas não é diferente. Note que o patrimônio é composto por elementos positivos e negativos. Os positivos são os que estão na posse da empresa ou que Prof. Luciano Moura 9 de 52

10 alguém lhes deve, ou seja, os bens e direitos, que na contabilidade são chamados de Ativos. Já os negativos são os que a empresa deve a alguém, ou seja, suas obrigações (dívidas), que na contabilidade são chamados de Passivos. Por fim, a diferença entre ativos e passivos é chamada de Patrimônio Líquido (PL), isto é, o que sobra à empresa após a quitação de todas as suas dívidas. A Resolução CFC nº 1.374/11 apresenta as seguintes definições técnicas: Ativo é um recurso controlado pela entidade como resultado de eventos passados e do qual se espera que fluam futuros benefícios econômicos para a entidade; Passivo é uma obrigação presente da entidade, derivada de eventos passados, cuja liquidação se espera que resulte na saída de recursos da entidade capazes de gerar benefícios econômicos; e Patrimônio líquido é o interesse (valor) residual nos ativos da entidade depois de deduzidos todos os seus passivos. Podemos fazer uma representação gráfica desta da seguinte forma: ATIVO PASSIVO Obrigações Bens e direitos PL Diferença Esquema 4 Representação gráfica dos componentes do patrimônio 2.2. Bens Para a contabilidade, bens são todas coisas que possuem utilidade e podem ser avaliadas monetariamente. Os bens podem ser classificados da seguinte maneira: Bens Corpóreos (Materiais ou Tangíveis) Incorpóreos (Imateriais ou Intangíveis) existência física (podem ser tocados e vistos) não existem físicamente (patente, software, marcas etc.) Esquema 5 Classificação dos Bens Prof. Luciano Moura 10 de 52

11 Além disso, os bens corpóreos podem, ainda, ser divididos em: Numerários podem ser facilmente trocados por dinheiro (caixa, contas bancárias, aplicações de liquidez imediata etc.) Bens Corpóreos De Venda De Renda De Uso visam a produção de receitas por meio de sua venda (mercadorias, matériasprimas, produtos acabados etc.) visam a produção de receitas por meio de sua valorização (moedas, ações, imóveis alugados, obras de arte etc.) possuem caráter permanente e constituem meios de produção da empresa (imóveis, máquinas etc.) Esquema 6 Classificação dos Bens Corpóreos ATENÇÃO!! De acordo com a Resolução CFC nº 1.374/11, um bem só será reconhecido no ativo se houver expectativa de que ele traga benefícios futuros à entidade. Isso quer dizer que se a empresa possuir um computador obsoleto, ou seja, que não atende mais a finalidade a que se destina, este computador, apesar de ser um bem da empresa, não deverá constar de seu ativo, pois dele não se espera nenhum benefício econômico futuro Direitos Direitos são créditos ou haveres da empresa contra terceiros, ou seja, são valores a receber ou a recuperar. Em sua grande maioria, decorrem das atividades normais da entidade, como vendas ou prestação de serviços a prazo e compras pagas antecipadamente. Contudo, outras situações menos usuais também podem gerar direitos a receber, tais como indenizações trabalhistas, restituições de tributos pagos indevidamente, multas por descumprimento de contratos por fornecedores ou clientes etc. Nas atividades operacionais da empresa, é usual que os direitos sejam representados por títulos de crédito, sendo os mais cheques, faturas, duplicatas e notas promissórias Obrigações De maneira oposta, obrigações são débitos ou dívidas da empresa para com terceiros, ou seja, são valores a pagar ou a recolher. Algumas obrigações decorrem das atividades operacionais da entidade, tais como compras a prazo, contas a pagar, pessoal a pagar, impostos a recolher etc. No entanto, outras obrigações podem surgir em virtude de fatos menos usuais, tais como sentenças judiciais, empréstimos e financiamentos bancários, Prof. Luciano Moura 11 de 52

12 adiantamentos recebidos etc. As obrigações também são chamadas de Capital de Terceiros, Recursos de Terceiros e Passivo Exigível Patrimônio Líquido Vimos que Patrimônio Líquido é o interesse (valor) residual nos ativos da entidade depois de deduzidos todos os seus passivos. São sinônimos de Patrimônio Líquido: Situação Líquida, Capital Próprio, Recursos Próprios e Passivo Não Exigível Equação Fundamental do Patrimônio Há pouco, vimos que o patrimônio da empresa pode ser representado da seguinte maneira: ATIVO PASSIVO Obrigações Bens e direitos PL Diferença Nesta representação, o lado esquerdo será sempre igual ao lado direito. Assim, podemos escrever a Equação Fundamental do Patrimônio, da seguinte forma: A = P + PL ou PL = A P No exemplo acima, em que o ativo é maior que o passivo, temos uma situação líquida positiva, pois o PL > 0. Entretanto, podemos ter uma situação em que o ativo é igual ao passivo, ou seja, o PL = 0. Nesta situação, dizemos que a situação líquida é nula, compensada ou equilibrada. Tal situação pode ser representada da seguinte forma: Prof. Luciano Moura 12 de 52

13 ATIVO PASSIVO Bens e direitos Obrigações Pode ocorrer, ainda, de o ativo ser menor que o passivo, quando o PL < 0. Nesta situação, diz-se que a situação líquida é negativa, também chamada de passivo a descoberto. A representação gráfica desta situação é a seguinte: ATIVO PASSIVO Bens e direitos PL Obrigações Diferença 2.7. Noções Básicas do Balanço Patrimonial Balanço Patrimonial é o nome que se dá à representação gráfica do patrimônio da entidade em determinado momento. Ele é composto de duas colunas, formadas pelo Ativo e pelo Passivo (exigível e não exigível). Na coluna da esquerda temos os ativos, em ordem decrescente de liquidez. Chamamos de liquidez a facilidade de um ativo transformar-se em dinheiro em espécie. Por exemplo, um valor depositado no banco possui maior liquidez que um veículo, pois o primeiro transforma-se em espécie com um simples saque, enquanto o segundo necessita de um comprador disposto a pagar pelo valor do bem. Já na coluna da direita, serão apresentados os passivos, em ordem decrescente de exigibilidade. Diz-se que uma obrigação é exigível quando o seu credor pode exigir o seu pagamento, pois a data de vencimento da obrigação expirou. Além disso, há o que padronizou-se chamar de exercício social das entidades, com duração de um ano, e que serve de base para dividimos os Ativos e Passivos em Circulante e Não Circulante. No Ativo Circulante, serão registradas as disponibilidades, os direitos realizáveis no curso do exercício social subsequente e as aplicações de recursos em despesas do exercício seguinte. Prof. Luciano Moura 13 de 52

14 Já no Ativo Não Circulante, serão lançados os direitos realizáveis após o término do exercício seguinte, bem como os investimentos permanentes, os ativos imobilizados e os ativos intangíveis da entidade, dos quais falaremos mais à frente em nosso curso. Outro conceito que precisamos apresentar-lhe é o Ciclo Operacional de uma empresa comercial, que é o período médio que a empresa leva entre a compra de mercadorias para revenda, venda dessas mercadorias a seus clientes e recebimento desses. Caso a empresa seja industrial, seu ciclo iniciase com a compra das matérias-primas necessárias ao processo de produção e termina com o recebimento das vendas dos produtos fabricados. Compra / Produção Venda Recebimento Ciclo Operacional Esquema 7 Ciclo Operacional Nas empresas que possuem Ciclo Operacional menor que doze meses, o período temporal que separa seus ativos em circulante e não circulante é o término do exercício social subsequente, ou seja, 31 de dezembro do ano seguinte ao do levantamento do Balanço Patrimonial (BP), independentemente do mês em que o BP está sendo levantado. Assim, se a data do BP é 31/05/2015, todos os seus direitos com data de recebimento até 31/12/2016 ingressarão no Ativo Circulante, enquanto os que tiverem data a partir de 01/01/2017 estarão no Ativo Não Circulante. Entretanto, há empresas que possuem ciclo operacional com duração maior que o exercício social, como, por exemplo, empresas que constroem navios. Para elas, a classificação em ativo circulante ou de longo prazo (não circulante) terá por base o prazo de seu ciclo operacional. Para os passivos, a regra é a mesma. As obrigações da companhia serão classificadas no Passivo Circulante, quando se vencerem no exercício seguinte, e no Passivo Não Circulante, se tiverem vencimento em prazo maior, observada a mesma excepcionalidade dos ativos para as empresas que possuírem Ciclo Operacional maior que doze meses. Assim, os ativos e passivos são assim subdivididos: Prof. Luciano Moura 14 de 52

15 ATIVO Ativo Circulante (bens e direitos realizáveis a curto prazo) Ativo Não Circulante Realizável a Longo Prazo (bens e direitos realizáveis a longo prazo) Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS SP PASSIVO Passivo Circulante (obrigações exigíveis a curto prazo) Passivo Não Circulante (obrigações exigíveis a longo prazo) Investimentos (bens de renda) Imobilizado (bens corpóreos de uso) Intangível (bens incorpóreos de uso) Patrimônio Líquido (passivo não exigível) Esquema 8 Subgrupos de Ativos e Passivos São exemplos de contas do Ativo Circulante: Caixa, Banco Conta Movimento, Aplicações Financeiras, Clientes (ou Duplicatas a Receber), Perdas Estimadas com para Créditos de Liquidação Duvidosos (retificadora), Adiantamentos a Fornecedores, Impostos a Recuperar, Estoques etc. São exemplos de contas do Ativo Realizável a Longo Prazo: Duplicatas a Receber de LP, Estoques de LP etc. São exemplos de contas do Ativo Investimentos: Ações, Obras de Arte, Imóveis alugados, Terrenos etc. São exemplos de contas do Ativo Imobilizado: Veículos, Móveis e Utensílios, Máquinas e Equipamentos, Imóveis, Depreciação Acumulada (retificadora) etc. São exemplos de contas do Ativo Intangível: Softwares, Marcas e Patentes, Fundo de Comércio Adquirido etc. São exemplos de contas do Passivo Circulante: Fornecedores (ou Duplicatas a Pagar), Impostos a Recolher, Empréstimos e Financiamentos, Pessoal a Pagar, Adiantamentos de Clientes etc. São exemplos de contas do Passivo Não Circulante: Duplicatas a Pagar de LP, Empréstimos e Financiamentos de LP etc. São exemplos de contas do Patrimônio Líquido: Capital Social, Capital a Realizar (retificadora), Reservas de Capital, Ações em Tesouraria (retificadora), Prejuízos Acumulados (retificadora) etc. 3. Introdução à Escrituração Contábil Meu querido aluno, esta é a parte da nossa aula (talvez do nosso curso) mais sensível e que mais irá exigir de você, pois é considerada a base para que você compreenda tudo que será abordado nas próximas aulas. Portanto, preste bastante atenção. Irei construir o pensamento gradativamente, de forma que fique fácil seu aprendizado. Vamos lá!? Prof. Luciano Moura 15 de 52

16 Escrituração Contábil é a técnica utilizada na Contabilidade para se registrar os fatos contábeis ocorridos na entidade, com base em documentos que dão suporte a tais registros. Esses registros devem ser feitos em contas contábeis, de forma uniforme, precisa e tempestiva. 3.1 Conta Contábil Conta Contábil é o nome que se dá à representação contábil de um elemento patrimonial (bem, direito, obrigação ou patrimônio líquido) ou de uma variação patrimonial (receita ou despesa). Existem dois tipos de contas contábeis, a saber: Contas Contábeis Contas Patrimoniais Contas de Resultado visam o controle e a apuração do patrimônio da entidade (Contas do Ativo, Contas do Passivo Exigível e Contas do Patrimônio Líquido) visam a apuração do resultado da entidade, ou seja, do lucro ou prejuízo (Contas de Receitas e Contas de Despesas) Esquema 9 Contas Patrimoniais X Contas de Resultado Também são contas patrimoniais as contas retificadoras (ou redutoras), que são contas que diminuem os grupos em que estão inseridas (são contas negativas). As contas retificadoras sempre possuem contas de referência, que são as contas às quais elas diminuem, também chamadas de contas retificadas. 3.2 Débito e Crédito Neste momento, eu preciso que você ESQUEÇA seu extrato bancário (estando ele positivo ou no vermelho ) e concentre-se na maneira que vou ensinar, fixando os conceitos e as palavras em destaque. Se você não fizer isso, irá se confundir e seu aprendizado será mais difícil. Confie em mim e vamos nessa... Na Contabilidade, débito significa aplicação e crédito é sinônimo de origem. Em uma representação gráfica, a qual chamaremos de razonete, posicionaremos sempre os débitos à esquerda e os créditos à direita. Veja: APLICAÇÕES Título da Conta ORIGENS Débito Crédito Prof. Luciano Moura 16 de 52

17 3.3 Natureza de Saldo das Contas Contábeis Toda conta contábil possui uma natureza de saldo, que pode ser devedora ou credora. Este é um parâmetro fixo da conta, ou seja, não varia de momento para outro. Como vimos, na Contabilidade, crédito é sinônimo de origem e débito significa aplicação. Assim, as contas que tradicionalmente indicarem a origem de uma transação, serão denominadas contas credoras, enquanto aquelas que, de forma natural, registrarem uma a aplicação de uma transação, serão contas devedoras. Vejamos alguns exemplos: O passivo é composto pelas obrigações da entidade, ou seja, aquilo que a empresa deve a alguém, enquanto o ativo é formado pelos bens e direitos, isto é, aquilo que a empresa adquiriu de alguém a base de uma troca. Por exemplo, ao comprar mercadorias a prazo, a empresa adquiriu as mercadorias em troca de pagar, a prazo, determinado valor ao fornecedor. Neste caso, o fornecedor é a origem da transação, que culminou com a aplicação em mercadorias. Outro exemplo, ao tomar um empréstimo no banco com a finalidade de adquirir um imóvel, o banco é a origem da transação, pois emprestou o dinheiro que foi aplicado na compra do imóvel. Por meio deste dois exemplos de transações simples e corriqueiras, podemos visualizar que os passivos são, de forma natural, as origens das transações, pois é onde são registradas as dívidas que a empresa assumiu em troca de algum bem ou direito. Por isso, dizemos que as contas do passivo possuem natureza de saldo credora. Isso significa que elas aumentam de saldo com crédito e diminuem com débito. De maneira oposta, os ativos são, naturalmente, as aplicações das transações, pois neste grupo que são registrados onde a empresa aplicou o dinheiro que ela tomou emprestado, seja de instituições financeiras ou de fornecedores, por meio das compras a prazo. Desta forma, dizemos que as contas do ativo possuem natureza de saldo devedora. Isso quer dizer que elas aumentam de saldo com débito e diminuem com crédito. Vamos resolver a primeira questão do nosso curso? (FCC / METRÔ-SP - Administrador / 2010) Em relação à escrituração contábil, é correto afirmar que as contas a) de resultado, sem exceção, aumentam por crédito. b) representativas do capital e das reservas de capital da companhia aumentam por débito. c) do Passivo aumentam por débito. d) do Ativo diminuem por crédito. Prof. Luciano Moura 17 de 52

18 e) retificadoras do Patrimônio Líquido têm saldo credor. Resolução: Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS SP Sei que não falamos ainda de tudo o que é cobrado nessa questão, mas vejamos as assertivas C e D, que se referem a assuntos que já tratamos: c) do Passivo aumentam por débito. Como acabamos de ver, os passivos são, na maioria das vezes, as origens das transações, tendo, por natureza, saldo credor. Isso significa que elas aumentam de saldo com crédito e diminuem com débito. Incorreta. d) do Ativo diminuem por crédito. Ao contrário dos passivos, os ativos são, regra geral, as aplicações das transações, tendo, por natureza, saldo devedor. Isso quer dizer que elas aumentam de saldo com débito e diminuem com crédito. Correta. Gabarito: D Continuando, vimos que o Patrimônio Líquido é o valor residual nos ativos da entidade depois de deduzidos todos os seus passivos. Em uma linguagem mais informal, podemos dizer que é o que sobra pra empresa, após a venda de todos os ativos e o pagamento de todos os passivos, ou seja, o PL é o valor que pertence à empresa. No entanto, como a empresa é uma entidade formada por sócios, esse valor pertence, na verdade, aos sócios, com quem a empresa possui uma obrigação (devolver os valores líquidos a ela confiados em caso de dissolução da entidade). Assim, as contas do Patrimônio Líquido também serão, de forma natural, origens de transações, pois registrarão as dívidas com sócios assumidas pela empresa em troca de bens ou dinheiro para o seu funcionamento. Por isso, as contas do Patrimônio Líquido também possuem natureza de saldo credora. Isso significa que elas aumentam de saldo com crédito e diminuem com débito. Fechando as contas patrimoniais, vimos que as contas retificadoras (ou redutoras) são contas que diminuem as contas às quais estão relacionadas (contas retificadas). Por serem contas negativas, terão natureza de saldo oposta às contas que diminuem, ou seja, se a conta retificada tem saldo devedor, sua respectiva conta retificadora terá saldo credor, e vice-versa. Por fim, nas contas de resultado a sistemática é a mesma. Vejamos mais dois exemplos: Ao vender mercadorias para um cliente, a empresa registrará uma receita de vendas e receberá dinheiro por esta troca. Nesta operação, a origem da transação está na receita oriunda da venda, enquando a aplicação está no dinheiro que entrou para a empresa. Ao mesmo tempo, ocorre a saída das mercadorias que estavam no estoque da entidade, sendo registrada uma despesa no valor pelo qual elas foram adiquiridas (preço de custo). Nesta operação, a origem da transação são as mercadorias que Prof. Luciano Moura 18 de 52

19 estão sendo vendidas, enquanto a aplicação está no registro da despesa a preço de custo. A diferença entre a receita de vendas e a despesa a preço de custo indicará o resultado desta compra e venda de mercadorias (lucro ou prejuízo). Assim, as receitas são as origens das transações, enquanto as despesas são suas aplicações. Por isso, dizemos que as contas de receita possuem natureza de saldo credora (aumentam de saldo com crédito e diminuem com débito) e as contas de despesa possuem natureza de saldo devedora (aumentam de saldo com débito e diminuem com crédito). Como de costume, vamos esquematizar as naturezas de saldo das contas, para facilitar sua memorização: ATIVO PASSIVO Natureza Credora Natureza Devedora PL Natureza Credora DESPESAS RECEITAS Natureza Devedora Natureza Credora * As contas retificadoras têm naturezas opostas às contas retificadas. Agora, apresentamos uma tabela que resume o funcionamento das contas contábeis: CONTA NATUREZA DO SALDO DÉBITO CRÉDITO ATIVO DEVEDORA RETIFICADORA DO ATIVO CREDORA PASSIVO E PL CREDORA RETIFICADORA DO PASSIVO E PL DEVEDORA DESPESAS DEVEDORA RECEITAS CREDORA Esquema 10 Funcionamento dos grupos de Contas Contábeis * Note que foram coloridas somente as setas de aumentam, pois são estas que você deve memorizar. Contas devedoras aumentam pelo débito e contas credoras aumentam pelo crédito. Prof. Luciano Moura 19 de 52

20 Vejamos mais uma questão de prova: Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS SP (FCC / TRF - 2ª REGIÃO - Contador / 2012) Em relação à escrituração contábil, é correto afirmar que as contas a) representativas de ativos da entidade aumentam por crédito, exceto as contas redutoras, que aumentam por débito. b) classificadas no Patrimônio Líquido podem ter saldo devedor ou credor, conforme a sua natureza. c) classificadas no Passivo diminuem por crédito. d) representativas de despesas têm sempre saldo credor. e) do Ativo são estornadas por meio de um lançamento a débito da conta. Resolução: Com base no que aprendemos até o momento, vamos analisar cada assertiva separadamente. As contas... a) representativas de ativos da entidade aumentam por crédito débito, exceto as contas redutoras, que aumentam por débito crédito. b) classificadas no Patrimônio Líquido podem ter saldo devedor ou credor, conforme a sua natureza. Em todos os grupos compostos por contas patrimoniais (Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido) existem contas que podem ter saldo devedor ou credor, conforme a sua natureza, pois em todos eles há contas retificadoras, que possuem saldo oposto às demais contas do grupo. Correta. c) classificadas no Passivo diminuem por crédito débito. d) representativas de despesas têm sempre saldo credor devedor. e) do Ativo são estornadas por meio de um lançamento a débito da conta. Na contabilidade, chamamos de estorno o registro de um lançamento oposto a outro lançamento, com o intuito de anulá-lo total ou parcialmente. Veja um exemplo: Aquisição de mercadorias a prazo D Estoque de Mercadorias (AC) R$ ,00 C Fornecedores (PC) R$ ,00 Estorno total do lançamento anterior D Fornecedores (PC) R$ ,00 C Estoque de Mercadorias (AC) R$ ,00 Voltando à assertiva, observamos no exemplo acima que as contas do Ativo (Estoque de Mercadorias, por exemplo) são estornadas por meio de um lançamento a crédito. Incorreta. Gabarito: B Prof. Luciano Moura 20 de 52

Aula 00 Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS RJ Professor: Luciano Moura

Aula 00 Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS RJ Professor: Luciano Moura Aula 00 Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS RJ Professor: Luciano Moura Prof. Luciano Moura 1 de 46 Apresentação Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS RJ Olá querido aluno, Bem vindo ao curso on-line preparatório

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito PLANO DE CONTAS NOTA: Nos capítulos 1 a 8, você estudou as noções básicas da Contabilidade; conheceu a estrutura do Patrimônio (ponto de partida para o entendimento desta Ciência); aprendeu a registrar

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA E-MAIL: motaglauber@gmail.com CONCEITO: CONTABILIDADE CIÊNCIA QUE ESTUDA E PRATICA AS FUNÇÕES DE REGISTRO, CONTROLE E ORIENTAÇÃO

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22 I - APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (SIMPLIFICADA) 1 - CONCEITO A Apuração do Resultado do Exercício também chamado de Rédito - consiste em verificar o resultado econômico atingido pela empresa em determinado

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas.

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1. Noções Introdutórias 1.1 Definições de Contabilidade Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1.2 Objeto da Contabilidade O Patrimônio

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O VALOR JUSTO É IGUAL AO VALOR PATRIMONIAL

10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O VALOR JUSTO É IGUAL AO VALOR PATRIMONIAL 790 E S A F 9. GANHOS POR COMPRA VANTAJOSA - JUSTO PAGO GANHO POR COMPRA VANTAJOSA CUSTO DE JUSTO 10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O JUSTO É IGUAL AO PATRIMONIAL goodwillvalor justoigual

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO Patrimônio é o conjunto de posses, a riqueza de uma pessoa, quer seja ela física ou jurídica,

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA Olá concurseiros(as)! Neste artigo trarei um pouco de teoria e comentarei algumas questões de provas sobre o tema DAS CONTAS, assunto que costuma ser bastante cobrado pela ESAF. Existem três teorias usuais,

Leia mais

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26 Sumário 1 Introdução... 1 2 Definição do grupo patrimonial... 1 2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26... 1 2.2 Lei das S/A... 4 3 Plano de Contas Proposto contas patrimoniais para

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE 1. CONTA: Conta é o nome técnico que identifica cada componente patrimonial (bem, direito ou obrigação), bem como identifica um componente de resultado (receita ou despesas). As

Leia mais

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Candidato: Plano de Aula FAPAS Prof. OLIVEIRA, A. S., Dr. 1) 2) Justificativa da Aula Passiv o O estudo do patrimônio é a espinha dorsal da Teoria da Contabilidade. (Iudícibus e Marion, 2002, p. 141).

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo Apostila 2 de Contabilidade Geral I Prof. Ivã C Araújo 2013 Sumário 1 Procedimentos Contábeis... 3 1.1 Escrituração contábil... 3 1.1.1 Lançamentos Contábeis... 3 1.1.1.1 Fórmulas de Lançamentos... 3 1.2

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Lista de Exercícios ENADE

Lista de Exercícios ENADE Curso: ADMINISTRAÇÃO Data: Goiânia 15/09/2012 Disciplina: Contabilidade Geral Turma: ADM 03 Turno: Noturno Carga Horária: 72 Professor: Esp. Erik Silva. Lista de Exercícios ENADE Exercício n.01 (IRB-2004-ESAF)

Leia mais

DRE - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

DRE - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO PROF. CLEVERSON TABAJARA CONCEITOS CONTÁBEIS 1 PROFESSOR: CLEVERSON TABAJARA BALANÇO PATRIMONIAL Ano Anterior BASE Ano Atual VARIACÃO R$ A.V. A.H R$ A.V A.H Ativo Circulante 240.000,00 48% 100% 327.000,00

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE Como vimos em aulas passadas, a Contabilidade engloba duas funções: 1. Função Administrativa: Controla o Patrimônio mediante registro dos fatos contábeis em livros apropriados (Diário

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo).

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo). Módulo 2 O Patrimônio Conceito. Estão compreendidas no campo de atuação do contabilista as atividades de estudo, controle, exposição e análise do patrimônio, de maneira a poder informar a situação patrimonial

Leia mais

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Temos destacado a importância das atualizações normativas na Contabilidade (Geral e Pública), pois em Concurso, ter o estudo desatualizado é o mesmo

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!!

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Olá concurseiros (as)! Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Vamos lá!!! 01. (ESAF Analista da Receita

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, Julgue os itens subsequentes, relativos à correta classificação e julgue os itens a seguir. utilização de

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR Classifique as contas que geralmente caem em concursos e, muitas vezes, geram dúvidas. Banco c/ Movimento Banco conta Empréstimo Empréstimos a Diretores ou Acionistas Numerários em Trânsito Adiantamento

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Prof. Alipio Filho

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Prof. Alipio Filho Olá, pessoal! Comento neste toque as questões de Contabilidade Pública e Orçamento Público que caíram no concurso para conselheiro substituto do TCE-AM. A banca foi a Fundação Carlos Chagas. Aproveito

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

O mecanismo de débito x crédito.

O mecanismo de débito x crédito. O mecanismo de débito x crédito. Represente os fatos abaixo, utilizando os balanços sucessivos. 1- Os sócios integralizaram capital social, no valor de R$ 1.000.000, em dinheiro. 2- Compra de veículos,

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades. Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

Artigo 02 Exercício Comentado - Débito e Crédito PROFESSORA: Ivana Agostinho

Artigo 02 Exercício Comentado - Débito e Crédito PROFESSORA: Ivana Agostinho Caro(a) aluno(a), Tudo bem? Hoje vamos resolver um exercício que aborda o mecanismo contábil do débito e do crédito, assunto que costuma dar um pouquinho de dor de cabeça nos iniciantes... Vou simplificar

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

Noções Básicas de Contabilidade

Noções Básicas de Contabilidade Noções Básicas de Contabilidade Autor Luiz Edgar Medeiros 2009 2006-2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor

Leia mais

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ!

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03 Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Olá colegas! Realizaremos hoje um pequeno simulado para o concurso do ISS RJ. Lembrando que quaisquer dúvidas podem ser

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

2012.01 RESUMO CONTABILIDADE ACADÊMICO. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com.

2012.01 RESUMO CONTABILIDADE ACADÊMICO. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com. 2012.01 RESUMO ACADÊMICO DE CONTABILIDADE www.profailtonnobrega@gmail.com www.profailtonnobrega.blogspot.com.br APRESENTAÇÃO Essa apostila foi elaborada para complementar as informações trabalhadas em

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro Segundo o MCASP, o é a demonstração contábil que evidencia, qualitativa e quantitativamente, a situação patrimonial da entidade pública, por meio de contas representativas do patrimônio público, além das

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Contabilidade bem básica

Contabilidade bem básica Contabilidade bem básica Instruções simples para que você possa compreender todo o conteúdo do site. A contabilidade é uma base para os demais. Conceitos de contabilidade básica O que é contabilidade?

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC:

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC: Aula 4 Questões Comentadas e Resolvidas Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). Demonstração do Valor Adicionado. 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa

Leia mais

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Yumara Vasconcelos Doutora em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Contabilidade pela Fundação Visconde de Cairu (FVC). Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Católica

Leia mais

CONTABILIDADE. Prof Adelino Correia

CONTABILIDADE. Prof Adelino Correia CONTABILIDADE GERAL Prof Adelino Correia Definição de Contabilidade Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. Objeto da Contabilidade

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

ESCRITURAÇÃO É uma técnica que se utiliza dos lançamentos para controlar os elementos patrimoniais.

ESCRITURAÇÃO É uma técnica que se utiliza dos lançamentos para controlar os elementos patrimoniais. MÓDULO IV CONTABILIDADE GERENCIAL ESCRITURAÇÃO As variações no patrimônio, sejam no aspecto qualitativo ou quantitativo, devem ser registradas formalmente através de um modelo racional e sistematizado.

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

AFRE RS 2014. Contabilidade geral, avançada e de custos. Isidro Silveira. isidro-silveira@hotmail.com. Isidro Silveira

AFRE RS 2014. Contabilidade geral, avançada e de custos. Isidro Silveira. isidro-silveira@hotmail.com. Isidro Silveira 1 AFRE RS 2014 Contabilidade geral, avançada e de custos isidro-silveira@hotmail.com 2 Aula 01 23/07/2014 Introdução (apresentação, cronograma e metodologia das aulas); Resolução de questões de contabilidade.

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais