FUNCIONALIDADES DO ORACLE RAC. Resumo: Diversas empresas têm como requisito fundamental do negócio que os seus

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNCIONALIDADES DO ORACLE RAC. Resumo: Diversas empresas têm como requisito fundamental do negócio que os seus"

Transcrição

1 FUNCIONALIDADES DO ORACLE RAC Eduardo Amaral Ferreira 1 Iremar Nunes de Lima 2 Resumo: Diversas empresas têm como requisito fundamental do negócio que os seus sistemas de informação fiquem disponíveis 24 horas durante todos os dias da semana. Dentre as soluções de informática para alta disponibilidade disponíveis no Sistema Gerenciador de Banco de Dados Oracle está a tecnologia Oracle RAC (Oracle Real Application Cluster) que visa oferecer sistemas de bancos de dados 100% disponíveis e escaláveis para grandes organizações. Este artigo descreve esta tecnologia e faz uma análise das vantagens e desvantagens desta solução. Palavras-chave: Informática, Banco de Dados, Disponibilidade, Oracle RAC. 1 Especialista em Banco de Dados e Business Intelligence 2 Mestre em Informática e professor do Centro Universitário Newton Paiva

2 2 1. INTRODUÇÃO Hoje em dia, a evolução dos sistemas de informação, que estão cada vez mais integrados, exige que eles estejam sempre disponíveis, ou seja, que possam ser acessados 24 horas por dia, 7 dias por semana (24/7) de qualquer lugar. Com este acelerado crescimento da integração de sistemas, quanto mais crítico for o negócio ao qual o sistema se aplica, mais disponível ele deve ser. Junto da integração de sistemas, tem-se a necessidade de oferecer e receber informações sempre, com consistência, confiabilidade, rapidez e onde for preciso. Para se ter sistemas disponíveis o máximo possível, é preciso que se tenham bancos de dados 100% disponíveis, suportando o funcionamento dos sistemas que o acessam. Dentre as soluções de alta disponibilidade encontradas no Sistema Gerenciador de Banco de Dados Oracle, temos o Oracle RAC (Oracle Real Application Cluster) que visa oferecer sistemas de bancos de dados 100% disponíveis e escaláveis. Este artigo tem foco na apresentação das vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta oferecida pelo SGBD Oracle, com intuito de se implantar e suportar um ambiente de banco de dados sempre disponível. É objetivo deste artigo, também, a apresentação das funcionalidades do Oracle RAC (Oracle Real Application Cluster). O restante do artigo está organizado da seguinte forma: a seção 2 apresenta e detalha o Oracle RAC, descrevendo suas funcionalidades e componentes. Na seção 3 é tratado o funcionamento do Oracle RAC com um detalhamento das vantagens e desvantagens de se usar um ambiente Oracle RAC e por fim, na seção 4 é feita a conclusão do trabalho.

3 3 2. ORACLE RAC 2.1 Computação Distribuída (Grid Computing) A alta disponibilidade na computação, através do Oracle RAC, tem sua fundamentação na computação distribuída, que, por sua vez é fundamentada na distribuição de energia elétrica. A distribuição de energia é feita de forma transparente aos consumidores de todo o mundo: por exemplo, ao comprar um aparelho de TV novo, você chega em casa e o liga na tomada elétrica, que é um terminal de toda a malha elétrica da região ou país. Não importa onde e como aquela energia elétrica foi gerada, o que importa é que ela está chegando até sua casa. Outro exemplo: se um fio de energia elétrica de casa for desencapado e a ele ligado outro para instalação de uma tomada, cria-se um novo terminal de energia elétrica, que tem ligação com a malha de toda a região, aumentandose os terminais de distribuição de energia. Esta energia pode ter sido gerada, por exemplo, na Hidrelétrica de Furnas ou em Foz do Iguaçu e chega nas casas de todas as cidades através das redes de transmissão. Assim acontece com a computação distribuída: por exemplo, uma aplicação usa recurso computacional de um hardware sem se preocupar de onde e como vem aquele recurso, quando esta aplicação e/ou este hardware estão hospedados em um ambiente cluster, ou seja, um ambiente com diversos recursos, mas que representam apenas um, de maneira transparente para o usuário. É como acontece em um ambiente RAC: existe um cluster de bancos de dados, com duas ou mais instâncias, compartilhando de uma única base de dados, porém, ao ser acessada por uma aplicação ou usuário, parece ser um único serviço de banco de dados.

4 4 Figura: Distribuição de energia elétrica Fonte: VALLATH, 2006 Conforme FARIA (2005), "a idéia central do Grid Computing (computação em grade / distribuída) é oferecer a computação como um serviço público. Não se deve ter preocupação com o local onde os dados residam ou qual computador processe a solicitação. O usuário deve ser capaz de solicitar - e receberinformações ou recurso de computação no volume e freqüência que desejar. Pode-se fazer uma analogia com o modo como funcionam os serviços públicos elétricos: você não sabe onde está o gerador, nem como é a rede elétrica. O que se deseja é eletricidade. E a consegue. O objetivo é tornar a computação um serviço público e onipresente." 2.2 Clusterização Segundo (Loney, 2005) um banco de dados de um ambiente RAC, é altamente disponível e escalonável. A falha de um dos nós no cluster não afeta as sessões de cliente nem a disponibilidade do próprio cluster até o último nó do cluster falhar. Tal característica é fundamental para o funcionamento dos sistemas de hoje em dia, que exigem total disponibilidade. Mas o que vem a ser um cluster? E um nó deste cluster, o que é?

5 5 O conceito de cluster está presente na maioria das áreas da informática: na área de redes tem um foco com uma certa especificidade, na área aplicativos tem suas particularidades e na área de banco de dados, também, com suas próprias características. De acordo com o conceito comum entre as áreas, ressalvadas as particularidades, um cluster pode ser definido como um sistema onde dois ou mais computadores trabalham de maneira conjunta para realizar processamento pesado (Alecrim, 2004). Em outras palavras, os computadores dividem as tarefas de processamento, e trabalham como se fossem um único computador. Enfim, um ambiente cluster é composto de vários computadores e/ou servidores interligados entre si, mas que aos olhos do usuário, ou de suas aplicações, parece apenas um único servidor. Existem diversos tipos de cluster (Alecrim, 2004): Cluster para alta disponibilidade: um ambiente com este objetivo visa maximizar o tempo de disponibilidade e melhora das condições de uso. Clusters deste tipo indicam sistemas de missão crítica e quase nunca param de funcionar, característica preconizada pelo Oracle RAC. Em ambientes como este, existem ferramentas para proteção, detecção e correção de falhas; Cluster para balanceamento de carga: compreende a distribuição de processamento. Demanda monitoração constante e artifícios de redundância, sob pena de parada de todo o cluster; Cluster Combo: Combina os sistemas de alta disponibilidade e de balanceamento de carga. No Oracle RAC temos a implementação de um Cluster Combo, ou seja, a combinação entre alta disponibilidade e balanceamento de carga. Assim, a função do Oracle RAC, é fazer isto funcionar de forma transparente para o usuário, ou seja, em um ambiente Oracle RAC, tem-se diversos

6 6 servidores de bancos de dados, que receberão os acessos dos usuários e suas aplicações, de acordo com sua disponibilidade, porém acessando uma única base de dados. Há ainda uma forte característica, que consiste em manter o serviço totalmente disponível caso algum dos servidores se torne indisponível. O Oracle RAC, cuidará de transmitir aos servidores sobreviventes as consultas que estavam rodando no servidor que falhou. Assim, um servidor sobrevivente, receberá as requisições oriundas do servidor falho, sem que o usuário perceba a troca de máquina que processava sua requisição O SGBD Oracle Estrutura de um Servidor Oracle O Oracle Real Application Cluster pode ser considerado como uma extensão de uma instância simples de um banco de dados Oracle. Tal afirmativa é verdade, pois um Oracle RAC, nada mais é do que várias instâncias Oracle interconectadas em cluster, porém com alguns componentes a mais do que a instância normal, para manter seu funcionamento, acessando uma base de dados compartilhada. Um servidor Oracle é composto de dois principais componentes, ambos presentes na configuração cluster: (ARQUITETURA, 2009) Instância Oracle: Conjunto da SGA e dos processos de background; Database Oracle: Conjunto de 3 (três) tipos de arquivos: Datafiles, Control Files e arquivos de Redo On-Line. SGA entende-se como a área de memória alocada pelo Oracle no sistema operacional, comportando seus processos e sub-áreas, por exemplo: (ARQUITETURA, 2009): Shared Pool: sub-área da SGA que armazena os comandos SQL e PL/SQL;

7 7 Buffer Cache: Os dados lidos e manipulados pelo Oracle são acessados através desta área ou de memória, garantia de desempenho, pois acesso em disco é mais lento do que em memória; Log Buffer: Armazena as alterações feitas no banco de dados em memória, para que tais alterações não tenham de ser feitas diretamente no disco; Java Pool: Bloco de memória da SGA que permite a execução de comandos Java dentro do banco de dados; Large Pool: Responsável por armazenar informações que são e serão utilizadas por uma série de funcionalidades e utilitários do Oracle; Além das áreas citadas anteriormente, temos os processos de background que são abertos por um servidor Oracle: (ARQUITETURA, 2009) DBWn: processo responsável por escrever em disco os dados manipulados que estão na buffer cache; CKPT (Checkpoint): processo responsável por sinalizar o disparo do processo DBWn, ou seja, processo que roda e de tempos em tempos, e quando acionado, que verifica a existência de blocos a serem gravados, que, se houver, dispara o processo responsável pela escrita daqueles blocos em disco; SMON (System Monitor): Responsável pela recuperação da instância durante sua inicialização, limpar os segmentos temporários e aglutinação de espaço livre em tablespaces gerenciados pelo dicionário de dados; PMON (Process Monitor): Faz a gerência dos processos dos usuários; LGWR (Log Writer): Responsável por escrever o conteúdo do Log Buffer nos arquivos de Redo Log;

8 8 E outros processos, além dos citados, mas que fogem um pouco do contexto deste trabalho. Sobre os arquivos que compõem o Data Base Oracle, tem-se o seguinte: Data Files: Arquivos de dados, onde ficam efetivamente armazenados os dados do banco; Control File: Arquivos de controle do banco de dados. Armazena todas as informações possíveis sobre a instância Oracle, além dos dados sobre a estrutura física do Data Base Oracle; Redo Log: Armazenam os dados recém alterados que estavam na área de memória Log Buffer; Todos os conceitos apresentados anteriormente, formam os principais componentes de um servidor Oracle. A figura 2.1, mostra a estrutura de um servidor Oracle, sob configuração de uma única instância. Figura: 2.1: Ambiente Oracle instância simples Fonte: própria

9 9 Além dos itens mostrados sobre a estrutura de memória do servidor Oracle, temos a PGA, que é também uma área de memória, que contém dados e informações sobre uma sessão de um determinado usuário. A figura 2.2, mostra a estrutura de um servidor Oracle RAC, sob a configuração de quatro instâncias. Em um Servidor Oracle, com implementação de RAC, tem-se todos os componentes mostrados anteriormente, com a adição de alguns poucos componentes que implementam o cluster e as características de alta disponibilidade e facilidade de aumento de escalabilidade oferecidas pelo RAC. Um banco de dados RAC, permite que múltiplas instâncias Oracle, cada uma com uma estrutura como a mostrada anteriormente, residam em diferentes servidores de um cluster, compartilhando os arquivos do banco de dados, em outras palavras, quando há a configuração do RAC, temos várias instâncias Oracle compartilhando do mesmo Database Oracle, ou seja, do mesmo conjunto de arquivos, Data File, Control File e Redo Logfile.

10 10 Figura 2.2: Ambiente RAC com 4 instâncias. Fonte: VALLATH (2006) Existem duas formas de funcionamento do Oracle RAC: (FONSECA, 2008) Em uma delas existe uma camada de software de cluster que opera nos nós do cluster. Cada nó (node) pode monitorar um ou mais nós do cluster (através da interconexão de rede). Se a máquina monitorada falhar, a(s) sobrevivente(s) pode(m) apropriar-se da memória (SGA e PGA) e restaurar as aplicações que estavam sendo executadas na máquina que falhou. A máquina corrompida pode permanecer fora de operação, e os usuários e cliente da aplicação perceberiam somente uma breve interrupção do serviço, pelo menos enquanto ocorre a transferência das estruturas de memória e

11 11 seus conteúdos para a máquina sobrevivente, fato que ocorre muito rapidamente. Uma outra forma de cluster do Oracle RAC, é a operação em clusters paralelos, onde são usadas versões especiais de software. Cada máquina opera o Oracle, e uma camada de software conduz o acesso ao disco compartilhado do banco de dados. Cada máquina tem acesso total a todos os discos do banco de dados. O banco de dados deve ser localizado em um grupo de disco compartilhado onde todos os servidores do cluster possam acessar o banco de dados. Os servidores se comunicam com os discos compartilhados via rede Oracle Clusterware O conjunto de software que faz o gerenciamento do cluster é chamado de Oracle Clusterware. Oracle Clusterware, que no decorrer do texto será chamado de OCR, é uma nova característica, que surgiu no Oracle 10g, que provê interface cluster padrão em todas as plataformas, além de prover operações de alta disponibilidade que não estavam disponíveis nas versões anteriores do Oracle. Existem diversos outros softwares de gerência de cluster, mas o da Oracle é o mais indicado para RAC (VALLATH, 2006). Ele é o componente essencial para o funcionamento do Oracle RAC. Pode trabalhar só, ou em conjunto com outros softwares deste tipo, de terceiros, como da HP ou da Sun. Ele deve ser instalado em cada nó do cluster do ambiente RAC. A combinação entre ele e o Oracle RAC contribui para o alto nível de disponibilidade e flexibilidade. Ele deve ser o primeiro componente instalado quando se planeja configurar um RAC.

12 12 O OCR é o responsável pelo processo de realocação dos componentes de uma instância e pelo controle da reedição destes em uma nova instância, além de recuperar parte das transações que falharam em algum nó (node). O OCR, que também pode ser chamado de CRS (Cluster Ready Services) é composto por 3 (três) principais componentes, que se manifestam como daemons (processos) executados no inittab do linux ou como um serviço, em um ambiente windows.(hart, 2004) Os daemons componentes do Oracle Clusterware são: (HART, 2004): CSS Cluster Synchronization Services: é o principal componente para existência de disponibilidade de recursos no ambiente RAC. É base para comunicação entre processos em um ambiente cluster (RAC). O CSS também pode ser usado em instâncias simples de maneira a permitir a interação entre instâncias ASM e o banco de dados. Ele provê uma série de serviços, como informação em tempo real de cada nó (node) e instância que compõem o RAC em um determinado momento, além de informações estatísticas, como os nomes e números dos nós, que podem ser alterados quando são removidos ou adicionados. O CSS também controla funcionalidade de bloqueio, a nível de registro dentro do cluster. Este daemon também é responsável pela checagem constante da permanência de um nó em um cluster, além da monitoração do voting disk em busca de falhas. Voting Disk, é um arquivo que contém e gerencia informações sobre todos os nós membros de um RAC, além de gerenciar o cluster e manter o RAC. É também um importante componente do OCR; CRS Cluster Ready Services: Responsável por executar as operações de recuperação de falhas e manter a disponibilidade dos recursos em um ambiente RAC. É também responsável pela transferência de um serviço /

13 13 recurso de um nó para outro em caso de falha de um deles, além de registrar os eventos ocorridos no ambiente no OCR Oracle Cluster Registry, arquivo que contém os registros de todos os eventos e lista de nós em um cluster; EVM Event Manager: Processo responsável por armazenar os logs sobre cada evento dos daemons (processos) do RAC. Um outro importante componente presente no OCR é o VIP: Virtual Ip Address, que tem uma grande vantagem e importante característica do Oracle RAC, pois proporciona um menor failover (tempo decorrido entre a detecção e correção de uma falha) em eventos de falha de um nó do cluster. Com o VIP, cada nó não terá apenas um endereço ip estático, mas terá também um virtual que é associado a cada nó. A maneira de garantir este failover menor é fazendo com que o listener de cada nó escute o VIP, pois tem uma resposta muito mais rápida do que o ip normal, assim, ao tentar se conectar em um ip virtual (VIP) onde o nó está inativo, a conexão já é transmitida para outro nó, e para outro, caso o segundo esteja inativo, e assim por diante, caso não tenha resposta imediata. Abaixo um exemplo de configuração de um arquivo tnsnames.ora, que mostra uma lista de ip s alternativos, possibilitando a busca por nós disponíveis. GRID = (DESCRIPTION = (ADDRESS = (PROTOCOL = TCP)(HOST = rmscvip1)(port = 1521)) (ADDRESS = (PROTOCOL = TCP)(HOST = rmscvip2)(port = 1521)) (CONNECT_DATA = (SERVICE_NAME = grid) ) )

14 14 3. FUNCIONAMENTO DO ORACLE RAC O Oracle Real Application Cluster (Oracle RAC) é uma option (característica adicional) do SGBD Oracle que permite alta disponibilidade e escalabilidade dos nós em um ambiente cluster. Trata-se de duas ou mais instâncias Oracle compartilhando de uma única base de dados, em outras palavras, um banco de dados clusterizado (ORACLE REAL APPLICATION CLUSTER DATA SHEET, 2005). No ambiente RAC, há a configuração de um cluster ativo / ativo, ou seja, todos os nós do cluster acessam os mesmos dados simultaneamente. Existem, nesta configuração, duas ou mais instâncias que respondem como um único serviço para as aplicações e/ou usuários que a acessam. Quando uma aplicação ou usuário se conecta ao banco de dados, existe uma camada de software (OCR) que envia sua sessão para a instância mais disponível dentro do cluster, caracterizando o balanceamento de carga. Esta sessão compartilha dos blocos sujos (blocos de dados alterados que ainda não foram escritos em disco, ou seja, ainda estão na memória) do sistema através do Cache Fusion, que mantém, através de uma interconexão privada, o compartilhamento destes blocos entre as instâncias, evitando, assim, acesso a disco por qualquer uma das instâncias. Em outras palavras, uma instância pode precisar acessar um bloco que foi há poucos instantes alterado por outra instância, e este ainda está na memória. Através do Cache Fusion esta instância acessará este bloco, com o valor atual, ou seja, com a alteração feita pela outra instância. No RAC não existe fusão de SGA, ou seja, cada instância tem sua própria SGA, porém com seus blocos sujos visíveis a todas as instâncias, funcionalidade esta provida pelo Cache Fusion (FONSECA, 2008). Caso alguma instância se torne inativa, os processos de background que ficam vigiando todo o cluster, cuidarão de não enviar uma nova conexão para este nó inativo e transferirá todas as sessões que residiam naquele para um ponto do cluster que

15 15 esteja ainda ativo. É muito importante ressaltar que os comandos e processos de uma sessão que são transferidos são apenas de consultas, ou seja, transações que estejam pendentes de commit (confirmação de gravação) lançarão mensagem de erro que deve ser tratada, e sofrerá rollback (cancelamento de alteração). Aquele nó que apresentou instabilidade pode sofrer manutenção e voltar à ativa, passando a receber novas conexões a partir do momento que os processos responsáveis por vigiar o ambiente o identificarem como ativo. Vale lembrar que as sessões que estavam neste nó não voltam para ele, permanecem na instância para qual foram transferidas, ele receberá apenas novas sessões, que provavelmente serão direcionadas a ele, pois acabou de ingressar no cluster, logo está, teoricamente, mais disponível que os demais nós do ambiente (DYKE, 2006). Desta forma o Oracle RAC, garante baixo e transparente failover, pois as sessões existentes em uma instância falha ressurgem em uma outra instância, podendo acessar os mesmos dados que acessava na instância falha. Garante também capacidade de escalabilidade, permitindo a adição e/ou remoção de nós no ambiente sem a parada dos serviços. Então, um DBA pode prestar manutenção em um ambiente de banco de dados sem prejudicar o acesso aos dados, como por exemplo, aplicação de pacthes de segurança e atualização, bem como no sistema operacional do nó hospedeiro de uma instância. Um fato importante de se ressaltar no Oracle RAC é as suas sutis diferenças diante de um banco de dados de uma única instância. Em tese, um RAC, é um banco de dados simples, porém com mais instâncias, e com alguns componentes a mais. Componentes estes que merecem atenção são os processos de background específicos de um ambiente RAC, que não existem em uma configuração simples, são eles (FONSECA, 2008):

16 16 LMS: Conhecido como Global Cache Service. O RAC pode ter até 10 processos deste, variando de acordo com a quantidade de mensagens que trafegam entre os nós. As suas tarefas são: manusear as interrupções dos blocos de dados de uma instância remota para o Global Cache Service (Cache Fusion); controlar as requisições de recursos e as operações de chamadas realizadas entre as instâncias RAC durante a utilização dos recursos que são compartilhados; construção de uma lista de elementos que são afetados pelo lock e validar estes elementos durante uma operação de recuperação; manusear o mecanismo global de detecção de lock e deadlock e monitorar a duração de um lock disparando o timeout quando necessário; ele também controla a requisição dos dados que são acessados entre os nós de um cluster. No ambiente RAC, cada bloco é associado a uma instância específica. É este o processo que garante que cada instância irá fazer uma leitura consistente dos blocos, e uma instância por vez; LMON: Sua função é monitorar todo o cluster, as filas globais de requisição e o uso dos recursos da memória. O LMON controla as instâncias e a expiração dos processos. Participa do processo de recuperação da instância, em conjunto com o processo Global Cache Service. É ele que controla o processo LMD e as regiões de memória usadas. É similar ao processo PMON, em um banco de dados de única instância; LMD: É um processo agente de lock sobre os recursos que estão armazenados na fila de requisição. Atende às solicitações do LMSn para controlar o acesso global da instância na solicitação remota sobre a fila de requisição. Também controla e detecta deadlock s;

17 17 LCK0: Executa o gerenciamento global da fila de requisição como também da transmissão entre as instâncias. Ele manipula todos os recursos de transferência que não requerem o uso do Cache Fusion; DIAG: É um processo daemon responsável por monitorar e fazer o diagnóstico dos heartbeats (batimentos cardíacos) de cada instância, verificando quais instâncias RAC estão rodando no momento. Ele também captura os dados de um processo de uma instância falha. Existe um processo deste em cada instância, e não pode desativado ou removido. Se por acaso o processo DIAG da instância falhar, automaticamente outro é iniciado por um outro processo de background. 3.1 Vantagens e desvantagens do Oracle RAC Dentre as vantagens do Oracle RAC destacam-se as seguintes (VALLATH,2006): Alta disponibilidade: Na ocorrência de falha de um nó do cluster, os outros nós podem continuar a operar e a disponibilidade do banco de dados não será afetada; Confiabilidade: Devido ao uso de cluster no ambiente RAC, e com um DBA bom prestando manutenção ao ambiente, tem-se confiabilidade, pois o banco de dados se mantém funcionando até que caia o último nó do cluster, e enquanto isso, o corpo técnico pode restabelecer o funcionamento daquele que falhou; Recuperabilidade: Facilidade de recuperação em um nó falho, pois o sistema não tem de parar para se restabelecer a atividade de um nó falho; Detecção de erros e manutenção facilitada: As bases de dados múltiplas do legado podem ser consolidadas em uma única base de dados de RAC que reduz a complexidade da gerência e que introduz economias de escala.

18 18 Continuidade de operações: Garantida pela alta disponibilidade; Escalabilidade: Múltiplos nós permitem escalar bancos de dados clusterizados além do limite de uma instância simples, ou seja, em um ambiente RAC, pode aumentar e/ou diminuir o número de nós do cluster; Diminuição de TCO (Custo Total de Propriedade): Redução dos gastos com compras de hardware, pois pode-se comprar n máquinas, de menor porte, logo mais baratas. Além da redução do custo com manutenção e suporte (PORTILHO, 2009); Dentre as desvantagens têm-se as seguintes: Alto custo de licenciamento, pois para cada instância componente do cluster é necessário uma licença para cada processador. Assim, se houver um RAC com dois nós e cada nó deste tiver dois processadores, serão necessárias 4 licenças de uso do SGBD (PORTILHO, 2009). Conhecimento, por parte do DBA, do ambiente de sistema operacional. O DBA precisa ter um bom conhecimento de SO para facilitar a montagem e manutenção do RAC. Além de todas estas desvantagens, pode-se ter um grande problema de desempenho em casos de catástrofe, ou seja, de acordo com o funcionamento do RAC, quando um nó falha, uma instância sobrevivente recebe as sessões oriundas daquele e outras novas. Caso os nós sobreviventes já estejam com uma carga um tanto alta, podem não suportar a nova carga proveniente do nó inativo, e assim falhar também, daí suas sessões, incluindo as sessões que herdou daquele nó, vão para um outro sobrevivente, que teria de suportar sua carga de trabalho e a dos outros dois, causando um efeito dominó, podendo chegar a inatividade de todo o cluster, caso não se restabeleça a atividade dos dois primeiros. De acordo com (FONSECA, 2008) ao planejar um ambiente Oracle RAC, deve-se estimar a utilização de CPU para consultas pesadas.

19 19 Durante o período de alta utilização de um servidor / instância do ambiente, a CPU não deve passar de 70%. Deve-se atentar para o fato de se a instância sobrevivente tem capacidade para suportar toda a carga de trabalho no caso de falha de uma determinada instância do cluster. 3.2 Ferramentas para manutenção do RAC Existem diversas ferramentas para o DBA administrar o Oracle RAC, dentre elas destacam-se as seguintes: CVU (Cluster Verification Utility): Seu objetivo é verificar se o cluster está configurado corretamente antes de se tentar instalar o Oracle Clusterware ou o próprio software de gerência de banco de dados. Ele faz uma leitura de checagem e relata dicas / conselhos se encontrar algum problema. O DBA pode ou não seguir tais dicas, sob pena de encontrar problemas na instalação de algum componente (DYKE, 2006). Com o CVU, podem-se passar vários parâmetros para checagens diversas: o nodereach: verifica se toda a configuração de rede está correta e se todos os nós podem ser alcançados via rede; o nodecon: checa se a configuração de rede está correta, checa inclusive o VIP (ip virtual); o cfs: verifica a integridade do sistema de arquivos do cluster; o ssa: checa se o storage compartilhado está acessível; o space: verifica se o mínimo de espaço em disco requerido é atendido; o sys: checa se os requisitos de sistema foram atingidos; o clu: Verifica a integridade do cluster; o clumgr: permite a verifica da integridade do gerenciador de cluster;

20 20 o ocr: analisa a integridade do OCR (Oracle Cluster Registry); o crs: verificação de integridade do Oracle Clusterware; o nodeapp: checa a existência de aplicação nos nós; o admprv: verifica se os privilégios administrativos foram devidamente delegados; o peer: faz a verificação da configuração corrente de um nó com os demais; CVUQDISK: Uma variação do CVU, que cuida de fazer uma checagem dos discos que compõem o storage (área de armazenamento) do RAC. Além das ferramentas de análise do cluster, que faz as verificações necessárias após o processo de definição/instalação do cluster, existem as ferramentas para gestão do RAC, incluindo a manutenção, inclusão ou remoção dos nós. É importante ressaltar que para desativar uma instância no RAC, é essencial que existam outras ativas e que o Oracle Clusterware esteja rodando nelas. Desligar um nó do RAC não interfere no funcionamento do ambiente, o que pode ocorrer é um certo impacto nas instâncias restantes, pois receberão o processamento que havia no nó ora desativado. As ferramentas que proporcionam tais funcionalidades são: EM (Enterprise Manager): Nas versões superiores a 10.1 do Software de banco de dados Oracle, o Enterprise Manager, que neste texto chamaremos de EM, é uma ferramenta baseada na plataforma web. Existem duas versões do EM nas edições 10.1 e superiores do Oracle: Database Control e Grid Control. Com o Database Control pode-se gerenciar um único banco de dados Oracle RAC com suas instâncias, listeners e nós. Já com o Grid Control, consegue-se gerenciar vários bancos de dados Oracle RAC, bem como suas instâncias, listeners, servidores de aplicação, servidores web, e

21 21 aplicações web. Com ele também é possível criar um banco de dados de espera (stand by) Data Guard. (VALLATH, 2006) SRVCTL (Server Control Utility): É uma ferramenta de linha comando, que executa muitas das tarefas feitas pelo EM. Nas versões superiores a 10.1 do Oracle, o SRVCTL armazena informações sobre configuração e status do OCR (Oracle Cluster Registry), estas informações são utilizadas por outras várias ferramentas Oracle, incluindo o EM. Pode-se usar o SRVCTL para iniciar, parar e obter o status corrente de um banco de dados, de suas instâncias e listeners. É usado também para adicionar e deletar informações de instâncias e bancos de dados, além de mover uma instância de um nó para outro por exemplo. Também é possível setar variáveis de ambiente, seja no nível da instância ou do banco de dados. Através desta ferramenta é possível controlar seis tipos de componentes: database, instância, serviços, aplicações dos nós (que incluem: GSD Global Services Daemon, Oracle Notification Service ONS, Virtual Ip VIP, Oracle Net Listener, que também pode ser administrado pela ferramenta LSNRCTL), ASM e listener. Dentre as funções do SRVCTL, destacam-se as seguintes com relação a gerência do banco de dados: Inicializar um banco de dados, parar um banco de dados; checar a configuração de um banco de dados, checar o status de um banco de dados, adição de configurações a um banco de dados, modificar as configurações existentes de um banco de dados, habilitar e/ou desabilitar um banco de dados, além de outras várias funcionalidades. Com relação às funcionalidades do SRVCTL para gerência das instâncias de um Oracle RAC, têm-se as seguintes:

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE Faculdade Pernambucana - FAPE Visão Geral dos Componentes Principais da Arquitetura Oracle Servidor Oracle É o nome que a Oracle deu ao seu SGBD. Ele consiste de uma Instância e um Banco de Dados Oracle.

Leia mais

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional.

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional. Arquitetura Oracle e seus componentes Hoje irei explicar de uma forma geral a arquitetura oracle e seus componentes. Algo que todos os DBA s, obrigatoriamente, devem saber de cabo a rabo. Vamos lá, e boa

Leia mais

Real Application Cluster (RAC)

Real Application Cluster (RAC) Real Application Cluster (RAC) Anderson Haertel Rodrigues OCE RAC 10g anderson.rodrigues@advancedit.com.br AdvancedIT S/A RAC? Oracle RAC é um banco de dados em cluster. Como assim? São vários servidores

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe

Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe Objetivos: Apresentar conceitos do Microsoft Windows Clusters Server Apresentar a arquitetura do

Leia mais

Aula 2 Arquitetura Oracle

Aula 2 Arquitetura Oracle Aula 2 Arquitetura Oracle Instancia Oracle Uma instância Oracle é composta de estruturas de memória e processos. Sua existência é temporária na memória RAM e nas CPUs. Quando você desliga a instância em

Leia mais

As principais estruturas são a SGA (System Global Area ou Área Global do Sistema) e a PGA (Program Global Area ou Área Global de Programa).

As principais estruturas são a SGA (System Global Area ou Área Global do Sistema) e a PGA (Program Global Area ou Área Global de Programa). ARQUITETURA ORACLE O conhecimento da arquitetura interna do ORACLE é de extrema importância para a compreensão das técnicas de otimização do produto. Basicamente, os seus mecanismos de execução são as

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

www.en-sof.com.br SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO

www.en-sof.com.br SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO 1 Soluções Oracle Voltadas à Continuidade dos Negócios Luciano Inácio de Melo Oracle Database Administrator Certified Oracle Instructor Bacharel em Ciências da Computação

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

Veritas Storage Foundation da Symantec

Veritas Storage Foundation da Symantec Veritas Storage Foundation da Symantec Gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line O Veritas Storage Foundation oferece uma solução completa para o gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line.

Leia mais

um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode

um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode 1 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS NO SGBD ORACLE 11G JUVENAL LONGUINHO DA SILVA NETO 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo apresenta como criar, modificar e excluir usuários, privilégios, atribuições

Leia mais

Instalação RAC10g em Linux

Instalação RAC10g em Linux Instalação RAC10g em Linux Humberto Corbellini humberto.corbellini@advancedit.com.br Agenda Visão Geral Storage compartilhado Hardware utilizado Sistema operacional Configuração de rede Drivers e opções

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37 7 Sumário Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 13 Capítulo 1 Instalação e Configuração... 15 Instalação em Linux... 15 Instalação e Customização do Red Hat Advanced Server 2.1... 16 Preparativos

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Servidores SQL - SQL SERVER 7.0 e Oracle

Servidores SQL - SQL SERVER 7.0 e Oracle Servidores SQL - SQL SERVER 7.0 e Oracle SQL SERVER O SQL Server é um sistema de gerenciamento de banco de dados cliente/servidor de alto desempenho com alta integração com o Windows NT. Suas características

Leia mais

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação prática do novo

Leia mais

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server.

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server. Recover no Oracle O backup e recuperação de dados em um SGBD é de grande importância para a manutenção dos dados. Dando continuidade a nossos artigos, apresentamos abaixo formas diferentes de se fazer

Leia mais

BI: Um estudo de Oracle MÉLODY BALLOUARD (MAMB)

BI: Um estudo de Oracle MÉLODY BALLOUARD (MAMB) BI: Um estudo de Oracle MÉLODY BALLOUARD (MAMB) Roteiro Introdução Motivação Objetivos Historico Conceitos Arquitetura Estado da arte Exemplos Referências Introdução Quantidade infinita de dados Ferramentas

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g Daniel Murara Barcia Especialista em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande do Sul daniel@guaiba.ulbra.tche.br Resumo. Esse artigo aborda

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows. Um artigo técnico da Oracle Julho de 2007

Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows. Um artigo técnico da Oracle Julho de 2007 Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows Um artigo técnico da Oracle Julho de 2007 Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows Sumário Executivo... 3 Introdução... 3 Arquitetura do Oracle Database

Leia mais

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL

Leia mais

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes.

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes. SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO Características Técnicas: 1.1 Deverá ser ofertada Solução de Storage com capacidade mínima de 100 TB (cem Terabyte) líquido, sendo 80TB (oitenta Terabytes)

Leia mais

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro O MySQL Cluster é versão do MySQL adaptada para um ambiente de computação distribuída, provendo alta disponibilidade e alta redundância utilizando

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Utilizamos uma rede Oracle para estabelecer conexões entre a aplicação e o servidor Oracle em um ambiente de rede, considerando os seguintes fatores:

Utilizamos uma rede Oracle para estabelecer conexões entre a aplicação e o servidor Oracle em um ambiente de rede, considerando os seguintes fatores: CONFIGURANDO REDE Conexões na Rede Oracle Utilizamos uma rede Oracle para estabelecer conexões entre a aplicação e o servidor Oracle em um ambiente de rede, considerando os seguintes fatores: A configuração

Leia mais

1 Introdução. O sistema permite:

1 Introdução. O sistema permite: A intenção deste documento é demonstrar as possibilidades de aplicação da solução INCA Insite Controle de Acesso - para controle de conexões dia-up ou banda larga à Internet e redes corporativas de forma

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de bancos de dados Oracle oracle série 4.5 Avisos legais Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins informativos

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Arquitetura do Banco de Dados Oracle 11g no Windows. White paper técnico da Oracle Julho de 2007

Arquitetura do Banco de Dados Oracle 11g no Windows. White paper técnico da Oracle Julho de 2007 Arquitetura do Banco de Dados Oracle 11g no Windows White paper técnico da Oracle Julho de 2007 Arquitetura do Banco de Dados Oracle 11g no Windows Visão geral executiva... 3 Introdução... 3 Arquitetura

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle Prof. Hugo Souza Após abordarmos os componentes lógicos, em uma síntese de dependências gradativas, vamos

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas. Administracão de Banco de Dados. ORACLE Backup / Recovery AULA 11

UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas. Administracão de Banco de Dados. ORACLE Backup / Recovery AULA 11 UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas Administracão de Banco de Dados ORACLE Backup / Recovery AULA 11 Prof. MsC. Eng. Marcelo Bianchi AULA 09 A ARQUITETURA DO ORACLE O conhecimento da arquitetura Oracle

Leia mais

Carga Horária 40 horas. Requisitos Servidor Oracle 10G Ferramenta para interação com o banco de dados

Carga Horária 40 horas. Requisitos Servidor Oracle 10G Ferramenta para interação com o banco de dados Oracle 10g - Workshop de Administração I Objetivos do Curso Este curso foi projetado para oferecer ao participante uma base sólida sobre tarefas administrativas fundamentais. Neste curso, você aprenderá

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS Sistemas Distribuídos 331 Arquivo: objeto que existe após criação, é imune a falhas temporárias e é persistente até que seja destruído Propósito de arquivos: armazenamento

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Por que os administradores de sistema devem estar atentos ao desempenho de virtualização e armazenamento

Por que os administradores de sistema devem estar atentos ao desempenho de virtualização e armazenamento Por que os administradores de sistema devem estar atentos ao desempenho de virtualização e armazenamento 2013, SolarWinds Worldwide, LLC. Todos os direitos reservados. É importante que os administradores

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

A instância fica alocada na memória compartilhada (shared memory) e é a combinação do System Global Area (SGA) com os processos background Oracle.

A instância fica alocada na memória compartilhada (shared memory) e é a combinação do System Global Area (SGA) com os processos background Oracle. ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO Instance Na instância são executados processos e espaços em memória, estes permitem ao Oracle cumprir com seu papel de manter a integridade, confidencialidade e disponibilidade

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br www.pedrofcarvlho.com.br ADMINISTRANDO A INSTÂNCIA

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br www.pedrofcarvlho.com.br ADMINISTRANDO A INSTÂNCIA ADMINISTRANDO A INSTÂNCIA Os tres componentes (instância, Listener e opcionalmente o DataBase Control) tem seus próprios utilitários de linha de comando que podem ser usados para inicialização, ou, uma

Leia mais

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas White Paper Autores: Dirk Paessler, CEO da Paessler AG Dorte Winkler, Redatora Técnica na Paessler AG Primeira Publicação: Maio de 2011 Edição: Fevereiro de 2013

Leia mais

Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP

Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP Parceria: Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. Parceria Union e Quest Software... 3 2. Foglight Gerenciando

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.5, janeiro-junho/2014

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.5, janeiro-junho/2014 GERENCIAMENTO E ALTA DISPONIBILIDADE EM ARMAZENAMENTO DE BANCO DE DADOS Fabio dos Santos Canedo Gustavo César Bruschi Luis Alexandre da Silva Vitor de Oliveira Teixeira FATEC Bauru - SP e-mail: vitor.teixeira2@fatec.sp.gov.br

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

CASO DE SUCESSO MICROWARE

CASO DE SUCESSO MICROWARE CASO DE SUCESSO MICROWARE CLIENTE: Ortobom SEGMENTO: Indústria MAIOR INTEGRAÇÃO E FLUXO DE DADOS GARANTE RESULTADOS ÁREA DE ATUAÇÃO: Datacenter DEMANDA: A empresa buscava maior comunicação e integração

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 REPLICAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER 2012 Renata Azevedo Santos Carvalho 1 RESUMO Neste artigo serão relatadas as novidades que o SQL Server 2012 vem trazendo nesta sua nova versão no que se

Leia mais

Sistema de Arquivos Distribuídos

Sistema de Arquivos Distribuídos Sistema de Arquivos Distribuídos Sistema de Arquivos Distribuídos A interface cliente para um sistema de arquivos é composta por um conjunto de primitivas e operações em arquivos (criar, apagar, ler, escrever)

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

Symantec NetBackup 7.1 Clients and Agents Complete protection for your information-driven enterprise

Symantec NetBackup 7.1 Clients and Agents Complete protection for your information-driven enterprise Complete protection for your information-driven enterprise Visão geral O Symantec NetBackup oferece uma seleção simples e abrangente de clientes e agentes inovadores para otimizar a performance e a eficiência

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI PAMELA CRISTINA MACHADO DE OLIVEIRA RENAN MILHOMEM PARISOTTO RODRIGO DA SILVA SIMÕES

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI PAMELA CRISTINA MACHADO DE OLIVEIRA RENAN MILHOMEM PARISOTTO RODRIGO DA SILVA SIMÕES UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI PAMELA CRISTINA MACHADO DE OLIVEIRA RENAN MILHOMEM PARISOTTO RODRIGO DA SILVA SIMÕES ALTA DISPONIBILIDADE EM SISTEMAS DE BANCO DE DADOS ORACLE São Paulo 2009 PAMELA CRISTINA

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Banco de Dados Distribuídos

Banco de Dados Distribuídos A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows Documentação Symom de Monitoração na Plataforma Windows Windows Linux Windows Linux Plataforma Windows Instalação A instalação do de Monitoração do Symom para Windows é feita através do executável setup.exe

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática /

Leia mais

arquitetura do join.me

arquitetura do join.me Uma visão geral técnica da arquitetura confiável e segura do join.me. 1 Introdução 2 Visão geral da arquitetura 3 Segurança de dados 4 Segurança de sessão e site 5 Visão geral de hospedagem 6 Conclusão

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Componentes internos de Um SGBD

Componentes internos de Um SGBD Arquitetura SBGD Gerenciamento de Processos joao@uefs.br Departamento de Ciências Exatas Universidade Estadual de Feira de Santana e sistemas paralelos 1 e sistemas paralelos Componentes internos de Um

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas White Paper Autores: Dirk Paessler, CEO da Paessler AG Gerald Schoch, Redator Técnico na Paessler AG Primeira Publicação: Maio de 2011 Edição: Fevereiro de 2015

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Windows 2008 Server Construído sob o mesmo código do Vista Server Core (Instalação somente

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000

Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000 Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000 Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Principais definições Diagrama de Rede Endereços Restrições

Leia mais

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Virtualização Microsoft: Da Estação de Trabalho ao Data Center Estudo de Caso de Solução de Cliente Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Visão Geral

Leia mais

Um artigo técnico da Oracle Setembro de 2009. Oracle Real Application Clusters 11g Release 2 Uma opção do Banco de dados Oracle

Um artigo técnico da Oracle Setembro de 2009. Oracle Real Application Clusters 11g Release 2 Uma opção do Banco de dados Oracle Um artigo técnico da Oracle Setembro de 2009 Oracle Real Application Clusters 11g Release 2 Uma opção do Banco de dados Oracle Artigo Técnico da Oracle Oracle Real Application Clusters 11g Release 2 Introdução...

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Phil Maynard UNIDADE DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO DE DADOS PARA O CLIENTE FEVEREIRO DE 2012 Introdução Em todos os lugares, o volume de

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup HP Technology Services O serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution fornece a

Leia mais

Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e

Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e confiança que vai garantir maior eficiência e segurança para

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

www.en-sof.com.br CARREIRA DE DBA ORACLE E CERTIFICAÇÃO

www.en-sof.com.br CARREIRA DE DBA ORACLE E CERTIFICAÇÃO CARREIRA DE DBA ORACLE E CERTIFICAÇÃO 1 CARREIRA E CERTIFICAÇÕES PARA DBAS ORACLE Luciano Inácio de Melo Oracle Database Administrator Certified Oracle Instructor Bacharel em Ciências da Computação - UNESP

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Case SICREDI Migração SGBD Oracle 9i para 11g

Case SICREDI Migração SGBD Oracle 9i para 11g Uso irrestrito Case SICREDI Migração SGBD Oracle 9i para 11g Agenda O SICREDI Histórico Core Bank Objetivo do Projeto Resumo do Projeto Ofensores vs. Mitigadores Cenário do Projeto A Migração Após a Migração

Leia mais