Analisando a cont (ação) de histórias como influência na produção escrita e no comportamento infantil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Analisando a cont (ação) de histórias como influência na produção escrita e no comportamento infantil"

Transcrição

1 Analisando a cont (ação) de histórias como influência na produção escrita e no comportamento infantil ¹Kátia Farias da Silva, Universidade Estadual Vale do Acaraú Resumo: A cada dia que se passa o professor precisa estar interado nas inovações pedagógicas de modo que possam facilitar cada vez mais a aprendizagem do educando. Muitos alunos, por vezes, apresentam resistências nos momentos de produções textuais afirmando não saberem o que escrever, por não terem ideias. Pensamos que a metodologia aplicada pelo professor em sala de aula é que comprova o sucesso ou o fracasso do interesse do aluno durante o cotidiano escolar. Dentre tantos processos metodológicos, acreditamos que o docente pode e deve fazer uso de contações de histórias como possível subsídio para as produções textuais mais coerentes, a fim de que os discentes sintam-se impulsionados a serem autores produtivos. Assim, objetivamos, nesse trabalho investigar até que ponto a socialização durante as contações de histórias influencia no comportamento da criança, bem como no desenvolvimento da oralidade e, consequentemente, um melhor desempenho nas produções escritas de textos narrativos dos 23 alunos do 4º ano B, de ambos os sexos,de uma escola da rede privada de ensino em Campina Grande/Paraíba. Como processo metodológicos utilizamos a leitura de literaturas infantis, contação de histórias, observação,conversa informal, produções de textos narrativos, reescritas, dentre outros. Para o desenvolvimento do trabalho baseamos as nossas pesquisas nos estudos de Prado (2007), Abramovich (1997), Kuhlthau (2002), Sisto (2001), entre outros estudiosos. Os resultados sinalizaram que a socialização de leituras de literaturas; e a externalização de textos orais influenciaram a pluraridade das ideias dos docentes nos momentos de produzirem textos mais coerentes, e que a oralidade instigou um melhor desenvolvimento, tornando o discente mais propenso a sentir-se criativos e capazes de vencer seus próprios obstáculos na escrita. Constatamos, ainda, que a prática do professor em inovar suas aulas buscando meios que facitlitem o ensino aprendizagem é cada vez mais conveniente ao fazer pedagógico, uma vez que ele, junto à escola, possuem importante papel na formação de leitor/autor. Palavras-chaves: Leitura, escrita, narração, inovações. Abstract: Every day that goes by the teacher must be an interest in innovative teaching methods so that they can facilitate more learning of the student. Many students sometimes have moments of resistance in textual productions saying they do not know what to write, for not having ideas. We believe that the methodology applied by the teacher in the classroom that is evidence of the success or failure of student interest during the school routine. Among many methodological processes, we believe that teachers can and should make use of contações stories as possible allowance for the textual productions more consistent, so that the students feel driven to be productive authors. Thus, the objective of this paper to investigate the extent to which socialization during contações stories influences the child's behavior and the development of orality and therefore a better performance in the written production of narrative texts of the 23 students of 4th year B of both sexes, a private school education in Campina Grande, Paraíba. As a methodological process used to read children's literature, storytelling, observation, informal conversation, the production of narrative texts, rewritten, among others. To develop the work we base our research studies in the Prado (2007), Abramovich (1997), Kuhlthau (2002), Sisto (2001), among other scholars. The results sinalisaram that socialization and reading of literature, and the outsourcing of oral texts influenced the plurality of ideas for teachers in times of texts produce more consistent, and that prompted a better oral development, making students more likely to feel creative and able to overcome their own obstacles in writing. We also ¹Pedagoga, graduanda co curso de licenciatura específica em Língua Portuguesa, professora do ensino fundamental I.

2 35 observed that the practice of teachers in their classrooms looking for ways to innovate that facitlitem the teaching and learning is increasingly appropriate to the teaching done. Once I have it next to the school an important role in the formation of reader / author. Key-words: Reading, writing, narration, innovations. Introdução A palavra texto vem do latim textum, tecido, teia. Ensinar a uma criança a produzir texto não é tarefa simples. Compete ao professor buscar métodos que facilitem a exposição do que está intrínseco na criança e incentivá-la mostrando-lhe sua capacidade como autor. Solicitar, apenas, que o aluno escreva um texto partindo de formas tradicionais de leitura e escrita não tem demonstrado grandes resultados. Partindo do ponto pedagógico que a educação se renova e as metodologias aplicadas pelo professor em sala de aula devem acompanhar essas renovações, fazem-se necessários novos meios que atendam as necessidades dos alunos mediante o estágio de aprendizagem em que cada um deles se encontra. Pensou-se, então, na contação de histórias como subsídio para que a aprendizagem se tornasse mais interessante e, consequentemente, verificar a influência da mesma nas produções textuais, já que a oralidade seria bastante enfatizada e o imaginário, estimulado. Por ter a informação de que um número elevado de estudantes apresenta dificuldade de realizar produções textuais afirmando não ter o que pensar, ou não ter ideias para transcrever para o papel, é que decidimos investigar a influência da contação de histórias como meio de externalizar a imaginação e, posteriormente, produzir textos coerentes. De forma que, nos momentos de contação os alunos ao invés de sentirem-se intimidados a falar, pudessem realizar as atividades propostas de forma prazerosa. Durante a pesquisa utilizamos como metodologia a leitura de literaturas infantis, contação de histórias, observação, conversa informal, reescritas textuais e produções e análises de textos narrativos, pois, como afirma Bruner (apud PRADO; SOLIGO, 2007, P.48) é possível que as formas mais usuais e instantâneas que o

3 36 ser humano utiliza para estruturar suas vivências e informações seja a forma narrativa Com o objetivo de investigar até que ponto a contação de histórias e socialização, como ferramentas metodológicas/pedagógicas, influenciam no desenvolvimento da oralidade e, consequentemente, uma possível melhora nos textos, é que nos embasamos nas concepções de teóricos que dedicam-se a pesquisar sobre narrações orais e escritas e produções de textos, a fim de verificar o desempenho nas produções escritas de textos narrativos após a socialização de leituras. A leitura Não podemos falar de contação de histórias, sem falar do ato de ler, pois é certamente do fascínio de contar e ouvir histórias, que nasce o fascínio de ler (SISTO, 2001 p. 47). Cada vez mais as crianças precisam desde cedo ser incentivadas à leitura, já que ler amplia a visão do mundo. Para contribuir com a ideia de que formar cidadãos leitores, Abramovich ressalta: Ah, como é importante para a formação de qualquer criança ouvir muitas, muitas histórias... Escutá-las é o início da aprendizagem para ser um leitor, e ser leitor é ter um caminho absolutamente infinito de descoberta e de compreensão do mundo. (1997, p.16). Quando o aluno lê e reproduz as palavras, mesmo do escrito, assume a competência de dar vida às palavras e às ideias suscitadas a partir do texto. E tudo começa a partir das escutas de histórias, já que ouvir histórias desperta a sensação de prazer, instiga a criança a ser um contador também e ainda influencia nos momentos de produções textuais. A leitura reflete no processo de aquisição da escrita de forma adequada. Concordamos com o estudioso ao afirmar que, antes que se possam ler sozinhas as crianças devem escutar histórias, a fim de desenvolver o interesse pelos livros e conscientizar-se da variedade de livros disponíveis. Quando estão aprendendo a ler a escuta de histórias funciona como uma influência modelizadora para a leitura. Essa atividade possibilita a experiência com o fluxo das palavras para formar os

4 37 significados. As crianças vivenciam o prazer e os sentimentos criados pela leitura. Por outro lado, a leitura tem como finalidade a formação de escritores, não no sentido de profissionais da escrita, mas de pessoas capazes de escrever adequadamente. Assim, ela fornece a matéria-prima para a escrita (o que escrever), além de contribuir para a constituição de modelos (como v). (Kuhlthau 2002, p.50). O papel do professor Estamos num mundo de aprendizado cada vez mais desafiador. É preciso criar e desenvolver novas habilidades de modo que se possam suprir as necessidades do educando. Assim, o professor tem uma grande tarefa pela frente. É preciso buscar novos métodos pedagógicos para que a aprendizagem seja mais significativa, uma vez que a forma como a metodologia será aplicada facilitará a aquisição da leitura e escrita. Possibilitar ao aluno o desenvolvimento de sua sensibilidade expressiva é uma tarefa essencial para o educador que acredita em uma nova proposta tanto de leitura quanto de escrita. Contudo, compreende-se que para formar leitores-autores precisamos, como professores, elaborar as estratégias a serem tomadas para alcançarmos os objetivos com sucesso. Muitos alunos apresentam dificuldades nos momentos de escritas por uma série de razões e afirmam não saber o que escrever e nem como porque não sabem transpor para o papel. Apresentam insegurança e resistência no momento da produção textual, especificamente, textos narrativos, porque relatam não terem ideias e não saberem dar sequência aos fatos. É aí que entra o professor com as suas habilidades no fazer pedagógico. O educador possui importantíssimo papel no processo de escrita de texto. Como mediador precisa mostrar que todos nós somos capazes de escrever e que se ele, o aluno, começar a deixar fluir a sua imaginação no momento da escrita, seus textos surgirão de forma simples. De acordo com Prado (2005), é pelo contato com diversos textos que um aluno experimentar vivências alheias e pode construir as referências que sustentarão as suas escolhas.

5 38 Uma forma de inovar o cotidiano escolar são os momentos de contação de histórias. O professor como contador de histórias é instigador na busca de leituras de literaturas e formação de novos contadores que o ver como exemplo. A recreação é um dos principais objetivos de se contar histórias, porém salienta-se que sua importância está muito além: desenvolvem-se diversas formas de linguagem; forma caráter; proporcionar o prazer do imaginário; desenvolve funções cognitivas importantes para o pensamento; o raciocínio lógico; as relações espaciais e temporais. Contar histórias, hoje, significa salvar o mundo imaginário (SISTO, 2001). O estilo de vida, reprodutor e sem individualidades, bombardeado por múltiplas invenções, acaba anulando o ato de pensar, impedindo o livre exercício da imaginação. As narrativas são cultivadas nos diversos grupos sociais, especialmente através da oralidade, e é por isso que faz com que a narração se constitua em uma forma discursiva básica para a formação dos seres humanos. A metodologia aplicada por professores presos ao ensino tradicional inibe a criança no momento de se produzir um texto. Onde a realização desta serve apenas de ocupação de tempo para não se deixar os alunos sem ter o que fazer ou até mesmo como forma de punição. Dessa forma, o educando sente-se pressionado a realizar uma tarefa prazer e sem consciência do que está fazendo. O medo em produzir e a aversão acaba tendo suas raízes fincadas nas séries iniciais. É preciso evitar que o aluno limite o seu texto a gramatiquice para que a produção não fique sem sentido e limite as ideias do iniciante autor. O aluno: contação, leitura e a escrita Quando a criança conta a história que leu, desenvolve, amplia seu vocabulário e criatividade, inibe a timidez, proporcionando-a a produzir textos com mais conceitos e qualidade. Reforçando, então, a afirmação de que é mais fácil a criança se comunicar oralmente porque a fala é mais corporal, mais direta e fácil de manipular. Contando histórias lidas possibilita o desenvolvimento de uma estrutura de

6 39 linguagem interna mais sofisticada do que a usada no dia-a-dia, aprimorando tanto a linguagem oral quanto a escrita. O aluno contador de histórias inicia um processo de atenção, prestando atenção ao que é narrado e verifica se as pessoas que estão ouvindo estão na expectativa de saber o próximo fato a ser narrado. Ele se sente como peça fundamental nesse jogo de contação onde há troca de sensações entre contador e ouvintes. É observando essas concepções que a criança cria, involuntariamente, todo um cuidado no momento em que se vai à escrita. Devido ao enriquecimento do seu vocabulário, a sequência dos fatos organiza as ideias durante o momento de narrações orais, que quando se vai escrever tem-se um cuidado com os aspectos que tornem um texto, no mínimo, compreensível na ação de redigir. O aluno é uma fonte de diversidade e por isso ele deve ser instigado á leitura de diferentes gêneros textuais. Assim, tendo acesso a diferentes tipos de histórias, percebe que o texto escrito segue as normas da língua escrita, que são completamente diferentes daquelas da linguagem falada. Á medida em que ela vai se expondo a leitura, esta se reflete na escrita e, consequentemente, exercitando esta última, possibilita e facilita a comunicação entre as pessoas, por isso, é necessário criar oportunidades que possibilitem o desenvolvimento dessa habilidade. Narração nada mais é que contar histórias e a leitura que fica intrínseca em nós como leitores regojeia-nos fazendo-nos revelar a intimidade do que se leu revelando na oralidade o que foi absorvido da leitura. Consequentemente, a palavra narrar vem do verbo latino narrare, que significa expor, contar, relatar. E se aproxima do que os gregos antigos clamavam de épikospoema longo que conta uma história e serve para ser recitado. Narrar tem, portanto, essa característica intrínseca: pressupõe o outro. Ser contada ou ser lida: é esse o destino de toda história. E se as coisas prenhes da palavra, como preferia Baktin (1997), ao narrar falamos de coisas ordinárias e extraordinárias e até repletas de mistérios, que vão sendo reveladas ou remodeladas no ato da escuta ou na suposta solidão da leitura. (PRADO e SOLIGO 2007, p.48)

7 40 A prática da narração de histórias como forma de conhecimento, desencadeia o desenvolvimento da imaginação, da sensibilidade, da manipulação crítica e criativa da linguagem oral. E é possível em todas as fases do desenvolvimento do ser humano, assim:... o poder de resistência da palavra prova de maneira irrefutável que a comunicação entre os homens é essencial à sua própria natureza. O impulso de contar histórias deve ter nascido no homem no momento em que ele sentiu necessidade de comunicar aos outros, certa experiência para todos. (COELHO 2001, p.13) Se o educador souber aproveitar as oportunidades de aprendizagem que surgem no dia-a-dia, terá a oportunidade de enriquecer o seu trabalho como mediador auxiliando seus alunos nos momentos das produções dos textos em sala de aula, uma vez que, o mediador acompanhando de perto o discente poderá com mais intimidade verificar as deficiências dos mesmos na escrita das narrativas mais coerentes e significativas. Um texto é considerado coerente quando se consegue dar sentido a ele. Este sentido é construído não só pelo produtor como também pelo recebendo, que precisa deter os conhecimentos necessários a sua interpretação (VAL, 1991, p.06) É importante que o ensino da escrita seja desenvolvido em sala de aula, pois O professor deve intervir durante o processo como um guia que proporciona a sustentação que os aprendizes necessitam para resolver os múltiplos problemas das tarefas de composição, e, desse modo ir ultrapassando pouco a pouco os conhecimentos e procedimentos requeridos para se tornarem escritores autônomos (CAMPS, 2006, p.20). O professor passar a ser a ponte que ligará o aluno ao sucesso d aprendizado de forma que possa juntamente com o discente possibilitando a melhoria das dificuldades, bem como, mostrando a eles os avanços que conseguem obter. Análise de dados

8 41 A experiência com a presente pesquisa deu-se numa escola da rede particular de ensino, tendo como sujeitos 23 alunos do 4º ano B, de ambos os sexos, na cidade de Campina Grande/Paraíba campo de atuação docente da professora coordenadora deste projeto. Caracterizada como pesquisa-ação, este trabalho proporcionou conhecimento relevantes a prática docente, bem como reflexões da professora sobre o seu próprio trabalho. No dizer de Thoiollent, a pesquisa-ação se constitui de base empírica e, É concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo e no qual os pesquisadores e participantes representativos da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo (THIOLLENT apud GIL, 2002 p. 14). Iniciamos a pesquisa a partir de conversas informais com os alunos verificando a intimidade que eles tinham com o processo de leitura e produção de textos narrativos. Descobrimos, então, que eles gostavam de ler, mas não tinham o hábito da leitura constante. Relatavam gostar de ouvir as narrações das histórias realizadas por outras pessoas, um professor, um parente. Percebemos que eles não tinham o hábito de narrar o que liam, mas aproveitamos a preferência deles e seguimos o próximo passo. No final da aula, cotidianamente, a professora sorteava um aluno e pedia que ele escolhesse uma literatura que ele gostaria que fosse contada pela professora. Os livros eram escolhidos previamente pela professora, que já os tinha lido e sabia bem as histórias, e os temas abrangiam a necessidade dos alunos. No término, conversava-se sobre os fatos da história e a professora levantava questionamentos sobre a narrativa e os inquietavam a fim de que dessem suas opiniões sobre determinado fato ou ato dos personagens. Enfatizava-se bastante que um texto narrativo nada mais era do que a explanação da ideias que os alunos externalizam na oralidade. É contar uma história. Nos encontros seguintes, chegavam eufóricos para a aula querendo saber que hora e em que momento seria a contação naquele dia.

9 42 Logo após, começamos a pedir que eles escolhessem as literaturas para serem lidas e por fim, socializavam a fim de incentivar a oralidade, onde cada criança era incentivada a criticar as ações de cada personagem e sobre o desfecho do texto. Partindo, em seguida, para a escolha de um personagem específico em que o aluno tenha se identificado mais e debatiam sobre suas ações. Em seguida, a professora solicitava que produzissem um texto com a personagem escolhida pelos alunos e imaginasse e escrevessem uma nova narração. Depois da produção, eles oralizavam o que haviam produzido e contavam a história produzida. Em outro momento, realizamos a atividade com o baú de histórias. No decorrer desta, os alunos sentaram no chão em círculo e cada um deles imaginava o que teriam achado dentro de um baú imaginário e oralizava o que via e passava o baú pra o próximo aluno e assim, consequentemente, até terminar o círculo. Por fim, a professora instigava a imaginação e de forma simples e criativa aproveitava as oportunidades para deixar claro que escrever textos nada mais é que transpor para o papel aqui que se imagina. Pedia-se, em outro momento, que criassem textos narrativos e os alunos escreviam, ainda sem se importar para a coesão do texto, uma vez que o objetivo seria a liberdade em escrever, tornando-os capazes de sentirem como autores de uma história. Durante a leitura dos textos produzidos pelos sujeitos da pesquisa, percebiam, sozinhos, quando um fato não estava ligado a outro; percebiam quando havia incoerência e muitas vezes sem o auxílio da professora. Demonstravam prazer lendo o que produziam e gostavam de mostrar o texto elaborado para outras pessoas da escola: professores, auxiliares da escola. Quando alguém elogiava as narrativas, os alunos demonstravam muita satisfação e empolgavam-se na escrita de novos textos. O desenvolvimento da metodologia foi de forma louvável na aprendizagem de produções textuais de muitos alunos, mas especificamente um deles que apresentava uma grande dificuldade em imaginar e transpor para o papel, bem como sua timidez a impedia de oralizar e opinar sobre os fatos das narrativas. No entanto, com as etapas sendo postas uma a uma, essa mesma criança que dantes

10 43 se renegava a participar das aulas envolvendo textos escritos, passou a tomar prazer durante a escrita e, agora tem o intuito de escrever livros. O projeto desse aluno, que progrediu destacadamente entre todos os sujeitos, é de publicar livros. Considerações Finais Consideramos de grande importância todas as etapas decorrentes nesta pesquisa intitulada, ANALISANDO A CONT (AÇÃO) DE HISTÓRIAS COMO INFLUÊNCIA PRODUÇÃO ESCRITA E NO COMPORTAMENTO INFANTIL a fim de ressaltar que através deste trabalho percebemos o quanto a busca do professor em desenvolver habilidade; renovar suas práticas no cotidiano escolar; e encontrar novas ações no seu fazer pedagógico, influencia a aprendizagem e o interesse dos alunos em se dispor a vencer suas dificuldades de produções de textos narrativos. Durante toda a realização deste trabalho acompanhamos de perto cada ação e reação dos sujeitos em cada momento explorado. Foi estimulado o senso crítico dos alunos em relação aos fatos das narrativas. O projeto foi desenvolvido com motivação pela professora coordenadora deste. Foi perceptível o envolvimento dos alunos durante a contação realizada pela docente e também pelos próprios alunos e, consequentemente, havia mais envolvimento dos mesmos com relação a produções textuais. Os leitores tiveram a oportunidade de reconhecer que a contação das histórias auxilio-os cognitivamente nas produções narrativas, elaborando textos mais criativos, interessantes e coerentes tornando o autor crítico e transformador. Além de elevar a auto-estima do aluno, fator esse demonstrando nos momentos de leitura e socialização das produções dos alunos. Nos primeiros encontros as crianças mostraram-se um tanto tímidas na participação das atividades. Mas a cada momento elas nos surpreendiam demonstrando interesse em querer aprender mais e oralizar o que produziam. Durante a realização da oralidade das narrativas realizadas pela professora, percebíamos a expectativa das crianças em querer ouvi - las. Ficavam deslumbrados com cada gestos da contadora e a entonação de voz também obteve

11 44 a atenção. Partindo dessa ação do docente, os discentes queriam fazer a mesma coisa: contar, oralizar, criar, falar e só depois escrever. Portanto, percebemos que essa prática de contação de histórias, de forma bem trabalhada, contribuiu de forma significativa e produtiva para a construção de textos cada vez mais coerentes e cheios de imaginação e que a oralidade instigou um melhor desenvolvimento, tornando o discente mais propenso a sentir - se criativos e capazes de vencer seus próprios obstáculos na escrita. Constatamos, ainda, que a prática do professor em inovar suas aulas buscando meios que facilitem o ensino aprendizagem é cada vez mais conveniente ao fazer pedagógico. Uma vez eu ele junto à escola possuem importante papel na formação de leitor/autor. Referências: ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Scipione, CAMPS, A.Texto, processo, contexto, atividade discursiva: diferentes pontos de vista sobre a atividade de aprender e de ensinar a escrever. In: CAMPS, A. (org) Propostas didáticas para aprender a escrever. Porto Alegre: Artmed, 2006, p COELHO, Nelly Novaes. Panorama histórico da literatura infantil/juvenil. São Paulo: Ática: Acesso em 20/10/ CONTAÇÃO-DE-HISTORIAS-EM-SALA-DE-AULA-/pagina1.html. Acesso em 20/1//2010. KUHLTHAU, Carol. Como usar a biblioteca na escola: um programa de atividades para a pré-escola e ensino fundamental. Belo Horizonte: Autêntica, PRADO, Guilherme do Val Toledo; SOLIGO, Rosaura (Org.). Porque escrever é fazer histórias: revelações, subversões e superações. Campinas: Alínes, 2007.

12 45 PRADO, Jason. A construção do olhar. Revista Leitura Compartilhadas. Ano 5. Rio de Janeiro SISTO, Celso. Textos e pretextos sobre a arte de contar histórias. Chapecó: Argos,2001. VAL, Maria da Graça Costa. Redação e textualidade. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA.

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. Francisca Fabiana Ferreira da Silva 1 fabiana.igor@hotmail.com Francisca Mônica Paz de Sousa Dantas 2 monnyka@hotmail.com

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CARRENHO, Silvanira migliorini 1 KIMURA, Marcia Regina de Souza 1 VEGAS, Dirce Aparecida Izidoro 1 ANTONIO, Fernanda Peres 2 RESUMO

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

CAIXA MÁGICA. Sala 6 Língua Portuguesa EF I. E.E. Heidi Alves Lazzarini. Professora Apresentadora: Renata Lujan dos Santos Mufalo.

CAIXA MÁGICA. Sala 6 Língua Portuguesa EF I. E.E. Heidi Alves Lazzarini. Professora Apresentadora: Renata Lujan dos Santos Mufalo. CAIXA MÁGICA Sala 6 Língua Portuguesa EF I E.E. Heidi Alves Lazzarini Professora Apresentadora: Renata Lujan dos Santos Mufalo Realização: Justificativa Toda história, por mais simples que pareça, transmite

Leia mais

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Catharine Prata Seixas (PIBIC/UFS) Aline Grazielle Santos Soares Pereira (PIBIX/UFS) INTRODUÇÃO Vygotsky (1991), diz que o pensamento e a linguagem

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Resumo: José Roniero Diodato Marilene Severina de Oliveira Ana Claudia do Nascimento Glauciane

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS PARA CRIANÇAS DOS ANOS INICIAIS

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS PARA CRIANÇAS DOS ANOS INICIAIS 23 CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS PARA CRIANÇAS DOS ANOS INICIAIS Christiane Jaroski Barbosa 1 Luciane Rodrigues da Silva Santos 2 Resumo: As formas tradicionais de leitura e escrita parecem não estar dando conta

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA POR MEIO DE TEMA GERADOR NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA POR MEIO DE TEMA GERADOR NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA POR MEIO DE TEMA GERADOR NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Kecia Karine Santos de Oliveira Mestranda (UFS) INTRODUÇÃO O artigo aqui proposto tem o objetivo de abordar

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

APLICAÇÃO DA RECREAÇÃO PARA CRIANÇAS DE ATÉ 12 ANOS

APLICAÇÃO DA RECREAÇÃO PARA CRIANÇAS DE ATÉ 12 ANOS APLICAÇÃO DA RECREAÇÃO PARA CRIANÇAS DE ATÉ 12 ANOS OLIVEIRA, Marcio Rodrigues de SOUZA, Larissa Caroline Kinor de LIMA, Juliane Fortes de SANTOS, Mariól Siqueira Docente do Curso de Educação Física da

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA. AÇÕES DO PIBID/CAPES UFG (SUBPROJETO: LETRAS: PORTUGUÊS) NO COLÉGIO ESTADUAL LYCEU DE GOIÂNIA Bolsistas: SILVA, Danila L.; VAZ, Paula R. de Sena.;

Leia mais

A LEITURA E A ESCRITA NO COTIDIANO ESCOLAR: DESCOBERTAS, ENCANTOS E DESENCANTOS

A LEITURA E A ESCRITA NO COTIDIANO ESCOLAR: DESCOBERTAS, ENCANTOS E DESENCANTOS A LEITURA E A ESCRITA NO COTIDIANO ESCOLAR: DESCOBERTAS, ENCANTOS E DESENCANTOS Alessandra da Paixão de Jesus Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB alessandrav70@hotmail.com Lucinea Costa de Jesus

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Silvana Laurenço Lima 1 Deise Nanci de Castro Mesquita 2 RESUMO: O objetivo desta comunicação é apresentar e discutir

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

Contação de história no espaço não escolar

Contação de história no espaço não escolar Contação de história no espaço não escolar Ana Cláudia Tedesco dos Santos 1 Anilda Machado de Souza 2 Resumo: O presente artigo é resultado do trabalho desenvolvido no Estágio Supervisionado em espaço

Leia mais

BRITO, Jéssika Pereira Universidade Estadual da Paraíba (jessikagba@hotmail.com)

BRITO, Jéssika Pereira Universidade Estadual da Paraíba (jessikagba@hotmail.com) ATUAÇÃO PIBID: REFLEXÕES SOBRE A APLICAÇÃO DO PROJETO LEITURA E PRODUÇÃO DO TEXTO OPINATIVO: DIALOGANDO COM A TIPOLOGIA TEXTUAL DISSERTATIVA/ARGUMENTATIVA BRITO, Jéssika Pereira (jessikagba@hotmail.com)

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Psicologia

Revista Científica Eletrônica de Psicologia A IMPORTÂNCIA DE ATIVIDADES LÚDICAS NO DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DE CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA DE 3 A 6 ANOS. RESUMO. Daniela, SCARPINELLI¹. Gabriel Gonçalves, MATTOS². O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

Iraci dos Santos 1 Luziane dos Santos 2 Naiane Lima dos Santos 3. GT6- Educação, Gênero e Diversidade

Iraci dos Santos 1 Luziane dos Santos 2 Naiane Lima dos Santos 3. GT6- Educação, Gênero e Diversidade AS ESTRATÉGIAS QUE POSSAM MELHORAR O GOSTO E O PRAZER PELA LEITURA NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO INFANTIL PREFEITO LEÔNIDAS DE OLIVEIRA SANTOS-CRISTINÁPOLIS/SE GT6- Educação, Gênero e Diversidade Iraci

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES VERA LUCIA MAZUR BENASSI (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA). Resumo O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA MORAIS, Luciane dos Santos Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva LAMARI, Luciano Brunelli Docente da Faculdade

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS

A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS LAMERA, Iraci Cristina; iracicristinalp@yahoo.com.br Faculdade São Francisco de Assis RESUMO Os estímulos postos à criança enfatizam

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA

Leia mais

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A.

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A. TÍTULO: AS DIFICULDADES E AS COMPLEXIDADES ENCONTRADAS NA ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DENTRO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO E O RELACIONAMENTO COM O DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESUMO AUTORES: CASTRO, M.

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Teatro com Surdos: Facilitador da Leitura e da Escrita

Teatro com Surdos: Facilitador da Leitura e da Escrita Teatro com Surdos: Facilitador da Leitura e da Escrita Ivani Rodrigues SILVA, Eunice R.S. CAMILO, Fátima Ap.G. MENDES, Juliane A. M.CORRADI CEPRE/FCM - UNICAMP ivars@fcm.unicamp.br, nycecamillo@yahoo.com.br,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

A PRÁTICA DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL COMO INCENTIVO NA FORMAÇÃO DE FUTUROS LEITORES RESUMO

A PRÁTICA DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL COMO INCENTIVO NA FORMAÇÃO DE FUTUROS LEITORES RESUMO Revista Eventos Pedagógicos Articulação universidade e escola nas ações do ensino de matemática e ciências v.6, n.2 (15. ed.), número regular, p. 241-249, jun./jul. 2015 A PRÁTICA DE LEITURA NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA Projeto apresentado e desenvolvido na Escola Estadual Domingos Briante

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele.

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele. 1.INTRODUÇÃO A leitura consiste em uma atividade social de construção e atribuição de sentidos. Assim definida, as propostas de leitura devem priorizar a busca por modos significativos de o aluno relacionar-se

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Dessa forma, no ano de 2013 acadêmicas e educadoras buscaram a reorganização do projeto, voltando-se a estudos e partilha de experiências e

Dessa forma, no ano de 2013 acadêmicas e educadoras buscaram a reorganização do projeto, voltando-se a estudos e partilha de experiências e FORMAÇÃO PERMANENTE DE EDUCADORES A PARTIR DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS Marilei Almeida de Oliveira, UFSM Camila da Rosa Parigi, UFSM Celso Ilgo Henz, UFSM INTRODUÇÃO O projeto de extensão, Hora do Conto:

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO 190 RELATÓRIO FINAL BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO Uma das características mais marcantes da chamada sociedade da informação é o extraordinário desenvolvimento

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS

PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS Ewelanny Louyde Ferreira de Lima¹; Daiane Rodrigues Soares². Alunas de graduação

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

A Pedagogia Ontopsicológica na formação do aluno como um ser responsável de sua aprendizagem

A Pedagogia Ontopsicológica na formação do aluno como um ser responsável de sua aprendizagem A Pedagogia Ontopsicológica na formação do aluno como um ser responsável de sua aprendizagem Estela Maris Giordani Universidade Federal de Santa Maria / Faculdade Antonio Meneghetti estela@pesquisador.cnpq.br

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

Hora do conto: uma experiência maravilhosa

Hora do conto: uma experiência maravilhosa Hora do conto: uma experiência maravilhosa Jucelma Terezinha Neves Schneid UPF Todos apreciam uma boa história, mas muita pouca gente conhece o valor real dela. Muitos que a usam para diferentes fins,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1. Fevereiro de 2013

PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1. Fevereiro de 2013 PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1 Fevereiro de 2013 Iniciando a conversa Nesta unidade discutiremos a importância do planejamento das atividades, da organização

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL REBECCA TAVARES DE MELO TOSCANO DE BRITO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA). Resumo Nos dias atuais a prática da leitura está se tornando cada vez mais rara

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

LEITURA LITERÁRIA NA SALA DE AULA SILVA, R. L.; RUTHES, A. F.; PIRES, R.; HARSCH, M. A.; SILVA, E.C.G. Resumo

LEITURA LITERÁRIA NA SALA DE AULA SILVA, R. L.; RUTHES, A. F.; PIRES, R.; HARSCH, M. A.; SILVA, E.C.G. Resumo LEITURA LITERÁRIA NA SALA DE AULA SILVA, R. L.; RUTHES, A. F.; PIRES, R.; HARSCH, M. A.; SILVA, E.C.G Resumo O objetivo deste trabalho é conhecer mais profundamente o que acontece no espaço da sala de

Leia mais