Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. SSL, VPN PPTP e IPsec

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. SSL, VPN PPTP e IPsec"

Transcrição

1 Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour SSL, VPN PPTP e IPsec

2 Exercício 1: Relacione FUNÇÃO ( ) Utiliza chaves diferentes para criptografa e descriptografar as informações ( ) Também chamado de algoritmo de chave secreta ( ) Permite verificar a integridade de uma mensagem, isto é, se a mensagem recebida é idêntica a que foi gerada pelo transmissor. ( ) Para uma dada mensagem, gera um código único, de tamanho fixo, que independe do tamanho da mensagem. ( ) Permite verificar a integridade e a identidade do transmissor de uma mensagem. ( ) É unidirecional, isto é, as chaves para criptografar informações de A para B e de B para A são diferentes. ( ) O espaço de chaves é aproximadamente 2^N, onde N é o tamanho da chave. ALGORITMO 1. Criptografia Assimétrica 2. Criptografia Simétrica 3. Hashing 4. Assinatura Digital 5. Nenhuma das anteriores

3 Exercício 2: Indique as afirmações verdadeiras ( ) Algoritmos de criptografia assimétricos, como o RSA, são geralmente mais lentos que os simétricos, pois utilizam operações complexas com números primos. ( ) É possível determinar o valor da chave privada a partir da chave pública ( ) A criptografia simétrica usa chaves maiores que a criptografia assimétrica, a fim de oferecer o mesmo nível de proteção contra ações de descriptografia do tipo força-bruta. ( ) Uma boa prática de segurança consiste em utilizar chaves de sessão, isto é, trocar de chave periodicamente, a fim de evitar que muitos dados sejam protegidos com a mesma chave. ( ) É possível recuperar o conteúdo de uma mensagem a partir do digest gerado por algoritmos de hashing do tipo MD5 ou SHA. ( ) Algoritmos de criptografia geralmente trabalham com pequenos blocos de informação de tamanho fixo, como 64 ou 128 bits. Caso dois blocos idênticos apareçam em uma mesma mensagem, o resultado criptografado também será idêntico, para qualquer modo de utilizado, seja o CBC (Cipher Block Chaining) ou o ECB (Electronic CodeBook).

4 Exercício 3: Relacione as ações do SSL/TLS FUNÇÃO ( ) Assinar um CSR e transformá-lo em um certificado digital. ( ) Criptografar a chave de sessão gerada pelo navegador Web (cliente). ( ) Criptografar os dados transmitidos do cliente para o servidor Web. ( ) Criptografar os dados transmitidos do servidor para o cliente Web. ( ) Descriptografar a chave de sessão enviada do cliente para o Servidor Web. ( ) Verificar a validade de um certificado digital emitido por uma autoridade certificadora. ALGORITMO 1. Chave privada do servidor Web 2. Chave privada da autoridade certificadora 3. Chave pública do servidor Web 4. Chave pública da autoridade certificadora 5. Chave secreta gerada pelo cliente 6. Chave pública do cliente 7. Chave privada do cliente 8. Nenhuma das anteriores

5 Exercício 4 Indique na figura abaixo o formato de um pacote transmitido em SSL de um cliente para um servidor Web numa rede externa, relacionando os campos com a coluna ao lado. Além do número, coloque também um x nos campos criptografados. início do quadro fim do quadro 1. MAC do cliente 2. MAC do roteador 3. MAC do servidor 4. FCS 5. IP do cliente 6. IP do servidor 7. IP do roteador 8. Porta TCP origem > Porta TCP destindo Porta TCP destino HTTP 12. Dados

6 Exercício 5: Relacione Característica ( ) Permite criptografar apenas o protocolo de aplicação dos pacotes. As camadas inferiores não podem ser protegidas. ( ) Faz tunelamento de pacotes, isto é, encapsula o pacote original no campo de dados de um novo pacote a fim de oferecer maior proteção aos dados transportados. ( ) Faz tunelamento de camada 3, o que permite transportar apenas pacotes IP. ( ) Faz tunelamento de camada 2, podendo transportar vários tipos de pacotes, como IP, IPX e NetBEUI, mas não tem suporte a criptografia. ( ) Faz tunelamento de camada 2, com suporte a autenticação e criptografia. Método de Proteção 1. SSL 2. VPN com PPTP 3. VPN com L2TP 4. IPsec em modo túnel 5. IPsec + L2TP 6. Alternativas 2 a 5 7. Alternativas 2 e 5 8. nenhuma das anteriores

7 Exercício 6 Indique a seqüência completa de quadros/pacotes criados para enviar um pacote de A para C numa comunicação PPTP já estabelecida com o servidor B (indique os endereços MAC e IP apenas). a 1 b c 2 3 e 1 2 f 4 d (cliente PPTP A) (servidor PPTP B) (cliente PPTP C) g Tabela de alocação de endereços: até

8 Exercício 6 Pacote MAC Destino MAC Origem IP Tunel Origem IP Tunel Destino GRE/ PPP IP Origem IP Destino DADOS 1 GRE/ PPP 2 GRE/ PPP 3 GRE/ PPP 4 GRE/ PPP DADOS DADOS DADOS DADOS

9 Exercício 7: Marque as Afirmações Verdadeiras ( ) O IPsec pode operar através de dois protocolos distintos, o ESP e AH. O ESP permite fazer autenticação e criptografia dos pacotes e o AH apenas autenticação. ( ) O IPsec pode trabalhar no modo túnel ou no modo transporte. O modo transporte apenas adiciona os campos ESP ou AH no cabeçalho do pacote, sem criar um novo cabeçalho IP. O modo túnel inclui um novo cabeçalho IP, mas não adiciona os campos do ESP ou AH. ( ) O modo túnel é mais apropriado para criar um canal seguro de comunicação entre um cliente e um servidor, enquanto que o modo transporte é mais apropriado para criar um canal seguro entre dois roteadores. ( ) O IPsec permite definir políticas de segurança que só são ativadas quando algum pacote que satisfaz a política é transmitido. As políticas ativas são denominada associação de segurança (SA). ( ) As associações de segurança (SA) são unidirecionais. Isto é, para que os hosts A e B se comuniquem de forma segura é necessário criar uma SA para proteger a comunicação de A para B e outra para proteger a comunicação de B para A. ( ) O IPsec necessita que chaves secretas sejam compartilhadas entre os hosts que estabelecem uma comunicação segura. ( ) O IPsec possui um mecanismo denominado IKE que permite criar chaves compartilhadas entre hosts de forma automática, utilizando o protocolo ISAKMP.

10 Exercício 8 Indique na figura abaixo o formato de um pacote transmitido em ESP no modo transporte de um cliente para um servidor Web numa rede externa, relacionando os campos com a coluna ao lado. Além do número, coloque também um x nos campos criptografados. início do quadro 1. MAC do cliente 2. MAC do roteador 3. MAC do servidor 4. FCS 5. IP do cliente 6. IP do servidor 7. IP do roteador 8. Porta TCP origem > Porta TCP destindo Porta TCP destino HTTP 12. ESPH (ESP Header) 13. ESPT (ESP Tail) 14. ESPA (ESP Authentication) 15. Dados fim do quadro

11 Exercício 9 Desenhe o formato do pacote enviado de A para C nas seguintes situações: A envia um pacote AH para C em modo transporte A envia um pacote ESP para C em modo transporte a A b c e 1 2 f g C

12 Exercício 9: Protocolo AH Modo Transporte pacote a-g a-g ipa ipc ah,esph,eespt,espa MAC de destino (indicar a letra do MAC) MAC de origem (indicar a letra do MAC) IP do host de origem (A) IP do host de destino (C) Indica uma das opções no campo em que ele ocorrer ip1 IP da interface c Gateway 1 ip2 IP da interface e Gateway 2 tcp/udp dados Cabeçalho da camada de transporte Cabeçalho do protocolo de aplicação e dados

13 Exercício 9: Protocolo ESP Modo Transporte pacote a-g a-g ipa ipc ah,esph,eespt,espa MAC de destino (indicar a letra do MAC) MAC de origem (indicar a letra do MAC) IP do host de origem (A) IP do host de destino (C) Indica uma das opções no campo em que ele ocorrer ip1 IP da interface c Gateway 1 ip2 IP da interface e Gateway 2 tcp/udp dados Cabeçalho da camada de transporte Cabeçalho do protocolo de aplicação e dados

14 Exercício 10 Desenhe o formato do pacote enviado de A para C nas seguintes situações: A envia um pacote AH para C em modo tunel (entre 1 e 2) A envia um pacote ESP para C em modo tunel (entre 1 e 2) Gateway IPsec Gateway IPsec a A b c e 1 2 f g C

15 Exercício 10: Protocolo AH em modo Túnel pacote a-g a-g ipa ipc ah,esph,espt,espa MAC de destino (indicar a letra do MAC) MAC de origem (indicar a letra do MAC) IP do host de origem (A) IP do host de destino (C) Indica uma das opções no campo em que ele ocorrer ip1 IP da interface c Gateway 1 ip2 IP da interface e Gateway 2 tcp/udp dados Cabeçalho da camada de transporte Cabeçalho do protocolo de aplicação e dados

16 Exercício 10: Protocolo ESP em modo Túnel pacote a-g a-g ipa ipc ah,esph,espt,espa MAC de destino (indicar a letra do MAC) MAC de origem (indicar a letra do MAC) IP do host de origem (A) IP do host de destino (C) Indica uma das opções no campo em que ele ocorrer ip1 IP da interface c Gateway 1 ip2 IP da interface e Gateway 2 tcp/udp dados Cabeçalho da camada de transporte Cabeçalho do protocolo de aplicação e dados

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Filtros de Pacotes Criptografia SSL Exercício 1 Configure as regras do filtro de pacotes "E" para permitir que os computadores da rede interna

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Requisitos de Segurança em Redes» Autenticação: O parceiro da comunicação deve ser o verdadeiro» Confidencialidade: Os dados transmitidos não devem ser espiados»

Leia mais

TRABALHO DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO VIRTUAL PRIVATE NETWORK VPN

TRABALHO DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO VIRTUAL PRIVATE NETWORK VPN TRABALHO DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO VIRTUAL PRIVATE NETWORK VPN Equipe: Virtual Private Network Rede Privada Virtual ou Virtual Private Network, ou seja, é uma rede de comunicações privada(com o acesso restrito)

Leia mais

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos A camada de Enlace Serviços e Protocolos Camada de Enlace Segunda camada do modelo OSI Primeira Camada do Modelo TCP/IP Modelo OSI Modelo TCP/IP Aplicação Apresentação Aplicação Sessão Transporte Rede

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão Arquitetura TCP/IP Apresentado por: Ricardo Quintão Roteiro Conexões Inter-redes Serviço Universal Rede Virtual (inter-rede ou internet) Protocolos para ligação inter-redes (TCP/IP) Divisão em camadas

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Criptografia Assimétrica e Funções Hash

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Criptografia Assimétrica e Funções Hash Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Criptografia Assimétrica e Funções Hash Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br

Leia mais

(Rede Privada Virtual)

(Rede Privada Virtual) VPN - Virtual Private Network (Rede Privada Virtual) GPr Sistemas/ASP Systems - Agosto/2000 Marco Antonio G. Rossi Oswaldo Franzin Introdução O conceito de VPN surgiu da necessidade de se utilizar redes

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia Firewall Protocolos Seguros IPSec SSL SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia

Leia mais

Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes. VPN-Virtual Private Network. Anderson Gabriel

Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes. VPN-Virtual Private Network. Anderson Gabriel Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes VPN-Virtual Private Network Anderson Gabriel Introdução Crescimento tecnológico, necessidade de segurança VPNs - Virtual Private Network (Redes

Leia mais

O que é um NAS (Network Attached Storage)?

O que é um NAS (Network Attached Storage)? O que é um NAS (Network Attached Storage)? A sigla que dá nome ao produto já exemplifica bem a sua função. NAS (Network Attached Storage) ou Armazenamento conectado à rede, em tradução livre, é um servidor

Leia mais

Baseado em função de hashing: Mapeiam dados de tamanho variável em um texto cifrado de tamanho fixo que é único para aqueles dados. Usado para verific

Baseado em função de hashing: Mapeiam dados de tamanho variável em um texto cifrado de tamanho fixo que é único para aqueles dados. Usado para verific INTRODUÇÃO À CRIPTOGRAFIA Criptografia é a ciência que utiliza algoritmos matemáticos para criptografar/encriptar (esconder) dados numa forma aparentemente não legível (texto cifrado) e recuperá-los (decriptografá-los).

Leia mais

Meios de Comunicação de Dados.

Meios de Comunicação de Dados. Meios de Comunicação de Dados www.profjvidal.com VPN (Virtual Private Network) VPN Possibilita conectar pessoas e sites em diferentes localizações através de uma infraestrutura pública, por exemplo, Internet.

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. ADEETC Grupo de Redes de Comunicação. Segurança em Redes de Computadores. 3ª Ficha de avaliação Maio 2016

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. ADEETC Grupo de Redes de Comunicação. Segurança em Redes de Computadores. 3ª Ficha de avaliação Maio 2016 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Grupo de Redes de Comunicação Segurança em Redes de Computadores 3ª Ficha de avaliação Maio 2016 A resposta às fichas deve ser individual. Se a copiar

Leia mais

Nível de segurança de uma VPN

Nível de segurança de uma VPN VPN Virtual Private Network (VPN) é uma conexão segura baseada em criptografia O objetivo é transportar informação sensível através de uma rede insegura (Internet) VPNs combinam tecnologias de criptografia,

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas -VPN (Virtual Private Network)

Auditoria e Segurança de Sistemas -VPN (Virtual Private Network) Auditoria e Segurança de Sistemas -VPN (Virtual Private Network) Adriano J. Holanda 2/9/2016 VPN (Virtual Private Network) É a extensão de uma rede privativa que passa por compartilhamentos ou rede pública

Leia mais

Conceitos de Segurança

Conceitos de Segurança I N S T I T U T O F E D E R A L D E S E R G I P E P R O F. M A R C E L O M A C H A D O C U N H A W W W. M A R C E L O M A C H A D O. C O M Por que alguém iria querer invadir um computador? Utilizar o computador

Leia mais

FormaçãoIPv6-Maputo. Transição Maputo 28 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga

FormaçãoIPv6-Maputo. Transição Maputo 28 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga FormaçãoIPv6-Maputo Transição Maputo 28 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga Transição Agenda/Índice Túneis 6to4 NAT-PT DUAL STACK Conclusões Túneis Inicialmente IPv6 sobre IPv4 (no futuro, IPv4

Leia mais

CONTROLE DE FLUXO. Redes de Computadores

CONTROLE DE FLUXO. Redes de Computadores CONTROLE DE FLUXO Redes de Computadores Agenda Conceito de Framing Protocolos Para meio físico sem ruído Para meio físico com ruído Conceito de Piggybacking Perguntas Framing Camada física gera sincronização

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica Criptografia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil da Presidência da República. PARTE II-1 DECLARAÇÃO DE REGRAS OPERACIONAIS DA AC-Raiz INTEGRANTE DA ICP-Brasil

Presidência da República Casa Civil da Presidência da República. PARTE II-1 DECLARAÇÃO DE REGRAS OPERACIONAIS DA AC-Raiz INTEGRANTE DA ICP-Brasil Presidência da República Casa Civil da Presidência da República PARTE II-1 DECLARAÇÃO DE REGRAS OPERACIONAIS DA AC-Raiz INTEGRANTE DA ICP-Brasil 1 Introdução 1.1 Informações Iniciais 1.1.1 Abrangência

Leia mais

e-financeira Manual para Compactação e Criptografia de dados

e-financeira Manual para Compactação e Criptografia de dados e-financeira Manual para Compactação e Criptografia de dados Versão 1 08 de maio de 2017 Anexo Único do ADE COFIS Nº 33/2017 1 Sumário 1. Compactação de dados... 3 1.1 Orientações Iniciais... 3 1.2 Premissas...

Leia mais

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Proxy, NAT Filtros de Pacotes

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Proxy, NAT Filtros de Pacotes Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Proxy, NAT Filtros de Pacotes Exercício 1 Configure as regras do filtro de pacotes "E" para permitir que os computadores da rede interna tenham

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares

Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares Pergunta Resposta 1 A B C D E F 2 A B C D E F 3 A B C D E F 4 A B C D E F 5 A B C D E F 6 A B C D E F

Leia mais

Aula 2. Modos de Transmissão; Protocolos de Comunicação; Interfaces; Modelo de Referência OSI; Dispositivos de Rede; Camada Física: Introdução.

Aula 2. Modos de Transmissão; Protocolos de Comunicação; Interfaces; Modelo de Referência OSI; Dispositivos de Rede; Camada Física: Introdução. Aula 2 Modos de Transmissão; Protocolos de Comunicação; Interfaces; Modelo de Referência OSI; Dispositivos de Rede; Camada Física: Introdução. Modos de transmissão Eletronicamente falando, existem 3 tipos

Leia mais

INTERNET GROUP MANAGEMENT PROTOCOL - IGMP

INTERNET GROUP MANAGEMENT PROTOCOL - IGMP INTERNET GROUP MANAGEMENT PROTOCOL - IGMP O IGMP é um mecanismo para troca de informações entre um dispositivo e o roteador multicast mais próximo, permitindo determinar se um pacote multicast deve ser

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROF. ANDRÉ CARDIA

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROF. ANDRÉ CARDIA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROF. ANDRÉ CARDIA ATIVO QUALQUER TIPO DE INFORMAÇÃO, INDEPENDENTE DO TIPO DE MEIO QUE ESTEJA ARMAZENADA, QUE SEJA IMPORTANTE PARA A EMPRESA E SEUS NEGÓCIOS. EXEMPLOS DESSES ATIVOS

Leia mais

Elementos básico de uma rede Samba - Local Master Browser

Elementos básico de uma rede Samba - Local Master Browser Servidor Samba Linux Samba é o protocolo responsável pela integração de máquinas Linux com Windows, permitindo assim a criação de redes mistas utilizando servidores Linux e clientes Windows. Samba, é uma

Leia mais

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Segurança de Sistemas na Internet Aula 10 - IPSec Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Slide 2 de 31 Introdução Há inúmeras soluções de autenticação/cifragem na camada de aplicação

Leia mais

HOW TO Configuração de PPTP em Macbook, ipad e iphone

HOW TO Configuração de PPTP em Macbook, ipad e iphone Introdução HOW TO Página: 1 de 7 O Point to Point Tunneling Protocol (PPTP) é um método utilizado para se utilizar redes privadas virtuais. A tecnologia utiliza um canal de controle sobre TCP e um túnel

Leia mais

DESVENDADO O TCP/IP. Prof. Me. Hélio Esperidião

DESVENDADO O TCP/IP. Prof. Me. Hélio Esperidião DESVENDADO O TCP/IP Prof. Me. Hélio Esperidião TCP/IP INTERNAMENTE Quando dois computadores tentam trocar informações em uma rede, o TCP/IP precisa, primeiro, determinar se os dois computadores pertencem

Leia mais

O mundo virtual pode permitir essa segurança assim como o mundo real. As garantias virtuais se chamam as Assinaturas Digitais.

O mundo virtual pode permitir essa segurança assim como o mundo real. As garantias virtuais se chamam as Assinaturas Digitais. O mundo virtual pode permitir essa segurança assim como o mundo real. As garantias virtuais se chamam as Assinaturas Digitais. As assinaturas são chaves ou certificados criados apenas uma vez para cada

Leia mais

CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS

CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS VIRTUAL PRIVATED NETWORK - VPN VPN: Rede Virtual Privativa que usa a estrutura aberta e distribuída da Internet para a troca de dados segura e confiável entre redes corporativas

Leia mais

Administração de Sistemas (ASIST)

Administração de Sistemas (ASIST) Administração de Sistemas (ASIST) Redes privadas virtuais Novembro de 2014 1 Rede privada virtual ( VPN Virtual Private Network ) Uma VPN é um túnel seguro (autenticação, confidencialidade e integridade)

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Nome Número Docente: JA VA Curso: LERCM MEIC MEET MERCM Exame (responda a todas as perguntas pares) / Repetição do 1º teste Nas questões de resposta múltipla (V/F) assinale com uma cruz a resposta correta.

Leia mais

Algoritmos para Códigos de Autenticação de Mensagens

Algoritmos para Códigos de Autenticação de Mensagens Algoritmos para Códigos de Autenticação de Mensagens 03/2010 Instituto de Computação - UNICAMP Roteiro Códigos de Autenticação de Mensagens Construção baseada em cifras (CBC-MAC, CMAC) Construção baseada

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA

PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA 16 PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA QUESTÃO 51: Em um computador com o sistema operacional Windows 2000, um usuário possui a seguinte configuração de permissões sobre um arquivo: As opções abaixo representam

Leia mais

Capítulo 8. Segurança em redes de computadores

Capítulo 8. Segurança em redes de computadores 1 Capítulo 8 Segurança em redes de computadores 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!!

Leia mais

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Sistemas de Arquivos- Parte 2 Pontos importantes de um sistema de arquivos Vários problemas importantes devem

Leia mais

Sistemas Distribuídos Controle de Acesso e Gerenciamento de Segurança

Sistemas Distribuídos Controle de Acesso e Gerenciamento de Segurança Sistemas Distribuídos Controle de Acesso e Gerenciamento de Segurança Departamento de Informática, UFMA Graduação em Ciência da Computação Francisco José da Silva e Silva 1 Controle de Acesso 1.1 Introdução

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Introdução Conceitos básicos IP Seguro Criptografia Segurança em redes IP Associação de Segurança, Modos de funcionamento AH, ESP, Processamento de tráfego,

Leia mais

ROTEIRO PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DIGITAL A1

ROTEIRO PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DIGITAL A1 ROTEIRO PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DIGITAL A1 Informações importantes sobre a emissão do Certificado A1: 1. Todos os certificados do tipo A1 emitidos no computador/usuário são gerados em um único Repositório

Leia mais

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma

Leia mais

Sumário Introdução Definição de Assinatura Digital Certificação digital O que é? Mecanismos de Assinatura Digital Aspectos Legais Certificadoras do

Sumário Introdução Definição de Assinatura Digital Certificação digital O que é? Mecanismos de Assinatura Digital Aspectos Legais Certificadoras do ASSINATURA DIGITAL Sumário Introdução Definição de Assinatura Digital Certificação digital O que é? Mecanismos de Assinatura Digital Aspectos Legais Certificadoras do Brasil Autorizadas de Registro no

Leia mais

CONCEITUAÇÃO CONCEITOS

CONCEITUAÇÃO CONCEITOS 13/03/2016 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 09 ASSINATURA DIGITAL FUNÇÃO HASH 1 CONCEITO DE ASSINATURA 2 Confortável Prático Seguro? Conteúdo

Leia mais

Aspectos de Segurança no IPv6

Aspectos de Segurança no IPv6 Aspectos de Segurança no IPv6 Motivação Motivação Inicialmente, o protocolo IP foi criado para interligar redes acadêmicas de pesquisa Não tinha grande, ou nenhuma, preocupação com a segurança dos dados

Leia mais

REDES MPLS Engenharia de Tráfego (TE)

REDES MPLS Engenharia de Tráfego (TE) REDES MPLS Engenharia de Tráfego (TE) PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a TE Operação do MPLS-TE PCALC RSVP Fast Reroute Introdução a TE (Traffic engineering) Introdução a TE Protocolos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Unidade IV Camada de Rede. Luiz Leão

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Unidade IV Camada de Rede. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático 4.1 Protocolo IP 4.2 Endereçamento IP 4.3 Princípios de Roteamento Introdução O papel da camada de rede é transportar pacotes

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Requisitos de Segurança em Redes» Autenticação: O parceiro da comunicação deve ser o verdadeiro» Confidencialidade: Os dados transmitidos não devem ser espiados»

Leia mais

Segurança - HTTP. Carlos Gustavo A. da Rocha. Segurança de Redes carlos.rocha@ifrn.edu.br

Segurança - HTTP. Carlos Gustavo A. da Rocha. Segurança de Redes carlos.rocha@ifrn.edu.br Segurança - HTTP Carlos Gustavo A. da Rocha De forma semelhante ao sistema operacional a configuração de um servidor HTTP (apache ou IIS) pode ser ajustada em termos de segurança Limitar a quantidade de

Leia mais

Matriz de Compatibilidade de Segurança da Camada 2 e Camada 3 do Controller de LAN Wireless

Matriz de Compatibilidade de Segurança da Camada 2 e Camada 3 do Controller de LAN Wireless Matriz de Compatibilidade de Segurança da Camada 2 e Camada 3 do Controller de LAN Wireless Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Soluções da segurança de rede do

Leia mais

A ICP Brasil... 3 Cadeia de Certificação ICP-Brasil CertiSign... 4 Instalando os Certificados a partir do CD-ROM de Drivers CertiSign...

A ICP Brasil... 3 Cadeia de Certificação ICP-Brasil CertiSign... 4 Instalando os Certificados a partir do CD-ROM de Drivers CertiSign... GUIA RAÍZES ICP - BRASIL CERTISIGN 2006 CertiSign Certificadora Digital S.A. Página 1 de 13 versão 2006 ÍNDICE A ICP Brasil... 3 Cadeia de Certificação ICP-Brasil CertiSign... 4 Instalando os Certificados

Leia mais

Autenticação Arbitrada Newman-Stubblebine. Autenticação Arbitrada. Autenticação Arbitrada Woo-Lam. Autenticação Arbitrada Needham-Schroeder

Autenticação Arbitrada Newman-Stubblebine. Autenticação Arbitrada. Autenticação Arbitrada Woo-Lam. Autenticação Arbitrada Needham-Schroeder Autenticação Arbitrada Newman-Stubblebine Needham-Schroeder Woo-Lam Autenticação Arbitrada Newman-Stubblebine 3 - Chave de Entidade ra 1 - Quero lhe enviar uma msg 2 - quer me enviar uma msg 4 - Mensagem

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação 1 Universidade Federal Fluminense Campus de Rio das Ostras Curso de Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Professor: Leandro Soares de Sousa e-mail: leandro.uff.puro@gmail.com site:

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Criptografia, Certificados Digitais SSL Criptografia Baseada em Chaves CRIPTOGRAFA Texto Aberto (PlainText) Texto Fechado (Ciphertext)

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Comunicação em Sistemas Distribuídos Sumário Comunicação

Leia mais

3. Numerar a coluna da direita conforme a da esquerda 1) Classe (2) :Aluno 2) Um dado objeto (3) oaluno:aluno 3) Objeto (1) Aluno

3. Numerar a coluna da direita conforme a da esquerda 1) Classe (2) :Aluno 2) Um dado objeto (3) oaluno:aluno 3) Objeto (1) Aluno INFORMAÇÕES GERAIS CURSO: ENGENHARIA DE SOFTWARE DISCIPLINA: ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS PROFESSOR: OSVALDO MESQUITA ANO.SEMESTRE: 2016.1 1. O que você entende por: a) Polimorfismo. Significa aquilo

Leia mais

Redes Virtuais Privadas VPN. Edgard Jamhour. 2013, Edgard Jamhour

Redes Virtuais Privadas VPN. Edgard Jamhour. 2013, Edgard Jamhour Redes Virtuais Privadas VPN Edgard Jamhour Tipos de VPN rede Insegura ENTRE DUAS MÁQUINAS rede Insegura ENTRE UMA MÁQUINA E UMA REDE (VPN DE ACESSO) rede Insegura ENTRE DUAS REDES (INTRANET OU EXTRANET

Leia mais

Linux Essentials. Network Configuration

Linux Essentials. Network Configuration Linux Essentials Network Configuration Tópicos abordados: 4.4 Conectando o computador na rede Prof. Pedro Filho 1 Objetivo O objetivo deste curso é lhe fazer familiar com o sistema operacional Linux. Iniciaremos

Leia mais

IPsec: IP Seguro. Edgard Jamhour 2009, Edgard Jamhour

IPsec: IP Seguro. Edgard Jamhour 2009, Edgard Jamhour IPsec: IP Seguro Edgard Jamhour 1) Introdução ao IP Sec - IP Seguro Padrão aberto baseado em RFC (IETF). Comunicação segura em camada 3 (IPv4 e IPv6) Provê recursos de segurança sobre redes IP: Autenticação,

Leia mais

Autenticação X Assinatura Digital. Assinatura Digital. Autenticação - Dois Níveis. Funções de Autenticação. Autenticação:

Autenticação X Assinatura Digital. Assinatura Digital. Autenticação - Dois Níveis. Funções de Autenticação. Autenticação: X Assinatura Digital Assinatura Digital : protege as duas partes que trocam uma mensagem não protege as duas partes uma contra a outra pode acontecer: uma parte forja uma mensagem dizendo que foi enviada

Leia mais

Arquiteturas de Redes de Computadores

Arquiteturas de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes de Computadores Material de apoio Camada de Enlace Cap.6 19/01/2012 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia

Leia mais

Proporcionar a modelagem de sistemas utilizando todos os conceitos da orientação a objeto;

Proporcionar a modelagem de sistemas utilizando todos os conceitos da orientação a objeto; Módulo 7 UML Na disciplina de Estrutura de Sistemas de Informação, fizemos uma rápida passagem sobre a UML onde falamos da sua importância na modelagem dos sistemas de informação. Neste capítulo, nos aprofundaremos

Leia mais

MARCELO NEGRÃO DIRETOR COMERCIAL TÉC. www.brc.com.br 11 2165 8888

MARCELO NEGRÃO DIRETOR COMERCIAL TÉC. www.brc.com.br 11 2165 8888 MARCELO NEGRÃO DIRETOR COMERCIAL TÉC. Appliance Marco Civil da Internet O OMNE3 é a única ferramenta que garante a integridade dos registros que constam em banco de dados de relatórios. Através de um

Leia mais

Credenciamento. e manual de instalação Magento. Credenciamento. Configurações

Credenciamento. e manual de instalação Magento. Credenciamento. Configurações Credenciamento Configurações Para realizar o cadastro e criar sua conta vendedor no Clickpag Rede, acesse https://www.userede.com.br/clickpag/paginas/cadastro/index.html Durante o credenciamento, será

Leia mais

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail:charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma rede privada

Leia mais

INE5630 Solução da Prova 2 21/11/2011

INE5630 Solução da Prova 2 21/11/2011 INE5630 Solução da Prova 2 21/11/2011 1. Embora navegadores Web sejam fáceis de usar, os servidores Web sejam relativamente fáceis de configurar e gerenciar, e o conteúdo da Web esteja cada vez mais fácil

Leia mais

MPLS. Multiprotocol Label Switching

MPLS. Multiprotocol Label Switching MPLS Multiprotocol Label Switching MPLS MPLS - Multiprotocol Label Switching é um tipo de técnica direcionamento de dados em redes de datagramas na qual os pacotes são direcionadas de acordo com os rótulos

Leia mais

7. Defina encapsulamento. R.: Encapsular é ocultar. Criar uma cápsula ao redor da classe, para proteger o que está dentro dela.

7. Defina encapsulamento. R.: Encapsular é ocultar. Criar uma cápsula ao redor da classe, para proteger o que está dentro dela. 1. O que são classes? Dê exemplos. R.: Classe é um tipo abstrato de dados. Encapsula estrutura e comportamento. Ou seja: uma descrição de um conjunto de objetos que compartilham a mesma estrutura, os mesmos

Leia mais

Segurança em Redes Aula 7 Luiz Fernando Rust INMETRO Tel. (021)

Segurança em Redes Aula 7 Luiz Fernando Rust INMETRO Tel. (021) Segurança a em Redes Aula 7 Luiz Fernando Rust e-mail: INMETRO Tel. (021) 2679-9072 rust@nce.ufrj.br lfrust@inmetro.gov.br 111 Assinatura Digital, Certificação e PKI Assinatura Digital Certificado Digital

Leia mais

Introdução ao roteamento

Introdução ao roteamento Introdução ao roteamento Licença de uso do material Esta apresentação está disponível sob a licença Creative Commons Atribuição Não a Obras Derivadas (by-nd) http://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/legalcode

Leia mais

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais)

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais) Autenticação: mais uma tentativa Protocolo ap3.1: Alice diz Eu sou Alice e envia sua senha secreta criptografada para prová-lo. Eu I am sou Alice encrypt(password) criptografia (senha) Cenário de Falha?

Leia mais

Rede Privada Virtual - VPN. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

Rede Privada Virtual - VPN. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Rede Privada Virtual - VPN Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Tópicos Abordados Introdução a VPN Protocolos de Tunelamento Criptografia Infraestrutura de Chave Pública - PKI Introdução

Leia mais

LINGUAGEM SQL Linguagem usada em SGBD para: Definir estrutura de dados; Modificar dados em um banco de dados; Especificar restrições de segurança; Rea

LINGUAGEM SQL Linguagem usada em SGBD para: Definir estrutura de dados; Modificar dados em um banco de dados; Especificar restrições de segurança; Rea BANCO DE DADOS Prof. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com SQL A Structed Query Language foi desenvolvida em 1974 nos laboratório da IBM em San José na Califórnia,

Leia mais

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO OBJETIVO Internet Protocol Security Antonio Abílio da Costa Coutinho José Eduardo Mendonça da Fonseca Apresentar conceitos sobre segurança em redes de comunicação de dados, relacionados ao Protocolo (Internet

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução à Mascara de Subrede

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução à Mascara de Subrede Disciplina Fundamentos de Redes Introdução à Mascara de Subrede Professor Airton Ribeiro de Sousa 2015 1 O que é Máscara de Subrede? A máscara de subrede é um endereço de 32 bits que tem como finalidade

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede COMPONENTES ATIVOS DE REDE Paulo Montenegro paulo.montenegro@simplestec.com.br 04 de fevereiro de 2009 FP.AC.010.00 Sumário Repetidor HUB Pontes Modos de Funcionamento Roteadores Protocolos de Roteamento

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Formulação 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

Redes de Computadores Aula 22

Redes de Computadores Aula 22 Redes de Computadores Aula 22 Aula passada Multimídia em redes Aula de hoje Segurança em redes Princípios Criptografia Autenticação O que é Segurança em Redes? Segurança é a garantia de certas propriedades

Leia mais

O que há de novo. Audaces Vestuário Versão Clube Audaces

O que há de novo. Audaces Vestuário Versão Clube Audaces O que há de novo Audaces Vestuário Versão Clube Audaces Com o propósito de produzir tecnologia de ponta, o principal requisito da Política de Qualidade da Audaces é oferecer produtos inovadores e serviços

Leia mais

Guia de configuração para acesso à rede sem fios EDUROAM. Windows 7

Guia de configuração para acesso à rede sem fios EDUROAM. Windows 7 Guia de configuração para acesso à rede sem fios EDUROAM Windows 7 Conteúdos: Índice de figuras... 3 Introdução... 4 Windows 7... 5 Configuração para acesso wireless... 5 2 Índice de figuras Figura 1 -

Leia mais

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads Com o conceito de múltiplos threads (multithread) é possível

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE VPNS SEGURAS COM ÊNFASE NA QUALIDADE 1

IMPLEMENTAÇÃO DE VPNS SEGURAS COM ÊNFASE NA QUALIDADE 1 IMPLEMENTAÇÃO DE VPNS SEGURAS COM ÊNFASE NA QUALIDADE 1 Igor Cristiano Tibuski 2 Marcos Mikalovicz 3 Robson Hugo Henning 4 RESUMO A Internet vem crescendo consideravelmente desde sua criação em meados

Leia mais

QUESTÕES FREQUENTES PRESCRIÇÃO DESMATERIALIZADA RECEITA SEM PAPEL. E-medicar Versão 3.0

QUESTÕES FREQUENTES PRESCRIÇÃO DESMATERIALIZADA RECEITA SEM PAPEL. E-medicar Versão 3.0 QUESTÕES FREQUENTES PRESCRIÇÃO DESMATERIALIZADA RECEITA SEM PAPEL E-medicar Versão 3.0 JULHO 2016 CARACTERÍSTICAS DO DOCUMENTO Referência: E-MEDICAR 3.0 RECEITA SEM PAPEL Data: JULHO 2016 Versão do documento:

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR Segundo Bimestre Exercício 1: Considere a seguinte configuração de árvore de nomes DNS. ZONA.br dns (200.0.0.1) SOA br dns2

Leia mais

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Network Fundamentals Capítulo 3 1 Aplicações A Interface entre usuário e Rede de Dados A Camada de aplicação provê recursos para enviar e receber dados

Leia mais

Guia de Instalação do "AirPrint"

Guia de Instalação do AirPrint Guia de Instalação do "AirPrint" Versão 0 POR Definições de notas Ao longo deste Manual do Utilizador, é utilizado o seguinte ícone: Nota As Notas indicam o que fazer perante uma determinada situação ou

Leia mais

Guia de Instalação do "AirPrint"

Guia de Instalação do AirPrint Guia de Instalação do "AirPrint" Este Manual do Utilizador diz respeito aos modelos seguintes: MFC-J650DW/J670DW/J690DW/J695DW Versão A POR Definições de notas Ao longo deste manual do utilizador, é utilizado

Leia mais

Conceito de Filtragem de Pacotes e Firewall

Conceito de Filtragem de Pacotes e Firewall Conceito de Filtragem de Pacotes e Firewall Os primeiros firewalls usavam a filtragem de pacote somente para proteger a rede interna de usuários externos. O firewall verificava o cabeçalho de cada pacote

Leia mais

Março/2015 www.vianet.com.br

Março/2015 www.vianet.com.br Março/2015 Bem-vindo a nova plataforma Vianet de e-mails! Para sua maior comodidade e melhor utilização da ferramenta, explicaremos e esclareceremos à você as funções básicas da nova plataforma. Vamos

Leia mais

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares Gerenciamento de Integração Prof. Anderson Valadares 1. Conceito A área de conhecimento em gerenciamento de integração do projeto inclui processos e as atividades necessárias para identificar, definir,

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

CRIPTOGRAFIA E ASSINATURA DIGITAL DE NO GROUPWISE

CRIPTOGRAFIA E ASSINATURA DIGITAL DE  NO GROUPWISE MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CORREDENADORIA DE SUPORTE TÉCNICO DIVISÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CRIPTOGRAFIA E ASSINATURA DIGITAL DE E-MAIL NO GROUPWISE Introdução

Leia mais

Nota Fiscal Alagoana. Manual para Envio de Arquivo de Cupons Fiscais via Webservice

Nota Fiscal Alagoana. Manual para Envio de Arquivo de Cupons Fiscais via Webservice GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS CSGII - COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO Nota Fiscal Alagoana Manual para Envio de Arquivo de Cupons Fiscais via Versão 1.0 20/04/2009 Índice Analítico

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 3 Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Para que ocorra a transmissão de uma informação entre o transmissor

Leia mais

Tecnologias de Redes Informáticas (6620)

Tecnologias de Redes Informáticas (6620) Tecnologias de Redes Informáticas (6620) Ano Lectivo 2013/2014 * 1º Semestre Licenciatura em Tecnologias e Sistemas da Informação Aula 7 Agenda Comunicação na camada de Rede (adaptado de Kurose, Computer

Leia mais

TOKEN RING & TOKEN BUS

TOKEN RING & TOKEN BUS TOKEN RING & TOKEN BUS Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Diogo Martins Rodrigues Ferreira 2013/2014 ÍNDICE Introdução...2 Token

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Segurança

Tópicos de Ambiente Web Segurança Tópicos de Ambiente Web Segurança Professora: Sheila Cáceres Componentes dos sistemas de segurança de dados Política de segurança de dados Serviços básicos para segurança computacional (security) Controle

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO DO CERTIFICADO TIPO A3 ENVIADO POR E-MAIL ENVIADO POR E-MAIL VERSÃO 10. Atualizado em 30/12/2015 Página 1 de 19

MANUAL DE EMISSÃO DO CERTIFICADO TIPO A3 ENVIADO POR E-MAIL ENVIADO POR E-MAIL VERSÃO 10. Atualizado em 30/12/2015 Página 1 de 19 MANUAL DE EMISSÃO DO CERTIFICADO TIPO A3 VERSÃO 10 Atualizado em 30/12/2015 Página 1 de 19 A renovação online do certificado somente poderá ser feita uma única vez (e-cpf) e em sistema operacional Windows

Leia mais

Tutorial de utilização do Sistema E-CONTROLE. Maio 2013

Tutorial de utilização do Sistema E-CONTROLE. Maio 2013 Tutorial de utilização do Sistema E-CONTROLE Maio 2013 Tutorial de utilização do Sistema E-Controle Índice 1) Associar usuário externo à Unidade Jurisdicionada (UJ) 2) Relatórios de usuário por Unidade

Leia mais