Metodologia para Escolha de Distribuição GNU/Linux

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia para Escolha de Distribuição GNU/Linux"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO GENERAL GOMES FREIRE DE ANDRADE Metodologia para Escolha de Distribuição GNU/Linux Versão.0 Agosto de 007

2 Realização Centro de Desenvolvimento de Sistemas - CDS Núcleo de Estudos em Software Livre - NESOL Versão :.0 Licença : CC-GPLv Data : 0/08/007 Esta versão para o Exército Brasileiro é uma adaptação da Metodologia para Escolha de Distribuição GNU/Linux, versão 0.5, Abr 007, autorizada pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, obedecendo ao disposto no modelo de licenciamento livre General Purpose License-GPL, versão. (www.opensource.org/licenses/gpl-license.php) Apoio: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Grupo de Trabalho Migração Para Software Livre Governo Federal

3 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Pg Considerações Iniciais da Metodologia para Escolha de Distribuição GNU/Linux.... Como usar adequadamente esta Metodologia.... Introdução Objetivo Distribuições ou Distros GNU/Linux Características institucionais que podem afetar a avaliação Apoio da Comunidade Controle de Pacotes Segurança Solução de Suporte Corporativa Atualizações Ferramentas gráficas para a Administração de Preferências Desempenho Definição do perfil de usuários Customização para cada perfil de usuário Suporte a hardware Controle de Qualidade Documentação Equipe Disponível Padronização Padronização da Hierarquia de Sistema de Arquivos (FHS) Linux Standard Base (LSB) Internacionalização (Openl8N) Impressão (Comunidade OpenPrinting) Clustering (Open Cluster Framework - OCF) e-ping Facilidade de customizar a distribuição (Personalização) Acessibilidade O Processo de Avaliação Etapas para processo de escolha da Distribuição Levantamento de necessidades e diagnóstico Levantar as distribuições de Sistemas Operacionais existentes Selecionar solução mais adequada de acordo com as características apresentadas Revisar aderência da solução às necessidades levantadas... Página

4 7.5 Analisar qualidade e segurança da solução Iniciar projeto piloto Revisar resultados do projeto piloto, comparando à lista de expectativas Homologação da distribuição Planejar para colocar a distribuição em produção Acompanhar o sistema em produção Conclusão... 5 ANEXO I - Grade de Avaliação de Distribuição... 6 ANEXO II - Grade de Avaliação de Distribuição para Estações de Trabalho (desktops)... 8 ANEXO III - Descrição dos Itens de Avaliação... ANEXO IV - Referências... 8 Página

5 Considerações Iniciais da Metodologia para Escolha de Distribuição GNU/Linux IMPORTANTE Esta metodologia foi elaborada para avaliar as distribuições GNU/Linux especificamente destinadas a estações de trabalho, permitindo uma escolha baseada em conceitos técnicos, de acordo com as funcionalidades definidas para avaliação, consideradas as peculiaridades das Organizações Militares do Exército Brasileiro.. Como usar adequadamente esta Metodologia:. - Leia com ATENÇÃO o objetivo do documento.. - O documento NÃO defende a utilização de uma distribuição específica.. - Este documento é construído colaborativamente e seu conteúdo é livre; logo, sugira alterações, de forma proativa, quando julgar pertinente..4 - Poderá ser usada alternativa de criar bônus para equilibrar a pontuação da avaliação, conforme descrito no item, do Anexo I. Página

6 . Introdução Uma das maiores dificuldades encontradas durante o processo de migração é a escolha da distribuição a ser adotada pela Instituição. Muitas instituições adotam aquela em que os técnicos, responsáveis pela migração, possuem maior experiência ou preferência. Em outros casos, são desenvolvidas novas distribuições/customizações para atender às suas necessidades específicas. A estruturação de uma metodologia, que considere as características da organização e acompanhe o nível de satisfação dos usuários é uma das dificuldades enfrentadas pelas áreas técnicas, para realizar a escolha adequada de uma distribuição que evite escolhas pessoais. Optar por não usar uma metodologia de avaliação, ou estruturá-la inadequadamente, pode acarretar muitas vezes o insucesso do plano de migração ou implementação. Isto ocorre por não serem analisados corretamente o ambiente computacional, as necessidades essenciais dos integrantes da organização, os sistemas legados e, também, a avaliação técnica de quais ferramentas cada usuário, em particular, necessita para o seu trabalho. No dia 0 de setembro de 005 foi realizada a Oficina Técnica de Migração para Software Livre do Governo Federal [], estruturada em grupos de trabalho e abrangendo 5 temas da área de Tecnologia da Informação. Entre estes temas foram abordadas questões relativas aos "Sistemas Operacionais" e "Estações de Trabalho". Tal evento buscou mapear adequadamente as demandas dos diversos Órgãos governamentais, analisando em que estágio de migração se encontravam e apontando os problemas mais comuns, enfrentados em cada tema específico, diante de um processo de migração. Foram mais de 60 instituições, que definiram o que, convencionalmente, se passou a chamar de nós de migração. Os nós de migração são os pontos técnicos comuns entre as instituições, ou internamente em cada organização, onde são identificados os problemas semelhantes que dificultam ou impedem o processo de migração para software livre. A escolha adequada de uma distribuição, ou simplificadamente distro, foi considerada um nó de migração pelos participantes da Oficina Técnica. O Ministério do Planejamento, durante a execução de seu Plano de Padronização de Ambiente e Migração para Software Livre [], elaborou uma grade de avaliação de distribuições, que se encontra no Anexo II, onde são apontados diversos fatores levantados pela equipe técnica, como fundamentais para a escolha de uma distribuição, que atendam às necessidades gerenciais, técnicas e do usuário da organização, considerando, também, a opinião dos usuários no transcorrer do diagnóstico do ambiente (neste caso, através da aplicação de um questionário junto a esses usuários). A partir da experiência interna de montagem da grade de avaliação, preparada pelo Ministério do Planejamento durante seu processo de migração para Software Livre, somada à importância dada a tal estudo durante a Oficina Técnica, é que foi elaborada esta proposta metodológica, com a finalidade de garantir um documento-base às diversas instituições envolvidas Página 4

7 em planos de migração, bem como estruturar seu processo de avaliação de distribuição GNU/Linux. A partir da proposta do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão MPOG, o Núcleo de Estudos em Software Livre NESOL, do Centro de Desenvolvimento de Sistemas CDS, atendendo determinação da Chefia do Departamento de Ciência e Tecnologia DCT, adaptou a metodologia, inserindo alguns itens e modificando outros. Assim sendo, elaborou uma grade de pontuação (Anexos I e II) específica para a avaliação de distribuições voltadas para estações de trabalho (desktops), considerando o cenário mais sensível no esforço de implementação do software livre, em ampla escala, no Exército Brasileiro. A avaliação de distribuições destinadas a equipamentos servidores, com funções específicas no EB, é considerada encargo das equipes técnicas responsáveis por sua implantação, sendo recomendada para servidores de uso geral, com baixa complexidade, a solução Debian Linux. Embora tal avaliação não esteja inserida no escopo deste documento, os conceitos gerais e a metodologia concebida pelo MPOG, ora adaptada ao Exército, podem ser aproveitados e/ou redefinidos para incluir itens específicos, considerados úteis à avaliação de distribuições para servidores de missão crítica ou de uso específico.. Objetivo O objetivo deste documento é formalizar o processo de análise da distribuição GNU/Linux (desktops) que melhor se adapte às necessidades das Organizações Militares (OM) do Exército Brasileiro. A metodologia busca estruturar um conjunto de requisitos para a elaboração de justificativa técnica sobre a escolha da melhor opção para estações de trabalho, que possam ser utilizadas pela maioria dos integrantes das diversas OM (militares ou civis), como instrumentos de trabalho em atividades de escritório. Da mesma maneira, deve permitir a utilização dessas máquinas para acesso à Internet/intranet, estudos, armazenamento de dados sob sua responsabilidade, acesso a correio eletrônico, organização pessoal, conteúdos multimídia e acesso a sistemas corporativos. Usos específicos, como estações gráficas, destinadas a desenvolvimento de sistemas, implementações de clientes leves (thin clients) e outras, estão fora da abrangência inicial da avaliação. Em um segundo momento, esta sistemática poderá ser reavaliada. As lições aprendidas serão utilizadas para sua própria evolução, de forma a aprimorar o processo de seleção de distribuições no Exército Brasileiro, devendo ser repassadas ao MPOG, como contribuição para o aperfeiçoamento da Metodologia original. Não é oportuno, neste momento, recomendar modificações nas indicações exaradas no Plano de Migração para Software Livre no Exército Brasileiro. Pretende-se, antes, permitir às OM do Exército Página 5

8 classificar, tecnicamente, as distribuições mais conhecidas e disponíveis, registrar as evoluções implementadas nesses produtos, e acompanhar o surgimento de novas soluções. Diante de uma sistemática bem estabelecida, caberá, às diversas OM optar dentre as distribuições avaliadas, considerando sempre as peculiaridades da própria organização e de todo o Exército Brasileiro. 4. Distribuições ou Distros GNU/Linux Distribuições GNU/Linux são sistemas operacionais livres, com "estruturas" definidas que criam, através de uma metodologia, uma espécie de "personalidade" para o sistema. São maneiras diferentes de agrupar os diversos conjuntos de programas e softwares necessários para se usar o sistema. Algumas distribuições estruturam o uso do sistema operacional para um fim específico: servidores, supercomputadores, uso doméstico, segurança, etc. Isto faz com que cada distro possua um conjunto de determinados pontos fortes que acabam "formatando" a sua característica de acordo com o foco estruturado, sendo eles: a estabilidade, a atualização constante, facilidade de uso e instalação, entre outros que podem ser observados []. A escolha de uma distribuição GNU/Linux para atender às necessidades de uma instituição é particular à mesma. Entretanto, alguns pontos básicos podem e devem ser considerados durante a análise das diferentes distros. 5. Características institucionais que podem afetar a avaliação Por se tratar de uma Instituição pública federal e entidade orçamentária, o Exército dispõe, em seu parque de (micro)computadores, diversas estações de trabalho com características técnicas modestas, normalmente utilizadas em atividades administrativas. A presença e a abrangência nacionais da Instituição contribuem com restrições para o treinamento continuado e o suporte desejável, de forma que se tornam essenciais a máxima facilidade de uso, instalação e gestão. O grande número de usuários de estações de trabalho, de conhecimento técnico-operativo diferenciado, implica em um enorme desafio ao estabelecimento de uma cultura uniforme em software livre, em face de sua inovação, mesmo diante do treinamento que está sendo proporcionado. A ampla cultura pré-existente, fruto de predominância durante mais de vinte anos principalmente em ferramentas de escritório, conduzem a indagações quanto à efetiva conveniência e oportunidade da adoção do produto equivalente e livre. O desconforto provocado pela necessidade de mais algum aprendizado é agravado pela aparente inocuidade de se substituir uma ferramenta por outra que faz exatamente a mesma Página 6

9 coisa e da mesma maneira. As inovações gráficas, que tanto seduziram o usuário há vinte anos, não são tão substantivas nos produtos que lhes são disponibilizados para o seu trabalho. No entanto, os aspectos econômico e tecnológico que revestem o software livre são desconsiderados e parecem incompreensíveis ao usuário final. Portanto, reveste-se de extrema relevância a adequada, persistente, oportuna e esclarecida motivação de todos os integrantes do Exército, para o significado fundamental da opção entre as duas soluções, software fechado e software livre. Ambas são relevantes. Há que se decidir, diante de circunstâncias eventuais em cada OM do Exército, e em cada tipo de trabalho a ser executado, sobre qual o produto que proporciona o melhor atendimento aos princípios da mais efetiva Administração Pública. Enfim, no Exército Brasileiro, são consideradas fundamentais para a criteriosa avaliação da distribuição de um Sistema Operacional livre, as seguintes características:. facilidade de personalização do produto (remasterização, customização, etc);. suporte geral a hardware, incluindo mídia removível e dispositivos USB;. suporte e eficaz desempenho em hardware antigo;. facilidade de utilização;. facilidade de instalação e de manutenção, incluindo a qualidade do conjunto de pacotes disponíveis e a facilidade de atualizações e gerenciamento desses pacotes; etc);. amplitude do suporte ao idioma português, do Brasil, e às configurações locais (moeda, fuso horário,. disponibilidade de conteúdo de apoio ao aprendizado, bem como a qualidade dos mecanismos de ajuda ao usuário;. extensão, maturidade e grau de atividade da comunidade de usuários; e. disponibilidade de suporte comercial para instalação, treinamento e customizações. Em qualquer hipótese, antes de fazer a análise de qualquer distribuição, deve-se saber qual o planejamento de médio e longo prazo no ambiente de TI da instituição, considerando por exemplo: o período no qual se espera ou se pretende atualizar o hardware, o sistema básico, a arquitetura básica dos sistemas utilizados e outros pontos de infra-estrutura, que projetam a realidade de cada instituição. A análise entre diferentes distribuições selecionadas deve considerar um conjunto de características técnicas, para que se possa elaborar um plano de testes para a homologação de uma distribuição. As características, tais como as apresentadas nos Anexos I e II, devem ser pontuadas de acordo com a Página 7

10 importância que cada uma tem em relação ao perfil de usuário que está sendo avaliado (ou ao ambiente de servidores). 5. Apoio da Comunidade Para que uma distribuição possa se manter em um padrão de qualidade adequado aos seus usuários e administradores é necessário que uma comunidade ou uma empresa seja responsável por sua manutenção. O grau de atividade dessa comunidade dentro do desenvolvimento da distribuição é responsável tanto pela sua popularidade, quanto pelo nível de qualidade dos recursos disponíveis. 5. Controle de Pacotes Para executar com sucesso seu trabalho, um administrador de sistemas precisa de maior controle e quantidade de informações possíveis sobre os pacotes chaves, dos quais dependerá o sistema que administra, permitindo identificar rapidamente os "bugs" conhecidos em cada pacote, patches de segurança, contato com o responsável pelo pacote, versões para diferentes arquiteturas, etc. O domínio e controle dos pacotes instalados, assim como dos processos de instalação, atualizações e remoção de pacotes no sistema escolhido, permitem ao administrador de sistemas um melhor trânsito dentro desta, bem como o controle de um grande parque de máquinas instaladas. O gerenciamento de pacotes é de grande importância para o administrador de sistemas e um facilitador da manutenção dos softwares instalados em seu parque computacional. 5. Segurança Uma das maiores preocupações para qualquer administrador é o nível de segurança do ambiente e o tempo de resposta para correções de falhas de segurança. A distribuição a ser escolhida precisa oferecer um tempo mínimo (ou suficiente para sua realidade) de disponibilização de novos patches (correções de falhas de segurança, por exemplo) após apontadas falhas e, para isso, é necessário que exista uma equipe voltada para a sua identificação, assim como mecanismos que facilitem a aplicação dessas correções. Importante, também, fazer a análise em função da política de segurança da organização. 5.4 Solução de Suporte Corporativa Para atender às necessidades de estações de trabalho, nem sempre é necessário apoio direto das equipes responsáveis pelas distribuições, já que o tempo de resposta necessário garante aos responsáveis pelo suporte local a opção de resolver o problema. Nota: No que se refere a servidores que trabalham com aplicações corporativas de missão crítica, cabe ao administrador analisar a existência de garantia de suporte do fabricante do hardware para a distribuição analisada. Normalmente, não existe garantia de suporte pelo fabricante, a não ser que sejam utilizadas as distribuições indicadas. Desse modo, no que se refere a serviços de missão crítica, o Página 8

11 suporte imediato representa fator de alta importância, cabendo ao administrador verificar a opção de suporte a ser garantido pela empresa especializada/certificada na distribuição, quando existente. 5.5 Atualizações Atualizações freqüentes de aplicações devem ser disponibilizadas, garantindo evoluções e novas funcionalidades para os usuários do sistema, de acordo com a necessidade da instituição e atendendo às demandas por melhorias. Deve-se considerar o tempo médio de atualização da distro. 5.6 Ferramentas gráficas para a Administração de Preferências Uma das maiores dificuldades encontradas por usuários ao utilizar sistemas GNU/Linux refere-se à administração dos serviços e suas configurações em sua estação de trabalho. Desse modo, é fundamental que uma distribuição disponibilize aplicações gráficas de fácil utilização e uma interface amigável e intuitiva, contendo ferramentas necessárias para seu uso. Deve ser levada em consideração a política da instituição de permissão aos usuários com relação a alterações de configuração do sistema, normalmente associadas com as suas preferências pessoais, tais como: resolução de tela, temas do desktop, cores, etc. 5.7 Desempenho 5.7. Definição do perfil de usuários As instituições costumam manter máquinas com diferentes configurações de hardware. Em alguns casos, podem ocorrer problemas na utilização de determinadas distribuições que demandem maior uso de processamento e memória. Desse modo, uma característica importante é a análise do conjunto de aplicativos que serão utilizados, para se identificar a distribuição que melhor se adequa ao maior número de máquinas do parque computacional em questão, evitando que seja necessário o uso de diferentes distribuições, uma específica para cada tipo de máquina. Existem distribuições que mantém sistemas com várias opções de interfaces gráficas, as quais se adaptam melhor a um conjunto característico de máquinas. Assim, existe a possibilidade de se criar perfis de sistemas para vários conjuntos de especificações de hardwares diferentes. É válido salientar que esses perfis tornam a manutenção do ambiente de TI mais complexa, o que reforça a importância de encontrar a distribuição com a melhor performance, considerando as variações de configurações de hardware ou, até, estabelecer um piso mínimo de configuração de hardware das máquinas da instituição a serem migradas Customização para cada perfil de usuário A customização do sistema operacional para cada perfil de usuário permite que seja mantida a mesma distribuição para atender a diferentes máquinas. Por exemplo, em uma máquina mais lenta pode-se utilizar um gerenciador de janelas mais leve, possibilitando um desempenho tão bom quanto máquinas mais novas para serviços comuns, como de acesso à Web. Página 9

12 5.8 Suporte a hardware Cada distribuição possui sua própria customização do kernel e subsistemas de controle de hardware para atender às necessidades definidas pela sua comunidade ou empresa responsável. Deve-se verificar o grau de detecção de hardware que a distribuição oferece e serviços como montagem de dispositivos externos (ex. pendrive, disquetes, impressoras, interfaces wireless, etc). 5.9 Controle de Qualidade A organização de uma comunidade/empresa para controle de qualidade dos pacotes/sistemas é fundamental para o sucesso da distribuição. Tal controle é feito através de análises de níveis de acessibilidade, controle de bugs (erros ou falhas), disponibilização de patches de segurança, manuais, tutoriais, dicas de instalação e configuração, histórico de correções, etc. Cabe ressaltar que deve ser considerada para essa característica a subjetividade do que vem a ser qualidade para a realidade e necessidade da instituição. 5.0 Documentação Uma das maiores vantagens apresentadas pelo software livre é a ampla produção de documentação. Essa característica precisa ser considerada quando feita análise de distribuições, verificando o número, a qualidade e a atualização dos documentos existentes, tais como manuais, tutoriais, FAQ perguntas mais freqüentes, ou frequently asked questions e fóruns para uma determinada distribuição, sendo fundamental a existência de versão dos documentos no idioma oficial do país onde se encontra a instituição. Tais informações poderão garantir melhor suporte por parte da equipe interna da instituição. 5. Equipe Disponível Como informado anteriormente, uma distribuição se constitui de um kernel e diferentes pacotes que garantem os serviços, tais como: interface gráfica, servidor de correio, editor de texto, etc. O que diferencia uma distribuição da outra é o foco técnico que a mesma adota (como descrito no item 4, acima. Desse modo, existem distribuições que apresentam um nível de detalhamento de facilidades ao usuário mais avançado do que outras. De acordo com a equipe disponível para fazer a migração das estações de trabalho, pode-se criar uma própria customização a partir de uma distribuição escolhida como base. Desse modo, pode-se definir as funcionalidades necessárias e implantá-las na customização criada. Isso demandará um trabalho posterior para manter tal customização, com a evolução da distro base. Caso a equipe não disponha de recursos humanos suficientes para tal trabalho, é recomendável procurar distribuição mais próxima das necessidades levantadas, garantindo assim menor intervenção possível na distribuição a ser adotada. Página 0

13 5. Padronização Com a crescente utilização de sistemas GNU/Linux por grandes empresas e órgãos do governo federal, a adoção de uma padronização tem se tornado cada vez mais importante. Uma característica a ser considerada é a certificação LSB (Linux Standard Base), o que garante à mesma interoperabilidade binária a aplicações que rodem em sistemas igualmente certificados. Desse modo, organizações tais como a Free Standards Group, a Freedesktop.org, e a Open Source Development Labs (OSDL) têm desenvolvido diversos projetos nessa área. Esses projetos usam e melhoram padrões existentes, tais como POSIX, XML, CORBA, entre outros. Alguns desses projetos são: 5.. Padronização da Hierarquia de Sistema de Arquivos (FHS) O Padrão de Hierarquia de Sistemas de Arquivos foi elaborado para ser utilizado por desenvolvedores de distribuições Unix, desenvolvedores de pacotes e implementadores de sistemas e usuários, de modo que seja adotado padrão para localização de arquivos e diretórios [7]. 5.. Linux Standard Base (LSB) O LSB é um projeto open source para desenvolvimento de padrões abertos para software portável em sistemas GNU/Linux. Ele descreve uma plataforma de portabilidade que permite o software compilado ser executado corretamente em diferentes versões e distribuições [8]. 5.. Internacionalização (Openl8N) A certificação Openl8N promove uma plataforma para cuidar da internacionalização de sistemas GNU/Linux [9] Impressão (Comunidade OpenPrinting) O objetivo do grupo de trabalho OpenPrinting é desenvolver e promover um conjunto de padrões que atenda às necessidades de estações de trabalho para impressão, incluindo administração, segurança e escalabilidade [0] Clustering (Open Cluster Framework - OCF) Tal projeto tem como objetivos: definir APIs padrões para funções básicas de clustering; e criar e oferecer suporte a projetos de desenvolvimento open source que atuem como implementação de referência para as APIs OCF. Também é intenção do projeto criar APIs que venham a ser utilizadas tanto por clusters de Alta Performance, como de Alta Disponibilidade [] e-ping A arquitetura e-ping define um conjunto mínimo de premissas, políticas e especificações técnicas que regulamentam a utilização da Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) no Governo Federal, Página

14 visando a interoperabilidade dos sistemas informatizados e estabelecendo as condições de interação com os demais Poderes e esferas de governo, e com a sociedade em geral []. 5. Facilidade de customizar a distribuição (Personalização) Considerar a facilidade de modificar e personalizar a distribuição para atender as demandas especificas da instituição, dentre elas: configurações de temas, automatização da instalação de softwares, da facilidade de criação de perfis de instalação e manutenção de sistemas. Caso a instituição planeje realizar personalizações na distribuição que está utilizando, é importante saber (e deverá ser avaliado) se a distribuição base possui uma infra-estrutura ou recursos que facilitem o processo de criação e manutenção dessa personalização, assim como o grau de interferência na distribuição original, para evitar que se assuma a responsabilidade de manutenção de muitos pacotes da distribuição original. 5.4 Acessibilidade A expressão acessibilidade, presente em diversas áreas de atividade, tem também na informática um importante significado. Representa, para o nosso usuário, não só o direito de acessar a rede de informações, mas também o direito de eliminação de barreiras arquitetônicas, de disponibilidade de comunicação, de acesso físico, de equipamentos e programas adequados, de conteúdo e apresentação da informação em formatos alternativos []. Caso exista algum usuário com necessidade especial, deve-se levantar as demandas desse usuário, sendo importante avaliar as soluções de acessibilidade que se encontram disponíveis para a distribuição, além do nível de qualidade apresentado para essas aplicações específicas. Uma iniciativa do governo federal nessa área é o Modelo de Acessibilidade de Governo Eletrônico chamado e-mag, o qual contém as recomendações de acessibilidade para a construção e adaptação de conteúdos do Governo Brasileiro na Internet, que considera o oferecimento de conteúdos gráficos e sonoros, alternativos, claros, compreensíveis e capazes de garantir o controle da navegação pelo usuário, entre outras características [4]. 6. O Processo de Avaliação A intenção de desenvolver uma avaliação de distribuições GNU/Linux deve ser informada ao NESOL, por intermédio da Chefia do CDS. A partir de então, no intuito de auxiliar e orientar tecnicamente a equipe de avaliação, os trabalhos serão coordenados pelo próprio Núcleo de Estudos. Cada distribuição deve ser avaliada por, no mínimo, (três) avaliadores. O resultado final será obtido da média da pontuação das três observações. Em caso de insuficiência de técnicos capacitados, um mesmo avaliador poderá observar mais de uma distribuição. Se for julgado conveniente, o técnico avaliador poderá julgar os itens, tanto na condição de Página

15 administrador, quanto sob o enfoque do usuário. No entanto, haja vista a relevância da opinião do usuário final, será sempre desejável que seja obtida sua opinião. A avaliação poderá ser realizada por integrantes dos Centros de Telemática de Área CTA, dos Centros de Telemática CT, ou, se houver disponibilidade, por técnicos existentes nas demais OM do Exército. Em qualquer hipótese, o relatório da avaliação será enviado ao CDS, para o NESOL que, após analisá-lo, fará sua divulgação oportuna. A remessa do relatório ao CDS deverá estar acompanhada da identificação de todos os avaliadores, de modo que permita a obtenção e intercâmbio de mais informações, e o registro dos participantes no esforço de avaliação. A equipe de avaliadores poderá, a qualquer momento, tecer críticas, comentários e sugestões sobre a metodologia apresentada, de forma a aperfeiçoá-la. No entanto, deve evitar alterá-la prematuramente, de forma a não afetar a justeza do modelo de avaliação, no esforço inicial. 7. Etapas para processo de escolha da Distribuição [4] 7. Levantamento de necessidades e diagnóstico Antes de executar testes com diferentes distribuições aleatoriamente, deve-se verificar as necessidades apresentadas pelos usuários, através de questionário a ser respondido pelos mesmos ou de qualquer outro instrumento de pesquisa. Através do diagnóstico da situação atual do ambiente, pode ser feita customização própria das características exigidas à distribuição a ser escolhida, e serem definidos perfis de usuários de acordo com os softwares necessários e a configuração de hardware de cada grupo. 7. Levantar as distribuições de Sistemas Operacionais existentes Após analisadas as características que melhor se adaptem às necessidades da instituição, sugere-se que sejam escolhidas as distribuições que se aproximem do perfil desejado. 7. Selecionar solução mais adequada de acordo com as características apresentadas A partir da definição de uma grade de características a ser verificada, como a apresentada no Anexo I, deve ser dada pontuação a cada distribuição no transcorrer dos testes. Cabe ressaltar que devem ser utilizadas as máquinas mais comuns do parque computacional da Instituição durante a homologação da distribuição, garantindo a melhor aderência dos resultados. 7.4 Revisar aderência da solução às necessidades levantadas Tendo definida a distribuição de maior pontuação no transcorrer dos testes, deve ser executada uma nova bateria de testes com a mesma, para a verificação da facilidade de uso, o correto funcionamento das ferramentas a serem utilizadas por diferentes perfis de usuários (levantados em 5.), apontando configurações específicas para cada caso. Página

16 7.5 Analisar qualidade e segurança da solução Cada distribuição possui nível de segurança e controle de qualidade diferenciados. Desse modo, devese analisar de que forma são apresentados patches de segurança, melhorias de qualidade para a distribuição e como é garantido o controle pelo administrador de tais serviços. 7.6 Iniciar projeto piloto Nesta etapa, a distribuição a ser testada já deverá ter sido selecionada. Após as configurações definidas para cada perfil avaliado, devem ser escolhidas pessoas que representem cada um deles, para que seja feito o acompanhamento do nível de satisfação dos usuários. 7.7 Revisar resultados do projeto piloto, comparando à lista de expectativas Deve-se verificar a planilha de características, checando se a mesma precisa ser alterada e que modificações são necessárias a cada configuração associada a um determinado perfil. Nesse ponto, deve ser apresentado relatório indicando se a distribuição atende às necessidades colocadas pelo usuário. Caso não atenda, deve se verificar a possibilidade de oferecer nova configuração ou, mesmo, adotar nova distribuição, que atenda aos requisitos exigidos, reiniciando-se o processo de seleção. 7.8 Homologação da distribuição Após comprovar que a distribuição atende às necessidades da instituição e terem sido feitas as últimas adequações à mesma, para atender aos últimos requisitos levantados em 7.7, deverá ser elaborado documento de homologação da distribuição. 7.9 Planejar para colocar a distribuição em produção Após a homologação da distribuição, para as necessidades de cada perfil de usuário da instituição, deve-se iniciar o projeto de implementação, seguindo orientações apresentadas no Guia Livre [6], no Plano de Padronização de Ambiente e Migração para Software Livre [], ou em planos internos de cada instituição, levando-se em consideração a necessidade de serem planejados processos de capacitação e suporte aos usuários para a distribuição selecionada. 7.0 Acompanhar o sistema em produção Com os sistemas em produção, deve ser feito acompanhamento do nível de segurança, do nível de satisfação do usuário e da qualidade dos serviços oferecidos. Antes de serem instaladas novas versões dos aplicativos básicos para cada perfil, devem ser realizados todos os processos de homologação descritos nas etapas anteriores. Página 4

17 8. Conclusão A escolha de uma distribuição deve ser feita de acordo com a metodologia apropriada, garantindo aos usuários uma migração transparente de suas máquinas e aos administradores maior facilidade para atender ao nível de qualidade exigido para os serviços. As etapas apresentadas para o processo de avaliação permitem um melhor acompanhamento de todo o processo de migração da distribuição e garantem melhor customização a cada perfil de usuário da instituição. Foram apresentadas informações nesse documento que poderão servir como base para a definição da grade de avaliação de distribuições para uma instituição. Ao contrário do que se costuma fazer, quando se utilizam ferramentas proprietárias, não é necessário adotar a mesma configuração de software para as máquinas com diferentes configurações de hardware, permitindo assim que sejam atendidos usuários com mesma qualidade para diferentes necessidades. A vantagem da facilidade de customização não pode ser desconsiderada durante a definição da distribuição. Como se trata de uma proposta metodológica, gostaríamos de obter o retorno daqueles que utilizaram este documento como referência, no sentido de indicarem as melhorias, colocarem sua avaliação sobre a presente metodologia proposta e compartilharem o aprendizado com a metodologia adotada, durante o processo de escolha da distribuição na instituição. A partir do momento em que começarmos a trabalhar em conjunto para discutir metodologias, ao invés de distribuições, estaremos garantindo melhores condições de trabalho aos usuários, maiores facilidades para o suporte técnico, e resultados positivos na migração para software livre, além de qualificarmos tecnicamente o trabalho. Seguindo a orientação adotada pelos Comitês de Implementação de Software Livre, nos diversos Órgãos do governo federal, o Departamento de Ciência e Tecnologia DCT, após consulta técnica ao CDS e NESOL, resolveu modificar, adotar e recomendar, para todo o Exército Brasileiro, a Metodologia concebida e proposta pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, por intermédio de sua Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação, para todo o Governo Eletrônico. O DCT considera o momento atual propício à ampla discussão do tema abordado, haja vista sua relevância para a modernização das ferramentas de apoio ao trabalho, no cotidiano das suas atividades. Recomenda, assim, o continuado aperfeiçoamento desta metodologia, considerando a necessária isenção e o imprescindível equilíbrio em seus julgamentos, retornando à comunidade brasileira suas valiosas contribuições. Página 5

18 ANEXO I - Grade de Avaliação de Distribuição. Montagem da Grade Os itens que compõem a Grade de Avaliação (Anexo II) são descritos no Anexo III. Esses itens devem constituir as primeiras colunas da esquerda da grade, como características propostas para, em seguida, atribuir as notas, que serão distribuídas nas colunas à direita da grade. Os pesos correspondentes foram inseridos na coluna adequada. Os quesitos de avaliação estão divididos em: Itens Objetivos e Itens Multivalorados. Os Itens Objetivos envolvem critérios que a distribuição simplesmente atende, ou não. Por exemplo, a distribuição utiliza a versão do kernel.6.x, ou não?; a distribuição tem suporte ao idioma português do Brasil, ou não? Deve-se atribuir nota "", caso o item seja atendido, e "0", caso não o seja. Os Itens Multivalorados envolvem atribuição de notas de "" a "4", que são utilizadas para avaliação subjetiva, como a percepção do administrador em relação à facilidade de manutenção da distribuição em avaliação, ou para atribuir diferentes graus de atendimento ao critério, sendo nota "" (ruim ou baixo) a nota padrão. A parte objetiva da avaliação soma um máximo de 00 pontos, enquanto a parte subjetiva pode atingir 00 pontos, permitindo a totalização limite de 00 pontos para uma distribuição. Nessa grade, a avaliação de desempenho está junto com a avaliação de características básicas. Nos Itens Objetivos, a nota padrão é "0" (zero), ou seja, a distribuição não atende ao quesito sob avaliação. Nos Itens Multivalorados, a nota padrão é "" (um), significando ruim ou baixo. A grade foi concebida para a avaliação de estações de trabalho (desktops), de uso geral. Grades específicas podem ser sugeridas para a avaliação de distribuições leves, Live CD, para computadores portáteis, e para servidores. Não é admitida a pontuação negativa. Cada avaliador deverá pontuar a distribuição em questão, e calcular a pontuação dos itens e da distribuição, em conformidade com a fórmula de cálculo, proposta ao final da grade. Ao remeter a sua avaliação, relativa às distribuições cogitadas, deverá anexar um relatório de críticas, ou sugestões para o aperfeiçoamento da metodologia. Página 6

19 . Cuidados na Avaliação É importante registrar a versão da distribuição que está sendo objeto de avaliação. Diversas distribuições apresentam saltos de qualidade, de uma versão para outra. O avaliador deve atentar para o fato de que alguns itens são mutuamente excludentes, de forma que a distribuição só fará jus à pontuação em um deles. P.Ex.: Navegador padrão Mozilla ou padrão Konqueror. Outros itens podem ser satisfeitos simultaneamente. P.Ex.: Suporte a Sistemas de Arquivos ext e reiserfs. São itens que refletem a necessidade de uma compatibilidade mais ampla, ou disponibilidade de opções. Os avaliadores devem buscar o máximo de imparcialidade na atribuição de pontos. Alguns itens de avaliação são considerados mesmo antes da instalação do sistema e, portanto, podem requerer pesquisa em sites especializados, junto à comunidade ou ao fabricante da distro considerada. Outros itens são avaliados durante a instalação, ou durante a utilização do sistema em avaliação. Nas distribuições que oferecem perfis de instalação, o avaliador deve escolher perfis destinados a estações de trabalho (desktops), para realizar a instalação e avaliação, de forma que a versão instalada se aproxime - o máximo possível - do tipo de configuração a ser utilizada no Exército Brasileiro. Uma versão da Grade de Avaliação estará disponível, em formato de planilha eletrônica, no portal do software livre do Exército Brasileiro (http://softwarelivre.eb.mil.br) e no Portal EBNet (http://ebnet.eb.mil.br).. Bônus Para que seja escolhida a distribuição mais ajustada com o seu ambiente, poderá ser necessário criar bônus de forma a valorizar algum requisito que seja considerado essencial. Por exemplo: compatibilidade com algum tipo de impressora que exista em larga escala na OM; compatibilidade com o antivirus homologado e em utilização; ou a preservação de funcionalidades de determinado sistema legado. Ou seja: a concessão de bônus tem a finalidade maior de dirimir uma eventual proximidade de pontuação entre duas ou mais distros, constituindo-se em ajuste para os aspectos considerados - tecnicamente - essenciais e que devam ser preservados na migração ou implementação. Página 7

20 ANEXO II - Grade de Avaliação de Distribuição para Estações de Trabalho (desktops) EXÉRCITO BRASILEIRO [NOME DO ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA AVALIAÇÃO] Planilha de Avaliação de Distribuição GNU/Linux para Estações de Trabalho (desktops) Equipe de Avaliação: Data: ATENÇÃO: Os avaliadores não devem alterar os pesos constantes da tabela abaixo. Caso persista alguma discordância, propor a alteração ao CDS, justificadamente Requisitos de Avaliação Peso Distro (versão) Distribuições Distro (versão) Distro (versão) Itens Objetivos (atribuir notas 0 ou ) Nota Pontos Nota Pontos Nota Pontos. Versão do Kernel a..6 ou superior b. Outra (inferior). Suporte a Idiomas (português do Brasil) a. Ajuda da interface gráfica padrão b. Páginas de manual on-line (main pages) c. Menus da interface gráfica padrão d. Menus dos aplicativos instalados e. Mensagens (Help e de erros) do interpretador de comandos f. Menus e mensagens do programa instalador g. Ajuda do programa instalador. Instalação a. Reconhecimento de sistemas operacionais não-linux, existentes b. Reconhecimento de outras distros, existentes c. Particionamento manual do disco d. Reconhecimento de partições existentes e. Redimensionamento de partições existentes f. Detecção de placa de som g. Detecção de interface de rede h. Detecção de placa de vídeo i. Detecção de monitor j. Instalação via rede (ftp, http, etc) l. Perfis de instalação pré-definidos m. Seleção manual de pacotes n. Opção para gerenciador de boot GRUB o. Recuperação de instalações anteriores p. Criação de usuários, na instalação q. Instalador modo gráfico r. Controle das fases de instalação s. Otimização de pacotes, em função da família do processador 4. Sistema de Gerenciamento de Pacotes a. Possui resolução de dependências (não somente a sua indicação) b. Existe sistema de gerenciamento de pacotes c. Permite criação de repositório local d. Permite a atualização automatizada 5. Atualização de pacotes a. Disponibilidade de versões atualizadas b. Aviso de lançamento, em listas especializadas c. Atualizações gratuitas 6. Segurança a. Desabilitação de serviços vulneráveis, após instalação b. Desabilitação do acesso remoto do superusuário, após instalação c. Inibição do logon automático du superusuário, após instalação d. Configuração de política de senhas (tamanho mínimo, expiração, combinações inadequadas, etc) e. Atualização de segurança, de fácil acesso f. Atualização de segurança, lançada em, até: - 48 horas - 7 dias g. Aviso de lançamento em listas especializadas 4 Página 8

Governo Eletrônico Brasileiro

Governo Eletrônico Brasileiro Governo Eletrônico Brasileiro Versão : 0.4 Licença : GPLv2 Data : 17/04/2006 Responsável : Gerência de Inovações Tecnológicas (DSI/SLTI) Autoria : Comitê Executivo de Software Livre do Ministério do Planejamento

Leia mais

Metodologia par a Escolha de Distribuição GNU/Linux

Metodologia par a Escolha de Distribuição GNU/Linux Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão SLTI Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação DSI Departamento de Integração de Sistemas de Informação Metodologia par a Escolha de Distribuição

Leia mais

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4 Índice Introdução Librix...3 Software Livre...3 Manual Eletrônico...3 Opções de Suporte...3 Dicas para a Instalação Configuração de Dispositivos Básicos...4 Teclado...4 Mouse...5 Vídeo...5 Rede...6 Configuração

Leia mais

Capítulo 1. Exército Brasileiro. Exército Brasileiro. 1.1 Plano de Migração para Software Livre no Exército. www.exercito.gov.br. 1.1.

Capítulo 1. Exército Brasileiro. Exército Brasileiro. 1.1 Plano de Migração para Software Livre no Exército. www.exercito.gov.br. 1.1. Capítulo 1 Exército Brasileiro Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: Exército Brasileiro www.exercito.gov.br Plano de Migração para Software Livre no Exército Brasileiro Coronel Carlos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Projecto SDAC 2010 Sistema Operativo Open Source Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Disciplina: Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores Professores: Catarina Santos/Paulo Guimarães

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil Apresentação Líder em Soluções Samba 4 no Brasil A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se

Leia mais

Introdução ao. Linux do MEC

Introdução ao. Linux do MEC Introdução ao Linux do MEC Abril/2006 ÍNDICE Software Livre 3 Linux do MEC 4 Inicializando e finalizando o sistema 5 Área de trabalho 6 Operações com arquivos 7 Administração do ambiente 9 Navegador Internet

Leia mais

Positivo Network Manager 4

Positivo Network Manager 4 Positivo Network Manager 4 O gerenciamento eficiente de informações e de tecnologia da informação (TI) é um fator reconhecidamente crítico na maioria das organizações. As informações e as tecnologias que

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC O AMBIENTE OPERACIONAL QUE AGREGA A CONFIABILIDADE E O SUPORTE DA ITAUTEC À SEGURANÇA E À PERFORMANCE DO LINUX O LIBRIX É UMA DISTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL LINUX

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

Parceiro Oficial de Soluções Zimbra no Brasil

Parceiro Oficial de Soluções Zimbra no Brasil Apresentação A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se ao desenvolvimento e criação de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Capítulo 1 Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: Ministério do Desenvolvimento Agrário www.mda.gov.br Plano de Migração para Software Livre Paulo

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Universidade Federal de Goiás Ubuntu Desktop Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Conpeex / 2010 Agenda Introdução Conceitos Categorias de Software História do Linux Arquitetura do Linux Ubuntu Projeto

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 3.1. Estação... 4 3.2. Servidor... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação Diretoria Técnica-Operacional Gerência de Tecnologia da Informação Termo de Referência Anexo II Especificação Técnica 1 - INTRODUÇÃO Página 2 de 9 do TR-007-3700 de Este anexo tem por objetivo detalhar

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais De modo semelhante ao Linux, o Windows é considerado um software microbásico. Uma característica desse tipo

Leia mais

PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013.

PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013. PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013. ACRESCENTA À ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO DISPOSITIVOS DE ACESSO, O PADRÃO TECNOLÓGICO CONFIGURAÇÃO MÍNIMA

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Informática Aula 03 Sistema Operacional Linux Objetivos Entender

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

Guia do Sistema. =// GNU/Linux //= para o Usuário Desktop. Baseado no sistema. Slackware 11.0 / KDE 3.5. ### 4a. Edição ###

Guia do Sistema. =// GNU/Linux //= para o Usuário Desktop. Baseado no sistema. Slackware 11.0 / KDE 3.5. ### 4a. Edição ### Guia do Sistema =// GNU/Linux //= para o Usuário Desktop Baseado no sistema Slackware 11.0 / KDE 3.5 ### 4a. Edição ### Rio, 12 de Novembro de 2006. Copyright (C) 2002-2005 Ednei Pacheco de Melo. Permission

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

1. P03 Dispositivos de Acesso. Configuração Mínima de Softwares para Estações de Trabalho P03.001

1. P03 Dispositivos de Acesso. Configuração Mínima de Softwares para Estações de Trabalho P03.001 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P03.001 Revisão v. 2014 2. PUBLICAÇÃO Órgão IplanRio Diretoria DOP Diretoria de Operações Setor GSA - Gerência de Suporte e Atendimento 1 de 6 epingrio@iplanrio.rio.rj.gov.br

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. O Mundo dos Softwares e Introdução aos Sistemas Operacionais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. O Mundo dos Softwares e Introdução aos Sistemas Operacionais Informática Prof. Macêdo Firmino O Mundo dos Softwares e Introdução aos Sistemas Operacionais Macêdo Firmino (IFRN) Informática Março de 2012 1 / 26 Software O Hardware não consegue executar qualquer ação

Leia mais

01/04/2012. Voltar. Voltar

01/04/2012. Voltar. Voltar Introdução à Informática Capítulo 3 Sistemas Operacionais: Software em Segundo Plano Objetivos Descrever as funções de um sistema operacional. Explicar os fundamentos do sistema operacional de um computador.

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Institucional OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Apresentar as vantagens de se trabalhar com Thin Clients Apresentar como funciona a tecnologia Server Based Computing, Virtualização de Desktop e Aplicativos EVOLUÇÃO

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Com o avanço dos computadores foram surgindo alguns tipos de sistemas operacionais que contribuíram para o desenvolvimento do software. Os tipos de

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional Curso de Linux Básico com o Felipe Buarque de Queiroz felipe.buarque@gmail.com Unidade Gestora de Tecnologia da Informação - UGTI Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL Maio de 2009

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 CONCEITOS DE SOFTWARE

INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 CONCEITOS DE SOFTWARE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 CONCEITOS DE SOFTWARE Profª Danielle Casillo SUMÁRIO O que é software? Software x Hardware

Leia mais

Configuração SERVIDOR.

Configuração SERVIDOR. REQUISITOS MINIMOS SISTEMAS FORTES INFORMÁTICA. Versão 2.0 1. PRE-REQUISITOS FUNCIONAIS HARDWARES E SOFTWARES. 1.1 ANALISE DE HARDWARE Configuração SERVIDOR. Componentes Mínimo Recomendado Padrão Adotado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 001/2012/03 Contrato por Produto Nacional. Número e Título do Projeto: BRA/03/034 Programa de Revitalização da Conab

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 001/2012/03 Contrato por Produto Nacional. Número e Título do Projeto: BRA/03/034 Programa de Revitalização da Conab TERMO DE REFERÊNCIA Nº 001/2012/03 Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/03/034 Programa de Revitalização da Conab 1. Função no Projeto: Consultor por Produto 2. Nosso Número: 3.

Leia mais

Exército Brasileiro. Tecnologia da Informação e Comunicações. Exército Brasileiro. Cartilha Emergencial de Segurança. Braço Forte Mão Amiga

Exército Brasileiro. Tecnologia da Informação e Comunicações. Exército Brasileiro. Cartilha Emergencial de Segurança. Braço Forte Mão Amiga Exército Brasileiro Braço Forte Mão Amiga Tecnologia da Informação e Comunicações Exército Brasileiro Departamento de Ciência e Tecnologia Presente e Futuro se encontram aqui Versão 1.0-2011 Sumário 1

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

DistribuiçãoGNU/Linuxdo. Governo do Estado desanta Catarina

DistribuiçãoGNU/Linuxdo. Governo do Estado desanta Catarina DistribuiçãoGNU/Linuxdo Governodo Estado de Santa Catarina Manual 01 Usuário Básico Dezembrode 2003 Introdução O YARA/GNU LINUX, é uma distribuição customizada pelo Centro de Automação de Santa Catarina

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis

Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis Perfil Guarulhos é um dos 39 municípios da Grande São Paulo, região economicamente

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Manual de Instalação Flex

Manual de Instalação Flex Manual de Instalação Flex Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5 4.1.1. Instalação do sistema...

Leia mais

Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo

Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo Descrição Sistema operacional baseado na distribuição Debian-Linux. Otimizado para o ambiente de terminais gráficos remotos. Customizado para

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Configurando e Implantando o Windows Server 2003 Fabricio Breve Requisitos de Hardware de Sistema Processador Mínimo: 266 MHz Mínimo ideal:

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Novo instalador, com menos etapas, tornado a instalação do Desktop Paraná mais simples para o usuário;

Novo instalador, com menos etapas, tornado a instalação do Desktop Paraná mais simples para o usuário; Debian 5.0 Lenny Este novo lançamento Debian possui vários pacotes de software a mais do que o seu predecessor etch; a distribuição inclui mais de 7.700 novos pacotes, num total de mais de 23.200 pacotes.

Leia mais

OpenSUSE, é uma distribuição do sistema operacional GNU/Linux, desenvolvida pela comunidade opensuse de forma gratuita.

OpenSUSE, é uma distribuição do sistema operacional GNU/Linux, desenvolvida pela comunidade opensuse de forma gratuita. SUSE OpenSUSE, é uma distribuição do sistema operacional GNU/Linux, desenvolvida pela comunidade opensuse de forma gratuita. Após adquirir o SUSE Linux em Janeiro de 2004, a Novell, uma empresa norteamericana

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Software Livre

Aula 2 Introdução ao Software Livre Aula 2 Introdução ao Software Livre Aprender a manipular o Painel de Controle no Linux e mostrar alguns softwares aplicativos. Ligando e desligando o computador através do sistema operacional Não é aconselhável

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Técnico em Informática SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Professor Airton Ribeiro de Sousa Sistemas operacionais Sistema de Arquivos pode ser definido como uma estrutura que indica como os dados

Leia mais

Informática Instrumental

Informática Instrumental 1º PERÍODO.: GRADUAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES :. Madson Santos madsonsantos@gmail.com 2 Unidade I Unidade I Software 3 Software o é uma sentença escrita em uma linguagem de computador, para a qual existe

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01 Prof. André Lucio Competências do modulo Introdução ao sistema operacional Windows Instalação e configuração do sistema

Leia mais

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 NOVELL CARTÃO DE INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Use os seguintes procedimentos para instalar uma nova versão do SUSE Linux Enterprise 11. Este documento

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Migração para Software Livre

Migração para Software Livre Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Migração para Software Livre Sistemas de Software

Leia mais

Fundamentos de Administração de Sistemas

Fundamentos de Administração de Sistemas Fundamentos de Administração de Sistemas Este curso tem como objetivo ensinar aos alunos conceitos de administração de um sistema Linux. Isto inclui o gerenciamento de contas de usuários, automação de

Leia mais

Manual de Uso AcessaLivre 3.0

Manual de Uso AcessaLivre 3.0 Manual de Uso AcessaLivre 3.0 ÍNDICE 03 04 05 06 08 13 17 20 25 30 Carta de Apresentação Novidades do Acessa Livre 3.0 Atualizações de versão Área de Trabalho usuário e monitor Aplicativos Menu Escritório

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO:

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO: SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br FUNÇÃO: GERENCIAR, ADMINISTRAR OS RECURSOS DA MÁQUINA. SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS MS-DOS WINDOWS 3.1 WINDOWS 95 WINDOWS

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Group Folha no servidor...6

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

Serviço HP Carregamento de Imagem e Aplicações

Serviço HP Carregamento de Imagem e Aplicações Especificações técnicas Serviço HP Carregamento de Imagem e Aplicações Serviços HP de Configuração Deixe a HP gerenciar sua imagem de PC para que você possa se concentrar nos negócios Visão geral dos serviços

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9 TÍTULO: ASSUNTO: GESTOR: TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD DITEC/GECOQ Gerência de Controle e Qualidade ELABORAÇÃO: PERÍODO: GECOQ Gerência de Controle e

Leia mais

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Fundamentos do uso de tecnologia da informação O USO CONSCIENTE DA TECNOLOGIA PARA O GERENCIAMENTO F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais