A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA DOS SUPERMERCADOS DE CASCAVEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA DOS SUPERMERCADOS DE CASCAVEL"

Transcrição

1 1 A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA DOS SUPERMERCADOS DE CASCAVEL Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: PESQUISA Loreni Teresinha Brandalise Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE Rua Clovis Bevilacqua, 572 Cascavel - PR Sandra Mara Stocker Lago Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE Rua Dom Pedro II, 2199 Cascavel - PR Raquel Adriana Pin Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE Rua José Cazzanatto, 748 Toledo - PR Gabriela Loss Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE Rua General Osório, 3537 Cascavel -PR Juliana Simon Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE Rua Mato Grosso, 2840, Ap. 602 Cascavel - PR Karoline Frison Petricoski Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE Rua Pernambuco, 593, Ap. 604 Cascavel - PR Kary Daniele Boscatto Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE Rua Potiguara, 490 Cascavel - PR

2 2 Resumo A Tecnologia da Informação na Logística dos Supermercados de Cascavel Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: PESQUISA A informação serve como uma conexão entre as atividades logísticas, permitindo que se coordenem as ações e se coloque em prática o benefício de maximização da lucratividade total da cadeia de suprimentos, por essa razão, é um dos seus principais condutores. Neste sentido, esta pesquisa objetiva avaliar os sistemas de informação utilizados no desempenho das atividades logísticas dos supermercados de Cascavel. O instrumento de coleta de dados um questionário - foi elaborado com base nos principais conceitos sobre sistemas, tecnologias de informação e logística encontrados na literatura específica. O questionário foi aplicado a 34 gestores ou responsáveis pela área de logística de suprimentos, dos supermercados de Cascavel. Os principais resultados demonstram significativa melhoria no sistema logístico com o uso do sistema de informação, proporcionando redução de tarefas. Além disso, os sistemas de informações permitiram, em grande parte, redução de custos com pessoal na contagem física dos produtos e na gestão do almoxarifado. Houve ainda redução de custos com compras emergenciais, já que a ruptura de estoque só ocorre devido a fatores sazonais. Palavras-chave: Logística; Sistema de Informação; Supermercados 1. INTRODUÇÃO A informação é hoje o insumo básico para que as empresas modernas possam obter sucesso em suas atividades. Para tanto, os computadores são instrumentos perfeitos para fornecer informações, já que possuem grande capacidade de armazenamento e processamento de dados para a geração de informação. Cada vez mais as empresas precisam estar preparadas para as mudanças que vêm ocorrendo no ambiente em que estão atuando, principalmente porque o tempo agora é de globalização, onde as tecnologias de telecomunicações estão reduzindo rapidamente o tamanho do planeta, fazendo com que as informações e os dados sejam disseminados com uma velocidade cada vez maior. Os sistemas de informação podem afetar das mais variadas formas o desempenho das modernas organizações, abrindo-lhes inclusive, novos espaços e oportunidades de atuação competitiva, motivo pelo qual, gerentes e administradores não podem deixar de compreender sua natureza e a utilizar seus recursos com eficácia (CAMPOS, 1994). A utilização das ferramentas de Tecnologia da Informação (TI) na gestão da cadeia de suprimentos foi fator primordial para a operacionalização dos processos e sua gestão, permitindo um melhor acompanhamento da demanda de produtos, de acordo com as exigências dos clientes, o que se refletiu em melhorias significativas na programação das compras por parte dos produtores e de grandes atacadistas e no abastecimento do mercado varejista (GONÇALVES, 2007).

3 3 Conforme este autor, a aplicação da TI na denominada automação comercial - informatização e integração de todas as operações de uma empresa com seus parceiros (fornecedores, bancos, serviços de crédito como Serasa, SPC) e clientes -, permitiu: redução dos tempos de espera e gargalos existentes na operação; eliminação das tarefas realizadas em duplicidade; compartilhamento das tarefas; e integração das atividades operacionais com os parceiros comerciais. O fluxo de informações documentadas em papel, além de aumentar o custo operacional e reduzir a satisfação do cliente, transmite informações de forma lenta e propensa a erros. A transferência e o gerenciamento eletrônico de informações proporcionam redução de despesas logísticas por meio de melhor coordenação, e ainda possibilita aperfeiçoar serviços na melhor oferta de informações aos clientes. Neste contexto, o objetivo deste artigo foi avaliar os sistemas de informação utilizados na logística dos supermercados de Cascavel. Para o alcance deste objetivo, buscou-se (a) demonstrar a interface da logística com os sistemas de informação, por meio de levantamento bibliográfico; (b) identificar as ferramentas de tecnologia da informação (TI) utilizadas para o desenvolvimento das atividades logísticas dos supermercados e, por fim, (c) analisar a eficiência logística (com o uso de TI), com base nos indicadores: ruptura e acurácia de estoque. Um estudo nesta área justifica-se à medida que se percebe que cada vez mais as empresas enfrentam dificuldades na gestão dos suprimentos, onde o principal gargalo é em relação à ineficiência dos processos logísticos, pela falta de informações confiáveis para a tomada de decisão gerencial. A informação é um dos elementos chave para a obtenção de vantagem competitiva na área de logística. Contudo, a simples existência de sistemas de informações logísticas não garante a concretização dessa meta. Uma base de dados bem estruturada, com informações importantes sobre os clientes, sobre os volumes de vendas, sobre os padrões de entregas e sobre os níveis dos estoques e das disponibilidades físicas e financeiras servirão como base de apoio a uma administração eficiente e eficaz das atividades primárias de apoio do sistema logístico. Este estudo foi realizado a partir de um levantamento bibliográfico onde identificou-se os principais conceitos sobre sistemas de informação, tecnologias da informação e logística, enfocando as atividades logísticas e os principais sistemas de informação utilizados, a fim de obter subsídios para a elaboração do instrumento de coleta de dados. Pretendia-se entrevistar toda a população formada pelos gestores ou responsáveis pela área de logística de suprimentos, dos supermercados de Cascavel cadastrados na APRAS Associação Paranaense de Supermercados. Dentre a população de aproximadamente 50 supermercados, 34 se dispuseram a responder à entrevista. 2. LOGÍSTICA A importância da logística nas empresas dá-se em razão da constante busca da excelência em suas atividades. Esta busca intensifica-se a cada dia, pois o mundo está atento aos benefícios que um bom processo logístico pode proporcionar. No entendimento de Ballou (1993), a logística, quando bem empreendida, possibilita o crescimento da sociedade como um todo, interferindo na qualidade de vida do país onde está localizada a empresa, pois será responsável pelo desenvolvimento social do local. O conceito de logística tem evoluído de acordo com a capacidade de entendimento holístico das organizações, sendo que hoje, sua principal função é, após a análise do sistema de escolha de fornecedores até o atendimento pós-venda, buscar a detecção de todas as falhas

4 4 com o fito de tornar o processo excelente, ou seja, busca a plena eficácia da empresa. Bowersox e Closs (2001) enfatizam que a Logística diz respeito à obtenção de produtos e serviços no lugar e tempo desejados. Inclui também na sua concepção a idéia de integração das atividades da empresa. Ballou (2001) concebe Logística focalizando-a como a atividade que diminui a distância entre a produção e a demanda, incluindo nesse conceito o fluxo de produtos e serviços e a transmissão de informação. Para Ballou (2001), um dos objetivos da logística é melhorar o nível de serviço oferecido ao cliente, onde o nível de serviço logístico é a qualidade do fluxo de produtos e serviços gerenciados. A logística, portanto, é um fator que pode ser utilizado como estratégia para uma organização. Sua aplicação se dá da escolha adequada de fornecedores, passando pela organização e chegando ao cliente. Novaes (2004) aponta aspectos essenciais para correta aplicação do processo logístico, como o cumprimento dos prazos estabelecidos, que a empresa funcione de forma sistêmica, ou seja, que os setores sejam integrados, mantendo parcerias, tanto com fornecedores como com os clientes, objetivando a melhoria de todos os processos e, conseqüentemente, redução do custo de todas as etapas do processo, além de garantir a satisfação do consumidor final. De forma sintética, Christopher (1997) define logística como um processo de gerenciamento, que deve acontecer de forma estratégica, da aquisição, movimentação e armazenagem de materiais (peças e produtos), além do fluxo de informações inerentes ao processo, através da organização e seus canais de marketing, almejando a maximização da lucratividade. A fase mais avançada da logística é a da integração estratégica, onde o principal escopo é atuar de forma plenamente estratégica para alcançar absoluta satisfação do cliente, manter parcerias com fornecedores e clientes, compartilhar com os parceiros as informações estratégicas e organizacionais, e observar o negócio de forma sistêmica. A principal característica desta fase foi, portanto, a criação do SCM (Supply Chain Management) - Gerenciamento da Cadeia de Suprimento. Assim, não há como negar que é de suma importância que as organizações se preocupem e tomem as devidas providências quanto ao processo logístico que aplicam, pois, só desta forma, estarão aptas a permanecer no mercado e, dentro dele, se destacar. 2.1 Gerenciamento da Cadeia Logística A logística é necessária em todos os tipos de empresas, a obra de Alvarenga e Novaes (1994) aponta sua necessidade em várias empresas, dentre elas, a da empresa varejista. Este tipo de empresa caracteriza-se por receber mercadoria em grandes lotes, proveniente diretamente das indústrias ou dos atacados, e precisam atender inúmeros clientes, o que gera dificuldade no processo de documentação e coordenação dos produtos, sendo, por isso, eficaz a existência de um processo logístico adequado. Para se entender melhor a cadeia de abastecimento e sua complexidade é importante conhecer algumas de suas características, dentre as quais Bertaglia (2003) destaca: a) localização das organizações - posicionamento geográfico implicando nos custos e nos fluxos logísticos; b) distribuição física - impacta nos custos e na qualidade dos serviços prestados, principalmente no cumprimento da entrega dos produtos aos clientes; c) administração dos estoques - o controle dos estoque global é fundamental para a redução do nível de capital investido; d) modo de transporte - depende das vantagens e desvantagens relacionadas a infraestrutura de transporte e ao volume a ser transportado;

5 5 e) fluxo de informação - extremamente ligado ao movimento físico de produtos e materiais, desempenha um papel fundamental de confiabilidade nos processos; f) estimativas - relacionadas a um bom planejamento poderá proporcionar um serviço melhor ao cliente; g) relacionamentos - atua como um elemento de vantagem competitiva, mas para tanto, é necessário administrá-la de maneira eficaz, pois seus modelos variam de acordo com as características do produto, o número de organizações envolvidas, a geografia, dentre outros. A intenção da logística atual é atuar de forma estratégica, abandonando as análises puramente fragmentadas. Corrêa e Corrêa (2007) definem a atuação estratégica como a capacidade de gerenciar o tratamento dos processos decisórios considerando os elementos externos à organização, como o cliente e a concorrência. A cadeia de abastecimento corresponde ao conjunto de processos requeridos para obter materiais, agregar-lhes valor de acordo com a concepção dos clientes e consumidores em disponibilizar os produtos para onde e quando a que os clientes e consumidores desejarem. O objetivo clássico da cadeia de abastecimento é possibilitar que os produtos certos, na quantidade certa, estejam nos pontos de venda no momento certo, considerando o menor custo possível, pois o foco da organização é a obtenção do lucro e a gestão correta da cadeia de abastecimento, que podem trazer vantagem competitiva (BERTAGLIA, 2003). Os conceitos apresentados sofreram evoluções importantes nos últimos anos, ampliando a visão, onde a tecnologia da informação e a inovação tecnológica tornam possível um futuro no qual a cadeia de abastecimento possa ser realmente integrada. 2.2 Atividades Logísticas A cadeia de valor desdobra a empresa em suas atividades estrategicamente relevantes, para compreender o comportamento dos custos e as fontes de diferenciação existentes ou potenciais, desse modo, ganha vantagem competitiva executando atividades estrategicamente importantes de maneira mais barata ou melhor que seus concorrentes. Segundo Chistopher (1997), a vantagem competitiva deriva de muitas atividades discretas que uma organização desempenha projetando, produzindo, comercializando, entregando e apoiando o seu produto. Sendo assim, cada uma dessas atividades pode contribuir para a posição de custo relativo da organização e criar a base de diferenciação. dentre as principais atividades logísticas figuram o setor de compras, de controle de estoques, de armazenagem e de distribuição, como se vê na seqüência O processo de compras Em qualquer empresa é fundamental a existência de eficiência no setor compras, pois este irá interferir em todos os outros setores da organização, inclusive na satisfação do cliente, o que, como já foi visto, é responsável pelo crescimento da empresa. Inserido na logística como função essencial, o processo de compras abrange várias atividades, que vão desde a definição dos produtos a serem adquiridos, o rastreamento e a escolha do fornecedor, além da administração de todo este processo, por meio dos pedidos. Arnold (1999, p. 209) sintetiza os objetivos deste processo, afirmando que essa função é responsável pelo estabelecimento do fluxo dos materiais na firma, pelo seguimento junto ao fornecedor, e pela agilização da entrega. Prazos de entrega não cumpridos criam problemas aos departamentos de produção e vendas, mas a função de compras pode reduzir o número de problemas para ambas as áreas, além de adicionar lucros. Esta função pode ser facilitada quando a relação de fornecedores e empresa mantém

6 6 boas relações e compartilham as informações, logo, a utilização das tecnologias informatizadas pode interferir beneficamente nesta relação. Ballou (1993), em sua obra sobre logística empresarial, interpretou uma charge publicada no The Wal Street Journal, intensificando a idéia de aceleração no processamento dos pedidos que pode ser conquistada quando as informações constantes na empresa fornecedora e compradora criam ligações. Arnold (1999) concorda que o melhor fornecedor é aquele que possui a tecnologia necessária para estar de acordo com a expectativa de qualidade, que consegue produzir as quantidades necessárias e é eficiente o suficiente para ter lucro, mesmo ofertando o produto à preços competitivos. Os fatores a serem analisados quando da escolha dos fornecedores, são: habilidade técnica, capacidade de produção, confiabilidade, serviço pós-venda, localização geográfica e preço. Portanto, conforme vários autores, dentre eles Corrêa e Corrêa (2007), é notável a importância de manter bom relacionamento com os fornecedores, mantendo parcerias estratégicas, que podem ser criadas através de contratos de médio e longo prazo Gestão de estoques A existência de estoque de mercadorias na empresa é considerado um investimento, pois proporcionará lucros, desde que bem administrado. Para Ballou (1993), manter estoque é uma maneira de garantir a disponibilidade de mercadorias à qualquer tempo, minimizando os custos da produção e distribuição. O controle de estoques é muito importante, pois as empresas operam com pequenas margens de lucro e pequenos erros na gestão de estoques podem acarretar prejuízos; e o alto investimento de estoques em mercadorias de baixa rotatividade e seus custos associados podem implicar em baixo retorno sobre o investimento. Especialmente para o comércio varejista é fundamental a manutenção de estoque, visto que a demanda nem sempre é previsível e, além disso, o giro das mercadorias é rápido, o que torna viável efetuar as compras em lotes maiores, garantindo estoque e, possibilitando a oferta constante dos produtos, diminuindo os custos do processo de compras. Arnold (1999) ensina que os procedimentos inerentes à manutenção do depósito são: receber os produtos; identificar os produtos; despachar os produtos para armazenamento; guardar os produtos; escolher os produtos; preparar a remessa; despachar a remessa; e operar um sistema de informações. O desenvolvimento destas funções pode ser facilitado mediante a utilização de sistemas informatizados. A importância que se dá para esta questão é conseqüência da necessidade de informatizar os procedimentos da gestão, pois a manutenção de estoques gera inúmeros dados e informações que precisam ser utilizados, armazenados e atualizados com freqüência, logo, a sistematização facilitará e tornará mais ágil e eficiente a manipulação destas informações. A correta administração do nível de estoque abrange aspectos como o conhecimento da demanda e a obtenção dos materiais, o que segundo Viana (2000), devem ser analisados consoante com quatro fatores: conhecimento da demanda, obtenção do material, processo de decisão e tempo de obtenção do material. O aumento ou a redução dos níveis de estoque geram forte impacto nas finanças de qualquer empresa. Medir o desempenho do estoque por meio de indicadores de desempenho relacionados aos estoques é fundamental, principalmente porque a administração moderna enfatiza a redução dos estoques. Alguns dos indicadores de desempenho de estoques são: giro de estoque, estoque de segurança, nível de serviço ao cliente, acurácia de estoque, lead time, dentre outros. Rotatividade ou Giro de estoque: corresponde ao número de vezes em que o estoque é consumido totalmente durante um determinado período (DIAS, 1993).

7 7 Estoque de Segurança (ES): ou estoque mínimo, estoque morto ou estoque reserva, é uma quantidade mínima de itens que deve existir no estoque com a função de cobrir as possíveis variações do sistema, que podem ser: eventuais atrasos no Tempo de Reposição pelo fornecedor, rejeição do lote de compra ou aumento na demanda do produto (DIAS, 1993). Nível de serviço ao cliente: uma medida comum para medir o nível de serviço ao cliente é a taxa de atendimento ao pedido, que é a relação entre a quantidade de itens disponíveis e a quantidade de itens solicitada pelo cliente (BERTAGLIA, 2003). Acurácia de estoque: é determinada pela relação entre a quantidade física existente no armazém e aquela existente nos registros de controle (GONÇALVES, 2007). Tempo de Reposição (TR) ou lead time: é o espaço de tempo decorrido desde o momento de sua solicitação no almoxarifado, colocação do pedido de compra e o momento que se recebe o lote. Ponto de Pedido (PP): é a quantidade de itens em estoque e que garante o processo produtivo para que não sofra problemas de continuidade, enquanto se aguarda a chegada do lote de compra, durante o tempo de reposição. Ponto de Ruptura: é o ponto em que o estoque torna-se nulo. Ocorre quando o consumo faz com que o estoque chegue a seu nível zero e, ainda, continua a demanda do material. Apresenta-se na prática quando o usuário requisita um material e não pode ser atendido em virtude do estoque encontrar-se em nível zero (DIAS, 1993). A ruptura de estoque gera custos, os quais podem ser determinados através das seguintes variáveis: (a) prejuízos: lucros cessantes devido à incapacidade de fornecimento; (b) material: custos adicionais, causados por aquisição com material com outros fornecedores ou sem licitação; e (e) comercial: custos de marketing para recuperação da imagem da empresa, segmento de mercado perdido. Esses custos são denominados custos de falta. Deve-se obter o maior equilíbrio possível entre a produção e o custo total de estoque, porém sem perder de vista o nível de serviço prestado aos clientes. Assim, a administração do estoque merece muita atenção, pois quando mal administrada será a causa de gastos expressivos e transtornos para toda a cadeia, porém, quando esta área mantém-se sob controle é possível o aumento nos lucros e a otimização de todo o processo Armazenagem Manter níveis adequados de estoque é viável para as empresas, para evitar problemas como a falta de mercadorias em conseqüência de um aumento inesperado da demanda, portanto, faz-se necessário destinar um local específico para alocação destas mercadorias. As mudanças na armazenagem se refletem na adoção de novos sistemas de informação aplicados ao gerenciamento da armazenagem, em sistemas automáticos de movimentação e separação de produtos e até na revisão do conceito do armazém como uma instalação cuja finalidade principal é a estocagem de produtos (FLEURY et al., 2000). A armazenagem deve respeitar as características de cada produto em condições que garantam a estabilidade da qualidade do produto. Conforme Ballou (1993), o layout do almoxarifado deve acomodar adequadamente as mercadorias e possibilitar o fácil acesso a todos os produtos, permitindo a circulação necessária dos funcionários dentro do armazém. Definido de maneira simples como sendo o arranjo de homens, máquinas e materiais, o layout é a integração do fluxo típico de materiais, da operação dos equipamentos, combinados com as características que conferem maior produtividade ao elemento humano, isto para que a armazenagem de determinado produto se processe dentro do padrão máximo de economia e rendimento (DIAS, 1993).

8 8 Arnold (1999) lembra que antigamente só se pensava em armazéns como o lugar de armazenamento, e de nenhuma forma como serviço de distribuição, os edifícios eram concebidos em termos de pés quadrados e não cúbicos, e deste ponto de vista, da mão de obra a ser utilizada e não nos equipamentos utilizados na movimentação dos materiais. Armazéns ou CDs (Centros de Distribuição) executam papel-chave para aumentar a eficiência da movimentação de mercadorias. Permitem a compensação eficaz dos custos de estocagem com menores custos de transporte, ao mesmo tempo que mantém ou melhoram o nível de serviço Distribuição Logística pressupõe movimento de bens e serviços dos pontos de origem aos pontos de uso ou consumo; a atividade de transporte executa este movimento gerando os fluxos físicos dos mesmos ao longo dos canais de distribuição que também são relacionados com a movimentação das unidades de transporte. A atividade de transporte executa os movimentos de produtos ao longo dos canais de distribuição mediante o uso de várias modalidades de transporte que fazem os links entre unidades de produção ou armazenagem e os pontos de compra ou consumo. Segundo Ballou (1993), as atividades de transporte são mensuradas mediante dois parâmetros: distâncias percorridas entre os pontos de produção e de consumo; tempo em que os fluxos ocorrem. Como é possível extrair dos conceitos da logística, a distribuição dos bens e serviços é fundamental para a finalização do processo logístico, desde a entrega da matéria-prima para a indústria até a entrega do produto ao consumidor final. Viana (2000) pontua alguns fatores a considerar no momento de decisão de como será efetuado o transporte, dentre eles: condições de segurança, distância a ser transportada, tempo, custo, manuseio e rotas de viagem. A escolha dos canais de distribuição depende das decisões estratégicas que são tomadas, conforme Bowersox e Closs (2001), em função do (a) tipo de produto: valor, peso, volume, perecibilidade; (b) tipo de mercado: tamanho, local, vias de acesso, sazonalidade; (c) método de compra: prazos, faturamento, frete adotado; (d) localização: da unidade produtiva, redes de armazenagem, local dos pontos de transação ou compra dos bens; e (e) variedade dos modos de transporte disponível. O processo de seleção de transporte deve estar totalmente integrado ao esforço logístico geral das empresas. Na avaliação de modais e transportadoras possíveis, o valor ou serviço proporcionado por uma combinação específica de transporte deve ser medido pelo custo correspondente. Como afirma Ballou (1993), a logística busca rearranjar as atividades da organização, a fim de garantir o bom gerenciamento. Portanto, observando o escopo da logística, é fundamental que as empresas busquem adequar os processos logísticos às suas atividades, pois facilitarão o gerenciamento. 3. A INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA A informação sempre foi um elemento de vital importância nas operações logísticas. Mas agora, com as possibilidades oferecidas pela tecnologia, ela está proporcionando a força motriz para a estratégia competitiva da logística. A transferência e o gerenciamento eletrônico das informações permitem às empresas reduzir seus custos mediante melhor coordenação. Segundo Porter (1989), a vantagem competitiva surge da maneira como as empresas desempenham suas atividades dentro da cadeia de valor. Neste contexto, a utilização da Logística associada à Tecnologia de Informação é significativa para que as empresas

9 9 alcancem o objetivo almejado, ou seja, maior competitividade. Estas ferramentas têm potencial para auxiliar a organização a obter tanto vantagem em custo e produtividade, como a vantagem em valor. Segundo Fleury (2000), três razões justificam a importância de informações rápidas e precisas para sistemas logísticos eficazes. Em primeiro lugar, os clientes percebem que informações sobre a situação do pedido, disponibilidade de produtos, programação de entrega e faturas são elementos necessários do serviço ao cliente. A segunda razão relaciona-se ao uso da informação para reduzir o estoque e minimizar as incertezas em torno da demanda. Finalmente, a informação aumenta a flexibilidade e permite identificar os recursos que podem ser utilizados para que se obtenha uma vantagem estratégica. A logística refere-se ao gerenciamento da cadeia de suprimentos e utiliza-se de vários fatores para seu desenvolvimento. Os valores agregados a esta cadeia de produção, conforme Novaes (2004) são: (a) valor de lugar, que observa o transporte do produto, desde a fábrica até a empresa e, desta, até o consumidor final; (b) valor de tempo, demonstra a necessidade de atender o cliente em tempo exato; e (c) valor de informação, instrumentalizado pela tecnologia, busca a possibilidade de permanente informação ao cliente sobre em que situação encontra-se o pedido e mercadoria esperados. Segundo Spinola e Pessôa (1998), um Sistema de Informação (S.I.) é um sistema que cria um ambiente integrado e consistente, capaz de fornecer as informações necessárias a todos os usuários ou ainda, como Shutzer e Pereira (1999), é um sistema integrado homemmáquina que fornece informações de suporte a operações, gerenciamento, análise e funções de tomada de decisões em uma organização. A Tecnologia da Informação (TI) vem, há tempos, apoiando as necessidades de negócio e ainda, no entendimento de Bertaglia (2003), culminando como ferramentas de otimização mais complexas utilizadas na economia moderna. A integração das informações, de acordo com Gonçalves (2007) resulta em: a) racionalização e eliminação de tarefas que não agregam valor; b) redução dos erros pela utilização da informática na captura, processamento, monitoração e contabilização dos dados; c) melhoria no atendimento ao consumidor por redução dos tempos de espera em filas (nos supermercados, por exemplo), pela confiabilidade das informações; d) disponibilidade das informações em tempo real. A informação serve como uma conexão entre os estágios da cadeia de suprimento, permitindo que se coordene as ações e se coloque em prática o benefício de maximização da lucratividade total da cadeia, por essa razão, é um dos seus principais condutores. 4. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E LOGÍSTICA Um Sistema de Informação SI, é um conjunto de elementos inter-relacionados que coletam, manipulam e distribuem dados e informações para que aconteça a realimentação (STAIR E REYNOLDS, 2006). Segundo O Brien (2004), as pessoas, hardware, software, redes de comunicações e recursos de dados se organizam para coletar, transformar e disseminar informações na organização. Para Stair e Reynolds (2006, p.13), um sistema de informação possui componentes de entrada que tem como responsabilidade coletar e capturar dados básicos, de processamento que transforma os dados em saídas úteis, de saída onde envolve a produção de informações úteis que podem se apresentar em forma de documentos ou relatórios, e o último componente de um SI é a realimentação, um tipo de saída que é empregada para alterar a entrada ou as

10 10 atividades de processamento. Um SI pode ser manual ou computadorizado. Tanto é verdade que Batista (2004, p. 19) afirma que SI é todo e qualquer sistema que possui dados ou informações de entrada que tenham por fim gerar informações de saída para suprir determinadas necessidades. Entretanto, Stair e Reynolds (2006) salientam que os SI podem inicialmente ser manuais e passarem a ser computadorizado. Contudo, não basta automatizar um SI manual esperando que seu desempenho melhore, pois se este contiver falhas, a automatização pode ampliar essas falhas podendo implicar em grandes problemas para a organização. De acordo com estes autores, o desenvolvimento de um sistema é a atividade de criar ou modificar sistemas existentes, e pode ser dividido em cinco etapas: investigação de sistema (entender o problema), análise de sistema (entender a solução), projeto de sistema (selecionar e planejar a melhor solução), implementação de sistemas (colocar solução em ação) e manutenção e revisão de sistemas (avaliar resultados de solução). O Brien (2004, p.88), afirma que há três razões para aplicar um SI em uma empresa: suporte de seus processos e operações, suporte na tomada de decisões de seus funcionários e gerentes e suporte em suas estratégias em busca de vantagens competitivas. Segundo Fleury et al (2000), os sistemas de informações logísticas funcionam como elos que ligam as atividades logísticas em um processo integrado, combinando hardware e software para medir, controlar e gerenciar as operações logísticas. Essas operações ocorrem tanto internamente, como ao longo de toda a cadeia de negócios. Estes mesmos autores listam, atualmente, três razões que justificam a importância de informações rápidas e precisas para sistemas logísticos eficazes: (a) acesso a informações sobre a situação do pedido, disponibilidade de produtos, programação de entrega e faturas; (b) uso da informação para reduzir o estoque e minimizar as incertezas em torno da demanda; e (c) aumento da flexibilidade e permissão para identificar os recursos que podem ser utilizados para que se obtenha uma vantagem estratégica. O LIS (Logistics Information System) - Sistemas de Informações Logísticas, englobam a monitoração de fluxo ao longo de toda a cadeia de atividades logísticas. Desempenha as seguintes funções: (a) captura os dados básicos; (b) transfere dados para centros de tratamento e processamento; (c) armazena os dados básicos conforme seja necessário; (d) processa os dados em informações úteis; (e) armazena as informações conforme seja necessário; e (f) transfere as informações aos usuários (FLEURY et al., 2000). As informações capturadas pelo LIS satisfazem aos objetivos de monitoração logística e podem ser usadas para: prever, antecipar e planejar; garantir que as operações podem ser rastreadas no tempo e que produtos podem ser localizados; e controlar e relatar as operações completadas. Bowersox e Closs (2001) sumarizam as principais funcionalidades de um LIS: a) gerenciamento dos pedidos: entrada do pedido, verificação do crédito, verificação de disponibilidade de estoque, aceitação do pedido, modificação do pedido, cálculo do preço do pedido, verificação do status do pedido, preço e descontos adicionais, dentre outros; b) processamento de pedidos: criação do pedido, geração da fatura, emissão de documentos para separação de mercadoria dos pedidos, reserva de estoques, processamento do pedido, liberação do estoque reservado e verificação da expedição; c) gerenciamento de estoques: modelagem e análise de previsão de vendas, manutenção e atualização de dados de previsão, seleção de parâmetros de previsão, seleção de parâmetros de estoques, simulação de estoque, planejamento de necessidades de estoque, geração, liberação e programação de pedido de

11 11 ressuprimento, dentre outros; d) operações de distribuição: acompanhamento e designação de instalações de armazenagem, controle de estoque, programação de mão-de-obra, controle de lotes, localização, seleção e ressuprimento de pedidos, armazenagem, dentre outros; e) transporte e expedição: seleção de transportadoras, programação de transportadoras, despacho, preparação de documentos, pagamentos de frete, cálculo do frete da carga, carregamento dos veículos, dentre outros; f) suprimento: análise e pagamentos, verificação de pedidos pendentes, entrada de pedidos de compra, controle de status dos pedidos de compra, cotação do pedido, comunicação de necessidades, dentre outros. Com a utilização de sistemas de informação logísticos ou de gerenciamento da cadeia de suprimentos, combinados com equipamentos e estrutura da empresa, é dado o devido suporte para que as atividades de logística sejam administradas corretamente. 4.2 Principais tecnologias de informação aplicadas à logística A seguir, apresentam-se alguns exemplos de inserção e uso da tecnologia de informação, aplicados para processamento transacionais, de informações e geração de relatórios, sistemas de suporte à decisão, ferramentas de produtividade, comunicação de dados e de voz, automação de manufatura e projetos de desenvolvimento e outras tecnologias. O EDI (Eletronic Data Interchange) - Intercâmbio Eletrônico de Dados é um meio de intercâmbio de documentos e informações entre empresas, de computador para computador, em formatos-padrão. Viabiliza a comunicação eletrônica de informações entre duas organizações, eliminando formas tradicionais de comunicação como correio e fax. A Internet é um dos extraordinários avanços em termos de tecnologia, possibilitando nos dias atuais que as organizações aproximem o relacionamento cliente-fornecedor. Bertaglia (2003), acredita que cada vez mais os conceitos de colação são buscados a fim de aumentar a vantagem competitiva por meio de respostas eficientes às demandas, desenvolvimento de produtos e redução de custo. O MRP (Materials Requiriments Planning) Planejamento das Necessidades de Materiais permite determinar as necessidades de compras dos materiais; tem a função de criar e manter a infraestrutura de informação industrial, a estrutura do produto (lista de materiais), saldo de estoque, rotinas de processo, capacidade do centro de trabalho, dentre outros. P permite ver de forma rápida, o impacto de qualquer replanejamento e assim saber os itens faltantes e tomar as medidas corretivas, cancelar ou reprogramar pedidos e manter os estoques em níveis razoáveis. O MRP II expandiu o conceito do MRP e passou a administrar planta e pessoas, e a planejar a distribuição. Uma característica importante é o fechamento de processos, o que permite retroalimentar a cadeia de negócios, de modo que a organização melhore seus processos continuamente em busca de eficiência (BERTAGLIA, 2003). Os sistemas ERP (Enterprise Resourse Planning) - Planejamento dos Recursos da Empresa fornecem rastreamento e visibilidade global da informação de qualquer parte da empresa e de sua cadeia de suprimento, em tempo real, o que possibilita decisões inteligentes. (CHOPRA e MEINDL, 2003). Segundo Bertaglia (2003), o ERP veio substituir o MRP e o MPRP II, a fim de integrar a organização por meio de seus processos e funções, melhorando o controle organizacional, o maior acesso as informações confiáveis, padronizando processos e

12 12 reduzindo tempo na tomada de decisão, proporcionando assim, vantagem competitiva para a organização. O SCM (Supply Chain Management) acrescenta um nível mais alto aos sistemas ERP. Oferece suporte para decisões analíticas além de visibilidade de informações. Enquanto o ERP mostra à empresa o que está acontecendo, os sistemas SCM ajudam a decidir o que deve ser feito (CHOPRA e MEINDL, 2003). O DRP (Distribution Requiriments Planning) - Planejamento das Necessidades de Distribuição, leva em conta os diversos estágios de distribuição e suas características. É uma extensão do MRP, com a diferença que o MRP é baseado na programação de produção definida e controlada pela empresa, enquanto o DRP coordena níveis, planeja a movimentação de estoque, e, se necessário, reprograma estoques entre vários estágios da cadeia (BOWERSOX e CLOSS, 2001). O VMI (Ventor Managed Inventory) Inventário Administrado pelo Vendedor é um conceito de estoque gerenciado pelo fornecedor, onde os produtos são puxados de acordo com as necessidades de reposição. O sistema é baseado na geração automática de pedidos pelo fornecedor já que este administra o estoque do varejista, o que possibilita um reabastecimento muito mais eficiente em relação à demanda (BERTAGLIA, 2003). O WMS (Warehouse Management System) Sistema de Gerenciamento de Depósitos é uma solução voltada ao gerenciamento de todas as funções de um armazém ou centro de distribuição, segundo Gurgel (2000), capaz de lidar com extensos cálculos matemáticos para solucionar problemas de arranjo físico com milhares de produtos e de pontos potenciais de alocação num armazém. A etiqueta inteligente, a smart TAG, ou EPC (Eletronic Product Code) é um microship que pode ser acessado por meio de radiofreqüência, permitindo a identificação de cada produto por um código único capaz de armazenar grande quantidade de informações como: data de validade, processo de produção, descrição do produto e lote. Resultado de um esforço mundial de instituições que já operacionalizaram o código de barras de padrão internacional, o EPC viabiliza a aplicação da tecnologia RFID (Radio Frequency IDentification) Identificação por Rádio Freqüência na cadeia de suprimentos. A tecnologia está sendo desenvolvida conjuntamente pelo GTAG (Global Tag) e Auto-ID do Massachusetts Institute Of Tecnology. No Brasil, foi criado o Comitê da Etiqueta Inteligente, coordenado em parceria com a EAN (European Article Number) Brasil, para discutir e desenvolver aplicações da tecnologia na indústria e no varejo. De acordo com Sergio Ribinek, CEO da EAN Brasil, os principais benefícios na indústria são o aperfeiçoamento da gestão de estoques e rastreabilidade, e no varejo, a leitura automática e instantânea de todos os produtos colocados no carrinho do consumidor, funcionalidade anti-furto e monitoramento de promoções. Há forte potencialidade dos benefícios de economia, segurança, agilidade e ganhos para todos os elos da cadeia de suprimentos (GONÇALVES, 2007). De acordo com Bertaglia (2003), a evolução na forma de fazer negócios, repensando processos e estratégias, combinando o poder oferecido pela internet, tem direcionado as organizações para novos modelos de negócios, olhando além da cadeia interna e buscando novos conceitos. Alguns conceitos que vem sendo aplicados aos processos organizacionais e que têm recebido grande suporte da tecnologia já disponível são descritos a seguir. O CPRF - Collaborative, Planning, Forecating and Replenishmentk, relacionado ao planejamento corporativo, é um processo no qual a manufatura e o comércio compartilham informações coletadas nos pontos de vendas para prepararem a estimativa conjunta de vendas. O CRM - Customer Relationship Management está diretamente relacionado ao

13 13 cliente. Auxilia no aprendizado sobre as necessidades e o comportamento dos consumidores. A APS - Advanced Planning and Sheduling é uma ferramenta que permite sincronizar um pedido do cliente com necessidades de materiais, capacidades de produção e atividades de distribuição de modo a dar visibilidade total ao processo. Procurement (obtenção ou aquisição) é uma ferramenta que envolve duas partes com objetivos diferentes, vender e comprar, que interagem em um segmento de mercado. É importante ressaltar que boas práticas de aquisições podem aumentar a lucratividade da organização, reduzindo os problemas de fluxo de caixa, além de gerar materiais e serviços de qualidade superior. A Otimização de Planejamento Avançado congrega ferramentas organizacionais que auxiliam a organização a aumentar o nível de satisfação do cliente. De um modo geral, o sucesso da implantação de sistemas logísticos nas empresas e as vantagens advindas de sua aplicação, depende do processo de amadurecimento empresarial. Lee e Whang (2002) ensinam que o segredo está em utilizar as informações e alavancar os recursos disponíveis para coordenar ações, priorizando os fluxos de informações. A palavra chave passa a ser a integração empresarial para obtenção de vantagem competitiva. Ao mesmo tempo em que as empresas vêm buscando reduzir seus estoques e melhorar a qualidade de seu serviço, em um ambiente globalizado, a competitividade exige custos reduzidos e prazos curtos nos ciclos dos pedidos. Para alcançar estes objetivos, as empresas se utilizam em larga escala da Tecnologia da Informação. A TI vem contribuindo para a logística tornar-se mais eficiente e efetiva na geração de valor para as empresas. 5. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Com a aplicação do instrumento de pesquisa, verifica-se que, dos 34 supermercados pesquisados, 68% utiliza sistema de informação computadorizado para gerenciamento de suas atividades logísticas. Dentre os 32% restantes, alguns supermercados utilizam sistema de informação, porém de forma manual. Dentre os supermercados pesquisados que contam com a tecnologia de informação, 41% utilizam tecnologias não listadas no questionário aplicado, sendo elas sistemas próprios desenvolvidos e adaptados conforme necessidade, em alguns casos pacotes de serviços ou ainda sistemas manuais. A internet destaca-se como a segunda tecnologia de informação mais utilizada (16%), conforme se observa no Gráfico 1. 41% 9% 0% 1% 7% 16% 7% 4% 14% 1% 0% EDI MRP MRP II ERP SCM DRP Internet VMI NPS Procurement Outros Gráfico 1 TI utilizadas na gestão das atividades logísticas

14 14 As informações mais relevantes fornecidas pelos sistemas de informação pesquisados são referentes ao giro dos produtos em estoque (18%) e nível de estoque (17%). O Gráfico 2 demonstra que a necessidade de compra e pedidos pendentes feitos ao fornecedor, que representam 16% cada, ocupam o segundo lugar. 7% 5% posição (níveis) de estoque 17% necessidade de compra 18% 16% vida útil dos produtos pedidos pendentes (no fornecedor) índice de falta de produtos giro dos produtos em estoque 13% 16% 8% grau de atendimento do fornecedor Outro (s): Gráfico 2 - Informações disponibilizadas pelo SI A informação é um dos elementos chave para a obtenção de vantagem competitiva na área de logística. Contudo, Bowersox e Closs (2001) salientam que a simples existência de sistemas de informações logísticas não garante a concretização dessa meta. Um sistema competitivo deve ser desenvolvido com base em um sistema transacional que inclua módulos de controle gerencial, análise de decisão e planejamento estratégico, obedecendo a alguns princípios como: disponibilidade; precisão; atualização em tempo hábil; flexibilidade e formato adequado. Para os autores, disponibilidade significa que as informações devem estar disponíveis em tempo hábil e com consistência (ex: a posição de pedidos; nível de estoque). Quanto à disponibilidade de informações consistentes sobre a posição de pedidos e/ou nível de estoque, os gestores afirmaram que em 63% das vezes as informações sempre estão disponíveis. Não houve registro das informações sobre o estoque não estarem disponíveis quando se fez necessário. Estes dados são apresentados no Gráfico 3. 4% 0% 33% sempre na maiorida das vezes 63% poucas vezes nunca Gráfico 3 Freqüência da disponibilidade de informações

15 15 A precisão é o grau de conformidade entre informações geradas pelo sistema e contagens físicas atualizadas (estoque real e virtual). Quando não há grande consistência entre essas informações, há a necessidade de manter estoques reguladores para reduzir a incerteza do estoque (BOWERSOX e CLOSS, 2001). Quanto à conformidade entre informações geradas pelo sistema de informação e contagens físicas precisas, 32% dos pesquisados garantem que sempre há conformidade entre as informações e contagens físicas. Entretanto, 52% afirmaram que a conformidade ocorre apenas na maioria das vezes, como se vê no Gráfico 4. 12% 4% 32% sempre na maiorida das vezes poucas vezes nunca 52% Gráfico 4 Conformidade entre informações do sistema e contagens físicas Outro princípio de SI refere-se à atualizações em tempo hábil. O tempo de atualização é a diferença entre o momento em que uma atividade ocorre e o momento em que ela pode ser vista no sistema. As atualizações em tempo real são mais oportunas, pois diminuem incertezas e identificam problemas (código de barras, leitura ótica e EDI (BOWERSOX e CLOSS, 2001). Nesta pesquisa, o Gráfico 5 mostra que em 92% dos casos as atualizações das informações acontecem sempre ou na maioria das vezes em tempo hábil. 4% 4% sempre 39% 53% na maiorida das vezes poucas vezes nunca Gráfico 5 Atualizações das informações em tempo hábil

16 16 Os autores afirmam que os sistemas de informações devem ser capazes de fornecer dados adaptados às necessidades especificas dos clientes, é o princípio da flexibilidade. Quanto à capacidade do sistema de informação em fornecer dados adaptados às necessidades específicas dos clientes, apenas 13% dos pesquisados nunca apresentam dados adaptados às necessidades. O Gráfico 6 apresenta estes dados. 13% 8% 38% 41% sempre na maiorida das vezes poucas vezes nunca Gráfico 6 Capacidade de fornecimento de dados específicos Conforme demonstra o Gráfico 7, a maioria dos pesquisados (52%) responderam que as informações são sempre apresentadas de forma estruturada e ordenada; para 38% as informações na maioria das vezes são apresentadas de forma estruturada e ordenada, enquanto que para 8% as informações nunca são apresentadas num formato adequado. Formato adequado é o quinto princípio de um SI- formatação de telas e relatórios de modo que informações corretas possam ser apresentadas de forma estruturada e ordenada. 4% 9% 35% 52% sempre na maiorida das vezes poucas vezes nunca Gráfico 7 Estruturação e ordenação das informações De acordo com 54% dos pesquisados, na maioria das vezes há acurácia de estoque, enquanto que para 32%, os estoques existentes sempre são compatíveis com o mostrado no sistema. Entretanto, 14% afirmam que os dados relativos aos produtos mostrados no sistema nunca são compatíveis com o real existente, como apresenta o Gráfico 8.

17 17 0% 14% 32% sempre na maiorida das vezes poucas vezes nunca 54% Gráfico 8 Freqüência em que se observa acurácia de estoque Quanto à falta de materiais, 12% dos pesquisados responderam que nunca ocorre, e, segundo 88 %, as faltas acontecem devido a ocorrências sazonais. Questionados se houve melhoria no sistema logístico com o uso do sistema de informação, 66% dos entrevistados relataram que o mesmo melhorou totalmente o processo e apenas 4% relataram que não se obteve melhoria nenhuma. O Gráfico 9 mostra estes dados. 4% 30% 0% totalmente em grande parte em parte 66% não Gráfico 9 Melhoria no sistema logístico gerada pelo uso do SI A redução de tarefas após a implantação do sistema ocorreu em grande parte para 63% dos casos pesquisados. Para 18% dos entrevistados as tarefas executadas durante o processo não sofreram alteração, permanecendo como antes. Destaque para o percentual de 5% dos entrevistados que afirmaram que com a implantação do sistema de informação houve um aumento de tarefas nas operações logísticas.

18 18 18% 5% 14% totalmente em grande parte não, permaneceu como antes não, aumentou 63% Gráfico 10 Redução de tarefas nas operações logísticas pelo uso do SI O sistema de informação permitiu redução de custos com o pessoal na contagem física dos produtos em estoque em grande parte, representando 62% dos casos. Salienta-se que em nenhum dos casos pesquisados houve registro de não redução dos custos com pessoal nas contagens físicas dos produtos em estoque. 24% 0% 14% permitiu totalmente permitiu em grande parte permitiu pouco não permitiu 62% Gráfico 11 Redução de custos com pessoal pela implantação do SI contagem física Conforme mostra o Gráfico 12, os custos relativos ao envolvimento de pessoal na gestão do almoxarifado foi reduzido em grande parte com a implantação do sistema de informação, de acordo com 61% dos relatos. Apenas 5% dos pesquisados responderam que a implantação do SI não permitiu nenhuma redução de custos com pessoal no almoxarifado. 5% 10% 24% permitiu totalmente permitiu em grande parte permitiu pouco não permitiu Cascavel PR 22 61% a 24 de junho de 2009

19 19 Gráfico 12 Redução de custos com pessoal pela implantação do SI almoxarifado Já em relação aos custos com compras emergenciais (gerados quando ocorre ruptura de estoque), o sistema permitiu totalmente a redução dos custos da empresa para 43% dos casos. Entretanto, 5% dos gestores de supermercados afirmam que isso não foi possível. Estes dados são mostrados no Gráfico % 5% 43% permitiu totalmente permitiu em grande parte permitiu pouco não permitiu 38% Gráfico 13 Redução de custos com compras de caráter emergencial Em relação à utilidade das informações logísticas geradas pelo sistema de informação para o desenvolvimento de atividades gerenciais e tomada de decisões houve unanimidade no sentido de que essas informações são de grande (92%) ou média utilidade (8%). Assim, cabe ressaltar que para estas empresas existe o reconhecimento da importância de informações rápidas e precisas para se obter sistemas logísticos eficazes. 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os principais resultados demonstram que dentre os 68% dos supermercados de Cascavel que possuem sistema informatizado, 41% utilizam tecnologias desenvolvidas e/ou adaptados conforme sua necessidade. As informações consideradas mais relevantes fornecidas pelo sistema foram em relação aos níveis de estoque, rotatividade de produtos, índice de falta (necessidade de compra) e pedidos pendentes (no fornecedor). Pode-se observar que tais informações sempre ou na maioria das vezes estão disponíveis, são apresentadas de forma estruturada e ordenada, permite atualizações em tempo hábil. Os gestores observaram significativa melhoria no sistema logístico com o uso do sistema de informação, proporcionando redução de tarefas. Além disso, em grande parte houve redução de custos com pessoal na contagem física dos produtos e na gestão do almoxarifado. Houve, ainda, redução de custos com compras emergenciais, já que a ruptura de estoque só ocorre devido a fatores sazonais. Uma base de dados bem estruturada, com informações importantes sobre os clientes, sobre os volumes de vendas, sobre os padrões de entregas e sobre os níveis dos estoques e das disponibilidades físicas e financeiras servirão como base de apoio a uma administração eficiente e eficaz das atividades primárias de apoio do sistema logístico.

20 20 A aplicação da pesquisa permitiu aprofundar os conhecimentos teóricos visualizando na prática a problemática que pode ser um dos grandes entraves no sucesso do gerenciamento das atividades logísticas, e que pode ser minimizado com o uso de sistemas de informações apropriados nas organizações. REFERÊNCIAS ALVARENGA, Antonio Carlos; NOVAES, Antonio Galvão N.. Logística aplicada: suprimento e distribuição física. 2. ed. São Paulo: Pioneira, ARNOLD, J. R. Tony. Administração de materiais: uma introdução. São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento, organizações e logística empresarial. São Paulo: Bookman, BALLOU, Ronald H.. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, BATISTA, Emerson de Oliveira. Sistemas de informação: o uso consciente da tecnologia para o gerenciamento. São Paulo: Saraiva, BERTAGLIA, Paulo Roberto. Logística e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva, BOWERSOX, Donald J. e CLOSS, David J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. SP: Atlas, CAMPOS FILHO, MAURÍCIO P. Os Sistemas de Informação e as modernas tendências da tecnologia e dos negócios Revista de Administração de Empresas, (Nov/Dez/94), p. 33 a 45. CERTO, Samuel C. Administração moderna. 9.ed. SP: Prentice Hall, CHOPRA, Sunil e MEINDL, Peter. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégia, planejamento e operação. SP: Prentice Hall, CHRISTOPHER, Martin. Logística e Gerenciamento da cadeia de suprimentos. São Paulo: Pioneira, CORRÊA, Henrique L.; CORRÊA, Carlos A.. Administração de produção e operações: manufatura e serviços - uma abordagem estratégica. 2. ed. São Paulo: Atlas, DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais: uma abordagem logística. 4. ed. São Paulo: Atlas, FLEURY, Paulo F. Logística integrada. Atlas: São Paulo, FLEURY, Paulo Fernando; WANKE, Peter; FIGUEIREDO, Kleber Fossari. Logística empresarial: a perspectiva brasileira. São Paulo: Atlas, GONÇALVES, Paulo Sergio. Administração de materiais. 2.ed. RJ: Elsevier, GURGEL, Floriano do Amaral. Logística industrial. São Paulo: Atlas, LEE, Hau L; WHANG, Seungjin. Gestão da e-scm, a cadeia de suprimentos eletrônica. São Paulo. Editora HSM Management, NOVAES, Antônio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, PORTER, M. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. 17. ed. Rio de Janeiro: Campus, O BRIAN. James. Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na Era da Internet. 2ª ed São Paulo: Saraiva, STAIR, Ralph M. & REYNOLDS, George W. Princípios de Sistemas de Informação: uma abordagem gerencial. 6ª ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, VIANA, João José. Administração de materiais: um enfoque prático. São Paulo: Atlas, 2000.

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

4 Sistema de Informações

4 Sistema de Informações 4 Sistema de Informações 4.1 O conceito de informação O desenvolvimento das operações logísticas de uma determinada empresa ou organização está visceralmente ligado ao fluxo e intercâmbio de informações

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 2 SISTEMA DE INFORMAÇÕES EM LOGÍSTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM LOGÍSTICA RODA Sociedade de Sobrevivência (troca de mercadorias) Poder: Monopólio de Mercadorias

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: ASPECTOS SOCIOTÉCNICOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: ASPECTOS SOCIOTÉCNICOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: ASPECTOS SOCIOTÉCNICOS Prof. Marcelo Rodrigues dos Santos UFMG e Fundação Dom Cabral Prof. Stéfano Angioletti UFMG e Fundação Dom Cabral Prof. Marcello

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda Supply Chain Management e TI aplicada à Logística 24 de Junho de 2004 SCM e Ti aplicada à Logística Cenário de Competição... Operações Globalizadas Operações Integradas Introdução LOGÍSTICA Tecnologia

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E CADEIA DE SUPRIMENTOS I Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Tomar contato com os tipos de informação relevantes na Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Tecnologia no processo decisório

Tecnologia no processo decisório Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Tecnologia no processo decisório DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SIG - Funcionamento ERP GOV BI MERC

Leia mais

Tecnologia da informação

Tecnologia da informação Tecnologia da informação Jonathan Lucas Schwambach Fernandes (FAHOR) jf000554@fahor.com.br Guilherme Ferrari (FAHOR) gf000596@fahor.com.br Fabrício Desbessel (FAHOR) fabricio@fahor.com.br Resumo O estudo

Leia mais

Sistemas de Informações. Daniel Gondim

Sistemas de Informações. Daniel Gondim Sistemas de Informações Daniel Gondim Roteiro da Aula SPT Sistema de Processamento de Transações Visão geral; métodos e objetivos Atividades no processamento de transações Controle de Administração Aplicações

Leia mais

Estratégias de gestão de estoques e distribuição aplicadas em uma empresa varejista através de um ERP: um estudo de caso

Estratégias de gestão de estoques e distribuição aplicadas em uma empresa varejista através de um ERP: um estudo de caso 1 Estratégias de gestão de estoques e distribuição aplicadas em uma empresa varejista através de um ERP: um estudo de caso André Luiz Anjos de Figueiredo Unigranrio anjoslogistica@yahoo.com.br RESUMO Desde

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu Pós Graduação Latu Senso Gestão Integrada da Logística

Universidade São Judas Tadeu Pós Graduação Latu Senso Gestão Integrada da Logística Universidade São Judas Tadeu Pós Graduação Latu Senso Gestão Integrada da Logística Adriana dos Santos Gomes Estela Paulino da Silva Luiz Cássio Jorquera Wesley Felipe de Oliveira ARMAZENAGEM E TI São

Leia mais

Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi*

Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi* Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi* Existem diversas atividades fundamentais desempenhadas pelas empresas no cumprimento de sua missão, sempre com o objetivo de agregar de

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem Nádia Veríssimo (EESC-USP) nadiaverissimo@hotmail.com Prof. Dr. Marcel Andreotti Musetti (EESC-USP) musetti@prod.eesc.sc.usp.br Resumo Este trabalho

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES Nathalia Maciel Rosa (UEPA) nathmrosa@gmail.com Thais Souza Pelaes (UEPA) thaispelaes@gmail.com

Leia mais

Case Baterias Moura. Liderança em Baterias. Previsão da demanda. Programação de produção. Insumos. MRP - Moura. Produtos em Processo.

Case Baterias Moura. Liderança em Baterias. Previsão da demanda. Programação de produção. Insumos. MRP - Moura. Produtos em Processo. Case Baterias Moura Liderança em Baterias Centro de Distribuição Planta de Reciclagem Planta de Baterias Porto Rico - USA Buenos Aires - Argentina Previsão da demanda Programação de produção VENDA DOS

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA FASA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA Lorena Palma Araújo RA nº. 20350584

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO 1 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO Jéssica Weber * Letícia Muskopf ** Viviane Cristine Fries *** RESUMO Este artigo tem como objetivo mostrar como

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais