Autoria: Débora Dutra Otoni Pereira, Kelly Cordeiro dos Santos, Lilian Tavora Morais, Amyra Moyzes Sarsur

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoria: Débora Dutra Otoni Pereira, Kelly Cordeiro dos Santos, Lilian Tavora Morais, Amyra Moyzes Sarsur"

Transcrição

1 Novas Perspectivas na Gestão de Pessoas: a (In)Viabilidade da Condução por Consultores Internos de Recursos Humanos de Processos de Coaching nas Organizações Autoria: Débora Dutra Otoni Pereira, Kelly Cordeiro dos Santos, Lilian Tavora Morais, Amyra Moyzes Sarsur Resumo: O estudo tem como propósito identificar a viabilidade (ou não) do processo de coaching ser conduzido pela consultoria interna de Recursos Humanos RH das organizações. Tem abordagem qualitativa, utilizando para coleta de dados, entrevistas semi-estruturadas, realizadas junto a coaches, consultores internos de RH de grandes empresas e coachees. Foram definidas categorias de análise dos dados baseadas, especialmente, em Araujo (2010), Battley (2006), Goldsmith et al. (2003), Milaré e Yoshida (2009). Os resultados sinalizam como uma alternativa viável (ainda que não ideal), mas sujeita a cuidados que incluem questões éticas, neutralidade, interferência hierárquica, e, especialmente, formação do profissional para tal atuação. 1

2 1 Introdução A evolução da atuação da área de recursos humanos nas últimas décadas deixa claro o interesse de mudança para um foco mais estratégico, tanto das empresas, quanto dos profissionais que podem mais se ater a atividades nas quais antes não eram envolvidos, percebendo a necessidade de acompanhar os interesses dos gestores e líderes nas organizações, incluindo ações de planejamento estratégico, avaliação de indicadores do negócio e excelência no atendimento. Com a finalidade de se manterem no mercado, grandes organizações investem na contratação de consultorias externas que aplicam processos de coaching e têm por objetivo, capacitar equipes, especialmente gestores, para um melhor desempenho dentro das organizações. Tais consultores possuem conhecimento especializado e auxiliam na capacitação profissional, principalmente, executivos e profissionais de recursos humanos, pois os mesmos possuem papel fundamental dentro da organização dando suporte na tomada de decisões. Neste contexto, pode-se dizer que o processo de coaching tende a se tornar uma ferramenta de grande valia às lideranças. Segundo Araujo (2010), o termo coach provém do inglês, tem origem no mundo dos esportes e designa o papel de professor, treinador, preparador, o técnico como conhecemos (p.25). O coach atua encorajando e/ou motivando o seu cliente, procurando transmitir-lhe capacidades ou técnicas que melhorem as suas capacidades profissionais ou pessoais, visando à satisfação de objetivos definidos por ambos. O simples fato de compartilhar pensamentos/ideias que estão soltos e poder organizá-los, transformando-os em uma meta a ser alcançada mediante um plano de ação elaborado pelo coachee e seu coach já abre a perspectiva de melhoria ao profissional (GOLDSMITH et al, 2003). Para Ulrich (1998), quando se assume o papel de apoiar alguém e se compromete com a decisão, é importante que a pessoa que recebe o acompanhamento consiga atingir seus objetivos. Pode-se dizer, então, que a essência do coaching vem de encontro às mudanças e desafios da área de RH e das empresas, levando à compreensão de que é uma orientação prestada a um profissional ajudando-o a transformar o que aprendeu em resultados positivos para si e sua equipe. Ou seja, o processo de coaching é a ferramenta que pode ser utilizada para desenvolver aspectos relacionados à vida profissional e pessoal. Após o estudo sobre o processo e metodologia do coaching, algumas características sobre consultoria interna e externa, entrevistas realizadas com coaches, consultores internos de RH e profissionais submetidos ao processo como coachee, identificou-se as dificuldades encontradas neste processo, os cuidados necessários à sua realização e as possibilidades de ganho aos envolvidos na utilização desta nova metodologia de desenvolvimento de pessoas. A observação deste crescimento dos processos de coaching implementados pelas empresas deu origem à questão norteadora deste estudo: qual a viabilidade (ou não) do processo de coaching ser conduzido por consultores internos de RH das empresas? Assim, ficou definido como objetivo central deste estudo, verificar a viabilidade (ou não) da condução do processo de coaching por consultores internos de RH das empresas. Como sustentação bibliográfica foram pesquisados os conteúdos relativos aos processos de coaching, origem, objetivos, características, vantagens, cuidados, uso corrente na realidade empresarial e perfil do profissional especialista (coach). Eles serviram de base para a construção das categorias de análise para tratamento dos dados levantados nas entrevistas junto a coaches, coachees e consultores internos de RH. Além disso, serviu também como alicerce conceitual os conteúdos relativos a consultoria interna e externa, considerando a especificidade da relação proposta neste trabalho. 2

3 Foram elaborados três roteiros de entrevistas semi-estruturadas de forma a atender aos três públicos definidos e obter diferentes olhares sobre o tema pesquisado. As categorias foram determinadas a partir da abordagem de diversos autores, especialmente, a partir dos trabalhos de Araujo (2010), Battley (2006), Goldsmith (2003), Milaré e Yoshida (2009). Este artigo está constituído, além desta introdução, pelo referencial teórico focado em consultoria e coaching, aspectos metodológicos da pesquisa, apresentação e análise dos dados e considerações finais, além das referências. 2 Contexto de inserção e conceituação do processo de coaching Atualmente não é difícil perceber a rapidez como as mudanças vêm afetando as organizações e impulsionando-as para um acelerado desenvolvimento, tanto dos negócios, como de seus profissionais, o que gera a necessidade de utilizar novas ferramentas de gestão para acompanhar tais mudanças. (ULRICH, 1998). Para esse mesmo autor, de acordo com esse contexto atual, as pessoas tornaram-se o ponto chave para atingir o sucesso da organização. Sendo assim, o foco de atuação do RH deixou de ser somente operacional, nas atividades e rotinas administrativas, para ser o de desenvolvimento estratégico de pessoas. Acompanhando esta tendência, o processo de coaching tornou-se foco das práticas empresariais, sobretudo, a partir da segunda década do século XXI, caracterizado como uma das principais mudanças ocorridas no RH das empresas conforme afirma Osso (2009). Complementam esta ideia, Milaré e Yoshida (2009) quando indicam que a substituição de velhos paradigmas empresariais suscitados pela evolução ocorrida no mundo do trabalho gera a necessidade do desenvolvimento contínuo também dos profissionais diante das mudanças exigidas. Mudanças estas que afetaram diretamente as estratégias organizacionais, propiciando a adoção de um modelo de desenvolvimento de pessoas que privilegiasse o estímulo à aprendizagem. É nesse sentido que se utiliza o processo de coaching, pois, conforme afirma Ulrich (1998) quando se assume o papel de apoiar alguém e se comprometer com a decisão é importante salientar que a pessoa que recebe o treinamento consiga atingir seus objetivos. A essência do coaching pode ser compreendida como uma orientação prestada para alguma pessoa, ajudando-a de modo que transforme o que aprendeu em resultados positivos para si e sua equipe, uma vez que a ferramenta pode ser utilizada para desenvolver aspectos relacionados à vida pessoal e profissional. Este processo é constituído de começo, meio e fim, pode ser utilizado para gerar novas perspectivas e oportunidades para o indivíduo e a organização, resultando em um significativo aumento do nível de satisfação e realização do individuo, além de ser possível desenvolver as principais qualidades e habilidades de uma pessoa, superando limitações e dificuldades. Segundo Ulrich (1998) e Milaré e Yoshida (2009), o coaching é um processo definido em comum acordo entre o coach (profissional) e o coachee (cliente) a partir de uma meta desejada pelo cliente, na qual o coach apoia o cliente na busca de realizar metas de curto, médio e longo prazos, por meio da identificação e uso das próprias competências, como também do reconhecimento e superação de suas fragilidades. Araujo (2010) faz uma analogia entre o profissional de recursos humanos com um coach e os coachees. A autora destaca que este profissional possui papel fundamental no incentivo e orientação de diretores, gerentes, supervisores ou coordenadores no exercício de coaching, mas que também precisa ter profundo conhecimento do processo, bem como ter praticado por diversas vezes e dominar cada etapa, pois não se assessoram coachees sem experiência. Segundo Goldsmith et al (2003), esse novo momento que enfatiza o papel da liderança tem exigido uma nova abordagem ao estilo de trabalho. O coaching possibilita ao indivíduo 3

4 construir um caminho único para a consecução das aspirações pessoais ou organizacionais. Para eles, qualquer carreira moderna se insere dentro de um mundo de trabalho no qual as regras básicas estão num estado fluido. Atualmente as equipes de trabalho encontram-se em ambientes repletos de pares, subordinados diretos, associados, fornecedores e clientes, e ainda, especificamente estes relacionamentos podem incluir governo, sindicatos, bancos, acionistas, mercados de ações, outros. O diálogo do coaching precisa fazer a ligação destes mundos para possibilitar a integração entre eles, como também, desenvolver competências para a eficácia do negócio dentro de qualquer um desses domínios ou de todos eles. O poder direcional ou estratégico de qualquer diálogo de coaching fundamenta-se no relacionamento estabelecido e nas considerações feitas no decorrer do processo. É importante observar que as atitudes ou opiniões do cliente podem ser confirmadas ou substituídas por outras mais desafiadoras, mesmo quando o diálogo confirma a validade da trajetória construída pelo cliente. 2.1 Tipos de coaching e papel dos coaches Souza (2010) destaca cinco principais tipos de coaching: Executive Coaching ou Coaching Executivo (destina-se a pessoas que detêm autoridade e poder em uma organização, ou seja, executivos que querem melhorar sua liderança opinar na tomada estratégica de decisões); Coaching de Negócios (indicado para organizações que querem desenvolver seus colaboradores, desde a alta administração até equipes no seu ambiente de trabalho para aprimorar aspectos profissionais); Coaching de Carreira (destina-se a pessoas que: estão iniciando uma carreira; estão insatisfeitas com sua carreira; estão passando por transição em sua carreira; querem encontrar um trabalho; querem mudar de carreira; querem voltar ao mercado de trabalho; sonham com uma profissão); Coaching de Vida (indicado para pessoas que buscam uma melhoria na qualidade de vida; estão insatisfeitos com sua vida e não sabem por que, têm dificuldades nos seus relacionamentos, consideram que a vida está bem, mas que podia melhorar, querem desenvolver suas competências rapidamente, se sentem perdidas e querem dar um rumo para sua vida, estão em fase de transição, querem superar desafios, têm sonhos, mas estão com dificuldade de realizá-los) e Coaching de Equipe (destina-se a equipes multidisciplinares e multifuncionais que estão com dificuldades em lidar com conflitos e com diferenças; equipes que não estão alinhadas com uma mesma visão, missão, valores, propósitos e precisam desenvolver competências para aumentar a sinergia e obter um melhor desempenho do grupo). Para efeito deste trabalho, o foco está no Coaching Executivo e de Negócios. O papel do coach, muitas das vezes, pode ser confundido com o de conselheiro, mentor, guru e consultor dificultando assim o desempenho e interferindo nos resultados. O conselheiro possui maior conhecimento das informações, qualidade e propriedade, e, por esse motivo, geralmente atrai um respeito maior dos envolvidos. O mentor intelectual trabalha no campo do conhecimento e da técnica, possui as ideias e idealiza o processo em qualquer área. O guru concentra-se em sabedoria e transcendência, e não em desempenho. Por fim, o consultor organizacional desempenha vários papéis relacionados à abordagem do negócio, incluindo apoiar o desenvolvimento de lideres e seguidores (coach). (ARAUJO, 2010; BENTON, 2000). Faz-se necessário conhecer os tipos de coaching e observar cada etapa do processo, para que assim, as organizações conseguem identificar a real necessidade de contratar uma empresa de consultoria ou até mesmo analisar a possibilidade de formação de um coaching interno. Araujo (2010) destaca, ainda, as quatro etapas do processo de coaching a serem analisadas: a) a primeira etapa é a mais crítica e consiste na construção de uma parceria sólida consciente, com base na confiança mútua e maturidade para assumir e cumprir todas as 4

5 responsabilidades acordadas; b) a segunda etapa diz respeito ao cliente, o que ele deseja realizar, sua visão de futuro; c) a terceira etapa consiste na análise da bagagem de mão, ou seja, a trajetória das realizações; e d) a quarta etapa é do plano de ação: conhecendo melhor o cliente, o coach pode ajudá-lo a identificar o gap entre visão/situação e competências atuais e desejadas. 2.2 Consultoria: externa e interna A consultoria pode ser definida como uma atividade exercida por um ou um grupo de consultores, em uma determinada especialidade, para ajudar as empresas a chegarem num resultado em que as satisfaçam, eleve as suas atividades a um patamar mais produtivo, alinhe seus procedimentos, melhore sua participação no mercado, dentre outros proveitos que podem ser produzidos pelo trabalho de consultores. Porém, apesar de serem os agentes de mudança, não detém controle direto do contexto que deve ser transformado (GONÇALVES, 1991; GUIMARÃES, 2005). Ela pode ser interna ou externa. No primeiro caso, o consultor é um membro da própria organização. No segundo, o consultor é um profissional autônomo ou integrante de firmas especializadas nas prestações de serviços (PEREIRA, 2008, p.59). O coach pode ser considerado um tipo de consultor externo, especializado neste processo de interação. A respeito da consultoria interna, este artigo foca sobre o profissional de RH. Neste sentido, para Orlickas (1999), sendo a área de Recursos Humanos criada para, prioritariamente, administrar e desenvolver os talentos humanos existentes na empresa, a consultoria interna poderia ser considerada uma tendência do mercado empresarial, considerando a década de 1990, quando da publicação da obra. Atualmente, percebe-se que a consultoria interna de Recursos Humanos tornou-se mais que uma tendência. É uma necessidade da empresa que surge no momento em que a área de RH percebe que pode contribuir de maneira mais eficaz para o melhor desempenho dos profissionais, atuando de forma estratégica e aliada às metas empresariais. Portanto, um dos objetivos principais de uma consultoria interna de RH seria de atender de maneira diferenciada os recursos humanos da organização. Intrinsecamente vinculado ao debate sobre o avanço de experiências de consultoria interna na área de Recursos Humanos está o debate sobre a percepção do RH como profissão e, principalmente, como área estratégica da empresa. A nova realidade competitiva sugere mudanças para o RH enquanto setor e para seus profissionais de modo a auxiliar a empresa no aumento da competitividade. (ORLIKAS, 1999). Por se tratar de um processo que envolve pessoas e também de algo relativamente recente, é possível que a consultoria interna encontre algumas resistências. Orlickas (1999) sinaliza para alguns pontos cruciais que as empresas dispostas a implantar um processo de consultoria interna de Recursos Humanos devem estar atentas. São, a saber: executar previamente um benchmarking; promover a conscientização de todos sobre este trabalho; desburocratizar e racionalizar os processos de administração de pessoal; ter políticas de RH bem definidas; possuírem, na medida do possível, certificação pelas normas ISO 9000; aplicarem a técnica do Job Rotation (rotatividade dos consultores internos pelas diversas áreas da empresa); ter sustentação administrativa e funcional; capacitar cada profissional de RH; definir o papel do consultor interno; comprometer a alta direção com a consultoria interna; formar os gerentes de linha para atuarem como gestores de seus recursos humanos; e transformar a área de RH em uma unidade de negócio. Além disso, é preciso adequar o perfil do consultor ao cliente interno; valorizar o background e a competência individual; rever e reavaliar a consultoria interna periodicamente e administrar os pontos dificultadores. 5

6 Sobre as vantagens envoltas no processo de consultoria interna de RH, incluem-se: a atuação descentralizada da área de RH que antecipa as necessidades do cliente interno, a facilidade no fluxo de informações, o ganho na agilidade de respostas, as melhorias nos processos, a desburocratização, a economia de gastos, além da mensuração mais constante de resultados. Além destes caminhos a serem trilhados pela empresa que almeja promover uma consultoria interna para seus consultores internos de RH, outro fator de extrema relevância é capacitação profissional do consultor. Além de gostar de trabalhar com pessoas, é necessário que ele tenha predisposição para lidar com constantes desafios e trabalhar pelo viés de uma visão generalista. O consultor interno tem que ter maturidade para tratar com imparcialidade qualquer tema, é assim que seu papel de facilitador vai consolidar-se e se tornar estratégico. Todo processo de mudança gera medos e ansiedades. Isto é previsível, e está presente com frequência nos processos de consultoria interna de RH. Identificar as emoções, compreendêlas e encará-las como elementos participativos de processo normal, como um sinal de que se atingiu um ponto crítico, ele precisa apoiar o cliente interno para que se expresse e não deixar que sua crítica se torne pessoal ou um ataque à competência do consultor, é um dos maiores desafios no processo de implantação desse modelo. (ORLIKAS, 1999). De forma sistematizada, Battley (2006) trata das vantagens e desvantagens dos distintos tipos de consultoria na atividade de coaching, quando a condução ocorre por um consultor externo independente, ou por um colaborador interno da organização, conforme apresenta o Quadro 1: Quadro 1: Vantagens e desvantagens na condução dos processos de coaching por consultores internos ou externos à empresa Tipo de Vantagens Desvantagens Consultoria Externo Consultor Independente Colaborador Interno da Organização Maior autonomia e independência de atuação, podendo definir metodologias e caminhos para alcance de resultados Perspectiva da organização de fora Credibilidade junto aos níveis hierárquicos mais altos da organização Confidencialidade de informações e credibilidade ampliada Privacidade nos diálogos do processo Conhecimento da organização: sabe quem é quem Tendência de gastos mais baixos Maior oportunidade de observação do cliente em ação Ampliação das possibilidades de feedback imediato e contextualizado Fonte: Adaptação de Battley (2006). Cultura e políticas organizacionais desconhecidas Tendência de gastos mais elevados Risco de conflito de interesses: dupla relação de trabalho Tempo limitado pela divisão com outras tarefas Menor credibilidade perante os níveis hierárquicos altos Risco de prestação de informação aos superiores em casos críticos Risco de ser influenciado pela opinião de outros membros da empresa de convivência 6

7 Constata-se, assim, que as abordagens relativas ao processo de coaching não enfatizam a ação deste profissional como alguém interno à empresa. Para além disso, pressupõe a atuação de consultores especialistas que tenham menor risco de se verem impactados pelas informações já conhecidas na organização. Distintamente do profissional de consultoria interna de RH que são, habitualmente valorizados justamente por estarem infiltrados na organização e conhecerem de perto as pessoas, estruturas (de poder, inclusive), processos e estratégias. A ressalva, no trabalho de coaching, em Araujo (2010) que destaca que o trabalho do consultor interno de RH pode estar voltado para os executivos internamente, de forma pertinente e útil à organização. Neste caso, eles agiriam como orientadores destas lideranças, entretanto, seguindo metodologias desenhadas para uma multiplicação coletiva da forma como a organização espera que estes profissionais trabalhem e reajam no cotidiano. Não deixa de ser um processo de orientação, mas de deve ser caracterizado como tendo um cunho menos individual e mais compartilhado coletivamente para cada categoria de gestão da empresa. 3 Aspectos Metodológicos Para realizar este estudo que tem como objetivo central verificar a viabilidade (ou não) da condução do processo de coaching por consultores internos de RH das empresas, optou-se por uma pesquisa qualitativa. A escolha pelo método qualitativo se deu pelo interesse em analisar questões que diziam respeito à percepção dos participantes acerca do coaching, do cliente, das semelhanças e diferenças entre um processo de coaching desenvolvido por consultor interno e externo (coachee), das habilidades e competências necessárias para desenvolver este trabalho, do suporte oferecido pela empresa, dentre outros. A escolha metodológica também se baseia na ideia de que possa haver uma forma de mensuração dos dados, conforme afirmam Pope e Mays (2005) de que embora seja verdade que a pesquisa qualitativa é geralmente lida com falas ou palavras em vez de com números, isso não significa que seja destituída de mensuração ou que não possa ser usada para explicar fenômenos sociais. (p.13). Para atingir os objetivos propostos neste estudo, foram realizadas nove entrevistas com os profissionais relacionados ao tema, sendo eles: coachees, consultores externos (coaches) e consultores internos de RH atuantes em empresas de grande porte. Este número mostrou-se adequado para a obtenção de conteúdos que permitissem uma análise dos dados levantados, bem como a resposta à questão norteadora da investigação. Ainda que com as limitações à generalização já supostas, o estudo poderá abrir a perspectiva de novas pesquisas, com publico ampliado, tendo em vista o crescimento do interesse pelo tema. As entrevistas foram realizadas utilizando-se de roteiro semi estruturado a partir dos conteúdos de um conjunto de autores, em especial, Araujo (2010), Battley (2006), Goldsmith et al. (2003), Milaré e Yoshida (2009). Como afirmam Pope e Mays (2005) a estrutura solta, característica da entrevistada semi-estruturada permite aos entrevistados fornecerem respostas mais ricas em detalhes, e, portanto, ampliar o campo de análise dos pesquisadores. Toma-se, ainda, como referência, Mann (1975) que salienta que a entrevista sendo não totalmente estruturada permitirá que o entrevistador, tendo iniciado a entrevista acerca do tema em que está interessado, permita ao informante impor a situação subsequente. Considera-se que a utilização desse enfoque é bastante útil no sentido de captar os significados subjacentes presentes nas narrativas dos entrevistados e, desse modo, possibilitar ao pesquisador a reconstrução do real vivido pela organização em questão. Como público alvo foram definidos nove profissionais, sendo três que atuam como coaches em grandes empresas, três que estão passando pelo processo de coaching (coachees), três consultores internos de RH de grandes empresas. Desta forma, buscou-se um olhar sob perspectivas diferenciadas do tema. São sete mulheres e dois homens, sendo um coachee e um 7

8 coach. Em função do acordo de não exposição dos nomes e identificação do perfil, os respondentes serão apresentados por números. Para efeito da análise dos dados adota-se, neste estudo, a proposta de Minayo (1992, 2001), de interpretação qualitativa de dados. Nesse método, a fala dos atores sociais é situada em seu contexto para melhor compreensão. O ponto de partida é o interior da fala. E, o ponto de chegada, o campo da especificidade histórica e totalizante que produz a fala (MINAYO, 2001, p.77). Em termos dos passos a serem seguidos para a operacionalização da pesquisa, Minayo (2001) sugere: Ordenação dos dados: mapeamento dos dados obtidos na pesquisa de campo, incluindo transcrições de gravações, releitura do material, organização de relatos e anotações dos dados da observação cotidiana. Classificação dos dados: considera-se, de início, que o dado não existe por si só, mas é construído a partir de um questionamento, com base numa fundamentação teórica que permite estabelecer as interrogações para a identificação do que surge de relevante. E aquilo que sobressai, possibilita a elaboração das categorias específicas. Análise final: estabelecimento das articulações entre os dados e os referenciais teóricos da pesquisa, respondendo às questões com base em seus objetivos, o que permite a relação entre concreto e abstrato, geral e particular, teoria e prática. Trabalhar com categorias significa estabelecer agrupamentos de ideias ou expressões em torno de determinado conceito. As categorias podem ser estabelecidas antes do trabalho de campo ou a partir da coleta de dados (MINAYO, 2001). Além disso, as categorias devem ser nomeadas conceitualmente, sendo que o nome escolhido fica a critério do pesquisador que pode escolhê-lo como algum já consagrado na literatura, ou inventá-lo a partir das palavras que disponha, devendo ser de toda maneira, logicamente relacionado aos dados que representa (ROESCH, 2005). Foram definidas as seguintes categorias globais de análise: Processo de coaching: conceituação, vinculação à consultoria externa Coach: formação, experiência, caracterização e papel, atenção à interface entre coachee e empresa, condução do processo e resultados Coachee: motivos pela procura, perfil, percepção de resultados, interesse ou aversão pela condução de consultor externo ou interno Coaching conduzido pela consultoria interna de RH: desafios, cuidados, comparação com consultor externo, atualização permanente, exigências de adequação Deste modo, serão apresentadas, simultaneamente, a opinião dos consultores internos de RH, coaches e coachees entrevistados. O intuito de aglutinação das respostas se fez no sentido de gerar proximidade em assuntos semelhantes e obter uma visão crítica das opiniões de cada indivíduo entrevistado, conforme sua vinculação ao processo de coaching. 4 Apresentação e análise dos resultados 4.1 Categoria: Processo de coaching Neste item abordou-se, prioritariamente, a compreensão dos entrevistados sobre o processo de coaching. De maneira geral, todos os entrevistados realçaram o coaching como um processo de acompanhamento para o desenvolvimento de um profissional. Segundo a entrevistada coach 3, o conceito de coaching pode ser entendido como: Servir de apoio nas diversas questões de desenvolvimento pessoal e profissional. Dispor de interlocução 8

9 direcionada em situações onde as pessoas desejem mudar de patamar em diferentes situações. Para a consultora interna de RH 1, o coaching também está relacionado com o desenvolvimento pessoal e profissional com foco em competências, habilidades e atitudes que são necessárias para construir uma carreira sólida e de sucesso. Partir do onde estou para o onde quero chegar e o que é necessário para alcançar os objetivos. A consultora interna de RH 3 destacou o processo de coaching como um método específico de desenvolvimento de pessoas ao qual se pretende dar foco nos objetivos profissionais e pessoais da carreira do indivíduo. Nessa mesma linha de compreensão, o entrevistado coachee 2 afirmou que o coaching é a possibilidade do profissional buscar conselhos, indicações, desenvolver suas competências e compartilhar experiências., e complementou que auxilia uma pessoa e/ou um grupo de pessoas a alcançarem seus objetivos, através da identificação, entendimento e aprimoramento de suas competências.. Alguns entrevistados destacaram, além deste papel de desenvolvimento, a ideia de direcionamento das metas estimulado pelo processo de coaching, bem como de potencializador. Deste modo, para a entrevistada coachee 1, o processo de coaching ajuda as pessoas a clarearem seus objetivos e caminharem em sua direção. Ele conduz as pessoas à tomada de decisões, a mudanças e potencializa escolhas. Mais do que ensinar ajuda as pessoas a aprender. Para ela, o coaching não transforma uma pessoa com poucos recursos profissionais, é um processo que poderá colocar essa pessoa, do jeito que ela realmente é, defronte a si mesmo, estimulando-a a assumir total responsabilidade por aquilo que busca profissionalmente para si mesma. Por sua vez, coach 1 definiu o coaching como um processo que leva o cliente/coachee a ter mais autoconsciência e que inspira os clientes a maximizarem o seu potencial pessoal e profissional. A vinculação do processo de coaching à prática da consultoria externa foi destaca pelo entrevistado coach 2 ao dizer que o coaching é: uma ferramenta de consultoria para estruturar conversas individuais com os clientes. [...] a consultoria é algo maior, onde o profissional olha as dinâmicas das relações dentro da organização onde o cliente trabalha [...]. Para a coachee 3, o coaching pode ser entendido como uma terapia voltada às questões de desenvolvimento profissional, como se fosse uma orientação profissional mais aprofundada. Mesmo que não seja possível separar características pessoais que influenciam no dia-a-dia do trabalho, ainda sim são tratadas voltadas as relações de trabalho. Esta gama de opiniões e sentidos dados ao coaching revelaram a grande presença deste processo no mundo empresarial e a relevância atribuída a ele como vetor do aprimoramento profissional. 4.2 Categoria: Coach Os entrevistados também foram questionados sobre o profissional que conduz o processo de coaching. Para esta categoria, considerou-se relevante extrair dos entrevistados suas opiniões acerca das condições necessárias para um profissional ser um coach, tais como formação e experiência, da condução do processo e obtenção dos resultados, bem como da importância deste profissional. A princípio, os entrevistados foram perguntados sobre a necessidade ou não do profissional que realiza o coaching também ser submetido a este processo, e a maioria ressaltou tal importância. A fala da entrevistada coach 3 sintetiza o consenso dos consultores entrevistados: É bastante importante e penso que faz parte da formação estar do outro lado. Entre as consultoras internas de RH entrevistados também houve consenso acerca deste assunto. Para a consultora interna de RH 1, o processo de coaching, é como 9

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional Ao investir em pessoas o seu resultado é garantido! Tenha ganhos significativos em sua gestão pessoal e profissional com o treinamento

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

COACHING. Imagem Evolução do Coaching por Coach Douglas Ferreira. Veja um pouco de sua evolução.

COACHING. Imagem Evolução do Coaching por Coach Douglas Ferreira. Veja um pouco de sua evolução. Faculdade Tecnologia Senac. Goiania,29 de maio de 2014. Nome: Thiago Pereira Profº Itair Pereira da Silva GTI 1 - Matutino COACHING O Coaching é um processo, com início, meio e fim, definido em comum acordo

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

P R O P O S TA C O M E R C I A L

P R O P O S TA C O M E R C I A L P R O P O S TA C O M E R C I A L Joinville, 03 de setembro de 2014. Proposta para: treinamento líder coach Prezado, Temos o prazer de enviar a proposta do Treinamento Líder Coach, para sua análise e apreciação.

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo

Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo O Leader Coaching Traning é um programa de treinamento em Coaching para Líderes, licenciado pela World Federation of Coaching (WFC), entidade

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

ESCOLAS E FACULDADES QI MBA DE GESTÃO DE PESSOAS E NOGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E OS SISTEMAS DE GESTÃO DE PESSOAS TIANE RIBEIRO BERNY

ESCOLAS E FACULDADES QI MBA DE GESTÃO DE PESSOAS E NOGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E OS SISTEMAS DE GESTÃO DE PESSOAS TIANE RIBEIRO BERNY ESCOLAS E FACULDADES QI MBA DE GESTÃO DE PESSOAS E NOGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E OS SISTEMAS DE GESTÃO DE PESSOAS TIANE RIBEIRO BERNY O COACH NO MUNDO CORPORATIVO GRAVATAÍ 2011 TIANE RIBEIRO BENRY

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder I Simpósio Coaching - Arte e Ciência CRA-SP 28 de maio de 2013 1 COACH Sentido original da palavra: veículo para transporte de pessoas.

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Diferenças entre Coaching, Mentoring e Counseling: Desmistificando o Coaching

Diferenças entre Coaching, Mentoring e Counseling: Desmistificando o Coaching Diferenças entre Coaching, Mentoring e Counseling: Desmistificando o Coaching Diferenças entre Coaching, Mentoring e Counsuling: Desmistificando o Coaching Inquietações... O que é? Para que serve? Quem

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Eduardo Rocha Diretor da DSG Consultoria Capacitar seus colaboradores, do gerente aos coordenadores é o melhor caminho para melhorar a eficácia

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Como é o RH nas Empresas?

Como é o RH nas Empresas? Como é o RH nas Empresas? Informações gerais da pesquisa Objetivo: entender a percepção dos profissionais de RH sobre clima organizacional Pesquisa realizada entre 24/06 e 12/07 Parceria entre Hay Group

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso Maiane Bertoldo Lewandowski Consultora de RH Hospital Mãe de Deus TRANSFORMAÇÕES NO MERCADO DE TRABALHO Mudança de modelo mental; Escassez

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

O Coaching pode ajudar uma pessoa a:

O Coaching pode ajudar uma pessoa a: O que é o Coaching O que é o Coaching É um processo compartilhado de desenvolvimento pessoal e profissional focado em ações no presente, para tornar real suas intenções de atingir objetivos e alcançar

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Como se tornar um líder de Sucesso!

Como se tornar um líder de Sucesso! Como se tornar um líder de Sucesso! Os 10 mandamentos do Como se tornar um líder de Sucesso! O líder é responsável pelo sucesso ou fracasso de uma organização. A liderança exige de qualquer pessoa, paciência,

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18

Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18 COACHING Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18 O novo caminho para o sucesso e a realização pessoal! Todos sabem que para ser médico, advogado, dentista ou engenheiro são necessários anos

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio?

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Matheus Kfouri Marino Camila Dias de Sá* A competitividade do agronegócio brasileiro é incontestável e resulta em taxas expressivas

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS

COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS CONHEÇA OS FUNDAMENTOS O QUE É O COACHING? Coaching é um processo de aceleração de resultados que consiste no desenvolvimento de competências e habilidades profissionais

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

Amanda Oliveira. E-book prático AJUSTE SEU FOCO. Viabilize seus projetos de vida. www.escolhas-inteligentes.com

Amanda Oliveira. E-book prático AJUSTE SEU FOCO. Viabilize seus projetos de vida. www.escolhas-inteligentes.com E-book prático AJUSTE SEU FOCO Viabilize seus projetos de vida CONTEÚDO À QUEM SE DESTINA ESSE E-BOOK:... 3 COMO USAR ESSE E-BOOK:... 4 COMO ESTÁ DIVIDIDO ESSE E-BOOK:... 5 O QUE É COACHING?... 6 O SEU

Leia mais

Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação. Existem muitas definições para avaliação, não existe uma única.

Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação. Existem muitas definições para avaliação, não existe uma única. Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial Avaliação, Monitoramento e Impacto no Programa de Voluntariado Empresarial: Teoria e Prática 25/11/14 Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação

Leia mais

NOSSO OLHAR QUEM SOMOS NOSSA ATUAÇÃO RESULTADOS OBTIDOS NOSSA ABORDAGEM APRESENTAÇÃO CLIENTES E PARCEIROS

NOSSO OLHAR QUEM SOMOS NOSSA ATUAÇÃO RESULTADOS OBTIDOS NOSSA ABORDAGEM APRESENTAÇÃO CLIENTES E PARCEIROS QUEM SOMOS NOSSO OLHAR NOSSA ATUAÇÃO NOSSA ABORDAGEM RESULTADOS OBTIDOS CLIENTES E PARCEIROS APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS O trabalho daassssssso consiste em atuar no desenvolvimento de grupos e indivíduos,

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Gestão de carreiras nas organizações

Gestão de carreiras nas organizações Gestão de carreiras nas organizações A expressão "Plano de carreira", nas organizações, sempre corre o risco de ser interpretada como algo antiquado, retrógrado, que interessa aos funcionários e, principalmente,

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Mário Rocha A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Missão Visão Objetivos estratégicos Competências Organizacionais Competências Conhecimento o que saber Habilidades - saber fazer

Leia mais

O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira

O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira a elevação do potencial pessoal e profissional para superar desafios e atingir resultados. E a dedicação exclusiva da Korkes

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

LÍDER 360º APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA

LÍDER 360º APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA 24 HORAS DE MUITO CONHECIMENTO, DINÂMICAS E TROCA DE EXPERIÊNCIAS APRESENTAÇÃO LÍDER 360º Os princípios da liderança efetiva Para construirmos

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais