COMUNICAÇÃO NO PONTO DE VENDA: UM ESTUDO COM CONSUMIDORES EM SUPERMERCADOS. Palavras-Chave: Varejo. Consumidor. Merchandising.Comunicação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAÇÃO NO PONTO DE VENDA: UM ESTUDO COM CONSUMIDORES EM SUPERMERCADOS. Palavras-Chave: Varejo. Consumidor. Merchandising.Comunicação."

Transcrição

1 COMUNICAÇÃO NO PONTO DE VENDA: UM ESTUDO COM CONSUMIDORES EM SUPERMERCADOS João Luiz Gilberto de Carvalho 1 Lucas Francisco Ventura da Silva 2 RESUMO Para que as empresas obtenham sucesso e mantenham-se competitivas no mercado varejista, precisam inovar e investir em ações de comunicação realizadas no ponto de venda. No varejo, o contato com o consumidor é constante e as ações de comunicação devem ser pautadas nas características e no perfil dos clientes. O presente trabalho buscou levantar informações quanto a opinião do consumidor em relação às ações de merchandising realizadas em supermercados do município de Cambé, Estado do Paraná. Foi realizada pesquisa quantitativa e descritiva, com aplicação de 204 questionários, respondidos por consumidores. Na análise dos dados, pode-se notar que as ações de comunicação aproximam a empresa do consumidor e influenciam diretamente na decisão de compra. Pode-se considerar com isto que o merchandising é um conjunto de atividades altamente influente no momento da compra. Palavras-Chave: Varejo. Consumidor. Merchandising.Comunicação. ABSTRACT For companies to achieve success and stay competitive in the retail market, they need to innovate and invest in communication actions taken at point of sale. In retail, the contact with the consumer is constant and communication actions must be guided by the characteristics and customer profiles. This study aimed to gather information about consumer opinion regarding merchandising actions taken in supermarkets in the city of Cambé, Parana State. Quantitative and exploratory research was carried out with application of 204 questionnaires answered by consumers. In the data analysis, it can be noted that the communication actions directly influence the buying decision. It can be considered by this that the merchandising is a set of highly influential activities at the time of purchase and the company's relationship with the consumer. Keywords: Retail. Merchandising.Communication. 1 USP Universidade de São Paulo (Brasil) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEAUSP) Programa de Pós-Graduação em Administração Faculdade Catuaí de Cambé, Paraná (Brasil) Curso de Administração 2 Faculdade Catuaí de Cambé, Paraná (Brasil) Curso de Administração

2 1 INTRODUÇÃO O objetivo da comunicação no ponto de venda é geralmente melhorar a imagem do produto, com uma técnica de comunicação bem elaborada e dirigida a um determinado público alvo, torna-se capaz de convencer e despertar desejos para o consumo nos mais diversos tipos de produtos e serviços. É importante para as grandes organizações saber a importância da comunicação no ponto de venda, pois isto influencia o consumo de seus produtos, por se perceber esta influência, muitos estudiosos desenvolveram pesquisas neste campo. O marketing procura criar comunicação entre a empresa e o cliente, assim a empresa consegue obter uma resposta imediata do cliente e com isto realiza a venda dos seus produtos. A comunicação no ponto de venda é mais conhecida pelos estudiosos em marketing como merchandising que é uma ferramenta de grande importância nos resultados de vendas. Observa-se que a maioria dos consumidores vai ao supermercado, e decidem o que comprar no local de venda, sendo influenciados, na maioria das vezes, pelos materiais de divulgação como, promotoras de abordagem e promoção disponibilizadas nas áreas de vendas. O merchandising bem executado dentro de um ponto de venda pode ser uma vantagem competitiva para as empresas, pois sabe que é no momento da compra, que as técnicas e os materiais de merchandising podem efetuar um papel fundamental para execução das vendas. Este trabalho identifica quais as principais ações de comunicação que influenciam os consumidores no ponto de venda. A metodologia que foi utilizada no trabalho engloba uma revisão do conhecimento teórico existente sobre varejo, merchandising e o comportamento dos consumidores. Apresenta-se, portanto, como objetivo geral deste artigo: identificar as principais ações de comunicação no ponto de venda que influenciam o processo de compra dos consumidores em supermercados, na cidade de Cambé/PR. Além disso, foi levantado o perfil demográfico dos consumidores do setor supermercadista, suas características comportamentais, suas opiniões a respeito de ações de comunicação no ponto de venda e o nível de lembrança dos consumidores quanto às ações de propaganda realizadas no setor supermercadista.

3 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Varejo Segundo Kotler (1998, p. 493), o varejo inclui todas as atividades relativas a venda de produto ou serviço, cujo seu cliente está diretamente relacionado ao consumidor final, para seu uso pessoal. Qualquer empresa que vende seus bens ou serviços para o consumidor final seja ela um fabricante, distribuidor/atacadista ou mesmo varejista está executando atividade de varejo, e não importa como os produtos ou serviços são vendidos, pessoalmente, pelo correio, telefone, internet ou máquina automática ou onde são vendidos, em uma loja, na rua ou na residência do consumidor. Parente (2009, p. 15) ressalta que o ritmo de globalização tornou-se intenso no varejo brasileiro, e que nas últimas décadas grandes empresas estrangeiras vieram para o Brasil, com atividades próprias ou associadas com grupos brasileiros. Afirma também que nas próximas décadas, certamente muitas das atuais lojas de varejo deixarão de existir, várias empresas varejistas desaparecerão e muitas outras surgirão. O varejo é certamente uma das atividades empresariais que vem atravessando maior ritmo de transformação, respondendo às modificações do ambiente tecnológico, econômico e social em que está inserido. 2.2 Comportamento do Consumidor Para Dias (2006, p. 41), a mudança no comportamento do consumidor vem aumentando nas últimas três décadas, com as revoluções tecnológicas. As variações comportamentais das pessoas como suas necessidades, seus desejos e estilo de vida passaram a ser o foco principal do marketing. O foco no tipo de cliente serve como base para um melhor planejamento de mídia, propaganda, preço e estratégias de comercialização mais adequadas a seus produtos. Segundo Sampaio (2003, p. 78), o consumidor tem se tornado muito mais exigente na hora de decidir sua compra, e se antes ele se impressionava com os anúncios na televisão, hoje eles se preocupam em saber se a reputação da empresa tem qualidade do anúncio. O que importa é saber a verdade do produto e não a história que as empresas contam com relação à verdade, antes ninguém comprava produtos com cara ruim, hoje ninguém quer comprar em lojas aonde o dono ou sua equipe de vendas têm a cara ruim, ou seja, os tempos mudaram. Engel, Blackwell e Minard (2000, p. 23) definem comportamento do consumidor como aquele que compreende as atividades diretamente envolvidas na obtenção,

4 consumo e descarte de produtos e serviços, incluindo o processo de decisão que precede e segue estas ações. As decisões realizadas pelos consumidores, como: pagar, comprar, usar produtos e serviços e descartá-los; são atividades mentais e físicas. Em relação a isso, as atividades mentais são todas aquelas relacionadas ao processamento de informações e de tomada de decisão do produto, ou seja, um caráter predominante psicológico. Dentre elas, avaliar a marca, inferir qualidade a partir de um anúncio, escolher um produto dentre diversas alternativas, avaliar experiências de consumo e decidir a melhor forma de descarte. As atividades físicas, por outro lado, são aquelas envolvidas no deslocamento, esforços físicos e gastos de energia, do consumidor relacionado à compra, consumo e descarte. Já as sociais são relacionadas às interações entre as pessoas nos processo de compra, consumo e descarte Fatores que influenciam no comportamento de compra Dias (2006, p. 45) afirma que, para as empresas ter maior eficácia em sua influência sobre o consumidor, um dos desafios dos especialistas em marketing é analisar os vários fatores que influenciam o comportamento de compra do cliente. O mesmo autor (2006, p. 51) ainda ressalta fator cultura como um dos elementos mais importantes no comportamento de uma sociedade. A cultura é um conjunto de crenças e valores que fazem parte da sociedade, que é passada por meio de gerações, e influenciam nos hábitos de consumos das pessoas. Conforme afirmação de Kotler (1998, p. 163), a classe social desempenha papel importante de influência no comportamento. Para Kotler (1998, p. 167), afirma que o comportamento do consumidor também é influenciado pelos fatores sociais, como: grupos de referência, família e papéis sociais. Dias (2006, p. 61) opina que estes grupos compartilham de crenças, valores e desejos, influenciando no comportamento de compra e servindo como ponto de referência para as escolhas. Kotler (1998, p. 168) afirma que os fatores pessoais são bastante influentes na decisão de compra do indivíduo, que incluem idade e o estágio de ciclo de vida, ocupação, situação econômica, estilo de vida, personalidade e autoestima O processo de compra Segundo Kotler (1996, p. 123), a partir do momento que o indivíduo decide adquirir um produto, o consumidor passa por algumas sequências definidas em cinco estágios que

5 2.3 Marketing no varejo REVISTA GESTÃO DO CONHECIMENTO: DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO são: o despertar da necessidade, a procura de informação, a avaliação de informação, a decisão de compra e as sensações pós compra. E durante esses processos, os especialistas em marketing podem influenciar no comportamento do indivíduo, utilizando as ferramentas apropriadas para tanto. Segundo Semenik e Bamossy (apud CARVALHO, 2004, p.114), é de grande importância a escolha do ponto de venda, que deve ser determinada pelo mercado alvo que o proprietário deseja busca. O ponto de venda deve estar em local que propicie conveniência aos seus consumidores-alvo e torna-se assim fundamental para proporcionar satisfação e atrair consumidores. Para Parente (2009, p. 325), a escolha da localização, irá influenciar a atratividade da loja junto aos consumidores de sua área de influência, assim tornando-se o fator determinante para seu futuro volume de vendas. Uma escolha errada de localização pode significar um enorme prejuízo para o proprietário, mas por outro lado, a escolha certa de um ponto de venda torna-se o pré-requisito para uma operação bem-sucedida e rentável, assim ajuda a assegurar um retorno satisfatório sobre o investimento realizado. Parente (2009, p. 362) afirma que o varejo, desenvolve uma atividade de interação entre pessoas, onde de um lado são os clientes e do outro os colaboradores do varejista. Ter uma equipe de funcionários bem treinada e motivada e ter o patrimônio mais valioso da empresa. Por eles terem esta importância, os dirigentes varejistas dão uma atenção maior para este capital humano, uma administração dos recursos humanos adequada inicia-se no recrutamento e na seleção dos funcionários e engloba muitas outras atividades como supervisão, treinamento, renumeração, avaliação e motivação da equipe. 2.4 Merchandising Segundo Blessa, (2003, p. 21), a palavra inglesa merchandising significa mercadorias e negociante, assim pode-se traduzir merchandising como operação com mercadorias. Para a autora, merchandising hoje é algo que procura acompanhar o ciclo de vida de um produto, desde a adequação de sua imagem para o ponto de venda até o acompanhamento de seu desempenho diante dos consumidores. A comunicação no ponto de venda ou merchandising é o conjunto dos instrumentos de comunicação, promoção, demonstração e exposição do produto no ponto de venda, visando estimular a compra imediata pelo consumidor, engloba as seguintes atividades: a) Exposição do produto: display,

6 stands, prateleiras, pilhas de produtos; b) Comunicação: folhetos, cartazes, pôsteres, e; c) Promoção: demonstradores, degustadores, sorteios e distribuição de brindes. A autora afirma que o merchandising é responsável pela apresentação destacada de produtos nas lojas, criando espaço e visibilidade, de maneira tal que acelere sua rotatividade. Blessa (2003, p. 63) também opina que a demonstração, possibilita o consumidor conhecer e avaliar bem de perto o produto. O contato pessoal no ponto de venda é muito eficaz. Com uma promotora de vendas bem treinada, demonstrando um bom produto, consegue alavancar suas vendas em aproximadamente 40%. Segundo a autora (2003, p. 67), as empresas vêm buscando cada vez mais aumentar seus espaços nos ponto de venda além de manter seus espaços originais, estão sempre em busca de pontos extras que são chamados de ilhas, pontas de gôndolas entre outras. Para Lupetti (2003, p. 56), o espaço no ponto de venda que os produtos ocupam nas prateleiras e pontas de gôndolas fazem aumentar ou diminuir as vendas. Quanto maior o espaço no ponto de venda, maior à visibilidade do produto, sendo assim melhor os resultados de vendas. Para Blessa (2003, p. 64), o ponto extra é um local onde o produto é exposto por tempo limitado no máximo de 30 dias, acima deste prazo ele deixará de ser novidades e um atrativo. O ponto extra deve estar sempre localizado em áreas de maior tráfego de clientes, assim tendo o objetivo de destacá-lo dentro da loja além de sua posição normal. De acordo com Lupetti (2003, p. 55), a degustação proporciona bons resultados nos setores alimentícios e de bebidas. Pois o consumidor prova o produto no ponto de venda e decide a compra. Blessa (2003, p. 66) ressalta que na degustação geralmente são usados balcões especiais ou bandejas com demonstradoras treinadas, que servem uma amostra para os consumidores do produto promovido. Uma ação bem sucedida pode alcançar os 49% de acréscimo de vendas. De acordo com Zenone (2005, p. 245), os materiais de merchandising no ponto de venda costumam lembrar e informar aos consumidores à mensagem publicitária vista por eles antes de entrar na loja, tem como objetivo principal chamar a atenção do cliente na hora em que o mesmo vai efetuar suas compras, muito materiais de merchandising têm o objetivo de adquirir pontos extras de vendas. Para Blessa (2003, p. 67), os displays têm como função colocar em evidência o produto. Tendo uma aparência onde vários produtos se integrem, mas que também se descriminem no ambiente, atraindo a atenção do público. Segundo Zenone (2005,

7 p. 246) display é uns dos materiais de merchandising de maior destaque no ponto de venda, sendo utilizado para promover, apresentar, expor, demonstrar e ajudar a vender o produto ou serviço, podendo ser colocado no chão, vitrine, no balcão ou na gôndola. Os cartazes, de acordo com Zenone (2005, p. 260), são geralmente utilizados em gôndolas, pontos extras e locais de fácil visualização na loja. Contém informações ou imagens do produto, para melhor visualização do consumidor. Blessa (2003, p. 70) ressalta que os cartazes com mensagens de um produto tem como objetivo atrair a lembrança do consumidor, como por exemplo, cartaz de carrinho. Também utiliza esta ferramenta para destacar preços que estão com um custo diferenciado do seu valor normal de venda, ou seja, oferta. Blessa (2003, p. 73) explica que stoppers são sinalizadores feitos de papelão ou plástico encaixados nas pontas das prateleiras, como orelhas para fora da gôndola. São percebidos a distância pelo consumidor se forem atrativos, funcionais e, se desenhados corretamente. Alguns chamados de wobblers possuem uma lingüeta plástica e transparente dando certo balanço a peça com o deslocamento do ar e que com este movimento chama ainda mais a atenção. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 3.1 Tipo de pesquisa Para responder ao problema proposto, foi realizada uma pesquisa quantitativa e descritiva, tendo como objetivo saber se os consumidores são influenciados pela comunicação nos supermercados da cidade de Cambé/ PR. Para Marconi e Lakatos (2002), o método quantitativo descritivo tem a função de delinear características ou analisar formas e características de fatos, fenômenos, avaliação de programas, ou isolamento de variáveis principais ou chave. A ideia principal, de acordo com os autores, é fornecer dados para verificação de hipóteses, todos eles utilizam técnicas como entrevistas, questionários, formulários para a coleta de dados em populações, programas, ou amostra de populações e programas. 3.2 População e Amostra A população da pesquisa refere-se aos consumidores de alimentos que frequentam os supermercados Super Muffato, Almeida, Super Golf e outros como: Viscard,

8 Tubarão, Dona Maria, Balestra, Santa Ângela, Miliozzi, Paraty, Spinassi e Veneza, localizados na região de Cambé/PR. Ressalta-se, porém que esta amostra é somente destas lojas situadas na cidade de Cambé- PR. Segundo o caderno estatístico do município de Cambé do ano de 2010 feito pelo IPARDES (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social), a população de Cambé está estimada em pessoas, mas a aplicação do mesmo deu-se em um universo de consumidores economicamente ativos de acordo com as informações do caderno estatístico do município de Cambé. A amostragem pode ser considerada não probabilística, por conveniência e acessibilidade. Sobre este tipo de amostragem, Gil (2008, p. 95) ressalta o pesquisador seleciona os elementos a que tem acesso, admitindo que estes possam, de alguma forma, representar o universo. Foi utilizada nesta pesquisa uma margem de erro de 7%, sendo aplicado questionário fechado junto ao público. Utilizando a fórmula proposta por Berni (2002), obteve-se a amostra de 204 pessoas entrevistas. 3.3 Instrumento de Pesquisa Para a realização desta pesquisa, foi aplicado um questionário com um total de 24 questões objetivas e fechadas, de fácil entendimento para os entrevistados. São apresentadas a seguir, em forma de tabela, as principais questões que auxiliam na resposta do objetivo do presente artigo. Vale destacar que todas as questões foram direcionadas aos objetivos propostos neste trabalho, com o intuito de identificar a influência da comunicação no ponto de venda, na decisão de compra dos consumidores de alimentos da cidade de Cambé-PR. 3.4 Método de coleta de dados A princípio foi realizado um pré-teste no dia 4/9/2014 com 10 consumidores, no estacionamento do Super Muffato, não sendo necessária nenhuma alteração, a pesquisa prosseguiu. Sendo aplicados 36 questionários no estacionamento da loja Almeida no dia 6/9/2014, no dia 7/9/2014, mais 32 questionários no Super Muffato, no mesmo dia foram coletados 18 questionários na loja Super Golf. Dando continuidade à pesquisa, os questionários voltaram a ser aplicados no dia 12/9/2014, no supermercado Super Golf, no estabelecimento foram aplicados 56 questionários. Para finalizar a pesquisa, foram aplicados 62 questionários no centro do município, buscando um público diversificado.

9 3.5 Limitação do Método Foi considerada limitação a indisposição dos clientes em responder ao questionário por falta de tempo, visto que o maior fluxo de consumidores no supermercado, que foi conveniente para aplicação da pesquisa, foi próximo ao horário de almoço e após as 19 h até o fechamento. Hora essa que os mesmos sempre procuram agilidade. Limitou-se também a pesquisa ser realizada após o cliente ter efetuado suas compras, conforme imposto pelo gerente ou responsáveis pelas lojas, o que também fez com que o consumidor indicasse pressa. Segundo Vergara (2000 p. 46), todo método tem probabilidades e limitações, que podem interferir ou afetar o objetivo em estudo que devem ser levadas em considerações. É saudável antecipar as críticas que o leitor poderá fazer ao trabalho, explicando quais as limitações que o método escolhido oferece, mas que justificam as finalidades da investigação. 4 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS 4.1 Tabulação dos dados Tabela 01: Frequência de ida ao supermercado Semanalmente ,9 Diariamente 34 16,7 Quinzenalmente 34 16,7 Mensalmente 24 11,7 Analisando a tabela 01 nota-se que 54% dos entrevistados vão ao supermercado semanalmente, já 16% frequenta o supermercado diariamente e também 16% dos entrevistados afirmaram ir quinzenalmente ao supermercado, ou seja, 88% dos entrevistados efetuam no mínimo duas compras no mês, o que permite que os supermercados trabalhem com dois períodos de vendas, um no começo do mês que é o pagamento e outro no meio no mês que é o vale, na maioria das vezes são os mesmos clientes que vão voltar para complementar a compra do mês.

10 Para Dias (2006, p. 41), a mudança no comportamento do consumidor vem aumentando nas últimas três décadas, com as revoluções tecnológicas. As variações comportamentais das pessoas como suas necessidades, seus desejos e estilo de vida passaram a ser o foco principal do marketing. O foco no tipo de cliente serve como base para um melhor planejamento de mídia, propaganda, preço e estratégias de comercialização mais adequadas a seus produtos. Este comportamento do consumidor em frequentar o supermercado duas vezes ao mês, permite às lojas fazerem algumas ações de marketing para alavancar as vendas nesses dois períodos de maior movimento. E durante os dias de menos movimento pode-se focar mais em ofertas, tentar negociar com os fornecedores melhores preços, pois o consumidor procura por bom preço, assim o fornecedor e o varejista conseguem manter um maior volume de vendas o mês inteiro, fortalecendo a parceria entre ambos. Tabela 02: Tempo médio de permanência na loja De 21 a 40 minutos 82 40,2 De 10 a 20 minutos 56 27,5 De 41 a 59 minutos 34 16,7 De 1 a 2 horas Acima de 2 horas ,3 5,3 Conforme os dados da tabela 02, percebe-se que a maioria dos consumidores permanecem na loja de 10 a 40 minutos com cerca de 68% da amostra. O tempo que o consumidor gasta para efetuar suas compras é relativamente curto, conforme mostra a pesquisa, e é importante que os estabelecimentos tenham ações de merchandising regradas a este tempo, fazendo com que o consumidor perceba as ações de comunicação sem onerar sua rotina dentro da loja com a qual está acostumado. Atrelando o tempo curto a ações bem planejadas, estimula-se a compra por impulso, na qual o consumidor recebe o estímulo e compra o produto. Mesmo que o consumidor permaneça em um tempo curto no supermercado, o mesmo poderá gastar um valor de compra alto, assim ficam importante ações que sejam de fácil compreensão e estrategicamente expostas pelo ambiente da loja. Para Churchill Jr e Peter (2000, p. 65), os especialistas em marketing, responsáveis nas empresas por entender e atender os mercados, devem conhecer as

11 características do comportamento do consumidor para poder atendê-los e incentivá-los quanto as suas decisões de compra. Além disso, devem considerar que o consumidor não é só influenciado pelas ações de marketing, mas também por influências sociais. Assim, eles precisam entender e identificar quem realiza quais processos, quem desempenha determinado papel, por que determinados processos ocorrem da maneira como ocorrem, quais características dos próprios clientes determinam seu comportamento, que fatores ambientais influenciam seu comportamento. Tabela 03: Elabora uma lista de compras Nunca 88 43,2 Às Vezes 78 38,2 Sempre 38 18,6 Fonte: questionários aplicados Analisando a tabela 03, verifica-se que 43% dos entrevistados nunca elaboram uma lista de compra, 38% às vezes e 18% sempre elabora uma lista de compra. Estes índices podem sofrer ruídos nas respostas devido ao formato de pesquisa. Na entrevista com os participantes da pesquisa, pode-se notar um alto número de pessoas que atribuiu à resposta como às vezes elabora lista de compras, isto pode caracterizar uma resposta induzida pela forma de abordagem, em que o participante pode expelir uma resposta em virtude da situação, fazendo com que os números não expressem necessariamente a ação praticada por ele no cotidiano. É no ato da compra que os consumidores recebem influências, pois é nesse momento que se desperta nele um desejo uma motivação para atender a sua necessidade. Cada consumidor em seu processo de compra identifica-se com sua necessidade, ou seja, a identificação com essa necessidade ocorre quando um produto ou serviço atende as suas expectativas fazendo o consumidor comprar. Segundo Dias (2006, p. 77), são vários os fatores sentidos que se acionam no momento em que surge a necessidade de compra, até o momento final da aquisição do produto ou serviço. Alguns autores tentam explicar as variáveis que influenciam no comportamento de compra do cliente. Entre estes estudos, a escola behaviorista faz uma análise dos comportamentos mercadológicos, desde o processamento das informações até o

12 processo de decisão do consumidor, enquanto outros modelos, de visão mais sistêmica, levam em consideração o comportamento do cliente por meio de estímulos sofridos. Cobra (1997, p. 44) ressalta que na escola cognitiva o ser humano é movido à base de estímulos, ajudando a atingir o alvo, enfatiza que o comportamento humano é dirigido a metas e propósitos e a motivação é vista como uma tendência a mover as pessoas às metas desejadas. Dias (2006, p. 78) afirma que é por isto que os fatores que são acionados no momento da compra, são de extrema importância para os especialistas em marketing, que têm a função de usar estratégias de comunicação para atingir valor a determinadas marcas, fidelizando os seus clientes. Percebe-se que este fato, mostra que os supermercados devem estar preparados para incentivar os clientes a comprar por impulso. Tabela 04: Compra somente o que está na lista Nunca ,7 Às Vezes Sempre 12 5,9 Fonte: questionários aplicados Verificando as informações expostas na tabela sobre o consumidor comprar somente o que esta na lista, é possível concluir que os consumidores quase nunca compram só o que está na lista, com o percentual de 94% dos entrevistados. Analisando em conjunto com a tabela 03 de elaboração de lista de compra, verifica-se que, mesmo os clientes fazendo uma lista de compra, são estimulados a comprar outros produtos, este fato pode ser atribuído às ações de merchandising que a loja usa para atrair a atenção dos clientes fazendo com que eles comprem por impulso, assim fazem com que o cliente gastem além do planejado. Um trabalho bem feito com materiais de merchandising de fácil montagem, com um bom entendimento por parte do consumidor, será traduzido em vendas com toda a certeza. Os materiais têm de ser expostos de forma objetiva e que deixem bem claro o preço do produto. Para ela, quem está envolvido nesse processo tem que saber muito sobre o uso desses materiais e ter a noção de que eles irão impactar nas vendas, algo que hoje ainda não acontece de maneira eficiente, pois muitos profissionais não investem nisso pela falta de conhecimento e acesso aos números que comprovam tais vendas.

13 Tabela 05: Verifica se a loja oferece encartes de ofertas Às Vezes 91 44,6 Sempre 80 39,2 Nunca 33 16,2 Segundo as informações da tabela 05, sobre a verificação se a loja oferece algum tipo de encarte de oferta, percebe-se que dos 204 entrevistados total da amostragem pesquisada, 80 pessoas disseram que sempre verificam, representando cerca de 39% do total, já 91 pessoas entrevistadas falaram que às vezes verificam se a loja oferece encartes, o que representa 44% da amostragem. Isso demonstra ser um fato muito importante para as empresas, que devem investir neste material, pois a maioria dos clientes, cerca de 84% da amostra, verificam a existência desta ferramenta. Conforme Blessa (2003, p. 21), merchandising hoje é algo completo que procura acompanhar o ciclo de vida de um produto, desde a adequação de sua imagem para o ponto de venda até o acompanhamento de seu desempenho diante dos consumidores. Tabela 06: Compra produtos que estão nos encartes Às Vezes ,2 Nunca 37 18,1 Sempre 30 14,7 Analisando a tabela 06, nota-se que quando questionados sobre a compra dos produtos que estão no encarte ou jornal de ofertas da loja, 14 % afirmaram que sempre compram e 67 % disseram às vezes e 18% nunca. É possível concluir que este material de merchandising traz um baixo retorno para a loja, alguns dos entrevistados relataram que nem todos os produtos que a loja anuncia no encarte são de ofertas, sendo que o mesmo é só procurado pelos clientes para que eles possam verificar as ofertas. Contradizendo a premissa, percebe-se que nem todos os encartes disponíveis nos pontos de venda apresentam as ofertas, e muitas vezes apenas mostram produtos aleatórios e seus respectivos preços, desta forma o consumidor não adquire

14 sempre os produtos do encarte visto que nem sempre este mostra o valor mais vantajoso. Outra função do encarte é ajudar o cliente a encontrar os produtos com maior agilidade. De acordo com Zenone (2005, p. 245), os materiais de merchandising no ponto de venda costumam lembrar e informar aos consumidores à mensagem publicitária vista por eles antes de entrar na loja, tem como objetivo principal chamar a atenção do cliente na hora em que o mesmo vai efetuar suas compras, muito materiais de merchandising têm o objetivo de adquirir pontos extras de vendas. Tabela 07: Na fila do açougue fica olhando os cartazes de ofertas Sempre ,9 Às Vezes 61 29,9 Nunca 27 13,2 Na tabela 07, nota-se que entre os 204 consumidores entrevistados sobre a visualização dos cartazes do açougue, 116 pessoas declararam que sempre ficam olhando os cartazes, percebe-se que este material traz um melhor resultado para a loja porque é realmente visualizado pelos consumidores, pois, de acordo com o questionário aplicado, 86% visualizam este material de merchandising. No momento em que o consumidor está esperando em uma fila, ele fica, por consequência, mais sujeito a receber estímulos visuais e sonoros, devido a esta situação na qual sua tarefa primordial(compra) não está sendo realizada. Segundo Zenone (2005, p. 260), cartazes são geralmente utilizados em gôndolas, pontos extras e locais de fácil visualização na loja. Contêm informações ou imagens do produto, para melhor visualização do consumidor. Blessa (2003, p. 70) ressalta que os cartazes com mensagens de um produto tem como objetivo atrair a lembrança do consumidor, como por exemplo, cartaz de carrinho. Também utiliza esta ferramenta para destacar preços que estão com um custo diferenciado do seu valor normal de venda, ou seja, oferta. É possível concluir que este material de merchandising traz um excelente retorno para a loja, pois ele é utilizado de diversas maneiras como atrativo para os clientes, aviso de produtos com preços diferenciados e decorador de loja.

15 Tabela 08: Costuma comprar os produtos que estão nas ilhas Às Vezes ,0 Sempre 26 12,7 Nunca 23 11,3 A tabela 08 buscou identificar se os consumidores compram os produtos expostos nas ilhas, 76% dos consumidores entrevistados declararam que às vezes compram, 12% sempre e 11% nunca. Assim, nota-se que as ilhas são técnicas de comunicação bem eficientes para aumentar a venda de um produto dentro da loja, por serem montadas em local de maior fluxo da loja e com livre acesso aos quatro lados da exposição, transformando-se em um grande ponto de venda, expondo de maneira que os produtos fiquem mais visíveis. Segundo Blessa (2003, p. 67), as empresas vêm buscando cada vez mais aumentar seus espaços nos ponto de venda, além de manter seus espaços originais, estão sempre em busca de pontos extras que são chamados de ilhas, pontas de gôndolas entre outras. Tabela 09: Depois de degustar este produto você compra Às Vezes ,9 Nunca 79 38,7 Sempre 9 4,4 A tabela 09 permite verificar o comportamento dos consumidores sobre a compra dos produtos degustados dentro da loja, dos consumidores entrevistados, 4% responderam que sempre compram estes produtos e 56% afirmaram às vezes. Embora nem sempre as pessoas comprem, certamente lembrarão do produto quando virem em outro estabelecimento podendo comprar já que puderam experimentar, para o fabricante é uma boa forma de fixar sua marca no mercado, e também essa ação de merchandising normalmente é feita quando o produto possui pouco giro no mercado, e não tem nenhum custo para o supermercado, sendo o fornecedor quem paga todas as despesas. Lupetti (2003 p. 54) complementa que no lançamento de um novo produto, as equipes de promotores auxiliam, informando e demonstrando equipamentos para os consumidores. Blessa (2003 p. 63) opina que a demonstração, possibilita o consumidor

16 conhecer e avaliar bem de perto o produto. O contato pessoal no ponto de venda é muito eficaz. Com uma promotora de vendas bem treinada, demonstrando um bom produto, consegue alavancar suas vendas em aproximadamente 40%. Tabela 10: Compra algum produto que se encontra nos caixas Às Vezes ,8 Sempre 46 22,5 Nunca 32 15,7 Segundo a tabela 10, sobre a compra de produtos que estão expostos nos caixas, dos 204 entrevistados 126 pessoas declararam que às vezes efetuam a compra dos produtos expostos naquele local representando cerca de 61% do total, já 46 pessoas disseram que sempre compram representando 22% da amostra e 15% nunca compram. Neste caso pode-se concluir que os produtos expostos neste local têm uma venda considerável para loja, pois cerca de 84% dos entrevistados afirmaram comprar o produto pelo fato da exposição diferenciada que chama a atenção, visando estimular a compra imediata pelo consumidor ou pelos próprios produtos que são colocados nestes locais, que geralmente são produtos de consumo imediato. Exemplo: bebida gelada de tamanho pequeno, chocolates 20g, salgadinhos, amendoim, balas e goma de mascar etc. Outro fato importante sobre os produtos expostos nos caixas é a maior visibilidade que ele terá, por estar exposto no seu ponto natural de venda que é seção e por estar em pontos adicionais que são as minigôndolas de caixas, hoje, as empresas buscam aumentar seus espaços dentro das lojas, porque quanto maior o espaço do produto na loja, maior a visibilidade do produto, sendo assim melhor os resultados de vendas. Para Lupetti (2003, p. 56), o posicionamento do produto interfere nas vendas, principalmente na altura em que o produto é exposto, a melhor posição e a da altura dos olhos do consumidor, e o pior posicionamento é embaixo na ultima régua da prateleira também conhecido como rodapé. Segundo Blessa (2003, p. 67), a exposição de mercadorias na loja, precisa ter quatros objetivos: separação, visibilidade, acessibilidade, disponibilidade. Os planogramas de exposição são projetados para explorar ao máximo as tendências de compra e os espaços.

17 Geralmente, os produtos que se encontram nos caixas são negociados pelas empresas que produzem ou distribuem-nos, eles pagam para ter o produto deles expostos naquele local e também são os fornecedores que disponibilizam os materiais como a geladeira para as bebidas e as minigôndolas, sendo assim um investimento que traz melhores resultados nas vendas. Tabela 11: Percebe algum tipo de propaganda sendo anunciada na loja Às Vezes ,9 Sempre 52 25,5 Nunca 40 19,6 Segundo a tabela 11, é possível concluir que as propagandas que são anunciadas na loja representam uma ação de comunicação de média visualização pelos consumidores, pois verificou-se que, dos consumidores entrevistados, 54% às vezes percebe algum anúncio, 25% sempre e 19% nunca. Segundo Kotler (1998, p. 175), a percepção é diferenciada de uma pessoa para outra em relação a um mesmo objeto, está relacionada, a três processos associados à percepção. Atenção seletiva: o cliente tem uma maior percepção por produtos ou serviços que satisfaçam suas necessidades no momento que a vive. Distorção seletiva: a percepção do cliente é voltada para os produtos que ele já tinha a intenção de adquirir, assim não retém os pontos negativos. Retenção seletiva: as mensagens positivas fixadas na mente sobre o produto prevalecerá na hora de adquirir os produtos diante dos demais. É possível concluir que este tipo de ação é de média percepção, alguns entrevistados relataram que é difícil de entender para qual produto a propaganda está se referindo, devido ao anúncio ser feito por meio de canção, assim o consumidor não consegue entender, e também não diferencia a propaganda com o som ambiente da loja. Geralmente quem desenvolve a propaganda são os fabricantes, que depois fazem uma parceria com os supermercados para poderem anunciar dentro da loja, pelo sistema de som, para sinalizar o cliente que naquela loja ele vai encontrar o produto. Talvez isto indique que há uma falta de planejamento em algumas dessas ações de propaganda realizadas no setor supermercadista, pois o objetivo da propaganda é melhorar a imagem e também ajudar na comunicação, sendo assim uma propaganda bem elaborada é capaz de convencer o consumidor a comprar.

18 Tabela 12: Lembrança das ofertas anunciadas pelo alto falante Nunca 94 46,1 Às Vezes 84 41,2 Sempre 26 12,7 Verificando as informações expostas na tabela 12 sobre o consumidor lembrar das ofertas anunciadas pelo alto falante da loja, 46% afirmaram que nunca lembram. A percepção varia de uma pessoa para a outra, podendo ser positivas e nem tão significativas para outras, e diante das muitas informações que as pessoas recebem no cotidiano, é normal ignorar algumas. É possível concluir que esta ação feita pela loja não é muito eficiente, segundo o questionário a maioria dos consumidores nunca lembra das ofertas, talvez um dos motivos, deve estar atrelado ao fato do consumidor ir ao supermercado com pressa, na tabela 04 constatou-se que o consumidor gasta de 10 a 40 minutos para efetuar suas comprar, devido a este tempo curto de permanência o consumidor acaba não percebendo as ofertas sendo anunciadas. As propagandas no setor supermercadistas são vinculadas por meio de estimulo sonoro, e tendem a sofrer mais ruídos de comunicação do que outros meios, por esta razão é essencial que a produção da propaganda seja realizada com qualidade e que quando vinculada no estabelecimento, tenha um volume audível de forma clara. Propagandas ao vivo (em que as ofertas são anunciadas simultaneamente à transmissão) sofrem ainda mais com este ruído por diversos fatores, entre os quais pode-se elencar: qualidade do equipamento, dicção do interlocutor, barulhos diversos no ambiente, entre outros. Tabela 13: Gênero Feminino ,2 Masculino 69 33,8 A tabela 13 mostra que 66% dos entrevistados pertencem ao sexo feminino e 33% ao sexo masculino. Analisando esses dados, conclui-se que a tarefa de compra é

19 dividida em casa e quem fica com essa tarefa é aquele que tem a decisão por produtos de sua preferência. Tabela 14: Faixa etária De 19 a ,1 De 26 a ,6 De 37 a 47 De 48 a 58 Acima de ,7 6,4 3,4 De 15 a ,8 Verificando as informações expostas na tabela 14 sobre a idade dos consumidores que frequentam os supermercados de Cambé, é possível concluir que os consumidores são compostos pelo público jovem, já que 79% dos entrevistados têm idade entre 19 e 47 anos. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com base nos dados levantados, com os consumidores dos supermercados localizados na cidade de Cambé, constatou-se que a amostra em sua maioria são mulheres, com idade entre 20 a 36 anos, tendo sua renda familiar entre R$ 2.500,00 a R$ 3.500,00, quanto ao grau de instrução, observa-se que a metade dos entrevistados concluiu o ensino médio e segue estudando, está cursando ou já concluiu o ensino superior. Quanto ao objetivo específico de identificar características comportamentais dos consumidores em relação a: frequência de compra, principais lojas utilizadas, ticket gasto, tempo de permanência na loja, formas de deslocamento até a loja, tem-se que o mesmo foi alcançado. Das pessoas ouvidas, a maior parte frequenta a rede Super Golf, a maioria dos entrevistados se desloca ao supermercado de carro, os consumidores de Cambé frequentam os supermercados em média de duas vezes ao mês e a maioria dos entrevistados permanece nas lojas de 10 a 40 minutos, a pesquisa aponta que a maioria dos entrevistados gasta de R$ 10,00 a R$ 100,00. Quanto ao objetivo específico de verificar a opinião dos consumidores a respeito das ações de comunicação no ponto de venda: degustações, premiações, ações de merchandising, encartes, atendimentos, pode-se concluir que os consumidores percebem as

20 iniciativas de comunicação no ponto de venda dos supermercados e elas realmente lhe chamam a atenção, mesmo que inconscientemente. Deste modo, as ações de comunicação permitem que os supermercados comuniquem-se com o público alvo, informando sobre seus produtos ou sua simples existência, embora nem sempre as pessoas comprem o produto, mesmo assim essa prática torna-se necessária para as organizações fixarem sua marca no mercado. Foi possível perceber que as ações de comunicações exercem forte influência sobre os consumidores, alguns se mostram mais atraídos pelos cartazes que indicam ofertas, 56% dos consumidores entrevistados afirmaram que sempre visualizam os cartazes, isso indica que esta ferramenta pode ajudar nas vendas. Apresentar encarte ou jornal de oferta na entrada da loja também é uma ação de merchandising que influencia o consumidor a comprar, 84% dos entrevistados afirmaram que procuram este material para verificar as ofertas. Outros são influenciados por produtos com os quais esteja sendo feita uma demonstração no supermercado, como a degustação do produto, 69% dos entrevistados disseram que degustam os produtos no ponto de venda, embora nem todos comprem o produto degustado, mas se lembram do produto quando o virem novamente, isto é, importante para o fabricante, saber que o consumidor já conhece seu produto. Outra ação de merchandising que influencia na hora da compra são os produtos de compra por impulso ou promoção, que ficam expostos perto dos caixas, 84% afirmaram comprar estes produtos. As ilhas e as pontas de gôndolas são ações que despertam no consumidor o desejo de consumo e isso leva o consumidor a comprar por impulso, é este tipo de reação que as ações de merchandising buscam nos consumidores, estes pontos extras como ilhas ou ponta de gôndolas são uma das ações que mais chamam atenção pelo fato de estarem um ponto de venda grande com mais espaço, assim tendo uma maior visibilidade e também pelo fato de juntar várias ações, como as demonstradoras que fazem a degustação, abordagem sobre a premiação que o produto oferece, troca de brinde e etc. Todas essas ferramentas de merchandising devem caminhar juntas para fortalecerem a imagem na marca e garantir o seu crescimento no mercado. Os fornecedores disponibilizam diversos materiais necessários para que seja efetuado esse trabalho, por meio de promotores treinados tendo eles pleno conhecimento destas atividades. Desde um simples posicionamento de um produto até trabalhos específicos como decorações de ambientes. Por meio desse trabalho, desenvolvido em parceria, o relacionamento é fortalecido entre fornecedor e varejista promovendo assim o sucesso de

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

Professor André Martins

Professor André Martins Professor André Martins Definição Merchandise, do inglês significa mercadoria, e merchandiser significa negociante. Portanto, merchandising, em sua tradução literal, seria mercadização; mas, adaptando

Leia mais

Os brindes promocionais no período de Páscoa

Os brindes promocionais no período de Páscoa Os brindes promocionais no período de Páscoa Pamela Ramos de Mello LOPES 1 Introdução A comunicação no ponto-de-venda tem se desenvolvido e criado meios e caminhos que hoje podem ser estudados e discutidos,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença?

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença? MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS Qual a diferença? Marketing promocional É uma ferramenta que se utiliza de várias outras para promover a promoção de vendas. Por exemplo: Marketing promocional

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: merchandising; varejo; conhecimento.

PALAVRAS-CHAVE: merchandising; varejo; conhecimento. AVALIAÇÃO DO MERCHANDISING NO VAREJO FARMACÊUTICO DE TOLEDO - PR TEGONNI, Anderson Richard 1 CREPALLI, David Ricardo 2 RESUMO: Este trabalho tem como principal objetivo averiguar o conhecimento sobre estratégias

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Teste Sensorial - Doce de Leite Prime -

Teste Sensorial - Doce de Leite Prime - Teste Sensorial - Doce de Leite Prime - Tipo Exportação Elaborado para: Preparado por: FLUXO DE ANÁLISE Página Introdução... Perfil da Amostra... Análise dos dados >> Freqüência de consumo... Análise dos

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Guia prático de como montar um planograma eficiente. www.pdvativo.com.br

Guia prático de como montar um planograma eficiente. www.pdvativo.com.br Guia prático de como montar um planograma eficiente www.pdvativo.com.br 1. INTRODUÇÃO 2. Por que preciso de um planograma? 3. COMO FAZER A DISTRIBUIÇÃO DOS PRODUTOS NA LOJA 4. EXPOSIÇÃO DOS PRODUTOS (LOCALIZAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Prepare sua Loja para Vender Mais

Prepare sua Loja para Vender Mais MERCHANDISING Prepare Sua Loja Para Vender Mais Questões Fundamentais 1 Como girar rapidamente os estoques no ponto de venda? Como tornar mais fácil e agradável o ato de compra de meus clientes? Como oferecer

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Revista. Sua vitrine no varejo carioca MÍDIA KIT ASSERJ. Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro

Revista. Sua vitrine no varejo carioca MÍDIA KIT ASSERJ. Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro Revista Sua vitrine no varejo carioca MÍDIA KIT ASSERJ Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro O VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO QUE FALA AO TRADE SUPERMERCADISTA A revista que cresceu, evoluiu

Leia mais

2.2 Objetivos 2.2.1 Objetivo Geral Demonstrar a importância do merchandising no ponto-de-venda como ferramenta de atração de novos clientes.

2.2 Objetivos 2.2.1 Objetivo Geral Demonstrar a importância do merchandising no ponto-de-venda como ferramenta de atração de novos clientes. 1 Marketing e Comunicação Merchandising no Ponto-de-Venda (PDV) como uma Ferramenta de Atração de Clientes: Um Estudo sobre a Parceria da Nestlé com um Supermercado AUTORES GUSTAVO LIMA DE BRITO Faculdade

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

ESTRATÉGIA DE VISUAL MERCHANDISING PARA UMA BUTIQUE DE MODA FEMININA

ESTRATÉGIA DE VISUAL MERCHANDISING PARA UMA BUTIQUE DE MODA FEMININA ESTRATÉGIA DE VISUAL MERCHANDISING PARA UMA BUTIQUE DE MODA FEMININA VISUAL MERCHANDISING ESTRATEGY IN A FEMININE FASHION SHOP CARLA HIDALGO CAPELASSI 1 RESUMO O principal objetivo deste artigo é descrever

Leia mais

O perfil do consumidor de pizza na cidade de Juazeiro-BA 1

O perfil do consumidor de pizza na cidade de Juazeiro-BA 1 O perfil do consumidor de pizza na cidade de Juazeiro-BA 1 Gabriela Cristina Sá Campelo dos ANJOS 2 Adna Alana Coelho ANDRADE 3 Adolfo Ivo Santos de ANDRADE 4 Leticia Marinho PIRES 5 Kelma Nunes PEREIRA

Leia mais

INFLUÊNCIA DO MERCHANDISING NO COMPORTAMENTO DE COMPRA

INFLUÊNCIA DO MERCHANDISING NO COMPORTAMENTO DE COMPRA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO MERCHANDISING NO COMPORTAMENTO DE COMPRA Swellen Antunes Moreira Resumo: As organizações que atuam

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Marketing e Merchandising. Facilitador: Bruno Carnevali- Consultor, BOSS Consultoria

Marketing e Merchandising. Facilitador: Bruno Carnevali- Consultor, BOSS Consultoria Marketing e Merchandising no PDV 1 Quais são as definições de Marketing Marketing 1-Todas as atividades direcionadas a fazer uma troca para satisfazer necessidades ou desejos do homem 2-Processo pelo qual

Leia mais

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Você conhece o seu cliente? Não poupe esforços e invista no visual da loja Planejamento estratégico Cuide da Saúde Financeira da Sua Empresa

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR

MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR O VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO QUE FALA AO TRADE SUPERMERCADISTA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

Tudo que não é bem exposto, não é bem visto. Se não é bem visto, não é comprado.

Tudo que não é bem exposto, não é bem visto. Se não é bem visto, não é comprado. Tudo que não é bem exposto, não é bem visto. Se não é bem visto, não é comprado. Regina Blessa Este material não deve ser considerado como única fonte de pesquisa. Use em conjunto com as observações anotadas

Leia mais

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Alexandra Cardoso da Rosa Bittencourt 1 ; Rogério

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL (Estudo de Caso: Rede Eletrosom Ltda em Pires do Rio - GO) MÁRCIO FERNANDES 1, DÉBORA DE AMORIM VIEIRA 2, JOSIANE SILVÉRIA CALAÇA MATOS

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins - GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/5 Lucros Bons e Lucros Ruins Podemos pensar que lucrar é sempre bom,

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1

MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1 1 MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1 Rafael Vinícius Back RESUMO Esse artigo consiste em demonstrar brevemente o papel do Merchandising no composto da comunicação e sua importância

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Após sua exposição, o gestor terá até 10 minutos para perguntas e respostas.

Após sua exposição, o gestor terá até 10 minutos para perguntas e respostas. Caro candidato, Você está participando do processo seletivo da Arcor do Brasil para a posição de Trainee e neste momento gostaríamos de convidá-lo para a etapa do Painel. Nesta etapa, você deverá realizar

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE MERCHANDISNG NO VAREJO FARMACÊUTICO: A FERRAMENTA DE ABORDAGEM NO SETOR DE PERFUMARIA Por: Patricia Kayat Rocha Professor:

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Relatório Final Brasília, Novembro/2014 Método Objetivo geral: Levantar as expectativas para 2015 dos pequenos negócios atendidos pelo SEBRAE Método: Pesquisa

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

Apenas nos primeiros seis meses

Apenas nos primeiros seis meses 16 Capa S u P e r m e r c a d o m o d e r N o agosto 2010 Por Fernando Salles salles@lund.com.br Novos A opinião do consumidor Apenas nos primeiros seis meses deste ano foram lançados no Brasil 6.315 produtos,

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado

O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado Todo estabelecimento comercial deve chamar a atenção do consumidor e despertar nele o interesse

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA EXPECTATIVA DE CONSUMO PARA O DIA DAS CRIANÇAS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA EXPECTATIVA DE CONSUMO PARA O DIA DAS CRIANÇAS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA EXPECTATIVA DE CONSUMO PARA O DIA DAS CRIANÇAS OUTUBRO/2013 2 FECOMERCIO/TO Hugo de Carvalho Presidente Anselmo da Silva Moraes Vice Presidente Silmara Lustosa Ribeiro Superintendente

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA Antônio Carlos de Araújo Lúcia Maria Ramos Silva Ahmad Saeed Khan RESUMO: Estudou-se o comportamento do consumidor de iogurte

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Thaísa Fortuni Thaísa Fortuni 15 dicas de Mídias Sociais para Moda Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Sobre Thaísa Fortuni Publicitária por formação, escritora e empreendora digital. Trabalha

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Relatório Final Brasília, Novembro/2014 Método Objetivo geral: Levantar as expectativas para 2015 dos pequenos negócios atendidos pelo SEBRAE Método: Pesquisa

Leia mais

Marketing de varejo: percepção dos clientes em relação aos serviços oferecidos pelo supermercado de bairro

Marketing de varejo: percepção dos clientes em relação aos serviços oferecidos pelo supermercado de bairro Marketing de varejo: percepção dos clientes em relação aos serviços oferecidos pelo supermercado de bairro Tatiana Silva de Queiroz (UFRN) tatianasq@terra.com.br Reidson Pereira Gouvinhas (UFRN) reidson@ct.ufrn.br

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 06/08/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG Professores

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso.

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. 1 Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. Daiane Maria ALONGE 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 Resumo Com a atual concorrência, entender os desejos

Leia mais

Tema Nº 7 Gestão Comercial

Tema Nº 7 Gestão Comercial Tema Nº 7 Gestão Comercial Habilidades a Desenvolver: Identificar as diferenças entre marketing e vendas. Definir as ações de marketing a serem adotadas pela empresa. Estruturar os procedimentos comerciais

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Ana Clara Rosado Silva (1) ; Daiane Oliveira Borges (2) ; Tatiana Morais Leite (3) ; Vanessa Oliveira Couto (4) ; Patrícia Carvalho

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

AULA 05. - Merchandising no ponto de venda

AULA 05. - Merchandising no ponto de venda AULA 05 - Merchandising no ponto de venda COMUNICAÇÃO INTEGRADA DIFERENÇAS ENTRE ELAS PROPAGANDA PROMOÇÃO MERCHADISING Leva o consumidor ao produto Leva o produto ao consumidor Cria o clima para a compra

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

AS TÉCNICAS DE MERCHANDISING ADOTADAS PELAS EMPRESAS AUXILIAM NA ALAVACANGEM DAS VENDAS?

AS TÉCNICAS DE MERCHANDISING ADOTADAS PELAS EMPRESAS AUXILIAM NA ALAVACANGEM DAS VENDAS? AS TÉCNICAS DE MERCHANDISING ADOTADAS PELAS EMPRESAS AUXILIAM NA ALAVACANGEM DAS VENDAS? Bárbara Gomes Alcântara Daniela Aparecida de Oliveira Marcos Merenda Waleska Cavalcante Soares Profª M.Sc. Máris

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA Flávia Regina Graciano; Lucimara Araújo; Priscila Siqueira Campos; Sabrina Eduarda Mendes Magalhães; Tathiane Mendes Barbosa;

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Rentabilidade em Food Service

Rentabilidade em Food Service Rentabilidade 6 passos para tornar sua franquia mais lucrativa Seja bem-vindo ao e-book da Linx. Aqui estão reunidos os principais caminhos para o aumento da rentabilidade em operações de fast food. São

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Capa VERÃO 30 n SuperVarejo novembro 2009

Capa VERÃO 30 n SuperVarejo novembro 2009 30 n SuperVarejo novembro 2009 Protetores solares, bronzeadores e cremes para pele e cabelo vão garantir o faturamento do verão na categoria higiene e beleza >> Rogério Gatti > rgatti@supervarejo.com.br

Leia mais

O comportamento de compra do consumidor da classe C

O comportamento de compra do consumidor da classe C O comportamento de compra do consumidor da classe C Josiane Wengrzynek, analistas.faq@bol.com.br, Av. das Araucárias, s/n, fone: (46) 559-1142 Quedas do Iguaçu-PR, 85460-000 Eliane Rodrigues do Carmo (FAQ),

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Como Não Perder Dinheiro Com Banners e Arrasar Com a Sua Concorrência

Como Não Perder Dinheiro Com Banners e Arrasar Com a Sua Concorrência Como Não Perder Dinheiro Com Banners e Arrasar Com a Sua Concorrência Entregue a Você elaborado Por http://virtualmarketingpro.com/shop Como Não Perder Dinheiro Com Banners e Arrasar Com a Sua Concorrência

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO FÁBIO RODRIGO DE ARAÚJO VALOIS Discente do Curso de Ciências Contábeis - UFPA RESUMO Não é de uma hora pra outra que um comerciante abre as portas de seu empreendimento. Se fizer deste modo, com certeza

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

PESQUISA DIA DOS PAIS - NATAL

PESQUISA DIA DOS PAIS - NATAL PESQUISA DIA DOS PAIS - NATAL 1 Natal, julho de 2015 Sumário 1. ASPECTOS TÉCNICOS... 3 2. SÍNTESE DOS RESULTADOS... 4 Presentes... 4 Gastos... 4 Local e quando compra... 4 Estratégias... 5 Passeio... 5

Leia mais

Email marketing: os 10 erros mais comuns

Email marketing: os 10 erros mais comuns Email marketing: os 10 erros mais comuns Publicado em: 18/02/2008 Não ter permissão dos contatos para enviar mensagens Um dos princípios fundamentais do email marketing é trabalhar apenas com contatos

Leia mais

Marketing Institucional: Uma comparação das estratégias da divulgação do vestibular

Marketing Institucional: Uma comparação das estratégias da divulgação do vestibular Marketing Institucional: Uma comparação das estratégias da divulgação do vestibular Resumo Para as instituições de ensino superior que buscam a permanência no mercado competitivo, a prática do marketing

Leia mais

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO 122 A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO Edilene Mayumi Murashita Takenaka, Sérgio Luís Destro, João Vitor Minca Campioni, Dayane Magalhães Fernandes, Giovana Maria

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais