FACULDADE SATC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE SATC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO"

Transcrição

1 1 FACULDADE SATC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CRICIÚMA SC 2010

2 2 Carlos Antonio Ferreira Diretor da Faculdade SATC Kelli Savi da Silva Coordenadora Acadêmica Joelma Rodrigues Patrício da Silva Coordenadora Pedagógica Sônia Regina Trichez Orientadora Educacional Cristiane Dias Secretária Acadêmica Roderval Marcelino Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial

3 3 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Prédio edifício sede 1º Pavimento Figura 2 Prédio edifício sede 2º Pavimento Figura 3 Prédio da Secretaria Geral Figura 4 Prédio do Apoio Didático 1º Pavimento Figura 5 Prédio do Apoio Didático 2º Pavimento Figura 6 Descrição dos Equipamentos Figura 7 Prédios para Atividades das Aulas Figura 8 Complexo Desportivo... 86

4 4 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Municípios do Sul do Estado de Santa Catarina Tabela 2 Cronograma de expansão do Acervo por área do conhecimento

5 5 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO MANTENEDORA HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO A INSTITUIÇÃO HOJE PRINCÍPIOS NORTEADORES DA INSTITUIÇÃO Missão Visão Política da Qualidade Negócio FACULDADE SATC Bases Legais CONCEPÇÃO DO CURSO BASE LEGAL OFERTA DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Específicos: CONTEXTO REGIONAL E INSERÇÃO NA COMUNIDADE FORMAS DE INGRESSO Vestibular Transferências Disciplinas Isoladas PROUNI PERFIL DO EGRESSO ARTICULAÇÕES DO PPC COM PPI/PDI ESTRUTURA CURRICULAR DISCIPLINAS EMENTÁRIOS CARGA HORÁRIA/ ESTRUTURA CURRICULAR FLUXOGRAMA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 40

6 6 4 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA DO CURSO COORDENAÇÃO COMPOSIÇÃO E FUNCIONAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO OU EQUIVALENTE COMPOSIÇÃO E FUNCIONAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) ATIVIDADES COMPLEMENTARES FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR INTERDISCIPLINARIDADE ESTÁGIO/TCC Estágio Curricular Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) AVALIAÇÃO FORMAS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO/APRENDIZAGEM Diagnóstica Formativa Somativa AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INFRAESTRUTURA INFRAESTRUTURA GERAL Prédio Edifício Sede Prédio da Secretaria Geral Prédio do Apoio Didático Descrição dos equipamentos Prédios para Atividades de Aulas Complexo desportivo INFRAESTRUTURA ESPECÍFICA BIBLIOTECA ANEXO I - LABORATORIOS DE AUTOMAÇÃO... 90

7 7 1 APRESENTAÇÃO O presente documento procura fornecer todas as informações de ordem acadêmica demonstrando a concepção e as estratégias a serem implantadas para tornar o Curso de Graduação uma ação de qualidade da Faculdade SATC. O Projeto Pedagógico do Curso (PPC) Superior de Tecnologia em Automação Industrial, expressa os principais parâmetros para a ação educativa, fundamentando, juntamente com o Projeto Pedagógico Institucional (PPI), a gestão acadêmica, pedagógica e administrativa do Curso. O PPC de graduação está sintonizado com uma nova visão de mundo, relacionando-se ao novo paradigma de sociedade e de educação, a fim de garantir a formação global e crítica dos acadêmicos envolvidos no processo. O documento está em permanente construção, sendo elaborado, reelaborado, implementado e avaliado constantemente. Tem como missão incentivar a participação de toda a comunidade acadêmica na construção de uma mentalidade democrática, estável e formal, visando à elaboração de um projeto que normatize a realidade da área do Curso. 1.1 MANTENEDORA A Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina - SATC, mantenedora da Faculdade SATC, é uma entidade jurídica de direito privado, sem fins econômicos e filantrópicos. Instituída originalmente com o nome de Sociedade de Assistência aos Trabalhadores do Carvão SATC foi fundada em 02 de maio de 1959 por iniciativa da Indústria de Extração de Carvão Mineral da Região Carbonífera de Santa Catarina. Em 28 de dezembro de 2003, a SATC teve seu Estatuto reformulado para atender as exigências do Novo Código Civil Brasileiro e do Conselho Nacional de Serviço Social CNAS, para continuar usufruindo do título de entidade beneficente, principalmente no que se refere à razão social que exige que a entidade deva ter

8 8 caráter de Associação (art. 53), pois segundo o referido Código as sociedades são constituídas para fins econômicos (art. 98), o que não é e nunca foi à finalidade da SATC. Assim, pelo novo Estatuto a nova razão social da entidade passou a ser: ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DA INDÚSTRIA CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA (SATC). 1.2 HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO Na década de 50, Criciúma, cidade tipicamente operária, debatia-se com o angustiante problema político social. A situação era grave, principalmente nos meios operários das minas de carvão, pois faltava conscientização e mão-de-obra qualificada, o que comprometia a qualidade de vida e bem estar das pessoas da região. As empresas produtoras de carvão, sem o necessário apoio do governo, que se limitava a fixar cotas de produção e mercado consumidor, sentiam-se impotentes, podendo oferecer pouco, no sentido de evitar ou ao menos contornar os graves problemas sociais advindos da instabilidade. Preocupados com esta situação, os produtores de carvão realizaram um esforço mútuo para amenizar a realidade atual e criaram um espaço para preparar melhor a mão-de-obra da região, pois acreditavam que assim provocariam mudanças significativas no quadro social do momento. Assim, no dia 02 de maio de 1959, por iniciativa da Indústria Carbonífera de Santa Catarina, foi criada a Satc, Sociedade de Assistência aos Trabalhadores do Carvão, focada na preparação de mão-de-obra qualificada e especializada, bem como na assistência social. Em 10 de abril de 1963 inaugurava a Escola Industrial, em parceria com o SENAI, iniciando com cursos de aprendizagem industrial. Após cinco anos, iniciaram-se os cursos técnicos, que até hoje suprem as necessidades do mercado por estes profissionais, em todo Estado de Santa Catarina e também no país.

9 9 Nos dias atuais, a Satc, agora chamada de Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina, entidade sem fins lucrativos, filantrópica e pertencente ao segmento comunitário, é um braço social da atividade carbonífera, pois o campus de educação e tecnologia da instituição é mantido via contribuição de cerca de um por cento do faturamento das empresas carboníferas da região (3,3 milhões de Reais em 2008), além das mensalidades pagas pelos alunos. Tem por finalidade prestar assistência técnica, educacional, entre outras, para a comunidade em geral. Paralelamente, a Satc presta assistência técnica e educacional a entidades carentes, reforçando seu caráter de assistência social. 1.3 A INSTITUIÇÃO HOJE Desde 1959 a instituição já passou por várias revitalizações. Em 2008, atendendo a uma solicitação de mercado, constituiu um novo organograma, que contempla duas grandes áreas : A SATCEDU e a SATCTEC. Fazem parte da SATCEDU: a) Escola Educacional Técnica Satc EDUTEC: oferece educação básica do ensino fundamental ao médio e educação profissional técnica de nível médio e pós-técnico, por meio dos cursos de Informática Industrial, Eletromecânica, Eletrotécnica, Meio Ambiente, Secretariado, Design, Cerâmica Artística Artesanal, Eletrônica, Mineração, Mecânica, Projetos Mecânicos, Plástico, Metalurgia e Gestão Empreendedora, Segurança do Trabalho, Química, Automobilística e pós-técnico em Usinagem. Mais de quatro mil alunos fazem parte da Edutec. b) Extensão Satc: contempla Educação Executiva, esta tem como objetivo promover estratégias e ações de educação empresarial e corporativa voltadas para o aumento da competitividade do setor empresarial; Capacitação Empresarial, que auxilia as empresas no sentido de aprimorar a qualificação técnica e humana de seus colaboradores, bem como da comunidade, por meio de cursos de qualificação

10 10 profissional de nível básico nas áreas de Mecânica, Elétrica, Informática, Eletrônica, Gestão Empresarial, Meio Ambiente, Educacional, Comunicação e Expressão, Segurança no Trabalho, Gestão de Pessoas, entre outros; Educação à Distância, atendendo via internet os mais diversos públicos, oferecendo flexibilidade no horário de estudos, autonomia e ritmo próprio de aprendizado; Desenvolvimento de Ações Comunitárias, como o projeto Satc para Todos, que desde 2005 promove cursos gratuitos em comunidades com vulnerabilidade social da região carbonífera. c) Faculdade Satc: atua no ensino superior com cursos de Graduação e Pósgraduação, e tem seu principal enfoque nas áreas tecnológicas. Busca promover uma formação que contemple sintonia entre as questões técnicas e humanas, contribuindo de forma significativa para o cumprimento da missão da SATC por meio do ensino e da pesquisa. São cerca de mil e duzentos acadêmicos que recebem uma formação completa nos cursos de graduação em Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações, Tecnologia em Manutenção Industrial, Tecnologia em Automação Industrial, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Jornalismo e Design Gráfico, além dos cursos de Pós-graduação. Fazem parte da SATCTEC: a) Laec, Laqua e Lametro: São laboratórios que possuem a certificação NBR ISO 9001:2000 e oferecem acompanhamento técnico às empresas e instituições. O Laboratório de Metrologia (Lametro) realiza trabalhos de calibração, o Laboratório de Análises e Ensaios de Carvão (Laec) análises e ensaios de carvão e o Laboratório de Análises Químicas e Ambientais (Laqua) análises de águas e efluentes. b) Centro Tecnológico de Carvão Limpo (CTCL): O CTCL tem por objetivo atuar na condução do desenvolvimento de pesquisa em tecnologias de utilização sustentável do carvão mineral. O principal foco será o desenvolvimento de tecnologias limpas para a utilização do carvão mineral na geração de energia, visando à atenuação da emissão de gases causadores do chamado efeito estufa. Este Centro conta, ainda, com as áreas de mineração, geologia e meio ambiente

11 11 especialmente suportando o Programa de Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera do Sul de Santa Catarina. O CTCL procurará desenvolver e utilizar tecnologias que possibilitem a sustentabilidade do meio no qual está inserido e nas áreas em que atua, incluindo a captura e o armazenamento geológico de carbono, que é estratégico para o desenvolvimento do setor carbonífero. A área inicial do CTCL será de 220 mil m², com 12 mil m² de área, em um investimento de cerca de 25 milhões de reais. Sua estrutura física começou a ser construída em O Centro Tecnológico contará com o CEDRIC Centro de Documentação e Rede de Informação do Carvão. Corresponde a um centro de referência em publicações, cujo acervo traz as mais variadas informações sobre os aspectos da atividade carbonífera. O CEDRIC é uma biblioteca que trabalha com três meios de suportes: virtual, digital e físico. Além disso, dispõe de um serviço de resposta técnica,que procura sanar as dúvidas do público. O CTCL será o centro de inteligência de pesquisa e desenvolvimento do setor carbonífero nacional. c) Incubadora: A Pré-Incubadora de Base Tecnológica da SATC (PRINTEC- SATC) deve prover ferramentas de apoio institucional a propostas e idéias promissoras e com viabilidade mercadológica que possam evoluir para futuros negócios e empreendimentos a serem abrigados em incubadoras de empresas. Tem como objetivo apoiar os empreendedores que têm uma idéia, sabem como viabilizála, mas ainda não detêm as condições necessárias para o início imediato do seu empreendimento e necessitam de treinamento e orientação para a elaboração de seu Plano de Negócios. Setores produtivos do plástico, metal-mecânico, elétrico, cerâmico, mineração especificamente de carvão, vestuário, tecnologia de informação, mobiliário e de serviços são as áreas preferenciais de atuação. A missão da Satc é Oportunizar a mobilidade social por meio da educação e tecnologia, contribuindo para a formação de cidadãos e do desenvolvimento sustentável do país. Procurando cumprir os seus objetivos e atuando como entidade comprometida socialmente, a Satc se mantém atenta a todas as transformações e inovações no campo da educação. Dessa forma, busca acompanhar eficientemente

12 12 o processo cultural e tecnológico, valorizando o ser humano. Prova disso, são as mais de seis mil matrículas que ocorrem a cada ano, comprovando a excelência do ensino oferecido pela Satc. Os alunos carentes, matriculados nos diversos cursos oferecidos, recebem bolsas de estudos e outros auxílios. A entidade oferece ainda atendimento odontológico, técnico de enfermagem, profissional de psicologia e assistência social para todos os alunos e colaboradores. Oferece para colaboradores, alunos e pais uma Unidade de Idiomas (UDISATC), proporcionando o ensino da língua inglesa e italiana a baixo custo, complementando a qualificação e sendo um diferencial para a empregabilidade. Todas as ações, principalmente as pedagógicas, procuram conscientizar os estudantes da importância e do compromisso social com a comunidade, compromisso este que a indústria carbonífera assumiu quando criou a Satc. Muitos projetos e iniciativas fazem com que os alunos reflitam sobre valores como comprometimento, ética, cidadania e respeito a natureza. A instituição também possui um setor de Meio Ambiente, vinculado diretamente à direção executiva, voltado à preservação ambiental da região carbonífera de Santa Catarina. Colabora, através de ações, para a melhoria da qualidade de vida das populações, atua no desenvolvimento de tecnologias e processos na área ambiental, produção, distribuição e difusão de produtos de educação ambiental e desenvolvimento de processos e treinamento na área ambiental e de gestão. Por meio de um Sistema de Gestão Ambiental desenvolvido por este setor, a instituição adotou uma política ambiental e criou ações para controle e gestão dos impactos ambientais, como implantação do Sistema de Tratamento de Efluentes, programa de coleta seletiva e programa de conservação de energia. Diante disso, a Satc recebeu em 2008 a recomendação para a certificação a ISO 14001, tornandose a primeira instituição de ensino de Santa Catarina e quarta no país a receber esta qualificação. Em qualquer país, a Satc será conhecida como uma instituição que possui credibilidade ambiental, e pode ter acesso facilitado a recursos, seguros e financiamentos.

13 PRINCÍPIOS NORTEADORES DA INSTITUIÇÃO Missão Oportunizar a mobilidade social por meio da educação e da tecnologia, contribuindo para a formação de cidadãos e do desenvolvimento sustentável do país Visão A SATC quer ser referência em educação e tecnologia com Responsabilidade Social até Política da Qualidade Desenvolver uma cultura organizacional baseada no Sistema de Gestão, objetivando a eficácia e melhoria contínua. Atender aos requisitos regulamentares e necessidades dos clientes, aplicáveis à educação básica, profissional e superior, bem como a prestação de serviços Negócio Educação e Tecnologia

14 FACULDADE SATC A Faculdade SATC foi criada com a missão de educar para a sociedade contemporânea, que convive com a tecnologia. Possuindo todo um aparato educacional e tecnológico, a Faculdade SATC pretende formar profissionais qualificados, que é a maior exigência e procura das empresas de grande porte. Além disso, o objetivo final é oferecer ao mercado de trabalho, verdadeiros agentes de transformação da sociedade industrial atual. O credenciamento da Faculdade SATC deu-se através da Portaria Ministerial nº publicado no Diário Oficial da União em 28 de novembro de Atualmente, são cerca de mil e duzentos acadêmicos que recebem uma formação completa nos cursos de graduação em Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações, Tecnologia em Manutenção Industrial, Tecnologia em Automação Industrial, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Jornalismo e Design Gráfico, além dos cursos de Pós-Graduação Bases Legais A Faculdade SATC foi credenciada pela Portaria Ministerial publicado no Diário Oficial da União em 28 de novembro de 2003.

15 15 2 CONCEPÇÃO DO CURSO No mundo contemporâneo, a nova ordem econômica, as alterações na relação trabalho-capital, a modernização dos sistemas produtivos, o volume crescente e disponível de conhecimentos científicos e tecnológicos, as novas concepções de administração das organizações, a facilidade de acesso às informações, a eliminação das barreiras entre mercados, entre outros aspectos, constituem-se, fatores determinantes no redimensionamento das exigências do consumidor de bens e de serviços e, ao mesmo tempo, no redimensionamento dos níveis de competitividade entre aqueles que os produzem. A velocidade das transformações em todo o mundo e a expansão do conhecimento nas últimas décadas vem impondo às instituições de ensino o desafio de preparar as novas gerações para atuar numa sociedade globalizada e em constante processo de mudanças. Neste contexto, novos desafios se colocam frente às instituições de ensino, e para adaptarem-se a esse futuro, as instituições precisam permanentemente, atualizar seus currículos, conciliando o melhor de sua experiência com inovações fundamentadas nas exigências das oportunidades do mercado de trabalho. Tal realidade exige a construção de conhecimento e profissionais competentes, teorizados, criativos e críticos para fazer frente ao impacto do avanço tecnológico, da mudança de postura social, das reestruturações, das relações proporcionadas pela globalização A atualidade da história da educação superior se traduz em tarefa de alto grau de complexidade, em formulação de um Projeto Pedagógico de Curso que proporcione conhecimentos básicos e tecnológicos, significativos, que garanta a presença dos valores humanísticos e das relações interpessoais, e possibilite desenvolver os preceitos do empreendedorismo. O Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial tem fundamental importância no processo de capacitação de recursos humanos, não só para indústria regional, como também para atender as necessidades da indústria

16 16 brasileira, constituindo-se de poderosa alavanca para o desenvolvimento tecnológico, econômico e social do país. O tecnólogo em automação industrial é um profissional capaz de atender as exigências das diversas áreas da indústria que buscam qualidade, produtividade e competitividade, estando este profissional qualificado para projetar sistemas automatizados, instalar equipamentos, gerenciar processos e pessoas, planejar e executar a manutenção de sistemas industriais. 2.1 BASE LEGAL Resolução CNE/CP Nº3 de 18 de Dezembro de 2002 (Institui Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para o funcionamento dos cursos superiores de tecnologia). Portaria MEC nº 10, de 28 de julho de Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologias. 2.2 OFERTA DO CURSO Denominação: Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Dados do Responsável pela Elaboração do Projeto: Roderval Marcelino Joelma Rodrigues Patrício da Silva Regime de Matricula: Crédito Periodicidade letiva: Semestral Total de vagas semestrais: 40 Turno de funcionamento: Noturno Carga horária total: 3045 h Coordenador do curso: Roderval Marcelino Prazo de integralização da carga horária: Sete Semestres. Limite mínimo: Sete Semestres Limite máximo: Catorze Semestres

17 OBJETIVOS DO CURSO O curso de Tecnologia em Automação Industrial tem por objetivo promover uma educação para o desenvolvimento tecnológico, assegurando a formação de profissionais de nível superior capazes de identificar problemas e intervir nos processos de modernização da produção propondo mudanças com vista às soluções nos processos de automação industrial, levando em consideração a interação com a sociedade em geral e o sistema produtivo Objetivos Específicos: Formar profissionais de nível superior para atuação na área de automação industrial com capacidade para: Assegurar a elevada qualidade dos profissionais formados, de modo que eles possam contribuir decisivamente para o desenvolvimento das empresas. Garantir quantitativa e qualitativamente, os serviços prestados, de forma que os mesmos atendendo as necessidades da empresa, satisfaçam plenamente as exigências dos clientes. Executar operações técnicas com aplicação prática do conteúdo teórico e acompanhamento de pesquisa tecnológica. Fortalecer as organizações que já utilizam processos de automação, e manufatura ou que venham a utilizá-la. Contribuir, de forma efetiva, para a capacitação das organizações clientes, mas também para a sua maior capacitação tecnológica. Atender o mercado de trabalho por meio de recursos humanos capazes de intervir nos processos de modernização da produção, visando incrementar a produtividade.

18 CONTEXTO REGIONAL E INSERÇÃO NA COMUNIDADE Criciúma é o maior município do Sul Catarinense, possui habitantes (est. IBGE/2007). O potencial carbo-energético incontestável, o mais estruturado parque cerâmico da América Latina, a indústria de confecção, a liderança no País na produção de materiais plásticos descartáveis, além de vários setores que colocam seus produtos no competitivo mercado internacional, consolidam a posição de Criciúma como pólo regional e referência nacional. Criciúma é conhecida por ser a Capital Brasileira do Carvão e do Revestimento Cerâmico. No seu subsolo abriga uma das maiores reservas minerais do País. As cerâmicas de revestimentos passaram a florescer na região, juntamente com toda a cadeia produtiva a ela relacionada (matérias-primas, transportes e outros insumos). Grupos empresariais ligados ao carvão e a outros setores passaram a investir no setor, elevando Criciúma à condição de principal pólo nacional de cerâmica de revestimento. Além disso, destacam-se também na cidade, as indústrias de plástico, metalúrgicas, mecânicas e material elétrico, embalagem de papel e papelão, editorial e gráfico, alimentos e bebidas, madeira, móveis e construção civil. Eqüidistante das maiores capitais da América do Sul e grandes centros consumidores do MERCOSUL (São Paulo e Buenos Aires), Criciúma também está localizada às margens da Rodovia Federal - BR_101, em duplicação. Dentro deste contexto, a SATC, procurando cumprir os seus objetivos e atuando como entidade comprometida socialmente, se mantém atenta a todas as transformações e inovações no campo da educação. Desta forma, busca acompanhar eficientemente o processo cultural e tecnológico, valorizando o ser humano. Compreendendo que a educação superior cumpre uma função estratégica no desenvolvimento sustentável, a SATC constrói formas efetivas de integração entre os diversos níveis de ensino, pesquisa e extensão, buscando privilegiar projetos e programas de maior impacto acadêmico e social, com repercussão de caráter local, regional, nacional e internacional.

19 19 Todas as ações, principalmente as pedagógicas, visam conscientizar os estudantes da importância do compromisso social com a comunidade, compromisso este que a indústria carbonífera assumiu quando criou a SATC. Muitos projetos e iniciativas fazem com que os alunos reflitam sobre valores como comprometimento, ética, cidadania e respeito à natureza. O propósito dessa necessária e oportuna inserção da SATC em sua comunidade e em sua economia, pode-se afirmar que a melhor forma de contribuir e de se inserir em sua região, da perspectiva de sua missão, ainda é formar bons profissionais e cidadãos conscientes, portadores de uma cultura aberta à inovação, à criatividade, à iniciativa, ao espírito crítico, como empregadores ou como empregados. Essa cultura é desejável independentemente das posições ocupadas na estrutura social e econômica. Por essa razão, o caminho da Faculdade SATC é o da educação transformadora, para a tecnologia, para o desenvolvimento de competência gerencial e capacidade empreendedora, para o desenvolvimento do seu potencial, para a formação de quadros qualificados capazes de transformar a cultura e a economia. Tabela 1 Municípios do Sul do Estado de Santa Catarina AMESC AMUREL AMREC Araranguá Baln. Arroio do Silva Balneário Gaivota Ermo Jacinto Machado Maracajá Meleiro Morro Grande Passo de Torres Praia Grande Santa Rosa do Sul São João do Sul Sombrio Timbé do Sul Turvo Fonte: Armazém Braço do Norte Capivari de Baixo Grão Pará Gravatal Imaruí Imbituba Jaguaruna Laguna Pedras Grandes Rio Fortuna Sangão Santa Rosa de Lima São Ludgero São Martinho Treze de Maio Tubarão Cocal do Sul Criciúma Forquilhinha Içara Lauro Muller Morro da Fumaça Nova Veneza Orleans Siderópolis Treviso Urussanga

20 20 A Faculdade SATC recebe alunos de praticamente todos os municípios do Sul do Estado. O Sul do Estado de Santa Catarina compreende 43 municípios com uma população estimada em 900 mil habitantes, com cerca de 500 mil em áreas urbanas e divide-se em três microrregiões conforme pode ser visto na tabela FORMAS DE INGRESSO A Faculdade SATC possibilita ao futuro acadêmico escolher a modalidade de ingresso que melhor se encaixa em sua situação. São elas: Vestibular Nesta forma de ingresso o candidato fará uma prova vocacionada, com 45 questões de múltipla escolha e 01 redação Transferências O ingresso ocorre quando os alunos regularmente matriculados são provenientes de curso de graduação de outra instituição de Ensino Superior Disciplinas Isoladas Poderão matricular-se em Disciplina Isolada, interessados que possuem Certificado de conclusão do Ensino Médio ou Técnico, sendo que o ingresso estará condicionado à existência de vaga na disciplina.

21 PROUNI É um programa do Ministério da Educação, criado pelo Governo Federal em 2004, que oferece bolsas de estudos em instituições de educação superior privadas, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, a estudantes brasileiros de baixa renda sem diploma de nível superior. 2.6 PERFIL DO EGRESSO O curso superior de Tecnologia em Automação Industrial deverá formar profissional que reúna dentre outras competências, conhecimento universal, técnico, científico, polivalência e capacidade crítica. O tecnólogo deverá apresentar a capacidade de reconhecer problemas e solucioná-los, ter amplos conhecimentos científicos, consciência ambiental, capacidade de comunicar suas ideias e seus projetos, conhecimentos de gerência e de relações humanas. Propor intervenções no processo de automação industrial, visando a sua otimização, com racionalização de recursos e consequente aumento da produtividade. Analisar o processo como um todo; Identificar os problemas que interferem no processo; Apresentação de soluções. Utilizar os recursos e técnicas da informática para gestão de processos produtivos, criação de produtos, definição de processos de fabricação, e controle de máquinas e equipamentos. Realizar o recebimento, projetar, montar, fazer testes e acompanhar a instalação de máquinas e de sistemas automatizados. Analisar as especificações técnicas; Planejar as atividades; Utilizar de ferramentas, instrumentos de medição e equipamentos; Gerenciar, coordenar e assistir tecnicamente profissionais que atuam em automatização de processos.

22 22 Assessorar equipes de engenharia na operacionalização e manutenção de processos produtivos. Projetar, montar, analisar e testar dispositivos e sistemas; Adequar os materiais, componentes e equipamentos especificados a disponibilidade de mercado; Elaborar desenhos de estruturas mecânicas utilizadas para suportar os equipamentos e/ou componentes para automação de processos. Prestar assistência técnica aos setores de compra e/ou vendas. Especificar materiais, componentes e equipamentos para sistemas automatizados; Analisar propostas de fornecimento; Participar no processo de homologação de componentes de equipamentos e sistemas; Fornecer assistência ao setor de vendas, através de informações técnicas ao cliente; Acompanhar o processo de instalação e entrega técnica das máquinas, equipamentos ou sistemas. Realizar estudos sobre organização, simplificação e otimização do trabalho, segundo técnicas de melhoria de qualidade e produtividade; Definir arranjos físicos de oficinas, laboratórios ou postos de trabalho; Utilizar normas e colaboração na elaboração de procedimentos de produção, testes, inspeção e manutenção; Participar na elaboração de manual da Qualidade; Propor medidas necessárias ao aperfeiçoamento das atividades de produção, sistemas da qualidade e melhoria das condições ambientais. 2.7 ARTICULAÇÕES DO PPC COM PPI/PDI O projeto de um curso é a uma das oportunidades de mudar e transformar a realidade existente, dar mobilidade social através da educação e da tecnologia aos discentes é uma chance única de contribuir para a formação de cidadãos e colaborar

23 23 com o desenvolvimento sustentável do país em oposição a ações imobilistas e hegemônicas. O Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial, concebido á luz das mudanças tecnológicas e sociais, está sendo construído a partir das reflexões produzidas à partir da prática, sendo, portanto, flexível e aberto; numa concepção dialógica em que alunos, comunidade e equipe docente discutem resultados e consensos e, dessa forma, democrático. Caso não contribua para esse sentido, considerando a responsabilidade que lhe cabe, o curso estaria se omitindo ou contribuindo para o incremento de problemas. Por defender a sustentação de suas ações em valores éticos, o curso quer, contra a omissão e contra o aumento dos problemas, firmar sua posição como responsável por benefícios à comunidade, como é esperado de uma instituição capaz de interagir com o contexto que a mantém. O PPC encontra-se articulado com o PPI e com o PDI na medida em que atende a política da Instituição para os cursos superiores, que se caracteriza pelo compromisso com uma educação integral. Deseja-se que além das habilidades intelectuais, nossos acadêmicos desenvolvam habilidades emocionais, sociais, éticas, estéticas, físicas e politécnicas. Para enfrentar este desafio pretende-se assumir uma proposta pedagógica que possa auxiliar e produzir uma educação integral, que transcenda os modelos curriculares ainda dominantes. Esses elementos servem como base para a formação de agentes de grandes transformações.

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CONVÊNIO COM O SENAI Matriz Curricular válida para os acadêmicos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL CRICIÚMA SC ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: AGOSTO DE 2011 Carlos Antonio Ferreira Diretor da Faculdade SATC Kelli Savi da Silva Coordenadora Acadêmica

Leia mais

Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Introdução à Engenharia de Controle e Automação Introdução à Engenharia de Controle e Automação O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FACIT Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL SATC - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DA INDÚSTRIA CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL CRICIÚMA SC 2008 0 Projeto Pedagógico Institucional Aprovado pelo Conselho Superior em 11 de dezembro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 75/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de do Centro

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru Projeto Pedagógico e Estrutura Curricular Missão do Curso de Engenharia Elétrica da FE/Unesp/Bauru A formação continuada de Engenheiros

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED 1º MED DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Especificação de elementos que compõem projetos; técnicas de desenho técnico e de representação gráfica correlacionadas com seus fundamentos matemáticos e geométricos;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2013 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletrônica Digital I... 5 Componente Curricular: Eletricidade

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2009 2013

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2009 2013 SATC - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DA INDÚSTRIA CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2009 2013 CRICIÚMA SC 2008 0 APRESENTAÇÃO Na busca por melhorias na organização administrativa

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS CULTURA RELIGIOSA O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano, da cultura e da sociedade. As principais religiões universais: história

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 50/2014-CONSUNIV Aprova ad referendum a reformulação do Projeto Pedagógico do

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 50/2014-CONSUNIV Aprova ad referendum a reformulação do Projeto Pedagógico do UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 50/2014-CONSUNIV Aprova ad referendum a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia de, Bacharelado, de oferta regular

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 147/2012, que altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cód. Disciplina Prérequisitos Carga Horária

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 96/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de Energias

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO PLANO TRABALHO DOCENTE 2º SEMESTRE 2013 1 Sumário 2º Módulo Componente Curricular: Instrumentação Aplicada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

MANUAL DISCENTE 2012

MANUAL DISCENTE 2012 MANUAL DISCENTE 2012 SUMARIO 1. Apresentação da Instituição 02 2. Organização Institucional 03 3. Missão, Visão, Princípios e Valores 04 4. Procedimentos Acadêmicos 05 5. Estágio Supervisionado e Trabalho

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: ELETRICISTA INSTALADOR PREDIAL DE BAIXA TENSÃO - PRONATEC 224 horas ÁREA: ENERGIA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

Titulação: Mestre em Ciência, Inovação e Modelagem em Materiais. PLANO DE CURSO

Titulação: Mestre em Ciência, Inovação e Modelagem em Materiais. PLANO DE CURSO CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Automação Industrial Aplicada a Engenharia de Produção Código: CH Total: 72 Aulas / 60

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2014 1 Conteúdo 1º Módulo Componente Curricular: Eletricidade Básica... 4 Componente Curricular: Eletrônica

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS CRICIÚMA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Controladores

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

SALA DE REUNIÕES DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS, em Manaus, 19 de março de 2013. JOSÉ ALDEMIR DE OLIVEIRA Presidente

SALA DE REUNIÕES DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS, em Manaus, 19 de março de 2013. JOSÉ ALDEMIR DE OLIVEIRA Presidente UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N.º 18/2013 - CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia de Controle e Automação, bacharelado, oferecido em Manaus e

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-479/2012,

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 1º Sem. 2014 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletricidade Básica... 4 Componente Curricular: Eletrônica

Leia mais

TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO

TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO LÍNGUA PORTUGUESA I 1. Compreensão e interpretação de textos. 2. Tipologia textual. 3. Ortografia oficial.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 90/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Relações Públicas, Bacharelado,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013 Curso de Bacharelado em Engenharia Elétrica Vagas no Vestibular: 40 (quarenta) regime semestral

Leia mais

Engenharia da Computação Relação das Disciplinas do Currículo Pleno

Engenharia da Computação Relação das Disciplinas do Currículo Pleno Engenharia da Computação Relação das s do Currículo Pleno O curso de Engenharia de Computação apresenta o seguinte currículo pleno, distribuído em 9 períodos letivos. 4 º Período 3 º Período 2 º Período

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE)

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE) Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Núcleo Docente Estruturante (NDE) 20/05/2015 Agenda 1 2 3 4 5 6 Introdução e Motivação Resultados da

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOÓGICA DE PELOTAS CNPJ 88288105000139 Nome da Unidade Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas Nome de Fantasia CEFET-RS Esfera Administrativa Federal Endereço Praça

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO (De acordo com a Resolução CNE/CEB nº 4/99, atualizada pela Resolução CNE/CEB nº 1/05, e pela Resolução CNE/CEB

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MODALIDADE MECÂNICA, COM ÊNFASE EM AUTOMOBILÍSTICA, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino,

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

SATC - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DA INDÚSTRIA CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014 2018

SATC - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DA INDÚSTRIA CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014 2018 SATC - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DA INDÚSTRIA CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014 2018 CRICIÚMA SC DEZEMBRO DE 2013 1 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

SENAI - Educação profissional

SENAI - Educação profissional www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/unindustria/2013/11/1,29083/senai-educacao-profissional.html 21 de Novembro de 2013 SENAI - Educação profissional As possibilidades

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Garça FATEC - Garça PLANO DE ENSINO. Curso: Tecnologia em Produção Disciplina: Sistemas Eletro-Eletrônicos Ano: 2009

Faculdade de Tecnologia de Garça FATEC - Garça PLANO DE ENSINO. Curso: Tecnologia em Produção Disciplina: Sistemas Eletro-Eletrônicos Ano: 2009 Faculdade de Tecnologia de Garça FATEC - Garça PLANO DE ENSINO Curso: Tecnologia em Produção Disciplina: Sistemas Eletro-Eletrônicos Ano: 2009 Semestre TURNO CARGA HORÁRIA 4 Termo Noturno 72 horas/aulas

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ FACULDADE NETWORK CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ 1 semestre de 2015 DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO Reitoria Entidade Mantenedora Profª Tânia Cristina Bassani Cecilio Mestrado: Educação

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO Mercados dinâmicos demandam profissionais com formação completa e abrangente, aptos a liderarem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS Aprovado no CONGRAD de: 24.09.2013 Retificado no CONGRAD de: 13.05.2014 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/1 CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 CÓD.

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

041 - ETEC PROFESSOR BASILIDES DE GODOY

041 - ETEC PROFESSOR BASILIDES DE GODOY ETEC PROFESSOR BASILIDES DE GODOY São Paulo AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO,

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 81/2011-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 20/06/2011 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 81/2011-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 20/06/2011 I RELATÓRIO: INTERESSADA: ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO - POLI ASSUNTO: RENOVAÇÃO DE RECONHECIMENTO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES RELATOR: CONSELHEIRO ARNALDO CARLOS DE MENDONÇA PROCESSO

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

Prof. Dr. Reinaldo Gonçalves Nogueira Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Diretor

Prof. Dr. Reinaldo Gonçalves Nogueira Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Diretor À PROGRAD: Prof.ª Sandramara Matias Chaves Goiânia, 22 de Novembro de 2013 Em reunião no dia 22 de Novembro de 2013, o Conselho Diretor da EMC, aprovou a alteração do Anexo 1 da Resolução CEPEC 765/2005,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo

Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Automotivos CATÁLOGO - Informações Acadêmicas - SÃO PAULO - SP SENAI Serviço Nacional De Aprendizagem

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CST SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: Algoritmo e Programação I A disciplina aborda o estudo de algoritmos, envolvendo os conceitos fundamentais: variáveis, tipos de dados, constantes,

Leia mais

I RELATÓRIO: II ANÁLISE:

I RELATÓRIO: II ANÁLISE: INTERESSADA: ESCOLA TÉCNICA PERNAMBUCANA DE PAULISTA PAULISTA/PE ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA, DO CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL E DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA EIXO TECNOLÓGICO:

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas, exponenciais

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais