REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK"

Transcrição

1 REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK Data: Outubro de 2013

2 PARTE I Aspectos Gerais Artigo 1º (Âmbito) No presente regulamento definem-se os procedimentos de funcionamento da Incubadora do Taguspark, nomeadamente os processos de candidatura, de selecção e de incubação, passando pela identificação e caracterização das instalações da Incubadora e pelas suas normas de funcionamento. Artigo 2º (Objectivos da Incubadora do Taguspark) O principal objectivo da Incubadora do Taguspark é apoiar os empreendedores no processo de desenvolvimento sustentado das suas ideias de negócio e empresas de base científica e/ou tecnológica (EBCTs) operando em áreas diversas, como sejam as de Tecnologias de Informação, Comunicação e Electrónica, Energias Renováveis e Eficiência Energética, Biotecnologia e Ciências da Vida. Mais concretamente, a Incubadora do Taguspark assegura, de forma não exclusiva, a promoção e acompanhamento dos empreendedores, disponibilizando-lhes meios e apoios que lhes permitam transformar os seus projectos inovadores, ou as suas ideias de negócio, em realidades empresariais. É ainda objectivo da Incubadora do Taguspark a promoção da interacção entre o meio empresarial e as instituições de ensino e de investigação, com vista a usufruir das vantagens e sinergias que daí decorrem. Artigo 3º (A quem se dirige) A Incubadora do Taguspark dirige-se a todas as pessoas com perfil empreendedor que estejam interessadas em encontrar as infra-estruturas necessárias para criar e gerir as suas start-ups, nomeadamente, em particular, alunos e investigadores de entidades de Ensino Avançado e de Investigação e Desenvolvimento. Artigo 4º (Processo de Incubação) O processo de Incubação compreende três momentos distintos e complementares: (i) a fase da ideia, prova de conceito, concretização do plano de negócios e criação da empresa, designada por fase de Pré-Incubação e com uma duração de referência igual a 6 meses, (ii) a fase de concepção tecnológica do produto e/ou serviço, designada por fase de Incubação e com uma duração de Regulamento da Incubadora 2

3 referência igual a 18 meses e, por último, (iii) a fase de Desenvolvimento Empresarial, com uma duração máxima igual a 2 anos. A duração de permanência na Incubadora não poderá, de forma alguma, exceder 4 anos. No documento com o título Manual da Incubadora do Taguspark estão identificados quais os objectivos de cada uma das fases do processo de incubação assim como os critérios de passagem entre cada fase. Artigo 5º (Processo de Candidatura e Selecção) A candidatura envolve o preenchimento dum formulário, o qual está disponível em Após a submissão da candidatura, esta é avaliada por um grupo de avaliadores externos conforme é referido no Manual da Incubadora do Taguspark. PARTE II - Localização, Instalações, Serviços e Equipa de Gestão Artigo 6º (Localização) A Incubadora situa-se no Taguspark, Parque de Ciência e Tecnologia, Edifício Inovação II, 421, Oeiras, podendo vir a ocupar outras instalações no Parque em função das suas necessidades de desenvolvimento. Artigo 7º (Instalações) A Incubadora disponibiliza as seguintes instalações: Espaços comuns: área de recepção, duas salas de reuniões, copa e áreas de convívio; Uma zona open space equipada com mobiliário base (secretárias e cadeiras) e com internet sem-fios; Gabinetes de escritórios individuais (com áreas de 18m 2 ou 25m 2 ) equipados com mobiliário base (secretárias e cadeiras), internet e uma linha de telefone directa; Módulos de laboratório individuais (18m 2 ) equipados com mobiliário base de suporte à actividade das empresas de Biotecnologia e Ciências da Vida, internet e telefone; Zona de laboratório partilhada, equipada com diversos equipamentos e que inclui zona de lavagem e salas de cultura de células; Parque de estacionamento no edifício da Incubadora, incluindo lugares reservados para visitantes; Regulamento da Incubadora 3

4 Espaços de arrecadação disponíveis no edifício da Incubadora, mediante um custo mensal adicional. Os empreendedores terão ainda acesso à rede eléctrica, ar condicionado, água e saneamento. Caso se revele necessário, a instalação de equipamentos especializados por parte das empresas poderá ser concretizada em instalações da Taguspark, S.A. exteriores à Incubadora. Artigo 8º (Apoios e Serviços) A Incubadora disponibiliza aos empreendedores um conjunto de apoios e de serviços em função da fase do processo de incubação em que se encontram. Os apoios e serviços disponibilizados pela Incubadora correspondem sinteticamente a: Serviços Gerais: - Salas de reuniões; - Centro de Congressos do Taguspark (Pequeno Auditório e/ou Salas de Formação, no limite máximo de dois dias por ano); - Caixa postal; - Limpeza; - Segurança e controlo de acessos electrónico; - Parque de estacionamento disponível não pago e lugares reservados para os visitantes da Incubadora. Serviços de Housing, e Virtual Machines a preços competitivos; Apoio na definição do modelo de negócio mais adequado e a desenvolver; Promoção de contacto com investidores, com promotores de programas de apoio ao empreendedorismo de base tecnológica e com entidades instaladas no Taguspark; Promoção de iniciativas de dinamização da comunidade da Incubadora; Apoio na elaboração de candidaturas a Sistemas de Incentivos ao Investimento. Artigo 9º (Equipa de Gestão) A equipa de gestão da Incubadora é responsável pela prestação dos serviços identificados no Artigo 8º e pelo acompanhamento dos empreendedores, assim como pela gestão operacional das instalações. Regulamento da Incubadora 4

5 PARTE III - Instalação dos Empreendedores na Incubadora Artigo 10º (Contrato de Prestação de Serviços) Entre a Taguspark, S.A. e a empresa/promotores do projecto será celebrado um contrato de prestação de serviços, formalizando os termos de utilização das instalações da Incubadora, descritas no artigo 7.º, assim como do acesso aos apoios e serviços descritos no artigo 8.º, segundo as condições estabelecidas e obedecendo às limitações que sejam impostas por razões de ordem funcional e operacional. Artigo 11º (Acordo de confidencialidade) A Taguspark, SA compromete-se, durante a vigência do contrato de prestação de serviços mencionado no artigo 10.º, a: Conservar e proteger todas as informações com carácter confidencial que lhe sejam fornecidas pelos empreendedores no âmbito do projecto a desenvolver na Incubadora do Taguspark; Não utilizar as informações confidenciais com outro fim que não seja a prossecução dos objectivos do projecto; Não copiar, reproduzir, duplicar, total ou parcialmente, as informações confidenciais; Todas as informações confidenciais são pertença dos empreendedores, podendo a Taguspark, SA guardar cópia para questões de registo e arquivo. Artigo 12º (Obrigações e responsabilidades dos Empreendedores) a) Os empreendedores estão obrigados ao cumprimento de todas as disposições contidas neste Regulamento e no Manual da Incubadora, bem como ao Contrato de Prestação de Serviços celebrado com a Taguspark, S.A. b) Os empreendedores disponibilizam-se a participar activamente nos eventos organizados pela Incubadora, designadamente nas acções junto de investidores e entidades instaladas no Taguspark, assim como em acções de divulgação da própria Incubadora. c) Os empreendedores obrigam-se a fazer os melhores esforços para o desenvolvimento do projecto candidatado. d) Os espaços de escritório e/ou módulos de laboratório individuais destinam-se exclusivamente à instalação dos empreendedores para a realização do seu projecto. O direito decorrente da Regulamento da Incubadora 5

6 cedência do espaço é intransmissível e destina-se apenas a assegurar os fins inerentes ao desenvolvimento das actividades acordadas com a Taguspark, S.A. e) A gestão dos espaços de escritório e/ou de laboratório individuais é da inteira responsabilidade dos respectivos empreendedores, assim como a manutenção dos mesmos em bom estado de utilização. f) A empresa/promotor do projecto é responsável por todos os seus colaboradores/equipa e pelas acções dos mesmos, competindo-lhe transmitir a estes as regras de funcionamento da Incubadora. Nestes termos, a empresa/promotor do projecto é responsável por suportar todos os custos resultantes de qualquer dano material provocado às instalações da Incubadora, mesmo que involuntariamente, por algum dos seus colaboradores/equipa. g) A gestão das pessoas/colaboradores com autorização para aceder às instalações da Incubadora, e a incluir no sistema de controlo de acessos do edifício mediante solicitação à equipa de gestão da Incubadora, é da inteira responsabilidade da empresa/promotor. h) A empresa/promotor é responsável pela aquisição dos equipamentos, materiais e matériasprimas necessárias à execução da sua actividade. i) O empreendedor/empresa terá de manter com os outros ocupantes instalados na Incubadora relações de boa convivência cívica, não impedindo de qualquer forma a utilização dos espaços e serviços comuns, comprometendo-se a garantir: A disciplina da sua equipa e dos seus visitantes no uso normal e adequado das instalações, incluindo nas áreas comuns; Que a sua equipa e os seus visitantes não exerçam actividades para além das inseridas no desenvolvimento do contrato celebrado com a Taguspark, S.A; O respeito pelas normas de higiene e segurança nas instalações. j) Os empreendedores/empresas comprometem-se, durante a vigência do contrato de prestação de serviços mencionado no artigo 10.º, a fornecer informações para a divulgação e promoção da sua actividade pela Taguspark, S.A, bem como a divulgar a própria Incubadora. PARTE IV - Condições de utilização e pagamento das infra-estruturas da Incubadora Artigo 13º (Condições de utilização das instalações da Incubadora) a) Os serviços de apoio disponibilizados pela Incubadora são prestados em horário de expediente comum. b) O acesso às instalações da Incubadora fora do horário normal de funcionamento do Parque só é permitido aos colaboradores das empresas instaladas na Incubadora e devidamente identificados junto do segurança do Taguspark. Regulamento da Incubadora 6

7 c) É proibido fumar em todas as instalações da Incubadora. d) Recomenda-se que os empreendedores desliguem as luzes e o ar condicionado dos espaços de escritório e dos módulos de laboratórios individuais quando não for necessária a sua utilização. e) Os empreendedores não podem efectuar qualquer obra nos espaços de escritórios e nos módulos de laboratório da Incubadora sem autorização prévia da Taguspark, SA, incorrendo em risco de processo indemnizatório e assumindo todas as responsabilidades inerentes caso violem esta disposição. f) A instalação de quaisquer equipamentos nos espaços de escritórios e nos módulos de laboratório da Incubadora carece de autorização prévia da Taguspark, SA, incorrendo os empreendedores em risco de processo indemnizatório e assumindo todas as responsabilidades inerentes caso violem esta disposição. g) As empresas que trabalham com produtos perigosos têm a obrigação de informar e identificar os mesmos junto da Equipa de Gestão da Incubadora e, se possível, disponibilizar a ficha de segurança de cada produto. h) Os empreendedores que utilizam a zona partilhada de laboratório são responsáveis por manter limpa e arrumada a área utilizada. Artigo 14º (Preço e Condições de Pagamento das infra-estruturas da Incubadora) a) Todos os apoios e serviços referidos no Artigo 8.º são prestados gratuitamente durante todo o período de Incubação, excepto aqueles cuja não gratuitidade seja mencionada no Manual da Incubadora do Taguspark. b) A utilização dos gabinetes de escritórios e/ou módulos de laboratório individuais e a zona partilhada de laboratórios será regulada por um Contrato de Prestação de Serviços, com um custo por unidade de área dependente da fase de Incubação em que a empresa se encontra. c) Ao custo por unidade de área dos módulos de laboratório individuais utilizados por cada empresa instalada acrescem os custos referentes aos consumos energéticos dos equipamentos instalados nesses espaços pelos próprios empreendedores. d) As condições de pagamento da utilização das instalações, assim como todos os serviços prestados pela Incubadora, são reguladas pelo Contrato de Prestação de Serviços a celebrar entre as partes, mencionado no artigo 10.º. Regulamento da Incubadora 7

8 Artigo 15º (Prazo de permanência na Incubadora) A permanência dos empreendedores na Incubadora terá um período máximo de 4 anos. Artigo 16º (Saída das empresas da Incubadora) A empresa será forçada a sair da Incubadora se ocorrer alguma das seguintes situações: Ocorrer infracção a qualquer cláusula contida no contrato de prestação de serviços celebrado com a Taguspark, S.A. Terminar o período de vigência do contrato de prestação de serviços celebrado com a Taguspark, S.A. Ocorrer desvio em relação aos objectivos do projecto candidatado que seja entendido como suficientemente relevante para o efeito pela equipa de gestão da Incubadora. Falta de pagamento das prestações devidas ao abrigo do contrato celebrado. Insolvência da empresa. Uso indevido de bens e serviços da Incubadora. Por iniciativa da empresa, devidamente justificada. Neste caso, a empresa deverá respeitar as condições de aviso prévio de saída estabelecida no contrato de prestação de serviços. Por nível de envolvimento/interesse nos eventos organizados pela Incubadora que seja reconhecido como demasiado escasso pela equipa de gestão da Incubadora. Em caso de cessão temporária de actividade por parte da empresa, esta deverá comunicar tal circunstância à equipa de gestão da Incubadora, por escrito, indicando os fundamentos, a duração prevista da interrupção e se pretende manter, durante esse período, a possibilidade de acesso às instalações da Incubadora; a Taguspark, S.A. reserva-se o direito de não autorizar a manutenção do acesso à Incubadora durante o período de cessão temporária de actividade da empresa. Regulamento da Incubadora 8

REGULAMENTO INTERNO DA INCUBADORA DA UTAD

REGULAMENTO INTERNO DA INCUBADORA DA UTAD REGULAMENTO INTERNO DA INCUBADORA DA UTAD 2013 Artigo 1º (Âmbito) No presente regulamento definem-se todos os procedimentos de funcionamento da Incubadora da UTAD desde os processos de candidatura, avaliação

Leia mais

MANUAL DA INCUBADORA DO TAGUSPARK

MANUAL DA INCUBADORA DO TAGUSPARK MANUAL DA INCUBADORA DO TAGUSPARK Data: Outubro de 2013 Índice 1. Introdução... 1 2. Âmbito... 1 3. Modelo de incubação... 2 3.1 Pré-Incubação... 2 3.2 Incubação... 3 3.3 Desenvolvimento Empresarial...

Leia mais

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Lisboa, Junho de 2014 Artigo 1º Âmbito A Incubadora StartUp Lisboa Comércio resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa, o Montepio Geral, o IAPMEI

Leia mais

Regulamento de Utilização do Ninho de Empresas DNA Cascais, sito na Cruz da Popa em Alcabideche

Regulamento de Utilização do Ninho de Empresas DNA Cascais, sito na Cruz da Popa em Alcabideche Regulamento de Utilização do Ninho de Empresas DNA Cascais, sito na Cruz da Popa em Alcabideche Preâmbulo: O principal objectivo do Ninho de Empresas DNA em Alcabideche, localizado no prédio sito em Cruz

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5 Regulamento de utilização das instalações de Incubação Índice ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5 IV INSTALAÇÃO

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO E ACESSO AO NINHO DE EMPRESAS/INCUBADORA DE NEGÓCIOS DO CONCELHO DE MAFRA. Polos da Ericeira e Mafra

NORMAS DE FUNCIONAMENTO E ACESSO AO NINHO DE EMPRESAS/INCUBADORA DE NEGÓCIOS DO CONCELHO DE MAFRA. Polos da Ericeira e Mafra NORMAS DE FUNCIONAMENTO E ACESSO AO NINHO DE EMPRESAS/INCUBADORA DE NEGÓCIOS DO CONCELHO DE MAFRA Polos da Ericeira e Mafra Aprovadas em Reunião de Câmara em 17 de Abril de 2015 Normas de funcionamento

Leia mais

BIOENERGIA E INCUBADORA DE BASE TECNOLOGICA BUSINESS INCUBATOR OF PORTALEGRE BIOENERGY AND. BioBIP

BIOENERGIA E INCUBADORA DE BASE TECNOLOGICA BUSINESS INCUBATOR OF PORTALEGRE BIOENERGY AND. BioBIP BIOENERGIA E INCUBADORA DE BASE TECNOLOGICA BIOENERGY AND BUSINESS INCUBATOR OF PORTALEGRE BioBIP 1 IPP.BioBIP.1-Rev.0 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ARTIGO 1.º ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais

Regulamento de acesso à Startup Braga

Regulamento de acesso à Startup Braga Regulamento de acesso à Startup Braga Artigo 1º Âmbito A Startup Braga é uma iniciativa da InvestBraga e localiza- se no Edifício GNRation na Praça Conde Agrolongo, número 123, em Braga. O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO NINHO DE EMPRESAS

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO NINHO DE EMPRESAS REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO NINHO DE EMPRESAS Índice: Preâmbulo I Definições II Localização, Instalações e Serviços Artigo 1º: Localização pág. 2 Artigo 2º: Instalações pág. 3 Artigo 3º: Serviços pág. 4

Leia mais

REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo

REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo TORRES INOV-E é um programa orientado para o acolhimento de propostas de negócios assentes em ideias novas e diferenciadoras ou capazes de reinventar

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO I Introdução 1.1 O presente Regulamento destina-se a estabelecer as regras de acesso e de funcionamento do INOV.POINT Centro

Leia mais

Incubadora de Odivelas - Regulamento

Incubadora de Odivelas - Regulamento Preâmbulo A Câmara Municipal de Odivelas, no âmbito das atribuições previstas na Lei n.º 75/2013 de 12 de setembro, que aprovou o regime jurídico das autarquias locais, apoia e promove o desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO HUB PORTO

REGULAMENTO HUB PORTO REGULAMENTO HUB PORTO Preâmbulo O Hub Porto é uma comunidade global, constituída por pessoas das mais diversas áreas profissionais, técnicas, culturais e/ou sociais, que procuram responder de forma inovadora

Leia mais

PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA. Melhores Planos de Negócio

PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA. Melhores Planos de Negócio PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA Melhores Planos de Negócio 2014 REGULAMENTO Preâmbulo Consciente dos novos cenários económicos, que se observam à escala global, e atenta ao papel que

Leia mais

Normas Internas Lourinhã, maio de 2015

Normas Internas Lourinhã, maio de 2015 Normas Internas Lourinhã, maio de 2015 1 Introdução 1.1 A Incubadora Startup Lourinhã é uma iniciativa da Câmara Municipal da Lourinhã e localiza-se no, na Lourinhã. 1.2 As presentes Normas Internas destinam-se

Leia mais

REGULAMENTO Funcionamento e Utilização da Incubadora de Empresas e Cowork, invest arruda

REGULAMENTO Funcionamento e Utilização da Incubadora de Empresas e Cowork, invest arruda REGULAMENTO Funcionamento e Utilização da Incubadora de Empresas e Cowork, invest arruda Aprovação Câmara Municipal: 12-05-2014 Assembleia Municipal: 23-06-2014 Entrada em Vigor: 01-07-2014 REGULAMENTO

Leia mais

Escola de Startups do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC) Regulamento do Programa

Escola de Startups do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC) Regulamento do Programa Escola de Startups do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC) Regulamento do Programa 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Critérios de Candidatura... 3 3. Candidatura, Processo e Critérios

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo A Bolsa de Ideias CAIE (BI) é uma iniciativa desenvolvida pelo Projecto CAIE Centro de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo, financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL. Esta iniciativa

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre Primeira Contraente: Fundação de Serralves, pessoa colectiva de direito privado nº 502266643, instituída pelo Decreto-Lei nº 240-A/89, de 27 de Julho, com sede na

Leia mais

Ninho de Empresas de Mortágua

Ninho de Empresas de Mortágua mortágua ninho de empresas Ninho de Empresas de Mortágua REGULAMENTO Preâmbulo Inserindo-se numa estratégia de Desenvolvimento do Concelho de Mortágua que dá prioridade ao Crescimento Económico e ao Empreendedorismo,

Leia mais

Concurso de Ideias de Negócio

Concurso de Ideias de Negócio Concurso de Ideias de Negócio Preâmbulo O Concurso de Ideias é uma iniciativa desenvolvida através do Contrato Local de Desenvolvimento Social (CLDS) de Estarreja 7 Desafios em Rede, promovido pela DESTAC

Leia mais

Com o Apoio de. Comissão de Coordenaçã e Desenvolvimento Regional do Centro

Com o Apoio de. Comissão de Coordenaçã e Desenvolvimento Regional do Centro OPEN Centro de Incubação de Oportunidades de Negócio Processo de Admissão de Utentes e Modelo de Incubação Centimfe, 2 de Março de 2005 Missão da OPEN Contribuir para a promoção da inovação e do emprego,

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

Apoio ao Empreendedorismo. Anteprojeto de Regulamento

Apoio ao Empreendedorismo. Anteprojeto de Regulamento Apoio ao Empreendedorismo Anteprojeto de Regulamento dezembro de 2015 Regulamento de Apoio ao Empreendedorismo Procedimento iniciado no dia 18 de novembro de 2015 Período de Participação Procedimental

Leia mais

Descontos na Incubação (Física) para empresas recém criadas.

Descontos na Incubação (Física) para empresas recém criadas. TABELA DE PREÇOS E SERVIÇOS DE OCUPAÇÃO DE ESPAÇOS Descontos na Incubação (Física) para empresas recém criadas. Os promotores/empresas com candidatura a incubação aprovada poderão ter direito a um desconto

Leia mais

FRANQUIA Global XXI Consultores

FRANQUIA Global XXI Consultores Página 1 de 6 FRANQUIA Global XXI Consultores A Global XXI Consultores, Lda. é desde 2003, uma entidade certificada pela SGS ICS - International Certification Services, de acordo com os requisitos da Norma

Leia mais

Preâmbulo. Regulamento Municipal da Incubadora de Empresas Baía do Seixal

Preâmbulo. Regulamento Municipal da Incubadora de Empresas Baía do Seixal Preâmbulo Constitui um importante objetivo da Câmara Municipal do Seixal fomentar o aparecimento de novas empresas e de novos empresários, dando preferência àqueles que apostem nas áreas das indústrias

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Princípios gerais e normativo de utilização do edifício

Princípios gerais e normativo de utilização do edifício Princípios gerais e normativo de utilização do edifício Princípios gerais e normativo de utilização do edifício 1 Princípios gerais e normativo de utilização do edifício Enquadramento 03 Objetivos Específicos

Leia mais

Condições do Serviço VRC Plataforma Oficinal 2020

Condições do Serviço VRC Plataforma Oficinal 2020 Condições do Serviço VRC Plataforma Oficinal 2020 1. DESCRIÇÂO DAS PARTES ENVOLVIDAS Fornecedor, aquele que fornece o Serviço, para os efeitos deste documento a TIPS 4Y - Sistemas de Informação, Lda. Subscritor,

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E NEGÓCIOS INSTITUTO EMPRESARIAL DO TÂMEGA. Regulamento de admissão e utilização. Artigo 1º Objeto

CENTRO DE INOVAÇÃO E NEGÓCIOS INSTITUTO EMPRESARIAL DO TÂMEGA. Regulamento de admissão e utilização. Artigo 1º Objeto CENTRO DE INOVAÇÃO E NEGÓCIOS INSTITUTO EMPRESARIAL DO TÂMEGA Regulamento de admissão e utilização Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento disciplina a organização e funcionamento do CENTRO DE INOVAÇÃO

Leia mais

Candidatura ao FIAEA Regulamento

Candidatura ao FIAEA Regulamento Candidatura ao FIAEA Regulamento ARTIGO 1 Objectivos 1.1 A Candidatura ao FIAEA é um processo sistemático e ágil para a avaliação de projetos de investimento de capital de risco no âmbito da Agenda Açoriana

Leia mais

Normas do Concurso de Ideias de Negócio Escolas Empreendedoras

Normas do Concurso de Ideias de Negócio Escolas Empreendedoras Preâmbulo O concurso de Ideias de Negócio é uma iniciativa da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira. O presente documento visa regular o Concurso de Ideias Escolas Empreendedoras e pretende contribuir

Leia mais

1. As Infraestruturas

1. As Infraestruturas O CAME Centro de Acolhimento às Micro e PME, pretende dar resposta a um conjunto de necessidades identificadas na Região Alentejo: Fomentar o empreendedorismo na região; Fixar quadros na região nomeadamente

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. A Biblioteca do IPAM tem como missão cuidar da recolha, do processamento, controlo, acesso e difusão da informação.

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. A Biblioteca do IPAM tem como missão cuidar da recolha, do processamento, controlo, acesso e difusão da informação. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Constituição O Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM) dispõe da Biblioteca IPAM, constituída por vários pólos que estabelecem um sistema integrado

Leia mais

Escola de Startups do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC)

Escola de Startups do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC) Escola de Startups do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC) Regulamento do Programa Índice 1. Introdução... 2 2. Critérios de Candidatura... 2 3. Candidatura, Processo e Critérios

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CASA MUNICIPAL DA JUVENTUDE DE AVEIRO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CASA MUNICIPAL DA JUVENTUDE DE AVEIRO NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CASA MUNICIPAL DA JUVENTUDE DE AVEIRO CAPÍTULO I Art. 1º - Definição a. A Casa Municipal da Juventude de Aveiro é um equipamento que a Câmara Municipal de Aveiro coloca ao dispor

Leia mais

CAPÍTULO I REGULAMENTO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO. O objecto do presente Regulamento é estabelecer as regras do startweb Madeira Caça Talentos 2013.

CAPÍTULO I REGULAMENTO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO. O objecto do presente Regulamento é estabelecer as regras do startweb Madeira Caça Talentos 2013. Preâmbulo. O startweb é um programa de caça talentos na Madeira nas áreas da programação, design, informática, gestão, mas também destinado a todos os empreendedores que ambicionam novos desafios. CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

Concurso Inovação CVMóvel

Concurso Inovação CVMóvel Concurso Inovação CVMóvel REGULAMENTO Edição 204 REGULAMENTO Preâmbulo O Concurso Inovação CVMóvel é uma iniciativa promovida pela CVMóvel, implementada anualmente no âmbito do seu Plano de Contributos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

NÚCLEO DA LITOTECA REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS, EQUIPAMENTOS E ARQUIVOS DAS LITOTECAS

NÚCLEO DA LITOTECA REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS, EQUIPAMENTOS E ARQUIVOS DAS LITOTECAS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS, EQUIPAMENTOS E ARQUIVOS DAS LITOTECAS Maio 2012 ÍNDICE REGULAMENTO DA LITOTECA... 3 Instalações e equipamentos... 4 Objectivos... 6 1. Utilizadores / Consultores...

Leia mais

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO Regulamento de Funcionamento Preâmbulo Tendo como principal objectivo fomentar o empreendedorismo na Região da Lezíria do Tejo, a NERSANT Associação Empresarial em parceria com a Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Concurso de Ideias e Projectos

Concurso de Ideias e Projectos Concurso de Ideias e Projectos Regulamento Promotor Colaboração Apoios CONCURSO DE IDEIAS E PROJECTOS EMPREENDEDORISMO COMÉRCIO E SERVIÇOS Regulamento Art. 1º - Entidade Promotora O concurso de ideias

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO O Prémio do Jovem Empreendedor é um projecto da Câmara Municipal da Boa Vista, em parceria com a Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação

Leia mais

PACDE Projecto de Apoio à Competitividade e Desenvolvimento do Sector Privado MESE MECANISMO DE SUBSÍDIOS EMPRESARIAIS

PACDE Projecto de Apoio à Competitividade e Desenvolvimento do Sector Privado MESE MECANISMO DE SUBSÍDIOS EMPRESARIAIS PACDE Projecto de Apoio à Competitividade e Desenvolvimento do Sector Privado MESE MECANISMO DE SUBSÍDIOS EMPRESARIAIS I. ÍNDICE I. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 1. O que é o Programa 2. Entidades Beneficiárias

Leia mais

FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE IDEIA DE NEGÓCIO / PROJECTO

FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE IDEIA DE NEGÓCIO / PROJECTO FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE IDEIA DE NEGÓCIO / PROJECTO Nº de Entrada Data de entrada / / (a preencher pelos serviços do Parkurbis) Apresentação da Ideia/Projecto Este formulário serve para a apresentação

Leia mais

Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal

Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal 1 Preâmbulo O Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal, adiante designado por NNIES, é um equipamento municipal criado

Leia mais

REGULAMENTO DO ARGANIL COWORKING

REGULAMENTO DO ARGANIL COWORKING REGULAMENTO DO ARGANIL COWORKING Maio de 2013 Regulamento do ARGANIL COWORKING Centro Empresarial e Tecnológico de Arganil (CETA) Nota justificativa Atualmente vivemos no meio da crescente e global cultura

Leia mais

AVISO (20/GAOA/2015)

AVISO (20/GAOA/2015) AVISO (20/GAOA/2015) Humberto Fernando Leão Pacheco de Brito, Presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, submete a consulta pública, para recolha de sugestões, por um período de 30 dias, a contar

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

Regulamento Vodafone Power Lab Programa de Aceleração

Regulamento Vodafone Power Lab Programa de Aceleração Regulamento Vodafone Power Lab Programa de Aceleração CONSIDERANDOS: A. O Vodafone Power Lab é um programa composto por iniciativas e ferramentas que possibilitem o desenvolvimento das novas empresas,

Leia mais

Faça (p)arte. Princípios gerais e normativo de utilização do edifício. www.almadadigital.pt

Faça (p)arte. Princípios gerais e normativo de utilização do edifício. www.almadadigital.pt Faça (p)arte. Princípios gerais e normativo de utilização do edifício www.almadadigital.pt 1 2 Princípios gerais e normativo de utilização do edifício Enquadramento 04 Objetivos Específicos 06 Normativo

Leia mais

«atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio. REGULAMENTO Preâmbulo

«atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio. REGULAMENTO Preâmbulo «atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio REGULAMENTO Preâmbulo A Universidade de Évora, através da Divisão de Projetos e Informação (SCC-DPI), enquanto parte integrante do Serviço de Ciência e Cooperação,

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 05/SI/2010 1 Índice Destinatários... 3 Condições de Elegibilidade do

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. O INESC Porto - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, com o objectivo

Leia mais

O REGISTO DO ACORDO OU DA PROVA DE COMPRA É NECESSÁRIO ANTES DE A SONY EFECTUAR QUALQUER SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA.

O REGISTO DO ACORDO OU DA PROVA DE COMPRA É NECESSÁRIO ANTES DE A SONY EFECTUAR QUALQUER SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA. Acordo PrimeSupport PS.UPDR200.123.1 / PS.UPDR200.12X.1 Versão 1.0 10/2008 Este documento fornece informações sobre o Acordo PrimeSupport ao Cliente. Leia-o cuidadosamente. Para activar os serviços de

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

NESTPOLIS PÓLO DE CRIATIVIDADE E NOVAS TECNOLOGIAS INCUBADORA DE EMPRESAS. Normas de admissão e utilização

NESTPOLIS PÓLO DE CRIATIVIDADE E NOVAS TECNOLOGIAS INCUBADORA DE EMPRESAS. Normas de admissão e utilização INCUBADORA DE EMPRESAS NESTPOLIS Normas de admissão e utilização Preâmbulo Genericamente, o empreendedorismo está associado à criação de riqueza, de empreendimentos, de inovação, de mudança, de emprego,

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA PERMANENTE Nº 01/2014 DE DE INCUBAÇÃO O Programa de Incubação de Projetos, através da coordenação da

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Pinhal Novo ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR ARTIGO 1º DEFINIÇÃO A Biblioteca

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

Artigo 1.º (Âmbito) Artigo 2.º (Empresas e Pró-Empresas) Artigo 3.º (Serviços Base) Artigo 4.º (Serviços Extra)

Artigo 1.º (Âmbito) Artigo 2.º (Empresas e Pró-Empresas) Artigo 3.º (Serviços Base) Artigo 4.º (Serviços Extra) REGULAMENTO O conceito de CENTRO DE EMPRESAS consiste na disponibilização de espaços destinados a empresas e pró-empresas, visando a promoção, desenvolvimento e consolidação das mesmas, com a finalidade

Leia mais

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO 1) Objectivos a) A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC) realiza a 1ª Edição da Escola de Verão com uma semana de ocupação para jovens

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS Artigos: 1º OBJECTIVOS São objectivos do Concurso : a) Estimular o empreendedorismo qualificado e inovador junto da comunidade empresarial e académica da região Norte, Centro

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO CAPÍTULO I Artigo 4º Localização Os serviços descritos no ponto 2 do art. 1º estão dispensados da formalidade do cartão O Centro de Documentação e Informação de leitor. () encontra-se localizado no piso

Leia mais

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO ETAPAS DO PROCESSO DE CANDIDATURA 1ª Etapa Candidaturas: 1 Out 2014 28 Fev 2015. O prémio Consumus Dixit é aberto a todos trabalhos profissionais, académicos, personalidades

Leia mais

Regulamento de Utilização dos Auditórios, Sala do Senado e Átrio

Regulamento de Utilização dos Auditórios, Sala do Senado e Átrio Regulamento de Utilização dos Auditórios, Sala do Senado e Átrio Reitoria da NOVA www.unl.pt ÍNDICE I PRINCÍPIOS GERAIS 2 II - CAPACIDADE 2 III MATERIAL DE APOIO 2 IV - ÁTRIO 4 V - CATERING 4 VI EXPOSIÇÕES

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

Definição de Business Angel

Definição de Business Angel BUSINESS ANGELS CLUB ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIDORES EM START-UPS CÓDIGO DE CONDUTA Definição de Business Angel Os Business Angels são investidores individuais que investem, directamente ou através

Leia mais

1. Titularidade do domínio www.estrelacoop.pt

1. Titularidade do domínio www.estrelacoop.pt 1. Titularidade do domínio www.estrelacoop.pt O site www. www.estrelacoop.pt encontra-se registado ao abrigo do Regulamento do registo de domínios/subdomínios de. PT", e é propriedade Estrelacoop Cooperativa

Leia mais

Fundo Modernização Comércio

Fundo Modernização Comércio 1 Fundo Modernização Comércio IAPMEI Portaria 236/2013 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos a Apoiar 4. Elegibilidade

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

ERMOS & CONDIÇÕES Ao aceder a este site

ERMOS & CONDIÇÕES Ao aceder a este site TERMOS & CONDIÇÕES Ao aceder a este site, ou a qualquer conteúdo do mesmo, o utilizador toma conhecimento e estabelece um acordo com a SDEA Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores, EPER

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa O Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento entrou em vigor a 15/01/2015, após aprovação pela Câmara Municipal

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE

CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE Os serviços online que o Município de Aveiro disponibiliza através da Internet aos utilizadores estabelecem relações com a Câmara Municipal de Aveiro,

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 Pela Resolução n.º 100/2005, de 16 de Junho, foi aprovado o Plano Integrado para a Ciência e Tecnologia. Desse Plano consta

Leia mais

BASES DA CONVOCATÓRIA STARTUP4CITIES 2015

BASES DA CONVOCATÓRIA STARTUP4CITIES 2015 BASES DA CONVOCATÓRIA STARTUP4CITIES 2015 1. DEFINIÇÕES Convocatória: Significa a convocatória startup4cities organizada com o objectivo de apoiar os empreendedores portugueses (quer pessoas físicas residentes

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

CONCURSO IDEIAS EM CAIXA 2007. REGULAMENTO Preâmbulo

CONCURSO IDEIAS EM CAIXA 2007. REGULAMENTO Preâmbulo CONCURSO IDEIAS EM CAIXA 2007 REGULAMENTO Preâmbulo O Centro Regional para a Inovação do Algarve (CRIA) em parceria com a Associação Nacional de Jovens Empresários Núcleo do Algarve (ANJE Algarve) e a

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo

Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo 1º Seminário OPEN, Marinha Grande, 2 Março 2005 Promover a inovação e o desenvolvimento tecnológico PRINCIPAIS VECTORES Inovação tecnológica

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho REGULAMENTO DA 4ª EDIÇÃO DO CONCURSO "BES REALIZE O SEU SONHO" Capítulo I - Introdução e Objetivos 1.º(Introdução e Objetivos) O Concurso Realize o Seu

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

CENTRO DE CONGRESSOS DO IST

CENTRO DE CONGRESSOS DO IST REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NO CENTRO DE CONGRESSOS DO IST 2010 Nota prévia O Centro de Congressos do IST, funcionando sob a tutela directa do Conselho de Gestão, destina-se a satisfazer as necessidades

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE 1.1. Missão 1.2. Público-Alvo 1.3. Linhas de actuação estratégica 1.4. Modalidade de Formação 1.5. Formas de Organização

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais